Somos - Guia para Professoras/es. Índice

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tod@s Somos Precis@s - Guia para Professoras/es. Índice"

Transcrição

1 1 Somos - Guia para Professoras/es Índice 1. Introdução 2. O que é educar para os Direitos Humanos? 3. Terminologia 4. Estrutura de cada ferramenta 1. Introdução Este material foi desenvolvido como parte integrante do projeto Somos do Instituto Dinamarquês dos Direitos Humanos (IDDH), com o objetivo de eliminar a discriminação e promover a igualdade de tratamento através da educação, e com enfoque especial na discriminação com base na orientação sexual e identidade de género. O projeto pretende alcançar um avanço na igualdade de tratamento e na não-discriminação nas escolas e nos sistemas de educação de nove países europeus. É desenvolvido em estreito diálogo com os parceiros nacionais e com base numa avaliação das necessidades das escolas dos nove países envolvidos. Estes países são: Bulgária, Dinamarca, Irlanda, Letónia, Polónia, Portugal, Roménia, Espanha e Suécia. O projeto é levado a cabo em parceria com associações de lésbicas, gays, bissexuais e/ou transexuais (LGBT) destes países e é financiado pela Comissão Europeia e pelo IDDH Que materiais compõem o Somos Os materiais são conteúdos disponíveis online que podem ser encontrados nos sítios da internet nacionais do Somos de cada país. No portal online para professoras/es encontrará o guia para professoras/es assim como materiais divididos por nível e tema, para estudantes entre os 10 e 17 anos de idade. Encontrará vídeos de, por exemplo, sessões de formação, testemunhos de professoras/es com pareceres imediatos acerca dos materiais, e também ferramentas para a educação em direitos humanos. Estes materiais pretendem constituir-se como uma inspiração para as direções escolares reconhecerem e atacarem a homofobia, a transfobia e a discriminação em geral com base na orientação sexual e na identidade de género. Os materiais podem também ser utilizados para reflectir sobre outras formas de discriminação (como raça, etnia ou religião). Os públicos-alvo destes recursos são as direções das escolas, assim como o seu corpo docentes. Acreditamos que o esforço para melhorar a igualdade de tratamento e oportunidades nas escolas e nos sistemas de educação em geral deverá ser um esforço abrangente, suportado não apenas por professoras/es, mas também pela própria direção da escola e pelo corpo não docente em geral. Todos os materiais podem ser pesquisados no portal online por palavras-chave, nível de escolaridade, tema e/ou método. Trata-se de recursos baseados nos resultados da avaliação de necessidades conduzida nos nove países durante o projeto. Para além disso, há uma ferramenta de avaliação para que professoras/es possam medir o impacto, imediato e a longo prazo, dos materiais em três níveis: conhecimento, reflexões sobre atitudes e valores, assim como as competências relativas à igualdade de tratamento, particularmente nas questões LGBT. Não é necessário deter conhecimentos prévios em direitos humanos e igualdade de tratamento para trabalhar com os materiais. A informação de base necessária poderá ser encontrada nos materiais e no portal para docentes. Neste, poderá inclusivamente encontrar: um glossário relativo a questões de igualdade de tratamento e, em particular, à orientação sexual e identidade de género, com

2 2 definições de todos os termos; vídeos de instrução que contêm exemplos de como conduzir as sessões; uma síntese de Factos e Estudos sobre questões LGBT, assim como uma ligação para o portal online para estudantes e o sítio da internet onde se encontra a campanha nacional. No portal online para estudantes, poderão ser encontrados três jogos e dois pequenos testes relativos a direitos humanos e igualdade de tratamento, com ênfase especial em diversidade sexual e de género. O portal online incluirá também o glossário, os factos-chave e outras informações básicas sobre direitos humanos, igualdade de tratamento e discriminação com base na orientação sexual e identidade de género. Os elementos do portal online são também referenciados nos materiais para professoras/es e podem ser fornecidos às turmas como trabalho de casa, antes das sessões pedagógicas. Quando for relevante, esta indiciação virá referida nos materiais Acerca da classificação dos recursos Existem quatro tipos de materiais de apoio. Três são dirigidos a professoras/es e um às direções das escolas. Os grupos dirigidos a professoras/es estão classificados de acordo com o nível das/os estudantes e consistem numa sequência de atividades. Cada proposta de actividade foi estruturada em torno de abordagens como exercícios de reflexão, filmes, media e análise de imagens, testes, jogos de interpretação de personagens, jogos interativos online desenvolvidos para o projeto, histórias para contar, e propostas de debate de ideias relativos a normas de género e identidade de género. Para além de estarem divididos por nível e tema, os materiais estão também relacionados com as matérias das disciplinas relevantes. Cada grupo de recursos inclui este guia para professoras/es, a ferramenta de avaliação, uma atividade sobre regras básicas e oito propostas de atividade individuais. Os materiais consistem, no total, em 30 documentos para professoras/es e três para as direções. Estão classificados da seguinte forma: Material de apoio A: anos Material de apoio B: anos Material de apoio C: anos É recomendável, ao planear uma aula ou uma sequência de aulas sobre estes temas, que se tomem em consideração os materiais de apoio de outros níveis, uma vez que muitas das atividades propostas poderão, com alguns ajustamentos, ser também utilizadas. Adicionalmente, se se tratar de uma escola bilingue ou de uma disciplina de língua estrangeira poderá ter interesse usar os materiais noutras línguas. Isso será possível entrando na sub-página Materiais, seguindo depois a ligação para outros portais nacionais do Somos como, por exemplo, o irlandês, onde os textos podem ser encontrados em inglês. Estes recursos inspiraram-se nos seguintes materiais: A Safe School for All!, de Karen Ewers e Lovise Brade Haj, Copenhagen Gay & Lesbian Film Festival, 2009; Address Homophobia!, de Karen Ewers, Amnesty International Denmark, 2011; BRYT! Ett metodematerial om normer i allmenhät och heteronormen i synnerhet, Forum för levende historier, RSFL Ungdom, 3. oplag, 2011; Compass: A manual on human rights education with young people, Conselho da Europa, 2002; Democracy Because Cecilia Decara e Lone Smith, Instituto Dinamarquês dos Direitos Humanos e Ungdomsbyen, 2010; Drop Discrimination, de Lumi Zuleta e Jette Laage-Petersen, Instituto Dinamarquês dos Direitos Humanos, 2011; Någonstans går gränsen - Ett metodmaterial för lärare om hur man kan

3 3 arbeta med normer i klassrummet, de Gunilla Edemo e Joakim Rindå, RFSL Stockholm, 2004; Levanta-te! Curta metragem produzida pela BeLonG To; The Cursed love: 14 stories about homosexual and cultural diversity, de Marianne Nøhr Larsen e Malene Fenger- Grøndahl, CDR Editions 2007, Dinamarca, imagens de Hanne Bielefeldt; To be Yourself, The Danish Family Planning Association, 2011; Good practice on Citizenship Education and Citizenship Didactics Cecilia Decara (editora), Instituto Dinamarquês dos Direitos Humanos, 2011; Unseen on Screen Gay people on youth TV, April Guasp, Stonewall Regras básicas É recomendável que as sessões pedagógicas sejam iniciadas com um exercício de reflexão intitulado de regras básicas, que poderá ser encontrado nos quatro materiais de apoio. É um exercício em que o grupo definirá coletivamente um conjunto de regras de base para as sessões, que poderão depois ser invocadas, tanto por estudantes e professoras/es, como pelas direções. O objetivo deste exercício é criar um bom ambiente de trabalho, proporcionando também um espaço seguro onde todas/os as/os alunas/os se sintam incluídas/os, reconhecidas/os, ouvidas/os e respeitadas/os. O exercício também permitirá às/aos participantes sentirem-se mutuamente responsáveis pelo êxito das sessões, fazendo uso de métodos participativos. As regras são direitos e deveres que podem ser formulados em qualquer comunidade. Seguindo esta linha, a criação de regras básicas no contexto de uma turma ou escola é uma forma de trabalhar, na prática, com os princípios dos direitos humanos. Isto requer então que, durante o processo, o/a professor/a tenha em consideração que estas regras deverão ser coerentes com as normas e os princípios dos direitos humanos Instrumento de avaliação A avaliação baseia-se nas questões levantadas durante o diagnóstico de necessidades do projeto. Pode ser utilizada para se ter uma noção imediata do impacto das sessões junto das/os alunas/os, nomeadamente para aferir o seu grau de conhecimento, mas também para avaliar resultados a longo prazo, tais como mudanças de atitude e aquisição de competências. Para tal, este instrumento terá que ser utilizado, no mínimo, duas semanas após as atividades. O instrumento consiste num questionário a que as/os alunas/os deverão responder antes e depois da sessão. Comparando os dois conjuntos de resultados, o/a professor/a poderá então avaliar as reações relativamente ao conteúdo das sessões já conduzidas Objetivos pedagógicos dos materiais Objetivos pedagógicos a alcançar pelas turmas envolvidas no projeto: Reforçar os seus conhecimentos relativos à igualdade de tratamento e discriminação em geral, e discriminação e bullying homo, bi e trans, em particular; Adquirir conhecimento sobre as diferentes identidades LGBT e sobre as consequências dos estereótipos negativos que lhes estão associados; Reflitir sobre as suas normas familiares e de género, assim como sobre as normas de género intrínsecas à sociedade e definidas por certas expetativas relativas à orientação sexual, identidade de género, etnia, raça e/ou religião e crença;

4 4 Reforçar a sua capacidade para refletir sobre valores e atitudes relativos a estereótipos, igualdade de tratamento, reconhecimento e respeito pela diversidade na turma, assim como sobre responsabilidades e direitos dentro de qualquer comunidade ou grupo social; Motivar-se para contribuir e co-responsabilizar para agir de acordo com os direitos humanos e os princípios de igualdade de tratamento, na criação de um ambiente seguro e construtivo na escola; Reforçar a sua capacidade para analisar, refletir e agir em relação a preconceitos e à discriminação, incluindo o respeito pelas opções de outras pessoas, reconhecendo o lado positivo de quebrar com normas e estigmas negativos. 2. O que é a Educação em Direitos Humanos? A Educação em Direitos Humanos (EDH) é um pré-requisito essencial à implementação eficaz dos direitos humanos e da igualdade de tratamento. Nesse sentido, necessitamos, em primeiro lugar, de conhecer os nossos direitos e refletir acerca das atitudes e valores relativamente a questões de direitos humanos. Precisamos também de desenvolver capacidades concretas de reivindicação. O mesmo se passa com quem detém responsabilidades, como os Estados e as instituições públicas como escolas ou outras organizações de ensino para jovens: para proteger, respeitar e cumprir os direitos humanos individuais devem conhecer os seus próprios deveres e obrigações, assim como as ferramentas para proteger de forma eficaz e pôr em prática estes direitos. Para além disso, de acordo com a Declaração das Nações Unidas sobre educação e formação em matéria de direitos humanos (A/HRC/RES/16/1, 2011), a EDH abrange educação: (a) acerca dos direitos humanos, o que inclui fornecer conhecimento e entendimento das normas e princípios dos direitos humanos, os valores que os sustentam e os mecanismos para a sua promoção e proteção; (b) através dos direitos humanos, o que inclui aprender e ensinar de uma forma que respeite, tanto os direitos de formadoras/es como de formandas/os. O/a professor/a age deliberadamente de acordo com os direitos humanos, promovendo a igualdade de tratamento e delegando os processos de tomada de decisão entre as/os alunas/os estudantes; (c) para a promoção dos direitos humanos, o que inclui motivar as pessoas a usufruir e exercitar os seus direitos e a respeitar e preservar os direitos dos outros. Vários pontos-chave nascem desta definição, assim como da Declaração. Em primeiro lugar, a Declaração articula claramente a visão de que a EDH consiste, fundamentalmente, em delegar. Por exemplo, não seria suficiente para as/os estudantes acumularem apenas conhecimentos acerca do sistema de direitos humanos e estado de direito e aprender de cor os artigos que compõem a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Pelo contrário, a EDH é um processo através do qual as/os alunas/os tomam conhecimento dos seus direitos e dos direitos de outras/os, através da interação e métodos pedagógicos participativos que respeitam os direitos de estudantes e professoras/es. Através da EDH as/os alunas/os refletem acerca das suas atitudes e valores e aprendem sobre os aspetos legais e normativos dos direitos humanos, ao mesmo tempo que fortalecem competências concretas. Em segundo lugar, a EDH como qualquer outro processo educativo precisa de planeamento e compreensão relativamente às/aos formandas/os. Começa na avaliação das necessidades entre

5 5 estudantes, professores/as e direções, e requer objetivos de aprendizagem claros, que estejam de acordo com as necessidades encontradas. Para o sucesso do processo de EDH, é essencial que haja coesão entre as necessidades do grupo-alvo e os objetivos pedagógicos, que é a única forma de assegurar que há um compromisso e responsabilização pelo sucesso tanto por parte de estudantes como de educadoras/es. É essencial avaliar e acompanhar a evolução das competências adquiridas, da reflexão acerca das atitudes e valores e da aquisição de conhecimentos concretos, de forma a assegurar que a educação é relevante e aplicável ao contexto. Em terceiro lugar, a EDH é uma ferramenta preventiva, já que permite que as/os participantes identifiquem e enfrentem as causas arraigadas às violações dos direitos humanos, assim como obtenham as competências e ferramentas necessárias para as ultrapassar de forma eficaz. A educação é fornecida de acordo com os princípios dos direitos humanos, num ambiente de aprendizagem inclusivo que os promove. As/os alunas/os têm o direito de não serem discriminadas/os e de não enfrentarem estereótipos negativos, atitudes e práticas opressivas. Da mesma forma, devem conhecer os seus direitos assim como as suas obrigações e co-responsabilidade na não violação dos direitos de outras pessoas. Finalmente, a EDH é, afinal de contas, a obtenção de conhecimentos e vocabulário sobre os direitos humanos e igualdade de tratamento por parte dos estudantes, a reflexão sobre valores e atitudes, a aprendizagem de novas capacidades e a promoção da troca de conhecimentos e informação. Todos estes elementos em conjunto poderão levar a mudanças de comportamento que vão ao encontro dos princípios dos direitos humanos e da igualdade de tratamento.

6 6 Para além disso, como mostra a figura acima, a EDH foca-se na/o estudante e no processo de aprendizagem e não no/a professor/a e no processo de ensino. A chave do processo é a delegação que se faz nas/os estudantes: nas suas necessidades pedagógicas e nas suas reflexões sobre valores e atitudes. A experiência diz-nos que esta abordagem tem um impacto muito mais forte e leva a resultados mais eficazes do que quando se foca numa mera transferência de conhecimento. A EDH baseia-se na Abordagem Baseada nos Direitos Humanos (ABDH), que pode ser aplicada a qualquer trabalho sobre direitos humanos. A ABDH ativa o sistema de direitos humanos e clarifica os papéis, direitos e obrigações das/os detentoras/es de direitos e das/os portadoras/es de deveres, com base em instrumentos/documentos e mecanismos que servem de guia para o trabalho destes últimos e doutros agentes da sociedade civil (por exemplo, Organizações Não Governamentais). A ABDH permite a articulação dos direitos humanos com a lógica do desenvolvimento humano, relacionando os seus objetivos e aplicando os princípios a processos de trabalho, ao planeamento e à implementação de programas, projetos e atividades. No caso da educação, a ABDH passa, antes de mais, por definir objetivos claros e planear aulas de acordo com os princípios dos direitos humanos e da igualdade de tratamento Uma perspetiva horizontal da não discriminação e igualdade de tratamento A perspetiva horizontal é útil quando trabalhamos com a não discriminação e igualdade de tratamento, mesmo quando o ponto de partida é a EDH. Ter uma perspetiva horizontal da não discriminação e igualdade de tratamento exige trabalhar todas as áreas de discriminação incluindo idade, incapacidade, género, raça e origem étnica, religião ou crença e orientação sexual. Isto porque existem desafios e objetivos comuns a todas estas áreas. Experiências e lições aprendidas no trabalho com uma forma particular de discriminação poderão, então, beneficiar e fortalecer o trabalho com outras. Para além disso, nalguns casos pode não ser apropriado trabalhar apenas numa única forma de discriminação. Alguns dos exercícios presentes no material baseiam-se em histórias verídicas de jovens, que se identificam como minorias étnicas e religiosas, e também homossexuais. Os estereótipos negativos que estas/es jovens sofrem têm então origem em mais do que uma forma de discriminação pelo que utilizamos aqui o conceito de discriminação múltipla. Na prática, não faz muito sentido separar as diferentes formas de discriminação, como a orientação sexual e religião ou crença. Pelo contrário, a discriminação múltipla deverá ser entendida e discutida nas suas diversas relações. Trata-se de um tema importante a introduzir quando falamos de igualdade e da não discriminação, e a perspetiva horizontal é uma ferramenta valiosa para o abordar. Partir de uma perspetiva horizontal quando trabalhamos com a não discriminação e igualdade de tratamento e quando abordamos a discriminação múltipla, pode ser uma boa forma de introduzir temas como a diversidade sexual e de género no contexto escolar dos países onde existem ainda fortes preconceitos acerca de pessoas LGBT. Assim sendo, a perspetiva horizontal cria uma oportunidade de cooperação com escolas e sistemas de educação para jovens, assim como Ministérios da Educação, que poderão estar menos abertos à discussão destas questões nos seus programas curriculares nacionais. Para além disso, entender os mecanismos por detrás da discriminação, do bullying e dos estereótipos negativos relativamente a uma área, poderá ajudar as/os estudantes a entender e reagir a estes mecanismos nas múltiplas formas de discriminação Abordagem de tolerância versus crítica à norma

7 7 A educação para a cidadania, assim como a educação para a igualdade de tratamento e não discriminação foca-se normalmente numa ideia de tolerância, igualdade de tratamento, e compaixão pelas vítimas de bullying, discriminação e estereótipos negativos. Trata-se, geralmente, de chamar a atenção para o direito de não sofrer de bullying ou discriminação, por um lado, e para os deveres/responsabilidades e compensação da liberdade de expressão, por outro. As vítimas em questão são geralmente minorias étnicas ou religiosas, pessoas com deficiência ou incapacidade, e pessoas LGBT. Esta abordagem de tolerância parece ser usada em quase todos os nove países participantes. As iniciativas neste âmbito focam-se, em grande medida, nas categorias específicas de minorias (por exemplo LGBT) mas não incluem uma perspetiva crítica. Há uma tendência para falar das minorias que deverão ser toleradas, respeitadas e protegidas, em vez das categorias sociais e legais globais do género e da sexualidade, por exemplo. Esta abordagem de tolerância largamente difundida poderá ser útil nalguns casos, já que é a única forma de professoras/es ou instituições chegarem a estudantes, dados os contextos e situações. No entanto, não é uma abordagem suficiente em si, se o que queremos é motivar as/os alunas/os a fazerem parte da mudança das normas e dos estereótipos negativos. Como alternativa, uma crítica à norma pode ser útil quando trabalhamos com direitos humanos e na educação de temas que envolvem uma relação minoria-maioria. Com ênfase particular na crítica à norma em relação a questões LGBT, a educação para os direitos humanos permite que, tanto estudantes como professoras/es adoptem uma postura crítica perante normas, incluindo a heteronorma, que pode ser vista como uma das mais básicas e influentes normas na maioria das sociedades. Em poucas palavras, esta norma dita que existem diferenças fundamentais entre homens e mulheres e, assim sendo, que uma pessoa deverá ser um ou outro. A heteronorma também dita que é mais natural sentir atração pelo sexo oposto. Em vez de se focar nas pessoas que se desviam das normas, a crítica à norma foca-se nas razões por detrás da discriminação. Na prática, isto significa que em vez de chamar a atenção para o facto de que algumas pessoas são estereotipadas de forma negativa, assediadas, intimidadas, etc., devemos identificar e questionar as normas que provocam esta categorização e estas representações. A abordagem de tolerância parece ignorar as relações assimétricas de poder que rotulam as pessoas como cumpridoras e transgressoras. A crítica à norma pretende trazer estas relações de poder à superfície e desafia-las, reduzindo o risco de que a estigmatização das pessoas LGBT saia reforçada, tanto na aula como fora dela. Desta forma, o objectivo será não apenas a criação de um cenário onde pessoas homossexuais, bissexuais e transexuais possam revelar a sua orientação sexual e identidade de género, mas também expor as razões pelas quais estas pessoas têm que assumir-se ou revelar a sua orientação sexual ou identidade de género. Para além disso, quando trabalhamos com a abordagem de tolerância, corremos o risco de reforçar as normas em vez de as desafiarmos e mudarmos. Normas negativas rotulam muitas vezes uma pessoa que pertença a uma minoria que não encaixe na norma como obscura, estranha ou mesmo pervertida. Já se a pessoa pertencer a uma maioria é considerada normal, comum ou até tradicional. Quem faz parte da norma tem o privilégio de discutir e até definir os direitos e condições de vida de desviantes. Por exemplo, o casamento entre pessoas do mesmo sexo é um tema muitas vezes trazido a debate, enquanto que os direitos de casamento das pessoas heterossexuais nunca são contestados. O direito de qualquer indivíduo à sua identidade também não é desafiado, mas quando falamos de mudança de sexo, o caso já é debatido e, nalguns países, esse reconhecimento é proibido. Mais, quando trabalhamos com a abordagem de tolerância, existe um risco de assumirmos que nenhum/a das/os estudantes pertence a minorias que na aula sejam descritas como estigmatizadas

8 8 ou vitimizadas. Por exemplo, quando discutimos se a adoção por casais do mesmo sexo deverá ou não ser permitida, é muitas vezes pressuposto que só há estudantes heterossexuais presentes na aula. Isto apesar de os resultados de um estudo irlandês concluirem que é geralmente aos 12 anos que uma pessoa LGBT se apercebe da sua orientação sexual e/ou identidade de género. ( Supporting LGBT Lives estudo apoiado, entre outros, pela GLEN (2009)). Com uma abordagem baseada nos direitos humanos e numa crítica à norma, as e os estudantes aprendem tanto sobre direitos, deveres e co-responsabilidades como sobre igualdade de tratamento, de uma forma que leva em consideração estes riscos; aprendem também de que modo as normas e as assimetrias nas relações de poder funcionam e apercebem-se das suas próprias normas e preconceitos. De acordo com o que está definido nos objetivos pedagógicos deste guia, pretende-se que as/os estudantes reforcem a sua capacidade de análise, e que reflitam e atuem em relação a preconceitos e discriminação, incluindo o respeito pelas opções das outras pessoas, identificando aspetos positivos de quebrar as normas que sejam dominantes e negativas Os materiais apresentam-se todos segundo a crítica à norma? Os materiais de apoio 1 3 incluem este guia para professores, assim como uma ferramenta de avaliação para cada nível e um exercício sobre Regras básicas. Todos os materiais contêm reflexões relativas à crítica à norma, ainda que alguns estejam em parte metodologicamente desenvolvidos de acordo com a abordagem de tolerância, de modo a ser mais fácil trabalhar, sobretudo em situações em que tanto estudantes como professoras/es e encarregadas/os de educação possam revelar mais resistência a desafiar normas opressivas e dominantes. Os materiais 4 a 7 de cada conjunto de materiais de apoio para professores são, na sua grande maioria, menos conformes à abordagem de crítica à norma. No entanto, no geral, os recursos 8 a 11 constituem explicitamente uma crítica à norma, tanto na sua metodologia como nas questões que colocam. 3. Terminologia Quando trabalhamos num contexto educativo com normas e não discriminação de acordo com uma perspetiva de direitos humanos, é de grande importância distinguir entre termos legais, por um lado, e preconceitos e estereótipos, por outro. Onde está a fronteira entre ser exposta/o à estigmatização e a estereótipos negativos, porque se tem múltiplas identidades, e ser vítima de discriminação múltipla segundo os tribunais, porque alguém agiu injustamente segundo os seus preconceitos? Para além disso, conta-se com a capacidade do/a professor/a para adaptar a terminologia e os princípios dos direitos humanos ao contexto escolar. Os termos ou palavras-chave estão categorizados pelos seguintes títulos: 1) direitos humanos, princípios de direitos humanos, direitos, regras; 2) discriminação, discriminação múltipla; 3) igualdade, igualdade de tratamento, tratamento diferenciado; 4) LGBT, orientação sexual, expressão de género, identidade de género; 5) heteronormatividade, homofobia, transfobia, racismo; 6) crime de ódio, discurso de ódio, liberdade de expressão; liberdade de reunião e associação; 7) estigmatização, estereótipos, preconceitos; 8) bullying, exclusão, inclusão; 9) minoria, maioria, diversidade.

9 9 Abaixo pode-se encontrar uma pequena definição para cada um destes termos. O portal online inclui também um glossário com uma breve descrição (3-4 linhas) com termos adicionais usados nos recursos. Este pequeno glossário corresponde ao glossário do portal online dos estudantes, incluindo as mesmas palavras, mas dirigido a este público Direitos humanos, príncipios dos direitos humanos, direitos, regras; Os direitos humanos são aqueles direitos atribuídos à nascença a qualquer indivíduo e que o Estado é obrigado a cumprir. Cobrem quase todos os aspetos da vida pessoal, igualdade de acesso à educação, cuidados de saúde, direito à família, desenvolvimento e participação na vida cultural e social da comunidade. Foram formulados, primeiro, como um documento da Organização Nações Unidas (ONU) em No entanto, são direitos constantemente revistos e atualizados para estarem de acordo com as novas necessidades e desafios. Por exemplo, os direitos de trabalhadores/as migrantes e suas famílias ou os direitos das pessoas com incapacidade passaram a ser considerados há menos de uma década. Os direitos humanos são tratados, tanto a nível nacional como internacional. É importante saber que os direitos humanos (independentemente da sua formulação internacional) são sempre implementados pelos Estados através de legislações nacionais. A ONU, que integra grande parte dos países do mundo, monitoriza a implementação dos direitos humanos e formula documentos influentes neste âmbito. Outras instituições internacionais que trabalham com e para os direitos humanos são a União Europeia e o Conselho da Europa. A diferença entre os dois reside no facto da União Europeia consistir em 27 Estados (e passará a incluir mais um, a Croácia, em 1013). O Conselho da Europa consiste em 47 Estados membros e, para além dos países da UE, também conta com países como a Federação Russa, Ucrânia, Moldávia, Noruega, Suíça, países Balcãs, etc. Se, por um lado, a ONU se encontra ativa em quase todos os países do mundo, o Conselho da Europa é uma cooperação regional, apenas relevante para países europeus. São estes documentos, juntamente com um número de diretivas da UE e a Carta dos Direitos Fundamentais da EU, que constituem as pedras angulares da legislação dos direitos humanos e da sua implementação na maioria dos estados europeus. É importante perceber que os direitos humanos regulam a relação entre o Estado e o indivíduo. Tal como indicado em documentos já ratificados e assinados, todos os Estados são obrigados a proteger, promover e implementar os direitos humanos, através de convenções ou diretivas (no contexto da UE). Depois de ratificar uma convenção ou diretiva, o Estado deve rever a legislação nacional de forma a garantir que os princípios indicados no documento são mencionados e assinalados na legislação nacional. O Estado também é obrigado a assegurar que existam instituições que monitorizem e implementem estes direitos, que possam gerir reclamações de cidadãs e cidadãos em situações em que esses direitos possam ter sido violados. Princípios dos direitos humanos universalidade e inalienabilidade: significa que todas as pessoas em qualquer local do mundo e independentemente do seu estatuto social possuem estes direitos. A universalidade dos direitos humanos está englobada no Artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos Humanos: Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. Princípios dos direitos humanos igualdade e não discriminação: significa que todos os indivíduos são iguais como seres humanos e por virtude da dignidade inerente a cada ser humano. Assim sendo, ninguém deverá sofrer discriminação com base na raça, cor, etnia, género ou identidade de género, idade, língua, orientação sexual, religião, política ou outra opinião, origem nacional, social ou

10 10 geográfica, incapacidade, propriedade, nascimento ou outro estatuto, tal como estabelecido nos padrões dos direitos humanos. Princípios dos direitos humanos participação: significa que todas as pessoas têm o direito de participar e ter acesso a informação relativa aos processos de tomada de decisão que afetam as suas vidas e o seu bem-estar. A abordagem baseada nos direitos humanos para trabalhar num ambiente escolar inclusivo requer um nível de participação muito elevado de, por exemplo, estudantes e professoras/es independentemente da orientação sexual, idade, identidade de género, religião, crença, incapacidade ou etnia. Princípios dos direitos humanos responsabilidade e estado de direito: estados e outros portadores de deveres, como por exemplo direções escolares e professoras/es, são responsáveis pelo cumprimento dos direitos humanos. Nesse sentido, têm que obedecer a normas legais e a padrões consagrados nos instrumentos internacionais dos direitos humanos. Falhando este cumprimento, as pessoas detentoras de direitos deverão ser autorizadas a responsabilizar o estado pelo respeito, proteção e cumprimento dos direitos humanos. Direitos - são leis nacionais legalmente identificadas que podem ir além dos direitos humanos. Não são necessariamente universais. Regras - são uma combinação entre direitos e deveres. Quando nos referimos a regras neste material baseamo-nos na ideia de que as regras na sala de aula possam ser desenvolvidas e negociadas entre estudantes, e entre estudantes e professoras/es, tendo como referência os princípios dos direitos humanos. O objetivo é criar ambientes pedagógicos inclusivos, com base nos princípios da igualdade, não discriminação e responsabilidade Discriminação, discriminação múltipla Discriminação é um tratamento diferenciado ilegal, que pode assumir uma forma direta ou indireta, e que pode também ser institucional. A discriminação refere-se a qualquer ação cujo propósito ou função seja excluir ou limitar a participação de pessoas na sociedade com base na sua etnia, raça, orientação sexual, idade, género ou identidade de género, incapacidade e/ou religião e crença. A maioria dos atos discriminatórios são de uma das seguintes categorias: agressão verbal, ostracização, casos individuais de tratamento injusto ou ataques físicos ou agressão. Discriminação múltipla - é um termo que toma em consideração que a discriminação é um fenómeno complexo e, muitas vezes, várias características estão presentes na razão pela qual uma pessoa é discriminada. É comum focarmo-nos numa forma de discriminação de cada vez e há, assim, uma tendência para negligenciar o facto de que todas as pessoas têm diferentes características. Ou seja, identificam-se com diferentes grupos ou comunidades ao mesmo tempo. Todas ou quase todas as pessoas definem-se a si próprias como pertencentes a um género, tendo uma idade, etnia e orientação sexual, etc., e poderão então ser discriminadas por vários motivos simultaneamente Igualdade, igualdade de tratamento, tratamento diferenciado Igualdade - implica que todas as pessoas, independentemente da sua idade, incapacidade, género, raça, etnia, crença ou religião ou orientação sexual, etc., têm igual acesso e oportunidade para se envolver em todas as questões da sociedade, incluindo usufruir de igual proteção.

11 11 Igualdade de tratamento - é uma ação ativa que só é atingida quando há consciência e reconhecimento positivo do facto de todas as pessoas serem diferentes e, por conseguinte, não deverem ser tratadas como se o não fossem. Ou seja, a igualdade de tratamento é conseguida quando se tem em atenção as premissas, capacidades, condições e situação de vida de cada ser humano. Deverá ser assegurado que o indivíduo não é posto numa posição inferior a outras pessoas numa situação comparável, por exemplo, no acesso aos direitos humanos. Tratamento diferenciado se envolver pessoas numa situação similar pode ser legal se se fundamentar em bases objetivas e justas ou pode ser ilegal se este critério não for seguido. Um exemplo de tratamento diferenciado legal e objetivo é assegurar que pessoas com incapacidades sejam elegíveis para candidatar-se a empregos como qualquer outra pessoa, assegurando-se que os locais de trabalho estão equipados com equipamento especial de acessibilidade (rampas, casas de banho preparadas, etc.) É também possível, nalguns casos, um tratamento diferenciado positivo para se impor direitos humanos em grupos específicos de minorias. Por exemplo, uma escola que decide acolher mais crianças vindas de minorias poderá, assim, privilegiá-las durante a admissão. O tratamento diferenciado positivo deverá estar sempre limitado e terminar quando o objetivo é cumprido LGBT, transgénero, expressão de género, identidade de género Orientação sexual - é um termo geralmente usado para agrupar pessoas de acordo com as suas inclinações referentes a por quem se apaixonam e por quem se sentem atraídas. São exemplos de orientações sexuais a heterossexualidade, a homossexualidade e a bissexualidade. LGBT - é um termo coletivo para pessoas lésbicas, gay, bissexuais e transexuais. Uma pessoa lésbica é uma mulher que se apaixona, ou se sente atraída sexual e/ou emocionalmente por outra pessoa do mesmo sexo. Uma pessoa gay é um homem que se apaixona, ou se sente atraído sexual e/ou emocionalmente por outra pessoa do mesmo sexo. Uma pessoa bissexual é uma pessoa que se apaixona, ou se sente atraída sexual e/ou emocionalmente por outras pessoas independentemente do seu sexo. Para transgénero ver mais abaixo. Homossexualidade - refere-se à orientação sexual de pessoas que se sentem emocional ou sexualmente atraídas por pessoas do mesmo sexo. Transgénero - é um termo coletivo para indivíduos cuja identidade de género ou expressão de género difere sempre ou ocasionalmente da norma do género estabelecido à sua nascença, incluindo pessoas transexuais (aquelas cuja identidade de género não corresponde ao sexo atribuído à nascença); travestis (pessoas que vestem roupas tradicionalmente associadas a outro sexo, ocasionalmente ou regularmente); pessoas andróginas (pessoas que não têm identidades de género binárias e que não se identificam como homens nem mulheres), e outras pessoas que se definem como variantes em termos de género. Pessoas transgénero divergem na sua orientação sexual, e a identidade de género não deverá ser confundida com orientação sexual (ver também o glossário em e Expressão de Género - refere-se aos traços visíveis/físicos geralmente atribuídos a um género específico, como a forma de vestir, falar, maneirismos, etc. Identidade de género - refere-se à experiência interna e individual profundamente sentida de género, de cada pessoa, que pode ou não corresponder ao sexo atribuído à nascença e inclui a consciência

12 12 pessoal do corpo e outras expressões de género, como a forma de vestir, falar, maneirismos. De forma a entendermos plenamente o conceito de identidade de género, é importante referir as diferenças entre sexo e género. Enquanto que sexo se refere primeiramente à diferença biológica entre homem e mulher, género também inclui o aspeto social da diferença entre géneros para além do elemento biológico Heteronormatividade, homofobia, transfobia, racismo Heteronormatividade - é a norma que dita que existem diferenças fundamentais entre homens e mulheres, que uma pessoa deve ser ou homem ou mulher e que é natural sentir-se atraído pelo sexo oposto. Permite ganhos financeiros, políticos e sociais a quem adere à norma e desvantagens para quem se desvia da mesma. Homofobia - é um termo para o medo irracional contra pessoas homo- e/ou bissexuais. A homofobia pode manifestar-se em discursos de ódio e/ou crimes de ódio motivados pela orientação sexual, aparente ou real, da vítima. A homofobia é também uma das causas de discriminação, bullying e perseguição de pessoas LGBT e, nalguns casos, pessoas transgénero também. Transfobia - é um termo para o medo irracional de pessoas transgénero. A transfobia manifesta-se geralmente em discursos de ódios e/ou crimes de ódio contra pessoas transgénero, ou pessoas cuja expressão de género se desvia da norma de género dominantes (por exemplo, as marias-rapazes ; os rapazes femininos etc.) Racismo - é um termo para o medo irracional de pessoas com base na sua raça, cor de pele, etnia ou nacionalidade. O racismo expressa a perceção racial de que as pessoas podem ser divididas em raças diferentes, o que no fundo institui as diferenças entre pessoas. O racismo cresce de uma perceção específica de que as raças estão posicionadas hierarquicamente, onde algumas são superiores a outras. Hoje, é reconhecido que não existe nenhum fundamento científico para a existência de diferentes raças. Racismo não é necessariamente o mesmo que discriminação racial. Enquanto que o racismo constitui uma certa ideologia acerca da forma como as pessoas são diferentes com base na ideia da existência de raças, e de como uma raça é superior à outra, a discriminação racial refere-se a um ato discriminatório ou ofensa. A discriminação pode ser ou não intencional e pode ou não ter como base o racismo Crime de ódio, discurso de ódio, liberdade de expressão Crime de ódio - um ato criminoso que pode abranger violência verbal ou física, ameaças, graffiti ofensivo e/ou vandalismo. O crime de ódio é motivado por preconceitos acerca da orientação sexual aparente ou real da vítima, etnia, opinião política, entre outros. Os crimes de ódio diferem de outros atos criminosos, porque a vítima é escolhida com base em uma ou mais características identitárias definidas pelo agressor/agressores como tendo particular importância, como a religião de uma pessoa. Um crime de ódio pode ter mais do que uma motivação, como por exemplo: a orientação sexual e etnia de uma pessoa. A motivação é tida em consideração aquando da decisão da duração da sentença na maioria dos países europeus. Discurso de ódio - refere-se ao ato de expressar ou comunicar publicamente mensagens que ameaçam, degradam ou insultam um grupo de pessoas com base na sua raça, cor da pele, etnia ou nacionalidade, crença religiosa ou orientação sexual.

13 13 Liberdade de expressão - é um direito humano, que assegura o direito que cada pessoa tem de expressar os seus pontos de vista publicamente, por via oral ou escrita. A liberdade de expressão não significa, no entanto, que se possa escrever ou dizer tudo em público, já que a liberdade de expressão é dada sob a responsabilidade dos tribunais. A expressão da opinião de cada um/a não deverá assumir um caráter ameaçador, degradante ou ofensivo Estigmatização, estereótipos e preconceitos Estigmatização - refere-se ao ato de rotular alguém como socialmente inaceitável. Pessoas que sejam vistas pela sociedade como diferentes correm o risco de ser estigmatizadas e rotuladas pela sociedade em geral. Isto pode causar sentimentos de exclusão ou rejeição de um grupo ou comunidade e/ou separação do resto da sociedade. Estereótipo - é uma perceção clara e caricaturada, em que às pessoas pertencentes a um determinado grupo são atribuídos os mesmos traços gerais sem se prestar nenhuma atenção aos traços individuais. Os estereótipos são, assim, descrições unilaterais de certos grupos a quem se atribui características particulares e, assim como os preconceitos, podem ser a base para um tratamento diferenciado ou discriminação. Um estereótipo pode ser positivo ou negativo, apesar de ambos afetarem a nossa perceção e expetativa relativamente a outras pessoas, o que acaba por afetar as nossas ações, assim como a nossa perceção das ações de outras pessoas. Ainda assim, os estereótipos são geralmente pejorativos em vez de apresentarem uma posição mais favorável. Mas mesmo quando apresentam uma posição mais favorável como, por exemplo, dizer-se que todas as pessoas negras dançam bem, que todos os homens gay se interessam por moda e que todas as mulheres adoram fazer compras, são construídos com base na categorização estereotipada de um grupo particular de pessoas. Ao contrário das generalizações que descrevem de forma geral um grupo que consiste em muitas ou quase todas as pessoas, mas sem se ser rígido, os estereótipos referem-se a todas as pessoas de certos grupos que são vistas como agindo da mesma forma e como parecendo todas iguais. Preconceitos - são atitudes que se baseiam em perceções estereotipadas de certos grupos ou comunidades na sociedade. Por conseguinte, os preconceitos não se baseiam em conhecimento real. Os preconceitos podem conduzir a um tratamento diferenciado ilegal e são, muitas vezes, embora não necessariamente, negativos. Os preconceitos podem ser descritos como um julgamento feito a priori com base em opiniões e atitudes preconcebidas acerca de outras pessoas numa sociedade. Os preconceitos influenciam as nossas ações, assim como as nossas perceções das ações de outras pessoas Bullying, exclusão, inclusão Bullying - refere-se à perseguição ou exclusão sistemática por parte dum grupo ou indivíduo em relação a uma pessoa, numa situação em que esta última não consegue escapar. O bullying caracteriza-se por uma confrontação repetida de um indivíduo ou grupo sobre outro indivíduo. Pode tomar a forma de exclusão ou perseguição e ser sistemático. O bullying normalmente acontece em locais de onde a vítima não consegue escapar, incluindo a internet, onde as redes sociais como o Facebook são usadas. O bullying não tem o mesmo caráter espontâneo que a provocação. Exclusão - significa recusar ou privar alguém do seu direito de participar ou de ser um membro igual de um grupo ou comunidade. O termo é muitas vezes usado para referir a exclusão da pertença a um grupo maioritário por parte de uma pessoa ou grupo de pessoas.

14 14 Inclusão - significa permitir a participação num certo grupo ou atividade. Ser-se incluído implica sentir que se é um membro natural, igual e valorizado de uma comunidade Minoria, maioria, diversidade Minoria - refere-se a um grupo de pessoas que partilham as mesmas características, às quais a maioria geralmente atribui valores negativos. A minoria posiciona-se numa relação assimétrica de poder com a maioria da população. A minoria está, normalmente, numa posição menos favorável do que a maioria que tem o poder de definir as normas e o acesso aos direitos. Para além disso, a minoria pode ser numericamente maior do que a maioria. Por exemplo, durante o regime de apartheid na África do Sul, a população branca, menos numerosa, tinha o poder de definir as normas e o acesso aos direitos da população negra e de outras raças e etnias, que eram assim consideradas minorias. Outros exemplos de minorias são as minorias sexuais, minorias étnicas e minorias religiosas. Maioria - refere-se a um grupo privilegiado na sociedade cujos membros partilham características e posições comuns numa relação assimétrica de poder com certas minorias. A maioria possui um monopólio da norma e, assim sendo, determina o que é considerado certo ou errado numa determinada situação. Este monopólio da norma pode ser praticado através de regras não escritas, legislação e/ou administração. Um exemplo de um monopólio da norma é a alegação heteronormativa que dita que é mais natural e certo ser-se heterossexual do que homossexual ou bissexual, o que se reflecte também na legislação (por exemplo, na desigualdade no reconhecimento de direitos parentais para famílias com dois pais ou duas mães). Diversidade - significa diferenças. A diversidade inclui tanto as diferenças visíveis como as diferenças invisíveis entre pessoas baseando-se, por exemplo, no género ou identidade de género, idade, incapacidade, religião ou crença, etnia, orientação sexual e/ou opinião política. O conceito de diversidade inclui minorias e maiorias. Quando nos referimos à diversidade neste material, partimos da ideia que a diversidade é a coexistência positiva de pessoas com diferentes percursos dentro de uma comunidade ou escola, por exemplo, e que a diversidade é reconhecida como um recurso. 4. Estrutura de cada atividade De seguida, poderá encontrar uma breve descrição de cada proposta de actividade, estruturada em pontos. Palavras-chave Contém palavras-chave como discriminação, etnia, orientação sexual, género e identidade de género que caracterizam os temas do material. Os materiais podem ser pesquisados por palavras-chave e pela informação contida em cada ponto. Conteúdo Fornece uma pequena descrição da actividade. Objetivos pedagógicos Descreve os objetivos de aprendizagem para cada atividade em relação aos objetivos gerais do projeto e, na maioria dos casos, a matéria para cada nível etário e país. Disciplinas Identifica para que disciplinas o material pode ser relevante. Adaptação ao programa Descreve de que forma o material se adapta ao programa curricular das disciplinas mencionadas.

15 15 Tempo estimado Fornece uma estimativa de quanto tempo necessita cada material, se conduzido conforme indicado. Material necessário Elenca os materiais essenciais à sessão, nomeadamente ferramentas para actividades práticas, como tesouras, ou anexos a serem copiados conforme o número de alunas/os. Materiais como canetas e lápis não estarão explicitamente incluídos nestas listas. Instruções Fornece instruções concretas, passo a passo, de como as sessões poderão ser conduzidas. No entanto, se houver necessidades ou considerações especiais, é obviamente dada a liberdade a cada professor/a de adaptar o material à turma e ao seu contexto particular. Reflexão Contém uma lista de questões relativas à sessão, com base numa reflexão crítica. A reflexão é o ponto em que o/a professor/a recolhe o feedback, conclui e põe as discussões em perspetiva. As/os estudantes têm oportunidade de falar sobre o que aprenderam com a sessão e o/a professor/a tem a possibilidade de passar em revista os princípios e conceitos em que a sessão se baseou. Esta última fase é particularmente importante quando trabalhamos com um tipo de aprendizagem participativa e interativa. Sem uma reflexão apropriada, as/os alunas/os podem ficar com a impressão de que vão apenas brincar com bolas de ténis ou trocar de cadeiras, quando o que se pretende é que adquiram conhecimentos sobre identidade de género ou sobre como os grupos e as suas podem ser diversificados. Através destas questões de reflexão, o/a professor/a tem a possibilidade de assegurar que as/os alunas/ostêm consciência do que aprenderam e que estão capacitadas/os para realmente apreender as discussões desencadeadas pelo material, as suas próprias reflexões, reações e ações. Dicas para o/a professor/a Contém pequenos pontos relacionados com cada sessão e tem como objetivo ajudar à compreensão dos pensamentos e ideias por trás dos materiais, de uma forma rápida e simples. Os pontos estão relacionados com a implementação prática de cada sessão, e com a mediação do tema apresentado. Riscos Se a ferramenta conduzir a uma situação comprometedora, potencialmente desconfortável ou perigosa, riscos do género estarão elencados para que, como professor/a, possa estar ciente dos mesmos. Recomendações Sugere brevemente que outros materiais na base de recursos podem ser utilizados em combinação com cada material ou que podem funcionar bem como introdução ou passo seguinte. Referências Lista de publicações que possam ter sido fonte de inspiração para os materiais.

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR SEXISMO EM MEIO ESCOLAR Seminário Évora Sexismo Avaliação negativa e atos discriminatórios baseados no sexo, no género ou na orientação sexual Historicamente marcado por relações de poder dos homens sobre

Leia mais

Lancamento da Campanha Livres e Iguais no Brasil Sao Paulo, 28 de abril de 2014. Ilustríssimo Sr. Presidente.senhoras e senhores todos.

Lancamento da Campanha Livres e Iguais no Brasil Sao Paulo, 28 de abril de 2014. Ilustríssimo Sr. Presidente.senhoras e senhores todos. Palavras de Humberto Henderson, Representante Regional Adjunto para América do Sul do Escritório do Alto Comissariado das Nacoes Unidas para os Direitos Humanos, Lancamento da Campanha Livres e Iguais

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /X Recomenda ao governo a adopção, por parte das forças e serviços de segurança, de procedimentos singulares na sua relação com a população LGBT lésbicas, gays,

Leia mais

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Legislação O que é um homem e o que é uma mulher? Homem, s.m. (do lat.

Leia mais

ESCOLAS AMIGAS DOS DIREITOS HUMANOS TRANSFORMAR COMUNIDADES ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO PARA OS DIREITOS HUMANOS

ESCOLAS AMIGAS DOS DIREITOS HUMANOS TRANSFORMAR COMUNIDADES ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO PARA OS DIREITOS HUMANOS ESCOLAS AMIGAS DOS DIREITOS HUMANOS TRANSFORMAR COMUNIDADES ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO PARA OS DIREITOS HUMANOS Isto é o que temos de fazer, se queremos seres humanos íntegros, solidários e tolerantes. Ana, 4º

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador,

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F CADERNO DE EXERCÍCIOS 3F Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Programas de transferência de renda e combate à exclusão social H33, H40 2 Discriminação e

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade

EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade EIXO VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, Diversidade e Igualdade 251 No contexto de um Sistema Nacional Articulado de Educação e no campo das políticas educacionais, as questões que envolvem

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Acaba de sair do forno a mais recente pesquisa social do Núcleo de Opinião Pública (NOP), intitulada Diversidade Sexual e Homofobia no

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada)

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Por uma AICHI que respeita os direitos humanos Conceitos básicos 1. Objetivo básico do plano

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO ACP-EU JOINT PARLIAMENTARY ASSEMBLY ASSEMBLEE PARLEMENTAIRE PARITAIRE ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos ACP-EU/101.753/B 19.03.2015 PROJETO DE RELATÓRIO sobre diversidade cultural e direitos humanos

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos

Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos ELEIÇÕES da UE 2014 Posição do Secularismo e dos Direitos Humanos Memorando da EHF NOVEMBRO 2013 A s eleições europeias de maio de 2014 serão cruciais para os humanistas da Europa. A ascensão de partidos

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

Género e Actividades com as TIC

Género e Actividades com as TIC Género, Cidadania e Intervenção Educativa: Sugestões Práticas q Actividade Género e Actividades com as TIC Objectivos Sugestões Reconhecer que a interpretação da realidade é influenciada por expectativas

Leia mais

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT

AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT AÇÕES DE COMBATE A HOMOFOBIA NAS ESCOLAS DO PÓLO DO CEFAPRO (CENTRO DE FORMAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO) DE TANGARÁ DA SERRA-MT RELATO DE EXPERIÊNCIA Introdução Marcos Serafim Duarte

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

Glossário de Termos e Conceitos

Glossário de Termos e Conceitos Glossário de Termos e Conceitos Sistema de Reconhecimento e Referenciação de Processos de Qualificação e de Profissionais para Agência de Inovação Social animar.com Agosto 2015 ENQUADRAMENTO O Glossário

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**)

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Os Estados Membros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura reunidos em Paris em virtude da 28ª reunião da Conferência

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões

1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias. Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões 1. Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias Beatriz Valério Direito da Família e Sucessões Direitos das pessoas com Autismo e suas famílias Normas nacionais sobre a não discriminação: a Constituição

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Ano lectivo 2014/2015 Introdução A Educação para a Cidadania é um processo ao longo da vida. Começa em casa e no meio próximo das crianças com as questões da identidade, relações

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação 17 de Dezembro de 2004 Preâmbulo Sobre o lugar de onde se perspectiva

Leia mais

Declaração de Odense. O ABC para a Equidade Educação e Saúde. 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde:

Declaração de Odense. O ABC para a Equidade Educação e Saúde. 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde: Declaração de Odense O ABC para a Equidade Educação e Saúde 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde: Equidade, Educação e Saúde 7-9 outubro 2013 A 4ª Conferência Europeia sobre escolas

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS.

VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. VIOLÊNCIA E BULLYING HOMO/TRANSFÓBICA NAS ESCOLAS E NAS AULAS DE EFE: ENTENDENDO PARA PODER MINIMIZAR ESSAS PRÁTICAS. Prof. Me. Leonardo Morjan Britto Peçanha Licenciado e Bacharel em Educação Física (UNISUAM);

Leia mais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais

Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Declaração sobre a raça e os preconceitos raciais Aprovada e proclamada pela Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, reunida em Paris em sua 20.º reunião,

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Orientações para a direção escolar: como incluir questões lésbicas, gays, bissexuais e transgénero (LGBT) nas políticas escolares

Orientações para a direção escolar: como incluir questões lésbicas, gays, bissexuais e transgénero (LGBT) nas políticas escolares 1 Orientações para a direção escolar: como incluir questões lésbicas, gays, bissexuais e transgénero (LGBT) nas políticas escolares Colophon Instituto Dinamarquês dos Direitos Humanos, 2012 Editora Cecilia

Leia mais

Educação Sexual Da legislação à prática

Educação Sexual Da legislação à prática 1 Educação Sexual Da legislação à prática Cândida Ramoa (*) e Isabel Leitão (**) A educação sexual (ES) nas escolas portuguesas tem feito correr rios de tinta. São rios que correm de forma muito intermitente,

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

convicções religiosas...

convicções religiosas... apresenta Cartilha O termo DISCRIMINAR significa separar; diferenciar; estabelecer diferença; distinguir; não se misturar; formar grupo à parte por alguma característica étnica, cultural, religiosa etc;

Leia mais

Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da. Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010

Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da. Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010 Diversidade Sexual: uma visão arejada e crítica da homofobia nas escolas Lula Ramires Serra Negra, SP Junho de 2010 Lula Ramires Formado em Filosofia pela USP Mestre em Educação pela F.E. USP Tradutor

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

INCLUSÃO. Isabel Felgueiras, 2012. CONNECT versão Portuguesa http://community.fpg.unc.edu/connect-modules

INCLUSÃO. Isabel Felgueiras, 2012. CONNECT versão Portuguesa http://community.fpg.unc.edu/connect-modules INCLUSÃO Isabel Felgueiras, 2012 Definição de Inclusão De acordo com a Division for Early Childhood (DEC) e com a National Association for the Education of Young Children (NAEYC), a inclusão engloba os

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson

Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson Tema: Você não precisa ser LGBT para lutar contra a LGBTfobia Palestrante: Carlos Tufvesson Legislação Constituição Federal Art. 5 Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba

Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba 1 A dignidade do ser humano é inviolável. Deve ser respeitada e protegida Artigo 1º da

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS.

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. Michele Ignacio Pires Orientadora: Profª Drª Aura Helena Ramos

Leia mais

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Assegurar, em regime de colaboração, recursos necessários para a implementação de políticas de valorização

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

História da cidadania europeia

História da cidadania europeia História da cidadania europeia Introdução A cidadania da União conferida aos nacionais de todos os Estados Membros pelo Tratado da União Europeia (TUE), destina se a tornar o processo de integração europeia

Leia mais

Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz

Escola Secundária Dr. Joaquim de Carvalho, Figueira da Foz PLANO ANUAL DE TRABALHO 05/06 8ºAno Código 070 Educação para a Cidadania Ano Letivo: 05 / 06 Plano Anual Competências a desenvolver Conteúdos Temas/Domínios Objetivos Atividades / Materiais 3 Períodos

Leia mais

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás

Corpos em cena na formação crítica docente. Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás Corpos em cena na formação crítica docente Rosane Rocha Pessoa Universidade Federal de Goiás 1 Nosso trabalho na perspectiva crítica Objetivo: problematizar questões sociais e relações desiguais de poder

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016)

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA IGUALDADE E EQUIDADE DE GÉNERO/CPLP (2014-2016) Este Plano de Ação é um sinal claro para os intervenientes dos Estados membro da importância que a CPLP atribui

Leia mais

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê?

Qual o seu posicionamento com relação à criminalização da homofobia? Por quê? Entrevista com Cláudio Nascimento, membro do Grupo Arco-Íris, coordenador geral da 13ª Parada do Orgulho LGBT do Rio de Janeiro e superintendente de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos da Secretaria

Leia mais

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA PROMOVER O ACESSO À INFORMAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA O acesso à informação é um direito fundamental de todos os alunos com ou sem deficiência e/ou necessidades educativas especiais. Numa

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais