RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA. A informação é nossa, a decisão é sua! GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO"

Transcrição

1 PANORAMA RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO SEMANA DE 10 A 14 DE AGOSTO de 2009 Semana de nova estabilidade no preço do Boi Gordo no mercado físico do Rio Grande do Sul, fechando a semana em R$ 5,28/kg carcaça, fechamento 0,5% em relação a semana passada. Os preços seguem firmes no mercado físico e parecem indicar uma tendência de alta. Os frigoríficos, com escalas cada vez mais apertadas, desistiram de pressionar o preço da forma como faziam e frigoríficos menores com escalas bastante apertadas - já oferecem preços superiores, o que deverá fazer que os maiores sigam essa tendência nas próximas semanas. GR. Boi Gordo Mercado Físico RS Período Gráfico DIÁRIO

2 RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO MERCADO FUTURO (BM&F( BM&F) No Mercado Futuro o preço do Boi Gordo apresentou queda para o vcto Outubro, fechando a semana em R$ queda de 0,42% em relação ao fechamento da semana anterior. Apesar da queda dessa semana acreditamos que deve haver melhora no preço futuro do Boi Gordo em razão das escalas dos frigoríficos, que estavam se abastecendo de confinamentos e contratos a termo. Esse conforto está chegando ao fim, o que deve obrigá-los a ofertar melhores preços. Além do mais, em nível nacional, os preços no atacado subiram, o que permite elevação do preço ao consumidor. Boi Gordo Vencimento em Out/09 Gráfico de 30 BM&F

3 O posicionamento dos trader s não deixa dúvidas quanto a tendência do mercado. Eles estão apostando em altas. Isso pode ser visto pelos especuladores, que estão bastante comprados e pelas vendas dos frigoríficos, que provavelmente viraram a posição em busca de melhores patamares. RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO MERCADO FUTURO DE BOI GORDO NA BM&F - POSICIONAMENTO DOS TRADES Data: 28/11/2008 Compra Venda Contratos % Contratos % Pessoa Jurídica Financeira , ,81 Investidor Institucional , ,82 Invest. Institucional Nacional , ,82 Investidores Não Residentes 70 0, ,97 Invest. Não Residente - Res Agrop 46 0, ,49 Invest. Não Residente - Res , ,48 Pessoa Jurídica Não Financeira , ,36 Pessoa Física , ,04 TOTAL GERAL Fonte: BM&F TRADER'S COMPRADOS TRADER'S VENDIDOS 1% 10% 1% 16% 0% 20% 5% 55% 33% 59% Pessoa Jurídica Financeira Investidores Não Residentes Pessoa Física Investidor Institucional Pessoa Jurídica Não Financeira Pessoa Jurídica Financeira Investidores Não Residentes Pessoa Física Investidor Institucional Pessoa Jurídica Não Financeira

4 RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO Fonte: CEPEA

5 RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO Fonte: CEPEA

6 RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO ESCALAS DE ABATE, PRAZOS DE PAGAMENTO E PREÇOS Fonte: CEPEA

7 DADOS DO MERCADO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

8 DADOS DO MERCADO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

9 DADOS DO MERCADO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

10 DADOS DO MERCADO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

11 RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

12 RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

13 RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

14 RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

15 DISCLOSURE 1. Este relatório foi elaborado pela Assessoria Econômica do Sistema FARSUL. Este relatório tem como único propósito fornecer informações, e não constitui ou deve ser interpretado como uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data da divulgação deste relatório e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A FARSUL não declara ou garante, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações. Este relatório não é uma declaração completa ou resumo dos valores mobiliários, mercados ou desenvolvimentos aqui abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem o atual julgamento do analista de investimento responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As cotações e disponibilidades dos instrumentos financeiros são meramente indicativas e sujeitas a alterações sem aviso prévio. A FARSUL não está obrigado a atualizar, modificar ou corrigir este relatório e informar ao leitor sobre tais alterações, com exceção do encerramento de cobertura das empresas analisadas neste relatório. 2. O analista de investimento responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas neste relatório refletem de forma precisa e exclusiva suas visões e opiniões pessoais a respeito de todo e qualquer derivativo neste relatório ou seus valores mobiliários e foram produzidas de forma independente e autônoma, incluindo no que se refere à FARSUL. Uma vez que as opiniões pessoais dos analistas de investimento podem ser divergentes entre si, a FARSUL pode ter publicado ou vir a publicar outros relatórios que não apresentem uniformidade e/ou cheguem a diferentes conclusões em relação as informações fornecidas neste relatório. 3. A remuneração do analista de investimento é prevista pelo regime C.L.T. Sendo assim, esta remuneração em nenhuma hipótese esteve, está ou estará, direta ou indiretamente, relacionada a quaisquer recomendações ou opiniões específicas contidas neste relatório ou ligada a precificação de quaisquer dos valores mobiliários discutidos neste relatório. O analista de investimento declara que não mantém vínculo com qualquer indivíduo que mantenha relações comerciais de qualquer natureza com a empresa e que não recebe qualquer remuneração por serviços prestados, ou mantenha relações comerciais com as empresas ou pessoa natural ou jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que represente os interesses da empresa. O analista de investimento informa ainda que não detém, direta ou indiretamente, posições em valores mobiliários emitidos pelos derivativos analisados neste relatório em sua carteira de investimentos pessoal e não estão pessoalmente envolvidos na aquisição, venda ou negociação de tais valores no mercado. O analista de investimento e quaisquer dos membros de seu núcleo familiar não atuam como administrador, diretor ou membro do conselho consultivo das empresas analisadas neste relatório. 4. Os instrumentos financeiros discutidos neste relatório podem não ser adequados para todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento baseada nas informações contidas neste relatório. Caso um instrumento financeiro seja expresso em uma moeda que não a do investidor, uma alteração nas taxas de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade do instrumento financeiro e o leitor deste relatório assume quaisquer riscos de câmbio. A rentabilidade de instrumentos financeiros pode apresentar variações, e seu preço ou valor pode, direta ou indiretamente, aumentar ou diminuir. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros, e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste relatório em relação a desempenhos futuros. A FARSUL se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 5. Este relatório não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da FARSUL. Informações adicionais sobre os instrumentos financeiros discutidos neste relatório se encontram disponíveis quando solicitadas. DIVISÃO DE PLANEJAMENTO E PROJETOS Assessoria Econômica

16 RELATÓRIO DE COMMODITIES MILHO PANORAMA Semana de alta para o preço do Milho, fechando a R$ 16,63/sc 60kg ao produtor, alta de 1,46% e R$ 18,15 o mercado de lotes. Foi novamente uma semana de negócios fracos, com os produtores indispostos a vender a esses patamares. Essa alta da semana refletiu a pouca oferta de Milho no mercado interno, já que em Chicago os preços recuaram nesta quinta devido a projeção de boa safra nos EUA. Estamos com a perspectiva que o preço tenha encontrado um fundo já há várias semanas, o que não é garantia que não haverá novas quedas, mas o mercado está respeitando esse suporte de preços e esperamos que, com a perspectiva de redução da plantação de Milho na próxima safra para aumentar a de Soja, possa trazer um alívio para os produtores logo que os movimentos para 2010 se intensifiquem. Gráfico diário Praças RS SEMANA DE 10 A 14 DE AGOSTO DE 2009 Sugerimos que os produtores rurais busquem proteção no mercado financeiro, através de operações de hedge na BM&F. O Banco do Brasil divulgou mudanças em sua política de crédito rural e oferecerá taxas de juros melhores para aqueles produtores que reduzirem seus riscos de preço, através justamente do hedge. Mais um incentivo para os produtores buscarem esses mercados.

17 RELATÓRIO DE COMMODITIES MILHO MERCADO FUTURO BM&F O Contrato Futuro de Milho com vencimento em Set/09 registrou alta nessa semana em relação ao fechamento da semana anterior, depois de 10 semanas consecutivas de queda, fechando a R$ 21,05/sc 60kg, 1,20% maior que o fechamento da semana anterior. No relatório da semana anterior dizíamos que parecia ter uma luz no final do túnel, o que parece ter se confirmado. Apesar do USDA ter apresentado um relatório baixista para o preço do Milho, em razão da produção acima do esperado nos EUA, o preço aqui se descolou e subiu, com o mercado entendendo que mais que isso o preço não pode baixar. Isso certamente é apenas uma percepção do mercado que pode mudar, mas a tendência que observamos é de estabilidade para alta. Gráfico diário Milho Vct Set/09

18 RELATÓRIO DE COMMODITIES MILHO MERCADO FUTURO DE MILHO NA BM&F - POSICIONAMENTO DOS TRADES Data: 14/11/2008 Compra Venda Contratos % Contratos % Pessoa Jurídica Financeira 9 0, ,72 Investidor Institucional 279 2, ,33 Invest. Institucional Nacional 279 2, ,33 Investidores Não Residentes 84 0, ,60 Invest. Não Residente - Res Agrop 84 0,73 6 0,05 Invest. Não Residente - Res ,55 Pessoa Jurídica Não Financeira , ,22 Pessoa Física , ,13 TOTAL GERAL , ,00 Fonte: BM&F TRADERS COMPRADOS 2% 12% 0% 1% 15% TRADERS VENDIDOS 7% 0%2% 85% 76% Pessoa Jurídica Financeira Investidores Não Residentes Pessoa Física Investidor Institucional Pessoa Jurídica Não Financeira Pessoa Jurídica Financeira Investidores Não Residentes Pessoa Física Investidor Institucional Pessoa Jurídica Não Financeira As tradings estão se mantém compradoras, a exemplo da semana passada, o que é um bom sinal em relação ao futuro dos preços.

19 RELATÓRIO DE COMMODITIES MILHO * 2009** Var.(%) 09/08 Estoque Inicial 189,00 191,27 171,44 147,9 125,2 103,9 132,14 124,78 108,69 122,88 13,1% Produção 606,83 589,46 598,9 601,9 623,4 713,6 696,9 712,44 790,99 785,25-0,7% Importações 71,73 75,65 74,4 76,9 76,7 77,1 79,5 90,92 95,87 81,23-15,3% OFERTA TOTAL 867,56 856,38 844,74 826,68 825,31 894,60 908,47 928,14 995,55 989,65-0,6% - Animal 421,47 427,51 436,5 434,1 443,5 471,1 476,3 477,79 499,88 492,34-1,5% - Outros consumos 177,94 180,21 184,09 189,2 200,4 213,05 226,61 250,74 276,92 308,03 11,2% - Exportações 76,89 77,22 76,3 78,2 77,6 78,3 80,9 93,80 95,77 83,87-12,4% DEMANDA TOTAL 676,3 684,9 696,9 701,5 721,5 762,5 783,9 822,33 872,57 884,24 1,3% Estoque Final 191,27 171,44 147,9 125,2 103,9 132,14 124,6 108,69 122,88 107,76-12,3% Fonte: USDA/ SAFRAS & Mercado Elaboração: Sistema FARSUL/ DPP/ Assessoria Econômica - Setembro/08 (*) Preliminar (**) Previsão MILHO MUNDO - OFERTA & DEMANDA - 00/09 (em milhões de toneladas)

20 RELATÓRIO DE COMMODITIES MILHO MILHO - OFERTA E DEMANDA - BRASIL em Milhões de toneladas Discriminação * 2009** (%) 09/08 Estoque Inicial 3,02 3,59 10,24 185,24% Produção 51,00 58,60 55,00-6,14% Importação 1,41 0,55 0,50-9,09% OFERTA 55,43 62,74 65,74 4,78% Consumo Total 41,00 45,00 47,50 5,56% Ração 34,50 38,00 40,00 5,26% Exportação 10,84 7,50 9,00 20,00% DEMANDA 51,84 52,50 56,50 7,62% Estoque Final 3,59 10,24 9,24-9,77% Rel. (%) Est/Dem. 6,93% 19,50% 16,35% -16,15% Fonte: USDA Elaboração SISTEMA FARSUL/ DPP/ Assessoria Econômica * Estimativa ** Previsão

21 RELATÓRIO DE COMMODITIES MILHO RIO GRANDE DO SUL Ano Área Colhida (Hectare) Produção (t) Rend. Médio (kg/ha) * Fonte: IBGE MILHO Elaboração: Sistema FARSUL/ DPP/ Assessoria Econômica - Setembro/08 (*) Estimativa sua! A informação é nossa, a decisão é COMPARATIVO DA PRODUÇÃO X ÁREA Comparativo Área (ha) Produção (t) Rendimento Médio (kg/ha)?% -6,43% 21, 98% 30, 36% * Área Colhida (Hectare) Produção (t)

22 DISCLOSURE 1. Este relatório foi elaborado pela Assessoria Econômica do Sistema FARSUL. Este relatório tem como único propósito fornecer informações, e não constitui ou deve ser interpretado como uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data da divulgação deste relatório e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A FARSUL não declara ou garante, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações. Este relatório não é uma declaração completa ou resumo dos valores mobiliários, mercados ou desenvolvimentos aqui abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem o atual julgamento do analista de investimento responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As cotações e disponibilidades dos instrumentos financeiros são meramente indicativas e sujeitas a alterações sem aviso prévio. A FARSUL não está obrigado a atualizar, modificar ou corrigir este relatório e informar ao leitor sobre tais alterações, com exceção do encerramento de cobertura das empresas analisadas neste relatório. 2. O analista de investimento responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas neste relatório refletem de forma precisa e exclusiva suas visões e opiniões pessoais a respeito de todo e qualquer derivativo neste relatório ou seus valores mobiliários e foram produzidas de forma independente e autônoma, incluindo no que se refere à FARSUL. Uma vez que as opiniões pessoais dos analistas de investimento podem ser divergentes entre si, a FARSUL pode ter publicado ou vir a publicar outros relatórios que não apresentem uniformidade e/ou cheguem a diferentes conclusões em relação as informações fornecidas neste relatório. 3. A remuneração do analista de investimento é prevista pelo regime C.L.T. Sendo assim, esta remuneração em nenhuma hipótese esteve, está ou estará, direta ou indiretamente, relacionada a quaisquer recomendações ou opiniões específicas contidas neste relatório ou ligada a precificação de quaisquer dos valores mobiliários discutidos neste relatório. O analista de investimento declara que não mantém vínculo com qualquer indivíduo que mantenha relações comerciais de qualquer natureza com a empresa e que não recebe qualquer remuneração por serviços prestados, ou mantenha relações comerciais com as empresas ou pessoa natural ou jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que represente os interesses da empresa. O analista de investimento informa ainda que não detém, direta ou indiretamente, posições em valores mobiliários emitidos pelos derivativos analisados neste relatório em sua carteira de investimentos pessoal e não estão pessoalmente envolvidos na aquisição, venda ou negociação de tais valores no mercado. O analista de investimento e quaisquer dos membros de seu núcleo familiar não atuam como administrador, diretor ou membro do conselho consultivo das empresas analisadas neste relatório. 4. Os instrumentos financeiros discutidos neste relatório podem não ser adequados para todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento baseada nas informações contidas neste relatório. Caso um instrumento financeiro seja expresso em uma moeda que não a do investidor, uma alteração nas taxas de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade do instrumento financeiro e o leitor deste relatório assume quaisquer riscos de câmbio. A rentabilidade de instrumentos financeiros pode apresentar variações, e seu preço ou valor pode, direta ou indiretamente, aumentar ou diminuir. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros, e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste relatório em relação a desempenhos futuros. A FARSUL se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 5. Este relatório não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da FARSUL. Informações adicionais sobre os instrumentos financeiros discutidos neste relatório se encontram disponíveis quando solicitadas. Divisão de Planejamento e Projetos Assessoria Econômica

23 RELATÓRIO DE COMMODITIES SOJA PANORAMA No relatório da semana anterior avisávamos que o preço da Soja encontrava-se em uma resistência. Quando isso acontece, costuma ocorrer uma indecisão no mercado, se rompe e sobe com força, ou apresenta estabilidade ou até uma leve queda no curto prazo. Foi o que aconteceu, o mercado andou de lado nessa semana, conforme pode ser visto no gráfico, com o mercado testando a resistência. Fechou a R$ 44,27/sc 60kg ao produtor e R$ 47,52 no mercado de lotes, queda de 0,60% em relação ao fechamento da semana anterior. Essa leve queda não significa uma mudança de tendência, apenas um ajuste normal quando o preço está em resistência. Acreditamos que há mais espaço para altas. Gráfico diário Físico RS SEMANA DE 10 A 14 DE AGOSTO DE 2009

24 MERCADO FUTURO (BM&F( RELATÓRIO DE COMMODITIES SOJA BM&F) Soja Vencimento em Maio/10 Gráfico Diário BM&F O Contrato Futuro com Vcto em Mai/10 teve queda nessa semana, fechando cotado a US$ 21,55/sc 60kg, perda de 2,92% em relação a semana passada. A queda dessa semana foi decorrente de um movimento de realização de lucros dos especuladores tanto em Chicago como na BM&FBovespa, uma vez que na CBOT o preço tinha atingido US$ 10,63 por Bushel, maior alta em dois meses. Justifica esse movimento o próprio relatório do USDA que prevê menor safra para Soja, o que indica preços ainda melhores no futuro. Portanto, os fundamentos para Soja são muito bons e essa queda na semana foi técnica, refletindo apenas um movimento de realização. Dólar Comercial Gráfico Diário BM&F

25 MERCADO FUTURO DE SOJA NA BM&F - POSICIONAMENTO DOS TRADES Data: 14/11/2008 Compra Venda Contratos % Contratos % Pessoa Jurídica Financeira 204 3,70 Investidor Institucional 301 5, ,60 Invest. Institucional Nacional Investidores Não Residentes Invest. Não Residente - Res Agrop 301 5, ,60 Invest. Não Residente - Res Pessoa Jurídica Não Financeira , ,32 Pessoa Física 201 3, ,38 TOTAL GERAL , ,00 Fonte: BM&F RELATÓRIO DE COMMODITIES SOJA TRADERS COMPRADOS 4% 0% 5% 0% 12% TRADERS VENDIDOS 4% 1%0% Pessoa Jurídica Financeira Investidores Não Residentes Pessoa Física 91% Investidor Institucional Pessoa Jurídica Não Financeira Pessoa Jurídica Financeira Investidores Não Residentes Pessoa Física 83% Investidor Institucional Pessoa Jurídica Não Financeira Devido ao forte movimento de realização de lucros, fica deturpada qualquer análise quanto ao posicionamento.

26 RELATÓRIO DE COMMODITIES SOJA Grão * 2009** Var. (%) (09/08) ESTOQUE INICIAL 38,80 47,50 53,10 62,65 52,68-15,9% PRODUÇÃO 215,74 220,54 236,56 220,69 239,43 8,5% IMPORTAÇÃO 63,71 64,04 69,20 77,60 77,15-0,6% OFERTA TOTAL 318,25 332,08 358,86 360,94 369,26 2,3% CONSUMO INTERNO 205,16 215,25 224,76 229,12 235,19 2,6% Esmagamento 175,68 185,08 195,53 201,15 204,88 1,9% Outros Usos 29,48 30,17 29,23 27,97 30,31 8,4% EXPORTAÇÕES 63,71 63,94 71,45 79,14 78,84-0,4% DEMANDA TOTAL 268,87 279,19 296,21 308,26 314,03 1,9% ESTOQUE FINAL (30/set) 49,38 52,89 62,65 52,68 55,23 4,8% ESTOQUE/DEMANDA 18% 19% 21% 17% 18% 2,9% Fonte: USDA/ SAFRAS & Mercado Elaboração: Sistema FARSUL/ DPP /Assessoria Econômica - Setembro/08 (*) Estimativa (**) Projeção SOJA EM GRÃO OFERTA & DEMANDA MUNDIAL (em milhões de toneladas)

27 RELATÓRIO DE COMMODITIES SOJA SOJA * 2009** Var. (%) (B) (B) (A) (A/B) Estoque Inicial (1/fev) % Produção % Importações % OFERTA TOTAL % Moagem % Exportações % Sementes/outros(1) % DEMANDA TOTAL % Est.Final (31/jan) % Estoque/Demanda 5,4% 1,8% 2,3% 3,4% 1,7% 1,0% -40% Fonte: SAFRAS & Mercado Elaboração: Sistema FARSUL/ DPP /Assessoria Econômica - Julho/08 (1) Inclui consumo humano e perdas (*) Estimativa (**) Previsão BRASIL OFERTA & DEMANDA DE SOJA (em mil toneladas)

28 RELATÓRIO DE COMMODITIES SOJA Unidade da Federação Ano da Safra Produtividade Var. (%) Safra 2007 Safra 2008* (kg/ha) (08/07) Mato Grosso % Paraná % Rio Grande do Sul % Goiás % Mato Grosso do Sul % Bahia % Minas Gerais % São Paulo % Maranhão % Santa Catarina % Tocantins % Piauí % Rondônia % Pará % Distrito Federal % TOTAL ,41% Fonte: IBGE Elaboração: Sistema FARSUL/ DPP/ Assessoria Econômica - Setembro/08 (*) Estimativa (**) Previsão SOJA PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE BRASILEIRA POR UF (em toneladas)

29 DISCLOSURE 1. Este relatório foi elaborado pela Assessoria Econômica do Sistema FARSUL. Este relatório tem como único propósito fornecer informações, e não constitui ou deve ser interpretado como uma oferta ou solicitação de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. As informações contidas neste relatório são consideradas confiáveis na data da divulgação deste relatório e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A FARSUL não declara ou garante, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações. Este relatório não é uma declaração completa ou resumo dos valores mobiliários, mercados ou desenvolvimentos aqui abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem o atual julgamento do analista de investimento responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As cotações e disponibilidades dos instrumentos financeiros são meramente indicativas e sujeitas a alterações sem aviso prévio. A FARSUL não está obrigado a atualizar, modificar ou corrigir este relatório e informar ao leitor sobre tais alterações, com exceção do encerramento de cobertura das empresas analisadas neste relatório. 2. O analista de investimento responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas neste relatório refletem de forma precisa e exclusiva suas visões e opiniões pessoais a respeito de todo e qualquer derivativo neste relatório ou seus valores mobiliários e foram produzidas de forma independente e autônoma, incluindo no que se refere à FARSUL. Uma vez que as opiniões pessoais dos analistas de investimento podem ser divergentes entre si, a FARSUL pode ter publicado ou vir a publicar outros relatórios que não apresentem uniformidade e/ou cheguem a diferentes conclusões em relação as informações fornecidas neste relatório. 3. A remuneração do analista de investimento é prevista pelo regime C.L.T. Sendo assim, esta remuneração em nenhuma hipótese esteve, está ou estará, direta ou indiretamente, relacionada a quaisquer recomendações ou opiniões específicas contidas neste relatório ou ligada a precificação de quaisquer dos valores mobiliários discutidos neste relatório. O analista de investimento declara que não mantém vínculo com qualquer indivíduo que mantenha relações comerciais de qualquer natureza com a empresa e que não recebe qualquer remuneração por serviços prestados, ou mantenha relações comerciais com as empresas ou pessoa natural ou jurídica, fundo ou universalidade de direitos, que represente os interesses da empresa. O analista de investimento informa ainda que não detém, direta ou indiretamente, posições em valores mobiliários emitidos pelos derivativos analisados neste relatório em sua carteira de investimentos pessoal e não estão pessoalmente envolvidos na aquisição, venda ou negociação de tais valores no mercado. O analista de investimento e quaisquer dos membros de seu núcleo familiar não atuam como administrador, diretor ou membro do conselho consultivo das empresas analisadas neste relatório. 4. Os instrumentos financeiros discutidos neste relatório podem não ser adequados para todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento baseada nas informações contidas neste relatório. Caso um instrumento financeiro seja expresso em uma moeda que não a do investidor, uma alteração nas taxas de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade do instrumento financeiro e o leitor deste relatório assume quaisquer riscos de câmbio. A rentabilidade de instrumentos financeiros pode apresentar variações, e seu preço ou valor pode, direta ou indiretamente, aumentar ou diminuir. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros, e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste relatório em relação a desempenhos futuros. A FARSUL se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. 5. Este relatório não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da FARSUL. Informações adicionais sobre os instrumentos financeiros discutidos neste relatório se encontram disponíveis quando solicitadas. DIVISÃO DE PLANEJAMENTO E PROJETOS Assessoria Econômica

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) Soja fechou em leve baixa, trabalha na casa entre 21,50 e 21,80. JULHO 2009/ MAIO 2010 (N/K)

MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) Soja fechou em leve baixa, trabalha na casa entre 21,50 e 21,80. JULHO 2009/ MAIO 2010 (N/K) MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) SOJA MAIO (SOJK10) Médias no Profitchart utilizando o after market. Tempo 60 minutos MÉDIAS 12 SIMPLES E 23 SIMPLES TEMPO 60 MINUTOS SUPORTE 1 R$ 21,80 SITUAÇÃO VENDA

Leia mais

SOJA COMENTÁRIO. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MARGEM: R$ 2.473,00. MÉDIAS 16 Exp. e 51 Exp SUPORTE 2 $ 22,00

SOJA COMENTÁRIO. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MARGEM: R$ 2.473,00. MÉDIAS 16 Exp. e 51 Exp SUPORTE 2 $ 22,00 SOJA GRÁFICO SOJA MAIO BM&F (SOJK10) Análise Gráfica - SOJA Médias Móveis - SOJA MÉDIAS NOVAS!!! Tempo 60 minutos. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MÉDIAS 16 Exp. e 51

Leia mais

Produtos Estruturados

Produtos Estruturados Sales Sales Trading Produtos Estruturados Research & Best Ideas A equipe de Research, juntamente com a equipe de Sales Trading, vem trabalhando para criar grandes oportunidades, unindo macroeconomia e

Leia mais

A Hora do Gráfico. Análise Gráfica. Índice. Ibovespa - Diário. Ibovespa (gráfico de 15 minutos) Índice Ibovespa. Top 5. Fique de Olho.

A Hora do Gráfico. Análise Gráfica. Índice. Ibovespa - Diário. Ibovespa (gráfico de 15 minutos) Índice Ibovespa. Top 5. Fique de Olho. quinta-feira, 3 de outubro de 2013 Análise Gráfica A Hora do Gráfico Ibovespa - Diário Índice Índice Ibovespa Top 5 Fique de Olho Disclosure Hoje tivemos um dia de queda, no começo até testamos novamente

Leia mais

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e significa mercadoria. É usado para designar bens sem diferenciação (por não possuírem valor agregado), e são habitualmente extraídas

Leia mais

ANÁLISE GRÁFICA GRÁFICO MILHO SETEMBRO BM&F (CCMU10) SUPORTE 1 R$ 20,50 RESISTÊNCIA1 R$ 20,70 SUPORTE 2 R$ 20,20 RESISTÊNCIA 2 R$ 20,80

ANÁLISE GRÁFICA GRÁFICO MILHO SETEMBRO BM&F (CCMU10) SUPORTE 1 R$ 20,50 RESISTÊNCIA1 R$ 20,70 SUPORTE 2 R$ 20,20 RESISTÊNCIA 2 R$ 20,80 ANÁLISE MERCADO FUTURO DE SOJA 09/08/2010 SOJA COMENTÁRIO - Preços firmes para a soja em Chicago neste início de semana. As preocupações com o tempo seco ao sul e oeste do Cinturão e região do Delta do

Leia mais

DESTAQUES DO DIA. Sua opção de Renda Fixa na Bolsa. Belo Horizonte, 05 de Janeiro de 2011 INFLAÇÃO

DESTAQUES DO DIA. Sua opção de Renda Fixa na Bolsa. Belo Horizonte, 05 de Janeiro de 2011 INFLAÇÃO Belo Horizonte, 05 de Janeiro de 2011 DESTAQUES DO DIA INFLAÇÃO A inflação de janeiro, medida pelo IPC- Fipe fechou com alta de 0,54%, acumulando 6,4% em 2010. Outros índices de inflação, o IGP- DI e o

Leia mais

Bom Dia Commodities. Commodities. 12 de Agosto, 2013. Café

Bom Dia Commodities. Commodities. 12 de Agosto, 2013. Café Bom Dia Café Semana positiva para o café. Finalmente saiu a medida que os produtores estavam esperando. A presidente Dilma anunciou que enxugará do mercado 3 milhões de sacas em março/14 a R$346,00/saca

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e significa mercadoria. É usado para designar bens sem diferenciação (por não possuírem valor agregado), e são habitualmente extraídas

Leia mais

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e

Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e Commodities são produtos básicos padronizados. A palavra deriva do inglês e significa mercadoria. É usado para designar bens sem diferenciação (por não possuírem valor agregado), e são habitualmente extraídas

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Maio de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Integração ESG. Raquel Costa. 27/maio/2015 PUBLIC

Integração ESG. Raquel Costa. 27/maio/2015 PUBLIC Integração ESG Raquel Costa 27/maio/2015 Integração em todas as atividades Política de Sustentabilidade Avaliação de Sustentabilidade na Gestão de Renda Variável e Renda Fixa Avaliação de Sustentabilidade

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas quarta-feira, 18 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 133,50 0,00 0,00-4,85 SET13 111,05 114,75 111,10-3,75

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Fechamento Máxima Mínimo Variação set/13 144,45 150,00 143,95-4,05 120,60 124,25 119,35-2,85 dez/13 148,50

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Janeiro de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliário FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

Resumo Quinzenal do Biodiesel

Resumo Quinzenal do Biodiesel Tel: (21) 3547-1539 / (21) 9565-0444 Resumo Quinzenal do Biodiesel 16/06 à 30/06/11 Este relatório é confidencial e de uso exclusivo do destinatário, e não pode ser enviado ou compartilhado com terceiros

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sexta-feira, 13 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,70 0,00 0,00-0,55 SET13 116,25 116,10 115,75-0,20

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Desempenho de vendas do setor segue forte

Desempenho de vendas do setor segue forte Macro Setorial segunda-feira, 20 de maio de 2013 Veículos Desempenho de vendas do setor segue forte Depois de obter recorde na venda de automóveis e comerciais leves em 2012, impulsionado por incentivos

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA

NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA NOTA TÉCNICA ALERTA PARA OS PRODUTORES DE SOJA Ainda que o consumo de Soja continue crescendo com força, puxado principalmente pela China, as produções dos EUA e também do Brasil nos últimos dois anos

Leia mais

Macro Local 17 de maio de 2013

Macro Local 17 de maio de 2013 Macro Local 17 de maio de 2013 Mercados Retorno Jan/12 a Mai/13 70,0% 67,7% 50,0% 30,0% 10,0% 25,5% 20,1% 15,3% 12,2% -10,0% -30,0% -13,5% -3,3% Fonte: Bloomberg / AE Broadcast 2 A bolsa brasileira apresenta

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas quinta-feira, 12 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 140,25 0,00 0,00 4,40 SET13 116,45 116,00 114,00

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sábado, 14 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,00 0,00 0,00-0,70 SET13 115,55 115,70 115,70-0,70

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 CARTEIRA COMENTÁRIO Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas segunda-feira, 23 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 134,55 0,00 0,00 0,00 DEZ13 117,75 121,95 121,50-1,25

Leia mais

Milho Período: 22 a 26/06/2015

Milho Período: 22 a 26/06/2015 Milho Período: 22 a 26/06/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0885 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11

1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 1 - BTG Pactual Corporate Office Fund BRCR11 O FII BTG Pactual Corporate Office Fund é um fundo de investimento imobiliário do tipo corporativo, ou seja, tem como objetivo investir em ativos imobiliários

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio Panorama Econômico 04 de Maio de 2015 Sumário Principais Fatos da Semana 1 Economia EUA 2 Economia Brasileira 3 Índices de Mercado 5 Calendário Semanal 5 Acompanhamento Principais Fatos da Semana Nos Estados

Leia mais

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja

Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja Um novo paradigma para o mercado de óleo de soja A determinaça o dos preços do o leo de soja e as mudanças recentes no contexto mundial de oferta e demanda Natalia Orlovicin Analista de Mercado natalia.orlovicin@intlfcstone.com

Leia mais

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo.

Açúcar: Informativo Quinzenal. Oferta se acentua e preços cedem. Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada CEPEA/ESALQ/USP 25 de maio de 2011 Volume 1, Edição 22 Açúcar: Informativo Quinzenal Indicador de Açúcar Cristal Cepea/Esalq Estado de São Paulo DATA Valor

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real;

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; 20-jan-2014 Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; Ibovespa recuou 1,04% na semana, seguindo

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Análise Técnica Diário do Grafista

Análise Técnica Diário do Grafista Análise Técnica Diário do Grafista 2 de setembro de 2011 Ibovespa: Próxima Barreira, 60.000 pontos O Índice Bovespa continua em recuperação no curtíssimo e curto prazo, seguindo em direção à forte resistência

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Banco Central do Brasil: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em agosto de 2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,13 trilhões

Leia mais

SOJA MERCADO INTERNO

SOJA MERCADO INTERNO SOJA MERCADO INTERNO Dezembro se inicia com desvalorização nos preços médios da soja. O preço da saca recuou Dentre as praças pesquisadas, Maracaju registrou a maior desvalorização, 2,74%, com a em média

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012

RENDA FIXA TESOURO DIRETO 09/10/2012 DESTAQUES DO RELATÓRIO: Carteira Recomendada A nossa carteira para este mês de Outubro continua estruturada considerando a expectativa de aumento da taxa de juros a partir do próximo ano. Acreditamos que

Leia mais

Mineração. Minério de ferro: Preços em queda e estoques crescendo. Análise de Investimentos Relatório Setorial. 22 de Maio de 2014

Mineração. Minério de ferro: Preços em queda e estoques crescendo. Análise de Investimentos Relatório Setorial. 22 de Maio de 2014 Minério de ferro: Preços em queda e estoques crescendo A redução no ritmo de crescimento da produção de aço na China, as dificuldades financeiras das siderúrgicas com os baixos preços naquele país e um

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional Dez/14 e 2014 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3.022 bilhões em dezembro de 2014, após expansão

Leia mais

Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1

Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1 % v. 10, n. 5, maio 2015 Reiteradas Vendas Pressionam a Curva Futura das Cotações do Café 1 A elevação da taxa SELIC anunciada pelo Comitê de Política Monetária (COPOM) na última quarta-feira do mês de

Leia mais

Floripa Shopping. Dezembro de 2010. Retorno (Evolução da Cotação) sobre o CDI Rendimento (Rend. Pago/Cota Inicial) Vs o CDI

Floripa Shopping. Dezembro de 2010. Retorno (Evolução da Cotação) sobre o CDI Rendimento (Rend. Pago/Cota Inicial) Vs o CDI Dezembro de 2010 Informações sobre o Fundo O fundo é proprietário de 38% do empreendimento Florianópolis Shopping Center, que tem área construída total de 75.127,36 m². O direito de ocupação do terreno

Leia mais

IMPACTO NA CADEIA PRODUTIVA DE CARNES. AVICULTOR 2015 - BH Junho 2015

IMPACTO NA CADEIA PRODUTIVA DE CARNES. AVICULTOR 2015 - BH Junho 2015 PERSPECTIVAS E CENÁRIOS PARA OS GRÃOS E O IMPACTO NA CADEIA PRODUTIVA DE CARNES AVICULTOR 2015 - BH Junho 2015 Aviso Legal A negociação de derivativos, tais como futuros, opções e swaps pode não ser adequada

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana Destaques da semana segunda-feira, 1 de agosto de 1 Real aprecia em semana de alta volatilidade Real fechou a semana em, A semana foi marcada por volatilidade nos mercados cambiais, que foram afetados

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Revisão Mensal de Commodities

Revisão Mensal de Commodities Revisão Mensal de Commodities segunda-feira, 3 de dezembro de 2012 Oferta maior e desempenho misto A estabilização do crescimento na China e riscos geopolíticos também afetaram os preços das commodities.

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Parque Dom Pedro Shopping Center. Novembro de 2010. Retorno (Evolução da Cotação) sobre o CDI* Rendimento (Rend. Pago/Cota Inicial) Vs o CDI**

Parque Dom Pedro Shopping Center. Novembro de 2010. Retorno (Evolução da Cotação) sobre o CDI* Rendimento (Rend. Pago/Cota Inicial) Vs o CDI** Parque Dom Pedro Shopping Center Novembro de 2010 Informações sobre o Fundo O empreendimento Parque Dom Pedro Shopping Center foi inaugurado em 2002 e localiza-se na cidade de Campinas, interior de São

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

Dados de Crédito agosto

Dados de Crédito agosto 29/09/09 Dados de Crédito agosto O Banco Central divulgou relatório de política monetária e crédito referente ao mês de agosto. O crédito com recursos livres teve aumento real de 6, nos últimos 12 meses.

Leia mais

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Quais alternativas um produtor rural tem para diminuir os riscos de preços na hora de vender sua safra? Modelo tradicional: contato direto com o

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge 1 Hedge no Mercado a Termo No Brasil, são muito comuns as operações a termo real/dólar. Empresas importadoras, exportadoras, com dívidas ou ativos

Leia mais

Manual de Usabilidade - Termos via Push

Manual de Usabilidade - Termos via Push _Termos via Push Manual de Usabilidade - Termos via Push 1. Conceito Na vanguarda da inovação tecnológica e da desburocratização na comunicação, a XP desenvolveu o termos via push, ferramenta através da

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil

2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil 2 Contratos Futuros Agropecuários no Brasil A presente seção apresenta as commodities agrícolas negociadas no mercado futuro brasileiro. Além disso, revela a estrutura básica dos contratos futuros e traça

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação.

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. 5ª Emissão Janeiro, 2013 Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. SEÇÃO 1 Características Características Fundo Carteira Remuneração FUNDO FII fechado

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global. Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo.

3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global. Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo. 3º Seminário BM&F Famato Os desafios da pecuária no cenário global Mercados futuros para um Mato Grosso mais competitivo Ivan Wedekin Você é competitivo quando tem um desempenho a longo prazo acima da

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS OUTUBRO DE 2015 1 PRODUTOS 2 Os tratores e máquinas agrícolas são movidos a diesel. São fabricados os seguintes tipos

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais