ESTADO DE GOIÁS. Secretaria de Estado da Segurança Pública. Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás. Academia de Bombeiro Militar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO DE GOIÁS. Secretaria de Estado da Segurança Pública. Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás. Academia de Bombeiro Militar"

Transcrição

1 ESTADO DE GOIÁS Secretaria de Estado da Segurança Pública Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás Academia de Bombeiro Militar Curso de Formação de Oficiais UTILIZAÇÃO DE CzRM (CITIZEN RELATIONSHIP MANAGEMENT) COMO FERRAMENTA DE MARKETING NO CBMGO. ANTÔNIO CARLOS SABBATINI DA SILVA Goiânia 2014

2 ANTÔNIO CARLOS SABBATINI DA SILVA UTILIZAÇÃO DE CzRM (CITIZEN RELATIONSHIP MANAGEMENT) COMO FERRAMENTA DE MARKETING NO CBMGO. Pesquisa de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência para o término do Curso de Formação de Oficiais sob orientação do Sr. 1º Tenente Eduardo Luiz Machado Lobo. Goiânia 2014

3 ANTÔNIO CARLOS SABBATINI DA SILVA UTILIZAÇÃO DE CzRM (CITIZEN RELATIONSHIP MANAGEMENT) COMO FERRAMENTA DE MARKEING NO CBMGO. Pesquisa de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência para o término do Curso de Formação de Oficiais sob orientação do Sr. 1º Tenente Eduardo Luiz Machado Lobo. Avaliado em: / / APROVADO POR: TC QOC JONAS Henrique Moreira Bueno TC QOC AMI de Souza Conceição Maj QOC EMERSON Divino Gonçalves Ferreira Goiânia 2014

4 AGRADECIMENTOS Ao terminar este trabalho, não posso deixar de agradecer a algumas pessoas pela ajuda e disponibilidade no CFO nas suas mais diversas matérias e em especial na elaboração desse artigo científico. Começo por agradecer ao meu orientador científico, o Sr. 1º Tenente Eduardo Luiz Machado Lobo que me facultou todas as condições necessárias para a elaboração deste estudo bibliográfico, com o devido empenho pessoal e sempre com permanente disponibilidade para atender às minhas dúvidas. Agradeço também à Academia Bombeiro Militar, na pessoa do seu Comandante, o Sr. Coronel Elias Rodrigues Ramos, a qual foi de fundamental importância para o meu aprendizado profissional. Gostaria ainda de agradecer a alguns amigos pelo apoio dado em alguns momentos mais críticos, nomeadamente aos meus amigos da 8ª Turma do Curso de Formação de Oficiais. Por último, mas não menos importante, queria agradecer às pessoas mais importantes da minha vida, designadamente a minha mãe e a minha família em geral.

5 RESUMO São desafios constantes da gestão efetiva do Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás a estruturação e disponibilização de informações confiáveis, oportunas e personalizadas para apoiar as decisões da administração pública e auxiliar no controle do planejamento estratégico alinhado aos anseios dos cidadãos. A adaptação de modelos de gestão da iniciativa privada para o ambiente público é uma alternativa para enfrentar esses desafios. Este trabalho propõe um modelo para a gestão do Marketing do CBMGO. O modelo é baseado na utilização estratégica da tecnologia da informação, utilizando a ferramenta CzRM Citizen Relationship Management, que proporciona ao gestor público informações executivas para a tomada de decisão, gestão dos relacionamentos com os cidadãos e o domínio sobre os processos da gestão. Visando atender o Planejamento Estratégico do CBMGO, a metodologia da pesquisa enfatizou um protocolo de pesquisa elaborado a partir da pesquisa bibliográfica exploratória. Com este trabalho, pode concluir-se que o CzRM traz variados benefícios ao Corpo de Bombeiros, uma vez que os cidadãos ficarão mais satisfeitos, pelo fato de a sua interação com à Administração Pública ser facilitada e mais rápida. Palavras-Chave: Citizen Relationship Management, Marketing do Corpo de bombeiros, Relacionamento com Cidadão.

6 ABSTRACT The structure and delivery of reliable, timely and personalized information to support the decisions of the public administration and assist in the control of strategic planning aligned to the concerns of citizens are constant challenges of effective management of the Military Firefighters Corps of the State of Goiás. The adaptation of management models of private initiative for the public environment is an alternative to face these challenges. This paper proposes a model for the management of the CBMGO Marketing. The model is based on the strategic use of information technology, using the tool CzRM-Citizen Relationship Management, witch provides to the public manager the executive information for decision making, management of relationships with citizens and control over the management processes. Aiming to fulfill the Strategic Plan of CBMGO, the methodology of the research emphasized a protocol drawn from the exploratory bibliographical literature. With this work, it can be concluded that the CzRM brings many benefits to the Fire Department, once citizens became more satisfied, because their interaction with the public administration be made easier and faster. Keywords: Citizen Relationship Management, Marketing in Fire Department, Citizen Relationship.

7 LISTA DE TABELAS Tabela I Tabela II Tabela III Tabela IV... 21

8 LISTA DE FIGURAS Figura I Figura II... 19

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA Gestão de Relacionamento com Cliente - Custumer Relationship Management (CRM) Gestão de Relacionamento com Cidadão - Citizen Relationship Management (CzRM) Diferenças entre CRM e CzRM IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE CzRM Programas de CRM na Administração Pública Framework de serviços para o CBMGO Requisitos do sistema CzRM para o CBMGO METODOLOGIA Delimitação De Estudo E Pesquisas Futuras SUSTENTAÇÃO DOS OBJETIVOS Resultados primários esperados Resultados secundários esperados Tecnologia Processos Pessoas CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 38

10 10 1. INTRODUÇÃO Ao longo dos últimos anos têm-se verificado algumas mudanças na disciplina de marketing. De fato, o estabelecimento de relacionamentos duradouros com os clientes é cada vez mais uma prioridade para as empresas, ao invés do que acontecia num passado recente, quando tínhamos um marketing mais defensivo, centrado no mercado e em economias de escala (Johnson e Selnes, 2002). Assim, poderá dizer-se que a Gestão de Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM), surge como uma ferramenta que possibilita uma nova visão sobre os negócios e uma maior atenção sobre os clientes, pois permite fechar negócios de um modo eficaz, estar atento à evolução das necessidades e garantir uma imagem exterior de profissionalismo e qualidade (Payne, 2003). A relação dos cidadãos com a Administração Pública está, igualmente, mudando. As tecnologias trazem diferentes formas de contato e apresentam novos desafios. Saber como gerir, da melhor forma, o relacionamento com os cidadãos é uma das missões da Administração Pública. Para atingir esse objetivo, é fundamental delinear boas estratégias de CRM, ou no caso da Administração Pública, Citizen Relationship Management (CzRM). Assim, o setor público optou também por aderir a este fenômeno e instaurou o conceito que ficou conhecido por CzRM (Xavier et al., 2003). Os sistemas de CzRM permitem às organizações alcançar informação estruturada sobre os cidadãos, nas diversas áreas. No fundo, o CzRM proporciona às organizações a capacidade e a agilidade para adquirir a informação certa, sobre a pessoa certa, na hora certa. Sendo assim, é indispensável juntar toda a informação relativa aos cidadãos, empresas e instituições que se encontra dispersas pelos diversos serviços, e desenvolver uma forma mais uniforme de acesso à informação, por parte dos funcionários, cidadãos e outras entidades interessadas. Este trabalho encontra-se organizado em sete partes. Após esta introdução, a segunda parte, é elaborada uma revisão de literatura, onde os principais conceitos relacionados com o âmbito do estudo bibliográfico são explicados, seguida da terceira parte que traz a implementação de programas de CzRM. Depois é apresentada a quarta parte que é a metodologia aplicada à este estudo. A quinta parte traz a sustentação dos objetivos. Por fim, a sexta parte, é encerrado o estudo bibliográfico, com a apresentação das conclusões finais.

11 2. REVISÃO DA LITERATURA Gestão de Relacionamento com Cliente - Custumer Relationship Management (CRM) A noção de CRM firmou-se a partir da década de 1990, como Tecnologia de Informação que facilita melhorias na comunicação e disponibiliza softwares de apoio ao relacionamento com clientes (Dominguez, 2000). O CRM garante às empresas ferramentas essenciais para uma melhor compreensão do comportamento dos consumidores e criação de ofertas de produtos e serviços (Dominguez, 2000; Navarro, 2002). Segundo Kellen (2002), a evolução tecnológica provocou uma alteração no modo como as empresas distribuem a informação e os produtos e no modo como elas integram e comunicam através dos seus silos funcionais e de produtos. Neste contexto, sobressai a importância do CRM como estratégia empresarial, apoiada em dois pilares: o Marketing Relacional e a Tecnologia de Informação. O Marketing sofreu uma evolução ao longo dos anos, passando da ótica da produção em massa, pelo Marketing de segmentos até chegar ao Marketing Relacional (Shang e Chen, 2007). O CRM é uma combinação entre a estratégia e os sistemas de informação, direcionada para o cliente, a fim de o servir melhor. É um modelo integrado de negócio importante para o sucesso de estratégias de CRM, unindo organizações, processos, informação e tecnologia ao longo de uma cadeia (Chan, 2005; Bretzke, 2000). O CRM é um processo contínuo e complexo, que compreende uma mudança de cultura, um redesenho na organização e uso das TI. Segundo Chen e Popovich (2003) a implementação de CRM envolve três dimensões: processos, pessoas e tecnologia. Para que o CRM seja bem implementado nenhum das dimensões pode ser esquecida, pois as três dimensões estão interligadas e não funcionam uma sem outra. Todas as entidades precisam usar as TI para melhorar a sua eficiência interna, ou seja, devem estar atentas às tendências do mercado tecnológico para que não sejam consideradas débeis (Silva, 2002; Navarro, 2002). Ainda que a tecnologia e os processos sejam críticos para que as iniciativas de CRM sejam um sucesso, quem estabelece as relações com os clientes são os colaboradores das empresas. É por isso que Chen e Popovich (2003) referem que se uma determinada

12 12 organização não tiver uma cultura bem focada no cliente e determinada pelos Recursos Humanos (RH), mesmo que a mesma esteja apoiado por boas ferramentas de CRM, o seu desempenho não será bom. Pode, então, definir-se o CRM como um conjunto de pessoas, processos e tecnologia ao dispor de uma organização que tem como objetivo o foco no cliente, ou seja, o cliente está no centro da atenção (Santos, 2006). Compreender os clientes e agir de modo a satisfazer as suas necessidades e desejos, é, e sempre será, a finalidade das relações comerciais. Para atingi-la ao longo do tempo, o Marketing tem evoluído e mudado, partindo de uma visão focada no produto para uma visão focada no cliente (Zenone, 2007). Segundo Reddy e Acharyulu (2002), o CRM tem como objetivo fomentar o valor do cliente a longo prazo, através de uma comunicação centrada na filosofia one-to-one, onde a estratégia é focada no cliente como indivíduo e não como parte integrante de uma massa. Ao longo da revisão da literatura realizada não se observa um consenso para o significado do termo CRM. Na tabela 1 são apresentadas quatro definições de CRM: TABELA I AUTOR DEFINAÇÃO Gatner (2001) Navarro (2002) Define CRM como sendo uma estratégia de negócio orientada para o cliente, para o satisfazer e simultaneamente otimizar o lucro da empresa. CRM é uma estratégia de negócio centrada no ato de antecipar, conhecer e satisfazer as necessidades e desejos presentes e previsíveis dos cliente. Greenber (2004) CRM é uma estratégia de negócios para selecionar e administrar os clientes, procurando otimizar o valor a longo prazo. CRM requer uma filosofia e cultura empresarial centradas no cliente para dar suporte aos processos eficazes de Marketing, vendas e serviços. Payne (2006) O CRM está preocupado com a criação, o desenvolvimento e a intensificação do relacionamento individualizado com o cliente. O CRM surge como uma estratégia voltada para o entendimento e a antecipação das necessidades dos clientes atuais e potenciais de uma organização. Nesse sentido, Mendoza et al. (2007) afirmam a relevância de definir o CRM como estratégia de

13 13 negócio. Por outro lado, o contexto atual das organizações impõe a necessidade de um atendimento personalizado de bens e serviços personalizados, que serão obtidos apenas por meio de um relacionamento estreito com os consumidores. Entretanto, Swift (2001) e Kotler (2009) já advertiam que as organizações devem identificar o cliente, conhecê-lo, para que possam receber essa personalização. Para estes autores, as organizações devem desenvolver o relacionamento com clientes rentáveis, lutar pela conquista dos clientes potenciais e deixar os clientes que geram prejuízo passarem para a concorrência. Pode afirmar-se que este conceito representa uma estratégia para selecionar e administrar parcerias, visando aperfeiçoar o valor a longo prazo, para a organização, assegurando a satisfação dos parceiros e clientes finais (Greenberg, 2004). Os benefícios com a implementação de um sistema de CRM podem ser diversos. Segundo Payne (2006), usar o CRM pode proporcionar um melhor atendimento ao cliente e pode ainda dar vantagens estratégicas às empresas que adotem o sistema, como a capacidade de personalizar o relacionamento com clientes. Na era digital, o CRM tem a mesma importância para que se possa conhecer o cliente, sendo que, na interação online, o mesmo também se relaciona com a empresa, e esta mesma, deve procurar informações que facultem dados de modo a possibilitar uma relação direta com o cliente, de acordo com suas preferências (Borges, 2008). Essa tendência também se verifica na Administração Pública (AP). Esta tendência é assim apoiada em recursos tecnológicos, proporcionando desta via, novas formas de interação com cidadão, uma vez que o CRM, uma ferramenta do Marketing, empregada no sector privado que, no âmbito governamental, ganha nome de Citizen Relationship Management (CzRM) (Santos, 2006; Borges, 2008). Portanto, uma vez que esta investigação se foca numa instituição pública, define-se o conceito de CzRM, direcionado especificamente para as organizações de serviço público Gestão de Relacionamento com Cidadão - Citizen Relationship Management (CzRM) Conforme exposto, o CRM geralmente é aplicado no setor privado e o CzRM, na esfera governamental, uma vez que ambos buscam o melhor relacionamento com os clientes/cidadãos, proporcionando a eles a melhor prestação de serviços, que conhecendo- os, será mais fácil desenhar estratégias para melhor atender as suas necessidades (Santos,2006;

14 14 Costa, 2008). Assim Santos (2006) e Schellong e Langenberg (2007) reforçam a ideia que o CzRM se trata de uma divisão de gestão de relacionamento com o cliente que se concentra especificamente sobre a forma como os órgãos governamentais se relacionam com seus constituintes. O setor público também aderiu a este acontecimento e criou o conceito que ficou conhecido por Citizen Relationship Management ou, simplesmente, CzRM (Xavier et al., 2003). O CzRM é uma estratégia de CRM adaptada pela Administração Pública, central e local, que visa melhorar e ter focada toda a atenção no relacionamento com o cidadão (Xavier et al., 2003). A gestão de relacionamentos com o cidadão torna-se muito mais complexa que a gestão de relacionamento com o cliente. A criação de informação por parte dos cidadãos é quase contínua, pois interagem constantemente com estruturas e equipamentos municipais: fazem sugestões ou reclamações, necessitam de informação do contexto do governo local, entre outras interações que estabelecem no domínio do seu papel inserido na sociedade pública (Xavier et al., 2003). Segundo estes autores, existem grandes diferenças entre o cidadão e o cliente, tal como reforça Scammel (2003), ao dizer que cidadão e consumidor estão normalmente em categorias opostas. Para esta autora, o primeiro é referente ao interesse público e o segundo respeita a um interesse próprio ou privado. FIGURA I CICLO BÁSICO DO CzRM Fonte: Almeida et al. (2006) e Borges (2008)

15 15 Nesta figura (figura 1), Almeida et al. (2006) e Borges (2008), sistematizam que dentro da filosofia do CzRM se deve considerar como ponto inicial a necessidade de captação, satisfação e fidelização dos cidadãos. Assim, a melhoria na oferta de serviços, a redução de custos de interação, a personalização da relação e a qualidade e volume de informações serão alcançados. Almeida et al. (2006) referem que a utilização do CRM nas práticas do Governo Eletronico deram origem ao CzRM, tratando-se de procurar alcançar na relação governo/cidadão, os benefícios que o CRM já proporcionou às relações empresa/clientes. Através do CzRM a implantação de um sistema de e-gov apresentar-se-á de forma rematada, possibilitando a todo âmbito governamental uma total interação com o cidadão. Assim, os governos conseguem uma melhoria no que se refere à satisfação do cidadão (Borges, 2008). O CRM tem como objetivo a integração de informações variadas sobre os clientes, oferecendo compreensão das necessidades e atuando sobre essas (Smith, 2003). Sendo que o conceito de CRM visa uma melhor qualidade e personalização do serviço ao cidadão, mais do que uma tecnologia, um projeto, uma aplicação, o mesmo deve ser entendido como uma estratégia para controlar a qualidade dos serviços prestados pelos seus colaboradores (Almeida et al., 2006; Larsen e Milakovich, 2005). Segundo Borges (2008) e Tannò (2008), com o intuito de obter melhores resultados com a implantação do Governo Eletrônico, o CzRM aparece como instrumento importante para o planeamento de estratégias que apresentem objetivos de atender de um modo eficiente o cidadão, oferecendo-lhes um serviço de grande qualidade. De acordo com Bretzke (2000) e Santos (2006), para essa gestão de relacionamentos é, muitas das vezes, necessário que haja uma mudança cultural, um redesenho de processos, orientando a AP para uma operacionalidade dos serviços centrados no cliente. Para que esse processo seja possível é necessário uma aposta na formação e na mudança de mentalidades dos colaboradores de uma determinada entidade. Bretzke (2000) reforça que é muito importante evidenciar as vantagens do uso das TI, e mostrar quais os processos e serviços facilitados com a adoção destas. A estratégia de CzRM permite gerir, utilizando uma plataforma centralizada de informação, todos os canais e meios de interação com o cidadão. Esta centralização vai possibilitar que a organização tenha uma visão integrada de 360 o. Outra das suas vantagens é a de possibilitar obter informação sobre os cidadãos e conhecê-los melhor, providenciando atempadamente e de forma consistente o acesso a dados e serviços (Santos, 2006). Assim, juntamente com a aplicação das novas

16 16 tecnologias, há uma preocupação e necessidade em reestruturar e integrar processos, no sentido de prestar uma maior atenção no relacionamento com o cidadão e, simultaneamente, disponibilizar uma oferta de serviços online de forma a facilitar a comunicação e otimizar um conjunto de interações (Santos, 2006). O CzRM é um conceito implementado numa plataforma tecnológica que promove o conhecimento do Cidadão, em termos de perfil, dos processos em que interage com a Autarquia, das entidades com as quais se relaciona, dos contactos e dos canais de comunicação preferenciais (i-gov 12, 2011) Diferenças entre CRM e CzRM O CRM torna-se muito mais complexo que o CzRM. Segundo Coleman (2005) e Schellong (2005), o setor público e o privado são diferentes em alguns aspetos essenciais: (a) O governo é um provedor de monopólio do serviço, os cidadãos são muitas das vezes obrigados a utilizar os serviços; (b) Ao contrário da maximização do lucro do setor privado não pode ser objeto de setor público; (c) As diferentes administrações públicas não são concorrentes comerciais. Não têm hesitações e problemas na partilha de experiências e troca de dados e software; (d) Os cidadãos, através das instituições governamentais são os proprietários das administrações, mais uma razão para que as instituições estejam orientadas para o cidadão; (e) As empresas devem desenvolver o relacionamento com clientes rentáveis, lutar pela conquista dos clientes potenciais e deixar os clientes que geram prejuízo passarem para a concorrência, enquanto na Administração Pública não há concorrência. Na tabela abaixo, verificar-se as principais diferenças entre CRM e CzRM:

17 17 TABELA II SÍNTESE DAS DIFERENÇAS ENTRE CRM E CzRM Setor Privado Clientes Concorrência Personalização Orientação de Lucros Setor Público Cidadãos Monopólio Abordagem One size first all Compressão democrática Além destas diferenças é importante salientar a própria diferença entre o cliente e o cidadão. Na verdade, o cidadão tem inerentes responsabilidades sociais, por parte das instituições que o rodeiam, particularmente, por parte das instituições públicas, que têm o dever de se preocupar com o conhecimento que têm sobre os seus cidadãos (Gouveia, 2007). O CzRM permite à Administração Pública conhecer os seus cidadãos e dá a estes acesso a informações e serviços. Garante também a distribuição adequada de solicitações do cidadão através de workflows, que permitem monitorar o atendimento (Xavier et al., 2003; Gouveia, 2007). 3. IMPLEMENTAÇÃO DE PROGRAMAS DE CzRM 3.1. Programas de CRM na Administração Pública Os Programas de CRM Customer Relationship Management na Administração Pública tem tido uma adoção progressiva na maioria dos países para melhorar a qualidade dos serviços públicos na interação com a sociedade civil. Ao nível da Administração Pública, o CzRM fundamenta-se nos mesmos princípios do CRM, pretendendo dotar os Organismos Públicos de um modelo de negócio, processos e tecnologias que permitam disponibilizar, através de vários canais de interação

18 18 com a sociedade civil, com acesso em tempo real a um conjunto de serviços e informações, promovendo a desmaterialização dos processos através de uma plataforma que suporta a Gestão Documental e o Workflow dos processos. A seguir será apresentado um quadro comparativo de antes e depois da implementação da estratégia de marketing proposta: TABELA III Antes do CzRM Depois do CzRM Inexistência de uma plataforma integrada para gestão e É uma plataforma central que permite que a interação relacionamento com cidadão o que limita a entre o CBMGO e os seus clientes (cidadãos, flexibilidade dos serviços do CBMGO; Empresas, instituições) seja realizada de um modo integrado; Inexistência de uma estratégia de multicanal para melhoria da qualidade dos serviços da corporação; Unidades de Back-Office (serviços, financeira, administrativa, etc.) não são sobrecarregadas com interações presenciais; Os processos são normalmente endereçados para o back-office, havendo elevados tempos de pesquisa e Desenvolvimento de uma cultura de excelência dado que a corporação terá medidas de desempenho; reduzida partilha de informação Inexistência de mecanismos de workflow. Modernização tecnológica da corporação, com tecnologia de referência no Mercado. Considerando que o CBMGO é uma organização que prestam serviços aos Cidadãos, às Empresas e Instituições, qualquer modelo de CRM deverá considerar o ciclo de prestação de serviços, isto é, que tenha em consideração a interação, a prestação de serviços e o desempenho de modo a melhorar progressivamente a qualidade dos serviços públicos. Neste contexto, um Programa de CRM Citizen customer Relationship Management, normalmente é constituído por um roadmap de projetos para satisfazer o modelo conceitual, isto é, deve consagrar uma matriz de serviços, funções de negócio e canais permite cruzar estas três dimensões e definir qual o framework de sistemas e de funcionalidades a desenvolver no âmbito de cada Projeto.

19 3.2. Framework de serviços para o CBMGO 19 A matriz de canais/serviços, deverá ser progressivamente complementada com a definição/reformulação dos processos de negócio com a demanda de cada projeto. Um dos pontos mais importante do modelo conceitual é o limite de utilização de cada tipo de canal, que depende da ergonomia do próprio canal (como por exemplo o canal SMS/MMS é normalmente utilizado para avisos). FIGURA II Combate a Incêndio Serviço de Urgência Vistoria Perícia de Incêndio Paralelamente ao modelo conceitual, a aproximação do CBMGO aos Cidadãos, às Empresas e Instituições, implica a implementação de uma infra-estrutura tecnológica que suporta uma filosofia de Citizen Relationship Management centrada nas pessoas, isto é: Obter uma visão integrada dos cidadãos, baseada em CRM, (complementando a visão tradicional, centrada nas suas transações) mantendo um histórico consolidado sobre os cidadãos, as suas interações com as organizações, os seus processos em curso ou encerrados e o seu potencial; Desmaterializar os processos fazendo uso de tecnologias digitais de Gestão Documental e Gestão de Processos de Negócio (workflow) assim como da integração das

20 20 aplicações de suporte ao negócio da Administração Pública Central e Local (ERPs, SIG, Portais, etc.) ; Permitir uma abordagem focada nos processos de interação entre os stakeholders (Municipios, Empresas, Parceiros, etc.) e as organizações (Pedidos de Serviço, Consultas, Reclamações, Sugestões, Comunicação Personalizada, etc.); Disponibilizar múltiplos canais de interação (Telefone, Presencial, , Web, Fax, Vapt-Vupt, etc.); Dispor de mecanismos efetivos de colaboração entre os funcionários públicos e a gestão de documentos que permitam um fluxo eficaz dos processos dos Cidadãos, com o estabelecimento de Intranets. Deste modo, o CBMGO, obtêm ganhos em três dimensões: 1. melhoram o nível de conhecimento integrado dos seus cidadãos, empresas e instituições, acessível a todos os departamentos; 2. ganham consistência na relação com os seus cidadãos, empresas e instituições através da estruturação dos processos de interação e da consistência e qualidade que daí resultam; 3. incrementam a sua capacidade interna de entrega dos serviços e de controle da sua qualidade. Esta abordagem de gestão da relação com o Cidadão tem um grande impacto quer a nível do back-office, permitindo que todos os departamentos passem a dispor de uma ferramenta centrada nas pessoas e seus processos, e no front-office, dando aos seus operadores a capacidade necessária para resolver diretamente os problemas dos cidadãos e outras organizações sem a sobrecarregar os serviços de back-office. Neste contexto, a estratégia de canais determina como cada Cidadão, Empresa ou Instituição poderá desenvolver e realizar as suas funções de negócio num conjunto de serviços que são disponibilizados por cada um dos serviços do CBMGO. Em síntese, o CRM Citizen Relationship Management permite uma mudança radical do paradigma, podendo os Cidadãos, Empresas e Instituições iniciar um determinado serviço num canal e dar-lhe continuidade num canal diferente ao longo do seu ciclo de vida, sem que a flexibilidade implique custos associados para a Administração Pública, perda de

21 eficiência ou perda de controlo durante o ciclo de vida da prestação de serviços estatais Requisitos do sistema CzRM para o CBMGO TABELA IV ÍTEM REQUISITO CATEGORIA 1 A Solução deve armazenar e exibir todo o relacionamento entre o cidadão e o CBMGO, como: histórico das demandas (abertas e encerradas) com os seus respectivos despachos, provenientes de todos os trâmites registrados na ferramenta. VISÃO UNIFICADA DOS CIDADÃOS 2 A ferramenta de Portal da Solução CzRM deve contar com uma área de acesso exclusivo para cidadãos logados que disponibilizará informações sobre o seu relacionamento com CBMGO, com a visualização (e opção para impressão em forma de extrato) de todo o histórico de suas demandas, classificadas de modo que o cidadão possa distinguir as demandas já encerradas daquelas em andamento, com visualização dos despachos correspondentes. VISÃO UNIFICADA DOS CIDADÃOS 3 A Solução CzRM deve assegurar que o cidadão seja identificado em qualquer interação com o CBMGO, independente da forma e do local de atendimento acionado, e que a partir desta identificação todas as informações e todo seu histórico seja recuperado e disponibilizado para o atendente. MÚLTIPLOS CANAIS 4 A identificação dos cidadãos não será obrigatória para determinados serviços. Nestes casos as suas demandas não serão relacionadas no histórico e o acompanhamento das mesmas só poderá ocorrer através do protocolo de atendimento. No caso das demandas para as quais foi solicitado sigilo dos dados do solicitante, o acompanhamento será restrito à sua pagina pessoal no Portal. Ou seja, por meio de atendimento assistido, o acompanhamento será, também, somente possível por meio do protocolo de atendimento. MÚLTIPLOS CANAIS

22 22 5 A Solução deve permitir a criação de scripts dinâmicos, por meio de parametrização, onde uma resposta a uma pergunta do script determina qual a próxima pergunta a ser feita. MÚLTIPLOS CANAIS 6 A Solução CzRM deverá registrar e acompanhar todas as demandas (solicitações de serviços) do CBMGO, incluindo os de caráter informacional. Estas serão registradas apenas para fins estatísticos, não registrando de forma automática os status da demanda. Contudo, deve permitir a vinculação da demanda a um cidadão, além da alimentação de status ou dados complementares da demanda de forma manual. GESTÃO DE DEMANDAS E FLUXOS DE TRABALHO 7 O cadastro de tipos de demandas deve ser parametrizável de modo a permitir a definição de diversas categorizações e classificações, com o objetivo de estruturar de forma lógica e taxonômica as interfaces do cidadão, dos atendentes e dos servidores do CBMGO no momento da captação das demandas. GESTÃO DE DEMANDAS E FLUXOS DE TRABALHO 8 Deve existir funcionalidade para associar várias demandas a uma demanda principal que, quando resolvida, encerra todas as demandas ligadas a ela. Exemplo: várias pessoas ligam para a Central de Relacionamento Telefônico avisando sobre um incêndio. Criase então uma demanda para a equipe de combate a incêndios que, quando encerrada, fecha automaticamente todas as demandas dos demais cidadãos para o mesmo evento. Neste caso, a cada trâmite, todas as demandas associadas devem receber as mesmas informações registradas no campo de despacho da demanda principal. Deve ser possível desvincular as demandas associadas. GESTÃO DE DEMANDAS E FLUXOS DE TRABALHO 9 A Solução deve controlar o processo de atendimento à demanda, desde o momento que a mesma é criada, passando por todos os trâmites a ela relacionados, datas, áreas envolvidas, sendo capaz de permitir o seu acompanhamento e andamento, indicando cada etapa percorrida do processo, a percorrer, em atraso, realizada no prazo ou fora dele. GESTÃO DE DEMANDAS E FLUXOS DE TRABALHO 10 Deve existir funcionalidade na Solução voltada à criação de pesquisas de satisfação do atendimento ao cidadão ao término da captação de uma demanda e/ou em relação à prestação de GESTÃO DE DEMANDAS E FLUXOS DE TRABALHO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO

FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO 1. PORQUE A SW1... 2 2. 10 MOTIVOS PARA CONTRATAR... 2 3. ESTUDO DE CASO... 3 4. SOLUÇÃO PROPOSTA... 3 5. CONDIÇÕES COMERCIAIS... 9 6.

Leia mais

Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full

Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full = z A principal característica do portal RH é permitir a descentralização das informações dos colaboradores, possibilitando que o gestor de área se transforme também num

Leia mais

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk

Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA. Service Desk Manual do usuário - Service Desk SDM - COPASA Service Desk Sumário Apresentação O que é o Service Desk? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial

Leia mais

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos.

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos. VERSÃO 5 Outubro/2012 Release Notes Não deixe de atualizar o seu sistema Planejamos a entrega ao longo do exercício de 2012 com mais de 140 melhorias. Mais segurança, agilidade e facilidade de uso, atendendo

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG

Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG 2015 Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Manual do Sistema de Demandas da FUNDEPAG Cliente Institucional e Atualizado em: 11 de setembro de 2015 Sumário 1. Conceito do software... 1 2. Abertura de

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Empreendedor. Sistema. Segurança para o empreendedor. www.axisfocus.com. ERP/CRM Sistema de gestão empresarial

Empreendedor. Sistema. Segurança para o empreendedor. www.axisfocus.com. ERP/CRM Sistema de gestão empresarial ERP/CRM Sistema de gestão empresarial Administre sua empresa de onde estiver, via internet Sistema Empreendedor Sistema Empreendedor Simples de usar, flexível e de baixo custo Com interface clara, simples

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE INTRODUÇÃO Na intenção de realizar um novo sistema financeiro para a gestão de recursos de convênios celebrados pela Academia Brasileira de Ciências, o setor de informática juntamente com o setor financeiro

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

AMTEC FATURAMENTO ELETRÔNICO IMAS MANUAL

AMTEC FATURAMENTO ELETRÔNICO IMAS MANUAL AMTEC FATURAMENTO ELETRÔNICO IMAS MANUAL GOIÂNIA MAIO/2011 Direito de Cópia 2011 pela Gerência do Departamento de Desenvolvimento de Sistemas da AMTEC. 2011 1ª Edição Este documento ou parte dele não pode

Leia mais

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Visão Geral e Navegação Tutorial Atualizado com a versão 3.9 Copyright 2009 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia

Leia mais

Estrutura de Relacionamento:

Estrutura de Relacionamento: 1 Índice Por que ter Guia de Relacionamento e Suporte?... 3 Qual a Estrutura de Relacionamento com o Cliente?... 3 Agente de Atendimento (CAT):... 3 Gerente de Contas (GC):... 3 Gerente de Serviço (GS):...

Leia mais

GUIA ORIENTAÇÕES AOS CARTÓRIOS SOBRE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GERID: MÓDULOS GID E GPA

GUIA ORIENTAÇÕES AOS CARTÓRIOS SOBRE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GERID: MÓDULOS GID E GPA GUIA ORIENTAÇÕES AOS CARTÓRIOS SOBRE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GERID: MÓDULOS GID E GPA 28/07/2015 COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE SEGURADOS - CGAIS Divisão de Integração de Cadastros

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP MANUAL DO USUÁRIO Portal de Relacionamento - Manual do usuário... 1 SUMÁRIO 1. Informações gerais... 3 2. Sobre este documento... 3 3. Suporte técnico... 3 4. Visão Geral

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial...

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial... 1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3 1.1. Conhecendo a Plataforma... 4 1.2. Seleção da Empresa de Trabalho... 4 1.3. Sair do Sistema... 5 1.4. Retornar a tela principal... 5 3. Configurações...

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Windows e Web Dynamics Comunicação e Produtividade Servidores Infraestrutura Empresarial Busca e Anúncios Mobilidade Entretenimento e TV PRODUTIVIDADE

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16

Regulamento SIGA. Versão 1.0. Outubro, 2013. Página 1 de 16 Regulamento SIGA Versão 1.0 Outubro, 2013 Página 1 de 16 Sumário Objetivo deste Regulamento...3 Introdução...4 Definição...4 O que é documento para o SIGA...4 Numeração dos documentos no SIGA...4 Disposição

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI

SERVICE DESK MANAGER SDM. Manual do Sistema - DPOI SERVICE DESK MANAGER SDM Manual do Sistema - DPOI Conteúdo SERVICE DESK MANAGER SDM... 1 Manual do Sistema - DPOI... 1 INTRODUÇÃO... 4 ACESSO AO SISTEMA... 5 OPÇÕES DO SISTEMA... 6 SISTEMA... 7 Pesquisar

Leia mais

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência

Produto IV: ATU SAAP. Manual de Referência Produto IV: ATU SAAP Manual de Referência Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988 Brasília, 30 de outubro de 2008 1 Sistema de Apoio à Ativideade Parlamentar SAAP

Leia mais

MANUAL DE USO SERASAJUD

MANUAL DE USO SERASAJUD MANUAL DE USO SERASAJUD JULHO DE 2015 Controle de Revisão Data da Revisão Versão Documento Versão DF-e Manager Executor Assunto Revisado 08/10/2013 1.0 Rodrigo Vieira Ambar/Gigiane Martins Criação 18/03/2104

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Manual do sistema SMARsa WEB

Manual do sistema SMARsa WEB Manual do sistema SMARsa WEB Módulo Solicitação/Ouvidoria SMARsa WEB Solicitação/Ouvidoria Versão 2.7 1 Sumário INTRODUÇÃO...4 OBJETIVOS...4 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo solicitação/ouvidoria...5

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Gestão inteligente de documentos eletrônicos

Gestão inteligente de documentos eletrônicos Gestão inteligente de documentos eletrônicos MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS VISÃO EMPRESAS - USUÁRIOS (OVERVIEW) No ELDOC, o perfil de EMPRESA refere-se aos usuários com papel operacional. São

Leia mais

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet.

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. Prezado Cliente, A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. No Padrão 9 você encontrará novas funcionalidades, além de alterações

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

MANUAL. Recurso QChat

MANUAL. Recurso QChat MANUAL Recurso QChat Publicação: Dezembro / 2011 Versão oficial Qualitor Advanced: 6.50.00 Versão oficial Qualitor Start: 1.00.06 Revisão: 02 Cópia oficial Sumário Recurso Chat do Qualitor NOVIDADES DA

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Apps de Produtividade

Apps de Produtividade Apps de Produtividade Os App s de Produtividade oferecem controle, organização e recursos para profissionalização das áreas internas e externas da empresa, proporcionando: Produtividade Controle Integração

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Manual do Usuário Página1 Sumário 1 Configurações Recomendadas... 4 2 Objetivos... 4 3 Acesso ao Sistema... 5 3.1. Acessar 6 3.2. Primeiro

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS Março/2014 V 1.1 REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO

Leia mais

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS

INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS INTRODUÇÃO A PORTAIS CORPORATIVOS Conectt i3 Portais Corporativos Há cinco anos, as empresas vêm apostando em Intranet. Hoje estão na terceira geração, a mais interativa de todas. Souvenir Zalla Revista

Leia mais

FRAMEWORK DE DESENVOLVIMENTO LOTUS NOTES

FRAMEWORK DE DESENVOLVIMENTO LOTUS NOTES LEADWORK TECNOLOGIA E TREINAMENTO FRAMEWORK DE DESENVOLVIMENTO LOTUS NOTES Flexibilidade Acesso via Client Notes, Web e Mobile. Com o framework de desenvolvimento as soluções podem ser oferecidas com acesso

Leia mais

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas SESAU Coordenadoria Setorial de Gestão a Informática - CSGI Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Maceió 06/02/2012 Técnico Responsável: Bruno Cavalcante

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania QUESTIONÁRIO SOBRE A ATUAÇÃO DAS INSTÂNCIAS DE CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA - ICS MANUAL DE

Leia mais

Escritório Digital. Perguntas frequentes. Perguntas gerais

Escritório Digital. Perguntas frequentes. Perguntas gerais Escritório Digital Perguntas frequentes Perguntas gerais O que é o Escritório Digital? O Escritório Digital é um software desenvolvido pelo CNJ em parceria com a OAB para integrar os diferentes sistemas

Leia mais

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável jump4innovation Plataforma Web de apoio à Gestão Melhoria, Inovação & Empreendedorismo Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável Conteúdo Gestao da Inovacao, Melhoria e Empreendedorismo

Leia mais

SECTEC / COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO

SECTEC / COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO Macaé, Outubro de 2010 SECTEC / COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO Página 1 de 38 Controle de Revisões Data Comentário Responsável 01/10/2010 Revisão e correção de texto Marcos Lemos 01/10/2010 Correção

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML...

1 Sumário... 2. 2 O Easy Chat... 3. 3 Conceitos... 3. 3.1 Perfil... 3. 3.2 Categoria... 3. 4 Instalação... 5. 5 O Aplicativo... 7 5.1 HTML... 1 Sumário 1 Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 3 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CADASTRO DA EMPRESA... 8 3. CONTROLE DE PERMISSÕES... 14 4. CONFIGURAÇÕES DA EMPRESA... 19 5. CND...

Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. CADASTRO DA EMPRESA... 8 3. CONTROLE DE PERMISSÕES... 14 4. CONFIGURAÇÕES DA EMPRESA... 19 5. CND... Sage CND Índice 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. Primeiro Acesso... 2 1.2. Conhecendo a Plataforma Sage... 4 1.2.1. Seleção de Empresa de Trabalho... 4 1.2.2. Sair do sistema/minhas Configurações... 5 1.2.3.

Leia mais

MANUAL SITE PEPER ESCOLA

MANUAL SITE PEPER ESCOLA INTRODUÇÃO O Peper não é reconhecido no mercado somente pelas suas vantagens e benefícios. A tecnologia é um dos diferenciais do PEPER. No portal www.peper24horas.com.br, o controle e acompanhamento dos

Leia mais

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO / NÃO 1 Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação Registro de sugestões de compra de materiais bibliográficos

Leia mais

SEAP / CAS. Manual V1.0

SEAP / CAS. Manual V1.0 SEAP / CAS Manual V1.0 Janeiro - 2013 Coordenadoria de Administração de Serviços - CAS Palácio das Araucárias Rua Jacy Loureiro de Campos, s/nº 80530-140 - Centro Cívico - Curitiba Paraná Fone: (41) 3313-6071

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

American Express @ Work Guia de Primeiros Passos

American Express @ Work Guia de Primeiros Passos American Express @ Work Guia de Primeiros Passos Utilize o American Express @ Work para gerenciar a Conta do Associado e da sua Empresa, realizar manutenções nas Contas, acessar Relatórios de forma rápida,

Leia mais

SIORP Sistema de Informação de Órgão Publico 2012

SIORP Sistema de Informação de Órgão Publico 2012 Portfólio 2012. O que é? SIORP Sistema de Informação de Órgão Público é um sistema cujo elemento principal é a informação. Seu objetivo é armazenar, tratar e fornecer informações de tal modo a apoiar as

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas.

Transformação do call center. Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Transformação do call center Crie interações com o cliente mais lucrativas e agregue valor adicionando insights e eficiência em todas as chamadas. Lucre com a atenção exclusiva de seus clientes. Agora,

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

Consultório Online. Manual de Utilização do Módulo Operacional. índice. Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4

Consultório Online. Manual de Utilização do Módulo Operacional. índice. Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4 índice Passo 1: Visão geral 3 Passo 2: Como acessar o Consultório Online? 3 Passo 3: Recursos disponíveis 4 Guias consulta / SADT (Solicitação, Execução com Guia e Autogerada): 4 Pesquisa de histórico

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

FRAMEWORK DE DESENVOLVIMENTO LOTUS NOTES

FRAMEWORK DE DESENVOLVIMENTO LOTUS NOTES LEADWORK TECNOLOGIA E TREINAMENTO FRAMEWORK DE DESENVOLVIMENTO LOTUS NOTES Flexibilidade Acesso via Client Notes, via Web e via Mobile. Nossas soluções podem ser oferecidas com acesso via Client Notes,

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

Núcleo de Empregabilidade e Empreendedorismo MANUAL DO ALUNO UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO

Núcleo de Empregabilidade e Empreendedorismo MANUAL DO ALUNO UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO Núcleo de Empregabilidade e Empreendedorismo MANUAL DO ALUNO UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO SUMÁRIO Apresentação...... 2 Considerações Iniciais.... 4 Portal de Empregabilidade.... 7 Requisitos Mínimos... 7

Leia mais

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar

MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar MANUAL DO PERSUS - OPERADORAS MÓDULO DE GESTÃO DE CONTAS Índice 1. INTRODUÇÃO...5 2. MÓDULO DE GESTÃO DE

Leia mais