SSBA: Simulação Social Baseada em Agentes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SSBA: Simulação Social Baseada em Agentes"

Transcrição

1 SSBA: Simulação Social Baseada em Agentes Pablo Lucas dos Anjos Heriot-Watt University School of Mathematical and Computer Sciences Humaine Network of Excellence European Union Research Framework 6 Manchester Metropolitan University Centre for Policy Modelling 1

2 Agenda Introdução aos conceitos fundamentais Exemplo de aplicações e abordagens Variedade ao simular comportamento social Perspectivas de desenvolvimento futuro Crítica e relevância computacional Dúvidas e discussão sobre esta área de pesquisa 2

3 Conceitos fundamentais Agentes: comportamentos individuais + Interações: organizam dois ou mais agentes + Contexto: físico e simbólico (espaço/tempo) = SSBA simular comportamento social (micro) e consequências coletivas (macro) O que NÃO é o foco desta apresentação: sistemas de macro ou micro economia = bolsa de valores mercados informais equilíbrio Walrasiano / geral desenvolvimento local / taxas 3

4 Motto parecido ao dos sistemas multi-agentes simular conceitos sociais em sociedades artificiais Modelo: representações estruturais e funcionais Execução: ciclos e interações Simulação: experimentação hipotética processos, indivíduos, organizações. entre componentes (agentes, modelos e outros sistemas). teórica, empírica, sintética. Exemplos: agentes econômicos, consumidores, ecológicos,... para organização de grupos, recursos, etc. 4

5 Aplicações foco: gerenciamento ecológico comportamento animal sociedades humanas sistemas econômicos dinâmica de grupos confiança e reputação restrições sociais poder e autoridade distribuições espaciais simulações: projeto e implementação entendimento dos ciclos manipulação de parâmetros validação e interpretação teoria de jogos otimização e utilidade IHC jogos educação evolução e aprendizagem 5

6 Precursores da SSBA Modelos baseados em processos: relógios, redes de petri / concorrência (transições relativas ao espaço/tempo) Sistemas de equações: diferenciais e lineares teoria de jogos / econometria: organização espacial otimizações estratégicas autômatos celulares (eventos universais), formalismo DEVS (restrições de eventos) Mecanismos reativos e descentralizados Exploração da informação localmente disponível Nem todos modelos são facilmente distinguíveis: implementações antigas, despadronizadas ou híbridas 6

7 Simulação Porque reais sistemas sociais impõe importantes limitações agente Modelos são usados como ferramenta exploratória comportamento expansão definição de ações execução especificação ambiente existência / escala consequências experimentais excesso de perturbações ambientais educação e análise empírica pesquisa e experimentação 7

8 O processo de modelagem 1- formulação dos objetivos da simulação 2- projeto do modelo conceitual e granularidade 3- explanação de hipóteses, convenções e axiomas 4- especificação detalhada do modelo e contexto 5- seleção de dados resultantes para futura análise 6- implementação e verificação computacional 7- testes e análise da sensibilidade de parâmetros 8- interpretação e apresentação de resultados. 8

9 Contexto social dos agentes Inteligência Artificial Distribuída / Paralela SMA Processamento simbólico VS Vida Artificial Dinâmica ambiental e genotípica Autonomia de ações: reativas ou deliberativas percepção, seleção e execução Habilidades sociais: influências afetivas avaliação e gerenciamento de relacionamentos convenções sociais não necessariamente funcionais 9

10 Projetando o comportamento de agentes reativo: mapeamento direto entre sensores e atuadores previsibilidade em contextos individuais sem armazenamento histórico sofisticado deliberativo: gerenciamento de conceitos simbólicos uso de formalismos lógicos planejamento de objetivos internos híbrido: integração de algumas das características anteriores, geralmente em camadas controle sequencial e centralizado ou assíncrono e distribuído 10

11 Classificação geral da SSBA vida artificial multi-agente foco social, antropológico ou etológico realismo empírico ou exploração sintética agentes: estado interno limitado, pouca capacidade deliberativa / afetiva ações localmente previsíveis Predominância atual: contexto: ambiente de coordenadas 2D (grid / torus) e pouquíssima exploração 3D (jogos) tempo e ambiente discretos interações: reativas e dependentes de condições espaciais do indivíduo internalização inexistente 11

12 Modelos de primeira geração Projeto de agentes sociais sem linguagem de comunicação: com execução distribuída simplicidade interna negligível capacidade de internalização processamento simbólico racional teorias efetivo sociais integração direta sensoração reativo etologia para previsões em estudos de caso entendimento via ilustrações resultados de difîcil justificação e verificação empírica exemplos: segregação, exclusão e tolerância social / Schelling 12

13 Distinguindo as propriedades dos agentes sensores: diferentes níveis de precisão para determinar dados ambientais e de vizinhança social É necessário a identificação de agentes e objetos particulares? estado interno: refere-se aos mecanismos de gerenciamento interno das informações e conhecimento Quais são as limitações funcionais e estruturais do agente? seleção de ações: definição de qual, como e quando a próxima ação deverá ser executada Que elementos influenciarão processos reativos, cognitivos e comportamentais? 13

14 Tópicos de interesse computacional (1) Projeto de arquiteturas: reativa, pro-ativa, cognitiva, afetiva Que tipo de agente é suficiente num determinado contexto? Depende do foco e abordagem. Implementação e organização de sistemas para: gerenciamento de grupos, filtros sociais Comparação de sistemas: incipiente, apesar de iniciativas M2M Otimizar a execução: serial, paralela, distribuída Influências técnicas do modelo: analisar a variedade e complexidade de implementações 14

15 Tópicos de interesse computacional (2) Predominância atual: Paradigma Características usuais Interesse imperativo explícito e mecânico processamento eventos declarativo relacionamento lógico de axiomas e bases estados finais objetos encapsulamento de informações e métodos camadas e escopo replicações: possível em diferentes paradigmas mas nem sempre desejável Comparação e verificação 15

16 Contraste da segunda geração (1) abstração comportamental em arquiteturas individuais: influências afetivas Fridja, Scherer, Damasio, LeDoux reflexividade execução - planejamento reatividade instituições: comportamento normativo interação situada: Clark emergência e internalização relação sociedade VS recursos: conservação ecológica cognição e atenção na tomada de decisões Appraisal, ACT-R, SOAR redes de relacionamento educação / pesquisa: antropológica, sociológica e etológica 16

17 Contraste da segunda geração (2) personificação de caracteres virtuais: processamento e animação de características empáticas estratégias militares + tráfego e tráfico cooperação VS competição adaptação autônoma de convenções sociais (incipiente) orientação espacial 3D: realidade virtual ou expandida emergências entre multidões recreação e educação (rara combinação!) características emergentes: internalização individual ecologia, biologia, etologia (relações simbióticas e antibióticas) hipóteses sociais e antropológicas 17

18 formal system, interpreting it into qualitative conclusions (minding your assumptions). 7. If appropriate make hypotheses about the model and attempt to prove them. 8. Recursively apply any insights to further modelling of this kind, to more traditional types of models or other informal decision making. Uma perspectiva da Simulação social baseada em agentes SSBA usando SDML (Strictly Declarative Modelling Language) This process is illustrated in figure 3 below. REALITY causes unknown process effect Principais características: comparison FORMAL MODEL specified behavior of agents inter-action of agents of results emergent results of simulation composição impraticabilidade analítica poucos exemplos em SSBA uso de lógica proposicional INTUITION intuitions about behavior much other information Figure 3: A Methodology for simulation Thus we can continue to make substantial progress in domains where traditional analytic modelling tools are impractical. improves understanding about the process facilidade de prova de teoremas: e teste de comportamento limites processamento simbólico individual page 9 CC:DEW intuition produces forecast operação Crenças são frutos de inferências regras representam ações 20 18

19 Exemplo: efeitos de sociedades humanas SSBA integradas a modelos geográficos (SIGs como o GRASS): Swarm Repast Arquiteturas Anasazi (extinção em Nomad (conflitos em Darfur) Amazon (colonização no Brasil) Lucita (ecologia VS população) Artic (ecologia VS turismo) CC:DEW (água potável da UK) fenômenos sociais, biológicos e físicos reatividade em processos infecciosos: doenças, vírus modelos baseados em eventos e decisões de agentes cognitivos autômatos celulares para crescimento urbano desordenado: favelas NetLogo e SeSAm: foco em replicação 19

20 Diferentes abordagens e objetivos Comportamento social não é puramente racional: há influências de tendências, preferências e contexto individuais SSBA independentes e não integradas a outros sistemas: Reativo DomWorld (dominação) Mirror (distribuição espacial) BOD (hierarquia de ações) Cognitivo NANIA (consumo de água) VICTEC / TABASCO (afeto) TuCSoN (stigmergia) salvo SSBA focados em vida artificial, houve pouca influência da: computação evolutiva e redes neurais artificiais Como desenvolver capacidades pré-estabelecidas dos agentes? 20

21 Debates Diversidade na modelagem cognitiva, afetiva em SSBA: incompatibilidade de cenários e terminologia (jargão) agentes são somente apropriados em cenários locais e distribuição por processos discretos de decisão? integração específica de arquiteturas: teorias afetivas, cognitivas características de cenários diferenciação micro (comportamento individual) e macro (características populacionais / coletivas) A dinâmica social pode ser dominada por modelos de equações e sem cognição? 21

22 Granularidade Nível de detalhe: micro: foco em propriedades individuais de agentes intermediário: interações entre diferentes camadas macro: foco em propriedades gerais do sistema a conexão micro-macro: como agentes individuais influenciam organizações sociais e viceversa? otimização funcional diferentes modelos: reatividade alto nível de abstração 22

23 Escalas micro e macro agentes sem conhecimento coletivo podem gerar comportamentos cooperativos? nível individual: nível coletivo: simulação baseada em comportamentos arquitetura interna coordenação distribuída ou centralizada padrões organizacionais e de interação sofisticada e cognitiva? ou simples e reativa? autonomia individual? ou protocolação? 23

24 Comunicação Como dar sentido e significado ao processo de comunicação? grande dificuldade: semântica da linguagem natural Estigmergia (mediada pelo ambiente) sinais (difusa e com dependência sensorial) não racionais, simples método: difusão, agregação Para quem? agentes sintéticos, humanos, base de dados direta, entre dois agentes: simbólica, individualizada, qualitativa ontologias indireta, entre nenhum ou vários agentes: descentralizada, dispersa como um gradiente e quantitativa 24

25 Estratégias da estigmergia Difusão: Agregação: gradiente relacional, capacidade de propagação (artefatos, ambiente, agentes?) niveis para transformar, proteger e recuperar propriedades de artefatos Seleção e ordenação: critérios de operação (objetivos e subjetivos) Interações: evolutivas, incrementais, voláteis? 25

26 Linguagens de comunicação entre agentes Foundation for Intelligent Physical Agents (FIPA) Knowledge Query and Manipulation Language (KQML) Speech Act Theory filosofia / evolução linguística atos expressivos e ontologias sociais testáveis e sugestivos ocasionalmente informativos operações KQML noutros agentes focando: bases de conhecimento e objetivos alto nível de interações: protocolares e negociações popular: compartilhamento / reuso entre agentes geralmente confortáveis em aplicações estilo BDI e protocolos normativos econômicos / comerciais debate da necessidade de novas abordagens: nem sempre adequada a todo domínio animal e humano 26

27 Exemplo: eusociality Conceito biológico: espécies de insetos com reprodução e sobreposição de gerações especializadas Comunicação indireta interação anônima entre castas: como comunicar-se via o ambiente? Exemplos melhor explorados: formigas e abelhas algoritmos não simbólicos otimização de decisões distribuídas bitolação da estigmergia: não existe somente modelo reativos mas também cognitivos (exploração das possibilidades ambientais) propostas artificiais que inspiraram a biologia: hormônios negativos e de curta identificação simples estruturas: dinâmica de interações em escala / propriedades de grafos ou redes 27

28 Contraste relações identificáveis de longa duração memória em episódios (déjà vu e traços reais) ações reativas e cognitivas dinâmica social influenciada por: memória de curta e longa duração parcialmente reativa (volátil) mas com certos mecanismos de assimilação SSBA menos numerosos e compostos de: agentes com elaborada arquitetura social e capacidade interna ações restringidas por: capacidade invidiual, regras sociais, imposições ambientais ou deliberativas novos projetos para: internalização, manipulação e controle autônomo de normas sociais 28

29 Exemplo: sociedades primatas relações fisiológicas e cognitivas: neurônios-espelho, sistemas afetivos e de atenção visual comunicação indireta ou direta via sinais: para indicar dificuldades, facilidades, tolerâncias ou conflitos predominância humana: caçadores nômades ordem social egalitária sem domesticação alimentar consequências na formação de grupos: variações por adaptação social e ambiental separação via ranks por recursos ou intencional similar internalização de processos sociais predominância animal: fissão e fusão de grupos ordem hierárquica alimentação solitária erros e enganos: mudança hierárquica somente por influências não intencionais e exógenas grupo!= sociedade

30 Primatas reativos e evolutivos grupo = sociedade consequência: algumas propostas irrealistas sem qualquer dinâmica sócio-biológica (fissão/fusão, caçadores nômades) modelos sem nenhuma capacidade cognitiva ou afetiva BOD: hierarquia de planejamento e seleção de ações para execução DomWorld: organização social dependente do posicionamento geográfico E-EMF: modulação indireta por hormônios semelhante aos insetos eusociais Vida artificial: foco na dinâmica de interações: regulada por fatores individuais e ambientais NobleApe: configurações genotípicas e genotípicas adições: ruídos estocásticos teoria de jogos: otimização / gen egoísta 30

31 Realismo etológico interações gerenciadas localmente: SSBA: Seyfarth: cognitivo Mirrors: reativos indentificáveis e dependente do grupo, tambêm organizadas por distribuição espacial Variedade de modelos: psicologia experimental: antropomorfismo programação linear: equações simultâneas grupos!= sociedades separações (necessidade para tarefas especializadas) e fusões (cooperação ou competição por sobrevivência) hierarquias em sociedade: adaptáveis socialmente por ações deliberativas e restrições ambientais comportamento social: seleção e adaptação endógena atração, tolerância, alimentação, dominância e isolamento 31

32 Modelos híbridos halt the agent for each agent within the society appraisal agents, resources update social memory and parameters Agent's mind grupo!= sociedade volume de agentes depende da arquitetura (custo de execução) no survival? no yes define task successful execution? intention plan memory parameters lower threshold? keep situation positive negative change rank VICTEC: reativos e cognitivos, com afetividade pervasiva deliberação social recompensas e punições limitações ambientais Log writing: interactions metadata no yes Timeout? yes Halt the simulation Data analysis pequenos grupos (ou grandes em grades) próximos passos: convenções sociais e valores culturais (informais expectativas de comportamento) CRITTRZ: reativo e evolutivo populações 32

33 Importantes discussões decisões de modelo: uso de plataformas genéricas, implementações específicas ou um novo projeto? dependências de foco: análise de políticas públicas, aplicação em jogos recreativos / educaciconais? enorme diversidade de: linguagens, projeto, foco, custo e comunidades. nível de abstração do modelo: empírica ou ilustrativa / sugestiva? escala de simulação do agente: individual, grupos, sociedades? sensibilidade de parâmetros: é viável a configuração e análise sistemática de diferentes cenários? 33

34 Falhas comuns insuficiência de dados inspiram simulações? simulação é mais realista que modelagens matemáticas: depende! Objetivos serão justificados por dados empíricos ou artificiais? quando possível, não complementar SSBA com abordagens analíticas / empíricas Interpretações não realistas falta de uma clara descrição de: limitações (detalhamento VS simplismo) axiomas e inferências obscuras querer!= poder em modelos realistas, não engajar dupla validação: métodos estatísticos e qualitativos 34

35 Debate construtivo? modelos sem fundamentação biológica, provavelmente estão errados aplicações de entretenimento: análise de comportamentos realistas illustração gráfica dos agentes: depende do objetivo dificuldade de estudo analítico: foco no modelo e não na execução necessidade de melhorar o processo metodológico muita flexibilidade nos modelos interpretações estatísticas devem ser muito cuidadosas: validações com dados empíricos ao substituir o mundo artificial pelo real: o modelo vira trabalho de campo / empírico 35

36 Tendências atuais Foco em estruturas internas de agentes, combinando: adaptação social autônoma evolução genotípica influência local: dinâmica social e memória individual seleção, coordenação e execução de ações Comparabilidade de modelos: M2M Como acumular conhecimento produzido por SSBA? Melhorar o processo de validação da SSBA afinal, o modelo é realista ou artificial? adaptação autônoma de habilidades sociais normatividade social emergente Análise de redes de relacionamento distribuições heterogêneas de agentes locais sem um modelo de regulação explícito grande escala topologias small world & scale free modelagem cultural realista (cultural algorithms) aprendizado baseado em modelos sociais (aprendizado social) dinâmica de opiniões não reativas 36

37 Humaine EU-NoE (1) Afeto em termos dos processos de percepção e ação Em episódios, com alta prioridade: rápido comprometimento e alocação de recursos Pervasivo, com contínua regulação: integrado ao nível reativo e deliberativo Foco especial no Grupo de Trabalho 7: Afeto em cognição e ação abordagem micro-(individual) e macro-(social) uso de dados empíricos como guia de projeto: contexto e processos específicos SSBA como possibilidades de: modelagem e experimentação comportamental cuidado para não criar modelos sem relação alguma com a realidade GIGO: gargabe in, garbage out 37

38 Humaine EU-NoE (2) 38

39 Perguntas? 39

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial

Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Inteligência Artificial João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Inteligência Artificial Definição (Fonte: AAAI ): "the scientific understanding of the mechanisms

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO

Universidade Federal de São Paulo Campus São José dos Campos LISTA DE DISCIPLINAS DA GRADUAÇÃO A B C Álgebra Linear Álgebra Linear Computacional Álgebra Linear II Algoritmos e Estrutura de Dados I Algoritmos e Estrutura de Dados II Algoritmos em Bioinformática Alteridade e Diversidade no Brasil

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários...

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários... NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX No Renascimento de uma Nova Era... IX Índice PREÂMBULO... XIII Organização do livro... xiii Destinatários... xiv Utilização do livro... xiv Agradecimentos... xiv

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação. Comissão de Curso e NDE do BCC Projeto Pedagógico do Bacharelado em Ciência da Computação Comissão de Curso e NDE do BCC Fevereiro de 2015 Situação Legal do Curso Criação: Resolução CONSU no. 43, de 04/07/2007. Autorização: Portaria

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 MESTRADO: EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Estudos Organizacionais e Sociedade e Marketing e Cadeias

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO 1 EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO MESTRADO e DOUTORADO MESTRADO: A) DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DAS LINHAS 1 e 2: Organizações e Estratégia e Empreendedorismo e Mercado

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO HUMANOS NAS ORGANIZAÇÕES

MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO COMPORTAMENTO HUMANOS NAS ORGANIZAÇÕES MARKETING EMENTAS DO CURSO 1º P COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA PARA CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO Números Reais; Expressões Algébricas; Equação do 1º grau; Equação do 2º grau; Logaritmos; Conjuntos; Funções;

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição 01. GRANDE ÁREA: CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E NATURAIS 2. Área - Probabilidade Probabilidade Aplicada (aspectos 3. Área - Estatística Fundamentos da Estatística (aspectos Modelagem Estatística Teoria da Amostragem

Leia mais

Introdução 12. 1 Introdução

Introdução 12. 1 Introdução Introdução 12 1 Introdução O crescente avanço no acesso à informação, principalmente através da rede mundial de computadores, aumentou o ritmo de mudanças, impondo uma diminuição no tempo necessário para

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1/5 ANEXO II RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 31/2005 EMENTÁRIO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO I SEMESTRE Algoritmos e Estruturas de Dados I Fundamentos da Computação Fundamentos Matemáticos para a Computação

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS 1. As humanidades e suas repercussões sobre o pluralismo cultural 2. Humanidades e ciências: o debate transcultural em contextos plurais 3. Pedagogias

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

SIMULADOR MULTI-AGENTE DE MERCADOS ELECTRÓNICOS COM

SIMULADOR MULTI-AGENTE DE MERCADOS ELECTRÓNICOS COM SIMULADOR MULTI-AGENTE DE MERCADOS ELECTRÓNICOS COM MAPEAMENTO DE ONTOLOGIAS Maria João Viamonte, Nuno Silva GECAD - Knowledge Engineering and Decision Support Research Group Polytechnic Institute of Porto

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CTS DE REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a história e a evolução

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

Maíra Ribeiro Rodrigues

Maíra Ribeiro Rodrigues Seminário PPGINF - UCPel Maíra Ribeiro Rodrigues maira.r.rodrigues@gmail.com University of Southampton, UK Formação Bacharelado em Ciência da Computação UCPel, 2000. Tópico: Agentes Improvisacionais de

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Midiatização: submissão de outras instituições à lógica da mídia.

Midiatização: submissão de outras instituições à lógica da mídia. Midiatização: submissão de outras instituições à lógica da mídia. Questão-chave: como a mídia altera o funcionamento interno de outras entidades sociais quanto às suas relações mútuas. Lógica da mídia:

Leia mais

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres

Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS. Profa. Ani Torres Unidade III GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Profa. Ani Torres Desenvolvendo pessoas O desenvolvimento e a manutenção de pessoas estão relacionados com a evolução das equipes de trabalho e com a

Leia mais

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas 4 Estudo de Caso Com o propósito de melhor apresentar a arquitetura NeMaSA, assim como melhor ilustrar seu funcionamento, dois exemplos práticos de testes desenvolvidos sobre a arquitetura proposta serão

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Ementas Disciplinas Eletivas

Ementas Disciplinas Eletivas Ementas Disciplinas Eletivas INFORMÁTICA Administração de Redes CH: 60 h Créditos: 2.1.0 Pré-requisito(s): Redes de Computadores II Conceitos e políticas de administração de redes. Gerência de redes e

Leia mais

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO

CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO CURSO DE INFORMÁTICA LICENCIATURA 1 PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica H111900 Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia no âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Conteúdo Definição Questionamentos Típicos Visão Geral Ciclo de Vida dos Requisitos Síntese dos Objetivos Gerência de Mudança Identificação de Requisitos Classificação de Requisitos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CST SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: Algoritmo e Programação I A disciplina aborda o estudo de algoritmos, envolvendo os conceitos fundamentais: variáveis, tipos de dados, constantes,

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS... 4 04 TEORIA

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo. Marco Milani

Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo. Marco Milani Projeto de pesquisa A Confessionalidade Espírita em Instituições de Ensino Superior: um estudo comparativo Marco Milani 2013 Dados Gerais Título: A confessionalidade espírita em Instituições de Ensino

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software

2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software 2 Auto-sintonia de Bancos de Dados e Agentes de Software A uso da abordagem de agentes de software 1 pode trazer benefícios a áreas de aplicação em que é necessário construir sistemas autônomos, ou seja,

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 013/2015 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS DO CURSO ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EDA 1601 - INGLÊS INSTRUMENTAL I (2.0.0)2 English for Specific Purposes": introdução. Leitura e compreensão de texto: estratégias de leitura. Organização e partes

Leia mais

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof.

Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos Prof. Modelagem do Conhecimento para a Gestão de Processos e Projetos 1 Objetivo Apresentação de modelo conceitual para a integração e recuperação de informações, disponíveis em ambientes internos ou externos,

Leia mais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais Universidade Federal do Rio de Janeiro PÓS-GRADUAÇÃO / 2008-2 IC Inteligência Computacional Redes Neurais www.labic.nce.ufrj.br Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Redes Neurais São modelos computacionais

Leia mais

4 Estratégias para Implementação de Agentes

4 Estratégias para Implementação de Agentes Estratégias para Implementação de Agentes 40 4 Estratégias para Implementação de Agentes As principais dúvidas do investidor humano nos dias de hoje são: quando comprar ações, quando vendê-las, quanto

Leia mais

Dispositivo que de alguma maneira descreve o comportamento do sistema

Dispositivo que de alguma maneira descreve o comportamento do sistema Sistema: Conceito primitivo (intuitivo) Tentativas de definição: Agregação ou montagem de coisas, combinadas pelo homem ou pela natureza de modo a formar um todo unificado. Grupo de itens interdependente

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial As organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus trabalhadores do conhecimento com ferramentas e técnicas

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

Interação Homem-Computador: As Interfaces

Interação Homem-Computador: As Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Interação Homem-Computador: As Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces:

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS CULTURA RELIGIOSA O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano, da cultura e da sociedade. As principais religiões universais: história

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2015 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 1 Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

1 Introdução 18. Figura 1. Criatura do jogo Black&White (Lionhead, 2003).

1 Introdução 18. Figura 1. Criatura do jogo Black&White (Lionhead, 2003). 1 Introdução A Inteligência Artificial (IA) vem tendo um papel muito importante no sucesso ou na falha de jogos eletrônicos (Howland, 2003). Nos últimos anos, a indústria de jogos teve um grande crescimento,

Leia mais