OPERACAO MAR SEGURO 2O1O-201I COMANDANTES/CONDUTORES DE EMBARCACOES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OPERACAO MAR SEGURO 2O1O-201I COMANDANTES/CONDUTORES DE EMBARCACOES"

Transcrição

1 OPERACAO MAR SEGURO 2O1O-201I COMANDANTES/CONDUTORES DE EMBARCACOES l. Jamais conduzir embarcagdes sob efeito de Alcool ou oulra droga qualquer 2. Qualquer pessoa 6 obrigada a prestar auxilio a quem estive. em perigo no mar ou nas vias navegaveis intedores, desde que o possa fazer sem perig '7.273/84); L Nao exceder a capacidade de passageiros prer ista' para a embarcagdo: 4. Nao empregar embarcagio em atividade que ndo aquela prevista no Titulo de Inscrigao da mesma: 5. Evitar locais com grande concentragdo de embarcagdes e banhistas; uma vez nesses locais, proceda com extremo cuidado e vigilancia; 6. Utilizar embarcaqao somente na 6rea de navegaqao prevista no Titulo de Inscdqao. As informag6esobre a disposigao destas 6.eas podem ser obtidas junto d Capitania, Delegacia ou Agdncia da sua 6rea de Operagdo, 7. lnformar viagens d entidade nautica ou Clube a que estiver associado. Caso nao seja associado a nenhuma entidade, informe a sua famili4 amigos e/ou vizinhos sobre o seu destino e a previsio de retomo; 8. Em caso de mau tempo nao saia para o mar. se o tempo mudarapidamente, procure 9. Ter atencao aos riscos de inc6ndio em embarcac6es de fibra. Verificar com cuidado combustivel soltas, com vazamentos ou avarias. Atentar para fios e cabos energizados mento adequado e que possam geru cenlelha. Em caso de fumaga nos compartimentos de motores. nao abra abruptamente a tampq o que alimentari ainda mais o principio de inc ndio com nova carga de oxigenio. Abra o suficiente para introduzir o difusor do extinlor de CO'e dispare-o para tentar apagar o principio de incendio por abafamenio. Vista o colete salva-vidas, mantenha calma. O ente os tripulantes e passageiros como procede! 10. As embarcagdes nao deverao fazer ziguezagues nem provocar marolas (ondas) desnecessarias em ereas rcstritas ou congestionadas de embarcagdes; 11. As embarcagdes devem evitar cruzar a proa de oufa embarcagdo em movimento ou reduzir pe.igosamente d distancia, pdncipalmente m situag6es de pouca visibilidade; 12. Para embarcagses de pequeno porte, recomenda-se o uso constante de colete salva-vidas pelos pa'sageiros. principalmente criangas: 13. Ter atengao redobrada com criangas e idosos; 14. Tea a bordo todo o material de salvatagem em boas condiqoes de conservagao e nas quantidades previstas; 15. Manter os coletes de salvamento em locai de fdcil acesso. Antes de suspender, fazer demonstracao aos nassapeiros sobre o seu uso:

2 16. Verificar, cuidadosamente, se a embarcagao possui as luzes e sinais sonoros (apito/buzina) de acordo com o previsto no Regulamento Inlernacional para Evitar Abalrcamelto no Mar (RIPEAM) e em perleitas condigdes de funcionamenlo, 17. Ve ficar se os extintores de incendio estao devidamente carregados, dentro do prazo de validade e em local de f6cil acesso; navegar d noite caso a embarcagao possu as luzes previstas no Regulamento Internacional para Evitar Abahoamento no Mar (RIPEAM; e 19. Tenha a bordo as Cartas Nauticas relativas as regi6es em que pretende navegar, na escala a- dequada para a visualizagao dos perigos existentes, e estude-as artes de suspender, PROCEDIMENTOS PARA APROXIMACAO E AFASTAMENTO DAS PRAIAS E ENSEADAS L Os passageiros deverdo desembarcar, preferencialmente, em cais, pier ou trapiche; 2. Navegar em linha reta e pe.pendicular d linha de praia, sempr em baixa velocidade (m6ximo 3 n6s, aproximadamente 5 Kn/h) e so navegar paralelamente d praia em distdnciasuperiores a 200 metros da linha de arrebedaaao: 3. Nao permitir que passageiros se lancem ao mar com os motores em funcionamento e sem aulorizaq;o do Comandanle/Conduror: 4. Ao desembarcar/embarcar passageiros em pmias, permanecer somente o tempo necessirio e ndo permitir a aproximagdo de pessoas pela popa, com os motorcs em funcionamenlo, 5. Ndo fixar ancoras na praia. e 6. Manter atengao redobrada nos banhistas durante a manobra; PROCEDIMENTOS PARA MOTO-AOUATICA OU JET-SKI L Para pilotar Jet-Ski d preciso ser habilitado, em qualquer categoria de amadores, exceto, Veleiro Amador; 2. Os Jet-Ski sdo considerados embarcagoes miirdas, e, como tais, deverdo estar inscdtas nas Capitania:. Delegaciaq ou Agdncias: 3. Nao navega. d noite. Jet-Ski nao tem luzes, nem riidio. S ra muito diffcil localiz6lo. se ocor, rer alguma avaia no motor ou mesmo ser visualizado por outras embarcaqdes; 4. Quando se dirigir d praia, ou dela se afastar, navegue na perpendicular 2r mesma e na menor velocidade possivel, pois assim serd pequena probabilidade de acidenles envolvendo banhistas; 5 A velocidade m6xima em canais de acesso 6 de 3 n6s. 6. A visibilidade do cordutor de moto-aqu6tica d prejudicada no s tor de vante em funqd.o da inclinaqao da embarcagdo e dos respingos d'iigira, e nos demai setores, pela pr6pda velocidade da embarcagao;

3 7. Em face das diversas peculiaridades e restriqoes de seguranga apresentadas pela motoaquritica d proibido o emprego deste tipo de embarcagao paxa reboque, seja de outra embaraagaou de pessoas pralicando esqui aqudtico; 8. Equipamentos de seguranga obrigat6rios:. colete saiva-vidas, classe II, li[ ou IV, homologados pela DPC; e. chave de segurangatada ao pulso, ao colete ou a qualquer outra parte do condutor. 9. Equipamentos de seguranqa recomerldaveis:. capacete, 6culos protetores e luvas. 1. Verificar se a embaraaqao possui colete salva-vidas em local de f6cil acesso e em bom estado. Pega ao tripulante que faqa demonstraqao de uso; 2. Observar o estado geral da embarcagao, quanlo d conservagao, fmpeza e arrumagdo; 3. Veificar a lotagdo da embarcagdo e se a mesma e$e com excesso de passageiros. Embarcaqdes de passageiros sdo OBRIGADAS a afixar, em local visivel, a sua lotagao e o telefone da Capitania, Delegacia ou Ag ncia da Capitania dos Ponos da drea. Na dnvida NAO EMBARQUE E FACA CONTATO com uma dessas orgaaizag6es; e 4. Verificar se a embarcagao e$ar homologada para a atividade a que se propde (transporte de passagelros). DEA LACERDA Capi -Tenente(T) Agente

4 I\iLARINHA DO BRA SIL AGTNCIA DA CATITANIA DOS PORTOS f,m PARATY P&raty, em 1' de janeiro de COMIJNICADO N! O2I2OT1 Comunico que, excepcionalnente at6 3l de dezembro de 2011, foi reduzido o tempo de embarque, de dois para um ano,. para ascenseo de MOC pard MNC e de MOM para MNM. Os interessados devereo comparecer a Ag&rcia da Capitania dos Po{tos em Paraty mutidos da ldertidadq CPF, Comprovante d Resid rci4 CIR e ROL. CERO DFIAVELLAR LACERDA pitao-tenente (T) Agente

5 MARINHA DO BRASIL AGtNCIA DA CAPITANIA DOS PORTOS EM PAXATY Paraty, em 1" de janeiro de 201 L CoMUMCADO Ne 8/2010 Comunico que, a partir desta data e enquarto persistir a situageo, esta proitrido o embarque e desembarque de passageiros na margem esquerda (lado da Prefeitura e Santa Casa) do rio PerequG-Agri, atd que haja um dispositivo (cais, trapiche, deck) que permita o embarque/desembarque- com seguranga. dos passageiros, Cabe salientar que a inobsewdncia das regras e normas do trafego aquavidrio, estabelecidas pela Lei n'9.537, de 11 de dezembro, Lel de Seguranga do Trafego Aquavierio (LES- TA), por seu Regulamento - Deqeto no pelas Normas emitidas pela Autoridade Maritima (I{ORMA\4), sujeita o autor material da infragdo - fipulante, proprieterio, axnado. ou preposto de embarcaqao, pessoa fisica ou juridica d penalidade de mu1t4 retirada de tr6fego/apreensao de embarcagaou zuspensno/caacelamento de Certificado de HabilitacAo. sendo todas essas p na.lidadesj conforme suas caracteristicas, passiveis de multiplicagio, em caso de reinciddncia e conforme as repetig6es na pr6tica da infraq6.o.

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. PORTARIA N o 100/DPC, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. PORTARIA N o 100/DPC, DE 4 DE JUNHO DE 2012. LS/LS/22 999 DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N o 100/DPC, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Altera as Normas da Autoridade Marítima para Amadores, Embarcações de Esporte e/ou Recreio e para Cadastramento e

Leia mais

CAPÍTULO IV - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES Seção I - Das Disposição Gerais

CAPÍTULO IV - DAS INFRAÇÕES E PENALIDADES Seção I - Das Disposição Gerais CAPÍTULO 12 REGULAMENTO DE SEGURANÇA DO TRÁFEGO AQUAVIÁRIO EM ÁGUAS SOB JURISDIÇAO NACIONAL (RLESTA) Em 11 de Dezembro de 1997 foi promulgada a Lei nä 9.537, que dispçe sobre a SEGURANÇA DO TRÁFEGO AQUAVIÁRIO

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES

MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES PROPÓSITO Divulgar as instruções gerais para habilitação da categoria de amadores

Leia mais

SUPLEMENTO Arrais-Amador No final deste suplemento você tem uma prova com 40 questões, nos mesmos moldes da prova da Marinha.

SUPLEMENTO Arrais-Amador No final deste suplemento você tem uma prova com 40 questões, nos mesmos moldes da prova da Marinha. SUPLEMENTO Arrais-Amador No final deste suplemento você tem uma prova com 40 questões, nos mesmos moldes da prova da Marinha. LEGISLAÇÃO NÁUTICA 1) Todo material e equipamento destinado a segurança da

Leia mais

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.6.2016 COM(2016) 371 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa a um sistema de inspeções para a segurança da exploração de ferries

Leia mais

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO

1. O QUE É O ISPS - CODE 2. OBJETIVO 4. LOCAIS DE ACESSO 1. O QUE É O ISPS - CODE Trata-se de uma nova estrutura de normas internacionais, elaboradas pela Organização Marítima Internacional (IMO), pertencente à Organização das Nações Unidas (ONU) e aprovada

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO 3 LANCHA DE PRÁTICO, LANCHA DE APOIO E ATALAIA SEÇÃO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES 0301 - INTRODUÇÃO A Diretoria de Portos e Costas recomenda e incentiva que em cada Zona de Praticagem exista apenas

Leia mais

0504 - PROCEDIMENTOS PARA HABILITAÇÃO

0504 - PROCEDIMENTOS PARA HABILITAÇÃO CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES 0501 - APLICAÇÃO Este capítulo estabelece as categorias de amadores, sua correspondência com categorias profissionais, dos procedimentos para habilitação,

Leia mais

FOLHA DE REGISTRO DE MODIFICAÇÕES

FOLHA DE REGISTRO DE MODIFICAÇÕES MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA AMADORES,, EMBARCAÇÕES DE ESPORTE E//OU RECREIO E PARA CADASTRAMENTO E FUNCIONAMENTO DAS MARINAS,, CLUBES E ENTIDADES DESPORTIVAS

Leia mais

ABC do Trabalho. em Embarcações CONATPA

ABC do Trabalho. em Embarcações CONATPA ABC do Trabalho em Embarcações CONATPA O que é um trabalhador aquaviário? É todo trabalhador com habilitação certificada pela autoridade marítima para operar embarcações em caráter profissional. São eles

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO

REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO 1 REGULAMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO Aprovado pelo Ato Deliberativo nº 003/2001 Reunião 20.06.01 Do Objetivo Art. 1º - Estabelecer norma reguladora para utilização das dependências, dos equipamentos,

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA FLUVIAL DO SÃO FRANCISCO

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA FLUVIAL DO SÃO FRANCISCO JO/JC/20 021.2 CAPITANIA FLUVIAL DO SÃO FRANCISCO PORTARIA Nº 33/CFSF DE 3 JUNHO 2015. Estabelece as diretrizes para o credenciamento de Entidades que atuarão como Escolas Náuticas na Jurisdição da Capitania

Leia mais

REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA

REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA REGIMENTO INTERNO 9º SEDE NÁUTICA HANGARAGEM DE EMBARCAÇÕES 9.1- O Iate Clube da Bahia, dependendo do espaço físico disponível, poderá aceitar para abrigo em seco, nas dependências da Sede Náutica as embarcações

Leia mais

Regulamento da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (RLESTA) DECRETO No 2596, DE 18 DE MAIO DE 1998.

Regulamento da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (RLESTA) DECRETO No 2596, DE 18 DE MAIO DE 1998. Regulamento da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (RLESTA) DECRETO No 2596, DE 18 DE MAIO DE 1998. Regulamenta a Lei no 9.537, de 11 de dezembro de 1997, que dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário

Leia mais

WORKSHOP DNPM NRM 03 LAVRAS ESPECIAIS DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL. 3.1 Lavras com Dragas Flutuantes

WORKSHOP DNPM NRM 03 LAVRAS ESPECIAIS DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL. 3.1 Lavras com Dragas Flutuantes WORKSHOP NRM NORMAS REGULAMENTADORAS DA MINERAÇÃO ESPECIFICIDADE NA INDÚSTRIA DE AREIA E BRITA DNPM DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL NRM 03 LAVRAS ESPECIAIS 3.1 Lavras com Dragas Flutuantes PALESTRANTE:

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO PARANÁ ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS REQUISITOS PARA ASCENSÃO DE

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO PARANÁ ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS REQUISITOS PARA ASCENSÃO DE CATEGORIA CLC NÍVEL CCB 9 CCB 9 1ON MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO PARANÁ ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS REQUISITOS PARA ASCENSÃO DE CATEGORIA E CERTIFICAÇÃO

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO 1 2 Ficha Catalográfica Brasil. Comando do 6º Distrito Naval. Capitania Fluvial do Pantanal. Carta de Serviços ao Cidadão/ Comando do 6º Distrito Naval. Capitania Fluvial do Pantanal. Delegacia Fluvial

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO APRESENTAÇÃO PARA A FEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS E AFINS - FNTTAA 15/09/2010 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 001/2013

RESOLUÇÃO N.º 001/2013 RESOLUÇÃO N.º 001/2013 Regulamenta os cursos técnicos da Modalidade do Mar, os distintivos de adultos da Modalidade do Mar, as Coordenações Regionais de Escoteiros do Mar e dá sugestões para a padronização

Leia mais

www.detran.pr.gov.br

www.detran.pr.gov.br www.detran.pr.gov.br INFELIZMENTE, A MAIOR PARTE DOS ACIDENTES COM MORTES NO TRÂNSITO BRASILEIRO ENVOLVEM MOTOCICLISTAS. POR ISSO, O DETRAN PREPAROU ALGUMAS DICAS IMPORTANTES PARA VOCÊ RODAR SEGURO POR

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I

CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA 0201 - DA CARREIRA Será considerada

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO COORDENADORIA DE ARTICULAÇÃO INTERGOVERNAMENTAL

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO COORDENADORIA DE ARTICULAÇÃO INTERGOVERNAMENTAL TÍTULO I Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Fica aprovado o Plano de Gerenciamento da Segurança do Uso e da Ocupação do Lago Paranoá e dá outras providências, conforme o Decreto nº 33.323, de 09 de

Leia mais

DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém. ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente. ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral

DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém. ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente. ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral SILAS EBENEZER DIAS RODRIGUES Diretor de Transportes EDVAN RUI PINTO

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS LS/LA/22 999 DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N 263/DPC, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2011. Altera as Normas da Autoridade Marítima para Amadores, Embarcações de Esporte e/ou Recreio e para Cadastramento

Leia mais

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE Assunto página 1. Normas Aplicáveis 2 2. Tipo de Carga 2 3. Embarcações Excluídas 2 4. Estabilidade 2

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I

CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA 0201 - DA CARREIRA Será considerada

Leia mais

PLANO NACIONAL DE GERENCIAMENTO COSTEIRO

PLANO NACIONAL DE GERENCIAMENTO COSTEIRO MISSÃO Intensificar as ações de presença e de fiscalização do tráfego, na jurisdição da CPBA, dentro do princípio estabelecido pelo Comando de Operações Navais de orientar e educar antes de notificar,

Leia mais

A PREFEITURA MUNICIPAL DE MANGARATIBA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte,

A PREFEITURA MUNICIPAL DE MANGARATIBA, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte, LEI Nº 837, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA EXPLORAÇÃO COMERCIAL DE ATIVIDADES NÁUTICAS NAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE MANGARATIBA. A PREFEITURA MUNICIPAL DE MANGARATIBA, no uso

Leia mais

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas 4 Regras de Trânsito 4-1 Regras de trânsito no Japão No Japão, as regras de trânsito são estabelecidas respectivamente para, automóveis e motos, bicicletas. Recomenda-se a assimilação rápida e correta

Leia mais

A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros:

A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros: ANEXO IV - RESOLUÇÃO Nº 035/2007/CD/FNDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA ESPECIFICAÇÕES A) Ônibus com capacidade para 23, 31 e 44 passageiros:

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

ANEXO 2-A. 2-A-1 N-13/2003 Mod 15 OBSERVAÇÕES II/2 (*) IV/2 CMT S/L. 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9.

ANEXO 2-A. 2-A-1 N-13/2003 Mod 15 OBSERVAÇÕES II/2 (*) IV/2 CMT S/L. 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9. E CERTIFICAÇÃO REGRA(S) 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS CERTIFICADO MOD DPC 1031 CLC 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9. II/2 IV/2 S/L - CCB 9 1ON 8-1ON com mais de 2 (dois)

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

Driver and Vehicle Safety

Driver and Vehicle Safety STANDARD LME-12:001902 Upt Rev B Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Gerenciamento da condução... 4 3.1 Gerenciar motoristas de risco alto... 4 3.2 Inspeções de cobertura de rádio baseados no

Leia mais

ARRAIS. Outubro, 2010

ARRAIS. Outubro, 2010 4 União dos Escoteiros do Brasil Região do Paraná GRUPO ESCOTEIRO DO MAR AMIGO VELHO 16 Pr ARRAIS AMADOR Outubro, 2010 1 SUMÁRIO 1 VELEIRO, ARRAIS, MESTRES E CAPITÃES... 6 2 A EMBARCAÇÃO... 7 2.1 Direções

Leia mais

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Assinado em 04 de abril de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54, de 16 de agosto de 1983

Leia mais

Dicas de Segurança II

Dicas de Segurança II Dicas de Segurança II Ao Viajar Casa ou apartamento Não comente sua viagem com pessoas estranhas por perto. Avise a um vizinho de confiança sobre a sua viagem. Se possível, deixe um número de telefone

Leia mais

Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio

Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio Equipamentos de salvatagem e combate a incêndio Os equipamentos de salvatagem e combate á incêndio são essenciais para que seja mantida a segurança dos tripulantes quando o navio estiver em operação. A

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PARA CONDUÇÃO SEGURAVEICULOS LEVES

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PARA CONDUÇÃO SEGURAVEICULOS LEVES PROCEDIMENTO OPERACIONAL PARA CONDUÇÃO SEGURAVEICULOS LEVES Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. OBJETIVO... 2 3. DOCUNTAÇÕES... 2 3.1 DO VEÍCULO... 2 3.2 DO CONDUTOR... 2 4. TREINAMENTOS... 2 5. PRATICAS SEGURAS

Leia mais

Título : REGULAMENTO DE ESPORTES NÁUTICOS

Título : REGULAMENTO DE ESPORTES NÁUTICOS REG14 Rev.: 01 Data: 17/07/04 Pág.: 1/11 I ÍNDICE I ÍNDICE... 1 II OBJETIVO... 1 III DESCRIÇÃO... 1 III.1 INSCRIÇÃO, INGRESSO, PERMANÊNCIA, UTILIZAÇÃO E SAÍDA DE EMBARCAÇÕES.... 1 III.2 INGRESSO DE PROEIROS

Leia mais

NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA EMBARCAÇÕES EMPREGADAS NA NAVEGAÇÃO INTERIOR FOLHA DE REGISTRO DE MODIFICAÇÕES

NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA EMBARCAÇÕES EMPREGADAS NA NAVEGAÇÃO INTERIOR FOLHA DE REGISTRO DE MODIFICAÇÕES MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA EMBARCAÇÕES EMPREGADAS NA NAVEGAÇÃO INTERIOR NORMAM-02/DPC - 2005 - NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA EMBARCAÇÕES EMPREGADAS

Leia mais

APOSTILA PREPARATÓRIA PARA O EXAME DE ARRAIS AMADOR

APOSTILA PREPARATÓRIA PARA O EXAME DE ARRAIS AMADOR APOSTILA PREPARATÓRIA PARA O EXAME DE ARRAIS AMADOR. OBTENÇÃO DA HABILITAÇÃO PARA PILOTAR EMBARCAÇÕES NA ATIVIDADE DE ESPORTE E RECREIO, NOS LIMITES DA NAVEGAÇÃO INTERIOR COMUNICADO 3ª Edição Outubro 2010

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SERGIPE

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DE SERGIPE CAPITANIA DOS PORTOS DE SERGIPE 2005 - NPCP - NORMAS E PROCEDIMENTOS DA CAPITANIA DOS PORTOS FINALIDADE - NORMATIVA NR/VM/01/C CAPITANIA DOS PORTOS DE SERGIPE PORTARIA Nº 5 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2009.

Leia mais

Vamos começar pelas recomendações mais gerais e obrigatórias.

Vamos começar pelas recomendações mais gerais e obrigatórias. Normas gerais de circulação ABETRAN Detalhadas pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) em mais de 40 artigos, as Normas Gerais de Circulação e Conduta merecem atenção especial de todos os usuários da

Leia mais

Segurança com serra mármore. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança com serra mármore. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança com serra mármore Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança da área de trabalho Mantenha a área de trabalho sempre limpa e bem iluminada. Áreas de trabalho desorganizadas

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76 Acordo Marítimo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Francesa Assinado em 24 de outubro de 1975 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 19.230/01 ACÓRDÃO Comboio integrado R/M ARENA III / Balsas NAVEZON 53, NAVEZON 25 e NBI X Canoa motorizada sem nome. Abalroação resultando em naufrágio da canoa, com posterior

Leia mais

C O M A N D O D O C O R P O D E B O M B E I R O S Gabinete do Comandante

C O M A N D O D O C O R P O D E B O M B E I R O S Gabinete do Comandante C O M A N D O D O C O R P O D E B O M B E I R O S Gabinete do Comandante PORTARIA N.º 06, DE 01 DE AGOSTO DE 2002. Estabelece no âmbito do Corpo de Bombeiros critérios aplicáveis em todo o Estado do Paraná

Leia mais

CAPRI 21 BELEZA AMERICANA SAVEIRO: A HISTÓRIA DO MAIS BRASILEIRO DE TODOS OS BARCOS. FAMÍLIA SCHURMANN parte para nova aventura

CAPRI 21 BELEZA AMERICANA SAVEIRO: A HISTÓRIA DO MAIS BRASILEIRO DE TODOS OS BARCOS. FAMÍLIA SCHURMANN parte para nova aventura SAVEIRO: A HISTÓRIA DO MAIS BRASILEIRO DE TODOS OS BARCOS ano 10 - número 54 - www.boatshopping.com.br FAMÍLIA SCHURMANN parte para nova aventura COSTA CONCORDIA Os detalhes da megaoperação de resgate

Leia mais

Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público CTASP. Projeto de Lei n. 1685, de 2003. EMENDA SUBSTITUTIVA N.

Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público CTASP. Projeto de Lei n. 1685, de 2003. EMENDA SUBSTITUTIVA N. Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público CTASP Projeto de Lei n. 1685, de 2003. Dispõe sobre o reconhecimento da profissão de guarda-vidas. EMENDA SUBSTITUTIVA N. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Relatório do GT Capacitação Profissional. 2 Apresentação das ações já existentes para a formação e capacitação do pescador profissional

Relatório do GT Capacitação Profissional. 2 Apresentação das ações já existentes para a formação e capacitação do pescador profissional Relatório do GT Capacitação Profissional 1- Introdução A ser elaborada pelo Coordenador do GT 2 Apresentação das ações já existentes para a formação e capacitação do pescador profissional 2.1 Marinha do

Leia mais

NOVO SIMULADO DE SINALIZAÇÃO 2012

NOVO SIMULADO DE SINALIZAÇÃO 2012 1 O procedimento do pedestre diante da sinalização semafórica, identificada na cartela pelo código SS-07 é: a) Atenção; b) Pode seguir; c) Pare o veículo; d) Proibido a travessia; 2 São placas utilizadas

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO N0 19.663/01 ACÓRDÃO Aerobarco FLECHA DE IPANEMA e Chata DIALCAR II. Abalroação entre aerobarco e comboio formado por rebocador e chata, provocando avarias na proa do aerobarco,

Leia mais

PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA

PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA Parte l Rev TRANSPORTE DE ALUNOS ATIVIDADES DIDÁTICAS EM TRÂNSITO ATIVIDADES DIDÁTICAS TEMÁTICAS Arquitetura Naval catamarã para transporte de passageiros/alunos embarcação de

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

Coletes salva-vidas na quantidade que atenda ao estipulado pela Capitania dos Portos, pelo menos, ou que corresponda ao número da tripulação.

Coletes salva-vidas na quantidade que atenda ao estipulado pela Capitania dos Portos, pelo menos, ou que corresponda ao número da tripulação. Segurança de Balsas Tanque 1. Objetivo Estabelecer as normas de segurança que deverão ser rigorosamente observadas durante as operações de carregamento e descarga de balsas-tanque. 2. Abrangência Este

Leia mais

DRIFT SHOW INTRODUÇÃO REGULAMENTO GERAL DO DRIFT - FASP FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO. NORMAS E REGULAMENTOS DRIFT - 2012 NORMAS DESPORTIVAS

DRIFT SHOW INTRODUÇÃO REGULAMENTO GERAL DO DRIFT - FASP FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO. NORMAS E REGULAMENTOS DRIFT - 2012 NORMAS DESPORTIVAS REGULAMENTO GERAL DO DRIFT - FASP FEDERAÇÃO DE AUTOMOBILISMO DE SÃO PAULO. NORMAS E REGULAMENTOS DRIFT - 2012 NORMAS DESPORTIVAS INTRODUÇÃO A FASP - Federação de Automobilismo de São Paulo supervisionará

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.030/04 ÁCÓRDÃO Embarcação DA SILVA. Naufrágio de embarcação que navegava fora de sua área de classificação, conduzida por pessoas não habilitadas. Morte de um de seus tripulantes.

Leia mais

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira.

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. 1 OBJETIVO: Definir requisitos mínimos para: Operação; Inspeção; Qualificação do operador. 2 INTRODUÇÃO GENERALIDADES Existem basicamente

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII 1. Foi criado o conceito de «Utilizadores vulneráveis»: Peões e velocípedes, em particular, crianças, idosos, grávidas, pessoas com mobilidade reduzida ou pessoas com deficiência. (artigo 1.º) Tendo em

Leia mais

Estado do Mato Grosso Prefeitura Municipal de Colniza

Estado do Mato Grosso Prefeitura Municipal de Colniza Lei n.º 091-B/2002. Súmula: REGULAMENTA, DISCIPLINA O TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS EM MOTOCICLETAS DE ALUGUEL MOTO-TÁXI E DETERMINA A LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS, BEM COMO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS Eu,

Leia mais

ZATAN Ilha de Itamarcacá

ZATAN Ilha de Itamarcacá ZATAN Ilha de Itamarcacá ZONEAMENTO AMBIENTAL E TERRITORIAL DAS ATIVIDADES NÁUTICAS DA ILHA DE ITAMARACÁ GI-GERCO AGOSTO DE 2012 ZATAN Ilha de Itamarcacá PREFEITURA DA ILHA DE ITAMARACÁ Rubem Catunda da

Leia mais

ANEXO I MINUTA TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I MINUTA TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I MINUTA TERMO DE REFERÊNCIA TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DE PASSAGEIROS NA TRAVESSIA ENTRE SALVADOR (TERMINAL MARÍTIMO DA AV. DA FRANÇA) - VERA CRUZ (MAR GRANDE PRAIA DO DURO) NOVEMBRO/2011 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Caro Amigo (a) Grato por escolher a mais moderna maneira de estudar e de ter como arquivo os principais procedimentos de um bom marinheiro Esta

Caro Amigo (a) Grato por escolher a mais moderna maneira de estudar e de ter como arquivo os principais procedimentos de um bom marinheiro Esta Caro Amigo (a) Grato por escolher a mais moderna maneira de estudar e de ter como arquivo os principais procedimentos de um bom marinheiro Esta apresentação é mínima, pois todo o CD contem mais de 230

Leia mais

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8)

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) 19.1 Depósito, manuseio e armazenagem de explosivos. 19.1.1 Explosivos são substâncias capazes de rapidamente se transformarem em gases, produzindo calor intenso e pressões

Leia mais

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Dispõe sobre a regulamentação de posicionamento de caçambas usadas na remoção de entulhos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO DO COTA MIL IATE CLUBE

REGIMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO DO COTA MIL IATE CLUBE REGIMENTO INTERNO DO SETOR NÁUTICO DO COTA MIL IATE CLUBE Do Objetivo (Aprovado em 28/05/2009 pelo Conselho Deliberativo) Art. 1º Estabelecer norma reguladora para utilização das dependências, dos equipamentos,

Leia mais

3.2 Classes: C 30, ORC, IRC, Clássicos e Multicascos Categoria Unica

3.2 Classes: C 30, ORC, IRC, Clássicos e Multicascos Categoria Unica UBATUBA SAILING FESTIVAL- USF/ 2016 1ª ETAPA PAULISTA DE OCEANO 2016 Dias: 25, 26, 27 e 28 de Maio de 2016 Facebook: Ubatuba Sailing Festival 2016 O UBATUBA IATE CLUBE UIC convida todos os velejadores

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. Normas de Utilização das Embarcações Tradicionais

NOTA JUSTIFICATIVA. Normas de Utilização das Embarcações Tradicionais NOTA JUSTIFICATIVA O varino Amoroso e os botes-de-fragata denominados Gaivotas e Baía do Seixal são propriedade da Câmara Municipal do Seixal, como espólio museológico integrado no Ecomuseu Municipal do

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Rio Grande - RS

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Rio Grande - RS MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Rio Grande - RS SUMÁRIO Página Apresentação 4 Propósito da Capitania 4 Identidade Institucional 4 Visão de Futuro

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.874/06 ACÓRDÃO Canoa sem nome. Naufrágio de embarcação a remo com exposição a risco da referida embarcação e das vidas e fazendas de bordo, provocando a morte de uma passageira

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA NAVIOS NO PORTO

PROCEDIMENTOS PARA NAVIOS NO PORTO Capítulo 3 PROCEDIMENTOS PARA NAVIOS NO PORTO SEÇÃO I ENTRADA, PERMANÊNCIA E SAÍDA DO PORTO 0301 - TRÁFEGO NO PORTO Todas as embarcações estrangeiras e as embarcações nacionais de Longo Curso e Cabotagem

Leia mais

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio Dicas para segurança no trânsito realização apoio 1 Dicas de viagem segura. Viajar sozinho ou com toda a família requer certas responsabilidades. Aqui você encontrará várias recomendações para uma viagem

Leia mais

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO

ADENDO A DO APÊNDICE V AO ANEXO E CONCEITO DA OPERAÇÃO DO PLANO DE COOPERAÇÃO DE BUSCA E SALVAMENTO PLAO DE AUXÍLIO MÚTUO MARÍTIMO PAM-M ADEDO A DO APÊDICE V AO AEXO E COCEITO DA OPERAÇÃO DO 1. Conceituação: 1.1. AR - abreviatura do inglês "search and rescue" - Busca e alvamento - correspondente a socorro,

Leia mais

ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice...

ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice... ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice... I II III IV V CAPÍTULO 1 INGRESSO, INSCRIÇÃO E CÔMPUTO DE TEMPO DE EMBARQUE DE AQUAVIÁRIOS

Leia mais

Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações

Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações Apêndice I Lista de Verificação para Recebimento de Óleo Lubrificante e Retirada de Resíduos Oleosos das Embarcações. 1.0 OBJETIVO Estabelecer as orientações

Leia mais

TRATORISTA PROVA DE CONHECIMENTO ESPECÍFICO

TRATORISTA PROVA DE CONHECIMENTO ESPECÍFICO TRATORISTA PROVA DE CONHECIMENTO ESPECÍFICO Questão 21 Algumas infrações de trânsito preveem a suspensão do direito de dirigir do condutor ou do proprietário do veículo. Assinale a alternativa que não

Leia mais

1º AVISO DE REGATA XXIII REFENO de 24 a 27 de Setembro de 2011

1º AVISO DE REGATA XXIII REFENO de 24 a 27 de Setembro de 2011 1º AVISO DE REGATA XXIII REFENO de 24 a 27 de Setembro de 2011 1. REGRAS A Regata será disputada sob as seguintes regras: 1.1. Regulamentos da MARINHA DO BRASIL; 1.2. Regras de Regatas a vela da ISAF,

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO B/M JOSILANDE. Água aberta seguida de naufrágio com perda total da embarcação e sua carga. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho.

Leia mais

RESOLUÇÃO DP Nº 108.2006, DE 16 DE AGOSTO DE 2006.

RESOLUÇÃO DP Nº 108.2006, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. RESOLUÇÃO DP Nº 108.2006, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. INSTITUI O REGRAMENTO PARA GESTÃO DO TRÁFEGO PORTUÁRIO, SINALIZA E MONITORA A CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS, ESTABELECE ZONAS DE ESTACIONAMENTOS ROTATIVOS PARA

Leia mais

mistralis Treinamentos Experienciais a Vela Ltda DESAFIOS MISTRALIS

mistralis Treinamentos Experienciais a Vela Ltda DESAFIOS MISTRALIS DESAFIOS MISTRALIS Esse manual será seu guia durante a viagem. Um auxílio para que você possa realizar a travessia de forma segura e o mais confortável possível. Os DESAFIOS MISTRALIS se caracterizam por

Leia mais

OSTENSIVO NPA 02-B MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DA COMISSÃO INTERMINISTERIAL PARA OS RECURSOS DO MAR

OSTENSIVO NPA 02-B MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DA COMISSÃO INTERMINISTERIAL PARA OS RECURSOS DO MAR MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DA COMISSÃO INTERMINISTERIAL PARA OS RECURSOS DO MAR SUBSECRETARIA PARA O PROGRAMA ANTÁRTICO BRASILEIRO ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ BRASÍLIA, DF. Em 25 de abril de

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA NAZARÉ EDITAL N.º1/2011

S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA NAZARÉ EDITAL N.º1/2011 S. R. MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MARINHA AUTORIDADE MARÍTIMA NACIONAL CAPITANIA DO PORTO DA NAZARÉ EDITAL N.º1/2011 INSTRUÇÕES PARA A NAVEGAÇÃO E PERMANÊNCIA NO ESPAÇO DE JURISDIÇÃO MARÍTIMA DA CAPITANIA

Leia mais

REGULAMENTO DA NÁUTICA

REGULAMENTO DA NÁUTICA REGULAMENTO DA NÁUTICA Conteúdo: 1 DEPENDÊNCIAS DA NÁUTICA 2 PROCEDIMENTOS PARA USO DAS VAGAS 2.1 Obtenção de Vaga 2.2 Fila de Espera 2.3 Remanejamento de Vagas 2.4 Troca de Embarcação 2.5 Utilização das

Leia mais

DESAFIO DOS DRIFTERS FMA 2013

DESAFIO DOS DRIFTERS FMA 2013 DESAFIO DOS DRIFTERS FMA 2013 FEDERAÇÃO MINEIRA DE AUTOMOBILISMO NORMAS E REGULAMENTOS REGULAMENTO GERAL INTRODUÇÃO A Federação Mineira de Automobilismo - FMA supervisionará os Desafios de DRIFT realizados

Leia mais

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO

SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO SEDEMA DIVISÃO DE CONTROLE E FISCALIZAÇÃO Lei nº 6468/09 Disciplina a veiculação de anúncios no Município de Piracicaba Decreto nº 13.512/10 Licenciamento de anúncios Decreto nº 13.513/10 Engenhos Publicitários

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa Apresentação Corporativa Nossa Empresa A TerraMar Treinamentos foi fundada no ano de 2009, objetivando o atendimento às empresas do setor marítimo no tocante aos treinamentos de segurança, aprimoramento

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimento e Cuidados II Verificação pelo usuário do funcionamento seguro do elevador III Procedimentos a evitar na utilização do elevador IV Orientação para a escolha

Leia mais

Importante - Tempo estimado de atendimento: Procedimentos:

Importante   - Tempo estimado de atendimento: Procedimentos: As inscrições para os concursos são realizadas na Capitania dos Portos do Piauí. Importante: O exame de seleção não tem caráter de concurso público para ingresso na Marinha Mercante ou na Marinha do Brasil

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3284 -ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 3284 -ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 3284 -ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014. ALTERA A RESOLUÇÃO Nº 1.274- ANTAQ, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2009, QUE DISPÕE SOBRE OUTORGA DE AUTORIZAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS,

Leia mais

Apreciado em Conselho de Ministros, em Luanda, aos 18 de Dezembro de 2013.

Apreciado em Conselho de Ministros, em Luanda, aos 18 de Dezembro de 2013. Decreto Presidencial n.º 69/14 de 21 de Março Considerando que os artigos 190.º e 191.º da Lei n.º 27/12, de 28 de Agosto, estabelecem que a prática da actividade de náutica de recreio, incluindo as regras

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.821/2000 ACÓRDÃO Moto-aquática SP 2318-01 X flutuante tipo banana boat, rebocado pela L/M KATITA. Abalroação resultando em lesões corporais em dois ocupantes do flutuante.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO OPERACIONAL

ANEXO III REGULAMENTO OPERACIONAL ANEXO III REGULAMENTO OPERACIONAL Página 1 ANEXO III REGULAMENTO OPERACIONAL TÍTULO I CAPÍTULO I DA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS Art. 1º - Os serviços de transporte serão operados em rigorosa obediência às disposições

Leia mais

Associação Portuguesa da Classe Optimist

Associação Portuguesa da Classe Optimist GUIA PARA CAMPEONATOS Associação Portuguesa da Classe Optimist Guia para os Campeonatos da Classe Optimist As seguintes instruções foram escolhidas pela Associação Portuguesa da Classe Optimist e servirão

Leia mais