Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Bahia. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Bahia. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas"

Transcrição

1 Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 04/2014 Bahia // Federal IPI Base de cálculo // Estadual ICMS Isenção // IOB Setorial Estadual Comercial - ICMS - Benefício fiscal nas operações interestaduais de mercadorias comercializadas por meio de Internet ou telemarketing. 15 // IOB Comenta Federal Tributos federais - Considerações sobre o processo administrativo- -fiscal // IOB Perguntas e Respostas IPI Ativo Imobilizado - Importação de mercadoria Certidão negativa - Prazo de validade Classificação fiscal ICMS/BA Artefatos pré-moldados de cimento - Base de cálculo Crédito presumido - Obras de arte adquiridas com isenção do imposto.. 18 Obras de arte - Isenção Veja nos Próximos Fascículos a IPI - Suspensão a ICMS - Cadastro de contribuintes a ICMS - Suspensão

2 2014 by IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Capa: Marketing IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Editoração Eletrônica e Revisão: Editorial IOB FOLHAMATIC EBS > SAGE Telefone: (11) (São Paulo) (Outras Localidades) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ICMS, IPI e outros : IPI : base de cálculo ed. -- São Paulo : IOB Folhamatic, (Coleção manual de procedimentos) ISBN Imposto sobre Circulação de Mercadorias - Brasil 2. Imposto sobre Produtos Industrializados - Brasil 3. Tributos - Brasil I. Série CDU-34: (81) Índices para catálogo sistemático: 1. Brasil : Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços : ICMS : Direito tributário 34: (81) 2. Brasil : Imposto sobre Produtos Industrializados : IPI : Direito tributário 34: (81) Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução total ou parcial desta obra, por qualquer meio ou processo, sem prévia autorização do autor (Lei n o 9.610, de , DOU de ). Impresso no Brasil Printed in Brazil Boletim IOB

3 Boletimj Manual de Procedimentos a Federal IPI 2. Base de cálculo Base de cálculo SUMÁRIO 1. Introdução 2. Base de cálculo 3. Consignação mercantil 4. Veículos 5. Produtos industrializados por encomenda 6. Locação, arrendamento mercantil ou operação a título gratuito 7. Arrendamento mercantil 8. Produtos usados 9. Valor mínimo 10. Arbitramento 11. Infrações e penalidades 1. Introdução O Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) é calculado mediante a aplicação das alíquotas constantes da Tabela de Incidência do IPI, aprovada pelo Decreto nº 7.660/2011, sobre a base de cálculo atribuída à respectiva operação. Esse procedimento não exclui outra modalidade de cálculo estabelecida pela legislação, como, por exemplo, em relação às bebidas e aos cigarros, hipóteses em que o imposto é recolhido com base na quantidade do produto em classe de enquadramento. Neste texto, examinaremos as regras previstas no Regulamento do IPI, aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010, para a determinação da base de cálculo do imposto. Não podem ser deduzidos do valor da operação os descontos, as diferenças ou os abatimentos, concedidos a qualquer título, ainda que incondicionalmente A base de cálculo do IPI consiste, em regra: a) em relação aos produtos de procedência estrangeira: a.1) no valor que servir ou que serviria de base para o cálculo dos tributos aduaneiros, por ocasião do despacho de importação, acrescido do montante desses tributos e dos encargos cambiais efetivamente pagos pelo importador ou dele exigíveis; a.2) no valor total da operação de que decorrer a saída do estabelecimento equiparado a industrial; b) no que se refere aos produtos nacionais, no valor total da operação de que decorrer a saída do estabelecimento industrial ou a ele equiparado. O valor da operação referido nas letras a.2 e b compreende o preço do produto, acrescido do valor do frete e das demais despesas acessórias, cobradas ou debitadas pelo contribuinte ao comprador ou ao destinatário. Será também considerado como cobrado ou debitado pelo contribuinte, ao comprador ou ao destinatário, o valor do frete quando o transporte for realizado ou cobrado por empresa coligada, controlada ou controladora ou interligada do estabelecimento contribuinte ou por empresa com a qual este tenha relação de interdependência, mesmo quando o frete seja subcontratado. (RIPI - Decreto nº 7.212/2010; TIPI - Decreto nº 7.660/2011) (RIPI/2010, art. 190, caput, 1º e 2º) Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 BA04-01

4 2.1 Valores não dedutíveis Não podem ser deduzidos do valor da operação os descontos, as diferenças ou os abatimentos, concedidos a qualquer título, ainda que incondicionalmente. (RIPI/2010, art. 190, 3º) 2.2 Preços diferenciados para o mesmo produto Os preços do vendedor poderão ser diferenciados para um mesmo produto, a partir de um preço de venda básico, desde que estabelecidos em tabelas fixadas segundo práticas comerciais uniformemente consideradas, nunca inferiores ao custo de fabricação, acrescidos dos custos financeiros e dos de venda, administração e publicidade, além do lucro normalmente praticado pelo vendedor. (Instrução Normativa SRF nº 82/2001) 3. Consignação mercantil Nas saídas de produtos a título de consignação mercantil, o valor da operação será o preço de venda do consignatário estabelecido pelo consignante. Essa regra somente se aplica na hipótese de o consignante estabelecer o preço de venda a ser praticado pelo consignatário. (RIPI/2010, arts. 190, 4º, 501, 502, 503 e 504) 4. Veículos Nas vendas diretas de veículos a consumidor final, poderão ser excluídos da base de cálculo do IPI devido pelos fabricantes ou importadores os valores devidos aos concessionários pela intermediação ou pela entrega dos veículos classificados nas posições e da TIPI, limitados a 9% do valor total da operação. (RIPI/2010, art. 190, 5º e 6º; Lei nº /2002, art. 2º, caput, 2º, I) 5. Produtos industrializados por encomenda Nas hipóteses de produtos industrializados por encomenda, será acrescido pelo industrializador, ao valor da operação, salvo a hipótese de insumos usados, o valor das matérias-primas, dos produtos intermediários e do material de embalagem fornecidos pelo encomendante, desde que este não destine os produtos industrializados a: a) comércio; b) emprego, como matéria-prima ou produto intermediário, em nova industrialização; ou c) emprego no acondicionamento de produtos tributados. Nas notas fiscais emitidas em nome do encomendante, o valor da operação, para fins de destaque do IPI, será o valor total cobrado, acrescido do valor das matérias-primas, dos produtos intermediários e do material de embalagem fornecidos pelo autor da encomenda, desde que os produtos industrializados não se destinem a comércio, a emprego em nova industrialização ou a acondicionamento de produtos tributados, salvo quando se tratar de insumos usados. (RIPI/2010, arts. 191 e 497) 6. Locação, arrendamento mercantil ou operação a título gratuito Na saída de produto do estabelecimento industrial ou equiparado a industrial a título de locação, arrendamento mercantil (exceto diretamente do importador - veja item 7) ou que decorrer de operação a título gratuito (como, por exemplo, a doação ou o comodato), inclusive aquela que, em virtude de não transferir a propriedade do produto, não importe em fixar-lhe o preço (como, por exemplo, o empréstimo), considera-se valor tributável o preço corrente do produto ou seu similar, no mercado atacadista da praça do remetente, observado o valor tributável mínimo descrito no item 9. (RIPI/2010, art. 192) 7. Arrendamento mercantil Na saída de produtos do estabelecimento do importador, em arrendamento mercantil, o valor tributável será: a) o preço corrente no mercado atacadista da praça em que o estabelecimento arrendador estiver domiciliado; BA Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 - Boletim IOB

5 b) o valor que serviu de base de cálculo do imposto no desembaraço aduaneiro, se for demonstrado comprovadamente que o preço dos produtos importados é igual ou superior ao que seria pago pelo arrendatário se os importasse diretamente. (RIPI/2010, art. 193) 8. Produtos usados O imposto incidente sobre produtos usados, adquiridos de particulares ou não, que sofrerem processo de industrialização nas modalidades renovação ou recondicionamento será calculado sobre a diferença de preço entre a aquisição e a revenda. (RIPI/2010, art. 194) 8.1 Solução de Consulta RFB Transcrevemos, a seguir, solução de consulta RFB, que trata do assunto: MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 42 de 28 de Marco de ASSUNTO: Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI EMENTA: SUCATAS E APARAS DE PLÁSTICO. VALOR TRIBUTÁVEL PARA PRODUTOS USADOS. TRANSFORMA- ÇÃO. RENOVAÇÃO. A operação de industrialização exercida sobre as sucatas e aparas de plástico adquiridas de terceiros para emprego como matéria-prima na fabricação de artigos plásticos novos, enquadra-se como transformação, não sendo aplicável, portanto, aos produtos resultantes, a regra excepcional de determinação do valor tributável prevista no art. 194 do RIPI/2010. (Solução de Consulta RFB nº 42/2012) 9. Valor mínimo A base de cálculo não poderá ser inferior: a) ao preço corrente no mercado atacadista da praça do remetente quando o produto for destinado a outro estabelecimento do próprio remetente ou a estabelecimento de firma com a qual mantenha relação de interdependência; Nota Nos termos do art. 612 do RIPI/2010, consideram-se interdependentes duas firmas: a) quando uma delas tiver participação na outra de 15% ou mais do capital social, por si, seus sócios ou acionistas, bem como por intermédio de parentes destes até o segundo grau e respectivos cônjuges, se a participação societária for de pessoa física; b) quando, de ambas, uma mesma pessoa fizer parte, na qualidade de diretor, ou sócio com funções de gerência, ainda que exercidas sob outra denominação; c) quando uma tiver vendido ou consignado à outra, no ano anterior, mais de 20% no caso de distribuição com exclusividade em determinada área do território nacional, e mais de 50%, nos demais casos, do volume das vendas dos produtos tributados, de sua fabricação ou importação; d) quando uma delas, por qualquer forma ou título, for a única adquirente, de um ou de mais de um dos produtos industrializados ou importados pela outra, ainda quando a exclusividade se refira a padronagem, marca ou tipo do produto; ou e) quando uma vender à outra, mediante contrato de participação ou ajuste semelhante, produto tributado que tenha fabricado ou importado. Não caracteriza a interdependência descrita nas letras c e d a venda de matérias-primas e produtos intermediários, destinados exclusivamente à industrialização de produtos do comprador. b) a 90% do preço de venda aos consumidores, não inferior ao mencionado na letra a, quando o produto for remetido a outro estabelecimento da mesma empresa, desde que o destinatário opere exclusivamente na venda a varejo; c) ao custo de fabricação do produto, acrescido dos custos financeiros e dos de venda, administração e publicidade, assim como do seu lucro normal e das demais parcelas que devam ser adicionadas ao preço da operação, no caso de produtos saídos do estabelecimento industrial, ou equiparado a industrial, com destino a comerciante autônomo, ambulante ou não, para venda direta a consumidor; d) a 70% do preço da venda a consumidor no estabelecimento moageiro, nas remessas de café torrado a comerciante varejista que possua atividade acessória de moagem. Na hipótese da letra b, sempre que o estabelecimento varejista vender o produto por preço superior ao que haja servido à determinação da base de cálculo, este será reajustado com base no preço real de venda, o qual, acompanhado da respectiva demonstração, será comunicado ao remetente até o último dia do período de apuração subsequente ao da ocorrência do fato, para efeito de lançamento e recolhimento do imposto sobre a diferença verificada. Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 BA04-03

6 No caso da letra c, o preço de revenda do produto pelo comerciante autônomo, ambulante ou não, indicado pelo estabelecimento industrial ou equiparado a industrial, não poderá ser superior ao preço de aquisição acrescido dos tributos incidentes por ocasião da aquisição e da revenda do produto e da margem de lucro normal nas operações de revenda. Para efeito de aplicação das bases de cálculo mencionadas nas letras a e b, será considerada a média ponderada dos preços de cada produto em vigor no mês anterior ao da saída do estabelecimento remetente ou, na sua falta, a média correspondente ao mês imediatamente anterior àquele. (RIPI/2010, arts. 195 e 196, caput) 9.1 Inexistência de preço corrente no mercado atacadista Inexistindo o preço corrente no mercado atacadista, para aplicação das regras mencionadas nas letras a e b do item 9, tomar-se-á por base de cálculo: a) no caso de produto importado, o valor que serviu de base ao Imposto de Importação, acrescido desse tributo e demais elementos componentes do custo do produto, inclusive da margem de lucro normal; b) no caso de produto nacional, o custo de fabricação, acrescido dos custos financeiros e dos de venda, administração e publicidade, assim como do seu lucro normal e das demais parcelas que devam ser adicionadas ao valor da operação, ainda que os produtos tenham sido recebidos de outro estabelecimento da mesma firma que os tenha industrializado. (RIPI/2010, art. 196, parágrafo único) 10. Arbitramento Ressalvada a avaliação contraditória, decorrente de perícia, o Fisco poderá arbitrar a base de cálculo ou qualquer dos seus elementos quando forem omissos ou não merecerem fé os documentos expedidos pelas partes ou, tratando-se de operação a título gratuito, quando inexistir ou for de difícil apuração o valor. Salvo se for apurado o valor real da operação, nos casos em que este deva ser considerado, o arbitramento tomará por base, sempre que possível, o preço médio do produto no mercado do domicílio do contribuinte ou, na sua falta, nos principais mercados nacionais, no trimestre civil mais próximo ao da ocorrência do fato gerador. Na impossibilidade de apuração dos preços, para fins de arbitramento, será considerada a média ponderada dos preços de cada produto em vigor no mês precedente ao da saída do estabelecimento remetente ou, na sua falta, a média correspondente ao mês imediatamente anterior àquele, observadas as regras descritas no subitem 9.1. (RIPI/2010, art. 197) 11. Infrações e penalidades As infrações são punidas com as seguintes penas, aplicáveis separada ou cumulativamente: a) multa; b) perdimento da mercadoria; e c) cassação de regimes ou controles especiais estabelecidos em benefício de contribuintes ou de outras pessoas obrigadas ao cumprimento dos dispositivos do Regulamento do IPI. Destacamos, sobre o assunto, a multa relacionada ao destaque do imposto na nota fiscal. Assim, incorrem na multa de ofício de 75% do valor do imposto os que o destacarem indevidamente ou o destacarem com excesso sobre o valor resultante do seu cálculo. Nesse caso, a multa terá por base de cálculo o valor do imposto indevidamente destacado e não será aplicada se o responsável, já tendo recolhido, antes de procedimento fiscal, a importância irregularmente destacada, provar que a infração decorreu de erro escusável, a juízo da autoridade julgadora. (RIPI/2010, arts. 555 e 569, 1º, IV, 3º) N BA Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 - Boletim IOB

7 a Estadual Isenção ICMS SUMÁRIO 1. Introdução 2. Conceito 3. Concessão e revogação 4. Condições 5. Vigência 6. Obrigações acessórias 7. Quadro sinótico de isenções 8. Manutenção de créditos 9. Indicação da isenção no documento fiscal 10. Consulta tributária 11. Infrações e penalidades 1. Introdução As isenções do ICMS são concedidas por prazo determinado e indeterminado. Apresentaremos, neste procedimento, as disposições que tratam da isenção do imposto, com base, principalmente, na Lei Complementar nº 24/1975, na Lei nº 7.014/1996 e no RICMS- -BA/2012, aprovado pelo Decreto nº / Conceito Isenção é a dispensa do pagamento do imposto por expressa disposição de lei e, no caso do ICMS, por meio de convênios celebrados pelos Estados. Esse benefício é uma forma de desoneração tributária, por força de regra jurídica excepcional. Em consequência desse princípio, na isenção, o tributo é devido com base em obrigação, porém a lei especial ou de exceção dispensa o contribuinte de seu pagamento. (Código Tributário Nacional, art. 175, I) 3. Concessão e revogação As isenções são concedidas ou revogadas por meio de convênios celebrados pelos Estados e pelo Distrito Federal, nos termos de lei complementar. (Lei Complementar nº 24/1975, art. 1º) 4. Condições Quando o reconhecimento de isenção, incentivo ou benefício do imposto depender de condição, não sendo esta satisfeita, o imposto será considerado devido no momento da ocorrência da operação ou da prestação de serviços. (Lei nº 7.014/1996, art. 38) 5. Vigência As isenções podem ser concedidas por prazo determinado e, também, por prazo indeterminado, conforme mencionado anteriormente. Aquelas concedidas por prazo determinado não podem ser revogadas unilateralmente pelo Estado antes da expiração do prazo previsto em ato concessivo. Portanto, além das condições a serem observadas pelo contribuinte para a fruição do benefício fiscal, deverão ser respeitados os prazos indicados em dispositivo legal ou regulamentar que concede a isenção. Periodicamente, o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) celebra convênio que prorroga disposições de convênios que concedem benefícios fiscais. Somente as disposições de convênio autorizativo regulamentadas mediante decreto específico integrarão a legislação tributária do Estado da Bahia. No caso de convênio destinado a prorrogar o prazo de vigência de benefício fiscal já concedido, uma vez publicada a sua ratificação no Diário Oficial da União, a sua aplicação será automática, mesmo tratando-se de benefício fiscal contemplado no referido convênio. (Lei Complementar nº 24/1975) 6. Obrigações acessórias A concessão de isenção não dispensa o contribuinte do cumprimento de obrigações acessórias, salvo disposição em contrário. (Lei nº 7.014/1996, art. 39) 7. Quadro sinótico de isenções A seguir, apresentamos um quadro prático com as principais operações e prestações beneficiadas com isenção, de acordo com o RICMS-BA/2012. Esclarecemos que o atual Regulamento na maioria das situações não traz o prazo de validade da isenção. O prazo é, de modo geral, estabelecido em acordos celebrados entre os Estados (convênio ou protocolo). Certamente, quando for revogada, a isenção será excluída do mencionado Regulamento. Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 BA04-05

8 ISENÇÕES E FUNDAMENTAÇÃO LEGAL OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES BENEFICIADAS Acesso à Internet e à conectividade em banda larga destinadas a escolas públicas federais, estaduais, distritais e municipais, e as operações relativas a doação de equipamentos a serem utilizados na prestação desses serviços, (Convênio ICMS nº 47/2008); Acesso a Internet e a conectividade em banda larga no âmbito do Programa Governo Eletrônico de Serviço de Atendimento do Cidadão (Gesac), instituído pelo Governo Federal (Convênio ICMS nº 141/2007); Água bruta captada por empresa devidamente autorizada a usar os recursos hídricos pela Agência Nacional de Águas (ANA), destinada a propriedades rurais ou empresas de serviço de abastecimento de água; FUNDAMENTO LEGAL LXXXIV XLIII XCVIII Algaroba e seus derivados (Convênio ICMS nº 3/1992); I, d Animais para a Embrapa com fins de inseminação e inovulação com animais de raça, e respectivo retorno; LIII Alimentação e bebida não alcoólica fornecidas por restaurante popular integrante de programa específico instituído pela União, pelos Estados ou Municípios (Convênio ICMS nº 89/2007); Alimentos considerados perdas, com destino aos estabelecimentos de Banco de Alimentos (Food Bank) e do Instituto de Integração e de Promoção da Cidadania (Integra); Amostras grátis de produto de diminuto ou nenhum valor comercial, assim considerados os fragmentos ou as partes de qualquer mercadoria, desde que em quantidade estritamente necessária para dar a conhecer a sua natureza, espécie e qualidade (Convênio ICMS nº 29/1990); Aparelhos, máquinas, equipamentos e instrumentos, decorrentes de entradas do exterior, realizadas pelas universidades públicas ou por fundações educacionais de ensino superior instituídas e mantidas pelo Poder Público, destinados à utilização em atividades de ensino ou pesquisa, sem similares produzidos no País (Convênio ICMS nº 31/2002); Aparelhos, máquinas, equipamentos e instrumentos médico-hospitalares ou técnico-científicos laboratoriais, sem similares produzidos no País, importados do exterior diretamente por órgãos ou entidades da administração pública, direta ou indireta, bem como fundações ou entidades beneficentes de assistência social, certificadas nos termos da Lei nº /2009 (Convênio ICMS nº 104/1989); Aparelhos, máquinas e equipamentos, instrumentos técnico-científicos laboratoriais, partes e peças de reposição, acessórios, matérias-primas e produtos intermediários, destinados à pesquisa científica e tecnológica, nas importações do exterior realizadas diretamente pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com financiamento de empréstimos internacionais firmados pelo Governo Federal, ficando essas importações dispensadas do exame de similaridade (Convênio ICMS nº 64/1995); Aquisições pelo Estado da Bahia, por adjudicação, de mercadorias que tenham sido oferecidas à penhora (Convênio ICMS nº 57/2000); Áreas de Livre Comércio - Saídas de mercadorias para comercialização ou industrialização: a) Macapá e Santana, no Estado do Amapá (Convênio ICMS nº 52/1992); b) Áreas de Livre Comércio de Bonfim e Boa Vista, no Estado de Roraima (Convênio ICMS nº 52/1992); c) na Área de Livre Comércio de Guajaramirim, no Estado de Rondônia (Convênio ICMS nº 52/1992); d) na Área de Livre Comércio de Tabatinga, no Estado do Amazonas (Convênio ICMS nº 52/1992); e) nos Municípios de Rio Preto da Eva e Presidente Figueiredo, no Estado do Amazonas (Convênio ICMS nº 23/2008); f) nas Áreas de Livre Comércio de Cruzeiro do Sul e Brasileia, com extensão para o Município de Epitaciolândia, no Estado do Acre (Convênio ICMS nº 52/1992); LXXXI XXXIX XXI LXIII XIX XLII XXV XII Arroz e feijão - saídas internas; II, c Ativo Imobilizado bem como de moldes, matrizes, gabaritos, padrões, chapelonas, modelos e estampas (Convênios ICMS nº 70/1990): a) para prestação de serviços fora do estabelecimento, desde que devam retornar ao estabelecimento de origem; ou b) com destino a outro estabelecimento inscrito como contribuinte, para serem utilizados na elaboração de produtos encomendados pelo remetente, desde que devam retornar ao estabelecimento de origem; Ativo Imobilizado (Importação) de empresas beneficiadas pelo Regime Tributário para Incentivo à Modernização e à Ampliação da Estrutura Portuária (Reporto), instituído pela Lei Federal nº /2004 (Convênio ICMS nº 8/2005); XXIII XXXVI Ativo Imobilizado - Transferência interna; XXII, a Automóveis novos destinados ao transporte de passageiros na categoria de aluguel (táxi), com motor de cilindrada não superior a cm³ (2.0l), realizados até pelos estabelecimentos fabricantes (montadoras) ou até por seus revendedores autorizados (concessionárias) - Convênio ICMS nº 38/2001; Aves vivas efetuadas por produtor rural e destinadas às Cáritas brasileiras, para posterior doação a famílias assentadas e pré-assentadas neste Estado, com o objetivo de promoção da segurança alimentar e nutricional - saídas internas; Bens destinados a integrar o Ativo Imobilizado de empresas beneficiadas pelo Reporto, instituído pela Lei federal nº /2004 (Convênio ICMS nº 3/2006); XXIX LXX BA Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 - Boletim IOB

9 OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES BENEFICIADAS FUNDAMENTO LEGAL Bens destinados a utilização ou a guarda em outro estabelecimento da mesma empresa, quando efetuadas por I estabelecimento de empresa concessionária de serviço público de energia elétrica (Convênio ICM AE nº 5/1972); Bens e mercadorias destinados às redes de transportes públicos sobre trilhos de passageiros, bem como o diferencial de alíquotas; LIV Bens e mercadorias, nas operações internas, destinados às sociedades de propósito específico que celebrem com a Bahia contrato de concessão de parceria público-privada, nos termos previstos na Lei Federal LVII nº /2004; Bens integrados ao Ativo Permanente, bem como de moldes, matrizes, gabaritos, padrões, chapelonas, modelos e estampas (Convênio ICMS nº 70/1990): a) para prestação de serviços fora do estabelecimento, desde que devam retornar ao estabelecimento de origem; ou b) com destino a outro estabelecimento inscrito como contribuinte, para serem utilizados na elaboração de produtos encomendados pelo remetente, desde que devam retornar ao estabelecimento de origem; Bens procedentes do exterior, destinados à implantação de projetos de saneamento básico pelas companhias estaduais de saneamento (Convênio ICMS nº 42/1995); Bens para o Ativo Imobilizado procedentes do exterior, destinados à empresa portuária para o aparelhamento e modernização dos portos localizados no Estado da Bahia, importação até Blocos catódicos de grafite, código da NCM, promovidas por estabelecimentos industriais (Convênio ICMS nº 72/2002); Bolas de aço forjadas e fundidas, classificadas nos códigos e da NBM/SH, de estabelecimentos industriais com destino a empresas exportadoras de minérios que importem as citadas bolas de aço pelo regime de drawback (Convênio ICMS nº 33/2001); XXIII XIII XCIX XXXII LXI Bulbos de cebola; I, b Caprino e produtos resultantes da matança; I, j Castanha de caju e mel de abelhas realizadas por produtores rurais, suas associações ou cooperativas - saídas internas; II, f Cisterna, classificada no código da NCM (Convênio ICMS nº 161/2005); XXXVII Coletores Eletrônicos de Voto (CEV), suas partes, peças de reposição e seus acessórios, adquiridos diretamente pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) (Convênio ICMS nº 75/1997); XVI Combustíveis e lubrificantes para o abastecimento de embarcações e aeronaves nacionais com destino ao exterior (Convênio ICMS nº 84/1990); XXIV Comunicação, pelos serviços locais de difusão sonora, ficando a fruição do benefício condicionada a que seja feita a divulgação, pela empresa de televisão ou de radiodifusão sonora, de matéria aprovada pelo Conselho de Política Fazendária (Confaz), relativa ao ICMS, para informar e conscientizar a população, visando ao combate à sonegação desse imposto, sem ônus para o Erário (Convênio ICMS nº 8/1989); Computadores portáteis educacionais, classificados nos códigos , e e com kit completo para montagem de computadores portáteis educacionais, adquiridos no âmbito do Programa Nacional de Informática na Educação (ProInfo) - em seu Projeto Especial Um Computador por Aluno (UCA), do Ministério da Educação (MEC), instituído pela Portaria nº 522/1997, do Programa Um Computador por Aluno (Prouca), e do Regime Especial para Aquisição de Computadores para Uso Educacional (Recompe), instituídos pela Medida Provisória nº 563/2012; Concessionário de serviço público de abastecimento de água (Convênio ICMS nº 98/1989) - Operações internas: a) nos fornecimentos de água natural canalizada: a.1) em ligações com consumo medido de até 30 m³ mensais, por economia; a.2) em ligações não medidas, para consumo residencial; a.2) em ligações para consumo de órgãos públicos federais, estaduais e municipais; b) nos fornecimentos de água natural através de carro-pipa; Desembaraço aduaneiro de mercadoria ou bem importado sob o amparo do Regime Especial Aduaneiro de Admissão Temporária previsto na legislação federal específica (Convênio ICMS nº 58/1999); Devolução impositiva de embalagens vazias de agrotóxicos e respectivas tampas, realizadas sem ônus, nos termos da legislação federal aplicável (Convênio ICMS nº 42/2001); Diferença de alíquotas: a) aquisição de produtos destinados à implantação de indústria produtora de celulose solúvel (Convênio ICMS nº 61/1994); b) aquisição de máquinas, aparelhos, equipamentos, suas partes e peças e materiais discriminados no Convênio ICMS nº 74/2002, quando destinados à construção do Sistema de Trens Metropolitanos de Salvador - Bahia (Metrô), objeto do contrato de empréstimo 4494-BR, celebrado com o Banco Interamericano de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD); c) aquisições de bens relacionados no Anexo Único do Convênio ICMS nº 97/2006, destinados a integrar o Ativo Imobilizado de empresa portuária, inclusive portos secos, para aparelhamento, modernização e utilização exclusivamente em portos localizados no território baiano, desde que a efetiva utilização dos bens ocorra pelo prazo mínimo de 5 anos; d) aquisição de tratores de até 75 CV realizada por pequenos agricultores no âmbito do Programa Nacional Trator Popular (Convênio ICMS nº 103/2008); XII XLIV XVII LIX LXII XXXVIII e 264 Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 BA04-07

10 OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES BENEFICIADAS Doação a órgãos e entidades da administração direta e indireta da União, dos Estados e dos Municípios ou às entidades assistenciais reconhecidas como de utilidade pública, para assistência às vítimas de situação de seca nacionalmente reconhecida, na área de abrangência da Sudene, não sendo aplicável o benefício às saídas promovidas pela Conab (Convênio ICMS nº 57/1998); Doação ao Governo do Estado para distribuição gratuita a pessoas necessitadas ou vítimas de catástrofes, inclusive os serviços de transporte (Convênio ICMS nº 82/1995); Doação de geladeira efetuada pela Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba) no âmbito do projeto Geladeiras para População de Baixa Renda na Bahia e do Programa de Venda Subsidiada de Refrigeradores para Comunidades Populares - Baixa Renda (Convênio ICMS nº 45/2006); Doação de lâmpadas fluorescentes compactas de 15 W, classificação fiscal da NBM/SH, promovidas por empresas concessionárias de serviço público de energia elétrica, para as unidades consumidoras residenciais de baixa renda, nas operações internas (Convênio ICMS nº 29/2001); Doação de 350 cisternas, classificadas no código da NCM, ao Estado de Alagoas (Convênio ICMS nº 39/2010); Doação para o Grupo de Apoio a Criança com Câncer (GAAC), inclusive as saídas e prestações subsequentes promovidas pela entidade; Doações de mercadorias efetuadas por contribuintes do imposto às Secretarias de Educação, para distribuição, também por doação, à rede oficial de ensino (Convênio ICMS nº 7.819/1992); Doação de microcomputadores usados (semi-novos) para escolas públicas especiais e profissionalizantes, associações destinadas a portadores de deficiência e comunidades carentes (Convênio ICMS nº 43/1999); Doação destinada a instituições filantrópicas de educação ou de assistência social, reconhecidas como de utilidade pública, localizadas no Estado da Bahia, desde que o doador celebre anualmente termo de acordo com a Sefaz; Doação ou cessão, das mercadorias constantes nas posições 8444 a 8453 da NCM, efetuadas pelas indústrias de máquinas e equipamentos, para os Centros de Formação de Recursos Humanos do Sistema Senai, visando ao reequipamento desses Centros nos Estados da Bahia, do Ceará, de Minas Gerais, da Paraíba, do Paraná, de Pernambuco, do Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, Rondônia, Roraima e São Paulo (Convênio ICMS nº 60/1992); Doações, em operações internas ou interestaduais, destinadas ao atendimento do Programa intitulado Fome Zero, bem como as prestações de serviços de transporte para distribuição de mercadorias recebidas por estabelecimentos credenciados pelo programa, excluída a aplicação de qualquer outro benefício fiscal (Convênio ICMS nº 18/2003; Ajustes Sinief nºs 2/2003 e 10/2003); FUNDAMENTO LEGAL XXI XIV LXXIII XXVIII XLVI LIII VIII LVIII LVIII VII LXIV Drawback; XCI Embarcações construídas no País, efetuadas por quaisquer estabelecimentos, bem como nos fornecimentos, pela indústria naval, de peças, partes e componentes aplicados nos serviços de reparo, conserto e reconstrução das mesmas, excetuadas as embarcações (Convênio ICM nº 33/1977): a) com menos de 3 toneladas brutas de registro, salvo as de madeira utilizadas na pesca artesanal; b) recreativas e esportivas de qualquer porte; c) classificadas na posição da NCM (dragas); Embrião ou sêmen congelado ou resfriado de bovino, de ovino, de caprino ou de suíno (Convênio ICMS nº 70/1992); Energia elétrica destinada a consumo por órgãos da administração pública estadual direta e suas fundações e autarquias mantidas pelo Poder Público e regidas por normas de Direito Público, devendo o benefício ser transferido aos beneficiários, mediante a redução do valor da operação, na quantia correspondente ao imposto dispensado (Convênio ICMS nº 107/1995); VIII I, f XLVI Energia elétrica destinada à utilização pelo Metrô - Bahia, Salvador; LVI Energia elétrica, fornecimento pela Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba) para unidades consumidoras onde existam pessoas usuárias de equipamentos de autonomia limitada, vitais à preservação da vida humana e dependentes de energia elétrica, desde que efetuem cadastro das unidades consumidoras na concessionária (Convênio ICMS nº 58/2006); Energia elétrica destinada ao consumo em órgãos da administração pública municipal e fundações mantidas pelo Poder Público municipal e à iluminação pública; Energia elétrica destinada a consumidores enquadrados na subclasse Residencial Baixa Renda de acordo com as condições fixadas em resolução da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), até a faixa de consumo de 50 kwh mensais; Energia elétrica destinada a consumidores enquadrados na subclasse Residencial Baixa Renda de acordo com as condições fixadas em resolução da Aneel, relativos à parcela da subvenção de tarifa de energia elétrica, estabelecida pela Lei nº /2002; Energia elétrica para consumo residencial, até a faixa de consumo que não ultrapasse a 200 kwh mensais, quando gerada por fonte termoelétrica em sistema isolado (Convênio ICMS nº 20/1989); LXXIV XLVII XLIX XLVIII XIV Energia elétrica para consumo em estabelecimento de produtor rural (Convênio ICMS nº 76/1991); IV BA Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 - Boletim IOB

11 OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES BENEFICIADAS Entradas de equipamento médico-hospitalar, sem similar nacional, devidamente comprovado por laudo emitido por entidade nacional representativa do setor ou órgão federal, realizadas por clínica ou hospital que se comprometa a compensar este benefício, em valor igual ou superior à desoneração, com a prestação de serviços médicos, exames radiológicos, de diagnóstico por imagem e laboratoriais, programados pela Secretaria de Saúde ou pela Secretaria de Administração, nos termos e nas condições estabelecidos em portaria conjunta com o secretário da Fazenda (Convênio ICMS nº 5/1998); Entradas do exterior, de aparelhos, máquinas, equipamentos e instrumentos, suas partes e peças de reposição e acessórios, e de matérias-primas e produtos intermediários, em que a importação seja beneficiada com as isenções previstas na Lei Federal nº 8.010/1990; Entradas, no estabelecimento do importador, em decorrência de (Convênio ICMS nº 80/1995): a) doação, de produtos importados diretamente por órgãos ou entidades da administração pública, direta ou indireta, bem como fundações ou entidades beneficentes ou de assistência social que preencham os requisitos previstos no art. 14 do Código Tributário Nacional; b) aquisição, a qualquer título, efetuada por órgãos da administração pública direta ou indireta, de equipamentos científicos e de informática, suas partes, peças de reposição e acessórios, bem como de reagentes químicos, desde que os produtos adquiridos não possuam similar nacional, sendo que a ausência da similaridade deverá ser comprovada por laudo emitido por órgão especializado do Ministério da Indústria, Comércio e Turismo, ou por este credenciado; Equipamentos de propriedade da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. (Embratel) - Convênio ICMS nº 105/1995, em saídas interestaduais: a) destinados à prestação de seus serviços junto a seus usuários, desde que esses bens devam retornar ao estabelecimento remetente ou a outro da mesma empresa; b) dos equipamentos referidos na alínea a deste inciso, em retorno ao estabelecimento de origem ou a outro da mesma empresa; Equipamentos de segurança eletrônica - Aquisições realizadas através do Departamento Penitenciário Nacional - CNPJ / e de distribuição às diversas Unidades Prisionais Brasileiras, desde que as operações e prestações estejam, cumulativamente, desoneradas do Imposto de Importação (II) ou do IPI e das contribuições para o PIS/Pasep e para a o Financiamento da Seguridade Social (Cofins); Equipamentos didáticos, científicos e médico-hospitalares, inclusive peças de reposição e os materiais necessários às respectivas instalações, para o Ministério da Educação e do Desporto (MEC) para atender ao Programa de Modernização e Consolidação da Infraestrutura Acadêmica das Instituições de Ensino Superior e Hospitais Universitários instituído pela Portaria nº 469/1997 do MEC (Convênio ICMS nº 123/1997); Equipamentos e acessórios destinados às instituições que atendam aos portadores de deficiência física, auditiva, mental, visual e múltipla, especificados no Anexo Único do Convênio ICMS nº 38/1991; Equipamentos e acessórios para aproveitamento das energias solar e eólica especificados no Convênio ICMS nº 101/1997, desde que beneficiadas com isenção ou tributadas com alíquota zero do IPI; Equipamentos e instrumentos destinados a conversão de veículos automotores para operar com gás natural veicular: cilindro gnv; redutor de pressão; válvula de cilindro; válvula de abastecimento; indicador de nível (manômetro); variador de avanco; emulador de bico injetores; módulo gerenciador; chave comutadora micro; válvula com motor de passo; Equipamentos médico-hospitalares ao Estado da Bahia, relacionados no anexo do Convênio ICMS nº 77/2000, para atender ao Programa de Modernização Gerencial e Reequipamento da Rede Hospitalar ; Equipamentos para análise e classificação de fibra de algodão, NCM , importações realizadas por associação ou cooperativa de produtores agropecuários; Equipamentos, partes e peças necessários à instalação do Sistema de Controle de Produção de Bebidas (Sicobe), que atendam às especificações fixadas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, quando adquiridas por estabelecimentos industriais envasadores de bebidas, para atendimento ao disposto no art. 6º da Instrução Normativa RFB nº 869/2008 (Convênio ICMS nº 69/2006); FUNDAMENTO LEGAL XLIV LV XLIII XLIV XCV LII XXVI XIX XCVII LX CII LXXVI Farinha de mandioca (Convênio ICMS nº 59/1998) - saídas internas; II, b Fármacos e medicamentos, relacionados no Anexo Único do Convênio ICMS nº 87/2002, destinados a órgãos da administração pública direta e indireta federal, estadual e municipal e às suas fundações públicas; Fármacos e medicamentos relacionados no Convênio ICMS nº 103/2011, derivados do plasma humano coletado nos hemocentros de todo o Brasil, efetuado pela Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás); Fornecimentos de alimentação oriundos de aulas práticas efetuadas pelo Restaurante-Escola do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senai), Conselho Regional deste Estado, sem fins lucrativos, embora com cobrança do serviço (Convênio ICMS nº 5/1993); Fornecimentos de refeições sem fins lucrativos, em refeitório próprio, feitos por estabelecimentos industriais, comerciais ou produtores, diretamente a seus empregados, bem como por agremiações estudantis, instituições de educação ou de assistência social, sindicatos ou associações de classe, diretamente a seus empregados, associados, professores, alunos ou beneficiários, conforme o caso (Convênio ICM nº 1/1975); Fosfato de oseltamivir, classificado no código ou da NCM, vinculado ao Programa Farmácia Popular do Brasil-Aqui tem Farmácia Popular e destinado ao tratamento dos portadores da Gripe A (H1N1) - Convênio ICMS nº 73/2010; XXXIV CI XXXIV III XLVII Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 BA04-09

12 OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES BENEFICIADAS FUNDAMENTO LEGAL Fundação Casa de Jorge Amado - operações realizadas com produtos exclusivos e que tragam marca desta C entidade, objetivando a divulgação do trabalho do escritor Jorge Amado e da cultura da Bahia (Convênio ICMS nº 97/2011); Fundação Pró-Tamar - saídas de produtos que objetivem a divulgação das atividades preservacionistas vinculadas ao Programa Nacional de Proteção às Tartarugas Marinhas (Convênio ICMS nº 55/1992); Gêneros alimentícios para alimentação escolar até R$ ,00 por ano civil e por agricultor ou empreendedor, promovida por agricultor familiar e empreendedor familiar rural ou de suas organizações, diretamente à Secretaria Estadual e Municipal de ensino ou às escolas de educação básica pertencentes às suas respectivas redes de ensino, decorrentes do Programa de Aquisição de Alimentos - Atendimento da Alimentação Escolar, instituído pela Lei Federal nº /2003, no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), nos termos da Lei Federal nº /2009 (Convênio ICMS nº 143/2010); XXXIII XC Gêneros alimentícios regionais destinados à merenda escolar da rede pública de ensino promovidos por L pessoas físicas produtores rurais, cooperativas de produtores ou associações que as representem (Convênio ICMS nº 55/2011); Importação e as saídas, de equipamentos e insumos destinados à prestação de serviços de saúde, indicados no Anexo Único do Convênio ICMS nº 1/1999, desde que as operações não sejam tributadas ou tenham tributação com alíquota reduzida a zero, relativamente ao IPI ou ao imposto de importação; Importação e as saídas internas de mercadorias destinadas à ampliação do sistema de informática da Secretaria da Fazenda, sendo que a presente isenção será reconhecida mediante apresentação, pelo contribuinte, de planilha de custos na qual comprove a eficácia da desoneração do ICMS no preço final do produto (Convênio ICMS nº 61/1997); XXIV LI Insumos agropecuários relacionados no Convênio ICMS nº 100/1997; XVIII Leite de cabra (Convênio ICMS nº 63/2000); I, h Inseticidas, pulverizadores e outros produtos (importação) destinados ao combate à dengue, malária e febre amarela, sem similares produzidos no País, sendo que a ausência de similaridade será atestada por órgão federal competente ou por entidade representativa do setor de abrangência nacional; Itaipu Binacional - mercadorias destinadas a esta entidade; Leite pasteurizado do tipo especial, contendo 3,2% de gordura, dos tipos A e B, e de leite pasteurizado magro, reconstituído ou não, contendo 2,0% de gordura (Convênio ICM nº 25/1983) - saídas internas; Locomotiva do tipo diesel-elétrico e trilho, com potência máxima superior a HP, NCM e de trilho para estrada de ferro, NCM , sem similar produzido no País, para serem utilizados na prestação de transporte ferroviário de cargas (Convênio ICMS nº 32/2006); XCIII II, a LXXII Lojas francas (free-shops) instaladas nas zonas primárias dos aeroportos de categoria internacional e autorizadas pelo órgão competente do Governo Federal, saídas e entradas de produtos industrializados (Convênio V ICM nº 9/1979 e Convênio ICMS nº 91/1991); Insumos, matérias-primas, componentes, partes, peças, instrumentos, materiais e acessórios, destinados à fabricação de aeronaves (Convênio ICMS nº 65/2007); Máquinas, aparelhos e equipamentos, destinados ao Ativo imobilizado do importador fabricante de aeronave, desde que seja comprovada a ausência de produto similar nacional mediante atestado expedido por órgão federal competente ou por entidade representativa do setor produtivo dos referidos bens (Convênio ICMS nº 65/2007); Máquinas, aparelhos, equipamentos, suas partes e peças e materiais discriminados no Convênio ICMS nº 74/2002, quando adquiridos para construção do Sistema de Trens Metropolitanos de Salvador - Bahia (Metrô), objeto do contrato de empréstimo 4494-BR celebrado com o Banco Interamericano de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), desde que seja comprovada a ausência de similar produzido no País, atestada por laudo emitido por órgão federal competente ou por entidade representativa do setor produtivo de máquinas, aparelhos e equipamentos, com abrangência em todo o território nacional (Convênio ICMS nº 100/1997 e Convênio ICMS nº 62/2003); Máquinas, aparelhos e equipamentos, suas partes e peças e outros materiais relacionados com a instalação e operação da Ferrobahia Siderúrgica Ltda., no Estado da Bahia, bem como o diferencial de alíquotas; Máquinas, equipamentos, aparelhos, instrumentos, suas respectivas partes, peças e acessórios (importação), arrolados no Anexo Único do Convênio ICMS nº 10/2007, sem similares produzidos no País, efetuados por concessionária de prestação de serviços públicos de radiodifusão sonora e de sons e imagens de recepção livre e gratuita; Máquinas e equipamentos industriais, bem como suas partes e peças (importação), arrolados no Anexo Único do Convênio ICMS nº 133/2006, destinados a integrar o Ativo Imobilizado do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), para uso nas atividades de pesquisa, ensino e aprendizagem realizados por essas entidades; Máquinas e equipamentos para o uso exclusivo na agricultura e na pecuária, quando destinados a contribuintes abrangidos pelo Projeto Integrado de Exploração Agropecuária e Agroindustrial do Estado de Roraima; XLII LXXX XXXIII LII LXXVIII LXXVII LXVI BA Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 - Boletim IOB

13 OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES BENEFICIADAS Máquinas para limpar e selecionar frutas, classificadas no código da NBM/SH, sem similares nacionais, importadas diretamente do exterior e destinadas a integrar o Ativo Imobilizado do contribuinte, para uso exclusivo na atividade realizada pelo estabelecimento importador, sendo que a ausência de similaridade será atestada por órgão federal competente ou por entidade representativa do setor produtivo de máquinas, aparelhos e equipamentos, com abrangência em todo o território nacional (Convênio ICMS nº 93/1991); FUNDAMENTO LEGAL RICMS-BA/2012, art XXXI Material de uso ou consumo - Transferência interna; XXII, b Medicamentos de uso humano destinados ao tratamento de portadores do vírus da AIDS, bem como com os produtos intermediários e fármacos empregados em sua produção, todos indicados no Convênio ICMS nº 10/2002, observadas as condições definidas no acordo interestadual; Medicamentos e reagentes químicos, relacionados no Anexo Único do Convênio ICMS nº 9/2007, kits laboratoriais e equipamentos, bem como suas partes e peças, destinados a pesquisas que envolvam seres humanos, destinadas ao desenvolvimento de novos medicamentos, inclusive em programas de acesso expandido; Medicamentos relacionados no Convênio ICMS nº 140/2001, desde que a parcela relativa à receita bruta decorrente das operações esteja desonerada das contribuições do PIS/Pasep e Cofins; XXXI XL XXX Medicamentos usados no tratamento do câncer, relacionados no Anexo Único do Convênio ICMS nº 162/1994; CIII Medidores de vazão, condutivímetros e de aparelhos para o controle, registro e a gravação dos quantitativos medidos, que atendam às especificações fixadas pela Secretaria da Receita Federal (Convênio ICMS nº 69/2006); Mercadorias, bem como as prestações de serviços de transporte a elas relativas, destinadas a programas de fortalecimento e modernização das áreas fiscal, de gestão, de planejamento e de controle externo, dos Estados e do Distrito Federal, adquiridas através de licitações ou contratações efetuadas dentro das normas estabelecidas pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) - Convênio ICMS nº 79/2005; Mercadorias caracterizadas pela emissão e negociação do Certificado de Negócio Agropecuário (CDA) e do Warrant Agropecuário (WA), nos mercados de bolsa de balcão como ativos financeiros, instituídos pela Lei nº /2004 (Convênio ICMS nº 30/2006); Mercadoria com defeito ou avaria destinadas ao Centro Projeto Axé de Defesa e Proteção à Criança e ao Adolescente (Projeto Axé), sociedade civil sem fins lucrativos, bem como a saída subsequente por ele realizada em bazar beneficente, desde que a renda seja integralmente revertida para a entidade; Mercadorias de produção própria, saídas efetuadas por instituições de assistência social ou de educação, sem finalidade lucrativa, cujas vendas líquidas sejam integralmente aplicadas na manutenção de suas finalidades assistenciais ou educacionais, no País, sem distribuição de qualquer parcela a título de lucro ou participação (Convênio ICM nº 38/1982); Mercadorias e bens destinados à construção, ampliação, reforma ou modernização de estádio a ser utilizado na Copa do Mundo de Futebol de 2014; Mercadorias importadas do exterior para utilização no processo de fracionamento e industrialização de componentes e derivados de sangue ou na sua embalagem, acondicionamento ou recondicionamento, desde que as importações sejam realizadas por órgãos ou entidades de hematologia e hemoterapia dos governos federal, estadual ou municipal, sem fins lucrativos, e desde que tais importações sejam feitas com isenção ou com alíquota zero do Imposto de Importação (Convênio ICMS nº 24/1889); LXXV LXVIII LXXI) XLV XI LI XV Mercadorias para fins de assistência a vítimas de calamidade pública, bem como nas prestações de serviços II de transporte daquelas mercadorias, desde que o estado de calamidade tenha sido declarado por ato expresso do Poder Executivo Federal, Estadual ou Municipal, sendo as saídas decorrentes de doações a entidades governamentais ou a entidades assistenciais reconhecidas de utilidade pública e que atendam aos seguintes requisitos (Convênio ICM nº 26/1975); Mercadorias procedentes do exterior, destinadas a integrar o Ativo Imobilizado ou para uso ou consumo de órgãos estaduais da administração pública direta, suas autarquias ou fundações (Convênio ICMS nº 48/1993); Mercadorias relacionadas no Convênio ICMS nº 55/1998, quando destinadas a pessoas portadoras de deficiência física, auditiva ou visual; Missões diplomáticas, repartições consulares e representações de organismos internacionais de caráter permanente e respectivos funcionários estrangeiros indicados pelo Ministério das Relações Exteriores (fornecimento de energia elétrica, serviços de telecomunicação, importação de mercadorias, reforma de imóveis etc.); Obra de arte - importação - recebida em doação realizada pelo próprio autor ou quando adquirida com recursos da Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura (Convênio ICMS nº 59/1991); Obras de arte - Saídas de quaisquer estabelecimentos, quando decorrentes de operações realizadas pelo próprio autor (Convênio ICMS nº 59/1991); Obras de arte - Importação realizada pela Empresa de Turismo da Bahia S/A (Bahiatursa), destinadas a compor o acervo público do Museu Rodin - Bahia; Óleo comestível usado destinado à utilização como insumo industrial, especialmente na indústria saboeira e na produção de biodiesel (B-100) (Convênio ICMS nº 144/2007); Óleo lubrificante usado ou contaminado, coletados por estabelecimento coletor cadastrado e autorizado pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), com destino a estabelecimento rerrefinador ou coletor-revendedor (Convênios ICMS nºs 3/1990 e 38/2000); IX XX XL XXIX XXVIII XCII LXXXII XX Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 BA04-11

14 OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES BENEFICIADAS FUNDAMENTO LEGAL Ônibus, micro-ônibus, e embarcações, destinados ao transporte escolar e adquiridos pelos Estados, Distrito Federal e Municípios, no âmbito do Programa Caminho da Escola, do Ministério da Educação (MEC) - Convênio ICMS nº 53/2007; XLI Operações de comércio exterior, desde que não tenha havido contratação de câmbio: retorno, devolução, consignação, amostras, medicamentos etc. (Convênio ICMS nº 18/1995); XLI Ovinos e produtos resultantes do seu abate (Convênio ICMS nº 24/1995); I, e Ovos, nas operações internas (Convênio ICM nº 44/1975); III, a Paletes e contentores de propriedade de empresa relacionada em ato da Cotepe por mais de um estabelecimento, ainda que efetuados por terceira empresa, antes de retornar ao estabelecimento do qual tenham originalmente saído, observados os procedimentos definidos no Convênio ICMS nº 4/1999; Papel-moeda, moeda metálica e cupons de distribuição de leite, efetuados pela Casa da Moeda do Brasil (Convênio ICMS nº 1/1991); Pescado, exceto crustáceo, molusco e rã, sendo que o benefício não se aplica ao pescado enlatado, cozido, seco ou salgado - saídas internas; Pilhas e baterias usadas, após o esgotamento energético, que contenham em sua composição chumbo, cádmio, mercúrio e seus compostos e que tenham como objetivo sua reutilização, reciclagem, tratamento ou disposição final ambientalmente adequada (Convênio ICMS nº 27/2005); LVII RICMS-BA/2012, art. 266, XXV II, e XXXV Pintos de um dia (Convênio ICM nº 44/1975); b Plantas ornamentais e suas mudas; I, i Pneus usados, mesmo que recuperados de abandono, que tenham como objetivo sua reciclagem, tratamento ou disposição final ambientalmente adequada, exceto quando a saída for destinada a remoldagem, recapeamento, recauchutagem ou processo similar (Convênio ICMS nº 33/2010); LXXXVII Polpa de cacau (Convênio ICMS nº 39/1991); I, c Pós-larvas de camarão e reprodutores SPF - importação - (Livres de Patógenos Específicos), para fins de melhoramento genético, quando efetuada diretamente por produtores (Convênio ICMS nº 89/2010); LXXXVI Pós-larvas de camarão (Convênio ICMS nº 123/1992) e de reprodutores de camarão marinho produzidos no País (Convênio ICMS nº 89/2010); I, g Preservativos, classificados no código da NBM/SH, desde que o contribuinte abata do preço da mercadoria o valor equivalente ao imposto que seria devido se não houvesse a isenção, indicando expressamente no documento fiscal (Convênio ICMS nº 116/1998); XXIII Prestações de serviço de comunicação referentes ao acesso à Internet por conectividade em banda larga prestadas no âmbito do Programa Internet Popular; LV Prestações de serviços de transporte, desde que sejam atendidas as normas relativas à política de preservação ambiental: a) internas do estabelecimento produtor agropecuário com destino às centrais ou postos de coletas e recebimento de embalagens de agrotóxicos usadas e lavadas; b) interestaduais promovidas pelas centrais ou postos de coletas e recebimento de embalagens de agrotóxicos usadas e lavadas, prensadas, com destino a estabelecimentos recicladores; XCV Prestações internas de serviços de transporte de carga; XCIV Produtos e equipamentos relacionados no Convênio ICMS nº 84/1997, utilizados em diagnóstico em imuno- hematologia, sorologia e coagulação, quando destinados a órgãos ou entidades da administração pública XVII direta ou indireta, bem como a suas autarquias e fundações; Produtos farmacêuticos e fraldas geriátricas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), destinados às farmácias que façam parte do Programa Farmácia Popular do Brasil, bem como as operações por elas realizadas, com destino a pessoa física, consumidor final (Convênio ICMS nº 81/2008); Produtos hortifrutícolas relacionadas no Convênio ICM nº 44/1975, desde que não sejam destinados à industrialização; Produtos de artesanato - artesãos ou entidade de que este faça parte ou seja assistido; Produtos imunobiológicos, kits diagnósticos, medicamentos e inseticidas, relacionados no anexo do Convênio ICMS nº 95/1998, importados pela Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e pelo Ministério da Saúde, destinados às campanhas de vacinação, aos programas nacionais de combate à dengue, à malária, à febre amarela, e a outros agravos promovidos pelo Governo federal; Produtos manufaturados, de fabricação nacional - saídas efetuadas pelos respectivos fabricantes, quando destinados às empresas nacionais exportadoras de serviços relacionadas na forma do art. 1º do Decreto-lei nº 1.633/1978 (Convênio ICM nº 4/1979); Produtos não comestíveis, exceto couro, resultantes do abate de aves e de gado bovino, bufalino e suíno, realizadas por abatedouro que atenda as disposições da legislação sanitária federal e estadual - saídas internas; LXXXV I, a V LVI IX II, h Produtos para uso ou atendimento de deficientes físicos indicados no Convênio ICMS nº 126/2010; XLIX BA Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 - Boletim IOB

15 OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES BENEFICIADAS FUNDAMENTO LEGAL Produtos relacionados no Convênio ICMS nº 41/1991, sem similar nacional, importados do exterior diretamente pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE); XXVII Produtos resultantes das aulas práticas dos cursos profissionalizantes ministrados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) - Convênio ICMS nº 11/1993; XXXV Ração para larvas do camarão (importação), classificada no código NCM (Convênio ICMS nº 33/2008); LXXXIII Rações para animais e os insumos utilizados em sua fabricação, nas saídas interestaduais, relacionados nos Decreto nº /2012, incisos II, III, VI da cláusula primeira e incisos I, II, IV da cláusula segunda do Convênio ICMS nº 100/1997, art. 12, na redação cujos destinatários estejam domiciliados nos municípios relacionados nos Anexos I e II do Convênio ICMS nº dada pelo Decreto nº 54/2012; /2012 Reagente para diagnóstico da doença de chagas pela técnica de enzimaimunoesai (Elisa), NCM , destinada a órgão ou entidade da administração pública direta, suas autarquias e fundações, desde que seja LXXIX concedido e consignado no respectivo documento fiscal, desconto no preço da mercadoria, referente ao valor do imposto dispensado (Convênio ICMS nº 23/2007); Reprodutores e matrizes, ainda que não tenham atingido a maturidade para reprodução, de animais vacuns, ovinos, suínos e bufalinos, puros de origem, puros por cruza ou de livro aberto de vacuns (Convênio ICM nº VII 35/1977); Reprodutores ou matrizes de caprinos de comprovada superioridade genética, quando a importação for efetuada diretamente por produtores (Convênio ICMS nº 20/1992); XXXII Saídas de produtos farmacêuticos realizadas por órgãos ou entidades, inclusive fundações, da administração pública federal, estadual ou municipal, direta ou indireta, com destino a (Convênio ICM nº 40/1975): VI a) outros órgãos ou entidades da mesma natureza; b) consumidor final, desde que efetuadas por preço não superior ao custo dos produtos; Selos destinados ao controle fiscal federal, efetuadas pela Casa da Moeda do Brasil, condicionado o benefício à desoneração dos impostos e das contribuições federais (Convênio ICMS nº 80/2005); LXIX Sal de cozinha, fubá de milho e farinha de milho - saídas internas; II, d Sanduíche Big Mac realizado pelos integrantes da Rede MC Donald s (lojas próprias e franqueadas) que participarem do evento McDia Feliz, ocorrido durante um dia do mês de agosto de cada ano, dia do evento LXXXIX McDia Feliz, observando-se as seguintes condições (Convênio ICMS nº 106/2010); Serviços de telecomunicações utilizados por órgãos da administração pública estadual direta e suas fundações e autarquias mantidas pelo Poder Público estadual e regidas por normas de Direito Público, devendo o benefício ser transferido aos beneficiários, mediante a redução do valor da prestação, na quantia correspondente ao imposto dispensado (Convênio ICMS nº 107/1995); Transferências interestaduais de bens do ativo imobilizado e de bens de consumo realizadas pelas empresas prestadoras de serviços de transporte aéreo (Convênio ICMS nº 18/1997); Transferências internas de bens integrados ao Ativo Permanente e de materiais de uso ou consumo, assim entendidos os produtos que tenham sido adquiridos de terceiros e não sejam utilizados para comercialização ou para integrar um novo produto ou, ainda, de produtos que não sejam consumidos no respectivo processo de industrialização (Convênio ICMS nº 70/1990); Transporte de calcário, desde que vinculados a programas estaduais de preservação ambiental (Convênio ICMS nº 29/1993); Transporte ferroviário de carga vinculada a operações de exportação e importação de países signatários do Acordo sobre o Transporte Internacional (Convênio ICMS nº 30/1996); Transporte intermunicipal de passageiros, desde que com características de transporte urbano ou metropolitano, conforme estabelecido em ato do Secretário da Fazenda (Convênio ICMS nº 37/1989); Transporte rodoviário de passageiros realizado por veículos registrados na categoria de aluguel (táxi) - Convênio ICMS nº 99/1989; Tratores (importação) agrícolas de 4 rodas e de colheitadeiras mecânicas de algodão, classificados, respectivamente, nos códigos e da NBM/SH, procedentes do exterior, sem similar nacional, desde que (Convênio ICMS nº 77/1993): a) se destinem a integrar o Ativo Imobilizado, para uso exclusivo na atividade agrícola realizada pelo estabelecimento importador; b) sejam contemplados com isenção ou com alíquota reduzida a zero do Imposto sobre a Importação e do IPI; c) a inexistência de similaridade com o produto nacional seja atestada por órgão federal competente ou por entidade representativa do setor produtivo de máquinas, aparelhos e equipamentos, com abrangência em todo o território nacional; Tubos e conexões de PVC (NCM , e ), medicamentos e demais produtos relacionados no Anexo Único do Convênio ICMS nº 76/1994, materiais de expediente reciclados, fornecimento de refeição, destinadas a órgãos da Administração Pública Estadual Direta e suas Fundações e Autarquias (Convênio ICMS nº 26/2003) XLV L XXII XXXVI XV XVI XVIII XXXVII LXV Vasilhames, recipientes e embalagens, inclusive sacaria (Convênio ICMS nº 88/1991); XXX Veículos adquiridos pela Secretaria de Segurança Pública, vinculados ao Programa de Reequipamento Policial da Polícia Militar, e pela Secretaria da Fazenda, para reequipamento da fiscalização estadual (Convênio VI ICMS nº 34/1992); Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 BA04-13

16 OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES BENEFICIADAS Veículos adquiridos pelo Departamento de Polícia Federal, no âmbito do Fundo para Aparelhamento e Operacionalização das Atividades-Fim da Polícia Federal, instituído pela Lei Complementar nº 89/1997 e regulamentado pelo Decreto nº 2.381/1997 (Convênio ICMS nº 75/2000); Veículos destinados a pessoas portadoras de deficiência física, visual, mental ou autista, observados os critérios e procedimentos previstos no Convênio ICMS nº 38/2012; Veículos automotores destinados à Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) - Convênio ICMS nº 91/1998; Veículos automotores, máquinas e equipamentos, adquiridos ou importados pelos Corpos de Bombeiros Voluntários, constituídos e reconhecidos como de utilidade pública por lei municipal, para utilização em suas atividades específicas (Convênio ICMS nº 32/1995); Veículos de bombeiros, destinados a equipar os aeroportos nacionais, adquiridos pelo Ministério da Defesa, representado pelo Comando da Aeronáutica, através da Diretoria de Engenharia da Aeronáutica, por meio de licitação na modalidade da Concorrência nº 006/DIRENG/2000 (Convênio ICMS nº 76/2000); Veículos automotores, máquinas e equipamentos, para utilização exclusiva pelo Corpo de Bombeiros Militar, em suas atividades específicas, sendo que o benefício será reconhecido, caso a caso, mediante despacho do inspetor fazendário da circunscrição fiscal do domicílio do adquirente, mediante requerimento deste (Convênio ICMS nº 38/2006); FUNDAMENTO LEGAL XXVI XXXIX XXII XI XXVII XXXVIII Veículos nacionais, desde que isentos do IPI ou contemplados com a redução a zero da alíquota desse X imposto, e sob a condição de que haja reciprocidade de tratamento tributário, declarada, anualmente, pelo Ministério das Relações Exteriores, quando adquiridos por (Convênio ICMS nº 158/1994): a) missões diplomáticas, repartições consulares de caráter permanente e respectivos funcionários estrangeiros; b) representações de organismos internacionais de caráter permanente e seus funcionários estrangeiros; Veículos usados; X Zona Franca de Manaus - produtos industrializados, nas saídas para comercialização ou industrialização na ZFM, exceto armas, munições, perfumes, fumo, bebidas alcoólicas, automóveis de passageiros e açúcar de cana (Convênio ICM nº 65/1988). Nota XII É imprescindível que o contribuinte verifique no RICMS-BA/2012, especialmente nos arts. 264 e 265, as hipóteses de condições para que sejam concedidas as isenções. 8. Manutenção de créditos O contribuinte poderá manter os créditos fiscais relativos às entradas e aos serviços tomados em relação às operações ou prestações constantes no art. 264 do RICMS-BA/2012. ( caput) 9. Indicação da isenção no documento fiscal Quando a operação for beneficiada por isenção, essa circunstância será mencionada em todas as vias do documento fiscal, indicando-se o dispositivo pertinente da legislação, ainda que por meio de código, cuja decodificação conste no próprio documento fiscal. É vedado o destaque do imposto no documento fiscal quando a operação ou prestação for beneficiada por isenção, salvo se de outra forma estiver previsto na legislação. (RICMS-BA/2012, art. 55) 10. Consulta tributária É assegurado ao contribuinte, à entidade representativa de classe de contribuintes ou aos seus responsáveis, caso tenham dúvidas sobre questões tributárias, o direito de efetuar consulta à Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia (Sefaz/BA) sobre a interpretação e a aplicação da legislação tributária, em relação a fato determinado e de seu interesse. A consulta conterá a descrição completa e exata de matéria objeto da dúvida, bem como, se for o caso, BA Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 - Boletim IOB

17 a informação da ocorrência de fatos ou atos passíveis de gerar obrigação tributária principal, e será encaminhada via Internet. Ao diretor de tributação da Secretaria da Fazenda compete responder à consulta a respeito da legislação tributária estadual. (RPAF-BA/1999, arts. 55, 56 e 67, I) 11. Infrações e penalidades O contribuinte estará sujeito, entre outras penalidades, à multa de 60% do valor do imposto, quando houver destaque, no documento fiscal, de imposto em operação ou prestação não tributada, que possibilite ao adquirente a utilização do crédito fiscal. (Lei nº 7.014/1996, art. 42, II, c ) N a IOB Setorial Estadual Comercial - ICMS - Benefício fiscal nas operações interestaduais de mercadorias comercializadas por meio de Internet ou telemarketing O Estado da Bahia concede vários incentivos fiscais aos contribuintes localizados em seu território, inclusive aos comerciantes atacadistas, os quais foram beneficiados por meio do Decreto nº 7.799/2000. Um novo incentivo foi incluído nesse diploma legal pelo Decreto nº /2013, com vigência desde 1º , em relação às empresas de comércio eletrônico, cuja carga tributária foi bastante reduzida. A instituição desse novo incentivo é importante, segundo a Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia (Sefaz), pois o Estado deixava de arrecadar imposto nesse setor, uma vez que a maioria das empresas que praticam tais operações são da Região Sudeste do País. Incentiva-se, dessa forma, a instalação de centros de distribuição de empresas online na Bahia, favorecendo a atividade econômica e gerando empregos. Assim, nas saídas interestaduais de mercadorias comercializadas por meio de Internet ou telemarketing, destinadas a consumidor final, pessoa física ou jurídica não contribuinte do ICMS, fica concedido crédito presumido de forma que a carga tributária seja equivalente a 2% do valor da operação de saída, vedada a utilização do crédito relativo à operação de entrada. Para operar nesse regime de tributação, é necessário que o estabelecimento de onde sairão as mercadorias comercializadas via Internet ou telemarketing atue exclusivamente com este tipo de operação e que seja firmado termo de acordo com a Sefaz, para definição de critérios e procedimentos a serem observados. Não será exigida do estabelecimento a antecipação parcial do ICMS nas aquisições de mercadorias oriundas de outras Unidades da Federação. É permitido o funcionamento do estabelecimento que comercializa via Internet ou telemarketing no mesmo endereço de outro estabelecimento da mesma empresa ou do mesmo grupo econômico, caso em que: a) o estabelecimento que comercializa via Internet ou telemarketing não poderá dispor de estoque próprio e as entradas de mercadorias devem estar vinculadas às suas subsequentes saídas; b) nas saídas internas para o estabelecimento que comercializa via Internet ou telemarketing, ficam dispensados o lançamento e o pagamento do imposto referente à operação própria, sendo vedada a manutenção de crédito fiscal relativo às entradas e aos serviços tomados vinculados a essas operações, exceto em relação ao imposto retido ou antecipado que eventualmente tenha sido cobrado nas referidas entradas; c) as saídas internas de mercadorias enquadradas no regime de substituição tributária, destinadas ao estabelecimento que comercializa via Internet ou telemarketing não estão sujeitas à substituição tributária por retenção. Nos recebimentos de mercadorias enquadradas no regime de substituição tributária, o estabelecimento comercial atacadista, central de distribuição ou estabelecimento que comercializa mercadorias, exclusivamente via Internet ou telemarketing, poderá, mediante regime especial, ficar responsável pela retenção e pelo recolhimento do ICMS devido por substituição tributária nas saídas internas subsequentes. (Decreto nº /2013, art. 5º; N Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 BA04-15

18 a IOB Comenta Federal Tributos federais - Considerações sobre o processo administrativo-fiscal O processo de determinação e de exigência de créditos tributários da União, o processo de consulta sobre a aplicação da legislação tributária federal e outros processos administrativos relativos às matérias de competência da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) são regidos pelo Decreto nº 7.574/2011. Para efeito da legislação tributária, não têm aplicação quaisquer disposições legais excludentes ou limitativas do direito de examinar mercadorias, livros, arquivos, documentos, papéis e efeitos comerciais ou fiscais, dos empresários e das sociedades, ou da obrigação destes de exibi-los. São também passíveis de exame os documentos mantidos em arquivos magnéticos ou assemelhados, encontrados no local da verificação, que tenham relação direta ou indireta com a atividade exercida pelo sujeito passivo. A exigência do crédito tributário e a aplicação de penalidade isolada são formalizadas em autos de infração ou notificações de lançamento, distintos para cada tributo ou penalidade. Nas hipóteses de em exames posteriores, diligências ou perícias realizados no curso do processo serem verificadas incorreções, omissões ou inexatidões, de que resultem agravamento da exigência inicial, inovação ou alteração da fundamentação legal desta, será efetuado lançamento complementar por meio da lavratura de auto de infração complementar ou de emissão de notificação de lançamento complementar, específicos em relação à matéria modificada. Será concedida redução de 50% do valor da multa de lançamento de ofício ao sujeito passivo que, notificado, efetuar o pagamento ou a compensação do crédito tributário no prazo previsto para apresentar impugnação. No caso de apresentação de impugnação tempestiva, ou seja, no prazo legal, a redução será de 30%, caso o pagamento ou a compensação sejam efetuados no prazo de 30 dias, contados da data da ciência da decisão de primeira instância. Na hipótese de provimento a recurso de ofício interposto pela autoridade julgadora de 1ª instância, será aplicada a redução de 30% se o pagamento ou a compensação forem efetuados no prazo de 30 dias contados da ciência da decisão. A impugnação, formalizada por escrito, instruída com os documentos em que se fundamentar e apresentada em unidade da RFB com jurisdição sobre o domicílio tributário do sujeito passivo, bem como remetida por via postal no prazo de 30 dias, contados da data da ciência da intimação da exigência, instaura a fase litigiosa do procedimento. O julgamento de processos sobre a aplicação da legislação referente a tributos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, e os relativos à exigência de direitos antidumping e direitos compensatórios, compete em 1ª instância às Delegacias da Receita Federal do Brasil de Julgamento, órgãos de deliberação interna e natureza colegiada da Secretaria da Receita Federal do Brasil. A competência mencionada inclui, dentre outros, o julgamento de: a) impugnação a auto de infração e notificação de lançamento; b) manifestação de inconformidade do sujeito passivo em processos administrativos relativos a compensação, restituição e ressarcimento de tributos, inclusive créditos de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI); e c) impugnação ao ato declaratório de suspensão de imunidade e de isenção. O recurso voluntário total ou parcial, que tem efeito suspensivo, poderá ser interposto contra decisão de 1ª instância contrária ao sujeito passivo no prazo de 30 dias, contados da data da ciência da decisão. Esse recurso, mesmo perempto (fora do prazo para a interposição do recurso), deverá ser encaminhado ao órgão de 2ª instância, que julgará a perempção. O julgamento de recursos de ofício e os voluntários de decisão de 1ª instância e de recursos de natureza especial compete ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Note-se que caberá recurso especial à Câmara Superior de Recursos Fiscais, no prazo de 15 dias da ciência do acórdão ao interessado, de decisão que der à lei tributária interpretação divergente da que lhe tenha dado outra câmara, turma de câmara, turma especial ou a própria Câmara Superior de Recursos Fiscais BA Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 - Boletim IOB

19 O Carf foi criado pela Medida Provisória nº 449/2008, a qual foi convertida na Lei nº /2009, e instalado pelo Ministro de Estado da Fazenda, nos termos da Portaria MF nº 41/2009. Por seu turno, a Portaria MF nº 256/2009 aprovou o Regimento Interno do Carf, sendo que o seu texto está disponível para consulta no site da Receita Federal, em Institucional/ Regimento Interno. É importante destacar, por oportuno, que são definitivas as decisões: a) de 1ª instância, esgotado o prazo para o recurso voluntário sem que este tenha sido interposto; b) de 2ª instância, de que não caiba recurso ou, se cabível, quando decorrido o prazo sem a sua interposição; ou c) de instância especial. São também definitivas as decisões de 1ª instância na parte que não for objeto de recurso voluntário ou não estiver sujeita a recurso de ofício. Para efeito de elucidação, transcrevemos, a seguir, algumas súmulas consolidadas do Carf: Súmula CARF nº 1: Importa renúncia às instâncias administrativas a propositura pelo sujeito passivo de ação judicial por qualquer modalidade processual, antes ou depois do lançamento de ofício, com o mesmo objeto do processo administrativo, sendo cabível apenas a apreciação, pelo órgão de julgamento administrativo, de matéria distinta da constante do processo judicial. Súmula CARF nº 2: O CARF não é competente para se pronunciar sobre a inconstitucionalidade de lei tributária. Súmula CARF nº 6: É legítima a lavratura de auto de infração no local em que foi constatada a infração, ainda que fora do estabelecimento do contribuinte. Súmula CARF nº 7: A ausência da indicação da data e da hora de lavratura do auto de infração não invalida o lançamento de ofício quando suprida pela data da ciência. Súmula CARF nº 11: Não se aplica a prescrição intercorrente no processo administrativo fiscal. Súmula CARF nº 16: O direito ao aproveitamento dos créditos de IPI decorrentes da aquisição de matérias-primas, produtos intermediários e material de embalagem utilizados na fabricação de produtos cuja saída seja com isenção ou alíquota zero, nos termos do art. 11 da Lei nº 9.779, de 1999, alcança, exclusivamente, os insumos recebidos pelo estabelecimento do contribuinte a partir de 1º de janeiro de Súmula CARF nº 17: Não cabe a exigência de multa de ofício nos lançamentos efetuados para prevenir a decadência, quando a exigibilidade estiver suspensa na forma dos incisos IV ou V do art. 151 do CTN e a suspensão do débito tenha ocorrido antes do início de qualquer procedimento de ofício a ele relativo. Súmula CARF nº 18: A aquisição de matérias-primas, produtos intermediários e material de embalagem tributados à alíquota zero não gera crédito de IPI. Súmula CARF nº 20: Não há direito aos créditos de IPI em relação às aquisições de insumos aplicados na fabricação de produtos classificados na TIPI como NT. Súmula CARF nº 23: A autoridade administrativa pode rever o Valor da Terra Nua mínimo (VTNm) que vier a ser questionado pelo contribuinte do imposto sobre a propriedade territorial rural (ITR) relativo aos exercícios de 1994 a 1996, mediante a apresentação de laudo técnico de avaliação do imóvel, emitido por entidade de reconhecida capacidade técnica ou por profissional devidamente habilitado, que se reporte à época do fato gerador e demonstre, de forma inequívoca, a legitimidade da alteração pretendida, inclusive com a indicação das fontes pesquisadas. Súmula CARF nº 27: É valido o lançamento formalizado por Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil de jurisdição diversa da do domicílio tributário do sujeito passivo. Súmula CARF nº 31: Descabe a cobrança de multa de ofício isolada exigida sobre os valores de tributos recolhidos extemporaneamente, sem o acréscimo da multa de mora, antes do início do procedimento fiscal. Súmula CARF nº 45: O Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural não incide sobre áreas alagadas para fins de constituição de reservatório de usinas hidroelétricas. Súmula CARF nº 46: O lançamento de ofício pode ser realizado sem prévia intimação ao sujeito passivo, nos casos em que o Fisco dispuser de elementos suficientes à constituição do crédito tributário. Súmula CARF nº 47: Cabível a imputação da multa de ofício à sucessora, por infração cometida pela sucedida, quando provado que as sociedades estavam sob controle comum ou pertenciam ao mesmo grupo econômico. Súmula CARF nº 48: A suspensão da exigibilidade do crédito tributário por força de medida judicial não impede a lavratura de auto de infração. Súmula CARF nº 49: A denúncia espontânea (art. 138 do Código Tributário Nacional) não alcança a penalidade decorrente do atraso na entrega de declaração. Súmula CARF nº 50: É cabível a exigência de multa de ofício se a decisão judicial que suspendia a exigibilidade do crédito tributário perdeu os efeitos antes da lavratura do auto de infração. Súmula CARF nº 51: As multas previstas no Código de Defesa do Consumidor não se aplicam às relações de natureza tributária. Súmula CARF nº 70: É imune ao ITR o imóvel pertencente às entidades indicadas no artigo 150, VI, c, da Constituição, que se encontra arrendado, desde que a receita assim obtida seja aplicada nas atividades essenciais da entidade. Súmula CARF nº 72: Caracterizada a ocorrência de dolo, fraude ou simulação, a contagem do prazo decadencial rege-se pelo art. 173, inciso I, do CTN. (Medida Provisória nº 449/2008; Lei nº /2009; Decreto nº 7.574/2011, arts. 1º, 17, 18, 38, 41, 52, 56, 61, 73, 74, 75, 79 e 80; Portaria MF nº 41/2009; Portaria MF nº 256/2009) N Boletim IOB - Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 BA04-17

20 a IOB Perguntas e Respostas IPI Ativo Imobilizado - Importação de mercadoria 1) Na importação de mercadoria destinada ao Ativo Imobilizado, deve ser recolhido o IPI? Na operação de importação de mercadorias, em geral, ocorre o fato gerador do IPI, o qual é devido ainda que a importação seja relativa a bem destinado à incorporação ao Ativo Imobilizado do importador. (RIPI/2010, art. 35, I) Certidão negativa - Prazo de validade 2) Qual é o prazo de validade da certidão negativa de débitos de tributos e contribuições federais? O prazo de validade dessas certidões é de 180 dias contados da data de sua emissão. (Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 3/2007, art. 12) Classificação fiscal 3) Como são classificados os produtos na Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (TIPI)? Os produtos estão distribuídos na TIPI por seções, capítulos, subcapítulos, posições, subposições, itens e subitens. Far-se-á a classificação em conformidade com as Regras Gerais para Interpretação (RGI), Regras Gerais Complementares (RGC) e Notas Complementares (NC), todas da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM) e integrantes do seu texto. As Notas Explicativas do Sistema Harmonizado de Designação e de Codificação de Mercadorias (NESH), do Conselho de Cooperação Aduaneira na versão luso-brasileira, efetuada pelo Grupo Binacional Brasil/Portugal, e suas alterações aprovadas pela Secretaria da Receita Federal, constituem elementos subsidiários de caráter fundamental para a correta interpretação do conteúdo das posições e subposições, bem assim das notas de seção, capítulo, posições e de subposições da Nomenclatura do Sistema Harmonizado. (RIPI/2010, arts. 15, 16 e 17; TIPI - Decreto nº 7.660/2011) ICMS/BA Artefatos pré-moldados de cimento - Base de cálculo 4) Qual é a base de cálculo nas saídas de artefatos pré-moldados de cimento? A base de cálculo nas operações internas, com artefatos pré-moldados de cimento realizadas pelo fabricante, é reduzida, de forma que a carga tributária incidente corresponda a 12%: a) nas saídas destinadas à construção de moradias vinculadas ao Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV), instituído pela Lei federal nº /2009, e ao Programa Luz Para Todos, instituído pelo Decreto federal nº 4.873/2003; ou b) até , nas saídas para qualquer destinatário, não se aplicando o benefício nas saídas de postes. (RICMS-BA/2012, art. 268, XXXVI) Crédito presumido - Obras de arte adquiridas com isenção do imposto 5) Estabelecimento que adquire obras de arte com isenção do imposto tem direito a crédito? Sim. É concedido crédito para fins de compensação com o tributo devido nas saídas de obras de arte recebidas diretamente do autor com isenção do imposto, calculando-se o crédito presumido em montante igual a 50% do imposto incidente na operação de saída subsequente. (RICMS-BA/2012, art. 269, II) Obras de arte - Isenção 6) As saídas de obras de arte são isentas do ICMS? Sim. As saídas de obras de arte, de quaisquer estabelecimentos, são isentas do imposto, quando decorrentes de operações realizadas pelo próprio autor. ( XXVIII) BA Manual de Procedimentos - Jan/ Fascículo 04 - Boletim IOB

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO N. 19837, DE 19 DE MAIO DE 2015. PUBLICADO NO DOE N 2701, DE 19.05.2015. Incorpora as prorrogações de disposições de convênios que concedem benefícios fiscais, aprovadas pelo Convênio ICMS 27/2015,

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 ICMS-RS: GOVERNO DO ESTADO ESTABELECE DATA- LIMITE PARA BENEFÍCIOS FISCAIS: 31/12/2015

INFORMATIVO 14/2015 ICMS-RS: GOVERNO DO ESTADO ESTABELECE DATA- LIMITE PARA BENEFÍCIOS FISCAIS: 31/12/2015 Novo Hamburgo, 29 de junho de 2015. INFORMATIVO 14/2015 ICMS-RS: GOVERNO DO ESTADO ESTABELECE DATA- LIMITE PARA BENEFÍCIOS FISCAIS: 31/12/2015 Com a publicação do Decreto Estadual nº 52.392/2015, o Governo

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 23.235, DE 04 DE JANEIRO DE 2013.

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 23.235, DE 04 DE JANEIRO DE 2013. RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 23.235, DE 04 DE JANEIRO DE 2013. Altera o Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual

Leia mais

CIRCULAR ICMS / IPI : Atualização / 2003 ( Anula a Anterior) ÍNDICE

CIRCULAR ICMS / IPI : Atualização / 2003 ( Anula a Anterior) ÍNDICE ÁREA FISCAL Escrituração Fiscal. Assessoria geral de escrituração fiscal. Assessoria e atualização das legislações Federal, Estadual e Municipal. Assessoria nas Fiscalizações. CIRCULAR ICMS / IPI : Atualização

Leia mais

Art. 341. É suspensa a incidência do ICMS:

Art. 341. É suspensa a incidência do ICMS: Art. 341. É suspensa a incidência do ICMS: I - nas saídas internas, interestaduais e para o exterior, de mercadorias ou bens destinados a industrialização, conserto ou operações similares, bem como nos

Leia mais

Estado do Acre DECRETO Nº. 4.006 DE 31 DE MARÇO DE 2009.

Estado do Acre DECRETO Nº. 4.006 DE 31 DE MARÇO DE 2009. DECRETO Nº. 4.006 DE 31 DE MARÇO DE 2009.. Publicado no D.O.E n 10.020 de 1 de abril de 2009. Altera e acrescenta dispositivos ao Decreto nº 2.914, de 11 de abril de 2008. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC 18/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Áreas de Livre

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Santa Catarina. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Santa Catarina. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 09/2014 Santa Catarina // Federal/Estadual ICMS/IPI CFOP e CST.... 01 // IOB Setorial Federal Industrial - IPI - Retorno de industrialização por encomenda

Leia mais

IPI TABELAS PRÁTICAS ICMS - RS ANO XXI - 2010-5ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 31/2010

IPI TABELAS PRÁTICAS ICMS - RS ANO XXI - 2010-5ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 31/2010 ANO XXI - 2010-5ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 31/2010 IPI VALOR TRIBUTÁVEL - ATUALIZAÇÃO CONFORME O NOVO RIPI/10 Introdução - Valor Tributável - Inclusão do Frete e Das Demais Despesas

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 45.157, DE 17 DE JULHO DE 2007. (publicado no DOE nº 135, de 18 de julho de 2007) Modifica o Regulamento

Leia mais

I. Amostra Grátis... 17. I.1 Isenção do IPI...17. I.2 Isenção do ICMS...18. I.3 Valor da operação...19. I.4 Exemplo...19. II. Armazém Geral...

I. Amostra Grátis... 17. I.1 Isenção do IPI...17. I.2 Isenção do ICMS...18. I.3 Valor da operação...19. I.4 Exemplo...19. II. Armazém Geral... S U M Á R I O A I. Amostra Grátis... 17 I.1 Isenção do IPI......17 I.2 Isenção do ICMS.........18 I.3 Valor da operação.........19 I.4 Exemplo.........19 II. Armazém Geral...... 23 II.1 Suspensão do IPI......23

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio de Janeiro. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio de Janeiro. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 09/2014 Rio de Janeiro // Federal/Estadual ICMS/IPI CFOP e CST.... 01 // IOB Setorial Federal Industrial - IPI - Retorno de industrialização por encomenda

Leia mais

LEI Nº 12.839, DE 9 DE JULHO DE 2013

LEI Nº 12.839, DE 9 DE JULHO DE 2013 LEI Nº 12.839, DE 9 DE JULHO DE 2013 Reduz a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação e da Cofins- Importação incidentes sobre a receita

Leia mais

IPI TABELAS PRÁTICAS ICMS - SC LEGISLAÇÃO - SC ANO XXI - 2010-5ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 31/2010

IPI TABELAS PRÁTICAS ICMS - SC LEGISLAÇÃO - SC ANO XXI - 2010-5ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 31/2010 ANO XXI - 2010-5ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 31/2010 IPI VALOR TRIBUTÁVEL - ATUALIZAÇÃO CONFORME O NOVO RIPI/10 Introdução - Valor Tributável - Inclusão do Frete e Das Demais Despesas

Leia mais

Dispositivos Legais ICMS RJ

Dispositivos Legais ICMS RJ Dispositivos Aplicados na Emissão de Notas Fiscais. NOTAS FISCAIS SAÍDAS NÃO ESPECIFICADAS. Descrição CFOP Tratamento Dispositivos Natureza Operação D.E. F.E EX. ICMS IPI Bases legais Para Constar na Nota

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Paraíba. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Paraíba. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 34/2014 Paraíba // Federal IPI Transferência - Tratamento fiscal.... 01 // Estadual ICMS Consignação mercantil... 04 // IOB Setorial Estadual Alimentício

Leia mais

CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES

CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP - CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES A presente relação de códigos fiscais é baseada no Convênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

CÓDIGO DE GUIAS CFOP DE SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇO CFOP. Descrição da operação ou prestação. Interna Interestadual Importação

CÓDIGO DE GUIAS CFOP DE SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇO CFOP. Descrição da operação ou prestação. Interna Interestadual Importação CÓDIGO DE GUIAS CFOP DE SAÍDAS DE MERCADORIAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇO CFOP Interna Interestadual Importação 5.100 6.100 7.100 5.101 6.101 7.101 5.102 6.102 7.102 5.103 6.103 5.104 6.104 Descrição da operação

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada.

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. ANEXO 4.7 Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. Protocolo ICMS 19/1985 Alterações: Protocolo ICMS 09/1986, 10/1987, 53/91, 05/98, 07/2000, 12/06, 72/07,

Leia mais

ALERTA GERENCIAL. Alterações na Legislação Federal

ALERTA GERENCIAL. Alterações na Legislação Federal Edição nº 140 02 de março de 2015. ALERTA GERENCIAL Alterações na Legislação Federal A Medida Provisória nº 669, publicada no D.O.U. DE 27/02/2014, promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP)

ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) ICMS - Tabela - Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Este procedimento apresenta todos os Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) a serem utilizados nas operações de entrada e saída

Leia mais

1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços

1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - SAÍDA Sumário 1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP Das Saídas de Mercadorias, Bens ou Prestações de Serviços 1. INTRODUÇÃO Neste trabalho, dando continuidade

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio Grande do Sul. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio Grande do Sul. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 25/2014 Rio Grande do Sul Federal IOF Operações de seguro.... 01 Estadual ICMS Regime especial - Venda de mercadorias por meio de máquinas de autoatendimento.......................................

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Tocantins. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Tocantins. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 25/2014 Tocantins Federal IOF Operações de seguro.... 01 Estadual ICMS Programa governamental de benefício fiscal - Proindústria... 02 IOB Setorial Federal

Leia mais

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica

Emissão de Nota Fiscal Eletrônica Emissão de Nota Fiscal Eletrônica DANFE - Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica. É um documento que serve para acobertar a circulação da mercadoria. Impresso em via única; Validade em meio digital

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS COÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO PALESTRA

Leia mais

Visando facilitar as consultas sobre os CFOP, elaboramos quadro prático contendo os códigos vigentes e respectivas datas de aplicação.

Visando facilitar as consultas sobre os CFOP, elaboramos quadro prático contendo os códigos vigentes e respectivas datas de aplicação. 1. Introdução Os Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) visam aglutinar em grupos homogêneos nos documentos e livros fiscais, nas guias de informação e em todas as análises de dados, as operações

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Minas Gerais. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Minas Gerais. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 34/2014 Minas Gerais // Federal IPI Transferência - Tratamento fiscal... 01 // Estadual ICMS Consignação mercantil... 04 // IOB Setorial Estadual Orizícola

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CÓDIGOS DE OPERAÇÕES DE ENTRADAS 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO Classificam-se, neste grupo, as operações ou prestações em que o estabelecimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 086/2015. Autoriza o recebimento por doação de móveis usados da Caixa Econômica Federal e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 086/2015. Autoriza o recebimento por doação de móveis usados da Caixa Econômica Federal e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 086/2015. Autoriza o recebimento por doação de móveis usados da Caixa Econômica Federal e dá outras providências. Art. 1 o É o Município autorizado a receber por doação da Caixa Econômica

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações A presente relação de códigos fiscais é baseada noconvênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio Grande do Norte. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio Grande do Norte. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 34/2014 Rio Grande do Norte // Federal IPI Transferência - Tratamento fiscal... 01 // Estadual ICMS Tratamento fiscal nas operações de consignação mercantil....

Leia mais

Tabelas práticas. TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP

Tabelas práticas. TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP Tabelas práticas TABELA DE CFOP E CST è CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços As operações praticadas pelos contribuintes do

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. A) ENTRADAS: N=Novo

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. A) ENTRADAS: N=Novo CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL Entradas Saídas A) ENTRADAS: Novos Antigos N=Novo GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPO 3 GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPO 3 1100 2100 3100 110 210 310 * COMPRAS

Leia mais

Principais Benefícios Fiscais Relacionados à Copa do Mundo e aos Jogos Olímpicos. CIESP - Campinas Workshop - (25.10.2012)

Principais Benefícios Fiscais Relacionados à Copa do Mundo e aos Jogos Olímpicos. CIESP - Campinas Workshop - (25.10.2012) Principais Benefícios Fiscais Relacionados à Copa do Mundo e aos Jogos Olímpicos CIESP - Campinas Workshop - (25.10.2012) Benefícios Fiscais relacionados à Copa do Mundo no âmbito Federal RECOPA Lei nº

Leia mais

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS 1º/08/2014 Pergunte à CPA Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS Apresentação: José A. Fogaça Neto Simples Nacional Criado pela Lei Complementar 123/06, reúne oito tributos em um recolhimento unificado

Leia mais

PALESTRA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA CONSIDERAÇÕES GERAIS

PALESTRA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA CONSIDERAÇÕES GERAIS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO PALESTRA

Leia mais

Código Fiscal De Operações E Prestações CFOP

Código Fiscal De Operações E Prestações CFOP Código Fiscal De Operações E Prestações CFOP! Última alteração: Ajuste Sinief nº 004, de 2010, DOU de 13/7/2010 1. As operações praticadas pelos contribuintes do ICMS e/ou IPI estão relacionadas e codificadas

Leia mais

CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - ENTRADA

CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - ENTRADA CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - ENTRADA 1. Introdução 2. Grupos 3. CFOP de Entrada ou Aquisição de Serviço 1. INTRODUÇÃO Os Códigos Fiscais de Operações e Prestações - CFOP são códigos

Leia mais

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG 12/06/2014 Pergunte à CPA Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG Apresentação: Helen Mattenhauer Convênio e Protocolos CONVÊNIO: Constitui um acordo entre os Estados, cujo elaboração tem por

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO

ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO Sumário 1. Introdução 2. Antecipação tributária 3. Produtos sujeitos - Relação

Leia mais

Art. 3º O art. 293, do RICMS, aprovado pelo Decreto n.º 13.640, de 13 de novembro de 1997, passa a vigorar com. a seguinte redação: Art. 293... (...

Art. 3º O art. 293, do RICMS, aprovado pelo Decreto n.º 13.640, de 13 de novembro de 1997, passa a vigorar com. a seguinte redação: Art. 293... (... DECRETO Nº 17.706, DE 9 DE AGOSTO DE 2004. Altera o Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto n.º 13.640, de 13 de novembro de 1997, para dispor sobre isenção de produtos intermediários destinados à produção

Leia mais

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 IPI SUSPENSÃO - LEI Nº 10.637/2002 - PROCEDIMENTOS Introdução - Estabelecimentos Com Direito à Suspensão - Preponderância de Faturamento

Leia mais

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto.

Convém ressaltar, de início, que o benefício do diferimento não se confunde com a isenção ou com a suspensão do imposto. ICMS/SP - Diferimento - Tratamento fiscal 6 de Abril de 2010 Em face da publicação do Decreto nº 55.305/2009 - DOE SP de 31.12.2009, este procedimento foi atualizado (tópico 9 - bens do ativo imobilizado

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL. GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 KARIN CRISTINA IKOMA Consultora/Impostos CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES - CFOP CORRELAÇÃO GERAL A) ENTRADAS: NOVOS ANTIGOS GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO GRUPO N = Novo 1 2 3 1 2 3 1.100 2.100

Leia mais

Importação- Regras Gerais

Importação- Regras Gerais Importação- Regras Gerais 1 Conceito de Importação Podemos definir a operação de importação como um processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem (produto/serviço) do exterior para o país de

Leia mais

decorrentes de prestações de serviços de comunicação. 1.206 2.206 3.206 Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte

decorrentes de prestações de serviços de comunicação. 1.206 2.206 3.206 Anulação de valor relativo à prestação de serviço de transporte CFOP DE ENTRADA DE MERCADORIA/UTILIZAÇÃO DE SERVIÇO CFOP IMPORTAÇÃO DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO OU PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZA- ÇÃO OU PRESTAÇÃO DE

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO Agosto de 2015 Palestra DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS INTRERESTADUAIS Tributação do ICMS nas entradas de outra Unidade da Federação

Leia mais

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE AGOSTO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 33/2015

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE AGOSTO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 33/2015 ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE AGOSTO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 33/2015 IPI CRÉDITO DE IPI NAS AQUISIÇÕES DE ESTABELECIMENTOS ATACADISTAS... Pág. 335 ICMS MS/MT/RO CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRÔNICO

Leia mais

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar 24/09/2014 Substituição Tributária A substituição tributária do ICMS é um regime jurídico em que

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS

NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. DESCRIÇÃO DO SERVIÇO Instruções para preenchimento da Declaração de Operações Tributáveis - DOT que deverá ser entregue pela internet, com transmissão pelo programa Transmissão Eletrônica de Documentos

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA I Das entradas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços quarta-feira, 13 de maio de 2009 nmlkj Web nmlkji Site Pesquisa Home Institucional Produtos/Serviços Notícias Utilidades Classificados Contato Registre-se Entrar Utilidades» Tabela de CFOP CFOP E CST TABELA

Leia mais

1 de 33 2/3/2011 13:47

1 de 33 2/3/2011 13:47 1 de 33 2/3/2011 13:47 RICMS 2000 - Atualizado até o Decreto 56.692, de 27-01-2011. ANEXO V - CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES, PRESTAÇÕES E SITUAÇÕES TRIBUTÁRIAS (a que se refere o artigo 597 deste regulamento)

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. São Paulo. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. São Paulo. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 09/2014 São Paulo // Federal/Estadual ICMS/IPI CFOP e CST.... 01 // IOB Setorial Federal Industrial - IPI - Retorno de industrialização por encomenda - Classificação

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês;

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês; Créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados, a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos, calculados mediante a aplicação das alíquotas

Leia mais

CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO

CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO CLIPPING INFORMATIVO DESTAQUES 29/10 a 07/11/2013 LEGISLAÇÃO Decreto nº 8.138, de 06.11.2013 DOU de 07.11.2013 - Dispõe sobre os bens destinados à pesquisa e à lavra de jazidas de petróleo e gás natural

Leia mais

CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA. Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003

CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA. Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003 CURSO EAD ENSINO A DISTÂNCIA Anexo 10 - CFOP e CST - Vigência desde 01/01/2003 CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP - SEÇÃO I - CÓDIGO DE SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA - CST (Ajuste SINIEF 07/01) 002 CÓDIGO

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS

NÚCLEO DE METALMECÂNICAS NÚCLEO DE METALMECÂNICAS Incentivos fiscais e regimes especiais de tributação. Conceito de insumos para: ICMS, IPI, COFINS e PIS. REGULARIDADE, CONTROLES ELETRÔNICOS & INCENTIVOS FISCAIS DOIS conceitos

Leia mais

AJUSTE SINIEF 07/2001 DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS. Compra para industrialização ou produção p

AJUSTE SINIEF 07/2001 DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS. Compra para industrialização ou produção p TABELA CFOP - CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES AJUSTE SINIEF 07/2001 DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS Grupo 1 CFOPs Grupo 2 Grupo 3 DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO OU PRESTAÇÃO

Leia mais

PARECER Nº. 277/2013/GETRI/CRE/SEFIN Processo nº: 20100060000935

PARECER Nº. 277/2013/GETRI/CRE/SEFIN Processo nº: 20100060000935 Ementa: CONSULTA À LEGISLAÇÃO - TRIBUTAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL (LEASING) E SEUS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS RELACIONADOS. 1. Relatório A encaminhou a esta Gerência de Tributação,

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio Grande do Sul. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rio Grande do Sul. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 09/2014 Rio Grande do Sul // Federal/Estadual ICMS/IPI CFOP e CST.... 01 // IOB Setorial Federal Industrial - IPI - Retorno de industrialização por encomenda

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Distrito Federal. Federal/Distrito Federal. IOB Setorial. IOB Comenta

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Distrito Federal. Federal/Distrito Federal. IOB Setorial. IOB Comenta Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 09/2014 Distrito Federal // Federal/Distrito Federal ICMS/IPI CFOP e CST.... 01 // IOB Setorial Federal Industrial - IPI - Retorno de industrialização por

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 30 - Data 29 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS - IPI IMPORTAÇÃO POR CONTA

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014. Capítulo XX - IPI 2014

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014. Capítulo XX - IPI 2014 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014 Capítulo XX - IPI 2014 001 Estão sujeitos ao IPI os produtos resultantes de operações caracterizadas como industrialização, quando essas são também consideradas serviços

Leia mais

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015

ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 ANO XXVI - 2015 3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2015 IPI NOMENCLATURA COMUM DO MERCOSUL NCM PARTE I - CONSULTA À RECEITA FEDERAL... Pág. 101 ICMS RJ ESTADOS SIGNATÁRIOS DO PROTOCOLO

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Mato Grosso do Sul. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Mato Grosso do Sul. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 09/2014 Mato Grosso do Sul Aviso Importante Este fascículo contém folha extra do Calendário Mensal de Obrigações e Tabelas Práticas IOB referente ao mês de

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rondônia. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Rondônia. Federal/Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 09/2014 Rondônia // Federal/Estadual ICMS/IPI CFOP e CST.... 01 // IOB Setorial Federal Industrial - IPI - Retorno de industrialização por encomenda - Classificação

Leia mais

Sistema licenciado para CONTAX ORGANIZACAO CONTABIL S/C LTDA

Sistema licenciado para CONTAX ORGANIZACAO CONTABIL S/C LTDA Página: 01 1-000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1-100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS 1-101 Compra para industrialização 1-102 Compra para comercialização

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Soma do IPI ao total da NF Soma do 13/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1. Base de cálculo... 4 3.2. Emissão da Nota Fiscal com IPI... 5

Leia mais

TABELA DE CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) ENTRADAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS

TABELA DE CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) ENTRADAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS TABELA DE CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) ENTRADAS E PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Ajuste SINIEF n 4, de 9 de Julho de 2010 INTERNO INTERESTADUAL EXTERIOR OPERAÇÃO/ PRESTAÇÃO COMPRA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO,

Leia mais

PROGRAMA CURSO EXTENSÃO EM ICMS/RS

PROGRAMA CURSO EXTENSÃO EM ICMS/RS PROGRAMA CURSO EXTENSÃO EM ICMS/RS O curso abrangerá todo o Regulamento do ICMS/RS, desde o básico até a legislação avançada. Para fazer jus ao certificado o contratante deverá comprovar presença mínima

Leia mais

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se 001 Estão sujeitos ao IPI os produtos resultantes de operações caracterizadas como industrialização, quando essas são também consideradas serviços sujeitos ao ISS, relacionados na lista anexa à Lei Complementar

Leia mais

3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS.

3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU 2.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU 3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO OU PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

OBRIGAÇÕES ESTADUAIS/RS DE SETEMBRO DE 2015

OBRIGAÇÕES ESTADUAIS/RS DE SETEMBRO DE 2015 OBRIGAÇÕES ESTADUAIS/RS DE SETEMBRO DE 2015 04/09/2015 GIA/Água Natural Fornecedores de água natural canalizada Prazo para transmitir pela internet a GIA até o dia 4 do segundo mês subsequente da ocorrência

Leia mais

Tabela de Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Entradas e Prestações de Serviços

Tabela de Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Entradas e Prestações de Serviços Tabela de Códigos Fiscais de Operações e Prestações (CFOP) Entradas e Prestações de Serviços INTERNO INTERESTADUAL EXTERIOR OPERAÇÃO/ PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO

Leia mais

Códigos Fiscais de Operações e Prestações de Serviços - CFOP. 1.101 2.101 3.101 Compra para industrialização ou produção rural

Códigos Fiscais de Operações e Prestações de Serviços - CFOP. 1.101 2.101 3.101 Compra para industrialização ou produção rural Códigos Fiscais de Operações e Prestações de Serviços - CFOP INTERNO INTERESTADUAL EXTERIOR OPERAÇÃO/ PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRA PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO

Leia mais

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2010

IPI ICMS - SP LEGISLAÇÃO - SP ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2010 IPI ANO XXI - 2010-3ª SEMANA DE JULHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 29/2010 INDUSTRIALIZAÇÃO - DEFINIÇÕES E CONCEITOS CONFORME O NOVO RIPI/2010 Introdução - Industrial - Equiparados a Industrial - Aqueles

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Alterações da Lei 13.097 de 2015 para Tributação de Bebidas Frias IPI, PIS e COFINS

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Alterações da Lei 13.097 de 2015 para Tributação de Bebidas Frias IPI, PIS e COFINS Alterações da Lei 13.097 de 2015 para Tributação de Bebidas Frias IPI, PIS e COFINS 23/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA II Das saídas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços

TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES - CFOP. TABELA II Das saídas de mercadorias, bens ou aquisições de serviços Av. Visconde de Jequitinhonha, nº 279 Sala 205 Empresarial Tancredo Neves Boa Viagem Recife PE CEP: 51.021-190 Tel/Fax: (0**81) 3465.3055 E-mail: axiss@oi.com.br TABELA DE CFOP E CST CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES

Leia mais

PARECER Nº. 315/2013/GETRI/CRE/SEFIN

PARECER Nº. 315/2013/GETRI/CRE/SEFIN 1. RELATÓRIO: EMENTA: BASE DE CÁLCULO DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PROLEITE FATURAMENTO TOTAL É IGUAL AO TOTAL DE SAÍDAS, EXCETO AS SAÍDAS SUJEITAS À SUSPENSÃO. O contribuinte acima qualificado, nos termos do

Leia mais

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Ainda que a pessoa jurídica esteja submetida ao regime de incidência não-cumulativa, as receitas constantes do art. 8º da Lei nº 10.637, de 2002,

Leia mais

( RIPI/2010, art. 43, VII, art. 190, II, art. 191 e art. 497, e RICMS-SP/2000 - Decreto nº 45.490/2000 )

( RIPI/2010, art. 43, VII, art. 190, II, art. 191 e art. 497, e RICMS-SP/2000 - Decreto nº 45.490/2000 ) ICMS/SP - Industrialização - Operações triangulares de industrialização 20 de Agosto de 2010 Em face da publicação do novo Regulamento do IPI, aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010, este procedimento foi

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Amazonas. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Amazonas. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 25/2014 Amazonas // Federal IOF Operações de seguro.... 01 // Estadual ICMS Corredor de importação.... 03 // IOB Setorial Federal Farmacêutico - IPI - Requisitos

Leia mais

DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS A partir de 01 de janeiro de 2003 os contribuintes do ICMS passaram a adotar os novos Códigos Fiscais de Operações e Prestações com 4 (quatro) algarismos, o que tem gerado inúmeras dificuldades aos nossos

Leia mais

CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP

CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES CFOP DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS E BENS E DA AQUISIÇÃO DE SERVIÇO 1.000 - ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 - COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO

Leia mais

Cuidados Fiscais em operações envolvendo mercadorias. Recentes autuações no campo do ICMS.

Cuidados Fiscais em operações envolvendo mercadorias. Recentes autuações no campo do ICMS. CIRCULAR Nº 29/2012 São Paulo, 14 de Agosto de 2012. Cuidados Fiscais em operações envolvendo mercadorias. Recentes autuações no campo do ICMS. Prezado Cliente, A Secretaria da Fazenda vem intensificando

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Goiás. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Goiás. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 04/2014 Goiás // Federal IPI Base de cálculo.... 01 // Estadual ICMS Isenção.... 04 // IOB Setorial Estadual Informática - ICMS - Isenção do imposto nas operações

Leia mais

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) SAÍDAS

CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) SAÍDAS CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (CFOP) SAÍDAS INTERNO INTERESTADUAL EXTERIOR OPERAÇÃO/PRESTAÇÃO 5.100-6.100 7.100 VENDA DE PRODUÇÃO PRÓPRIA OU DE TERCEIROS 5.101 6.101 7.101 Venda de produção do

Leia mais

www.icmspratico.com.br Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Fortaleza, 06/06/14

www.icmspratico.com.br Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Fortaleza, 06/06/14 Fortaleza, 06/06/14 Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Em análise: I C M S Questões Atuais Arquivos Eletrônicos ICMS-ST com Material de Construção ICMS-ST com Supermercado/minimercado/atacadistas

Leia mais