GUIA DO ESTUDANTE Associação Académica da UMa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DO ESTUDANTE Associação Académica da UMa"

Transcrição

1 GUIA DO ESTUDANTE Associação Académica da UMa

2

3 02 l 03 guia do estudante 08/09 Índice Nota Introdutória A UMa Os novos Estatutos Órgãos de Governo Unidades Orgânicas Regime de Prescrições Regulamento de Avaliação de Aprendizagem do Aluno Os Estudantes Representação dos Estudantes Conselho Geral Senado Comissão Disciplinar do Senado Conselho Pedagógico dos Colégios da Sociedade de Conhecimento Assembleia do Centro de Competências Conselho Pedagógico do Centro de Competências O Provedor do Estudante Serviços da UMa Sector Académico Sector de Planeamento e Relações Públicas Saídas Profissionais Serviços de Acção Social Bolsas Alojamento Procuradoria Informações Académicas Emolumentos Legislação Sistema Infoalunos Correio Electrónico Instalações Biblioteca Salas de estudo Refeições diárias Reprografias Serviços Informáticos e de Impressão Zona de fumadores Associativismo Estudantil AAUMa Nota Histórica Órgãos Sociais Serviços da AAUMa Outras Associações na UMa Glossário

4

5 04 l 05 guia do estudante 08/09 1. Nota Introdutória Caro(a) Colega, A UMa, uma das mais jovens Academias, é expressão de um árduo caminho de afirmação. A qualidade, o rigor e o alcance da formação oferecida deve ser visto como resultado da dedicação e esforço de toda a Comunidade Académica. Esperamos que a tua passagem pela UMa tenha as marcas do trabalho sério e árduo. Agora é a tua vez de honrar a tradição desta casa aceitando o compromisso recíproco entre a UMa e os seus estudantes: cada um obrigar-se a dar o melhor do que é capaz. Na tua Associação Académica encontrarás um lugar onde tens voz e onde, também, tu poderás fazer parte deste projecto. Saudações Académicas, Luís Eduardo Nicolau.

6

7 06 l 07 guia do estudante 08/09 2. A UMa Numa época em que o conhecimento se tornou a base principal do desenvolvimento económico e social, as Universidades, por tradição locais de produção, acumulação e disseminação do conhecimento, são agora chamadas a desempenhar, de uma forma mais directa, um papel activo no desenvolvimento social e económico. As Universidades podem, agora, optar por uma maior autonomia, definindo estratégias para a sua diferenciação, para a criação de mecanismos conducentes a um aumento das suas fontes de financiamento, para a internacionalização e para a criação de parcerias duradouras com a indústria e a sociedade em geral. A Lei n.º 62/2007, de 10 de Setembro, genericamente conhecida como Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, veio impor mudanças profundas na organização e governação das instituições de Ensino Superior. A UMa adoptou um modelo de organização matricial baseado na interacção entre unidades orgânicas, estruturas verticais denominadas Centros de Competência, e estruturas horizontais de ensino, inovação e prestação de serviços Os novos Estatutos Os Estatutos de uma Universidade são o conjunto de regras e normas que definem a estrutura, missão e o modelo de organização dessa instituição. Perguntas & Respostas - Novos Estatutos Porque razão se procedeu à revisão dos Estatutos da Universidade da Madeira? Porque, segundo o Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, as Universidades e demais instituições de ensino superior, tinham que proceder à revisão dos seus estatutos no prazo de 8 meses, a partir da data de entrada desta nova lei, 23 de Setembro de 2007, adaptando a sua estrutura e modelo ao novo regime jurídico. Quem elaborou os novos Estatutos da UMa? A UMa elegeu, em Novembro de 2007, 12 professores e 3 estudantes para a Assembleia Estatutária da UMa. Estes 15 elementos cooptaram 5 entidades externas para integrarem esta Assembleia. Os 20 elementos e o reitor integraram esta Assembleia que elaborou os novos Estatutos.

8 a universidade da madeira Qual o modelo de organização que será adoptado pela UMa? É um modelo de organização matricial baseado na interacção entre unidades orgânicas, estruturas verticais (Centros de Competência) e estruturas horizontais de ensino, inovação e prestação de serviços, como se mostra na figura seguinte: institutos projectos Colégio Univesitário da Sociedade de Conhecimento Colégio Politécnico da Sociedade de Conhecimento Centros de Competência 1. Artes e Humanidades 2. Ciências Exactas e da Engenharia 3. Ciências Sociais 4. Ciências da Vida 5. Tecnologias da Saúde Como será a eleição para os representantes dos estudantes nos vários órgãos da UMa? Com excepção dos representantes dos estudantes no Conselho Geral, que é regulado pela legislação, as eleições para o Senado são organizadas pela Associação Académica. As eleições para os representantes dos estudantes nos Conselhos Pedagógicos, dos Colégios e Centros de Competências, são organizadas pela Académica em colaboração com os Centros e os Colégios. Estes processos eleitorais são presididos pelo Provedor do Estudante.

9 08 l 09 guia do estudante 08/ Órgãos de Governo O governo da Universidade da Madeira passa a ser exercido, de acordo com os novos estatutos, pelo Conselho Geral, pelo Reitor e pelo Conselho de Gestão. Com vista a assegurar a coesão interna e a participação de todos os seus corpos na vida da Universidade foi criado um Senado, como órgão consultivo. Órgãos de Governo da UMa Conselho Geral Reitor Conselho de Gestão Perguntas & Respostas - Órgãos de Governo O que é o Conselho Geral? É um órgão de governo, formado por 11 docentes, 3 estudantes e 6 personalidades externas à UMa. Entre as suas competências estão: organizar o processo de eleição e eleger o reitor; apreciar os actos do reitor e do Conselho de Gestão; decidir sobre a passagem da UMa a fundação e designar o provedor do estudante, ouvido o Senado. Ainda, sob proposta do reitor, o Conselho Geral aprova os planos estratégicos de médio prazo, o plano de acção para o quadriénio, o plano anual de actividades, o relatório anual de actividades, as contas e fixa as propinas devidas pelos estudantes. Quais são as funções do Reitor? Dirigir e representar a Universidade; elaborar e apresentar propostas ao Conselho Geral relativas ao plano estratégico da Universidade, orgânica dos serviços, orçamento etc.; aprovar o número anual máximo de novas admissões e de inscrições em cada ciclo de estudo; atribuir apoios aos estudantes no quadro da acção social escolar; exercer o poder disciplinar juntamente com a Comissão Disciplinar, nos termos do Regulamento a aprovar pelo Conselho Geral; propor iniciativas que considere importantes para o bom funcionamento da Universidade; entre outras funções. O que é o Conselho de Gestão? É o órgão de governo que conduz a gestão administrativa, patrimonial e financeira da instituição, bem como a gestão e contratação dos recursos humanos. É composto pelo reitor, um vice-reitor e pelo administrador. Sob proposta do reitor este Conselho pode ainda integrar mais dois elementos. Os estudantes não fazem parte deste órgão.

10 a universidade da madeira 2.3. Unidades Orgânicas A UMa compreende, de acordo com os novos Estatutos, 5 Centros de Competências, com órgãos e pessoal próprio. Os Centros de Competência são unidades orgânicas identificadas com áreas disciplinares reconhecidas internacionalmente e orientadas para o desenvolvimento curricular dos investigadores e das respectivas áreas. Perguntas & Respostas - Unidades Orgânicas e Institutos O que acontece com os departamentos da UMa (DME, DGE, DCE, DCS, DB, DQ, DF, DPEH, DEAG, DER, DAD, DEFD) e com a ESEM (Escola Superior de Enfermagem da Madeira)? Os departamentos e a ESEM, deixam de existir, sendo integrados em 5 centros de competências: Dep. de Arte e Design Dep. de Estudos Anglísticos e Germanísticos Dep. de Estudos Romanísticos Dep. de Psicologia e Estudos Humanísticos Dep. de Matemáticas e Engenharias Dep. de Física Dep. de Química Centro de Competências das Artes e Humanidades Centro de Competências das Ciências Exactas e Engenharias Dep. de Ciências da Saúde Dep. de Biologia Centro de Competências das Ciências da Vida Dep. de Gestão e Economia Dep. de Ciências da Educação Dep. de Educação Física e Desporto Centro de Competências das Ciências Sociais Escola Superior de Enfermagem da Madeira Centro de Competências de Tecnologias da Saúde

11 Quais são os órgãos dos Centros de Competências? Presidente, Conselho Científico (ou Técnico-Científico no caso do politécnico), Conselho Pedagógico e Assembleia. Qual o organismo que reúne os cursos da UMa? São os Colégios da Sociedade do Conhecimento que, para preservar a natureza binária do ensino superior (universitário e politécnico), são repartidos em dois: Colégio Universitário da Sociedade do Conhecimento e Colégio Politécnico da Sociedade do Conhecimento. O Colégio Universitário reúne todos os cursos de 1.º Ciclo da UMa de carácter universitário. Os Colégios terão como objectivos fundamentais a gestão e coordenação dos seus cursos. O Presidente do Colégio será designado pelo Conselho Geral, sob proposta do reitor, ouvido os presidentes dos Centros de Competência. O que são os Institutos de Inovação? São organismos horizontais identificados com áreas consideradas estratégicas para o desenvolvimento da Universidade e da sua relação com a sociedade. São estruturas que integram as formações de 2.º Ciclo, contribuindo para um aumento da sua relevância para o mercado de trabalho e a empregabilidade, em articulação com o plano de desenvolvimento estratégico para a Região Autónoma. Os 2.os Ciclos, não integrados nos Institutos, continuam a possuir Conselhos de Curso. Como será a participação dos estudantes nos Centros de Competência? Os estudantes terão assento nos Conselhos Pedagógicos e nas Assembleias dos Centros. Esta participação confere aos estudantes responsabilidades não só nas questões pedagógicas mas também na definição da organização interna dos seus Centros.

12 2.4. Regime de Prescrições A Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior, Lei n.º 37/2003 de 22 Agosto, diz que o financiamento das Instituições públicas deve ter em conta o aproveitamento escolar dos seus estudantes. Com isto, os órgãos competentes de cada Instituição devem definir um regime de prescrições, não menos restritivo do que a lei estabelece. A prescrição é a perda do direito do estudante de inscrever-se na sua licenciatura durante 2 semestres consecutivos. Perguntas & Respostas - Prescrições Como acontece a prescrição? Existe uma tabela no Regulamento de Prescrições da UMa que estabelece um número máximo de inscrições permitidas, consoante os ECTS (cada disciplina na UMa tem o valor de 7,5 ECTS) obtidos pelo aluno. Número máximo de inscrições (resultantes da soma de ponderações) Cursos organizados por ECTS / Créditos ECTS obtidos Cursos organizados por UCs / Créditos do curso* Cursos organizados por anos curriculares. Anos curriculares completos a a a a a a N-1 N a 2xN-1 2xN a 3xN-1 3xN a 4xN-1 4xN a 6xN e 5 (*) N = maior inteiro menor ou igual ao quociente entre o número de créditos totais do curso e o número de anos curriculares do curso.

13 12 l 13 guia do estudante 08/09 O que são inscrições? São como o número de matrículas do estudante num determinado curso. Os caloiros de 2008/2009 possuem uma inscrição. Os estudantes que entraram em 2007/2008 possuem, no actual ano lectivo, duas inscrições, e assim sucessivamente. Em relação às mudanças de curso e reingressos, como se aplica o Regime de Prescrições? O estudante que realize mudança de curso ou reingresso tem as suas inscrições anteriores anuladas. É de salientar que as mudanças de curso estão sujeitas a limitações de vaga, enquanto que o reingresso é automático. O que é o Regime a Tempo Parcial? A formação ao longo da vida impõe muitas vezes um ritmo de estudo menos intenso. O Regime a Tempo Parcial é um estatuto que é solicitado pelo estudante, de acordo com Regulamento próprio, que prevê uma ponderação de 0.5, ao invés de 1, como no regime integral. No regime integral (estudante a tempo inteiro) o número máximo de inscrições é 3, para até 59 ECTS obtidos. No caso do regime especial, como a ponderação é 0.5, o número máximo de inscrições é de 6 (3 0,5 = 6). Quando o número máximo for 4 serão 8 inscrições, e assim sucessivamente. O estudante que se inscreva neste estatuto só poderá inscrever-se num máximo de 30 ECTS por ano, com um mínimo de 15 ECTS. Os trabalhadores-estudantes estão abrangidos pelo Regime de Prescrição? Não. A alínea 4 do artigo 4.º do Regulamento de Prescrições na Universidade da Madeira determina que, caso o estudante se encontre nesta situação (reconhecida pelos serviços académicos da UMa), não será abrangido por qualquer regime de prescrição, normal ou especial. Em que situação os estudantes estarão abrangidos pelo Regime Especial de Prescrição? Os estudantes militares ou a estes equiparados, atletas de altacompetição, estudantes portadores de deficiência física e sensorial, estudantes em situação de maternidade ou paternidade, estudantes com doença transmissível ou infecto-contagiosa, estudantes com doença grave ou de recuperação prolongada podem beneficiar de um Regime Especial, tendo de solicitar a inclusão neste regime no Sector Académico, apresentando a documentação que comprove a sua situação.

14 a universidade da madeira 2.5 Regulamento de Avaliação de Aprendizagem do Aluno(RAAA) O Regulamento de Avaliação da Aprendizagem dos Alunos da UMa é o instrumento, elaborado e aprovado no Conselho Pedagógico, que regula as regras de avaliação da Academia. Perguntas & Respostas - RAAA O que é o RAAA? É o Regulamento que estabelece as regras de avaliação da aprendizagem dos estudantes de todos os cursos de 1.º e 2.º Ciclos da UMa. O regulamento é alterado no Conselho Pedagógico. Como é feito e divulgado os métodos de avaliação de uma Unidade Curricular (UC)? A escolha das modalidades, critérios e instrumentos de avaliação da UC é da competência do docente responsável por esta. Estas modalidades devem sempre obedecer a determinadas regras do RAAA: Até ao final da primeira semana de aulas, o docente deverá informar o respectivo Conselho de Curso, do programa, bibliografia e regras de avaliação adoptadas. Na primeira aula o docente deverá informar os alunos, do programa, bibliografia e regras de avaliação adoptadas, nomeadamente dos momentos de avaliação previstos. Qualquer alteração deverá sempre merecer a concordância do docente responsável pela UC, sem a discordância expressa de qualquer aluno. Na primeira aula também é fixado, pelo docente, a ponderação dos diversos elementos de avaliação.

15 14 l 15 guia do estudante 08/09 O que são os elementos de avaliação? São todos os parâmetros da UC indicados no programa, e que podem incluir: Provas de avaliação do tipo: teste escrito sobre questões do conteúdo programático; trabalho ou relatório, individual ou em grupo, que poderá ser defendido oralmente. Outros elementos como: provas orais; intervenções críticas fundamentadas no decurso das aulas; assiduidade às actividades lectivas. Outros elementos específicos a uma determinada UC, claramente definidos pelo docente. Quais são os períodos de avaliação existentes? Existem dois períodos de avaliação. O primeiro é o período lectivo, sendo este o principal e obrigatório. O segundo é o período complementar onde são realizadas as provas de avaliação de recurso ou de melhoria de nota dos elementos de avaliação obtidos durante o período lectivo. A assiduidade às aulas teóricas é obrigatória? A assiduidade é um elemento de avaliação e poderá ser obrigatória para o acesso a determinados momentos de avaliação, desde que tal tenha sido estabelecido no início do período lectivo (de acordo com a aliena b) do Ponto 7 do artigo 1.º). Os trabalhadores-estudantes podem constituir excepção a esta regra. Posso ser impedido de realizar algum momento de avaliação se não possuir nota mínima? O acesso a qualquer momento de avaliação não pode estar condicionado a notas mínimas, excepto para os elementos de avaliação que não podem ser repetidos no período complementar. O que são as provas de recurso? São provas que funcionam como recurso de situações excepcionais, que impedem a avaliação completa do aluno durante o período lectivo, ou quando este não obteve aprovação na UC. Só podem realizar provas de recurso os alunos que tenham cumprido com as regras de avaliação estabelecidas para a UC.

16 O que é a época especial de avaliação? É um período de avaliação especial que acontece em Setembro e/ou Outubro, em que podem ter acesso, por exemplo, os alunos que, tendo reprovado até três UC (anuais ou semestrais), precisem da aprovação nas mesmas para obtenção do grau de licenciatura. Os trabalhadores-estudantes também têm acesso a esta época de avaliação. Qual o prazo para afixação da minha nota? A afixação das pautas provisórias do semestre lectivo devem ser feitas pelo menos 48 horas antes da realização das provas da respectiva UC, no período complementar. No caso das avaliações realizadas no período complementar, o prazo máximo para afixação é de 30 dias úteis. O aluno pode consultar a sua prova? Após a afixação pública da classificação provisória, o estudante pode consultar a sua prova. A consulta pode ser realizada até 48 horas depois da afixação da pauta provisória. Os estudantes devem ter acesso à sua prova, respectivo enunciado, critérios de classificação e às cotações de cada uma das perguntas, bem como o resultado obtido em cada uma delas. O estudante pode ainda solicitar ao docente a revisão da sua classificação.

17 16 l 17 guia do estudante 08/09 O que é o recurso de pedido de revisão de provas? Os estudantes podem recorrer do resultado da revisão de provas de avaliação, mediante requerimento devidamente fundamentado. Este recurso é solicitado no Sector Académico, nos dois dias úteis seguintes ao da afixação/divulgação das pautas definitivas de classificação. O Sector Académico enviará o pedido de recurso ao director de curso no prazo de dois dias úteis. No prazo de dez dias úteis, a contar da data de recepção do pedido pelo director de curso, deverá ser tomada um decisão por um júri constituído pelo director de curso, e por dois docentes, da mesma área disciplinar, ou outra afim, nomeados pelo director de curso. O que pode ser objecto de revisão e recurso de revisão de provas? As frequências, mini-testes, testes, exames ou outros testes escritos sobre questões de conteúdo programático e os trabalhos ou relatórios, individuais ou de grupo. Consulta, Revisão e Recurso de Revisão dos Elementos de Avaliação. O Sector Académico, no prazo de 2 dias úteis, envia o pedido ao Director de Curso. No prazo de 10 dias úteis, a contar da data de recepção, um júri, deverá tomar uma decisão. Afixação das pautas provisórias da prova de avaliação. O recurso é realizado no Sector Académico, nos 2 dias úteis seguintes ao da afixação/divulgação dos resultados Os estudantes que tenham a sua classificação final alterada positivamente, recebem a devolução do valor pago (11,20 ) O estudante dispõe de 48 horas para consulta da prova. Após este processo, o estudante poderá realizar o recurso de pedido de revisão de provas.

18

19 18 l 19 guia do estudante 08/09 3. Os Estudantes 3.1. Representação dos Estudantes Os estudantes da UMa possuem representantes nos mais diversos órgãos de governo e pedagógicos. A eles cabe defender os interesses dos seus iguais, mediante as competências do órgão para o qual foram eleitos. Provedor do Estudante Representantes dos Estudantes Associação Académica Associação de Estudantes Concelho Geral Senado Conselhos Pedagógicos dos Colégios Conselhos Pedagógicos dos Centros de Competência Assembleias dos Centros de Competências Comissão Disciplinar do Senado

20 os estudantes Conselho Geral O Conselho é composto por 20 membros, 3 dos quais representam os estudantes. Estes representantes dos estudantes são eleitos por dois anos, por todos os alunos da UMa que, à data da fixação do calendário eleitoral, se encontrem regularmente inscritos. As principais competências dos teus representantes no Conselho Geral são: Proceder a alterações nos Estatutos da UMa; Eleger o Reitor; Apreciar os actos do Reitor e do Conselho de Gestão; Propor as iniciativas consideradas necessárias ao funcionamento da UMa; Designar e exonerar o Provedor do Estudante, ouvido o Senado, e os Presidentes dos Institutos; Aprovar as linhas gerais de orientação da UMa, no plano científico, pedagógico, financeiro e patrimonial, propostas pelo Reitor; Aprovar a proposta de orçamento, apresentada pelo Reitor; Fixar as propinas devidas pelos estudantes, propostas pelo Reitor; Criar, transformar ou extinguir Centros de Competência, sob proposta do Reitor; Criar, extinguir, alienar ou associar Institutos de Inovação à UMa, sob proposta do Reitor Senado O Senado é composto por cerca de 30 membros, dos quais 8 representam os estudantes da UMa. Destes 8 representantes, 3 são designados pela AAUMa, 3 representam e são eleitos pelos estudantes dos primeiros ciclos de estudos, 1 representa e é eleito pelos estudantes dos segundos ciclos de estudos e 1 representa e é eleito pelos estudantes dos terceiros ciclos. As eleições para o Senado são organizadas pela Associação Académica, sendo presididas pelo Provedor do Estudante. As principais competências dos teus colegas no Senado são: A designação, pelo Conselho Geral, do Provedor do Estudante, não devendo participar nessa audição o Provedor cessante; Pronunciar-se sobre a decisão do Reitor sobre o sistema e regulamentos de avaliação dos funcionários docentes e não docentes, na observância das linhas gerais aprovadas pelo Conselho Geral; Pronunciar-se sobre a instituição de prémios escolares pelo Reitor; Participar no exercício do poder disciplinar.

21 20 l 21 guia do estudante 08/ Comissão Disciplinar do Senado Trata-se de uma das duas comissões permanentes do Senado da UMa (sendo a outra a Comissão Académica) e a única na qual existem representantes dos estudantes. Compete à Comissão Disciplinar pronunciar-se, através de parecer, em caso de procedimento disciplinar. Esta comissão é composta por 7 membros, dos quais 2 são representantes dos estudantes, eleitos pelos e de entre os representantes dos estudantes no Senado Conselho Pedagógico dos Colégios da Sociedade de Conhecimento Cada um dos Colégios possui um Conselho Pedagógico, um organismo transversal que tem por objectivos fundamentais a gestão e coordenação dos cursos de licenciatura (1.º ciclo) ou de ensino politécnico da Universidade. Como o conselho pedagógico é constituído por igual número de representantes dos docentes e estudantes, esta paridade, confere grande voz aos estudantes. As eleições dos estudantes são organizadas pela Associação Académica em colaboração com os Colégios.

22 os estudantes UMa Cursos de 1.º Ciclo Colégio Universitário do Conhecimento Colégio Politécnico da Sociedade do Conhecimento Conselho Pedagógico do Colégio Conselho Pedagógico do Colégio As principais competências dos teus colegas no Colégio da Sociedade do Conhecimento: Pronunciar-se sobre as orientações pedagógicas e os métodos de ensino e de avaliação dos cursos afectos ao Colégio; Promover a realização regular de inquéritos referentes ao desempenho pedagógico dos cursos afectos ao Colégio e a sua análise e divulgação; Promover a realização da avaliação do desempenho pedagógico dos docentes, por estes e pelos estudantes, e a sua análise e divulgação; Apreciar as queixas relativas a falhas pedagógicas e propor as providências necessárias; Aprovar o regulamento de avaliação do aproveitamento dos estudantes dos cursos afectos ao Colégio; Pronunciar-se sobre o regime de prescrições; Pronunciar-se sobre a instituição de prémios escolares; Pronunciar-se sobre o calendário lectivo e os mapas de exames dos cursos afectos ao Colégio Assembleia do Centro de Competências A Assembleia do Centro de Competências é um órgão colegial, composto por um máximo de 15 membros, que tem como únicas competências a eleição do Presidente do Centro de Competências e a aprovação e alteração do regulamento desse Centro. Nela devem encontrar-se pelo menos dois representantes dos estudantes, eleitos pelos estudantes que fazem parte do Conselho Pedagógico do Centro, sendo o seu mandato de um ano.

23 22 l 23 guia do estudante 08/ Conselho Pedagógico do Centro de Competências Neste órgão, os estudantes são representados por igual número de representantes que os Coordenadores das áreas científicas, eleitos de entre os cursos em que os Centros de Competência têm participação maioritária. O mandato destes estudantes é anual. Cada Centro de Competências possui um Conselho Pedagógico próprio. As competências dos teus colegas no Conselho Pedagógico dos Centros de Competências são: Pronunciar-se sobre as orientações pedagógicas e os métodos de ensino e de avaliação das unidades curriculares a cargo do Centro de Competência; Promover, com regularidade, a realização de inquéritos ao desempenho pedagógico do Centro de Competência e a sua análise e divulgação, ou colaborar nesses inquéritos caso a sua realização seja cometida a outros órgãos da Universidade; Promover a realização da avaliação do desempenho pedagógico dos docentes do Centro de Competência, por estes e pelos estudantes, e a sua análise e divulgação, ou colaborar nessa avaliação caso a sua realização seja cometida a outros órgãos da Universidade; Apreciar as queixas relativas a falhas pedagógicas de docentes do Centro de Competência, e propor as providências necessárias; Aprovar o regulamento de avaliação do aproveitamento dos estudantes, nos casos dos cursos em que a aprovação de tal regulamento não seja atribuída a outros órgãos da Universidade, pelos estatutos vigentes O Provedor do Estudante O Provedor do Estudante é uma personalidade de reconhecido mérito com conhecimentos e experiência relevantes na área da Educação e Relações Humanas, nomeado, por períodos de dois anos, pelo Conselho Geral, ouvidos os representantes dos estudantes no Senado. Compete-lhe a defesa e a promoção dos direitos e interesses legítimos dos estudantes no âmbito da Universidade, apreciando as reclamações que lhe são apresentadas e dirigindo aos órgãos competentes as recomendações que considere adequadas. A sua actividade desenvolve-se em articulação com a Associação Académica, com os Centros de Competência e com os Órgãos e Serviços da Universidade, designadamente com os Conselhos Pedagógicos.

24

25 24 l 25 guia do estudante 08/09 4. Serviços da UMa Os Serviços da Universidade estão distribuídos por vários pontos da cidade do Funchal. Campus Universitário da Penteada Colégio dos Jesuítas (Rua do Castanheiro e Rua dos Ferreiros) Serviços de Acção Social (Rua da Carreira)* Sector de Documentação e Arquivo Sector de Comunicações e Informática Sector Académico Sector de Planeamento e Relações Públicas Sector de Pessoal, Vencimentos e Carreiras Sector de Administração Financeira e Patrimonial Sector de Bolsas Sector de Alojamento Sector de Alimentação Sector de Procuradoria * A serem transferidos em 2009 (previsão) para a Rua de Santa Maria, onde funcionará a nova residência universitária. Características do Campus Universitário da Penteada 25 Salas de aula (preparadas para 1254 alunos); 4 Anfiteatros de 108 lugares; 6 Anfiteatros de 56 lugares; Sala de Senado (200 utentes); Cerca de 70 espaços laboratoriais de ensino e investigação; 160 Gabinetes; 1 Bar; 1 Restaurante Académico; 1 Reprografia; Biblioteca (300 lugares); 4 Salas de estudo; Parque de estacionamento coberto com 237 lugares; Parque de estacionamento exterior com 190 lugares.

26 serviços da uma Os serviços da Universidade são organizados em unidades funcionais, podendo receber as designações de gabinetes, sectores, serviços ou outra, em conformidade com sua dimensão, funções e competências. Aqui encontras alguns destes sectores. Sector de Pessoal, Vencimentos e Carreiras Sector de Administração Financeira e Patrimonial Sectores da UMa Sector de Comunicações e Informática Sector de Documentação e Arquivo Sector de Planeamento e Relações Públicas Sector Académico Responsável pelo correio electrónico dos alunos (webmail) e pelo serviço infoalunos. Responsável pela Biblioteca e demais serviços de Documentação. Responsável pelos programas de mobilidade para estudantes e recém-licenciados. Responsável por matrículas, inscrições, pagamentos de emolumentos, documentação variada sobre cursos e unidades curriculares.

27 26 l 27 guia do estudante 08/ Sector Académico Qualquer assunto de natureza académica pode ser tratado pessoalmente no Sector Académico da Universidade da Madeira. Qualquer documento solicitado via InfoAlunos tem que ser levantado no Sector Académico. As informações mais importantes do Sector Académico podem ser consultadas nos placares localizados no Sector Académico ou no Campus da Penteada (ao piso 0, junto do laboratório de práticas de Enfermagem) ou no sítio da Internet do Sector Académico. Colégio dos Jesuítas, Funchal Fax:

28 serviços da uma 4.2. Sector de Planeamento e Relações Públicas O sector de Planeamento e Relações Públicas tem como missão coordenar e incentivar o intercâmbio de estudantes e do corpo docente. Falar de mobilidade universitária é sobretudo falar de Erasmus. Estas são as características do Erasmus: Os estudantes devem ter concluído pelo menos o primeiro ano de estudos, devendo estar matriculados num curso oficial de ensino superior que confira um título académico ou diploma de qualquer grau; O período de estudo na instituição parceira terá uma duração compreendida entre três meses e um ano; O período de estudos no estrangeiro será considerado parte integrante do plano de estudos da universidade de origem do estudante e será objecto de pleno reconhecimento académico na universidade de origem, mesmo que o conteúdo programático das disciplinas seja diferente; O estudante deve ser informado por escrito do conteúdo programático das unidades curriculares em que se vai matricular no estrangeiro. No final do período de estudos no estrangeiro, a universidade de acolhimento deve emitir uma transcrição de registos que será entregue ao estudante e enviado à universidade de origem, confirmando que o programa de estudos acordado foi concluído com aproveitamento e indicando as classificações obtidas pelo estudante; Os estudantes devem ter conhecimentos suficientes da língua em que são leccionados os cursos que vão frequentar.

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE

REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE 1 PREÂMBULO A Associação Académica da Universidade da Madeira (AAUMa) tem uma missão ampla e variada, onde está prevista a participação na definição

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais]

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] [Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] CAPÍTULO IV Regimes especiais SECÇÃO I Estatuto de estudantes

Leia mais

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

ISEC SGAP Paula Mexia Paulo Oliveira

ISEC SGAP Paula Mexia Paulo Oliveira Secretaria Virtual INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE COIMBRA MANUAL DE MATRÍCULA / INSCRIÇÃO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO CONCURSOS ESPECIAIS REINGRESSOS MUDANÇAS DE CURSO E TRANSFERÊNCIAS CTESP Revisão

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa FAQ S 1. Quais os requisitos necessários para ingressar num Mestrado? O candidato deverá ser titular do grau de licenciatura ou de mestre sendo as áreas de formação definidas aquando da publicação do edital

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA NA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM S. FRANCISCO DAS MISERICÓRDIAS TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO ÚNICA Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito)

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL GAPsi- Gabinete de Apoio Psicopedagógico Artigo 1º Objecto O Programa de Voluntariado na FCUL visa: a) Estimular a formação e educação dos estudantes

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE DA MADEIRA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE DA MADEIRA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS DA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Preâmbulo A Universidade da Madeira (UMa) procedeu à adequação dos seus cursos em conformidade com a legislação em vigor e

Leia mais

Mobilidade Estudantil:

Mobilidade Estudantil: Mobilidade Estudantil: 1. Programa Erasmus: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2. Protocolo Brasil e China: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2 Protocolo Brasil e China As regras a aplicar

Leia mais

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO

DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO BIBLIOTECA Regulamento À Biblioteca do ISCTE compete facultar, nas melhores condições de utilização, os recursos bibliográficos e informativos necessários

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO. Tecnologia e Design INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO REGULAMENTO DO DEPARTAMENTO Tecnologia e Design CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Departamento de Tecnologia

Leia mais

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Escola Superior de Turismo e Hotelaria Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Data 2008-07-22 Conselho Científico Índice 1. Introdução... 3 2. Avaliação da aprendizagem...

Leia mais

Regulamento Cursos de Pós Graduação

Regulamento Cursos de Pós Graduação A Associação Amigos da Grande Idade (AAGI) é uma entidade de direito privado, sem fim lucrativos, tendo por isso capacidade para desenvolver em colaboração com o Instituto Superior de Línguas e Administração

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

Manual do Fénix. Inscrições (Portal do Estudante) Serviços de Informática 2011-09-08 (Versão 2.0)

Manual do Fénix. Inscrições (Portal do Estudante) Serviços de Informática 2011-09-08 (Versão 2.0) Manual do Fénix Inscrições (Portal do Estudante) Serviços de Informática 2011-09-08 (Versão 2.0) Este manual tem como objectivo auxiliar os alunos na inscrição às unidades curriculares. Índice 1 Entrar

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições

Preâmbulo CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Missão e atribuições REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO SINDICATO DOS MAGISTRADOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO Preâmbulo A Biblioteca do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público foi criada em 1974, data da fundação do próprio Sindicato.

Leia mais

BIBLIOTECA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA PERGUNTAS FREQUENTES

BIBLIOTECA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA PERGUNTAS FREQUENTES BIBLIOTECA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA PERGUNTAS FREQUENTES CARTÃO DE LEITOR 1- Efectuar a inscrição como leitor? Para poder efectuar a inscrição como leitor, tem de residir no concelho. Os não residentes

Leia mais

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação

Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA Regulamento Financeiro de Cursos de Graduação e Pós graduação ENSINO ONLINE. ENSINO COM FUTURO 2015 Preâmbulo Este documento identifica e regula todas

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Instituto Politécnico de Beja Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Serviços Académicos (Sector I) Introdução O presente documento constitui um breve guia que visa ajudar

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Universidade da Madeira O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo Decreto- Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Artigo 1.º Criação 1.1. A Escola Superior de Comunicação Social inclui na sua oferta educativa, uma

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Nos termos do disposto no artigo 10º do Regulamento

Leia mais

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010 INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010 Serviço de Cooperação com os Países Lusófonos e Latino-Americanos SCPLLA Endereço Reitoria da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE CAPÍTULO I - REGIMES DE AVALIAÇÃO Artigo 1º - Modalidades de avaliação CAPÍTULO II - AVALIAÇÃO CONTÍNUA Artigo 2.º - Regime de avaliação contínua

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads.

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO EM ARTE, DESIGN E SOCIEDADE i2ads. FBAUP Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade Av. Rodrigues de Freitas 265 4049-021 Porto T - 225 192 400 F - 225 367 036 office@i2ads.org REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO GERAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a Matrículas e Inscrições nos diferentes

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1.

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1. REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Artigo 1.º Objeto O presente regulamento disciplina os regimes de reingresso,

Leia mais

Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade

Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade Texto final da Lei de Desenvolvimento e Qualidade Lei n.º 1/2003, de 6 de Janeiro APROVA O REGIME JURÍDICO DO DESENVOLVIMENTO E DA QUALIDADE DO ENSINO SUPERIOR A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO... 3 1. A EQUIPA EDUCATIVA... 3 2. COMPETÊNCIAS

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Regulamento Financeiro

Regulamento Financeiro Regulamento Financeiro 09/12/2011 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Cursos de graduação... 3 1.1 Matrícula... 3 1.2 Propina... 3 1.3 Reduções... 4 1.4 Seguro escolar... 5 1.5 Penalizações... 5 2 Programas

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA AS ENTIDADES FORMADORAS ÍNDICE OBJECTIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS DE ESTUDOS DOS CURSOS ADEQUADOS AO PROCESSO DE BOLONHA I Calendário e carga horária 1. O ano escolar tem início em Setembro e termina em

Leia mais

FAQ S ESTUDOS ERASMUS

FAQ S ESTUDOS ERASMUS FAQ S ESTUDOS ERASMUS 1. Quem se pode candidatar? Podem-se candidatar ao programa Erasmus todos os estudantes cidadãos, ou com estatuto de residente permanente de um dos 27 países da União Europeia, e

Leia mais

11,00 classificações obtidas 1.4 De conclusão de curso do curso de especialização tecnológica

11,00 classificações obtidas 1.4 De conclusão de curso do curso de especialização tecnológica TABELA DE EMOLUMENTOS DO IPL 1 1 Certidões: Euros 1.1 Certidão do registo de graus e diplomas de ensino superior (licenciatura; mestrado; diploma de estudos superiores de curta duração; 15,00 conclusão

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Guia do Estudante Normas Gerais A mobilidade de estudantes, uma das acções mais frequentes do Programa, inclui duas vertentes de actividade: realização

Leia mais

Manual para inscrição on-line dos alunos que se inscrevem pela 1ª vez

Manual para inscrição on-line dos alunos que se inscrevem pela 1ª vez Manual para inscrição on-line dos alunos que se inscrevem pela 1ª vez Processo de Matricula - Alunos 1º Ano 1ª Vez O processo de matrícula consiste em 3 passos: 1. Pagamento e entrega de documentos (nos

Leia mais

Regimento do Conselho de Escola

Regimento do Conselho de Escola Regimento do Conselho de Escola da Escola de Psicologia Março 2010 Índice Artigo 1º Objecto 3 Artigo 2º Competências 3 Artigo 3º Composição do Conselho de Escola 3 Artigo 4º Presidente do Conselho de Escola

Leia mais

REGULAMENTO DOS MESTRADOS DO ISEG

REGULAMENTO DOS MESTRADOS DO ISEG REGULAMENTO DOS MESTRADOS DO ISEG [Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março (republicado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25 de Junho) e do Regulamento de Mestrados da Universidade

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016

ORDEM DE SERVIÇO. Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016 N.º: 2015001 DATA: 14-05-2015 Assunto: TABELA DE PROPINAS, TAXAS E EMOLUMENTOS a vigorar no ano lectivo 2015/2016 Por deliberação da Direcção da CEU-Cooperativa de Ensino Universitário, CRL, entidade instituidora

Leia mais

Regulamento de Matrículas e Inscrições

Regulamento de Matrículas e Inscrições REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES Artigo 1 (Âmbito) O presente regulamento fixa as regras gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos ministrados nas Escolas do IPCA. Artigo 2.º (Competência)

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

Regulamento dos cursos de primeiro ciclo na FCTUC

Regulamento dos cursos de primeiro ciclo na FCTUC Regulamento dos cursos de primeiro ciclo na FCTUC Aprovado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião da Comissão

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Regulamento Erasmus 2011/2012

Regulamento Erasmus 2011/2012 1. Preâmbulo O Programa Erasmus tem como objetivo geral apoiar a criação de um Espaço Europeu de Ensino Superior e reforçar o contributo do ensino superior para, entre outros, o processo de inovação a

Leia mais

ARTº 1º (ÂMBITO) ARTº 2º (REQUERIMENTO DE APLICAÇÃO DO ESTATUTO)

ARTº 1º (ÂMBITO) ARTº 2º (REQUERIMENTO DE APLICAÇÃO DO ESTATUTO) REGULAMENTO DO ESTATUTO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES PORTADORES DE DEFICIÊNCIA Conselho Científico (Deliberação CC-47/2008 de 26 de junho) 11 07 2012 01 ARTº 1º (ÂMBITO) O presente regulamento aplica-se aos

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

Candidatura ao Ensino Superior

Candidatura ao Ensino Superior Candidatura ao Ensino Superior Para concluir o ensino secundário, os alunos têm que obter aprovação a todas as disciplinas do plano de estudos do respectivo curso. Nas disciplinas não sujeitas à realização

Leia mais

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estágio dos estudantes de Licenciatura

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Instituto Politécnico de Bragança Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Instituto Politécnico do Porto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA [Aprovado em reunião do Conselho Pedagógico de 18 Março 2011, nos termos da línea

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO

REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO PORTO REGULAMENTO DO REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto Julho de 2009 PREÂMBULO 3 CAP. I (ÂMBITO E APLICAÇÃO) 3 Art. 1º (Âmbito) 3 Art. 2º

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ANO LECTIVO 2008/2009 O Presidente do Conselho Directivo da Escola Náutica Infante D. Henrique,

Leia mais

Regulamento Eleitoral. para a constituição das. Comissões de Elaboração dos Regulamentos das Subunidades Orgânicas da Escola de Ciências

Regulamento Eleitoral. para a constituição das. Comissões de Elaboração dos Regulamentos das Subunidades Orgânicas da Escola de Ciências Escola de Ciências Regulamento Eleitoral para a constituição das Comissões de Elaboração dos Regulamentos das Subunidades Orgânicas da Escola de Ciências Escola de Ciências da Universidade do Minho Setembro

Leia mais

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas de atribuição de bolsas de estudo, por parte da Câmara Municipal de

Leia mais

Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE)

Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE) Estatuto do Estudante com Necessidades Educativas Especiais da Universidade do Porto(EENEE) Preâmbulo A universalidade do acesso ao ensino superior, para além de um direito constitucional, constitui igualmente

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2011/2012

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2011/2012 INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO Candidaturas para o Ano Académico 2011/2012 Serviço de Cooperação com os Países Lusófonos e Latino-Americanos SCPLLA Endereço Reitoria da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente regulamento estabelece o regime aplicável aos programas de intercâmbio, mobilidade de estudantes e cooperação internacional nos quais o IPAM

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos de Mestrado em Genética Molecular

Leia mais