Do Portugal profundo: a Medicina Dentária no interior e na periferia do país Recursos optimizados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Do Portugal profundo: a Medicina Dentária no interior e na periferia do país Recursos optimizados"

Transcrição

1 Do Portugal profundo: a Medicina Dentária no interior e na periferia do país Recursos optimizados A Medicina Dentária em Portugal vem conhecendo, há décadas, um crescimento excedentário de recursos humanos que enfrentam o circuito liberalizado da profissão. Enquanto as estatísticas da OMD reproduzem o padrão demográfico vigente o interior e a periferia (Açores e Madeira) somam menos preferências, experiências-piloto desvendam uma dinâmica florescente, apesar e para além dos números. «A nossa meta é conseguir, à escala nacional, o melhor equilíbrio preço-qualidade», assevera Martinho Pinheiro, médico dentista de 51 anos residente em Portalegre, a sua terra natal. Aqui retornou e se estabeleceu há cerca de 20 anos, terminado o curso de Medicina Dentária, que frequentou na então Escola Superior de Medicina Dentária, em Lisboa. Ainda permaneceu quatro anos na capital, acumulando experiência e angariando contactos, depois do que decidiu regressar às origens para montar o próprio consultório e firmar carreira. «Tinha aqui a família e os amigos. Além disso, estava habituado à vida tranquila de província», conta. Para trás, ficava uma hipotética carreira académica. Na altura, inaugurou o espaço e logrou ser o primeiro médico dentista a instalar-se na sede de distrito, o que explica, em parte, a solidez do trajecto. E o discurso é invariavelmente lúcido, o de um profissional cioso e realizado que ainda hoje aprende a adaptar-se a diferentes realidades profissionais, movimentando-se constantemente entre o litoral industrializado aonde se desloca «A nossa meta é conseguir, à escala nacional, o melhor equilíbrio preço-qualidade», assevera Martinho Pinheiro, médico dentista estabelecido em Portalegre para realizar consultas de ortodontia e o interior quase profundo do país, onde tem radicada a sede do trabalho diário um consultório amplo e sofisticado com 400 metros quadrados de espaço, que se confunde, à primeira vista, com uma clínica médica. Mas a filosofia é a de um consultório médico, que alberga três gabinetes de Medicina Dentária, de que ele e outros dois colegas, Leonor Ferreira e Carlos Bagulho, são titulares, e outros ainda concedidos ao exercício de outras especialidades médicas, como a Pediatria, a Medicina Interna, a Cardiologia e a Pneumologia. E esta representa a sua mais recente mudança de cenário. Abandonou as instalações de um prédio de habitação quando teve a oportunidade de se instalar num antigo armazém de cerveja de um prédio estreito, cujo rés- -do-chão foi então inteiramente remodelado e reconvertido em consultório médico. O proprietário abriu as portas e mostrou, com regozijo, as condições materiais. «Para nós, é bem mais fácil tratar as pessoas com os dentes SO Julho-Agosto

2 lavados», explica, a propósito da divisão especificamente reservada à higiene oral de miúdos e graúdos. Destacam- -se, do conjunto, a sala blindada de raios x, outra destinada à realização de cursos e reuniões internas e o jardim interior que adorna o espaço luminoso e versátil. Falácias da desertificação Na origem do que é e tem hoje, Martinho Pinheiro contou com um panorama manifestamente diferente daquele que caracteriza hoje a Medicina Dentária, já que, estatisticamente, a oferta ainda não se apresentava em termos excedentários, e as condições de competitividade eram pacíficas. Em contrapartida, o quadro das necessidades da população era significativamente deficitário. «Houve uma evolução: quando vim para cá, um paciente chegava a ter 15 cáries, as bocas estavam catastróficas. As pessoas iam ao dentista às cinco da manhã marcar a sua vez para conseguir uma consulta. Hoje, o acesso aumentou e melhorou muito», esclarece Martinho. Não teve dificuldades em criar laços, afeito que estava às características do local e da comunidade circundante. Portalegre tem actualmente cerca de 25 mil habitantes e mais consultórios, entretanto emergentes (entre 15 a 20), e o médico dentista continua a dar resposta às necessidades do mercado, conseguindo, inclusive, pacientes fidelizados por todo o distrito. «Está tudo mais do que coberto: a cidade é pequena, e os consultórios são suficientes. Já ouvi falar de consultórios que abriram e fecharam», garante. Um inquérito rápido e aleatório dirigido pela SAÚDE ORAL à população residente no centro de Portalegre confirma esta e outras tendências uma larga e variada rede de cobertura privada (alargada a muitos profissionais de origem brasileira) a que não correspondem, por sua vez, nem o volume demográfico nem o retraído poder económico da população em geral, por essa razão pouco assídua quanto a cuidados de saúde oral. «Só vou ao médico dentista quando tenho uma dor. Pela última limpeza que fiz paguei 50 euros! Sem dúvida que o Estado devia comparticipar», defende Maria Baptista, uma ajudante de lar de 47 anos, que acrescenta: «os brasileiros são os que ainda levam mais em conta». A opinião de Jacinta Pereira, uma empregada de balcão de 50 anos, não é dissonante: «frequento um consultório de brasileiros no Rossio porque gosto do trabalho deles e tenho lá uma amiga. Há muitos dentistas aqui, mas falta dinheiro». E a maioria dos auscultados expressou a mesma ordem de preocupações. «A concorrência na província é maior do que, por exemplo, em Lisboa, onde o volume populacional é maior e a diluição mais fácil. É evidente que não há mercado para instalar aqui uma clínica de luxo, mas é possível ter uma boa clínica e praticar uma boa Medicina Dentária», observa Martinho Pinheiro, sabedor destes factores de constrangimento. Adoptou, por isso, uma política de investimento que lhe permite conservar a agenda e fintar a concorrência; por outras palavras, «ter muita qualidade a um preço razoável, e qualidade é dispor de bons materiais, de boas instalações, de uma boa qualidade técnico-profissional, que geram bons resultados de trabalho». Resultados que se traduzem, no seu caso, em pacientes de todas as idades, de todos os estratos sociais e de vários concelhos e freguesias limítrofes, todos fidelizados. A seu favor pontuam uma atitude pró-activa e uma formação eclética que se juntam para provar que é possível fazer do pouco muito. O médico dentista relativiza, inclusive, fossos dramáticos que tendem a fazer da interioridade uma circunstância limitadora. «Não vejo grande diferença entre ser médico dentista em Lisboa e no interior, embora ela se faça sentir, de forma notória, ao nível do poder económico. Mas é fácil encontrar na capital menos qualidade pelo dobro do preço, seguramente», observa. Mercado enrijecido Em contrapartida, Martinho Pinheiro aponta, com a mesma acuidade, outras fragilidades subsistentes no que respeita ao exercício profissional nas regiões interiores de Portugal, designadamente a falta de especialistas e a litoralização, mais uma vez, dos centros de formação contínua. Ele concretiza: «quem vive na província está votado ao isolamento se não procurar os recursos. Acresce que não há volume de pacientes suficiente para nos dedicarmos apenas a uma especialização, o que já é viável numa cidade com mais de 50 mil habitantes em que o leque de necessidades se amplifica». Eis a razão pela qual optou por conciliar a prática generalista com a Ortodontia, exercendo a primeira no consultório onde atende diariamente, e em média, sete pacientes, e a segunda também no consultório, a partir das 16 horas, e nos distritos de Évora, Castelo Branco, Elvas e Lisboa. A «maior exigência profissional» é outro efeito que o médico aponta, associando-o à maior circularidade espacial: «não damos a cara só no consultório, mas também no supermercado, no café e em qualquer ponto da cidade». Em jeito de análise sistémica, Martinho Pinheiro adverte que «será mais fácil para um qualquer recém-licenciado encontrar, no futuro, espaço numa cintura industrial de um grande centro do que no interior», sendo que quaisquer tendências opostas se ficam a dever a motivações afectivas e a sentimentos de pertença como sucedeu também com João Alves, outro médico dentista, cuja história se pinta de cores similares, mas, desta feita, no concelho de Seia, no distrito da Guarda. O regresso às origens também significou aqui uma decisão feliz, feita de entrega e de persistência. Depois de acabar o curso em 1985, na Escola Superior de Medicina Dentária do Porto, instalou-se, juntamente com a mulher, também ela médica dentista, de malas e bagagens, em Gouveia, e simultaneamente em Seia, seu concelho natural, e «desde a primeira hora [foram também os primeiros médicos dentistas a fixarem-se na zona] a agenda foi-se fazendo com naturalidade, porque as pessoas estavam mesmo carenciadas de cuidados em saúde oral». A experiência de 21 anos trouxe-lhes «um ficheiro com milhares de 67 Julho-Agosto 2006 SO

3 Distribuição de Médicos Dentistas por Distritos de Trabalho locais pequenos, e os que conseguem são pontuais». Diagnóstico da OMD Nota: A discrepância entre o distrito de trabalho e o de residência é fruto da informação que é fornecida pelos membros Fonte: OMD doentes [o mais distante é natural da Nova Zelândia]», numa altura em que os dez mil habitantes de Seia dispõem de mais cinco consultórios, uma cobertura que ele considera suficiente se houver práticas suas um «atendimento das urgências e um estímulo à prevenção». João Alves lembra oportunamente o contributo da melhoria das acessibilidades na região, sendo que, «é mais fácil vir do extremo do concelho ou de outros vizinhos a Seia do que atravessar o Porto ou Lisboa». Apoiado pela esposa e por dois médicos dentistas presentes em dias alternados, João Alves consegue reverter os efeitos da crise económica, mais profundos aqui, criando «uma relação muito mais familiar com os doentes». E concretiza: «alguns trazem-nos a fruta da época, o queijo da serra ou um borrego de vez em quando, e eu sinto-me mais sensibilizado quando o doente traz algo da sua quinta do que com o pagamento em honorários. Não imagino esse ambiente numa grande cidade». Provavelmente, numa grande cidade não poderia nem ir almoçar diariamente a casa (que dista dez quilómetros), nem «criar laços de amizade [muitos pacientes emigrados marcam férias em função das dele]» e muito menos dedicar-se à agricultura, prática cultivada nos tempos livres. A média diária de atendimento ronda os 14 pacientes, e as consultas normais são marcadas de meia em meia hora. Com as sobras do tempo, ainda tem margem para outras actividades comunitárias, como a colaboração com os bombeiros locais, com uma associação florestal, com a Assembleia de Freguesia, e colaborar em jornais locais, caso de A Partilha, em que mantém uma coluna específica sobre [o funcionamento e a importância dos cuidados de] saúde oral. E, de resto, acredita que a leitura das escolhas e dos processos dominantes no interior não deve ser linear, na medida em que o grau de sucesso das experiências mais recentes é variável e depende, entre outras coisas, da «sensibilidade» dos profissionais. Permanece, contudo, a mesma conclusão de fundo que o colega Martinho Pinheiro deduzia a de que «é muito mais difícil mobilizar os doentes nestes A informação estatística disponibilizada pela entidade representante de todos os profissionais de Medicina Dentária em Portugal vem patentear o quadro supra em matéria de distribuição de recursos por distritos de residência e de trabalho. Na brochura Os números da OMD, pode ler-se: «o número de associados da Ordem tem vindo a crescer exageradamente, tendo duplicado nos últimos cinco anos [de 2000 a 2005, passou de 3201 para 5056] ( ). O número de profissionais a actuar na área da saúde oral é já mais do que suficiente para as necessidades do país se considerarmos que: 1) Portugal tem o menor poder de compra da EU; 2) não existe em Portugal oferta por parte do SNS ao nível da Medicina Dentária; 3) 40% da nossa população não tem capacidade económica para aceder ao dentista no sector privado». Factores que se tornam ainda mais flagrantes à medida que avançamos para as regiões interiores do país, que registam uma mais baixa densidade populacional concomitante a um igualmente mais baixo poder de compra. E vem explícito no estudo: «a distribuição de médicos dentistas acompanha, de uma forma geral, a concentração populacional no nosso país ( ). De realçar que o poder de compra da região de Lisboa é de cerca do dobro da região Norte [149,32% versus 83,90%]».A assimetria é inequívoca quando comparamos, por exemplo, a SO Julho-Agosto

4 capital [1348 profissionais activos] com outros distritos como Portalegre [33], Guarda [56], Bragança [51] ou Vila Real [92]. No futuro, estima-se, com base no número de alunos inscritos nas faculdades públicas e privadas, «um descontrolo por excesso da formação de licenciados», do que advirá o «aumento do desemprego e subemprego na classe». Concretamente, em 2011, a classe contará com mais de oito mil profissionais. Paraíso das ilhas A situação vigente na ultraperiferia arquipélagos dos Açores e da Madeira assume contornos bastante diferentes do contexto continental. Gil Alves é médico dentista há 17 anos e representa a OMD na Madeira. Integra o conjunto de 105 colegas distribuídos pela ilha Porto Santo só este ano teve o primeiro consultório privado, em clínicas privadas e nos centros de saúde (dos três com valência de Medicina Dentária, em dois só se atendem crianças no âmbito do Programa Regional de Saúde Oral, sendo que a alternativa para os adultos permanece no sistema privado). Desde a implementação, em 1996, de um programa de prevenção em Saúde Oral, da Secretaria Regional dos Assuntos Sociais do Governo Regional da Madeira, a população tornou-se «ciente da importância de investir nestes cuidados, o que não acontecia há 17 anos», como sublinha Gil Alves. De referir que este ano existiam O consultório de Martinho Pinheiro é frequentado por pacientes de todas as idades, de todos os estratos sociais e de vários concelhos e frequesias limítrofes crianças abrangidas pelo programa, sendo que nas escolas do ensino pré-primário e 1º ciclo do básico ministram-se sessões quinzenais em que participam nutricionistas e enfermeiros; os pais não são excluídos da estratégia e para eles são preparadas também acções de formação. A Madeira «é a única região do país onde os médicos dentistas se reúnem de dois em dois meses para levantar e discutir problemas, inclusive de carácter científico», levados depois a conselho directivo da OMD. O seu titular é, aliás, apologista de «conselhos regionais»: «hoje em dia, se não partirmos para esta filosofia, o distanciamento entre os colegas será cada vez maior.temos de criar estes pequenos núcleos para evitar que se sintam abandonados. Sabemos que infelizmente há colegas que não consultam a Internet, não lêem o Boletim da OMD ou só se lembram que a OMD existe nas horas de amargura». Um desfasamento que a ilha não conhece. «Os Açores são o exemplo a seguir em termos de Medicina Dentária comunitária e pública», afirma, peremptório, Artur Lima, médico dentista e representante da OMD no arquipélago. Refere-se, nomeadamente, ao programa regional de saúde oral, aprovado e implementado pelo Governo, o qual determina que as crianças e jovens até aos 18 anos são tratados nos centros de saúde onde existe Medicina Dentária pública. O boletim individual de saúde oral é outra singular e recente aquisição adoptada em Janeiro deste ano. Em paralelo, os desafios que se mantêm no horizon-te dizem respeito à inserção de profissionais nos hospitais os sete estomatologistas residentes é que asseguram os cuidados às faixas mais carenciadas da população, caso dos idosos. Sintetizando, desde 1991 que os Açores têm médicos dentistas nos quadros dos centros de saúde, actualmente 16 profissionais.ao todo, os 71 médicos dentistas estão bem distribuídos em todas as ilhas (à excepção do Corvo), sendo que «há cinco anos que a oferta está a atingir o seu limite». Artur Lima põe a sugestão na mesa do debate: «o facto de se ser periférico ou interior não impede bons cuidados de saúde, desde que as autoridades apostem num modelo diferente e tratem de forma desigual o que é desigual. Se não há vagas no sistema público, façam-se convenções». SO Julho-Agosto

5 Soluções a montante Ricardo Pinto é finalista do curso de Medicina Dentária no ISCSEM, e provém de Évora. Acumula, além disso, um cargo representativo, presidindo, há um ano, à Associação Nacional de Estudantes de Medicina Dentária (ANEMD). É um dos muitos alunos que integram o grupo de 80 que, este ano, completa o curso naquela faculdade privada. Mas a escolha é outra aqui. Regressar às origens não faz parte das suas prioridades imediatas: «os jovens médicos dentistas não têm motivação nem incentivos para ir trabalhar para o interior do país, à semelhança do que acontece com outras classes profissionais, o nosso não é um caso específico. Eu pretendo ir lá trabalhar, mas não fixar- -me lá [Évora]», explica, acrescentando, a título de exemplo, que «no Alentejo, as pessoas vão, regra geral, ao dentista quando têm dor. A preocupação com a prevenção e com a estética não está enraizada». Quanto à oferta actual, reconhece os efeitos perniciosos da autorização de abertura de faculdades privadas circunstância que veio engrossar os sabidos excedentes e vê no SNS uma medida de reposição de equilíbrios. «Na perspectiva dos jovens licenciados, que «Há que mudar o quadro das faculdades porque não faz sentido continuar a formar tantos alunos para os lançar no desemprego», defende Manuel Fontes de Carvalho trabalham em condições precárias, a integração no SNS como carreira médica seria uma forma de distribuir os jovens por todo o país e de reduzir o desemprego. Mas não houve ainda peso político para esta alteração», explica. Sobre esta matéria, José Pedro Figueiredo, presidente da Sociedade Portuguesa de Estomatologia e Medicina Dentária (SPEMD), manifesta reservas quanto à sua legitimidade: «entendo que não cabe ao Estado a obrigatoriedade de empregar os excedentes produzidos pelas faculdades. Rejeito a leitura que apresenta o Estado como tábua de salvação». Defende, em contrapartida, um esforço colectivo e coeso por parte de todas as entidades ligadas à saúde oral, com campanhas de divulgação e de informação, «no sentido de aumentar o número total de cidadãos que recorrem aos cuidados profissionais», o que bastaria «para que as assimetrias na distribuição de profissionais se autocorrigissem naturalmente». Manuel Fontes de Carvalho, primeiro bastonário da OMD, muda o ângulo e situa a questão a montante. «É fundamental uma adequação da formação às necessidades do país, isto é, há que mudar o quadro das faculdades porque não faz sentido nenhum continuar a formar tantos alunos para os lançar no desemprego e, para mais, tratando-se este de um curso de banda estreita. É um Gil Alves, representante da OMD na Madeira, defende a criação de «conselhos regionais», no país crime contra as camadas jovens do país!», observa o professor da FMDUP, que propõe um «diagnóstico exacto» das necessidades reais de assistência, evocando o exemplo de associações francesas, que actualizam anualmente a informação de locais em défice no país. Ricardo Pinto quer ficar, por ora, ligado à faculdade, iniciando uma carreira académica. Mas a opção de um eventual estágio ou formação pós-graduada no estrangeiro não parece estar excluída e é, para ele, mais aliciante do que as excursões à cidade-berço. «Só no ano lectivo anterior ao meu, mais de 50% dos alunos foi exercer para Inglaterra. Para quem quer evoluir e juntar dinheiro é a solução ideal», adianta, como pressentindo uma prolongada mesmice. 71 Julho-Agosto 2006 SO

Posição da Ordem dos Médicos sobre a Faculdade de Medicina de Aveiro.

Posição da Ordem dos Médicos sobre a Faculdade de Medicina de Aveiro. Posição da Ordem dos Médicos sobre a Faculdade de Medicina de Aveiro. O novo curso de Medicina da Universidade de Aveiro não foi antecedido por um periodo de discussão pública, no qual se pudesse debater

Leia mais

AS CIDADES EM NÚMEROS

AS CIDADES EM NÚMEROS CD-ROM As Cidades em Números 2000-2002 17 de Junho de 2004 AS CIDADES EM NÚMEROS Caracterizar e quantificar o conhecimento sobre as actuais 141 cidades portuguesas, espaços que, cada vez mais, concentram

Leia mais

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007)

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007) O Centro Social Padre Tomás D Aquino Vaz de Azevedo (CSPTAVA) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que desenvolve a sua actividade na área do apoio à Terceira Idade nas valências de Lar

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo

Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo REDE SOCIAL Conselho Local de Ação Social de Figueira de Castelo Rodrigo Regulamento Interno [9/04/2014] REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Relatório Contratualização em Saúde Oral Crianças e Jovens 2007 Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos Direcção de Serviços de Promoção

Leia mais

«Unidade dos afetos»: miniequipas ajudam a estabelecer uma relação mais próxima com os utentes

«Unidade dos afetos»: miniequipas ajudam a estabelecer uma relação mais próxima com os utentes 2016-10-19 18:47:05 http://justnews.pt/noticias/usf-santa-maria-unidade-dos-afetos-promove-atendimento-personalizado-e-integridade-nocuidar «Unidade dos afetos»: miniequipas ajudam a estabelecer uma relação

Leia mais

Uma perspetiva territorial da expansão, reabilitação e arrendamento habitacionais

Uma perspetiva territorial da expansão, reabilitação e arrendamento habitacionais Seminário 12 novembro 213 Iniciativa conjunta INE LNEC Uma perspetiva territorial da expansão, reabilitação e arrendamento habitacionais Instituto Nacional de Estatística Serviço de Estatísticas Territoriais

Leia mais

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos

Portugal : Retrato Económico e Social em gráficos Portugal 198-1: Retrato Económico e Social em gráficos E.E.F. Mercados Financeiros Setembro 15 Perante o processo de ajustamento efectuado nos últimos quatro anos, é nosso propósito mostrar e realçar que

Leia mais

INSTITUTO FONTE DE VIDA IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social

INSTITUTO FONTE DE VIDA IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social INSTITUTO FONTE DE VIDA IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social PLANO DE ACTIVIDADES PARA 2016 1 - INTRODUÇÃO Ao longo de dezoito anos, um grupo de voluntários determinados, tem levado adiante,

Leia mais

Enquadramento da Freguesia

Enquadramento da Freguesia 2.3.1. Enquadramento da Freguesia A freguesia de Canelas, com uma área de 10,2 Km 2, é servida por uma rede viária de 32,87 km de extensão, cerca de 8,24% da totalidade do concelho, em que o seu estado

Leia mais

Taxa de variação da população residente ( ) (%) por Local de residência

Taxa de variação da população residente ( ) (%) por Local de residência Taxa de variação da população residente (1991-2001) (%) Taxa de variação da população residente (1991-2001) (%) por Local de residência [(População residente 2001 - População residente 1991)/ População

Leia mais

I.1 POPULAÇÃO RESIDENTE EVOLUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO

I.1 POPULAÇÃO RESIDENTE EVOLUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO I I.1 POPULAÇÃO RESIDENTE EVOLUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO Segundo resultados do último Recenseamento Geral da População, em 21, residiam na Beira Interior Sul, 78 123 indivíduos, representando cerca de 3% da população

Leia mais

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento

Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento Plano de Intervenção Imediata 2006 Ficha de Caracterização Sumária das instituições de acolhimento (Modelo 2-A) INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Ler atentamente as instruções antes de preencher. A preencher

Leia mais

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores

População residente por grandes grupos etários, NUTS II, 2007 (em percentagem) Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve R. A. Açores A. Pesquisa Divisões territoriais: http://sig.ine.pt/viewer.htm Indicar os tipos de divisões territoriais (administrativa, estatística, outras); Indicar os itens de cada divisão administrativa (distrito,

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO MÉDICA. Entrevista aos Directores das Escolas Médicas sobre numerus clausus.

GRUPO DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO MÉDICA. Entrevista aos Directores das Escolas Médicas sobre numerus clausus. GRUPO DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO MÉDICA vp.em@anem.pt www.anem.pt Entrevista aos Directores das Escolas Médicas sobre numerus clausus. Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior (FCS-UBI)

Leia mais

Estudo Sobre a Concorrência no. Sector das Análises Clínicas

Estudo Sobre a Concorrência no. Sector das Análises Clínicas Sumário Executivo Estudo Sobre a Concorrência no Sector das Análises Clínicas Sendo uma das atribuições da Entidades Reguladora da Saúde (ERS), nos termos do art. 6.º n.º 2 al. b) do Decreto-Lei n.º 309/2003,

Leia mais

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário

Gostaria de manifestar todo o nosso reconhecimento aos Senhores Ministro da Economia e do Emprego e Secretário SESSÃO DE LANÇAMENTO DO MOVIMENTO PARA O EMPREGO FCG (SALA DIRECÇÕES) - 23.05.2013, 15H30 Senhor Ministro da Economia e do Emprego Senhor Secretário de Estado do Emprego Senhores Deputados Senhor Presidente

Leia mais

ELEIÇÕES / PROGRAMA ELEITORAL LISTA B

ELEIÇÕES / PROGRAMA ELEITORAL LISTA B ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DOENTES DE PARKINSON ELEIÇÕES / 2012-2014 PROGRAMA ELEITORAL LISTA B Todos juntos somos fortes Não há nada a temer Ao meu lado há um amigo Que é preciso proteger Chico Buarque

Leia mais

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA O Futuro do Território Rural JOVENS EMPRESÁRIOS NO ESPAÇO RURAL Firmino Cordeiro Director-Geral da AJAP Organização: Apoio Institucional: AGRICULTURA NACIONAL - Agricultura profissional deve continuar

Leia mais

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas e a Associação Nacional dos Municípios Portugueses.

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas e a Associação Nacional dos Municípios Portugueses. DL 242/2006 A dinamização do mercado do arrendamento urbano e a reabilitação e renovação urbanas almejadas no Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), aprovado pela Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro,

Leia mais

Centro Local de Apoio à Integração. do Imigrante de Alenquer. Relatório de Actividades

Centro Local de Apoio à Integração. do Imigrante de Alenquer. Relatório de Actividades Centro Local de Apoio à Integração do Imigrante de Alenquer Relatório de Actividades Ano de 2007 CLAII de Alenquer - Relatório de Actividades 2007 1 Introdução O presente relatório de actividades destina-se

Leia mais

Resultados sob embargo até divulgação pelo JN, DN, RTP e Antena 1 no dia 5 de Março à 01h00

Resultados sob embargo até divulgação pelo JN, DN, RTP e Antena 1 no dia 5 de Março à 01h00 SONDAGEM SOBRE CRISE ECONÓMICA E REFORMA DO ESTADO CESOP/UCP PARA ANTENA 1, RTP, JN E DN Resultados sob embargo até divulgação pelo JN, DN, RTP e Antena 1 no dia 5 de Março à 01h00 0. Ficha técnica Ficha

Leia mais

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa

Novas tendências e desafios na Economia da Saúde. Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Novas tendências e desafios na Economia da Saúde Pedro Pita Barros Universidade Nova de Lisboa Desafios metodológicos vs. de temas mundo académico vs. mundo das políticas de saúde 01/04/2016 2 Temas que

Leia mais

ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte

ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte ESTUDO SOBRE O PODER DE COMPRA CONCELHIO Análise Sumária dos Resultados para a Região Norte ANTÓNIO EDUARDO PEREIRA* Sendo a terceira região do país com maior nível de poder de compra per capita, o Norte

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO CENTRO DE SAÚDE INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO AO CENTRO DE SAÚDE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas vidas

Leia mais

Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental

Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Inauguração das instalações cedidas ao Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL JOVEM. Introdução

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL JOVEM. Introdução REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL JOVEM Introdução Considerando a importância crescente das autarquias locais, no âmbito do apoio social às populações; Considerando que as câmaras municipais podem apoiar

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 4 de Março de 2004 Dia Internacional da Mulher DIA INTERNACIONAL DA MULHER O Instituto Nacional de Estatística não quis deixar de se associar à comemoração do Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, apresentando

Leia mais

Subida de taxas moderadoras leva portugueses aos hospitais privados

Subida de taxas moderadoras leva portugueses aos hospitais privados Subida de taxas moderadoras leva portugueses aos hospitais privados No primeiro trimestre, os hospitais públicos registaram uma quebra nos atendimentos das urgências. Já o sector privado verificou um aumento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto Estabelece o regime da venda de medicamentos não sujeitos a receita médica fora das farmácias

Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto Estabelece o regime da venda de medicamentos não sujeitos a receita médica fora das farmácias Estabelece o regime da venda de medicamentos não sujeitos a receita médica fora das farmácias O Governo considera que alguns medicamentos para uso humano, concretamente os que não necessitam de receita

Leia mais

LINHAS ORIENTADORAS

LINHAS ORIENTADORAS LINHAS ORIENTADORAS 2012-2014 Associação dos Antigos Estudantes da Escola Superior de Enfermagem da Cruz Vermelha Portuguesa de Oliveira de Azeméis Associação dos Antigos Estudantes da Escola Superior

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE

DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DE MONTALEGRE Dinâmicas Demográficas e Socio- Familiares A - Desertificação e envelhecimento da população Decréscimo populacional na ordem dos 17.5%; Jovens diminuíram para

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010 Objectivos do Estudo

Leia mais

Óleos Alimentares Usados - Rede nacional de recolha 2010

Óleos Alimentares Usados - Rede nacional de recolha 2010 Óleos Alimentares Usados - Rede nacional de recolha 2010 Índice Rede nacional de recolha de óleos alimentares usados... 3 Opções de gestão dos OAU da rede municipal... 6 2 Rede nacional de recolha de óleos

Leia mais

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias

Criadas em LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Porto, novembro de 2016 Criadas em 2001 LPP 147/99, de 1 de Setembro (alterações Lei 142/2015 de 8 de setembro ) Instituições oficiais não judiciárias Objectivo Promover os direitos da criança e do jovem

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PORTO SANTO E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte :

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE PORTO SANTO E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte : 7. PORTO SANTO Descoberto em 1418 por João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, o Porto Santo é uma ilha de origem vulcânica com um relevo muito menos acidentado que a Madeira e onde predominam o calcário

Leia mais

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições

Conteúdos sobre segurança e saúde no trabalho Organismos e instituições ISHST - Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Criado em 2004, pelo Decreto-lei n.º 171, de 17 de Julho, o Instituto para a Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho (ISHST), I. P., é o organismo

Leia mais

Montra 56 JAN./FEV. NECTAR

Montra 56 JAN./FEV. NECTAR Montra 56 JAN./FEV. NECTAR Garrafeira D Almada Montra Garrafeira D Almada UMA PEQUENA LOJA REPLETA DE GRANDES VINHOS O ESPAÇO É CURTO, MAS A OFERTA É GRANDE E DE QUALIDADE. A GARRAFEIRA D'ALMADA DISPÕE

Leia mais

Cerimónia de Tomada de Posse da Direcção do Colégio de Ortodontia da OMD. 19 de Setembro h30 Lisboa

Cerimónia de Tomada de Posse da Direcção do Colégio de Ortodontia da OMD. 19 de Setembro h30 Lisboa Cerimónia de Tomada de Posse da Direcção do Colégio de Ortodontia da OMD 19 de Setembro 2016 20h30 Lisboa Saudações Excelentíssimo Senhor Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Doutor Orlando Monteiro

Leia mais

Curso de Formação Intensiva: Comunicação com os media

Curso de Formação Intensiva: Comunicação com os media Curso de Formação Intensiva: Comunicação com os media 1. Objetivos gerais Dar a conhecer as especificidades do contexto mediático português e dotar os participantes de capacidades e competências técnicas

Leia mais

DESEMPREGO. Estudo / Proposta para Redução do Desemprego

DESEMPREGO. Estudo / Proposta para Redução do Desemprego DESEMPREGO Estudo / Proposta para Redução do Desemprego 1. Introdução A concelhia de Pinhel do CDS-PP, debruçou-se sobre a problemática do desemprego, sobretudo a nível do concelho de Pinhel, para verificar

Leia mais

dos Antigos Parlamentares dos Estados do Conselho

dos Antigos Parlamentares dos Estados do Conselho Senhor Presidente da Associação dos Antigos Parlamentares dos Estados do Conselho da Europa. Exmos Oradores convidados e demais participantes neste encontro Em nome da Assembleia Legislativa da Madeira

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 651/XIII/2.ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 651/XIII/2.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 651/XIII/2.ª RECOMENDA AO GOVERNO QUE RECUSE O PLANO PARA A CONSTITUIÇÃO DA UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DE ENTRE O DOURO E VOUGA, PROCURANDO ALTERNATIVAS QUE GARANTAM

Leia mais

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Maria José Roxo O papel do Comité de Ciência e Tecnologia Estabelecido pelo artigo 24 da Convenção Mandato e termos de referência adoptados

Leia mais

Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades P R O T O CO L O

Sindicato Nacional dos Professores Licenciados pelos Politécnicos e Universidades P R O T O CO L O P R O T O CO L O Primeira Outorgante Zurich Companhia de Seguros, S.A., com sede na Rua Barata Salgueiro, 41, 1269-058 em Lisboa, Pessoa Colectiva nº 500 528 586, matriculada na Conservatória do Registo

Leia mais

USF Villa Longa: Equipa empenhada em «trabalhar na capacitação do doente»

USF Villa Longa: Equipa empenhada em «trabalhar na capacitação do doente» 2016-09-16 12:59:19 http://justnews.pt/noticias/usf-villa-longa-equipa-empenhada-em-trabalhar-na-capacitacao-do-doente USF Villa Longa: Equipa empenhada em «trabalhar na capacitação do doente» É sob o

Leia mais

ÁREAS URBANAS. dinâmicas internas

ÁREAS URBANAS. dinâmicas internas ÁREAS URBANAS. dinâmicas internas O que é uma cidade? Que ideia temos de uma cidade? Será algo parecido com Ou isto Ou isto Cidade do Porto Ou isto Ou isto Cidade de Coimbra Ou isto Cidade de Aveiro

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 188/IX ELEVAÇÃO DE VILA NOVA DE SANTO ANDRÉ A CIDADE. Exposição de motivos. 1 - Breve caracterização geográfica e demográfica

PROJECTO DE LEI N.º 188/IX ELEVAÇÃO DE VILA NOVA DE SANTO ANDRÉ A CIDADE. Exposição de motivos. 1 - Breve caracterização geográfica e demográfica PROJECTO DE LEI N.º 188/IX ELEVAÇÃO DE VILA NOVA DE SANTO ANDRÉ A CIDADE Exposição de motivos 1 - Breve caracterização geográfica e demográfica A vila designada Vila Nova de Santo André, do município de

Leia mais

A Perceção da Autoestima e dos Sentimentos de Solidão. Anexos

A Perceção da Autoestima e dos Sentimentos de Solidão. Anexos Anexos Anexo I - Instrumentos de avaliação Escala de Solidão UCLA Daniel Russell Traduzida e adaptada por Margarida Pocinho & Carlos Farate (2005) 1- Sente-se infeliz por fazer muitas coisas sozinho 2-

Leia mais

Relatório de Avaliação Comunidade

Relatório de Avaliação Comunidade 2012 Relatório de Avaliação Comunidade AVALIAÇÃO DE SATISFAÇÃO À COMUNIDADE RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO I Enquadramento Geral A Avaliação da Satisfação à Comunidade foi realizada a partir do preenchimento pela

Leia mais

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO Entre: *** com sede na..., pessoa colectiva nº..., matriculada na Conservatória do Registo Comercial de... sob o nº..., com o capital social de Euros..., de ora em diante

Leia mais

MALO CLINIC quer duplicar área da nova clínica de Faro já no próximo ano

MALO CLINIC quer duplicar área da nova clínica de Faro já no próximo ano postal.pt http://www.postal.pt/2016/04/malo-clinic-quer-duplicar-area-da-nova-clinica-de-faro-ja-proximo-ano/ MALO CLINIC quer duplicar área da nova clínica de Faro já no próximo ano O Grupo investiu cerca

Leia mais

Responsabilidade Social Delta Cafés

Responsabilidade Social Delta Cafés Responsabilidade Social Delta Cafés Cláudia Cidraes Gama Coimbra, 12 de Novembro 2014 Em 1961, Rui Nabeiro, criou a Delta Cafés. Marca de sucesso no país e no mundo, exemplo de pioneirismo, inovação, vontade

Leia mais

Desenvolvimento Profissional Contínuo dos Psicólogos

Desenvolvimento Profissional Contínuo dos Psicólogos CATEGORIA AUTORIA JANEIRO 14 Revisão de Dados Gabinete de Estudos e Literatura Científica Técnicos Desenvolvimento Profissional Contínuo dos Psicólogos Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses

Leia mais

INTERVENÇÃO DE TRIBUNA DO DEPUTADO RICARDO RAMALHO POLÍTICAS DE JUVENTUDE, EMPREGO JOVEM E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

INTERVENÇÃO DE TRIBUNA DO DEPUTADO RICARDO RAMALHO POLÍTICAS DE JUVENTUDE, EMPREGO JOVEM E FORMAÇÃO PROFISSIONAL INTERVENÇÃO DE TRIBUNA DO DEPUTADO RICARDO RAMALHO POLÍTICAS DE JUVENTUDE, EMPREGO JOVEM E FORMAÇÃO PROFISSIONAL Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhoras e

Leia mais

À meia noite, cerca de três quartos da população com seis e mais anos dorme

À meia noite, cerca de três quartos da população com seis e mais anos dorme À meia noite, cerca de três quartos da população com seis e mais anos dorme Perfil de um dia médio 10 Ver Televisão 8 6 Lazer (excepto televisão) Cuidados à Família e Trabalhos Domésticos Trabalho e/ou

Leia mais

Medicamentos: Hospitais devem mais de mil milhões, prazos de pagamento superiores a um ano

Medicamentos: Hospitais devem mais de mil milhões, prazos de pagamento superiores a um ano Medicamentos: Hospitais devem mais de mil milhões, prazos de pagamento superiores a um ano *** Serviço áudio e vídeo disponível em www.lusa.pt *** *** Ana Rute Peixinho, jornalista da agência Lusa ***

Leia mais

O outro lado da participação pública: ações de protesto e petições

O outro lado da participação pública: ações de protesto e petições O outro lado da participação pública: ações de protesto e petições Ana Raquel Matos, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra A palavra participação, ao longo das últimas décadas, foi elevada

Leia mais

Serviço de Medicina do Hospital S. Francisco Xavier aposta «fortemente» na formação dos assistentes e internos

Serviço de Medicina do Hospital S. Francisco Xavier aposta «fortemente» na formação dos assistentes e internos 2016-02-26 19:55:51 http://justnews.pt/noticias/servico-de-medicina-do-hospital-s-francisco-xavier-aposta-fortemente-na-formacao-dosassistentes-e-i Serviço de Medicina do Hospital S. Francisco Xavier aposta

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 26 de janeiro de Série. Número 15

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 26 de janeiro de Série. Número 15 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 26 de janeiro de 2015 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução n.º 1305/2014 Madeira, EPERAM, a dar de arrendamento ao

Leia mais

Teresa Maria de Serpa Pinto Freitas do Amaral

Teresa Maria de Serpa Pinto Freitas do Amaral Teresa Maria de Serpa Pinto Freitas do Amaral Prof. Auxiliar (exclusividade) Formação Pré-Graduada Licenciatura em Ciências da Nutrição pela Universidade do Porto (1989). Formação Pós-Graduada Doutoramento

Leia mais

Sérgio Antunes de Carvalho

Sérgio Antunes de Carvalho A EXPERIENCIA DE GERIR A ENFERMAGEM DA FORMAÇÃO AO CONTEXTO DA PRÁTICA DOS CUIDADOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DIFICULDADES PERCEBIDAS - Diferenças substanciais dos ACES no que se refere a políticas de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX A tendência do número de nascimentos em Portugal neste período é de um decréscimo. O período de 1975 a 1977 contraria esta evolução devido a fatores

Leia mais

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS REQUERIMENTO PRESTAÇÕES POR ENCARGOS FAMILIARES ABONO DE FAMÍLIA PRÉ-NATAL E ABONO DE FAMÍLIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INFORMAÇÕES E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO O requerimento deve ser preenchido manualmente.

Leia mais

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS 1.1. A população: evolução e diferenças regionais 1.1.1. A evolução da população na 2ª metade do século XX Preparação para exame nacional Geografia A 1/8 Síntese: Evolução demográfica da população portuguesa

Leia mais

Atlas das Cidades Portuguesas

Atlas das Cidades Portuguesas Informação à Comunicação Social 7 de Junho de 2002 Atlas das Cidades Portuguesas Pela primeira vez o INE edita um Atlas das Cidades de Portugal, publicação que reúne um conjunto de indicadores sobre as

Leia mais

CDS / Partido Popular

CDS / Partido Popular N.º: 588-VIII Proc.º: 50.04.04.34 Data: 16.04.2008 do Governo Senhora e Senhores Membros do Governo Uma jovem inglesa enfrentou a oposição da família e teve sérias dificuldades em os convencer que cuidar

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação

questionários de avaliação da satisfação questionários de avaliação da satisfação Introdução Tendo como referência o Modelo de Avaliação da Qualidade, o desenvolvimento de um Sistema de Gestão da Qualidade aplicado aos serviços prestados pelas

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA CONTRADITÓRIO AO RELATÓRIO DA IGE EB 2,3 DE SILVARES JANEIRO DE 2008

AVALIAÇÃO EXTERNA CONTRADITÓRIO AO RELATÓRIO DA IGE EB 2,3 DE SILVARES JANEIRO DE 2008 EB 2,3 DE SILVARES JANEIRO DE 2008 A decisão de submeter o Agrupamento ao processo de Avaliação Externa assenta na ideia e estratégia do Projecto Educativo que delineámos. Sendo a Qualidade o leitmotiv

Leia mais

Entrevista Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Orlando Monteiro da Silva

Entrevista Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Orlando Monteiro da Silva Entrevista Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Orlando Monteiro da Silva Este mês temos o prazer de entrevistar o Ilmo Bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas Orlando José Mendes Monteiro da Silva.

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Uma primeira palavra de boas-vindas à Universidade de Aveiro, e de

Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Uma primeira palavra de boas-vindas à Universidade de Aveiro, e de Exmo. Sr. Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Exmo. Sr. Secretário de Estado da Energia e da Inovação, Exmo. Sr. Director Geral da Agência para a Energia, Caros membros da Comunidade

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008 6. TEMA EM ANÁLISE Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008 Graça Magalhães* Instituto Nacional de Estatística 1. Introdução

Leia mais

Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde

Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde Proteger e promover o Capital Humano do Serviço Nacional de Saúde Capital humano principal ativo do SNS O Serviço Nacional de Saúde (SNS), apesar de muitas contrariedades, produz resultados de saúde que

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA)

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE (QUINTA-FEIRA) ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2017 VAGAS E ABERTURA DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA INFORMAÇÃO COM EMBARGO ATÉ ÀS 00H01 DE 21-07-2015 (QUINTA-FEIRA) 1. Inicia-se quarta-feira, 19 de julho, o prazo de candidatura

Leia mais

Programa de Candidatura

Programa de Candidatura Programa de Candidatura Pela Ortodontia Pelos Especialistas PROGRAMA DE CANDIDATURA Estimados Colegas e Amigos, No final de mais um mandato da Direção do Colégio, impõe-se uma breve reflexão sobre os últimos

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 038 DE JOVEM A LIDER Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

A crise e a saúde em Portugal

A crise e a saúde em Portugal A crise e a saúde em Portugal Jorge Simões Lisboa, 29 de Novembro de 2013 1 Agenda 1. Contexto político, demográfico e económico 2. Política de saúde recente 3. Desempenho do sistema 2 Agenda 1. Contexto

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA MERCADO DE TRABALHO O quadro sociodemográfico apresentado tem consequências directas no mercado de trabalho. Segundo os últimos Censos, os concelhos de Penamacor, Idanha-a-Nova e Vila Velha de Ródão surgiam

Leia mais

Exposição de Motivos

Exposição de Motivos PL /2016 2016.07. Exposição de Motivos O XXI Governo Constitucional, no seu programa para a saúde, estabelece como prioridades aperfeiçoar a gestão dos recursos humanos e a motivação dos profissionais

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES. Maio de 2004

DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES. Maio de 2004 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Direcção de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde RECLAMAÇÕES 3 Maio de 4 I INTRODUÇÃO As reclamações como indicador da qualidade das unidades prestadoras de cuidados, quer

Leia mais

Reforço das respostas do SNS na área da Saúde Mental em Portugal

Reforço das respostas do SNS na área da Saúde Mental em Portugal PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 1004/XIII/2.ª Reforço das respostas do SNS na área da Saúde Mental em Portugal O Relatório da Direção-Geral de Saúde relativo a Portugal

Leia mais

UM CONTRIBUTO PARA UMA POLÍTICA DE JUVENTUDE NO ALGARVE

UM CONTRIBUTO PARA UMA POLÍTICA DE JUVENTUDE NO ALGARVE UM CONTRIBUTO PARA UMA POLÍTICA DE JUVENTUDE NO ALGARVE Acesso à Habitação Combate às Desigualdades de Oportunidade Interculturalidade e Solidariedade Inter-geracional Janeiro 2014 Revisão Outubro 2015

Leia mais

Plano desenvolvimento social

Plano desenvolvimento social Plano desenvolvimento social 2014-2016 Área Intervenção I FAMÍLIA (HABITAÇÃO/EDUCAÇÃO) - Problemas ao nível do parque habitacional; - Falta de expetativas/ objetivos ao nível educativo; - Défice de competências

Leia mais

Verbas comunitárias do Turismo modernizam e aumentam qualidade da hotelaria no Centro de Portugal

Verbas comunitárias do Turismo modernizam e aumentam qualidade da hotelaria no Centro de Portugal QREN/Turismo 2015 viabiliza 12 investimentos turísticos Verbas comunitárias do Turismo modernizam e aumentam qualidade da hotelaria no Centro de Portugal A assinatura de 12 contratos de financiamento comunitário

Leia mais

Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde. Senhor Presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Senhor Arcebispo Primaz de Braga

Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde. Senhor Presidente da União das Misericórdias Portuguesas. Senhor Arcebispo Primaz de Braga Cerimónia de passagem da assinatura de Protocolos com Santas Casas da Misericórdia 31 de julho de 2015 Senhor Ministro da Saúde Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde Senhor Presidente da

Leia mais

Aldeias lar como instrumento de apoio social e de combate à desertificação

Aldeias lar como instrumento de apoio social e de combate à desertificação 15-05-2009 Observatório de Emprego e Formação Profissional Aldeias lar como instrumento de apoio social e de combate à desertificação Lisboa, 13 de Julho de 2007 João Martins 1) Paradigama Envelhecimento

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 31 de Maio de Série. Número 61

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 31 de Maio de Série. Número 61 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 31 de Maio de 2011 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONALDA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 56/2011 Estabelece as normas reguladoras das condições

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE SÃO VICENTE E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE SÃO VICENTE E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 11. SÃO VICENTE MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE SÃO VICENTE E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) O concelho de São Vicente, criado em

Leia mais

ENGENHARIA INFORMÁTICA Porquê ser Engenheiro da ordem? 15 de MaRÇO de 2016 / vitor santos

ENGENHARIA INFORMÁTICA Porquê ser Engenheiro da ordem? 15 de MaRÇO de 2016 / vitor santos 15 de MaRÇO de 2016 / vitor santos Breve História Objetivos ORGANIZAÇÃO Membros da ordem ADMISSÃO E QUALIFICAÇÃO Serviços e atividades Prestigio/benefícios O COLÉGIO DE ENGENHARIA DE INFORMÁTICA NOVOS

Leia mais

Questionário "inédito" avalia controlo da asma

Questionário inédito avalia controlo da asma Questionário inédito avalia controlo da asma e da rinite http://www.ionline.pt/interior/index.php?p=news-print&idnota=64849 Page 1 of 1 Imprimir Questionário "inédito" avalia controlo da asma e da rinite

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi 13,1%

A taxa de desemprego estimada foi 13,1% 5 de novembro de 2014 Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada foi 13,1 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2014 foi de 13,1. Este valor é inferior em

Leia mais

Lisboa 2016 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2016 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2016 Refª: 049 BAIRRO DAS ARTES Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73 60 Email - bip.zip@cm-lisboa.pt

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação Organizacional sobre

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO, ACÇÃO SOCIAL E DEFESA DO AMBIENTE. Ofertas de Emprego

ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO, ACÇÃO SOCIAL E DEFESA DO AMBIENTE. Ofertas de Emprego Ofertas de Emprego Director do Controlo de Qualidade (M/F) Campo Maior Freguesia de S. João Baptista Habilitações: Licenciatura Horário: Diurno (8H 17H) Função: Implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade,

Leia mais

Apresentação do livro Serviço Nacional de Saúde para uma conversação construtiva

Apresentação do livro Serviço Nacional de Saúde para uma conversação construtiva Apresentação do livro Serviço Nacional de Saúde para uma conversação construtiva 10 Outubro 2014 Texto: Carlos Gamito carlos.gamito@iol.pt Fotografia: João Pedro Jesus e Fundação SNS Paginação e Grafismo:

Leia mais