ARMAZENAMENTO DE LOGS E INFORMAÇÕES GERAIS (PRAZO/CONDIÇÕES)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARMAZENAMENTO DE LOGS E INFORMAÇÕES GERAIS (PRAZO/CONDIÇÕES)"

Transcrição

1 - RNP Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança CAIS III SegInfo Workshop de Segurança da Informação 27 de agosto de 2007, Rio de Janeiro/RJ ARMAZENAMENTO DE LOGS E INFORMAÇÕES GERAIS (PRAZO/CONDIÇÕES) 2007 Omar Kaminski

2 2

3 3

4 4

5 5

6 O que são logs? Os logs são registros de atividades gerados por softwares. Que tipo de informação está presente em um log? * Data e horário em que ocorreu uma determinada atividade; * Endereço IP de origem da atividade; * Portas envolvidas; * O timezone do horário do log; * Protocolo utilizado (TCP, UDP, ICMP, etc). * Os dados completos que foram enviados para o computador ou rede. Fonte: Cartilha de Segurança para Internet (Cert.br, 2006) 6

7 Por que armazenar os logs? a-) Para identificar um incidente de segurança (ou falha de sistema); b-) Como (única) forma de identificar determinada conexão do usuário; Inviolabilidade da intimidade, vida privada, honra (art. 5º, X CF); É inviolável o sigilo (...) das comunicações de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal (Art. 5º, XII da Constituição Federal, regulamentado pela Lei nº 9.296/96); * Regra: dever de manutenção do sigilo, salvo ordem judicial ou autorização expressa. 7

8 Recomendações para o desenvolvimento e operação da Internet no Brasil (CGI.br, 1999) 3. Provedores de Acesso 3.2 Manutenção de Dados de Conexão Os serviços de telefonia e transmissão de dados mantêm por um prazo de cinco anos os dados de conexões e chamadas realizadas por seus clientes para fins judiciais, inexistindo procedimento semelhante na Internet brasileira. Recomendação: Os provedores de acesso devem passar a manter, por um prazo mínimo de três anos, os dados de conexão e comunicação realizadas por seus equipamentos (identificação do endereço IP, data e hora de início e término da conexão e origem da chamada). 8

9 Tribunal de Justiça de Minas Gerais (2005) O fornecimento de dados cadastrais em poder do provedor de acesso à Internet, que permitam a identificação de autor de crimes digitais, não fere o direito à privacidade e o sigilo das comunicações, uma vez que dizem respeito à qualificação de pessoas, e não ao teor da mensagem enviada. (TJ/MG 3ª Câmara Criminal, Mandado de Segurança , Relator Des. Paulo Cézar Dias, julgado em 01/03/2005, unânime.) 9

10 Supremo Tribunal Federal (2006) "Não há violação do art. 5º. XII, da Constituição que, conforme se acentuou na sentença, não se aplica ao caso, pois não houve quebra de sigilo das comunicações de dados (interceptação das comunicações), mas sim apreensão de base física na qual se encontravam os dados, mediante prévia e fundamentada decisão judicial. 4. A proteção a que se refere o art. 5º, XII, da Constituição, é da comunicação de dados e não dos dados em si mesmos, ainda quando armazenados em computador. (STF - Pleno, Recurso Extraordinário , Relator Ministro Sepúlveda Pertence, julgado em 10/05/2006, por maioria.) 10

11 Superior Tribunal de Justiça (2006) "No tocante à diligência requerida, (...) visa somente obter os dados do usuário conectado ao IP no dia e hora mencionados, a fim de instruir investigação instaurada perante a Justiça estrangeira. Esta Corte já proferiu decisão no sentido de que o fornecimento de dados cadastrais, como o endereço p. ex., não está protegido pelo sigilo. (...) Não há falar, nesses termos, em ofensa à soberania nacional ou à ordem pública, eis que, (...) pela interpretação da garantia estampada no art. 5º, X e XII da CF/88, veda-se a quebra do sigilo da comunicação dos dados, não do conhecimento do dados em si. (...) (STJ, Carta Rogatória 297-DE, Relator Ministro Barros Monteiro, julgado em 18/09/2006) 11

12 12

13 Cibercafés ou lan-houses Lei Estadual (SP) nº , de 11 de janeiro de 2006 Dispõe sobre os estabelecimentos comerciais que colocam a disposição, mediante locação, computadores e máquinas para acesso à Internet e dá outras providências. Artigo 2º - Os estabelecimentos de que trata esta lei ficam obrigados a criar e manter cadastro atualizado de seus usuários, contendo: I - nome completo; II - data de nascimento; III - endereço completo; IV - telefone; V - número de documento de identidade. 1º - O responsável pelo estabelecimento deverá exigir dos interessados a exibição de documento de identidade, no ato de seu cadastramento e sempre que forem fazer uso de computador ou máquina. 13

14 Cibercafés ou lan-houses Lei Estadual (SP) nº , de 11 de janeiro de º - O estabelecimento deverá registrar a hora inicial e final de cada acesso, com a identificação do usuário e do equipamento por ele utilizado. 3º - Os estabelecimentos não permitirão o uso dos computadores ou máquinas: 1. a pessoas que não fornecerem os dados previstos neste artigo, ou o fizerem de forma incompleta; 2. a pessoas que não portarem documento de identidade, ou se negarem a exibi-lo; 4º - As informações e o registro previstos neste artigo deverão ser mantidos por, no mínimo, 60 (sessenta) meses. 14

15 Cibercafés ou lan-houses Lei Estadual (SP) nº , de 11 de janeiro de º - O fornecimento dos dados cadastrais e demais informações de que trata este artigo só poderá ser feito mediante ordem ou autorização judicial. 7º - Excetuada a hipótese prevista no 6º, é vedada a divulgação dos dados cadastrais e demais informações de que trata este artigo, salvo se houver expressa autorização do usuário. Artigo 6º - A inobservância do disposto nesta lei sujeitará o infrator às seguintes penalidades: I - multa, no valor de R$ 3.000,00 (três mil reais) a R$ ,00 (dez mil reais), de acordo com a gravidade da infração, conforme critérios a serem definidos em regulamento (...); 15

16 Cibercafés ou lan-houses Lei Estadual (RJ) nº 4.782, de 26 de junho de 2006 Art 1º - Fica proibida a abertura de estabelecimentos comerciais voltados para a locação de máquinas de jogos de computador, denominados lan houses, a uma distância menor que 1 (um) mil metros das unidades de ensino de 1º e 2º graus, no âmbito do Estado do Rio de Janeiro. Art. 2º - A não observância da presente Lei implicará no fechamento imediato do estabelecimento comercial. 16

17 Substitutivo aos PLC 76/2000, 137/2000 e PLS 89/2003 Art. 21. O responsável pelo provimento de acesso a rede de computadores é obrigado a: I manter em ambiente controlado e de segurança os dados de conexões realizadas por seus equipamentos, aptos à identificação do usuário e dos endereços eletrônicos de origem, da data, do horário de início e término e referência GMT, das conexões, pelo prazo de três anos, para prover os elementos probatórios essenciais de identificação da autoria das conexões na rede de computadores; II tornar disponíveis à autoridade competente, por expressa autorização judicial, os dados e informações mencionados no inciso I no curso de auditoria técnica a que forem submetidos; III fornecer, por expressa autorização judicial, no curso de investigação, os dados de conexões realizadas e os dados de identificação de usuário; 17

18 Substitutivo aos PLC 76/2000, 137/2000 e PLS 89/2003 Art. 21. O responsável pelo provimento de acesso a rede de computadores é obrigado a: IV preservar imediatamente, após a solicitação expressa da autoridade juridical, no curso de investigação, os dados de conexões realizadas, os dados de identificação de usuário e as comunicações realizadas daquela investigação, respondendo civil e penalmente pela sua absoluta confidencialidade e inviolabilidade; V informar, de maneira sigilosa, à autoridade policial competente, denúncia da qual tenha tomado conhecimento e que contenha indícios de conduta delituosa na rede de computadores sob sua responsabilidade; 1º Os dados e conexões realizadas em redes de computadores, aptos à identificação do usuário, as condições de segurança de sua guarda (...) serão definidos nos termos de regulamento. 18

19 19

20 20

21 21

22 22

23 23

24 24

25 Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (2007) "O consumidor tem o direito de manifestar sua inconformidade frente ao serviço defeituoso prestado, pois é certo que as críticas, ainda que feitas em sites, também constituem manifestação do pensamento, direito assegurado constitucionalmente ao cidadão. Procedimento que não agrediu a honra da empresa demandante, não configurando ato ilícito indenizável. Direito constitucional de opinar e de discordar. Manifestação ofensiva dirigida à funcionária responsável pelo atendimento do cliente. (TJ/RS 10a. Câmara Cível, Apelação Cível , Rel. Des. Paulo Antônio Kretzmann, julgado em 12/07/2007) 25

26 26

27 27

28 28

29 29

30 30

31 31

32 PRINCIPAIS OPERAÇÕES DA POLÍCIA FEDERAL CASH NET PA, 25 prisões, 23 denúncias em 2002 e 63 denúncias em WEB PAGE MS, RJ e SP. Resultou na primeira condenação por crime cibernético no Brasil CAVALO DE TRÓIA PA, GO, MA e PI. 33 mandados de busca e apreensão e outros de prisão, 27 prisões CAVALO DE TRÓIA II PA, TO, MA e CE. 64 prisões. Prejuízo estimado em R$240 milhões CLONE DF, 4 prisões. Prejuízo estimado em R$10 milhões PÉGASUS e PEGASUS II GO, PA, DF, TO, MA, ES, MG e SP. 113 prisões. 32

33 OPERAÇÕES DA POLÍCIA FEDERAL PONTO COM RS, SC e PR. 45 mandados de prisão, 63 mandados de busca e apreensão e um mandado de apreensão de menor SCAN PB, RN, CE, PE, BA, SP e PR. 55 prisões. Prejuízo estimado em R$10 milhões REPLICANTE GO, TO, RN, RJ e DF. 54 prisões CTRL+ALT+DEL PA, PI e MA. 41 prisões VALÁQUIA PI e MA. 27 mandados de busca e apreensão e diversos de prisão COLOSSUS RN, SP, RJ, CE e PB. 41 mandados de busca e apreensão e 29 mandados de prisão. 33

34 Tribunal Regional Federal da 1a Região (2004) "Crime de estelionato praticado pela internet, com a participação, segundo o que consta do inquérito, de diversas pessoas, com atuações determinadas - a) o programador (o que cria a página clone, os programas, ex. o Trojan ou cavalo de Tróia) - responsável pela captura da senha; é o cracker, não hacker, b) o usuário (o explorador direto do programa), ou seja, o operador do programa; c) o plaqueiro, (de placa), biscoiteiro ou cartãozeiro (responsável pela aquisição dos cartões bancários e pela arrecadação de boletos que serão pagos via internet); d) sub-plaqueiro (a pessoa que, apesar de não conhecer os usuários do programa, compra os cartões magnéticos dos laranjas e os vende a plaqueiros que mantém contato com o usuário; e) o laranja (o que empresta sua conta para receber os créditos espúrios da internet) - com a finalidade de pescar (obter mediante ardil) a senha de correntistas [pishing = password (senha) + fishing (pescaria)] e retirar dinheiro de suas contas bancárias (...) (TRF1 3ª T., HC /MA, Rel. Juiz Tourinho Neto, j , v.u., DJ ) 34

35 Tribunal de Justiça de Minas Gerais (2005) "Se, por um lado, a conduta dos hackers é considerada previsível e evitável, atualmente, dependendo apenas da evolução tecnológica, não havendo como aplicar-se a excludente de força maior, por outro, a apuração da responsabilidade das empresas prestadoras de serviços de acesso à rede mundial depende do caso concreto. A publicidade amplamente divulgada garantindo segurança aos assinantes da provedora implica responsabilidade da empresa nos exatos termos da oferta apresentada, já que respondem os provedores pelos serviços prestados aos usuários por força de obrigação contratual. Em questão de responsabilização, há de se ter em conta se a empresa veiculou publicidade quanto à existência de segurança para a hospedagem dos sites, ou se comprovou ter informado a seus clientes, de maneira transparente, sobre as questões relativas às invasões dos hackers. A ausência de qualquer informação nesse sentido pode dar ensejo à responsabilidade da provedora. (TA/MG 3ª C.Cív., AC , Rel. Juíza Tereza Cristina da Cunha Peixoto, j , v.u., DJ ) 35

36 Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (2005) "Os hackers sao indivíduos que entram num sistema de informática, quebrando sistemas de segurança, para causar danos. 3. A discussão do tema segurança na rede envolve a discussão de dois assuntos polêmicos: anonimato e privacidade. 4. O direito à privacidade constitui um limite natural ao direito à informação. 5. O direito ao anonimato constitui um dificultador dos mecanismos de segurança em ambiente virtual. 6. Incentivar a clandestinidade na rede significa torná-la um mundo em que ninguém é obrigado a nada, nem responsável por nada. 7. Os provedores, como portas de entrada e saída da rede, são os que têm possibilidade de averiguar os dados dos internautas que sejam seus clientes, propiciando que se investigue a prática de atos irregulares. (TJ/RJ - 8ª C.Cív., AI , Rel. Des. Leticia Sardas, j , v.u.) 36

37 Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (2006) "Furto x estelionato. Lesados que tiveram valores subtraídos de suas contas. Furto mediante fraude. Hacker. Absorção do crime de interceptação das comunicações telemáticas pelo crime de furto. Se não houve entrega da coisa pelo lesado, mas subtração, a conduta se ajusta ao tipo penal que prevê o crime de furto. Crime de furto mediante fraude e crime de interceptação das comunicações telemáticas. Conduta do agente consistente em criar propaganda falsa em sítio da internet, objetivando atrair usuários para, infectando-se seus computadores com vírus TROJAN (cavalo de tróia), obter os dados bancários e senhas das vítimas, para a consumação da subtração dos valores lá depositados. (TJ/RJ 3ª C.Crim., AC 3841/2006, Rel. Des. Marco Aurélio Bellizze, j , v.u.) 37

38 Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (2007) "(...) é sabido que os sistemas informatizados mantidos pelas instituições financeiras são frequentemente abordados por hackers que capturam as senhas dos correntistas e realizam diversas operações em nome dos mesmos. Assim, diante da previsibilidade dos eventos danosos, imputam-se à instituição bancária os constrangimentos sofridos pela demandante.(...) (TJ/RJ 8ª C.Cív., AC , Rel. Des. Roberto Felinto, j , v.u.) 38

39 39

40 40

41 41

42 42

43 43

44 44

45 45

46 46

47 47

48 48

49 49

50 50

51 51

52 52

53 53

54 54

55 55

56 Informações de Contato Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança CAIS - Omar Kaminski - 56

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet

Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet Proteção do Sigilo de Informações e Marco Civil da Internet 2 Não há lei brasileira que regule a atividade de navegação na internet ou traga disposições específicas e exclusivas sobre os dados que circulam

Leia mais

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br Questões Jurídicas Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar atos jurídicos? Precisamos

Leia mais

SUBSTITUTIVO. (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) O CONGRESSO NACIONAL decreta:

SUBSTITUTIVO. (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) O CONGRESSO NACIONAL decreta: 20 SUBSTITUTIVO (ao PLS 76/2000, PLS 137/2000 e PLC 89/2003) Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), o Decreto-Lei nº 1.001, de 21 de outubro de 1969 (Código Penal Militar),

Leia mais

Questões Jurídicas no Marketing Digital

Questões Jurídicas no Marketing Digital Questões Jurídicas no Marketing Digital Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar

Leia mais

Marco Civil da Internet Herói ou vilão?

Marco Civil da Internet Herói ou vilão? II Workshop de Tecnologia de Redes do Ponto de Presença da RNP no Paraná Marco Civil da Internet Herói ou vilão? Curitiba - PR, 18 de setembro 2015 Apresentação: Omar Kaminski http://marcocivildadepressao.tumblr.com

Leia mais

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA

4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4 NOÇÕES DE DIREITO E LEGISLAÇÃO EM INFORMÁTICA 4.1 Legislação aplicável a crimes cibernéticos Classifica-se como Crime Cibernético: Crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), furtos, extorsão,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 543, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as Tabelas de Custas e a Tabela de Porte de Remessa e Retorno dos Autos e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação

autorização ou em desconformidade com autorização do legítimo titular da rede de computadores, dispositivo de comunicação PROJETO DE LEI Nº 84/1999 CRIMES INFORMÁTICOS COMPARATIVO ENTRE A VERSÃO APROVADA NO SENADO E APRESENTADA NO PLENÁRIO DA CÂMARA EM 18/07/2008, E O SUBSTITUTIVO DO RELATOR NA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação 10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação Mesa Redonda: CRIMES DIGITAIS Recife/PE, 1º de Dezembro de 2004. Apresentação: Omar Kaminski Direitos e Garantias Constituicionais: II - ninguém será obrigado

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR

JORNADA DIVERSIDADE CULTURAL E NOVAS TECNOLOGIAS VERA KAISER SANCHES KERR SOMOS PRIVACIDADE ANÔNIMOS DE NA DADOS INTERNET? VERA KAISER SANCHES KERR SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Características Redução considerável do custo da transmissão de dados Uso das tecnologias de armazenamento

Leia mais

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação.

Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Legislação para TI uma abordagem das Leis Carolina Dieckmann, Azeredo, Marco Civil da Internet Decreto de Segurança da Informação. Prof. Marcos Monteiro te ...pode ser tipificado como : Falsidade ideológica

Leia mais

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO STJ N. 1 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL

Leia mais

DISCIPLINA AS ATIVIDADES DE LAN HOUSES, E ESTABELECIMENTOS SEMELHANTES NO MUNICIPIO DE MONTE ALEGRE DE MINAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISCIPLINA AS ATIVIDADES DE LAN HOUSES, E ESTABELECIMENTOS SEMELHANTES NO MUNICIPIO DE MONTE ALEGRE DE MINAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 2.380/2008 DISCIPLINA AS ATIVIDADES DE LAN HOUSES, E ESTABELECIMENTOS SEMELHANTES NO MUNICIPIO DE MONTE ALEGRE DE MINAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Monte Alegre de Minas aprovou,

Leia mais

*02099563* k. ", ---, S2 - ' Vistos, relatados e discutidos estes autos- de N. *"* APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 604.346-4/7-00; da" Comarca de.

*02099563* k. , ---, S2 - ' Vistos, relatados e discutidos estes autos- de N. ** APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 604.346-4/7-00; da Comarca de. 1 PODER jydiciario TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Ç - - ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA Q - -. ACÓRDÃO"' REGISTRADO(A)SOBNo S ' i imin mu mil um mu mil uni um mi mi I '

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 215, DE 2015 (EM APENSO OS PLS NºS 1.547 E 1.589, DE 2015) Acrescenta inciso V ao art. 141 do Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos

Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos $ 5(63216$%,/,'$'( &,9,/ '2 3529('25 '( $&(662,17(51(7 Dr. Guilherme Augusto Gonçalves Machado advogado mestrando em Direito Empresarial pela Faculdade de Direito Milton Campos A Internet se caracteriza

Leia mais

LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996

LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996 LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996 Fundamento Constitucional Art. 5º, XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Substitua-se o Projeto pelo seguinte:

Substitua-se o Projeto pelo seguinte: Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 89, de 2003 (PL nº 84, de 1999, na Casa de origem), que Altera o Decreto- Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal e a Lei nº 9.296, de

Leia mais

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE ANTEPROJETO DE LEI PARA DEBATE COLABORATIVO Estabelece o Marco Civil da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Esta Lei estabelece direitos

Leia mais

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996.

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Interceptação Telefônica. II) Legislação correlata LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000616201 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1104950-49.2014.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA, é apelada

Leia mais

Adoto o relatório do juízo sentenciante, assim redigido:

Adoto o relatório do juízo sentenciante, assim redigido: 1 PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL DE JUSTIÇA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO Nº 0008742-88.2010.8.19.0024 APELANTE: ALESSANDRO DA COSTA FONTES APELADA: GOOGLE INTERNET

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização. Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACADÊMICOS Palestras e Cursos de Atualização Carga horária: Haverá adequação de carga horária conforme conteúdo contratado. 1. Privacidade Online, Monitoramento eletrônico e Quebra

Leia mais

Sessão 6: Painel. Garantindo direitos na Internet: o Marco Civil brasileiro e a "Dichiarazione dei Diritti" italiana

Sessão 6: Painel. Garantindo direitos na Internet: o Marco Civil brasileiro e a Dichiarazione dei Diritti italiana Sessão 6: Painel Garantindo direitos na Internet: o Marco Civil brasileiro e a "Dichiarazione dei Diritti" italiana São Paulo - SP, 16 de setembro 2015 Indutor: Omar Kaminski Privacidade é o poder de revelar-se

Leia mais

II - os direitos humanos e o exercício da cidadania em meios digitais;

II - os direitos humanos e o exercício da cidadania em meios digitais; 1 TEXTO ORIGINAL PROPOSTA DO RELATOR Projeto de Lei 2.126 de 2011 Substitutivo ao Projeto de Lei 2.126 de 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O Congresso

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

A NOVA LEI 12.737/12 IMPLICAÇÕES NO TRATAMENTO DE INCIDENTES DE REDE

A NOVA LEI 12.737/12 IMPLICAÇÕES NO TRATAMENTO DE INCIDENTES DE REDE A NOVA LEI 12.737/12 IMPLICAÇÕES NO TRATAMENTO DE INCIDENTES DE REDE Serviço de Repressão a Crimes Cibernéticos Coordenação Geral de Polícia Fazendária Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado

Leia mais

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados

PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA. Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados PRIVACIDADE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Patrícia Schmitt Freitas e Schmitt Advogados o direito que cada um tem sobre seu nome, sua imagem, sua intimidade, sua honra e sua reputação, sua própria biografia, e

Leia mais

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil

Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Combatendo Crimes Cibernéticos Proteção Legal no Brasil André Machado Caricatti Jorilson da Silva Rodrigues Crimes Cibernéticos - Proteção Legal no Brasil Objetivo do Trabalho Utilizar um modelo de referência

Leia mais

DELITOS CIBERNÉTICOS: Polícia Federal

DELITOS CIBERNÉTICOS: Polícia Federal DELITOS CIBERNÉTICOS: Polícia Federal Polícia Federal Superintendência Regional no Distrito Federal Grupo de Repressão a Crimes Cibernéticos Curso destinado à ATRICON: 09/10/2014 O que é Cibercrime? Crime

Leia mais

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA

DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA DEZ ANOS DA LEI DOS CRIMES CONTRA O MEIO AMBIENTE: QUESTÕES CONTROVERTIDAS E A JURISPRUDÊNCIA Eladio Lecey Diretor-Presidente, Escola Nacional da Magistratura - AMB Diretor, Escola Brasileira de Direito

Leia mais

1. Criação e manutenção de cadastros para identificação posterior dos usuários

1. Criação e manutenção de cadastros para identificação posterior dos usuários A Lei Estadual n. 12.228/06 dispõe sobre os estabelecimentos comerciais que colocam a disposição, mediante locação, computadores e máquinas para acesso à Internet, utilização de programas e de jogos eletrônicos.

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE

CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE OSMAR LOPES JUNIOR CONTROLE DE ACESSO À INTERNET PELAS EMPRESAS X DIREITO DE PRIVACIDADE A internet rompe barreiras, fronteiras e qualquer

Leia mais

C R I M E S Ô N PLC 89/2003 (PL 84/1999) Fernando Neto Botelho

C R I M E S Ô N PLC 89/2003 (PL 84/1999) Fernando Neto Botelho C R I M E S PLC 89/2003 (PL 84/1999) Fernando Neto Botelho E L E T R Ô N I C O S PL 84/1999 MUDANÇAS AS Mudanças as Código Penal (D.L. 2848/40): + 11 Crimes Código Penal Militar (D.L. 1001/69): + 9 Crimes

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.02.652231-8/001 Númeração 6522318- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) William Silvestrini null 11/01/2006 07/02/2006 FURTO - SINAIS DE TV A CABO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 1 Registro: 2013.0000396566 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0266410-42.2012.8.26.0000, da Comarca de Guarujá, em que é agravante GOOGLE BRASIL INTERNET

Leia mais

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS

ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS ALTERAÇÕES A TIPOS PENAIS COMO É HOJE VERSÃO DO PL ANTERIOR SUBSTITUTIVO APRESENTADO em 22 de setembro de 2015 Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: 1 SUBEMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL ÀS EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 2.126, DE 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014

MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23/04/2014 1. EMENTA A Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014, estabeleceu princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil, conhecido

Leia mais

Atividade jurisdicional na fase investigatória (busca e apreensão, quebras de sigilos, interceptação telefônica, juiz de garantias etc.

Atividade jurisdicional na fase investigatória (busca e apreensão, quebras de sigilos, interceptação telefônica, juiz de garantias etc. Atividade jurisdicional na fase investigatória (busca e apreensão, quebras de sigilos, interceptação telefônica, juiz de garantias etc.) Palestrante: Maurício Ramires 1. Questões gerais sobre a fase investigatória

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 527.703 - SP (2014/0128049-6) RELATORA AGRAVANTE AGRAVADO ADVOGADO AGRAVADO ADVOGADO : MINISTRA REGINA HELENA COSTA : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL : JOSÉ CARLOS ISSA DIP : PAULO

Leia mais

I Pesquisa de Segurança da Rede Acadêmica Brasileira

I Pesquisa de Segurança da Rede Acadêmica Brasileira I Pesquisa de Segurança da Rede Acadêmica Brasileira Análise de Resultados Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança 1 I Pesquisa de Segurança da Rede Acadêmica Brasileira Análise de Resultados

Leia mais

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES RIPOLL DE MACEDO e OUTROS, com fundamento no art. 105,

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: LEANDRO CADENAS

CURSO ON-LINE PROFESSOR: LEANDRO CADENAS Caros amigos, bom dia. Já fim de ano, momento de avaliação do ano que acaba e de projeções para o ano que desponta. Mas o STF não para!! Enquanto muitos se preocupam com os presentes de Natal (esquecendo,

Leia mais

Despacho em 14/09/2012 - RP Nº 6076 Excelentíssimo Senhor Juiz RUY JANDER TEIXEIRA DA ROCHA. Representação N.º 60-76.2012.6.15.0017. Vistos etc.

Despacho em 14/09/2012 - RP Nº 6076 Excelentíssimo Senhor Juiz RUY JANDER TEIXEIRA DA ROCHA. Representação N.º 60-76.2012.6.15.0017. Vistos etc. Despacho em 14/09/2012 - RP Nº 6076 Excelentíssimo Senhor Juiz RUY JANDER TEIXEIRA DA ROCHA Representação N.º 60-76.2012.6.15.0017. Vistos etc. Sobre o pedido retro de reconsideração, reiterado de forma

Leia mais

11175,1;.-.' - ESTADJDA-PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA

11175,1;.-.' - ESTADJDA-PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ' -rr r * 11175,1;.-.' - ESTADJDA-PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. NILO LUIS RAMALHO VIEIRA ACÓRDÃO HABEAS CORPUS N 001.2006.001615-9/001 RELATOR: Des. Nilo Luis Ramalho vieira IMPETRANTE: Francisco

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.126-B DE 2011 Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

Confira no mapa ao lado os Estados que obrigam a prestação da Carta Fiança / Fiança Bancária por parte da empresa

Confira no mapa ao lado os Estados que obrigam a prestação da Carta Fiança / Fiança Bancária por parte da empresa RR AP Confira no mapa ao lado os Estados que obrigam a prestação da Carta Fiança / Fiança Bancária por parte da empresa desenvolvedora do PAF-ECF. As Medidas Judiciais que desobrigam a prestação da Carta

Leia mais

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET Anexo Biblioteca Informa nº 2.301 O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DO MARCO CIVIL DA INTERNET Autores André Zonaro Giacchetta Ciro Torres Freitas Pamela Gabrielle Meneguetti Sócio e Associados da Área Contenciosa

Leia mais

Curso de Compliance: A Nova Lei Anticorrupção Efeitos Práticos

Curso de Compliance: A Nova Lei Anticorrupção Efeitos Práticos Curso de Compliance: A Nova Lei Anticorrupção Efeitos Práticos Módulo: Aspectos Criminais e Investigação Interna 20 de fevereiro de 2014 Luciano Tosi Soussumi A Corrupção no Mundo: fonte site Transparency

Leia mais

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Por Tácio Lacerda Gama Doutor em Direito pela PUC/SP Um caso concreto A União Federal move ação

Leia mais

Termo de Adesão ao Internet Banking. O Bradesco Internet Banking disponibiliza aos seus Clientes produtos e serviços bancários, tais como:

Termo de Adesão ao Internet Banking. O Bradesco Internet Banking disponibiliza aos seus Clientes produtos e serviços bancários, tais como: Termo de Adesão ao Internet Banking O Bradesco Internet Banking disponibiliza aos seus Clientes produtos e serviços bancários, tais como: Saldos e extratos, pagamentos, agendamentos, transferências, recarga

Leia mais

Barrichello versus Google

Barrichello versus Google Barrichello versus Google Fernando Stacchini Advogado graduado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Especialista em Contratos e Propriedade Intelectual. Sócio de Stacchini Advogados.

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Sra. Soraya Santos) Torna mais rigorosa a punição dos crimes contra a honra cometidos mediantes disponibilização de conteúdo na internet ou que ensejarem

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Deputado Federal Alessandro Lucciola Molon (Partido dos Trabalhadores Rio de Janeiro) Relator do Projeto de Lei 2.126/2011 (Lei 12.965/2014) 16 Giugno 2014 Montecitorio publicado no D.O.U. de 24.4.2014

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (setembro/13) outubro de 2013 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE Curitiba, 21 de novembro de 2012 CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver conflito de interesses na apresentação desta palestra, sendo que

Leia mais

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR

NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR NOVA LEI DE CRIMES CIBERNÉTICOS ENTRA EM VIGOR Apelidada de Lei Carolina Dieckmann, a Lei nº 12.737, de 30 de novembro de 2012, entrou em pleno vigor no último dia 3 de abril de 2013, alterando o Código

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Dep. Federal Alessandro Molon (PT-RJ) Relator do PL 2.126/2011 VI Seminário Telcomp São Paulo, 25 de setembro de 2013 + amplamente debatido 2.300 contribuições consultas públicas 6 audiências e seminários

Leia mais

Ribeiro R E L A T Ó R I O

Ribeiro R E L A T Ó R I O R E L A T Ó R I O Trata-se de Recurso de Apelação interposto por WILKLERBION DA SILVA COELHO RAMOS contra decisão proferida pelo MM. Juiz Federal da 11ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado de Goiás,

Leia mais

CPI Crimes Cibernéticos

CPI Crimes Cibernéticos CPI Crimes Cibernéticos AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA DOS DEPUTADOS ALEXANDER CASTRO BRASÍLIA, 01 DE DEZEMBRO DE 2015 Telecomunicações e Internet As redes de telecomunicações existentes em cada país servem

Leia mais

MONITORAMENTO DO CORREIO ELETRÔNICO E DA NAVEGAÇÃO NA INTERNET NO AMBIENTE LABORAL

MONITORAMENTO DO CORREIO ELETRÔNICO E DA NAVEGAÇÃO NA INTERNET NO AMBIENTE LABORAL MONITORAMENTO DO CORREIO ELETRÔNICO E DA NAVEGAÇÃO NA INTERNET NO AMBIENTE LABORAL Aldemario Araujo Castro Procurador da Fazenda Nacional Corregedor-Geral da Advocacia da União Professor da Universidade

Leia mais

Processo eletrônico na visão do advogado, aspectos relevantes da Lei do Processo Eletrônico Lei nº 11.419/2006 Juiz Federal Sérgio Tejada Garcia

Processo eletrônico na visão do advogado, aspectos relevantes da Lei do Processo Eletrônico Lei nº 11.419/2006 Juiz Federal Sérgio Tejada Garcia edoc 2015 PORTO ALEGRE 09 e 10 de JUNHO/2015 Processo eletrônico na visão do advogado, aspectos relevantes da Lei do Processo Eletrônico Lei nº 11.419/2006 Juiz Federal Sérgio Tejada Garcia TOTAL DE PROCESSOS

Leia mais

Panorama de incidentes de segurança nas redes acadêmicas brasileiras

Panorama de incidentes de segurança nas redes acadêmicas brasileiras Panorama de incidentes de segurança nas redes acadêmicas brasileiras Atanaí Sousa Ticianelli Coordenador de segurança Gestão de Incidentes de Segurança - GIS Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança

Leia mais

RELATÓRIO. Brasília/DF, 20 de maio de 2013.

RELATÓRIO. Brasília/DF, 20 de maio de 2013. RELATÓRIO Brasília/DF, 20 de maio de 2013. Este relatório apresenta dados sobre a publicação pelos órgãos do Poder Judiciário do detalhamento da folha de pagamento de pessoal, nos sítios eletrônicos, conforme

Leia mais

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC Relatório Mensal de Incidentes de Segurança como instrumento de melhoria contínua Rildo Souza Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança (CAIS) Agenda Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET

MARCO CIVIL DA INTERNET MARCO CIVIL DA INTERNET (Lei nº 12.965/2014) Aspectos Probatórios da Requisição Judicial de Registros e Processo Coletivo REQUISIÇÃO JUDICIAL DE REGISTROS (ASPECTOS PROBATÓRIOS) (arts.22 e 23, Lei 12.965/2014)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 122 Registro: 2014.0000513173 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1104017-13.2013.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante TAM LINHAS AEREAS S/A, é apelado

Leia mais

Configuração de NFe. Acesse o módulo Administrativo.

Configuração de NFe. Acesse o módulo Administrativo. Configuração de NFe Para definir as configurações (Parâmetros) de cada empresa ou filial cadastrada no sistema para envios de NF-e, proceda da seguinte forma: Acesse o módulo Administrativo. Clique no

Leia mais

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA.

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA. 1 Brasília (DF), 7 de maio de 2012. Ilustríssimo Senhor Professor LUIZ HENRIQUE SCHUCH, 1º Vice-Presidente do SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR- ANDES-SINDICATO NACIONAL.

Leia mais

INSTRUMENTO 1.362.116-6, DA 4.ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA AGRAVANTE

INSTRUMENTO 1.362.116-6, DA 4.ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA AGRAVANTE AGRAVO DE INSTRUMENTO 1.362.116-6, DA 4.ª VARA CÍVEL DO FORO CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA AGRAVANTE: GOOGLE BRASIL INTERNET LTDA. AGRAVADO: ADILAR MARCELO DE LIMA RELATOR ORIGINÁRIO:

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014) Adriana de Moraes Cansian Advogada OAB/SP 332.517 adriana@cansian.com Ecosistema Agenda Breve histórico sobre Direito Digital. O Marco Civil e as pessoas de TI:

Leia mais

GRUPO 3. Pergunta do Professor:

GRUPO 3. Pergunta do Professor: GRUPO 3 Amanda Lima de Oliveira Mat. 12/0055627 Fernanda Brandão de Souza Mat. 12/0030403 Luisa Barros de Melo Mat. 12/0017211 Paula Cristina Margotto Mat. 12/0039702 Sarah Araujo do Monte Mat. 12/0022168

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PROFESSOR RODRIGO MENEZES facebook.com/prof.rodrigomenezes Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

Mas não lhe davam instrumentos para se. daí o inquérito civil

Mas não lhe davam instrumentos para se. daí o inquérito civil INQUÉRITO CIVIL PEÇAS DE INFORMAÇÃO Origens, conceito Valor, objeto Competência, fases Nulidades, controle de legalidade Hugo Nigro Mazzilli www.mazzilli.com.br 1 Inquérito civil a revolução no MP As diversas

Leia mais

DO COLETÂNEA ONLINE. Brasil Dados Públicos. atos oficiais atos administrativos processos judiciais editais, Avisos e Contratos orçamentos da União,

DO COLETÂNEA ONLINE. Brasil Dados Públicos. atos oficiais atos administrativos processos judiciais editais, Avisos e Contratos orçamentos da União, folheto de especificações ONLINE atos oficiais atos administrativos processos judiciais editais, Avisos e Contratos orçamentos da União, Estados e Municípios Base de dados eletrônica que contém a íntegra

Leia mais

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PROJEÇÃO FAPRO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ALLAN ARDISSON COSSET DIEGO ALVES DE PAIVA ERICK SOUSA DAMASCENO HUGO NASCIMENTO SERRA RICARDO FRANÇA RODRIGUES Legislação Aplicada à Computação Crimes de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MARCO CIVIL DA INTERNET

MARCO CIVIL DA INTERNET Constituição da Internet Brasileira MARCO CIVIL DA INTERNET LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil Instituto Coaliza Educação

Leia mais

INTERNET BANKING: DICAS DE SEGURANÇA. Palavras-chave: Segurança da Informação; Internet Banking; Fraudes; Riscos.

INTERNET BANKING: DICAS DE SEGURANÇA. Palavras-chave: Segurança da Informação; Internet Banking; Fraudes; Riscos. 1 INTERNET BANKING: DICAS DE SEGURANÇA Alexandre Kaspary 1 Alexandre Ramos 2 Leo Andre Blatt 3 William Rohr 4 Fábio Matias Kerber 5 Palavras-chave: Segurança da Informação; Internet Banking; Fraudes; Riscos.

Leia mais

RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002 Define políticas, normas e procedimentos que disciplinam a utilização de equipamentos, recursos e serviços de informática do Unilasalle. O Reitor

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (Porque investir) JAN/2007 Aristóbulo Angelim de Araújo ari@prodamnet.com.br 2121-6438 Processamento de Dados Amazonas S.A. 1 AGENDA 1. NECESSIDADES ATUAIS 2. PRINCIPAIS PROBLEMAS

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO N. 1766-12.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE - RS REPRESENTANTE: DANIEL BORDIGNON REPRESENTADO: FACEBOOK SERVIÇOS ONLINE DO BRASIL LTDA. RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL OTÁVIO ROBERTO PAMPLONA

Leia mais

TERMO DE USO VIVO EASY. Vivo SP, RJ, ES, PR, MG, BA, GO, MT, CE, PB, PE, AL, RN, PI, PR, SC RR, TO, AM, AP, PA, DF, RS, MS, SE, AC, MA e RO.

TERMO DE USO VIVO EASY. Vivo SP, RJ, ES, PR, MG, BA, GO, MT, CE, PB, PE, AL, RN, PI, PR, SC RR, TO, AM, AP, PA, DF, RS, MS, SE, AC, MA e RO. TERMO DE USO VIVO EASY Vivo SP, RJ, ES, PR, MG, BA, GO, MT, CE, PB, PE, AL, RN, PI, PR, SC RR, TO, AM, AP, PA, DF, RS, MS, SE, AC, MA e RO. As seguintes disposições regulam a utilização do serviço Vivo

Leia mais

LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014.

LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014. LEI Nº 12.965, DE 23 ABRIL DE 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Conscientização sobre a Segurança da Informação. Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras?

Conscientização sobre a Segurança da Informação. Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras? Conscientização sobre a Segurança da Informação Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras? PROFISSIONAIS DE O que é Segurança da Informação? A Segurança da Informação está relacionada

Leia mais

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Presidente do Conselho Curador da FESP, no uso de suas atribuições, faz regulamentar o uso da rede de computadores

Leia mais