Propostas de alteração nos mecanismos de atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Propostas de alteração nos mecanismos de atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior"

Transcrição

1 Propostas de alteração nos mecanismos de atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior O tem já manifestado de formas diversas o seu apoio à existência de um sistema de ação social abrangente e integrador. Essas posições sustentam-se na convicção deste Conselho que é dever do Estado criar as condições necessárias para que todos os estudantes possam aceder e frequentar o ensino superior em condições de igualdade, apenas distinguidos pelo mérito individual, e sem as condicionantes inerentes às menores possibilidades económicas dos seus agregados. Para além de defender a necessidade de aprofundar a mobilidade social, o CRUP tem defendido o reforço do sistema de ação social também como meio para que o ensino superior português possa alargar a sua base de recrutamento de estudantes e contribuir mais para a crescente qualificação da população portuguesa. A entrada de mais estudantes no ensino superior é particularmente relevante para atingir as metas europeias definidas para o ano 2020, onde 40% da população portuguesa (entre os anos) deve ter uma qualificação superior ou equivalente. E, por sua vez, a obtenção desta meta é determinante para aumentar a produtividade da economia portuguesa. Portugal tem diplomados a menos, especialmente quando comparado com os demais países europeus e necessita de manter o esforço de qualificação de modo a renovar o tecido económico e produtivo e tornar-se gradualmente mais competitivo. Desta forma, o CRUP considera que a ação social no ensino superior (quer na vertente de atribuição de bolsas de estudo como de prestação de serviços de alimentação e alojamento e apoio ao desporto, cultura e saúde) é um vetor estratégico no esforço de qualificação nacional. O CRUP reconhece que esforços relevantes foram feitos no último ano letivo, nomeadamente através da criação de instrumentos de maior transparência na gestão do processo de bolsas (dos quais se destacam o simulador de cálculo de bolsa ou o reforço da obrigação de divulgação de informação relativa à análise de processos), o que aumentou a previsibilidade das decisões e a segurança dos candidatos. Realça-se positivamente as alterações processuais introduzidas bem como a permanente disponibilidade da Direção Geral de Ensino Superior para melhorar aspectos técnicos no processamento das candidaturas, o que permitiu antecipar análises e pagamentos em relação aos anos anteriores. Agora que se encontram resolvidas muitas da insuficiências técnicas identificadas no passado, importa voltar a olhar para o sistema de atribuição de bolsas de estudos através da sua dimensão social e não apenas processual. A maior celeridade do processo de atribuição de bolsas torna-se pouco relevante quando este não cumpre devidamente as funções para que

2 foi concebido e o seu acesso se torna demasiado restritivo. No fundo, o processo é mais rápido mas os estudantes têm maiores dificuldades em aceder a bolsa de estudo. Isto é comprovado quando se analisa a evolução do número de bolseiros no período de crise económica: entre 2009 e 2012, o grupo de estudantes bolseiros perdeu cerca de estudantes. No ano letivo 2009/2010, o Estado apoiava com bolsa de estudo cerca de estudantes, no ano letivo 2011/2012 apoiou cerca de estudantes e em 2012/13 foram aprovadas, até ao momento, bolsas. Este é um facto preocupante já que a redução dos apoios sociais no ensino superior contribui para a desqualificação da população portuguesa e, naturalmente, tem uma influência negativa nas taxas de abandono escolar. A mesma preocupação tem sido transmitida por diversas entidades, que têm defendido a relevância de aprofundar a equidade social no acesso e frequência do ensino superior português: - a OCDE, no seu relatório Education at a Glance 2012, revela que Portugal é ainda um dos países em que as oportunidades de acesso ao ensino superior estão mais desequilibradas em favor das famílias cujos progenitores têm formação superior (apesar da evolução verificada nas últimas décadas); - a EUA, no estudo Portuguese Higher Education: a view from the outside, recomenda que sejam colocadas em prática medidas de apoio que incentivem o recrutamento de estudantes de grupos sub-representados no ensino superior e, para além disso, que seja estudada a adequação do volume e mecanismos de apoio aos estudantes; - o Conselho Nacional de Educação, na sua resolução relativa ao Estado da Educação 2012, recomenda que sejam envidados todos os esforços para manter e, se possível, aumentar os níveis de financiamento afeto à atribuição de bolsas de estudo aos estudantes carenciados. Estas recomendações, que se juntam aos constantes apelos dos representantes estudantis, demonstram que é consensual a necessidade de rever diversos aspectos do atual mecanismo de atribuição de bolsas de estudo, opinião que o CRUP também acompanha. Assim, no âmbito da preparação de futuros processos de atribuição de bolsas de estudo, os reitores das universidades públicas portuguesas defendem as seguintes posições: 1. Apesar da positiva evolução já verificada, devem continuar a ser executadas medidas de desburocratização e agilização do processo de pagamento de bolsas, que permitam efectuar a primeira transferência de verbas para o estudante com a maior brevidade possível após a decisão dos serviços de ação social. Nesse âmbito, o CRUP propõe: - agilização do processo de audiência prévia de modo a que, quando a decisão é favorável ao interessado, esta possa ser dispensada; - eliminação do período de audiência de interessados quando este ocorra na sequência de reanálise para atribuição de complementos;

3 - definição da figura da contratualização da bolsa, assegurando as condições de apoio social até ao fim do ciclo de estudos desde que o estudante satisfaça as condições de elegibilidade regulamentares. 2. O valor do limiar de elegibilidade para acesso a bolsa de estudo (que no próximo ano lectivo poderá fixar-se em per capita) é um valor relativamente baixo e deixa de fora do sistema de ação social milhares de estudantes de baixos rendimentos. Para além disso, a forma como é encontrado esse rendimento per capita (por exemplo, com a consideração de rendimentos ilíquidos e a presunção de lucros patrimoniais e mobiliários muitas vezes inexistentes) distorce a realidade económica dos agregados familiares, inflacionando rendimentos e empurrando para fora do limiar de elegibilidade muitas famílias. Desse modo, o CRUP propõe que: - o limiar de elegibilidade para acesso a bolsa de estudo seja repensado de modo a permitir o apoio a um maior número de estudantes; - o cálculo do rendimento tenha em consideração as reais circunstâncias vividas pelas famílias, considerando os rendimentos de trabalho efectivamente percebidos pelos agregados familiares ( e não os seus valores ilíquidos). - sejam definidos critérios que permitam o apuramento real dos rendimentos provenientes de trabalho por conta própria, em especial no caso dos trabalhadores com anexo C de IRS e sócios gerentes de sociedades, bem como a consideração de situações em que existam mais-valias e outros incrementos patrimoniais; - sejam tidas em consideração as despesas de saúde permanentes, derivadas de doenças crónicas, ou de despesas relacionadas com a habitação permanente do agregado familiar. A não consideração deste tipo de despesas provoca uma distorção nos cálculos dos rendimentos pois penaliza as famílias com situações pessoais mais débeis e trata de forma idêntica agregados familiares que dispõem da totalidade dos respectivos rendimentos e os agregados cujos rendimentos estão, à partida, mais limitados; - seja suprimida a presunção de rendimentos no património mobiliário de valor fixado até aos euros. 3. O CRUP defende que deve ser sempre assegurado até ao fim do ano letivo o pagamento da parcela de bolsa de estudo que seja necessária ao pagamento da propina, ainda que a conclusão do curso ocorra antes do final do ano letivo. 4. Com vista a promover o mérito académico, propõe-se que seja introduzida uma bonificação no valor da bolsa de estudo aos estudantes que apresentarem melhores resultados académicos, o que pode ser definido como o aproveitamento em todos os ECTS em que estes se encontrem inscritos.

4 5. De modo a assegurar a equidade de tratamento de todos os estudantes quando esteja em causa uma situação de alteração de condições sócio-económicas a meio do ano letivo, propõese que seja definido um procedimento uniforme para cálculo dos rendimentos nessa situação. 6. O CRUP renova a sua oposição à consideração das dívidas tributárias e contributivas para efeitos de atribuição de bolsas de estudo, conforme deliberação na reunião plenária de 11 de Setembro de Com vista a diminuir os custos de frequência, propõe-se que sejam atribuídos complementos para transporte aos estudantes bolseiros que, por motivos de estudo, se encontrem deslocados do seu concelho de residência. CRUP, 25 de junho de 2013.

5 Anexo N.º de estudantes bolseiros, 2010 a 2013 Instituição 2010/ / /13 UABERTA Não apoiada por Ação Social Variação % UAÇORES % UALGARVE 1,315 1,062 1,038-21% UAVEIRO 2,859 2,337 2,423-15% UBI 1,920 1,729 1,851-4% UCP % UCOIMBRA 4,393 3,611 3,685-16% UÉVORA 1, % ULISBOA 2,747 2,299 2,497-9% UMADEIRA 1, ,018-6% UMINHO 5,037 4,585 4,990-1% UNOVA 1,487 1,234 1,377-7% UPORTO 5,109 4,050 4,970-3% UTL 1,950 1,611 1,936-1% UTAD 2,437 2,071 2,103-14% ISCTE-IUL % Total 33,907 28,592 30,949-9% Fontes: Serviços de Ação Social (2010/11 e 2011/12); DGES (2012/13) Nota: os dados 2010/11 e 2011/2012 são reportados à situação verificada no início do mês de julho de cada ano letivo, exceção da UC, UÉ e UA, que se reportam ao final do ano letivo. Os dados 2012/2013 são reportados à situação em Os dados de 2010/11 incluem os estudantes bolseiros em regime transitório já que se contabilizaram o número de bolsas com pagamento processado e não o subtipo em que estavam enquadradas.

Alterações ao Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudos a Estudantes de Ensino Superior

Alterações ao Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudos a Estudantes de Ensino Superior Alterações ao Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudos a Estudantes de Ensino Superior O movimento associativo nacional entende que a existente dificuldade dos estudantes e das famílias portuguesas

Leia mais

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento Preâmbulo O Programa Escolhas, tutelado pela Presidência do Conselho de Ministros e integrado no Alto Comissariado para as Migrações, I.P., tem como um

Leia mais

Regulamento de atribuição de Bolsas de Estudo U CAN

Regulamento de atribuição de Bolsas de Estudo U CAN Regulamento de atribuição de Bolsas de Estudo U CAN Preâmbulo Faz parte da missão do Programa Escolhas o apoio à inclusão escolar dos jovens provenientes dos contextos socio-económico mais vulneráveis.

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL PARA ATRIBUIÇÃO DE DE BOLSAS DE ESTUDOS AOS ALUNOS QUE FREQUENTAM O ENSINO SUPERIOR Órgão APROVAÇÃO Data Entrada em vigor Câmara Municipal 30/05/2014 Assembleia Municipal 06/06/2014

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Bolsas de Estudo e Novas Regras

Serviços de Acção Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Bolsas de Estudo e Novas Regras Serviços de Acção Social da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Bolsas de Estudo e Novas Regras Missão dos SASUTAD Apoios Directos Apoios Indirectos Núcleo de Apoio ao Estudante (NAE) Sector de

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D E M O N T I J O

C Â M A R A M U N I C I P A L D E M O N T I J O REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO CIDADE DE MONTIJO Preâmbulo Os défices estruturais dos níveis de educação e de qualificação que ainda continuam a caracterizar a população concelhia

Leia mais

Proposta de Alteração PROPOSTA DE LEI N.º 178/XII ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2014

Proposta de Alteração PROPOSTA DE LEI N.º 178/XII ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2014 Proposta de Alteração O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda propõe a seguinte alteração ao artigo 3.º da Proposta de Lei: Artigo 3.º Utilização das dotações orçamentais 1 [ ]; 2 [ ]; 3 [ ]; 4 [ ]; 5

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Conselho Geral DEFINIÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELO DIRETOR, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR (2013-14) De acordo com o Decreto-Lei

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Nota justificativa Os municípios são autarquias locais que têm como objetivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respetivos

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica

Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica REGULAMENTO Exposição de Motivos A relação entre o desporto e a educação constitui-se como um fator de grande

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR O direito a uma justa e efectiva igualdade de oportunidades no acesso e sucesso

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 471/X

Projecto de Resolução n.º 471/X Projecto de Resolução n.º 471/X Recomenda ao Governo a adopção de medidas de excepção de apoio aos alunos do ensino superior com dificuldades económicas, face ao momento de recessão económica que o País

Leia mais

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇ BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA Pretende-se, com este regulamento, incentivar e proporcionar condições de

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior 3 de Setembro de 2010 Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Capítulo I Princípios da

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo

BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO. Preâmbulo BOLSAS DE ESTUDO ANA SOLIDÁRIA REGULAMENTO Preâmbulo Faz parte da missão da ANA - Aeroportos de Portugal, S.A. (ANA) gerir de forma eficiente a rede de infraestruturas aeroportuárias a seu cargo os aeroportos

Leia mais

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO Regulamento do Programa de Bolsas de Educação Introdução Considerando a importância e oportunidade do Programa de Responsabilidade Social do Comité Olímpico de

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo para Cursos do Ensino Superior CAPITULO 1 Artigo 1 Âmbito 1. O presente Regulamento tem como lei habilitante a Lei n 169/99,

Leia mais

REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO REGRAS TÉCNICAS PARA APLICAÇÃO DO REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Nos termos do disposto no nº2 do Despacho nº 10324-D/97 do D.R. (II Série) de 31 de Outubro, o Conselho de Acção Social dos

Leia mais

Contributos para a agilização do processo de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior

Contributos para a agilização do processo de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior Contributos para a agilização do processo de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino superior 1. Contexto A atribuição de bolsas de estudo a estudantes de ensino superior encontra-se actualmente

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL DO ISVOUGA

REGULAMENTO AÇÃO SOCIAL DO ISVOUGA Página 1 de 5 Artigo 1.º (objeto) Num contexto económico e social com elevados níveis de competitividade e em que o processo de escolarização se revela fundamental para a aquisição/reforço de competências

Leia mais

A internacionalização do ensino superior

A internacionalização do ensino superior A internacionalização do ensino superior A perspectiva das universidades públicas António Rendas Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) Reitor da Universidade Nova de Lisboa

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO No âmbito da sua ação sócio-cultural e educacional, a Santa Casa da Misericórdia de Mora decidiu atribuir bolsas de estudo

Leia mais

Mobilidade Estudantil:

Mobilidade Estudantil: Mobilidade Estudantil: 1. Programa Erasmus: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2. Protocolo Brasil e China: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2 Protocolo Brasil e China As regras a aplicar

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA

REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA APROVADO EM REUNIÃO DE CÂMARA DE 12 DE JUNHO DE 2013 ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR PREÂMBULO A educação e formação dos jovens estarrejense são factores essenciais para o desenvolvimento económico e social do concelho

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

Cartão Almodôvar Solidário. Regulamento Municipal

Cartão Almodôvar Solidário. Regulamento Municipal Cartão Almodôvar Solidário Regulamento Municipal junho de 2015 Regulamento do Cartão Almodôvar Solidário Proposta de Regulamento aprovada por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 11

Leia mais

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014 Regulamento Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014 A. Enquadramento 1. O presente regulamento define e estabelece o regime de submissão e validação de candidaturas, e o processo

Leia mais

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 06

Leia mais

Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão

Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão Regulamento de Admissão às Licenciaturas da Faculdade de Economia e Gestão Artigo 1º Âmbito e Disposições Gerais 1. O presente Regulamento é aplicável às candidaturas aos cursos de Licenciatura da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO Bolsas de mérito e de excelência no acesso e ingresso

REGULAMENTO Bolsas de mérito e de excelência no acesso e ingresso REGULAMENTO s de mérito e de excelência no acesso e ingresso Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção ISPA CRL Gabinete Apoio Reitoria 1.9 (Prof. Doutor Emanuel Gonçalves) Revisto e Confirmado por:

Leia mais

Fundo Universitário AMI

Fundo Universitário AMI Fundo Universitário AMI Regulamento Geral Preâmbulo Desde 1994, ano em que se inaugurou o primeiro centro social da AMI (Olaias) e até 2014, os Serviços Sociais da AMI apoiaram 64.317 pessoas em situação

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE APOIOS A CARÊNCIA/EMERGÊNCIA NO ÂMBITO DE AÇÃO SOCIAL PREÂMBULO No contexto socioeconómico do País e concretamente da UFAFDN, debatemonos com várias carências de nível económico,

Leia mais

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2011/2012

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2011/2012 Regulamento Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2011/2012 A. Enquadramento 1. O presente regulamento define e estabelece o regime de submissão e validação de candidaturas, e o processo

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO A regulamentação existente na Universidade de Aveiro em matéria de propinas encontra-se relativamente dispersa,

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 QUESTIONÁRIO

ANO LETIVO 2014/2015 QUESTIONÁRIO Município de Pombal CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE DUAS BOLSAS DE ESTUDO A ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR E RENOVAÇÃO DAS BOLSAS DE ESTUDO ATRIBUIDAS A ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR ANO LETIVO 0/0 QUESTIONÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

Secretaria de Estado para o Ensino Superior

Secretaria de Estado para o Ensino Superior Secretaria de Estado para o Ensino Superior Decreto n.º 21/08 de 28 de Fevereiro Com a aprovação da Lei de Bases do Sistema de Educação, torna se necessário regulamentar a política de Acção Social no Ensino

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR PÚBLICO Regras Técnicas aprovadas no CAS Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Ano Lectivo 2009/2010 REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES DE ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/01302 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade De Aveiro 1.a. Descrição

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE

REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE 1 PREÂMBULO A Associação Académica da Universidade da Madeira (AAUMa) tem uma missão ampla e variada, onde está prevista a participação na definição

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

Relatório da Comissão de Revisão do Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior

Relatório da Comissão de Revisão do Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Relatório da Comissão de Revisão do Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Abril de 2015 1 1. Apresentação Tendo como objetivo a revisão do Regulamento de Atribuição

Leia mais

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito Regulamento Interno Fundamentação As preocupações sociais da Associação Vidas Cruzadas estão bem patentes nos objectivos de intervenção desta Instituição. Face ao actual contexto sócio económico cujas

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

Regulamento de Propina

Regulamento de Propina Regulamento de Propina 2015 2015 ÍNDICE SECÇÃO I Curso de Licenciatura em Enfermagem... 4 Artigo 1º Valor da Propina... 4 Artigo 2º Modalidades de pagamento... 4 SECÇÃO II Cursos de Pós-Licenciatura e

Leia mais

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013

Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Linhas de Reforma do Ensino Superior Contributos e Comentários da Universidade de Coimbra dezembro 2013 Contributos conjuntos do Conselho Geral e do Reitor em resposta à solicitação de 22 de outubro de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR

MUNICÍPIO DE CHAVES REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA O ENSINO SUPERIOR Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas de atribuição de bolsas de estudo, por parte da Câmara Municipal de

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE MEDIDAS DE APOIO SOCIAL A FAMÍLIAS CARENCIADAS DO CONCELHO DE VALENÇA Preâmbulo A atual situação económica tem provocado o aumento das situações de desemprego e como tal um elevado

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

Despacho N.º 19/2015

Despacho N.º 19/2015 Despacho N.º 19/2015 Assunto: Regulamento das BOLSAS ESTUDAR+ Por proposta do Subdiretor para os Estudantes, Prof. Doutor João Soeiro de Carvalho, e da Subdiretora Adjunta para a Comunicação e Fundraising,

Leia mais

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL FUNDO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL A realidade do concelho de Resende e as carências reais das suas populações mais desfavorecidas impõem que a Câmara Municipal, seu órgão representativo democraticamente eleito,

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

ÍNDICE. Artigo 8.º - Apoio ao pagamento de renda ou prestações relacionadas com a aquisição de habitação própria

ÍNDICE. Artigo 8.º - Apoio ao pagamento de renda ou prestações relacionadas com a aquisição de habitação própria REGULAMENTO MUNICIPAL PLANO DE EMERGÊNCIA SOCIAL CAMINHA SOLIDÁRIA ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de atribuição Artigo 4.º - Destinatários Artigo 5.º

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos Deliberação nº /CI/2007 Reunido em sua Sessão Ordinária no dia 6 de Setembro de 2007, a Comissão Instaladora

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa Nota Justificativa A Constituição da República Portuguesa define no n.º 2 do artigo 73.º que O Estado promove a democratização da Educação e as demais condições para que a Educação, realizada através da

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO REGRAS E PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA O CÁLCULO DE BOLSAS DE ESTUDO I. Atento o nº 1 do artigo 10º, o Rendimento anual do agregado

Leia mais

REGULAMENTO Programa ISPA ACTIVO - Bolsas de Mérito Social

REGULAMENTO Programa ISPA ACTIVO - Bolsas de Mérito Social REGULAMENTO Programa ISPA ACTIVO - Bolsas de Mérito Social Elaborado por: Aprovado por: Versão Direção ISPA CRL 1.0 (Prof. Doutor Emanuel Gonçalves) Revisto e confirmado por: Data de Aprovação Inicial

Leia mais

As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais

As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Portugal Janeiro 2015 No passado

Leia mais

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO NORMAS E CRITÉRIOS DE CONCESSÃO DE AUXILIOS ECONÓMICOS OBJECTIVOS O Decreto-lei 55/2009 estabelece

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

FREGUESIA DESANTOANTÓNIO PROJETO DE REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA

FREGUESIA DESANTOANTÓNIO PROJETO DE REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA Considerando o quadro legal de competências e atribuições das autarquias locais estabelecido pela Lei n.º 169/99, de 18 de setembro,

Leia mais

Programas de Apoio ao Investimento em Portugal - Síntese Zeta Advisors

Programas de Apoio ao Investimento em Portugal - Síntese Zeta Advisors Programas de Apoio ao Investimento em Portugal - Síntese Zeta Advisors 1 The way to get started is to quit talking and begin doing. Walt Disney Company ÍNDICE 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e

Leia mais

Guia de Atribuição das Bolsas Sociais-Católica Porto

Guia de Atribuição das Bolsas Sociais-Católica Porto Guia de Atribuição das Bolsas Sociais-Católica Porto LEIA ESTE DOCUMENTO ATENTAMENTE ANO LECTIVO 2011/2012 1 / 8 PREÂMBULO A Universidade Católica Portuguesa (UCP) tem como princípio que ninguém deverá

Leia mais

Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015

Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015 Aviso de Abertura do Concurso para Atribuição de Bolsas Individuais de Doutoramento, de Doutoramento em Empresas e de Pós- Doutoramento 2015 Nos termos do Regulamento de Bolsas de Investigação da Fundação

Leia mais

Regulamento para Atribuição de Bolsas de Estudo

Regulamento para Atribuição de Bolsas de Estudo Regulamento para Atribuição de Bolsas de Estudo Nota Justificativa Um dos grandes fatores que contribui para o abandono escolar e para o não prosseguimento dos estudos, após a conclusão da escolaridade

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013

ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013 ESTUDO DE AVALIAÇÃO DO GABINETE DE AÇÃO SOCIAL 2013 RELATÓRIO Realização: Alexandre Boavida Vicente Ana Cristina Santos Ana Paula Fontinha Bruno Miguel Ramos Coordenação: Alexandra Tavares de Moura 1)

Leia mais

FAQ S ESTUDOS ERASMUS

FAQ S ESTUDOS ERASMUS FAQ S ESTUDOS ERASMUS 1. Quem se pode candidatar? Podem-se candidatar ao programa Erasmus todos os estudantes cidadãos, ou com estatuto de residente permanente de um dos 27 países da União Europeia, e

Leia mais

Guia de Atribuição de Apoio Social da Católica Porto

Guia de Atribuição de Apoio Social da Católica Porto Guia de Atribuição de Apoio Social da Católica Porto LEIA ESTE DOCUMENTO ATENTAMENTE ANO LETIVO 2013/2014 1 / 8 PREÂMBULO A Universidade Católica Portuguesa (UCP) tem como princípio que ninguém deverá

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 22056-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 120 22 de junho de 2012

PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 22056-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 120 22 de junho de 2012 22056-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 120 22 de junho de 2012 PARTE C MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Secretário de Estado do Ensino Superior Despacho n.º 8442-A/2012 A atribuição de

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão (Aprovado por Deliberação de Mesa nº466/14, de 22 de Abril, com as alterações

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

Alteração ao Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo de Paredes de Coura

Alteração ao Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo de Paredes de Coura Alteração ao Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo de Paredes de Coura Preâmbulo A educação e formação dos jovens courenses são fatores essenciais para o desenvolvimento económico e social do concelho

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

Regulamento Atribuição de Bolsas de Estudo para Estudantes do Ensino Superior do Concelho de Alpiarça

Regulamento Atribuição de Bolsas de Estudo para Estudantes do Ensino Superior do Concelho de Alpiarça Regulamento Atribuição de Bolsas de Estudo para Estudantes do Ensino Superior do Concelho de Alpiarça Nota Justificativa A educação assume-se, no contexto atual, como uma tarefa transversal que cabe a

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.a Promoção do espírito

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

Regulamento de Concessão de Bolsas de Estudo

Regulamento de Concessão de Bolsas de Estudo N.º 02R/CG/SASR/2012 Regulamento de Concessão de Bolsas de Estudo I. Âmbito de aplicação As bolsas de estudo do Instituto Politécnico de Macau (adiante designado abreviamente por IPM), tem como objectivo

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota justificativa Os municípios enquanto autarquias locais

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RESENDE

CÂMARA MUNICIPAL DE RESENDE 1 REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Preâmbulo As dificuldades económicas são hoje o grande factor que condiciona o abandono escolar precoce e o não prosseguimento dos estudos após a conclusão

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO PREÂMBULO Portugal, quer pelo aumento da esperança de vida, quer pelos baixos níveis da natalidade, está a tornar-se num país com população envelhecida. Valença não

Leia mais

REGULAMENTO DOS APOIOS ECONÓMICOS

REGULAMENTO DOS APOIOS ECONÓMICOS REGULAMENTO DOS APOIOS ECONÓMICOS PREAMBULO No âmbito da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com a nova redação dada pela Lei n.º 5-A/2002 e da Lei n.º 159/99 de 14 de Setembro, de 11 de Janeiro, compete

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO GERAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a Matrículas e Inscrições nos diferentes

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O MUNICÍPIO DE AROUCA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR R E G U L A M E N T O NOTA JUSTIFICATIVA Cabe às autarquias locais tudo o que diz respeito aos interesses próprios, comuns

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Despacho N.º 20/2015

Despacho N.º 20/2015 Despacho N.º 20/2015 Assunto: Regulamento das BOLSAS TOP Por proposta do Subdiretor para os Estudantes, Prof. Doutor João Soeiro de Carvalho, e da Subdiretora Adjunta para a Comunicação e Fundraising,

Leia mais

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social O Conselho de Ação Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, atento à

Leia mais

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA AGREGADOS FAMILIARES CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO (Deliberação 27/AML/2012, publicada no 1º Sup. ao BM nº 951, de 10 de Maio

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Alteração ao Regulamento Municipal para Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Público Artigo 1.º Alteração à denominação do Regulamento É alterado o título do Regulamento que passa

Leia mais