Adaptação do Modelo Meteorológico MM5 para a Região Autónoma da Madeira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adaptação do Modelo Meteorológico MM5 para a Região Autónoma da Madeira"

Transcrição

1 Adaptação do Modelo Meteorológico MM5 para a Região Autónoma da Madeira Sócio: AREAM - Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Autor: ULPGC Universidad de Las Palmas de Gran Canaria Data: Abril de 2011

2 ÍNDICE 1. Introdução Modelos Numéricos de Previsão Meteorológica (NWP) Modelo Mesosescala Versão 5 (MM5) Adaptação do Modelo Meteorológico ao Arquipélago da Madeira TERRAIN REGRID INTERPF MM Cálculo da Produção Energética Resultados Conclusões Projecto 2

3 1. INTRODUÇÃO O presente relatório tem como objectivo descrever o estudo realizado na fase de adaptação dos modelos meteorológicos para a previsão dos recursos eólico e solar na Madeira, como passo prévio à estimativa da produção energética de parques eólicos e centrais solares, respectivamente. O presente trabalho faz parte de um acordo de colaboração assinado entre a ULPGC, a FULP e a AREAM para o desenvolvimento das actividades identificadas por 2, 3 e 4 do objectivo 1 Adaptação de modelos meteorológicos para a previsão eólica e fotovoltaica, no âmbito do projecto ( a madeira, Açores e Canárias, cofinanciado pelo Programa de Cooperação Transnacional MAC A previsão de produção de energia proveniente de fontes renováveis é, normalmente, um processo que envolve duas fases distintas. A primeira etapa consiste na realização de uma previsão meteorológica que permite conhecer com antecedência os valores de magnitude e direcção do vento, para a energia eólica, ou a radiação solar, para a energia solar. A segunda fase consiste em realizar uma transformação da informação meteorológica em produção de energia, utilizando uma função de transferência, que é determinada pelos parâmetros do parque específico (fotovoltaico ou eólico) que se quer prever a produção. Este primeiro relatório, no âmbito do acordo assinado entre a ULPGC, a FULP e a AREAM, abrange apenas a primeira etapa, sendo o tema do segundo relatório, a simulação e validação dos modelos ao comportamento dos parques existentes. Assim, o estudo realizado descreve as adaptações necessárias para obter os resultados das variáveis meteorológicas de interesse com o Modelo Mesoescala V5 (MM5) na Madeira. A adaptação do MM5 a uma zona específica requer uma configuração de parâmetros dos quais o modelo depende, e é isto que determina a qualidade dos resultados obtidos. Dada a proximidade entre as Canárias e a Madeira, uma proximidade que envolve também uma alta similaridade em condições climáticas típicas, a adaptação foi feita utilizando também dados sobre as Ilhas Canárias como referência para o modelo da Madeira, utilizando um modelo de nidificação similar ao das Canárias. Este relatório começa por descrever a arquitectura do modelo MM5, a fim de obter uma visão geral do seu funcionamento. Em seguida, na secção 3, descrevem-se as etapas necessárias para adaptar os modelos ao arquipélago da Madeira, com destaque para as variáveis de configuração do modelo MM5 que devem ser modificadas para obter resultados realistas na região de interesse. Em seguida, a secção 4 levanta várias alternativas para a fase de pós-processamento, a fim de estimar a produção de energia de um parque ou uma central específica. Na secção 5, apresentamse exemplos de resultados para estimar a radiação solar e os campos de vento na ilha da Madeira, especificando também como aceder aos resultados das simulações. Por fim, o relatório reúne as conclusões do trabalho realizado. Projecto 3

4 2. MODELOS NUMÉRICOS DE PREVISÃO METEOROLÓGICA (NWP) Actualmente, existem diferentes implementações de modelos numéricos de previsão meteorológica. De entre todos, existem dois modelos que estão disponíveis para a comunidade científica e que constituem o estado da arte: o Modelo Mesoescala Versão 5 (MM5) e o Weather Research Forecasting (WRF). Destes dois modelos, vai-se utilizar o MM5 para obterem-se os objectivos deste projecto MODELO MESOSESCALA VERSÃO 5 (MM5) O MM5 foi desenvolvido conjuntamente pela Universidade Estadual da Pensilvânia (PSU) e do Centro Nacional de Investigação Atmosférica (UCAR). O MM5 pode ser classificado como um modelo regional de mesoescala, que permite calcular a circulação atmosférica numa determinada região do globo e a certa altura, ambos os limites podem ser especificados pelo usuário na aplicação. O MM5 é composto por um conjunto de programas implementados em FORTRAN e C, que devem ser executados sequencialmente. O primeiro programa desta cadeira de processamento é denominado TERRENO. A sua função é definir a área em que se deseja realizar a simulação (o domínio principal e os vários subdomínios), atribuindo valores para os parâmetros que descrevem o terreno: altitude, tipos de solo, fracção de vegetação, albedo, etc.. Posteriormente, é executado o REGRID, cujo objectivo é obter uma descrição do estado atmosférico no domínio definido anteriormente, atribuindo valores às variáveis meteorológicas que o caracterizam. Esta informação é extraída a partir do servidor FTP do NCEP, que põe à disposição dos utilizadores os resultados do Sistema Global de Previsão (Global Forecasting System - GFS). A saída do REGRID, também conhecida como uma primeira aproximação, serve como entrada do programa INTERPF, cuja função é transformar os dados meteorológicos em coordenadas sigma. Esta transformação é necessária porque o modelo meteorológico MM5 utiliza um sistema de coordenadas vertical denominado coordenadas sigma, onde as isosuperfícies são função da variabilidade do terreno, enquanto os dados meteorológicos vêm expressos em função da pressão atmosférica em dados referenciados no novo sistema de coordenadas. Depois dos dados meteorológicos estarem preparados e os domínios da simulação definidos, o MM5, o programa de previsão numérica do modelo, é executado. O seu objectivo é resolver um conjunto de equações diferenciais parciais que descrevem a evolução do estado atmosférico. No entanto, o modo de resolver este conjunto de equações não é único, pois depende dos modelos físicos utilizados para correr o MM5, o que permite configurá-lo para optimizar os resultados em função das características climáticas da zona de interesse. Por outro lado, também é necessário ajustar os parâmetros de compilação do programa MM5, sobretudo se se pretender executar o programa de forma distribuída, na medida em que isso influencia significativamente o tempo de execução do modelo e os recursos que são necessários para obter resultados. Projecto 4

5 3. ADAPTAÇÃO DO MODELO METEOROLÓGICO AO ARQUIPÉLAGO DA MADEIRA Como já se justificou anteriormente, é necessário um trabalho de adaptação e ajuste do modelo meteorológico MM5 para obter resultados fiáveis sobre uma determinada zona. Seguidamente, descreve-se com mais detalhe a configuração que se utilizou para obter as previsões meteorológicas para o arquipélago da Madeira. Esta adaptação foi concebida para complementar a configuração que o ITC, colaborador neste trabalho, desenvolveu para as Ilhas Canárias, por duas razões: a) Dada a proximidade entre a Madeira e as Canárias, as condições meteorológicas dominantes são muito semelhantes, predominando os mesmos fenómenos meteorológicos. b) Além disso, dada a sua complexa orografia, tanto na Madeira como nas Canárias, existe uma alta variabilidade espacial das variáveis que descrevem o estado atmosférico. Dadas estas características similares, a parametrização necessária é muito similar à utilizada pelo ITC no domínio de Canárias, pelo que se optou por integrar o arquipélago da Madeira no serviço de previsão meteorológica que actualmente o ITC tem em vigor, conseguindo assim uma poupança de tempo de execução na altura de obter resultados e uma poupança de custos de aquisição de equipamentos de hardware necessários para executar os modelos. De qualquer modo, as adaptações específicas realizadas para a Madeira são descritas em seguida TERRAIN O primeiro passo, para configurar o conjunto de programas que compõe o MM5, é definir o domínio sobre o qual se vai executar a simulação. Por questões operacionais, foi escolhido como domínio principal o mostrado na Figura 1, com uma resolução espacial de 27 km entre dois pontos do domínio de dois níveis de nidificação. O primeiro destes é o definido na Figura 2, onde se mostra o mapa de altitudes nesse domínio, que tem uma resolução espacial de 9 km. Por fim, na Figura 3, encontra-se o domínio mais fino, que conta com uma resolução espacial de 3 km e está centrado sobre o arquipélago da Madeira. Projecto 5

6 Figura 1 Nidificação de domínios para a simulação de dados sobre a Madeira. Figura 2 Domínio secundário para a simulação de dados sobre a Madeira. Projecto 6

7 Figura 3 Domínio sobre a Madeira, com 3 km de resolução espacial REGRID Nesta parte do processo, definem-se os parâmetros da simulação que serviram de referência para a inicialização do sistema numérico, ou seja, preparam-se os dados para obter a primeira estimativa a partir da qual o sistema MM5 evolui. Neste sentido, obtêm-se os dados iniciais do Global Forecasting System GFS, um sistema de previsão, propriedade da NOAA, que corre a cada 6 horas e produz estimativas de até 16 dias, mas com uma resolução espacial entre 30 e 70 km, dependendo na zona do globo, e uma resolução temporal de 3 horas para as primeiras 180 horas e depois a cada 12 horas. Os dados do GFS fornecem campos de temperatura, componentes horizontais do vento, humidade relativa, altura dos níveis de pressão, pressão ao nível do mar, temperatura ao nível do mar e cobertura de neve. À saída do REGRID obtém-se valores para estas variáveis meteorológicas nos seguintes níveis de pressão: na superfície, 1000, 850, 700, 500, 400, 300, 250, 200, 150 e 100 mb INTERPF Este programa reconhece a saída do programa anterior e realiza uma interpolação dos dados para os transformar para o sistema de coordenadas sigma, utilizadas pelo MM5. Este sistema de coordenadas tem a vantagem de ser independente da orografia do terreno, fazendo com que as Projecto 7

8 isosuperfícies perto da superfície da Terra variem com esta, ao mesmo tempo que esta variação se vai suavizando para níveis mais elevados, como se mostra na Figura 4. Na configuração do INTERPF foram utilizados 23 níveis sigma para descrever a variação vertical dos fenómenos atmosféricos. Estes 23 níveis seguem uma distribuição não homogénea, ou seja, uma distribuição mais densa nos níveis correspondentes a pressões mais altas (mais próximas do solo), que é onde ocorrem os fenómenos meteorológicos que mais nos interessam. Ao mesmo tempo que realiza esta transformação, o INTERPF prepara os ficheiros de entrada do MM5, definindo as condições iniciais e as condições de fronteira para poder resolver numericamente o sistema de equações diferenciais parciais. Figura 4 Coordenadas sigma dependentes do terreno MM5 A configuração do MM5 para obter uma previsão depende de uma grande quantidade de parâmetros que se podem classificar em três grandes blocos: parâmetros de compilação, parâmetros de computação e parâmetros físicos. Os parâmetros de compilação afectam, principalmente, o tempo de execução do programa mediante uma gestão eficiente dos recursos da máquina onde se está a executar o modelo, que é o Supercomputador Atlante, gerido pelo Instituto Tecnológico das Canárias, que é o oitavo nó a integrar a Rede Espanhola de Supercomputação. Esta máquina é composta por 84 nós JS21 da IBM, alcançando uma capacidade pico de cálculo de 2 Teraflops. Por outro lado, os parâmetros de computação determinam algumas variáveis do esquema numérico utilizado para a resolução do sistema de equações como o uso de condições fronteira dinâmicas, o modo de inicializar o sistema de equações, etc.. Dado que a análise destas opções não faz parte dos objectivos deste projecto, este documento apenas irá focar-se unicamente na Projecto 8

9 análise realizada das opções físicas do modelo, depois da eleição dos parâmetros de compilação e computação mais adequados. Dada a complexidade dos fenómenos atmosféricos e da quantidade de variáveis envolvidas, os modelos meteorológicos utilizam diferentes esquemas (simplificações da realidade) que trabalham juntos para devolver um ao outro para produzir o resultado final, como se demonstra na Figura 5. Figura 5 Interacções entre diferentes esquemas de parametrização. O MM5 oferece a possibilidade de escolher diferentes implementações de cada um desses esquemas, cujo desempenho se ajusta mais à realidade dependendo das características meteorológicas concretas da região que se está a simular, pelo que é necessário realizar um estudo de adaptação dos modelos. Seguidamente, são descritos os diferentes modelos físicos que são possível escolher: ICUPA: Esquemas de parametrização de cumulus (Valores possíveis: 1-None, 2-Anthes-Kuo, 3-Grell, 4-Arakawa-Schubert, 5- Fritsch-Chappell, 6- Kain-Fritsch, 7-Betts-Miller, 8-Kain-Fritsch 2) Estes esquemas implementam a microfísica de formação de cumulus (nuvens), tendo em conta os processos verticais (para cima e para baixo) de movimentos de fluidos até atingir o equilíbrio térmico. IBLTYP: Esquemas da camada limite planetária (Valores possíveis: 0-None, 1-Bulk PBL, 2-High-resolution Blackadar PBL, 3-Burk-Thompson PBL, 4-Eta PBL, 5-MRF PBL, 6-Gayno-Seaman PBL, 7-Pleim-Chang PBL.) Projecto 9

10 Estes esquemas definem o modo como interagem as diferentes camadas da atmosfera em função da sua altura e das suas propriedades termodinâmicas, permitindo um maior ou menor grau de difusão dos fenómenos atmosféricos, para encontrar a camada limite planetária a partir da qual estamos fora da atmosfera. IMPHYS: Esquemas explícitos de humidade (Valores possíveis: 1-Dry, 2-Stable Precip, 3-Warm Rain, 4-Simple Ice, 5-Mixed-Phase, 6-Goddard microphysics, 7-Reisner graupel, 8-Schultz microphysics) Estes esquemas modelam as nuvens precipitáveis e a quantidade de chuva potencial que pode chegar a ocorrer. IFRAD: Esquemas de radiação (Valores possíveis: 0-None, 1-Simple cooling, 2-Cloud radiation scheme, 3-CCM2 radiation scheme, 4-RRTM longwave scheme) Estes esquemas proporcionam métodos diferentes para estimar a radiação e os balanços líquidos de energia trocada, tendo em conta tanto a procedente do sol como a gerada pela própria Terra. ISOIL: Esquema da superfície terrestre (Valores possíveis: None, 0-Force/restore (Blackadar) scheme, 1-Five Layer Soil Model, 2-OSU/Eta Land-Surface Model) Estes esquemas modelam o comportamento da superfície terrestre para poder estimar a temperatura superficial da Terra e a sua influência no balanço energético. SHALLOW CUMULUS: Esquema de nuvens baixas (Valores possíveis: 0-None, 1-Apply) Este esquema permite estimar nuvens baixas não precipitáveis, que o inclui nuvens de raio pequeno, nuvens uniformes, etc. No contexto deste estudo, foi seleccionada a seguinte configuração como a mais adequada para obter as previsões meteorológicas fiáveis no arquipélago da Madeira, utilizando os dados tanto das Canárias como da Madeira para justificar esta configuração. ICUPA=7; IBLTYP=5; IMPHYS=8; IFRAD=2; ISOIL=1; SHALLOW CUMULUS=1. Projecto 10

11 4. CÁLCULO DA PRODUÇÃO ENERGÉTICA Uma vez obtida a previsão meteorológica, é necessário transformar essa informação numa estimativa da energia produzida. O estado da arte descreve duas alternativas para levar a cabo esta tarefa: a) Modelo determinista: Usando um modelo determinista, dado um valor de uma variável meteorológica (radiação ou vento) a essa variável, corresponde uma determinada produção de energia de acordo com os diferentes parâmetros da central fotovoltaica ou do parque eólico. Em condições normais, os modelos deterministas ajustam-se muito bem a esta transformação, numa hipótese que é muito difícil de alcançar em condições reais de operação. Esta hipótese consiste em assumir que o rendimento da central ou do parque é constante ao longo do tempo, pelo que não existem variações da produção energética associadas a perdas como paragens para manutenção dos equipamentos, indisponibilidade dos mesmos, perdas de rendimento devido à vida útil dos equipamentos, etc.. b) Modelo estatístico: Pelo contrário, os modelos estatísticos de produção modelam a central fotovoltaica ou o parque eólico como uma função estatística dos resultados anteriores. Assim, a adaptação às variações estatísticas do rendimento das centrais é possível com relativa rapidez. Pelo contrário, em termos de precisão em condições óptimas, normalmente, oferecem um desempenho inferior, pois o facto de armazenar alguma memória impõe esta restrição. No entanto, em termos gerais, estes modelos estatísticos têm um melhor desempenho médio do que os modelos deterministas. Do ponto de vista prático, como mencionado anteriormente, o desempenho dos modelos estatísticos é mais robusto, pelo que a sua utilização para a previsão da produção energética de origem eólica e fotovoltaica é recomendada. Esta fase de conversão será abordada na segunda etapa dos trabalhos, na medida em que, neste momento, não estão disponíveis os dados de produção energética. Projecto 11

12 5. RESULTADOS O serviço de previsão desenvolvido para o arquipélago da Madeira utiliza os recursos de supercomputação geridos pelo ITC e que se encontram localizados no Parque de Ciência e Tecnologia da ULPGC. Assim, diariamente, gera-se automaticamente uma previsão meteorológica com um horizonte temporal de 120 horas. Após o tempo de computação necessário, o modelo MM5 produz um ficheiro de dados com as variáveis meteorológicas que descrevem o estado atmosférico. Este ficheiro é armazenado no servidor calima, na rede da ULPGC, sob o directório criado para armazenar informações sobre um determinado dia. O protocolo utilizado para a geração de nomes é o seguinte: YYYY-MM-DD_HH_+120_YYYY-MM-DD_HH.MM.SS.RANDOMNUMBER onde YYYY-MM-DD que aparece primeiro é o ano, mês e dia correspondente da simulação, HH é a hora de início dos dados (geralmente 00 horas), +120 é o horizonte de previsão (120 horas de previsão), YYYY-MM-DD_HH.MM.SS.RANDOMNUMBER é a data exacta em que começa o cálculo da previsão. A última data foi introduzida para evitar duplicidade no caso de se efectuar várias simulações para o mesmo dia. Dentro do directório referido acima, encontra-se o ficheiro MMOUT_DOMAIN4, que contém os resultados sobre a Madeira com a resolução mais fina, que é de 3 km. O formato do ficheiro é específico do MM5, pelo que é necessário pós-processar esta informação para extrair os dados de vento e radiação solar que são de interesse para a AREAM. Particularmente, os campos que são necessários extrair são: a) SWDOWN: radiação solar global na superfície horizontal que incide no terreno. b) U10, V10: Componente do vector velocidade do vento a 10 m de altura. c) LATITCRS, LONGITCRS: latitudes e longitudes dos vários pontos do domínio que são necessários para georreferenciar os dados calculados. O resultado desta primeira etapa do projecto é, assim, um ficheiro com 120 horas de previsão com as variáveis meteorológicas mencionadas, que devem ser devidamente pós-processadas para estimar a produção de energia de uma central específica, dependendo da configuração particular dessa central. A Figura 6 apresenta duas imagens de uma previsão de radiação solar onde se detectaram massas nebulosas, do tipo shallow cumulus, sobre a ilha da Madeira. Na imagem da esquerda, norte das ilhas, é possível identificar algumas nuvens altas e semitransparentes que produzem uma ligeira sombra. Projecto 12

13 Figura 6 - Radiação solar global sobre a superfície horizontal em dois instantes de tempo, onde se pode ver a atenuação introduzida pelas nuvens presentes nesses instantes. Os resultados do vento, por outro lado, são mostrados na Figura 7, onde se representam vectores de vento que representam a direcção de propagação do vento e a sua intensidade, representada tanto pelo comprimento do vector como pela cor. Figura 7 Campo de vento na Madeira num instante de tempo da previsão realizada. Projecto 13

14 6. CONCLUSÕES O estudo realizado consiste na adaptação do modelo meteorológico MM5 para o arquipélago da Madeira. Esta adaptação consiste na automação do processo de execução diária de previsões obtendo resultados específicos para esta região. Assim, elaboram-se diariamente previsões meteorológicas para a Madeira com um horizonte temporal de 120 horas. A execução do MM5 foi integrada nas previsões meteorológicas desenvolvidas para as Canárias com o objectivo de aproveitar o custo computacional e as infra-estruturas de cálculo que a ULPGC dispõe que são geridas pelo ITC, que é parceiro do projecto. Além disso, dada a proximidade geográfica de ambos os arquipélagos, as condições meteorológicas são dominadas pelos mesmos fenómenos meteorológicos, pelo que se aproveitou o conhecimento prévio na configuração do modelo para parametrizar de forma adequada o MM5. Os resultados desta adaptação dos modelos estão à disposição da AREAM num servidor gerido pela ULPGC, cujos dados de acesso serão fornecidos em comunicação pessoal com a entidade por motivos de segurança. Finalmente, nos resultados são mostrados alguns exemplos do tipo de resultados que é possível obter com os modelos meteorológicos adaptados para a Madeira. Projecto 14

2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes

2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes INTRODUÇÃO 2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes Este trabalho, que está inserido no projecto CLIMAAT, Programa INTERREG IIIB, servirá também como tese de mestrado. Neste

Leia mais

Prof. Reinaldo Castro Souza (PhD) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) reinaldo@ele.puc-rio.br

Prof. Reinaldo Castro Souza (PhD) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) reinaldo@ele.puc-rio.br Prof. Reinaldo Castro Souza (PhD) Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) reinaldo@ele.puc-rio.br A geração eólica depende diretamente da velocidade do vento. A velocidade do vento

Leia mais

ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA

ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA MAPAS DA RADIAÇÃO SOLAR BRASIL ESTAÇÕES DO ANO - MOVIMENTAÇÃO DA TERRA Além das condições atmosféricas (nebulosidade, umidade relativa do ar etc.), a disponibilidade de radiação solar, também denominada

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

RED IBÉRICA MM5: Rede Ibérica para a investigação e desenvolvimento de aplicações do modelo atmosférico MM5

RED IBÉRICA MM5: Rede Ibérica para a investigação e desenvolvimento de aplicações do modelo atmosférico MM5 RED IBÉRICA MM5: Rede Ibérica para a investigação e desenvolvimento de aplicações do modelo atmosférico MM5 Joana Ferreira, Noel Aquilina, Agnes Dudek e Carlos Borrego Departamento de Ambiente e Ordenamento,

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Exactidão da medição

Exactidão da medição Exactidão da medição Valores energéticos e grau de rendimento dos inversores fotovoltaicos do tipo Sunny Boy e Sunny Mini Central Conteúdo Qualquer operador de um sistema fotovoltaico deseja estar o mais

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE. MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica

Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE. MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica Celso F. França Costa Consultor na MEGAJOULE MEGAJOULE Consultoria no mercado de energia eólica A Megajoule Criada em Fevereiro de 2004 contando os seus fundadores com mais de 10 anos de experiência na

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Performance Ratio Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Conteúdo A Performance Ratio é uma das unidades de medida mais importantes para a avaliação da eficiência de um sistema fotovoltaico. Mais

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

SIQuant GeoQuality DGNToShapefile Converter

SIQuant GeoQuality DGNToShapefile Converter SIQuant GeoQuality DGNToShapefile Converter v.1.2.1.0 Manual do Utilizador 2005-2007 Copyright SIQuant 2005, 2006, 2007. Todos os direitos reservados. O sistema SIQuant GeoQuality é licenciado pela empresa

Leia mais

O GPS IKE 1000 oferece velocidade, segurança e verificação. Com este equipamento a carga de trabalho e tempo dispendidos são minimizados devido a:

O GPS IKE 1000 oferece velocidade, segurança e verificação. Com este equipamento a carga de trabalho e tempo dispendidos são minimizados devido a: Os equipamentos IKE 1000 são equipamentos GPS de elevada precisão, robustos, adequados para recolher diferentes tipos de informação no campo, tais como dados geoespaciais com informação alfanumérica associada,

Leia mais

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica;

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica; Mapas Destinado especialmente aos Utilizadores do GEOPORTAL, nele são descritas e explicadas as diferentes funcionalidades existentes no FrontOffice (GEOPORTAL). O GEOPORTAL é baseado em tecnologia Web,

Leia mais

Global T126 e GFS), executando para ambos os horários (00Z e 12Z), utilizando

Global T126 e GFS), executando para ambos os horários (00Z e 12Z), utilizando 51 Figura 13 - Solicitação e resposta do http. 3.2 Método Para criação da nova metodologia de avaliação, foi utilizado trabalhos escritos por RENARD e CLARKE (1965) que dizem que é possível posicionar

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010 Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010 CONTEÚDOS Observatório José Agostinho 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 03 Caracterização Climática Mensal 03 Precipitação total 04

Leia mais

Revista de Imprensa Julho 2008. 1 - Jornal O Correio.com, 19-07-2008, Nazaré inspira-se em Cascais

Revista de Imprensa Julho 2008. 1 - Jornal O Correio.com, 19-07-2008, Nazaré inspira-se em Cascais Revista de Imprensa Julho 2008 Cascais Atlântico 1 - Jornal O Correio.com, 19-07-2008, Nazaré inspira-se em Cascais 3 Cascais Energia 2 - Mais Ambiente.pt, 31-07-2008, Primeiro edifício municipal do país

Leia mais

Consumo e geração de energia equilibrados

Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Em Portugal, a rede de transporte de energia foi concebida tendo em conta a produção maciça e contínua de energia proveniente

Leia mais

PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA

PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA PROJECTO GEPETO BALANÇO DE ETAPA Coordenação Técnica. Outubro de 2013 BALANÇO DE ETAPA EM METADE DO PROJECTO GEPETO Outubro de 2013 1. RECAPITULAÇÃO DOS OBJECTIVOS 2. ROTEIRO 3. PRINCIPAIS ACTIVIDADES

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA

FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA FUNDAMENTOS DE ESCOLA NÁUTICA FABIO REIS METEOROLOGIA Prof. Fabio Reis 2004 FUNDAMENTOS BÁSICOS DA METEOROLOGIA ATMOSFERA E AQUECIMENTO DA TERRA pg.- 02 VAPOR DE ÁGUA - NUVENS pg.- 20 PRESSÃO CARTA SINÓTICA

Leia mais

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação

Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação Processo do Serviços de Manutenção de Sistemas de Informação 070112=SINFIC HM Processo Manutencao MSI.doc, Página 1 Ex.mo(s) Senhor(es): A SINFIC agradece a possibilidade de poder apresentar uma proposta

Leia mais

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização do estado de

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

1.1. Viagens com GPS. Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra.

1.1. Viagens com GPS. Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra. 1.1. Viagens com GPS Princípios básicos de funcionamento de um GPS de modo a obter a posição de um ponto na Terra. O que é o GPS? Como funciona o GPS? Qual é a precisão do GPS? O sistema de satélites do

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático Neste capítulo, será feita a demonstração da aplicação do modelo num programa de cálculo automático, desenvolvido em linguagem de programação

Leia mais

Medição das características detalhadas do vento no Pico Gordo Madeira (estação PORT323)

Medição das características detalhadas do vento no Pico Gordo Madeira (estação PORT323) Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Medição das características detalhadas do vento no Pico Gordo Madeira (estação PORT323) Estudo elaborado para AREAM Agência Regional

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011 Manual Profissional BackOffice Mapa de Mesas v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar ZSRest Backoffice... 3 4. Confirmar desenho de mesas... 4 b) Activar mapa de mesas... 4 c) Zonas... 4 5. Desenhar

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10 Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano ectivo 09/10 Duração da Actividade: 90 minutos Data: 04/ 12 / 09 Responda com clareza às questões

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Junho de 2014

Boletim Climatológico Mensal Junho de 2014 Boletim Climatológico Mensal Junho de 2014 CONTEÚDOS Observatório Magnético e Sismológico de S. Miguel (c. 1944). 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 02 Caracterização Climática Mensal

Leia mais

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO: CONSOLIDAÇÃO DA MODELAGEM PREVISÃO NUMÉRICA DO TEMPO NO INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET) BRA/OMM/011/001 TERMO DE REFERÊNCIA Perfil: Especialista em TI para atuar no aprimoramento do

Leia mais

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto

Programação 2ºSemestre MEEC - 2010/2011. Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2º Semestre 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização,

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Elementos e fatores climáticos

Elementos e fatores climáticos Elementos e fatores climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade,

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano

Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano Manual Gespos Passagem de Dados Fecho de Ano ÍNDICE PASSAGEM DE DADOS / FECHO DE ANO... 1 Objectivo da função... 1 Antes de efectuar a Passagem de dados / Fecho de Ano... 1 Cópia de segurança da base de

Leia mais

7.Conclusão e Trabalhos Futuros

7.Conclusão e Trabalhos Futuros 7.Conclusão e Trabalhos Futuros 158 7.Conclusão e Trabalhos Futuros 7.1 Conclusões Finais Neste trabalho, foram apresentados novos métodos para aceleração, otimização e gerenciamento do processo de renderização

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA ILHA DE SANTA CATARINA

GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA ILHA DE SANTA CATARINA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLOGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE FORMAÇÃO GERAL E SERVIÇOS CURSO TÉCNICO DE METEOROLOGIA ESTUDO ESTATISTICO DA BRISA NA ILHA DE SANTA CATARINA Projeto Integrador

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 CONTEÚDOS Detalhe do posto meteorológico de Angra do Heroísmo, instalado na Igreja do Colégio (c. 1927). 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas

Leia mais

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO TEFIGRAMA

LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO TEFIGRAMA Ê Destina-se a todos níveis de piloto LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO TEFIGRAMA O voo livre, depende literalmente das condições meteorológicas. Saber avaliar correctamente as mesmas, é fundamental para voar

Leia mais

Utilização do SOLVER do EXCEL

Utilização do SOLVER do EXCEL Utilização do SOLVER do EXCEL 1 Utilização do SOLVER do EXCEL José Fernando Oliveira DEEC FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MAIO 1998 Para ilustrar a utilização do Solver na resolução de

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS

A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS A INFLUÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FISIOGRÁFICAS NO LESTE DO NORDESTE DO BRASIL UTILIZANDO O MODELO RAMS Dirceu Luís Herdies* Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos CPTEC-INPE Rodovia Presidente

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Satélites Satélite é o elemento comum de interligação das estações terrenas, atuando como estação repetidora. Devido a sua altitude,

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

SOFTWARE. Equipamentos de gestão para controlo de acessos

SOFTWARE. Equipamentos de gestão para controlo de acessos SOFTWARE Fácil utilização. Ambiente Windows XP Profissional. Controle individual dos operadores com diferentes níveis de acesso. Registo de todas as entradas, pagamentos, saídas e de anomalias. Informação

Leia mais

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa

Redes de Computadores II. Professor Airton Ribeiro de Sousa Redes de Computadores II Professor Airton Ribeiro de Sousa 1 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento 2 PROTOCOLO IP IPv4 - Endereçamento A quantidade de endereços possíveis pode ser calculada de forma simples.

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SUMÁRIO 1 Introdução...5 2 Sistema de monitoramento climático Ressonare...7 2.1 A rede de monitoramento...8 2.2 A coleta, o armazenamento e o acesso aos

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 06/07 Sérgio Sobral Nunes mail: sergio.nunes@fe.up.pt web: www.fe.up.pt/~ssn Sumário Definição

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Um sistema SMS 1 simplificado

Um sistema SMS 1 simplificado 1 Introdução Um sistema SMS 1 simplificado Projecto de Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC IST, Tagus Park 10 de Setembro de 2007 Pretende-se com este projecto que os alunos implementem um sistema

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação)

Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação) Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação) Conservação de Volume O princípio de conservação de volume ou Equação de Continuidade deriva do facto de a compressibilidade da água

Leia mais

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas As definições de clima e tempo frequentemente são confundidas. Como esses dois termos influenciam diretamente nossas vidas, é preciso entender precisamente o que cada um significa e como se diferenciam

Leia mais

3 Arquitetura do Sistema

3 Arquitetura do Sistema 3 Arquitetura do Sistema Este capítulo irá descrever a arquitetura geral do sistema, justificando as decisões de implementação tomadas. Na primeira seção iremos considerar um conjunto de nós interagindo

Leia mais

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical DEFINIÇÃO DE SIG As definições são condicionadas pelo ambiente em que surgem e pela realidade

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Modelagem matemática na previsão do tempo e do clima

Modelagem matemática na previsão do tempo e do clima Modelagem matemática na previsão do tempo e do clima Fonte: http://www.comciencia.br/reportagens/modelagem/mod06.htm Devido ao progresso da computação e suas múltiplas aplicações e utilidades, a modelagem

Leia mais

Medindo a Terra com Sombras

Medindo a Terra com Sombras Projecto apresentado no XI Encontro Nacional de Estudantes de Física, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 27 Fevereiro - 1 Março de 2009, resultante de uma parceria entre a Sociedade Portuguesa

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho 20 Capítulo 3 Avaliação de Desempenho Este capítulo aborda como medir, informar e documentar aspectos relativos ao desempenho de um computador. Além disso, descreve os principais fatores que influenciam

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar

Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar Desempenho Térmico de edificações Aula 5: Orientação e Diagrama Solar PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura Introdução Movimentos da terra Diagramas solares Análises de proteções

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes

Enunciados dos Trabalhos de Laboratório. Instituto Superior Técnico - 2005/2006. 1 Introdução. 2 Configuração de Redes Enunciados dos Trabalhos de Laboratório Instituto Superior Técnico - 2005/2006 1 Introdução A empresa XPTO vende serviços de telecomunicações. O seu portfólio de serviço inclui: acesso à Internet; serviço

Leia mais

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura

Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura ANEXO III PROGRAMA PRELIMINAR Programa_Preliminar_JC_DOM 1 Reabilitação do Edifício da Casa da Cultura PROGRAMA PRELIMINAR Índice! " #! $ % &' ( Programa_Preliminar_JC_DOM

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade

Planificações 2012/2013. Tecnologias da Informação e Comunicação. 2ºAno. Escola Básica Integrada de Pedome. C E F Apoio à Família e à Comunidade Planificações 2012/2013 Tecnologias da Informação e Comunicação C E F Apoio à Família e à Comunidade 2ºAno Escola Básica Integrada de Pedome Grupo Disciplinar de Informática Planificação a Longo Prazo

Leia mais

ANÁLISE DO MODELO ETA COMPARADO COM DADOS OBSERVADO DA ESTAÇÃO EM MACEIÓ.

ANÁLISE DO MODELO ETA COMPARADO COM DADOS OBSERVADO DA ESTAÇÃO EM MACEIÓ. ANÁLISE DO MODELO COMPARADO COM DADOS OBSERVADO DA ESTAÇÃO EM MACEIÓ. Allan Rodrigues Silva 1 Adriano Correia de Marchi 2 Roberto Fernando da F. Lyra 3 Rosiberto Salustiano da Silva Junior 3 Thalyta Soares

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais