Porto Alegre, 24 de março de 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Porto Alegre, 24 de março de 2010"

Transcrição

1 Porto Alegre, 24 de março de 2010 Notícias 2ª Câmara FALTA DE DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS DE ATIVIDADE PREPONDERANTE IMPOSSIBILITA IMUNIDADE DE ITBI NEGADO PROVIMENTO A RECURSO EM QUE O CONTRIBUINTE ALEGOU DESPROPORCIONALIDADE NA COBRANÇA DE IPTU APROVAÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO EM SEGUNDA FASE NÃO É IMPRESCINDÍVEL PARA CONCESSÃO DE ALÍQUOTA PREDIAL ESPECIAL NÃO INCIDE IPTU SOBRE IMÓVEL UTILIZADO NA EXPLORAÇÃO AGROPASTORIL DEFERIDO PEDIDO DE ACOLHIMENTO DE RECLAMAÇÃO FISCAL CONTRA AUTO DE LANÇAMENTO DE ITBI APROVAÇÃO DE PROJETO EM PRIMEIRA FASE É INSUFICIENTE PARA ENQUADRAMENTO DE IMÓVEL EM ALÍQUOTA ESPECIAL DE IPTU APLICAÇÃO DE ALÍQUOTA DE IPTU PREDIAL PARA IMÓVEL NÃO-RESIDENCIAL EXIGE APROVAÇÃO DO PROJETO DATADA DE 2007 CONTABILIDADE IMPRECISA LEVA A INDEFERIMENTO DE IMUNIDADE DE ITBI PREDOMÍNIO DA LOCAÇÃO DE IMÓVEIS NA RECEITA IMPEDE IMUNIDADE DE ITBI Todas as Notícias 2ª Câmara FALTA DE DOCUMENTOS COMPROBATÓRIOS DE ATIVIDADE PREPONDERANTE IMPOSSIBILITA IMUNIDADE DE ITBI A 2ª Câmara do Tribunal Administrativo de Recursos Tributários (TART) julgou, no dia 12 de novembro de 2009, Recurso Voluntário contra a decisão que indeferiu reclamação relativa ao Auto de Lançamento, negando-lhe provimento. O contribuinte, administradora de bens, ingressou com pedido de imunidade do imposto sobre transmissão de bens imóveis (ITBI) gerado pelo registro de dois imóveis no Protocolo de Cisão

2 da Pessoa Jurídica, com base no inciso IV do artigo 6 da Lei Complementar Municipal nº 197/89 e parágrafo 2, inciso I, do artigo 156 da CF, sob forma resolutória. Após a empresa deixar de apresentar à Fiscalização da Receita Municipal os documentos solicitados para a apuração da atividade preponderante, nos termos do parágrafo 4, inciso IV, do art. 6 da Lei Complementar Municipal n 197/89 e alterações, apresentando, em substituição, as Declarações de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (DIRPJ) e declaração, firmada pela Diretoria, informando a inexistência de receitas operacionais ou exploração dos imóveis integralizados; negar-se a entregar os livros obrigatórios com a contabilidade da Empresa e constatar-se a utilização dos imóveis, provavelmente a título de locação por parte de outras empresas, o Agente Fiscal propôs indeferimento do pedido de Imunidade Tributária do Imposto sobre a Transmissão inter-vivos, por ato oneroso, de bens imóveis e de direitos a eles relativos, de acordo com o dispositivo constitucional citado anteriormente. Em virtude desse indeferimento, a empresa interpôs, tempestivamente, Recurso Voluntário ao TART, sendo este recebido na 2ª Câmara. A contribuinte requereu a desconstituição do Auto de Lançamento 068/2008 ITBI arguindo ser absurda a alegação de desvirtuamento de atividade, fazendo-se parecer que é locação de imóveis, o que não condiz com a realidade. A relatora, Conselheira Cristina Lengler, não considerou os demonstrativos contábeis apresentados pela empresa, por não demonstrarem a realidade econômica desta, eis que não esclarecem a destinação das receitas auferidas com o aluguel de parte de seus imóveis, tampouco esclarecem o porquê da não contabilização em seu balanço patrimonial das operações efetuadas, não mantendo sua escrituração em livros revestidos das formalidades capazes de assegurar sua exatidão. Expôs que, mesmo que se caracterize a ausência de atividade na empresa, cabe ressaltar que esta situação não tem sido considerada imunizante do ITBI, ou seja, a imunização requer a atividade, a qual é premissa para o reconhecimento da imunidade da transmissão por cisão. Diante do exposto, votou por negar provimento ao Recurso Voluntário e assim manter o Auto de Lançamento n. 068/2008 ITBI, lançado para as transmissões imobiliárias em questão, sendo acompanhada pelos demais conselheiros. (2ª Câmara do TART, Processo nº , Relatora: Conselheira Cristina Lengler, Resolução nº 109/2009/2, julgado em 12 de novembro de 2009) NEGADO PROVIMENTO A RECURSO EM QUE O CONTRIBUINTE ALEGOU DESPROPORCIONALIDADE NA COBRANÇA DE IPTU A 2ª Câmara do Tribunal Administrativo de Recursos Tributários (TART) julgou, no dia 12 de novembro de 2009, Recurso Voluntário do contribuinte contra a decisão que deferira em parte seu requerimento de revisão do valor venal do Imposto sobre Propriedade Territorial Urbana (IPTU), negando-lhe provimento. A contribuinte manifestou-se, em primeira instância, contra o valor venal IPTU do seu apartamento, alegando que estaria desproporcional em relação ao cobrado do imóvel vizinho, e requereu uma revisão deste valor. O requerimento foi deferido em parte, realizando-se uma revisão do valor venal do IPTU do imóvel da contribuinte, o qual alterou-se, conforme parecer da Unidade de Avaliação de Imóveis. No que concerne à desproporcionalidade da cobrança do valor, foi verificado que a área do seu imóvel é maior do que a do vizinho, o que acarreta maior valor venal e, por conseguinte, justifica uma cobrança maior de IPTU. Em face do exposto, a contribuinte interpôs recurso voluntário ao TART. No recurso, a recorrente insurgiu-se contra o novo valor venal de IPTU estabelecido, renovando o argumento de que o valor ainda se encontraria desproporcional ao valor do IPTU do apartamento adjacente,

3 requerendo novo cálculo do IPTU 2009 e a revisão do valor referente à Taxa de Coleta de Lixo (TCL) em razão dessa alteração. Ademais, a recorrente ressaltou que alega desproporcionalidade do valor de IPTU cobrado do seu apartamento em relação ao do vizinho, não no que diz respeito ao valor venal, mas sim à alíquota aplicada no cálculo. Ela arguiu que a diferença de área do imóvel dela em relação ao do vizinho - diferença esta que acarreta uma desconformidade de valor venal - não é proporcional à diferença que há na cobrança do IPTU, ou seja, a alíquota aplicada não é a mesma. O relator, Conselheiro Fernando Vicenzi, entendeu que a revisão do valor venal já fora feita devidamente e que a diferença do valor venal do apartamento da recorrente, em relação ao do vizinho, já fora analisada e justificada pela 1.ª instância. No que concerne à alíquota usada no cálculo do IPTU, atestou que esta se apresenta correta, baseando-se em cálculos realizados. Quanto à solicitação de revisão do valor da Taxa de Coleta de Lixo, expôs que a taxa é cobrada em função da área do imóvel e não de seu valor venal. Dessa forma, votou por negar provimento ao Recurso Voluntário, sendo acompanhado pelos demais conselheiros da 2ª Câmara do TART. (2ª Câmara do TART, Processo nº , Relator: Conselheiro Fernando Vicenzi, Resolução nº 110/2009/2, julgado em 12 de novembro de 2009) APROVAÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO EM SEGUNDA FASE NÃO É IMPRESCINDÍVEL PARA CONCESSÃO DE ALÍQUOTA PREDIAL ESPECIAL A 2ª Câmara do Tribunal Administrativo de Recursos Tributários (TART) julgou, no dia 24 de novembro de 2009, Recurso Voluntário do contribuinte, onde este impugnava a decisão denegatória de sua reclamação em primeiro grau, dando-lhe provimento. O contribuinte, empresa imobiliária, postulava a alteração de alíquota territorial de 6% para alíquota predial especial de 0,95% sobre imóvel residencial, nos termos do art. 5º, 3º, inciso IV, da Lei Complementar Municipal nº 07/73, que determina o benefício de revisão de alíquota, desde que haja projeto arquitetônico de imóvel residencial devidamente aprovado pela Prefeitura Municipal de Porto Alegre (PMPA). Seu pedido foi indeferido, em primeira instância, com base em parecer técnico afirmativo de que o imóvel em questão não fora devidamente aprovado pela PMPA, tendo em vista ter sido licenciado e aprovado apenas em primeira fase. Diante do exposto, o contribuinte ingressou com Recurso Voluntário ao TART, alegando que a decisão proferida em primeiro grau não encontra respaldo na legislação vigente, uma vez que a lei não trata de aprovação em primeira ou segunda fase. A relatora, Conselheira Helena Terezinha do Amaral Gomes, pediu esclarecimentos à primeira instância quanto à necessidade de aprovação do projeto em segunda fase para a concessão de alíquota predial especial. Devido a divergências interpretativas, por parte de Agentes Fiscais, no que concerne à necessidade de aprovação do projeto em segunda fase para concessão da alíquota especial, a questão dependeu da publicação do Decreto nº , em 10 de novembro de 2009, o qual regulamenta a Lei Complementar nº 07/73 e, no seu art. 95, 9º, elucidou todas as dúvidas interpretativas presentes no litígio em questão, expondo que se entende por devidamente aprovado aquele projeto aprovado em todas as fases, ou aprovado em primeira fase - com a comunicação da conclusão das fundações à Prefeitura, ou o registro da incorporação do empreendimento no competente Cartório de Registro de Imóveis. Dessa forma, tendo o recorrente comprovado documentalmente possuir incorporação registrada no Cartório Imobiliário, além da aprovação do projeto do imóvel residencial em primeira fase, a

4 relatora votou por dar provimento ao Recurso Voluntário, sendo acompanhada pelos demais conselheiros da 2ª Câmara do TART. (2ª Câmara do TART, Processo nº , Relatora: Conselheira Helena Terezinha do Amaral Gomes, Resolução nº 112/2009/2, julgado em 24 de novembro de 2009) NÃO INCIDE IPTU SOBRE IMÓVEL UTILIZADO NA EXPLORAÇÃO AGROPASTORIL A 2ª Câmara do Tribunal Administrativo de Recursos Tributários (TART) julgou, no dia 22 de dezembro de 2009, Recurso Voluntário contra a decisão que indeferiu reclamação referente a Auto de Lançamento de Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) e Taxa de Coleta de Lixo (TCL), dando-lhe provimento. O contribuinte interpôs Recurso Voluntário ao TART em virtude do indeferimento, em primeira instância, do seu pedido de desconstituição dos lançamentos de IPTU e TCL para imóveis situados na 2ª Divisão Fiscal. O reclamante alegou, em primeiro grau, que parte da área constante nos lançamentos fora doada ao município e, portanto, deveria ser afastada dos lançamentos. Levantou, ainda, a questão do valor venal dos imóveis constantes na Prefeitura Municipal de Porto Alegre (PMPA), considerando imperiosa a necessidade de reconsideração destes com vistas a equipará-los aos valores venais fixados no registro do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Aduziu que tais imóveis estão localizados em área não urbana, o que leva, pois, à incidência de ITR, de competência da União, ao invés de IPTU, o qual pertence à esfera municipal. Ademais, afirmou que tendo em vista que é promovida, nas áreas em foco, a criação de gado, os imóveis ficam caracterizados como eminentemente rurais. O julgador monocrático indeferiu parcialmente a reclamação. No que concerne à doação de parte das áreas ao município, providenciou alterações cadastrais decorrentes dela. No que tange à revisão do valor venal, tal análise foi efetuada, inclusive com a implantação de redutores. Quanto ao suposto caráter rural dado pelo impugnante aos imóveis em tela, entendeu que o determinante para qualificação urbana é a localização do imóvel e não a sua utilização, sendo, pois, relevante a menção de que é realizada a criação de gado nas áreas em tela somente se estivessem localizadas na 3ª Divisão Fiscal, conforme Art 3º, 2º, da Lei Complementar 07/73. No TART, ao analisar o Recurso Voluntário, a Defensora da Fazenda manifestou-se no sentido de que ele deveria ser indeferido, lembrando que o Município de Porto Alegre era constituído por uma zona urbana, a qual era dividida em três divisões fiscais, e uma zona rural, contudo esta fragmentação da cidade foi alterada com a edição da Lei Complementar n.º 439/99, que trouxe novas regras para o desenvolvimento urbano, entres as quais a consideração da antiga zona rural como zona urbana e a sua inclusão na 3.ª Divisão Fiscal. Ressaltou que os imóveis do Recorrente estão localizados na macrozona denominada Corredor de Desenvolvimento, eminentemente urbana, incluída na 2.ª Divisão Fiscal e que nesta região há muito tempo estão presentes os melhoramentos mínimos elencados nos 1º e 2º do art. 32 do CTN. Aduziu ainda que a única hipótese de os imóveis não serem abrangidos pelo IPTU seria se eles estivessem localizados na 3ª Divisão Fiscal e fossem utilizados comprovadamente para exploração extrativa vegetal, produção agrícola, pecuária ou agroindustrial, conforme disposições do art. 3.º da Lei Complementar Municipal 07/73. O Relator, Conselheiro Ayres Cerutti, divergiu da posição da Defensora, afirmando que o determinante para incidência ou não de IPTU é a finalidade da área, sendo irrelevante sua localização fiscal, ou seja, se tais imóveis são utilizados para exploração extrativa vegetal, agrícola, pecuária ou agroindustrial, devem ser passíveis de tributação federal (ITR). Tendo se

5 comprovado por meio de laudos técnicos que as propriedades são utilizadas para tais fins, o conselheiro relator votou por dar provimento ao Recurso Voluntário. A Conselheira Cristina Lengler acompanhou o voto do relator, acrescentando que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) tem se posicionado pela consideração da finalidade dos imóveis para determinar incidência de IPTU ou ITR. Dos demais Conselheiros, apenas o Conselheiro Cláudio Lopes de Almeida foi de encontro à posição do relator, utilizando-se dos argumentos da Defensora da Fazenda para fundamentar sua posição, além de mencionar o art. 156 da Constituição, o qual dá liberdade aos municípios para disporem sobre impostos municipais. Diante do exposto, foi dado provimento ao Recurso Voluntário, por maioria dos Conselheiros da 2.ª Câmara do TART. (2.ª Câmara do TART, Processo n , Relator: Conselheiro Ayres Cerutti, Resolução n. 123/2009/2, julgado em 22 de dezembro de 2009) DEFERIDO PEDIDO DE ACOLHIMENTO DE RECLAMAÇÃO FISCAL CONTRA AUTO DE LANÇAMENTO DE ITBI A 2ª Câmara do Tribunal Administrativo de Recursos Tributários (TART) julgou, no dia 17 de dezembro de 2009, Recurso Voluntário contra decisão não acolhedora de reclamação fiscal, dando-lhe provimento. O contribuinte solicitou, inicialmente, pedido de imunidade tributária do ITBI, na transmissão de alguns imóveis em face de integralização de capital social na empresa, tendo por base legal o art. 156, 2º, da Constituição Federal, combinado com os artigos 36 e 37 do Código Tributário Nacional e art. 6º, inciso IV, da Lei Complementar Municipal nº 197/89. Tal solicitação foi analisada, e, posteriormente, deferido o pedido de imunidade do ITBI para as transmissões em tela. Nesta mesma oportunidade foi encaminhado Recurso de Ofício ao Tribunal Administrativo de Recursos Tributário (TART) nos termos do art. 62, inciso II, da Lei Complementar Municipal nº 07/73. A defensora da Fazenda, quando da análise do recurso, entendeu que a documentação apresentada pela recorrente continha divergências e estava incompleta, não possibilitando o exame necessário para o reconhecimento de imunidade pleiteado pela recorrente. Diante desta situação, requereu que fosse dado provimento ao recurso de ofício. No julgamento, que teve como relator o Conselheiro Daniel Letti Grazziotin, entendeu a 2ª Câmara, por unanimidade, dar provimento ao Recurso Oficial, nos termos do voto do Conselheiro Relator. Em face desta decisão, foi o contribuinte devidamente notificado e efetuada a lavratura do Auto de Lançamento de ITBI. O requerente, impugnando o Auto de Lançamento, protocolou Reclamação Fiscal, argumentando que a não apresentação da documentação relativa aos demonstrativos de resultados ocorreu dada a inexistência de renda dos imóveis, sendo sem sentido e desnecessário apresentar demonstrativos de resultados que não possuem saldo. Ademais, a reclamante juntou, na reclamação, cópias de todas as demonstrações contábeis dos períodos de análise de preponderância. Por fim, requereu o contribuinte que fosse revogado o Auto de Lançamento. O expediente foi apreciado pela Unidade de Contencioso, manifestando-se a Agente Fiscal responsável contra o reconhecimento de tal processo, sustentando que tal reclamação não teria amparo legal, tendo em vista que impugna a decisão de deferimento do Recurso de Ofício, feita pelo TART. A manifestação da Agente Fiscal foi acolhida pela Chefia da Unidade do Contencioso. Diante do exposto, o contribuinte interpôs Recurso Voluntário ao TART, argumentando que não estava recorrendo contra a decisão em sede de recurso de ofício, mas sim da lavratura do

6 próprio Auto de Lançamento, tendo por base legal o disposto no art. 62, inciso II, da Lei Complementar Municipal nº 07/73. Aduziu a recorrente que houve equívoco por parte da análise fiscal efetuada pela Unidade do Contencioso, considerando que a legislação supracitada contempla o direito de defesa do contribuinte ao facultar reclamação à Secretaria Municipal da Fazenda no prazo de 30 dias da notificação do lançamento ou lavratura do auto de infração. Requereu, portanto, que fosse dado provimento a sua manifestação a fim de que fosse conhecida pela Unidade do Contencioso a reclamação fiscal inicialmente apresentada. O relator, Conselheiro Cláudio Lopes de Almeida, votou pelo provimento do recurso, acolhendo, assim, a reclamação fiscal, salientando que a decisão de primeira instância não obedecera ao vazado na legislação municipal, devendo por tanto ser devolvido o expediente ao 1º grau para que este conheça e analise a Reclamação Fiscal protocolada pelo contribuinte. Desta forma, foi dado provimento ao recurso voluntário por decisão unânime dos conselheiros da 2ª Câmara do TART, nos termos do voto relator. (2ª Câmara do TART, Processo n , Relator: Conselheiro Cláudio Lopes de Almeida, Resolução n. 120/2009/2, julgado em 17 de dezembro de 2009) APROVAÇÃO DE PROJETO EM PRIMEIRA FASE É INSUFICIENTE PARA ENQUADRAMENTO DE IMÓVEL EM ALÍQUOTA ESPECIAL DE IPTU A 2ª Câmara do Tribunal Administrativo de Recursos Tributários (TART) julgou, no dia 08 de dezembro de 2009, Recurso Voluntário do contribuinte, onde este impugnava a decisão denegatória de sua reclamação em primeiro grau, negando-lhe provimento. O contribuinte solicitou o enquadramento de alíquota predial especial de IPTU para imóvel tendo por base legal o art. 5º, 3º, inciso IV, da Lei Complementar Municipal nº 07/73. O pedido foi indeferido, tendo em vista que para haver concessão de alíquota predial especial há duas hipóteses: a aprovação de projeto arquitetônico em 1ª e 2ª fases junto à Secretaria Municipal de Obras e Viação de Porto Alegre (SMOV) ou aprovação em 1ª fase aliada ou à comunicação de conclusão das fundações à Prefeitura ou ao registro da incorporação do empreendimento no competente Cartório de Registro de Imóveis. O parecer fiscal expôs que a requerente possuia apenas aprovação de projeto em 1ª fase, não tendo comunicado à Prefeitura a conclusão das fundações ou registrado a incorporação da construção no competente Cartório de Registro de Imóveis. Em face do indeferimento de sua solicitação, o contribuinte interpôs Recurso Voluntário ao TART solicitando o enquadramento dos imóveis na tributação com alíquota especial de 0,95% para IPTU e acrescentado que as fundações foram feitas posteriormente ao pedido devido à morosidade na liberação das obras por parte das inúmeras secretarias municipais. Fundamentado no parecer de primeira instância, o relator, Conselheiro Cláudio Lopes de Almeida, votou por negar provimento ao Recurso Voluntário, tendo sido acompanhado pela maioria dos conselheiros. Discordando da maioria, o Conselheiro Daniel Letti Grazziotin, acompanhado do Conselheiro Ayres Cerutti, trouxe ao seu voto a questão da necessidade de aprovação do projeto em segunda fase. Na sua concepção, uma vez aprovado em primeira fase, o que licencia o início das obras, o projeto está apto a seguir em frente, não tendo, pois, justificativa a necessidade de aprovação em etapa posterior para enquadramento do imóvel na alíquota especial. Ressaltou ainda que o processo de aprovação das obras deve ser tomado de maior celeridade, tendo em vista que sua morosidade atrapalha o seguimento das construções, impondo diversas burocracias desnecessárias. (2ª Câmara do TART, Processo n , Relator: Conselheiro Cláudio Lopes de Almeida, Resolução n. 116/2009/2, julgado em 08 de dezembro de 2009)

7 APLICAÇÃO DE ALÍQUOTA DE IPTU PREDIAL PARA IMÓVEL NÃO- RESIDENCIAL EXIGE APROVAÇÃO DO PROJETO DATADA DE 2007 A 2ª Câmara do Tribunal Administrativo de Recursos Tributários (TART) julgou, no dia 03 de dezembro de 2009, Recurso Voluntário do contribuinte, onde este impugnava a decisão denegatória de sua reclamação em primeiro grau, dando-lhe provimento. O contribuinte interpôs Recurso Voluntário ao TART em virtude do indeferimento, em primeira instância, do seu pedido de alteração de alíquota de IPTU territorial para alíquota de IPTU predial a partir do exercício de 2009, nos termos do art. 5º, 3º, inciso V, da Lei Complementar Municipal nº 07/73, acrescentado pela Lei Complementar Municipal nº 556/2006, o qual determina que em terreno, independente da Divisão Fiscal, para o qual exista projeto arquitetônico de imóvel não-residencial devidamente aprovado pela Prefeitura Municipal de Porto Alegre (PMPA), a alíquota a ser usada para cálculo de IPTU é de 1,20%. O recorrente, no presente recurso, requereu a reforma da decisão administrativa indeferitória para que lhe seja concedido o benefício fiscal da alíquota especial de acordo com o dispositivo normativo anteriormente mencionado. A relatora, Conselheira Andrea Maria da Silva Correa, compartilhou da decisão de primeiro grau, ressaltando que a alíquota de que trata o inciso V do art. 5º da Lei Complementar Municipal nº 07/73, somente incidi sobre imóveis com projetos aprovados a partir de 1º de janeiro de 2007, conforme dispõe o art. 13 da Lei Complementar Municipal nº 556/06. Devido ao projeto em questão ter sido aprovado em 2004, a aplicação de tal alíquota fica impossibilitada, tornando-se possível somente se o projeto passasse por uma nova aprovação junto à Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Enfatizou, ainda, que caso a recorrente atendesse às requisições normativas em questão, a alíquota de 1,20% só seria concedida para o ano de 2010, tendo em vista que a solicitação foi feita em 2009, o que permite a concessão tão-somente para o exercício financeiro seguinte. Diante do exposto, votou por negar provimento ao Recurso Voluntário, sendo acompanhada pelos demais conselheiros da 2ª Câmara do TART. (2ª Câmara do TART, Processo nº , Relatora: Conselheira Andrea Maria da Silva Correa, Resolução nº 114/2009/2, julgado em 03 de dezembro de 2009) CONTABILIDADE IMPRECISA LEVA A INDEFERIMENTO DE IMUNIDADE DE ITBI A 2ª Câmara do Tribunal Administrativo de Recursos Tributários (TART) julgou, no dia 10 de dezembro de 2009, Recurso Voluntário contra decisão que indeferiu pedido de imunidade de ITBI, negando-lhe provimento. O contribuinte ingressou com pedido de imunidade do imposto sobre transmissão de bens imóveis (ITBI) gerado pela integralização de alguns imóveis no capital social da pessoa jurídica, com fundamento no art. 6º, inciso IV, da Lei Complementar Municipal nº 197/89 e art. 156, 2º, da Constituição Federal. A Agente Fiscal, em primeira instância, após verificar, nas cópias de balanços contábeis apresentados pela empresa, a caracterização da atividade preponderante proveniente de locação de bens imóveis, propôs o indeferimento do pedido de imunidade, o qual foi acatado pela chefia da Unidade de Contencioso. Em face do exposto, o impugnante interpôs Reclamação Fiscal contestando a decisão de indeferimento do seu pleito e alegando que a maior parte da receita da empresa provinha outras atividades e serviços e não da locação de bens imóveis, como constatado pela Agente Fiscal. As questões apresentadas foram analisadas pelo fisco, que entendeu por indeferir a reclamação.

8 Motivada pelo indeferimento, a recorrente interpôs Recurso Voluntário ao TART, aduzindo equívocos por parte da análise fiscal efetuada pela Unidade do Contencioso, afirmando que a análise que deveria ter sido feita era a puramente técnico-contábil, devendo ser constatado contabilmente se havia ou não essa preponderância. Nesse sentido, a Fiscal deveria ter apontado um rendimento das receitas em seu parecer que, no entendimento da recorrente, foi muito superficial. O relator do processo, Conselheiro Cláudio Lopes de Almeida, utilizou-se do exame da Defensoria da Fazenda Municipal que, na averiguação do litígio em tela, direcionou-se para os balanços apresentados pela contribuinte. A Defensora verificou que havia discrepância entre as receitas apresentadas em sede de reclamação fiscal e as apresentadas no Recurso Voluntário, tendo em vista que houve mudanças nas suas codificações e respectivas denominações. Para reforçar sua posição, o relator apresentou como exemplo códigos de receitas que em primeira instância exibiam-se como provenientes de venda de ações e nos documentos apresentados no recurso referiam-se à receita multa sem aluguéis. Em face da imprecisão na contabilidade da recorrente, que apresentava diferentes valores em seus registros contábeis para mesmos períodos em análise, o relator votou por negar provimento ao recurso voluntário, sendo acompanhado pelos demais conselheiros da 2ª Câmara do TART. (2ª Câmara do TART, Processo n , Relator: Conselheiro Cláudio Lopes de Almeida, Resolução n 119/2009/2, julgado em 10 de dezembro de 2009) PREDOMÍNIO DA LOCAÇÃO DE IMÓVEIS NA RECEITA IMPEDE IMUNIDADE DE ITBI A 2ª Câmara do Tribunal Administrativo de Recursos Tributários (TART) julgou, no dia 26 de novembro de 2009, Recurso Voluntário contra decisão que indeferiu pedido de imunidade de ITBI, negando-lhe provimento. O contribuinte ingressou com pedido de reconhecimento de imunidade do Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) gerado pela integralização de alguns imóveis no capital social da pessoa jurídica com fundamento no art. 6º, inciso IV, da Lei Complementar Municipal nº 197/89 e art. 156, 2º, da Constituição Federal. Para análise do pedido de imunidade, foi intimado a apresentar os documentos necessários ao exame da preponderância de receita impeditiva do reconhecimento da imunidade (compra e venda de bens imóveis, locação de bens imóveis ou arrendamento mercantil) e, posteriormente, documentos contábeis relativos às empresas coligadas, as quais teriam dado origem à receita operacional da contribuinte. A solicitação foi analisada e resultou em parecer técnico que constatou, no exame dos documentos apresentados pela requerente, o registro de valores originados de lucros de empresas coligadas, a locação, a outras pessoas jurídicas, de muitos dos imóveis integralizados ao capital da solicitante, além de comprovação de que a receita operacional da empresa teve origem no recebimento de aluguéis. Com base no exposto, a Agente Fiscal entendeu que a receita preponderante da empresa, no período examinado, foi proveniente da locação de bens imóveis, o que caracteriza a atividade preponderante impeditiva do reconhecimento da imunidade do ITBI, razão pela qual o pedido de imunidade foi indeferido e, por conseguinte, lavrado o Auto de Lançamento de ITBI, com a ciência ao contribuinte. Em face do indeferimento, a recorrente ingressou com Recurso Voluntário ao TART pedindo a nulidade do Auto de Lançamento alegando que inexiste fato gerador de ITBI, posto que a transmissão imobiliária só se opera com o efetivo registro no cartório imobiliário, o que não ocorreu no presente caso. Aduziu, ainda, que, se existisse fato gerador, não seria possível fazer o lançamento, uma vez que, em seu entendimento, estaria decaído o direito de o fisco lançar o

9 tributo, tendo em vista que o prazo decadencial deveria ser contado em três anos a partir da ocorrência do fato gerador. Por fim, contestou a existência de atividade preponderante impeditiva do reconhecimento da imunidade do ITBI. A relatora, Conselheira Helena Terezinha do Amaral Gomes, votou por negar provimento ao Recurso Voluntário, sendo acompanhada pelos demais conselheiros. Sustentou sua posição indo ao encontro do parecer técnico que fixou o fato gerador em 15/12/2003 e estabeleceu o período de exame da preponderância de receita de 01 de janeiro de 2004 a 31 de dezembro de 2006, datando, em virtude disto, a decadência do prazo para lançamento do imposto em 01/01/2013. No que concerne à alegada inexistência de fato gerador de ITBI, expôs que o fato gerador surge não necessariamente com o registro de transmissão imobiliária no cartório, pois este é obrigação acessória, mas sim com a simples inserção no contrato social dos imóveis integralizados ao capital da pessoa jurídica, servindo esta inserção como formalização do título hábil a operar a transmissão, conforme art. 3º, inciso III, da Lei Complementar Municipal nº 197/1989. Quanto à atividade preponderante impeditiva, ressaltou que não há qualquer dúvida da sua existência, visto que a análise dos documentos apresentados pela recorrente mostra que suas atividades são consubstanciadas, em sua maior parte, na locação de bens imóveis. (2ª Câmara do TART, Processo n , Relatora: Conselheira Helena Terezinha do Amaral Gomes, Resolução n 113/2009/2, julgado em 26 de novembro de 2009) Tribunal Administrativo de Recursos Tributários da Secretaria Municipal da Fazenda - TART/SMF Endereço: Rua Uruguai, º andar Fone: (51) e (51) Este informativo foi elaborado a partir de notas tomadas nas sessões de julgamento das Câmaras e do Plenário do Tribunal Administrativo de Recursos Tributários do município de Porto Alegre (TART), consistindo em resumos não-oficiais de resoluções deste Colegiado.

SOCIEDADE CONSTITUÍDA SOB A FORMA LIMITADA POSSUI CARÁTER EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE LIMITADA DE SÓCIOS AFASTA TRIBUTAÇÃO PRIVILEGIADA DE ISSQN

SOCIEDADE CONSTITUÍDA SOB A FORMA LIMITADA POSSUI CARÁTER EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE LIMITADA DE SÓCIOS AFASTA TRIBUTAÇÃO PRIVILEGIADA DE ISSQN Porto Alegre, abril de 2011 Notícias 1ª Câmara SOCIEDADE CONSTITUÍDA SOB A FORMA LIMITADA POSSUI CARÁTER EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE LIMITADA DE SÓCIOS AFASTA TRIBUTAÇÃO PRIVILEGIADA DE ISSQN DESCONSTITUÍDO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS CONSELHO MUNICIPAL DE TRIBUTOS RELATÓRIO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS CONSELHO MUNICIPAL DE TRIBUTOS RELATÓRIO DECISÃO PARADIGMÁTICA NÚMERO 1.000.013 Folha 1 / 10 RELATÓRIO Trata-se de Recurso Ordinário tempestivamente interposto em face do despacho de 1ª instância administrativa, que indeferiu a impugnação do

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013.

PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. PORTARIA GSF N 38/2013 Teresina (PI), 10 de junho de 2013. Publicado no DOM n 1.528, de 14.06.2013 Dispõe sobre procedimentos para solicitações referentes ao Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU,

Leia mais

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais, o valor da Unidade Financeira Municipal (UFM) e os preços do metro quadrado de terrenos

Leia mais

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.480, DE 6 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais para o exercício de 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no uso das atribuições

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - LEI COMPLEMENTAR N 490/13 DE 11 DE ABRIL DE 2013

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - LEI COMPLEMENTAR N 490/13 DE 11 DE ABRIL DE 2013 PUBLICADO (A) NO JORNAL ~~1~J.. ~~e 14~:fâ LEI COMPLEMENTAR N 490/13 DE 11 DE ABRIL DE 2013 Institui Programa de Incentivo Tributário para empreendimentos habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida

Leia mais

Publicado no Diário Oficial n o 4.412, de 10 de julho de 2015 1

Publicado no Diário Oficial n o 4.412, de 10 de julho de 2015 1 Publicado no Diário Oficial n o 4.412, de 10 de julho de 2015 1 ACÓRDÃO N o : 074/2015 REEXAME NECESSÁRIO N o : 3.393 PROCESSO N o : 2013/6860/501499 AUTO DE INFRAÇÃO N o : 2013/002475 SUJEITO PASSIVO:

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETO Nº 13.346, DE 24 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta a Lei Complementar nº 4.403, de 5 de junho de 2013, que Estabelece obrigação de uso do sistema ITBI

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. Processo nº 10950.000992/2007-74. Recurso nº 148.951

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. Processo nº 10950.000992/2007-74. Recurso nº 148.951 MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10950.000992/2007-74 Recurso nº 148.951 Matéria IOF - Base de Cálculo e Decadência Acórdão nº 201-81.317 Sessão de 08

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Município Beta instituiu por meio de lei complementar, publicada em 28 de dezembro de 2012, Taxa de Iluminação Pública (TIP). A lei complementar previa que os proprietários

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Conselho de Contribuintes

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Conselho de Contribuintes PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 18 / 12 / 2014 Fls.: 13 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Processo nº E-04 / 082.025/2012 Rubrica: ID:42833175 Sessão de 15 de outubro de 2014 SEGUNDA CÂMARA RECURSO Nº

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR.

NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR. NOTA TÉCNICA Nº 15/2013 Brasília, 4 de abril de 2013. ÁREA: TÍTULO: Finanças/tributação VALOR DA TERRA NUA PARA FINS DE RECOLHIMENTO DO IMPOSTO TERRITORIAL RURAL - ITR. REFERÊNCIA: Convênio de 100% do

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

Portaria CAT 29, de 4.3.2011.

Portaria CAT 29, de 4.3.2011. Portaria CAT 29, de 4.3.2011. LEGISLAÇÃO ESTADUAL (Diário Oficial do Estado de São Paulo) Portaria COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAT/SP nº 29, de 04.03.2011 D.O.E.: 05.03.2011.

Leia mais

CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO - CONAT CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS- CRT

CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO - CONAT CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS- CRT .-...- _.\ (Q~' Processo n 1/4246/2006 ~ CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS- CRT RESOLUÇÃO N ~ 50 /2010 2 8 CÂMARA DE JULGAMENTO 144 8 SESSÃO ORDINÁRIA EM: 03/09/2010 PROCESSO N 1/4246/2006 AUTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS

SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS ESTADO" DO CEARÁ RESOLUÇÃO N. 4VIS /2007 1a CÂMARA DE JULGAMENTO 76 a SESSÃO DE: 18.04.2007 PROCESSO N. 1/002917/2002 AUTO DE JNFRAÇÃO N 1/200210491 RECORRENTE: DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS FREIRE RECORRIDO:

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO

PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO ELABORAÇÃO: COMISSÃO DO CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO Presidente Antonio Augusto Silva Pereira de Carvalho Coordenador

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS A.l: 1/200310806 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO N 671/2005 la CÂMARA SESSÃO DE 20/09/2005 PROCESSO DE RECURSO N 1/000273/2004 AUTO DE INFRAÇÃO: 1/200310806

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social Conselho Pleno

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social Conselho Pleno Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social Conselho Pleno Nº de Protocolo do Recurso: 36994.001921/2010-71 Unidade de Origem: APS Alfenas/GEX Varginha/MG Documento: 42/150.380.270-9

Leia mais

AÇÕES DE MELHORIA NA COBRANÇA DO IPTU E DO ITBI

AÇÕES DE MELHORIA NA COBRANÇA DO IPTU E DO ITBI AÇÕES DE MELHORIA NA COBRANÇA DO IPTU E DO ITBI SEGUNDO SEMINÁRIO DE GESTÃO E ARRECADAÇÃO MUNICIPAL AMM - 2014 PROFESSOR FRANCISCO RAMOS MANGIERI PALESTRANTE DA EMPRESA TRIBUTO MUNICIPAL WWW.TRIBUTOMUNICIPAL.COM.BR

Leia mais

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014.

Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. DECRETO Nº 39680 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta os incentivos e benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 038/2012 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 8.050 PROCESSO

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 22/12/2015 ATENÇÃO 1 Declaração de Imunidade Tributária Municipal deve ser enviada até 31.12.2015 Nos termos da Instrução Normativa nº 07/2015 da Secretaria

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 29/11/2011 Recolhimento Espontâneo 001 Quais os acréscimos legais que incidirão no caso de pagamento espontâneo de imposto ou contribuição administrado pela Secretaria da Receita

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos.

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. Fls. 231 nfls txtfls230 Old MINISTÉRIO DA FAZENDA TERCEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10245.000475/92-13 Recurso nº 130.698 De Ofício Matéria ADMISSÃO TEMPORÁRIA Acórdão nº 301-34.185

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS PROC.: 1/004275/2005 I ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃON obs/2008 la CÂMARA SESSÃODE 23/11/2007 PROCESSODE RECURSO N 1/004275/2005 AUTO DE INFRAÇÃO: 1/200517776

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CODÓ ESTADO DO MARANHÃO LEI Nº 1552, DE 18 DE AGOSTO DE 2011. Disciplina a dação em pagamento de obras, serviços e bem móvel como forma de extinção da obrigação tributária no Município de Codó, prevista no inciso XI do artigo

Leia mais

GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda, CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTARIO CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS

GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda, CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTARIO CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS "'.- GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda, CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTARIO CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS Resolução N ~1168 Sessão: 211 a Ordinária de 12 de Novembro de 2007. Processo

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO Nº 539432/2012-3 Nº DE ORDEM 0095/2013-CRF ITCD OS 2307/2012 1ª URT RECURSO EX OFFICIO RECORRENTE

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 17 DE SETEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 19.09.07. Retificação no DOE(Pa) de 25.09.07. Institui a Declaração de Bens e Direitos, relativa ao Imposto sobre Transmissão

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 14.784/02/2 a Impugnação: 40.010105525-11 Impugnante: Gafor Ltda. Proc. do Suj. Passivo: João Batista Julião/Outro PTA/AI: 01.000138918-70 Inscrição Estadual: 518.058253.00-10 Origem: AF/III/Poços

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em 2003, João ingressou como sócio da sociedade D Ltda. Como já trabalhava em outro local, João preferiu não participar da administração da sociedade. Em janeiro

Leia mais

EsTADO DO CEARÁ Secretaria,la Fazellda, CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTARIOS

EsTADO DO CEARÁ Secretaria,la Fazellda, CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTARIOS Processo de Recurso no 1/2490/2009 AlIto de Infração n' 1/200905627 e GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria,la Fazellda, CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTARIOS 115 RESOLUÇÃO N0 \.~ I ~ 10 2" CÂMARA SESSÃO DE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 158/2012 REEXAME EXAME NECESSÁRIO N o : 3.163

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA Contencioso Administrativo Tributário Conselho de RecursosTributários 1a Câmara de Julgamento

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA Contencioso Administrativo Tributário Conselho de RecursosTributários 1a Câmara de Julgamento / I PROCESSO: 1/1115/2006 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA Contencioso Administrativo Tributário Conselho de RecursosTributários 1a Câmara de Julgamento ReSOlução N0. 15f'/2007 Sessão: 34a Sessão

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES TERCEIRA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES TERCEIRA CÂMARA Recurso nº : 143.367 Matéria : CSLL Ex(s): 2000 Recorrente : UNIMED FRUTAL COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA. Recorrida : 1ª TURMA/DRJ-JUIZ DE FORA/MG Sessão de : 22 de setembro de 2006 COOPERATIVA DE

Leia mais

Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto

Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO N J.G G I~ot) 3 r CÂMARA DE JULGAMENTO SESSÃO DE: 28/03/2003 ( 59 8 SESSÃO) PROCESSO DE RECURSO N 1/0184/2001 AUTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES. - Junta de Revisão Fiscal

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES. - Junta de Revisão Fiscal PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de / / Fls. Processo n.º: E-04/897.015/1999 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 07 de Novembro de 2000 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO N.º

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 113 1

LEI COMPLEMENTAR Nº 113 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 113 1 Institui a Taxa de Coleta de Lixo no Município de Porto Alegre e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006

RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006 PROC: 1/004193/2004 \ AL: 1/200410475 ESTADO DO CEARA SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006 PROCESSO DE RECURSO N 1/004193/2004 AUTO

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, Registro: 2012.0000257965 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIOTRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 074/2013 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 8.125 PROCESSO

Leia mais

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia

Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Instrução Normativa 004 de 16 de maio de 2005 da Bahia Publicado no D.O.E. de 17 de maio de 2005. Orienta os órgãos da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, quanto à incorporação de imóveis

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA FORMALIZAR PROCESSOS 01) ALTERAÇÃO DE DADOS NO CADASTRO IMOBILIÁRIO FISCAL ; - Registro do imóvel (emissão com menos de 1 ano); - CPF e identidade do titular ou dos sócios

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.046/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000010983-80 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.046/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000010983-80 Impugnação: 40. Acórdão: 21.046/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000010983-80 Impugnação: 40.010132737-95 Impugnante: Coobrigado: Origem: EMENTA Márcia Vieira Bossi CPF: 037.530.096-10 Máximo Agostinho Bossi CPF: 000.362.506-00

Leia mais

PORTARIA Nº 135/GSER

PORTARIA Nº 135/GSER PORTARIA Nº 135/GSER João Pessoa, 9 de junho de 2015. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA RECEITA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 3º, inciso VIII, alíneas a e g, da Lei nº 8.186, de 16 de março de

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc...

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc... Processo nº 0126452009-3 Acórdão nº 059/2012 Recurso HIE/VOL/CRF-427/2010 1ª RECORRENTE: GERÊNCIA EXECUTIVA DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS GEJUP 1ª RECORRIDA: LOJAS PRIMAVERA COMÉRCIO DE MÓVEIS LTDA.

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.242/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000013787-06

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.242/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000013787-06 Acórdão: 21.242/13/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000013787-06 Impugnação: Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA 40.010134004-28, 40.010134005-92 (Coob.) Michele de Paula Assis CPF: 055.137.026-22

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos.

Vistos, relatados e discutidos os presentes autos. MINISTÉRIO DA FAZENDA TERCEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES TERCEIRA CÂMARA Processo nº : 10183.004040/00-66 Recurso nº : 129.802 Sessão de : 25 de maio de 2006 Recorrente : FRENOVA AGROPECUÁRIA LTDA. Recorrida

Leia mais

SUSY GOMES HOFFMANN Presidente da Câmara em Exercício. LUIZ ROBERTO DOMINGO Relator

SUSY GOMES HOFFMANN Presidente da Câmara em Exercício. LUIZ ROBERTO DOMINGO Relator ACÓRDÃO 301-34.775 Órgão 3º Conselho de Contribuintes - 1a. Câmara Assunto: Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural - ITR IMPOSTO TERRITORIAL RURAL. Exercício: 2000 ITR - PRESERVAÇÃO PERMANENTE -

Leia mais

CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL

CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL CURSO SOBRE TRIBUTAÇÃO MUNICIPAL PANORAMA DO SISTEMA TRIBUTÁRIO MUNICIPAL FUNÇÃO DOS TRIBUTOS FUNÇÃO FISCAL OU ARRECADATÓRIA; FUNÇÃO EXTRAFISCAL OU REGULATÓRIA NECESSIDADE ARRECADATÓRIA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS

Leia mais

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada*

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* Como se sabe, em decorrência das disputas entre Estados e Municípios na partilha de impostos, o legislador constituinte de 1988 cindiu o

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC Lançamento 1-(FCC - 2012 - Prefeitura de São Paulo - SP - Auditor Fiscal do Município) Um contribuinte do Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU possuía

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL INCENTIVO FISCAL. Lei Complementar 405/07

ESTADO DE SÃO PAULO - BRASIL INCENTIVO FISCAL. Lei Complementar 405/07 INCENTIVO FISCAL Lei Complementar 405/07 REQUISITOS EXIGIDOS PARA OBTENÇÃO E CONCESSÃO DO BENEFÍCIO Do beneficiário: Regularidade fiscal no âmbito municipal da empresa e dos sócios; Quitação integral de

Leia mais

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título.

O contribuinte do IPTU é o proprietário do imóvel, o titular do seu domínio útil ou o seu possuidor, a qualquer título. IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO IPTU FATO GERADOR E INCIDÊNCIA O Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU tem como fato gerador a propriedade, o domínio útil ou posse de todo e qualquer bem imóvel

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A sociedade empresária XYZ Ltda., citada em execução fiscal promovida pelo município para a cobrança de crédito tributário de ISSQN, realizou depósito integral e

Leia mais

Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06)

Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06) Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06) Introduz alterações no Decreto nº 16106, de 30 de novembro de 1994, que regulamenta a Lei nº 657, de 25 de janeiro de 1994 e consolida a legislação referente ao processo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 872/2009 Disciplina a dação de bens imóveis como forma de extinção da obrigação tributária no município de Juranda,, prevista no inciso XI do artigo 156 do Código Tributário Nacional, acrescido

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 10/02/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 805.859 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SMF Nº 2835 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2015 Disciplina os procedimentos referentes aos benefícios fiscais instituídos pela Lei nº 5.780, de 22 de julho de 2014. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEGUNDA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEGUNDA CÂMARA MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEGUNDA CÂMARA Processo nº : 11080.002645/00-42 Recurso nº : 144.361 Matéria : IRPF - EX.: 1998 Recorrente : TÂNIA REGINA ESTEVES MARQUES Recorrida

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO Nº : 0213/2013-CRF PAT Nº : 0535/2013-6ªURT RECURSO : EX OFFICIO RECORRENTE : SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO/RN RECORRIDO

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social Conselho Pleno

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social Conselho Pleno Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social Conselho Pleno Protocolo: 35475.000930/2013-94 Tipo do Processo: Benefício Unidade de Origem: APS Jaú/SP Nº de Protocolo do Recurso:

Leia mais

FACULDADE SUL BRASIL FASUL COORDENAÇÃO DE POS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PAP

FACULDADE SUL BRASIL FASUL COORDENAÇÃO DE POS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PAP FACULDADE SUL BRASIL FASUL COORDENAÇÃO DE POS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PAP CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM DIREITO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL DIREITO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL 12 h/a 1. Noções

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEXTA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEXTA CÂMARA Processo n : 10680.009868/00-54 Recurso n : 143.694 Matéria : IRPF - Ex(s): 1998 Recorrente : WALBER BRAGA Recorrida : 5ª TURMA/DRJ em BELO HORIZONTE MG Sessão de : 26 DE JANEIRO DE 2006 Acórdão n : 106-15.272

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO MUNICIPIO DE RIO DE JANEIRO

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO MUNICIPIO DE RIO DE JANEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO MUNICIPIO DE RIO DE JANEIRO RECURSO VOLUNTÁRIO Nº 10.995 Recorrente: CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - CAARJ Recorrido: COORDENADOR DA COORDENADORIA

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação. Art. 111. Interpreta-se literalmente a legislação tributária que disponha sobre:

Coordenação-Geral de Tributação. Art. 111. Interpreta-se literalmente a legislação tributária que disponha sobre: Fl. 27 Fls. 16 15 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 18 - Data 30 de julho de 2014 Origem DRF/DIVINOPÓLIS Assunto: Processo Administrativo Fiscal Ementa: Com base no art. 39

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº. : 10882.003153/2003-35 Recurso nº. : 141.738 Matéria : IRPJ - Ex: 1988 Recorrente : INDÚSTRIAS ANHEMBI S/A Recorrida

Leia mais

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique:

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique: Prezados Leitores: A publicação Nota Tributária # Conselho Municipal de Tributos de São Paulo tem por objetivo atualizar nossos clientes e demais interessados sobre os principais assuntos que estão sendo

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.365/11/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000165296-41 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.365/11/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000165296-41 Impugnação: 40. Acórdão: 20.365/11/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000165296-41 Impugnação: 40.010127511-54 Impugnante: Origem: EMENTA Alessandro de Oliveira Guerra IE: 011958516.00-46 DF/Governador Valadares MERCADORIA ENTRADA,

Leia mais

RECURSO Nº - 52.021 ACORDÃO Nº 12.632

RECURSO Nº - 52.021 ACORDÃO Nº 12.632 PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 23 / 06 / 2014 Fls.: 04 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Sessão de 03 de junho de 2014 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO Nº - 52.021 ACORDÃO Nº 12.632 INSCRIÇÃO ESTADUAL Nº - 99.199.130

Leia mais

GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda Contencioso Administrativo Tributário Conselho De Recursos Tributários 2" Câmara

GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda Contencioso Administrativo Tributário Conselho De Recursos Tributários 2 Câmara GoVERNO DO EsTADO DO CEARÁ Secretaria da Fazenda Contencioso Administrativo Tributário Conselho De Recursos Tributários 2" Câmara RESOLUÇÃO N?>3 12012 214 8 SESSÃO ORDINÁRIA DE 17.11.2011 PROCESSO DE RECURSO

Leia mais

ACÓRDÃO 001/2011. Irresignada, a Recorrente interpôs defesa administrativa, que sob mesmo fundamento, foi negada pela instância originária.

ACÓRDÃO 001/2011. Irresignada, a Recorrente interpôs defesa administrativa, que sob mesmo fundamento, foi negada pela instância originária. 1 ACÓRDÃO 001/2011 Processo: 11022 /2011 Requerente: Sbardecar Comercial Sbardelotto de Carros Ltda Assunto: Recurso Voluntário- ITBI Ementa: ITBI. Não incidência. Lapso temporal. Atividade preponderante.

Leia mais

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO.

DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. DOCUMENTOS SAC 1. INSCRIÇÃO NO CAU - CADASTRO ÚNICO DO MUNICÍPIO. PESSOA JURÍDICA: a) instrumento de constituição primitivo e respectivas alterações, se houver, admitindo-se a Última alteração quando consolidada,

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc...

Vistos, relatados e discutidos os autos deste Processo, etc... Acórdão nº 272/2010 Recurso VOL/CRF-384/2009 Recorrente : TRANSPORTADORA JPN LTDA. Recorrida : GERÊNCIA EXECUTIVO DE JULGAMENTO DE PROCESSOS FISCAIS. Preparadora : COLETORIA ESTADUAL DE ALHANDRA. Autuante

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.263/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000170049-08 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.263/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000170049-08 Impugnação: 40. Acórdão: 20.263/11/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000170049-08 Impugnação: 40.010130113-59 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Reipel Comercial Ltda IE: 702765776.00-10 Luciomar Alves de Oliveira/Outro

Leia mais

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro APELAÇÃO CÍVEL N. 638896-9, DA COMARCA DE LONDRINA 2.ª VARA CÍVEL RELATOR : DESEMBARGADOR Francisco Pinto RABELLO FILHO APELANTE : MUNICÍPIO DE LONDRINA APELADO : ALESSANDRO VICTORELLI Execução fiscal

Leia mais

CÍVEL Nº 70046905287 COMARCA DE PORTO ALEGRE EURO PARTICIPACOES LTDA. MUNICIPIO DE PORTO ALEGRE

CÍVEL Nº 70046905287 COMARCA DE PORTO ALEGRE EURO PARTICIPACOES LTDA. MUNICIPIO DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO. DIREITO TRIBUTÁRIO. ITBI. LEI MUNICIPAL N. 197/1989. ALÍQUOTAS DIFERENCIADAS EM RAZÃO DE BENEFÍCIO FISCAL. AUSÊNCIA DE PROGRESSIVIDADE. A previsão contida na lei municipal de alíquotas diferenciadas

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DA BAHIA PROCESSO- A.I. Nº 210365.0006/00-5 RECORRENTE- JEQUITAIA TECIDOS LTDA.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DA BAHIA PROCESSO- A.I. Nº 210365.0006/00-5 RECORRENTE- JEQUITAIA TECIDOS LTDA. CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DA BAHIA PROCESSO- A.I. Nº 210365.0006/00-5 RECORRENTE- JEQUITAIA TECIDOS LTDA. RECORRIDA- FAZENDA PUBLICA ESTADUAL RECURSO- RECURSO VOLUNTARIO - ACÓRDAO 2ª JJF Nº 0242/01

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.923/13/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000012838-29 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.923/13/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000012838-29 Impugnação: 40. Acórdão: 20.923/13/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 15.000012838-29 Impugnação: 40.010133608-17 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Edmar Gomes de Britto CPF: 147.005.816-20 Edvardo Luz de Almeida DFT/Teófilo

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007)

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) Acrescenta 1º e 2º ao art. 45 do Decreto n.º 70.235, de 6 de março de 1972, para vedar a

Leia mais

Questões Controvertidas do ITBI.

Questões Controvertidas do ITBI. FESDT Fundação Escola Superior de Direito Tributário 2011 X Congresso Direito Tributário em Questão Questões Controvertidas do ITBI. Ígor Danilevicz 1 /07/2011 (8h) ITBI ou ITIV? EC 1/69 Art. 23. Compete

Leia mais

VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05.

VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05. VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05. INTERESSADOS: Edifício Master Tower Ibirapuera, Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S.A. - AES Eletropaulo, Agência Reguladora de Saneamento e Energia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA FAZENDA CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO-TRIBUTÁRIO CONSELHO DE CONTRIBUINTES E RECURSOS FISCAIS ACÓRDÃO N o : 110/2011 RECURSO VOLUNTÁRIO N o : 7.968 PROCESSO N

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em março de 2014, o Estado A instituiu, por meio de decreto, taxa de serviço de segurança devida pelas pessoas jurídicas com sede naquele Estado, com base de cálculo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES JUNTA DE REVISÃO FISCAL

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES JUNTA DE REVISÃO FISCAL PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 20/07/2010 Fls. 08 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 08 de dezembro de 2009 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO Nº - 36.007 (26.807) ACÓRDÃO

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS A.I.: 2/200507655 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO N 4! G /2006 2 8 CÂMARA SESSÃO DE 22/08/06 PROCESSO DE RECURSO N 1/002532/2005 AUTO DE INFRAÇÃO: 2/200507655

Leia mais

Sumário. Prefácio. Capítulo 1 Aspectos constitucionais dos tributos municipais 1

Sumário. Prefácio. Capítulo 1 Aspectos constitucionais dos tributos municipais 1 Prefácio XV Capítulo 1 Aspectos constitucionais dos tributos municipais 1 1 Princípios gerais constitucionais 1 2 Limitações constitucionais ao poder de tributar dos Municípios 12 3 Substituição tributária

Leia mais

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Kiyoshi Harada* Grassa séria controvérsia doutrinária e jurisprudencial quanto à questão de saber se incide ou não o

Leia mais

Desobrigado do Recurso Hierárquico, na expressão do artigo 730, 1, inciso II, do RICMS, aprovado pelo Decreto nº 18.930/97.

Desobrigado do Recurso Hierárquico, na expressão do artigo 730, 1, inciso II, do RICMS, aprovado pelo Decreto nº 18.930/97. Processo nº 1049402010-5 Acórdão 041/2013 Recurso HIE/CRF- nº 143/2011 RECORRENTE : GERÊNCIA EXEC. DE JULG. DE PROC. FISCAIS GEJUP RECORRIDA : TRANSPORTES REAL LTDA. PREPARADORA: RECEBEDORIA DE RENDAS

Leia mais

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Eletrônico nº. 24/2008

Apreciação de Recurso Administrativo Pregão Eletrônico nº. 24/2008 Processo: A 08/376 Interessado: Gerência de Recursos Humanos Assunto: Contratação de Empresa Especializada em administração, gerenciamento, emissão, distribuição e fornecimento de documentos de legitimação,

Leia mais

EMENTA: ICMS. IMUNIDADE FISCAL.

EMENTA: ICMS. IMUNIDADE FISCAL. 1 RESOLUÇÃO N )0'" / 2008 1 ao CÂMARA SESSÃO DE: 22 /01 / 2008 PROCESSO DE RECURSO N 1/4535/2006 AUTO DE INFRAÇÃO: 2/200605772-4 RECORRENTE: JOSÉ CARLOS DE CASTRO. RECORRIDO: CÉLULA DE JULGAMENTO DE 1

Leia mais