ESTUDO DE APLICAÇÕES DO SISCOSERV NOS SERVIÇOS PARA LOGISTICA DE COMERCIO EXTERIOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE APLICAÇÕES DO SISCOSERV NOS SERVIÇOS PARA LOGISTICA DE COMERCIO EXTERIOR"

Transcrição

1 ESTUDO DE APLICAÇÕES DO SISCOSERV NOS SERVIÇOS PARA LOGISTICA DE COMERCIO EXTERIOR

2 A elaboração deste estudo foi feita por Rodrigo Monteiro Vicente, atualmente Diretor Financeiro da Leschaco Agente de Transportes e Comércio Internacionais Ltda., tendo atuado por mais de 4 anos como auditor externo pela KPMG Auditores Independentes. Bacharel em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, e em Ciências Contábeis pela Universidade Paulista e com MBA em Gestão Empresarial pela INSPER São Paulo, As analises foram feitas com base na interpretação dos Manuais do Siscoserv, Legislações relacionadas ao Comércio Exterior, consultas ao Ministério do Desenvolvimento, Industria e Comércio e à Secretária de Comércio e Serviços, palestras na Aduaneiras Cursos e Treinamentos e entendimentos junto ao Sindicato das Comissárias de Despacho e dos Agentes de Carga, assim como em conversas com Importadores, Exportadores e Agentes de Carga atuantes no mercado brasileiro. 2

3 INDICE INTRODUÇÃO... 4 PARTE 1 - CONCEITOS LOGISTICA DE COMÉRCIO EXTERIOR A COMISSÁRIA DE DESPACHOS OTM - OPERADOR DE TRANSPORTE MULTIMODAL INTERMODALIDADE TRANSPORTES INTERNACIONAIS TRANSPORTES RODOVIÁRIO TRANSPORTE FERROVIÁRIO TRANSPORTE MARÍTIMO TRANSPORTE AÉREO CONHECIMENTO DE EMBARQUE CONHECIMENTO DE EMBARQUE AÉREO (AIRWAY BILL AWB ) CONHECIMENTO DE EMBARQUE MARÍTIMO (BILL OF LADING B/L ) INCOTERMS EXW EX WORKS (NAMED PLACE OF DELIVERY) FCA FREE CARRIER (NAMED PLACE OF DELIVERY) FAS FREE ALONGSIDE SHIP (NAMED PORT OF SHIPMENT) FOB FREE ON BOARD (NAMED PORT OF SHIPMENT) CFR COST AND FREIGHT (NAMED PORT OF DESTINATION) CIF COST, INSURANCE AND FREIGHT (NAMED PORT OF DESTINATION) CPT CARRIAGE PAID TO (NAMED PLACE OF DESTINATION) CIP CARRIAGE AND INSURANCE PAID TO (NAMED PLACE OF DESTINATION) DAT DELIVERED AT TERMINAL (NAMED TERMINAL AT PORT OR PLACE OF DESTINATION) DAP DELIVERED AT PLACE (NAMED PLACE OF DESTINATION) DDP DELIVERED DUTY PAID (NAMED PLACE OF DESTINATION) OS INTERVENIENTES DO TRANSPORTE MARÍTIMO ARMADOR AGENCIA MARÍTIMA NVOCC CO-LOADER AGENTE DE CARGA OS INTERVENIENTES DO TRANSPORTE AÉREO COMPANHIAS AÉREAS IATA E AGENCIAS AÉREAS AGENTE DE CARGA DEFINIÇÕES LEGAIS RECEITA FEDERAL FENAMAR BANCO CENTRAL PARTE 2 - ANALISES EMBASAMENTO DAS ANALISES ANALISES DE CLASSIFICAÇÕES DE SERVIÇOS SERVIÇOS DE AGENCIAMENTO SERVIÇOS DE DESPACHANTE ADUANEIRO SERVIÇOS DE ARMAZENAGEM SERVIÇOS DE SEGURO SERVIÇO DE LOCAÇÃO SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO, FUMIGAÇÃO E LIMPEZA SERVIÇOS DE FRETE POR DUTOS SERVIÇOS DE FRETE RODOVIÁRIO SERVIÇOS DE FRETE FERROVIÁRIO SERVIÇOS DE FRETE FLUVIAL SERVIÇOS DE FRETE MULTIMODAL SERVIÇOS DE FRETE INTERMODAL SERVIÇO DE FRETE MARÍTIMO SERVIÇO DE FRETE AÉREO

4 INTRODUÇÃO No Brasil não é raro existirem normas que não pegam, porém, todos devem ter muito cuidado neste tipo de aposta, ainda mais quando vemos, dia após dia, a voracidade arrecadatória do Governo Federal, seja para compensar seus gastos, por vezes, descontrolados ou para manter seus programas intitulados "bolsa", que se proliferam sempre sob o manto do assistencialismo. A obrigação de se informar todas as transações envolvendo serviços do ou para exterior, batizada sob o pomposo, e difícil de gravar, nome de Serviço Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variação no Patrimônio, ou, simplesmente, SISCOSERV, parece ser uma destas normas em que várias pessoas e/ou empresas estão apostando que não vai pegar. Aos descrentes é bom que ponham suas barbas de molho, pois, a "coisa" já está funcionando, em que pese as prorrogações para aplicação de multas que, diga-se de passagem, são bastante pesadas. Nós que militamos na área de Comércio Exterior, temos notado que não se vem dando a devida atenção à esta nova obrigação, assim como parece não estarem entendendo sua amplitude, posto que, em verdade, é bastante complexa, a tal ponto de nós mesmos já termos participado de palestras e termos visto que os palestrantes, por vezes, não nos deram respostas convincentes e isto é fato, haja vista que o próprio Governo já está na 4º edição do Manual do Siscoserv. A teor do acima e para exemplificar algumas, das muitas, situações que trazem a obrigatoriedade dos registros no SISCOSERV citamos: Contratação de serviços de montagem ou reparo de equipamentos, com vinda ou envio de técnicos, desde que não incluídos na compra das máquinas e/ou equipamentos; Recebimento ou pagamento de comissões à qualquer título; Recebimento de valores por serviços prestados no Brasil, por exemplo por Operadores Portuários, desde que suportados por pessoa física ou jurídica localizada no exterior; Despesa de alimentação, estada, transporte de pessoas enviadas ou vindas do exterior para execução de serviços, análises, etc., comumente chamados de reembolsos; Enfim, a lista é enorme e todos devem ter em mente que para definir a obrigação de registro no SISCOSERV basta que se respondam afirmativamente as três perguntas abaixo, repetimos, se a resposta a alguma delas for negativa não haverá a obrigatoriedade aqui comentada. 1. Há dois polos? (Um no Brasil e outro no Exterior) 2. Há fluxo financeiro? (Envio ou recebimento de valores) 3. Há fluxo de serviço, intangíveis e outros? Acreditamos que todos devem se inteirar da matéria pois para aquilo que não tem remédio, remediado está, e amanhã não se poderá alegar o desconhecimento da Lei, posto estar ela publicada, fato este mais do que necessário para impor a obrigação a todos. Diante deste cenário iniciamos um estudo para analisar os diversos tipos de serviço envolvidos na logística de comercio exterior, com destaque maior para os fretes internacionais. O estudo a seguir está dividido em 3 partes: PARTE 1 CONCEITOS, onde buscou-se esclarecer os principais conceitos relativos a logística de comercio exterior, inclusive com os embasamentos legais. PARTE 2 ANALISES, onde classificou-se aprofundadamente os principais serviços logísticos envolvidos no comercio exterior. 4

5 PARTE 1 - CONCEITOS 1. LOGISTICA DE COMÉRCIO EXTERIOR Podemos dizer que a logística trata do planejamento, organização, controle e realização de outras tarefas associadas à armazenagem, transporte e distribuição de bens e serviços. Ainda que os locais onde os produtos sejam manufaturados estejam distantes de onde serão consumidos, é possível, através da logística, atender satisfatoriamente aos clientes. A questão do transporte é crucial para o comércio exterior. Sua oferta pode ser originada por razões econômicas, sociais ou políticas, como diferenças geográficas, especialização manufatureira, economias de escala, política de coesão nacional visando desenvolver regiões menos favorecidas, políticas exteriores e outras. O transporte interfere diretamente em um dos aspectos fundamentais da competitividade internacional da empresa: a formação de preço. Seus custos e sua agilidade podem favorecer as operações de comércio exterior ou, em contrapartida, torná-las inviáveis. A crescente internacionalização das economias tem gerado uma mudança significativa nas formas de produção e comercialização dos produtos. Há uma tendência crescente para atendimento cada vez mais eficiente à demanda, o que exige que as empresas trabalhem com estoques e prazos de entrega reduzidos. A prestação destes, pode ser coordenada através dos vários modais: rodoviário, marítimo, ferroviário e aeroviário. A orientação depende do tipo de mercadoria a ser transportado, das características da carga, da necessidade e principalmente, dos custos. São três os sistemas de transportes envolvendo seis diferentes modais conforme abaixo: sistema aquaviário, composto dos transportes marítimo, fluvial e lacustre, realizados respectivamente em mares e oceanos, rios e lagos; sistema terrestre, formado pelos transportes rodoviário e ferroviário; e sistema aéreo. S DE MOVIMENTAÇÃO House to House - mercadoria colocada em contêiner na sede do exportador e entregue na do consignatário. Pier to Pier - movimentação entre os dois terminais marítimos. Pier to House - mercadoria armazenada em terminal marítimo que, ao ser embarcada, é colocada em contêiner por exigência do exportador ou por conveniência do navio; House to Pier - mercadoria retirada das instalações do exportador em contêiner para ser descarregada no terminal marítimo, e não no endereço do consignatário. INTERMEDIAÇÃO DO DESPACHO ADUANEIRO A lei admite como intermediários no despacho aduaneiro somente três figuras (DL 2472/88 art. 5o, 1o): o próprio importador (por si ou por funcionário com vínculo empregatício); o despachante aduaneiro. o OTM (Operador de Transporte Multimodal) 1.1. A COMISSÁRIA DE DESPACHOS A Comissária de Despacho é uma empresa que objetiva o assessoramento de importadores e exportadores, com destaque para os despachos de importação e exportação. No início de sua atividade podia promover por si própria o despacho aduaneiro, figurando na Declaração de Importação. O art. 5o da Lei 2472/88, que regulou a intervenção no despacho aduaneiro, não as contemplou, razão pela qual atuam hoje através de DESPACHANTES ADUANEIROS. A tendência é que elas se transformem em empresas transitarias, que oferecem a seus clientes pacotes completos: providenciam o embarque da mercadoria no exterior e a entregam no estabelecimento do cliente, no caso da importação e vice- versa, no caso da exportação. Portanto, cuidam tanto do agenciamento do frete, seguro, transporte interno no exterior, desembaraço aduaneiro, transporte interno no Brasil, e vice-versa, quando se tratar de exportação. As maiores possuem até terminais alfandegados, tais como DAP, TRA, Entrepostos A Comissária de Despachos é a legítima responsável pelo processo completo à movimentação de mercadorias envolvidas no Comércio Exterior. Sua função principal é conhecer a origem e destino da mercadoria, as características e os requisitos técnicos e econômicos do mercado, escolhendo o melhor meio de transporte determinado pelo tipo de carga e organizar 5

6 este transporte, de modo a atender as necessidades de seu cliente em relação a prazos, preços e conformidade da mercadoria comercializada. O trabalho da Comissária de Despachos tem início na informação sobre a melhor solução para o transporte de toda mercadoria, considerando a legislação vigente e até mesmo os termos da Carta de Crédito que garante o pagamento dos serviços, sempre tendo em mente que o preço do transporte pode inviabilizar o custo final do produto. Outra importante atividade da comissária de despachos refere-se à escolha da embalagem adequada ao produto, não apenas sob o ponto de vista dimensional, mas principalmente em relação à sua funcionalidade e adaptabilidade ao meio de transporte escolhido. Ao contratar o serviço das Comissárias de Despachos, a empresa não precisa preocupar-se com as formalidades bancárias, consulares, aduaneiras e nos assuntos alfandegários em geral. A comissária tem conhecimento específico sobre leis, tarifas e direitos. As complicadas regras de Comércio Exterior fixam, por exemplo, os termos da emissão de certificados de origem, faturas e Cartas de Crédito. Cabe a comissária cuidar da legalização e execução desses documentos, além de cuidar do seguro que cubra riscos de transporte. A redução de custo em uma importação, por exemplo, pode ser obtida por meio da consolidação de cargas Aéreo e Marítimo, criando condições mais favoráveis aos custos de transporte e modalidades de entrega. A rapidez de uma mercadoria qualquer, após sua recepção nas alfândegas, é assegurada pelo relacionamento das comissárias com as empresas transportadoras que viabilizam o tráfego interno dos produtos de maneira mais rápida e eficiente. Pode ser ainda objeto de trabalho da Comissária de Despachos a armazenagem e a distribuição dos produtos. A comissária deve escolher o terminal que acomodará a carga, considerando a modernidade dos equipamentos, a facilidade de acesso e outros aspectos que permitam a seu cliente obterem maiores vantagens competitivas no processo de comércio exterior. Todo este trabalho é complementado por uma perfeita supervisão da movimentação das mercadorias, para que o cliente possa ser informado com precisão sobre a situação real dos serviços contratados OTM - OPERADOR DE TRANSPORTE MULTIMODAL O OTM já era uma figura conhecida na década de cinqüenta, contudo com uma outra denominação. Naquela época era chamado de "Arquiteto do Transporte ou Transitario", realizados através das Comissárias de Despachos Aduaneiros. O registro do Operador de Transporte Multimodal, suas responsabilidades e o controle aduaneiro das operações obedecerão ao disposto na Lei nº 9.611, de fevereiro de Para exercer a atividade de Operador de Transporte Multimodal é necessário a habilitação prévia e o registro na Secretaria-Executiva do Ministério dos Transportes. O Ministério dos Transportes manterá sistema único de registro para o Operador de Transporte Multimodal, que inclua as disposições nacionais e as estabelecidas nos acordos internacionais de que o Brasil seja signatário. A Lei n /98, de 20/02/1998, disciplina a utilização dos serviços de transporte multimodal. A opção vincula o percurso da carga a um único documento de transporte, designado Documento ou Conhecimento de Transporte Multimodal, independente das diferentes combinações de meios de transporte, como por exemplo, ferroviário e marítimo. Além de propiciar melhor aproveitamento dos equipamentos, a multimodalidade resulta na maior eficiência dos serviços de transporte de carga, com menores custos, maior agilidade e confiabilidade de entrega. Nesta modalidade, o transporte é realizado pelo Operador de Transporte Multimodal (OTM), também entendido como qualquer empresa que se proponha a assumir a responsabilidade por um transporte total. O OTM responde sozinho pela carga em caso de danos ou avarias em qualquer etapa do transporte e é quem terá o direito de recorrer contra seus transportadores subcontratados. A multimodalidade constitui instrumento de grande importância para pequenos exportadores e importadores. O OTM trabalha com a carga de diversos deles, o que lhe confere maior poder de barganha perante a transportadores, armazéns etc INTERMODALIDADE O intermodal caracteriza-se, basicamente, pelo transporte da mercadoria em duas ou mais modalidades, em uma mesma operação, onde cada transportador emite um documento e responde, individualmente, pelo serviço que presta. No caso de problemas com a carga, como danos e avarias, o embarcador recorre apenas contra o transportador responsável por aquele momento do transporte. A intermodalidade pode reduzir custos de outros modais mais onerosos em locais de entrega da mercadoria que não podem ser atingidos por um único meio de transporte, dependendo da proporcionalidade da distância e de outros fatores representados por cada um deles. 6

7 2. TRANSPORTES INTERNACIONAIS 2.1. TRANSPORTES RODOVIÁRIO Transporte rodoviário é aquele realizado em estradas de rodagem, com a utilização de veículos como caminhões e carretas. Ele pode ser realizado de forma nacional, dentro de um país, ou internacional, abrangendo dois ou mais países. O transporte rodoviário se caracteriza pela facilidade na entrega da mercadoria, realizando ligações entre o transporte multimodal e intermodal. Essas ligações objetivam buscar os produtos para exportação na fonte e embarcar em outros modais ou o inverso, no caso das importações, entregando na porta os produtos trazidos por outros modais. É recomendável para curtas e médias distâncias. Proporciona agilidade e flexibilidade tanto no deslocamento de cargas, isoladas ou em conjunto com outras, e também na integração de regiões. A simplicidade de funcionamento deste meio de transporte permite, em qualquer ocasião, os embarques urgentes. Outras vantagens são: entrega direta e segura dos bens ao importador, manuseio mínimo da carga (pois o caminhão segue lacrado até ao destino), entrega rápida em distância curta, embalagens mais simples e baixo custo. Quando as mercadorias têm como destino terceiros países, não limítrofes, está previsto um regime aduaneiro especial, denominado despacho para trânsito aduaneiro. Ele permite que ocorra o trânsito por terceiros países sem o recolhimento dos tributos, que deverá ocorrer apenas no país de destino. Brasil, Argentina, Bolívia, Paraguai, Uruguai, Chile e Peru assinaram o Convênio sobre Transporte Internacional Terrestre, regulamentando a movimentação de carga por rodovias e os procedimentos referentes aos assuntos aduaneiros, migratórios, de seguros e operacionalidade do sistema. No Mercosul o transporte rodoviário é regulamentado pelo sistema de licenças ou permisos, que exige que as empresas sejam cadastradas para comercializar pelo bloco TRANSPORTE FERROVIÁRIO O transporte ferroviário internacional é feito por vagões tracionados por locomotivas que, sobre trilhos, percorrem trajetos devidamente delineados, portanto, sem flexibilidade de percursos e presos a caminhos únicos. As ligações mais comuns são entre países limítrofes e podem ser utilizadas também as ferrovias em outros países. A agilidade do transporte ferroviário não se compara à do rodoviário pois as cargas, geralmente, têm de ser levadas a ele TRANSPORTE MARÍTIMO O transporte marítimo representa a maior parte dos serviços internacionais de movimentação de carga. Apresenta bastante segurança, sendo mínimos os problemas de navegação e perda da carga. É o meio mais utilizado no comércio exterior porque se caracteriza pelo baixo custo. Nas operações CFR e CIF, a indicação do navio é feita pelo exportador, cabendo ao importador esta indicação no caso das operações FOB. O exportador deve certificar-se de que o transporte da mercadoria vai contar com uma malha portuária automatizada e com boa capacidade de carga e descarga, o que possibilita uma diminuição nos custos. Neste tipo de transporte, o frete representa o montante recebido pelo armador como remuneração pelo transporte da carga. Para se conseguir melhor preço o ideal é fechar um contrato com reserva de espaço. O transporte marítimo pode ser dividido em longo curso e cabotagem. As empresas intervenientes mais importantes que operam no transporte marítimo são o armador, agência marítima, NVOCC, transitário de carga, operador de transporte multimodal e cargo broker. Os tipos de serviços referem-se à estufagem, desova e utilização, e são divididos como segue: quanto ao local de operação: H/H, H/P, P/P e P/H, sendo "H" house (armazém/casa) e "P" pier (porto); e quanto à responsabilidade pela ova e desova: FCL/FCL, LCL/LCL, FCL/LCL e LCL/FCL, sendo FCL full container load (carga total de container) e LCL less than a container load (menos que uma carga de container). Consolidação da carga marítima consiste no embarque de diversos lotes de cargas, mesmo que de diferentes agentes embarcadores, com pagamento de fretes a valores proporcionais aos espaços ocupados efetivamente pelos respectivos volumes embarcados. A implantação da consolidação documental da carga marítima possibilita a redução do custo do transporte para o exportador/importador. Desse modo, o embarcador pode arcar apenas com a taxa representativa da fração do espaço 7

8 utilizado, prática conhecida no exterior como boxrate, permitindo aos agentes consolidadores de carga fracionar o custo total do contêiner entre os interessados. Além da agilidade e eficiência advindas da consolidação da carga, acelerando o seu deslocamento a custo menor, outro benefício é o de promover concorrência entre os agentes consolidadores, através da inevitável transferência de parte das diferenças de fretes obtidas com os armadores para os exportadores TRANSPORTE AÉREO Em razão da velocidade, o transporte aéreo é utilizado para pequenas cargas e que tenham urgência na entrega. Os fatores básicos de segurança, ética e operacionalidade estão estabelecidos nas normas da International Air Transport Association (Iata) e em acordos e convenções internacionais. O transporte aéreo é uma atividade que envolve com facilidade vários países, devido à velocidade do meio utilizado. Quanto aos tipos, pode ser um transporte nacional (doméstico ou cabotagem), ou internacional (operações de Comércio Exterior). O transporte aéreo é baseado em normas da Iata International Air Transport Association, e em acordos e convenções internacionais. A associação das empresas aéreas na Iata é voluntária. Essa associação representa as companhias aéreas, estabelece tarifas máximas de fretes e divide o globo em três conferências operacionais. Os principais intervenientes no transporte aéreo são as empresas de navegação aérea e os agentes de carga, e também a Infraero, que detém o monopólio da administração dos aeroportos e seus armazéns de carga. Consolidação de carga aérea é um ato abstrato, e significa que a mercadoria recebida pelo agente de carga aérea, de diversos embarcadores, é considerada como uma única carga e enquadrada na tarifa adequada. Desta maneira, há uma redução do frete por quilo, já que o transporte aéreo tem uma tabela de fretes por faixas de peso, sendo que quanto maior a quantidade de carga menor o frete. Com isto, os embarcadores conseguem ter um frete menor, obtido pelo agente por meio da consolidação de carga, já que esta redução é rateada entre os interessados. 8

9 3. CONHECIMENTO DE EMBARQUE O conhecimento de carga classifica-se, conforme o emissor e o consignatário, em: ÚNICO OU DIRETO emitido pelo próprio transportador (agência de navegação, companhia aérea, armador), quando o consignatário não for um agente de cargas GENÉRICO OU MASTER se emitido pelo próprio transportador (agência de navegação, companhia aérea, armador), quando o consignatário for um agente de cargas; ou AGREGADO, HOUSE OU FILHOTE emitido por um NVOCC e o consignatário não for um agente de cargas. SUB-MASTER OU CO-LOADER emitido por um NVOCC e o consignatário for outro NVOCC 3.1. CONHECIMENTO DE EMBARQUE AÉREO (AIRWAY BILL AWB ) O transporte aéreo comercial de carga é sempre documentado através de conhecimento aéreo (AWB airway bill), que a exemplo dos demais modais, é o documento mais importante do transporte. Ele tanto pode ser um conhecimento aéreo companhia, ou ser um conhecimento neutro, quando é do agente de carga. Pode estar na forma de um AWB airway bill, representando uma carga embarcada diretamente, ou o conjunto MAWB master airway bill, e HAWB house airway bill, representando cargas consolidadas. Além das funções normais, conforme os demais modais, este documento ainda pode representar fatura de frete e certificado de seguro CONHECIMENTO DE EMBARQUE MARÍTIMO (BILL OF LADING B/L ) O conhecimento de embarque é um dos documentos mais importantes do comércio exterior, sendo de emissão do armador. O seu preenchimento deve ser feito no seu verso, e nele deve constar várias informações pertinentes ao armador e ao embarque.os conhecimentos podem representar um transporte regular de carga, e ser porto a porto ou multimodal, este referindo-se a carga ponto a ponto. Pode também ser um conhecimento de afretamento, ou seja, charter party bill of lading. Quanto à finalidade é um contrato de transporte, recibo de entrega da carga e título de crédito. Pode ser consignado à ordem, à ordem de alguém ou diretamente a alguém, podendo ser endossado em branco, o que o torna ao portador, ou em preto, a alguém definido. O conhecimento pode ser emitido em quantas vias originais forem necessárias e solicitadas pelo embarcador. Normalmente é emitido em três vias. Os pagamentos de frete marítimo ao armador, referente ao transporte de carga, podem ser feitos de três maneiras: prépago, a pagar e pagável no destino. Um conhecimento de embarque limpo é aquele que não faz menção a uma condição defeituosa da mercadoria ou da sua embalagem. 9

10 4. INCOTERMS O PRESIDENTE DO CONSELHO DE MINISTROS DA CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR, no uso da atribuição que lhe confere o 3º do art. 5º do Decreto nº 4.732, de 10 de junho de 2003, com fundamento na alínea a do inciso III e no inciso VII do art. 2º do mesmo diploma legal, RESOLVE, ad referendum do Conselho: I Termos Internacionais de Comércio (Incoterms) discriminados pela International Chamber of Commerce (ICC) em sua Publicação nº 715E, de 2010: 4.1. EXW EX WORKS (NAMED PLACE OF DELIVERY) NA ORIGEM (local de entrega nomeado) O vendedor limita-se a colocar a mercadoria à disposição do comprador no seu domicílio, no prazo estabelecido, não se responsabilizando pelo desembaraço para exportação nem pelo carregamento da mercadoria em qualquer veículo coletor. Utilizável em qualquer modalidade de transporte. Nota: em virtude de o comprador estrangeiro não dispor de condições legais para providenciar o desembaraço para saída de bens do País, fica subentendido que esta providência é adotada pelo vendedor, sob suas expensas e riscos, no caso da exportação brasileira FCA FREE CARRIER (NAMED PLACE OF DELIVERY) LIVRE NO TRANSPORTADOR (local de entrega nomeado) - O vendedor completa suas obrigações e encerra sua responsabilidade quando entrega a mercadoria, desembaraçada para a exportação, ao transportador ou a outra pessoa indicada pelo comprador, no local nomeado do país de origem. Utilizável em qualquer modalidade de transporte FAS FREE ALONGSIDE SHIP (NAMED PORT OF SHIPMENT) LIVRE AO LADO DO NAVIO (porto de embarque nomeado) - O vendedor encerra suas obrigações no momento em que a mercadoria é colocada, desembaraçada para exportação, ao longo do costado do navio transportador indicado pelo comprador, no cais ou em embarcações utilizadas para carregamento da mercadoria, no porto de embarque nomeado pelo comprador. Utilizável exclusivamente no transporte aquaviário (marítimo ou hidroviário interior) FOB FREE ON BOARD (NAMED PORT OF SHIPMENT) LIVRE A BORDO (porto de embarque nomeado) - O vendedor encerra suas obrigações e responsabilidades quando a mercadoria, desembaraçada para a exportação, é entregue, arrumada, a bordo do navio no porto de embarque, ambos indicados pelo comprador, na data ou dentro do período acordado. Utilizável exclusivamente no transporte aquaviário (marítimo ou hidroviário interior) CFR COST AND FREIGHT (NAMED PORT OF DESTINATION) CUSTO E FRETE (porto de destino nomeado) - Além de arcar com obrigações e riscos previstos para o termo FOB, o vendedor contrata e paga frete e custos necessários para levar a mercadoria até o porto de destino combinado. Utilizável exclusivamente no transporte aquaviário (marítimo ou hidroviário interior) CIF COST, INSURANCE AND FREIGHT (NAMED PORT OF DESTINATION) CUSTO, SEGURO E FRETE (porto de destino nomeado) - Além de arcar com obrigações e riscos previstos para o termo FOB, o vendedor contrata e paga frete, custos e seguro relativos ao transporte da mercadoria até o porto de destino combinado. Utilizável exclusivamente no transporte aquaviário (marítimo ou hidroviário interior) CPT CARRIAGE PAID TO (NAMED PLACE OF DESTINATION) TRANSPORTE PAGO ATÉ (local de destino nomeado) - Além de arcar com obrigações e riscos previstos para o termo FCA, o vendedor contrata e paga frete e custos necessários para levar a mercadoria até o local de destino combinado. Utilizável em qualquer modalidade de transporte CIP CARRIAGE AND INSURANCE PAID TO (NAMED PLACE OF DESTINATION) TRANSPORTE E SEGURO PAGOS ATÉ (local de destino nomeado) - Além de arcar com obrigações e riscos previstos para o termo FCA, o vendedor contrata e paga frete, custos e seguro relativos ao transporte da mercadoria até o local de destino combinado. Utilizável em qualquer modalidade de transporte DAT DELIVERED AT TERMINAL (NAMED TERMINAL AT PORT OR PLACE OF DESTINATION) ENTREGUE NO TERMINAL (terminal nomeado no porto ou local de destino) - O vendedor completa suas obrigações e encerra sua responsabilidade quando a mercadoria é colocada à disposição do comprador, na data ou dentro do período acordado, num terminal de destino nomeado (cais, terminal de contêineres ou armazém, dentre outros), descarregada do veículo transportador mas não desembaraçada para importação. Utilizável em qualquer modalidade de transporte. 10

11 4.10. DAP DELIVERED AT PLACE (NAMED PLACE OF DESTINATION) ENTREGUE NO LOCAL (local de destino nomeado) - O vendedor completa suas obrigações e encerra sua responsabilidade quando coloca a mercadoria à disposição do comprador, na data ou dentro do período acordado, num local de destino indicado que não seja um terminal, pronta para ser descarregada do veículo transportador e não desembaraçada para importação. Utilizável em qualquer modalidade de transporte DDP DELIVERED DUTY PAID (NAMED PLACE OF DESTINATION) ENTREGUE COM DIREITOS PAGOS (local de destino nomeado) - O vendedor completa suas obrigações e encerra sua responsabilidade quando a mercadoria é colocada à disposição do comprador, na data ou dentro do período acordado, no local de destino designado no país importador, não descarregada do meio de transporte. O vendedor, além do desembaraço, assume todos os riscos e custos, inclusive impostos, taxas e outros encargos incidentes na importação. Utilizável em qualquer modalidade de transporte. Nota: em virtude de o vendedor estrangeiro não dispor de condições legais para providenciar o desembaraço para entrada de bens do País, este termo não pode ser utilizado na importação brasileira, devendo ser escolhido o DAT ou DAP no caso de preferência por condição disciplinada pela ICC. 11

12 5. OS INTERVENIENTES DO TRANSPORTE MARÍTIMO 5.1. ARMADOR É a empresa que responde pela carga desde o momento em que esta é recebida até sua entrega ao destinatário. Os navios utilizados para o transporte podem ser de sua propriedade ou não AGENCIA MARÍTIMA É o representante do armador nos portos e faz o elo deste com o embarcador ou o destinatário da mercadoria. Entre muitas funções, providencia a venda de espaço do navio para transporte de carga. É o representante do armador do navio, nos portos, perante as autoridades portuárias, responsável pelo despacho do navio e assistência ao capitão na prática de atos jurídicos perante essas mesmas autoridades. Sua participação na cadeia logística se dá a cada escala do navio em um porto, gerenciando-o durante sua estada. Assim, o serviço do agente frequentemente se inicia semanas antes da embarcação chegar ao porto. Todo o navio possui um armador ( dono do navio ) que é responsável por prover a embarcação com aquilo que é necessário. O agente marítimo é o profissional que representa o armador nos portos diante das autoridades portuárias. Cada vez que um navio chega à um porto, o agente marítimo assume o papel do armador e o gerenciamento do navio. Vale ressaltar que o trabalho deste profissional se inicia dias ou até mesmo semanas antes da embarcação atracar no porto para operações de movimento de carga e descarga. O agente marítimo desempenha papel fundamental de comunicação entre uma embarcação e as empresas de transportes e armazenagem, despachantes aduaneiros, terminais de contêineres e operadores portuários. É necessário que este profissional possua conhecimento na área jurídica e comercial relacionada com atividades portuárias, pois é ele quem providencia todos os registros e documentos necessários antes mesmo de o navio chegar ao cais. O agente marítimo precisa também estar atento às informações passadas à Alfândega caso ele não passe as informações corretamente, pode acabar pagando multas gravíssimas. Além disso, quando alguma empresa deseja exportar ou importar produtos através de portos, ela entra em contato com o agente marítimo, pois este profissional está capacitado para fornecer as informações necessárias referentes ao processo de exportação/importação portuária NVOCC Non-Vessel Operating Common Carrier, é outro a operar na navegação, é o um armador sem navios. No Brasil, ele não é regulamentado, ao contrário do que ocorre em países como os Estados Unidos. É a empresa, cujo objetivo é o de providenciar o transporte e/ou a consolidação, emitindo os respectivos conhecimentos de transporte internacional, sob sua responsabilidade, de cargas com a contratação de um armador, que as transportará até o ponto de destino. É a empresa indicada como embarcadora ou remetente no denominado conhecimento master ( Master Bill of Lading ) e responsável pela emissão dos conhecimentos House Bill of Lading (HBL), conhecidos por filhotes CO-LOADER É o agente consolidador ou desconsolidador de cargas, que figura como embarcador ou remetente no conhecimento denominado sub-master, emitido pelo agente consolidador principal executor da consolidação total da carga e que permanece como responsável por tal procedimento; 5.5. AGENTE DE CARGA É a empresa sediada no Brasil, com poderes outorgados pelo Agente consolidador NVOCC para representá-lo no País. Responsável pela desconsolidação documental e fisica de cargas consolidadas, cujos procuradores devem estar cadastrados tanto na Alfândega como no DFMM. É a empresa indicada como consignatária no conhecimento master ou, caso exista, no sub-master, responsável pelo registro do manifesto de carga e pela liberação dos conhecimentos - HBL - correspondentes às cargas consolidadas. 12

13 6. OS INTERVENIENTES DO TRANSPORTE AÉREO 6.1. COMPANHIAS AÉREAS É a empresa que responde pela carga desde o momento em que esta é recebida até sua entrega ao destinatário. As aeronaves utilizadas para o transporte podem ser de sua propriedade ou não IATA E AGENCIAS AÉREAS IATA é a sigla inglesa de International Air Transport Association ou Associação Internacional de Transportes Aéreos, em português. A IATA foi criada há mais de 60 anos por um grupo de companhias aéreas, com o objetivo de representá-las em todos os assuntos relacionados à aviação. Atualmente, a IATA representa mais de 230 companhias aéreas - cerca de 93% do tráfego aéreo internacional. A IATA luta pelos interesses das companhias em todo o mundo fazendo com que os governos prestem contas, desafiando encargos tributários e trazendo a conscientização das pessoas envolvidas sobre os benefícios da aviação para as economias. O principal objetivo da IATA é ajudar as companhias aéreas a simplificar processos, aumentar a comodidade dos passageiros, reduzir custos, melhorar a eficiência dos serviços e, principalmente, cuidar da segurança da aviação, além de procurar minimizar o impacto do transporte aéreo no meio ambiente. Os códigos de três letras que designam os nomes dos aeroportos em todo o mundo foram criados pela IATA. Exemplo: GRU (Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo), LHR (Heathrow, em Londres), OPO (Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, Portugal), etc. Para simplificar processos, esses códigos são usados nas passagens de avião, adesivos de bagagens, etc. Existem também companhias aéreas que não utilizam-se da IATA como seu representante, e para essa função montam escritórios próprios ou então nomeiam agencias para representa-las AGENTE DE CARGA É a pessoa jurídica, devidamente autorizada pela Agencia Nacional da Aviação Civil (ANAC) que, na qualidade de agência de carga aérea atuará na contratação de transporte aéreo, porquanto, responsabiliza-se perante o exportador e o importador pela perfeita execução do serviço de transporte que foi contratado. Em geral, os embarques não são negociados pelos exportadores diretamente com as empresas aéreas, exceto quando se tratar de grandes quantidades. Os interessados em enviar seus produtos para o exterior recorrem aos agentes de carga aérea, pois estes estão bem informados quanto a vôos, empresas, rotas, vagas em aeronaves, fretes e têm facilidades em obter descontos nos fretes com a consolidação de cargas. Os agentes auferem rendimentos com a cobrança de taxas de expedientes. Agente de Carga consolidador, é aquele que reuni em um mesmo embarque cargas separadas, e se encarrega de tratar do embarque destas mercadorias, e da vistoria dos produtos, do desembaraço alfandegário, dos programas de embarque, da preparação de documentos e de sua legislação, arquitetando o transporte e o engajamento de espaço em aeronave. Carga consolidada aérea é aquela transportada ao amparo de conhecimento internacional de carga emitido por empresa autorizada a consolidar e desconsolidar carga. Consolidar carga significa agrupar várias cargas que tenham um só destino, para desagrupá-las no destino, entregando a cada um o que é seu.. A carga agrupada segue amparada por um conhecimento master (MAWB) ou conhecimento mãe, de responsabilidade da empresa consolidadora, dirigido à empresa desconsolidadora. O master engloba outros conhecimentos denominados house ou filhotes (HAWB), cada um deles com seu respectivo destinatário. Em suma, na origem, as cargas de vários exportadores e até um único exportador, destinadas a um mesmo local de descarga, são agrupadas e embarcadas sob amparo do conhecimento MAWB, acompanhado de tantos HAWB quantos forem os embarques objeto de consolidação. No destino há a desconsolidação, sendo cada house entregue ao respectivo destinatário. Somente o House deve ser base do despacho aduaneiro. De fato, sendo o Máster documento de consolidador para desconsolidador e com validade para definir o veículo em que saem do exterior e chegam ao País de destino e respectivo controle da Alfândega de descarga, resta claro que o House é o documento que ampara o despacho aduaneiro, eis que para cada House deverá exigir um despacho. Temos a afirmação desta realidade, que deflui do conceito de consolidadação, através de ato normativo, apenas para o aéreo: Decisão n. 18, de (DOU-E de pág. 5) da SRRF 2a RF O conhecimento de carga aérea a ser utilizado na instrução da Declaração de Importação, nos casos em que houver consolidação de carga, será o house (HAWB), emitido pelo agente consolidador. 13

14 7. DEFINIÇÕES LEGAIS 7.1. RECEITA FEDERAL SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL 8ª Região Fiscal Alfândega do Porto de Santos ORDEM DE SERVIÇO Nº 4, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2001 DOU N.º 219, DE , SEÇÃO 1, PÁG. 33 I AGENTE CONSOLIDADOR, ou operador de transporte não armador, ou non-vessel operating common carrier (NVOCC) : a empresa sediada no exterior que opera no transporte de cargas através da contratação de armador constituído; II CO-LOADER : é um agente consolidador, quando sua carga utiliza a mesma unidade de carga de outro agente NVOCC, coberta por um conhecimento emitido pelo segundo; III - AGENTE DESCONSOLIDADOR : a empresa sediada no Brasil que representa o agente consolidador no País e é responsável pela desunitização e desconsolidação documental da carga; IV CONHECIMENTO MASTER : o documento que expressa o contrato de transporte internacional e ampara o transporte da carga consolidada, emitido pelo armador, no qual consta como embarcador um agente consolidador e como consignatário o seu agente desconsolidador; V CONHECIMENTO HOUSE OU CONHECIMENTO FILHOTE (HBL) : o documento que ampara o transporte de cada lote de carga que integra o despacho consolidado, emitido pelo agente consolidador, no qual consta como embarcador o exportador e como consignatário o importador ou o banco negociador, podendo, ainda, ser à ordem; VI - CONHECIMENTO SUB-MASTER : o documento emitido pelo agente consolidador, no qual consta como embarcador um outro agente consolidador, também chamado de co-loader, ocupando ambos parte da mesma unidade de carga, e como consignatário o respectivo agente desconsolidador; VII UNITIZAÇÃO : a operação física de colocação de um ou mais volumes em uma unidade de carga, para fins de transporte; por desunitização, a operação inversa; VIII CONSOLIDAÇÃO : a reunião, em um único documento de embarque (conhecimento master), de lotes de carga individualmente identificados, formando o que se chama de carga consolidada; e IX DESCONSOLIDAÇÃO : a operação de separação e entrega da respectiva documentação aos consignatários dos lotes de carga transportados com base em um conhecimento master ou sub-master FENAMAR As agências marítimas estão congregadas em Federação a FENAMAR - Federação Nacional das Agências Marítimas. A respeito do Agente Marítima esta federação faz o seguinte pronunciamento: A origem da atividade do Agente Marítimo perde-se no tempo. Desde que o comércio marítimo se instituiu, nos primórdios da história, surgiu também a necessidade dos armadores em possuir em cada porto um agente marítimo com notório conhecimento em diversas áreas comerciais e jurídicas. Não são raras as Agências de Navegação Marítima brasileiras e no mundo com mais de cem anos de atividades. E é justamente essa experiência secular que tem permitido ao Agente Marítimo brasileiro adequar-se com rapidez e qualidade às profundas transformações verificadas em todo o Mundo, tanto no que diz respeito ao transporte marítimo quanto ao sistema operacional portuário. Utilizando-se de tecnologia disponível e empregando pessoal altamente qualificado, as Agências de Navegação Marítima contribuem sobremaneira para o sucesso comercial de seus Armadores no Brasil. O Agente é o elo indispensável na cadeia de comunicação entre o Armador e diversos personagens que interagem com o navio quando este chega a um Porto Nacional. Os exportadores, os importadores, as empresas de transportes e armazenagem, os Despachantes Aduaneiros, os Terminais de Contêineres e os Operadores Portuários entre outros importantes segmentos, encontram na figura do Agente Marítimo o apoio necessário para a concretização de seus objetivos comerciais. As diversas Autoridades Governamentais constituídas e As Autoridades Portuárias por sua vez contam com o apoio 14

15 irrestrito dos Agentes Marítimos para o bom cumprimento das Leis, Normas e Regulamentações de nosso país quanto aos diversos procedimentos e exigências que envolvem a chegada, entrada, atracação, operação e saída de um navio. A atividade do Agente Marítimo é muito dinâmica considerando que em redor de 95% de tudo que é movimentado no Brasil em termos de Exportação e Importação é feito através de Navios. Sempre que existir a necessidade de utilizar-se um Navio, consulte sempre um Agente Marítimo. Ele é a sua segurança e o seu parceiro número um no momento da concretização de um excelente negócio BANCO CENTRAL A Carta Circular do Banco Central, de , estabelece condições para as transferências ao exterior de valores de transporte marítimo internacional de cargas, combinado ou consolidado, relativo à importação brasileira. O Comunicado n , de , baixou Regulamento disciplinando a remessa de valores em razão do transporte de carga, do qual extraímos os seguintes conceitos: AGENTE CONSOLIDADOR o agente de carga que, reunindo em um mesmo despacho cargas separadas, se encarrega de tratar do embarque das mercadorias, vistoria dos produtos, desembaraços alfandegários, programação de embarque, preparação de documentos de embarque e sua legalização, arquitetando o transporte e o engajamento do espaço em aeronave. OBS - A Comunicação de Serviço n /GAB 27, de , da Alfândega de Santos, acrescenta o seguinte entendimento: Agente Consolidador, ou Operador de Transporte Não Armador, ou Non Vessel Operating Common Carrier (NVOCC): a empresa sediada no exterior, cujo objetivo é o de providenciar o transporte e/ou consolidação, sob sua responsabilidade, de cargas a exportar, com a contratação de um armador, que as transportará até o porto de destino, é a empresa indicada como embarcadora ou remetente no denominado conhecimento master ( Master Bill of Landing ) e responsável pela emissão dos conhecimentos House Bill of Landing (HBL), conhecidos por filhotes ). CO- LOADER : o agente consolidador de cargas no exterior, que figura como embarcador ou remetente no conhecimento denominado sub-master, emitido pelo agente embarcador principal executor da consolidação total da carga no exterior e que permanece como responsável por tal procedimento. AGENTE DESCONSOLIDADOR o agente de carga consignatário do despacho consolidado que se encarrega de reembarque ou entrega das mercadorias aos respectivos destinatários, preparação de documentos de reembarque e sua legalização. OBS (Idem obs anterior) A empresa sediada no Brasil, com poderes outorgados pelo agente consolidador para representá-la no País, responsável pela desunitização de cargas consolidadas e sua desconsolidação documental, cujos poderes devem ser cadastrados na repartição: é a empresa indicda como consignatária no conhecimento master ou, caso exista, no sub-master, responsável por tal procedimento. DESPACHO CONSOLIDADO aquele organizado com a interveniência de Agente Consolidador/Desconsolidador. OBS A supracitada Comunicação de Serviços da Alfândega de Santos traz ainda as seguintes ordenações: CONHECIMENTO MASTER ( MASTER BILL OF LANDING ): o documento expressivo do contrato de transporte internacional, emitido pelo transportador marítimo (armador), com cláusula obrigatória de pagamento do frete na origem ( prepaid ), conforme art. 4.o, inciso I, da Carta-Circular DECAM N. 22/96, em que figura como embarcador ou remetente u m agente consolidador (NVOCC) e como consignatário seu agente desconsolidador devidamente credenciado no País; CONHECIMENTO HOUSE (HOUSE BILL OF LANDING ), TAMBÉM CONHECIDO COMO FILHOTE (OU HBL): o documento de transporte, emitido pelo agente consolidador separadamente para cada lote de carga que integra o despacho marítimo consolidado. Neste documento o exportador ou o fabricante figuram como embarcador ou remetente e o importador no País como consignatário. CONHECIMENTO SUB-MASTER ( SUB-MASTER BILL OF LANDING ): o documento de transporte, com cláusula obrigatória de frete prepaid, conforme norma do BACEN antes citada, emitida pelo agente consolidador (NVOCC), que figura como embarcador ou remetente no conhecimento master, para outro agente consolidador, conhecido como coloader, que passa a figurar, no sub-master como embarcador ou remetente, tendo como consignatário o agente desconsolidador deste último, devidamente credenciado na forma deste ato. O valor do frete a constar do despacho aduaneiro é aquele consignado no House, pois este é o valor suportado pelo importador. O valor constante do Master é válido entre consolidador e desconsolidador. A Comunicação de Serviço n. 27/96 da Alfândega de Santos assim aborda o assunto: 6- Para fins de valoração aduaneira, o valor do frete do HBL a adotar-se será, em princípio, o informado pelo agente desconsolidador no verso do conhecimento por ele liberado. Em caso 15

16 de dúvida será consultado o Serviço de Arrecadação, em Santos, do Departamento de Marinha Mercante, com vistas ao valor que foi apontado para cálculo do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM). E mais adiante, no item 10: O valor do frete constante do HBL prevalece sobre o do master para fins de apuração do valor tributável, prevalecendo a data do primeiro para todos os efeitos legais, visto que sua data indica o efetivo embarque da mercadoria, ressalvados os casos em que se verifique a existência de dolo, fraude ou má-fé. CONSOLIDAÇÃO: a operação através da qual, pela emissão de um conhecimento master de transporte, englobam-se diversos lotes de carga, os quais são utilizados e individualmente identificados, constituindo o que se denomina carga consolidada. DESCONSOLIDAÇÃO: a operação através da qual, a partir do recebimento de um conhecimento master, efetua-se a distribuição, a quem de direito, dos respectivos conhecimentos house, emitidos pelo agente consolidador no exterior. Na parte cambial cuidam da matéria a Carta-Circular do BC e o Comunicado n do BC, de

17 PARTE 2 - ANALISES 8. EMBASAMENTO DAS ANALISES Toda analise está embasada no principio de estabelecer quem é o contratante do serviço, e não no responsável financeiro pela remessa internacional. Primeiramente fomos buscar nos Manuais do Siscoserv algumas regras que estipulam que estes serviços logisiticos devem ser registrados, conforme abaixo: Manual de Venda 4ª Edição Capitulo Quem deve efetuar registro no Siscoserv Módulo Venda (pagina 5) - O registro no Siscoserv independe da contratação de câmbio, do meio de pagamento ou da existência de um contrato formal. Capitulo Registro de Venda de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (RVS) (pagina 15) - Os serviços de frete, seguro e de agentes externos, bem como demais serviços relacionados às operações de comércio exterior de bens e mercadorias, serão objeto de registro no Siscoserv, por não serem incorporados aos bens e mercadorias. Manual de Aquisição 4ª Edição Capitulo Quem deve efetuar registro no Siscoserv Módulo Aquisição (pagina 4) - O registro no Siscoserv independe da contratação de câmbio, do meio de pagamento ou da existência de um contrato formal. Capitulo Registro de Aquisição de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio (RAS) (pagina 12) - Os serviços de frete, seguro e de agentes externos, bem como demais serviços relacionados às operações de comércio exterior de bens e mercadorias, serão objeto de registro no Siscoserv, por não serem incorporados aos bens e mercadorias. Desta forma tornam-se erroneas as interpretações de que o frete não precisa ser registrado no Siscoserv por já estar registrado no Siscomex, assim como a interpretação de que o responsável pelo fechamento de cambio é quem deverá registrar a transação no Siscoserv. Os serviços logísticos internacionais de comercio exterior estão SEMPRE vinculados a importação ou exportação de produtos, sendo uma atividade NECESSÁRIA para execução das operações, ou seja, um importador de petróleo necessita contratar um frete internacional para trazer o produto para o Brasil, ou, um exportador de açúcar necessita armazenar sua carga no exterior antes da entrega ao cliente. Nestes exemplos pode-se identificar que existe o serviço internacional e quem foi a parte que necessitou do serviço, porém, para contratação destes serviços muitas vezes existe a figura do intermediário, como representantes ou agentes, ou seja, no caso da importação de petróleo o importador busca um agente de carga no Brasil para agenciar o frete internacional, assim como o exportador de açúcar busca o representante de um terminal no exterior ou mesmo seu agente de carga. Em ambos os casos a figura do intermediário não pode ser confundida com a do contratado para execução do serviço internacional, afinal este somente está fazendo o serviço de intermediação e agenciamento, que será remunerado pelo real prestador do serviço no exterior, ou seja, o agente intermediador ira gerar uma venda de SERVIÇO DE AGENCIAMENTO AO EXTERIOR, e essa venda ele deverá registrar no SISCOSERV. Já o serviço agenciado, este está sendo contratado pelo importador de petróleo ou pelo exportador de açúcar. Baseado nestes fatos é que a análise a seguir foi embasada, onde concluímos que o importador ou exportador dos serviços logísticos de comércio exterior será sempre uma das partes envolvidas no comercio exterior do produto ao qual está relacionado. Na importação essa conclusão fica ainda mais fácil, pois em todos os casos de importação de mercadoria o importador já é obrigado a declarar o frete na sua Declaração de Importação, inclusive este faz parte do valor aduaneiro da mercadoria para servir de base de calculo dos impostos, ou seja, o importador da mercadoria também paga os impostos de importação sobre o valor do serviço de frete. Outro ponte de embasamento para definição das partes, é o INCOTERM das operações, que define quem é o responsável pela contratação das despesas no decorrer do processo completo de logística de comercio exterior, ou seja, o importador de petróleo que compra FOB tem necessidade de contratar o frete internacional diretamente, enquanto que o importador que compra CFR estará comprando este serviço do mesmo fornecedor da mercadoria. Em ambos os casos o importador da mercadoria é quem realiza a do serviço de frete internacional, somente altera o fornecedor do serviço. O INCOTERM da operação de importação ou exportação da mercadoria é que irá definir quais serviços serão NECESSÁRIOS de ser contratados pelo importador ou exportador. 17

18 9. ANALISES DE CLASSIFICAÇÕES DE SERVIÇOS 9.1. SERVIÇOS DE AGENCIAMENTO Definição serviço prestado pelos agentes de carga ao NVOCC domiciliado no exterior. Existe a ocorrência deste serviço tanto na importação quanto na exportação, visto que não existe a figura de NVOCC regulamentada no Brasil, portanto, sempre necessitando a utilização de um agente de carga para representa-lo. Data de inicio serviços contratados ou vendidos a partir de 01/04/13 devem ser registrados até 28/09/13 Exemplos num embarque consolidado da Alemanha para o Brasil o NVOCC domiciliado no exterior necessita dos serviços de agenciamento de carga do agente domiciliado no Brasil para desconsolidar o embarque no Brasil. CÓDIGO NBS AGENCIAMENTO DE CARGA FATO GERADOR 1 DESCONSOLIDAÇÃO DE EMBARQUE DE IMPORTAÇÃO FEITO POR NVOCC/AGENTE ESTRANGEIRO AGENTE DE CARGA DOMICILIADO NO BRASIL NVOCC DOMICILIADO NO EXTERIOR COMISSÃO RECEBIDA NO AGENCIAMENTO DE FRETE DE IMPORTAÇÃO CONHECIMENTO DE EMBARQUE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRONICA FATO GERADOR 2 REPRESENTAÇÃO DE NVOCC ESTRANGEIRO* EM EMBARQUE CONSOLIDADO DE EXPORTAÇÃO AGENTE DE CARGA DOMICILIADO NO BRASIL NVOCC DOMICILIADO NO EXTERIOR COMISSÃO RECEBIDA NO AGENCIAMENTO DE FRETE DE EXPORTAÇÃO CONHECIMENTO DE EMBARQUE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRONICA *NOTA SEMPRE QUE HOUVER EMISSÃO DE HOUSE DE EXPORTAÇÃO BRASILEIRA POR NVOCC, ESTE SERÁ ESTRANGEIRO, POIS NÃO HÁ PREVISÃO LEGAL DA FIGURA DO NVOCC BRASILEIRO, SOMENTE DE OTM (OPERADOR DE TRANSPORTE MULTIMODAL). 18

19 9.2. SERVIÇOS DE DESPACHANTE ADUANEIRO Definição serviço prestado por despachantes aduaneiros ou comissárias de despacho para declaração e registro de importações e exportações de mercadorias. Data de inicio serviços contratados ou vendidos a partir de 01/12/12 devem ser registrados até 30/05/13 Exemplos numa importação EX WORKS da China, o importador domiciliada no Brasil terá de adquirir o serviço de despacho de exportação na origem de um prestador não domiciliado no Brasil. CÓDIGO NBS DESEMBARAÇO DE IMPORTAÇÃO FATO GERADOR 1 IMPORTAÇÃO DAP, DDU OU EQUIVALENTE, QUANDO O DESEMBARAÇO É COBRADO DO EXTERIOR DESPACHANTE DOMICILIADO NO BRASIL DO SERVIÇO DE DESEMBARAÇO DECLARAÇÃO DE IMPORTAÇÃO NOTA DE DÉBITO PARA O EXPORTADOR OU AGENTE NO EXTERIOR FATO GERADOR 2 EXPORTAÇÃO DAP, DDU OU EQUIVALENTE, QUANDO DESEMBARAÇO NO EXTERIOR É PAGO AQUI DESPACHANTE OU EQUIVALENTE DOMICILIADO NO EXTERIOR DO SERVIÇO DE DESEMBARAÇO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO REMESSA AO EXTERIOR OU AO REPRESENTANTE NO BRASIL CÓDIGO NBS DESPACHO DE EXPORTAÇÃO FATO GERADOR 1 EXPORTAÇÃO EXW OU EQUIVALENTE, QUANDO O DESPACHO É COBRADO DO EXTERIOR DESPACHANTE DOMICILIADO NO BRASIL DO SERVIÇO DE DESEMBARAÇO REGISTRO DE EXPORTAÇÃO NOTA DE DÉBITO PARA O IMPORTADOR OU AGENTE NO EXTERIOR FATO GERADOR 2 IMPORTAÇÃO EXW OU EQUIVALENTE, QUANDO DESPACHO NO EXTERIOR É PAGO AQUI DESPACHANTE OU EQUIVALENTE DOMICILIADO NO EXTERIOR DO SERVIÇO DE DESEMBARAÇO DECLARAÇÃO DE IMPORTAÇÃO REMESSA AO EXTERIOR OU AO REPRESENTANTE NO BRASIL 19

20 9.3. SERVIÇOS DE ARMAZENAGEM Definição serviços prestados por terminais e armazéns para armazenagem e manuseio de cargas. Data de inicio serviços contratados ou vendidos a partir de 01/04/13 devem ser registrados até 28/09/13 Exemplos - numa importação EX WORKS da China, o importador domiciliado no Brasil terá de adquirir o serviço de armazenagem refrigerada na origem de um prestador não domiciliado no Brasil. CÓDIGO NBS MANUSEIO/MOVIMENTAÇÃO DE CONTAINER MANUSEIO/MOVIMENTAÇÃO DE CARGA SOLTA ARMAZENAGEM REFRIGERADA ARMAZENAGEM PETROLEO E DERIVADOS ARMAZENAGEM COMBUSTIVEL, LUBRIFICANTES E GLP ARMAZENAGEM QUIMICOS PERIGOSOS ARMAZENAGEM OUTROS PRODUTOS PERIGOSOS ARMAZENAGEM GRANEL SOLIDA ARMAZENAGEM GRANEL LIQUIDA ARMAZENAGEM GRANEL GASOSA OUTRAS ARMAZENAGENS FATO GERADOR 1 EXPORTAÇÃO DAP, DDP OU EQUIVALENTE, QUANDO ARMAZENAGEM NO EXTERIOR É PAGO AQUI AGENTE DE CARGA DOMICILIADO NO EXTERIOR DO SERVIÇO DO TERMINAL REGISTRO DE EXPORTAÇÃO REMESSA AO EXTERIOR OU AO REPRESENTANTE NO BRASIL FATO GERADOR 2 IMPORTAÇÃO EXW OU EQUIVALENTE, QUANDO ARMAZENAGEM NO EXTERIOR É PAGO AQUI AGENTE DE CARGA DOMICILIADO NO EXTERIOR DO SERVIÇO DO TERMINAL DECLARAÇÃO DE IMPORTAÇÃO REMESSA AO EXTERIOR OU AO REPRESENTANTE NO BRASIL 20

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP

Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Termos Internacionais de Comércio EXW FCA FAS FOB CFR CIF CPT CIP DAP DAT DDP Aspectos Gerais Cada vez mais as empresas recorrem às potencialidades do mercado global. Neste contexto é necessária a perfeita

Leia mais

O Uso dos Incoterms na Exportação

O Uso dos Incoterms na Exportação O Uso dos Incoterms na Exportação Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Belém - Pará Nas exportações brasileiras, são aceitas quaisquer condições de venda praticadas no comércio

Leia mais

Agenciamento de Cargas Importação Marítima

Agenciamento de Cargas Importação Marítima Agenciamento de Cargas Importação Marítima Jailson de Souza Agenciamento de Cargas Definição Sistemática, como trabalha, intermediários, contratação de serviços Vantagens do Agenciamento de Cargas O que

Leia mais

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.)

INCONTERMS 2010. Grupo E (Partida) EXW EX Works A partir do local de produção ( local designado: fábrica, armazém, etc.) Numa negociação internacional, é muito importante que o gestor comercial esclareça com o seu cliente quais serão as condições de entrega a praticar para a mercadoria que vai ser transacionada, ou seja,

Leia mais

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra

Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Aula 11 TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO - (INTERNATIONAL COMMERCIAL TERMS - INCO- TERMS). MAIA (2007) apresenta a Convenção de Genebra Em 1931, os países membros da Liga das Nações (Órgão, naquela época,

Leia mais

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS

SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR EXEMPLO 1 EXEMPLO 2 AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS SEMINÁRIO TEMÁTICO VII: COMÉRCIO EXTERIOR AULA 02: OS FLUXOS COMERCIAIS BRASILEIROS TÓPICO 04: TERMOS INTERNACIONAIS DE COMÉRCIO No tópico anterior você teve a oportunidade de conhecer os órgãos responsáveis

Leia mais

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010) Universidade Tuiuti do Paraná Artigo de conclusão de curso MBA em Relações internacionais, negociação e comércio exterior INCOTERMS A importância da ferramenta no comércio internacional (revisão de 2010)

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS)

MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) MÓDULO 5 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS) Os INCOTERMS são regras criadas pela Câmara de Comércio Internacional (CCI) para administrar conflitos que possam existir através da interpretação

Leia mais

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade

SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL. Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade SEGUROS E RISCOS EM TRANSPORTE INTERNACIONAL Profª MSc Cristiana Rennó D Oliveira Andrade TRANSPORTE INTERNACIONAL Transporte Internacional: comercial e global progresso e desenvolvimento troca e circulação

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO : COMPETITIVIDADE PERENIDADE SOBREVIVÊNCIA EVOLUÇÃO orienta na implantação e desenvolvimento do seu negócio de forma estratégica e inovadora O QUE SÃO PALESTRAS

Leia mais

Serviços em Comércio Exterior

Serviços em Comércio Exterior INCOTERMS Os Incoterms (International Commercial Terms / Termos Internacionais de Comércio) foram instituídos em 1936 pela Câmara Internacional do Comércio com o intuito de fornecer regras internacionais

Leia mais

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada

Desembarque no local de entrega no destino Marco da transferência de risco da mercadoria negociada INCOTERMS Definições para interpretar as fórmulas contratuais Elaboradas pelas Câmara de Comércio Internacional (CCI) São termos facilitadores na redação do contrato de compra e venda, mas não são obrigatórios

Leia mais

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador)

GRUPO C Transporte principal pago pelo exportador (riscos do importador) Na última aula, estudamos os INCOTERMS dos grupos E e F. Agora, discutiremos os INCOTERMS dos grupos C e D. Claro que nosso objetivo é identificar quais despesas (custos) e quais riscos (responsabilidade

Leia mais

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012

International Commercial Terms. Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos. Eduardo Leoni Machado Junho/2012 International Commercial Terms Incoterms e Procedimentos Para o Comércio Exterior Conceitos Básicos Eduardo Leoni Machado Junho/2012 Incoterms Definição e Conceito International Commercial Terms (Termos

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES

COMÉRCIO EXTERIOR. Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES COMÉRCIO EXTERIOR Incoterms 2000 PROF. NORBERTO RODRIGUES Histórico 1936 - Câmara de Comércio Internacional - CCI, publicou série de normas para interpretação dos mais importantes termos utilizados no

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010.

9. INCOTERMS. CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. 9. INCOTERMS CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de Sousa. Gestão do Comércio

Leia mais

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000

VISÃO GERAL - INCOTERMS COMÉRCIO INTERNACIONAL. Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 COMÉRCIO INTERNACIONAL VISÃO GERAL - INCOTERMS Contratos e Termos Internacionais de Comércio: INCOTERMS 2000 Prof.Nelson Guerra Concurso Receita Federal EXW Ex Works Tradução: Na Origem Exemplo: EXW-Curitiba

Leia mais

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

- Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Analista de Logística em Comércio Exterior - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar o participante para trabalhar com as rotinas da logística

Leia mais

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba

Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Ana Paula Haypas Olvera Gabriela Itália Sartori Lucas Selles Marina Feo Luís Henrique João Comércio Exterior Contrato de Compra e Venda Internacional Piracicaba

Leia mais

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br

LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL. Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br LOGÍSTICA, TRANSPORTE E SEGURO INTERNACIONAL Professor: Ms. Adm. Antônio Maria E-mail: antoniomaria@outlook.com.br EMENTA Introdução ao transporte internacional. INCOTERM s. Transporte marítimo, aéreo,

Leia mais

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms

Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms Contratos Internacionais de Compra e Venda & Incoterms O contrato internacional é formal, bilateral, consensual, oneroso e comutativo, o que pressupõe agentes autônomos, livre formação de suas vontades

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 257 - Data 26 de setembro de 2014 Processo ***** Interessado ***** CNPJ/CPF ***** Assunto: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS SISCOSERV. SERVIÇO DE TRANSPORTE

Leia mais

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa

Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7. Informa Informações INCOTERMS 2010 - versão 1.0-19/08/2015 1/7 Informa INCOTERMS 2010 Tendo em vista a publicação do Incoterms 2010 pela Câmara de Comércio Internacional (International Chamber of Commerce - ICC)

Leia mais

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010)

Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) PUCGO 2014 Termos Internacionais de Comércio (INCOTERMS 2010) Convenção das Nações Unidas sobre Contratos de Compra e Venda Internacional de Mercadorias (Convenção de Viena) Regras estándar internacionalmente

Leia mais

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34

CAPÍTULO 3 SISCOMEX SISTEMA INTEGRADO DE COMÉRCIO EXTERIOR... 29...32 Questões de Provas...34 Sumário CAPÍTULO 1 VISÃO GERAL DE UMA IMPORTAÇÃO BRASILEIRA... 1 1.1. Escolha da Mercadoria...1 1.2. Licenciamento das Importações...1 1.3. Siscomex e Habilitação...2 1.4. Deferimento da Licença de Importação

Leia mais

Exportar e Internacionalizar, Como?

Exportar e Internacionalizar, Como? Exportar e Internacionalizar, Como? WORKSHOP Ferramentas de Apoio à Internacionalização de Empresas 13 de Junho 2012 1 António Trigueiros de Aragão Uma moda? Uma tendência? Uma estratégia? Um novo mundo?

Leia mais

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria

Glossário Alfandega. Apólice. Balança comercial. Cobrança documentaria Glossário Alfandega Alfândega (do árabe al-fundaq, "hospedaria", "estalagem") ou aduana (do árabe addīwān, "registro", "escritório") é uma repartição governamental oficial de controlo do movimento de entradas

Leia mais

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex

AQUILES VIEIRA. Teoria e Prática Cambial. Exportação e importação. 2ª edição. Editora Lex AQUILES VIEIRA Teoria e Prática Cambial Exportação e importação 2ª edição Editora Lex São Paulo 2005 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Vieira,

Leia mais

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO

SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS DE IMPORTAÇÃO 1º Passo - Habilitação Legal A inscrição no Registro de Exportadores e Importadores (REI) da Secretaria de Comércio Exterior constitui condição preliminar

Leia mais

Curso Gestão de Importação

Curso Gestão de Importação Curso Gestão de Importação Curso Presencial em Belo Horizonte Leia até o final da página todas as informações deste curso Objetivo: Ensina o aluno a planejar e a gerenciar as etapas do processo de importação.

Leia mais

www.commex.com.br cursos@commex.com.br

www.commex.com.br cursos@commex.com.br CURSO DE INICIAÇÃO À EXPORTAÇÃO Módulo I www.commex.com.br cursos@commex.com.br 1 SUMÁRIO 1 DRAWBACK... 03 1.1 Formas de Classificação... 03 1.2 Mercadorias Admitidas no Regime... 04 1.3 Modalidades de

Leia mais

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação

Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Gestão de Operações Portuárias com Pós Graduação Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto ou terminal portuário voltado para a movimentação interna, importação

Leia mais

Agente de Carga Internacional com Pós Graduação

Agente de Carga Internacional com Pós Graduação Agente de Carga Internacional com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais, isto é, responsável pelo planejamento e a intermediação

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni

Unidade II LOGÍSTICA PARA. Prof. Márcio Antoni Unidade II LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Termos comerciais internacionais: Incoterms 2000 São regras que limitam os direitos e as obrigações de compradores e vendedores no

Leia mais

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Gestão de Operações Portuárias - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Capacitar o participante para gerir as rotinas e operações logísticas em um porto

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL 01. Sobre regimes aduaneiros, marque a opção incorreta: a) Regimes Aduaneiros Atípicos são criados para atender a determinadas situações econômicas peculiares, de pólos regionais

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira Módulo 21 Comércio Internacional Trabalho realizado por: Mafalda Neves 12ºS 2009/2010 Importação É o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que

Leia mais

Data 10 de junho de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF

Data 10 de junho de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 9ª RF Solução de Consulta nº 106 - SRRF09/Disit Data 10 de junho de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS SISCOSERV.

Leia mais

Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Documentos de Instrução no Despacho Aduaneiro de Importação Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Documentos de Instrução na Importação A Declaração de Importação (D.I.) será instruída com os seguintes

Leia mais

Curso Analista de Comércio Exterior

Curso Analista de Comércio Exterior Curso Analista de Comércio Exterior Curso Presencial em Belo Horizonte Aviso: O curso presencial é bem mais completo do que o curso de analista à distância Objetivo: Capacitar o aluno para atuar como analista

Leia mais

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC

FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC FORMAÇÃO Agente de Carga Internacional - Online Curso sob Regulamentação do Decreto 5.622 de 19/12/2005 - MEC Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais,

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira

Escola Secundária de Paços de Ferreira Cândida Raquel Brandão Carneiro Nº4 12ºS 11-11-2009 1 Importação e Exportação Importação é o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que pode ser um produto ou um serviço, do exterior

Leia mais

Comércio Exterior no Brasil

Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior no Brasil Comércio Exterior Fluxograma para empresa brasileira exportar Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, http://www.mdic.gov.br/sistemas_web/aprendex/default/index/conteudo/id/235

Leia mais

Quem Somos. A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro.

Quem Somos. A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro. Quem Somos A FAST BRAZIL é uma empresa 100% brasileira, especializada em agenciamento de cargas e despacho aduaneiro. Contamos com profissionais altamente qualificados no comércio internacional e uma rede

Leia mais

Agente de Carga Internacional

Agente de Carga Internacional Agente de Carga Internacional Objetivo: Habilitar os participantes para trabalhar com o Agenciamento de Cargas Internacionais, isto é, responsável pelo planejamento e a intermediação de soluções logísticas

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres e Cargas Soltas de Exportação... 7 Serviços

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem

EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX. 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem EXERCÍCIOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL E COMEX 1 - Ao se eleger um Incoterm para uma operação comercial, as partes definem a) a modalidade de transporte e a forma de contratação e liquidação de câmbio b)

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que

CONTRATOS E INCOTERMS. Sobre contratos que regulamentam as importações e as exportações, é possível afirmar que CONTRATOS E INCOTERMS 01 - (CODESP/2011) Um contrato internacional de compra e venda de mercadorias é um instrumento complexo, pois inclui não somente as condições de compra e venda, mas também acordos

Leia mais

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

Tabela Pública de Serviços

Tabela Pública de Serviços Tabela Pública de Serviços Sumário Serviços para Contêineres de Importação... 3 Serviços para Carga Desunitizada de Importação... 5 Serviços para Contêineres de Exportação.... 7 Serviços para Contêineres

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS Prof.: Leonardo Ribeiro 1 Siscomex O Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, é um instrumento

Leia mais

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO

DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO 1 DOCUMENTOS UTILIZADOS NA EXPORTAÇÃO Introdução D. Maria de Lourdes tem uma indústria de brindes que se tornou bastante conhecida no Brasil, principalmente pela criatividade com que desenvolve seus produtos.

Leia mais

Aula Nº 15 Contratos Mercantis

Aula Nº 15 Contratos Mercantis Aula Nº 15 Contratos Mercantis Objetivos da aula: Nesta aula, vamos conhecer os contratos mercantis mais usuais, suas características e as normas que os disciplinam. 1. NOÇÕES GERAIS Contrato é um negócio

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014

I Ciclo de Debates da Administração da PROAD. Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 I Ciclo de Debates da Administração da PROAD Divisão de Importação Palestrante: Mauricio Massao Oura * 29/05/2014 (*) Administrador, Chefe da Divisão de Importação da UFABC, desde 2010. Graduado em Administração

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

05/08/2015. Regras Internacionais de Comércio. Pagamentos Internacionais. Pagamentos Internacionais. Regras Internacionais de Comércio

05/08/2015. Regras Internacionais de Comércio. Pagamentos Internacionais. Pagamentos Internacionais. Regras Internacionais de Comércio Fundamentos do Comércio Internacional (3) Regras Internacionais de Comércio Internacionais Regras Internacionais de Comércio Fundamentos do Comércio Internacional (3) Embarque da Mercadoria Remessa de

Leia mais

Tabela de Preços dos serviços oferecidos e prestados pelo ECOPORTO SANTOS, Vigência a partir de 01/06/2014

Tabela de Preços dos serviços oferecidos e prestados pelo ECOPORTO SANTOS, Vigência a partir de 01/06/2014 1. ARMAZENAGEM Tabela de Preços dos serviços oferecidos e prestados pelo ECOPORTO SANTOS, Vigência a partir de 01/06/2014 1.1. ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO 1.1.1 CONTÊINERES MUDANÇA DE REGIME/CARGA LCL Pelo

Leia mais

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE

Prof. Altair da Silva. Unidade III GERENCIAMENTO DE Prof. Altair da Silva Unidade III GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Transporte aéreo O transporte caracterizado por transporte através de aeronaves. Doméstico internamente; Internacional outros países; Início

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO (vigência a partir de 01/07/2012 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES / CARGA GERAL (períodos de 7 dias ou fração): Fixo

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO

TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO TABELA DE SERVIÇOS BÁSICOS LIBRA TERMINAIS RIO (vigência a partir de 25/02/2014 Valores expressos em Reais) A ARMAZENAGEM DE IMPORTAÇÃO: A.1 CONTÊINERES / CARGA GERAL (períodos de 7 dias ou fração): Fixo

Leia mais

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior

SILBRAN Comércio Exterior. 13/1/2009 Silbran Comércio Exterior SILBRAN Comércio Exterior 1 Decisões em Negócios Globalizados Importadores Exportadores 2 SILBRAN Comércio Exterior Desafio Global Distância Documentos Diversidade Demanda Disponibilidade Velocidade Consistência

Leia mais

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012

Passos na Importação Roteiro Básico. Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 Roteiro Básico Eduardo Leoni Machado Fevereiro/2012 1º Passo Efetuar contatos com fornecedor (exportador). 2º Passo Formalizar as negociações com fornecedor (exportador). 3º Passo Negociar a condição de

Leia mais

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade IV GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade IV GESTÃO DE SUPRIMENTO E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Logística na cadeia de suprimentos Logística Parte do processo da cadeia de suprimentos, que, para atingir o nível de serviço desejado pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA

UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE DE SOROCABA PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO CURSO DE GESTÃO FINANCEIRA Roseli de Fátima Nogueira Tatiane Santiago Cerqueira Barbosa Jefferson da Silva Pinheiro Gonçalves Alex Couto Carlos Eduardo

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ!

AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! AGORA VOCÊ PODE: IMPORTAR FALANDO PORTUGUÊS, E COM A VANTAGEM DE QUEM É ESPECIALISTA NO QUE FAZ! ZM TRADE A ZM pensou nisso para você, e agora pode lhe oferecer os serviços da ZM TRADE. Qualidade, preço

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade II GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade II GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Formas e modais de transportes As formas como nossos produtos são distribuídos em nosso país, depende de vários fatores. Em um país como o

Leia mais

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1

Luanda, 30.Março.2015. SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 Luanda, 30.Março.2015 SEMINÁRIO Frete Marítimo e Seguro de Importação de Mercadoria Francisco Agostinho Itembo 1 EXW DTA FAS FOB CFR CIF VANTAGENS NA IMPORTAÇÃO DA MODALIDADE FOB 2 ÍNDICE 1. Introdução

Leia mais

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira

Variações no Patrimônio NBS. 4.2.2. Solicitação do Licenciamento. Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira Sumário Capítulo 1 Visão Geral de uma Importação Brasileira 1.1. Escolha da Mercadoria 1.2. Licenciamento das Importações 1.3. Siscomex e Habilitação 1.4. Deferimento da Licença de Importação e Embarque

Leia mais

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS Providências básicas para iniciar atividades no comércio exterior Ser registrado no RADAR Registro de Exportadores e importadores na Receita Federal;

Leia mais

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas

22/08/2013. Conceitos e aplicações básicas 22/08/2013 Conceitos e aplicações básicas Palestrantes: Álvaro Cerqueira dos Anjos - Diretor Técnico responsável por toda a área operacional e de treinamento da CUSTOM; José Izidro Riba - Despachante Aduaneiro

Leia mais

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral

Termos de entrega, Incoterms 2000, compra e venda internacional de mercadorias, termos marítimos, termos de uso geral DECISÃO D SOBRE OS TERMOS DE ENTREGA DAS MERCADORIAS NAS TRANSAÇÕES INTERNACIONAIS SEGUNDO AS REGRAS DOS INCOTERMS 2000 DA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Wagner Botelho Godinho Victor Aurélio Antunes

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015 Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 19.1 - Válida a partir de 01/05/2015 ARMAZENAGEM 1 - Armazenagem de Importação - Contêiner e Carga Solta Do Valor CIF 1º período de 7 dias ou fração

Leia mais

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007

Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional. Siscomex Carga. PROCOMEX Brasília março de 2007 Controle de Carga e Facilitação do Fluxo Logístico no Comércio Internacional Siscomex Carga PROCOMEX Brasília março de 2007 Cenário Contemporâneo Crescimento do comércio internacional; Preocupação com

Leia mais

I - no Sistema de Controle da Arrecadação do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (Sistema Mercante); e

I - no Sistema de Controle da Arrecadação do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (Sistema Mercante); e Instrução Normativa RFB nº 1.473, de 2 de junho de 2014 DOU de 4.6.2014 Altera a Instrução Normativa RFB nº 800, de 27 de dezembro de 2007, que dispõe sobre o controle aduaneiro informatizado da movimentação

Leia mais

SISCOSERV. Marcia Hashimoto

SISCOSERV. Marcia Hashimoto SISCOSERV Marcia Hashimoto Como detectar se sua empresa está enquadrada nesta obrigatoriedade? O que é Quem Onde Quando Como Porquê Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados

Cargas unitárias cargas contidas em recipientes que permitem a manipulação. Embalagem para transporte de produtos em processo ou acabados Logística Movimentação de materiais na cadeia de suprimentos Para que a matéria-prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material,

Leia mais

Termos e Condições (Português)

Termos e Condições (Português) Termos e Condições (Português) I BOOKINGS DE EXPORTAÇÃO MARÍTIMA Antes do carregamento do container, por gentileza entrar em contato com o terminal e verificar se o booking encontra-se registrado e o levante

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/ACE/1998) O SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio

Leia mais

ENCONTRO 3 Transporte Aéreo

ENCONTRO 3 Transporte Aéreo ENCONTRO 3 Transporte Aéreo ENCONTRO 3 Transporte Aéreo TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! No encontro anterior, você conheceu as características do transporte marítimo, a sua importância para

Leia mais

CAPÍTULO I das DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Seção I Das Definições e Classificações

CAPÍTULO I das DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. Seção I Das Definições e Classificações ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação

Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação Apostila Emissão de Notas Fiscais de Importação I- CADASTRO DO FORNECEDOR EXTERIOR I.I- Cadastro Geográfico Antes de iniciarmos o registro do Fornecedor Exterior precisamos verificar se os detalhes do

Leia mais

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS

PREÇOS ARMAZENAGEM E SERVIÇOS 1. IMPORTAÇÃO 1.1. ARMAZENAGEM: A Contêineres (R$/Contêiner) Até o 10º dia (por período) 290,00 355,00 Do 11º ao 15º dia (por período) 275,00 325,00 Do 16º ao 20º dia (por período) 305,00 357,00 Do 21º

Leia mais

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Apresentador: José Alves F. Neto Transporte - conceito ICMS X ISS Como determinar a competência Fato gerador RICMS/SP Artigo 2º - Ocorre

Leia mais

AFRMM Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante. Manual Externo - Transportadores e Consignatários

AFRMM Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante. Manual Externo - Transportadores e Consignatários AFRMM Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante Manual Externo - Transportadores e Consignatários Conteúdo 1 INTRODUÇÃO... 6 1.1 PROPÓSITO... 6 1.2 LEGISLAÇÃO...6 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...6

Leia mais

Formação de Analista em Comércio Exterior

Formação de Analista em Comércio Exterior Formação de Analista em Comércio Exterior com Pós Graduação Objetivo: Habilitar os participantes para exercer a profissão de Analista de Comércio Exterior e trabalhar com a análise das operações, planejamento,

Leia mais

5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro.

5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro. 52 5 Levantamento e Análise dos Fluxos Logísticos de Processos de Importação Desembaraçados no Rio de Janeiro. Este Capítulo abordará a análise dos dados efetuados em 150 processos aduaneiros de importação

Leia mais

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER

PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTO DE TRANSPORTE DE CONTÊINER PLANILHA REFERENCIAL DE CUSTOS PARA O TRANSPORTE DE CONTÊINER julho-11 Percurso de ida e volta Contêiner até 25 t Contêiner acima de 25 t até 30

Leia mais