SOLUÇÕES DE CONSULTA PIS/ COFINS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOLUÇÕES DE CONSULTA PIS/ COFINS"

Transcrição

1 Av. Paulista, 475-3º andar / 7º andar conjunto A - CEP São Paulo - SP Tel: (55 11) Fax: (55 11) SOLUÇÕES DE CONSULTA PIS/ COFINS I NOVAS DECISÕES ADMINISTRATIVAS... 2 A) ENERGIA ELÉTRICA, EM CONDOMÍNIO INDUSTRIAL, NA EXISTÊNCIA DE DOCUMENTO DE COBRANÇA, COM AFERIÇÃO PRECISA E INEQUÍVOCA DA EXATA QUOTA DE ENERGIA CONSUMIDA GERA CRÉDITO NA MEDIDA DE SEU CONSUMO... 2 B) PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DISPONIBILIZAÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS E EDITORIAIS OU DE CONTEÚDOS INTERATIVOS E MÍDIA, ACESSÍVEIS MEDIANTE A TELEFONIA MÓVEL NAS DIVERSAS FORMAS, MODALIDADES E PLATAFORMA TECNOLÓGICAS, POR MEIO DA TELEFONIA FIXA NAS DIVERSAS FORMAS, MODALIDADES E PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS, BEM COMO VIA INTERNET, WIRELESS E MEIO TELEVISIVOS E DIGITAIS, NÃO SOFREM A RETENÇÃO DE PIS E COFINS C) REVENDA DE PRODUTOS SUJEITOS AO REGIME MONOFÁSICO PODEM SER INCLUÍDOS, PARA FINS DE RATEIO PROPORCIONAL, NA APURAÇÃO DE CRÉDITOS DE DESPESAS GERAIS D) DESPESAS COM PUBLICIDADE, PROPAGANDA E QUALQUER FORMA DE DIVULGAÇÃO NÃO GERAM CRÉDITO DE PIS E COFINS E) ADMINISTRADORAS DE CARTÕES DE CRÉDITO PODEM DESCONTAR CRÉDITOS EM RELAÇÃO AOS SERVIÇOS DE COBRANÇA BANCÁRIA F) ATIVIDADE DE LOCAÇÃO DE COISAS NÃO GERA DIREITO A CRÉDITO DE PIS E COFINS, MESMO NO REGIME NÃO CUMULATIVO G) PAGAMENTO PELA UTILIZAÇÃO DE TERRENO PÚBLICO NÃO GERA CRÉDITO DE PIS E COFINS H) COMBUSTÍVEL GASTO EM FROTA PRÓPRIA NÃO GERO CRÉDITO DE PIS E COFINS I) GASTOS COM EDIFICAÇÕES E BENFEITORIAS NÃO ATIVADAS NÃO GERAM CRÉDITO DE PIS E COFINS J) BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS NA IMPORTAÇÃO DE SOFTWARE DE PRATELEIRA É O VALOR ADUANEIRO ACRESCIDO DO ICMS DA OPERAÇÃO. JÁ A IMPORTAÇÃO DE SOFTWARE, SEM SUPORTE FÍSICO, TERÁ COMO BASE DE CÁLCULO SOMENTE O VALOR DO ICMS PELA IMPOSSIBILIDADE DE OBTENÇÃO DE SEU VALOR ADUANEIRO K) SE O CONTRIBUINTE OPTAR CÁLCULO DO CRÉDITO DE PIS E COFINS NA AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA PRODUÇÃO, EM 1/48 AO MÊS, PODERÁ UTILIZÁ-LO MESMO NA HIPÓTESE DO BEM SER REVENDIDO ANTES DA UTILIZAÇÃO DAS 48 PARCELAS L) SACOLAS PLÁSTICAS NÃO GERAM CRÉDITO DE PIS E COFINS PARA SUPERMERCADOS

2 M) AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE DE PRODUTOS, DECORRENTE DE EXIGÊNCIAS LEGAIS, GERA CRÉDITO DE PIS E COFINS I NOVAS DECISÕES ADMINISTRATIVAS A) ENERGIA ELÉTRICA, EM CONDOMÍNIO INDUSTRIAL, NA EXISTÊNCIA DE DOCUMENTO DE COBRANÇA, COM AFERIÇÃO PRECISA E INEQUÍVOCA DA EXATA QUOTA DE ENERGIA CONSUMIDA GERA CRÉDITO NA MEDIDA DE SEU CONSUMO, conforme solução abaixo. SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 155, DE 14 DE JUNHO DE 2012 CRÉDITO. ENERGIA ELÉTRICA. CONDOMÍNIO INDUSTRIAL. É permitida à pessoa jurídica que apure a contribuição para o PIS/Pasep no regime não-cumulativo, a apuração de créditos, a serem descontados do valor apurado mensalmente para tal contribuição, calculados sobre dispêndios incorridos no mês com energia elétrica, de que trata o art. 3, inciso IX, da Lei n , de 2002, desde que tal energia seja consumida nos estabelecimentos da pessoa jurídica e que o valor despendido seja pago ou creditado a pessoa jurídica domiciliada no País. Tal entendimento prevalece mesmo que os valores referentes ao consumo de energia elétrica sejam cobrados mediante documento de cobrança, cujo objetivo seja cobrar a quota de energia consumida que cabe a cada condômino dentro de um condomínio industrial. Contudo, é necessário que o valor constante do documento de cobrança represente uma aferição precisa e inequívoca da exata quota de energia elétrica consumida no estabelecimento da pessoa jurídica. Ao contrário, não devem ser admitidas na apuração de créditos provenientes de despesas com energia elétrica, de que trata o art. 3, inciso IX, da Lei n , de 2002, quaisquer valores que não representem efetivamente o preço que corresponda ao real consumo de energia elétrica consumida pela pessoa jurídica. Dispositivos Legais: Lei nº , de 2002, art. 3, inciso IX, 1, II, e 3, II; art. 123 da Lei n 5.172, de 25 de outubro de CRÉDITO. ENERGIA ELÉTRICA. CONDOMÍNIO INDUSTRIAL. É permitido à pessoa jurídica que apure a Cofins no regime não-cumulativo, a apuração de créditos, a serem descontados do valor apurado mensalmente

3 3 para tal contribuição, calculados sobre dispêndios incorridos no mês com energia elétrica, de que trata o art. 3, inciso III, da Lei n , de 2003, desde que tal energia seja consumida nos estabelecimentos da pessoa jurídica e que o valor despendido seja pago ou creditado a pessoa jurídica domiciliada no País. Tal entendimento prevalece mesmo que os valores referentes ao consumo de energia elétrica sejam cobrados mediante documento de cobrança, cujo objetivo seja cobrar a quota de energia consumida que cabe a cada condômino dentro de um condomínio industrial. Contudo, é necessário que o valor constante do documento de cobrança represente uma aferição precisa e inequívoca da exata quota de energia elétrica consumida no estabelecimento da pessoa jurídica. Ao contrário, não devem ser admitidas na apuração de créditos provenientes de despesas com energia elétrica, de que trata o art. 3, inciso III, da Lei n , de 2003, quaisquer valores que não representem efetivamente o preço que corresponda ao real consumo de energia elétrica consumida pela pessoa jurídica. Dispositivos Legais: Lei nº , de 2003, art. 3, inciso III, 1, II, e 3, II; art. 123 da Lei n 5.172, de 25 de outubro de EDUARDO NEWMAN DE MATTERA GOMES B) PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE DISPONIBILIZAÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS E EDITORIAIS OU DE CONTEÚDOS INTERATIVOS E MÍDIA, ACESSÍVEIS MEDIANTE A TELEFONIA MÓVEL NAS DIVERSAS FORMAS, MODALIDADES E PLATAFORMA TECNOLÓGICAS, POR MEIO DA TELEFONIA FIXA NAS DIVERSAS FORMAS, MODALIDADES E PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS, BEM COMO VIA INTERNET, WIRELESS E MEIO TELEVISIVOS E DIGITAIS, NÃO SOFREM A RETENÇÃO DE PIS E COFINS, conforme solução abaixo. SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 156, DE 14 DE JUNHO DE 2012 RETENÇÃO NA FONTE. SERVIÇOS DE DISPONIBILIZAÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS, EDITORIAIS, INTERATIVOS E MÍDIA. Os pagamentos decorrentes da prestação de serviços de disponibilização de conteúdos digitais e editoriais ou de conteúdos interativos e mídia, acessíveis mediante a telefonia móvel nas diversas formas, modalidades e plataformas tecnológicas, por meio da telefonia fixa nas diversas formas, modalidades e plataformas tecnológicas, bem como via internet, wireless e meios televisivos e digitais, não sofrem a retenção de contribuição para o PIS/Pasep, de que tratam o art. 30 da Lei n , de 2003, e o art. 1º da IN SRF nº 459, de 2004, apenas se para prestação de tal serviço não houver a elaboração de um programa de computador (software) por encomenda e para uso exclusivo, decorrente do contrato firmado.

4 Dispositivos Legais: Lei nº , de 29 de dezembro de 2003, art. 30; Instrução Normativa SRF nº 459, de 18 de outubro de 2004, art. 1º; Decreto n 3.000, 26 de março de 1999, art. 647, 1, itens 17 e 30; Lei n 9.609, de 19 de fevereiro de 1998, arts. 1, 8 e 9 ; Parecer Normativo CST nº 8, de 17 de abril de 1986, itens 16 a 21. RETENÇÃO NA FONTE. SERVIÇOS DE DISPONIBILIZAÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS, EDITORIAIS, INTERATIVOS E MÍDIA. Os pagamentos decorrentes da prestação de serviços de disponibilização de conteúdos digitais e editoriais ou de conteúdos interativos e mídia, acessíveis mediante a telefonia móvel nas diversas formas, modalidades e plataformas tecnológicas, por meio da telefonia fixa nas diversas formas, modalidades e plataformas tecnológicas, bem como via internet, wireless e meios televisivos e digitais, não sofrem a retenção de Cofins, de que tratam o art. 30 da Lei n , de 2003, e o art. 1º da IN SRF nº 459, de 2004, apenas se para prestação de tal serviço não houver a elaboração de um programa de computador (software) por encomenda e para uso exclusivo, decorrente do contrato firmado. Dispositivos Legais: Lei nº , de 29 de dezembro de 2003, art. 30; Instrução Normativa SRF nº 459, de 18 de outubro de 2004, art. 1º; Decreto n 3.000, 26 de março de 1999, art. 647, 1, itens 17 e 30; Lei n 9.609, de 19 de fevereiro de 1998, arts. 1, 8 e 9 ; Parecer Normativo CST nº 8, de 17 de abril de 1986, itens 16 a 21. Assunto: Contribuição Social sobre o Lucro Líquido CSLL RETENÇÃO NA FONTE. SERVIÇOS DE DISPONIBILIZAÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS, EDITORIAIS, INTERATIVOS E MÍDIA. Os pagamentos decorrentes da prestação de serviços de disponibilização de conteúdos digitais e editoriais ou de conteúdos interativos e mídia, acessíveis mediante a telefonia móvel nas diversas formas, modalidades e plataformas tecnológicas, por meio da telefonia fixa nas diversas formas, modalidades e plataformas tecnológicas, bem como via internet, wireless e meios televisivos e digitais, não sofrem a retenção de CSLL, de que tratam o art. 30 da Lei n , de 2003, e o art. 1º da IN SRF nº 459, de 2004, apenas se para prestação de tal serviço não houver a elaboração de um programa de computador (software) por encomenda e para uso exclusivo, decorrente do contrato firmado. Dispositivos Legais: Lei nº , de 29 de dezembro de 2003, art. 30; Instrução Normativa SRF nº 459, de 18 de outubro de 2004, art. 1º; Decreto n 3.000, 26 de março de 1999, art. 647, 1, itens 17 e 30; Lei n 9.609, de 19 de fevereiro de 1998, arts. 1, 8 e 9 ; Parecer Normativo CST nº 8, de 17 de abril de 1986, itens 16 a 21. EDUARDO NEWMAN DE MATTERA GOMES

5 5 C) REVENDA DE PRODUTOS SUJEITOS AO REGIME MONOFÁSICO PODEM SER INCLUÍDOS, PARA FINS DE RATEIO PROPORCIONAL, NA APURAÇÃO DE CRÉDITOS DE DESPESAS GERAIS, conforme solução abaixo. SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 174, DE 22 DE JUNHO DE 2012 CRÉDITOS. RATEIO PROPORCIONAL. REVENDA DE PRODUTOS SUJEITOS AO REGIME MONOFÁSICO. É permitida a inclusão das receitas auferidas com a revenda de produtos monofásicos, tributadas à alíquota zero, no somatório das receitas não cumulativas para fins do rateio proporcional, com vistas à obtenção da base de cálculo dos créditos da contribuição calculados sobre as despesas comuns, vinculadas às receitas cumulativas e não cumulativas. Dispositivos Legais: Lei n , de 2002, art. 1º, caput, e art. 3º; Lei nº , de 2002, art. 2º, 1º, III e art. 3º; Lei nº , de 2003, art 3º, VII e IX, c/c art. 15, II; Lei nº , de 2004, art. 17. CRÉDITOS. RATEIO PROPORCIONAL. REVENDA DE PRODUTOS SUJEITOS AO REGIME MONOFÁSICO. É permitida a inclusão das receitas auferidas com a revenda de produtos monofásicos, tributadas à alíquota zero, no somatório das receitas não cumulativas para fins do rateio proporcional, com vistas à obtenção da base de cálculo dos créditos da contribuição calculados sobre as despesas comuns, vinculadas às receitas cumulativas e não cumulativas. Dispositivos Legais: Lei n , de 2002, art. 1º, caput, e art. 3º; Lei n , de 2003, art. 2º, 1º, III e art. 3º; Lei nº , de 2004, art. 17. EDUARDO NEWMAN DE MATTERA GOMES D) DESPESAS COM PUBLICIDADE, PROPAGANDA E QUALQUER FORMA DE DIVULGAÇÃO NÃO GERAM CRÉDITO DE PIS E COFINS, conforme solução abaixo. SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 181, DE 27 DE JUNHO DE 2012

6 CRÉDITO. DESPESAS COM PUBLICIDADE, PROPAGANDA E DIVULGAÇÃO. Despesas com publicidade, propaganda e divulgação, tais como aquelas com provedores de internet, sites de busca, emissoras de televisão e rádio e revistas periódicas, não geram direito à apuração de créditos a serem descontados da contribuição para o PIS/Pasep, no regime não cumulativo, por não se caracterizarem como insumo, conforme definição preceituada na IN SRF n 247, de 2002, e tampouco constarem do rol de dispêndios passíveis de aproveitamento de créditos constante do art. 3 da Lei n , de REMUNERAÇÃO CONTRATUAL. ACERTO DE PREÇOS. Em um contrato de prestação de serviço em que a parte contratada, titular ou licenciada dos direitos patrimoniais de gravações musicais ou sonoras, obras gráficas e fotográficas, jogos, blogs, notícias, comunidades virtuais e outros produtos e serviços, disponibiliza tais produtos e serviços aos clientes de empresa de telefonia móvel, independentemente do método de acerto de preços constante deste ato negocial, descabe a configuração de dispêndios com insumos por parte da contratada. Portanto, não havendo para a contratada dispêndios que exsurgem desse ato negocial, não há que se falar em créditos a serem descontados da Contribuição para o PIS/Pasep, no regime não cumulativo, de que trata a Lei n , de Dispositivos legais: Lei nº , de 30 de dezembro 2002, art. 3º, II (após alterações feitas pela Lei nº , de 30 de maio de 2003, e pela Lei nº , de 2004); IN SRF n 247, 21 de novembro de 2002, art. 66 (após alterações feitas pela IN SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003) e art. 67; e Ato Declaratório Interpretativo SRF nº 04, de 03 de abril de 2007, art. 2. CRÉDITO. DESPESAS COM PUBLICIDADE, PROPAGANDA E DIVULGAÇÃO. Despesas com publicidade, propaganda e divulgação, tais como aquelas com provedores de internet, sites de busca, emissoras de televisão e rádio e revistas periódicas, não geram direito à apuração de créditos a serem descontados da Cofins, no regime não cumulativo, por não se caracterizarem como insumo, conforme definição preceituada na IN SRF n 404, de 2004, e tampouco constarem do rol de dispêndios passíveis de aproveitamento de créditos constante do art. 3 da Lei n , de REMUNERAÇÃO CONTRATUAL. ACERTO DE PREÇOS. Em um contrato de prestação de serviço, em que a parte contratada, titular ou licenciada dos direitos patrimoniais de gravações musicais ou sonoras, obras gráficas e fotográficas, jogos, blogs, notícias, comunidades virtuais e outros produtos e serviços, disponibiliza tais produtos e serviços aos clientes de empresa de telefonia móvel, independentemente do método de acerto de preços constante deste ato negocial, descabe a configuração de dispêndios com insumos por parte da contratada. Portanto, não havendo para a contratada dispêndios que exsurgem desse ato negocial, não há que se falar em créditos a serem descontados da Cofins, no regime não cumulativo, de que trata a Lei n , de 2003.

7 7 Dispositivos Legais: Lei nº , de 29 de dezembro de 2003, art. 3º, II (após alterações feitas pela Lei nº , de 2004); Instrução Normativa SRF n 404, de 12 de março de 2004, art. 8 ; e Ato Declaratório Interpretativo SRF nº 04, de 03 de abril de 2007, art. 2. EDUARDO NEWMAN DE MATTERA GOMES E) ADMINISTRADORAS DE CARTÕES DE CRÉDITO PODEM DESCONTAR CRÉDITOS EM RELAÇÃO AOS SERVIÇOS DE COBRANÇA BANCÁRIA, conforme solução abaixo. SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 148, DE 20 DE JULHO DE 2012 ADMINISTRAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO. COBRANÇA BANCÁRIA. INSUMOS. CRÉDITOS. Na atividade empresarial de administração de cartões de crédito podem ser descontados créditos, no regime de apuração não cumulativa, em relação aos serviços de cobrança bancária aplicados na intermediação entre o usuário do cartão e o lojista credenciado, por constituírem insumos utilizados na prestação de serviços. Dispositivos Legais: Lei nº , de 2003, art. 3o, II, e 1o, I; IN SRF nº 404, de 2004, art. 8o, 4o. ASSUNTO : CONTRIBUIÇÃO PA R A O PIS/ PASEP ADMINISTRAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO. COBRANÇA BANCÁRIA. INSUMOS. CRÉDITOS. Na atividade empresarial de administração de cartões de crédito podem ser descontados créditos, no regime de apuração não cumulativa, em relação aos serviços de cobrança bancária aplicados na intermediação entre o usuário do cartão e o lojista credenciado, por constituírem insumos utilizados na prestação de serviços. Dispositivos Legais: Lei nº , de 2003, art. 3o, II, e 1o, I, c/c art. 15, II; IN SRF nº 404, de 2004, art. 8o, 4o, c/c 9o, I. MARCO ANTÔNIO FERREIRA POSSETTI F) ATIVIDADE DE LOCAÇÃO DE COISAS NÃO GERA DIREITO A CRÉDITO DE PIS E COFINS, MESMO NO REGIME NÃO CUMULATIVO, conforme solução abaixo.

8 SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 149, DE 23 DE JULHO DE 2012 NÃO CUMULATIVIDADE. LOCAÇÃO DE COISAS. CRÉDITOS. INSUMOS. MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. PARTES E PEÇAS DE REPOSIÇÃO. SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO. O direito a crédito previsto no art. 3o, II, da Lei nº , de 2003, destina-se unicamente às pessoas jurídicas que exerçam atividades de prestação de serviços ou de produção ou fabricação de bens ou produtos destinados à venda. A atividade empresarial de locação de bens móveis" tem natureza distinta da atividade de "prestação de serviços". Aquela é obrigação de dar; esta, obrigação de fazer. Dessa forma, receitas decorrentes da locação de máquinas e equipamentos não admitem dedução de créditos em relação a insumos. Todavia, na hipótese de substituição de partes e peças, ou de realização de serviços de manutenção, de que resultem aumento de vida útil superior a um ano ao bem em que forem aplicados, os valores correspondentes deverão ser capitalizados para depreciações futuras, vindo a admitir créditos com base no art. 3o, VI, da Lei nº , de Dispositivos Legais: Lei nº , de 2002 (Código Civil); Lei nº , de 2003, art. 3o, II e VI; Decreto nº 3.000, de 1999, art.346, 1o. NÃO CUMULATIVIDADE. LOCAÇÃO DE COISAS. CRÉDITOS. INSUMOS. MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. PARTES E PEÇAS DE REPOSIÇÃO. SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO. O direito a crédito previsto no art. 3o, II, da Lei nº , de 2002, destina-se unicamente às pessoas jurídicas que exerçam atividades de prestação de serviços ou de produção ou fabricação de bens ou produtos destinados à venda. A atividade empresarial de "locação de bens móveis" tem natureza distinta da atividade de "prestação de serviços". Aquela é obrigação de dar; esta, obrigação de fazer. Dessa forma, receitas decorrentes da locação de máquinas e equipamentos não admitem dedução de créditos em relação a insumos. Todavia, na hipótese de substituição de partes e peças, ou de realização de serviços de manutenção, de que resultem aumento de vida útil superior a um ano ao bem em que forem aplicados, os valores correspondentes deverão ser capitalizados para depreciações futuras, vindo a admitir créditos com base no art. 3o, VI, da Lei nº , de Dispositivos Legais: Lei nº , de 2002 (Código Civil); Lei nº , de 2002, art. 3o, II e VI; Lei nº , de 2003, art. 3o, II e VI; Decreto nº 3.000, de 1999, art. 346, 1º MARCO ANTÔNIO FERREIRA POSSETTI

9 9 G) PAGAMENTO PELA UTILIZAÇÃO DE TERRENO PÚBLICO NÃO GERA CRÉDITO DE PIS E COFINS, conforme solução abaixo. SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 187, DE 4 DE JULHO DE 2012 NÃO CUMULATIVIDADE. CRÉDITOS. Não é permitido, por falta de permissivo legal, o desconto de crédito da Contribuição para o PIS/Pasep em relação a despesas efetuadas com o pagamento pela concessão de direito real de uso de terreno público. NÃO CUMULATIVIDADE. VENDAS TRIBUTADAS COM ALÍQUOTA ZERO. MANUTENÇÃO DOS CRÉDITOS. É assegurada a manutenção dos créditos pelo vendedor, vinculados a receitas tributadas com alíquota zero, consoante disposto no art. 17 da Lei nº , de O eventual saldo credor da contribuição, acumulado ao final de cada trimestre do ano-calendário, em virtude do referido dispositivo, poderá ser objeto de compensação ou ressarcimento, nos termos do art. 16 da Lei n , de Dispositivos Legais: Lei nº , de 2002, art. 3º, IV; Código Civil, arts. 565 a 578 e art ; Decreto-Lei nº 9.760, de 1946, arts. 86 a 98; Decreto-Lei nº 271, de 1967, art. 7º; Código Tributário Nacional, art. 111; Lei nº , de 2004, art. 17; Lei nº , de 2005, art. 16. NÃO CUMULATIVIDADE. CRÉDITOS. Não é permitido, por falta de permissivo legal, o desconto de crédito da Cofins em relação a despesas efetuadas com o pagamento pela concessão de direito real de uso de terreno público. NÃO CUMULATIVIDADE. VENDAS TRIBUTADAS COM ALÍQUOTA ZERO. MANUTENÇÃO DOS CRÉDITOS. É assegurada a manutenção dos créditos pelo vendedor, vinculados a receitas tributadas com alíquota zero, consoante disposto no art. 17 da Lei nº , de O eventual saldo credor da contribuição, acumulado ao final de cada trimestre do ano-calendário, em virtude do referido dispositivo, poderá ser objeto de compensação ou ressarcimento, nos termos do art. 16 da Lei n , de 2005 Dispositivos Legais: Lei nº , de 2003, IV; Código Civil, arts. 565 a 578 e art ; Decreto-Lei nº 9.760, de 1946, arts. 86 a 98; Decreto-Lei nº 271, de 1967, art. 7º; Código Tributário Nacional, art. 111; Lei nº , de 2004, art. 17; Lei nº , de 2005, art. 16. EDUARDO NEWMAN DE MATTERA GOMES

10 H) COMBUSTÍVEL GASTO EM FROTA PRÓPRIA NÃO GERO CRÉDITO DE PIS E COFINS, conforme solução abaixo. SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 199, DE 19 DE JULHO DE 2012 CRÉDITO. NÃO APLICABILIDADE. COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM FROTA PRÓPRIA. Sobre dispêndios com combustíveis utilizados em frota própria, para transportar mercadorias até o estabelecimento de compradores, não é permitida a constituição de créditos de contribuição para o PIS/Pasep, no regime não cumulativo, de que trata a Lei n , de 2002, porquanto tais dispêndios não se enquadram em qualquer dos dispositivos do art. 3 desta Lei, que enumera exaustivamente os dispêndios para quais é permitido a constituição destes créditos. Em especial, este tipo de dispêndio (combustível utilizado na frota própria, para transportar mercadorias até o estabelecimento de compradores) não se enquadra no conceito de insumo de que trata a IN SRF n 247, de 2002, bem como não se configura como despesa com o frete, de que trata o art. 3, IX, da Lei n , de 2003, dispositivo também estendido para a contribuição para o PIS/Pasep, pelo art. 15, II, desta Lei. Dispositivos legais: Lei nº , de 30 de dezembro 2002, art. 3º, inciso II (após alterações feitas pela Lei nº , de 30 de maio de 2003, e pela Lei nº , de 2004); IN SRF n 247, 21 de novembro de 2002, art. 66 (após alterações feitas pela IN SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003) e art. 67. CRÉDITO. NÃO APLICABILIDADE. COMBUSTÍVEIS UTILIZADOS EM FROTA PRÓPRIA. Sobre dispêndios com combustíveis utilizados em frota própria, para transportar mercadorias até o estabelecimento de compradores, não é permitida a constituição de créditos de Cofins, no regime não cumulativo, de que trata a Lei n , de 2003, porquanto tais dispêndios não se enquadram em qualquer dos dispositivos do art. 3 desta Lei, que enumera exaustivamente os dispêndios para quais é permitido a constituição destes créditos. Em especial, este tipo de dispêndio (combustível utilizado na frota própria, para transportar mercadorias até o estabelecimento de compradores) não se enquadra no conceito de insumo de que trata a IN SRF nº 404, de 2004, bem como não se configura como despesa com o frete, de que trata o art. 3, IX, da Lei n , de Dispositivos Legais: Lei nº , de 29 de dezembro de 2003, art. 3º, incisos II e IX, 3, II e art. 15, II (após alterações feitas pela Lei nº , de 2004); Instrução Normativa SRF n 404, de 12 de março de 2004, art. 8. EDUARDO NEWMAN DE MATTERA GOMES

11 11 I) GASTOS COM EDIFICAÇÕES E BENFEITORIAS NÃO ATIVADAS NÃO GERAM CRÉDITO DE PIS E COFINS, conforme solução abaixo. SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 167, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 GASTOS COM EDIFICAÇÕES E BENFEITORIAS NÃO INCORPORADOS AO ATIVO IMOBILIZADO. DESCABIMENTO DE CRÉDITO. No regime de apuração não cumulativa, não podem ser descontados créditos em relação a gastos com edificações e benfeitorias em imóveis próprios ou de terceiros, utilizados nas atividades da empresa, se esses gastos não forem registrados no ativo imobilizado e, por via de conseqüência, não forem sucessíveis de depreciação. Dispositivos Legais: Lei nº , de 2003, art. 3º, inciso VI e 1º, inciso III, e art. 15, inciso II, com redação dada pela Lei nº , de 2004; Decreto nº 3.000, de 1999 (RIR/99), art. 301; ADI RFB nº 35, de GASTOS COM EDIFICAÇÕES E BENFEITORIAS NÃO INCORPORADOS AO ATIVO IMOBILIZADO. DESCABIMENTO DE CRÉDITO. No regime de apuração não cumulativa, não podem ser descontados créditos em relação a gastos com edificações e benfeitorias em imóveis próprios ou de terceiros, utilizados nas atividades da empresa, se esses gastos não forem registrados no ativo imobilizado e, por via de consequência, não forem sucessíveis de depreciação. Dispositivos Legais: Lei nº , de 2003, art. 3º, inciso VI e 1º, inciso III; Decreto nº 3.000, de 1999 (RIR/99), art. 301; ADI RFB nº 35, de MARCO ANTÔNIO FERREIRA POSSETTI J) BASE DE CÁLCULO DO PIS/COFINS NA IMPORTAÇÃO DE SOFTWARE DE PRATELEIRA É O VALOR ADUANEIRO ACRESCIDO DO ICMS DA OPERAÇÃO. JÁ A IMPORTAÇÃO DE SOFTWARE, SEM SUPORTE FÍSICO, TERÁ COMO BASE DE CÁLCULO SOMENTE O VALOR DO ICMS PELA IMPOSSIBILIDADE DE OBTENÇÃO DE SEU VALOR ADUANEIRO, conforme solução abaixo.

12 SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 127, DE 16 DE JULHO DE 2012 ASSUNTO: Outros Tributos ou Contribuições EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP-IMPORTAÇÃO. COFINS- IMPORTAÇÃO. SOFTWARE. INEXISTÊNCIA DE SUPORTE FÍSICO. BASE DE CÁLCULO. Sendo os softwares de cópias múltiplas (de prateleira) considerados mercadorias, a base de cálculo da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação e da Cofins-Importação na importação desses produtos corresponde ao valor aduaneiro acrescido do valor do ICMS sobre a operação. Nos casos em que não há suporte físico para movimentação do programa, só pode compor a base de cálculo dessas contribuições o valor do ICMS apurado sobre a operação de importação, se houver, uma vez que o valor aduaneiro da operação não pode ser determinado. DISPOSITIVOS LEGAIS: Acordo de Valoração Aduaneira, artigo 18, parágrafo 1, aprovado pelo Decreto Legislativo nº 30, de 1994; Decisão 4.1 do Comitê de Valoração Aduaneira, de 1995; Lei nº 4.506, de 1964, art. 22; Lei nº 9.609, de 1998, art. 1º; Lei nº 9.610, de 1998, arts. 7º, inciso XII, e 49; Lei nº , de 2004, art. 7º, inciso I; Decreto nº 6.759, de 2009, Regulamento Aduaneiro, arts. 69,72 e 81. JORGE AUGUSTO GIRARDON DA ROSA Auditor-Fiscal p/delegação de Competência K) SE O CONTRIBUINTE OPTAR CÁLCULO DO CRÉDITO DE PIS E COFINS NA AQUISIÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA PRODUÇÃO, EM 1/48 AO MÊS, PODERÁ UTILIZÁ-LO MESMO NA HIPÓTESE DO BEM SER REVENDIDO ANTES DA UTILIZAÇÃO DAS 48 PARCELAS, conforme solução abaixo. SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 172, DE 6 DE SETEMBRO DE 2012 Assunto: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - Cofins NÃO CUMULATIVIDADE. CRÉDITOS. ATIVO IMOBILIZADO. MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. OUTROS BENS. DEPRECIAÇÃO. CRÉDITO SOBRE O CUSTO DE AQUISIÇÃO. VENDA DE BEM DO ATIVO IMOBILIZADO. Na hipótese de a pessoa jurídica optar pela forma de créditos sobre máquinas e equipamentos prevista na IN SRF 457/2002, art. 1o, 2o, I, à razão de 1/48 ao mês, poderá continuar, como forma de concretizar a não cumulatividade, a efetuar o desconto dos créditos mês a mês ainda que o bem em questão seja revendido antes da utilização das quarenta e oito parcelas mensais.

13 13 Dispositivos Legais: Lei nº , de 2003, art. 3o, VI, 1o, III, e 14; Lei nº , de 2008, art. 1o; IN SRF 457, de 2004, art. 1o, 2o, I. NÃO CUMULATIVIDADE. CRÉDITOS. ATIVO IMOBILIZADO. MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. OUTROS BENS. DEPRECIAÇÃO. CRÉDITO SOBRE O CUSTO DE AQUISIÇÃO. VENDA DE BEM DO ATIVO IMOBILIZADO. Na hipótese de a pessoa jurídica optar pela forma de créditos sobre máquinas e equipamentos prevista na IN SRF 457/2002, art. 1o, 2o, I, à razão de 1/48 ao mês, poderá continuar, como forma de concretizar a não cumulatividade, a efetuar o desconto dos créditos mês a mês ainda que o bem em questão seja revendido antes da utilização das quarenta e oito parcelas mensais. Dispositivos Legais: Lei nº , de 2003, art. 3o, VI, 1o, III, e 14; art. 15, II; Lei nº , de 2008, art. 1o; IN SRF 457, de 2004, art. 1o, 2o, I. Assunto: Normas de Administração Tributária PIS/PASEP. COFINS. NÃO CUMULATIVIDADE. CRÉDITOS. ATIVIDADE COMERCIAL. COMBUSTÍVEIS. LUBRIFICANTES. MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS. SERVIÇOS DE TERCEIROS. MATERIAL DE ESCRITÓRIO. MATERIAL DE USO E CONSUMO. TREINAMENTO DE PESSOAL. É ineficaz a consulta quando apresentada em tese, com referência a fato genérico, ou, ainda, quando não identifique o dispositivo da legislação tributária sobre cuja aplicação haja dúvida. Dispositivos Legais: Decreto nº , de 1972, arts. 46 e 52, I, V, e VIII; IN RFB nº 740, de 2007, art. 15, I, II, VII, e XI. MARCO ANTÔNIO FERREIRA POSSETTI L) SACOLAS PLÁSTICAS NÃO GERAM CRÉDITO DE PIS E COFINS PARA SUPERMERCADOS, conforme solução abaixo. SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 176, DE 6 DE SETEMBRO DE 2012 AQUISIÇÃO DE SACOLAS PLÁSTICAS POR EMPRESA COMERCIAL. DESCABIMENTO DE CRÉDITO. No regime de apuração não cumulativa, não podem ser descontados créditos em relação à aquisição de sacolas plásticas por empresas comerciais (supermercados), por esta aquisição não estar enquadrada nas hipóteses de crédito previstas no art. 3º da Lei nº , de Dispositivos Legais: Lei nº , de 2002, art. 3º, com redação dada pela Lei nº , de 2009; Lei nº , de 2003, art. 3º, com redação dada pela Lei

14 nº , de 2009, e art. 15, inciso II, com redação dada pela Lei nº , de AQUISIÇÃO DE SACOLAS PLÁSTICAS POR EMPRESA COMERCIAL. DESCABIMENTO DE CRÉDITO. No regime de apuração não cumulativa, não podem ser descontados créditos em relação à aquisição de sacolas plásticas por empresas comerciais (supermercados), por esta aquisição não estar enquadrada nas hipóteses de crédito previstas no art. 3º da Lei nº , de Dispositivos Legais: Lei nº , de 2003, art. 3º, com redação dada pela Lei nº , de MARCO ANTÔNIO FERREIRA POSSETTI M) AVALIAÇÃO DE CONFORMIDADE DE PRODUTOS, DECORRENTE DE EXIGÊNCIAS LEGAIS, GERA CRÉDITO DE PIS E COFINS, conforme solução abaixo. SOLUÇÃO DE CONSULTA No- 145, DE 21 DE SETEMBRO DE 2012 ASSUNTO: Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: INCIDÊNCIA NÃO-CUMULATIVA. GERAÇÃO DE CRÉDITOS. DESPESAS COM AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS. INMETRO. Os custos incorridos relativos à aquisição de serviços ligados à avaliação da conformidade de produtos industrializados, decorrentes de exigências legais, podem compor a base de cálculo dos créditos a serem descontados da Contribuição para o PIS/Pasep. DISPOSITIVOS LEGAIS: Lei nº , de 2002, art. 3º, inciso II; IN SRF nº 247, de 2002, art. 66, inciso I, alínea "b", 5º, inciso I, alínea "b"; SC Cosit n 12, de ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - Cofins EMENTA: INCIDÊNCIA NÃO-CUMULATIVA. GERAÇÃO DE CRÉDITOS. DESPESAS COM AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS. INMETRO. Os custos incorridos relativos à aquisição de serviços ligados à avaliação da conformidade de produtos industrializados, decorrentes de exigências legais, podem compor a base de cálculo dos créditos a serem descontados da Cofins.

15 15 DISPOSITIVOS LEGAIS: Lei nº , de 2003, art. 3º, inciso II; IN SRF nº 404, de 2004, art. 8º, inciso I, alínea "b", 4º, inciso I, alínea "b"; SC Cosit n 12, de JORGE AUGUSTO GIRARDON DA ROSA Auditor Fiscal p/delegação de Competência

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) SOMENTE O FRETE CONTRATADO PARA TRANSPORTE DE INSUMOS E MARCADORIAS PARA REVENDA QUANDO SUPORTADO PELO COMPRADOR GERA DIREITO AO CRÉDITO DE

Leia mais

INFORMATIVO PIS/ COFINS

INFORMATIVO PIS/ COFINS INFORMATIVO PIS/ COFINS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) DESPESAS COM CONTROLE DE QUALIDADE, MESMO QUE DECORRENTES DE EXIGÊNCIAS LEGAIS, NÃO GERAM CRÉDITO DE PIS E COFINS.... 2 B) DIFERENCIAL DE

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) CORRETORAS DE SEGURO ESTÃO SUJEITAS AO REGIME CUMULATIVO DE PIS/COFINS.... 2 B) ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NÃO GERA CRÉDITO DE PIS/COFINS...

Leia mais

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (07/02/11 a 11/02/11)

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (07/02/11 a 11/02/11) PIS/ COFINS NOTÍCIAS DA SEMANA (07/02/11 a 11/02/11) I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS. A) ALÍQUOTA ZERO DE PIS/COFINS NA IMPORTAÇÃO DE PARTES E PEÇAS E OUTROS COMPONENTES EMPREGADOS NA INDUSTRIALIZAÇÃO DE

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS. A) BONIFICAÇÕES CONDICIONADAS AO VOLUME DE COMPRAS ESTÃO SUJEITAS AO PIS/COFINS.... 2 B) CORRETORAS DE SEGUROS ESTÃO SUJEITAS À APURAÇÃO DE PIS/COFINS

Leia mais

INFORMATIVO PIS/ COFINS

INFORMATIVO PIS/ COFINS INFORMATIVO PIS/ COFINS I NOVAS DECISÕES ADMINISTRATIVAS... 2 A) SOLUÇÃO DE DIVERGÊNCIA CONFIRMA ENTENDIMENTO QUE GASTOS COM DESEMBARAÇO ADUANEIRO NÃO GERAM CRÉDITO DE PIS E COFINS.... 2 B) FRETE INTERNACIONAL

Leia mais

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês;

Créditos. a. das aquisições de bens para revenda efetuadas no mês; Créditos Dos valores de Contribuição para o PIS/Pasep e Cofins apurados, a pessoa jurídica submetida à incidência não-cumulativa poderá descontar créditos, calculados mediante a aplicação das alíquotas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 3ª RF

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 3ª RF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 3ª RF Solução de Consulta Interna nº: 7 SRRF03/Disit Data: 06 de outubro de 2011

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS. A) CRÉDITO PRESUMIDO DE ICMS DO ESTADO DO PARANÁ INTEGRA A BASE DE CÁLCULO DO PIS E DA COFINS.... 2 B) CRÉDITO PRESUMIDO DE ESTOQUE DE ABERTURA SOMENTE

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) BEM RETORNADO DE INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA NÃO GERA CRÉDITO DE PIS/COFINS, CONFORME SOLUÇÃO DE CONSULTA ABAIXO.... 2 B) NÃO INCIDE PIS

Leia mais

Data 27 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF

Data 27 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 106 - Cosit Data 27 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL - COFINS FARDAMENTO

Leia mais

Data 23 de março de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF

Data 23 de março de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 76 - Cosit Data 23 de março de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL - COFINS PARTES

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) SUSPENSÃO DE PIS/COFINS NAS VENDAS PARA PESSOAS HABILITADAS NO REIDI NÃO É APLICÁVEL SE A VENDEDORA FOR OPTANTE PELO SIMPLES.... 2 B) ALÍQUOTA

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 16 - Data 24 de outubro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - Cofins Ementa:

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito PIS - Cofins - Baixa do ativo

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito PIS - Cofins - Baixa do ativo Crédito PIS - Cofins - Baixa do ativo 09/12/2013 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012

Jurisprudência. SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 47 de 12 de Novembro de 2012 SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 143 de 20 de Novembro de 2012 ASSUNTO: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Cofins/ Contribuição para o PIS/Pasep EMENTA: CRÉDITOS VINCULADOS A RECEITA NÃO TRIBUTADA.

Leia mais

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS

TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS TREINAMENTOS ABRACAF MÓDULO 1 PIS / COFINS Base Constitucional: PIS E COFINS PIS: Art. 149 e 239 da Constituição Federal COFINS: Art. 195 da Constituição Federal 1 COFINS Art. 195. A seguridade social

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 219 - Data 6 de agosto de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP NÃO CUMULATIVIDADE. CRÉDITOS. VALE- ALIMENTAÇÃO

Leia mais

QUESTÕES CONTROVERSAS SOBRE O DESCONTO DE CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES PIS E COFINS - CONCEITO DE INSUMOS

QUESTÕES CONTROVERSAS SOBRE O DESCONTO DE CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES PIS E COFINS - CONCEITO DE INSUMOS QUESTÕES CONTROVERSAS SOBRE O DESCONTO DE CRÉDITOS DAS CONTRIBUIÇÕES PIS E COFINS - CONCEITO DE INSUMOS CRÉDITOS DE PIS E COFINS - PANORAMA LEGISLATIVO Constituição Federal: Estabelece que alguns setores

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Base de Cálculo de PIS e COFINS na Importação

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Base de Cálculo de PIS e COFINS na Importação Base de Cálculo de PIS e COFINS na Importação 20/03/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas Pelo Cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão...

Leia mais

Aproveitamento de créditos de PIS/COFINS Questões Polêmicas

Aproveitamento de créditos de PIS/COFINS Questões Polêmicas Aproveitamento de créditos de PIS/COFINS Questões Polêmicas Thais R. Bandeira de Mello Rodrigues Tel: +55 21 2127-4236 trodrigues@mayerbrown.com 19 de abril de 2013 Tauil & Chequer Advogados is associated

Leia mais

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos

I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos I CASOS PRÁTICOS DACON Segue abaixo orientações quanto ao preenchimento prático de informações a serem prestadas em Dacon através de exemplos fictícios. 1 Sistema Cumulativo Pessoa Jurídica tributada pelo

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php

http://www.itcnet.com.br/materias/printable.php Página 1 de 5 1 de Setembro, 2011 Impresso por ANDERSON JACKSON TOASSI DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS COMPRADAS NAS OPERAÇÕES COMERCIAIS 1 - Introdução Nas relações comerciais as operações de devolução e retorno

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 30 - Data 29 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS - IPI IMPORTAÇÃO POR CONTA

Leia mais

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015

Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Lei 12.973/14 Valmir Oliveira 18/03//2015 Page 1 Da base de tributação Page 2 Alteração do art. 3º da Lei nº 9.718/98 Art. 52 A Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, passa a vigorar com as seguintes

Leia mais

DO REPES. Dos Benefícios do REPES

DO REPES. Dos Benefícios do REPES DECRETO Nº 5.712, DE 2 DE MARÇO DE 2006 Regulamenta o Regime Especial de Tributação para a Plataforma de Exportação de Serviços de Tecnologia da Informação - REPES, instituído pelos arts. 1º a 11 da Lei

Leia mais

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 38, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2013 ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE

Leia mais

Bens materiais para o Ativo Imobilizado

Bens materiais para o Ativo Imobilizado Bens materiais para o Ativo Imobilizado BENS MATERIAIS PARA O ATIVO IMOBILIZADO 1.Considerações Iniciais A aquisição de bens materiais para o ativo imobilizado envolve uma série de aspectos a serem analisados

Leia mais

PIS e Cofins para supermercados e hipermercados. 2015. Produzido por: Brasil Tributário e Francisco Laranja Consultoria

PIS e Cofins para supermercados e hipermercados. 2015. Produzido por: Brasil Tributário e Francisco Laranja Consultoria PIS e Cofins para supermercados e hipermercados. 2015 Produzido por: Brasil Tributário e Francisco Laranja Consultoria PIS e Cofins: introdução e conceitos Tributação sobre itens: IPI, ICMS, PIS e Cofins

Leia mais

a base de cálculo do PIS/Pasep, visto não existir expressa previsão legal de exclusão ou isenção. LÍCIA MARIA ALENCAR SOBRINHO Chefe da Divisão

a base de cálculo do PIS/Pasep, visto não existir expressa previsão legal de exclusão ou isenção. LÍCIA MARIA ALENCAR SOBRINHO Chefe da Divisão 5ª REGIÃO FISCAL DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 1, DE 6 DE JANEIRO DE 2009 EMENTA: O incentivo relativo ao abatimento do valor do ICMS devido concedido pelo governo do Estado da Bahia a título

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) RECEITA DE VENDA DE MERCADORIAS DESTINADAS AO CONSUMO OU À INDUSTRIALIZAÇÃO NA ZONA FRANCA DE MANAUS, INCLUSIVE DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS,

Leia mais

Paulo Caliendo Doutor PUC/SP e Professor PUC/RS

Paulo Caliendo Doutor PUC/SP e Professor PUC/RS Do conceito de insumo e da jurisprudência do CARF relativo aos créditos de PIS e COFINS na sistemática não cumulativa Paulo Caliendo Doutor PUC/SP e Professor PUC/RS CONCEITO CONSTITUCIONAL 12. A lei definirá

Leia mais

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (14/02/11 a 18/02/11)

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (14/02/11 a 18/02/11) PIS/ COFINS NOTÍCIAS DA SEMANA (14/02/11 a 18/02/11) I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) LOCADORAS DE VEÍCULOS PODEM SE CREDITAR DE 1/48 (UM QUARENTA O OITO AVOS) NO CÁLCULO DOS CRÉDITOS DE PIS/COFINS

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO. CREDITAMENTO DE INSUMOS. PIS E COFINS. NÃO- CUMULATIVIDADE. SEGURO. POSSIBILIDADE.

DIREITO TRIBUTÁRIO. CREDITAMENTO DE INSUMOS. PIS E COFINS. NÃO- CUMULATIVIDADE. SEGURO. POSSIBILIDADE. DIREITO TRIBUTÁRIO. CREDITAMENTO DE INSUMOS. PIS E COFINS. NÃO- CUMULATIVIDADE. SEGURO. POSSIBILIDADE. Com a instituição da sistemática da NÃO-CUMULATIVIDADE do PIS e da COFINS, respectivamente através

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

PIS/PASEP E COFINS - REGRAS APLICÁVEIS AO REGIME ESPECIAL DE BEBIDAS FRIAS (REFRI)

PIS/PASEP E COFINS - REGRAS APLICÁVEIS AO REGIME ESPECIAL DE BEBIDAS FRIAS (REFRI) PIS/PASEP E COFINS - REGRAS APLICÁVEIS AO REGIME ESPECIAL DE BEBIDAS FRIAS (REFRI) Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 03/09/2012. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - PREÇO DE REFERÊNCIA 2.1 -

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA Fl. 350 349 Fl. 350 MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE RECURSOS FISCAIS TERCEIRA SEÇÃO DE JULGAMENTO Processo nº 10665.720819/2010 15 Recurso nº Acórdão nº 923.744 Voluntário 3802 001.322

Leia mais

TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS

TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS CONTABILIZAÇÃO DO PIS E DA COFINS 729 TIRANDO DÚVIDAS E SOLUCIONANDO PROBLEMAS Plantão Tributário Fisco e Contribuinte (*) por Silvério das Neves CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES NÃO-CUMULATIVAS AO PIS

Leia mais

Para gerar o arquivo do SPED PIS/COFINS com sucesso são necessárias algumas parametrizações e lançamentos.

Para gerar o arquivo do SPED PIS/COFINS com sucesso são necessárias algumas parametrizações e lançamentos. Para gerar o arquivo do SPED PIS/COFINS com sucesso são necessárias algumas parametrizações e lançamentos. 1. No cadastro de empresas 1.1. Informar o regime de apuração dos impostos 1.1.1. LUCRO PRESUMIDO

Leia mais

Rogério Gandra Martins

Rogério Gandra Martins LUCRO PRESUMIDO. ATIVIDADES DIVERSIFICADAS. ALÍQUOTAS FIXADAS DE ACORDO COM A ATIVIDADE EXPLORADA E NÃO CONFORME O FATURAMENTO OU CLASSIFICAÇÃO DE CADA UMA. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. LEI Nº 13.043/2014

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Alterações da Lei 13.097 de 2015 para Tributação de Bebidas Frias IPI, PIS e COFINS

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Alterações da Lei 13.097 de 2015 para Tributação de Bebidas Frias IPI, PIS e COFINS Alterações da Lei 13.097 de 2015 para Tributação de Bebidas Frias IPI, PIS e COFINS 23/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9

FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA MÓDULO 9 Índice 1. Lucro presumido...3 2. Lucro real...4 2 Dentre os regimes tributários, os mais adotados são os seguintes: 1. LUCRO PRESUMIDO Regime de tributação colocado

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014. Capítulo XX - IPI 2014

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014. Capítulo XX - IPI 2014 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 07/02/2014 Capítulo XX - IPI 2014 001 Estão sujeitos ao IPI os produtos resultantes de operações caracterizadas como industrialização, quando essas são também consideradas serviços

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 308 - Data 24 de outubro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL - COFINS COFINS.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz Demonstrativo de Preço de transferência - Transfer Pricing consolidado na matriz 18/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transfer Pricing Custo de Importação PRL

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transfer Pricing Custo de Importação PRL Transfer Pricing Custo de Importação PRL 29/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Preços de Transferência na Importação...

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 53 52 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 49 - Data 26 de fevereiro de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA VENDA DE MERCADORIAS - RECEBIMENTO

Leia mais

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se

Sim. O fato de operações caracterizadas como industrialização, pela legislação do IPI, se 001 Estão sujeitos ao IPI os produtos resultantes de operações caracterizadas como industrialização, quando essas são também consideradas serviços sujeitos ao ISS, relacionados na lista anexa à Lei Complementar

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO:

PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: PIS/COFINS E NÃO-CUMULATIVIDADE: ABRANGÊNCIA DO TERMO INSUMOS E A POSSIBILIDADE DE CREDITAMENTO: O PIS e a COFINS são contribuições sociais, cujo fato gerador é a obtenção de faturamento pela pessoa jurídica.

Leia mais

João Francisco Bianco jfb@marizsiqueira.com.br 05.06.2013

João Francisco Bianco jfb@marizsiqueira.com.br 05.06.2013 João Francisco Bianco jfb@marizsiqueira.com.br 05.06.2013 Importação de Serviço Contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público incidente na Importação

Leia mais

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015

Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 www.pwc.com Decretos Federais nº 8.426/2015 e 8.451/2015 PIS e COFINS sobre receitas financeiras Maio, 2015 Avaliação de Investimento & Incorporação, fusão, cisão Breve histórico da tributação pelo PIS

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenções na fonte IRRF e CSRF geradas na DIRF 27/11/2014 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

Café da Manhã Técnico. PIS e COFINS: Aspectos Polêmicos

Café da Manhã Técnico. PIS e COFINS: Aspectos Polêmicos Café da Manhã Técnico PIS e COFINS: Aspectos Polêmicos Sumário 1. Introdução 2. Faturamento ou Receita Bruta 3. Comércio Exterior 4. Aproveitamento de Créditos Introdução Introdução PIS/COFINS Contribuições

Leia mais

Art. 2º Fica suspenso o pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a receita bruta da venda, no mercado interno, de:

Art. 2º Fica suspenso o pagamento da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a receita bruta da venda, no mercado interno, de: Nº 240, quarta-feira, 16 de dezembro de 2009 1 ISSN 1677-7042 87 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 977, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a suspensão da exigibilidade

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA DEZEMBRO DE 2014 Até dia Obrigação 3 IRRF Histórico Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 31.11.2014,

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 218 - Data 6 de agosto de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Contribuição para o PIS/Pasep CRÉDITO. INCIDÊNCIA MONOFÁSICA. DERIVADOS

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos ICMS/PR Tratamento tributário na importação pelos portos de Paranaguá e Antonina e por aeroportos paranaenses 21/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente...

Leia mais

Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014

Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014 Agenda Tributária: de 06 a 12 de Março de 2014 Dia: 06 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Importador O contribuinte importador de combustíveis deverá entregar,

Leia mais

Produto : Microsiga Protheus Livros Fiscais Versão 10 Data da publicação : 23/05/12. País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos

Produto : Microsiga Protheus Livros Fiscais Versão 10 Data da publicação : 23/05/12. País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Relatório de Conferência - EFD - Contribuições Produto : Microsiga Protheus Livros Fiscais Versão 10 Data da publicação : 23/05/12 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Chamado : TEHRSH Está disponível

Leia mais

AULA 10 - PIS E COFINS

AULA 10 - PIS E COFINS AULA 10 - PIS E COFINS O PIS É A CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL. A COFINS ÉA CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL. FATO DO PIS E DA COFINS SÃO OS MESMOS: a)a RECEITA

Leia mais

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015

Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Agenda Tributária: de 12 a 18 de fevereiro de 2015 Dia: 13 CIDE - Combustíveis - 9331 Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a comercialização de petróleo e seus derivados, gás

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA

CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE RIO GRANDE DO SUL PALESTRA ATIVIDADE IMOBILIÁRIA Compra e Venda, Incorporação, Loteamento e Construção para Venda de Imóveis Aspectos Contábeis e Tributários Sergio Renato

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital EFD - PIS/COFINS. São Paulo, agosto de 2011

Escrituração Fiscal Digital EFD - PIS/COFINS. São Paulo, agosto de 2011 Escrituração Fiscal Digital EFD - PIS/COFINS São Paulo, agosto de 2011 m28 Obrigações Tributárias: Emissão de Documento Fiscal Escrituração Contábil Obrigação Acessória Escrituração Fiscal Entrega de Declarações

Leia mais

Contabilidade Decifrada

Contabilidade Decifrada Contabilidade Decifrada Depreciação / Amortização / Exaustão Luiz Eduardo Santos Depreciação / Amortização / Exaustão Roteiro Geral Depreciação Conceito Definições necessárias ao cálculo da depreciação

Leia mais

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários

Incentivo fiscal MP do Bem permite compensar débitos previdenciários Notíci as Artigo s Página 1 de 5 @estadao.com.br :;):: ''(**. e-mail: senha: Esqueceu sua senha? Cadastre-se Artigos > Empresarial ÍNDICE IMPRIMIR ENVIAR COMENTAR aaa Incentivo fiscal MP do Bem permite

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

PIS/PASEP e COFINS A definição de insumos e as recentes decisões sobre o tema

PIS/PASEP e COFINS A definição de insumos e as recentes decisões sobre o tema PIS/PASEP e COFINS A definição de insumos e as recentes decisões sobre o tema Fabio Rodrigues de Oliveira Sócio-diretor da SYSTAX; Advogado; Contabilista; Mestre em Ciências Contábeis; Autor, coautor e

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

Decreto 4524 de 17/12/2002, atualizado pelas Leis 10637/2002 (PIS-PASEP) e 10833/2003 (COFINS), que tratam da modalidade não cumulativa.

Decreto 4524 de 17/12/2002, atualizado pelas Leis 10637/2002 (PIS-PASEP) e 10833/2003 (COFINS), que tratam da modalidade não cumulativa. TRATAMENTO CONTÁBIL DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (PIS) INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR 07/1970 e PARA O PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO (PASEP) INSTITUÍDA

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015

Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015 Agenda Tributária: de 07 a 13 de maio de 2015 Dia: 07 CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados Envio ao Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) da relação das admissões, demissões e transferências

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 6 - Data 6 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF IRPJ. RETENÇÃO NA FONTE.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

PIS e COFINS não-cumulativos e o direito ao crédito sobre insumos

PIS e COFINS não-cumulativos e o direito ao crédito sobre insumos PIS e COFINS não-cumulativos e o direito ao crédito sobre insumos André Henrique Lemos - Bacharel em Direito pela UNIVALI - Universidade do Vale do Itajaí. - Advogado militante em Direito empresarial.

Leia mais

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS

EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS EFD-Contribuições Informações PIS/COFINS 1. Introdução 2. Obrigatoriedade e dispensa 3. Periodicidade e prazo de entrega (Alterações IN nº 1.305/2012 e ADE Cofis nº 65/2012) 4. Dispensa do Dacon 5. Forma

Leia mais

Imposto de Renda. Conceito de Renda: - Constituição Federal. - Código Tributário Nacional

Imposto de Renda. Conceito de Renda: - Constituição Federal. - Código Tributário Nacional Imposto de Renda Conceito de Renda: - Constituição Federal Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre: (...) III- renda e proventos de qualquer natureza; - Código Tributário Nacional Art. 43. O

Leia mais

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR

DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR DEVOLUÇÃO DE VENDAS - DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 745 DEVOLUÇÃO DE VENDAS DOS PERÍODOS ATUAL E ANTERIOR 1 - DEFINIÇÕES: (*) por Silvério das Neves 1.1 - RECEITA BRUTA A receita bruta das vendas e serviços

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528

LUCRO PRESUMIDO. Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 LUCRO PRESUMIDO Regulamentado pelo Decreto 3000/1999 Regulamento do IR Arts. 516 a 528 O QUE É O LUCRO PRESUMIDO É uma forma optativa, que tem a finalidade de facilitar o pagamento do IRPJ, sem ter que

Leia mais

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. Créditos Fiscais (ICMS/ IPI/ PIS e COFINS) Julho 2012. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS

Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Informações gerais sobre a EFD-PIS/COFINS Legislação Conforme instituído pela Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010, sujeitam à obrigatoriedade de geração de arquivo da Escrituração Fiscal

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Retenção do PCC nos Pagamentos por Compensação 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão... 5 5. Referências... 5 6. Histórico de alterações... 5 2 1.

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2012 (Do Sr. Vaz de Lima) Altera os Anexos da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, para permitir o abatimento de parcela dedutível do valor devido mensalmente

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

8ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

8ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 8ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 389, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2008: Assunto: Outros Tributos ou Contribuições SIMPLES NACIONAL. RECOLHIMENTO DO IMPOSTO DE RENDA RELATIVO AO GANHO

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos IRRF de Locador Residente no Exterior IRRF de 23/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Incidência do Imposto de Renda Sobre Locação de Imóveis... 5 3.2

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação 13 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 50 - Cosit Data 20 de fevereiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP RETENÇÃO NA FONTE. SERVIÇOS DE CONSULTORIA

Leia mais

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC)

LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) EMPRESA: LAY-OUT ARQUIVOS DE INTEGRAÇÃO (Notas Fiscais e CTRC) NOME DO ARQUIVO Existem dois nomes possíveis: um para as notas de saída e outro para as notas de entrada. - Saídas : O nome do arquivo deve

Leia mais