HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HIDRATAÇÃO NEONATAL. ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR israel@vm.uff.br"

Transcrição

1 ISRAEL FIGUEIREDO JUNIOR

2 DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NOS COMPARTIMENTOS ÁGUA TOTAL 60 % ÁGUA ÁGUA INTRA-CELULAR ÁGUA EXTRA-CELULAR IDADE EM MESES ANOS ADULTO

3 COMPOSIÇÃO ELETROLÍTICA DOS VÁRIOS COMPARTIMENTOS CATIONS ANIONS MEQ\L NA K CA MG HCO3 CL HPO4 PNT INTRAV INTERS INTRAC

4 Parâmetros Desejáveis para Hidratação Perda ponderal 1 a 2% ao dia Diurese 1 a 3 ml/kg/hora Densidade urinária 1005 a 1015 Sódio urinário 20 a 60 meq/l (depende oferta e diurético) ph sanguíneo 7,25 a 7,35 Natremia 130 a 150 meq/l Calemia 3,5 a 5,5 meq/l Glicemia 40 a 125 mg/dl Creatinina sérica 0,5 a 0,8 mg/dl Osmolalidade 280 a 320 mosm/l Albumina sérica 3,5 a 5 mg/dl Hematócrito mínimo de 35 a 45, dependendo da idade

5 PERDA INSENSÍVEL DE ÁGUA Variáveis que Geram Recomposição de Volume Aumento em % Redução em % Fototerapia 30 a 50 Cobertura de Plástico 30 a 50 Taquipnéia 20 a 30 Cobertura Plástico Hipertermia 30 a 50 em UCR 30 a 50 Convecção 30 a 50 Atividade motora Umidade maior de 50% e Choro 70 em Incubadoras 50 a 100 UCR 50 a 100 CPAP ou IOT com umidificação (VM) 20 a 30 Anomalias de pele ou exposição visceral 30 a 200 Incubadora de Incubadora comum 10 a 30 parede dupla 10 a 30

6 Perda Real de Líquidos e Eletrólitos Composição Média de Eletrólitos Líquidos Sódio (meq/l) Potássio (meq/l) Cloro (meq/l) Bicarbonato (meq/l) Líquido gástrico Suco pancreático Intest. Delgado Ileostomia Diarréia

7 ADEQUAÇÃO DE OFERTA HÍDRICA EM RECÉM-NASCIDOS, DESNUTRIDOS E CRIANÇAS GRAVES : PARÂMETROS RESTRIÇÃO LIBERALIZAÇÃO CUIDADOSA PESO AUMENTO NOS PERDA DE MAIS DE 3% AO DIA 5 PRIMEIROS DIAS DIURESE > 4 ML/KG/H < 0,5 ML/KG/HORA (SEM DIURÉTICO) DENSIDADE URINÁRIA < 1005 > 1020 EXAME FÍSICO EDEMA, SINAIS DE DESIDRATAÇÃO HEMODIN6AMICA NORMAL NATREMIA < 130 (DIURÉTICO?) > 150 meq/l HEMATÓCRITO REDUÇÃO ELEVAÇÃO PROTEÍNAS TOTAIS REDUÇÃO ELEVAÇÃO

8 Gotejamento : Para seu calculo usar a fórmula N o de Gotas = Volume 3 x Horas H = Tempo previsto para infusão (horas) 3 = Constante N de MicroGotas ou volume/hora = volume : hora

9 HIDRATAÇÃO ORAL # # SOLUÇÕES REIDRATANTES : OMS Ingredientes g/l H2O composição mosm/l cloreto de sódio 3,5 sódio 90 bicarbonato sódio 2,5 potássio 20 cloreto de potássio 1,5 cloreto 80 glicose 20 bicarbonato 30 H2O 1 litro glicose 111 CASEIRO H2O : 1 litro, sal : 1 c. de cáfé (3,5 g), açucar : 2 c.. de sopa (40 g)

10 1. Necessidade Diária de Líquido e Eletrólitos 2. Osmolaridade de uma Solução 3. Glicose volume x TIG 4. Glicose TIG x volume 5. Cálculo das Soluções de Glicose 6. Cálculo das Concentrações de Medicamentos 7. Correção Rápida do Sódio 8. Desidratação no Recém-Nascido 9. Correção da Acidose

11 1. Necessidade Diária de Líquido e Eletrólitos Peso ao nascer 1 0 /2 0 dias 3 0 dia >3dias 750g a 1.000g g a 1250g g a 1500g g a 1750g g a 2000g modificado de Bell, E.F. et al: Lancet 2:90, unidade: ml/kg/dia obs: RNs menores de 750g podem receber até 115 ml/kg/dia e RNs maiores de 2000g, em torno de 70 ml/kg/dia.

12 1. Necessidade Diária de Líquido e Eletrólitos NECESSIDADES DE MANUTENÇÃO PARA 24 HORAS LÍQUIDOS Peso até 10 kg 100 ml/kg Peso de kg 1000 ml + 50 ml/kg para cada kg de peso acima de 10 kg Peso acima de 20 kg 1500 ml + 20 ml para cada kg de peso acima de 20 kg Para cada 100 ml de líquido: Soro Glicosado 5% - 80 ml Soro Fisiológico 0,9% - 20 ml KCI a 10% - 2 ml ou KCI a 19,1% - 1 ml OMS

13 1. Necessidade Diária de Líquido e Eletrólitos NECESSIDADES DE MANUTENÇÃO PARA 24 HORAS LÍQUIDOS GLICOSE : 4 a 8 mg/kg/min SÓDIO : 3 a 5 meq/kg/dia - Limiar excreção renal : meq/kg/dia POTÁSSIO : 2 a 4 /kg/dia - Limite superior de infusão venosa : 0,5 meq/kg/hora CÁLCIO : 100 (1ml/kg/dia) a 200 podendo chegar 200 a 400 mg/kg/dia; obrigatório em RNPT Ampolas : Nacl 20% - 1 ml = 3,2 meq Ampolas : Kcl 19,8% - 1 ml = 2,6 meq Kcl 10% - 1 ml = 1,3 meq Glicose: 25% e 50% Cálcio: gluconato de cálcio 10% 1ml = 1,3 osm = 0,5 meq

14 1. Necessidade Diária de Líquido e Eletrólitos NECESSIDADES DE MANUTENÇÃO PARA 24 HORAS LÍQUIDOS Obs. Nas primeiras Soro Glicosado 24 ou 48 h pode Ex. RN 3 kg NHD = 70 ml/kg/dia não ser feito Na e 70 ml x 3 kg = 210 ml em 24 horas K, sendo somente 210 ml : 4 etapas = 52,5 ml a cada 6 horas de SG 10% glicose e cálcio ou + 52 ml : 6 horas = 8,6 ml/hora ou 8,6 mcgotas/min via laboratório Sódio NaCl 2 a 3 meq/kg/dia Obs. Aumentar ou 2 meq x 3 kg = 6 meq/dia diminuir oferta em 6 meq : 4 etapas = 1,5 meq a cada 6 horas função clínicolaboratorial Nacl 20% - 1ml = 3,4 meq então 1ml ,4 meq x ml ,5meq = 0,44 ml de NaCl 20% a cada 6 horas Prescrição SG 10% - 52 ml EV em 6h 1- Hidratação Venosa Nacl 20% - 0,44 ml 8,6 ml/hora

15 2. Osmolaridade de uma Solução Concentração de Soluto por Unidade de Água Glicose = 1 litro = 1000 ml SG 5% = 277 mosm Glicose = 1 litro = 1000 ml SG 10% = 554 mosm Caminham para o IC por ação da insulina 1000 ml Soro Fisiológico 0,9% mosm 150 meq Na Ex. SG 10% = 52 ml e NaCl 20 = 0,44 ml 1000 ml SF meq 100 ml SF meq 50 ml SF ,5 meq 52 ml SF ,8 meq 52 ml Soro 1: ,9 meq 52 ml Soro 1: ,6 meq 52 ml Soro 1: ,9 meq 52 ml Soro 1: ,5 meq 1 ml = 3,4 meq 0,4 ml = x (1,5 meq) 7,8 meq : 5 (1:4) = 1,5 meq 150 meq Cl É uma solução 1:4 ou 30 meq Na/litro ou 60 mosm/litro de Na Osm sérica = 2 x (Na + K) + uréia + glicose 2,8 18

16 3. Glicose volume x TIG Primeiro Pensamento: mg/kg/min (fluxo cerebral) Ex. 52 ml x 4 = 210 ml de SG 10% em 24 horas Soro Glicose 10% = 10 gramas em 100 ml ou 100 g em 1000 ml I grama = 1000 miligramas 10 g ml 20 g ml X (21 g) ml = mg/24 horas mg : 24 h = 875 mg 875 mg/1 hora 875 mg : 60 minutos = 14,5 mg 14,5 mg/1 minuto 14,5 mg : 3 kilos = 4,8 mg 4,8 mg/kg/min

17 4. Glicose TIG x volume TIG: 5 a 8 mg/kg/min (RN) e 3 a 5 mg/kg/min (cçs maiores) Ex. RN com 3 kg - 5 mg/kg/min 5 x 3 = 15 mg/minuto 15 mg x 60 minutos = 900 mg/1 hora 900 mg x 6 horas = 5400 mg/6 horas No RN trabalhamos com SG 10% 10 g ml ou mg mg ml 5400 mg x (54 ml) As necessidades de infusão de glicose para cima ou para baixo tem uma relação direta com VOLUME. Caso exista a necessidade de manter a TIG alta com um volume baixo, será necessário aumentar a CONCENTRAÇÃO

18 5. Cálculo das Soluções de Glicose V0 x C0 + V1 x C1 = C2 x V2 V0 x 50 + (100 V0) x 5 = 15 x V V0 = V0 5V0 = V0 = 1000 V0 = 1000/45 V0 = 22,22 ml V1 = 100 V0 V1 = ,22 V1 = 77,78 ml Desejo preparar uma solução com uma concentração de glicose de 15% em um volume de 100 ml Se colocarmos 22,22 ml de glicose 50% e 77,78 ml de SG 5% formaremos 100 ml de uma solução a 15% As soluções com concentrações até 12,5 % podem ser infundidas por via periférica. Usar vaso profundo após essa [ ].

19 6. Cálculo das Concentrações de Medicamentos Dopamina ampola = 10 ml = 50 mg 1 ml = 5 mg 1 ml = 5000 mg mg = 1000 ug 1 ug = 1/1000 de 1 mg ou 1mg = 1000ug 5 ug/kg/min em RN 3 kg 15 ug/min x 60 minutos = 900 ug/1 h 900 ug x 4 horas = 3600 em 4 h 1 ml = 5000 ug x = 3600 ug X = 0,72 ml em 4 horas Bicarbonato 8,4% - 1 meq = 1 ml Cloreto de Cálcio 10% mg/ml Atropina ampola 1 mg/ml 0,1 mg/ml Diluições Seriadas 1:100, 1:1000, 1:10000 = 1 grama de qualquer substância por 100, 1000, Ex. epinefrina 1:10000 = 1g/10000 ml = 1 mg/10ml = 0,1 mg/ml 1:10000 = 1 g/10000 ml = 1000 mg/10000 ml = 1mg/10ml = 1000ug/10ml = 100 ug/ml

20 7. Correção Rápida do Sódio Correção do Sódio sérico durante hiperglicemia Na = Na dosado 1,6 (glicose -100) meq/l 100 Correção Hiponatremia Grave ( Na sérico abaixo de 120 meq/l presença de sinais neurológicos meq Na = p x 0,6 x 130 Na plasma ( p = peso; 0,6 = representa água corpórea; 130 = valor esperado; Na = sódio encontrado) Obs. Se possível estabelecer uma correção lenta com aumentos progressivos Correção Rápida NaCl 3% ---- controle clínico rigoroso; infusão lenta e em vaso profundo; ½ do déficit em 4 h 1 a 2 h aguardar exame laboratorial fazer a outra metade; composições : 1 ml NaCl 3% = 0,5 meq e 1ml NaCl 20% = 3,4mEq Ex. 100 ml NaCl 3%

21 8. Desidratação no Recém-Nascido RN Desidratado OMS PLANO C Fase de Expansão (rápida) Ojetivo : reversão rápida da evolução ao choque Solução recomendada : partes iguais de SG a 5% e SF 0,9% Volume : 100 ml/kg para infusão Tempo : 2 horas Ex. Criança com 3 kg e desidratação grave deve tomar: Soro Glicosado 5% - 150ml * Soro Fisiológico 0,9% ml * * Nos locais onde estiver disponível a Solução Polieletrolítica (Ringer Lactato), preconizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), não haverá necessidade de fazer quaisquer outros cálculos, exceto o de volume conforme descrito acima Criança continua desidratada : administrar 25 a 50 ml por kg de peso em duas horas Acesso Venoso adequado (agulhas calibrosas, dois acessos venosos simultâneos, etc.) que garantam a infusão do volume total prescrito no máximo em 4 horas

22 8. Desidratação no Recém-Nascido RN Desidratado OMS PLANO C Fase de Manutenção e Reposição NECESSIDADES DE MANUTENÇÃO PARA 24 HORAS Peso até 10 kg100 ml/kg Peso de kg1000 ml + 50 ml/kg para cada kg de peso acima de 10 kg Peso acima de 20 kg1500 ml + 20 ml para cada kg de peso acima de 20 kg Para cada 100 ml de líquido: Soro Glicosado 5% - 80 ml Soro Fisiológico - 20 ml KCI a 10% - 2 ml ou KCI a 19,1% - 1 ml REPOSIÇÃO Como não é possível avaliar as perdas pelo número de evacuações, a primeira prescrição admitirá perdas de 50 ml/kg/dia. A solução a ser reposta deve conter 1 parte de soro fisiológico e 1 parte de soro glicosado a 5% Períodos de Infusão : Recomenda-se a prescrição de metade destes volumes a cada 12 horas ou 1/3 a cada 8 horas ou 6 horas

23 8. Desidratação no Recém-Nascido RN Desidratado OMS PLANO C Fase de Manutenção e Reposição RN 3 kg Man Rep Total SG 5% SF 0,9% KCl 10% : 4 = 112 ml a cada 6 horas OBS. Nunca gerar infusões rápidas com solução glicosada a 10% ou +

24 9. Correção da Acidose Indicação : ph abaixo de 7,2 e\ou Hco3 abaixo de 10 meq/l Droga : bicarbonato de sódio Correção : para 15 e não para 22 meq/l Fórmula : NaHco3 = (15 - [Hco3]) x 0,3 x peso ou Bic.= BE x 0,3 x peso Velocidade : 1\2 a 1\3 em 20 a 30 minutos 1\2 a 2\3 em 2 a 4 horas

25 9. Correção da Acidose Observações Não adianta oferecer bicarbonato a criança hipovolêmica. Aguardar correção hídrica Em acidoses graves (ph abaixo de 7,0) : na fase de reparação - 1\2 do sódio em bic. e 1\2 em cloreto Verificar sempre a ausência de acidose respiratória Pco2 = bicarbonato x 1,5 + 8 a 10

26 CHOQUE Síndrome clínica que se manifesta por taquicardia, taquipnéia, baixa perfusão periférica, embotamento, diminuição da diurese, acidose metabólica e, algumas vezes, hipotensão O2 nas células : volume circulante (précarga), bomba cardíaca (contratilidade) e tônus vascular (pós-carga)

27 CHOQUE : Fase de Expansão S.F 0,9 % ou Ringer Lactato 30 a 40 ml / kg EV, em 30 a 60 min. (10 a 13gotas/kg/min) ou Plasma Humano 20 ml/kg EV, 30 min. a 1 hora (7gts/min.), quando desnutrido grave (albumina abaixo de 3 g%) ou Sangue Total 20 ml/kg EV, gota a gota, em 30 a 1 hora (7gts/min.), quando Hb abaixo de 7 g%

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN)

HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) HIPERCALCEMIA NO RECÉM NASCIDO (RN) Cálcio Sérico > 11 mg/dl Leve e Assintomático 11-12 mg/dl Moderada Cálcio Sérico 12-14 mg/dl Cálcio Sérico > 14 mg/dl Não tratar Assintomática Não tratar Sintomática

Leia mais

Hidratação e Choque hipovolêmico

Hidratação e Choque hipovolêmico Hidratação e Choque hipovolêmico Dr. Marcelo Ruiz Lucchetti Médico da Enfermaria de Pediatria do HUAP Médico do Centro de Tratamento de Queimados Infantil do HMSA Líquidos Corporais Fisiologia Composição

Leia mais

Clínica Médica de Pequenos Animais

Clínica Médica de Pequenos Animais V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Pequenos Animais Reposição Hidroeletrolítica Introdução A meta da terapia com fluídos é a restauração do volume e composição de líquidos corporais à normalidade

Leia mais

CÁLCULOS PARA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

CÁLCULOS PARA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS CÁLCULOS PARA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA Unidades de medida Grama: unidade de medida de peso; sua milésima parte é o miligrama(mg), logo 1g corresponde a 1000mg e 1000g correspondem

Leia mais

MEDIDAS E DILUIÇÕES DE DROGAS Profa Maria Helena Larcher Caliri

MEDIDAS E DILUIÇÕES DE DROGAS Profa Maria Helena Larcher Caliri MEDIDAS E DILUIÇÕES DE DROGAS Profa Maria Helena Larcher Caliri É de responsabilidade dos profissionais de enfermagem assegurar aos pacientes uma assistência de enfermagem livre de danos decorrentes de

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

3) Complicações agudas do diabetes

3) Complicações agudas do diabetes 73 3) Complicações agudas do diabetes Hiperglicemias As emergências hiperglicêmicas do diabetes melitus são classificadas em: cetoacidose diabética (CAD) e estado hiperglicêmico hiperosmolar (EHH), que

Leia mais

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial

Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Como interpretar a Gasometria de Sangue Arterial Sequência de interpretação e estratificação de risco 08/01/2013 Daniela Carvalho Objectivos da Tertúlia Sequência de interpretação da GSA - Método dos 3

Leia mais

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br hiperglicemia CAD acidose cetose neoglicogênese glicogenólise + amino ácidos insulina insuficiente suspensão da insulina resistência insulínica deficiência

Leia mais

TERAPIA DE HIDRATAÇÃO VENOSA

TERAPIA DE HIDRATAÇÃO VENOSA TERAPIA DE HIDRATAÇÃO VENOSA Luciene G. B. Ferreira RESUMO As crianças são mais suscetíveis à desidratação que os adultos devido a alguns fatores: o maior percentual de água corporal total, a superfície

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Preparatório Concursos- 2012 DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias;

Leia mais

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Protocolo de atuação Importância do tema Cirurgia / pós-operatório -- risco de descompensação DM1: Hiperglicemia Causas: hormonas contra-reguladoras, fármacos,

Leia mais

Profa Maria Clorinda EVZ/UFG

Profa Maria Clorinda EVZ/UFG Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG Departamento de Medicina Veterinária Maria Clorinda Soares Fioravanti (clorinda@vet.ufg.br) Disciplina: Clínica Médica de Pequenos Animais Equilíbrio Hidro- Eletrolítico

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

GRUPO A - AZUL. Retorno. Alta. Reavaliar caso. Orientar tratamento no domicílio. Orientar tratamento no domicílio

GRUPO A - AZUL. Retorno. Alta. Reavaliar caso. Orientar tratamento no domicílio. Orientar tratamento no domicílio GRUPO A - AZUL Exames laboratoriais (desejáveis) Hematócrito, plaquetas, linfócitos totais sem diferencial Exames laboratoriais disponíveis Tratar como GRUPO B AMARELO Orientar tratamento no domicílio

Leia mais

Fenômenos Osmóticos nos Seres Vivos

Fenômenos Osmóticos nos Seres Vivos Fenômenos Osmóticos nos Seres Vivos Referências: Margarida de Mello Aires, Fisiologia, Guanabara Koogan 1999 (612 A298 1999) Ibrahim Felippe Heneine, Biofísica Básica, Atheneu 1996 (574.191 H495 1996)

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

Cristalóides e Colóides na prática clínica. Farm. Isabela Miguez de Almeida

Cristalóides e Colóides na prática clínica. Farm. Isabela Miguez de Almeida Cristalóides e Colóides na prática clínica Farm. Isabela Miguez de Almeida Cristalóides e Colóides Conceito Cristalódes Soluções de íons inorgânicos e pequenas moléculas orgânicas dissolvidas em água.

Leia mais

Mesa Redonda Diabetes Mellitus. Edema Cerebral na Cetoacidose Diabética Podemos evitá-lo?

Mesa Redonda Diabetes Mellitus. Edema Cerebral na Cetoacidose Diabética Podemos evitá-lo? Mesa Redonda Diabetes Mellitus Edema Cerebral na Cetoacidose Diabética Podemos evitá-lo? I Jornada de Endocrinologia Pediátrica do Rio Grande do Norte Durval Damiani Instituto da Criança HCFMUSP Unidade

Leia mais

Rio Grande 2012/1ºsemestre

Rio Grande 2012/1ºsemestre UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE ESCOLA DE ENFERMAGEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SEMIOLOGIA E SEMIOTÉCNICA II Administração de Soluções Endovenosas Profª Enfª Msc Bárbara Tarouco da Silva Rio Grande

Leia mais

Bicarbonato de Sódio 8,4% Forma farmacêutica:solução injetável

Bicarbonato de Sódio 8,4% Forma farmacêutica:solução injetável Bicarbonato de Sódio 8,4% Forma farmacêutica:solução injetável MODELO DE BULA bicarbonato de sódio Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. bicarbonato de sódio 8,4%: solução em frasco de

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue

Vamos abordar. 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico de dengue Secretaria de Estado de Saúde do RS e Secretarias Municipais de Saúde Porto Alegre, novembro de 2011 Vamos abordar 1º- Situação do dengue nas Américas 2º- Desafios para a atenção médica 3º- Curso clínico

Leia mais

EQÚILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO E ACIFICAÇÃO URINÁRIA. Profa. Dra. Monica Akemi Sato

EQÚILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO E ACIFICAÇÃO URINÁRIA. Profa. Dra. Monica Akemi Sato EQÚILÍBRIO ÁCIDO-BÁSICO E ACIFICAÇÃO URINÁRIA Profa. Dra. Monica Akemi Sato Introdução Homeostasia: constância do meio interno Claude Bernard Parâmetros fisiológicos constantes: temperatura, volume, pressão,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM NUTRIÇÃO PARENTERAL ENFERMEIRO : Elton Chaves NUTRIÇÃO PARENTERAL Refere-se a nutrição feita por uma via diferente da gastro-intestinal. A nutrição parenteral pode servir para

Leia mais

Prof.º Carlos Eduardo de Oliveira

Prof.º Carlos Eduardo de Oliveira Prof.º Carlos Eduardo de Oliveira IMPORTÂNCIA POR QUE A ÁGUA É ESSENCIAL PARA O ORGANISMO? 2 IMPORTÂNCIA A água costuma ser chamada de nutriente silencioso, denominação que reflete o grau de certeza da

Leia mais

15 Terapia Parenteral. Reposição Hidroeletrolítica

15 Terapia Parenteral. Reposição Hidroeletrolítica Capítulo 15 Terapia Parenteral. Reposição Hidroeletrolítica Miguel Carlos Riella e Maria Aparecida Pachaly INTRODUÇÃO COMO SE FORMULA O PLANO PARENTERAL DIÁRIO? CÁLCULO DA NECESSIDADE BÁSICA Perdas urinárias

Leia mais

FLUIDOTERAPIA EM GRANDES

FLUIDOTERAPIA EM GRANDES FLUIDOTERAPIA EM GRANDES ANIMAIS Clínica Médica dos Grandes Animais Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG Profa Maria Clorinda Soares Fioravanti clorinda@vet.ufg.br RÁPIDA REVISÃO Os líquidos do corpo

Leia mais

CETOACIDOSE DIABÉTICA (CAD)

CETOACIDOSE DIABÉTICA (CAD) CETOACIDOSE DIABÉTICA (CAD) NA SUSPEITA, DETERMINE DE IMEDIATO: ph e gases Glicémia Cetonúria/ cetonémia Por tiras reactivas CRITÉRIOS DE DIAGNÓSTICO: Glicémia capilar >200mg/dl (11mmol/l) Cetonúria /

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

Distúrbios Hidro-eletrolíticos

Distúrbios Hidro-eletrolíticos Água Total do Organismo Distúrbios Hidro-eletrolíticos Fisioterapia Intensiva Professora Mariana Pedroso Idade H2O Feto: 90% Peso RN termo : 70% Peso Adultos: 50 a 60% do peso Corporal Mulheres e Obesos

Leia mais

Métodos de Depuración en Intoxicaciones Agudas. Dr. Carlos Augusto Mello da Silva MD

Métodos de Depuración en Intoxicaciones Agudas. Dr. Carlos Augusto Mello da Silva MD Curso Internacional de Emergencias Toxicológicas Hospital Nacional Guillermo Irigoyen UNITOX 4 al 7 de Julio de 2007,Lima,Perú Métodos de Depuración en Intoxicaciones Agudas Dr. Carlos Augusto Mello da

Leia mais

SOLUÇÃO DE MANITOL 20% manitol

SOLUÇÃO DE MANITOL 20% manitol Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável SISTEMA FECHADO Solução de manitol 20% (manitol 200 mg/ml): frascos e bolsas de plástico transparente contendo 250 ml. USO INTRAVENOSO USO ADULTO E

Leia mais

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com

Palestrante. Contato: 98812-9624 Email: marcomelo2014@gmail.com Palestrante Marco Vinicius da Silva Melo Enfermeiro Obstetra/Ginecologia Enfermeiro do Trabalho MBA em Auditoria em Serviços de Saúde Docência do Ensino Superior TEMA: PROTOCOLO DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA

Leia mais

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP

Avaliação da Função Renal. Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Avaliação da Função Renal Dr. Alexandre S. Fortini Divisão de Laboratório Central HC-FMUSP Funções do Rim Balanço hídrico e salino Excreção de compostos nitrogenados Regulação ácido-base Metabolismo ósseo

Leia mais

Isotônicos. Ursula Trindade (DRE: 103142682)

Isotônicos. Ursula Trindade (DRE: 103142682) Isotônicos Ursula Trindade (DRE: 103142682) Osmolaridade e Osmolalidade Referem-se ao número de partículas osmoticamente ativas. Osmolaridade: número de partículas osmoticamente ativas de soluto contidas

Leia mais

DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO

DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO DISTÚRBIOS DO SÓDIO E DO POTÁSSIO HIPONATREMIA Dosagem de sódio ( Na ) sérico < 130mEq/L Oferta hídrica aumentada; Baixa oferta de sódio; Redistribuição osmótica de água ( p.ex. hiperglicemia); Excreção

Leia mais

Cetoacidose diabética

Cetoacidose diabética ARTIGO REVISÃO Cetoacidose diabética Diabetic ketoacidosis Santos, CB 1 ; Alvim, CG 1 ; Costa, DCP 1 ; Coelho, AM 1 ; Guimarães, FAM 1 ; Lage, AFA 1 ; Oliveira, DM 1 ; Spínola, CN 1 ; Braga, WCR 2 RESUMO

Leia mais

Solução de Manitol 20% manitol

Solução de Manitol 20% manitol Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável SISTEMA FECHADO Solução de manitol 20% (manitol 200 mg/ml): frascos e bolsas de plástico transparente contendo 250 ml. USO INTRAVENOSO USO ADULTO E

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Soluções para Infusão Contínua HSR

Soluções para Infusão Contínua HSR Soluções para Infusão Contínua HSR A = ampola FA = frasco ampola DI = dose inicial, de ataque DL = diluição proposta, solução padrão TX = toxicidade, efeitos colaterais 1. AMIODARONA A = 3ml - 150mg DI

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva Câmara

Leia mais

Introdução. Tabela 01 - Eletrólitos do Espaço Extracelular (EC) Sódio 135 145. Potássio 3.5 4.5. Cloro 100 106. Bicarbonato 22-26. Cálcio 4.5-5.

Introdução. Tabela 01 - Eletrólitos do Espaço Extracelular (EC) Sódio 135 145. Potássio 3.5 4.5. Cloro 100 106. Bicarbonato 22-26. Cálcio 4.5-5. "As alterações hidroeletrolíticas são muito comuns e, apesar de na maioria dos casos serem secundárias a moléstias subjacentes, desempenham um papel importante no tratamento de diversos distúrbios". Introdução

Leia mais

Polydrat cloreto de sódio, cloreto de potássio, citrato de sódio di-hidratado, glicose

Polydrat cloreto de sódio, cloreto de potássio, citrato de sódio di-hidratado, glicose POLYDRAT Pharmascience Laboratórios Ltda SOLUÇÃO ORAL cloreto de sódio 2,34 mg/ml, cloreto de potássio 1,49 mg/ml, citrato de sódio dihidratado 1,96 mg/ml, glicose 19,83 mg/ml Polydrat cloreto de sódio,

Leia mais

A natureza dos medicamentos utilizados em Terapia Intravenosa: prevenção de erros e segurança do paciente

A natureza dos medicamentos utilizados em Terapia Intravenosa: prevenção de erros e segurança do paciente Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT3: Os avanços tecnológicos na TI: medicamentos, remoção de cateteres e complicações, prevenção e segurança

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A água é a substância mais abundante nos seres vivos, perfazendo 70% ou mais da massa da maioria dos organismos. A água permeia todas as porções de

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE. Unidade I Princípios Básicos, 2. 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3

Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE. Unidade I Princípios Básicos, 2. 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3 Índice EQUILIUBRIO HIDROELECTOLITICO E ÁCIDO BASE Unidade I Princípios Básicos, 2 1 Revisão do Equilíbrio Hidroelectrolítico, 3 Composição dos Fluidos Corporais, 3 Água, 3 Solutos, 4 Espaços dos Fluidos,

Leia mais

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio

REIDRAMAX. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral. REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio REIDRAMAX I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Sais para reidratação oral REIDRAMAX glicose anidra citrato de sódio cloreto de potássio cloreto de sódio Forma farmacêutica e Apresentação Pó para solução oral

Leia mais

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia Diabetes Mellitus É concebido por um conjunto de distúrbios metabólicos, caracterizado por hiperglicemia resultando de defeitos na secreção de insulina e/ou na sua atividade Report of Expert Committe on

Leia mais

DISTÚRBIOS HIDROELETROLÍTICOS HIPONATREMIA - I

DISTÚRBIOS HIDROELETROLÍTICOS HIPONATREMIA - I DISTÚRBIOS HIDROELETROLÍTICOS HIPONATREMIA - I Déficit de H 2 O Corporal total e déficit maior de Na + corporal total Déficit de H 2 O Corporal total e déficit maior de Na + corporal total Excesso de Na

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

CÁLCULOS COM MEDICAMENTOS. Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira

CÁLCULOS COM MEDICAMENTOS. Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira 1 CÁLCULOS COM MEDICAMENTOS Professor: Edilberto Antônio Souza de Oliveira Embora muitos Hospitais trabalhem com as doses dos fármacos personalizadas e prontas para o uso de cada paciente, entretanto,

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Anestesia no Transplante Renal

Diretrizes Assistenciais. Anestesia no Transplante Renal Diretrizes Assistenciais Anestesia no Transplante Renal Versão eletrônica atualizada em 2011 Anestesia no Transplante Renal Protocolo 1. Transplante renal intervivos 1.1. Doador: - Medicação pré-anestésica:

Leia mais

FLUIDOTERAPIA EM PEQUENOS ANIMAIS

FLUIDOTERAPIA EM PEQUENOS ANIMAIS FLUIDOTERAPIA EM PEQUENOS ANIMAIS Introdução à fluidoterapia A fluidoterapia foi descrita pela primeira vez por Thomas Latta que, em 1832 relatou em uma carta a Lancet, a reanimação de um paciente humano

Leia mais

Albumina na prática clínica

Albumina na prática clínica Uso de Albumina Humana na Prática Clínica Hemocentro-Unicamp Angela Cristina Malheiros Luzo Bioquímica Fisiologia Polipeptídio pobre em triptofano (600 aminoácido). Peso molecular ao redor de 69.000 Forma

Leia mais

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES

FUNÇÃO RENAL ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES ACADÊMICO JOSÉ DE OLIVEIRA RODRIGUES A função renal é formada por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e excretam a urina. É constituída por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga

Leia mais

VOLUVEN 6% hidroxietilamido 130/0,4

VOLUVEN 6% hidroxietilamido 130/0,4 Forma farmacêutica e apresentações: Solução para infusão 60 mg/ml Caixa contendo 1 bolsa plástica de 500 ml. USO INTRAVENOSO USO ADULTO E PEDIÁTRICO VOLUVEN 6% hidroxietilamido 130/0,4 COMPOSIÇÃO: Cada

Leia mais

INTRODUÇÃO A FLUIDO TERAPIA

INTRODUÇÃO A FLUIDO TERAPIA INTRODUÇÃO A FLUIDO TERAPIA *Este tema não é tratado pelos livros de texto recomendados. É de suma importância os alunos conhecer os conceitos práticos que utilizaram no quinto ano durante o apoio aos

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

DESIDRATAÇÃO/REIDRATAÇÃO OMS/OPS/MS/HUAP/UFF /PEDIATRIA/ISRAELFIGUEIREDOJUNIOR/OUT-99

DESIDRATAÇÃO/REIDRATAÇÃO OMS/OPS/MS/HUAP/UFF /PEDIATRIA/ISRAELFIGUEIREDOJUNIOR/OUT-99 DESIDRATAÇÃO/REIDRATAÇÃO OMS/OPS/MS/HUAP/UFF /PEDIATRIA/ISRAELFIGUEIREDOJUNIOR/OUT-99 DIARRÉIA Diarréia é geralmente definida como a ocorrência de 3 ou mais defecções amolecidas ou líquidas em um período

Leia mais

HOSPITAL PEDIÁTRICO de COIMBRA Protocolos do Serviço de Urgência REHIDRATAÇÃO em PEDIATRIA

HOSPITAL PEDIÁTRICO de COIMBRA Protocolos do Serviço de Urgência REHIDRATAÇÃO em PEDIATRIA HOSPITAL PEDIÁTRICO de COIMBRA Protocolos do Serviço de Urgência REHIDRATAÇÃO em PEDIATRIA 1 ETAPAS FUNDAMENTAIS ❶ - Reparação das perdas ❷ - Compensação das perdas persistentes ❸ - Manutenção - PESAR

Leia mais

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville

Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Fluxo de Assistência ao paciente com suspeita de Dengue na Rede de Saúde de Joinville Caso Suspeito de Dengue Paciente com doença febril aguda, com duração máxima de sete dias, acompanhada de pelo menos

Leia mais

Purisole SM Fresenius Kabi

Purisole SM Fresenius Kabi Purisole SM Fresenius Kabi Solução para irrigação urológica sorbitol 0,027 g/ml + manitol 0,0054 g/ ml MODELO DE BULA Purisole SM sorbitol + manitol Forma farmacêutica e apresentações: Solução para irrigação

Leia mais

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010

Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva. Específica da Gravidez e Hellp Síndrome. Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 Abordagem Inicial na Doença Hipertensiva Específica da Gravidez e Hellp Síndrome Versão eletrônica atualizada em Junho 2010 1 - DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GRAVIDEZ Hipertensão que aparece após a

Leia mais

BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE SOLUÇÃO GLICOFISIOLÓGICA HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETAVEL (50 + 9) MG/ML

BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE SOLUÇÃO GLICOFISIOLÓGICA HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETAVEL (50 + 9) MG/ML BULA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE SOLUÇÃO GLICOFISIOLÓGICA HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETAVEL (50 + 9) MG/ML Solução glicofisiológica glicose anidra e cloreto de sódio (50 + 9) mg/ IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Leia mais

Solução Glicofisiológica

Solução Glicofisiológica Solução Glicofisiológica Solução injetável cloreto de sódio + glicose 9 mg/ml + 50 mg/ml 1 Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável MODELO DE BULA Solução Glicofisiológica cloreto de sódio

Leia mais

Sistema biliar. Dr. Marcos Mendes Disciplina de Fisiologia FMABC

Sistema biliar. Dr. Marcos Mendes Disciplina de Fisiologia FMABC Fisiologia hepática e Sistema biliar Dr. Marcos Mendes Disciplina de Fisiologia FMABC ANATOMIA DO FÍGADO LOCALIZAÇÃO: quadrante superior direito do abdome, no espaço peritoneal embaixo do diafragma Maior

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

Tratamento intra-hospitalar do Diabetes Mellitus

Tratamento intra-hospitalar do Diabetes Mellitus Tratamento intra-hospitalar do Diabetes Mellitus Definição. O Diabetes Mellitus (DM) é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia, geralmente, associada a diversas complicações decorrentes

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA

DENGUE NA GRAVIDEZ OBSTETRÍCIA DENGUE NA GRAVIDEZ Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É doença febril aguda, de etiologia viral, de disseminação urbana, transmitida pela

Leia mais

Hemolenta. Bula para profissional da saúde. Solução para hemodiálise 6,14 MG/ML + 0,18596 MG/ML

Hemolenta. Bula para profissional da saúde. Solução para hemodiálise 6,14 MG/ML + 0,18596 MG/ML Hemolenta Bula para profissional da saúde Solução para hemodiálise 6,14 MG/ML + 0,18596 MG/ML HEMOLENTA (cloreto de sódio + sulfato de magnésio heptaidratado) Solução para Hemodiálise SOLUÇÃO - SISTEMA

Leia mais

Água e Eletrólitos. Prof Manoel Costa Neto Especialista em Nutrição Clínica

Água e Eletrólitos. Prof Manoel Costa Neto Especialista em Nutrição Clínica Água e Eletrólitos Prof Manoel Costa Neto Especialista em Nutrição Clínica 1 Componente + abundante do organismo; ÁGUA CORPORAL Todos os processos metabólicos ocorrem em meio aquoso; Células com cc de

Leia mais

FLUIDOTERAPIA EM GRANDES ANIMAIS

FLUIDOTERAPIA EM GRANDES ANIMAIS FLUIDOTERAPIA EM GRANDES ANIMAIS Introdução A água corpórea e certos eletrólitos se encontram num estado de fluxo contínuo entre vários compartimentos no organismo animal. De modo geral, a absorção hídrica

Leia mais

PROTOCOLO DE MANUTENÇÃO DO POTENCIAL DOADOR DE ORGÃOS

PROTOCOLO DE MANUTENÇÃO DO POTENCIAL DOADOR DE ORGÃOS Data de 1. Definições: Procedimento que detalha o manejo de pacientes com morte encefálica, com potencial para doação de órgãos 2. Objetivos Traçar as diretrizes para manutenção do potencial doador de

Leia mais

Serviço de Endocrinologia Serviço de Urgência. Tratamento da Hiperglicemia no Serviço de Urgência

Serviço de Endocrinologia Serviço de Urgência. Tratamento da Hiperglicemia no Serviço de Urgência Serviço de Endocrinologia Serviço de Urgência Tratamento da Hiperglicemia no Serviço de Urgência PROTOCOLO DE ATUAÇ ÃO Mª Joana Santos 1, Isabel Agonia 2, Olinda Marques 1 1. Serviço de Endocrinologia;

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma)

SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) SANGUE (composição, células, coagulação, hemograma) Introdução A função básica do sistema cardiovascular é comunicação das células entre si, produzindo um fluxo, e com o meio externo, havendo uma integração

Leia mais

CETOACIDOSE DIABÉTICA* (CID-10 = E 10.1)

CETOACIDOSE DIABÉTICA* (CID-10 = E 10.1) SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA EM PEDIATRIA CETOACIDOSE DIABÉTICA* (CID-10 = E 10.1) Dr.Crésio Alves Professor de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFBA Instrutor do PALS (Pediatric Advanced Life Support

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO. Nutrição Parenteral

PROTOCOLO CLÍNICO. Nutrição Parenteral Código: PC.TINT.012 Data: 15/07/2010 Versão: 1 Página: 1 de 7 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: I Definição: administração intravenosa de quantidades suficientes de nutrientes com objetivo de manter, ou melhorar

Leia mais

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Interpretação da Gasometria Arterial Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Distúrbios Ácido-Base O reconhecimento dos mecanismos homeostáticos que controlam o equilíbrio ácido-base é fundamental, pois os

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco.

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco. Função renal: excreção, controle do volume e composição dos líquidos corporais. Composto por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga urinária e pela uretra. Os rins situam-se na parte dorsal do

Leia mais

GLICÉMIA E GLICOSÚRIA

GLICÉMIA E GLICOSÚRIA GLICÉMIA E GLICOSÚRIA A glucose é o principal açúcar existente no sangue, que serve como "fonte de energia" aos tecidos. A glicémia é a taxa de glucose existente no sangue, e o seu nível é em geral mantido

Leia mais

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico

Alterações do equilíbrio hídrico Alterações do equilíbrio hídrico Desidratação Regulação do volume hídrico Regulação do volume hídrico Alteração do equilíbrio hídrico em que a perda de líquidos do organismo é maior que o líquido ingerido Diminuição do volume sanguíneo Alterações do equilíbrio Hídrico 1. Consumo

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

CONCEITOS DE ÁCIDO, BASE E ph

CONCEITOS DE ÁCIDO, BASE E ph ÁGUA, ph E TAMPÕES- DISTÚRBIOS ÁCIDO-BÁSICOS (Adaptado de http://perfline.com/cursos/cursos/acbas) A regulação dos líquidos do organismo inclui a regulação da concentração do íon hidrogênio, para assegurar

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

CETOACIDOSE DIABÉTICA E ESTADO HIPERGLICÊMICO HIPEROSMOLAR

CETOACIDOSE DIABÉTICA E ESTADO HIPERGLICÊMICO HIPEROSMOLAR Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS ENDÓCRINAS, METABÓLICAS E NUTRICIONAIS 36: 389-393, abr./dez. 2003 Capítulo V CETOACIDOSE DIABÉTICA E ESTADO HIPERGLICÊMICO HIPEROSMOLAR DIABETIC

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Fisiologia Renal Função Tubular Formação da Urina Clearance (Depuração) Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Mecanismos renais de absorção e equilíbrio ácido-básico

Mecanismos renais de absorção e equilíbrio ácido-básico Mecanismos renais de absorção e equilíbrio ácido-básico A absorção no túbulo contornado proximal A característica base do túbulo contornado proximal é reabsorção ativa de sódio, com gasto energético, na

Leia mais

Solução Glicofisiológica. Baxter Hospitalar Ltda. 5% glicose + 0,9% cloreto de sódio 500 e 1000 ml

Solução Glicofisiológica. Baxter Hospitalar Ltda. 5% glicose + 0,9% cloreto de sódio 500 e 1000 ml Solução Glicofisiológica Baxter Hospitalar Ltda. 5% glicose + 0,9% cloreto de sódio 500 e 1000 ml I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Solução glicofisiológica glicose monoidratada + cloreto de sódio APRESENTAÇÕES

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Conjunto de órgãos e estruturas responsáveis pela filtração do sangue e consequente formação da urina; É o principal responsável pela eliminação

Leia mais