FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL DA FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS PDI Campos dos Goytacazes/RJ 2011

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PERFIL INSTITUCIONAL BREVE HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES (FBPN) MANTENEDORA FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS (FMC) CENTRO DE SAÚDE ESCOLA DE CUSTODÓPOLIS (CSEC) HOSPITAL ESCOLA ÁLVARO ALVIM (HEAA) ÁREAS DE INSERÇÃO REGIONAL DA FMC ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA FMC INSERÇÃO DA FMC NA ÁREA ECONÔMICA REGIONAL INSERÇÃO DA FMC NA ÁREA DA SAÚDE INSERÇÃO DA FMC NA ÁREA SOCIAL DA MISSÃO DA FMC DAS FINALIDADES DA FMC ÁREAS DE ATUAÇÃO DA FMC ENSINO SUPERIOR ÁREA DOCENTE ASSISTENCIAL ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA PESQUISA... EXTENSÃO ACOMPANHAMENTO DO EGRESSO... FILANTROPIA OBJETIVOS INSTITUCIONAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS E METAS INSTITUCIONAIS DO ENSINO DA PÓS GRADUAÇÃO DA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS DA GESTÃO DA PESQUISA DA ESTENSÃO DA COORDENAÇÃO DE EGRESSOS PROJETO PEDAGÓGICO POLÍTICAS DE ENSINO: DIRETRIZES PEDAGÓGICAS ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS GERAIS DA FMC... 30

3 2.1.2 ESTRATÉGIAS ESPECÍFICAS PARA OS CURSOS DA FMC GRADUAÇÃO EM MEDICINA GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PÓS GRADUAÇÃO POLÍTICAS DA PÓS-GRADUAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO POLÍTICAS PARA PESQUISA POLÍTICAS DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FMC IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO - PROGRAMA DE ABERTURA DE CURSOS DE GRADUAÇÃO E SEQUENCIAL... 4 IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO - PROGRAMA DE ABERTURA DE CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO E EXTENSÃO... 5 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DA INSTITUIÇÃO PERFIL DO CORPO DOCENTE E CORPO TÉCNICO- ADMINISTRATIVO INTRODUÇÃO ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DA INSTITUIÇÃO INFRA- ESTRUTURA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS ATENDIMENTO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS DEMONSTRATIVO DE CAPACIDADE E SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA. ESTRATÉGIAS DE GESTÃO ECONÔMICO- FINANCEIRA PLANO DE EXECUÇÃO DA PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA PLANOS DE INVESTIMENTOS E ADEQUAÇÃO DA GESTÃO FINANCEIRA PREVISTA CRONOGRAMA DO PLANO ORÇAMENTÁRIO... 96

4 APRESENTAÇÃO Este Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) representa o planejamento estratégico da Faculdade de Medicina de Campos, Instituição de Ensino Superior (IES) mantida pela Fundação Benedito Pereira Nunes. Sua elaboração teve como base as diretrizes do Artigo 16 do Decreto n ọ da Presidência da República do Brasil, que dispõe sobre o exercício das funções de regulamentação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Este documento apresenta os pressupostos teórico-metodológicos desta Instituição de Ensino Superior, que tem como função especial cumprir seu papel social de formação de profissionais competentes e a efetiva participação no desenvolvimento regional. Foi elaborado a partir da análise, estudos e reflexões sobre a totalidade da Instituição, com a participação do grupo gestor e representantes do corpo docente, para os próximos 5 anos ( ). 4

5 1 PERFIL INSTITUCIONAL 1.1 BREVE HISTÓRICO DA INSTITUIÇÃO Fundação Benedito Pereira Nunes (FBPN) Mantenedora A Fundação Benedito Pereira Nunes (FBPN) é uma entidade jurídica de direito privado, de domínio público, sem fins lucrativos, com sede e foro na cidade de Campos dos Goytacazes, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Foi instituída em 06 de dezembro de 1934 pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia, originariamente como Fundação Policlínica Maternidade de Campos e, posteriormente, com a nomenclatura atual, em 07 de janeiro de 1962, pela escritura pública n ọ 400, Livro A-2, fls. 201, lavrada no Cartório do 1 ọ Ofício de Campos em 20 de dezembro de É regida por Estatutos aprovados pelo Curador das Fundações do Interior, do Ministério Público Estadual, em 03 de novembro de 1987, Processo E-15/4889/87, que estão transcritos nas Escrituras lavradas às fls. 84v, do livro 353, sob o n ọ 88, de 06 de outubro de 1987, do Cartório do 1 ọ Ofício da Comarca de Campos, sendo a segunda, retificação e ratificação da primeira, registradas e arquivadas, fls. 256, Livro A-2, sob o nº 465, em data de 03 de dezembro de 1987, de Registro Civil de Pessoas Jurídicas, também do Cartório do 1 ọ Ofício da Comarca de Campos, Estado do Rio de Janeiro. Foi criada com o objetivo inicial de dirigir a Policlínica e Maternidade de Campos que, em 1946, incorporou a direção do Hospital Infantil voltado para o atendimento à população carente. Posteriormente, em 1962, a Fundação Benedito Pereira Nunes foi responsável pela criação, instalação e manutenção da Faculdade de Medicina de Campos, que até hoje funciona no prédio antes ocupado pela Policlínica, Maternidade e Hospital Infantil. É uma entidade com personalidade jurídica própria, com duração por tempo indeterminado, com fins filantrópicos, registrada no Conselho Nacional de Serviços Sociais sob o n ọ /75 e reconhecida como de utilidade pública (municipal sob o n ọ /12/67, estadual pela Lei n ọ 7482 de 23 de junho de 1974 e federal pelo Decreto Presidencial de 23 de junho de 1992). Possui as seguintes finalidades: prestar serviços médicos e farmacêuticos, especialmente às pessoas carentes; criar, instalar e manter Estabelecimentos de Ensino Superior na Área da 5

6 Saúde, Paramédicos e Institutos Científicos; criar e manter serviços educacionais e assistenciais correlatos aos seus fins; manter intercâmbio com outras entidades dedicadas a serviços médicos, farmacêuticos, hospitalares e paramédicos; colaborar, manter intercâmbio ou estabelecer contratos ou convênios com hospitais locais ou regionais, particulares ou públicos, para atender às suas finalidades e aos seus planos de trabalho. A Fundação Benedito Pereira Nunes mantém a Faculdade de Medicina de Campos e o Centro Social Urbano de Custodópolis, onde funciona o Centro de Saúde Escola de Custodópolis, com os recursos provenientes das mensalidades dos alunos da FMC e, o Hospital Escola Álvaro Alvim, mantido com os recursos resultantes dos pagamentos de serviços prestados ao SUS (85% do total) e a convênios e particulares (15%). O Patrimônio da FBPN compreende os seguintes bens imóveis: o prédio da Faculdade de Medicina de Campos (FMC), situado na Av. Dr. Alberto Torres, 217, em Campos dos Goytacazes/RJ; o do Hospital Escola Álvaro Alvim (HEAA), situado na Rua São João, n ọ 140 e seu respectivo terreno de 672,75 m 2 ; o da sede administrativa da Fundação Benedito Pereira Nunes, situado na Rua Gil de Góis n ọ 154, CEP: ; o terreno da Rua Voluntários da Pátria, esquina com Gil de Góis, com 1400m 2 e, o do Centro de Saúde Escola Custodópolis, situado na Rua Julio Armond, n ọ 121, CEP: , no Bairro de Custodópolis, em Guarus, 1 ọ Distrito de Campos dos Goytacazes. Contudo, seu maior legado é ser reconhecida como um patrimônio moral, cultural e intelectual, de reconhecível e reconhecida relevância regional e nacional, construído pela história de honestidade, seriedade, coerência e firmeza dos seus dirigentes e de toda sua comunidade Faculdade de Medicina de Campos (FMC) A Faculdade de Medicina de Campos foi criada pela Sociedade Fluminense de Medicina e Cirurgia (SFMC), na sessão de 02 de agosto de 1965, para se constituir em uma Instituição de Ensino Superior isolada e comunitária, sendo a Fundação Benedito Pereira Nunes (FBPN) sua entidade mantenedora e responsável pela implantação, autorização junto ao MEC e acompanhamento futuro. Em março de 1966, foram iniciadas as obras para sua implantação nos prédios próprios da FBPN, tendo sido inicialmente planejada para funcionar a partir de Porém, as obras foram aceleradas para atender às contingências do momento universitário brasileiro, pondo à prova a capacidade de trabalho, rapidez e organização de seus fundadores. Recebeu autorização para funcionar em 18 de setembro de 1967, pelo Decreto Presidencial n ọ e foi oficialmente inaugurada em 14 de outubro de

7 Assistida pelo MEC durante todo período de implantação, ao final da integralização da primeira turma, a FMC foi reconhecida pelo Decreto Presidencial n ọ , em 07 de fevereiro de Tem mantido a renovação do reconhecimento em todos os processos implementados pelo MEC com esta finalidade, sendo o último de 09 de fevereiro de Inicialmente, para atender ao modelo vigente na educação médica nacional, o modelo pedagógico adotado foi centrado no paradigma flexneriano, cartesiano, biologicista, privilegiando a doença. De acordo com este modelo, foram reunidas suas disciplinas em departamentos e divididas em Ciclo Básico e Ciclo Clínico, com práticas laboratoriais nos primeiros anos e hospitalares nos subsequentes, sendo o último ano do curso destinado ao internato com rodízios nas quatro clínicas básicas: Clínica Médica, Cirurgia, Pediatria e Tocoginecologia. Este modelo de estrutura curricular apontava para a formação de um médico generalista, com poucas disciplinas voltadas para especialidades clínicas. O perfil docente, na fase inicial de implantação, apresentava um quadro de notáveis mestres de prestígio nacional, importantes especialistas formados na excelência dos serviços de referência nacional e de jovens docentes que mesclavam a profundidade do conhecimento com a busca de inovações e aperfeiçoamento pedagógico. As primeiras experiências problematizadoras de desenvolvimento de habilidades e de integração docente-assistencial ocorreram nos anos 1970, por meio de projetos desenvolvidos pela Instituição e financiados pela OPAS-KELLOGG. A FMC nunca esteve apartada da evolução das ciências e das mudanças paradigmáticas, que acarretaram a redefinição das práticas sociais, das maneiras de pensar, de trabalhar e organizar o conhecimento, de promover a quebra de um saber hegemônico para outro, aberto e dinâmico, do mundo globalizado, sobretudo naquelas nas quais se incluem os profissionais da área da saúde e sua inter-relação com os pacientes e com a própria profissão e os papéis de professor e de estudante nas ações de ensinar e aprender. O ensino médico também foi afetado por estes movimentos, surgindo no Brasil um processo coletivo de discussão nacional orientado pela Comissão Interinstitucional Nacional de Avaliação do Ensino Médico (CINAEM). Neste processo, a FMC assumiu uma posição de vanguarda dentro do conjunto de Escolas Médicas que, em nível nacional, participaram do Projeto Nacional de Avaliação do Ensino Médico (Projeto CINAEM). Esse Projeto apresentava, como característica principal, a avaliação com perspectivas transformadoras, na singularidade de cada escola e se baseava no fato de o senso comum apontar para uma dissociação entre o perfil do médico, que estava sendo formado pelas escolas médicas brasileiras e as reais necessidades médicas do Brasil. 7

8 A FMC incorporou estas transformações, dando início, na década de 90, à gestão participativa, que se constituiu pelo Grupo Gestor (Diretor, Vice-Diretor e Coordenadores), pelo representante da Associação dos Professores (ADOMEC), pelo representante do Diretório Acadêmico (DALS), pelo representante dos Funcionários Técnico-administrativos (AFAMEC) e, assim, o desenvolvimento interno de ampla discussão sobre o ensino médico, resultou em mudança do Modelo Pedagógico do Curso de Medicina e da estrutura curricular vigente. Para a implantação das novas propostas pedagógicas e acadêmicas foi preciso reformular e atualizar o Regimento da FMC, o qual foi aprovado pelo MEC em novembro de Desde então, o modelo pedagógico do Curso de Medicina está centrado na visão do homem como sujeito social e na formação humanística do médico. Estas mudanças foram corroboradas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9.394/96) e pelas Diretrizes Curriculares para os Cursos de Medicina, instituídas pelo MEC no ano de Com a ocorrência da aprovação do Regimento da FMC, pelo MEC, foi possível dar início ao projeto de abertura de outros cursos na área da saúde. Com base nas avaliações sobre a demanda dos cursos na área da saúde, que mostraram a carência de farmacêuticos e a ausência de Cursos de Graduação em Farmácia, na área de abrangência geoeducacional, a FMC propôs a criação deste curso, a partir de agosto de Ao longo destes anos, a FMC vem mantendo a atualização e adequação dos projetos pedagógicos dos cursos de graduação em Medicina e Farmácia. No início do corrente ano (2011) foi realizada nova atualização do Regimento da Instituição, de acordo com as diretrizes atuais do MEC, que permitiu a reformulação da organização didático-pedagógica e administrativa desta Instituição, com a criação de novas diretorias, novos órgãos colegiados, tais como o Núcleo Docente Estruturante, os Colegiados de Cursos, e as Coordenações de Egresso e de Extensão. Neste mesmo ano, o diretor da FMC recebeu o Prêmio Nacional de Gestor Educacional de 2011, conferido pela Confederação Nacional de Estabelecimentos de Ensino, Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior, Associação Nacional dos Centros Universitários, Associação Brasileira das Mantenedoras das Faculdades isoladas e integradas, no concurso promovido para as Instituições de Ensino que investem na estrutura administrativa, em projetos pedagógicos inovadores e ações de responsabilidade social. A FMC oferece apoio institucional à residência médica desde 1975, inicialmente na área de Pediatria. Desde então, tradicionalmente elabora o edital, idealizando e executando todo o processo seletivo para a admissão de novos residentes para o Hospital Escola Álvaro Alvim (HEAA), nos programas regularmente autorizados e credenciados pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM/MEC) em Pediatria, Clínica Médica, Obstetrícia e Ginecologia e 8

9 Cirurgia geral. Destacou-se em âmbito nacional por ter sido a única instituição de ensino superior particular, dentre outras cinco públicas, a desenvolver processo seletivo contemplando a prova prática em todas as especialidades e com peso equânime ao da prova teórica, isto é, peso de 50%. A partir de 2010, o processo referente ao concurso de admissão passou a ser realizado pela Comissão de Residência Médica do HEAA (COREME), órgão institucionalmente responsável pela gestão dos programas de residência perante a CNRM/MEC. Permanecem, entretanto, o apoio e o suporte institucional da Coordenação de Pós-graduação da FMC à COREME no que tange à elaboração e execução do edital e do processo seletivo. Desde 1993, a FMC ministra cursos de Pós-graduação lato sensu, conforme normas emanadas da CES/CNE do MEC. Desde então, foram criados os seguintes cursos: - Educação em Saúde - Morfologia Humana - Obstetrícia - Docência para o Ensino Superior - Saúde da Família - Direito Médico (parceria com a UNIFLU) - Geriatria e Gerontologia Interdisciplinar - Análises Clínicas e Gestão de Laboratórios - Farmacologia: Atualização e Novas Perspectivas - Psicologia Hospitalar e da Saúde Centro de Saúde Escola de Custodópolis (CSEC) O Centro de Saúde Escola de Custodópolis (CSEC) é a unidade básica de saúde da Faculdade de Medicina de Campos, na qual se realizam atividades de assistência e de ensino, pesquisa e extensão. Localiza-se em Guarus, primeiro distrito de Campos dos Goytacazes, no bairro de Custodópolis. Funciona como um polo de atendimento para Custodópolis e entorno, nos quais a maioria dos moradores encontra-se numa situação de pouco favorecimento econômico. Há 35 anos, essa unidade mantém atendimento na área de Pediatria, Clínica Médica, Ginecologia e Obstetrícia, ampliando-se como um cenário do processo ensino-aprendizagem a partir de Atualmente, o CSEC é uma unidade que se consolida cada vez mais como de excelência na assistência à saúde, abrangendo ações curativas e de reabilitação, além das de promoção e de prevenção focadas pela ótica da Saúde Coletiva. Tem se destacado também como um espaço de ensino-pesquisa-extensão para os alunos da FMC (curso de Medicina e de Farmácia) e das 9

10 Instituições de Ensino Superior de Campos. A partir de 2006, os atendimentos das clínicas básicas passaram a funcionar como cinco novos módulos importantes na atenção médica atual: Saúde da Mulher, Saúde do Adulto (ênfase na hipertensão arterial e diabetes), Saúde do Idoso, Saúde Mental e Saúde da Criança. As especialidades existentes dão suporte aos módulos, como Dermatologia, Psiquiatria, Otorrinolaringologia, Cardiologia. Em 2008, estruturou-se o Programa Bairro Saudável: tecendo redes, construindo cidadania, consolidando-se essa unidade como espaço de ensino-pesquisa-extensão, além de assistência à saúde. A partir de 2010, quatro outros projetos foram implantados. O Projeto Família Saudável I. Com objetivos semelhantes aos da Estratégia Saúde da Família, visa um atendimento integral, realizado por uma equipe básica de profissionais de saúde, abrangendo em torno de 400 famílias, numa área geográfica adscrita e contígua à unidade. O projeto Saúde do Homem tem como foco o atendimento das questões ligadas à sexualidade e à prevenção do câncer de próstata. O Projeto de Caminhada, em parceria com a Universidade Estácio de Sá, é realizado três vezes por semana e com foco nos portadores de Hipertensão, Diabetes, Sobrepesos e Tabagistas. O projeto Combate ao Tabagismo é realizado em parceira com a Secretaria de Saúde de Campos e segue a normatização do Ministério da Saúde, o que possibilita a garantia de medicamentos, quando necessário. Atualmente, o CSEC abrange pessoas cadastradas (até setembro de 2011) e realiza em torno de 800 consultas ambulatoriais mensais, além das outras atividades que congregam um número considerável de pessoas da comunidade. O planejamento para os próximos cinco anos consiste, principalmente, na consolidação das ações até o momento desenvolvidas Hospital Escola Álvaro Alvim (HEAA) O Hospital Escola Álvaro Alvim faz parte das instituições mantidas pela Fundação Benedito Pereira Nunes. Em 1 ọ de outubro de 1979, a Fundação Benedito Pereira Nunes anexou ao seu patrimônio a Liga Campista e Norte Fluminense de Combate ao Câncer instalada no prédio inacabado do atual Hospital Escola Álvaro Alvim, com sete andares e m² de área construída, empreendendo, a partir daí, as obras de sua conclusão e, já na década de 80, oferecia os serviços de ambulatórios e consultas, laboratórios de análises clínicas, histopatologia e raios-x, aos usuários do INAMPS. Em 1996, o Hospital Álvaro Alvim passou por uma grande reforma estrutural e funcional no intuito de torná-lo apto a oferecer internações clínicas e cirúrgicas, o que aconteceu em abril de 1997, quando passou à categoria de Hospital Escola da Faculdade de Medicina de Campos, 10

11 tendo seus serviços médicos estruturados de acordo com os Departamentos da mesma, isto é, o seu corpo clínico é constituído de docentes da FMC e outros não docentes. Em suas instalações é relevante a presença de Residentes de Clínica Médica, Cirúrgica, Pediátrica e Ginecológica e de Acadêmicos da própria IES e de outras instituições ligadas à área de saúde. Atualmente, o HEAA funciona com 140 leitos, dos quais 109 são destinados ao SUS, 23 para particulares e convênios, 08 para UTI (sendo 05 para o SUS). Conta, ainda, com 05 salas no Centro Cirúrgico. O total de atendimentos realizados, em 2010, de convênios e particulares, foi de e, pelo SUS, Em junho de 2006, o HEAA foi certificado pelo MS/MEC, após análise técnica da área física e de documentos, com base nos critérios estabelecidos pela Portaria Interministerial n ọ de 15/04/2004 e reconhecido como Hospital de Ensino pela Portaria Interministerial n ọ 1677 de 10/10/2006. Em novembro de 2009, esta certificação foi renovada pela Comissão de Certificadores do MS/MEC. 1.2 ÁREAS DE INSERÇÃO REGIONAL DA FMC Área de Abrangência da FMC O Estado do Rio de Janeiro foi subdividido em seis mesorregiões, principalmente para fins de descentralização da Saúde sendo a do Norte Fluminense, constituída por nove municípios, com uma população de habitantes (IBGE, 2010), em uma área de 9.730,443 km² e um PIB de R$ ,00 (IBGE, 2003). Campos dos Goytacazes é um município localizado no Norte do Estado do Rio de Janeiro. Com uma população de habitantes (IBGE, 2011), é a maior cidade do interior fluminense e a décima maior do interior do Brasil. É também o município com a maior extensão territorial do estado, ocupando uma área pouco menor que a do Distrito Federal. É o terceiro município em importância econômica no Estado, e se encontra às margens do Rio Paraíba do Sul e, na região, se destacam importantes universidades públicas e privadas do Estado do Rio de Janeiro. A Faculdade de Medicina de Campos (FMC) está inserida nesta Região Norte do Estado do Rio de Janeiro, no município de Campos dos Goytacazes sendo, por sua importância e desenvolvimento, o município de referência da Região Norte. 11

12 1.2.2 Inserção da FMC na Área Econômica Regional A economia do município se desenvolveu, desde o século XVI, por meio da pecuária, posteriormente suplantada pela cultura canavieira com implantação das usinas de açúcar, acrescidas de comércio e prestação de serviços. A partir da década de 1950, ocorreu o declínio da cultura canavieira, com reflexos diretos na economia regional. O empobrecimento no campo levou ao êxodo rural, com migração para as áreas urbanas, notadamente para a sede do município. Nos anos 60, observou-se a expansão da indústria ceramista e do comércio em geral, principalmente baseado na prestação de serviços de educação e de saúde, desencadeando a abertura de quatro faculdades na cidade: a Faculdade de Direito, a Faculdade de Filosofia e a Faculdade de Odontologia, mantidas pela Fundação Cultural de Campos, e a Faculdade de Medicina de Campos, mantida pela Fundação Benedito Pereira Nunes. A implantação da FMC promoveu a expansão dos Serviços de Saúde em Campos dos Goytacazes e passou a ser polo de educação e saúde para toda a região Norte e Noroeste do Estado do Rio. Na década de 90, um fator decisivo para a retomada econômica regional foi a exploração de petróleo na Bacia de Campos. Reconhecendo a vocação do município para a educação e o desenvolvimento do setor da saúde e do petróleo, foi implantada a Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF). Idealizada pelo Professor Darcy Ribeiro, a UENF tem como missão realizar pesquisas científicas de ponta, formar pesquisadores qualificados, desenvolver projetos de biotecnologia e promover o desenvolvimento regional. Sua implantação tem colaborado na consolidação do Município de Campos dos Goytacazes como Polo Educacional, atraindo milhares de alunos de outras regiões, o que tem contribuído para o seu desenvolvimento econômico. Nos dias atuais, Campos dos Goytacazes, conta com quatro Universidades, um Centro Universitário e dois Institutos de Educação Superior. Em relação ao petróleo, é importante enfatizar que, hoje, Campos dos Goytacazes é responsável por 80% da produção nacional de petróleo e 40% da produção de gás natural, com o consequente recebimento de royalties, transformando o município no de maior arrecadação do Estado do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro é, sem dúvida, um estado estratégico para a logística das regiões Centro-oeste e Sudeste do país e está localizado entre as principais bacias de petróleo do Brasil. Além disto, é uma área multimodal, isto é, tem fácil acesso a todos os tipos de transporte logístico: marítimo, terrestre e aéreo. Estas características vêm atraindo uma série de mega investimentos para os próximos anos, tal como o Porto de Açu, o maior da América Latina, um 12

13 investimento de infraestrutura estimado em R$ 3,6 bilhões, que funcionará a partir do conceito de Porto Indústria. Entretanto, a dimensão desses investimentos, associada ao impacto que trarão à economia, à sociedade e ao meio ambiente é ainda imensurável. O Complexo Industrial do Porto do Açu ocupará uma região de 90 km 2, onde estarão operando siderúrgicas, cimentarias, indústrias automotivas, termoelétricas, indústrias de apoio offshore e ainda uma unidade de tratamento e armazenamento de petróleo. Essa sinergia ajudará na economia de tempo e dinheiro para as empresas ali instaladas. Este mega projeto não causará impacto apenas no Município de São João da Barra com seus 30 mil habitantes, ficando quase à mesma distância do Município de Campos dos Goytacazes, que também vem atraindo negócios grandiosos. O projeto guiará o desenvolvimento econômico fluminense. Contudo, o desenvolvimento social e o cuidado ambiental podem não estar associados a esse crescimento. A estimativa atual é de que o empreendimento gere cerca de 60 mil empregos diretos, o que, pelo cálculo do próprio governo, seriam 240 mil empregos indiretos para a região. O volume e a diversidade do projeto induzirão a um forte movimento de atração de novas empresas e de mão de obra qualificada para atender à demanda que então se apresentará. Campos dos Goytacazes apresenta uma volumosa arrecadação proveniente dos royalties. O montante transferido, em abril de 2011, foi de R$ 41,5 milhões, acumulando uma receita de R$ 171,9 milhões no quadrimestre do ano referido (ANP, 2011). Atualmente, os royalties são responsáveis por cerca de 72% de todo o orçamento do município (Boletim Petróleo, Royalties & Região, v. 13. Disponível em: Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2010), Campos dos Goytacazes é o 14 ọ mais rico município em relação ao PIB brasileiro de Nos estudos de viabilidade técnica e econômica do Complexo Logístico-Industrial do Açu, a LLX prevê um aumento do PIB em cerca de 56% (US$ 13 bilhões) em Campos dos Goytacazes, até o ano de Em relação ao orçamento destinado à Educação, Campos dos Goytacazes é o 40 ọ entre os municípios brasileiros com R$ 172 milhões. Na análise dos investimentos em educação por n ọ de alunos matriculados na rede municipal (per capita), o município de Campos dos Goytacazes investiu a quantia de R$ 3.316,00, valor inferior à média brasileira dos municípios de porte equivalente no caso (de 200 mil a 500 mil habitantes), cuja média brasileira de investimento por aluno foi de R$ 3.338,29 (Anuário 2010, com dados do ano de 2009 obtidos junto à Secretaria Nacional do Tesouro, do Tribunal de Contas do Estado e do INEP/MEC). Em relação à Saúde, de um orçamento total de R$ 1,87 bilhões, o percentual destinado é de 26%, equivalentes a R$ 496 milhões, num valor por habitante de R$ 1.066,00. Para efeitos 13

14 comparativos, no orçamento de Santos, de um total de R$ 1,2 bilhões, um percentual de 22%, equivalente a R$ 273,4 milhões está previsto para custear a saúde da população santista Inserção da FMC na Área da Saúde Sendo o maior centro urbano regional e, devido ao êxodo rural e à má distribuição de renda, a cidade de Campos dos Goytacazes, sede do Município, apresenta expressivos desníveis socioeconômicos. Dados recentes (Censo IBGE, 2010) mostram que, de um número de domicílios totais, Campos dos Goytacazes possui domicílios sem banheiros, sendo na área urbana e, 392 na área rural. Em sintonia com o Sistema Único de Saúde (SUS), o Setor Público Municipal vem priorizando a Atenção Primária à Saúde, com ações voltadas para a promoção e prevenção em saúde pública. O município também apresenta uma complexa rede de serviços hospitalares e de diagnóstico constituída por 11 hospitais, 15 clínicas, 101 postos de saúde, 9 prontos socorros, com disponibilidade de leitos para internação. A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, por sua vez, em conformidade com as diretrizes do SUS, efetivou a Regionalização da Assistência à Saúde, dividindo o Estado do Rio de Janeiro, em nove regiões, considerando que a região Metropolitana foi dividida em duas devido ao grande contingente populacional, capacidade instalada e acesso (Baía da Ilha Grande, Baixada Litorânea, Centro Sul, Médio Paraíba, Metropolitana I, Metropolitana II, Norte, Noroeste e Serrana). A Região Norte é constituída por oito municípios (Campos dos Goytacazes, São Francisco de Itabapoana, São Fidélis, São João da Barra, Quissamã, Carapebus, Conceição de Macabu e Macaé) e representa 4,76% da população total do Estado. São prioridades estratégicas para a Região Norte: Atenção Materno-Infantil; Integração com os Municípios na Área de Saúde; Saúde da Família; modernização da gestão de Unidades de Saúde; Promoção e Vigilância em Saúde; e Auditoria Acompanhamento e Avaliação da Qualidade SUS/RJ. O Município de Campos dos Goytacazes é referência especializada da região em Oncologia e Hemoterapia, sendo também referência para procedimentos de alta e média complexidade. Esse município é também referência na Região Norte Fluminense para os seguintes procedimentos de média complexidade: Exame anatomo-patológico de peça cirúrgica, exame citopatológico cervico-vaginal, campimetria, microscopia especular de córnea, potencial de acuidade visual, check up de glaucoma, mamografia, estradiol, prova de esforço, ultrassonografias, ecografias, EEG, potencial evocado visual, pielografia, rubéola anticorpos IGG, anti HBS, sistema Holter 24 horas, plegias, procedimentos de fisioterapa, anti HBS, 14

15 criocauterização, eletrocoagulação de colo de útero e testes cutâneos de leitura imediata. Em relação à alta complexidade é referência dos seguintes procedimentos: facectomia, tomografia, estudo do metabolismo do miocárdio, transplante de córnea, cintilografia, arteriografia, aortografia, portografia e cateterismo de câmaras cardíacas (Fonte: Plano Diretor de Regionalização do Governo do Estado do Rio de Janeiro, 2001). O fato de o município de Campos dos Goytacazes ocupar lugar de destaque como referências na saúde, tanto na média como na alta complexidade, sugere ter sido consequência direta da implantação da Faculdade de Medicina de Campos, na década de 70, que contribuiu, decisivamente, para a melhoria da qualidade dos profissionais de saúde da região e para o desenvolvimento do setor de atendimento à saúde, além de estar presente na maioria das unidades descritas acima participando, direta ou indiretamente, do Serviço com a presença de docentes e discentes Inserção da FMC na Área Social O termo inserção social diz respeito à maneira pela qual uma instituição é capaz de se relacionar com a comunidade na qual está inserida e de sua capacidade de participação na busca de soluções para a melhoria da qualidade de vida da população. No caso das instituições de ensino superior, esse compromisso revela-se por meio das ações desenvolvidas durante o ensino, a pesquisa e/ou a extensão, e das ações delas decorrentes. A FMC, desde a sua implantação, concentra na área do Ensino, a sua grande vocação e, a partir desta destinação, desenvolve atividades importantes de extensão, envolvendo principalmente a comunidade assistida pelo SUS, nas dependências das suas unidades de saúde, tais como o CSEC, com os projetos Bairro Saudável e Família Saudável, o HEAA e os Hospitais de Ensino (conveniados). Além disso, a FMC tem, na Secretaria de Saúde do Município, a sua grande parceira, desenvolvendo com a mesma, importantes projetos conjuntos. Relaciona-se, também, com outras instituições de Ensino e Pesquisa regionais, implementando projetos em parceria. Participa de eventos em prol do desenvolvimento regional e executa ações sociais que trazem desenvolvimento e melhoria de vida para a população. Como exemplo destas ações tem sido realizado, desde 2010, o projeto de implantação da Farmácia Escola e do Laboratório de Análises Clínicas e Toxicológicas. Sua conclusão, prevista para 2011, permitirá uma efetiva Assistência Farmacêutica que beneficiará toda a população de Campos dos Goytacazes e municípios vizinhos. O projeto prevê o atendimento do receituário médico proveniente do serviço público e particular da população em geral, tendo a manipulação de medicamentos e os 15

16 exames laboratoriais realizados sempre sob a supervisão de professores especializados nas diferentes áreas relacionadas à Manipulação Magistral e às Análises Clínicas. 1.3 DA MISSÃO DA FMC A Faculdade de Medicina de Campos (FMC) é uma instituição filantrópica de domínio público, de ensino superior, isolada e comunitária, mantida pela Fundação Benedito Pereira Nunes (FBPN), sem fins lucrativos, com sede e foro na Cidade de Campos dos Goytacazes, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Sua missão vocacional, desde a sua criação, é ser o braço pedagógico da FBPN e, como tal, se constitui em um centro formador de profissionais da área de saúde, cuja capacitação está alicerçada na ampla construção do conhecimento, no desenvolvimento profissional, com interação social e atuação ética e responsável (ensino); no desenvolvimento de competências para o exercício do pensamento crítico e juízo profissional (pesquisa), capaz de compreender a realidade social, cultural, e econômica de seu meio, inserindo sua atuação, na transformação da realidade local, em benefício da sociedade (extensão), sempre com grande ênfase na formação de um profissional mais humanizado. A FMC busca trilhar os caminhos de acordo com uma visão embasada em seus valores e tendo como preceito institucional sua missão. Valores: respeito e valorização do ser humano, responsabilidade socioambiental, ética e transparência, valorização das parcerias e postura empreendedora. Visão: ser reconhecida como a melhor Instituição de Ensino privada no desenvolvimento de profissionais na área de saúde do Brasil. Missão: desenvolver pessoas com excelência profissional na área da saúde, com valores éticos e humanísticos, capazes de atender às necessidades da população. 1.4 DAS FINALIDADES DA FMC A FMC tem por finalidade formar profissionais humanistas da área de saúde, com conhecimento biopsicossocial, cuja capacitação deverá estar alicerçada na ampla construção do conhecimento, no desenvolvimento profissional, com interação social, atuação ética e responsável, no desenvolvimento de competências para o exercício do pensamento crítico e do 16

17 juízo profissional, capaz de compreender as realidades sociais, culturais e econômicas de seu meio, enfocando sua atuação no benefício da sociedade. 1.5 ÁREAS DE ATUAÇÃO DA FMC Ensino Superior A Faculdade de Medicina de Campos representa a vertente pedagógica e de ensino da Fundação Benedito Pereira Nunes, oferecendo na área da Graduação, os Cursos de Medicina e de Farmácia. Na Pós-graduação ministra diversos cursos lato sensu, conforme normas vigentes da CES/CNE do MEC. O comprometimento pedagógico da FMC com a reflexão crítica no processo ensinoaprendizagem oportuniza discussões, provocações e questionamentos que, a partir do máximo possível de informações e conhecimentos, tornam a realidade perceptível para que possa ser estudada, avaliada e contestada, se necessário, em todos os seus ângulos e relações, com rigor, para que possa ser continuada e transformada Área Docente-Assistencial Os professores dos Cursos de Medicina e Farmácia da FMC desenvolvem atividades assistenciais no Hospital Escola Álvaro Alvim (HEAA), no Centro de Saúde Escola de Custodópolis (CSEC) e nos Hospitais Conveniados (Hospital dos Plantadores de Cana, Hospital da Beneficência Portuguesa, Hospital Ferreira Machado, Hospital Geral de Guarus e Santa Casa de Misericórdia de Campos), principalmente à população carente e àquela assistida pelo SUS. Este trabalho é acompanhado por discentes em processo de formação, tanto da graduação, quanto da pós-graduação. Os professores do Curso de Farmácia também participam de ações voltadas para o atendimento social por meio de Projetos de Extensão, como o Farmácia em Ação, no qual são realizados exames com o objetivo de acompanhar pacientes diabéticos e hipertensos, além de esclarecimentos quanto ao uso racional de medicamentos. Com a implantação da Farmácia e Laboratório Escola, a parcela da população atendida aumentará, visto que serão oferecidos, a preços acessíveis, exames laboratoriais de Análises Clínicas e medicamentos de diferentes classes terapêuticas. 17

18 1.5.3 Assistência Hospitalar É realizada por médicos, na sua maioria, professores da FMC, no Hospital Escola Álvaro Alvim e nos Hospitais Conveniados (Hospital dos Plantadores de Cana, Hospital da Beneficência Portuguesa, Hospital Ferreira Machado, Hospital Geral de Guarus e Santa Casa de Misericórdia de Campos), comprometidos com o ensino e a qualidade dos Serviços Assistência Farmacêutica Segundo a Organização Pan-Americana d e Saúde, a Assistência Farmacêutica é o conjunto de ações voltadas à promoção, proteção e recuperação da saúde, tanto individual como coletiva, tendo o medicamento como insumo essencial e visando o acesso ao seu uso racional. Este conjunto envolve a pesquisa, o desenvolvimento e a produção de medicamentos e insumos, bem como a sua seleção, programação, aquisição, distribuição, dispensação, garantia da qualidade dos produtos e serviços, acompanhamento e avaliação de sua utilização, na perspectiva da obtenção de resultados concretos e da melhoria da qualidade de vida da população. Dentro deste conceito, a matriz curricular do curso de Farmácia, busca capacitar os alunos para o exercício de atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, assim como ao controle, produção e análise de medicamentos, conceito este pautado em princípios éticos e na compreensão da realidade social, cultural e econômica do seu meio, dirigindo sua atuação para a transformação da realidade em benefício da sociedade Pesquisa Apesar de a FMC não ter vocação primária na área da pesquisa, existem vários projetos voltados para a comunidade executados por alunos e professores orientadores, isoladamente ou em parceria com outras instituições, que resultam em publicações nacionais e internacionais Extensão A área da extensão desmembrou-se da Pós-graduação em fevereiro de 2011, tendo uma coordenação própria a partir de então. Até essa data, muitos cursos e trabalhos de extensão já tinham sido realizados. Um dos projetos na área da extensão, implantado antes de 2011 e em execução, é o Programa Bairro Saudável: tecendo redes, construindo cidadania. 18

19 Trata-se de um programa interinstitucional e interdisciplinar, integrando diversos projetos de ensino-pesquisa-extensão de 08 Instituições de Ensino Superior de Campos dos Goytacazes: Faculdade de Medicina de Campos (FMC), Universidade Federal Fluminense (UFF), Instituto Federal Fluminense (IFF), Universidade Candido Mendes (UCAM), Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO), Universidade Estácio de Sá (UNESA), Faculdade de Filosofia de Campos (FAFIC) e Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF). As ações desenvolvidas por esse programa abrangem mais de 10 mil pessoas beneficiadas, já tendo gerado trabalhos científicos que, norteados pela metodologia pesquisa-ação, visam a melhoria da qualidade de vida da população do bairro de Custodópolis e entorno. Em 2010, o Programa Bairro Saudável recebeu o prêmio nacional de gestão educacional na categoria Responsabilidade Social conferido pela Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino e pela Humus Consultoria. A coordenadoria de extensão da Faculdade de Medicina de Campos, em consonância com o Plano de Extensão do MEC, considera que as suas ações devem propiciar aos estudantes experiências na sua área de conhecimento e oferecer condições para o enriquecimento da sua formação cultural e de cidadania. Em relação à sociedade, a coordenadoria deverá criar condições de acesso à universidade, por meio de cursos de extensão e de outros serviços e transferir conhecimentos que contribuam para a melhoria da qualidade de vida das pessoas. Considerando essas questões, as ações de Extensão caracterizam-se pelas seguintes definições: - Programa: conjunto de projetos de caráter orgânico-institucional, com clareza de diretrizes, e voltados a um objetivo comum. Nesta perspectiva, a Faculdade de Medicina de Campos inserese e coordena o Programa Bairro Saudável; - Projeto de Extensão: conjunto de ações processuais contínuas, de caráter educativo, social, cultural, científico e tecnológico; - Curso de Extensão: conjunto articulado de ações pedagógicas, de caráter teórico e/ou prático, presenciais ou a distância, planejadas e organizadas de maneira sistemática, com carga horária definida e processo de avaliação formal. Inclui oficina, workshop, laboratório e treinamentos. As prestações de serviços oferecidas como cursos, assim são registradas (os registros de cursos poderão ser classificados como de iniciação, atualização, qualificação profissional, aperfeiçoamento, etc.); - Evento: ação de interesse técnico, social, científico, esportivo e artístico: Assembléia; Campanha de Difusão Cultural; Campeonato; Ciclo de Estudos; Circuito; Colóquio; Concerto; Conclave; Conferência; Congresso; Conselho; Debate; Encontro; Escola de Férias; Espetáculo; Exibição Pública; Exposição; Feira; Festival; Fórum; Jornada; Lançamento de Publicações e 19

20 Produtos; Mesa Redonda; Mostra; Olimpíada; Palestra; Recital; Reunião; Semana de Estudos; Seminário; Show; Simpósio; Torneio e outros; - Produção e publicação: elaboração de produtos acadêmicos que instrumentalizam ou que são resultantes das ações de ensino, pesquisa e extensão, tais como cartilhas, vídeos, filmes, softs, CDs, cassetes, dentre outros Acompanhamento do Egresso A Coordenação de Egressos tem como objetivo congregar e promover o contato entre egressos e a comunidade interna, realizar eventos de atualização profissional, possibilitar a discussão de assuntos de interesse profissional e promover a educação continuada Filantropia São oferecidas bolsas de estudo de acordo com a nova Lei Federal da Filantropia n ọ /09, de 27 de novembro de Por meio de uma comissão própria de Filantropia, é publicado um Edital para inscrições visando a seleção de alunos carentes de acordo com os critérios da lei, aplicando-se anualmente, em gratuidade, pelo menos 20% (vinte por cento) da receita anual. Ainda são realizados trabalhos no Centro de Saúde Escola de Custodópolis e no Hospital Escola Álvaro Alvim, com atendimento prioritário aos pacientes do SUS e com projetos de extensão junto à comunidade em geral, que expressam a consciência e o cumprimento da importante missão de contribuir e promover o bem estar social das populações carentes deste país OBJETIVOS INSTITUCIONAIS O Regimento da FMC preceitua em seu Art. 2 ọ os seguintes objetivos: I - estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo; II - formar diplomados nas áreas de conhecimento em que ministra seus cursos, que estejam aptos para a inserção profissional e para a participação no desenvolvimento da sociedade, colaborando na sua formação contínua e orientando-os na prática de princípios científicos, éticos e humanitários; 20

A FMC conta com ampla infraestrutura. Destacamos aqui os espaços físicos que serão utilizados para o Curso de Psicologia.

A FMC conta com ampla infraestrutura. Destacamos aqui os espaços físicos que serão utilizados para o Curso de Psicologia. INFRAESTRUTURA A FMC conta com ampla infraestrutura. Destacamos aqui os espaços físicos que serão utilizados para o Curso de Psicologia. 1. Centro de Saúde Escola de Custodópolis (CSEC) O Centro de Saúde

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005

DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 DADOS DO INEP Instituto Nacional de estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação UDESC/ 2005 Número total de Programas 1 e seus respectivos projetos vinculados, público atendido

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

de junho de 2007, destinados a profissionais com graduação ou bacharelado.

de junho de 2007, destinados a profissionais com graduação ou bacharelado. PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU posgraduacao@poliseducacional.com.br O QUE É PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU? A pós graduação lato sensu são cursos promovidos pelas faculdades do grupo POLIS EDUCACIONAL com mais de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade normatizar o planejamento,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Ensino. Principais realizações

Ensino. Principais realizações Principais realizações Reestruturação dos Programas de ; Início do Projeto de Educação à Distância/EAD do INCA, por meio da parceria com a Escola Nacional de Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ; Três novos Programas

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS

DIRETORIA. Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS DIRETORIA Of. Dir. /2007 Recife, 09 de novembro de 2007 Ilma. Sra. Dra. Ana Estela Haddad DD Diretora do Departamento de Gestão da Educação em Saúde DEGES/SGETES/MS Senhora Diretora, Atendendo solicitação

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002 Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho mantenedora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Ao Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Departamento de Gestão da Educação na Saúde E-mail: deges@saude.gov.br - prosaude@saude.gov.br CARTA ACORDO Nº. 0600.103.002

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014

SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 SEMINÁRIO DA ABMES : Diretrizes Curriculares de Medicina : Uma Nova Agenda para os Cursos Brasília DF, 4 de agosto de 2014 DCNs 2001 Motivações e Contexto Resolução CNE/CES n.º 4, de 9 de novembro de 2001

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Balanço Social UNINORTE 2015

Balanço Social UNINORTE 2015 Balanço Social UNINORTE 2015 Diretora Acadêmica Vanessa Voglio Igami Diretora Administra va Ká a Cris na Do o Gasparini Diretora Comercial Indira Maria Kitamura Diretor Financeiro Fábio Ricardo Leite Secretária

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

REFERENCIA INSTITUCIONAL:

REFERENCIA INSTITUCIONAL: TITULO: Programa de Integração Docente Assistencial entre a Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP e a Secretaria Municipal de Saúde de Diadema - PIDA-DIADEMA EIXO: Extensão, Docência e Investigação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios

Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Curso de Medicina no GHC: A base para nossos desafios Objetivos do Programa a) Diminuir a carência de médicos em regiões prioritárias; b) Reduzir as desigualdades regionais na área da saúde;

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais