Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: uma Análise de Indicadores de Educação e Rendimento no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: uma Análise de Indicadores de Educação e Rendimento no Brasil"

Transcrição

1 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: uma Análise de Indicadores de Educação e Rendimento no Brasil Adriana Stankiewicz Juliana Ortigara INTRODUÇÃO A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada anualmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é um importante instrumento para análise da situação socioeconômica do país e identificação das potencialidades e disparidades regionais. A PNAD contempla indicadores referentes à população, migração, educação, trabalho, famílias, domicílios e rendimento. A última pesquisa, divulgada em setembro de 2007, apresenta resultados de 2006 e permite avaliar a evolução de uma série de indicadores a partir de O objetivo deste artigo é analisar alguns indicadores, selecionados da PNAD 2006, sobre a situação educacional e de rendimentos no Brasil e abordar o suplemento sobre acesso a transferências de renda de programas sociais do governo, divulgado pelo IBGE em 28 de março de O monitoramento contínuo de indicadores é fundamental para o planejamento eficaz e a avaliação de resultados, a fim de que as metas estabelecidas sejam atingidas. O Brasil está longe de alcançar os padrões de educação e renda dos países desenvolvidos, mas os resultados da PNAD representam adequada base de dados para a elaboração de pl com, vistas a equacionar os problemas que mais afetam a população, em especial as famílias mais pobres. 1 PNAD: HISTÓRICO E CARACTERÍSTICAS A PNAD tem como finalidade a produção de informações básicas para subsidiar o estudo e o planejamento do desenvolvimento socioeconômico do país. Nos 1960, havia no Brasil uma carência de informações para planejar e acompanhar o desenvolvimento social e econômico, pois os censos demográficos, realizados e divulgados de dez em dez, possuíam abrangência insuficiente e eram demasiadamente defasados no tempo para atender às demandas existentes. A PNAD foi elaborada para suprir essa deficiência, visto que, além de gerar o maior controle das fases operacionais, significava a redução do tempo de execução das pesquisas e dos custos, bem como a ampliação e o aprofundamento dos temas levantados. Em outras palavras, naquele período, a PNAD representava um levantamento estatístico que objetivava suprir a falta de informações sobre a população brasileira durante o período intercensitário e estudar temas insuficientemente invéstigados ou não-contemplados nos censos demográficos realizados pelo IBGE. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril

2 A PNAD teve início em Ao final dos 1960, a pesquisa básica compreendia a área das atuais regiões Nordeste, Sudeste e Sul, além do Distrito Federal. Até 1970, quando foi interrompida para a realização do censo demográfico, o levantamento era trimestral. A partir de 1971, a pesquisa passou a ser realizada anualmente, sempre no último trimestre, tendo por referência a situação da população no mês de setembro de cada ano. Em 1973, o levantamento já tinha a amplitude que manteve até o final da década de 70: as atuais regiões Nordeste, Sudeste e Sul e apenas a área urbana das regiões Norte e Centro-Oeste. Em 1974 e 1975, a PNAD foi paralisada para a realização da pesquisa denominada Estudo Nacional da Despesa Familiar ENDEF, e só foi retomada no ano de Em 1980, a pesquisa foi interrompida mais uma vez, desta feita para a realização do censo demográfico, realizado de 10 em 10. Ao ser reiniciado, em 1981, o levantamento básico da PNAD já cobria todo o território nacional, exceto as áreas rurais de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá, que representavam nesse período apenas cerca de 3% da população brasileira. Durante toda a década de 1980, o questionário da pesquisa básica da PNAD permaneceu praticamente inalterado. A partir de 1987, foram introduzidas questões sobre a cor e raça das pessoas e, de 1988 em diante, foram acrescentados itens sobre disponibilidade de aparelhos de rádio e de televisão nos domicílios particulares permanentes. Em 1990, a PNAD foi realizada em caráter extra, devido à transferência da pesquisa do censo para O levantamento da PNAD nos de 1992, 1993 e 1995, além de englobar aspectos gerais da população, educação, trabalho, rendimento e habitação, incluiu temas suplementares como fecundidade, nupcialidade e migração. Em 1994, não foi realizada a pesquisa. A partir de 1996, os levantamentos foram feitos seguindo os mesmos padrões apresentados anteriormente, com pequenos ajustes (inclusão e exclusão) de temas. Somente em 2004, a PNAD foi implantada na área rural de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá e alcançou a cobertura completa do território nacional. A PNAD abrange a população residente em domicílios particulares permanentes e em unidades de habitação em domicílios coletivos. A coleta dos dados segue uma série de conceitos e definições operacionais, semelhantes aos utilizados em várias outras pesquisas domiciliares, inclusive ao censo demográfico, sendo possível o uso dos dados de maneira conjunta, visto o caráter análogo das metodologias. A PNAD 2006 foi realizada a partir de uma amostra probabilística de domicílios e entrevistou pessoas em domicílios em todo o Brasil. 2 EVOLUÇÃO EDUCACIONAL Os indicadores da educação apontam desafios que deverão ser enfrentados no futuro. A universalização do Ensino Fundamental é uma realidade, mas não foi acompanhada da qualidade necessária para um efetivo processo de inclusão social. Sobre os avanços do setor educacional, vale destacar que as taxas de reprovação e abandono nesse nível de ensino e os déficits de atendimento à Educação Infantil permanecem como problemas relevantes. No Ensino Médio, a diferença idade-série e qualidade da educação são temas que merecem destaque e atenção. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril

3 Nos últimos 50, houve uma queda acentuada da taxa de analfabetismo 1 no Brasil. Ainda assim, a situação se encontra muito inferior aos padrões dos países desenvolvidos. Os analfabetos, em 1950, representavam 51% da população no censo demográfico. Esse número reduziu para quase 14% dos brasileiros segundo o levantamento do último censo em Essa redução da taxa se deve ao maior atendimento escolar às crianças. Por essa perspectiva, a situação do país melhorou, uma vez que a taxa de analfabetismo das pessoas de 10 a 14 é de 3%, e a taxa de atendimento escolar de crianças entre 7 e 14 é próxima de 98% (PNAD 2006). Porém, se o atendimento escolar às crianças for o único caminho para eliminação do analfabetismo, o tempo necessário será longo em virtude de a proporção de analfabetos adultos no Brasil ser elevada. Estes pressionarão as taxas de analfabetismo pelos próximos, visto que a taxa de analfabetismo em pessoas acima de 25 é de 13%. As disparidades regionais persistiram nesse segmento. Apesar da expansão da escolarização no Brasil nos últimos, as gerações mais idosas, sobretudo nas regiões Norte e Nordeste, ainda têm um peso importante para a determinação da taxa de analfabetismo. Uma maneira de acelerar a redução do analfabetismo seria alfabetizar esses adultos. Para isso, diversos governos de todas as esferas implementaram, com maior ou menor intensidade, programas de alfabetização de adultos. No entanto, percebe-se a pouca efetividade desses projetos. O gráfico 1 apresenta a taxa de analfabetismo das pessoas de 10 ou mais de idade, por grandes regiões. A média nacional da taxa é de 9,6%. Porém, observa-se uma grande discrepância entre as regiões. Enquanto nas regiões Sul e Sudeste os índices ficaram próximos de 5%, no Nordeste alcançaram 18,9%. GRÁFICO 1 - BRASIL - TAXA DE ANALFABETISMO DAS PESSOAS DE 10 ANOS OU MAIS DE IDADE, POR GRANDES REGIÕES ,0 18,9 15,0 % 10,0 10,3 7,4 5,5 5,2 5,0 0,0 1 A taxa de analfabetismo corresponde ao percentual de indivíduos de um determinado grupo etário que são analfabetos em relação ao total de pessoas do mesmo grupo etário. Na PNAD, por definição, uma pessoa alfabetizada é aquela que responde, que sabe ler e escrever pelo menos um bilhete simples no idioma que conhece. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril

4 Em relação à distribuição dos estudantes pelas redes pública ou privada, o ensino público permaneceu preponderante nos níveis iniciais de ensino, visto que é obrigatório e consta na Constituição a obrigatoriedade de oferta de Ensino Fundamental pelo poder público. O ensino privado aumentou sua participação de 2005 para 2006, de 19,2% para 20,4%, e a elevação nesse indicador foi verificada em todas as regiões. Nas regiões Norte e Nordeste, a importância da rede pública de ensino foi relativamente maior. Enquanto nas regiões Norte e Nordeste, respectivamente, 87,3% e 83,66% dos estudantes freqüentavam a rede pública de ensino, nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste esses percentuais foram de 75,5%, 78,5% e 76,8%, respectivamente. Além da taxa de analfabetismo, a PNAD contempla o analfabetismo funcional como indicador da situação educacional em uma perspectiva mais abrangente. Uma pessoa é classificada como alfabetizada funcional se é capaz de utilizar a leitura e a escrita para continuar aprendendo e se aperfeiçoando. A taxa de analfabetismo funcional representa a proporção de pessoas de 10 ou mais de idade com menos de 4 de estudo completos. Esse indicador é apresentado por região no gráfico 2. GRÁFICO 2 - BRASIL - TAXA DE ANALFABETISMO FUNCIONAL DAS PESSOAS DE 10 ANOS OU MAIS DE IDADE COM MENOS DE 4 ANOS DE ESTUDO COMPLETOS, SEGUNDO AS GRANDES REGIÕES % 40,0 35,5 30,0 28,5 20,0 17,9 17,7 21,3 10,0 0,0 A média nacional de pessoas classificadas como analfabetas funcionais em 2006 foi de 23,6%, contra 24,9% em Essa variação foi impulsionada pela queda mais acentuada nas regiões Norte e Nordeste que apresentaram, mais uma vez, os piores indicadores no país, com 35,5% e 28,5% de analfabetos funcionais, respectivamente, índices superiores aos das outras regiões. O número médio de de estudo completos das pessoas de 10 ou mais de idade foi de 6,8 em 2006, 3% superior ao de Esse indicador acompanhou as desigualdades observadas nos indicadores de educação verificados anteriormente: a média de de estudo foi mais alta nas regiões Sudeste (7,5 ) e Sul (7,2 ), enquanto a região Nordeste apresentou a média mais baixa (5,6 ). O gráfico 3 mostra a evolução educacional entre as gerações. Os grupos intermediários apresentaram melhora significativa em relação às faixas com maior idade, indicando avanço ao longo das gerações. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril

5 GRÁFICO 3 - BRASIL - NÚMERO MÉDIO DE ANOS DE ESTUDO DAS PESSOAS DE 10 ANOS OU MAIS DE IDADE, SEGUNDO OS GRUPOS DE IDADE ,0 8,0 7,2 8,7 9,1 8,7 7,8 7,1 6,0 6,0 4,0 4,2 3,8 2,0 0,0 10 a a ou a a a a a ou mais No gráfico 4, pode-se verificar o percentual de pessoas que não freqüentavam escola na população de 5 a 17 de idade, por grandes regiões e grupos de idade. As análises e pesquisas mais recentes demonstram que houve um avanço nesse indicador, principalmente para as crianças na faixa de 5 ou 6 de idade. GRÁFICO 4 - BRASIL - PERCENTUAL DE PESSOAS QUE NÃO FREQÜENTAVAM ESCOLA NA POPULAÇÃO DE 5 A 17 ANOS DE IDADE, POR GRUPOS DE IDADE % 40 35, ,5 23, ,5 10 8,7 18,9 3,5 2,3 14, ou 6 7 a a 17 Quando são analisados os dados em dez, esse resultado é confirmado, mostrando-se mais significativo. O percentual de crianças de 5 ou 6 que não freqüentavam a escola reduziu de 35,8% em 1996 para 14,7% em Esse fenômeno ocorreu em todas as regiões, com destaque para a Nordeste, com queda de 35,2% em 1996 para 12,4% em Para as crianças e adolescentes de 7 a 14 de idade, o percentual dos que não freqüentavam a escola em 1996 era de 8,7%, atingindo 2,3% em Já para o grupo de jovens e adolescentes de 15 a 17 de idade, também se observou redução da não freqüência à escola, passando de 30,5% a 17,5% em dez. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril

6 3 TRAJETÓRIA DOS RENDIMENTOS A PNAD 2006 revelou melhora no rendimento médio real, embora os incrementos em reais (R$) tenham sido pequenos nos últimos, e o patamar alcançado em 2006 (R$ 888) permaneça inferior ao de 1996 (R$ 975), como mostra a evolução desse indicador no gráfico 5. GRÁFICO 5 - BRASIL - RENDIMENTO MÉDIO MENSAL REAL DE TODOS OS TRABALHOS DAS PESSOAS DE 10 ANOS OU MAIS DE IDADE, OCUPADAS NA SEMANA DE REFERÊNCIA, COM RENDIMENTO DE TRABALHO R$ (1) Valores inflacionados pelo INPC com base em setembro de (2) A PNAD não foi realizada em 2000 devido ao Censo Demográfico. Na década analisada, é importante destacar os principais elementos que afetaram o crescimento econômico brasileiro. 1996: Desaceleração devido à crise do México, ocorrida em 1995, e câmbio baixo. 1997: Desaceleração e política recessiva no 2º semestre devido à crise da Ásia e câmbio valorizado. 1998: Orientação recessiva de 1997 e efeitos da moratória da Rússia. 1999: Mudança do regime de banda cambial para câmbio flutuante e ajustes recessivos devido à superdesvalorização cambial. 2000: Recuperação devido à desvalorização cambial de 1999, o que favoreceu as exportações. 2001: Reduzido crescimento em razão da crise da Argentina e da crise energética no Brasil. 2002: Risco Lula, em função do calendário das eleições presidenciais, gerando grande insegurança de investidores e empresários diante da chegada de um partido de esquerda ao poder e da possível adoção de medidas radicais pelo novo governo. 2003: Intensificação da política recessiva do governo anterior, Fernando Henrique Cardoso (FHC), para a obtenção de credibilidade no novo governo quanto à condução de política econômica : Recuperação acoplada ao ciclo de expansão da economia mundial. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril

7 Além do rendimento médio mensal, é importante avaliar a sua distribuição. O indicador mais utilizado como medida de desigualdade é o índice de Gini, calculado com base na renda domiciliar per capita e variando entre 0 e 1 (ou 100). Um valor igual a 0 representa a igualdade perfeita (todos os indivíduos têm a mesma renda) e um valor igual a 1 a desigualdade perfeita (apenas um indivíduo detém toda a renda da sociedade). O índice de Gini mostra que a desigualdade permanece elevada no Brasil (0,541 em 2006), apesar da redução na concentração dos rendimentos ao longo da última década, como mostra o gráfico 6. GRÁFICO 6 - BRASIL - ÍNDICE DE GINI DE DISTRIBUIÇÃO DO RENDIMENTO MENSAL DE TODOS OS TRABALHOS DAS PESSOAS DE 10 ANOS OU MAIS DE IDADE, OCUPADAS NA SEMANA DE REFERÊNCIA, COM RENDIMENTO DE TRABALHO ,590 0,580 0,580 0,580 0,575 0,570 0,567 0,566 0,563 0,560 0,554 0,550 0,547 0,544 0,541 0,540 0,530 0, NOTA: A PNAD não foi realizada em 2000 devido ao Censo Demográfico. 3 PROGRAMAS SOCIAIS: DESCRIÇÃO E RESULTADOS Os resultados da pesquisa indicam aumento no percentual de domicílios no país com pelo menos um morador beneficiado por algum programa social do governo, passando de 15,6% em 2004 para 18,3% em A pesquisa foi realizada pelo IBGE em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), com perguntas direcionadas ao Programa Bolsa Família (PBF), ao Benefício Assistencial de Prestação Continuada (BPC) e ao Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI). No Brasil, cerca de 10 milhões de domicílios receberam dinheiro de programas sociais, sendo a maior parte (8,1 milhões) do Bolsa Família. Cabe ressaltar que o PBF estava em processo de implantação em 2004, quando o IBGE fez a primeira investigação sobre o acesso aos programas sociais do governo. O Bolsa Família é um programa de transferência de renda que integra o Fome Zero e beneficia famílias com renda mensal per capita de até R$ 120,00. Para receber o benefício do PBF, as famílias devem cumprir atividades nas áreas de educação e saúde: manter as crianças e adolescentes em idade escolar freqüentando a escola e cumprir os cuidados básicos em saúde o calendário de vacinação para as crianças entre 0 e 6 e a agenda pré e pós-natal para as gestantes e mães em amamentação. Atualmente, os valores pagos variam de R$ 18,00 a R$ 172,00, dependendo da renda por pessoa da Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril

8 família e do número de crianças e adolescentes até 17 de idade, conforme informações disponíveis na página do MDS na internet. O BPC concede um salário mínimo mensal a idosos com 65 ou mais de idade e a pessoas com deficiência, incapacitadas para o trabalho e para a vida independente, nos casos em que a renda familiar per capita é inferior a ¼ do salário mínimo. O PETI é destinado a famílias de crianças e adolescentes com idade inferior a 16 em situação de trabalho, com renda per capita mensal superior a R$ 120,00. A bolsa mensal é de R$ 40 por criança ou adolescente de famílias residentes na área urbana (capitais, regiões metropolitanas e municípios com mais de 250 mil habitantes) e de R$ 25 para famílias da área rural. Como contrapartida, as famílias têm que assumir o compromisso de retirar as crianças e adolescentes de atividades de trabalho e garantir freqüência mínima de 85% na escola. O gráfico 7 mostra, por região, o percentual de domicílios em que algum morador recebeu benefício dos programas sociais,, de acordo com a PNAD GRÁFICO 7 - BRASIL - PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS QUE RECEBERAM DINHEIRO DE PROGRAMA SOCIAL DO GOVERNO NO TOTAL DE DOMICÍLIOS PARTICULARES, POR GRANDES REGIÕES % 40,0 35,9 30,0 24,6 20,0 18,6 10,0 10,3 10,4 0,0 Verifica-se uma parcela maior de domicílios beneficiados por programas sociais nas regiões Norte e Nordeste. Em número de domicílios, destacam-se as regiões Nordeste (4,9 milhões de domicílios beneficiados, para um total de 13,8 milhões) e Sudeste (2,5 milhões, num total de 24,5 milhões), esta última a mais populosa do Brasil. Em relação a 2004, o percentual se manteve estável na região Sul, enquanto as demais regiões apresentaram elevação em Na distribuição por Estados, Roraima teve o maior percentual de domicílios com recebimento de programa (50,0%). Os três Estados da região Sul ficaram abaixo do percentual brasileiro, sendo que Santa Catarina apresentou a maior parcela no país (5,8%), como mostra o gráfico 8. Esses dados apontam grandes diferenças entre regiões e Estados brasileiros, com pronunciada dependência das famílias das regiões Norte e Nordeste de programas sociais. Essas regiões se mostram mais carentes de geração de empregos e renda, enquanto que na região Sudeste, os problemas decorrem da aglomeração populacional. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril

9 GRÁFICO 8 - BRASIL - PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS QUE RECEBERAM DINHEIRO DE PROGRAMA SOCIAL DO GOVERNO, NO TOTAL DE DOMICÍLIOS PARTICULARES, POR UNIDADES DE FEDERAÇÃO SELECIONADAS Roraima 50,0 Maranhão Piauí 41,3 40,2 Brasil 18,3 Paraná Rio Grande do Sul 11,0 12,4 São Paulo Rio de Janeiro Santa Catarina 6,0 5,8 7,6 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 % A pesquisa mostrou, de forma geral, melhoria para os domicílios brasileiros em relação a conforto na habitação, com maiores crescimentos relativos àqueles que receberam benefício de algum programa. A tabela 1 apresenta alguns dados sobre características e bens duráveis existentes nos domicílios. TABELA 1 - BRASIL - PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS BENEFICIADOS POR PROGRAMA SOCIAL, COM ALGUMAS CARACTERÍSTICAS E BENS DURÁVEIS EXISTENTES (Em %) CARACTERÍSTICAS E BENS DURÁVEIS EXISTENTES NOS DOMICÍLIOS Abastecimento de água de rede geral 69,0 71,3 Esgotamento sanitário adequado 42,4 46,3 Coleta de lixo 66,0 70,8 Iluminação elétrica 92,9 94,7 Telefone 34,9 50,9 Geladeira 72,1 76,6 Máquina de lavar roupa 7,6 10,2 TV 82,5 87,9 Microcomputador 1,4 3,1 Destaca-se a diferença no percentual de domicílios que possuem computador, entre aqueles que não tiveram recebimento de dinheiro de programa social (26,4%) e os domicílios beneficiados (3,1%), o que é justificado pela diferença de renda, mas indica uma disparidade no acesso à informação. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril

10 A pesquisa também investigou a freqüência escolar, uma das contrapartidas exigidas para o recebimento de benefícios do PBF e do PETI. Em 2006, a taxa de freqüência das crianças e adolescentes participantes dos programas foi de 97,2%, próxima da taxa de 97,9% entre os que não recebem benefícios. O trabalho infantil apresentou redução entre os domicílios que recebem dinheiro de programa social, como mostra a tabela 2. No entanto, o indicador permanece mais elevado entre os domicílios beneficiados em relação àqueles em que não houve recebimento. O maior nível de ocupação entre pessoas com até 17 de idade foi observado na região Nordeste (16,8%). TABELA 2 - BRASIL - NÍVEL DE OCUPAÇÃO NA SEMANA DE REFERÊNCIA DAS PESSOAS DE 5 A 17 ANOS DE IDADE, SEGUNDO O RECEBIMENTO DE DINHEIRO DE PROGRAMA SOCIAL DO GOVERNO POR ALGUM MORADOR DO DOMICÍLIO (Em %) RECEBIMENTO / FAIXA ETÁRIA Receberam 15,6 14,4 5 a 13 7,8 7,2 14 a 17 34,2 32,7 Não receberam 9,8 9,6 5 a 13 2,8 2,8 14 a 17 24,5 23,8 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Em geral, a evolução dos indicadores analisados na PNAD mostra um Brasil melhor em No entanto, mesmo com uma melhora nos itens educação e distribuição de renda, o país tem grandes desafios a superar em busca do desenvolvimento socioeconômico. A estabilidade de preços após implantação do Plano Real, a recuperação do salário mínimo, a disseminação do crédito na modalidade consignada e os programas de transferência de renda, com destaque para o Bolsa Família, são os principais fatores que explicam os avanços observados nos indicadores da PNAD Por outro lado, a manutenção de uma taxa básica de juros elevada (atualmente, a maior taxa real de juros do mundo), associada à elevada dívida interna, cujos juros consomem recursos que poderiam ser investidos em infra-estrutura, saúde e educação, limita as possibilidades de retomada auto-sustentada do crescimento econômico brasileiro. Alguns resultados da PNAD exigem atenção especial. Em primeiro lugar, observam-se fortes disparidades inter-regionais, com as regiões Norte e Nordeste apresentando os piores indicadores em educação e maior dependência dos programas sociais oficiais. Em segundo, a existência de analfabetos no país em pleno século XXI, com a quantidade de informação e meios disponíveis atualmente, é algo inaceitável. Além disso, há que se ressaltar a qualidade do ensino, denunciada pela taxa de analfabetismo Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril

11 funcional, que indica um quadro de precariedade. Por fim, apesar da redução no trabalho infantil, o ainda elevado nível de ocupação nessa categoria denuncia um problema ainda não solucionado. A PNAD fornece o diagnóstico da situação socioeconômica brasileira, mas falta a terapia. Falta ao Brasil um plano de desenvolvimento com visão de longo prazo, que tenha como prioridade o acesso a um ensino de qualidade pelo conjunto da população para que, no futuro, o país tenha professores, pesquisadores, profissionais, empreendedores e governantes bem preparados, capazes de atuarem na sociedade como agentes de transformação, em vez de tantas famílias dependentes de programas governamentais de transferência de renda. Por certo, programas sociais são necessários, mas mais importante é a viabilização de perspectivas futuras de trabalho e renda, que possibilitem o alcance de melhor qualidade de vida. REFERÊNCIAS BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Disponível em: < mds.gov.br> Acesso em: 30 mar INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa nacional por amostra de domicílios. Disponível em: < estatistica/populacao/trabalhoerendimento/ pnad2006/default.shtm>. Acesso em: 12 mar Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.1, n.2, abril

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios IBGE Gustavo Leal Laboratório de Economia da UFJF Introdução O sistema de pesquisas domiciliares foi implantado progressivamente no Brasil, a partir de 1967,

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra Censo Demográfico 2010 Resultados gerais da amostra Rio de Janeiro, 27 de abril de 2012 População e distribuição relativa População e distribuição relativa (%) para o Brasil e as Grandes Regiões 2000/2010

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS Plano Nacional de Educação COORDENAÇÃO GERAL DE INTEGRAÇÃO E ANÁLISE DE INFORMAÇÕES Departamento de Condicionalidades x Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Painel Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saneamento Básico Zélia Bianchini Diretoria de Pesquisas 1 São Paulo, 08/10/2013

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

PNAD 2011. Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal

PNAD 2011. Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal PNAD 2011 Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal Rio de Janeiro, 16/05/2013 1 Características Em 2011 foram visitados 146 mil domicílios e entrevistadas 359 mil pessoas. 2

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística PESQUISA NACIONAL POR Amostra de domicílios T RABALHO I NFANTIL 2 0 0 1 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento,

Leia mais

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí

Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Censo Demográfico 2010 Retratos do Brasil e do Piauí Eduardo Pereira Nunes Presidente do IBGE Teresina, 12 de Agosto de 2011 Brasil Todos os domicílios residenciais particulares foram recenseados A coleta

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

Amazônia Legal e infância

Amazônia Legal e infância Amazônia Legal e infância Área de Abrangência 750 Municípios distribuídos em 09 Unidades Federativas: Amazonas (62), Amapá (16), Acre (22), Roraima (15), Rondônia (52), Pará (143), Tocantins (139), Maranhão

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto eiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Acesso

Leia mais

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios

IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios IBGE revela pela 1ª vez a situação do esporte promovido pelos municípios O Suplemento de Esporte da Pesquisa de Informações Básicas Municipais do IBGE (Munic) mostra que, apesar de 93,6% das cidades brasileiras

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica A Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013.

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Educação e desenvolvimento Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Circuito de influencia Fatores do desenvolvimento Ampliação da participação política e social Consumo (Novo padrão

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES

DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES DISTRIBUIÇÃO DO CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS PADRÕES RECENTES Barbara Christine Nentwig Silva Professora do Programa de Pós Graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social /

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

2A educação é o principal catalisador para

2A educação é o principal catalisador para objetivo 2. atingir o ensino básico universal O Estado da Amazônia: Indicadores A Amazônia e os Objetivos do Milênio 2010 o desenvolvimento humano e para a construção de uma sociedade mais justa (Unesco,

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Avanços da Educação no Brasil. Brasília, 29 de janeiro

Avanços da Educação no Brasil. Brasília, 29 de janeiro Avanços da Educação no Brasil Brasília, 29 de janeiro Objetivos Objetivo 1 - Cuidados na primeira infância e educação; Objetivo 2 - Educação primária universal (EPU); Objetivo 3 - Habilidades para jovens

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Meta 2 EDUCAÇÃO E POPULAÇÃO

Meta 2 EDUCAÇÃO E POPULAÇÃO Meta 2 EDUCAÇÃO E POPULAÇÃO Ação 2.2 Módulo Produtividade Educacional com Base nas Pesquisas Domiciliares e no Censo Demográfico 1.6 Sumário Executivo ANÁLISE DOS INDICADORES EDUCACIONAIS CALCULADOS DURANTE

Leia mais

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS,

Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, Análise de alguns indicadores da pesquisa Odesenvolvimento da pesquisa Assistência Médico-Sanitária - AMS, com seu caráter censitário junto aos estabelecimentos de saúde, tem sido um elemento valioso para

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS

II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS II SEMINÁRIO: GESTÃO DA INFORMAÇÃO E MONITORAMENTO DE POLÍTICAS SOCIAIS Painel 3 A Importância da Integração das Estatísticas Oficiais Paulo de Martino Jannuzzi IDH Data: 14 e 15 de abril de 2014. 1 Limitações

Leia mais

F.19 - Cobertura de coleta de lixo

F.19 - Cobertura de coleta de lixo Comentários sobre os Indicadores de Cobertura até 6 F.19 - Cobertura de coleta de lixo Limitações: Requer informações adicionais sobre as condições de funcionamento (freqüência, assiduidade, volume transportado

Leia mais

Gabriel Leal de Barros

Gabriel Leal de Barros TEXTO PARA DISCUSSÃO Um Conceito de Renda Ampliada em Bases Mensais para a Economia Brasileira e suas Aplicações Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros Pesquisadores de Economia Aplicada do IBRE/FGV

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

Modalidade do Trabalho: Apresentação oral. 1 Introdução

Modalidade do Trabalho: Apresentação oral. 1 Introdução O Bolsa Família: a centralidade do debate e da implementação da focalização nas famílias pobres e extremamente pobres no Brasil 1 Maria Ozanira da Silva e Silva Valéria Ferreira Santos de Almade Lima Modalidade

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Censo Demográfico 2010 Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Rio de Janeiro, 29 de junho de 2012 A presente publicação dá continuidade à divulgação dos resultados do Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

CIÊNCIAS DO AMBIENTE Professora: Márcia M. Rios Ribeiro Bolsista doutoranda: Nara Wanderley Pimentel Monitor: Leandro Vaz

CIÊNCIAS DO AMBIENTE Professora: Márcia M. Rios Ribeiro Bolsista doutoranda: Nara Wanderley Pimentel Monitor: Leandro Vaz CIÊNCIAS DO AMBIENTE Professora: Márcia M. Rios Ribeiro Bolsista doutoranda: Nara Wanderley Pimentel Monitor: Leandro Vaz Universidade Federal de Campina Grande UFCG CRESCIMENTO POPULACIONAL CRESCIMENTO

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS

SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS ESTUDOS & pesquisas INFORMAÇÃO DEMOGRÁFICA E SOCIoeconômica 5 SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2000 IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente

Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente Salário Mínimo e Mercado de Trabalho no Brasil no Passado Recente João Saboia 1 1. Introdução A questão do salário mínimo está na ordem do dia. Há um reconhecimento generalizado de que seu valor é muito

Leia mais

P R O J E T O ALVORADA

P R O J E T O ALVORADA P R O J E T O ALVORADA O Projeto Alvorada foi idealizado pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso para reduzir as desigualdades regionais e elevar a qualidade de vida das populações mais carentes do País.

Leia mais

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL 15 setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria Executiva

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012 CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO Caio Nakashima Março 2012 Introdução O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal é o principal instrumento de identificação e seleção

Leia mais

Por que fazer o Censo de 2010?

Por que fazer o Censo de 2010? Por que fazer o Censo de 2010? Diretoria de Pesquisas 18.08.2010 Introdução...2 Para acompanhar evolução da ocupação do território e planejar o seu desenvolvimento sustentável....2 Para avaliar, planejar

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais