FATURAS DE ÁGUA COM TRANSPARÊNCIA Entenda as cobranças da CEDAE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FATURAS DE ÁGUA COM TRANSPARÊNCIA Entenda as cobranças da CEDAE"

Transcrição

1

2 FATURAS DE ÁGUA COM TRANSPARÊNCIA Entenda as cobranças da CEDAE ÍNDICE I- Tarifa mínima I.I- Tarifa mínima multiplicada pelo número de economias II- Consumo medido II.I- Tarifa progressiva III- Tarifa média III.I- Média apurada III.II- Média projetada IV- Tarifa de esgotamento sanitário IV.I- Barra da Tijuca, Recreio, Vargem Grande e Grande Jacarepaguá IV.II- Campo Grande, Bangu, Santa Cruz e demais Bairros da Zona Oeste

3 I- Tarifa mínima A tarifa mínima é o valor básico que todo o consumidor deve pagar à CEDAE, pelo simples fato de ter o serviço a sua disposição, independente da quantidade de água que realmente consuma e seja efetivamente apurada em seu hidrômetro. Isto ocorre pois a CEDAE não produz água. Na verdade, ela capta a água existente na natureza, transporta até uma estação de tratamento, trata-a até que esteja potável e realiza o transporte até os imóveis que ela presta o serviço de abastecimento de água. O valor desta tarifa mínima é o equivalente a 15 m³ de água, ou seja, litros de água, isso quer dizer que mesmo que um imóvel consuma em uma mês, por exemplo, cinco mil litros de água, será obrigado a pagar o valor mínimo, correspondente a quinze mil litros, por ser este o valor estipulado para garantir o bom funcionamento do sistema, chamado de custo da operação. Esta tarifa encontra-se devidamente prevista na legislação federal e estadual, encontrando-se também amparada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e pelo Superior Tribunal de Justiça.

4 I.I- Tarifa mínima multiplicada pelo número de economias Apesar da legalidade da tarifa mínima, a CEDAE vem utilizando-se de um método próprio, diferente do que determina a legislação para aumentar astronomicamente a sua arrecadação, prejudicando financeiramente diversos consumidores, sobretudo aqueles que residem em condomínios. Este critério se dá por um equivocado entendimento da CEDAE de que, apesar de haver um único hidrômetro instalado instalado em um edifício (na maioria das vezes), antes de se verificar a correta medição do consumo, deve-se multiplicar o número de unidades autônomas no condomínio pela tarifa mínima para apurar o quanto no mínimo deverá ser cobrado do consumidor. Por exemplo, suponha-se que um condomínio possua 50 apartamentos. Como anteriormente já dito, a tarifa mínima representa 15 m³ de água, de forma que o volume mínimo que a CEDAE cobraria deste condomínio seria 750 m³ de água.

5 I.I- Tarifa mínima multiplicada pelo número de economias Por esta razão, caso haja neste condomínio o interesse em reduzir seus gastos economizando, por exemplo, no uso da água, e ele em um mês utilize apenas 600 m³, de nada adiantará, pois será cobrado o valor equivalente a um consumo de 750 m³ de água. Se formos levar em consideração que o chamado custo da operação refere-se às despesas que a CEDAE tem com a distribuição de água pelos seus dutos até chegar à casa do consumidor, deveria ser cobrado apenas o referente a uma unidade de consumo, pois utiliza-se somente um caminho para a chegada da água no imóvel. Esta medida, claramente incentiva o desperdício da água, uma vez que retira do consumidor qualquer vantagem que ele tenha em economizar, já que será sempre cobrado por mais do que realmente utiliza.

6 II- Consumo medido Esta é a modalidade de cobrança ideal para todos, tanto para o consumidor quanto para a CEDAE, pois o principal fator levado em consideração para o faturamento da cobrança é o volume de água efetivamente consumido pelo imóvel. Ou seja, Se um imóvel utiliza 18m³ de água, pagará exatamente o valor equivalente a 18m³, sendo portanto a modalidade de cobrança mais justa a ser empreendida pelas concessionárias de serviço público.

7 II.I- Progressiva tarifária Tendo em vista o evidente benefício da cobrança baseada no volume efetivamente medido no hidrômetro, em alguns casos o mesmo se apresenta demasiadamente oneroso ao consumidor. É o caso da progressividade tarifária. Visando atribuir um uso racional da água, evitando assim o desperdício por parte dos consumidores, foi instituído no âmbito da legislação federal um sistema intitulado de faixas de consumo, que tem como objetivo onerar aqueles que utilizam mais água do que entendido como devido. Como isto ocorre? Foi criada uma tabela onde se delimitaram cinco faixas de consumo em que são aplicados fatores de multiplicação diferenciados para elevar os valores das faturas emitidas pela CEDAE, da seguinte forma:

8 II.I- Progressiva tarifária Faixas de consumo Progressividade Percentual de aumento 0m³ à 15m³ R$ 2, m³ à 30m³ R$4, % 31m³ à 45m³ R$6, % 46m³ à 60m³ R$12, % Acima de 60m³ R$16, %

9 II.I- Progressiva tarifária O que isto significa? Significa que quanto mais água um imóvel utiliza, além de sua conta ficar mais cara pelo volume de água que usa ser maior, poderá ficar ainda mais cara por cada faixa de consumo que ultrapassar. Por exemplo. Se um imóvel utiliza 38m³ de água em um único mês, seu faturamento ocorrera da seguinte forma: 0m³ à 15m³ = R$31,83 16m³ à 30m³ = R$70,04 31m³ à 38m³ = R$50,95 TOTAL = R$152,82

10 II.I- Progressiva tarifária Isto se da para coibir o uso indiscriminado da água pelos consumidores e esta modalidade de cobrança esta respaldada pela Lei /2007, bem como pelo Superior Tribunal de Justiça na Sumula 407. Observação: Cabe destaque uma situação inusitada que insurge da analise das duas tarifas até agora apresentadas. Se nossas leis e nossos tribunais superiores encontram-se tão preocupados com o Se nossas leis e nossos tribunais superiores encontram-se tão preocupados com o uso racional da água a ponto de criar uma faixa de progressividade para coibir as pessoas a utilizarem menos água, porque o critério da tarifa mínima multiplicada pelo número de economias pune os condomínios que economizam e premiam aqueles que mais gastam?

11 III.I- Média apurada Isto pode ocorrer quando o imóvel encontra-se desabitado, o funcionário da CEDAE não encontra nenhum morador para permitir seu ingresso no imóvel, ou ainda devido a condições climáticas que impossibilitem uma leitura precisa. Nestes casos, a concessionária apura a média das últimas doze faturas para fazer um calculo estimado de qual é a média de gastos do imóvel, realizando aí suas cobranças. Há duas hipóteses que devem ser levadas em consideração quando da adoção desta modalidade de cobrança. Se a apuração se der em valor menor do que o realmente gasto pelo imóvel, no mês seguinte, caso seja realizada a medição normalmente, a diferença será verificada e cobrada na próxima fatura, não havendo prejuízos à concessionária.

12 III.I- Média apurada Contudo, esta diferença, que deveria ter incidido no mês anterior, poderá gerar uma mudança de faixa de consumo fazendo incidir indevidamente a progressividade tarifaria no imóvel. Outra hipótese é se o registro apurado pela média for maior do que o devidamente gasto, e no mês seguinte o restante apurado seja inferior a tarifa mínima. Nesta situação, o consumidor em um mês pagou mais do que consumiu e no mês seguinte, quando houve a compensação, ainda teve que pagar a tarifa mínima, quando na verdade o que aconteceu foi uma antecipação da cobrança.

13 III.II- Média projetada Outra situação em que não se pode aferir o real consumo pelo hidrômetro é no caso de o mesmo ter apresentado alguma avaria e ter necessitado de reparos ou ainda de ser substituído. Imaginemos a seguinte situação, uma imóvel possui período de faturamento compreendido entre os dias 23 e 22 de cada mês, ou seja, a fatura com vencimento no mês de abril reflete a apuração do hidrômetro no período compreendido entre os dias 23 de fevereiro ate o dia 22 de março. Desta forma, caso o hidrômetro apresente algum defeito e precise ser reparado, ou substituído, por exemplo no dia 15 de março, tem-se que toda a medição apurada no período anterior a esta data não pode ser confiável, uma vez o aparelho encontrava-se defeituoso.

14 III.II- Média projetada Por esta razão, ao faturar a cobrança deste período, a CEDAE procede da seguinte forma: Fatura-se o volume de água utilizado tão somente no período em que o hidrômetro encontrava-se em perfeito funcionamento, ou seja, entre os dias 16 à 22 de março (7 dias), projetando-se este volume para os outros dias em que a medição não é confiável. Por fim, uma vez projetado o volume a ser cobrado, é aplicado pela concessionária a tarifa vigente, respeitando-se o critério de progressividade.

15 IV- Tarifa de esgotamento sanitário Inserido na fatura de fornecimento do serviço de água prestado pela CEDAE, à mesma insere cobrança destinada a prestação do serviço de esgotamento sanitário. Este custo reflete na projeção do volume de água como se o mesmo representasse com exatidão o volume de esgoto produzido pelo imóvel, de tal forma que a cobrança do aludido serviço simplesmente dobra o valor da fatura de água emitida, isso se dá por um entendimento de que toda a água que é consumida no imóvel se torna esgoto. Contudo, apesar de promover a cobrança do chamado serviço de esgotamento sanitário para todos os imóveis a quem serve com o serviço de abastecimento de água, em muitos casos, o serviço de esgotamento sanitário é prestado de forma precária, ou sequer é prestado.

16 IV.I- Barra da Tijuca, Recreio, Vargem Grande e Grande Jacarepaguá Isto ocorre, principalmente nas regiões da Barra da Tijuca, Recreio, Jacarepaguá e adjacências, onde a estrutura para a prestação do serviço encontra-se em construção. Ou seja, em que pese a CEDAE não ter até a presente data concluído as obras de instalação de sua rede de esgotamento sanitário nesta região, a mesma já promove as cobranças pelo aludido serviço, caracterizando-se como ilegal e abusiva tal cobrança. Ressalte-se, que em alguns casos, principalmente quanto a alguns condomínios desta região, o serviço de esgotamento sanitário é realizado através de sistema próprio construído nas edificações, ou ainda, por empresas terceirizadas as expensas do consumidor, sem contudo haver o afastamento da cobrança pela CEDAE.

17 IV.II- Campo Grande, Bangu, Santa Cruz e demais Bairros da Zona Oeste Já no restante da Zona Oeste, região esta denominada pela CEDAE de Área de Planejamento Cinco (AP5), o serviço de esgotamento sanitário é prestado de maneira extremamente precária. Isto porque, a CEDAE utiliza-se das Galerias de Águas Pluviais, de propriedade do Município, para captar o esgoto sanitário dos imóveis sendo os mesmos, após misturados a água das chuvas, lançados sem nenhum tratamento no corpo hídrico da região (rios, lagos, lagoas e mar). Apesar disto, a CEDAE cobra pelo serviço de tratamento de esgoto, contudo, não promove nenhum tratamento, limitando-se a se livrar dos dejetos poluindo rios e lagos do município. Nestes casos, pode o usuário dos serviços buscar a tutela do Judiciário para ver cancelada as cobranças emitidas sem a prestação do serviço, e ainda, ter a devolução dos valores pagos indevidamente.

18 Colocamo-nos à disposição para o que nos couber. Cordialmente, Belaciano & Advogados Associados Copyright Belaciano & Advogados Associados 2012 Todos os direitos reservados

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. ADAIL CARNEIRO) Dispõe sobre a individualização de instalação de hidrômetro nas edificações verticais residenciais e nas de uso misto e nos condomínios

Leia mais

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7

SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 Nº RD e Data de aprovação: PÁGINA : SISTEMA DE NORMAS RD Nº 05/2007 de 18/04/07 1 de 7 CÓDIGO : GECOM/D.C. - 01 TÍTULO DA NORMA : SUBSTITUI : SISTEMA DE MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA 1. PROPÓSITOS: Estabelecer

Leia mais

Fabio Rodrigues Gerente Técnico Techem do Brasil Medição Individualizada de água e gás. Brasil 19 a 21 de outubro de 2009

Fabio Rodrigues Gerente Técnico Techem do Brasil Medição Individualizada de água e gás. Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Fabio Rodrigues Gerente Técnico Techem do Brasil Medição Individualizada de água e gás Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL AGENDA REALIDADE BRASILEIRA MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

Leia mais

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS

INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS INSPEÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA A COBRANÇA DOS ESGOTOS O Daae (Departamento Autônomo de Água e s) está inspecionando os poços artesianos dos estabelecimentos comerciais, industriais

Leia mais

03/12/13 <<< Câmara Municipal de Pomerode >>> Projeto de Lei Complementar (E) nº 280/2013 de 26/11/2013

03/12/13 <<< Câmara Municipal de Pomerode >>> Projeto de Lei Complementar (E) nº 280/2013 de 26/11/2013 Projeto de Lei Complementar (E) 280/2013 de 26/11/2013 Voltar Imprimir Situação: Entrada na Ordem do Dia Trâmite: 26/11/2013 Regime: Ordinário Assunto: Alteração Trâmite do Projeto Autor: Executivo ROLF

Leia mais

SAN.C.IN.NC 06. Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos para a retificação de fatura(s) de água afastamento e tratamento de esgoto.

SAN.C.IN.NC 06. Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos para a retificação de fatura(s) de água afastamento e tratamento de esgoto. 1 / 6 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. CONSIDERAÇÕES GERAIS 6. REFERÊNCIAS 7. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem a finalidade de estabelecer procedimentos

Leia mais

O reuso de água na visão do investidor. Uso da tecnologia e inovação em tempos de falta de recursos. Armando Iazzetta

O reuso de água na visão do investidor. Uso da tecnologia e inovação em tempos de falta de recursos. Armando Iazzetta O reuso de água na visão do investidor Uso da tecnologia e inovação em tempos de falta de recursos Armando Iazzetta 1. O Investidor 2. O Negócio 3. A Importância do Reuso 4. Próximos Passos Odebrecht Properties

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETIVO

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETIVO CONTRATO DE INDIVIDUALIZAÇÃO DE LIGAÇÕES DE ÁGUA EM ATENDIMENTO AO ---------------------- -------------------------- DECORRENTE DO PROTOCOLO SANASA Nº. -------- --------/-------. Pelo presente instrumento

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS POPULARES COM MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA NA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA.

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS POPULARES COM MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA NA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA EM PRÉDIOS POPULARES COM MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA NA CIDADE DO SALVADOR, BAHIA. AUTORES: Engº MSc SÉRGIO RICARDO DOS S. SILVA Engº MSc EDUARDO COHIM SISTEMAS PREDIAIS SUSTENTÁVEIS

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000 CONTRATO ESPECIAL DE FIDELIDADE PARA FORNECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL, COLETA/ AFASTAMENTO E TRATAMENTO DE ESGOTO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO - SANASA CAMPINAS

Leia mais

Medição Individualizada Qualidade e Custos compatíveis - Direito do Cliente -

Medição Individualizada Qualidade e Custos compatíveis - Direito do Cliente - Medição Individualizada Qualidade e Custos compatíveis - Direito do Cliente - Regina Ap. A. Siqueira Superintendente de Planejamento e Desenvolvimento da Metropolitana Sabesp São Paulo - Brasil A Sabesp

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Laércio Oliveira) Institui o Programa Nacional de Conservação, Uso Racional e Reaproveitamento das Águas. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A presente lei tem por

Leia mais

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL A orientação padrão para a elaboração da PROPOSTA DE TARIFA REFERENCIAL DE ÁGUA (TRA) e TARIFA REFERENCIAL DE ESGOTO objetiva propiciar a Comissão:

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO /RJ. CÂMARA DOS DEPUTADOS Deputado Federal AUREO SD/RJ COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 4.447, DE 2012 Dispõe acrescenta novo 2º ao art. 17 da Lei nº 8.245,

Leia mais

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL

Lucro Presumido. Compensação da Cofins com a CSL Lucro Presumido Manifesto pelo Lucro Presumido: Esta opção é formalizada no decorrer do ano- calendário, se manifesta com o recolhimento no mês de abril, correspondente ao primeiro trimestre. A opção do

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL

CONCURSO PÚBLICO FICHA DE RESPOSTA AO RECURSO CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL CARGO: TÉCNICO DA FAZENDA MUNICIPAL QUESTÃO Nº 13 Gabarito divulgado: D Mantemos o gabarito apresentado na alternativa D. A candidata indicou a alternativa correta, ou seja a alternativa D. Recurso improcedente.

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

Metodologia sobre a série de Índices de Aproveitamento do Terreno (IAT)

Metodologia sobre a série de Índices de Aproveitamento do Terreno (IAT) Coordenadoria Geral de Planejamento Urbano CGPU Núcleo de Indicadores Urbanos - NIU Assessoria de Informações Urbanísticas - AIU 18/08/2011 1 Metodologia sobre a série de Índices de Aproveitamento do Terreno

Leia mais

"Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil".

Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil. 1 "Experiências Internacionais de Gestão de Recursos Hídricos: lições para a implementação da Lei sobre Cobrança pelo Uso da Água no Brasil". Autora: Regina Cavini, mestranda do Curso de Desenvolvimento,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INFRAÇÕES PRATICADAS POR USUÁRIOS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA E ESGOTO DE CUIABÁ

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INFRAÇÕES PRATICADAS POR USUÁRIOS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA E ESGOTO DE CUIABÁ PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INFRAÇÕES PRATICADAS POR USUÁRIOS DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE ÁGUA E ESGOTO DE CUIABÁ INTRODUÇÃO O objetivo desse documento é apresentar o Procedimento de Fiscalização da Concessionária

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA

EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA: UMA MANEIRA DE REDUZIR OS CUSTOS COM ENERGIA ELÉTRICA Vanderlei Rodrigues Schneider 1 Wanderlei José Ghilardi 2 Alexandre Pozzatti Guarienti 3 RESUMO Atualmente, com a grande

Leia mais

IPTU: RECLAMAÇÃO E REVISÃO DO LANÇAMENTO

IPTU: RECLAMAÇÃO E REVISÃO DO LANÇAMENTO IPTU: RECLAMAÇÃO E REVISÃO DO LANÇAMENTO Elaborado em 02.2008. José Hable Auditor tributário da Secretaria de Fazenda do Distrito Federal, graduado em Agronomia pela UFPR, Administração de Empresas pela

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA Pelo presente instrumento particular, a A.TELECOM S.A. inscrita no CNPJ/MF sob o nº 03.498.897/0001-13, com sede na Alameda Campinas, 1070

Leia mais

DECRETO Nº 3060 DE 29 DE ABRIL DE 1994

DECRETO Nº 3060 DE 29 DE ABRIL DE 1994 Publicado D.O.E. Em 30/04/1994 DECRETO Nº 3060 DE 29 DE ABRIL DE 1994 Aprova o Regulamento de Serviços da Empresa Baiana de Águas e Saneamento S. A. - EMBASA. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA, NO EXERCÍCIO

Leia mais

I - Insuficiência de Informações

I - Insuficiência de Informações I - Insuficiência de Informações 2 Insuficiência de informações Primeira fase da Audiência Pública Preliminar: Não foram publicados o Plano de Negócios e o Laudo da Base de Ativos da SABESP Informações

Leia mais

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o

5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o 5) COMPROMISSO PARTICULAR DE VENDA E COMPRA E OUTRAS AVENÇAS PARTES CONTRATANTES COMPROMISSÁRIO VENDEDOR:..., brasileiro, solteiro, produtor rural, inscrito no CPF sob o n.... e no RG sob o n...., residente

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de esgoto no DF Ressarcimento de danos Nova Redação: Art.

Leia mais

A Desoneração tributária na Construção Civil

A Desoneração tributária na Construção Civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 06 abril de 2014 Organização:

Leia mais

O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, como vicepresidente

O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, como vicepresidente O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, como vicepresidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Consumidores de Energia Elétrica,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2013 NORMATIZA O ATENDIMENTO E OS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS DAS DEMANDAS DE USUÁRIOS DOS SERVIÇOS DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO - DMAE - QUE VERSEM SOBRE VAZAMENTO

Leia mais

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 LEI Nº 4.247 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003 DISPÕE SOBRE A COBRANÇA PELA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DE DOMÍNIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

Aprenda a calcular corretamente o valor da sua conta de água seguindo as instruções do SAE:

Aprenda a calcular corretamente o valor da sua conta de água seguindo as instruções do SAE: Cálculo da conta SUPERINTENDÊNCIA DE ÁGUA ESGOTO Aprenda a calcular corretamente o valor da sua conta de água seguindo as instruções do SAE: 1 Calcule consumo de água em metros cúbicos (m³) para uma economia

Leia mais

Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD

Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD Versão: 0.1 Local: Recife PE Data: 12/11/2012 Índice Histórico de Revisões... 6 1. Introdução... 7 1.1 Objetivo... 7 1.2 Escopo... 7 2. Permissões Especiais...

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO Água Esgoto

SANEAMENTO BÁSICO Água Esgoto SANEAMENTO BÁSICO Água Esgoto Direitos e Deveres do Usuário Publicado e distribuído pela: Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro - RJ 2014 MENSAGEM

Leia mais

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA;

SAN.T.IN.NT 33. A.R.T.: Anotação de Responsabilidade Técnica do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura CREA; 1 / 5 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta Norma tem como finalidade disciplinar e padronizar os procedimentos para liberação

Leia mais

Nas cidades brasileiras, 35 milhões de pessoas usam fossa séptica para escoar dejetos

Nas cidades brasileiras, 35 milhões de pessoas usam fossa séptica para escoar dejetos Nas cidades brasileiras, 35 milhões de usam fossa séptica para escoar dejetos Presentes em 21,4% dos lares brasileiros, tais instalações são consideradas inadequadas no meio urbano, pois podem contaminar

Leia mais

TT71 CÁLCULO DO VOLUME DE ESGOTO LANÇADO NA REDE COLETORA

TT71 CÁLCULO DO VOLUME DE ESGOTO LANÇADO NA REDE COLETORA TT71 CÁLCULO DO VOLUME DE ESGOTO LANÇADO NA REDE COLETORA ELDAN RAMOS CRISPIM ENGº CIVIL, GRADUADO PELA E. E. KENNEDY. - PÓS -GRADUADO EM CONSTRUÇÃO CIVIL PELA UFMG. - PERITO JUDICIAL DESDE 1993 EM VÁRIAS

Leia mais

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial

Livro: Água pague menos água Engenheiro Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 11/12/2010. Capítulo 2. Nitro PDF Trial Capítulo 2 Medição individualizada e Monitoramento do consumo Estima-se que 80% de todas as moléstias e mais de um terço dos óbitos dos países em desenvolvimento sejam causados pelo consumo de águas contaminadas

Leia mais

Art.1º. Os serviços de fornecimento de água e de coleta de esgoto serão cobrados por preço público, os quais reger-se-ão pelo presente decreto.

Art.1º. Os serviços de fornecimento de água e de coleta de esgoto serão cobrados por preço público, os quais reger-se-ão pelo presente decreto. DECRETO Nº 13.995, de 27 de dezembro de 2002 -- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Dispõe sobre os preços públicos dos serviços de fornecimento de água e de coleta de

Leia mais

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso

PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações. Vereador Derosso PURAE Programa de Conservação e Uso Racional da Água nas Edificações Vereador Derosso Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável Desperdício de água potável velpurae

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA

LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA LEGISLAÇÃO SOBRE USO RACIONAL DA ÁGUA MARÇO 2004 SUMÁRIO 1. L EI COMPLEMENTAR Nº 110/2003 - MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS...3 2. L EI Nº 5935/2002 - MUNICÍPIO DE BLUMENAL/SC...4

Leia mais

PL 146/2009 Processo 347/2009 SAAE DE PORTO FELIZ

PL 146/2009 Processo 347/2009 SAAE DE PORTO FELIZ LEI Nº. 4.785 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. DISPÕE SOBRE O DESPEJO DE EFLUENTES SANITÁRIOS NA REDE PÚBLICA, PROCEDENTES DA UTILIZAÇÃO DE FONTES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA, CONFORME ESPECIFICA,

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I

REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I REGULAMENTO DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DISPOSIÇÃO DOS EFLUENTES SANITÁRIOS DO LOTEAMENTO NINHO VERDE I 1. O presente Regulamento objetiva estabelecer regras gerais de uso do sistema de abastecimento

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA

NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA NOTA TÉCNICA Nº 005/2010 SRE/ADASA Resultados parciais da 1ª Revisão Periódica das tarifas dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário prestados pela CAESB ANEXO XII FATOR X

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

Contas a Pagar e Contas a receber

Contas a Pagar e Contas a receber Treinamento Financeiro Contas a Pagar e Contas a receber Jéssica Rodrigues Pedro Amauri 1 Duplicatas O que são duplicatas? A duplicata mercantil ou simplesmente duplicata é uma espécie de título de crédito

Leia mais

INTRODUÇÃO. Direitos do consumidor adquirente de imóvel

INTRODUÇÃO. Direitos do consumidor adquirente de imóvel 25 de fevereiro de 2014. Direitos do consumidor adquirente de imóvel INTRODUÇÃO Assim como o crescimento vertiginoso do mercado imobiliário, pode-se dizer sem exagerar que também cresceu consideravelmente

Leia mais

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004

Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Alexandre Ferreira Jefferson dos Santos Mariana Oliveira Samuel Rodrigues Proposta de um SGA de efluentes líquidos para a Universidade Federal de Alfenas seguindo a série de Normas ISO 14000:2004 Introdução

Leia mais

CARTILHA DO. Consumidor

CARTILHA DO. Consumidor CARTILHA DO Consumidor OAB-BA GESTÃO 2013-2015 Luiz Viana Queiroz PRESIDENTE Fabrício de Castro Oliveira VICE-PRESIDENTE Ilana Kátia Vieira Campos SECRETÁRIA-GERAL Antônio Adonias Aguiar Bastos SECRETÁRIO-GERAL

Leia mais

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil

Dep. Fabio Garcia PSB/MT. O Preço da Energia No Brasil Dep. Fabio Garcia PSB/MT O Preço da Energia No Brasil Entenda a sua fatura de energia elétrica - Tarifa para Consumidor Residencial (tarifa B1) Parcela A Custos não gerenciáveis, ou seja, que não dependem

Leia mais

LEI Nº 12.183, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005.

LEI Nº 12.183, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. LEI Nº 12.183, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005. Dispõe sobre a cobrança pela utilização dos recursos hídricos do domínio do Estado de São Paulo, os procedimentos para fixação dos seus limites, condicionantes

Leia mais

MENSALIDADES ESCOLARES

MENSALIDADES ESCOLARES MENSALIDADES ESCOLARES O aumento das mensalidades escolares deve obedecer a algum parâmetro legal? O assunto mensalidades escolares é regulado pela Lei 9870, de 23 de novembro de 1999. Esta Lei, dentre

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo aquecedor sob a ótica do usuário final Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques 1 1. Objetivo O presente estudo visa comparar financeiramente,

Leia mais

Mais de 3800 vozes dizendo

Mais de 3800 vozes dizendo Mais de 3800 vozes dizendo A iniciativa Iniciativa 100% popular Não queremos culpar ninguém, nem quem assinou nem quem autorizou a assinatura do contrato. Estamos aqui pois entendemos que compete à Casa

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO OF/CIRC/CPL Nº 02/2012 Brasília, 25 de junho de 2012. Prezados Senhores, Em resposta

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO Pelo presente instrumento, de um lado: (i) FOZ DE URUGUAIANA S.A, inscrita no CNPJ sob nº 13.015.402/0001-01, com sede

Leia mais

http://devel.americana.sp.gov.br/americanav5/legislacao/lei_3115.html

http://devel.americana.sp.gov.br/americanav5/legislacao/lei_3115.html Page 1 of 5 LEI Nº 3.115, DE 05 DE DEZEMBRO DE 1997. Alterada pelas Leis nº 3.279, de 17/03/1999 e nº 3.611, de 26/12/2001 (Observar a Lei nº 3.502, de 26/12/2000 - Conversão dos valores expressos em unidades

Leia mais

a Energia em casa Da usina até sua casa

a Energia em casa Da usina até sua casa a Energia em casa Da usina até sua casa Para ser usada nas cidades, a energia gerada numa hidrelétrica passa por uma série de transformações A eletricidade é transmitida de uma usina até os centros de

Leia mais

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL

CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL CAPÍTULO II TRATAMENTO TRIBUTÁRIO APLICÁVEL 1) Contratos de Curto Prazo 1.1) Definição Contratos de curto prazo são aqueles cuja construção total ou cada unidade da construção deva ser produzida em prazo

Leia mais

PARECER CSA/DF nº 33 de 23 de setembro de 2013.

PARECER CSA/DF nº 33 de 23 de setembro de 2013. PARECER CSA/DF nº 33 de 23 de setembro de 2013. EMENTA: IN RFB Nº 1394/2013, REGULAMENTAÇÃO DA FORMA DE CÁLCULO DA ISENÇÃO DO PROUNI, ARTIGO 8º DA LEI Nº 11.096/05, COM REDAÇÃO DADA PELO ARTIGO 26 DA LEI

Leia mais

2- Qual é o fato gerador? O fato gerador do IPTU é a propriedade predial e territorial, assim como o seu domínio útil e a posse.

2- Qual é o fato gerador? O fato gerador do IPTU é a propriedade predial e territorial, assim como o seu domínio útil e a posse. 1- O que é? O IPTU é um tributo que incide sobre a propriedade imobiliária, incluindo todos os tipos de imóveis residências, prédios comerciais e industriais, terrenos e chácaras de recreio. 2- Qual é

Leia mais

Atos. ATO Nº 1/2005 (Estabelece os preços para as tarifas de água, esgoto, serviços diversos e dá outras providências).

Atos. ATO Nº 1/2005 (Estabelece os preços para as tarifas de água, esgoto, serviços diversos e dá outras providências). Atos ATO Nº 1/2005 (Estabelece os preços para as tarifas de água, esgoto, serviços diversos e dá outras providências). O DIRETOR GERAL DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

IPTU 2014: CONTRIBUINTES SOTEROPOLITANOS EM ESTADO DE ALERTA

IPTU 2014: CONTRIBUINTES SOTEROPOLITANOS EM ESTADO DE ALERTA IPTU 2014: CONTRIBUINTES SOTEROPOLITANOS EM ESTADO DE ALERTA Não é de hoje que os contribuintes, especialmente os soteropolitanos, se queixam do valor pago a título de IPTU, por ser visível a deficiente

Leia mais

Duas questões me foram formuladas por V. Sa. para serem respondidas em consulta:

Duas questões me foram formuladas por V. Sa. para serem respondidas em consulta: Rio de Janeiro, 18 de julho de 2011. C O N S U L T A Ementa: Direito Civil - Condomínio de apartamentos. Sistema de ar condicionado central. Aumento da área construída. Fração ideal. Despesas comuns. Rateio.

Leia mais

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012

PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 PAINEL SETORIAL MEDIÇÃO DE EFLUENTES INMETRO 2012 A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento ASSEMAE É uma organização não-governamental, sem fins lucrativos, fundada em 1984. Os associados

Leia mais

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização; 3 FORMAÇÃO DO CUSTO O custo dos imóveis vendidos compreenderá obrigatoriamente: I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

Leia mais

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014

ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014 ÍNDICES NACIONAIS DE PREÇOS AO CONSUMIDOR IPCA e INPC agosto 2014 Rio de Janeiro, 05 de setembro de 2014 SISTEMA NACIONAL DE ÍNDICES DE PREÇOS AO CONSUMIDOR COMENTÁRIOS Agosto 2014 ÍNDICE NACIONAL DE PREÇOS

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA A MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA COMO UM INSTRUMENTO PARA A DETECÇÃO DE PERDAS Empresa Baiana de Águas e Saneamento S. A. Diretoria Financeira e Comercial - DF O QUE É A MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA? Solução que visa

Leia mais

Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ. Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS

Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ. Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS Processo nº 0312090-42.2012.8.19.0001 Autor: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS DO RIO DE JANEIRO AME/RJ Réu: CEDAE - COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS S E N T E N Ç A Trata-se de ação de obrigação

Leia mais

O TRATAMENTO DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO: Ana Maria Moreira Marchesan, Promotora de Justiça.

O TRATAMENTO DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO: Ana Maria Moreira Marchesan, Promotora de Justiça. O TRATAMENTO DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO: Ana Maria Moreira Marchesan, Promotora de Justiça. Águas e Escassez a crise planetária A quantidade total de água na terra é de 1.386

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente.

CLÁUSULA SEGUNDA Este contrato entrará em vigor por prazo indeterminado após sua publicação e registro em Ofício de Notas competente. Pelo presente instrumento particular, a COMPANHIA DE ÁGUAS E ESGOTOS DO RIO GRANDE DO NORTE (CAERN), inscrita no CNPJ n.º 08.334.385/0001-35, com sede na Avenida Sen. Salgado Filho, n 1555, bairro Tirol,

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE OS ROYALTIES DA RR1

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE OS ROYALTIES DA RR1 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE OS ROYALTIES DA RR1 1) De que se trata a ação das entidades de Mato Grosso contra a Monsanto? A Famato - Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso - em parceria

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário complemento de 13º Salário 01/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

LEI Nº 848/01 DE, 01 DE OUTUBRO 2.001.

LEI Nº 848/01 DE, 01 DE OUTUBRO 2.001. LEI Nº 848/01 DE, 01 DE OUTUBRO 2.001. INSTITUI A COTA DE CONTRIBUIÇÃO FINANCEIRA COMUNITÁRIA PARA ILUMINAÇÃO PÚBLICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Jaciara, Estado de Mato Grosso, no

Leia mais

Erros nas contratações geram tributos excessivos

Erros nas contratações geram tributos excessivos A parte de imagem com identificação de relação rid38 não foi encontrada no arquivo. Login: Senha: Esqueci minha senha. O Portal da Arquitetura, Engenharia e Construção Quem somos Contato Anuncie Login

Leia mais

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL A PROPOSTA COMERCIAL será composta de duas partes, a saber: a. Carta de apresentação

Leia mais

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTOS EM EDIFÍCIOS MULTI-FAMILIARES

MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTOS EM EDIFÍCIOS MULTI-FAMILIARES MEDIÇÃO INDIVIDUALIZADA DE APARTAMENTOS EM EDIFÍCIOS MULTI-FAMILIARES Adalberto Cavalcanti Coêlho (1) Graduado em Engenharia Civil fez Curso de pós-graduação na Área de Recursos Hídricos, obteve o grau

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. 2. O hidrômetro individual será instalado em local de fácil acesso, tanto ao condômino como ao aferidor.

PROJETO DE LEI Nº. 2. O hidrômetro individual será instalado em local de fácil acesso, tanto ao condômino como ao aferidor. PROJETO DE LEI Nº DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO DE HIDRÔMETROS INDIVIDUAIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS E COMERCIAIS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Art. 1º. Os projetos e construções de novos edifícios a serem

Leia mais

GUIA DO CONSUMIDOR CONSCIENTE.

GUIA DO CONSUMIDOR CONSCIENTE. GUIA DO CONSUMIDOR CONSCIENTE. Buscar informações sobre os seus direitos e deveres é tão importante quanto o dinheiro que você tem no banco. 2717-12-AFQ_Folheto Procon 10x20cm.indd 1 A gente vive preocupado

Leia mais

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Ao alugar um imóvel é necessário documentar a negociação por meio de um contrato, de preferência, escrito. O inquilino deve ler atentamente todas

Leia mais

Financiamento de Serviços e Parcelamentos de Débitos

Financiamento de Serviços e Parcelamentos de Débitos Financiamento de Serviços e Parcelamentos de Débitos Pág.: 1/3 1 Objetivo 1.1 Esta Norma de Procedimentos define as políticas e procedimentos básicos para o Parcelamento de Débitos e Financiamento de Serviços

Leia mais

15. Prestação de Contas operados por OBTV

15. Prestação de Contas operados por OBTV 15. Prestação de Contas operados por OBTV A inclusão da Prestação de Contas deverá ser feito no sistema SICONV pelo usuário que tem o perfil de Cadastrador de Prestação de Contas, e o envio para análise

Leia mais

Esta é a pesquisa de satisfação

Esta é a pesquisa de satisfação Esta é a pesquisa de satisfação dos usuários de saneamento básico realizada entre a categoria residencial dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário regulados pela Agência em 244 municípios

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MENSAL FIXO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MENSAL FIXO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MENSAL FIXO Pelo presente instrumento particular, a TELEFÔNICA DATA S/A, empresa com sede na Cidade de Barueri, Estado de São Paulo, na Avenida Tamboré,

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO NORMATIVA Estabelece a metodologia para o cálculo de reajuste tarifário dos serviços públicos de abastecimento de água e de esgotamento sanitário sujeitos à regulação pela Agência

Leia mais

RELATÓRIO DA ENQUETE SOBRE INTERNET MÓVEL

RELATÓRIO DA ENQUETE SOBRE INTERNET MÓVEL RELATÓRIO DA ENQUETE SOBRE INTERNET MÓVEL Você tem plano de internet contratado para o seu celular? 27% 73% Sim 373 73% Não 141 27% Você sabe qual é a sua franquia de dados (MB ou GB)? 36,11 % 63,88% Sim

Leia mais

SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA Veja como funciona, como contratar, quais os seus direitos e como reclamar no caso de problemas. COMO FUNCIONA A transmissão pode ser via cabo, satélite ou microonda, sendo

Leia mais