ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE SÃO JOSÉ DE CLUNY RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE SÃO JOSÉ DE CLUNY RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE SÃO JOSÉ DE CLUNY RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 CURSO DE ENFERMAGEM 1º CICLO FUNCHAL 1

2 0 Introdução O Relatório de concretização do processo de Bolonha da Escola Superior de Enfermagem de São José de Cluny pretende dar cumprimento ao disposto no Decretolei nº 74/2006, de 24 de Março, alterado pelo Decreto-lei 107/2008, de 25 de Junho, Artigo 66 A. Reporta-se ao ano lectivo 2009/2010. No Ano Lectivo 2008/2009 iniciou-se a adequação do Curso de Licenciatura em Enfermagem, 1º Ciclo, ao processo de Bolonha, nos três primeiros anos do curso. No ano 2009/2010 todos os quatro anos, do Curso de Licenciatura em Enfermagem, funcionaram em pleno segundo o processo de Bolonha. Os cursos de Pós-Licenciatura e de Pós-graduação sofreram também algumas alterações no sentido de funcionarem segundo as orientações do processo de Bolonha. Nos Cursos de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem de Reabilitação e de Saúde Infantil e Pediatria aumentou-se a carga horária total de cerca de 1200 horas para 1500 horas, com 1200 horas de contacto e 60 ECTS. Nos Cursos de Pós Graduação fez-se, também, a correspondência de horas a ECTS (25 horas = 1 ECTS) e contemplou-se as horas do aluno na carga total dos cursos. O ano Lectivo de 2009/2010 foi um ano em que a ESESJC aumentou a aposta na formação dos seus docentes e no desenvolvimento de procedimentos e práticas, não só com vista à continuidade da adequação e concretização dos objectivos do processo de Bolonha, mas também, no equilíbrio entre as normas legais e a realidade da Escola, revendo e criando instrumentos de regulação e orientação. Mobilizou, também, todos os seus docentes, estudantes e funcionários para uma melhor rentabilização dos recursos existentes e na reorganização do trabalho tendo em vista as exigências e os novos desafios que a realidade actual nos impõe. 2

3 1- As adequações efectuadas e os resultados obtidos O Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESESJC, segundo os pressupostos de Bolonha, contempla 47% de actividades teóricas, nas áreas científicas da saúde, ciências sociais, humanidades, ciências da vida, educação, matemática e informática e 53% das actividades práticas que correspondem a estágios/ensinos clínicos em contexto laboratorial, hospitalar, centros de saúde e outras instituições (casas de saúde mental, escolas, centros comunitários e outros). Os tempos lectivos do Curso de Licenciatura em Enfermagem distribuem-se por três modalidades principais: Ensino Teórico; Prática Simulada e Ensino Clínico. Podemos observar através do Quadro nº1 que no ano lectivo 2009/2010 a média final dos nossos Estudantes foi de 14,9 valores, com uma taxa de aprovação de 99,1%. No Ensino Clínico verificou-se, comparativamente com os outros tipos de ensino, uma média final mais alta (15,9 valores), no entanto com uma taxa de aprovação mais baixa (98,3%). A taxa de aprovação mais alta verificou-se nas Práticas Simuladas (99,5%) seguida pelo Ensino Teórico (99,3%). São taxas de sucesso altas, as quais resultam de muita dedicação e trabalho dos estudantes e docentes. Quadro nº 1 Média e Taxa de aprovação dos estudantes do Curso de Licenciatura em Enfermagem no ano lectivo 2009/2010 UNIDADES CURRICULARES Média Final % Avaliados/Aprovados Ensino Teórico 14,6 99,3 Prática Simulada 14,6 99,5 Ensino Clínico 15,9 98,3 Todas as Unidades Curriculares 14,9 99,1 3

4 O curso de Licenciatura em Enfermagem da ESESJC foi estruturado tendo em atenção os princípios do Processo de Bolonha, consagrados no decreto-lei nº 74/2006 de 24 Março: a) Integra um conjunto organizado de Unidades Curriculares (UC) denominado de curso de licenciatura (art10º) b) Está organizado de acordo com o sistema europeu de créditos curriculares (ECTS) permitindo a mobilidade e a internacionalização dos estudantes. c) É constituído por 240 ECTS e tem a duração de oito semestres curriculares (de acordo com nº 2 do art 8º). d) O Ensino Prático engloba 53% da carga horária total do curso, proporcionando o desenvolvimento de competências e a aplicação dos conhecimentos e saberes adquiridos à prática (de acordo com o nº3 do art 8º) e) No ensino teórico o tempo de trabalho individual do aluno é superior (61,6%) ao tempo de contacto (38,4%), permitindo ao aluno uma maior participação no seu próprio processo de aprendizagem. No que respeita à introdução progressiva de metodologias activas, através das quais os estudantes assumem o papel de sujeitos e agentes da sua própria aprendizagem, registaram-se alguns progressos. Consolidou se a tendência para uma utilização mais adequada de métodos de ensino/aprendizagem que vão para além do clássico método expositivo e do estudo por "sebentas". As unidades curriculares incluíram vários tipos de trabalho autónomo dos estudantes. Consoante as especificidades das unidades curriculares o trabalho autónomo consistiu na pesquisa e leitura bibliográfica e de artigos científicos, apresentação escrita e oral de trabalhos. Consolidou se também o uso do método de estudos de caso. É de referir que o aumento da orientação tutorial concretizou-se, não só como um meio de apoiar e acompanhar os estudantes no desenvolvimento dos seus trabalhos (ou seja apoiar a aprendizagem com autonomia), mas também, como forma de complementar o ensino dos conteúdos efectuado nas horas de contacto. Assim no sentido da adaptação das metodologias de ensino e das didácticas aos objectivos das unidades curriculares, nas UC teóricas onde predominam os objectivos 4

5 do domínio cognitivo, concretamente conhecer, compreender, analisar, avaliar, as metodologias preferenciais foram a metodologia expositiva, demonstrativa e activa, com recurso a pesquisas orientadas, discussão, trabalho individual ou de grupo, trabalho de projecto, visitas de estudo, análise de filmes, entre outros. Nas UC práticas, concretamente nas Práticas Simuladas realizadas em laboratório, predominaram os objectivos dos domínios psicomotor e afectivo, estando implícitos os do domínio cognitivo. Prevaleceram estratégias de dramatização, casos tipo, experimentação de técnicas e de procedimentos de enfermagem. Nas Práticas Clínicas, onde se pretende que o estudante desenvolva e demonstre competências cognitivas, afectivas e psicomotoras em contextos reais da prática de cuidados, foram utilizados o Processo de Enfermagem, os Estudos de Caso, as entrevistas de orientação para discussão, os fóruns de discussão e a reflexão sobre as experiências vivenciadas. A participação activa de estudantes e docentes nos processos de tomada de decisão que afectam o processo de ensino/aprendizagem e a sua qualidade, fez-se a nível de cada unidade curricular, do semestre e do curso. A nível das unidades curriculares (UC) foi solicitado aos estudantes o preenchimento, através do Portal Corporativo, de fichas de avaliação. Através destes questionários anónimos, foi solicitado aos estudantes que avaliassem os parâmetros relativos aos conteúdos e ao processo ensino-aprendizagem (estratégias utilizadas, segurança nos conteúdos, relação pedagógica, bibliografia indicada,) e sugerido que indicassem propostas de alteração. Teve uma adesão de 100% na maior parte das UC. No fim de cada semestre foi efectuada uma reunião com os estudantes e equipa pedagógica, onde se debateram os pontos fortes e fracos de todo o processo e se apresentaram os resultados das avaliações das UC (ver Quadros nº 2 e 3). Também no fim do curso foi solicitada uma avaliação global ao mesmo. Os resultados foram muito interessantes e foram tomados em consideração no processo de melhoria contínua para o ano em curso. 5

6 Quadro nº 2 e nº 3 Média da Avaliação Global dos Alunos em Relação às UC e ao desempenho dos Docentes do Curso de Licenciatura em Enfermagem no ano Lectivo 2009/2010 Nível de satisfação dos alunos do Curso de Licenciatura em Enfermagem Média Nível de satisfação de acordo com as UC Média Com a estrutura e organização das unidades curriculares (carga horária, interesse e utilidade dos conteúdos) Com o desempenho dos docentes (estratégias, relação pedagógica, disponibilidade) 71,8 72,5 Teóricas 72,0 Prática Simulada 69,3 Prática Clínica 72,3 Como podemos observar no quadro nº2, o nível de satisfação dos alunos resultante da avaliação das UC e desempenho dos professores foi acima dos 70%, existindo um equilíbrio entre o nível de satisfação relacionado com a estrutura e organização das unidades curriculares e o desempenho dos docentes. O nível de satisfação de acordo com o tipo de UC expressa no quadro nº3, mostra um nível de satisfação abaixo dos 70% nas Práticas Simuladas, o que nos tem levado a reflectir sobre as estratégias de ensino aprendizagem desenvolvidas nestas UCs e a definir algumas modificações para o próximo ano lectivo. Estes resultados foram analisados e discutidos pelos docentes em reuniões de equipas pedagógicas de cada semestre e ano curricular. Foram também analisadas as opiniões dos estudantes, nas reuniões alargadas de docentes e através dos seus representantes nos Conselhos Técnico-Científico e Pedagógico. Após análise e discussão foram delineadas algumas linhas orientadoras de melhoria do desempenho e de condições facilitadoras de aprendizagem. Em relação à integração e participação dos estudantes na investigação científica o plano de estudos do Curso de Licenciatura contempla no 1º semestre do 1º ano a Unidade Curricular Técnicas de Pesquisa que tem como finalidade desenvolver no estudante conhecimentos na área da investigação e o hábito de pesquisa científica. Toda a aprendizagem desenvolve-se orientada para consultas de bases de dados, revistas de 6

7 investigação em enfermagem e análise de artigos científicos. As competências nesta área continuam a desenvolver-se ao longo do curso, através de trabalhos relacionados com as diversas unidades curriculares. No 7º semestre (4º ano), durante a Prática Clínica X os estudantes executam um Diagnóstico de Saúde numa localidade da RAM. Durante este estudo, os alunos colhem dados, tratam os mesmos estatisticamente, utilizando o programa informático Statistica 8. Analisam, interpretam e divulgam os resultados aos líderes comunitários, tendo desta forma a oportunidade de aplicar os conhecimentos de Investigação e de Estatística aprendidos ao longo do curso. No ano lectivo 2009/2010 os Alunos do 4º ano fizeram o levantamento sobre as condições de saúde da População da Freguesia do Campanário, Concelho da Ribeira Brava. Foi elaborado um relatório, apresentado em sessão formal às Entidades Autárquicas, de Saúde e outras Entidades locais da referida comunidade. Baseado neste levantamento os estudantes desenvolveram projectos específicos, de acordo com os grupos populacionais, no domínio da promoção da saúde dos indivíduos e da população, em pareceria com as escolas, centros comunitários e associações da Freguesia. As mudanças de curso, transferências e reingressos na Escola Superior de Enfermagem S José de Cluny, passaram a fazer parte das possibilidades de ingresso na nossa Escola. Constam de regulamento próprio, disponibilizado no Site da ESESJC, o qual está subordinado ao estabelecido na Portaria nº 401/2007, de 5 de Abril. No ano lectivo 2009/2010 entraram dois estudantes, um aluno por mudança de curso e um aluno por transferência de escola. 2 Medidas de apoio ao sucesso escolar Existe uma preocupação conjunta no sentido de todos os estudantes atingirem o sucesso escolar. Sempre que um estudante reprova mais do que uma UC num semestre, o docente coordenador contacta-o para conhecer as causas de insucesso, identifica as dificuldades e planeia estratégias que o possam ajudar a melhorar o seu desempenho escolar. Quando se verifica taxa de insucesso elevada numa UC, o coordenador contacta o grupo de estudantes, ouve as razões apontadas pelos mesmos e em conjunto com o professor 7

8 da UC procura identificar as causas do insucesso e planeia medidas pedagógicas que combatam essa situação. Nas Práticas Simuladas, consoante as dificuldades é dado ao estudante a oportunidade de remediação e prática orientada em Laboratório. Durante o Ensino Clínico (EC), ou Práticas Clínicas, a avaliação é contínua, o docente conversa assiduamente com o aluno, identifica as dificuldades, analisa as razões que dificultam o desempenho, aconselha-o, orienta-o, discute e planeia acções que o ajudem a melhorar a sua execução. Os insucessos dos alunos no EC são analisados e discutidos pela equipa pedagógica durante e no final do mesmo, podendo planear-se acções de remediação. O nosso portal corporativo permite também, através dos fóruns, o estudo orientado, a entreajuda e a partilha de conteúdos teóricos, o acompanhamento dos trabalhos a desenvolver e as reflexões. Consideramos de extrema importância a dinâmica dos fóruns por ser também uma mais-valia no desenvolvimento de competências transversais. 3 Competências transversais O 1º Ciclo do Curso de Enfermagem da ESESJC visa o desenvolvimento de conhecimentos, capacidades, valores e competências científicas, técnicas, humanas e relacionais, para que o estudante se torne apto a desempenhar as funções de Enfermeiro de Cuidados Gerais. O desenvolvimento e a aquisição das competências transversais são de extrema importância para o fortalecimento do desempenho da profissão de enfermagem e qualidade dos cuidados. Todas as unidades curriculares do Curso de Licenciatura em Enfermagem cultivam competências transversais: Nas UC teóricas, nas UC de Prática em Laboratório e nas UC de Prática Clínica é dada oportunidade ao estudante de desenvolver competências de comunicação oral, escrita e de compreensão, de análise, de síntese, de reflexão e de argumentação, de hábitos de pesquisa, de seriação da informação, de trabalho em equipa, de destreza manual, de trabalho de projecto, de auto-formação contínua, auto-conhecimento, auto-estima e 8

9 autoconfiança, de auto-controle, criatividade e capacidade de iniciativa e de sentido de responsabilidade, capacidade de liderança, de organização e de planificação, capacidade de adaptação à mudança, e ainda de competências éticas e relacionais, valores e atitudes humanistas. 4 Actividades extracurriculares Salientamos como actividades extra curriculares a participação em rastreios de saúde promovidos por alguns laboratórios, jogos de campo promovidos pela Associação Académica, acções de voluntariado em diversas instituições e famílias no Natal, visitas de estudo a Instituições de Saúde no continente português e no estrangeiro, Cursos de curta duração (EX: Massagem), sessões de Educação para a Saúde em Lares a pedidos dos próprios, entre outros. 5 Medidas de apoio à inserção na vida activa e empregabilidade. Todos os nossos estudantes fazem as Práticas Clínicas em unidades de Saúde da Região Autónoma da Madeira, sendo estes, também, os principais empregadores. Assim, quando passam à vida profissional, os formados têm uma integração mais facilitada. No 2º Semestre a Escola organiza para os Alunos do 4º Ano, com caris extracurricular, um Painel composto por um representante do SESARAM, um representante do Sindicato dos Enfermeiros e um representante da Ordem dos Enfermeiros, com o tema Introdução à vida Profissional. Pelos diferentes intervenientes são abordados neste Painel assuntos como a função do SESARAM, o Modelo Profissional, hipóteses de emprego e os direitos e deveres do enfermeiro, entre outros. No ano lectivo 2008/ % dos diplomados obtiveram emprego nos serviços de Saúde da RAM, tendo os nossos ex-estudantes obtido como notas de concurso valores entre os 19 e os 17, num universo que variou entre 19 e os 13 valores Cerca de 75% dos estudantes que terminaram o curso em 2010 estão a desenvolver a actividade profissional de enfermeiro ou em estágios profissionais. Os restantes aguardam abertura de concurso no sector de actividade relacionado com a área do ciclo de estudos. 9

10 Como resultado do inquérito feito às Entidades empregadoras dos formados no ano lectivo 2008/2009 na ESESJC, no que se refere aos itens que avaliam a capacidade de integração na equipa, de relacionamento com a equipa multidisciplinar, de adaptação a novas situações, de organização, de iniciativa, de análise e crítica, de expressão e comunicação, de consciência ética, entre outros, obtivemos os seguintes resultados: - O nível global de satisfação foi de Suficiente 5%; Bom 50%; Muito Bom 42% e Excelente 3%. - Em relação ao nível global do desempenho profissional as entidades empregadoras consideraram Bom 50% e Muito Bom 50%. Ainda no que se refere à classificação do desempenho do Licenciado em Enfermagem na ESESJC relativamente às outras escolas, as entidades empregadoras consideraram Igual 62,5%, Superior 25% e Muito Superior 12,5%. Foram ainda considerados pelas entidades empregadoras pontos positivos da formação do Enfermeiro Licenciado pela ESESJC: Componente teórica de bom nível e práticas clínicas adequadas; boa preparação no âmbito da linguagem CIPE; facilidade de integração em equipas multidisciplinares; boa formação no domínio Ético- Profissional e relações humanas. Em relação aos aspectos negativos, na opinião das entidades empregadoras, os nossos estudantes deveriam apresentar melhor capacidade de adaptação aos novos contextos sociais e laborais e de trabalhar com base em indicadores e objectivos. Algumas áreas temáticas precisam de ser mais exploradas, sobretudo áreas de maior especificidade. Como sugestões a Escola deve incrementar o desenvolvimento de competências nos domínios da autonomia profissional (iniciativa, pró-actividade, capacidade de adaptação e improviso, tomada de decisão) e de algumas áreas específicas (saúde familiar, tratamento/avaliação da dor, tratamento de feridas, emergência pré e intra hospitalar e na elaboração de diagnósticos de enfermagem CIPE). 10

11 6 Sugestões e alterações a operar. Após a apresentação e análise dos dados consideramos pertinente referir alguns propósitos de melhoria das condições que favoreçam todo o processo de aprendizagem e desenvolvimento dos nossos estudantes. Assim a ESESJC propõe-se: - Promover o incremento de acções que favoreçam maior iniciativa e autonomização dos estudantes. -Reequacionar estratégias de aprofundamento das áreas clínicas referidas pelas entidades empregadoras como de menos perícia. - Promover um maior desenvolvimento das competências transversais em contexto curricular e extra curricular. - Promover novas dinâmicas e medidas de apoio aos estudantes nas Práticas Simuladas em Laboratório - Promover uma maior dinâmica nos fóruns de reflexão durante as aulas Práticas e Práticas Clínicas - Incrementar abertura à Comunidade através da disponibilização dos seus recursos. - Incrementar parcerias com instituições de ensino com a mesma missão. - Desenvolver a Investigação. -Utilizar TIC como rede de partilha de informação com instituições nacionais e estrangeiras. - Dinamizar a utilização do sistema de vídeo-conferência. - Instituir sistema de sinalização de programas e projectos susceptíveis de participação da ESESJC. - Incrementar participação nos programas, nacionais e internacionais de mobilidade de estudantes e docentes 7 Conclusões Com a análise dos dados colhidos, na sequência do desenvolvimento da aprendizagem e nos inquéritos feitos aos alunos, consideramos que o percurso está a ser feito e os objectivos de Bolonha estão, progressivamente, a ser conseguidos. Com algumas 11

12 dificuldades, é certo, mas sentimos que a mudança de paradigma se vai fazendo progressivamente. Para além das mudanças a desenvolver em todo o processo de ensino aprendizagem a Escola também procura, com carácter de urgência, se adaptar às exigências impostas pelas necessidades actuais, traduzidas nos critérios de acreditação pela Agência de Acreditação das Instituições do Ensino Superior. A motivação para a mudança de todos os Docentes da ESESJC é grande, principalmente porque a Escola com as referências que transporta e quer manter, tem como objectivo principal a melhoria da qualidade do processo de formação de futuros profissionais de Enfermagem e consequente melhoria dos cuidados de Enfermagem e de Saúde na Região Autónoma da Madeira... 12

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA Ano 2008/2009 Data 30/12/2009 Página 1 de 11 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2008/2009 (em cumprimento do Artigo 66º do Decreto-Lei nº 107/2008, de 25 de Junho)

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de Mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre).

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre). N.º 65 31 de Março de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 4928-(5) Despacho n. o 7287-B/2006 (2. a série). O regime jurídico dos graus académicos e diplomas do ensino superior prevê que os estabelecimentos

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir

Leia mais

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes

Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Resultados dos Questionários de Satisfação dos Estudantes Ano Lectivo 2011/2012 1 Os resultados apresentados reflectem a análise dos Questionários de Satisfação dos Estudantes/Formandos Ano Lectivo 2011/2012

Leia mais

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01851 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Ano Lectivo 2007/2008 Junho de 2009 ÍNDICE Objectivos do Relatório Fases de Elaboração do Relatório Universo do Relatório

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Observatório De Acompanhamento Profissional Dos Diplomados Cluny Ano 2012/2013

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Observatório De Acompanhamento Profissional Dos Diplomados Cluny Ano 2012/2013 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Observatório De Acompanhamento Profissional Dos Diplomados Cluny Ano 2012/2013 Equipa do Observatório Irmã Margarida Faria Prof. Ester Ramos Prof. Noélia Pimenta Prof. Patrícia

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: E.I.A. - Ensino, Investigação

Leia mais

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE

ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE ACEF/1112/03902 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 1. Introdução O Curso de Especialização em Administração Hospitalar (CEAH) da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universitas, Crl A.1.a. Descrição

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 [DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO] [Anabela Sousa Pereira] [Mestrado em Psicologia na especialização de Psicologia Clínica e da Saúde] 1.

Leia mais

5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 5.5.2. CURSOS DE FORMAÇÃO AVANÇADA (2.º CICLO MESTRADOS) E PÓS-GRADUAÇÃO 5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27461 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Ese

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE ACEF/1213/23052 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NA GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO

EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE NA GRAVIDEZ, PARTO E PUERPÉRIO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO ANO LECTIVO 2009/2010 PROGRAMAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR EDUCAÇÃO PARA

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatórios dos Docentes Desempenho do Curso Ano Lectivo 2012/2013 Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatório de Desempenho do Curso Ano Lectivo

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS DE ESTUDOS DOS CURSOS ADEQUADOS AO PROCESSO DE BOLONHA I Calendário e carga horária 1. O ano escolar tem início em Setembro e termina em

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM

CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM DE APOIO À CANDIDATURA AO CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM 1º Ciclo CANDIDATURA AO CURSO DE LICENCIATURA EM Número de vagas: - Ingresso - 30 - Transferência (1) - 01 - Mudança de Curso (1) - 01 - Maiores

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ISVOUGA - INSTITUTO SUPERIOR DE ENTRE O DOURO E VOUGA O Estatuto de Carreira do Pessoal Docente do Ensino Superior Politécnico (ECPDP), na redacção

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO

AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO AVALIAÇÃO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos do Mestrado em Educação Musical

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING Universidade Portucalense Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING APROVADAS NO CONSELHO CIENTÍFICO 9 _2009 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Escola de Ciências Universidade do Minho 1. Missão A Escola de Ciências tem como missão gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Exatas e da Natureza e domínios

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009

Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água. Ano de 2008/2009 Relatório do Mestrado em Biologia e Gestão da Qualidade da Água Ano de 2008/2009 Comissão Coordenadora Maria da Natividade Ribeiro Vieira Directora de Curso Vítor Manuel Oliveira Vasconcelos Luís Filipe

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis Resumo do projecto Com a candidatura a este projecto, e envolvendo todos os departamentos, alunos e encarregados de educação, a nossa escola

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Regulamento da Creditação

Regulamento da Creditação Regulamento da Creditação Por decisão do Director, ouvido o Conselho Técnico-Científico, é aprovado o presente Regulamento da Creditação, que visa disciplinar o processo de creditação, nos termos definidos

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8B/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8B/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES

REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES REGULAMENTO INTERNO DOS MESTRADOS EM ENSINO - FORMAÇÃO DE PROFESSORES Artigo 1º Âmbito O Regulamento interno dos mestrados em ensino formação inicial de professores aplica-se aos seguintes ciclos de estudo

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Secção Autónoma de Ciências da Saúde 1. INTRODUÇÃO Em 2003 foi criado o Mestrado em Geriatria e Gerontologia, que se iniciou no

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO

PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior PÓS-GRADUAÇÃO EM ACTIVIDADE FÍSICA NA GRAVIDEZ E PÓS-PARTO REGULAMENTO Artigo 1.º Designação A Escola Superior de Desporto de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Administração Educacional Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II 4.º ANO - ANO LECTIVO 2008/2009

ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II 4.º ANO - ANO LECTIVO 2008/2009 1 INSTITUTO PIAGET Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET/VISEU (Decreto n.º 33/2002, de 3 de Outubro) ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II (SERVIÇOS HOSPITALARES) 4.º

Leia mais

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011

Escola Secundária da Baixa da Banheira Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 CLUBE DA CIÊNCIA ANO LECTIVO 2010/2011 Clube da Ciência, Ano Lectivo 2010/2011 1 . Tempo de aplicação do projecto Os trabalhos a desenvolver no âmbito do Clube da Ciência serão realizados ao longo do ano

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis

Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Rua da Cruz Vermelha Cidacos - Apartado 1002 3720-126 Oliveira de Azeméis Revisão Data Alterações na Revisão Elaborado Aprovado 0 07-06-2010 Edição original GQA CDIR Pág. 1 de 6 Índice Capítulo Assunto

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 8A/2010. Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas Estrangeiras Francês/Inglês Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 8A/2010 Quadros Interactivos Multimédia no Ensino/ Aprendizagem das Línguas

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

Mestrado (2º ciclo) em Ecologia Ambiente e Território

Mestrado (2º ciclo) em Ecologia Ambiente e Território Mestrado (2º ciclo) em Ecologia Ambiente e Território RELATÓRIO DA CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA Ano Lectivo 2008/2009 Porto, Dezembro 2009 1 Índice 1. O curso de 2º ciclo em Ecologia,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

design de jogos digitais o essencial da licenciatura

design de jogos digitais o essencial da licenciatura design de jogos digitais o essencial da licenciatura ÍNDICE ciclo de estudos plano de estudos metodologias de ensino perfil de saída candidaturas ipb virtual Dados do ciclo de estudos ciclo de estudos

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação Intercultural Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa julho de 2015

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL CURSOS LIVRES ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL Secção I Disposições

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00411 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Iade Instituto De Artes Visuais,

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM SOCIOLOGIA: EXCLUSÕES E POLÍTICAS SOCIAIS Artigo 1º Objecto O Regulamento do

Leia mais

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Algarve A.1.a.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais