CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS"

Transcrição

1 CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer especial atenção. Para tal, conto com o auxílio de D. W. Winnicott e de um poeta que tem o dom de construir imagens e colocar em palavras questões do cotidiano, Manoel de Barros. No poema O menino que carregava água na peneira, de (1999), em poucas palavras, Manoel de Barros nos apresenta tanto a experiência de fazer poesia como também o brincar de uma criança. Brincando com palavras, o autor estabelece um surpreendente encontro de realidades aparentemente incompatíveis, o que ele chama de desencontro da palavra com a ideia, como uma maneira de expressar algo que ele experimenta. Desconstruindo o sentido original das coisas, o autor poetiza, nos apresentando o mundo de forma singular. Não é o fato real, objetivo, observável e palpável que importa - sabemos que, de acordo com a lógica, peneira não tem como conter a água, não temos como criar peixe no bolso ou fazer pedra dar flor. Nas também não se trata de uma apresentação de sua realidade subjetiva, na qual não haveria um reconhecimento do externo ou do não-eu. Em suas imagens poéticas, ambas estão presentes - tanto a realidade subjetiva quanto a realidade objetiva coexistem de maneira particular. O poeta estabelece uma desconstrução do sentido original de uma peneira e um novo sentido lhe é atribuído, sendo revelado no decorrer do poema. Winnicott (1971) nos ensina que o bebê faz parecido quando toma uma fraldinha, um pedaço de cobertor ou qualquer outro objeto do mundo, dando a ele um sentido pessoal. A fralda deixa de ser fralda para se tornar a mãe, o próprio bebê e muito mais. Trata-se da experiência da ilusão de que a mãe, o seio, o modo como que é tratado são gerados pelo bebê, que neles encontra o que cria, estabelecendo um senso de unidade mãe-bebê. Este senso de unidade depende da possibilidade de o bebê desconstruir o sentido original de objetos que lhe são apresentados, estabelecendo assim um sentido pessoal, a que Winnicott chama de ilusão. Ser permitido ao bebê recriar o mundo torna-se a mais preciosa matéria-prima do brincar, experiência que ocorre em uma terceira área de experiência humana, um lugar onde vivemos que não corresponde nem à realidade interna nem à externa, mas ao 1 Psicóloga clínica, mestre em Psicologia Clínica (PUC-SP), professora no curso Um Percurso na Obra de Winnicott no Instituto Sedes Sapientiae, membro do Departamento de Criança do Instituto Sedes Sapientiae e do Espaço Potencial Winnicott, participante do Laboratório de Estudos de Transicionalidade (LET/PUC SP) e do PROFOCO Programa de Formação Continuada com o Prof. Dr. Gilberto Safra

2 campo do espaço potencial, no qual existe um experienciar em outro sentido de realidade e no qual o subjetivo e objetivo são vividos ao mesmo tempo; um campo onde tudo é e não-é. No campo da ilusão tratamos de experiências paradoxais - aqui, a comunicação não tem como ser totalmente revelada. No texto de Manuel de Barros (1999) fica claro como peneira é e não-é peneira, a pedra tem vida, os vazios são maiores e até infinitos. O brincar aqui se refere a algo além da simples experiência prazerosa ou de uma atividade meramente lúdica. Trata-se de um brincar que é fruto de contínuas experiências de criar aquilo que lá está para ser encontrado, de maneira que, passo a passo, se constitua a experiência que estabelece o amadurecimento humano. Existe algo nesta experiência que se apresenta de forma misteriosa, que encanta e sobre a qual costumamos ter muita dificuldade de falar. É exatamente este aspecto misterioso que abordo aqui, pois penso ser uma questão sobre a qual pouco nos atemos quando nos referimos ao brincar. Sendo o brincar caracterizado por experiências paradoxais e que, portanto, não têm como ser totalmente explicitadas, dizemos que ele mantém um aspecto que é mistério. Winnicott (1990) nos ensina que chegamos ao mundo com infindáveis potencialidades que nos são dadas. Esclarece ainda que, ao nascer, vivemos em um estado de não-integração, um estado em que, do ponto de vista do bebê, ainda não existe um antes e um depois, um interno ou externo. Trata-se de um estado a-temporal e a-espacial, em que o infinito e o finito, o tudo e o nada são vividos como a mesma coisa. O infante precisa viver uma série de experiências de confiabilidade e de continuidade de ser, nas quais é atendido de acordo com seu ritmo e necessidades, para que, então, possa estabelecer certas integrações, iniciando o processo de constituição de si mesmo. Esta, porém, não é linear e não se dá em um determinado momento, sendo este um processo que ocorre ao longo de toda a vida. A constituição do ser é um eterno devir, um eterno vir-a-ser. E, mais, Winnicott esclarece que o que somos capazes de integrar no decorrer de toda nossa existência é sempre uma ínfima parte de nossas potencialidades. Ao nascer somos um todo não-integrado, ele diz. O todo corresponde ao infinito e às infinitas potencialidades que abrigamos. De um todo não-integrado alcançamos o que é possível de ser integrado de forma singular, sendo este um dos grandes desafios que nos é colocado; a eterna tarefa de buscarmos a singularização de toda humanidade.

3 Seguindo o pensamento de Winnicott (1971) 2, compreendemos que, originalmente, somos silêncio, um todo não-integrado e, portanto, partimos de uma plenitude potencial. Quando tudo vai bem, tanto o amadurecimento quanto o brincar são acontecimentos naturais, fazendo parte da continuidade do ser. Todo amadurecimento humano é compreendido como um trânsito em-direção-a, um eterno porvir, sendo eterna obra inacabada. De um estado de não-integração emerge um gesto que é fruto de uma necessidade de dar existência a uma potencialidade em devir. Brincar é necessidade de estabelecer um gesto de acordo com a criatividade e espontaneidade do viver, uma maneira viva de estar no mundo. Ao brincar, a criança descobre o mundo a sua maneira, descobre a si mesma, cria consciências de si e do outro, constituindo o próprio self rumo ao amadurecimento. Nesta perspectiva, não podemos deixar de incluir a compreensão de estados de não-integração que compõem a paradoxalidade desta experiência. Precisamos sempre lembrar que é entre o integrado e o não-integrado que vivemos a experiência de ilusão, do brincar ou de qualquer experiência artística e cultural. O não-integrado em nós é muito maior do que costumamos imaginar; existe uma infinitude que sempre nos acompanha, sempre temos algo para além de nós a alcançar, o além do constituído, que pode estar tanto dentro como fora, impondo ao ser vivo importantes aberturas. Ou seja, o ser humano é um ser de dupla abertura, uma para o interno e outra para o externo, ambas transcendendo à possibilidade de apreensão, ambas fazendo parte de toda experiência humana. Cada uma delas remete o ser humano a experiências sem fim. Entre um infinito e outro, o self vive momentos constitutivos. São momentos de passagem entre o saber e o não-saber, o constituído e o não-constituído, em constante oscilação, estabelecendo uma unidade temporária, que paradoxalmente mantém uma linha de continuidade de ser em cada um de nós, em um eterno processo de vir a ser. Momentos de saber e de ignorância, ignorância interna a nosso respeito e ignorância a respeito de facetas do mundo. E é exatamente neste lugar entre infinitos que acontece o brincar, uma experiência e lugar entre. Em decorrência, o self mantém e aloja um infinito dentro e fora de si. 2 É interessante observar que a grande questão para Winnicott (1971) não é tanto saber se um símbolo com determinado sentido foi criado. Ele constantemente ressalta a importância do uso da experiência no tempo, o trânsito, o progresso em direção ao experienciar, o poder se dirigir em direção a, o movimentar-se, o processo que mantém e enriquece a continuidade do existir.

4 O infinito interno é um núcleo isolado do self que jamais é de fato alcançado (Winnicott, 1963). Sem dúvida, por definição, o infinito não tem como ser abarcado, sendo compreendido como tudo o que ainda não encontrou presença e encontro humano. O infinito externo é tudo que está no mundo, mas ainda não alcançou o estatuto de realidade compartilhada; dois infinitos a serem explorados e experimentados em busca de integração, estabelecendo possibilidades de colocar experiências sob o domínio do eu. Do infinito, do vazio, do silêncio emerge um gesto, uma ação que busca encontrar o que cria, paradoxalidade a ser aceita e não questionada, ilusão que colore o mundo de maneira singular. Algo que é infinito também nos remete ao grandioso, ao sensível e ao pré-verbal. O infinito não tem como ser emoldurado, definido, determinado, vai sempre além, escapa, é invisível. E, sem possibilidades de constituir imagens, é também indizível. É preciso inventar, é preciso criar. Tudo que não invento é falso, diz Barros. Ou seja, existe uma dimensão da experiência humana que apenas tem como ser inventada, entre o é e o não-é. A ilusão para Winnicott trata exatamente desse aspecto. O bebê apenas sente como sendo real o que é por ele criado. Ele precisa encontrar o que cria. Como já foi dito, uma fralda deixa de ser fralda, passa a ser mãe, o próprio bebê e muito mais. Quando compreendemos a presença do infinito no brincar, como uma dimensão que o acompanha, podemos também compreendê-lo como um momento mágico. O brincar sempre mantém em si algo que escapa, é invenção/criação constante... Transcende, pois, qualquer possibilidade de interpretação. O brincar mantém um mistério que lhe é próprio, próprio do indizível, estimulando eterna investigação. Safra nos diz: Frente a alguém existe sempre um mistério que não tem como ser apreendido; por mais que possamos nos aproximar, há sempre uma área que o mistério encobre. O que vivemos na mais profunda intimidade jamais tem com ser colocado em palavras. Winnicott também chama a atenção para a sensibilidade inerente a experiências que carregam em si o indizível. Em Brincar e Realidade (1971), ressalta que todo ser humano vive momentos em que não tem como verbalizar determinadas experiências; sempre existem algumas que, por fazerem parte de fenômenos muito primitivos na vida de uma pessoa, dificilmente chegam a ser colocadas em palavras; e quando o são, só podem ser expressas através da poesia. Talvez esta seja a maneira que o ser humano encontrou para falar a respeito de experiências fundamentais, de um período de vida pré-verbal, um momento de

5 vida muito delicado, em que o bebê ainda é muito frágil. A poesia pode ser, então, como diz Winnicott, uma forma adulta de articulação e (re)apresentação de algo que precisa constituir-se e, para tal, precisa manter o cuidado necessário da fase inicial de vida. Nessa perspectiva, tanto o brincar quanto a poesia só podem ocorrer em um campo de confiança, no qual não há lugar para insultos ou ofensas à delicadeza do que é pré-verbal. Estes são aspectos que chamam atenção no menino que carregava água na peneira. Desde pequeno, ele gostava mais do vazio do que do cheio. Tornou-se poeta. Barros (1999) se interessa mais em explorar novas experiências, buscando imagens através das quais se expressa, do que pelo que já tem constituído em si, o que já compreende ou sabe. Para ele, mais importa o brincar com palavras do que pensar conceitos que elas apresentam. Brincando ele redescobre sentidos sobre fenômenos humanos, constitui novas facetas de si e do humano em todos nós. A partir de suas experiências com as coisas do mundo, vai apresentando suas fascinantes viagens nas grandezas do ínfimo. Em um de seus trabalhos (1998), explicita que se sente mais mudado por seus textos do que por seu existir. Brincar com palavras é para ele criar e a mais genuína experiência de seu viver. Quando uma criança de fato brinca, ela se encontra em um estado muito especial. Presentifica com delicadeza e força toda a sua alegria, vibração, vivacidade encontrando oportunidade de atualizar, expandir e aprofundar os mais variados sentidos de seu ser. Constitui-se a partir de silêncios, de longes que não podem ter muita transparência sem gerar importantes desilusões, encapsulamentos e empobrecimento. A partir dos longes, tem oportunidade de apresentar o que constitui como real, conquistando a novidade, transformando-a em destino e em algo familiar. Tendo a necessária sustentação, existe neste experienciar uma evolução que se processa natural e espontaneamente, em silêncio e aos poucos. Há muito mais que pode ser falado a respeito do brincar. Mas espero ter esclarecido de onde vem toda vibração, alegria, mistério e encanto dessa experiência. É do nada, infinito que reverbera em todo ser, que emergem forças de expressão da criatividade original de cada um de nós. Deixo então duas questões que há muito me inquietam: Que futuro e destino teremos se nos deixarmos ser pressionados, não tendo mais tempo e possibilidade de carregar água na peneira? O que será da humanidade se as crianças, jovens e adultos deixarem de ter espaço para brincar?

6 BIBLIOGRAFIA: BARROS, M. (1998). Retrato Do Artista Quando Coisa. Record. BARROS, M. (1999). O menino que carregava água na peneira. In Exercício de ser Criança. Salamandra. WINNICOTT, D. W. (1963). Comunicação e Falta de Comunicação Levando ao Estudo de Certos Opostos. In O Ambiente e os Processos de Maturação: estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional. Porto Alegre: Artes Médicas, WINNICOTT, D.W. (1971). O Brincar e a Realidade. Rio de Janeiro: Imago, WINNICOTT, D.W. (1990). Natureza Humana. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

AS PÉTALAS QUE ACOLHEM O NADA, A REALIDADE ORIGINÁRIA E O BRINCAR Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1

AS PÉTALAS QUE ACOLHEM O NADA, A REALIDADE ORIGINÁRIA E O BRINCAR Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 AS PÉTALAS QUE ACOLHEM O NADA, A REALIDADE ORIGINÁRIA E O BRINCAR Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 A partir do pensamento de Winnicott e de facetas da obra do poeta Rainer Maria Rilke, procuro neste

Leia mais

O BRINCAR E A CLÍNICA

O BRINCAR E A CLÍNICA O BRINCAR E A CLÍNICA Christine Nunes (psicóloga clínica, candidata da SPRJ) RESUMO: O presente trabalho, propõe a uma breve exposição do que pensa Winnicott sobre o brincar e a sessão analítica estendendo

Leia mais

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3

Janaina: muitas flores, uma estória. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1. Fernanda de Sousa Vieira 2. Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Janaina: muitas flores, uma estória Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima 1 Fernanda de Sousa Vieira 2 Profa. Dra. Maria Lucimar Fortes Paiva 3 Resumo O presente trabalho traz contribuições acerca do atendimento

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Encontros de vida que se faz vivendo.

Encontros de vida que se faz vivendo. Encontros de vida que se faz vivendo. Thatiane Veiga Siqueira 1 A menina do coração de chocolate. Juliana tem nove anos, é uma menina de olhos esbugalhados, com sorriso fácil, ao primeiro olhar já se vê

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Winnicott e a Teoria do Desenvolvimento Emocional

Winnicott e a Teoria do Desenvolvimento Emocional 24 Capítulo III Winnicott e a Teoria do Desenvolvimento Emocional Sabemos que o mundo estava lá antes do bebê, mas o bebê não sabe disso, e no início tem a ilusão de que o que ele encontra foi por ele

Leia mais

PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG

PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG PALAVRAS QUE BRINCAM: A EXPERIÊNCIA LITERÁRIA DA ONG EMCANTAR COM ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS DE UBERLÂNDIA MG ANA PAULA RABELO (ASSOCIAÇÃO EMCANTAR DE ARTE EDUCAÇÃO CULTURA E MEIO AMBIENTE). Resumo Ver

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

A Criança e os Mimos. "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..."

A Criança e os Mimos. Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível... A Criança e os Mimos "Se competir é o único caminho que nos conduz à felicidade, então, viver em paz será impossível..." Autora: Anne M. Lucille[1] "Respeito é quando ensinamos, não quando corrigimos..."

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 A IMAGINOTECA HOSPITALAR COMO UM ESPAÇO DE (DES)ENVOLVIMENTO ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 1 Trabalho de Projeto de Extensão _UNIFRA 2 Acadêmicas do Curso de

Leia mais

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte)

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) Sejam bem vindos no Apresentação do Serviço de Psicologia Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) CRI Norte C.R.I. - Centro de Referencia

Leia mais

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA

A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA 1 A PSICOLOGIA CORPORAL NA SALA DE AULA Glória Maria Alves Ferreira Cristofolini RESUMO Sala de aula, lugar de construção do saber, de alegrias e sensibilidades. É assim que penso o verdadeiro sentido

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA Autora: (Elda Elbachá Psicoterapeuta Sistêmica, Diretora, Docente e Supervisora do Centro de Estudos da Família e Casal - CEFAC/BA)

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

SHANTALA COMO FACILITADOR DE HOLDING DO LAÇO MÃE- BEBÊ: O INÍCIO DO AMOR

SHANTALA COMO FACILITADOR DE HOLDING DO LAÇO MÃE- BEBÊ: O INÍCIO DO AMOR 1 Resumo SHANTALA COMO FACILITADOR DE HOLDING DO LAÇO MÃE- BEBÊ: O INÍCIO DO AMOR Maria Eugênia Bertoldi Danielle Curvacho Atualmente o conceito de holding tem sido amplamente estudado principalmente na

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE

A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE 1 A PERCEPÇÃO DAS SENSAÇÕES DO CORPO NA FLEXIBILIDADE DA POSTURA E NO CONTATO COM O AMBIENTE RESUMO Luciana Gandolfo O objetivo da prática da eutonia é orientar a pessoa a focalizar a atenção em um segmento

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

ADOÇÃO E CONSTITUIÇÃO DO SELF: A QUEM SE ADOTA? 1. Stella Maris Souza da Mota 2

ADOÇÃO E CONSTITUIÇÃO DO SELF: A QUEM SE ADOTA? 1. Stella Maris Souza da Mota 2 ADOÇÃO E CONSTITUIÇÃO DO SELF: A QUEM SE ADOTA? 1 Stella Maris Souza da Mota 2 RESUMO: O processo de adoção envolve fatores motivacionais, os quais sustentam os vínculos afetivos e definem a constituição

Leia mais

A Clínica da Transicionalidade vivida numa Oficina de Contos: Relato de experiência do PAAS/UNISINOS 1

A Clínica da Transicionalidade vivida numa Oficina de Contos: Relato de experiência do PAAS/UNISINOS 1 A Clínica da Transicionalidade vivida numa Oficina de Contos: Relato de experiência do PAAS/UNISINOS 1 Michele Scheffel Schneider 2 Esta produção escrita se propõe realizar uma reflexão clínica, com base

Leia mais

Projeto: Barulhinho Bom Música e Movimento na Educação Infantil I

Projeto: Barulhinho Bom Música e Movimento na Educação Infantil I 1 Projeto: Barulhinho Bom Música e Movimento na Educação Infantil I Professora: Catarine Green Martins ADI: Maria Aparecida S. Falabella e Silvia Regina Ivoti Coordenadora: Silvana Alves Larrubia Diretora:Mauricéia

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

Manoel de Barros Menino do mato

Manoel de Barros Menino do mato Manoel de Barros Menino do mato [ 3 ] SUMÁRIO Menino do mato 7 Caderno de aprendiz 23 [ 5 ] Primeira parte MENINO DO MATO O homem seria metafisicamente grande se a criança fosse seu mestre. SÖREN KIERKEGAARD

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira A performance abrange a idéia de prática corporal como transmissão de

Leia mais

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn

O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional. Sônia Izecksohn O Centro de Convivência do NEPAD: Um Espaço Transicional Sônia Izecksohn Resumo: O Centro de Convivência do NEPAD/UERJ visa a inclusão social do usuário de drogas. Por tratar-se de um espaço compartilhado,

Leia mais

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA Nome: Dilma Célia Mallard Scaldaferri GT do Ensino de História e Educação Área temática: Teoria, historiografia e metodologia - Simpósio 37 O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA...

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA

A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA A ARTE DE BRINCAR NA ESCOLA Tatiana de Lourdes Venceslau (UFF) tativenceslau@hotmail.com Vanessa de Mello Coutinho 1 (UFF) nessapeduff@yahoo.com.br Nosso trabalho está integrado ao projeto de ensina, pesquisa

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa

Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico de Fernando Pessoa Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):118 123, 2010 ISSN 1984 0705 Álvaro de Campos e Ricardo Reis: convergências, divergências e importância no sistema heteronímico

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL "Antes eu desenhava como Rafael, mas precisei de toda uma existência para aprender a desenhar como as crianças. (Picasso) Os primeiros estudos

Leia mais

WULF, Christoph. Homo pictor: imaginação, ritual e aprendizado mimético no mundo globalizado. São Paulo: Hedra, 2013. ISBN: 978-85-7715-304-6.

WULF, Christoph. Homo pictor: imaginação, ritual e aprendizado mimético no mundo globalizado. São Paulo: Hedra, 2013. ISBN: 978-85-7715-304-6. Resenha WULF, Christoph. Homo pictor: imaginação, ritual e aprendizado mimético no mundo globalizado. São Paulo: Hedra, 2013. ISBN: 978-85-7715-304-6. Helmut Renders A resenha apresentada a seguir foi

Leia mais

moralista para com os idosos. Não é muito fácil assumir o ódio contra a natureza do humano quando ele se refere à velhice. Existe uma tendência a

moralista para com os idosos. Não é muito fácil assumir o ódio contra a natureza do humano quando ele se refere à velhice. Existe uma tendência a José Carlos Zeppellini Junior: Especialista em Psicopatologia pelo NAIPPE/USP, Mestrado em Psicologia Clínica realizado no Laboratório de Psicopatologia Fundamental da PUCSP e Segundo Secretário da Associação

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO PROF. ME. RAFAEL HENRIQUE SANTIN Este texto tem a finalidade de apresentar algumas diretrizes para

Leia mais

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos

PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br. Resumo. Introdução. Objetivos PROJETO O AR EXISTE? PICININ, Maria Érica ericapicinin@ig.com.br Resumo O presente projeto O ar existe? foi desenvolvido no CEMEI Juliana Maria Ciarrochi Peres da cidade de São Carlos com alunos da fase

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO DA CLÍNICA DO SELF AO ESTUDO DOS TESTES PROJETIVOS

UMA CONTRIBUIÇÃO DA CLÍNICA DO SELF AO ESTUDO DOS TESTES PROJETIVOS UMA CONTRIBUIÇÃO DA CLÍNICA DO SELF AO ESTUDO DOS TESTES PROJETIVOS Gilberto Safra Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo Resumo O autor aborda os testes projetivos pela perspectiva da psicanálise

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA

BRINCADEIRA É COISA SÉRIA BRINCADEIRA É COISA SÉRIA Márcia Maria Almeida Figueiredo Mestre em Educação e professora do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Agora eu era o rei Era o bedel e era também juiz E pela minha

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS

DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS DESENVOLVIMENTO LÚDICO COM BEBÊS: REPENSANDO OS POSSÍVEIS ESPAÇOS Marcielen Vieira Santana (Autora) 1 Alessandra B. da Rocha (Co-autora) 2 Introdução Este trabalho surge da necessidade de compreender sobre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

ENTRETANTOS, BOLETIM ONLINE

ENTRETANTOS, BOLETIM ONLINE Entretantos, 2014 Grupo: BOLETIM ONLINE Integrantes: Cristina Barczinski, Elaine Armênio, Maria Carolina Accioly, Mario Pablo Fuks, Nayra Ganhito e Sílvia Nogueira de Carvalho. Interlocutora: Sílvia Nogueira

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR

TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR TIPOS DE BRINCADEIRAS E COMO AJUDAR A CRIANÇA BRINCAR As crianças precisam atravessar diversos estágios no aprendizado de brincar em conjunto, antes de serem capazes de aproveitar as brincadeiras de grupo.

Leia mais

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE

PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE PATRIMÔNIO HISTÓRIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI: MÚLTIPLAS POSSIBILIDADES NO ESTUDO DA MATEMÁTICA MOVIDAS POR SUA ESTÉTICA APARENTE Gilmara Gomes MEIRA 1 1 Departamento de Matemática Mestrado em Ensino de Ciências

Leia mais

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social instituto fonte... Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social e a arte de neles intervir. Buscamos potencializar a atuação de iniciativas sociais,

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter-

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- Algumas definições Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- relações. O sentido de um termo

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão

DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão DIÁLOGOS A pluralidade e as singularidades em nossa transmissão Diálogos da última edição deste Boletim trouxe os bastidores e um pouco da história dos nossos eventos. Desta feita, apontamos nossa mira

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Fundamentos metodológicos da teoria piagetiana: uma psicologia em função de uma epistemologia Rafael dos Reis Ferreira Universidade Estadual Paulista (UNESP)/Programa de Pós-Graduação em Filosofia FAPESP

Leia mais

Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes

Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes Fraturas e dissonâncias das imagens no regime estético das artes Raquel do Monte 1 RESENHA RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. 1. Doutoranda em Comunicação, PPGCOM-UFPE.

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS A principal preocupação de Descartes, diante de uma tradição escolástica em que as espécies eram concebidas como entidades semimateriais, semi-espirituais, é separar com

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Capítulo 5 Involução e Ignorância. Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos

Capítulo 5 Involução e Ignorância. Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos Uma Introdução à Filosofia de Sri Aurobindo Joan Price 1 Capítulo 5 Involução e Ignorância Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos Ponto de partida

Leia mais