FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO : Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA Caciane Souza de Medeiros Doutoranda Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) A partir da premissa de que os embates discursivos em sua movência são parte constitutiva de sentidos na sociedade, localizamos nossa reflexão, para este simpósio, no bojo teórico constituído a partir da obra de Michel Pêcheux. Mais especificamente, refletimos sobre o conceito de formação ideológica, atentando para o rigor teórico que Pêcheux traz à baila ao considerar a ideologia como interpelação do indivíduo em sujeito, portanto, como conceito determinante na formação do discurso e do sujeito. Embaraçados à idéia de que a língua serve para comunicar e para não-comunicar (Pêcheux, 1990, p.21) e à premissa de que os embates discursivos em sua movência são parte constitutiva de sentidos na sociedade, traçamos, como parte de nosso trabalho de tese, o desafio de tratar a imagem como discurso nas capas de revista que se constituem como nosso objeto de estudo. Esta leitura da imagem como constituinte do discurso embasada em Michel Pêcheux nos orienta a compreender que a palavra fala da imagem, a descreve e traduz, mas não considera a sua matéria visual, tampouco esmiúça sua condição de efeito constituído historicamente. Neste ínterim, nos afastamos da convicção do senso comum de que uma imagem vale por mil palavras. Fundamentados em um dispositivo teórico discursivo, de acordo com Eni Orlandi, entendemos que a AD permite trabalhar não exclusivamente com o verbal (o lingüístico), pois restitui ao fato da linguagem sua complexidade e sua multiplicidade, isto é, aceita a existência de diferentes linguagens o que não ocorre com a Lingüística, que, além de reduzir fato (de

2 linguagem) à disciplina (que trata da linguagem), reduz também a significação ao lingüístico. O importante para a AD não é só as formas abstratas, mas as formas materiais de linguagem (Orlandi, 1995, p.34). Se, em suas formas heterogêneas, a linguagem é lugar de significação, um dos componentes teóricos cruciais para que a interpretação da imagem tenha sustentação na teoria discursiva de Pêcheux, é a noção de simbólico. Segundo o autor, não há sentido sem articulação do simbólico ao político, no sentido de que o simbólico não é uma etiqueta que representa um determinado objeto cuja ordenação, categorização, interpretação preexiste à significação e político no sentido de que é um embate por poder. Dessa forma, para a constituição do sentido há um investimento no material simbólico através do qual esse sentido que se manifesta e vai atestar a forma de relação do sujeito com a língua e a imagem, como sendo constitutiva do que se veicula nos meios de comunicação. Pontualmente, no corpus de mídia impressa informativa com o qual trabalhamos, a recorrência com que a escrita é articulada à imagem, especialmente a imagem fotográfica e digital, sinaliza para o que interpretamos como uma articulação construída, mobilizada pela força que o discurso pode ganhar ao se investir em diferentes materialidades. A imagem na forma como recortamos nosso objeto a capa - está inserida, na mídia, na forma dos produtos de informação produzidas e veiculadas nos meios de comunicação, e funciona como dispositivo, como marca enquanto operador da memória social. Esta memória está imersa e compõem um universo formador das chamadas evidências de sentidos. Neste ponto teórico temos o mote de nossa reflexão, o conceito que se materializa como complexo e vigoroso dispositivo de análise: o de formação ideológica. As formações ideológicas são um conjunto complexo de atitudes e de representações que não são nem individuais nem universais mas se relacionam mais ou menos diretamente a posições de classe em conflito umas com as outras. Pêcheux e Fuchs ([1975] 1997) explicam que, para o materialismo histórico região constituinte da fundação da teoria de Pêcheux, os AIE são lugares onde se dá a luta de classes e destacam que as posições políticas e ideológicas em confronto nesse embate organizam-se em formações denominadas formações ideológicas, as quais mantêm entre si relações de antagonismo, de aliança ou de dominação (p. 166). Através da noção de formação ideológica, a tese althusseriana de que a ideologia interpela os indivíduos em sujeitos também adquire mais minúcia, pois para Pêcheux e Fuchs ([1975] 1993), essa lei constitutiva da Ideologia nunca se realiza em geral, mas sempre através de um conjunto complexo determinado de formações ideológicas (p. 167) [grifos dos autores]. As formações ideológicas caracterizam-se por serem elementos capazes de intervir como uma força em confronto com outras na conjuntura ideológica de uma determinada formação social. Essas formações (FIs) são compostas pelas formações discursivas (FDs). As FDs definem-se como aquilo que, numa formação ideológica dada, [...] determina o que pode e deve ser dito (articulado sob

3 a forma de uma arenga, de um sermão, de um panfleto, de uma exposição, de um programa, etc.) (PÊCHEUX, [1975] 1995, p. 160 grifos do autor). Para Pêcheux, mais que analisar as formações ideológicas por sua relação de classes é preciso considerar seu caráter regionalizado, já que: É porque as formações ideológicas têm um caráter regional que elas se referem às mesmas coisas de modo diferente (Liberdade, Deus, a Justiça, etc.), e é porque as formações ideológicas têm um caráter de classe que elas se referem simultaneamente às mesmas coisas. (Pêcheux, 1990, p.259) PÊCHEUX (1995) vai tratar, portanto, esta noção de formação discursiva incluindo um aspecto determinante: o da ideologia; mais que isso o que temos funcionando no discurso é: conjunto complexo de atitudes e representações que não são nem individuais, nem universais, mas se relacionam mais ou menos diretamente a posições de classes em conflito umas com as outras. (PÊCHEUX; FUCHS, 1993, p. 166) O aspecto teórico em Pêcheux que nos toca diretamente é o que explicita que a ideologia está engajada ao excesso e não à falta. O excedente é uma marca discursiva da ação políticoideológica no discurso. Se a imagem, em sua materialidade e rede interdiscursiva, instaura sentidos, não os instaura de forma isolada, desconectada; ela, antes de ser analisada como peça única, fora do jogo da história, deve ser concebida de forma mais ampla. Na garimpagem das buscas por processos de significação, ela deve ser observada como pertencente a uma formação ideológica. O que não quer dizer que esta imagem possa ter tantas interpretações quantos leitores nela se debruçarem. As condições de produção dessas imagens, calcadas na história, limitam os laços que podem unir imagem e sentido, pois nada pode se dar fora dessa macroestrutura e de seus inumeráveis conflitos. Ao propormos um trabalho de análise da imagem, encontraremos um embate inconsciente que se configura num jogo enunciativo entre o que se revela na tessitura visual da imagem, e o que se recolhe numa luta silenciosa na busca de alcançar a superfície discursiva da imagem instância do esquecimento número dois articulado com as sequências parafrásticas de retomadas de elementos visuais, constitutivas do efeito de sentido esquecimento número um. É justo nesse jogo, entre os elementos que habitam a superfície da imagem e os que a permeiam, esquecidos, na densidade da história, que devem ser instauradas as interpretações. Queremos dizer que o sentido deve vir em seguida à análise. Este só deve ser teorizado e interpretado a partir da correlação entre os elementos visíveis na imagem e aqueles que estão espalhados, dissipados nos conflitos históricos, e que não se encontram explicitados na imagem, mas

4 que se deixam entrever como um inquietante retorno de elementos que possibilitam a existência de outros sentidos. A compreensão da produção e do modo de interpretação dos produtos de mídia, como é o caso de nosso objeto, refere que há um processo em diferentes temporalidades históricas que são marcas para além da sua materialidade. O quadro sócio-histórico e ideológico do discurso midiático só pode ser compreendido em seus mecanismos de funcionamento; este funcionamento é ideológico. A compreensão da produção e do modo de interpretação dos produtos de mídia, por exemplo, refere que há um processo em diferentes temporalidades históricas que são marcas para além da sua materialidade. Com uma sequência de imagens históricas em nossas mãos (as capas de algumas edições das revistas Veja, Época e Superinteressante), devemos atentar ao que Pêcheux apontou como uma espécie de dominância do sentido, em que o não-afirmado precede e domina o afirmado (Pêcheux, 1993, p. 178). Tudo o que se encontra na imagem, todos os elementos que a compõem devem valer também pelos que nela não se encontram, todas as outras possibilidades históricas que não puderam vir à luz do sol. Queremos dizer que a ideologia tanto pode se materializar em imagens no momento da produção das mesmas (quando da seleção e recorte do mundo que irá priorizar certos elementos, em detrimento de outros), quanto do momento da leitura dessas imagens por sujeitos-leitores, que por mecanismos inconscientes que não dominam pelo menos em sua totalidade instauram sentidos cristalizados por ideologias que, apesar de parecerem antigas e defasadas, se vinculam e determinam discursos que sustentam a máxima de que a imagem seria um tranquilo reflexo do real. Entendemos a nulidade desta possibilidade, já que as relações do sujeito com seu entorno são bem mais complexas do que aparentam, e quando fazemos leituras de imagens de tempos em tempos, sejam eles quais forem, calamos, mentimos e desdizemos sentidos. BIBLIOGRAFIA ORLANDI, Eni. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 4 ed. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 2 ed. Campinas: Ed. da Unicamp, O Discurso. Estrutura ou Acontecimento. 3 ed. Campinas: Ed. Pontes, Análise Automática do Discurso. In: F. Gadet e T. Hak (orgs). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Unicamp, p. p Ler o arquivo hoje. In: Gestos de Leitura. Da História no Discurso. Eni Orlandi (org.) Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 1994.

5 . Delimitações inversões, deslocamentos. In: Cadernos de Estudos lingüísticos, 19. Campinas, IEL, Unicamp, 1990.

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 LINGUÍSTICA

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA Themis Rondão Barbosa 1 IFMS Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um texto publicitário da SKY publicado na revista Veja (n.

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Elisandra Aparecida Palaro 1 Neste trabalho analisamos o funcionamento discursivo de documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS Geralda Maria de Carvalho Zaidan Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP Introdução Este trabalho pretende constituir-se numa síntese da

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO Joelma Aparecida Bressanin 1 Este trabalho é resultado de uma reflexão sobre o funcionamento dos programas de formação continuada de professores que desenvolvemos

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 LEITURA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS ANA RACHEL CARVALHO LEÃO Faculdade de Letras/Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antônio Carlos, 6627 312070-901 Belo Horizonte

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS

DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS Debbie Mello Noble 1 A discussão sobre autoria na publicidade é extremamente ampla e complexa. Quando nos deparamos

Leia mais

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES Cristiane Renata da Silva Cavalcanti 1 Silmara Dela Silva 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atravessada pela historicidade constitutiva do

Leia mais

Os Recursos do Futuro: Um outro discurso

Os Recursos do Futuro: Um outro discurso 1 Os Recursos do Futuro: Um outro discurso Eni Puccinelli Orlandi Laboratório de Estudos Urbanos (Labeurb)/NUDECRI Introdução Gostaria de iniciar fazendo um jogo com as palavras. Invertendo as que constituem

Leia mais

SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR

SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR Izabel Seehaber 1 Carme Regina Schons 2 Partindo do pressuposto de que, há algum tempo, várias Igrejas de denominações religiosas identificaram, em suportes

Leia mais

A imagem do sujeito aprendiz de língua estrangeira representada nos folders de propaganda de cursos de idiomas

A imagem do sujeito aprendiz de língua estrangeira representada nos folders de propaganda de cursos de idiomas A imagem do sujeito aprendiz de língua estrangeira representada nos folders de propaganda de cursos de idiomas 1 Introdução O presente trabalho consiste em compreender a noção de sujeito que emerge em

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Élida Cristina de Carvalho Castilho 1 INTRODUÇÃO Indubitavelmente, questões sociais e econômicas sempre

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA: REVISITAÇÃO EPISTEMOLÓGICA E QUESTÕES CENTRAIS

ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA: REVISITAÇÃO EPISTEMOLÓGICA E QUESTÕES CENTRAIS ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA: REVISITAÇÃO EPISTEMOLÓGICA E QUESTÕES CENTRAIS Daiana Oliveira Faria 1 Lucília Maria Sousa Romão 2 Neste ensaio, propomos uma abordagem crítica de três textos cruciais para

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA PÚBLICA: (RE) PRODUÇÃO DE SENTIDOS NA VOZ DE SUJEITOS-GESTORES E SUJEITOS EDUCADORES.

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA PÚBLICA: (RE) PRODUÇÃO DE SENTIDOS NA VOZ DE SUJEITOS-GESTORES E SUJEITOS EDUCADORES. A GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA PÚBLICA: (RE) PRODUÇÃO DE SENTIDOS NA VOZ DE SUJEITOS-GESTORES E SUJEITOS EDUCADORES. Introdução Emerson Rodrigo Camargo 1 Durante as décadas de 70, 80 e 90 do século XX

Leia mais

(Re)formulação e diferença: um processo parafrástico discursivo

(Re)formulação e diferença: um processo parafrástico discursivo (Re)formulação e diferença: um processo parafrástico discursivo Greciely Cristina da Costa * Resumo: A noção de paráfrase é abordada sob distintas perspectivas lingüísticas. Neste trabalho aponto três

Leia mais

CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA

CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA Mariele Zawierucka Bressan 1 INICIAR É PRECISO... DO CORPO E DA CULTURA: ALGUMAS PONDERAÇÕES Tomamos, em nosso trabalho,

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN)

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) 25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) Introdução Nesta pesquisa, desenvolve-se um trabalho pautado nos

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA AUTISMO: MARCAS DE HETEROGEIENIDADE DE UM DISCURO. Linha de Pesquisa: Linguagem e Discurso

PROJETO DE PESQUISA AUTISMO: MARCAS DE HETEROGEIENIDADE DE UM DISCURO. Linha de Pesquisa: Linguagem e Discurso PROJETO DE PESQUISA AUTISMO: MARCAS DE HETEROGEIENIDADE DE UM DISCURO Linha de Pesquisa: Linguagem e Discurso Candidata: Cynara Maria Andrade Telles Orientador: Prof. Dr. Roberto Leiser Baronas 2 AUTISMO:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGENS E REPRESENTAÇÕES

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGENS E REPRESENTAÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGENS E REPRESENTAÇÕES MODOS DE SIGNIFICAÇÃO DO SUJEITO ILHEENSE: MEMÓRIAS DA CIDADE E O DISCURSO URBANO Maurício

Leia mais

DISCURSO MÉDICO E O PSICOLÓGICO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA DECISÃO JUDICIAL

DISCURSO MÉDICO E O PSICOLÓGICO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA DECISÃO JUDICIAL DISCURSO MÉDICO E O PSICOLÓGICO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA DECISÃO JUDICIAL Cibeli Simoes Santos 1 O embate entre o Discurso Jurídico e o Discurso Médico-psiquiátrico foi colocado mais uma vez em questão

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS RESENHA A CORAGEM DA TEORIA ORLANDI, E. P. Ciência da Linguagem e Política: anotações ao pé das letras. Campinas: Pontes, 2014, 128 pp. Pensar sozinho isto é sábio. Nietzsche para ler ao som de Panis et

Leia mais

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO *

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * 1 SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * Denise Franciane Manfré Cordeiro Garcia (UNESP/São José do Rio Preto) Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José

Leia mais

ESTUDO DE CASO DE UM SUJEITO AFÁSICO A PARTIR DA TEORIA DE ANÁLISE DO DISCURSO DE LINHA FRANCESA

ESTUDO DE CASO DE UM SUJEITO AFÁSICO A PARTIR DA TEORIA DE ANÁLISE DO DISCURSO DE LINHA FRANCESA ESTUDO DE CASO DE UM SUJEITO AFÁSICO A PARTIR DA TEORIA DE ANÁLISE DO DISCURSO DE LINHA FRANCESA Érika Maria Asevedo Costa 1 Nadia Gonçalves de Azevedo 2 À luz das concepções linguístico-discursivas, este

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

O TRADUTOR E SUA PROFISSÃO: EMBATES IDEOLÓGICO-DISCURSIVOS EM EDITAIS PÚBLICOS

O TRADUTOR E SUA PROFISSÃO: EMBATES IDEOLÓGICO-DISCURSIVOS EM EDITAIS PÚBLICOS O TRADUTOR E SUA PROFISSÃO: EMBATES IDEOLÓGICO-DISCURSIVOS EM EDITAIS PÚBLICOS Giovana Cordeiro Campos de MELLO (UFRJ) Introdução Este trabalho faz parte de uma pesquisa iniciada em 2012 e desenvolvida

Leia mais

O PODER SIMBÓLICO DO LIXO: A (RE)-EMERGÊNCIA DO SUJEITO EXCLUÍDO PELO URBANO

O PODER SIMBÓLICO DO LIXO: A (RE)-EMERGÊNCIA DO SUJEITO EXCLUÍDO PELO URBANO O PODER SIMBÓLICO DO LIXO: A (RE)-EMERGÊNCIA DO SUJEITO EXCLUÍDO PELO URBANO Rubiamara Pasinatto 1 Carme Regina Schons 2 SAINDO À RUA Um mesmo corpus pode ser contemplado por diferentes perspectivas teóricas,

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO

A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO A INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE IMAGENS: UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO Carolina Fernandes 1 Neste trabalho, apresento algumas considerações sobre a (re)construção teóricometodológica do dispositivo de análise

Leia mais

A organização e circulação de dizeres e arquivos no Twitter: uma analise discursiva sobre o caso do Egito*

A organização e circulação de dizeres e arquivos no Twitter: uma analise discursiva sobre o caso do Egito* 1 A organização e circulação de dizeres e arquivos no Twitter: uma analise discursiva sobre o caso do Egito* MOREIRA, Vivian Lemes- FFCLRP/USP RESUMO: Os efeitos de rede criados por uma arquitetura de

Leia mais

UM ESPAÇO POLÊMICO DE LEITURAS PELO YOUTUBE NA CONTEMPORANEIDADE

UM ESPAÇO POLÊMICO DE LEITURAS PELO YOUTUBE NA CONTEMPORANEIDADE UM ESPAÇO POLÊMICO DE LEITURAS PELO YOUTUBE NA CONTEMPORANEIDADE Juciele Pereira Dias 1 27 de janeiro de 2013: Acordo e atendo o celular... Ligo a televisão... Ligo o computador... Entro no Facebook...

Leia mais

ABAIXO O ACUMULO! PALAVRAS-CHAVE: efeitos de sentido, discurso publicitário, slogans, evidências naturais.

ABAIXO O ACUMULO! PALAVRAS-CHAVE: efeitos de sentido, discurso publicitário, slogans, evidências naturais. ABAIXO O ACUMULO! CARMO, Alex Sandro de Araujo (PG UNIOESTE) RESUMO: Para compreender os efeitos de sentido contidos nos discursos é preciso considerar, dentre alguns fatos, as junções do texto e do contexto,

Leia mais

O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1

O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1 O estranho espelho da análise do discurso: um diálogo 1 Gesualda dos Santos RASIA Universidade federal do Rio Grande do Sul Universidade regional do Noroeste do estado do Rio Grande do Sul O diálogo que

Leia mais

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS PAUTA DO ENCONTRO Início : 13hs30 1. Parte teórica 20 2. Oficina elaboração de mapas conceituais e infográficos ( processo) 40 3. Socialização dos resultados ( produto) 40 4. Avaliação geral da proposta

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DA LEI 11.274/06 NUMA ABORDAGEM DISCURSIVA, UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DA LEI 11.274/06 NUMA ABORDAGEM DISCURSIVA, UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DA LEI 11.274/06 NUMA ABORDAGEM DISCURSIVA, UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO Maria Sirlene Pereira Schlickmann 1 RESUMO: Esta comunicação tem por objetivo

Leia mais

LIBERDADE E SUJEITO NA INFÂNCIA CONTEMPORÂNEA

LIBERDADE E SUJEITO NA INFÂNCIA CONTEMPORÂNEA LIBERDADE E SUJEITO NA INFÂNCIA CONTEMPORÂNEA Carla Letuza Moreira e Silva 1 Este texto é um recorte do estudo de doutorado em Letras/Linguística, em andamento pelo PPGLL da UFAL, orientado pela professora

Leia mais

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi

TEXTO E DISCURSO. Eni Puccinelli Orlandi TEXTO E DISCURSO Eni Puccinelli Orlandi RESUMO: Texte est un objet linguistique-historique qui établit des rapports avec soi même et l exteriorité. C est à dire: le texte est à la fois un objet empirique,

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE SUJEITOS AFÁSICOS EM GRUPO DE CONVIVÊNCIA

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE SUJEITOS AFÁSICOS EM GRUPO DE CONVIVÊNCIA UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE SUJEITOS AFÁSICOS EM GRUPO DE CONVIVÊNCIA Érika Maria Asevedo Costa 1 Nadia Pereira G. de Azevedo 2 INTRODUÇÃO A Análise do Discurso de linha francesa (AD) é uma teoria, que trabalha

Leia mais

LEITURA DE ANÚNCIOS TELEVISIVOS: PERSPECTIVAS PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NUMA ABORDAGEM DISCURSIVA

LEITURA DE ANÚNCIOS TELEVISIVOS: PERSPECTIVAS PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NUMA ABORDAGEM DISCURSIVA LEITURA DE ANÚNCIOS TELEVISIVOS: PERSPECTIVAS PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NUMA ABORDAGEM DISCURSIVA ELIANA GATO MARTINS 1 Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL Av. José Acácio Moreira, 787-88.704-900

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES Jamires Nobre Menezes de Oliveira ( UNEB). RESUMO Este trabalho apresenta os elementos constituintes do discurso estabelecidos entre

Leia mais

PRÁTICAS POLÍTICO DISCURSIVAS NA GUERRA CIVIL ESPANHOLA: A POSIÇÃO SUJEITO NAS ENUNCIAÇÕES CARTELISTAS

PRÁTICAS POLÍTICO DISCURSIVAS NA GUERRA CIVIL ESPANHOLA: A POSIÇÃO SUJEITO NAS ENUNCIAÇÕES CARTELISTAS PRÁTICAS POLÍTICO DISCURSIVAS NA GUERRA CIVIL ESPANHOLA: A POSIÇÃO SUJEITO NAS ENUNCIAÇÕES CARTELISTAS INTRODUÇÃO Neuzer Helena Munhoz Bavaresco 1 Susan Mary dos Reis 2 A presente pesquisa propõe-se a

Leia mais

SENTIDOS SOBRE A LEITURA NA REDE SOCIAL SKOOB *

SENTIDOS SOBRE A LEITURA NA REDE SOCIAL SKOOB * 1 SENTIDOS SOBRE A LEITURA NA REDE SOCIAL SKOOB * Hayanne Zahra (UNESP/São José do Rio Preto) Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José do Rio Preto) RESUMO: Com a potencialização das novas tecnologias

Leia mais

A instituição midiática Veja e a produção de sentidos referentes aos sujeitos. candidatos à Presidência da República.

A instituição midiática Veja e a produção de sentidos referentes aos sujeitos. candidatos à Presidência da República. Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):30 37, 2010 ISSN 1984 0705 A instituição midiática Veja e a produção de sentidos referentes aos sujeitos candidatos à

Leia mais

O Jornalismo como espaço de legitimação de sentidos: uma análise do discurso da Aracruz Celulose na revista Superinteressante

O Jornalismo como espaço de legitimação de sentidos: uma análise do discurso da Aracruz Celulose na revista Superinteressante O Jornalismo como espaço de legitimação de sentidos: uma análise do discurso da Aracruz Celulose na revista Superinteressante Reges SCHWAAB Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Jornalista.

Leia mais

Documentos oficiais: o político para o ensino da língua portuguesa no Brasil 1 Prof. Dr. Wilton James Bernardo-Santos DLE/UFS Resumo

Documentos oficiais: o político para o ensino da língua portuguesa no Brasil 1 Prof. Dr. Wilton James Bernardo-Santos DLE/UFS Resumo Documentos oficiais: o político para o ensino da língua portuguesa no Brasil 1 Prof. Dr. Wilton James Bernardo-Santos DLE/UFS Resumo O artigo traz a síntese de uma reflexão sobre o impacto da legislação

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA NA NARRATIVA DO CONTO DE FADAS A BELA E A FERA

A MEMÓRIA DISCURSIVA NA NARRATIVA DO CONTO DE FADAS A BELA E A FERA A MEMÓRIA DISCURSIVA NA NARRATIVA DO CONTO DE FADAS A BELA E A FERA Myrian Conceição Crusoé Rocha Sales 1 Resumo Este artigo tem por finalidade evidenciar aspectos da memória discursiva da Análise do Discurso

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA ENTRE MUROS

ENSINO DE LÍNGUA ENTRE MUROS ENSINO DE LÍNGUA ENTRE MUROS Andréa Rodrigues (UERJ) andrearodrigues.letras@hotmail.com 1. Introdução Este trabalho aborda o modo como o ensino de língua materna é apresentado em algumas cenas do filme

Leia mais

MEMÓRIA DISCURSIVA E IDENTIFICAÇÃO EM NARRATIVAS DE DESCENDENTES DE IMIGRANTES ITALIANOS

MEMÓRIA DISCURSIVA E IDENTIFICAÇÃO EM NARRATIVAS DE DESCENDENTES DE IMIGRANTES ITALIANOS MEMÓRIA DISCURSIVA E IDENTIFICAÇÃO EM NARRATIVAS DE DESCENDENTES DE IMIGRANTES ITALIANOS Flávia Rosane Camillo Tibolla 1 Angela Derlise Stübe 2 Esta pesquisa pretende analisar traços de memória discursiva

Leia mais

Michel Pêcheux e a Análise de Discurso

Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Estudos da Língua(gem) Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Michel Pêcheux e a Análise de Discurso Michel Pêcheux et l Analyse de Discours Eni P. ORLANDI * UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS (Unicamp)

Leia mais

A relação entre os sujeitos discursivos e o interdiscurso: Um estudo inicial acerca da referencialidade discursiva

A relação entre os sujeitos discursivos e o interdiscurso: Um estudo inicial acerca da referencialidade discursiva A relação entre os sujeitos discursivos e o interdiscurso: Um estudo inicial acerca da referencialidade discursiva Paulo Robson Silva da Silva 1 RESUMO: Dentre os constituintes do discurso percebe-se a

Leia mais

TECEDURA E TESSITURA DO DISCURSO ARTISTICO DA/NA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL: MATERIALIDADES FRONTEIRIÇAS 1

TECEDURA E TESSITURA DO DISCURSO ARTISTICO DA/NA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL: MATERIALIDADES FRONTEIRIÇAS 1 TECEDURA E TESSITURA DO DISCURSO ARTISTICO DA/NA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL: MATERIALIDADES FRONTEIRIÇAS 1 NECKEL, Nádia Régia Maffi 2 Universidade do Contestado UnC Campus Canoinhas regiamaffi@hotmail.com Este

Leia mais

MEMÓRIA E IDENTIDADE SOCIAL EM IMAGENS DA CULINÁRIA NORDESTINA. Construções Identitárias em diversos gêneros da mídia nordestina'', desenvolvido no

MEMÓRIA E IDENTIDADE SOCIAL EM IMAGENS DA CULINÁRIA NORDESTINA. Construções Identitárias em diversos gêneros da mídia nordestina'', desenvolvido no MEMÓRIA E IDENTIDADE SOCIAL EM IMAGENS DA CULINÁRIA NORDESTINA Regina BARACUHY mrbaracuhy@uol.com.br Universidade Federal da Paraíba / PROLING Este trabalho faz parte de um projeto intitulado: "História,

Leia mais

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA Rubens Prawucki (Centro Universitário - Católica de SC) 1- Iniciando as reflexões: O objetivo

Leia mais

UMA LEITURA DO DISCURSO ECOLÓGICO PROPAGADO COMO MARKETING NOS ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS

UMA LEITURA DO DISCURSO ECOLÓGICO PROPAGADO COMO MARKETING NOS ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS UMA LEITURA DO DISCURSO ECOLÓGICO PROPAGADO COMO MARKETING NOS ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS Considerações Iniciais Kiára de Sousa Batista (UEPB) kiaradeamparo@hotmail.com Luciana Fernandes Nery (UEPB) lucianafernandesnery@yahoo.com.br

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

AS IMAGENS MIDIÁTICAS EM SALA DE AULA: POR UM DESENVOLVIMENTO CRÍTICO DA LEITURA.

AS IMAGENS MIDIÁTICAS EM SALA DE AULA: POR UM DESENVOLVIMENTO CRÍTICO DA LEITURA. AS IMAGENS MIDIÁTICAS EM SALA DE AULA: POR UM DESENVOLVIMENTO CRÍTICO DA LEITURA. Considerações prévias Erika Fernandes de Souza, UEPB José Augusto Soares Lima, UEPB Vender...comprar...vedar os olhos jogar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 ÀS

Leia mais

O FENÔMENO HIPERCORREÇÃO, NOS DIZERES MONITORADOS, EM ESPAÇO PÚBLICO DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS/GO

O FENÔMENO HIPERCORREÇÃO, NOS DIZERES MONITORADOS, EM ESPAÇO PÚBLICO DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS/GO O FENÔMENO HIPERCORREÇÃO, NOS DIZERES MONITORADOS, EM ESPAÇO PÚBLICO DE SÃO LUÍS DE MONTES BELOS/GO Daniela Borba Ribeiro 1; Maryah de Oliveira Luiz Pereira 2 ; Berenice Teodoro de Rezende Souza 3 Elizete

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 O DISCURSO

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS

AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS AS CONTRIBUIÇÕES DO SUJEITO PESQUISADOR NAS AULAS DE LEITURA: CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS ATRAVÉS DAS IMAGENS INTRODUÇÃO Ângela Mª Leite Aires (UEPB) (angelamaryleite@gmail.com) Luciana Fernandes Nery (UEPB)

Leia mais

O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR

O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR O DIZER SOBRE A INTERATIVIDADE NO DISCURSO ACERCA DA TELEVISÃO DIGITAL NO BRASIL: DA AUTONOMIA AO APAGAMENTO DO SUJEITO TELESPECTADOR Silmara Cristina Dela Silva 1 Este trabalho é parte de uma pesquisa

Leia mais

SUJEITO E SENTIDO: EFEITOS DE LINGUAGEM. Bethania S. C. Mariani Universidade Federal Fluminense

SUJEITO E SENTIDO: EFEITOS DE LINGUAGEM. Bethania S. C. Mariani Universidade Federal Fluminense SUJEITO E SENTIDO: EFEITOS DE LINGUAGEM Bethania S. C. Mariani Universidade Federal Fluminense Resumo O objetivo deste texto é investigar os processos de interpelação-identificação que, na ótica da Análise

Leia mais

TRABALHO COLABORATIVO COM PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: COMPREENDENDO O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

TRABALHO COLABORATIVO COM PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: COMPREENDENDO O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO TRABALHO COLABORATIVO COM PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA: COMPREENDENDO O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Modalidade: Relato de experiência Manoela de Souza Silva Piccirilli- Psicóloga, graduada na Universidade

Leia mais

DROGAS E PREVENÇÃO: DISCUSSÕES SOBRE SUAS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS EM CONTEXTO ESCOLAR

DROGAS E PREVENÇÃO: DISCUSSÕES SOBRE SUAS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS EM CONTEXTO ESCOLAR DROGAS E PREVENÇÃO: DISCUSSÕES SOBRE SUAS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS EM CONTEXTO ESCOLAR Resumo Dieny Graciely Souto de Souza Melo (UEMS) dienygssm@hotmail.com Aline Saddi Chaves (UEMS) alinechaves@uems.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS. (certificado pelo CNPq e pela UEMS)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS. (certificado pelo CNPq e pela UEMS) UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MATO GROSSO DO SUL UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE NOVA ANDRADINA CURSO DE LETRAS (certificado pelo CNPq e pela UEMS) ATIVIDADES 2009 - Projeto de Evento Segundo Semestre II Encontro

Leia mais

Diálogos entre Análise do Discurso e Publicidade: Objetos Midiáticos Femininos 1. Marcelo Marques ARAÚJO 2 Universidade Federal de Uberlândia

Diálogos entre Análise do Discurso e Publicidade: Objetos Midiáticos Femininos 1. Marcelo Marques ARAÚJO 2 Universidade Federal de Uberlândia Diálogos entre Análise do Discurso e Publicidade: Objetos Midiáticos Femininos 1 Marcelo Marques ARAÚJO 2 Universidade Federal de Uberlândia Resumo A análise do discurso comunicacional proposta neste trabalho

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

LÍNGUA INGLESA NO DISCURSO EMPRESARIAL EFEITOS DE SENTIDO. A língua é um objeto especial para a Análise do Discurso, pois constitui a condição de

LÍNGUA INGLESA NO DISCURSO EMPRESARIAL EFEITOS DE SENTIDO. A língua é um objeto especial para a Análise do Discurso, pois constitui a condição de LÍNGUA INGLESA NO DISCURSO EMPRESARIAL EFEITOS DE SENTIDO Déborah Maria Labandeira Universidade de Passo Fundo (UPF ) ( Pós-Graduanda Mestrado ) Língua, Hiperlíngua e Arquivo Coordenadoras: Marisa Grigoletto

Leia mais

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO

QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO QUEM LÊ ALFA É O CARA: AS RELAÇÕES ARGUMENTATIVAS ESTABELECIDAS ENTRE ENUNCIADOR E ENUNCIATÁRIO Ana Karla Pereira de MIRANDA Universidade Federal do Mato Grosso do Sul PPGMEL ak_miranda@hotmail.com Resumo:

Leia mais

UMA CÂMARA EM AÇÃO. Teresinha Oliveira FAVERO Universidade Federal do Rio Grande do Sul

UMA CÂMARA EM AÇÃO. Teresinha Oliveira FAVERO Universidade Federal do Rio Grande do Sul UMA CÂMARA EM AÇÃO Teresinha Oliveira FAVERO Universidade Federal do Rio Grande do Sul Todos nós aqui presentes, em busca de discussões sobre a linguagem, não poderíamos escolher melhor companhia, nesta

Leia mais

PRODUÇÃO DE ANTOLOGIAS DE ENSAIOS CRÍTICOS SOBRE O BRASIL: ENTRE UMA IMAGEM DE GUIA SEGURO E A PRODUÇÃO DE UM EFEITO LEITOR.

PRODUÇÃO DE ANTOLOGIAS DE ENSAIOS CRÍTICOS SOBRE O BRASIL: ENTRE UMA IMAGEM DE GUIA SEGURO E A PRODUÇÃO DE UM EFEITO LEITOR. PRODUÇÃO DE ANTOLOGIAS DE ENSAIOS CRÍTICOS SOBRE O BRASIL: ENTRE UMA IMAGEM DE GUIA SEGURO E A PRODUÇÃO DE UM EFEITO LEITOR. LUCIANA CRISTINA FERREIRA DIAS (UNICENTRO (UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE-PARANÁ)).

Leia mais

AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1. Palavras-chave: formação de professoras; Aula Simulada; saberes docentes.

AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1. Palavras-chave: formação de professoras; Aula Simulada; saberes docentes. AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1 Andressa Cristina Coutinho BARBOZA Universidade Federal de Ouro Preto drecrist@ichs.ufop.br Resumo: O trabalho tem a proposta de

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO EM LETRA DE ROCK 1 Larissa Nogueira de Oliveira 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS

A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS Resumo Pauliana Duarte Oliveira IFG 1 Grupo de trabalho: Cultura,

Leia mais

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE SILVA,HENRIQUE CÉSAR DA 1 Universidade Católica de Brasília Palavras chave: Imagens; Realismo crítico; Iconicidade. INTRODUÇÃO Imagens

Leia mais

DISCURSO JORNALISTICO EM MATO GROSSO E CONSTITUIÇÃO IMAGINÁRIA DO ÍNDIO

DISCURSO JORNALISTICO EM MATO GROSSO E CONSTITUIÇÃO IMAGINÁRIA DO ÍNDIO DISCURSO JORNALISTICO EM MATO GROSSO E CONSTITUIÇÃO IMAGINÁRIA DO ÍNDIO 2575 Lucimar Luisa Ferreira DINTER /UNICAMP/CAPES/UNEMAT O Estado de Mato Grosso abriga uma enorme diversidade indígena. São mais

Leia mais

A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS

A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS A INTERPRETAÇÃO DE PROVÉRBIOS NO ESTUDO DAS AFASIAS: RESULTADOS DA APLICAÇÃO DO PROTOCOLO DE PROVÉRBIOS PARODIADOS Palavras-chave: Afasia, Provérbios, Cognição Esta pesquisa teve como objetivo analisar

Leia mais

Subjetividade, afetividade, mídia 1

Subjetividade, afetividade, mídia 1 Subjetividade, afetividade, mídia 1 Edneuza Alves Universidade Católica de Brasília Nesta comunicação, analiso e discuto o relacionamento afetivo do homem moderno através da mídia, tomando como recorte

Leia mais

O BANCO DO BRASIL É O BRASIL?:O EFEITO METAFÓRICO NA PROPAGANDA BANCÁRIA DOS ANOS 1970

O BANCO DO BRASIL É O BRASIL?:O EFEITO METAFÓRICO NA PROPAGANDA BANCÁRIA DOS ANOS 1970 O BANCO DO BRASIL É O BRASIL?:O EFEITO METAFÓRICO NA PROPAGANDA BANCÁRIA DOS ANOS 1970 Luciana Fracasse 1 O presente trabalho é fruto das análises realizadas em nossa tese de doutoramento em Estudos da

Leia mais

aumenta sua participação social. Contudo, defini-la não se configura como uma

aumenta sua participação social. Contudo, defini-la não se configura como uma A LEITURA NUMA PERSPECTIVA DISCURSIVA: REFLEXÕES SOBRE O TRABALHO COM LEITURA E A CONSITUTUIÇÃO DO SUJEITO IMAGINÁRIO NO LIVRO DIDÁTICO DE LÍNGUA PORTUGUESA Flágila Marinho da Silva LIMA 1 Palmira HEINE

Leia mais

UM BREVE ESTUDO: ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA NO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA. PALAVRAS-CHAVE: Análise do Discurso, Propaganda, Ideologia, Sentido.

UM BREVE ESTUDO: ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA NO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA. PALAVRAS-CHAVE: Análise do Discurso, Propaganda, Ideologia, Sentido. UM BREVE ESTUDO: ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA NO GÊNERO TEXTUAL PROPAGANDA SOUZA, Rodolfo Agostini (PG, UDC CASCAVEL) FACHIN, Paulo Cesar (CO-AUTOR, UDC CASCAVEL) RESUMO: Este artigo visa objetivar a análise

Leia mais

DISCURSOS NA REDE POLÍTICAS QUE CIRCULAM NO ESPAÇO DIGITAL

DISCURSOS NA REDE POLÍTICAS QUE CIRCULAM NO ESPAÇO DIGITAL DISCURSOS NA REDE POLÍTICAS QUE CIRCULAM NO ESPAÇO DIGITAL Ana ABREU, (UFSCar) anaabreu@ufscar.br O Grupo de Pesquisa Discursos na Rede é constituído por orientandos do Programa de Pós- Graduação em Linguística

Leia mais

O DISCURSO DO DICIONÁRIO CONTEMPORÂNEO DA LÍNGUA PORTUGUESA, DE CALDAS AULETE:

O DISCURSO DO DICIONÁRIO CONTEMPORÂNEO DA LÍNGUA PORTUGUESA, DE CALDAS AULETE: GIACOMINI, Giovana Iliada. O discurso do Dicionário contemporâneo da língua portuguesa, de Caldas Aulete: de 1881 até a atualidade. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Os sentidos do aprender na alfabetização de jovens e adultos

Os sentidos do aprender na alfabetização de jovens e adultos Os sentidos do aprender na alfabetização de jovens e adultos Rosemary Pereira Pedroso 1 Entre o Homem e a Instituição, numa relação em que o poder e a ideologia são as constantes, os sentidos balançam

Leia mais

INTERPRETAÇÃO NA EJA: RELAÇÃO DO SUJEITO LEITOR COM O TEXTO

INTERPRETAÇÃO NA EJA: RELAÇÃO DO SUJEITO LEITOR COM O TEXTO INTERPRETAÇÃO NA EJA: RELAÇÃO DO SUJEITO LEITOR COM O TEXTO Soeli Aparecida Rossi de Arruda 1 soeliarossi@hotmail.com soeli.rossi@gmail.com 2 I - Introdução A análise de discurso não pretende se instituir

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais