Visão Geral. Normas Brasileiras e Internacionais (NBC TA / ISA) de Auditoria e de Contabilidade (CPC / IFRS) São Paulo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visão Geral. Normas Brasileiras e Internacionais (NBC TA / ISA) de Auditoria e de Contabilidade (CPC / IFRS) São Paulo 12.2.15"

Transcrição

1 Visão Geral Normas Brasileiras e Internacionais (NBC TA / ISA) de Auditoria e de Contabilidade (CPC / IFRS) São Paulo

2 O Instrutor Roberto Vilela Resende não se responsabiliza pelo uso deste material por terceiros e à aplicação deste curso à Situação Específica, a qual deve ser analisada de acordo com os fatos e as circunstâncias da transação. Consulte sempre o seu Assessor Técnico antes de Tomar Decisão sobre Situação Específica.

3 Auditoria (NBC TA/ISA/ISSAI ) & Contabilidade (NBC/IFRS/IPSAS) Globalização Impacto de diferentes normas contábeis e de auditoria

4 Auditoria (NBC TA/ISA/ISSAI) & Contabilidade (NBC/IFRS/IPSAS) IFRS IAS IPSAS ISA ISSAI CFC - CVM - CPC - STN - IBRACON IFAC - INTOSAI - AICPA - IASB - FASB BACEN - SUSEP - ABRASCA

5 NBC NBC TA (IFRS IAS ISA) Aplicação obrigatória a partir das Demonstrações Financeiras iniciadas a partir de 1 de janeiro de Prorrogado para 2011, com exceções

6 NBC NBC TA Normas Brasileiras de Contabilidade (NBC) Conselho Federal de Contabilidade (CFC)

7 Criado o IASC (International Accounting Standards Committee ) Criado o IASB para emissão dos IFRS 2005 Os países da União Européia adotam as normas do IFRS 2006 FASB e IASB fazem acordo para convergência entre o IFRS e USGAAP. China adota o IFRS 2007 Brasil (Lei nº /07), Canadá, Chile, Índia, Japão e Coréia estabelecem datas para adotar o IFRS

8 2009 Brasil (Resolução CFC nº 1.255/09) Aprova a NBC T Contabilidade para PMEs 2010 Brasil - IFRS completo no consolidado empresas reguladas por CVM etc 2011 Brasil IFRS para PMEs (prorragada aplicação) 2012 Revisão IFRS para PMEs 20.. Várias alterações e revisões das IAS/IFRS e os respectivos CPCs no Brasil Expectativa adoção IFRS nos EUA

9 IFRIC IFRS Fundation IASB SAC International Financial Reporting Interpretations Committee (Comitê de Interpretações das IFRSs) Emissão de IFRS Standards Advisory Council (Conselho de Aconselhamento de Normas)

10 Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) Conselho Federal de Contabilidade (CFC); Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Ibracon); Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi); Associação Brasileira de Empresas de Capital Aberto (Abrasca); Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec); Bolsa de Mercadorias & Futuros / Bolsa de Valores de São Paulo (BM&FBOVESPA).

11 Comparativo CPC / IFRS / IFRS PMEs / IPSAS CPC TEMA IFRS IFRS/PMEs IPSAS 00 (R1) Estrutura Conceitual p/ Elaboração e Divulgação de Relátorio Contábil-Financeiro Pron. Conceitual Básico Seções 1 e 2-01 (R1) Redução ao Valor Recuperável de Ativos IAS 36 Seção Redução ao Valor Recuperável de Ativos Geradores de Caixa (R2) Redução ao Valor Recuperável de Ativos não Geradores de Caixa Efeitos das mudanças nas taxas de câmbio e conversão de demonstrações contábeis IAS 21 Seção (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa IAS 7 Seção Balanço Patrimonial - Seção 4-04 (R1) Ativo Intangível IAS 38 Seção Demonstração do Resultado e Demonstração do Resultado abrangente - Seção 5-05 (R1) Divulgação sobre Partes Relacionadas IAS 24 Seção (R1) Operações de Arrendamento Mercantil IAS 17 Seção (R1) Subvenção e Assistência Governamentais IAS 20 Seção (R1) Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários IAS 39 (partes) Seções 11 e 12 -

12 Comparativo CPC / IFRS / IFRS PMEs / IPSAS CPC TEMA IFRS IFRS PMEs IPSAS 09 Demonstração do Valor Adicionado (DVA) (R1) Pagamento Baseado em Ações IFRS 2 Seção Contratos de Seguro IFRS Ajuste a Valor Presente IAS 39 (partes) Adoção Inicial da Lei /07 e da Medida Provisória 449/08 IFRS 1 Seção 35 - **14 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação (Fase 1) IAS 39 (partes) IAS 32 (partes) Seções 11 e / / (R1) Combinação de Negócios IFRS 3 Seção (R1) Estoques IAS 2 Seção (R1) Contratos de Construção IAS 11 Seção (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto IAS 28 Seção (R2) Negócios em Conjunto IFRS 11 Seção (R1) Custos de Empréstimos IAS 23 Seção (R1) Demonstração Intermediária IAS Informações por Segmento IFRS 8-18 **Este pronunciamento foi atualizado e corresponde à orientação OCPC03 e deixa de ter aplicabilidade após a utilização do CPC 38, CPC 39 e CPC 40 (Instrumentos Financeiros).

13 Comparativo CPC / IFRS / IFRS PMEs / IPSAS CPC TEMA IFRS IFRS PMEs IPSAS 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro IAS 8 Seção Evento Subsequente IAS 10 Seção Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contigentes IAS 37 Seção (R1) Apresentação das Demonstrações Contábeis IAS 1 Seção Apresentação das Informações Orçamentárias nas Financeiras Demonstrações Ativo Imobilizado IAS 16 Seção Propriedade para Investimento IAS 40 Seção Demonstração das Mutações do Patrimonio Líquido e Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados - Seção Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis - Seção Divulgação de Informação Financeira sobre o Setor Governamental Ativo Biológico e Produto Agrícola IAS 41 Seção (R1) Receitas IAS 18 Seção Receita de transações com Contraprestação Receita de trans. sem Contraprestação (Tributos e Transferências) Ativo não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada IFRS 5 - -

14 Comparativo CPC / IFRS / IFRS PMEs / IPSAS CPC TEMA IFRS IFRS PMEs IPSAS 32 Tributos sobre o Lucro IAS 12 Seção (R1) Benefícios a Empregados IAS 19 Seção (R2) Demonstrações Separadas IAS 27 Seção (R3) Demonstrações Consolidadas IFRS 10 Seção (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 1 Seção Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração IAS 39 Seções 11 e Instrumentos Financeiros: Apresentação IAS 32 Seções 11 e (R1) Instrumentos Financeiros: Evidenciação IFRS 7 Seções 11 e Resultado por Ação IAS (R1) Adoção Inicial dos Pronunciamentos Técnicos CPC 15 a 41 IFRS 1 Seção Passivo e Patrimônio Líquido - Seção Hiperinflação - Seção Demonstrações Combinadas Divulgação de Participações em Outras Entidades IFRS Mensuração do Valor Justo IFRS

15 Interpretações ICPC TEMA IFRIC 01 (R1) Contratos de Concessão IFRIC Contrato de Construção do Setor Imobiliário IFRIC Aspectos Complementares das Operações de Arrendamento Mercantil Alcance do Pronunciamento Técnico CPC 10 Pagamento Baseado em Ações (REVOGADO) * Pronunciamento Técnico CPC 10 Pagamento Baseado em Ações Transações de Ações do Grupo e em Tesouraria (REVOGADO) * IFRIC 4, SIC 15 e SIC 27 IFRIC 8 IFRIC Hedge de Investimento Líquido em Operação no Exterior IFRIC Distribuição de Lucros in Natura IFRIC (R1) Contabilização da Proposta de Pagamento de Dividendos - 09 (R1) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial * O texto desta interpretação está contido no CPC 10 (R1) -

16 Interpretações ICPC TEMA IFRIC 10 Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado e à Propriedade para Investimento dos Pronunciamentos Técnicos CPCs 27, 28, 37 e Recebimento em Transferência de Ativos dos Clientes IFRIC Mudanças em Passivos por Desativação, Restauração e Outros Passivos Similares Direitos a Participações Decorrentes de Fundos de Desativação, Restauração e Reabilitação Ambiental Cotas de Cooperados em Entidades Cooperativas e Instrumentos Similares Passivo Decorrente de Participação em Mercado Específico Resíduos de Equipamentos Eletroeletrônicos IFRIC 1 IFRIC 5 IFRIC 2 IFRIC 6 16 Extinção de Passivos Financeiros com Instrumentos Patrimoniais IFRIC Contratos de Concessão: Evidenciação SIC Custos de Remoção de Estéril (Stripping) de Mina de Superfície na Fase de Produção IFRIC 20

17 Orientações OCPC TEMA CFC 01 (R1) Entidades de Incorporação Imobiliária 1.154/ Esclarecimentos sobre as Demonstrações Contábeis de 2008 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento, Mensuração e Evidenciação (CPC 14 R1) Aplicação da Interpretação Técnica ICPC 02 às Entidades de Incorporação Imobiliária Brasileiras 1.157/ / /10 05 Contratos de Concessão 1.318/10 06 Apresentação de Informações Financeiras Pro Forma -

18 Em Fase de Emissão Pronunciamento Técnico/OrientaçãoTécnica/ Interpretação Técnica Correlação IASB Estágio atual CPC 34 Exploração de Avaliação de Recursos Minerais IFRS 6 Aguardando revisão do IASB sobre futuro normativo CPC 42 Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária IAS 29 Aguardando discussão em processamento no IASB sobre futuro normativo ICPC 09 (R2) Demonstrações Contábeis, Individuais, Separadas, Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial - Em análise ICPC 19 Tributos - Em análise

19 IPSAS TEMA IAS/IFRS - Pronunciamento Conceitual Básico IAS/IFRS IPSAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis IAS 1 IPSAS 2 Demonstrações dos Fluxos de Caixa IAS 7 IPSAS 3 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro IAS 8 IPSAS 4 Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis IAS 21 IPSAS 5 Custos de Empréstimos IAS 23 IPSAS 6 Demonstrações Consolidadas e Separadas IAS 27 IPSAS 7 Investimento em Coligada e em Controlada IAS 28 IPSAS 8 Comparativo Setor Público (IPSAS) versus Setor Privado (IAS/IFRS) Investimento em Empreendimentos Controlados em Conjunto (Joint Venture) IAS 31 IPSAS 9 Receita de Transação com Contraprestação IAS 18

20 IPSAS TEMA IAS/IFRS IPSAS 10 Comparativo Setor Público (IPSAS) versus Setor Privado (IAS/IFRS) Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária IAS 29 IPSAS 11 Contratos de Construção IAS 11 IPSAS 12 Estoques IAS 2 IPSAS 13 Operações de Arrendamento Mercantil IAS 17 IPSAS 14 Evento Subsequente IAS 10 IPSAS 15 Instrumento Financeiro: Revelação e Apresentação IPSAS 28/30 IPSAS 16 Propriedade para Investimento IAS 40 IPSAS 17 Ativo Imobilizado IAS 16 IPSAS 18 Informações por Segmento IAS 14 IPSAS 19 Provisões Passivas Contingentes e Ativos Contingentes IAS 37

21 Comparativo Setor Público (IPSAS) versus Setor Privado (IAS/IFRS) IPSAS TEMA IAS/IFRS IPSAS 20 Divulgação sobre Partes Relacionadas IAS 24 IPSAS 21 Redução ao Valor Recuperável de Ativo não Gerador de Caixa IAS 36 IPSAS 22 IPSAS 23 IPSAS 24 Divulgação de Informação Financeira sobre o Setor do Governo Geral Receita de Transação sem Contraprestação (Tributos e Transferências) Apresentação de Informação Orçamentaria nas Demonstrações Contábeis N/A N/A N/A IPSAS 25 Benefícios a Empregados IAS 19 IPSAS 26 Redução ao Valor Recuperável de Ativo Gerador de Caixa IAS 36

22 Comparativo Setor Público (IPSAS) versus Setor Privado (IAS/IFRS) IPSAS TEMA IAS/IFRS IPSAS 27 Ativo Biológico e Produto Agrícola IAS 41 IPSAS 28 Instrumento Financeiro: Apresentação IAS 32 IPSAS 29 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração IAS 39 IPSAS 30 Instrumentos Financeiros: Evidenciação IFRS 7 IPSAS 31 Ativo Intangível IAS 38 IPSAS 32* Contratos de Concessão de Serviços: Concedente * Não traduzida para o português. Vigência a partir de IFRIC 12

23 Comparativo Setor Público (IPSAS) versus Setor Privado (IAS/IFRS) IPSAS TEMA IAS/IFRS - Subvenção e Assistência Governamentais IAS 20 - Pagamento Baseado em Ações IFRS 2 - Contratos de Seguro IFRS 4 - Combinação de Negócios IFRS 3 - Demonstração Intermediária IAS 34 - Tributos sobre o Lucro IAS 12 - Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 1 - Resultado por Ação IAS 33 - Divulgação de Participações em Outras Entidades IFRS 12 - Mensuração do Valor Justo IFRS 13

24 ITG Conselho Federal de Contabilidade Resolução (CFC) no / Aplicação no exercício social encerrado a partir de Modelo Contábil Simplificado Microempresas Empresas de Pequeno Porte (MEPPs)

25 ITG Conselho Federal de Contabilidade Alcance - estabelece critérios e procedimentos específicos para MEPPs - interpretação é aplicável às entidades definidas como MEPPs - desobriga adoção da NBC TG Contabilidade para PMEs (equivalente a IFRS para PME)

26 Alcance - Faturamento, no ano anterior, igual ou inferior a R$ ,00 (três milhões e seiscentos mil reais) - Não desobriga que a entidade mantenha a escrituração contábil uniforme dos seus atos e fatos administrativos

27 Apêndice I Modelo de carta de responsabilidades da administração Apêndice II Balanço Patrimonial BALANÇO PATRIMONIAL encerrado em

28 Apêndice III Demonstração do Resultado do Exercício Apêndice IV Plano de Contas Simplificado Elenco de Contas

29 CLASSIFICAÇÃO DAS EMPRESAS CONFORME RECEITA BRUTA ATÉ R$ 300 MILHÕES ACIMA DE R$ 300 MILHÕES PME PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Lei 11638/07 EGP - EMPRESAS DE GRANDE PORTE NBC TG 1000 NBC TG 1 A 46 ATÉ R$ DE R$ ATÉ R$ ACIMA DE R$ ME - MICRO EMPRESA EPP - EMPRESA DE PEQUENO PORTE PME PEQUENA E MÉDIA EMPRESA OPÇÃO ITG 1000 NBC TG 1000

30 Conjunto de demonstrações contábeis Grande porte ou obrigação pública Pequenas e Médias SA LTDA PME ME EPP Lei 6404/76 Lei 11638/07 Código Civil NBC TG 1 a 46 NBC TG 1 a 46 NBC TG 1000 Código Civil NBC TG 1000 opção ITG 1000 BP Balanço Patrimonial X X X X DRE DRA Demonstração do Resultado do Exercício Demonstração do Resultado Abrangente X X X X X X X DMPL Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido do Exercício X X X DFC DVA Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Valor Adicionado X X X NE Notas Explicativas X X X X X

31 Visão Geral INTOSAI / ISSAIs / NBC TAs NOTAS PRÁTICAS às ISAs

32 Normas Brasileiras de Contabilidade (NBC) de Auditoria e Asseguração (NBC PA - TA - TR - TO - TSC) Conselho Federal de Contabilidade (CFC)

33 NBC TA ESTRUTURA CONCEITUAL Estrutura Conceitual para Trabalhos de Asseguração Controle de Qualidade para Firmas (Pessoas Jurídicas e Físicas) de Auditores Independentes (NBC PA 01) Independência Trabalhos de Auditoria e Revisão (NBC PA 290 (R1)) Independência Outros Trabalhos de Asseguração (NBC PA 291 (R1)) Trabalhos de Revisão de Demonstrações Contábeis (NBC TR 2400)

34 Revisão de Informações Intermediárias Executadas pelo Auditor da Entidade (NBC TR 2410) Trabalho de Asseguração Diferente de Auditoria e Revisão (NBC TO 3000) Relatórios de Asseguração de Controles em Organização Prestadora de Serviços (NBC TO 3402) Trabalhos de Execução de Procedimentos Acordados Relacionados com Informação Contábil (NBC TSC 4400) Trabalhos de Compilação de Informações Contábeis (TSC 4410)

35 Visão Geral Normas Brasileiras de Contabilidade Técnica de Auditoria ISSAIs / NBC TAs / NOTAS PRÁTICAS às ISAs ISSAIs 1000 a 1810

36 ISSAIs / NBC TAs / NOTAS PRÁTICAS às ISAs ISSAI 1000 Introdução Geral às Diretrizes de Auditoria Financeira da INTOSAI ISSAI 1003 Glossário de Termos das Diretrizes de Auditoria Financeira da INTOSAI ISSAI 1200/NBC TA 200/NP ISA 200 Objetivos Gerais do Auditor Independente e a Conduçao da Auditoria em Conformidade com Normas de Auditoria ISSAI 1210/NBC TA 210/NP ISA 210 Concordância com os Termos do Trabalho de Auditoria ISSAI 1220/NBC TA 220 (R1)/NP ISA 220 Controle de Qualidade da Auditoria de Demonstrações Contábeis

37 ISSAIs / NBC TAs / NOTAS PRÁTICAS às ISAs ISSAI 1230/NBC TA 230/NP ISA 230 Documentação de Auditoria ISSAI 1240/NBC TA 240/NP ISA 240 Responsabilidade do Auditor em Relação a Fraude, no contexto da Auditoria de Demontrações Contábeis ISSAI 1250/NBC TA 250/NP ISA 250 Consideração de Leis e Regulamentos na Auditoria de Demonstrações Contábeis ISSAI 1260/NBC TA 260 (R1)/NP ISA 260 Comunicação com os Responsáveis pela Governança ISSAI 1265/NBC TA 265/NP ISA 265 Comunicação de Deficiências do Controle Interno ISSAI 1300/NBC TA 300/NP ISA 300 Planejamento da Auditoria de Demonstrações Contábeis

38 ISSAIs / NBC TAs / NOTAS PRÁTICAS às ISAs ISSAI 1315/NBC TA 315/NP ISA 315 Identificação e Avaliação dos Riscos de Distorção Relevante por meio do Entendimento da Entidade e de seu Ambiente ISSAI 1320/NBC TA 320/NP ISA 320 Materialidade no Planejamento e na Execução da Auditoria ISSAI 1330/NBC TA 330/NP ISA 330 Resposta do Auditor aos Riscos Avaliados ISSAI 1402/NBC TA 402/NP ISA 402 Considerações de Auditoria para a Entidade que utiliza Organização Prestadora de Serviços ISSAI 1450/NBC TA 450/NP ISA 450 Avaliação das Distorções Identificadas durante a Auditoria

39 ISSAIs / NBC TAs / NOTAS PRÁTICAS às ISAs ISSAI 1500/NBC TA 500/NP ISA 500 Evidência de Auditoria ISSAI 1501/NBC TA 501/NP ISA 501 Evidência de Auditoria - Considerações Específicas para Itens Selecionados ISSAI 1505/NBC TA 505/NP ISA 505 Confirmações Externas ISSAI 1510/NBC TA 510/NP ISA 510 Trabalhos Iniciais: Saldos Iniciais ISSAI 1520/NBC TA 520/NP ISA 520 Procedimentos Analíticos ISSAI 1530/NBC TA 530/NP ISA 530 Amostragem em Auditoria ISSAI 1540/NBC TA 540/NP ISA 540 Auditoria de Estimativas Contábeis, Inclusive do Valor Justo e Divulgações Relacionadas

40 ISSAIs / NBC TAs / NOTAS PRÁTICAS às ISAs ISSAI 1550/NBC TA 550/NP ISA 550 Partes Relacionadas ISSAI 1560/NBC TA 560/NP ISA 550 Eventos Subsequentes ISSAI 1570/NBC TA 570/NP ISA 570 Continuidade Operacional ISSAI 1580/NBC TA 580/NP ISA 580 Representações Formais ISSAI 1600/NBC TA 600/NP ISA 600 Considerações Especiais Auditorias de Demonstrações Contábeis de Grupos, incluindo o Trabalho dos Auditores dos Componentes ISSAI 1610/NBC TA 610/NP ISA 610 Utilização do Trabalho de Auditoria Interna

41 ISSAIs / NBC TAs / NOTAS PRÁTICAS às ISAs ISSAI 1620/NBC TA 620/NP ISA 620 Utilização do Trabalho de Especialistas ISSAI 1700/NBC TA 700/NP ISA 700 Formaçao da Opinião e Emissão do Relatório do Auditor Independente sobre as Demonstrações Contábeis. ISSAI 1705/NBC TA 705/NP ISA 705 Modificações na Opinião do Auditor Independente ISSAI 1706/NBC TA 706/NP ISA 706 Parágrafos de Ênfase e Parágrafos de Outros Assuntos no Relatório do Auditor Independente ISSAI 1710/NBC TA 710/NP ISA 710 Informações Comparativas Valores Correspondentes e Demonstrações Contábeis Comparativas

42 ISSAIs / NBC TAs / NOTAS PRÁTICAS às ISAs ISSAI 1720/NBC TA 720/NP ISA 720 Responsabilidade do Auditor em Relação a outras informações incluidas em Documentos que Contenham Demonstrações Contábeis Auditadas ISSAI 1800/NBC TA 800/NP ISA 800 Considerações Especiais Auditorias de Demonstrações Contábeis Elaboradas de Acordo com Estruturas Conceituais de Contabilidade para Propósitos Especiais ISSAI 1805/NBC TA 805/NP ISA 805 Considerações Especiais Auditoria de Quadros Isolados das Demonstrações Contábeis e de Elementos, Contas ou Itens Específicos das Demonstrações Contábeis ISSAI 1810/NBC TA 810/NP ISA 810 Trabalhos para a Emissão de Relatório sobre Demonstrações Contábeis Condensadas

43 Objetivos Gerais do Auditor Independente e Condução da Auditoria ( NBC TA 200) INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS DO AUDITOR DEFINIÇÕES REQUISITOS APLICAÇÃO E OUTROS MATERIAIS EXPLICATIVOS

44 Estrutura Conceitual Trabalhos de Asseguração Tipos de Trabalhos de Asseguração Elementos

45 Normas Técnicas de Auditoria - Trabalhos de asseguração razoável Normas Técnicas de Revisão - Trabalhos de revisão limitada Trabalhos de Asseguração Sem Informações Históricas (NBC TO)

46 Tipos de Trabalhos de Asseguração - Trabalho de Auditoria Razoável - Trabalho de Revisão Limitada - informações trimestrais - demonstrações contábeis

47 Demonstrações Contábeis ou Financeiras Informações Históricas Estrutura de controle interno Informações não-históricas

48 Conclusão Positiva Em nossa opinião, as demonstrações contábeis representam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial, financeira...

49 Conclusão Negativa Com base em nossa revisão, não temos conhecimento de nenhuma modificação relevante que deva ser feita nas informações contábeis...

50 Elementos Presentes em um Trabalho de Asseguração Relacionamento entre três partes ( Parte Responsável Usuários Previstos Auditor Independente) Objeto apropriado Critérios adequados Evidências apropriadas e suficientes Relatório apropriado

51 Exemplos de Procedimentos de Auditoria Inspeção de um ativo fixo Observação de contagem física de estoque Confirmação de recebível Recálculo Reexecução de controle Procedimentos analíticos Indagação

52 Relatórios Conclusivos NBC TA - Trabalhos de Auditoria NBC TR - Trabalhos de Revisão NBC TO - Trabalhos de Asseguração de informações não históricas

53 Relatório Conclusivo Limpo Sem Ressalvas O auditor não pode emitir um relatório limpo, quando houver limitações ao alcance do seu trabalho O relatório deve conter ressalvas ou abstenção da conclusão, se a limitação for relevante e seu efeito for disseminado Modificações

54 Modificações na Opinião do Auditor Independente (NBC TA 705) Tipos de opinião modificada Natureza do assunto que gerou a modificação As demonstrações contábeis apresentam distorções relevantes Impossibilidade de obter evidência de auditoria apropriada e suficiente Julgamento do auditor sobre a disseminação de forma generalizada dos efeitos ou possíveis efeitos sobre as demonstrações contábeis Relevante mas não generalizado Opinião com ressalva Opinião com ressalva Relevante e generalizado Opinião adversa Abstenção de opinião

55 IFRS para PMEs Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) Apresentação em 35 Seções O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) aprovam o Pronunciamento Técnico sobre CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS (PMEs), que está correlacionada com a Norma Internacional de Contabilidade The International Financial Reporting Standard for Small and Medium-sized Entities (IFRS for SMEs) emitida pelo International Accounting Standards Board (IASB).

56 Pequenas e Médias Empresas (PMEs) Visão Geral do IFRS para PMEs - Revisão de todas as seções do pronunciamento - Destacando as principais diferenças em relação aos IFRSs completos

57 Boas Demonstrações Contábeis Simplificadas páginas - IFRSs simplificados, porém fundamentados nos IFRSs - Completamente independentes - Elaborado especialmente para PMEs - Internacionalmente reconhecidos - Emitido em 9 de julho de 2009

58 Quem será elegível para utilizá-los? Qualquer entidade que não tenha prestação pública de contas... - títulos não negociados na bolsa - não seja instituição financeira... e que seja obrigada ou opte por produzir Demonstrações Contábeis de Uso Geral (DCUG)

59 A quem o pronunciamento é voltado? Que entidades devem produzir DCUGs é um assunto de interesse público - Decidido por parlamentares e reguladores, não pelo IASB - Por que? Existe um benefício público em boas informações contábeis sobre empresas

60 Completamente independente dos IFRS completos - A única opção para aplicar os IFRSs completos é a opção de utilizar o IAS 39 ao invés das seções de instrumentos financeiros do IFRS para PMEs

61 Como isto difere do IFRSs completos? Customizados para PMEs Necessidades do usuário de informações sobre fluxos de caixa, liquidez e solvência Custos e capacidades das PMEs Muito menor 230 páginas vs dos IFRSs completos Organizado por tópicos Simplificações a partir dos IFRSs completos

62 Como foram simplificados? - Alguns tópicos nos IFRSs omitidos se irrelevantes para entidades privadas - Quando os IFRSs tiverem opções, incluir apenas as mais simples - Simplificações de reconhecimento e mensuração - Divulgações reduzidas - Linguagem simplificada

63 Simplificação na divulgação Grande redução em divulgações (notas): - IFRSs completos mais de itens na lista de verificação de divulgações - IFRS para PMEs aproximadamente 300 divulgações Mantido: Divulgações sobre fluxo de caixa de curto prazo, liquidez, solvência, incertezas de mensuração, escolhas de política contábil Cortado: Desagregações, divulgações relativas ao mercado público de capitais

64 Existe compensação pela boa contabilidade Transparência, Propriedade e Restrições Financeiras em Empresas Privadas (Hope, Thomas e Vyas), novembro de Estudo: Cerca de PMEs em 68 países em desenvolvimento e mercados emergentes. Resumo: Descobrimos que empresas fechadas com maior transparência financeira apresentam problemas significativamente menores de acesso a financiamento externo (e obtém estes fundos a um custo menor) que outras empresas fechadas.

65 As PMEs podem simplesmente optar por adotar isto? Depende da lei local - EUA sim. O IASB é agora o segundo emissor de pronunciamentos contábeis (juntamente com FASB) no código de ética do AICPA. - Em outros países, a adoção é automática (a lei já requer IFRS ) - Em alguns países, contudo, atualmente apenas IFRSs completos e GAAP local podem ser utilizados. É necessário alterar a lei ou regulementos locais para permitir a adoção do IFRS para PMEs.

66 Planos de jurisdições para adoção Hoje (agosto de 2010), ao melhor de nosso conhecimento: - 64 jurisdições adotaram o IFRS para PMEs ou determinaram um plano para adotá-los dentro dos próximos três anos

67 Planos de jurisdições para adoção Adoções na América do Sul: Argentina (proposta), Brasil, Venezuela Adoções no Caribe: República Dominicana, Guiana, Barbados, Trinidad, Bahamas, etc Adoções na América Central: Belize, Costa Rica, El Salvador, Panamá, Nicarágua Adoções na África: África do Sul, Botsuana, Egito (proposta), Namíbia, Tanzânia, Uganda, Etiópia, Serra Leoa

68 O que o relatório de auditoria diria? Algo como: Apresenta corretamente a posição financeira, resultados de operações e fluxos de caixa em conformidade com a Norma Internacional de Relatório Financeiro para Pequenas e Médias Empresas

69 Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS) Pequenas e Médias Empresas (PMEs) Plano para manutenção Revisão abrangente inicial depois de 2 anos da implantação Ajustar erros e omissões, falta de clareza Também considerar a necessidade de aprimoramentos com base em IFRSs recentes e emendas aos IASs Depois, uma vez a cada três anos (aproximadamente) Audiência de minutas (ED) de atualizações

70 Fontes: Normas Brasileiras de Contabilidade (NBC) Auditoria (NBC PA - TA - TR - TO - TSC) NBCASP - MCASP Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS / IPSAS) e Auditoria (ISA)

71 Palestrante Roberto Vilela Resende Muito Obrigado!

POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS

POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS POSIÇÃO ATUAL DOS PRONUNCIAMENTOS, INTERPRETAÇÕES E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS DO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC 00 CPC 01 CPC 02 CPC 03 CPC 04 CPC 05 CPC 06 CPC 07 CPC 08 EMITIDOS Pronunciamento Técnico

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

Pontuação homologada para o PEPC - 2014

Pontuação homologada para o PEPC - 2014 100 PORCENTO AUDIT 100 PORCENTO AUDIT AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL

Leia mais

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS)

LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) LEI N 12.973/14 (IRPJ/CSLL/PIS-PASEP E COFINS) Miguel Silva RTD REGIME TRIBUTÁRIO DEFINITIVO (Vigência e Opção pela Antecipação de seus Efeitos) 1 Para efeito de determinação do IRPJ, CSLL, PIS-PASEP e

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 13º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA JUNHO/2013 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA

Leia mais

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR

JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas - RJ. Professor das Faculdades Atibaia

Leia mais

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB CURSO DE PÓS-MBA Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB Código no SIGA: PMBACBIC09/00 Coordenação Acadêmica

Leia mais

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS

IFRS INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD IFRS NORMAS INTERNACIONAIS DE RELATÓRIOS FINANCEIROS PARTE 1 - IFRS NORMATIVOS E SEUS EFEITOS NO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS PARTE 2 MENSURAÇÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS IFRS GRUPO APLICABILIDADE IFRS FULL ENTIDADES

Leia mais

IFRS para PMEs. Semana de Contabilidade do Banco Central. International Financial Reporting Standards para Pequenas 1 e Médias Empresas

IFRS para PMEs. Semana de Contabilidade do Banco Central. International Financial Reporting Standards para Pequenas 1 e Médias Empresas International Financial Reporting Standards para Pequenas 1 e Médias Empresas IFRS para PMEs Semana de Contabilidade do Banco Central 5 a 6 de agosto de 2010 O IFRS para PMEs 2 Boas Demonstrações Contábeis

Leia mais

Desafios do IFRS para empresas brasileiras

Desafios do IFRS para empresas brasileiras Desafios do IFRS para empresas brasileiras Estamos em consonância com o mundo? 3º Encontro de Contabilidade e Auditoria 16 de setembro de 2013 Ramon D. Jubels 3º Encontro de Contabilidade e Auditoria 1

Leia mais

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial

IFRS para PMEs: Seção 35 Adoção Inicial Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

TABELA DE PONTUAÇÃO 2012

TABELA DE PONTUAÇÃO 2012 Encantado Cruz Alta Soledade Gravataí Caxias do Sul Ijui Cerro Largo Curso de Auditoria voltado à validação da escrituração contábil fundamentado nas novas NBCs e nos dispositivos das legislações comercial

Leia mais

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB

CURSO DE PÓS-MBA. Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA CURSO DE PÓS-MBA Convergência de Normas Contábeis Brasileiras para as Normas Internacionais de Contabilidade Lei 11638/07 e Lei 11941/09, CPC e IASB Coordenação Acadêmica:

Leia mais

Demonstrações financeiras Exercício de 2013 O aperfeiçoamento das regras contábeis brasileiras

Demonstrações financeiras Exercício de 2013 O aperfeiçoamento das regras contábeis brasileiras Demonstrações financeiras Exercício de 2013 O aperfeiçoamento das regras contábeis brasileiras Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br e por meio do aplicativo Deloitte Publicações, disponível

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2014

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2014 Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2014 Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 08 para CTA 03; e de outras normas citadas: de NBC T 19.10 para NBC TG 01; de NBC T 3.8 para NBC TG 03; de NBC T

Leia mais

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem 1 * Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem Em função das Necessidades de: - convergência internacional das normas contábeis (redução de custo de elaboração de relatórios contábeis, redução de riscos

Leia mais

PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA. Claudio Longo Ernst & Young. Campo Grande, 17 de Agosto de 2010

PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA. Claudio Longo Ernst & Young. Campo Grande, 17 de Agosto de 2010 XII ENCONTRO ESTADUAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA Claudio Longo Ernst & Young Campo Grande, 17 de Agosto de 2010 Objetivos da Apresentação

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2010 Equipe técnica Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Ed Ruiz Rogério Mota Emerson Ferreira Jonas Dal

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs

BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs. Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 3.6 Seção 35 Transição para o IFRS para PMEs Seção 35 - Adoção inicial (AI) 2 Primeiro conjunto de demonstrações contábeis no qual a entidade faz

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Tópico 1.2 Visão Geral do IFRS para PMEs

Tópico 1.2 Visão Geral do IFRS para PMEs BNDES-IFRS Foundation Seminário IFRS para PMEs 1 Tópico 1.2 Visão Geral do IFRS para PMEs Revisão de todas as seções do pronunciamento Destacando as principais diferenças em relação aos IFRSs completos

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.315/10 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC T 19.40 para NBC TG 43 e de outras normas citadas: de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL; de NBC T 19.18 para

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2013

Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2013 Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil (BR GAAP) Modelo de demonstrações financeiras para 2013 Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br

Leia mais

A Estrutura das Demonstrações Contábeis

A Estrutura das Demonstrações Contábeis A Estrutura das Demonstrações Contábeis Prof. Dr. José Elias Feres de Almeida Universidade Federal do Espírito Santo International Certified Valuation Specialist (ICVS) NBC TA 200: Contexto: Estrutura

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS)

A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) A CONVERGÊNCIA DOS PADRÕES DE CONTABILIDADE APLICADOS NO BRASIL ÀS INTERNATIONAL FINANCIAL ACCOUNTING STANDARDS (IFRS) PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ OBJETIVO Apresentar

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Comunicados Técnicos 30 de agosto de 2013 Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Agenda Comitês Técnicos do IBRACON CNNT Comissão Nacional de Normas Técnicas CNA Comitê de Normas de Auditoria

Leia mais

O Processo de Convergência das Normas Brasileiras de Contabilidade e Auditoria às Normas Internacionais VERÔNICA SOUTO MAIOR

O Processo de Convergência das Normas Brasileiras de Contabilidade e Auditoria às Normas Internacionais VERÔNICA SOUTO MAIOR O Processo de Convergência das Normas Brasileiras e Auditoria às Normas Internacionais VERÔNICA SOUTO MAIOR Professora do DCCA/UFPE, Conselheira do CFC, Coordenadora do Comitê Gestor da Convergência no

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS Prazo: 15 de setembro de 2014 O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Conselho Federal de Contabilidade

Leia mais

II Congresso: Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público SISTEMÁTICA DE CUSTOS DO SEBRAE

II Congresso: Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público SISTEMÁTICA DE CUSTOS DO SEBRAE SEBRAE II Congresso: Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público SISTEMÁTICA DE CUSTOS DO SEBRAE Domingos Poubel de Castro Domingos.poubel@globo.com 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br FASES

Leia mais

MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade)

MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade) MBA em IFRS (Normas Internacionais de Contabilidade) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos

Leia mais

RELATÓRIO COMPLETO DE CURSOS/EVENTOS

RELATÓRIO COMPLETO DE CURSOS/EVENTOS 01182 NORMAS BRASILEIRAS E INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE VISÃ? O GERAL DAS PRINCIPAIS DIFERENÃ? AS SETOR PÃ? ºBLICO (IPSAS) VERSUS SETOR PRIVADO (IAS / IFRS) Capacitadora: 00006 - IBRACON - INSTITUTO

Leia mais

Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis

Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis Alexandre Alcantara da Silva Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis Adendo à 1ª edição Texto atualizado em 28.04.2009 Relativo às alterações introduzidas pela Lei nº 11.638/2007

Leia mais

IFRS-PME-NBC TG 1000 SEÇÃO 35-ADOÇÃO INICIAL 2013-O ANO DA CONTABILIDADE

IFRS-PME-NBC TG 1000 SEÇÃO 35-ADOÇÃO INICIAL 2013-O ANO DA CONTABILIDADE IFRS-PME-NBC TG 1000 SEÇÃO 35-ADOÇÃO INICIAL 2013-O ANO DA CONTABILIDADE Claudinei Tonon 1 O SIGNIFICADO DO CADUCEU O SÍMBOLO DO CONTABILISTA COMPOSIÇÃO DO SÍMBOLO: -O Caduceu simboliza a Contabilidade

Leia mais

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS APLICAÇÃO N 3 As novas práticas contábeis instituídas a partir da Lei 11.638/2007 complementadas pela Lei 11.941/2009 e normatização formulada através da edição dos pronunciamentos

Leia mais

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008

O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 O Impacto da Lei 11.638/07 no encerramento das Demonstrações Contábeis de 2008 Pronunciamento CPC 013 Adoção Inicial da Lei nº 11.638/07 e da Medida Provisória no 449/08 Antônio Carlos Palácios Vice-Presidente

Leia mais

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional

Instituto Hernandez de Desenvolvimento Profissional AS IFRS COMO FATOR IMPULSIONADOR DA ECONOMIA E DA PROFISSÃO CONTÁBIL NO BRASIL JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR José Hernandez Perez Junior 1 PALESTRANTE JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR PhD Doctor of Philosophy

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

Patrimônio Líquido. Políticas Contábeis, Mudanças de Estimativas e Retificação de Erro. Agosto 2012. Elaborado por:

Patrimônio Líquido. Políticas Contábeis, Mudanças de Estimativas e Retificação de Erro. Agosto 2012. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Demonstrações Financeiras IFRS

Demonstrações Financeiras IFRS Demonstrações Financeiras IFRS Prof. Dr. Fábio Moraes da Costa Professor Associado da FUCAPE Business School Grupo Consultivo do International Accounting Education Standards Board (IAESB) Membro da delegação

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Contabilidade Avançada Apresentação das Demonstrações Contábeis

Contabilidade Avançada Apresentação das Demonstrações Contábeis Contabilidade Avançada Apresentação das Demonstrações Contábeis Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 1 Presentation of Financial Statements No CPC: CPC 26 Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Material de apoio. Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente

Material de apoio. Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente Material de apoio Aula 05 Normas brasileiras de contabilidade Normas técnicas de auditoria independente Normas de auditoria que entraram em vigor no Brasil, em 2010 O CFC emitiu novas normas de auditoria

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 19. Tributos. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 21 (BV2013)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 19. Tributos. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 21 (BV2013) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 19 Tributos Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 21 (BV2013) Sumário Item REFERÊNCIAS CONTEXTO 1 ALCANCE 2 6 QUESTÕES

Leia mais

Checklist de divulgação: IFRS/CPC - 2010

Checklist de divulgação: IFRS/CPC - 2010 Checklist de divulgação: IFRS/CPC - 2010 Checklist de divulgação: IFRS/CPC 2010 Introdução... 5 Estrutura do checklist de divulgação... 6 Formato do checklist de divulgação... 6 Seção A Divulgações aplicáveis

Leia mais

As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC

As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC As Demonstrações Contábeis para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) NBC T 19.41 Resolução 1255/09 do CFC Profa Marcia Ferreira Neves Tavares Prof. Severino Ramos da Silva O que vamos conversar... Por quê

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS

HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS HARMONIZAÇÃO DE PRÁTICAS CONTÁBEIS Professor 1 JOSÉ HERNANDEZ PEREZ JUNIOR Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica e Bacharel em Ciências Contábeis. Professor de cursos de MBA da Fundação Getulio

Leia mais

Fórum Regional de Normas Contábeis

Fórum Regional de Normas Contábeis Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Quando utilizar o CPC para Pequenas e Médias

Quando utilizar o CPC para Pequenas e Médias 1 de 5 28/07/2010 09:05 Brasil Quando utilizar o CPC para Pequenas e Médias Empresas PMEs O que é e qual o objetivo da norma para PMEs Em julho de 2009 o International Accounting Standard Board IASB emitiu

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Dia do Contabilista: Encontro de Especialidades A Atuação da Auditoria Independente no Âmbito das IFRS

Dia do Contabilista: Encontro de Especialidades A Atuação da Auditoria Independente no Âmbito das IFRS Dia do Contabilista: Encontro de Especialidades A Atuação da Auditoria Independente no Âmbito das IFRS Alexandre Dias Fernandes 18 de maio de 2012 Introdução das IFRS no Brasil Órgãos Reguladores Contabilidade

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.159, de 13/02/2009 DOU 1 de 04/03/2009 Aprova o Comunicado Técnico CT 01 que aborda como os ajustes das novas práticas contábeis adotadas no Brasil trazidas pela Lei nº 11.638/07 e MP

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.253/09 Aprova a NBC T 19.39 Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Ano X - Nº 77 - Julho/Agosto de 2014 IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Profissionais da Contabilidade deverão assinar prestações de contas das eleições Ampliação do Simples Nacional

Leia mais

Notas Explicativas Extensas no Brasil: Revelam ou Ocultam?

Notas Explicativas Extensas no Brasil: Revelam ou Ocultam? Notas Explicativas Extensas no Brasil: Revelam ou Ocultam? Nível de Compliance com o Disclosure Requerido pelo IFRS e Análise da Materialidade AAA (2013); ANPCONT (2013) - Prêmio Melhor Artigo; EnANPAD

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009

Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 Normas Internacionais de Relatório Financeiro Modelo de demonstrações financeiras para 2009 2 Demonstrações financeiras para o exercício findo em 31 de dezembro de 2009 As demonstrações financeiras, modelo

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Demonstrações financeiras Exercício de 2014 Em sintonia com as regras contábeis brasileiras. Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.

Demonstrações financeiras Exercício de 2014 Em sintonia com as regras contábeis brasileiras. Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com. Demonstrações financeiras Exercício de 2014 Em sintonia com as regras contábeis brasileiras Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br Índice IFRSs - Normas internacionais de relatório financeiro...

Leia mais

RELATÓRIO COMPLETO DE CURSOS/EVENTOS

RELATÓRIO COMPLETO DE CURSOS/EVENTOS 01158 Capacitadora: 00001 - FAC. CIEN. ECON. ADM. CONT. CENTRO UNIVERSITARIO FUMEC 01157 01084 01088 01089 01132 01154 01155 01156 SBT CONT - IV SIMPOSIO BRASILEIRO DE TEORIA DA CONTABILIDADE NBC PA 01

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 41-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em International Financial Reporting Standards, IFRS, Comitê de Pronunciamentos Contábeis, CPC, e Controladoria,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.322/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.322/11 A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 09 para CTA 04 e de outras normas citadas: de NBC T 19.16 para NBC TG 11; de NBC T 19.27 para NBC TG 26; e de CT 07 para

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

IFRS PME Imobilizado e Arrendamento

IFRS PME Imobilizado e Arrendamento IFRS PME Imobilizado e Arrendamento Luciano Perrone lucianoperrone@rptreinamento.com.br www.rptreinamento.com.br Julho de 2011 REFLEXÃO INICIAL Fonte: www.uol.com.br Fonte: www.uol.com.br Fonte: Portal

Leia mais

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas JOÃO PAULO VIANA MAGALHÃES Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade de Entidades de Previdência Privada e Seguradoras ADERÊNCIA DAS

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012

Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT Relatório de orientação técnica para o encerramento do exercício de 2012 Prefácio Com a convergência das normas brasileiras de contabilidade para as normas

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014. Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br

Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014. Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br Checklist Apresentação e Divulgação IFRS e BR GAAP 2014 Acesse este e outros conteúdos em www.deloitte.com.br Normas Internacionais de Relatório Financeiro (IFRS) e Práticas Contábeis Adotadas no Brasil

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

14 th Americas School of Mines

14 th Americas School of Mines GAAP no Brasil (CPC) Leandro Ardito Agenda Práticas contábeis adotadas no Brasil: visão geral e convergência com IFRS Norma internacional (IFRS 6) Políticas contábeis aplicadas pela indústria de mineração

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção

Notas Explicativas. Eduardo Assumpção Notas Explicativas Eduardo Assumpção 1 Notas Explicativas Os Casos Práticos que Serão Apresentados 4 Marco Regulatório da Convergência IFRS Pequenas e Médias Empresas I F R S P M E 5 Conteúdo Programático

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 37 (R1) Adoção Inicial das Normas Internacionais de Contabilidade Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 1 (BV2010) Índice

Leia mais

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil

3. 0 - Nível de Conhecimento dos Profissionais de Contabilidade no Brasil 1.0 - Introdução à Lei 11.638/07 Países com pouca tradição em mercados de capitais têm a tendência de sofrer, mais do que os demais, influências exógenas (externas) nos seus processos de desenvolvimento

Leia mais

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis www.pwc.com.br Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis Novembro de 2013 Agenda 2013 Normas novas e revisadas IAS 1 Apresentação das demonstrações financeiras

Leia mais

Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp.

Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp. Unidade: As principais normas contábeis brasileiras (BRGAAP), americanas (USGAAP) e européias (IFRSGAAP) Revisor Textual: Profa. Esp.Márcia Ota As NORMAS Internacionais de (International Accounting Standard

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO . COMUNICADO AO MERCADO Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS Apresentamos as principais alterações em nossas demonstrações contábeis decorrentes da adoção do padrão contábil internacional

Leia mais

Sinopse Contábil & Tributária 2009

Sinopse Contábil & Tributária 2009 Sinopse Contábil & Tributária 2009 DEPARTAMENTO DE PRÁTICAS PROFISSIONAIS (DPP) AUDITORIA E IMPOSTOS Resumo das principais normas de contabilidade e legislação tributária emitidas em 2009 AUDIT TAX ADVISORY

Leia mais

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT

CPC 15. Combinações de Negócios. Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT CPC 15 Combinações de Negócios Conselho Regional de Contabilidade - CE AUDIT Agenda Introdução e Objetivos Alcance Definições e Escopo Tipos de Aquisições Aplicação do Método de Aquisição Ativos e Passivos

Leia mais

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por:

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Telefones: 11 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento); fax 11 3824-5487 E-mail: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS NUTRINDO RELAÇÕES A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS APRESENTAÇÃO José Alberto Tozzi Adm. Empresas FGV MBA USP Mestre pela PUC-SP Instrutor de Gestão

Leia mais

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Auditoria Efeitos da Convergência FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Final do Século XX Início do processo de globalização Diminuição das fronteiras

Leia mais