ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7"

Transcrição

1 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

2 Índice 1. Ética empresarial...3 2

3 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial. Para responder à situação, as universidades começam a organizar cursos de ética aplicada aos negócios. Diversas publicações científicas ou ligadas ao mundo empresarial têm se interessado pelo tema. Atualmente nenhuma grande escola de Gestão ou Economia deixa de integrar nos seus cursos a disciplina de ética Empresarial. Outro fator importante para o surgimento da ética Empresarial foi a influência da luta ideológica promovida pelas forças de esquerda, partidos e sindicatos e, também, de um modo particular, a atividade das Igrejas na sua luta pela justiça social, dando especial destaque ao pensamento desenvolvido pela Igreja Católica, sobretudo no que se refere à utilização pelas empresas dos recursos hídricos e ecológicos que, sendo o bem comum, terminam por ser apenas um meio de lucro para algumas empresas em detrimento da comunidade. Como exemplo, podemos citar a poluição por meio de dejetos industriais de rios e lagos. A ética passa a ser, então, um caminho para promover as empresas aos olhos da opinião pública. Uma empresa que põe em primeiro lugar os seus clientes, que respeita o meio ambiente, que reconhece ter uma responsabilidade social, que se preocupa com a vida cultural dos seus trabalhadores, que está atenta a todos os que, direta ou indiretamente, têm alguma relação com ela, melhora a sua imagem e tira disso benefícios diversos, entre eles os benefícios econômicos. A ética empresarial é rentável. Logo, os empresários verificaram que as empresas que manifestavam preocupações éticas tinham melhores resultados do que as outras. Essa constatação contribuiu muito para que a ética empresarial entrasse na moda e fosse vista como instrumento para o aumento de lucros. Os empresários rapidamente compreenderam que a ética, enquanto marketing, favorecia o bom nome das empresas melhorando a sua imagem, e, consequentemente, aumentava os negócios, criava fidelidades, contribuía para aumentar os lucros. A ética é rentável não só quando usada no marketing, mas quando a empresa, no seu interior, consegue fazer com que a ética anime o espírito de todos aqueles que integram o seu quadro de pessoal. Por outras palavras, a ética revela-se também rentável quando, por meios eficazes, a empresa incute nos seus colaboradores princípios e regras éticas que os conduzem na sua atividade dentro da empresa. Uma organização que partilha valores comuns e assume regras de funcionamento com uma marca ética é mais eficiente economicamente e sobrevive melhor no mercado. A ética aplicada à empresa produz dois fatores geradores de lucro. O primeiro diz respeito à diminuição de investimento em mecanismos de controle. Toda a organização tem necessidade de possuir mecanismos que permitam controlar o seu funcionamento. Estes mecanismos vão desde relógios de ponto, por exemplo, a sistemas de vigilância para controle de tempos máximos ou mínimos para diversas operações, de modo a garantir 3

4 os ritmos de trabalho, as hierarquias de responsáveis que zelarão pelo bom funcionamento da empresa etc. Quando as pessoas estão sensibilizadas pelo espírito ético e veem o seu trabalho como caminho de realização moral, a empresa pode dispensar investimentos de controle, ou pelo menos reduzir esses investimentos ao mínimo. Além disso, tal atitude é racional, uma vez que é impossível controlar todas as pessoas o tempo todo. O segundo fator que produz rentabilidade tem origem nos aumentos de produtividade. Um trabalhador que encara o seu trabalho como um dever moral desempenha as suas tarefas de um modo diferente daquele que vê no trabalho apenas um processo para adquirir os meios necessários à sua subsistência. Quando um homem ou uma mulher vê o seu trabalho na empresa como um meio para a realização da sua dimensão moral, aderindo aos princípios éticos propostos pela organização, a sua taxa de produtividade aumenta. Isso porque falta menos ao trabalho, cumpre mais rigorosamente os horários, dedica-se totalmente às suas obrigações de trabalhador. Ocorre, então, um aumento do ritmo em que as diversas tarefas são feitas porque o trabalhador se sente responsável pela empresa. A justificação filosófica para a ética Empresarial não está só na possibilidade do lucro das empresas, mas no homem, na dignidade do homem. Uma vez que a empresa é uma criação humana, à medida que ela contribui para a realização do homem, para a vida boa, ela deve ser ética. A ética empresarial justifica-se assim não por ser rentável, mas porque a empresa, sendo uma construção humana, deve acolher a dimensão que faz do homem o que ele é, a dimensão moral. A atividade humana na empresa é movida por interesses econômicos, mais precisamente objetivando ao lucro. Apesar de na nossa tradição o dinheiro oriundo do lucro nem sempre ser visto como algo moral, lembremos que a empresa como conhecemos foi uma criação dos protestantes que a pensavam como a produtora do bem, uma vez que promove a felicidade humana, pois evita a escassez por meio da produtividade. Desde a tradição judaica, a riqueza era habitualmente vista como sinal da generosidade de Deus para com aqueles que agiam bem. O protestantismo também pensa dessa maneira a posse da riqueza. Já nos países de tradição católica, o dinheiro foi habitualmente olhado com suspeita. Sintomatica mente, nos países católicos, os ricos tendem, ou pelo menos tendiam, a mostrar-se discretos no que se refere à manifestação pública da riqueza. Como já referimos, para Kanta ação só tem valor moral quando é determinada pelo dever. Antes de expor as consequências desta posição, no que diz respeito à atividade empresarial, analisemos o agir humano em geral. A atividade humana em geral é sempre ditada por inúmeras motivações. Agir humanamente implica estar atento a múltiplos fatores tanto no que se refere aos fins a atingir como aos meios a utilizar, e nas condicionantes da ação. A vida é assim e a reflexão ética deve ter como ponto de partida a vida, e não deve ser uma ética abstrata, originada por uma razão descarnada, que deve dizer o que a vida é; o que a vida é não pode ser negado por uma teoria ética. 4

5 Se uma atividade humana tem vários objetivos e entre eles está a vivência da dimensão moral, não se pode negar a existência desta pelo fato de ela não ser a única dimensão presente. Aliás, vendo bem as coisas, nunca há uma ação que tenha como motor apenas a moral, que tenha a ver apenas com a moral. Toda a ação é ao mesmo tempo política, econômica, social e moral. A dimensão moral está presente na ação que é um agir imensamente complexo. Para uma ação ter dimensão moral é preciso que seja ação, ao mesmo tempo livre e responsável. Este movimento implica complexidade. Para haver moralidade no pagamento dos impostos é preciso cumprir a lei pagando os impostos. Só se pode cumprir o dever de amar os outros, amando-os. O que determina a moralidade da ação, para além da liberdade e do conhecimento, é a intenção, a intenção dominante. Ora, a intenção inicial dos fundadores do capitalismo era gerar riquezas que diminuíssem a escassez natural de bens e serviços. Isso era sua responsabilidade, seu dever, não só com a sociedade, mas com o próprio Deus. O lucro, a princípício era apenas resultante do trabalho efetuado. Hoje, a ética desvinculou-se dessa noção de dever, uma vez que as intenções que movem o homem no seu agir são múltiplas. Na empresa, as coisas não são diferentes; nessa atividade, o homem não visa apenas os aspectos econômicos. A vida empresarial tem uma finalidade específica ou interna, que lhe confere um sentido, e seu interesse racional é a obtenção do lucro. Mas, por mais individual que possa parecer essa proposição, o fato de agir levando em consideração os outros (clientes, fornecedores, acionistas, colaboradores) dá um caráter social à atividade empresarial. O dever, então, agora passa a ser um dever de responsabilidade com o futuro da organização, com a sociedade em que está envolvida, com toda a humanidade e com o futuro do planeta. É o que deve estar presente quando se discute a moralidade nas empresas. Além de atender a objetivos econômicos irrenunciáveis (o primeiro de todos, evidentemente, é o da própria sobrevivência num mercado cada vez mais competitivo) as empresas devem levar em consideração os interesses legítimos dos diferentes parceiros, entre eles os interesses éticos. A empresa não pode deixar de buscar seus interesses econômicos sob o risco de desaparecer. E, entre seus interesses, o maior é o lucro, mas sendo humana, a atividade empresarial, no seu desempenho, não pode deixar de ser moral, moralmente boa ou moralmente má. Aí aparecem os limites de como conquistar mercados, clientes e fornecedores, sendo moralmente boa. É a própria racionalidade do capitalismo que impõe esses limites, uma vez que humana e tornada pessoa jurídica lhe é impossível sob pena de fracasso ir contra a humanidade. Assim, mesmo que seja pelo pensamento egoísta de consecução dos lucros, a atividade empresarial, nos dias de hoje, não pode ir muito longe sem uma conduta ética e sem exigir de seus parceiros o mesmo agir ético sob o risco de negar a si mesmo. A ética empresarial, enquanto vivência e enquanto reflexão sobre a própria ética que deve presidir toda atividade econômica, pois que, para além da sobrevivência das empresas, para além de ganhar dinheiro, para além de todas as outras finalidades que a vida empresarial deve perseguir, deve ser antes de tudo ser uma atividade humana com e pelos outros em instituições justas. 5

6 A empresa necessita desenvolver-se de tal forma que a ética, a conduta ética de seus integrantes, bem como os valores e convicções primários da organização se tornem parte de sua cultura. Entre essas ações concretas de conduta empresarial voltada para a ética podemos citar: 1. Balanço social: é um instrumento utilizado pela empresa para divulgar sua política de gestão de pessoas e suas implicações no processo produtivo. O balanço social é o instrumento utilizado pela empresa para comunicar a todos os parceiros (partes envolvidas) a evolução na gestão social e ambiental, o andamento dos diferentes programas implantados, seu impacto nos públicos envolvidos e o firme comprometimento da administração com o processo. 2. Cidadania: é o exercício pleno dos direitos e obrigações por parte dos cidadãos. A empresa ética procura participar em projetos que busquem a prática da cidadania, uma vez que, nos tempos atuais, a participação na luta contra a exclusão social é cada vez mais necessária para evitarmos a explosão de violência. A empresa, enquanto pessoa jurídica, é, muitas vezes, o único agente que pode promover e englobar a luta da comunidade. Ela pode, dentro do lugar onde se estabeleceu, buscar apoios públicos que valorizem o respeito às pessoas e ao meio ambiente. Assim, estará no caminho do cumprimento dos seus deveres enquanto agente social. É cada vez maior o número de empresas que procura cuidar dos jovens e adultos, não só enquanto estudantes, mas enquanto profissionais, bem como nas relações com a família e as instituições. Os jovens formados nessas condições terão condições de, pela escolha consciente, votar em representantes que promovam o bem comum por meio de suas ações políticas. A empresa, então, estará inserida numa comunidade que favorecerá uma maior produtividade. 3. Compromisso social: se a comunidade é uma coletividade em que os participantes possuem interesses comuns e estão afetivamente identificados uns com os outros. Se estiver inserida nessa comunidade, se for coerente entre o que ela cobra dos agentes públicos e sua prática, a empresa tende hoje a se comprometer com a região em seu entorno, promovendo diversas atividades que vão além da expectativa de lucro ou de marketing, mas com compromisso social. 4. Códigos éticos de empresas: quase todas as empresas possuem um código de ética. Tal código procura dar conta do papel da ética no desempenho profissional de cada um dos colaboradores. Tanto para o quadro superior de uma empresa ou o gestor ou mesmo o empresário e os trabalhadores mais humildes. Isso porque, fundamentalmente, as regras éticas não são diferentes para diferentes papéis hierárquicos. Os modelos desses códigos vieram das empresas estrangeiras que precisavam ensinar aos brasileiros as normas de conduta que possibilitassem a polidez entre os funcionários e desses para clientes e fornecedores. Com pequenas diferenças entre seus preceitos, os códigos de conduta fornecem juízos de valor comum a toda empresa capitalista para que as tomadas de decisões resultem num agir voltado para a liberdade, o bem, a retidão moral e a competência profissional, ou seja, para a ética profissional. 5. Filantropia empresarial: é o apoio, em recurso financeiro ou material, dado pela empresa a alguma ação social individual ou a entidades, 6

7 sem acompanhar o uso desse recurso ou se envolver diretamente no projeto. Isso porque é a única forma que a empresa pode utilizar para agir dentro do principio ético da compaixão. Apesar de não ter coração (embora seja uma pessoa), a empresa, por definição, não pode fazer caridade. Restalhe fazer filantropia. Trata-se da ação social externa à empresa, tendo como beneficiário principal a comunidade em suas diversas formas: organizações não governamentais, conselhos comunitários, associações e entidades do terceiro setor, em geral. Como exemplo, podemos citar o Instituto Ethos. 6. Governança corporativa: é o conjunto das melhores práticas e relacionamentos entre acionistas, conselho de administração, diretoria, auditoria independente e conselho fiscal, orientado a assegurar a transparência das informações, no sentido de otimizar o desempenho da empresa e facilitar o acesso ao capital por meio do mercado aberto, com garantia de uso das melhores práticas de gestão. Em outras palavras, governança corporativa é a forma de gestão pela qual a empresa reconhece os direitos de todas as partes nela interessadas, ou seja: acionistas, fornecedores, cliente, trabalhadores, governo e comunidade. 7

Ética e responsabilidade social. Cesar Eduardo Stevens Kroetz cesark@unijui.edu.br

Ética e responsabilidade social. Cesar Eduardo Stevens Kroetz cesark@unijui.edu.br Ética e responsabilidade social Cesar Eduardo Stevens Kroetz cesark@unijui.edu.br Contexto... - Economia e sociedade global - Maior interdependência - Importância da liderança ética nas empresas - Aumento

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO ADMINISTRAÇÃO OBJETIVANDO O APERFEIÇOAMENTO, DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, O ARQUITETURA E URBANISMO PROMETO NO EXERCÍCIO DA ATIVIDADE INERENTE À PRÁTICA DA ARQUITETURA E URBANISMO, RESPEITAR OS PRINCÍPIOS

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE

FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE AMCE NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS www.amce.com.br PROJETOS ESPECIAIS FÓRUM EMPRESARIAL SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE CORPORATIVA: UM PASSO ADIANTE 10º EVENTO TEMA: Investimento Social Privado: é possível

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região Central do Centro do Rio Grande do Sul CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Outubro de 2013 MISSÃO Fortalecer, qualificar,

Leia mais

Para o primeiro, ética é segurança, pois sem o combate à corrupção e à violência não haverá paz e, portanto, não haverá governo.

Para o primeiro, ética é segurança, pois sem o combate à corrupção e à violência não haverá paz e, portanto, não haverá governo. Resumo Aula-tema 07: Modelo de Gestão da Ética. Certo Monarca, querendo marcar seu governo com grandes realizações, procurou o maior de todos os sábios para que lhe indicasse uma diretriz e ouviu apenas

Leia mais

Ambiente destruído...

Ambiente destruído... Voluntariado Ambiente destruído... A qualidade do ar e o aquecimento global ameaçam a vida no planeta Ritmo acelerado Violência nas ruas... Pobreza... MILHÕES DE CRIANÇAS ESTÃO FORA DA ESCOLA Um bilhão

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares TODO COMPORTAMENTO TEM SUAS RAZÕES. A ÉTICA É SIMPLESMENTE A RAZÃO MAIOR DAVID HUME DEFINIÇÕES

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda.

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda. Código de Ética SPL Consultoria e Informática Ltda. Introdução Segundo o dicionário Aurélio ética é o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto

Leia mais

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS

Profa. Cláudia Palladino. Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS Profa. Cláudia Palladino Unidade I RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES Antes de falarmos sobre RSE Ambiente das empresas: Incertezas Pressões das partes interessadas em: desempenho global que promova

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Profa. Felicia Alejandrina Urbina Ponce A questão principal é debater: o que torna uma empresa socialmente responsável? É o fato de ela ser ética? Ou fi lantrópica? Ou porque ela

Leia mais

Raul Anselmo Randon Presidente do Conselho de Administração das Empresas Randon

Raul Anselmo Randon Presidente do Conselho de Administração das Empresas Randon Palavra do Presidente É com satisfação que editamos o Guia de Conduta Ética das Empresas Randon, um instrumento de comunicação que traduz os nossos valores e dá as diretrizes para as nossas ações profissionais,

Leia mais

Liderança. Acção de Formação

Liderança. Acção de Formação Acção de Formação Conteúdos Crise Financeira Global = Falta de Ética Retardando o declínio de Ética Empresarial Um líder ou um gestor? Ética e Líderes Ética Empresarial e o Papel da Liderança Liderança

Leia mais

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil)

Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Código de Conduta FBN Brasil Instituto de Negócios Familiares (The Family Business Network - Brasil) Revisado em Novembro de 2009. 1. Apresentação O FBN Brasil (The Family Business Network Brasil), cuja

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Camila Cristina S. Honório 1 Maristela Perpétua Ferreira 1 Rosecleia Perpétua Gomes dos Santos 1 RESUMO O presente artigo tem por finalidade mostrar a importância de ser

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Dimensão Social Por Daiane Fontes 1 A preocupação da sociedade com relação aos temas ética, cidadania, direitos humanos, desenvolvimento econômico, Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

Motivando sua Empresa para o Sucesso

Motivando sua Empresa para o Sucesso Motivando sua Empresa para o Sucesso rev. 06/06 Trabalhando com um time de sucesso Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO EVOLUÇÃO

Leia mais

Banco do Brasil Seguros. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Banco do Brasil Seguros. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Banco do Brasil Seguros. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO 1. CONCEITO 2. OBJETIVO 3. PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS 4. CONFLITOS DE INTERESSE 5. CUMPRIMENTO DO CÓDIGO 4 5 6 10 11

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS

IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS A P R E S E N T A Ç Ã O 6 IBASE INSTITUTO BRASILEIRO DE ANÁLISES SOCIAIS E ECONÔMICAS A presente publicação consolida uma série de informações sobre os balanços sociais de empresas que atuam no Brasil

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 03/08/2010 Pág.01 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DA CEMIG COM A COMUNIDADE Substitui a NO-02.15 de 23/06/2009 1. INTRODUÇÃO 1.1 A Política de Comunicação da CEMIG com a Comunidade explicita as diretrizes que

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA REV. 01-28/08/2009 Sumário Sumário... Erro! Indicador não definido. 1 Introdução e Princípios Gerais... 3 2 Relações da Empresa... 3 2.1 Com os colaboradores... 3 2.2 Com os clientes...

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética SUMÁRIO 1 Objetivo... 03 2 Abrangência... 03 3 Valores... 03 4 - Conduta ética da PPL com os diversos públicos 4.1 - Cliente: Foco de nossa atuação... 03 4.2 - Relação e interação com fornecedores e parceiros...

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 2 Sumário 1. Introdução...3 2. Postura pessoal e profissional...4 3. Relacionamento com público interno...6 4. Relacionamento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MENSAGEM CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO MENSAGEM O Código de Ética do Banco do Brasil vem reafirmar a contínua valorização dos preceitos éticos existentes na cultura da Organização, reconhecidos pela comunidade. Nasce da realidade da Empresa,

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Henry Ford: produto e preço - Gestão de Produto e Processo. Jerome McCarty e Philip Kotler: produto, preço, praça (ponto de venda) e promoção. - Gestão de Marketing.

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br

Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman - Seção RJ - www.aborjouvidores.org.br ÉTICA: A RESPONSABILIDADE SOCIAL DO OUVIDOR/OMBUDSMAN Rui Maldonado ABO/RJ aborj_ouvidores@yahoo.com.br Empresa Cidadã:

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO

GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO (Síntese adaptada do normativo interno PG-0V1-00034-0 Guia de Recebimento e Oferecimento de Presentes,

Leia mais

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL

DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL DIRECIONADORES DA AÇÃO EMPRESARIAL Na ASBRASIL, já foram estabelecidas as direções básicas da ação empresarial, conforme estabelecido em nosso plano de negócios que deseja se consolidar em uma cultura

Leia mais

3º Encontro de. O PAPEL DO RH Coordenação. www.agilis.com.br. www.agilis.com.br. EncRH3-001

3º Encontro de. O PAPEL DO RH Coordenação. www.agilis.com.br. www.agilis.com.br. EncRH3-001 3º Encontro de Profissionais de RH CIDADANIA EMPRESARIAL O PAPEL DO RH Coordenação Francisco Cunha EncRH3-001 CONTEXTO GERAL ATUAL Novo no Mundo Complexidade Informação Tecnologia Conectividade Velhos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO GRUPO HERING O Código de Conduta Ética é um instrumento destinado a aperfeiçoar os relacionamentos da organização e elevar o clima de confiança nela existente. Este Código tem

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL?

A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL? A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL? JOSÉ HENRIQUE DOMINGUES CARNEIRO (Professor Rico) professor_rico@yahoo.com.br Fanpage: Professor RICO (48) 9969-7330 O Cenário atual das desigualdades

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Por estar inserida em uma sociedade, a Interact Solutions preza por padrões de conduta ética em suas atividades, quando se relaciona com clientes, fornecedores, canais de distribuição,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

Indicadores Gestão da Ética

Indicadores Gestão da Ética Indicadores Gestão da Ética Identificação Segmento: Diversos Resultados Sua Pontuação: 0 Sua Avaliação: INICIANTE Descrição: A empresa utiliza muito pouco ou praticamente nenhuma ferramenta de gestão de

Leia mais

Responsabilidade Social Corporativa como Estratégia para o Desenvolvimento Sustentável

Responsabilidade Social Corporativa como Estratégia para o Desenvolvimento Sustentável Responsabilidade Social Corporativa como Estratégia para o Desenvolvimento Sustentável Resumo A responsabilidade social corporativa passa a ser considerada um elemento importante para o desenvolvimento

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Visão & Valores. Código de Sustentabilidade Corporativa

Visão & Valores. Código de Sustentabilidade Corporativa Visão & Valores Código de Sustentabilidade Corporativa 1 Somos dedicados a promover a sustentabilidade e a responsabilidade social Nós reconhecemos a necessidade de harmonizar entre si os objetivos econômicos,

Leia mais

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação.

operacional que, na maioria das vezes, é realizada por voluntários, a fim de manter baixo o custo da operação. 5 INTRODUÇÃO O terceiro setor é composto por uma grande diversidade de organizações do setor privado que realizam atividades para o público em geral, isto é, para a sociedade. Estas organizações não têm

Leia mais

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa

Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Introdução da Responsabilidade Social na Empresa Vitor Seravalli Diretoria Responsabilidade Social do CIESP Sorocaba 26 de Maio de 2009 Responsabilidade Social Empresarial (RSE) é uma forma de conduzir

Leia mais

PROMETO, DIGNIFICAR MINHA PROFISSÃO, CONSCIENTE DE MINHAS RESPONSABILIDADES LEGAIS, OBSERVAR O CÓDIGO DE ÉTICA, OBJETIVANDO

PROMETO, DIGNIFICAR MINHA PROFISSÃO, CONSCIENTE DE MINHAS RESPONSABILIDADES LEGAIS, OBSERVAR O CÓDIGO DE ÉTICA, OBJETIVANDO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS PROMETO, DIGNIFICAR MINHA PROFISSÃO, CONSCIENTE DE MINHAS RESPONSABILIDADES LEGAIS, OBSERVAR O CÓDIGO DE ÉTICA, OBJETIVANDO O APERFEIÇOAMENTO DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Responsabilidade Social Empresarial. Aula 6. Contextualização. Definições, Conceitos e Terminologia

Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Responsabilidade Social Empresarial. Aula 6. Contextualização. Definições, Conceitos e Terminologia Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 6 Responsabilidade Social Empresarial Prof. Esp. Felipe Luiz Contextualização Instrumentalização Definições, Conceitos e Terminologia Responsabilidade obrigação

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso maior da instituição deve ser o de possibilitar continuamente a consecução de sua missão, a saber: Ser o agente financeiro do Estado para promover

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social CÓDIGO DE ÉTICA PSS Índice Página 1. Apresentação 2 2. Introdução 3 3. Objetivos Gerais 3 4. Integridades Profissional e Pessoal 4 5. Condutas Não Aceitáveis 5 6. Condutas Esperadas 6 7. Relações com os

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA CASA DO MENINO JESUS DE PRAGA CMJP

CÓDIGO DE ÉTICA DA CASA DO MENINO JESUS DE PRAGA CMJP CÓDIGO DE ÉTICA DA CASA DO MENINO JESUS DE PRAGA CMJP Quem Somos Fundada em 06 de janeiro de 1984, a Casa do Menino Jesus de Praga - CMJP situa-se à Rua Nelson Zang, nº 285, bairro Intercap, Porto Alegre

Leia mais

www.concursovirtual.com.br

www.concursovirtual.com.br Questões de ÉTICA professor Alexandre Prado 1 Empregado da CEF que quiser denunciar violação ao Código de Ética: a) poderá receber advertência. b) será protegido contra eventual represália ou discriminação

Leia mais

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL Março de 2015 1ª edição MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta da RIP ( Código ) é a declaração formal das expectativas que servem

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS. Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Gestão de Pessoas Desenvolvimento Sustentável Social Econômico Ambiental Lucro Financeiro Resultado Social

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta Ética das Empresas Concremat contempla os princípios que devem estar presentes nas relações da empresa com seus colaboradores, clientes,

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições:

O Banrisul no relacionamento com os diversos setores da sociedade terá suas posições e ações baseadas nas seguintes disposições: 1.0 - CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA DO BANRISUL Preâmbulo O compromisso é servir como Guia Prático de Conduta Pessoal e Profissional, a ser utilizado por todos os Colaboradores do Banrisul, possibilitando a

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA Código de 1. O CÓDIGO 1.1 PRINCÍPIOS ÉTICOS: 1.1.1. Os dirigentes e os empregados da Companhia de Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais PRODEMGE pautam suas ações no

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL - MODELO DE GESTÃO OU NOVA DOMINAÇÃO?

CULTURA ORGANIZACIONAL - MODELO DE GESTÃO OU NOVA DOMINAÇÃO? CULTURA ORGANIZACIONAL - MODELO DE GESTÃO OU NOVA DOMINAÇÃO? Artigo apresentado à universidade Estácio de Sá como requisito para avaliação de conclusão do curso de pós-graduação em gestão estratégica de

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA Índice Nossos princípios diretivos 03 Proteção do patrimônio e uso dos ativos 04 Informação confidencial 05 Gestão e Tratamento dos Colaboradores 06 Conflitos de interesse 07

Leia mais

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920)

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) A MAX WEBER Vida e Obra de Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) Erfurt/Alemanha (Contexto) 1830: Alemanha - país mais atrasado da Europa Origem burguesa, origem protestante e religiosa, família de comerciantes

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos

Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos. Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos Empresas Sem Fins Lucrativos Prof. Giácomo Balbinotto Neto Notas de Aula Curso de Especialização em Direito e Economia Introdução às Empresas Sem Fins Lucrativos A característica que define uma empresa

Leia mais

NOSSA VIDA É FACILITAR A SUA.

NOSSA VIDA É FACILITAR A SUA. NOSSA VIDA É FACILITAR A SUA. SUMÁRIO Carta do Diretor / Conselho de Administração... 03 Diretrizes... 04 Introdução... 05 Missão e Visão... 06 Valores... 07 Princípios e Condutas... 08 Comitê de Conduta

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE Ética para viver Ética para viver MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro colaborador, A Bandeirante possui missão, visão e valores definidos. Eles estão discriminados em um documento amplamente difundido dentro e

Leia mais