Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso"

Transcrição

1 153 ISSN Abri, 2009 Dourados, MS Foto: Niton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso Aceu Richetti Gessi Ceccon 1 2 Ao panejar a safra de verão, o produtor rura já está programando a safra de outono/inverno. Esta preocupação não deve estar votada somente para com os processos produtivos, mas também com as ações gerenciais e administrativas da propriedade, tais como revisão das máquinas, compra dos insumos, acompanhamento do cima e, principamente, as osciações de mercado. Sendo um tomador de decisões, mesmo que as faça intuitivamente, o produtor rura procura seecionar as mehores aternativas para cada safra que se aproxima. Visando auxiiar o produtor na apuração e avaiação dos resutados econômicos que podem ser obtidos em sua propriedade, este trabaho tem por objetivo apresentar as estimativas do custo de produção da cutura do miho safrinha em Para a eaboração destas estimativas, tomou-se como base a média dos sistemas de produção predominantes entre produtores dos Municípios de Dourados, Maracaju e Ponta Porã, em Mato Grosso do Su e Primavera do Leste, Sapeza e Sorriso, em Mato Grosso. O custo de produção é constituído pea remuneração do capita mais as despesas com insumos, operações agrícoas e outras, utiizadas no processo produtivo. As partes componentes do custo são os custos fixos e os custos variáveis. Considerou-se como custo fixo a depreciação, o seguro e os juros sobre o vaor de máquinas e equipamentos e a remuneração do capita empregado em terra (vaor de arrendamento). O vaor do arrendamento foi estimado por um período de cinco meses, considerando-se o tempo de ocupação da área pea cutura. As despesas reaizadas com fatores de produção, tais como sementes, fertiizantes, herbicidas, inseticidas, mão-de-obra, combustíveis, ubrificantes, reparos de máquinas e equipamentos constituem o custo variáve. Nas operações mecanizadas foram consideradas as despesas com mão-de-obra, combustíveis, manutenção de máquinas e equipamentos. As informações coetadas (preços dos insumos, mãode-obra, máquinas e equipamentos) no mês de dezembro de 2008 e fevereiro de 2009 foram usadas para estimar o custo de produção e o grau de importância dos componentes do custo para o conjunto dos produtores da região estudada em cada Estado. De acordo com o Pano Agrícoa e Pecuário 2008/2009, o preço mínimo do miho em vigor desde janeiro de 2009 é de 16,50 por saca de 60 kg em Mato Grosso do Su e 13,20 em Mato Grosso (BRASIL, 2008). Utiizou-se a cotação do dóar de 2,10. 1 Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Posta 661, Dourados, MS. E-mai: 2 Eng. Agrôn., Ph.D., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Posta 661, Dourados, MS. E-mai:

2 2 Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso. Os sistemas de cutura utiizados peos produtores podem ser considerados de médio níve tecnoógico, os quais são praticados em avouras comerciais. O sistema pantio direto é usado em todas as avouras. O miho safrinha é cutivado em sucessão à soja. As sementes de miho são de médio potencia produtivo e o espaçamento tem variado entre os tradicionais cm e o adensado 45 cm. A semeadura é reaizada imediatamente após a coheita da soja. A produtividade varia de 50 a 80 sacos por hectare. Os coeficientes técnicos e as estimativas de custos são mostrados nas Tabeas 1 a 6, as quais refetem a tecnoogia usada nos sistemas de produção de miho safrinha praticados peos produtores de Mato Grosso do Su e Mato Grosso. Nos municípios de Mato Grosso do Su, as estimativas do custo de produção, por hectare, da cutura do miho safrinha, variou entre 1.135,58 e 1.144,07 (Tabeas 1, 2 e 3). Em Mato Grosso, as estimativas as estimativas ficaram entre 1.017,77 e 1.204,95 (Tabeas 4, 5 e 6). Em Mato Grosso, em aguns municípios, os custos são mais baixos em consequência da aquisição de insumos em maiores voumes, através de compra conjunta e, em muitos casos, pea importação direta, que aém de diminuir o preço do insumo, diminui o custo do frete. A produtividade e os custos médios em cada município apontado são mostrados na Tabea 7. Verifica-se grande diferença quanto à produtividade esperada peos produtores. Esta produtividade serviu como base para a eaboração dos sistemas de produção, pois se espera que os sistemas em uso refitam o potencia produtivo desejado. Dentre as estimativas apresentadas, observa-se que o Município de Sorriso foi o que apresentou o menor custo de produção, por hectare, de 1.017,77 e o maior foi o de Sapeza ( 1.204,95). O menor custo tota médio, por saca produzida, de 14,24, é o de Maracaju, enquanto os maiores custos, tanto variáve médio ( 16,26) quanto tota médio ( 22,71) são encontrados nos pantios de miho safrinha no Município de Ponta Porã, em decorrência da baixa produtividade (Tabea 7). Os custos totais médios estimados na Tabea 7, com exceção de Dourados e Maracaju, estão acima do preço mínimo, em vigor desde janeiro de 2009, estabeecido peo Pano Agrícoa e Pecuário 2008/2009 (BRASIL, 2008). Nessas condições, para obtenção de ucro com o miho safrinha o produtor deverá vender sua produção a preços acima dos custos totais médios. Assim, o preço de mercado necessário por saca para se acançar o equiíbrio entre despesa e receita deverá ser maior que o custo tota médio. Os custos de produção da safra 2009, com base nos sistemas de produção em uso, apresentam-se eevados, estando, em média, 31,8 maiores que os da safra 2008 e 56,6 maiores que a safra 2007 (Tabea 8 e Fig. 1). Este aumento é causado, principamente, pea eevação dos preços dos fertiizantes, chegando a 53,3 entre as safrinhas de 2008 e de Custos eevados requerem, por parte dos agricutores, muita atenção. Agumas providências podem ser adotadas visando diminuir os custos sem, necessariamente, acarretar redução da produtividade, tais como reduzir ao mínimo os custos unitários de produção, por meio da diminuição da quantidade e/ou do custo dos insumos e incremento dos rendimentos por unidade de área; aumentar ao máximo a receita através da diminuição das perdas durante e após a coheita; incorporar vaor agregado, quando possíve, e reduzir os eos das cadeias de intermediação desnecessários. Na eaboração das estimativas de custo das operações agrícoas, principamente nas apicações de defensivos, foram utiizados dois equipamentos distintos: um com trator e puverizador de arrasto, com tanque de itros, que tem custo hora máquina, média, de 42,59; o outro, com puverizador autopropeido, com tanque de itros, com custo hora máquina de 77,93. O custo hora máquina de uma apicação com puverizador de -1 arrasto (rendimento da operação de 0,15 ha ) fica em 6,67 e com puverizador autopropeido -1 (rendimento da operação de 0,05 ha ) de 3,89. Uma apicação com puverizador autopropeido, apesar de ter custo hora máquina muito superior ao do puverizador de arrasto, fica bem mais em conta para o produtor. Apicações aéreas de defensivos agrícoas não foram constatadas nos evantamentos reaizados. Mas, em aguns casos, produtores têm-se utiizado das apicações aéreas para o controe de pragas e, atuamente, para controe de doenças da parte aérea do miho. Uma apicação aérea de inseticida, com vazão de 20 itros de cada, tem custo de 20,00 por hectare. Comparando-se com as operações reaizadas via terrestre, com puverizador de arrasto ( 6,67), ou puverizador autopropeido ( 3,89), é mais econômico a reaização de operações terrestres até a fase de pendoamento do miho. A partir desta fase, a apicação aérea é viáve, tendo em vista as perdas ocasionadas peo tombamento das pantas de miho causado pea barra de apicação dos puverizadores. O controe de pantas daninhas é um dos itens que interferem significativamente no custo de produção. Em aguns casos, o agricutor faz a dessecação da cutura da soja para antecipar a coheita, visando obter mehores preços com a oeaginosa e, consequentemente, antecipar a semeadura do miho safrinha. Desta forma, o produtor tem uma redução

3 Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso. 3 significativa do custo de produção do miho, uma vez que o custo da dessecação recai sobre a cutura da soja. O produtor tendo área ivre de pantas daninhas poderá conduzir a cutura sem a apicação de herbicidas pré ou pós-emergentes. Mas, na presença de pantas daninhas de fohas argas, basta uma apicação de herbicida com o custo (trator + puverizador de arrasto + produto) de 35,17, em média. Usando puverizador autopropeido, 32,26. Porém, se a área for infestada com pantas daninhas de fohas estreitas e fohas argas haverá também a necessidade de apicação de graminicida, o que atera o custo de produção. O produtor que pode e deseja eevar o níve de investimento com a cutura, aém de adquirir semente com maior potencia produtivo e usar doses eevadas de fertiizantes, deve preocupar-se com a época de semeadura. Esta deve ser feita no período indicado para a cutura e em soos de boa fertiidade. O produtor deve ficar atento quanto ao período de impantação da cutura, pois à medida que avança o tempo, aumentam as probabiidades de ocorrência de adversidades cimáticas, especiamente escassez de chuvas e geadas, aumentando os riscos de cutivo. A utiização das tecnoogias de forma criteriosa resuta quase sempre em uso mais adequado de insumos e, por consequência, em menor custo de produção e menores probemas ambientais e à saúde das pessoas. O peno conhecimento do custo tota da atividade, os porcentuais de sua evoução e do custo unitário por saca produzida contribuem para mehorar a tomada de decisão e para verificar a rentabiidade do negócio.

4 4 Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso. Tabea 1. Custo de produção da cutura do miho safrinha, para 2009, por hectare, em Dourados, MS. Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS. Componentes do custo Unidade Preço unitário () Vaor () (US$) Quantidade Participação () A - Custo fixo 297,63 141,73 25,90 Recuperação do capita Remuneração da terra 164,30 133,33 78,24 63,49 14,40 11,50 B - Custo variáve 846,44 403,06 74,10 B.1 Insumos Semente Fertiizante Herbicida dessecante Herbicida pós-emergente Inseticida 1 Inseticida 2 Inseticida 3 kg 18,00 t 0,20 3,00 3,00 0,60 0,30 0,05 9, ,00 15,00 9,00 20,00 45,50 177,00 546,74 174,24 266,00 45,00 27, ,65 8,85 260,35 82,97 126,67 21,43 12,86 5,71 6,50 4,21 47,80 15,20 23,30 3,90 2,40 B.2 Operações agrícoas 144,83 68,96 12,60 Semeadura Apicação de herbicidas Apicação de inseticidas Coheita 0,30 0,45 77,59 43,49 43,49 146,84 38,79 13,05 19,57 73,42 18,47 6,21 9,32 34,96 3,40 1,10 1,70 6,40 B.3 Outros custos 154,87 73,75 13,70 Transporte externo Fundersu Assistência técnica Administração Juros de custeio Seguridade socia rura Seguro agrícoa sc 70,00 sc 70,00 6,75 2,70 3,90 0,14 5,53 5,53 2,31 1 2,31 70,00 9,80 11,06 11,06 15,59 28,35 9,01 33,33 4,67 5,27 5,27 7,42 13,50 4,29 6,10 0,90 1,40 2,50 Custo tota (A + B) 1.144,07 544,79 100,00 Produtividade esperada: kg ha -1. = hora máquina; dh = dias homem.

5 Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso. 5 Tabea 2. Custo de produção da cutura do miho safrinha, para 2009, por hectare, em Maracaju, MS. Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS. Componentes do custo Unidade Preço unitário () Vaor () (US$) Quantidade Participação () A - Custo fixo 264,08 125,75 23,20 Recuperação do capita Remuneração da terra 130,75 133,33 62,26 63,49 11,50 11,70 B - Custo variáve 874,99 416,67 76,80 B.1 Insumos Semente Fertiizante Herbicida dessecante Herbicida pós-emergente 1 Herbicida pós-emergente 2 Inseticida 1 Inseticida 2 Inseticida 3 B.2 Operações agrícoas kg t 18,00 0,20 2,50 3,00 0,30 0,40 0,30 9, ,00 16, ,00 15,50 16,00 45,00 562,94 174,24 270,00 40,00 31,50 19,50 6,20 8,00 13,50 126,61 268,07 82,97 128,57 19,05 15,00 9,29 2,95 3,81 6,43 60,29 49,40 15,30 23,70 3,50 2,80 1,70 11,10 Semeadura Apicação de herbicidas Apicação de inseticidas Coheita B.3 Outros custos 0,32 0,48 0,40 75,73 42,02 42,02 137,84 37,86 13,44 20,17 55,14 185,44 18,03 6,40 9,60 26,26 88,31 3,30 1,80 4,80 16,30 Transporte externo Fundersu Assistência técnica Administração Juros de custeio Seguridade socia rura Seguro rura sc sc 80,00 80,00 6,75 2,70 3,90 0,14 5,52 6,90 2,30 1 5,52 80, ,03 13,79 15,51 32,40 21,51 38,10 5,33 5,25 6,57 7,39 15,43 10,24 7,00 1,40 2,80 1,90 Custo tota (A + B) 1.139,07 542,42 100,00 Produtividade esperada: kg ha -1.

6 6 Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso. Tabea 3. Custo de produção da cutura do miho safrinha, para 2009, por hectare, em Ponta Porã, MS. Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS. Componentes do custo Unidade Preço unitário () Vaor () (US$) Quantidade Participação () A - Custo fixo 322,57 153,60 28,40 Recuperação do capita Remuneração da terra 189,24 133,33 90,11 63,49 16,70 11,70 B - Custo variáve 813,01 387,13 71,60 B.1 Insumos 498,90 237,57 43,90 Semente Fertiizante Herbicida dessecante Herbicida pós-emergente Inseticida 1 Inseticida 2 Inseticida 3 Espahante adesivo kg 20,00 t 0,15 3,00 0,30 0,05 9, ,00 15,00 9,00 26,00 45,50 177,00 5,50 193,60 199,50 30,00 27, ,65 8,85 5,50 92,19 95,00 14,29 12,86 9,90 6,50 4,21 2,62 17,00 17,60 2,60 2,40 1,80 B.2 Operações agrícoas 176,30 83,95 15,50 Semeadura Apicação de herbicidas Apicação de inseticidas Coheita 0,67 0,32 0,48 0,67 75,16 42,27 42,27 137,50 50,36 13,53 20,29 92,12 23,98 6,44 9,66 43,87 4,40 1,80 8,10 B.3 Outros custos 137,81 65,61 12,20 Transporte externo Fundersu Assistência técnica Administração Juros de custeio Seguridade socia rura Seguro rura sc 50,00 sc 50,00 6,75 2,70 3,90 0,14 5,40 6,75 2,25 7,50 5,40 50,00 7, ,50 15,19 20,25 21,07 23,81 3,33 5,14 6,43 7,23 9,64 10,03 4,40 0,60 1,30 1,80 1,90 Custo tota (A + B) 1.135,58 540,73 100,00 Produtividade esperada: kg ha -1.

7 Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso. 7 Tabea 4. Custo de produção da cutura do miho safrinha, para 2009, por hectare, em Primavera do Leste, MT. Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS. Componentes do custo Unidade Preço unitário () Vaor () (US$) Quantidade Participação () A - Custo fixo 282,06 134,31 25,00 Recuperação do capita Remuneração da terra 152,06 130,00 72,41 61,90 13,50 11,50 B - Custo variáve 844,84 402,31 75,00 B.1 Insumos 551,93 262,82 48,90 Semente Fertiizante Herbicida dessecante 1 Herbicida dessecante 2 Herbicida pós-emergente Inseticida 1 Inseticida 2 Inseticida 3 Inseticida 4 kg t 16,00 0,20 2,50 3,00 0,05 0,10 9, ,00 16,00 13,60 10,40 14, , ,88 270,00 40,00 10, ,00 8,05 14,72 8,20 73,75 128,57 19,05 5,18 14,86 6,67 3,83 7,01 3,90 13,70 24,00 3,50 2,80 1,30 B.2 - Operações agrícoas 130,37 62,09 11,60 Semeadura Apicação de herbicidas Apicação de inseticidas Coheita 0,66 0,10 0,15 0,40 80,10 76,01 76,01 146,26 52,87 7,60 11,40 58,50 25,18 3,62 5,43 27,86 4,70 5,20 B.3 - Outros custos 162,54 77,40 14,50 Transporte externo Assistência técnica Administração Juros de custeio Seguridade socia rura Seguro rura sc 75,00 6,75 2,70 3,90 5,46 6,82 5,46 9,75 5,46 75,00 10,92 13,65 15,35 26,33 21,29 35,71 5,20 6,50 7,31 12,54 10,14 6,70 1,40 2,30 1,90 Custo tota (A+B) 1.126,90 536,62 100,00 Produtividade esperada: kg ha -1.

8 8 Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso. Tabea 5. Custo de produção da cutura do miho safrinha, para 2009, por hectare, em Sapeza, MT. Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS. Componentes do custo Unidade Preço unitário () Vaor () (US$) Quantidade Participação () A - Custo fixo 250,85 119,45 20,60 Recuperação do capita Remuneração da terra 162,10 88,75 77,19 42,26 13,50 7,10 B - Custo variáve 954,10 454,34 79,40 B.1 Insumos Semente Fertiizante Herbicida dessecante Herbicida pós-emergente Inseticida 1 Inseticida 2 Espahante adesivo kg t 16,00 0,30 1,50 2,50 0,10 0,60 9, ,00 14,40 10,40 85,00 18,40 6,00 663,02 154,88 435,00 21,60 26,00 8,50 11,04 6,00 315,73 73,75 207,14 10,29 12,38 4,05 5,26 2,86 55,10 12,90 36,10 1,80 2,20 0,90 B.2 - Operações agrícoas 130,52 62,15 10,90 Semeadura Apicação de herbicidas Apicação de inseticidas Coheita 0,10 0,10 79,43 81,29 81,29 149,10 39,71 8,13 8,13 74,55 18,91 3,87 3,87 35,50 3,30 6,20 B.3 - Outros custos 160,56 76,46 13,40 Transporte externo Assistência técnica Administração Juros de custeio Seguridade socia rura Seguro rura Custo tota (A+B) sc 80,00 6,75 2,70 3,90 6,35 7,94 2,65 8,80 2,65 80,0 12,70 15,87 17,89 23,76 10, ,95 38,10 6,05 7,56 8,52 11,31 4,92 573,79 6,60 1,10 1,30 1,50 0,90 100,00

9 Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso. 9 Tabea 6. Custo de produção da cutura do miho safrinha, para 2009, por hectare, em Sorriso, MT. Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS. Componentes do custo Unidade Preço unitário () Vaor () (US$) Quantidade Participação () A - Custo fixo 214,38 102,09 2 Recuperação do capita Remuneração da terra 124,38 90,00 59,23 42,86 12,20 8,80 B - Custo variáve 803,39 382,56 79,00 B.1 Insumos 567,80 270,38 55,80 Semente Fertiizante Herbicida dessecante Herbicida dessecante Herbicida pós-emergente Inseticida 1 Inseticida 2 Espahante adesivo kg T L L L L L L 13,00 0,25 0,30 3,00 0,45 9, ,00 14,40 1 9,30 15,00 4 6,00 125,84 345,00 28,80 3,36 27, ,90 6,00 59,92 164,29 13,71 1,60 13,29 5,71 9,00 2,86 12,40 33,90 2,80 0,30 2,70 1,90 0,60 B.2 - Operações agrícoas 97,21 46,29 9,60 Semeadura Apicação de herbicidas Apicação de inseticidas Coheita 0,2 0,10 0,15 0,40 76,23 76,49 76,49 147,59 19,06 7,65 11,47 59,03 9,08 3,64 5,46 28,11 1,90 1,10 5,80 B.3 - Outros custos 138,38 65,89 13,60 Transporte externo Assistência técnica Administração Juros de custeio Seguridade socia rura Seguro rura sc 0,00 7 6,75 2,70 3,90 5,32 6,65 2,22 7,70 2,22 70,00 10,64 13,30 14,99 20,79 8,66 33,33 5,07 6,33 7,14 9,90 4,12 6,90 1,30 1,50 0,90 Custo tota (A+B) Produtividade esperada: kg ha ,77 484,65 100,00 Tabea 7. Custo variáve e tota médio da cutura do miho safrinha, para 2009, em Mato Grosso do Su e Mato Grosso. Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS. Município Custo fixo () Custo variáve () Custo tota () Produtividade (sc ha -1 ) CVme ( sc -1 ) CTme ( sc -1 ) Dourados, MS 297,63 846, , ,09 16,34 Maracaju, MS 264,08 874, , ,94 14,24 Ponta Porã, MS 322,57 813, , ,26 22,71 Primavera do Leste, MT 282,06 866, , ,26 15,03 Sapeza, MT 250,85 979, , ,93 15,06 Sorriso, MT 214,38 830, , ,48 14,54

10 10 Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso. Tabea 8. Evoução do custo de produção do miho safrinha no período de 2007 a 2009, em Mato Grosso do Su e Mato Grosso. Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS. Município 2007 (/ha) 2008 (/ha) 2009 (/ha) 2008/2007 () 2009/2007 () 2009/2008 () Dourados 732,06 881, ,07 20,5 56,30 29,70 Maracaju 772,41 897, ,07 16,2 47,50 26,90 Ponta Porã 731,46 877, ,58 20,0 55,20 29,40 Primavera do Leste 715,44 805, ,69 12,6 57,50 39,90 Sapeza 749,73 923, ,66 23,2 6 3 Sorriso 620,35 748, ,05 20,7 64,10 35,90 Média 720,24 855, ,52 18,9 56,60 31,80 Fonte: Richetti (2007); Richetti (2008). Fig. 1. Evoução do custo de produção do miho safrinha no período de 2007 a 2009, em Mato Grosso do Su e Mato Grosso. Embrapa Agropecuária Oeste. Dourados, MS.

11 Estimativa do Custo de Produção do Miho Safrinha 2009, para Mato Grosso do Su e Mato Grosso. 11 Referências BRASIL. Ministério da Agricutura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Poítica Agricoa. Pano agrícoa e pecuário 2008/2009: síntese das medidas. Brasíia, DF, p. RICHETTI, A. Estimativa de custo de produção de miho safrinha, para 2007, em Mato Grosso do Su e Mato Grosso. Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste, (Embrapa Agropecuária Oeste. Comunicado técnico, 128). Disponíve em: <http://www.cpao.embrapa.br/pubicacoes/ficha.php?tipo=cot&num=128&ano=2006>. Acesso em 14 nov RICHETTI, A. Estimativa do custo de produção do miho safrinha 2008, em Mato Grosso do Su e Mato Grosso. Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste, (Embrapa Agropecuária Oeste. Comunicado técnico, 139). Disponíve em: <http://www.cpao.embrapa.br/pubicacoes/ficha.php?tipo=cot&num=139&ano=2007>. Acesso em 14 nov Comunicado Técnico, 153 Embrapa Agropecuária Oeste Endereço: BR 163, km 253,6 - Caixa Posta Dourados, MS Fone: (67) Fax: (67) E-mai: 1ª edição (2009): onine Comitê de Pubicações Expediente Presidente: Guiherme Lafourcade Asmus Secretário-Executivo: Caudio Lazzarotto Membros: Eucides Maranho, Fábio Martins Mercante, Gessi Ceccon, Hamiton Hisano, Karina Neoob de Carvaho Castro, Oscar Fontão de Lima Fiho e Sivia Mara Beoni. Membros supentes: Caros Lasaro Pereira de Meo e Caros Ricardo Fietz. Supervisão editoria: Eiete do Nascimento Ferreira Revisão de texto: Eiete do Nascimento Ferreira Editoração eetrônica: Eiete do Nascimento Ferreira Normaização bibiográfica: Ei de Lourdes Vasconceos.

12

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012

Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul, na Safra 2012 174 ISSN 1679-0472 Abril, 2012 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Foto: Narciso Claudio da Lazzarotto S. Câmara Viabilidade Econômica da Cultura do Trigo, em Mato Grosso do Sul,

Leia mais

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 13. mai/10. mar/10. abr/10

Elaborado em parceria com a AMPA e IMAmt ANO 02 EDIÇÃO 13. mai/10. mar/10. abr/10 JUNHO DE 2010 Lenta negociação de fertiizantes para a safra 2010/11 As negociações de fertiizantes para o cutivo da safra de verão 2010/11 parecem ainda não ter encontrado o momento de decoagem em diversas

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável ISSN 1679-0464 Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável 16 O Algodoeiro em Mato Grosso Mato Grosso é um dos Estados do Brasil que apresentou maior desenvolvimento

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 ISSN 2176-2864, Versão Eletrônica Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 75 As estimativas dos custos e lucros de produção de uma determinada atividade agropecuária

Leia mais

Estimativa do Custo de Produção de Arroz de Sequeiro para Mato Grosso, Safra 2002/03

Estimativa do Custo de Produção de Arroz de Sequeiro para Mato Grosso, Safra 2002/03 59 ISSN 1679-0472 Outubro, 2002 Dourados, MS Foto: arquivo Embrapa Agropecuária Oeste Estimativa do Custo de Produção de Arroz de Sequeiro para Mato Grosso, Safra 2002/03 Geraldo Augusto de Melo Filho

Leia mais

Estimativa do Custo de Produção de Arroz Irrigado e de Terras Altas, para a Safra 2008/09, em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso

Estimativa do Custo de Produção de Arroz Irrigado e de Terras Altas, para a Safra 2008/09, em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso 146 ISSN 1679-0472 Agosto, 2008 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção de Arroz Irrigado e de Terras Altas, para a Safra 2008/09, em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso

Leia mais

ISSN 1679-043X Janeiro, 2009

ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 ISSN 1679-043X Janeiro, 2009 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 98 Cultivares de Soja

Leia mais

FORMULÁRIOS DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO

FORMULÁRIOS DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO ISSN 0104-5172 Geraldo Augusto de Melo Filho Alceu Richetti MANUAL DE CONTAS DA EMPRESA RURAL FORMULÁRIOS DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO Dourados, MS 1998 EMBRAPA-CPAO. Documentos, 18 Exemplares desta publicação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS Comissão Própria de Avaliação Comissão Própria de Avaiação Apresentação dos Resutados da Avaiação Gera da UCPe peos Aunos A tabuação abaixo foi feita a partir dos questionários sócio-econômicos do ENADE, dos anos de 01. Estado Civi?

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 01

Princípios da Engenharia de Software Aula 01 Princípios da Engenharia de Software Aua 01 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes honorato.nunes@bonfim.ifbaiano.edu.br Materia cedido por: Frankin M. Correia frankin.correia@bonfim.ifbaiano.edu.br Objetivo

Leia mais

Estimativa do Custo de Produção de Trigo, Safra 2011, para Mato Grosso do Sul

Estimativa do Custo de Produção de Trigo, Safra 2011, para Mato Grosso do Sul 166 ISSN 1679-0472 Abril, 2011 Dourados, MS Fotos - lavoura: Nilton P. de Araújo; percevejo: Foto: Nilton Narciso Pires da S. de Câmara Araújo Estimativa do Custo de Produção de Trigo, Safra 2011, para

Leia mais

Leiaute ou arranjo físico

Leiaute ou arranjo físico Leiaute ou arranjo físico A UU L AL A Quaquer posto de trabaho, incusive o nosso, está igado aos demais postos de trabaho, num oca quaquer de uma empresa. Esse oca pode ser uma área grande ou pequena.

Leia mais

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence)

Informações sobre os Cursos. Gestão do Comércio e Negócios. Gestão Estratégica de Pessoas. com Ênfase em BI (Business Intelligence) Rua Eucides da Cunha, 377 Centro de Osasco 0800 771 77 44 www.fipen.edu.br Centra de Informações Gestão Estratégica de Pessoas Gestão da Produção e Logística Gestão do Comércio e Negócios Gestão de Serviços

Leia mais

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a

Nesta aula, veremos por que o Nordeste é a Nordeste: o domínio agrário-mercanti A UU L AL A Nesta aua, veremos por que o Nordeste é a região que apresenta maiores desiguadades sociais, com um marcante níve de pobreza e um ato níve de destruição

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Nesta aula, vamos estudar a urbanização

Nesta aula, vamos estudar a urbanização Condomínios e faveas: a urbanização desigua A UU L AL A Nesta aua, vamos estudar a urbanização brasieira, que se caracteriza pea rapidez e intensidade de seu ritmo. Vamos comprender como o crescimento

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc.

DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS. *E-mail: elpidio@unisc. DIAGNÓSTICO E PROPOSTA PARA UTILIZAÇÃO DO ESTOQUE DE SEGURANÇA EM PRODUTOS ACABADOS DE UMA EMPRESA DE PLÁSTICOS Epídio O. B. Nara 1 *, Leirson Eckert 2, Jaqueine de Moraes 3 1 SPI - Sistemas de Processos

Leia mais

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito

Just-in-time. Podemos dizer que estamos usando a técnica. Conceito A UU L AL A Just-in-time Podemos dizer que estamos usando a técnica ou sistema just-in-time ou, abreviadamente, JIT, quando produzimos ago sem desperdício de matéria-prima; quando soicitamos e utiizamos

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2013/14 MATO GROSSO - Outubro/2012

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2013/14 MATO GROSSO - Outubro/2012 MATO GROSSO - Outubro/2012 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.208.516 3.159.861 1.615.657 617.912 1.747.076 8.349.020 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.190,90 R$ 1.178,31

Leia mais

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 A evolução da produção de milho no Mato Grosso: a importância da safrinha Jason de Oliveira Duarte 1 José Carlos Cruz 2 João Carlos Garcia 3 Introdução

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

A primeira fase da normalização

A primeira fase da normalização U L A A primeira fase da normaização A partir do momento em que o homem entra na era industria e inicia a produção em massa, isto é, a fabricação de um mesmo produto em grande quantidade, surge uma grande

Leia mais

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo

Quanto mais alto o coqueiro, maior é o tombo Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo A UU L AL A Quanto mais ato o coqueiro, maior é o tombo, pra baixo todo santo ajuda, pra cima é um Deus nos acuda... Essas são frases conhecidas, ditos popuares

Leia mais

Custo do Controle Químico da Ferrugem Asiática da Soja em Dourados, MS, para a Safra 2008/09

Custo do Controle Químico da Ferrugem Asiática da Soja em Dourados, MS, para a Safra 2008/09 150 ISSN 1679-0472 Novembro, 2008 Dourados, MS Foto: Alexandre Roese Custo do Controle Químico da Ferrugem Asiática da Soja em Dourados, MS, para a Safra 2008/09 1 Alceu Richetti Alexandre Dinnys Roese

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Chapadão do Sul, MS, da Safra 2016/2017

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Chapadão do Sul, MS, da Safra 2016/2017 224 ISSN 1679-0472 Maio, 2017 Dourados, MS Foto: Luiz Alberto Staut Custos de Produção de Soja e Safrinha em Chapadão do Sul, MS, da Safra 2016/2017 1 Alceu Richetti Luiz Eliezer Alves da Gama Ferreira

Leia mais

l 2 l + l após a mundança l l 01 - Marque a alternativa verdadeira. Ano de 2005 Número possível de ações: 20 p 2 p 1 a) Se p +, p *, então x [ ] 1 1 1

l 2 l + l após a mundança l l 01 - Marque a alternativa verdadeira. Ano de 2005 Número possível de ações: 20 p 2 p 1 a) Se p +, p *, então x [ ] 1 1 1 EA CPCAR EXAME DE ADMISSÃO AO 1 o ANO DO CPCAR 009 MATEMÁTICA VERSÃO A 01 - Marque a aternativa verdadeira. Ano de 005 a) Se p 0 x = p p 1 + + +, p *, então x [ ] 1 1 1 + + 10 0 0 b) O vaor de y = é ta

Leia mais

Mecanização Máquinas de levante e inovações atuais. MIAC na Mecanização do Café. Eric Miranda Abreu Engenheiro Agrônomo Desde 1999, pela UFLA

Mecanização Máquinas de levante e inovações atuais. MIAC na Mecanização do Café. Eric Miranda Abreu Engenheiro Agrônomo Desde 1999, pela UFLA Mecanização Máquinas de levante e inovações atuais MIAC na Mecanização do Café Eric Miranda Abreu Engenheiro Agrônomo Desde 1999, pela UFLA PROCAFÉ. VARGINHA MG 15.08.2013 MIAC na mecanização do café Recolhedoras

Leia mais

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado

MARE. A Reforma do Aparelho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns. Cadernos MARE da Reforma do Estado Cadernos MARE da Reforma do Estado A Reforma do Apareho do Estado e as Mudanças Constitucionais: Síntese & Respostas a Dúvidas mais Comuns MARE Ministério da Administração Federa e Reforma do Estado MARE

Leia mais

Estimativa do Custo de Produção de Soja, Safra 2004/05, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso

Estimativa do Custo de Produção de Soja, Safra 2004/05, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso 90 ISSN 1679-0472 Setembro, 2004 Dourados, MS Fotos: Silvio Ferreira Estimativa do Custo de Produção de Soja, Safra 2004/05, para Mato Grosso do Sul e Mato Grosso 1 Geraldo Augusto de Melo Filho 2 Alceu

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e CUSTOS DE PRODUÇÃO O objetivo é dar suporte para o uso dos coeficientes técnicos e outros subsídios necessários para o cálculo do custo e para a análise financeira da produção de sementes. Os custos podem

Leia mais

Caracterização das Principais Modalidades de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária na Região Centro-Sul de Mato Grosso do Sul

Caracterização das Principais Modalidades de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária na Região Centro-Sul de Mato Grosso do Sul ISSN 1679-043X Dezembro, 2014 125 Caracterização das Principais Modalidades de Sistemas Integrados de Produção Agropecuária na Região Centro-Sul de Mato Grosso do Sul ISSN 1679-043X Dezembro, 2014 Empresa

Leia mais

Cursos Profissionalizantes

Cursos Profissionalizantes Cursos Profissionaizantes O Teecurso Profissionaizante foi feito para você que está à procura de profissionaização; para você que está desempregado e precisa aprender uma profissão; para você que já estuda

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS. Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan

Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS. Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1518-6512 Dezembro, 2004 32 Ferrugem de Soja: Estimativas de Custo de Controle, em Passo Fundo, RS Cláudia De Mori Leila Maria Costamilan Foto:

Leia mais

Projeto Agrisus 1084-13

Projeto Agrisus 1084-13 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Projeto Agrisus 1084-13 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA OCUPADA COM SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Novembro/2013

CUSTO DE PRODUÇÃO DE SOJA - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Novembro/2013 MATO GROSSO - Novembro/2013 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 1.344.084 3.224.679 1.686.704 641.603 1.774.382 8.671.453 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.007,21 R$ 1.530,19

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA VIÁRIA REQUISITOS DA NORMA ISO 39001 branca A P R E S E N TA Ç Ã O Construindo um novo futuro Para tornar-se íder goba em souções de transporte

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste

Embrapa Agropecuária Oeste Embrapa Agropecuária Oeste RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE IMPACTOS DE TECNOLOGIAS GERADAS PELA EMBRAPA Nome da tecnologia: Consórcio de milho safrinha com Brachiaria ruziziensis Ano de avaliação da tecnologia:

Leia mais

Resíduos Sólidos. Planos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa. Comitê de Articulação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014

Resíduos Sólidos. Planos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa. Comitê de Articulação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014 Resíduos Sóidos Panos, Erradicação de Lixões e Logística Reversa Comitê de Articuação Federativa - CAF MMA/SRHU 24MAR2014 I- Considerações GERAIS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305 (02AGO2010)

Leia mais

INDICAÇÃO N o, DE 2015

INDICAÇÃO N o, DE 2015 55ª Legislatura 1ª Sessão Legislativa Ordinária INDICAÇÃO N o, DE 2015 Sugere a criação de um programa de irrigação nas regiões afetadas por estiagens, em estados brasileiros. Agricultura, Pecuária e Abastecimento:

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento

Problemas comuns Desenvolvimento e Design de Sistemas Web Categorias de problemas Exemplo de problema de funcionamento Desenvovimento e Design de Sistemas Web Probemas comuns Web Sites ma definidos e projetados Necessidade de atuaização constante das informações: eternamente em construção Evoução extremamente rápida da

Leia mais

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Costa Rica, MS, para a Safra 2016/ 2017

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Costa Rica, MS, para a Safra 2016/ 2017 219 ISSN 16790472 Janeiro, 2017 Dourados, MS Foto: Júlio Cesar Salton Custos de Produção de Soja e Safrinha em Costa Rica, MS, para a Safra 2016/ 2017 1 Alceu Richetti 2 Rodrigo Arroyo Garcia Luiz Eliezer

Leia mais

SOB INTERVENÇÃO. Informamos que melhor detalhamento e informações estão disponibilizados no site do Aerus, no endereço eletrônico: www.aerus.com.

SOB INTERVENÇÃO. Informamos que melhor detalhamento e informações estão disponibilizados no site do Aerus, no endereço eletrônico: www.aerus.com. Rio de Janeiro, 01 de junho de 2010. COMUNICADO TRANSLIQ 002/2010 Senhoras e Senhores participantes credores, Cumprimentando-os cordiamente serve este comunicado para apresentar um breve resumo da situação

Leia mais

Administração das Reservas Internacionais

Administração das Reservas Internacionais Administração das Reservas Internacionais Banco Centra do Brasi Depin Depin 2 Objetivos das Reservas em Moeda Estrangeira Dar apoio à poítica monetária e cambia; Dar confiança ao mercado com reação à capacidade

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

L A T I N A M E R I C A

L A T I N A M E R I C A SAFRA 2008 2009: TENDÊNCIAS E DESAFIOS DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Engº Agrº José Otavio Menten Diretor Executivo ANDEF Associação Nacional de Defesa Vegetal 01/10/2008 ABMR / SP SAFRA 2008 2009 TENDÊNCIAS E

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE CULTIVO DE MILHO SAFRINHA

VIABILIDADE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE CULTIVO DE MILHO SAFRINHA VIABILIDADE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE CULTIVO DE MILHO SAFRINHA Alceu Richetti 1 Introdução O milho safrinha é cultivado em pequenas, médias e grandes propriedades, onde o nível de investimento (adubação,

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg SOJA» MERCADO INTERNO Na primeira semana de março houve leve apreciação nos preços da saca de 6 Kg de soja em grãos, estes cresceram em média 1,2% em relação aos preços observados 6/mar. Mas em comparação

Leia mais

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto DESIGUALDADE no campo e o risco climático em áreas de produção da soja no sul do brasil Vinicius Carmello Grupo de Pesquisa GAIA; UNESP/FCT - Presidente Prudente, São Paulo, Brasil viniciuscarmello@gmail.com

Leia mais

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS

UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. UM MODELO DE OTIMIZAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE INSUMOS NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS INDUSTRIAIS Ceber Damião Rocco (DEP/UFSCar) cdrocco@dep.ufscar.br Reinado

Leia mais

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este trabalho tem por objetivo apresentar indicadores

Leia mais

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Naviraí, MS, da Safra 2016/2017

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Naviraí, MS, da Safra 2016/2017 225 ISSN 16790472 Maio, 2017 Dourados, MS Foto: Alceu Richetti Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Naviraí, MS, da Safra 2016/2017 1 Alceu Richetti Luiz Eliezer Alves da Gama Ferreira 3 Rodrigo

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise

BOLETIM SEMANAL. Soja - Análise 21/6 23/6 25/6 27/6 29/6 1/7 3/7 5/7 7/7 9/7 11/7 13/7 15/7 17/7 19/7 Contratos Negociados (x 1000) Cents de US$/bu ** Relatório produzido pelo IMEAMT e divulgado pela CERRADO INVEST www.cerradocorretora.com.br

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS

COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS COMPARATIVO ENTRE UMA LAVOURA IRRIGADA E DE SEQUEIRO NO RS LEVANTAMENTO REALIZADO POR FARSUL/CEPEA 19/05/2014 PROPRIEDADE TÍPICA: MUINCÍPIO DE CRUZ ALTA Característica da Propriedade: 44 ha Reserva Legal

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

Custo de. Gerência de Custos de Produção- GECUP

Custo de. Gerência de Custos de Produção- GECUP Custo de Produção Gerência de Custos de Produção- GECUP GECUP Produtos Estimativas de custos de produção da agropecuária, atualizados bimestralmente; Análise do mercado de insumos e de fatores de produção;

Leia mais

Calculando a rpm e o gpm a partir da

Calculando a rpm e o gpm a partir da Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ Cacuando a rpm e o gpm a partir da veocidade de corte A UU L AL A Para que uma ferramenta corte um materia, é necessário que um se movimente em reação ao outro a uma

Leia mais

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado

Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado Certificado uma vez, aceito em toda parte Por que usar um organismo de certificação acreditado A certificação de terceira-parte de sistemas de gestão é, com frequência, um requisito especificado para atuação

Leia mais

Exame Nacional de 2005 1. a chamada

Exame Nacional de 2005 1. a chamada Exame Naciona de 200 1. a chamada 1. Na escoa da Rita, fez-se um estudo sobre o gosto dos aunos pea eitura. Um inquérito reaizado incuía a questão seguinte. «Quantos ivros este desde o início do ano ectivo?»

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 429/12 Data: 26/11/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO

Leia mais

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL Londrina, Outubro de 2.015. Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural - Paraná Agente de ATER - PAULO ROBERTO MRTVI INSCRIÇÃO DADOS DA

Leia mais

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Ponta Porã, MS, para a Safra 2016/2017

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Ponta Porã, MS, para a Safra 2016/2017 222 ISSN 16790472 Janeiro, 2017 Dourados, MS Foto: Júlio Cesar Salton Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Ponta Porã, MS, para a Safra 2016/2017 1 Alceu Richetti 2 Rodrigo Arroyo Garcia Luiz

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011

DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011 Nº I Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Julho, 23-2010 DESTAQUES Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço Normas e Procedimentos Safra 2010/2011 - Limites para custeio

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA AGRICULTURA DE PRECISÃO: O CASO DO PARANÁ

VIABILIDADE ECONÔMICA DA AGRICULTURA DE PRECISÃO: O CASO DO PARANÁ VIABILIDADE ECONÔMICA DA AGRICULTURA DE PRECISÃO: O CASO DO PARANÁ Claudia Brito Silva 1 Antonio Carlos Moretto 2 Rossana Lott Rodrigues 2 Resumo A agricultura de precisão envolve um conjunto de conceitos

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 RELATÓRIO TÈCNICO Técnico: João Adolfo Kasper Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 Objetivo: Realizar o 5º Levantamento da Safra 2004/2005 sendo a 3ª avaliação para as culturas, Arroz Sequeiro, Milho

Leia mais

34 Ritmos e movimentos da população mundial

34 Ritmos e movimentos da população mundial A U A UL LA Ritmos e movimentos da popuação mundia Nessa aua, vamos estudar o crescimento da popuação mundia reacionando-o com as mudanças ocorridas na sociedade. Vamos conhecer o modeo expicativo da desaceeração

Leia mais

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Iguatemi, MS, para a Safra 2016/2017

Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Iguatemi, MS, para a Safra 2016/2017 220 ISSN 16790472 Janeiro, 2017 Dourados, MS Foto: Júlio Cesar Salton Custos de Produção de Soja e Milho Safrinha em Iguatemi, MS, para a Safra 2016/2017 1 Alceu Richetti Luiz Eliezer Alves da Gama Ferreira

Leia mais

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br

Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13. NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Soja-Comercialização Safra 2011/12 e Cenario 2012/13 NILVA CLARO COSTA nilva.claro@conab.gov.br Comercialização Safra-2011/12 60,00 55,00 50,00 45,00 40,00 35,00 30,00 25,00 20,00 S oja Grã o P re ços

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

É preciso fabricar adubo?

É preciso fabricar adubo? A U L A A U L A Acesse: http://fuvestibuar.com.br/ É preciso fabricar adubo? O que você vai aprender Eementos essenciais para as pantas Fertiizantes NPK O que é um sa Queima da amônia Produção de ácido

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2014

CUSTO DE PRODUÇÃO DE MILHO - SAFRA 2014/2015 MATO GROSSO - Janeiro/2014 MATO GROSSO - Janeiro/2014 R$ 0,00 R$ 0,00 Nordeste Médio-Norte Oeste Centro-Sul Sudeste Mato Grosso 257.129 1.458.698 519.693 170.289 601.101 3.006.910 DESPESAS COM INSUMOS R$ 1.049,89 R$ 1.141,83 R$

Leia mais

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. VII Congresso

Leia mais

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg. ANÁLISE SOJA MERCADO INTERNO: Nos primeiros dez dias do mês de maio houve valorização nos preços praticados da saca de soja de 6 kg quando comparados aos preços observados em 1 de maio,,38% de aumento

Leia mais

Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado

Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado Gestão econômica e financeira na produção de frutas de clima temperado Joelsio José Lazzarotto 17 Introdução A eficiência gerencial constitui fator-chave para que qualquer empreendimento agropecuário possa

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Produto fortemente ligado aos mercados internos!

Produto fortemente ligado aos mercados internos! Produto fortemente ligado aos mercados internos! 1) Os Estados Unidos são os maiores produtores, consumidores e exportadores de milho. 2) A China está na segunda posição na produção e no consumo. 3)

Leia mais

Atuais objetivos da normalização

Atuais objetivos da normalização A U L A Atuais objetivos da normaização Você agora vai estudar a útima parte deste assunto: os atuais objetivos da normaização. Pode-se dizer que a primeira fase da normaização, por vota de 1900 até os

Leia mais

Relação entre setores

Relação entre setores Reação entre setores Na empresa existem outros tipos de trabaho aém daquees que produzem bens, como automóveis, geadeiras etc. Esses trabahos precisam de pessoas especiaizadas para que toda a empresa possa

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais