MODELO HOMOGÊNEO DE UM GERADOR DE VAPOR PARA SIMULAÇÃO DE TRANSITÓRIOS OPERACIONAIS E ACIDENTES EM CENTRAIS NUCLUEARES TIPO PWR MINISTÉRIO DO EXÉRCITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODELO HOMOGÊNEO DE UM GERADOR DE VAPOR PARA SIMULAÇÃO DE TRANSITÓRIOS OPERACIONAIS E ACIDENTES EM CENTRAIS NUCLUEARES TIPO PWR MINISTÉRIO DO EXÉRCITO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DO EXÉRCITO DEP CTEx TESE DE MESTRADO MODELO HOMOGÊNEO DE UM GERADOR DE VAPOR PARA SIMULAÇÃO DE TRANSITÓRIOS OPERACIONAIS E ACIDENTES EM CENTRAIS NUCLUEARES TIPO PWR Adriano Lobo de Souza E

2 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA MODELO HOMOGÊNEO DE UM GERADOR DE VAPOR PARA SIMULAÇÃO DE TRANSITÓRIOS OPERACIONAIS E ACIDENTES EM CENTRAIS NUCLEARES TIPO PWR POR ADRIANO LOBO DE SOUZA TESE SUBMETIDA COMO REQUISITO PARCIAL PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA NUCLEAR Assinatura do Orientador da Tese DAVID ADJUTO BOTELHO Rio de Janeiro, RJ Julho, 19S1

3 A Meus Pais

4 AGRADECIMENTOS A Seção de Energia Nuclear do Instituto Militar de Engenharia pela formação científica adquirida. A Comissão Nacional de Energia Nuclear em e pecial ao PRONUCLEAR pela bolsa concedida. Ao Instituto de Engenharia Nuclear, e a todos os seus funcionários que contribuiram para a realização deste trabalho. De modo especial, ao Dr. David Adjuto Botelho, meu orientador e amigo, pelo dedicado trabalho de assi_s tência, estímulo e eficiente orientação dispensada duran te o desenvolvimento deste trabalho, bem como o seu cont<i giante otimismo nas horas difíceis. Ao Dr. Antonio Carlos Marques Alvim, pela mizade e apoio em todas as ocasiões, participação e coop ração durante o decorrer deste trabalho. Ao Dr. Luiz Lederman, diretor do Departamento de Reatores da CNEN, pelo suporte concedido. zade e co-orientação. Ao M.Sc. Maj Ronaldo Glicério Cabral pela ami.

5 Ao M.Sc. Cláudio Tcrcio Munhoz Camargo pela a juda e comentários, e por sua participação como membro da banca examinadora.. Ao Dr. Antonio Carlos de Oliveira Barroso p Ias sugestões e pela participação como membro da banca xaminadora. De forma muito particular, ao meu companheiro de trabalho e amigo M.Sc. Romero de Souza Pinto, pela aju da, troca de idéias e cooperação durante todo o decorrer deste trabalho. Ao M.Sc. Maj Armando Costa Pinto, M.Sc. Ezzat Selim Chalhoub, M.Sc. Enio Antonio Vanni pelo auxílio pre tado. De maneira muito especial, aos meus amigos Luiz Manoel Dias Henriques e Antônio Manoel Dias Henriques pe_ Io auxílio, apoio e colaboração. Aos meus colegas de curso, Karam, N'uno, Eduajr do, Rejane, Ronaldo e Rubens pela amizade e incentivo em todas.as ocasiões. A todos enfim, que direta ou indiretamente, contribuíram para a realização deste trabalho e cujos n mes injustamente omito.

6 SUMARIO Fei dèsêllvolvid-o um código computacional, denonu nado GEVAP, para simular o comportamento termodinâmico transitório de geradores de vapor utilizados em centrais nucleares tipo Pls'R. simulação é efetuada dividindo-se o gerador de vapor em volumes de controle e integrando-se numericamente as equações de conservação de massa e energia por método de previsão e correção,. 0 modelo admite pressão uniforme em todas as seções no lado primário dos tubos de aquecimento. No lado secundário admite-se que a água líquida e o vapor constituem uma mistura homogênea em equilíbrio térmico. A energia térmica ê transferida pòr convecção do líquido primário para a parede dos tubos de aquecimento e por ebulição nucleada, para a mistura homogênea de água líquida e vapor. Durante transitórios, uma relação algébrica, denominada "Lei dos Cones", é utilizada -para calcular a vazão do va^or para a turbina em 'função da pressão e densidade do vapor. v Uma vez que foram obtidos bons resultados na simulação de alguns transitórios, quando comparados cora códigos mais detalhados, conclui-se que o modelo teórico u- tilizado no código GEVAP é adequado para simular o compo_r iv

7 tamento.termodinâmico de geradores de vapor, podendo ser incluído como parte integrante de um código para simular transientes operacionais e acidentes postulados em sistemas de uma central PWR. / j_j.j-

8 ABSTRACT GEVAP - A digital computer code was developed to simulate the thermodynamic transient behaviour of steam generators steam generator is divided in heating sections. In each section, the conservation equations of mass and energy are integrated numerically, using a predictor-corrector method,. / Thè^model assumes uniform pressure, throughout / all sections-in tke primary side of the heating tubes. In I the secondary side, liquid water and steam are assumed homogeneously mixed and in "thermal equilibrium. Thermal energy is transferred by convection from the primary fluid \ to the heating tubes and by nucleate boiling to the ^homogeneous mixture of liquid water and steam. \ \ I The so-called "Cone Law", which relates the steam mass flow rate with steam density and pressure, is /used to calculate the steam mass flow rate out of the i \ secondary side of the steam generator. "\As good results where obtained, as compared to transients simulated using more detailed codes, it is concluded that GEVAP can be included as the steam VI

9 generator module of a more complete systems simulation code for PKR's. (.& ) VI1

10 ÍNDICE SUMARIO iv ABSTRACT vi LISTA DE TABELAS xi LISTA DE ILUSTRAÇÕES. xii NOMENCLATURA.. xvi I - INTRODUÇÃO Revisão Bibliográfica Trabalho Proposto 7 II - DESCRIÇÃO DO MODELO FÍSICO DO GERADOA DE VAPOR lü O Gerador de Vapor com Tubo en U e Circulação Natural Modelo de Simulação 12 III - EQUAÇÕES BÁSICAS DE CONSERVAÇÃO h DE TRANSFERÊNCIA DE CALOR IS Considerações Iniciais IS Equações Fundamentais Regimes de Transferência de Calor -' Integração Numérica 5S VI 11

11 IV - EQUAÇÕES DE CONSERVAÇÃO APLICADAS AO MODELO Equações de Conservação adaptadas ao Fluido Primário Equações de Conservação adaptadas ao Fluido Secundário Seqüência de Cálculo das Funções Ter modinãmicas no Estado Lstacionãrio Cálculo Transitório Nível de Água no Secundário do Gerador de Vapor 57 4J V - RESULTADOS, CONCLUSÕES E SUGESTÕES Introdução Oscilações de Potência no Reator Cau sadas por Movimentos em Barras de Con trole Perda Completa da Vazão Forçada Refrigeração do Reator Perda de Carga Elétrica Externa e/ou Desligamento da Turbina t> Conclusões 95 5.b - Sugestões para Trabalhos Futuros 95 de os APÊNDICE A - POTCXCIA LSPCIONARIA REMOVIDA DO PRIMÁRIO 91 APÊNDICE B - CORRELAÇÕES PARA TRANSFERÊNCIA DE CALOR XO LADO SECUNDÁRIO DE UM GERADOR DE VAPOR 103 APÊNDICE C - DERIVADAS PARCIAIS DO VOLUME ES PECIFICO 107 ix

12 APÊNDICE D - DADOS GEOMETRICOS PARA O GERADOR DE VAPOR ÜE ANGRA I 111 APÊNDICE E - UTILIZAÇÃO DO PROGRAMA GEVAP APÊNDICE F - DESCRIÇÃO DO PROGRAMA GEVAP BIBLIOGRAFIA 151 x

13 LISTA DE TABELAS TABELA 1 : Erro relativo er. função tio numero de seções. * 102 TABELA 2 : Coeficientes de transferência de c«i lor em cada seção e para diversas co relações em regime estacionario. 106 XI

14 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 : Gerador de vapor utilizado em centrais nucleares com reatores tipo P1ÍR. 11 Figura 2 : Gerador de vapor e sistema de remoção de vapor. 14 Figura 3 : Curva típica das temperaturas dos dos primário e secundário, em quase toda a extensão da parede dos tubos U. 24 Figura 4 : Esquema simplificado do gerador de v_a por Figura 5 : Curva típica de temperatura do lado primário para o lado secundário, numa seção "i". 50 Figura 6 : Transiente de oscilações de potência (vazão do primário na saída do gerador de vapor). 63 Figura 7 : Transiente de oscilações de potência (entalpia do primário na saída do gera_ dor de vapor). 64 xii

15 Figura 8 : Transiente de oscilações de potência (potência térmica removida do prinijá rio pelo gerador de vapor). 65 Figura 9 : Transiente de oscilações de potência (pressão de vapor no secundário). 66 Figura 10 : Transiente de oscilações de potência (vazão de vapor no secundário). Figura 11 : Transiente de oscilações de potência (nível de água no secunuãrio-geyap). 69 Figura 12 : Transiente de oscilações de yotência (nível de água no secundário-almod). Figura 15 : Acidente de perda de vazão do reator (pressão no sistema primário). 71 Figura 14 : Acidente de perda de vazão do reator (entalpia do primário na entrada do gerador de vapor). Figura 15 : Acidente de perda de vazão do reator (varão do primário na entrada do ge rador de vapor). 73 XI11

16 Figura 16 : Acidente de perda de vazão do reator (vazão do primário na saída do gera dor de vapor). 75 Figura 17 : Acidente de perda de vazão do reator (entalpia do primário na saída do g rador de vapor). 76 Figura 18 : Acidente de perda de vazão do reator (potência térmica removida do primiá rio pelo gerador de vapor). 77 Figura 19 : Acidente de perda de vazão do reator (pressão de vapor no secundário). 78 Figura 20 : Acidente de perda de vazão do reator (vazão de vapor no secundário). 79 Figura 21 : Acidente de perda de vazão do reator (nível de água no secundário-gevap). 81 Figura 22 : Acidente dé.perda de vazão do reator (nível de água no secundãrio-almod). S2 Figura 23 : Acidente de desligamento da turbina (vazão do' primário na saída do gerji dor de vapor). S5 xiv

17 Figura 24 : Acidente de desligamento da turbina. (entalpia do primário na saída do gerador.de vapor). 8b Figura 25 : Acidente de desligamento da turbina (potência térmica removida do primário pelo gerador de vapor). 87 Figura 26 : Acidente de desligamento da turbina (pressão de vapor no secundário). 8S Figura 27 : Acidente de desligamento da turbina (vazão de vapor no secundário). 89 Figura 28 : Acidente de desligamento da turbina (nível de água.no secundário-gevap). 91 Figura 29 : Acidente de desligamento da turbina (nível de água no secundário-almod). 92 Figura 50 : Esquema simplificado do gerador de vapor de Angra Figura 31 : Diagrama de blocos do programa GEVAP. 127 xv

18 NOMENCLATURA _ 2 area, ft área total de transferência de calor, ft calor específico a pressão constante,btu/lbm. F D» - diâmetro hidráulico, ft - espessura do tubo U, ft G 2 - fluxo de massa, lbm/ft.hr H - entalpia, Btu h - entalpia específica, Btu/lbm - equivalente mecânico do calor (778,26 lbf.ft/btu) condutividade térmica, Btu/hr.ft. F L - largura do tubo (comprimento do círculo de raio médio do tubo U), ft M - massa, lbm m - vazão, lbm/hr xvi

19 N - número de volumes de controle - pressão, psi Q,q - taxa de transferência de calor, Btu/hr q" - fluxo de calor, Btu/hr.ft 2 q" 1 - taxa de produção de calor por unidade de volume, Btu/hr.ft 3 temperatura, F t - tempo, hr U - energia interna, Btu V - volume, ft volume específico, ft /lbm - título de vapor z,z - direção de escoamento, ft XV11

20 LETRAS GREGAS a - coeficiente de transferência de calor, Btu/hr.ft. F - fração de vazios p - viscosidade, lbm/hr.ft. p - massa específica, lbm/ft X - condutividade térmica, Btu/hr.ft. F e - erro relativo a - tensão superficial, lbm/ft SUBSCRITOS e - refere-se ã condições de entrada f - refere-se a condições de filme i - refere-se ã condição na entrada ou "a condição média do volume de controle i+1 - refere-se ã condição n3 saída do volume de controle g - referè-se ã condição no gás xviii

21 I - refere-se a condição do líquido saturado p - refere-se ao circuito primário pa - refere-se a parede de aquecimento s - refere-se ao circuito secundário & - refere-se a condição de saída SAT- - refere-se a condição de saturação T. - refere-se a total v - refere-se a condição de vapor saturado O(zero)- refere-se ao estado estacionário NOTAÇÃO - refere-sè a valor médio A - refere-se a um incremento Nu - Número de Nusselt = a.d u /K n Pr - Número de Prandtl = c.p/k Re - Número de Reynolds = G.D H /p xix

22 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Era uma central nuclear do tipo PWR, o gerador de vapor faz o acoplamento térmico entre os circuitos primário e secundário. Os geradores de vapor de centrais nucleares operam com fluxos de calor bastante mais elevados que aqueles de centrais térmicas convencionais. Como o sistema primário de ura reator PWR ê projetado de forma a possuir elevado grau de autocontrole, ê importante o calculo de condições transitórias nesse sistema, exigindo-se a simulação do gerador de vapor através de modelos matem ticos Revisão Bibliográfica Existem algumas publicações descrevendo os modelos e os resultados obtidos para diversas situações transitórias de sistemas de reatores PWR. Uma grande parcela dos modelos matemáticos de simulação é de propriedade par ticular. 0 código LOFTRAN, por exemplo, foi utilizado no projeto da unidade 1 da Central Nuclear de ANGRA, para a análise de transitórios térmicos. 0 código NORUMP é também utilizado pela Kestinghouse para a análise de transitórios em geradores de vapor. A K1VU, por sua vez, utiliza 1

23 o código LOOP 7 para a simulação em 1 "loop" de transientes em.centrais PWR. Em simulação de acidentes de perda de refrigera- - 4 ção, diversas organizações utilizam o código RELAP-4, que utiliza um modelo homogêneo, de mistura em equilíbrio escoando a duas fases, para a simulação do gerador de vapor. 0 programa KIBE foi desenvolvido para simular o comportamento de um gerador de vapor ao longo do tempo, t mando como base um programa para simulação estacionaria. No modelo adotado, a vazão, a massa específica e a energia interna dos fluidos primário e secundário foram obtidas a partir de leis de conservação de massa, energia e quantidade de movimento. 0 conhecimento desses parâmetros básicos no volume de controle permite determinar todos os outros parâmetros térmicos. 0 modelo desenvolvido de tran ferência de calor nos diverso's regimes é suficientemente detalhado. 0 programa ê relativamente lento para o cálculo de transitórios típicos. 0 código IEUTSG foi desenvolvido para analisar transitórios em um novo tipo de gerador de vapor em estágio de desenvolvimento, denominado gerador de vapor de eco nomizador integral ou com pré-aquecedor. Esse modelo dinâ mico serve para estudos de simulação e controle nesse novo tipo de gerador de vapor. 0 código IEUTSG utiliza equa ções linearizadas de balanços de massa e energia para cál

24 culos dos parâmetros termodinâmicos. A vazão de massa é determinada através de um balanço "quasi-estático"óa quan tidade de movimento. Esse modelo, apesar de apresentar re sultados fisicamente plausíveis, uma vez que ainda não foi comparado com testes de operação, apresenta moderada complexidade e custo computacional 0 código UTSG possui um modelo nodal para o cal culo de transitórios de grande amplitude em geradores de vapor com tubos em U com recirculação do fluido secundário. Na simulação através do UTSG, o gerador de vapor con siste de uma seção de troca de calor, uma cúpula superior, uma região "downcomer" e um sistema de remoção de vapor, composto de uma seqüência de válvulas de alívio, de segurança, de isolamento, e de "bypass" na turbina, além de válvulas de desligamento econtrole do vapor para a turbi na. Esse modelo é bastante mais completo que os anteriores. Entre as possíveis perturbações externas incluem-se as variações na temperatura e/ou varão de entrada de água e pressão do sistema, no lado primário. No lado secundário podem ser perturbados, por ação de diferentes válvulas, a temperatura e/ou vaz'ao da água de alimentação e V zão de vapor. 0 código UTSG é parte integrante do Q código ALMOD, um simulador de centrais PWR para transitórios de grande amplitude. Apesar dos modelos detalhados de transferência de calor, do grande suporte experimental requerei do para o desenvolvimento do código UTSG e da obtenção de correlações empíricas, admite-se apenas escoamento subre_s

25 friado ao longo de todas as regiões do lado primário. A massa específica, a entalpia do fluido primário e suas d rivadas parciais são consideradas dependentes da pressão e da temperatura. No lado secundário, esses parâmetros de pendem apenas da pressão. A vazão e as propriedades termo dinâmicas dos fluidos primário e secundário, em uma ou duas fases, são descritos, teoricamente, pelas de conservação de massa e energia (um balanço equações empregando a equação integrada da quantidade de movimento sõ é utiljl zado para o cálculo da vazão de circulação natural). 0 Código ALMOD 0 código ALMOD, para cálculo de transitórios em centrais PKR, é capaz de simular uma extensa variedade de acidentes em análises de segurança, incluindo aqueles com falhas nos sistemas de segurança. Modelos do Código ALMOD 9 Existem modelos para o núcleo de reator, para o sistema arrefecedor primário, para o pressurizador, para o gerador de vapor e sistema de descarga de vapor. São também representados os componentes dos sistemas de segurança e controle. As equações de cinética de neutrons são resolvidas em una dimensão espacial (axial), utilizando o método de malha larga de expansão de fluxo. São integradas as

26 equações de difusão com 2 grupos de energia de neutrons e as equações de decaimento com 6 grupos de produtos de fi_s são. Existe também uma versão com um modelo de cinética pontual. A termodinâmica do combustível é simulada através de um modelo nodal, em que a barra combustível é divi^ dida em seções axiais e radiais de mesmo volume. As equações de condução de calor no combustível e na vareta de revestimento são resolvidas por processo semi-analítico, desprezando a condução de calor na direção axial. Todo o sistema primário ê dividido em módulos, para o cálculo da dinâmica de fluidos. Xo módulo do gerador de vapor, a energia térmica do fluido ê transferida para o sistema secundário." Em condições normais, o sistema primário contem apenas a fase líquida. Em certos acidentes pode ocorrer vazão de fluido primário em duas fases, com baixo título de vapor. No modelo de mistura, uti. lizado neste caso, as duas fases são consideradas como um único fluido, sendo definidos valores médios para a vazão, entalpia e densidade. E" admitido o equilíbrio térmico, ne_ nhum escorregamento e nenhuma diferença de pressão entre as fases (modelo homogêneo). São utilizadas equações bãsji cas de conservação de massa, energia e "momentum" idênticas às equações válidas para uma única fase. São desprez<a das as energias cinética, potencial e de dissipação de energia, na equação da energia. Na formulação das equações,

27 a area transversal de escoamento é constante. Os efeitos de propagação da onda de pressão são eliminados, uma vez que as quedas de pressão são separadas em dois termos. 0 primeiro representa as perdas locais de pressão ao longo do escoamento, e o outro é função apenas do tempo. Esta separação pode ser justificada, uma vez que as variações locais de pressão são pequenas quando comparadas com a pressão do sistema. Utiliza-se uma equação de "momentum" integrada para o cálculo da vazão. 0 pressurizador é tratado, no código ALMOD, atra_ vés de um modelo com 3 regiões de fronteiras móveis (volu mes de vapor, água líquida e zona de acumulação). São admitidas condições de não equilíbrio térmico nas 5 regiões. Os processos de transferência de massa e energia tratados são a vaporizáção por aquecimento e "flashing" e a conâen saçao na superfície de água e nas gotas de borrifo. São simulados todos os mecanismos de controle (aquecimento, as^ pergidor de água e sistema de alívio de sobre-pressão). ' i i 0 modelo não linear nodal do gerador de vapor, já discutido, simula o transporte de calor através da parede dos tubos (condução de calor através da parede e transferência de calor nas superfícies interna e externa), e a hidrodinâmica dos fluidos primário e secundário, incluindo a região de aquecimento, a cúpula de vapor e o "downcomer". Também é simulada uma fronteira de ebulição. 0e_s coamento possui uma formulação a duas fases com escorrega

28 mento variável entre as fases. São utilizadas as correlações de transferência de calor mais adequadas para os diversos regimes de escoamento, que ocorrem no lado secunda rio. Existe também um modelo opcional reduzido e simplify cado de gerador de vapor, para simular transitórios em que não é importante o comportamento do gerador de vapor. 0 modelo também inclui funções adicionais de con trole e segurança; o sistema de desligamento do reator, a função de desligamento da turbina, os controles de volumes, etc. Perturbações no comportamento normal podeir. introduzidas atuando em certas funções (por exemplo: ser fechamento da válvula da turbina), ou através de condições de contorno dependentes do' tempo (exemplo: vazão de água de alimentação, posição de barras de controle) Trabalho Proposto 0 modelo homogêneo' do gerador de vapor desta tese é o desenvolvimento de uma formulação baseada em modelos simplificados de termohidrãulica par3 centrais nuclea_ res 3 ' 10. Para testar e verificar a adequação desta formulação estabeleceu-se um programa computacional denominado

29 GEVAP. Durante o desenvolvimento deste programa foram esco lhidas as variáveis de entrada e saída mais compatíveis dados de um gerador de vapor normalmente fornecidos com pelo fabricante. No presente trabalho, além do desenvolvimento do código de computador, em linguagem FORTRAN, fez-se um estu do de correlações de transferência de calor para o volume secundário. Foi também derivada uma expressão algêbrica pa ra o erro relativo implícito na aproximação estacionaria da distribuição de potência (Apêndice A). 0 programa GEVAP foi desenvolvido para verificar se o modelo ê adequado para ser incluido como parte integrante de um código de simulação dos sistemas de uma central PWR, quando incidentes de pequena amplitude nos circuitos primário e secundário, acarretam o afastamento dos sistemas das condições normais de operação. 0 modelo foi testado através da simulação de tran sientes postulados, propostos no FSAR de Angra I, e compa rados com simulações obtidas utilizando o código ALMOD 0 modelo físico do gerador de vapor é descrito no Capítulo II. No Capítulo III são apresentadas as equações básicas de conservação e transferência de calor, e o método de integração numérica. Aplicações dessas equações ao modelo do programa GEVAP são discutidas no Capítulo IV. Co

30 mentãrios e conclusões baseados em resultados de cálculos realizados com os programas GEVAP e ALMOD, são apresentados no Capítulo V. Estão incluídas nos Apêndices A e C, algumas demonstrações matemáticas de equações utilizadas no programa. Um estudo sobre correlações de transferência de calor para o volume secundário, em condições estaciona ria, ê apresentado no Apêndice B. Os dados geométricos para o gerador de vapor de Angra I foram incluídos no Apên dice D. Uma descrição e o manual deste programa de simula_ ção são apresentados no Apêndice E, e finalmente, no Apên dice F, ê listado o programa GEVAP em linguagem FORTRAN*.

31 CAPÍTULO II DESCRIÇÃO DO MODELO FlSICO DO GERADOR DE VAPOR O Gerador de Vapor com Tubo em ü e Circulação Na tural 12 Os geradores de vapor com tubos em U utilizados em centrais nucleares tipo PWR são, normalmente, do tipo vertical com feixe de tubos em U invertido e recirculaçao natural. Possuem uma seção de troca de calor, uma câmara superior, contendo separadores e secadores de vapor, uma seção de recirculaçao e um sistema de remoção de vapor, com uma seqüência de válvulas de alívio e segurança, conforme ilustra a Figura Lado Primário 0 arrefecedor primário escoa através do feixe de tubos, com entrada e saída em bocais existentes em uma câ_ mara hemisfêrica, situada na base do gerador de vapor Lado Secundário 0 arrefecedor secundário, forçado pela bojnba de alimentação de água, entra subresfriado no gerador de vapor, mistura-se com a água de recirculaçao saturada, e es_ 10

32 y saída do vanor Separadores de vapor feixe de tubos suportes dos tubos seção de õreaqueciinento entrada da água de alin-.entação placa supor dos tubos plen lenum entrada refrigerante primário saída do refrigerante primário Figura 1 : Gerador de vapor utilizado em ceiitrais nucleares com reatores tipo PWR.

33 12 coa para uma seção de troca de calor. Ao deixar a seção de troca de calor, um conjunto de separadores de mistura, situados acima do feixe de tubos, remove a maior parte da água líquida, que acompanha o vapor. Secadores são também utilizados para aumentar o título de vapor. Para a Unidade 1 da.central de AXGRA, o título de vapor mínimo na saída atinge 99,75 á. A água líquida, proveniente dos separadores de mistura, ê conduzida para um canal anular, formado pelo envoltório do feixe de tubos em U e pelo vaso do gerador de vapor. Neste canal, após misturar com a água de alimen tação, a água de recirculaçao escoa para a seção de troca de calor. Finalmente, o vapor, ao sair da câmara superior, controlado pelo sistema de remoção, escoa para a turbina. Em condições anormais ou acidentais o vapor sai pelas vã_l vulas de desvio, de alívio e/ou de segurança Modelo de Simulação Modelos homogêneos podem ser utilizados para simular geradores de vapor com tubos em U e coro circulação natural.

34 13 Um desenho esquemãtico de tais geradores de vapor, juntamente com as válvulas e principais componentes do circuito secundário são apresentados na Figura Fronteiras do Modelo a) Entrada e saída do arrefecedor primário; b) Superfície de aquecimento; c) Entrada' da água de alimentação; d) Sistema de remoção de vapor Hipóteses Básicas a) 0 modelo não leva em conta os efeitos sônicos de propagação da onda de pressão ao longo do canal primário, uma vez que admite pressão uniforme através de todo o volume do fluido primário. As propriedades termodinâmicas desse fluido, como volume específico e temperatura, são funções apenas das respectivas entalpias e da pressão do sistema. Sendo conhecida a pressão do sistema primário o cálculo das taxas de variação das propriedades desse fluido pode ser feito utilizando-se apenas as equações de conservação de massa e energia. Entretanto, o modelo admi te variações locais de densidade (expansão ou contração do fluido causadas por variações na pressão com o tempo). As variações locais de vazão são descritas pela equação de continuidade.

35 14 -m-r Figura 2 : Gerador de Vapor e Sistema de Remoção de Vapor,

36 15 b) Nó canal de escoamento secundário, admite-se que o vapor e a água estejam em equilíbrio térmico. 0 lado secundário é simulado utilizando um modelo de volume homogêneo. Admite-se que os desvios nas propriedades termodinâmicas são pequenos quando este modelo é comparado com um modelo consistindo de volumes separados de líquido e vapor. Parâmetros médios representativos do modelo hom gêneo são calculados a partir das equações de conservação integradas no volume, e portanto, sõ terão dependência temporal, não sendo função de posição. c) 0 volume específico é descrito por uxa equação de estado, função da entalpia específica e da pressão do sistema. - S ''l d) Uma relação, denominada "lei do Cone" '", des_ creve a dependência da vazão do vapor para a turbina Transferência de Calor Admite-se que. a transferência de calor do primário para o secundário seja feita por condução através de uma parede plana dividida em um certo número de seções axiais. No circuito primário admite-se apenas escoamento de líquido comprimido. A transferência de calor do líquido para a parede ê feita por convecção, enquanto que da

37 16 parede para a mistura secundária, a transferência de calor se dá por ebulição nucleada. São calculadas, em função da posição axial, as temperaturas em uma superfície central de aquecimento situada no interior da parede plana, tanto em regime estacionário quanto transitório. E calculada também, a temperatura da água de arrefecimento ao longo de um canal médio de escoamento do circuito primário. No circuite secun dário, o fluido escoa com uma temperatura representativa do volume homogêneo, igual a temperatura de saturação cor respondente a pressão do sistema Modelo Matemático Uma vez que se admite pressão uniforme no lado primário, curvas de pressão em função do tempo, determinei das pelo pressurizador, são dadas como funções de entrada. Integrando as equações de conservação de massa e energia para cada seção, e utilizando uma equação de estado, pode-se obter as distribuições de entalpia específica, volu me específico e temperatura em qualquer instante de tempo. Através da equação de condução de calor, calcula-se a distribuição de temperatura da superfície de aqu cimento da parede plana.

38 17 Utilizando-se as equações de conservação de massa e energia para o volume homogêneo do secundário, e uma equação de estado, obtem-se equações diferenciais descrevendo o comportamento da pressão, entalpia e da mistura homogênea. temperatura Foi escolhida, como equação de estado, o volume específico, em função da pressão e entalpia. Suas derivadas parciais são também calculadas em função da pressão e entalpia. A formulação do problema de transferência de calor e produção de vapor é feita através das equações dife renciais de conservação. Um transiente qualquer ê deterini nado por condições iniciais e funções d screvendo variações temporais em parâmetros de entrada ac nuados. A integração das equações é feita utilizando-se um método de previsão e correção sucessivas " 3.

39 CAPÍTULO III EQUAÇÕES BÁSICAS DE CONSERVAÇÃO E DE TRANSFERENCIA DE CALOR Considerações iniciais Como todos os canais primários são considerados idênticos, os cálculos são desenvolvidos para um único tu bo médio equivalente. Considera-se escoamento unidimensional na direção axial nos volumes de controle. Admite-se que a área da seção transversal de escoamento é" constante. 0 canal de escoamento primário é dividido ero di_ versos volumes de controle consecutivos, sendo que a cada volume de controle corresponde uma seção da superfície de aquecimento. A superfície que liga dois volumes de contro le consecutivos, definiu-se como junção. A junção de saída de um volume de controle "i" foi denominada de junção "i+1", e a junção de entrada,de junção "i".

40 Equações Fundaraentais Equações de Conservação As equações de continuidade e conservação de ener gia para escoamento unidiinensional aplicadas ao fluido podem ser escritas em sua forma diferencial como:! +-!"(m/a) = 0 (1) 3t 3z A (ph) + -L_ (fth/a) --^i- & = * (2) 3t 3z J dt dz Depois de' integradas na coordenada espacial ";", podem ser colocadas na seguinte forma dt - Am (3) du. r.,. A * 144 dv,.. = A(mhJ + Q -.p. (4) dt J dt onde 14 z 2.. dz = m 2 - m (2+Az) (5) M = A p(z) dz = p. V (6)

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente.

Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Módulo VIII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Regime Permanente, Dispositivos de Engenharia com Escoamento e Regime Transiente. Bocais e Difusores São normalmente utilizados em motores

Leia mais

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262

MECÂNICA DOS FLUIDOS 2 ME262 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS (CTG) DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA (DEMEC) MECÂNICA DOS FLUIDOS ME6 Prof. ALEX MAURÍCIO ARAÚJO (Capítulo 5) Recife - PE Capítulo

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

Escoamento em dutos em L

Escoamento em dutos em L 4ª Parte do Trabalho EM974 Métodos Computacionais em Engenharia Térmica e Ambiental Escoamento em dutos em L Rafael Schmitz Venturini de Barros RA:045951 Marcelo Delmanto Prado RA: 048069 1. Introdução

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 Há uma diferença fundamental entre as funções de estado, como T, P e U, e as variáveis de processo, como Q (calor) e W (trabalho), que são transientes

Leia mais

Acidente de Ejeção de Barra de Controle para a Usina de Angra 2, considerando o Limite Superior do Coeficiente de Temperatura do Moderador

Acidente de Ejeção de Barra de Controle para a Usina de Angra 2, considerando o Limite Superior do Coeficiente de Temperatura do Moderador 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 Acidente de Ejeção de Barra

Leia mais

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO

,DISPOSITIVOS DE EXPANSÃO ,DISPSITIVS DE EXPASÃ Dispositivos de expansão são os componentes do sistema de refrigeração que têm por finalidades provocar a perda de pressão do refrigerante, que é acompanhada de um decréscimo de temperatura,

Leia mais

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos

Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Processos em Engenharia: Modelagem Matemática de Sistemas Fluídicos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101

Leia mais

Método de solução. 3.1. Introdução

Método de solução. 3.1. Introdução 72 3. Método de solução 3.1. Introdução O conjunto das equações descritas no capítulo 2 formam, em sua maioria, sistemas de equações algébricas lineares, com exceção de alguns casos isolados, como equações

Leia mais

Equações e diagramas T-dS

Equações e diagramas T-dS Equações e diagramas T-dS A segunda lei da termodinâmica 2 S=S S 2 1 1 δq T A Expressão matemática da segunda lei (para um sistema fechado). A entropia é uma propriedade que não é conservativa! Entropia

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Terminologia e Definições Básicas No curso de cálculo você aprendeu que, dada uma função y f ( ), a derivada f '( ) d é também, ela mesma, uma função de e

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

P.V 0, 248 kg R.T 4,12412.10. 273,15 20

P.V 0, 248 kg R.T 4,12412.10. 273,15 20 Um tanque rígido com 0,5 m contém hidrogênio à 20 º C e 600 kpa esta conectado com outro tanque rígido com 0,5 m também com hidrogênio. A pressão e a temperatura nesse segundo tanque são de 0 º C e 150

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química

Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Processos em Engenharia: Sistemas com Reação Química Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 12 p.1/37

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Energia Solar - EEK508)

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Energia Solar - EEK508) (Energia Solar - EEK508) (Equipamentos de Processos - EEK524) (Fontes Alternativas de Energia - EEK525) (INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE - EEK 509) 1 Introdução Introdução ao controle de processos 2 2 - Controladores

Leia mais

214 Efeito Termoelétrico

214 Efeito Termoelétrico 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Hermes Urébe Guimarães ópicos Relacionados Efeito eltier, tubo de calor, termoelétrico f.e.m., coeficiente eltier, capacidade

Leia mais

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor

3. Calorimetria. 3.1. Conceito de calor 3. Calorimetria 3.1. Conceito de calor As partículas que constituem um corpo estão em constante movimento. A energia associada ao estado de movimento das partículas faz parte da denominada energia intera

Leia mais

CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA

CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA CORRELAÇÕES PARA ESCOAMENTO MONOFÁSICO NO INTERIOR DE TUBOS EM CONVECÇÃO FORÇADA Representa a maior resistência térmica, principalmente se or um gás ou óleo. Quando um luido viscoso entra em um duto se

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

4 Resfriamento de Óleo

4 Resfriamento de Óleo 4 Resfriamento de Óleo Para analisar o tempo de resfriamento e o fluxo de calor através das paredes do duto, considerou-se que inicialmente há um fluido quente escoando no interior da tubulação, em regime

Leia mais

1M5. DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 ESTUDO ANALÍTICO EXPERIMENTAL COM TUBOS DE CALOR

1M5. DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 ESTUDO ANALÍTICO EXPERIMENTAL COM TUBOS DE CALOR ANAIS (A30B) Vs^>/ RIO TRABALHO PAPE» 1M5 COBEM 81 VI CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA MECÂNICA DE JANEIRO, 15-18 de dezembro de 1981 N. A-14 P.P. 145-151 PROCEEDINGS I Ifcl " ü* PUC/RJ ESTUDO ANALÍTICO

Leia mais

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL

ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL ANÁLISE EXPERIMENTAL E SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO TÉRMICO DE UM GRUPO GERADOR A BIODIESEL Mucio Pinto Guimarães Júnior 1 ; Jorge Recarte Henríquez Guerrero 2 1 Estudante do Curso de Engenharia

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Aspectos Dinâmicos da Geração Hidroelétrica Joinville, 21 de Março de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Controle de Carga-Frequência Regulação Primária Modelo do Sistema de

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM Decaimento radioativo Resultados experimentais mostram que elementos radioativos desintegram a uma taxa proporcional à quantidade presente do elemento. Se Q = Q(t) é a

Leia mais

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos

Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos 49 Unidade V - Estática e Dinâmica dos Fluidos fig. V.. Atmosfera terrestre é uma camada essencialmente gasosa um fluido. Na segunda parte da figura podemos ver a um fluido em movimento escoando em um

Leia mais

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine

Ciclos de Potência a vapor. Ciclo Rankine Ciclos de Potência a vapor Ciclo Rankine BOILER q in 3 TURBINE w out 2 4 CONDENSER w in 1 PUMP q out Ciclo de Carnot T T H 2 3 T H < T C Compressor e turbina trabalham na região bifásica! 1 T L 4 s Ciclo

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM CALDEIRAS E FORNOS

TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM CALDEIRAS E FORNOS TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM CALDEIRAS E FORNOS Waldir Bizzo Faculdade de Engenharia Mecânica UNICAMP A transferência de calor em geradores de vapor e fornos de processo é um complexo conjunto de fenômenos

Leia mais

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa

107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa 107484 Controle de Processos Aula: Balanço de massa Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2015 E. S. Tognetti (UnB) Controle de processos

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo:

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo: - Resumo do Capítulo 0 de Termodinâmica: Capítulo - PROPRIEDADES DE UMA SUBSTÂNCIA PURA Nós consideramos, no capítulo anterior, três propriedades familiares de uma substância: volume específico, pressão

Leia mais

Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA

Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA Sensores - Parte 2 SUMÁRIO 1) SENSORES DE PRESSÃO 2) SENSORES DE TEMPERATURA 3) SENSORES DE VAZÃO 4) SENSORES DE NÍVEL LÍQUIDO REFERÊNCIA KILIAN, Christopher. Modern Control Technology: Components & Systems,

Leia mais

Sistemas abertos Equações de conservação

Sistemas abertos Equações de conservação Sistemas abertos Equações de conservação Diferenças entre sistemas abertos e fechados Fluxos de massa, calor e trabalho afetam o conteúdo energético O conteúdo energético de um volume de controle pode

Leia mais

Condução Unidimensional em Regime Estacionário 5ª parte (Geração de Energia Térmica e Superfícies Estendidas)

Condução Unidimensional em Regime Estacionário 5ª parte (Geração de Energia Térmica e Superfícies Estendidas) FENÔMENOS DE TRANSPORTE II TRANSFERÊNCIA DE CALOR DEQ303 Condução Unidimensional em Regime Estacionário 5ª parte (Geração de Energia Térmica e Superfícies Estendidas) Professor Osvaldo Chiavone Filho Soluções

Leia mais

2 Descrição dos Sistemas Estudados

2 Descrição dos Sistemas Estudados 33 2 Descrição dos Sistemas Estudados A seguir são descritos em detalhes os dois ciclos objetos de comparação. O ciclo tradicional é baseado em uma planta existente. O ciclo inovador é o resultado do estudo

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Fenômenos de Transporte

Fenômenos de Transporte Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Processos metalúrgicos 2012/2 Fenômenos de Transporte Prof. Leandro Alexandre da Silva Motivação O que é transporte? De maneira geral, transporte

Leia mais

Prof. Eduardo Loureiro, DSc.

Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Prof. Eduardo Loureiro, DSc. Transmissão de Calor é a disciplina que estuda a transferência de energia entre dois corpos materiais que ocorre devido a uma diferença de temperatura. Quanta energia é transferida

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado.

CAPÍTULO II. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. CAPÍTULO II 2 Ar condicionado automotivo. 2.1. Ar Condicionado, refrigeração e refrigerante utilizado. O condicionamento do ar é o processo que regula, artificialmente, a temperatura, o fluxo de ar, a

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3

Curso Básico. Mecânica dos Fluidos. Unidade 3 164 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 Raimundo Ferreira Ignácio 165 Curso Básico de Mecânica dos Fluidos Unidade 3 - Conceitos Básicos para o Estudo dos

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Física 12.º ano homologado em 21/10/2004 ENSINO SECUNDÁRIO FÍSICA 12.º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Questão 46. o diagrama horário da velocidade escalar, cuja ilustração correta para esse movimento. a) d)

Questão 46. o diagrama horário da velocidade escalar, cuja ilustração correta para esse movimento. a) d) Questão 46 b) Sobre um trilho reto, uma pequena esfera descreve um movimento uniformemente variado. Um estudante resolveu analisar esse movimento e construiu o gráfico do espaço percorrido (S) em função

Leia mais

Equações diferencias são equações que contém derivadas.

Equações diferencias são equações que contém derivadas. Equações diferencias são equações que contém derivadas. Os seguintes problemas são exemplos de fenômenos físicos que envolvem taxas de variação de alguma quantidade: Escoamento de fluidos Deslocamento

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência

1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1 Controle da Potência Ativa e da Freqüência 1.1 Introdução Em sistemas de potência, as unidades geradoras compreendem os equipamentos conectados ao sistema capazes de transformar vários tipos de energia

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Física

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Física Vestibular URGS 2015 Resolução da Prova de ísica 1. Alternativa (C) O módulo da velocidade relativa de móveis em movimentos retilíneos de sentidos opostos pode ser obtido pela expressão matemática: v r

Leia mais

Resolução de Provas 2009

Resolução de Provas 2009 Resolução de Provas 2009 01.No bebedouro doméstico representado na figura, a água do garrafão virado para baixo, de boca aberta, não vaza para o recipiente onde ele se apóia, devido à pressão atmosférica.

Leia mais

Palavras chave: plasma, escoamento supersônico, reentrada atmosférica, bocal CD cônico, CFD.

Palavras chave: plasma, escoamento supersônico, reentrada atmosférica, bocal CD cônico, CFD. Anais do 15 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XV ENCITA / 9 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 19 a 9. APLICAÇÃO DA SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

Leia mais

Transferência de calor com mudança de fase: Ebulição e Condensação

Transferência de calor com mudança de fase: Ebulição e Condensação Transferência de calor com mudança de fase: Ebulição e Condensação Transferência de calor por convecção, pois tem movimento de fluido, por ascensão de bolhas e escoamento de condensado Dependem: do calor

Leia mais

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2,

Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para medição Linear Wellington Santos Barros 1,Gregório Salcedo Munõz 2, METROLOGIA-003 Metrologia para a Vida Sociedade Brasileira de Metrologia (SBM) Setembro 0 05, 003, Recife, Pernambuco - BRASIL Método Comparativo de Calibração de Sistema por Interferometria a laser para

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/

Forçados. Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ Escoamento em Condutos Forçados Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes, DEC-UFPel E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br Website: wp.ufpel.edu.br/hugoguedes/ CONCEITO São aqueles nos quais o fluido escoa com uma

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas

Tipos de linhas. Sumário Linhas Elétricas Dimensionamento. Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Tipos de linhas Sumário Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Instalação dos condutores Aspectos Gerais Características Tipos de Linhas Os cabos multipolares só deve conter os condutores de um

Leia mais

Operações Unitárias II

Operações Unitárias II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Operações Unitárias II Evaporação Professor Paul Fernand Milcent Monitora Patrícia Carrano Moreira Pereira 2013 Sumário 1. Introdução... 2 1.1. Fontes de energia... 2 1.2.

Leia mais

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente:

Ivan Guilhon Mitoso Rocha. As grandezas fundamentais que serão adotadas por nós daqui em frente: Rumo ao ITA Física Análise Dimensional Ivan Guilhon Mitoso Rocha A análise dimensional é um assunto básico que estuda as grandezas físicas em geral, com respeito a suas unidades de medida. Como as grandezas

Leia mais

GERAÇÃO DE APROXIMAÇÕES PARA CORRELAÇÕES EM CÓDIGOS DE ANÁLISE TERMO-HIDRÁULICA. Luiz Carlos Martins Pereira* e Eduardo Gomes Dutra do Carmo**

GERAÇÃO DE APROXIMAÇÕES PARA CORRELAÇÕES EM CÓDIGOS DE ANÁLISE TERMO-HIDRÁULICA. Luiz Carlos Martins Pereira* e Eduardo Gomes Dutra do Carmo** GERAÇÃO DE APROXIMAÇÕES PARA CORRELAÇÕES EM CÓDIGOS DE ANÁLISE TERMO-HIDRÁULICA Luiz Carlos Martins Pereira* e Eduardo Gomes Dutra do Carmo** *Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) Rua General Severiano

Leia mais

Difusão. Introdução Histórica

Difusão. Introdução Histórica Estas notas de aula estão fortemente baseadas no livro de T. F. Weiss (2 vols.) indicado na bibliografia. Difusão A difusão pode ser definida como o processo pelo qual uma população de partículas é transportada

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor 1 a QUESTÃO: (,0 pontos) Avaliador evisor Vários fenômenos físicos podem ser explicados pela propagação retilínea da luz em meios homogêneos. Essa hipótese é conhecida como o modelo do raio luminoso da

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

ANÁLISE EM CFD DO PROCESSO DE COMBUSTÃO DE CARVÃO NUMA CALDEIRA AQUATUBULAR: DEFEITOS DE FUNCIONAMENTO

ANÁLISE EM CFD DO PROCESSO DE COMBUSTÃO DE CARVÃO NUMA CALDEIRA AQUATUBULAR: DEFEITOS DE FUNCIONAMENTO ANÁLISE EM CFD DO PROCESSO DE COMBUSTÃO DE CARVÃO NUMA CALDEIRA AQUATUBULAR: DEFEITOS DE FUNCIONAMENTO Luís F. Dondoni, Pedro L. Bellani, Eduardo M. Nadaletti, Leandro L. Felipetto, Maria L. S. Indrusiak

Leia mais

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido.

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 16 3 PSICROMETRIA A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 3.1 CARTA PSICROMÉTRICA É um ábaco que permite representar graficamente as evoluções

Leia mais

a) Em função da energia cinética:

a) Em função da energia cinética: AULA 04 PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS 4.1. Perdas locais, Localizadas ou Acidentais Ocorrem sempre que houver uma mudança da velocidade de escoamento, em grandeza ou direção. Este fenômeno sempre ocorre

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais

Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais Capítulo 4 - Equações Diferenciais às Derivadas Parciais Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática Aplicada - Mestrados Eng. Química

Leia mais

O raio crítico. Problema motivador 01: Problema motivador 02: Problema motivador 03: Portfolio de:

O raio crítico. Problema motivador 01: Problema motivador 02: Problema motivador 03: Portfolio de: Problema motivador 01: qual a função da camada de material polimérico colocada sobre fios elétricos de cobre ou de alumínio? Problema motivador 02: qual a espessura da camada de tijolos de uma parede de

Leia mais

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS

EXERCÍCIOS CORRIGIDOS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção EXERCÍCIOS CORRIGIDOS INTRODUÇÃO Vamos testar os conhecimentos adquiridos; para o efeito, propõem-se seis exercícios de diferentes dificuldades:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C

Simulado ENEM. a) 75 C b) 65 C c) 55 C d) 45 C e) 35 C 1. Um trocador de calor consiste em uma serpentina, pela qual circulam 18 litros de água por minuto. A água entra na serpentina à temperatura ambiente (20 C) e sai mais quente. Com isso, resfria-se o líquido

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

LISTA 2. 4. y = e 2 x + y 1, y(0) = 1

LISTA 2. 4. y = e 2 x + y 1, y(0) = 1 MAT 01167 Equações Diferenciais LISTA Resolva: 1. x y y = x sen x. y + y tan x = x sen x cos x, y0) =. x + 1) dy dx x y = 1 4. y = e x + y 1, y0) = 1 5. x y + x + x + ) dy dx = 0 ) x 6. Resolva a equação

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA BOMBA ELETROMAGNÉTICA TERMOELÉTRICA CIRCULAR

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA BOMBA ELETROMAGNÉTICA TERMOELÉTRICA CIRCULAR VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil SIMULAÇÃO

Leia mais

Escoamentos Internos

Escoamentos Internos Escoamentos Internos Escoamento Interno Perfil de velocidades e transição laminar/turbulenta Perfil de temperaturas Perda de carga em tubulações Determinação da perda de carga distribuída Determinação

Leia mais

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética

Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Aula 8 Gases Ideais e Teoria Cinética Física II 2012 UNICAMP Quadro de Joseph Wrigth of Derby (1768) representando experimento de Robert Boyle Equação de estado dos gases ideais Qualquer objeto macroscópico

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS

A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS A UTILIZAÇÃO DO MÉTODO NODAL NA SIMULAÇÃO DE PROCESSOS TÉRMICOS C. R. RODRIGUES VELOSO 1, R. GEDRAITE 2 1 Bolsista PIBIC FAPEMIG/UFU, discente do curso de Engenharia Química 2 Professor da Faculdade de

Leia mais

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES

5. CONVERSORES QUASE-RESSONANTES Fontes Chaveadas - Cap. 5 CONVRSORS QUAS-RSSONANTS J. A. Pomilio 5. CONVRSORS QUAS-RSSONANTS Os conversores quase-ressonantes procuram associar as técnicas de comutação suave presentes nos conversores

Leia mais

ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I (1108030) - Capítulo 04

ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I (1108030) - Capítulo 04 ENERGIA POTENCIAL E CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Física Geral I (1108030) - Capítulo 04 I. Paulino* *UAF/CCT/UFCG - Brasil 2012.2 1 / 15 Sumário Trabalho e EP Energia potencial Forças conservativas Calculando

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

Transmissão de calor

Transmissão de calor UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia ransmissão de calor 3º ano Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Aula 5 * 3.Condução em regime permanente em uma parede plana Condução em regime permanente

Leia mais

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representada por g. Quando necessário adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Determinação da condutividade térmica do Cobre

Determinação da condutividade térmica do Cobre Determinação da condutividade térmica do Cobre TEORIA Quando a distribuição de temperatura de um corpo não é uniforme (ou seja, diferentes pontos estão a temperaturas diferentes), dá-se expontaneamente

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica

Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Comportamento Dinâmico do Sistema Térmico de uma Caldeira Genérica Luiz Felipe da S. Nunes Fábio P. de Araújo Paulo Renato G. de Souza Resumo O presente trabalho consiste em análise computacional do sistema

Leia mais

6. Modelagem de uma Estação de Entrega de Gás Natural Existente

6. Modelagem de uma Estação de Entrega de Gás Natural Existente 6. Modelagem de uma Estação de Entrega de Gás Natural Existente Neste capítulo analisa-se o escoamento na Estação de Entrega de São Carlos-SP da TBG. Os dados utilizados na confecção do modelo da estação

Leia mais

Linguagem da Termodinâmica

Linguagem da Termodinâmica Linguagem da Termodinâmica Termodinâmica N A = 6,022 10 23 Ramo da Física que estuda sistemas que contêm um grande nº de partículas constituintes (átomos, moléculas, iões,...), a partir da observação das

Leia mais