6x,V1 A:X ~vnêd da5djo.. Sonia Gomes da Silva Auditora Chefe Substituta CRC/RJ n.? /0-0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6x,V1 A:X ~vnêd da5djo.. Sonia Gomes da Silva Auditora Chefe Substituta CRC/RJ n.? 047.903/0-0"

Transcrição

1 INMETRO RELATÓRIO DE AUDITORIA ORDINÁRIA FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO PROCESSO AUDIN PERíODO DA AUDITORIA DATA PÁGINA PA / /12/2013 a 13/12/2013 1/12 ÓRGÃO AUDITADO Superintendência do Inmetro no Estado do Rio Grande do Sul - SURRS EQUIPE AUDITORA NOME AREA Elvis Raul C. da Silva- Coordenador da Equipe Carlos Otávio de Almeida Afonso Leandro Nunes de Figueiredo Auditoria Interna - Audin Mayla de Aguiar Santos Vera Lucia Gonçalves Taveiros DETERMINAÇÃO DA AUDITORIA (SA) Ordem de Serviço n." 020/Audin, de 21 de novembro de RECOMENDAÇÃO AO AUDITADO ~ SIM - PARA PROVIDÊNCIAS E/OU JUSTIFICATIVAS - 30 DIAS A PARTIR DO RECEBIMENTO DO RELATÓRIO D NÃO DE ACORDO/ENCAMINHAMENTO Senhor Presidente, apresentamos o relatório referenciado e sugerimos o encaminhamento aos Órgãos externos e Unidades Principais do Inmetro a seguir relacionados: Controladoria - Geral da União do Estado do Rio de Janeiro - CGU/RJ; Superintendência do Inmetro no Estado do Rio Grande do Sul - SURRS; Gabin; Profe; Dimel; Dconf; Cgcre; Diraf; Ouvid; Dplan; e Cored. 6x,V1 A:X ~vnêd da5djo.. Sonia Gomes da Silva Auditora Chefe Substituta CRC/RJ n.? /0-0

2 PROCESSO AUDIN PÁGINA PA / /12 RELATÓRIO DE AUDITORIA ORDINÁRIA Senhora Auditora Chefe Substituta, Apresentamos o resultado da auditoria ordinária realizada na Superintendência do Inmetro no Estado do Rio Grande do Sul - SURRS, por determinação da Ordem de Serviço n" 020/Audin, de 21 de novembro de I -INTRODUÇÃO Nossos trabalhos foram realizados no período compreendido entre 09 e 13 de dezembro de 2013, com objetivo de avaliar os atos e fatos ocorridos na SURRS, no período de novembro/2012 a outubro/2013, assim como certificar-se de que Superintendência encontra-se adequadamente estruturada para a execução da Metrologia e Avaliação da Conformidade, de acordo com o Regimento Interno do Inmetro. Inicialmente, cabe registrar que a Representação do Inmetro no Estado do Rio Grande do Sul foi criada por intermédio da Portaria Inmetro n." 169, de 29 de novembro de 1990, para atender, em caráter emergencial, a execução das atividades metrológicas no Estado do Rio Grande do Sul, uma vez que o Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná manifestou-se, na ocasião, no sentido de não ter possibilidades de prosseguir executando as atividades metro1ógicas além dos limites territoriais do seu Estado. Em 13 de julho de 2006, mediante o Decreto n." 5.842, foi criada na Estrutura Regimental do Inmetro a Superintendência do Inmetro no Estado do Rio Grande do Sul- Super/RS, tendo sido destinado para aquela Superintendência o cargo de Superintendente, com o cargo em comissão de gratificação Código DAS-IOIA. Por intermédio do Decreto n." 7.938, de 19 de fevereiro de 2013, e Portaria MDIC n." 165, de 02 de abril de 2013, o Inmetro teve sua estrutura regimental alterada, antes regulamentada pelo Decreto n" , em 28 de novembro de 2007, e Portaria MDICno. 82, de 1 de abril de A SURRS é um órgão descentralizado que compõe a estrutura regimental do Inmetro, conforme a Portaria MDIC n." 165, de 02 de abril de 2013, e tem como competência, de acordo com o artigo 116, desempenhar as atribuições legais da Autarquia em suas respectivas circunscrições, atuar no apoio ao desenvolvimento das atividades delegadas à RBMLQ-I nas suas execuções orçamentárias e financeiras, e cumprir as diretrizes e determinações emanadas pela Presidência do Inmetro. Registramos a Ordem de Serviço n. 04/09 que criou o Escritório de Representação do Instituto de Pesos e Medidas do Paraná no Rio Grande do Sul, que utiliza a estrutura do Inmetro no Rio Grande do Sul para a execução dos seus trabalhos e, nomeou o Procurador Chefe do Inmetro para exercer a Direção Executiva do referido Escritório. Cabe registrar, que, de acordo com a Ordem de Serviço n." 020/2011, o Diretor-Presidente do Ipem/PR resolve exonerar o servidor Marcelo Silveira Martins, matrícula IpemlPR sob o n." , da função de Diretor Executivo do Escritório de Representação do Instituto de Pesos e Medidas do Paraná, no Rio Grande do Sul e nomear o servidor Gilmar de Togni, matrícula IpemlPR sob n." , para assumir as funções de Diretor Executivo do Escritório de Representação do Instituto de Pesos e Medidas do Paraná. FOR-AUDIN Rev Apr. Abr/13 - Pg 01/02

3 PROCESSO AUDIN PÁGINA PA / /12 Nossos exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria geralmente praticadas no Serviço Público, sem que qualquer restrição nos tenha sido imposta por parte da SURRS, quanto ao método e/ou extensão dos nossos trabalhos, que foram desenvolvidos na sede da Superintendência, localizada na Avenida Berlim, n.? 627, São Geraldo - Porto Alegre/RS, atualmente sob a direção da atual Superintendente, Camila Herzog Koch DOS EXAMES REALIZADOS Os exames foram conduzidos serviço público. de acordo com as normas de auditoria geralmente praticadas no A classificação da auditoria realizada na SURRS, conforme a Instrução Normativa MF/SFC n? 01, de 06 de abril de 2001 foi a Auditoria de Avaliação de Gestão. O objetivo é o exame das peças que instruem os processos de tomada ou prestação de contas; exame da documentação comprobatória dos atos e fatos administrativos; verificação da eficiência dos sistemas de controles administrativo e contábil; verificação do cumprimento da legislação pertinente; e avaliação dos resultados operacionais e da execução dos programas de governo quanto à economicidade, eficiência e eficácia dos mesmos. Cabe registrar que a SURRS apresentou as respostas e/ou esclarecimentos efetuados pela Audin, por intermédio da Solicitação da Auditoria - SA n." 01, de 21/ , quando da nossa chegada, em 09/12/2013. As análises e as devidas constatações foram procedidas por esta equipe de auditoria, sendo os assuntos de maior relevância tratados no presente relatório. 1- ÁREA FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA Demonstrativos Percentuais I Pendência de Exercícios Anteriores No que tange aos demonstrativos percentuais dos exames realizados, bem como a existência de pendências das auditorias anteriores, observamos o seguinte: a) Demonstrativo percentual dos exames realizados: Na seleção dos itens componentes dos trabalhos realizados, utilizamos amostragem de forma aleatória, não probabilística, sendo que na área de gestão orçamentária e financeira, a seleção dos processos de despesa se deu pela análise da resposta à SA - Solicitação da Auditoria, previamente encaminhada à SURRS, no qual a Superintendência apresentou um demonstrativo contemplando os processos abertos em 2012 e 2013 (até o mês de outubroi2013), bem como os de natureza contínua, sendo incluídos por esta equipe os processos de diárias e os de suprimento de fundos, concedidos no período de novembro/2012 a outubro/2013, conforme demonstrativo a seguir:

4 PA / /12 Tipo de Despesa Processos existentes na Percentual Analisado SURRS Processos Analisados (%) Quantidade Valor (R$) Quantidade Valor (R$) Em relação à quantidade Em relação ao valor Emergencia , ,00 50,00 24,29 Dispensa de licitação , ,00 4,82 60,11 Inexigibilidade * * , ,00 0,32 0,12 Pregão SRP , Pregão Eletrônico , ,65 23,68 16,72 Tomada de Preço , Indenização , Suprimento de Fundos , ,00 6,63 8,99 Diárias * l.l09.495, ,55 0,81 0,94 Total Geral ,. -.,.... *Obs.: As diárias correspondem ao quantitanvo de pedido de concessao de diárias, sendo dividido entre: SGI: ~ R$ ,20 ~ SCDP: 694 ~ R$ ,89. **Obs.2: As inexigibilidades se dividem da seguinte forma: CRONO: 255 ~ R$ ,52 ~ e GERAL: 57 ~ R$ ,88. b) Atendimento às recomendações da auditoria anterior: PA / Item 1.1. Resposta acatada, tendo em vista que a SURRS apresentou a destinação dos bens adquiridos. Recomendamos que a SURRS passe a apensar aos respectivos processos, os estudos quantitativos realizados para suas compras. c) Determinações dos Órgãos de Controle Em cumprimento à recomendação n.? 1, inerente ao subitem 1.1.2, do Relatório Anual de Contas n.? , referente à auditoria realizada pela CGU-RegionaI/RJ, bem como Plano de Providências Permanente do Inrnetro, procedemos a análise visando a verificação da implementação de ações, em atendimento a determinação do Órgão de Controle, conforme segue: N do Processo: 4331/2013 Interessado: Surrs/Diinfl Geinf Contratada: CTZ Consultoria & Informática Ltda. CNPJ: / Objeto: Manutenção e suporte à infraestrutura de tecno1ogia da informação Modalidade: Pregão Eletrônico (n.? 27/2013) 1 sem SRP Tipo de Licitação: Menor preço por item - Serviço. Elementos de despesa: Fonte: 250 FOR-AUDIN ~ Rev Apr. Abr/13 - Pg 01/02

5 PA / /12 No Pregão Eletrônico n.? 27/2013, foi exigido atestado de capacidade técnica que comprovasse a experiência de, no mínimo, horas de prestação do serviço objeto do referido Pregão, sendo que o total da estimativa de serviços (horas de trabalho - 12 meses) a serem contratados era de horas, sendo desproporcional em relação ao objeto pretendido, por equivaler a mais de 50% da quantidade do objeto a ser contratado, fato já apontado pela CGU em outra ocasião, para o Pregão n 87/2012. Vale registrar que o Edital do Pregão Eletrônico n." 27/2013 é datado de 03 de maio de 2013, e o certame ocorreu em 20 de maio de 2013, é dizer, em data anterior ao Relatório n." da Controladoria Regional da União no Estado do Rio de Janeiro, referente à Auditoria Anual de Contas Exercício 2012 do Inmetro. Ou seja, a Surrs ainda não tinha conhecimento dessa recomendação à época do referido certame licitatório, mas já tinha conhecimento da constatação feita pela CGU, para quem respondeu enviando a Nota Técnica n Surrs/00l/2013, de 15/05/2013, posteriormente contestada pela CGU no próprio Relatório de Auditoria Anual de Contas. Dessa forma, houve no Pregão Eletrônico n." 27/2013 o descumprimento ao art. 30, inciso II, da Lei n 8.666/93, e à jurisprudência do TCU, à semelhança do que já tinha apontado a CGU para o Pregão n 87/ Que a Surrs se abstenha de exigir como critério de habilitação técnica, salvo em casos devidamente justificados, comprovantes de experiência em quantidades que ultrapassem 50% da quantidade do objeto a ser contratado, em observância ao art. 30, inciso 11, da Lei n 8.666/93, e à jurisprudência do TCU Transporte Avaliação do Cadastro das Viaturas Comentário: Verificamos na "Ficha Cadastro de Veículo" constante no Sistema de Gestão Integrada - SGI, que para o campo "Grupo" só há duas opções: "Representação"; e "Área Afim [sic]"; o que não corresponde às classificações da IN n." 03/2008. Além disso, o "Mapa de Controle do Desempenho e Manutenção do Veículo" não apresenta o campo "Grupo", quando da emissão do respectivo relatório pelo SGI Que a Surrs apresente as devidas medidas, para adequar a emissão desses formulários, minimamente de acordo, com os campos exigidos pela IN D. 03/2008 da SL TI.

6 PA / / Processos de Despesas Em verificações efetuadas nos processos selecionados por amostragem, constatamos a necessidade de uma melhor formalização dos processos de despesas existentes na Superintendência, utilizando como base as orientações da Portaria MPOG n." OS/2002 e Lei n." 9.784/1999, tendo em vista as seguintes observações: Volumes de processos ultrapassando as 200 folhas; Ausência de preenchimento dos termos de encerramento e abertura de novos volumes, nos moldes da Portaria MPOG n.? OS/ Que a SURRS providencie a formalização dos processos de despesas com base nas legislações vigentes, que dispõe sobre os aspectos formais e de controle administrativo de processos. Processo n." 7233/2012 Interessado: Cored Favorecido: Ubermec Construtora e Comércio de Equipamentos CNPJ n." / Objeto: Aquisição de veículo oficial tipo misto passageiro/furgão Forma de Contratação: Pregão Eletrônico Valor Estimado: R$ ,00 Valor do Contrato: R$ ,00 Valor Auditado R$ ,00 Ltda-ME com adaptações De acordo com as verificações procedidas no processo em epígrafe, verificamos que não há documentação que comprove que a empresa atende ao item 4.5 do Termo de Referência, ocasionando o descumprimento do art. 11, inciso IV, do Decreto n." 5.450, de 31 de maio de Na ocasião do emplacamento, após mumeras recusas por parte do DetranlRJ, foi que se constatou que a Ubermec Construtora e Comércio de Equipamentos Ltda., não possuía nas suas atividades, classificação que a permitisse emitir documentação para emplacamento do veículo, diretamente do fabricante para o consumidor final. A Contratada, por sua vez ofereceu emplacar o veículo em seu nome e em seguida transferi-lo para o Inmetro (fls. 245), gerando até emissão de nova Nota Fiscal DANFE n." 1093, de 24/06/2013. O procedimento foi aceito pelo Inmetro, com a emissão do novo Termo de Recebimento Definitivo, de 09 de julho de 2013, bem como atesto a Nota Fiscal DANFE supramencionada.

7 PA / /12 Cabe registrar ainda que não evidenciamos no processo nenhuma penalidade prevista no capítulo 18 do Edital, em decorrência do descumprimento do item 4.5 do Termo de Referência Que a SURRS apresente os devido esclarecimentos acerca das irregularidades evidenciadas no processo em epígrafe. Outro fato que cabe registro e o devido esclarecimento é a aquisição do citado veículo, pela SURRS, cujo interessado e usuário é a Cored. De acordo com a Portaria Inrnetro n." 165/2013, a Cored é um órgão de assistência direta e imediata ao Presidente do Inrnetro, não pertencente à estrutura da SURRS. Importante registrar ainda, que de acordo com a Portaria Inrnetro n." 165/2013, o Inrnetro conta em sua estrutura com o Serviço de Material e Compras - Semco e com a Comissão Permanente de Licitação - CopeI. A aquisiçao realizada na SURRS, para uso e emplacamento no Rio de Janeiro, ocasionou embaraços e atraso de até sete meses para a liberação do uso do veículo adquirido Que a SURRS apresente esclarecimentos acerca da aquisição de veículo para uso da Cored, localizada no Rio de Janeiro, ter sido realizada na sua sede em Porto Alegre. Processo n.? 12099/2012 Interessado: Geinf Favorecido: Compuserv Informática Ltda. CNPJ n." / Objeto: Locação de Computadores Forma de Contratação: Dispensa de Licitação por Emergencialidade Valor do Contrato: R$ 6.750,00 Valor Auditado R$ 6.750, Constatamos nas fls. 20 do presente processo justificativa para contratação de empresa para locação de 30 computadores pelo período de 75 dias, tendo em vista que o Inrnetro decidiu não renovar os Contratos n." 57 e 58/2008, referentes a locações dos computadores, e optou por adquiri-los, ocorrendo paralelamente dois pregões 55 e , que forçava, por conta do não fracionamento, que estas 30 máquinas fossem incorporadas ao mesmo processo.

8 PA / /12 o certame contemplava a aquisição de 235 máquinas de alta complexidade, logo as máquinas que substituiriam as locadas, não puderam, a partir da decisão, obedecer a seu próprio planejamento e sim do grande certame, que fez ocorrer um lapso de tempo entre o término dos contratos 57 e 58/2008 e a possibilidade de substituí-los por máquinas próprias e novas. A decisão não foi tomada em data anterior, permitindo que esses computadores entrassem no rito normal do certame ora realizado, porque a prática remete a um padrão de trabalho em que todo término de contrato é acusado pelo sistema em até 90 dias de antecedência, que esse período viabiliza uma licitação de porte pequeno. Entretanto, quando da inclusão em um certame excepcional de 235 máquinas de alta complexidade, leva pelo menos oito meses seu término, por envolver grandes multinacionais da área. Após análise da justificativa, não ficou claro se os pregões 55 e 56/2012, para aquisição de 235 máquinas de alta complexidade eram para atender somente a SURRS ou ao Inmetro também, visto que a SURRS mantinha os Contratos 57 e 58/2008, que com o término dos mesmos gerou o presente processo para locação de apenas 30 computadores, e que a decisão foi do Inmetro em não renovar os citados contratos. Outro fato que não está claro é o término dos contratos 57 e 58/2008, visto que se tratar de serviço continuado, em tese, os mesmo poderiam ser prorrogados até 2013, fato que não consta a data dos contratos e suas publicações. Conforme consta no processo 90 dias de antecedência é suficiente, dentro do planejamento da SURRS, para realizar uma licitação de pequeno porte, logo não está claro de onde saiu à decisão de entrar no certame que fatalmente comprometeria o planejamento, gerando com isso contratação emergencial Que a SURRS apresente os devidos esclarecimentos acerca da contratação por emergencialidade, inerente aos pontos elencados na análise. N.O do Processo: 510/13 Data: 15/01/2013 Interessado: Sersa Favorecido: Blue Engenharia Ltda CNPJ: / Objeto: Contratação de empresa para elaboração de projeto executivo para reforma da Regional Sersa Forma de contratação: Pregão Eletrônico de n? 23/2013, de 24/04/2013. Lei n /02 Contrato n": 037/2013 Valor do Contrato: R$ ,00. Valor total auditado: R$ , O referido processo foi instituído visando a contratação de empresa para elaboração de projeto básico, projeto legal e projeto executivo, incluindo todos os seus elementos, aprovações legais, orçamentos, cronogramas físicos financeiros e especificações para o prédio da sede do Setor Regional de Santo Ângelo-RS.

9 PA / /12 Identificamos que na justificativa efetuada pela SURRS para o processo em tela, relatou-se algumas exigências, como serviços técnicos profissionais especializados em engenharia elétrica e eletrônica (sistema de proteção contra descargas atmosféricas-spda, instalações elétricas, telefonia, sonorização, antenas coletivas de TV, circuito fechado de TV-CFTV, sistema de cabeamento estruturado); hidráulico, sanitário e estrutural. Relata-se ainda na referida justificativa que há uma carência de integrantes do corpo técnico da SURRS que garantam a realização direta dos serviços, objeto do termo de referência para o atendimento das atuais demandas da Instituição, motivo esse pelo qual contrataram empresa em epígrafe. o Inmetro possui uma Divisão de Engenharia e Projetos para execução de obras e instalações dos imóveis do Inmetro e aqueles que são administrados pelo mesmo, e que no ato da necessidade de serviços de engenharia, deve ser solicitado tais serviços à Divisão de Engenharia do Inmetro. Entretanto, não consta nos autos essa solicitação, para a confecção do projeto em questão. Identificamos ainda, que houve descumprimento da Cláusula Quinta do objeto contratual, no que tange ao prazo de entrega, descumprindo o art. 66 da Lei n 8.666/1993. Recomendações: Recomendamos à SURRS apresentar esclarecimentos acerca do descumprimento do contrato, conforme determina o arte66 da Lei n 8.666/ , Recomendamos à SURRS apresentar esclarecimentos acerca da elaboração de projeto por empresa contratada, sendo da competência e atribuição da Divisão de Engenharia do Inmetro, conforme artigos 78 e 80 da Portaria n" 165, de 02/04/ Setor de Patrimônio Conforme análise procedida nos processos de compra n." 16830/2012, no valor de R$ ,00, identificamos que a SURRS adquiriu 02 terrenos, sito à Av. Ceará, n 2135 e n 2145, os quais tiveram suas escrituras definitivas datada de 28/12/2012. Os mesmos foram cadastrados no SPIUnet na data de 16/ , conforme consulta realizada no sítio do SPIUnet. Importante registrar ainda, que de acordo com a Portaria Inmetro n." 165/2013, o Inmetro conta em sua estrutura com o Serviço de Material e Compras - Semco e com a Comissão Permanente de Licitação - Copel, e diante da análise realizada no presente processo não constatamos justificativa para a aquisição do imóvel não ter sido realizada pelo Inrnetro/RJ.

10 PA / / Que a SURRS apresente esclarecimentos acerca da aquisição dos terrenos, sito à Av. Ceará nos2.135 e 2.145, sendo competência do InmetrolRJ Suprimento de Fundos Procedemos à análise, por amostragem, com base na legislação federal, Decreto n.os /1986, 1672/1995, 6370/2008, Decreto-Lei n." 200/1967, Lei n." 4.320/1964 e Portaria MF n." 95/2002, nos processos de Concessão de Suprimento de Fundos emitidos no período de novembro/2012 a outubro/2013, sendo constatado o que segue: Processo n.o Irrezularídades Pagamento de estacionamentos, apresentação de recibo e não nota fiscal, no valor 172/2013 de R$ 45,00 e R$ 60,00, e balsa no valor de R$ 18,25,3 (três) vezes, contrariando o que determina o art. 63, da Lei Federal n." 4.320/1964. Pagamento SERVIÇO DE REPROGRAFIA, apresentação de recibo e não nota fiscal, no valor de R$ 8,55, contrariando o que determina o art. 63, da Lei Federal n.? 4.320/1964. Pagamento de estacionamento do Hotel Estoril, com apresentação de recibo, no valor de R$ 15,00, contrariando o que determina o art. 63, da Lei Federal n." 4.320/ Que a SURRS apresente esclarecimento acerca da aprovação da prestação de contas do suprido com apresentação de recibo e não nota fiscal, em cumprimento ao que determina o art. 63, da Lei Federal n /1964. Outro fato constatado foi o descumprimento do limite de saque previsto no inciso Il, 6, do art. 45, do Decreto Federal n." /1986, que é de 30%, sendo que no exercício de 2012 os saques efetuados pela SURRS representaram 66,42% dos suprimentos efetivamente utilizados e no período de janeiro a outubro de 2013 foi de 63,34% Que a SURRS apresente esclarecimentos e/ou justificativas acerca do descumprimento do limite de 30% para saque, em cumprimento ao que determina o inciso 11, 6, do art. 45, do Decreto Federal n / Concessão de Diárias Ao analisarmos as diárias concedidas ao servidor Marcelo Silveira Martins, que conforme dados extraídos do Sistema de Gestão Integrada - SGI encontra-se, latada na SURRS, em conformidade com a Portaria Inmetro n.? 308/2011, e exercendo o cargo de Procurador-Chefe do Inmetro.

11 PA / /12 Identificamos o deslocamento, do servidor em questão, semanalmente para o Rio de Janeiro, para exercer as funções atribuídas no art. 34, da Portaria n.? 165, de 2 de abril de 2013, o qual trata das competências da Procuradoria Que a Surrs apresente o devido esclarecimento do deslocamento semanal do servidor Tendo em vista as atribuições da Coordenação-Geral da Rede Brasileira de Metrologia Legal e Qualidade - Cored descritas no art. n.? 30 da Portaria n.? 165, de 2 de abril de 2013, e sendo o servidor Omer Pohlmanm Filho, coordenador desta, identificamos nos PCDs n." 108/13, 1499/13, 3016/13, 1843/13 e 5416/13 que este não recebe diárias, porém, são emitidas passagens com ônus à Administração às quintas e sextas-feiras, com destino a Porto Alegre e retomo às segundas-feiras ao Rio de Janeiro. Destacamos ademais, que a justificativa para as solicitações de passagens são: "Coordenar a Equipe de lnformática da SURRS responsável pelo Desenvolvimento, Manutenção e Implantação do SGI em todos os Órgãos da RBMLQ-r difere das atribuições competentes a Cored Que a Surrs apresente justificativa para as viagens realizadas pelo servidor Omer Pohlmanm Filho com permanência fora de seu local de lotação em fins de semana, bem como esclareça as justificativas apresentadas para esta permanência e a sua relação com a Portaria n." 165, de 02 de abril de 2012, a qual descreve as atribuições da Cored. No que concerne ao pagamento de diária aos servidores do Estado do Paraná lotados no Escritório de Representação do IpemlPR no Estado do Rio Grande do Sul, voltamos a constatar o pagamento de diárias com base na legislação Federal, Decreto n.? 5.992/1992, e suas alterações, contrariando o que preconiza o art. 1, do mesmo instrumento legal, fato este já constatado em auditoria anterior, objeto do Processo de Auditoria n." PA / Ademais, destacamos que o assunto em questão, está consolidado entre a Auditoria Interna do Inmetro e a Procuradoria Federal- Profe Que a Surrs quando da concessão de diárias aos servidores do Estado do Paraná observe o estabelecido no Decreto Estadual n." 3.498/2004, e ainda Lei Complementar Estadual n." 104/2004, e Lei Estadual n," 6.174/1970, sem prejuízo de cessar a utilização do Decreto Federal n." 5.992/1992 e alterações.

12 2 - ÁREAS DE METROLOGIA LEGAL E AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PA / /12 o resultado das análises das respostas, bem como das constatações feitas por parte da Diretoria de Metrologia Legal, pelo técnico da Dimel, e por parte da Diretoria da Avaliação da Conformidade, pelos técnicos da Dconf, serão apresentados pelas próprias Diretorias mediante relatórios específicos que serão encaminhados posteriormente pela Auditoria Interna. Ill-CONCLUSÃO: Encerrado o trabalho de auditoria ordinária, realizado na Superintendência do Inmetro no Estado do Rio Grande do Sul - SURRS constatamos que a mesma vem desenvolvendo as atividades de forma regular com ressalva, sendo necessário que o Órgão promova o saneamento das recomendações encontradas neste relatório de n.o s 1.1.2, , , , , , , , , , , , , e Rio de Janeiro, 13 de dezembro de ean ro Nunes de F~~ Auditor/ Audin CRC/RJ/n. o /0-7 ~e~g~n~ Auditora/ Audin CRAlRJ/n G~~~ A,~~ Carlos Otávio de Almeida Afonso Auditor/ Audin CRA/MA n." 2655 ~\sr2-{~ Vera Lucia Gonçalves Taveiros Auditora/ Audin CRCIRJ/n.o /0-9 Coordenador da Equipe CRC/RJ/n.o /0-2 <,...~.&o~~.o\.ov..}{aj~ ~~nia Gomes da Silva Auditora Chefe Substituta CRC/RJ/n.o /0-0 FOR-AUDIN Rev. 04 -Apr. Abr/13 - Pg 01/02

RELATÓRIO DE AUDITORIA ORDINÁRIA FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO. 1/04 a 17/05/2013

RELATÓRIO DE AUDITORIA ORDINÁRIA FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO. 1/04 a 17/05/2013 FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO PERÍODO DA AUDITORIA DATA 1/04 a 17/05/2013 1/13 ÓRGÃO AUDITADO Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial do Maranhão Inmeq/MA EQUIPE AUDITORA NOME AREA

Leia mais

Os exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria geralmente praticadas no serviço público.

Os exames foram conduzidos de acordo com as normas de auditoria geralmente praticadas no serviço público. FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO PERÍODO DA AUDITORIA DATA De 07/10/2012 a 03/11/2012 1/9 ÓRGÃO AUDITADO Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Tocantins - Ipem/TO EQUIPE AUDITORA NOME Valmir

Leia mais

29/10/2013 a 14/11/2013. Coordenação Geral da Rede Brasileira de Metrologia Legal e Qualidade Cored

29/10/2013 a 14/11/2013. Coordenação Geral da Rede Brasileira de Metrologia Legal e Qualidade Cored FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO Norma de Origem: Nig Audin 001 três PERÍODO DA AUDITORIA DATA 29/10/2013 a 14/11/2013 1/ 9 ÓRGÃO AUDITADO Coordenação Geral da Rede Brasileira de Metrologia

Leia mais

De 13/05/2012 a 09/06/2012

De 13/05/2012 a 09/06/2012 FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO PERÍODO DA AUDITORIA DATA De 13/05/2012 a 09/06/2012 1/10 ÓRGÃO AUDITADO Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Roraima Ipem/RR EQUIPE AUDITORA NOME Valmir

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Parecer nº 013/Audin INMETRO/SITAD/NÚMERO DO PROTOCOLO

Leia mais

1. ÁREA FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA.

1. ÁREA FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA. Parecer n.º 017/Audin INMETRO/SITAD/NÚMERO DO PROTOCOLO 52600. / 2011 Ref.: Análise das respostas apresentadas pela SURRS, às recomendações contidas no Relatório de Auditoria Ordinária n.º PA- 730-014/2011,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Parecer nº 043/Audin INMETRO/SITAD/NÚMERO DO PROTOCOLO

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Parecer nº. 018/Audin INMETRO/SITAD/NÚMERO DO PROTOCOLO

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO 01/06 1 DOS OBJETIVOS 1.1 Definir normas para elaboração dos contratos de aquisição de materiais, prestação de serviços gerais e prestação de serviços e obras de engenharia. 1.2 Normatizar os procedimentos

Leia mais

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras

G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S. VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras G E S T Ã O D E C O M P R A S P O R R E G I S T R O D E P R E Ç O S VALDIR AUGUSTO DA SILVA Gestão Estratégica de Compras Portal de Compras SUMÁRIO O Sistema de Registro de Preços do Governo do Estado

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA RAAAI 2004 I - INTRODUÇÃO

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA RAAAI 2004 I - INTRODUÇÃO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA RAAAI 2004 I - INTRODUÇÃO A da Universidade Federal do Amazonas apresenta o seu Relatório Anual de Atividades de, com base no Decreto nº. 3.591/2000,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PA-410-007/2012-O. Senhor Auditor Chefe,

PA-410-007/2012-O. Senhor Auditor Chefe, FINANCEIRA, CONTÁBIL E ADMINISTRATIVA - RAO PERÍODO DA AUDITORIA DATA De 1º/10 a 05/11/2012 1/12 ÓRGÃO AUDITADO Instituto de Metrologia e Qualidade do Estado de Alagoas Inmeq/AL EQUIPE AUDITORA NOME Deise

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

PROJETO BÁSICO 1. OBJETO

PROJETO BÁSICO 1. OBJETO PROJETO BÁSICO 1. OBJETO O presente Projeto tem por objeto a aquisição e instalação de um aparelho de ar condicionado para a Delegacia de Polícia Federal na cidade de Araguaína/TO. 2. ESPECIFICAÇÃO DO

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO. PORTARIA Nº 372/2014-GR, de 17 de março de 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO. PORTARIA Nº 372/2014-GR, de 17 de março de 2014. PORTARIA Nº 372/2014-GR, de 17 de março de 2014. A DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, e tendo em vista o que consta no Processo UFRPE Nº 23082.022258/2012-41,

Leia mais

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015.

PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 7.965, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015. Atualiza o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações, instituído no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

PORTARIA Nº PGE - 089/2012

PORTARIA Nº PGE - 089/2012 PORTARIA Nº PGE - 089/2012 O PROCURADOR GERAL DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 32 da Lei Complementar nº 34, de 06 de fevereiro de 2009, considerando a necessidade de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MEDIANTE LICITAÇÃO, INCLUSIVE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE,

Leia mais

PARECER Nº 03/2013. C ON S U L T A

PARECER Nº 03/2013. C ON S U L T A PARECER Nº 03/2013. EMENTA: CONSULTA DIVERSA. DOCUMENTAÇÃO PRECÁRIA. PARECER ABSTRATO. RESPEITO AOS PRAZOS DA COMISSÃO DE TRANSMISSÃO DE CARGOS E DE PRESTAÇÃO DE CONTAS. RESOLUÇÃO N. 1311/12 E N. 1060/05

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25004.005767/2007-09 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS O Conselho de Administração do Instituto de Gestão em Saúde - Instituto Gerir, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 1/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

DECRETO Nº 23581. De 09 de janeiro de 2006

DECRETO Nº 23581. De 09 de janeiro de 2006 DECRETO Nº 23581 De 09 de janeiro de 2006 Cria a Comissão de Locação de Imóveis e estabelece procedimentos para celebração, prorrogação e rescisão de contratos de locação. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS,

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº. 03/2007 Setor: Licitações, Contratos e Convênios (CCC e DCF) Período: 02/07/2007 a 10/08/2007 Legislação Aplicada: - Lei nº. 8.666/93 - Lei nº. 11.170/2005 - Decreto nº. 3.931/01

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 PORTARIA Nº 1.382 DE 23 DE OUTUBRO DE 2012 O Reitor da Universidade Federal de UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições vem, nos termos do inciso XI do art. 26 do Regimento Geral da UNIFAL-MG e do art. 119

Leia mais

PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 1.998, DE 22 DE ABRIL DE 2015. Institui o macroprocesso da fase de Gestão de Contratos de Tecnologia da Informação e Comunicações no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO

JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO JULGAMENTO DE RECURSO ADMINISTRATIVO EMENTA: Edital 0259/2013-08, seleção de empresa especializada para prestação de serviços na área de condução de veículos oficiais da frota da Superintendência Regional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

Portaria nº 37, de 13 de abril de 2009.

Portaria nº 37, de 13 de abril de 2009. Portaria nº 37, de 13 de abril de 2009. Disciplina os procedimentos para concessão de diárias e passagens, no âmbito da Fundação Cultural Palmares. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES, no uso das

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013

PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 1. O que é Registro de Preços? PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistemática de Registro de Preços Versão: 06/12/2013 O Sistema de Registro de Preços é "o conjunto de procedimentos para seleção de proposta

Leia mais

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO DGA Nº 81, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 #Estabelece procedimentos para registro, no SICONV, de informações referentes a Convênios com OBTV. O Coordenador da Administração Geral, no uso de suas atribuições,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO PROCESSO Nº : 23000086135/2007-34 UNIDADE AUDITADA : CEFET/BAMBUI CÓDIGO UG : 153195 : BAMBUI RELATÓRIO Nº : 189721 UCI EXECUTORA : 170099 RELATÓRIO DE AUDITORIA

Leia mais

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda:

DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009. O PREFEITO MUNICIPAL DE ANANINDEUA, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e ainda: 1 DECRETO nº. 11.698, de 16 de janeiro de 2009 Regulamenta, no âmbito da Administração pública municipal, o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº. 8.666, de 21 de junho de 1993, e

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DE RORAIMA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização para ajuste de jornada de trabalho

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002/2010 ESTABELECE NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Diretor Presidente

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCL Sistema de Compras e Licitações Versão: 1.0 Aprovada em: 17/12/2010 Unidade Responsável: Departamento de Compras e Licitações

Leia mais

PORTARIA Nº 488, DE 22 DE MAIO DE 2012

PORTARIA Nº 488, DE 22 DE MAIO DE 2012 PORTARIA Nº 488, DE 22 DE MAIO DE 2012 Business Online Comunicação de Dados Disciplina a distribuição da competência para licitação e contratação entre a Administração Central e as respectivas Superintendências

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 007/2009 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPPG PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO PROPLAN Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL CONTROLE INTERNO 1/9 1 - DOS OBJETIVOS 1.1 Regulamentar os procedimentos para a concessão de incentivos à empresas industriais, comerciais e de serviços no Município com base na Legislação Municipal e no artigo 174 da

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08297.001142/2007-01 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

MANUAL PRÁTICO PARA CADASTRO DE MATERIAL E REQUISIÇÃO DE COMPRA NO SIPAC.

MANUAL PRÁTICO PARA CADASTRO DE MATERIAL E REQUISIÇÃO DE COMPRA NO SIPAC. MANUAL PRÁTICO PARA CADASTRO DE MATERIAL E REQUISIÇÃO DE COMPRA NO SIPAC. 1. CONSULTA DE MATERIAL 1.1. NÃO, O MATERIAL NÃO CONSTA NO CATÁLOGO 1.2. SIM, O MATERIAL CONSTA NO CATÁLOGO 2. CADASTRO DE MATERIAL

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº. 03/2008 Setor: Licitações, Contratos e Convênios (CCC e DCF) Período: 09/06/2008 a 30/06/2008 Legislação Aplicada: - Lei nº. 8.666/93 - Lei nº. 11.170/2005 - Decreto nº. 3.931/01

Leia mais

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005.

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no artigo 15, 3º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e artigo 11 da Lei Federal nº 10.520, de 17 de julho

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23087.000109/2007-14 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

I - Proposto: pessoa que viaja e presta contas da viagem realizada;

I - Proposto: pessoa que viaja e presta contas da viagem realizada; 1 PORTARIA MEC 403/2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 403, DE 23 DE ABRIL DE 2009 Dispõe sobre a solicitação, autorização, concessão e prestação de contas de diárias, passagens

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013

PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 PORTARIA NORMATIVA N 06/2013 de 16 DE DEZEMBRO de 2013 Dispõe sobre a concessão, aplicação e prestação de contas de suprimento de fundos no âmbito do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Santa Catarina

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Relatório de Demandas Externas n 00190.012047/2013-59 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

Relatório de Demandas Externas

Relatório de Demandas Externas Presidência da República Controladoria-Geral da União Secretaria Federal de Controle Interno Relatório de Demandas Externas Número: 00217.000986/-96 Unidade Examinada: DELEGACIA DE POLICIA FEDERAL EM FOZ

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

NOR - PRO - 506 BAIXA DE BENS MÓVEIS EM DECORRÊNCIA DE EXTRAVIO OU DANO ADMINISTRAÇÃO DIRETA

NOR - PRO - 506 BAIXA DE BENS MÓVEIS EM DECORRÊNCIA DE EXTRAVIO OU DANO ADMINISTRAÇÃO DIRETA 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer normas e procedimentos para a baixa de bens móveis do patrimônio de um ente deste Município, em decorrência de extravio ou dano. 2. AMPLITUDE 2.1. No âmbito da Administração

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO 1. A empresa prestadora de serviços de trabalho temporário pode ter mais de uma atividade econômica? Sim. Desde que a atividade de locação de mão-de-obra

Leia mais

PORTARIA UFERSA/GAB Nº 428/2009, 04 de Maio de 2009

PORTARIA UFERSA/GAB Nº 428/2009, 04 de Maio de 2009 PORTARIA UFERSA/GAB Nº 428/2009, 04 de Maio de 2009 O Reitor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto do Ministério da Educação de 30 de julho de 2008,

Leia mais

EDITAL Nº 038 DE 13 DE AGOSTO DE 2014

EDITAL Nº 038 DE 13 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA, TECNICA E TECNOLÓGICA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA EDITAL Nº 038 DE 3 DE AGOSTO DE 204 SELEÇÃO

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA DE SÃO PAULO - SAMAS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Capitulo I - Objetivo. Artigo 1º - O presente regulamento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços.

CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. CURSO Elaboração de Especificações de Itens para o Catálogo de bens, materiais e serviços. FRANCISCO JOSÉ COELHO BEZERRA Gestor de Registro de Preços Fortaleza 26 a 28/11/2014 SORAYA QUIXADÁ BEZERRA Gestora

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 01/06/2006 Emissão inicial 05/06/2007 Primeira Revisão Elaborado: 05/06/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Revisado: 05/06/2007

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de Viagens Retenção de Tributos por Entidades Públicas Federais na Intermediação de 17/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002, de 12 de março de 2014. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROAD Disciplina no âmbito da UDESC os procedimentos

Leia mais

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03

SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 SÓLAZER CLUBE DOS EXECEPCIONAIS - ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE ESPORTE CNPJ 28.008.530/0001-03 Capítulo I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade

Leia mais

Presidência da República - Controladoria-Geral da União - Secretaria Federal de Controle Interno

Presidência da República - Controladoria-Geral da União - Secretaria Federal de Controle Interno Presidência da República - Controladoria-Geral da União - Secretaria Federal de Controle Interno Certificado: 201203352 Unidade Auditada: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. R E S O L V E INSTRUÇÃO NORMATIVA N 008, DE 27 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO Modelo 1B da Instrução Normativa n.º 85/2012 CÂMARA MUNICIPAL DE PINHÃO - PR RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO Exercício de 2012 1. Normatização do Sistema e Histórico Legal O sistema de controle interno da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI Nº 002/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI Nº 002/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA DO SISTEMA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - STI Nº 002/2015 DISPÔE SOBRE AS NORMAS E PROCEDIMENTOS NO TOCANTE À AQUISIÇÃO, LOCAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE, HARDWARE, SUPRIMENTOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO GERÊNCIA DE AUDITORIA TOMADA DE CONTAS ANUAL SIMPLIFICADA RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 18/2007/GEAUD/CISET/MD TIPO DE AUDITORIA : AVALIAÇÃO DE GESTÃO EXERCÍCIO

Leia mais

MANUAL PRÁTICO PARA CADASTRO DE MATERIAL E REQUISIÇÃO DE COMPRA NO SIPAC.

MANUAL PRÁTICO PARA CADASTRO DE MATERIAL E REQUISIÇÃO DE COMPRA NO SIPAC. MANUAL PRÁTICO PARA CADASTRO DE MATERIAL E REQUISIÇÃO DE COMPRA NO SIPAC. 1. CONSULTA DE MATERIAL 1.1. NÃO, O MATERIAL NÃO CONSTA NO CATÁLOGO 1.2. SIM, O MATERIAL CONSTA NO CATÁLOGO 2. CADASTRO DE MATERIAL

Leia mais

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014.

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos:

Art. 3º A diária será devida pela metade nos seguintes casos: Orientações para Solicitação e Prestação de Contas de Diárias de acordo com o Decreto nº 3328-R, de 17 de junho de 2013. DIÁRIAS Diárias são indenizações pagas antecipadamente para cobrir despesas com

Leia mais

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 1. PREÂMBULO O CEADEC - Centro de Estudos e Apoio ao Desenvolvimento,

Leia mais

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005.

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005. PORTARIA 328/R-06 DE 22 DE JUNHO DE 2006. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo artigo 39, inciso XX, do Regimento Geral da UFRN; CONSIDERANDO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014. Estabelece orientações acerca do registro eletrônico de frequência dos servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 612, DE 16 DE MARÇO DE 2007. Dispõe sobre a implantação do Sistema de Registro de Preços nas compras, obras e serviços contratados pelos órgãos da

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO

Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO Ministério das Relações Exteriores Secretaria de Controle Interno Coordenação-Geral de Auditoria RELATÓRIO DE AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2013 PROCESSO : 09144.000037/2014-14 RELATÓRIO : 06/2014 UNIDADE

Leia mais

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032)

PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) PROJETO DE ORGANISMO INTERNACIONAL EDITAL Nº 3/2008 (BRA/03/032) SELECIONA PROFISSIONAL, COM O SEGUINTE PERFIL: CONSULTOR (Consultor por Produto - Serviços Não Continuados) Consultor Especialista em Projetos

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA DECRETO N.º 2356/2013 Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, e dá outras providências. Rosane Minetto Selig, Prefeita Municipal de Ouro

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA - PAINT EXERCÍCIO

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA - PAINT EXERCÍCIO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA INTERNA -

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS 1 APRESENTAÇÃO A Coordenação de Controle e Expedição de Diárias da Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba,

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais