SUMÁRIO 1. AULA 11 PROJETOS DE REDES COM CABEAMENTO ESTRUTURADO... 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO 1. AULA 11 PROJETOS DE REDES COM CABEAMENTO ESTRUTURADO... 2"

Transcrição

1 SUMÁRIO 1. AULA 11 PROJETOS DE REDES COM CABEAMENTO ESTRUTURADO Introdução Levantamento Geral de Informações Entrevista com o Cliente Separação de Assuntos para Anteprojeto Redes com Cabeamento Estruturado Parte 1: Projeto Lógico Metodologia de Trabalho Cronograma de Obras Planta de Layout Geral (Planta Geral de Locação) Plantas de Detalhes Memorial Descritivo de Instalação Memorial Descritivo de Construção e Montagens Mapas e Manuais de Operação Planilhas Orçamentárias Memorial Descritivo de Segurança Planta do Active Directory Montagem do Book do Projeto e CD Redes com Cabeamento Estruturado Parte 2: Projeto Físico Locação da Obra Construção Testes Entrega do Projeto... 10

2 2 1. AULA 11 PROJETOS DE REDES COM CABEAMENTO ESTRUTURADO 1.1 Introdução Nesta parte iremos colocar em prova tudo o que aprendemos ao longo da nossa caminhada. É claro que será num universo bem menor do que a realidade, é como se fosse um guia, uma orientação básica de como começar a pensar em projetar uma rede. Os mais afobados perguntariam: Por que é preciso projetar? Com tudo o que aprendemos, não seria mais rápido mandar o cliente comprar os computadores, esticar os cabos, conectar, ligar e pronto? Já estaria funcionando bem, no máximo, cai um pouco a conexão, a rede trava mais ou menos, ou de vez em quando solta o cabo do switch. É só ir até lá embaixo, procurar no bolo de cabos e conectar. Ah, e não se esqueça de colocar o esparadrapo que prende o conector do cabo. Observando a situação descrita digna de risos, concluímos que há total falta de projeto e por que não, conhecimento do assunto. Sei que o fator financeiro é vital para o sucesso ou fracasso de um projeto, mas mesmo assim, precisamos garantir uma funcionalidade mínima, pelo menos. Um projeto, por mais simples que seja, pode detectar erros que só seriam descobertos na prática. Às vezes contornáveis, outras não. Pode dar uma dimensão bem aproximada do custo final da obra porque se pode trabalhar com valores já presumidos do orçamento final, tanto para compra de material como pagamento de ajudantes. O cliente também pode ver nas plantas como vai ficar o seu empreendimento e sugerir mudanças antes da construção, porque se ficar para depois, talvez não seja mais possível. Para o analista, o projeto resolve questões de padrões para ligação de cabos, topologias e instalação física, além de possíveis dúvidas. A nível de software, por exemplo, pode usar uma planta para explicar a estrutura da árvore de domínios e usuários do Active Directory, configuração de firewall, políticas de segurança externa e backup, entre outras. Enfim, um projeto é isso. O nível de detalhamento será de acordo com o tipo de situação real ou imaginária que se pretende modelar. O que segue agora são ações básicas que o analista deve tomar do início ao fim para projetar. Um projeto não será desenvolvido aqui nesta parte, mas as informações dos textos que virão são fundamentais para o Projeto Final de Redes, que deverá ser feito por vocês e apresentado em sala. Para direcionar aqueles que não sabem como começar, farei um projeto-piloto de exemplo e deixarei disponível no site.

3 3 1.2 Levantamento Geral de Informações Entrevista com o Cliente Esta, sem dúvida, é a parte mais importante de todo o projeto. Aqui você tem a ideia da dimensão do desejo do cliente, e a sua avaliação se é viável ou não. É a fase do dizer sim ou não, ou pelo menos, avaliar os casos que o cliente expõe. A fase da entrevista visa primeiro, quebrar o clima de distância entre o analista e o cliente. Como são geralmente pessoas que não se conhecem, é preciso que ambas entendam o que estão se dispondo a fazer. O cliente, como a parte contratante que quer o problema resolvido dentro de um prazo e o analista, como contratado que se compromete a resolver o problema do cliente dentro do prazo estabelecido. É, também, uma fase que vai e volta, por que mesmo que o analista tenha se preparado para a entrevista, o cliente não. Não se admire se o cliente ligar para você dizendo que pretende cortar alguma parte, ou até mesmo incluir algo. Portanto, se firmar o contrato, é recomendável não iniciar imediatamente o projeto após o fim de uma entrevista inicial. Espere passar alguns dias, e você provavelmente terá uma surpresa. Como temos muitas perguntas para o cliente, é conveniente separá-las por assunto, assim é mais fácil e não se corre o risco de esquecer alguma. Agora, não é perguntar qualquer coisa sem sentido. Elas devem direcionar o cliente a responder o que você quer como forma de facilitá-lo a satisfazer a vontade do cliente e a sua parte técnica. Não se esqueça de que você pensa como analista, e o cliente como que não entende nada. Às vezes tem coisas que não se pode fazer por causa do orçamento ou de algum equipamento, mas o cliente não entende e insiste no assunto. Ele precisa perceber que você é o profissional adequado para o seu caso e que está focado na resolução do seu problema.

4 4 Como guia inicial, poderíamos usar as perguntas básicas abaixo: 1. Qual o objetivo do projeto? 2. Quem é o público-alvo? Qual o seu perfil? 3. Qual é a locação do estabelecimento? 4. Quais os serviços que pretende oferecer? 5. O que deve priorizar o projeto? Velocidade ou qualidade? 6. Possui algum equipamento que pretende utilizar? Qual? 7. Quais os recursos modernos que planeja implantar? 8. Qual a ideia inicial de investimento? 9. Qual o prazo estimado para inaugurar o projeto? 10. Qual o intervalo para manutenção de equipamentos? Transmite ao analista informações sobre a ideia inicial do projeto, tipo de público que se quer atingir e se o local é adequado para esse tipo de atividade. Informa quais os recursos técnicos que terão que ser adquiridos ou priorizados. Essa parte pode influir no custo total do projeto se o cliente dispor de material adequado, conforme avaliação do analista. Praticamente tudo depende do investimento. Essa é uma parte delicada da entrevista porque dependendo das respostas, cabe ao analista direcionar o cliente para a realidade de um sucesso ou fracasso. É razoável presumir que o analista que projetou tudo também poderá fazer as tarefas periódicas de manutenção geral, contudo isso não é uma regra. Cabe esclarecer ao cliente que o valor da mão de obra paga no projeto inclui um período (a ser combinado) de garantia de serviço, mas ao seu término, deverão ser discutidos outros valores. Poderíamos ter outras perguntas, conforme a situação real nos permite. Mas o que está acima é o cerne, o principal, o que não pode ser esquecido de perguntar. No desenrolar das respostas, já é possível prever se o que vai sai dali é um projeto novinho em folha ou apenas curiosidade do cliente, que está somente tomando o seu tempo e não vai fazer nada. Mas não podemos ser pessimistas em tudo, e vamos imaginar que fechamos o contrato. Ainda assim, não podemos desprezar a fase da entrevista porque sempre tem alguns detalhes que não ficaram muito claros ou que foram esquecidos de perguntar. Agora, entra em cena outra fase, a de reconhecimento do local. É altamente recomendável fazer uma visita para se ter uma ideia do espaço e ouvir o que o cliente quer. Ele com certeza irá aumentar as coisas que já foram ditas, completamente empolgado e sem nenhuma lógica. Mas quanto ao analista, a visão é diferente, crítica, analítica. Observa tudo, vê tudo e analisa, analisa e analisa. Ao sair do local, a sua cabeça já estará fervilhando de possibilidades ou limitações.

5 Separação de Assuntos para Anteprojeto Aqui eu diria que nasce o projeto, ou pelo menos, o que vai ser definido para ser escrito. Quando se separa os assuntos que irão ser incluídos no projeto, as ideias fluem com mais naturalidade e numa sequencia lógica e adequada. Não é necessário ficar matutando sobre o que vai escrever, o que vai abordar agora, etc. Utilizo dessa técnica há muito tempo e sempre alcancei os objetivos finais com meus textos para projetos. Como essa é a fase preliminar do Projeto Lógico, pode-se organizar os assuntos como se fosse um índice. Na verdade, esse índice irá compor o projeto final, mas agora ele não tem corpo, é só um esqueleto que te guiará sobre os assuntos que precisa comentar. O Anteprojeto é só isso, esqueleto do projeto final, só um índice, não precisa nem ser mencionado no projeto. Muita atenção se deve a essa montagem, devem ser feitas várias revisões até que tudo esteja em ordem. De preferência, só parta para o projeto propriamente dito quando fechar todas as possibilidades de revisão no índice. É isso aí! O Anteprojeto está pronto, e podemos partir para a produção de textos para preencher o esqueleto. É agora que a brincadeira começa a ficar interessante. Com o anteprojeto pronto, temos que reunir informações. Entra agora o seu espírito investigativo: use e abuse da Internet, livros técnicos, sites de autoridades no assunto, revistas, blogs, jornais, fóruns, apostilas, enfim, tudo que for fonte de informação útil e correta podem ser usados. Algumas fontes de pesquisa, geralmente apostilas, liberam o uso por terceiros sem cobrança mediante a simples menção da fonte, portanto, não pode se esquecer de mencioná-los ao fim do projeto, com os links e tudo mais. A bibliografia é fundamental, não pode faltar. Consulte as normas técnicas da ABNT NBR para saber como montar uma bibliografia correta.

6 6 1.3 Redes com Cabeamento Estruturado Parte 1: Projeto Lógico Finalmente, chegou a hora tão esperada. O nosso projeto vai nascer, pelo menos na teoria. Antes de pensarmos nas coisas que iremos precisar, devo esclarecer uma coisa: os documentos que irei mencionar daqui em diante, embora possa soar como pertencentes ao mundo da engenharia e não da informática e muitos deles ninguém ouviu falar, devem ser produzidos de forma livre, sem cópias de modelos próprios de engenharia, mesmo porque ninguém aqui é engenheiro e o campo de ação é completamente diferente, mas assemelha-se em alguns momentos. Como são necessários para uma total compreensão do projeto, então vou adaptá-los ao máximo os modelos que possuo para que fique tudo mais fácil. Quanto à produção dos textos para os documentos, essa sem dúvida será a parte mais exaustiva, porque simplesmente temos que pensar em tudo, tudo mesmo. E ainda assim ficaremos na dúvida se não faltou algo. Portanto, relaxe e tome um café, porque nossos neurônios vão precisar. Não importa a quantidade de assuntos, temos duas categorias bem distintas: hardware e software. Tudo que já foi explicado, mostrado, tanto em módulos anteriores como neste, serão postos à prova aqui. Não estou dramatizando, mas é assim mesmo. O anteprojeto vai te direcionar no que você vai ter que fazer, mas não vai resolver nada por si. Se você não souber onde encaixar, como juntar o conhecimento teórico estudado com o prático exercitado, terá dificuldades. Fica aqui a dica: se tiver dúvidas em algum ponto antigo, é bom dar uma relembrada e como eu já disse antes, sempre estarei no meu site para responder seus questionamentos. Muita atenção agora nas páginas seguintes porque começa efetivamente o estudo do projeto. Na verdade, precisaríamos de muito mais documentos do que eu irei mostrar, mas ficaria algo muito trabalhoso e estressante. Como documentos principais, produziremos cronogramas de obras, plantas de detalhes de conexões elétricas, tubulações e aterramento, plantas de locação de obra, memoriais descritivos de instalações, memoriais descritivos de construção e montagens, mapa de operação da rede, planilhas de quantidades e custos de material, memorial de políticas de segurança da rede e planta da árvore dos usuários do Active Directory. Quanto a esses itens, todos serão explicados e detalhados nos documentos que serão produzidos.

7 7 Podemos dividir um projeto de redes usando cabeamento estruturado em duas partes bem definidas: 1. Projeto Lógico: Documentação textual (planilhas, cronogramas, manual de operação, descritivos em geral); Plantas (diagramas, desenhos padrão, visão geral e detalhada das ligações); 2. Projeto Físico: Fase de Construção (montagem de cabos, passagem de dutos, montagem de PCs, Racks, switches e outros); Fase de Testes (configuração do sistema servidor / cliente, conexões dos cabos, carga de rede). Algumas partes podem ser acrescentadas e outras suprimidas conforme a situação real. Mostrarei agora uma breve descrição sobre as partes a serem documentadas: Metodologia de Trabalho A metodologia não é muito complicada, apenas separe os assuntos por prioridade. O que é crítico tem que ser feito antes do protelável. Para isso, a organização é um fator importante. Por exemplo, para montar a rede devem ser instalados os dutos e passados os cabos, ao passo que os PCs podem ser montados depois. Se for montá-los antes, se perderá um tempo precioso e poderá haver atraso no cronograma. Seguindo essa regra, as chances de ocorrer esquecimentos de fases importantes serão bastante reduzidas Cronograma de Obras Esse é um fator importantíssimo, não pode nem pensar em deixá-lo de fora. Ele é que vai dar a direção necessária ao total cumprimento das fases de criação, implementação e implantação da obra. Possibilita também ao cliente ter uma dimensão geral do que já foi, do que está sendo e o que será feito no projeto. Ainda pode detectar possíveis atrasos não planejados, mas toleráveis, fazendo com que o cliente possa remanejar, se for possível, alguns compromissos para se adequar à nova situação Planta de Layout Geral (Planta Geral de Locação) É uma planta que mostrará num plano geral onde será o local (ou locação) da obra, além de mostrar onde serão instalados os dutos, parte elétrica e aterramento, computadores, usuários e o que mais for fisicamente instalado. Por ser uma planta que mostra tudo de uma vez, devem ser feitas plantas separadas para cada assunto com o objetivo de explicar melhor cada parte Plantas de Detalhes Complementando o item anterior, são as plantas onde poderemos ver com mais clareza os desenhos. A planta geral mostra onde fica localizado, mas as de detalhes, vistas e cortes mostram as cotas (medidas) das partes do desenho. Sempre devem fazer referência à planta principal, mas como devem mostrar os detalhes, podem ser desenhadas em tamanho maior do que indicada na planta geral.

8 Memorial Descritivo de Instalação O Memorial Descritivo de Instalação é um documento de texto, devidamente formatado, que descreve como deve ser o procedimento adotado para instalar os materiais, qual a sequência de eventos, equipamentos de segurança, ferramentas, etc Memorial Descritivo de Construção e Montagens O Memorial Descritivo de Construção e Montagens organiza como deve ser feita a montagem. É ele que praticamente dita a ordem de trabalho do Projeto Físico. Cronologicamente, ele é o primeiro a ser usado por que naturamente se constrói, monta e só depois, se instala Mapas e Manuais de Operação Em se tratando de uma rede de computadores, o Mapa de Conexões da Rede vai atuar no sentido de explicar, através de desenhos, como e onde estão localizados os pontos de rede, PCs e servidor de maneira bem simplificada, de modo que qualquer um possa entender. Isso é necessário em redes dessa natureza porque facilita a manutenção pelo técnico ou analista. Pelo mapa ele pode localizar com mais rapidez o local a ser revisado. Preferencialmente, deve ficar fixado ao lado do rack principal ou próximo ao servidor. Quanto aos manuais, pode se restringir às formas de configuração do firewall, antivírus, roteadores e ações rotineiras do administrador Planilhas Orçamentárias São usadas para cotação de material que será usado em todo o projeto ou em parte dele. Devem conter todas as informações necessárias, inclusive opções de contato com o fornecedor. A atualização constante é necessária, principalmente se a moeda for estrangeira. Uma vez apresentada ao cliente e aprovada, deve-se providenciar logo a compra do material sob risco de reajuste Memorial Descritivo de Segurança Pode ser usado tanto para a segurança interna da rede quanto para a parte externa. Tem o objetivo de descrever as políticas que devem ser adotadas para backup de dados e prevenção contra invasão, seja pela Internet ou rede local. As ferramentas do servidor devem ser eficientes para descobrir as origens de ataques de dentro ou de fora da rede. Também pode descrever como os visitantes (não usuários) devem usar os computadores da rede. Opcionalmente, pode ser usada a planta do Active Directory modificada para mostrar somente as permissões Planta do Active Directory Como se fosse uma árvore genealógica, mostra a relação dos usuários com o núcleo do servidor. Pode ser usada como guia para configuração das permissões do domínio pai para o domínio filho. Para gerar essa planta, podem ser usados o Memorial de Segurança como referência para compor as permissões de grupos e o Mapa de Conexões de Rede para mostrar os pontos de rede e os usuários.

9 Montagem do Book do Projeto e CD Essa é a última parte para fechar com chave de ouro tudo o que foi feito. A montagem do book consiste, numa visão geral, imprimir todos os documentos e plantas e encaixá-los em uma espécie de fichário, com capa e arte gráfica. Esse fichário vai assinado pelo analista e entregue ao cliente. Nesta fase, todo o projeto deverá estar aprovado, aguardando apenas o momento definido pelo cliente para início das obras. A montagem do book é indispensável por mostrar todo o profissionalismo do analista e capricho com o trabalho, sem contar que é a documentação oficial, ou seja, qualquer revisão posterior que venha a ser feita deve ser em cima desses documentos. O book deve ter, sequencialmente, os seguintes documentos: 1. Lista de Documentos (contém todos os documentos numerados pela ordem que aparecem no book); 2. Memoriais Descritivos; 3. Plantas Gerais; 4. Plantas de Detalhes; 5. Mapas; 6. Planilhas de Quantidades e Custos (orçamento); 7. Memoriais de Segurança; 8. Cronograma de Obras. Todos os documentos, assim como as plantas, devem ser transformados em PDF e gravados em CD. Este vai junto com o book para o cliente. O fato de usar arquivos PDF ao invés dos originais é que são difíceis de serem alterados, ao contrário dos documentos de texto e planilhas. Com essa medida, você salvaguardará seus originais de serem modificados sem sua autorização. Para finalizar, falta só gerar dois discos de todo o projeto, mas dessa vez com os originais. Esses deverão ficar em segurança com o analista. Se possível, compacte todos os arquivos e configure uma senha. Guarde uma cópia no seu disco rígido para consulta e guarde os dois DVDs num box duplo, com a arte gráfica e lacrados com papel contact. Coloque-os em um local seguro livre de curiosos. Afinal, trata-se de documentos de terceiros e todo cuidado é pouco e serve também para preservar os discos contra a umidade e poeira. Bem, isso compõe toda a parte da documentação impressa de um projeto completo de uma rede. Convém ressaltar que uma documentação extensa como essa não pode ser produzida da noite para o dia. É evidente que numa situação real você precise suprimir muita coisa e, dependendo do caso, muito pode ser reaproveitado para outros projetos. Mas pondere bastante e veja o que pode ser eliminado sem causar muito gato no projeto. Evite soluções mirabolantes, ainda mais se não tem certeza, só para poder acelerar as coisas. Vamos agora partir para o projeto físico, ver como ele se comporta diante desse monte de documentos. Como eu já disse, não será feito um projeto aqui, e sim uma orientação para não se perder entre tanta coisa. Mãos à obra!

10 Redes com Cabeamento Estruturado Parte 2: Projeto Físico Locação da Obra Antes de começar, devo fazer uma observação importante: as orientações abaixo só terão efeito se você já tiver produzidos os documentos mínimos necessários para começar. Para cada item, há o documento pedido em destaque, e só inicie se estiver com ele, senão o texto não tem sentido nenhum. Documentos requeridos: Planta Geral de Locação e Cronograma de Obras. 1. Ações a serem realizadas: a. Checar se a situação atual do local está de acordo com a Planta de Locação; b. Se a construção for nova, verifique se foram instalados os itens descritos na planta. Se for antigo, veja se não retiraram partes do local constantes na planta; c. Abra o book e consulte o Cronograma de Obras. Verifique se a situação atual corresponde com o previsto no cronograma. Caso contrário, comunique ao cliente e apresente uma solução; Construção Documentos requeridos: Planta Geral de Locação, Cronograma de Obras, Memorial Descritivo de Instalação, Memorial Descritivo de Construção e Montagens e todas as Plantas de Detalhes. 2. Ações a serem realizadas: Testes a. Separe, juntamente com a Planta Geral de Locação, as Plantas de Detalhes; b. Localize os pontos a serem passados os dutos se o projeto for para tubulação externa. Se for interna, os dutos já estarão instalados. Consulte o Memorial Descritivo de Instalação e siga as orientações; c. Monte os cabos, instale os espelhos e monte os racks conforme orientação do Memorial; d. Consulte o Memorial Descritivo de Construção e Montagens para procedimento de construção de bancadas de usuários ou montagens dos PCs, conforme a situação. Siga as orientações descritas; e. Veja se o Cronograma de Obras confere com o que está sendo feito. Documentos requeridos: Memorial Descritivo de Segurança e Cronograma de Obras. 3. Ações a serem realizadas: a. Verifique a conectividade das máquinas, logon de usuários e conexão à Internet; b. Faça as configurações de permissões, firewall, antivírus, programas de backup e políticas de restrição de software conforme Memorial Descritivo de Segurança; c. Realize um simulado de usuários baixando grandes arquivos ou executando programas pesados no servidor na velocidade máxima e verifique se os resultados atendem aos esperados; d. Verifique se as fases de testes estão em conformidade com o Cronograma de Obras; Entrega do Projeto 4. Ações a serem realizadas: a. Revisão dos testes; b. Entrega do Book ao cliente com um relatório final dos testes. Aguardar ordem para inauguração.

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem

Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem 1 de 20 Estratégia para fazer cópias de segurança ( backup ) em nuvem Resolvi documentar uma solução que encontrei para fazer minhas cópias de segurança. Utilizo um software gratuito chamado Cobian Backup

Leia mais

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens em utilizar este serviço para facilitar a administração de pastas compartilhadas em uma rede de computadores.

Leia mais

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos A montagem de um orçamento consistente é uma ciência. Diferentemente de uma simples estimativa de custos, quando a avaliação é empírica, o orçamento que segue os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES TEXTOS DE REFORÇO Michel da Rocha Fragoso 2010 2 Saudações Olá, meus caros alunos. Esta é uma série de textos de reforço de minha autoria sobre o nosso próximo módulo a ser estudado

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE

PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE Versão 1.0 Data: 09/12/2013 Desenvolvido por: - TI Unimed Rio Verde 1 ÍNDICE 1. Objetivo... 4 2. Requsitos de Infraestrutura

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

MONTAGEM E MANUTENÇÃO

MONTAGEM E MANUTENÇÃO MONTAGEM E MANUTENÇÃO 1 Introdução: Chamada para conferência. Apresentação do professor e da equipe de coordenação, explanação do funcionamento do curso incluindo carga horária e conteúdo seguindo o esclarecimento

Leia mais

Como instalar uma impressora?

Como instalar uma impressora? Como instalar uma impressora? Antes de utilizar uma impressora para imprimir seus documentos, arquivos, fotos, etc. é necessário instalá-la e configurá-la no computador. Na instalação o computador se prepara

Leia mais

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting

Omega Tecnologia Manual Omega Hosting Omega Tecnologia Manual Omega Hosting 1 2 Índice Sobre o Omega Hosting... 3 1 Primeiro Acesso... 4 2 Tela Inicial...5 2.1 Área de menu... 5 2.2 Área de navegação... 7 3 Itens do painel de Controle... 8

Leia mais

OCOMON PRIMEIROS PASSOS

OCOMON PRIMEIROS PASSOS OCOMON PRIMEIROS PASSOS O OCOMON ainda não possui um arquivo de Help para atender a todas questões relacionadas ao sistema. Esse arquivo serve apenas para dar as principais instruções para que você tenha

Leia mais

Fórmulas e Funções - Parte I

Fórmulas e Funções - Parte I Atividade 6 Fórmulas e Funções - Parte I Referências relativas e absolutas Muito comum é a necessidade de depois de criado uma fórmula é copiá-la para outras células ao invés de fazer tudo novamente, muitas

Leia mais

MANUAL INSTALAÇÃO MDMED

MANUAL INSTALAÇÃO MDMED MANUAL INSTALAÇÃO MDMED Contents 3 Indice 0 Part I Instalação MDMED 1 Equipamentos... necessários Part II 1 - Instalando 4 4 4 1 1.1 - CD... de instalação 4 2 1.2 - Escolha... o micro "Servidor" 4 3 1.3

Leia mais

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito

GUIA RÁPIDO. DARUMA Viva de um novo jeito GUIA RÁPIDO DARUMA Viva de um novo jeito Dicas e Soluções para IPA210 Leia atentamente as dicas a seguir para configurar seu IPA210. Siga todos os tópicos para que seja feita a configuração básica para

Leia mais

Briefing O que é? Para que serve?

Briefing O que é? Para que serve? Faculdade de Tecnologia da Paraíba CURSO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA A INTERNET DISCIPLINA DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES WEB ESTÁTICAS PERÍODO: P2 Semestre: 20082 PROFESSOR Geraldo Rodrigues

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT SQL SERVER 2008 R2 Neste item aprenderemos a instalar o Microsoft SQL SERVER 2008 R2 e a fazer o Upgrade de versões anteriores do SQL SERVER 2008 R2. Também veremos as principais

Leia mais

PLANATC. Manual de Instalação. Scanner SC-7000

PLANATC. Manual de Instalação. Scanner SC-7000 Manual de Instalação Scanner SC-7000 1 Sistema de comunicação e análise da injeção eletrônica - Scanner SC-7000. O Scanner SC-7000 é um equipamento de fácil utilização para profissionais em injeção eletrônica

Leia mais

OASyS Informática Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0.7

OASyS Informática Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0.7 OASyS Informática Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0.7 Manual desenvolvido pela OASyS Informática, baseado na versão 2.0 da Nota Fiscal Eletrônica do SEFAZ. 1 Manual da Nota Fiscal Eletrônica 2.0 Título

Leia mais

Identificando problemas na rede

Identificando problemas na rede Tópicos Abordados Identificando problemas na rede Lógicos Físicos Exemplos do que não fazer Como testar cabos ou pontos de rede O que vamos fazer no projeto Como vamos fazer Outros detalhes Identificando

Leia mais

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR INTRODUÇÃO Você está cansado de falsas promessas uma atrás da outra, dizendo

Leia mais

Configurando um Grupo Doméstico e Compartilhando arquivos no Windows 7

Configurando um Grupo Doméstico e Compartilhando arquivos no Windows 7 Configurando um Grupo Doméstico e Compartilhando arquivos no Windows 7 Para criar um grupo doméstico e compartilhar arquivos é necessário que tenhamos pelo menos dois computadores ligados entre si (em

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 3 EQUIPAMENTOS DE HARDWARE E FERRAMENTAS:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 3 EQUIPAMENTOS DE HARDWARE E FERRAMENTAS:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 3 EQUIPAMENTOS DE HARDWARE E FERRAMENTAS:... 2 1.1 Diferenças entre Hub e Switch... 2 1.1.1 Hub... 2 1.1.2 Switch... 2 1.1.3 Roteador... 3 1.2 Equipamentos fora de uso... 4 1.2.1 Repetidores...

Leia mais

Tutorial de instalação do Debian Rudson Ribeiro Alves

Tutorial de instalação do Debian Rudson Ribeiro Alves Tutorial de instalação do Debian Rudson Ribeiro Alves UVV/2007 Sep 24, 2007 Opções de Boot Tela inicial do CD de instalação do Debian. Escolha F2 para ver mais opções de boot. 2 Opções de Boot Tela com

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira

Como criar. um artigo. em 1h ou menos. Por Natanael Oliveira Como criar um artigo em 1h ou menos Por Natanael Oliveira 1 Como escrever um artigo em 1h ou menos Primeira parte do Texto: Gancho Inicie o texto com perguntas ou promessas, algo que prenda atenção do

Leia mais

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los.

Então resolvi listar e explicar os 10 principais erros mais comuns em projetos de CRM e como podemos evita-los. Ao longo de vários anos de trabalho com CRM e após a execução de dezenas de projetos, penso que conheci diversos tipos de empresas, culturas e apesar da grande maioria dos projetos darem certo, também

Leia mais

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X

Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X Procedimento para instalação do OMNE-Smartweb em Raio-X A primeira coisa a analisarmos é onde ficará posicionado o servidor de Raio-x na rede do cliente, abaixo será colocado três situações básicas e comuns

Leia mais

Guia Rápido de Instalação Ilustrado

Guia Rápido de Instalação Ilustrado Livre S.O. Guia Rápido de Instalação Ilustrado Introdução Este guia tem como objetivo auxiliar o futuro usuário do Livre S.O. durante o processo de instalação. Todo procedimento é automatizado sendo necessárias

Leia mais

1. Instalei o DutotecCAD normalmente no meu computador mas o ícone de inicialização do DutotecCAD não aparece.

1. Instalei o DutotecCAD normalmente no meu computador mas o ícone de inicialização do DutotecCAD não aparece. 1. Instalei o DutotecCAD normalmente no meu computador mas o ícone de inicialização do DutotecCAD não aparece. Para acessar o programa através do comando na barra de prompt, basta digitar dutoteccad e

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 9 INTRODUÇÃO À REDES CLIENTE SERVIDOR... 2

SUMÁRIO 1. AULA 9 INTRODUÇÃO À REDES CLIENTE SERVIDOR... 2 SUMÁRIO 1. AULA 9 INTRODUÇÃO À REDES CLIENTE SERVIDOR... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Escolhendo a edição do Sistema Operacional... 3 1.3 Requisitos mínimos do Sistema... 4 1.4 Instalação do Sistema... 5

Leia mais

CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA

CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA 1 CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA Quando nos tornamos mãe, sem dúvida nenhuma é a melhor coisa desse mundo. Nossos filhos nascem, curtimos muito eles, nos dedicamos exclusivamente e chega uma hora que

Leia mais

Modelo Funcional Essencial

Modelo Funcional Essencial Modelo Funcional Essencial Análise e Projeto - 1 Tem como objetivo definir o que o sistema deve fazer, ou seja, as funções que deve realizar para atender seus usuários. Na análise essencial fazemos essa

Leia mais

PROJETO FINAL. 1. Introdução:

PROJETO FINAL. 1. Introdução: PROJETO FINAL 1. Introdução: Nesta parte está consolidado todo o estudo de redes que tivemos até então. Mas isso não significa que se deve parar de estudar, muito pelo contrário. É fora da sala de aula,

Leia mais

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1

Despachante Express - Software para o despachante documentalista veicular DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 DESPACHANTE EXPRESS MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO 1.1 1 Sumário 1 - Instalação Normal do Despachante Express... 3 2 - Instalação do Despachante Express em Rede... 5 3 - Registrando o Despachante Express...

Leia mais

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma

Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Aula Nº 05 Determinação do Cronograma Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar as atividades necessárias para se produzir o cronograma do projeto. Ao final desta aula, você

Leia mais

Segurança em Redes Sem Fio

Segurança em Redes Sem Fio Segurança em Redes Sem Fio Nós finalmente podemos dizer que as redes sem fio se tornaram padrão para a conexão de computadores. Placas de rede sem fio já são um acessório padrão nos notebooks há algum

Leia mais

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com

Como Montar um Plano de Estudos Eficiente Para Concurso Público E-book gratuito do site www.concursosemsegredos.com 1 Distribuição Gratuita. Este e-book em hipótese alguma deve ser comercializado ou ter seu conteúdo modificado. Nenhuma parte deste e-book pode ser reproduzida ou transmitida sem o consentimento prévio

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução

Primeiro Email#1: Rota Problema Solução Esta segunda sequência respeita a estrutura da sequência do Eben que analisamos.o template é adequado aos profissionais que podem (e querem) trabalhar com os três mosqueteiros, ou seja, apresentar uma

Leia mais

Produção de tutoriais. Suellem Oliveira

Produção de tutoriais. Suellem Oliveira Prefeitura de Volta Redonda Secretaria Municipal de Educação Implementação de Informática Aplicada à Educação Produção de tutoriais Suellem Oliveira Jclic Quebra cabeça com Recorte Para a produção deste

Leia mais

Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] 1

Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] 1 Realizado a partir do Roteiro para grupo focal com monitores - Pesquisa UCA/BA [Escola CETEP/Feira de Santana] Categorias Apresentação do instrumento [-] Mobilidade/ portabilidade [,] 0 0 Transcrição Alguns

Leia mais

Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1

Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1 Permissões de compartilhamento e NTFS - Parte 1 Autor: Júlio Battisti - Site: www.juliobattisti.com.br Segurança, sem dúvidas, é um dos temas mais debatidos hoje, no mundo da informática. Nesse tutorial

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

Enem. Dicas para você se dar bem na prova. A prova do ENEM está ai e você precisa de uma boa nota, certo? Verdade!

Enem. Dicas para você se dar bem na prova. A prova do ENEM está ai e você precisa de uma boa nota, certo? Verdade! Enem Dicas para você se dar bem na prova. A prova do ENEM está ai e você precisa de uma boa nota, certo? Verdade! Não tem mais para onde correr: O resto dos seus dias depende disso. Ou pelo menos é assim

Leia mais

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO

LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO LASERTECK SOFTECK MANUAL DO USUÁRIO 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REQUISITOS DO SISTEMA... 3 3 INSTALAÇÃO... 3 4 COMO COMEÇAR... 3 5 FORMULÁRIOS DE CADASTRO... 4 6 CADASTRO DE VEÍCULO... 6 7 ALINHAMENTO...

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Compartilhamento de Arquivos no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução...

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 8 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 2:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 8 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 2:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 8 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 2:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Instalando Impressoras da Rede... 3 1.3 Compartilhamento de Impressoras... 6 1.4 Mapeamento de Unidades de Rede...

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

www.videoinformatica.com.br

www.videoinformatica.com.br 1 COMO FORMATAR, CRIAR OU REMOVER PARTIÇÕES E INSTALAR O WINDOWS XP NO SEU COMPUTADOR Leia todo o conteúdo online ou baixe gratuitamente o tutorial em PDF preparado especialmente para facilitar a sua vida.

Leia mais

INICIANDO A INSTALAÇÃO

INICIANDO A INSTALAÇÃO INICIANDO A INSTALAÇÃO Abra o leitor de CD do computador que será dedicado ao ÚnicoNET. Coloque o CD que acabamos de gravar com o NERO EXPRESS e reinicie o HARDWARE (CTRL+ALT+DEL), caso não consiga reiniciar

Leia mais

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0 Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos CAIO HENRIQUE TEODORO DOS SANTOS Página 1 Versão 1.0 2013 Esforcei-me ao máximo para transmitir em poucas páginas algumas dicas

Leia mais

GANHAR DINHEIRO COM SEU SITE OU BLOG

GANHAR DINHEIRO COM SEU SITE OU BLOG GANHAR DINHEIRO COM SEU SITE OU BLOG Ganhe dinheiro com seu blog.... Aposto que você já viu isso escrito em centenas de sites ou blogs e nunca conseguir atingir esse objetivo, aqui nesse ebook iremos abordar

Leia mais

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR Introdução: Aqui nesse pequeno e-book nós vamos relacionar cinco super dicas que vão deixar você bem mais perto de realizar o seu sonho

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

Sistema de Compras TV Globo

Sistema de Compras TV Globo Sistema de Compras TV Globo Guia de Uso - v. PÁGINA Índice Índice Negociações Sistema de Compras O que é o Sistema de Compras TV Globo Criar a sua cotação (Cota) Salvar Rascunho 7 Cadastro no Sistema Cotar

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração MG-Soft

Manual de Instalação e Configuração MG-Soft Manual de Instalação e Configuração MG-Soft V 1.5 www.pinaculo.com.br (51)3541-0700 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 1. INSTALANDO O MG-SOFT SERVER... 3 1.1. CRIANDO / ATUALIZANDO BANCO DE DADOS... 6 2. CONFIGURANDO

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS MINI-TUTORIAL PARA ACESSAR O FTP DA ELETRONORTE EQUIPE DE BACKUP

DOCUMENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS MINI-TUTORIAL PARA ACESSAR O FTP DA ELETRONORTE EQUIPE DE BACKUP DOCUMENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DOCUMENTAÇÃO DE PROCEDIMENTOS MINI-TUTORIAL PARA ACESSAR O FTP DA ELETRONORTE EQUIPE DE BACKUP Mini-Tutorial Para Acessar O FTP da Eletronorte Versão: 1.4 SERVIÇOS DE FTP

Leia mais

Aula: BrOffice Impress primeira parte

Aula: BrOffice Impress primeira parte Aula: BrOffice Impress primeira parte Objetivos Conhecer as características de um software de apresentação; Saber criar uma apresentação rápida com os recursos de imagem e texto; Saber salvar a apresentação;

Leia mais

Manual do Usuário Cyber Square

Manual do Usuário Cyber Square Manual do Usuário Cyber Square Criado dia 27 de março de 2015 as 12:14 Página 1 de 48 Bem-vindo ao Cyber Square Parabéns! Você está utilizando o Cyber Square, o mais avançado sistema para gerenciamento

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

E-BOOK LINK DE OURO. DE: IMPÉRIO DO PTC PARA VOCÊ: CLICADOR Espalhe este ELO juntando-se ao nosso Grupo: IMPÉRIO DO PTC!

E-BOOK LINK DE OURO. DE: IMPÉRIO DO PTC PARA VOCÊ: CLICADOR Espalhe este ELO juntando-se ao nosso Grupo: IMPÉRIO DO PTC! E-BOOK LINK DE OURO DE: IMPÉRIO DO PTC PARA VOCÊ: CLICADOR Espalhe este ELO juntando-se ao nosso Grupo: IMPÉRIO DO PTC! (E-Book Link de Ouro! Mais um produto Império do PTC) Apresentação: Aqui você irá

Leia mais

MANUAL DO LAUDO DE ANALISE

MANUAL DO LAUDO DE ANALISE MANUAL DO LAUDO DE ANALISE Emissão: 17/05/2011 Revisão: 26/05/2015 Revisado por: Juliana INDICE I. Que tipos de LAUDO de ANALISE...03 II. O que é uma PROPRIEDADE...03 III. Como fazer para cadastras as

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

Esta ferramenta existe para garantir a sua comodidade, agilidade e satisfação.

Esta ferramenta existe para garantir a sua comodidade, agilidade e satisfação. Manual utilização Sistema Gerenciador de Suporte à Cliente http://www.dominioatendimento.com Principais Benefícios e Vantagens: Esta ferramenta existe para garantir a sua comodidade, agilidade e satisfação.

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

Configurando o sistema em rede Local

Configurando o sistema em rede Local O SHOficina, SHPet e o SHSap podem ser utilizados como monousuário ou em rede de até 3 computadores (1 Servidor + 2 estações). Se você tem conhecimento intermediário em informática conseguirá seguir este

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 1 Levante e ande - Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Ano: 02/2011 Nesta Edição

Leia mais

BrOffice Impress. FREDERICO J. D. MÖLLER PET Mecatrônica/BSI IF Sudeste MG Campus Juiz de Forta. Frederico Möller

BrOffice Impress. FREDERICO J. D. MÖLLER PET Mecatrônica/BSI IF Sudeste MG Campus Juiz de Forta. Frederico Möller BrOffice Impress FREDERICO J. D. MÖLLER PET Mecatrônica/BSI IF Sudeste MG Campus Juiz de Forta Objetivos: Apresentar conceitos básicos sobre software livre e informática. Apresentar a interface do BrOffice

Leia mais

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY A Rock Content ajuda você a montar uma estratégia matadora de marketing de conteúdo para sua empresa. Nós possuimos uma rede de escritores altamente

Leia mais

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas

Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas 1 de 5 21-08-2011 22:15 Lição 1 - Criação de campos calculados em consultas Adição de Colunas com Valores Calculados: Vamos, inicialmente, relembrar, rapidamente alguns conceitos básicos sobre Consultas

Leia mais

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO

TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO TUTORIAL: INSTALANDO O SKYPE (VOIP - VOZ SOBRE IP) - ATUALIZAÇÃO Com a popularização da banda larga, uma das tecnologias que ganhou muita força foi o VOIP (Voz sobre IP). Você com certeza já deve ter ouvido

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes

Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Módulo 3 Unidade 29 Conhecendo um pouco de matrizes e determinantes Para início de conversa... Frequentemente em jornais, revistas e também na Internet encontramos informações numéricas organizadas na

Leia mais

Introdução ao Tableau Server 7.0

Introdução ao Tableau Server 7.0 Introdução ao Tableau Server 7.0 Bem-vindo ao Tableau Server; Este guia orientará você pelas etapas básicas de instalação e configuração do Tableau Server. Em seguida, usará alguns dados de exemplo para

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DE SITES

DOCUMENTAÇÃO DE SITES DOCUMENTAÇÃO DE SITES Necessidade ou preciosismo? A documentação de software ou site, mesmo sendo o carma de qualquer desenvolvedor, é extremamente necessária e auxilia na redução de horas preciosas na

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

KIT PROVEDOR COMPACT - MONTAGEM CONFIGURAÇÃO BÁSICA

KIT PROVEDOR COMPACT - MONTAGEM CONFIGURAÇÃO BÁSICA KIT PROVEDOR COMPACT - MONTAGEM CONFIGURAÇÃO BÁSICA 1 Parabéns, você acaba de adquirir o equipamento mais avançado e de melhor relação custo/ benefício do mercado para compartilhamento de Internet via

Leia mais

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S

4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S como organizar as finanças da sua empresa 4 F E R R A M E N TA S E S S E N C I A I S AUTHOR NAME ROBSON DIAS Sobre o Autor Robson Dias é Bacharel em Administração de Empresas e Possui MBA em Gestão Estratégica

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

Redes de Computadores Aula 01

Redes de Computadores Aula 01 No Caderno Responda as Questões abaixo 1 O que significa o termo Rede? 2 Porque utilizar um Ambiente de Rede? 3 Defina LAN. 4 Defina WAN. 5 O que eu preciso para Montar uma Rede? 6 - O que eu posso compartilhar

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 4 Visão geral da instalação 4 Passo 1: Buscar atualizações 4 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 4 Passo 3: Instalar o Windows no seu

Leia mais

Segredos da Redação Nota Mil

Segredos da Redação Nota Mil Lucas Martins Segredos da Redação Nota Mil Aprenda Como Utilizar Meu Método Testado e Aprovado e Aumente Suas Chances de Uma Boa Nota Índice Introdução... 5 Bem-vindo!... 5 Quem sou eu... 6 Por que você

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

Quadrado duplo = Entidade Externa/Origem ou destino de Dados.

Quadrado duplo = Entidade Externa/Origem ou destino de Dados. DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS O Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) é uma das principais ferramentas utilizadas no projeto de sistemas de informação. O DFD é um diagrama gráfico, baseado apenas em quatro símbolos,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

400W. Guia de instalação. Por favor, leia esta guia antes de utilizar o produto. 1 Desembale o projetor. Controle remoto e pilhas Cabo de computador

400W. Guia de instalação. Por favor, leia esta guia antes de utilizar o produto. 1 Desembale o projetor. Controle remoto e pilhas Cabo de computador PowerLite 400W Guia de instalação Por favor, leia esta guia antes de utilizar o produto. 1 Desembale o projetor O seu projetor vem acompanhado destes itens: Projetor e tampa da lente Cabo de eletricidade

Leia mais

Manual de boas práticas Correio Eletrônico

Manual de boas práticas Correio Eletrônico Superintendência de Tecnologia da Informação Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerência Técnica de Suporte e Infraestrutura Manual de boas práticas Correio Eletrônico VERSÃO: 0.2 DATA DE REVISÃO:

Leia mais