Checklist Preliminar da Fauna de Peixes da Ordem Characiformes da Bacia do Rio São Mateus, Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Checklist Preliminar da Fauna de Peixes da Ordem Characiformes da Bacia do Rio São Mateus, Brasil"

Transcrição

1 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA Checklist Preliminar da Fauna de Peixes da Ordem Characiformes da Bacia do Rio São Mateus, Brasil I. M. Mazzini 1, 2* ; L. F. Duboc 1, 3 & L. F. Ingenito 1, 4 1 Centro Universitário Norte do Espírito Santo CEUNES/UFES Rodovia BR 101 Norte. Bairro Litorâneo, , São Mateus, ES, Brasil 2 Acadêmica em Ciências Biológicas Licenciatura 3 Professor adjunto no CEUNES/UFES 4 Bolsista DCR FAPES/CNPq * para correspondência: Introdução O Brasil destaca-se pela riqueza e diversidade de sua fauna de peixes. Esta fauna está entre as de maior biodiversidade do mundo, possuindo em torno de 39 famílias, 517 gêneros válidos e mais de espécies, sendo este valor referindo-se apenas às espécies exclusivamente dulciaquícolas. Este elevado número de espécies reflete não apenas a grande diversidade existente nas bacias hidrográficas tropicais e subtropicais da região Neotropical, na qual o Brasil está inserido, como também no constante e significativo aumento do conhecimento sobre a ictiofauna brasileira (Buckup et al., 2007). A diversidade de espécies existentes de peixes de água doce, ainda não está completamente esclarecida, sendo que o número de espécies conhecidas continua a aumentar significativamente, no que se estima que aproximadamente 35-40% das espécies de peixes estejam por serem descritas. Calcula-se que a fauna de peixes de água doce da América do Sul e Central cheguem a um total de espécies, representando cerca de 25% de toda a biodiversidade de peixes mundial (Vari & Malabarba, 1998; Schaeffer, 1998; Reis et al., 2003; Buckup et al., 2007). A Mata Atlântica é um dos ecossistemas mais diversos do mundo e designado como Patrimônio da Humanidade pela ONU, pois poucos locais na Terra abrigam tanta diversidade de espécies, muitas das quais ainda nem foram descobertas e descritas pela ciência (Duboc & Abilhoa, 2003). Apesar da escassez de informações sobre a sistemática, distribuição e aspectos ecológicos dos peixes da Mata Atlântica do Brasil, o estado de ameaças e destruições das florestas é bem conhecido e é considerada umadas principais causas da eliminação desta (Meyer et al., 2007), havendo ainda muito o que ser estudadonestes ambientes (Castro & Menezes, 1998; Conservation International do Brasil, 2000). Não apenasna Mata Atlântica, mas em toda a América do Sul, é possível que 329

2 330 MAZZINI ET AL.: CHARACIFORMES DA BACIA DO RIO SÃO MATEUS algumas espécies estejam em processode extinção mesmo antes de serem descritas e muitas outras, talvez, já tenham se extinguido antes mesmoque a comunidade científica pudera conhecer (Buckup et al., 2007). Assim como nos demais continentes, exceto Austrália, a esmagadora maioria das espécies pertenceao grupo Ostariophysi (2.099 spp.) e está distribuída nas ordens Siluriformes (1.056 spp.), Characiformes(948 spp.) e Gymnotiformes (95 spp.) (Buckup, 2007). Peixes da ordem Characiformes, comosupracitado, formam um dos grupos dominantes entre os peixes de água doce da América do Sul, a qualconsiste de linhagens muito distintas. Isto favorece a diversificação de suas famílias, tendendo àcomplexidade dos indivíduos que a compõem, sendo a família Characidae a maior (597 spp.) e maiscomplexa e com maior diversidade dentro desta ordem (Fowler, 1948; Vari & Malabarba, 1998;Britski et al., 1999; Reis et al., 2003; Buckup, 2007). Characiformes é uma grande e diversificada ordem de peixes de água doce com muitos gêneros eespécies, a maioria sendo encontrada na América do Sul, Central e África, pertencentes à enorme eamplamente distribuída superordem Ostariophysi (Menezes et al., 2007). A classificação deste grandeconjunto de espécies pouco conhecidas, com grande diversidade morfológica e onde a evoluçãoconvergente é comum, sofreu e ainda hoje sofre, diversas alterações. No entanto, há a necessidade de muitomais trabalho para estabelecer relações filogenéticas dentro desse complexo de espécies. (Nelson, 2006).Vari & Malabarba (1980) sugerem que o número de espécies de Characiformes poderia aumentar em 1.300para espécies. Com respeito à área de estudo, a bacia do rio São Mateus possui cerca de km², sendo 7.710km2 no estado do Espírito Santo e km² no estado de Minas Gerais, situada em importante região damata Atlântica. Suas nascentes se localizam em Minas Gerais, a cerca de 1000 m de altitude, e ao longo doseu curso abrange 25 municípios, dos quais 11 estão situadas no estado do Espírito Santo. O rio é formado por dois braços, além de seusafluentes, o rio Cotaxé (ou Braço Norte, cuja nascente se localiza em Ouro Verde), com 244 km de extensãoe o rio Cricaré (ou Braço Sul, com nascente localizada em Itajubinha), com 188 km. A união desses doisrios dentro do município de São Mateus é o que justifica o seu nome (Prefeitura Municipal de São Mateus,2013; ANA, 2009). A partir do levantamento da ictiofauna total do Espírito Santo, foram registrados 398 gêneros eaproximadamente 700 espécies, distribuídas em 50 municípios do estado (Vieira & Vieira, 2007),porém, a maioria desses registros referem-se às espécies marinhas e aos maiores rios, como o rio Doce,observando-se muitas áreas deficientes na amostragem da

3 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA ictiofauna no estado. A região norte do Estado,próximo à divisa com a Bahia, está entre as maiores lacunas de conhecimento ictiofaunístico de água doce,exatamente onde se situa a bacia do rio São Mateus, a segunda maior do estado (Sarmento Soares & Martins- Pinheiro, 2008). Esta afirmativa reforça a ideia de que pesquisas e estudos nesta áreadevem ser intensificados pois há a probabilidade de se encontrar novas espécies, sendo esta baciapouco conhecida, quanto à sua ecologia, sistemática, biogeografia, evolução, entre muitos outros fatores. Este estudo tem por intenção realizar o levantamento ictiofaunístico preliminar da ordem Characiformes na bacia do rio São Mateus, identificando a ocorrência de possíveis espécies novas. Material e Métodos O checklist dos peixes do rio São Mateus, com ênfase na ordem Characiformes, está sendo realizado através de amostragens em diferentes pontos e afluentes do rio São Mateus e também através de consultas às coleções ictiológicas brasileiras que contenham exemplares disponíveis de peixes já coletados nesta bacia. As coletas têm sido realizadas através do uso de redes de espera, redes de arrasto manuais, tarrafas, peneiras, puçás e pesca elétrica. Os exemplares coletados estão sendo fixados em solução de formaldeído 4%, etiquetados e estocados dentro de sacos plásticos, que por sua vez são armazenados dentro de bombonas plásticas ainda em campo. Durante as expedições, foram anotados em fichas de campo todos os dados possíveis sobre o ponto de amostragem, incluindo as coordenadas geográficas obtidas por georreferenciamento através de GPS. Em laboratório, os exemplares coletados estão sendo passados para solução de álcool 70% onde permanecerão preservados permanentemente. Ainda em laboratório, os exemplares até hoje coletados, foram triados e identificados ao menor nível taxonômico possível com o auxílio da literatura disponível e consultas aos especialistas. A identificação foi realizada com o auxílio de microscópico esteroscópico Leica EZ x e paquímetro digital com precisão de 0,01 mm. Finalizada esta etapa, os lotes estão sendo armazenados em potes de vidro de diferentes tamanhos, comportando a quantidade de espécies coletadas, sendo identificadas através de etiquetas de papel vegetal escritas à mão utilizando canetas de pigmento preto à prova d água, constando o nome da espécie, o nome do identificador, data da identificação e quantidade de exemplares dentro do vidro. Finalizando o processo, os lotes foram catalogados e depositados na coleção de referência 331

4 332 MAZZINI ET AL.: CHARACIFORMES DA BACIA DO RIO SÃO MATEUS do CEUNES/UFES, que ainda está em processo de formação, a Coleção Zoológica Norte Capixaba - CZNC. Resultados e Discussão Até o presente momento foram capturadas exemplares, distribuídos em 23 espécies, 13 gêneros e cinco famílias, provenientes de coletas ao longo da bacia do rio incluindo seus afluentes. Foram realizadas expedições nos municípios de São Mateus e Nova Venécia, e também uma longa expedição de cinco dias no interior do estado de Minas Gerais, onde estão localizadas as nascentes da bacia em estudo. A partir da expedição Alto rio São Mateus obteve aproximadamente um total de 50 litros de material coletado, que ainda está em processo de triagem no laboratório. Triagens, identificações e quantificações dos exemplares provindos das coletas ainda estão processo, visto que esta longa expedição foi realizada no mês de janeiro de 2014 e veio uma grande quantidade de material. Dentre os gêneros encontrados, os que mais se destacaram foram o gênero Astyanax, com exemplares e Hyphessobrycon, com 466 exemplares. As espécies que foram coletadas com maior número de indivíduos foram Astyanax cf. intermedius Eigenmann 1908 e Astyanax sp.1, sendo que as duas podem se tratar de possíveis espécies novas por alguns de seus caracteres e/ou distribuição não corresponderem com a descrição original, bem como outras nove espécies encontradas, que podem ser potencialmente consideradas como novas (Tabela 1). As espécies identificadas preliminarmente como Astyanax sp. (1, 2, 3 e 4) e Astyanax cf. intermedius conferem com Astyanax intermedius sensu Eigenmann (1908), com descrições originais de localidade-tipo para os rios Mucuri (BA) e Paraíba do Sul (RJ), considerando-se que as drenagens dos rios São Mateus e Mucuri são bastante próximas. Posteriormente, Melo (2001) restringiu a localidade-tipo de A. intermedius apenas para a bacia do rio Paraíba do Sul, sem, contudo, esclarecer a real identidade dos exemplares-tipo do sul da Bahia. A. intermedius possivelmente faz parte do complexo de espécies Astyanax scabripinnis, conforme listado por Eigenmann (1921) e autores recentes, Bertaco et. al. (2013). Tais espécies coligidas ainda estão em análise morfométrica e merística para incluir dentro de tal complexo de espécies ou para uma nova descrição. As espécies identificadas preliminarmente como Characidium sp. e Characidium sp. aff. C. zebra Eigenmann, 1909 coincidem com Characidium zebra Eigenmann, 1909, entretanto a distribuição original desta espécie é citada para as bacias do Orinoco, Amazonas e bacias costeiras no norte da América do Sul, deixando sua localização vaga quanto a sua captura durante as coletas. Além do mais, esta espécie possui algumas poucas

5 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA variações morfológicas que não condizem com a sua descrição original. Estudos devem ser intensificados para sinonimizar tais espécies ou defini-las como novas. Tabela 1. Lista preliminar de espécies da ordem Characiformes coligidas na bacia do rio São Mateus. Espécies Nº de exemplares coletados Astyanx cf. intermedius 1747 Astyanax lacustris 193 Astyanax sp Astyanax sp.2 89 Astyanax sp.3 10 Astyanax sp Brycon ferox 4 Characidium sp. 59 Characidium zebra 39 Cyphocarax gilbert 27 Hoplerythrinus unitaeniatus 2 Hoplias malabaricus 18 Hyphessobrycon sp. aff. H. reticulatus 137 Hyphessobrycon sp. 1 aff. H. bifasciatus 269 Hyphessobrycon sp. 2 aff. H. bifasciatus 60 Knodus sp. aff. moenkhausii 48 Leporinus copelandii 14 Leporinus conirostris 4 Moenkhausia doceana 34 Oligosarcus acutirostris 27 Prochilodus argenteus 1 Prochilodus lineatus 2 Pygocentrus sp. 1 Outro gênero complexo que foi coligido na bacia do rio São Mateus é Hyphessobrycon, onde foi possível a captura de três espécies. Apesar de dados morfológicos corresponderem com a descrição deficiente de Hyphessobrycon reticulatus Ellis, 1911, Hyphessobrycon sp. possivelmente se trata de uma espécie nova. Estudos taxonômicos recentes indicam que H. reticulaus não ocorre na localidade onde as espécies do estudo foram coligidas e essa espécie já é conhecida e está em descrição por Fernando Carvalho. Carvalho (2006) tem 333

6 334 MAZZINI ET AL.: CHARACIFORMES DA BACIA DO RIO SÃO MATEUS reconhecido esta espécie como sp. 1 com holótipos e parátipos descritos para algumas localidades no Espírito Santo, como Linhares e Aracruz. Hyphessobrycon bifasciatus Ellis, 1911 possui dois morfotipos que foram coligidos na bacia do rio São Mateus. Isto nos monstra que este gênero também pertence a um complexo de espécies, assim como grande parte das espécies pertencentes a ordem Characiformes. Destes morfotipos, Hyphessobrycon sp. 1aff. H. bifasciatus possui as nadadeiras amarelas com cromatóforos presentes na nadadeira caudal e Hyphessobrycon sp. 2aff. H. bifasciatus possui as nadadeiras vermelhas sem cromatóforos presente na caudal. Várias populações de Hyphessobrycon do Brasil coincidem, de acordo com dados de identificações, com H. bifasciatus, mas há dúvidas se são ou não de fato esta espécie. Entretanto a H. bifasciatus foi restrito aos rios costeiros do Rio de Janeiro no Catálogo de Peixes de Água Doce (Buckup, 2007). Esta informação nos leva a constatar que as duas espécies ocorrentes na bacia em estudo tratam-se de espécies novas. A espécie do gênero Knodus coligida na bacia do rio São Mateus está identificada como Knodus sp. aff. K. moenkhausii (Eigenmann & Kennedy, 1903) pois de acordo com a literatura disponível, a espécie aqui ocorrente corresponde a K. moenkhausii, porém ainda não houve registros desta espécie no litoral do país. Na verdade, até o presente momento nunca houve registros da ocorrência de Knodusnos rios costeiros, trazendo de fato a constatação de que a espécie coligida ao decorrer do estudo trata-se de uma nova ou de um novo registro de uma já existente. A espécie do gênero Pygocentrus capturada durante as expedições e identificada como Pygocentrus sp. trata-se de um jovem de comprimento padrão de no máximo 1,5 cm, tornando-se impossível o seu reconhecimento. Acredita-se que esta espécie seja um jovem da espécie Pygocentrus piraya, espécie que foi capturada na bacia do rio pelo grupo de pesquisa do Museu de Biologia Professor Mello Leitão (MBML). Pygocentrus spp. trata-se de um espécie introduzida acidentalmente no rio, assim como as espécies do gênero Prochilodus, P. argenteus e P. lineatus, sendo estes introduzidos pela piscicultura. Pode-se considerar que todas as espécies acima citadas possuem fortes indícios de serem novas ou de necessitarem de redescrições, considerando suas descrições originais deficientes de dados. Para tais trabalhos estas espécies devem ser minunciosamente avaliadas morfológica e meristicamente, buscando caracteres que as diferenciem das demais.

7 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA Conclusão A bacia do rio São Mateus possui uma enorme diversidade quanto à ictiofauna, porém ainda hoje com um déficit de conhecimento e pouca valorização. Das 14 famílias da ordem Characiformes reconhecidas até hoje, cinco foram encontradas nesta bacia, com 13 gêneros e 23 espécies. É válido ressaltar que os valores apresentados neste trabalho são dados preliminares, e o estudo ainda está em andamento, principalmente quanto aos dados da expedição Alto rio São Mateus, onde muito ainda está para ser feito. Os resultados aqui apresentados servirão como base para estudos futuros realizados nesta bacia, na descrição de possíveis espécies novas encontradas, na comparação de ocorrência de algumas espécies, na elaboração de listas completas de toda bacia do rio São Mateus, abrangendo inclusive as cidades mineiras banhadas pelo rio, dentre outros estudos que poderão ser realizados com o auxílio de tais dados. Os exemplares até o momento coligidos estão depositados na coleção zoológica que vem sendo implementada no campus CEUNES da Universidade Federal do Espírito Santos, a Coleção Zoológica Norte Capixaba CZNC. Agradecimentos Ao PELD MCT/CNPq Processo nº /2009-5; ao DCR CNPq Processo nº / (para LFSI); ao DCR FAPES Processo nº /2011 (para LFSI); ao Museu de Biologia Professor Mello Leitão pelo empréstimo de materiais oriundos da bacia do rio em estudo; ao Departamento de Zoologia e Botânica da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita pelo empréstimo do material analisado proveniente da bacia do rio São Francisco. Literatura Citada Agência Nacional Das Águas Do Brasil (ANA). Bacias hidrográficas do Atlântico Sul, trecho leste. Sinopse de informações do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia e Sergipe: Espírito Santo: Informação obtida na Internet a partir do site do HidroWeb Sistema de Informações Hidrológicas da ANA. Disponível em Acesso em: 03 abr Britski, H. A.; Silimon K. Z. S. & Lopes, B. S. Peixes do Pantanal. Brasília, Embrapa, 184p Buckup, P. A.; Menezes, N. A. & Ghazzi, M. S. Catálogo das espécies de peixes de água doce do Brasil. Série livros 23, Museu Nacional, Rio de Janeiro. 195p

8 336 MAZZINI ET AL.: CHARACIFORMES DA BACIA DO RIO SÃO MATEUS Castro, R. M. C. & Menezes, N. A. Estudo diagnóstico da diversidade de peixes do estado de São Paulo. In: Joly, C. A. & Bicudo, C. E. M. Biodiversidade do Estado de São Paulo, Brasil; síntese do conhecimento ao final do século XX; v.6: Vertebrados. FAPESP, São Paulo, 71p. *** Conservation International Do Brasil (CIB). Avaliação e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica e Campos Sulinos. Brasília, Ministério do Meio Ambiente, 40p Duboc, L. F. & Abilhoa, V. A ictiofauna do Parque Natural Municipal das Grutas de Botuverá (Botuverá SC) e alguns aspectos de sua conservação. Estudos de Biologia. v.25, n.53, p Fowler, H. W. Os Peixes de Água Doce do Brasil. Arquivos de Zoologia do Estado de São Paulo. v. 6, p Menezes, N. A.; Weitzman, S. H.; Oyakawa, O. T.; Lima, F. T.; Castro, R. M. C. & Weitzman, M. J. Peixes de Água Doce da Mata Atlântica. Museu de Zoologia - Universidade de São Paulo. 408p Meyer, J. L.; Strayer, D. L.; Wallace, J. B.; Eggert, S. L.; Helfman, G. S. & Leonard, N. E. The Contribution of Headwater Streams to Biodiversity in River Networks. Journal of the American Water Resources Association (JAWRA), v.43, n.1. p Prefeitura Municipal De São Mateus ES (PMSM). São Mateus Hidrografia. Texto não publicado, disponibilizado na Internet pela Prefeitura Municipal de São Mateus, Espírito Santo, no seguinte endereço: Acesso: 15 de agosto Reis, R. E., Kullander, S. O, Ferraris Jr, C. J. Check list of the freshwater fishes of South and Central America. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. 742 p Sarmento-Soares, L. M. & R. F. Martins-Pinheiro. Rios e Peixes Do Espírito Santo, estado atual do conhecimento da ictiofauna de água doce no Estado. Disponível em: Acesso em: 15 de agosto de Schaefer, S.A. Conflict and resolution: impact of new taxa on phylogenetic studies of the Neotropical cascudinhos (Siluroidei: Loricariidae). In: Malabarba, L.R.; Reis, R.E.,

9 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA Vari, R. P., Lucena, Z. M. & Lucena, C. A. S. (Eds.). Phylogeny and classification of neotropical fishes. EDIPUCRS. 603p Vari, R. P. & Malabarba, L. R Neotropical ichthyology: an overview. In: Malabarba, L. R.; Reis, R. E.; Vari, R. P.; Lucena, Z. M. & Lucena, C. A. S. (Eds.). Phylogeny and classification of neotropical fishes. EDIPUCRS. 603p Vieira, T. B. & Vieira, F. Banco de dados de peixes do estado do Espírito Santo. Anais do VIII Congresso de Ecologia do Brasil, 23 a 28 de Setembro de 2007, Caxambu MG

RIOS E PEIXES DO ESPÍRITO SANTO. Estado atual do conhecimento da ictiofauna de água doce no estado PINHEIRO 2

RIOS E PEIXES DO ESPÍRITO SANTO. Estado atual do conhecimento da ictiofauna de água doce no estado PINHEIRO 2 RIOS E PEIXES DO ESPÍRITO SANTO Estado atual do conhecimento da ictiofauna de água doce no estado LUISA MARIA SARMENTO-SOARES 1,2 & RONALDO FERNANDO MARTINS- PINHEIRO 2 1 UERJ. Laboratório de Ecologia

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL

ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL Siqueira, R.C.; Oliveira Júnior, P.R.; Silveira, V.C; Melo, R S.; Teixeira, T.M.; Guedes, E.A; Sousa,

Leia mais

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu Considerado morto dentro dos limites da cidade de São Paulo, o rio Tietê abriga a menos de 80 km do centro da capital espécies de peixes não descritas pela

Leia mais

ANÁLISE CITOGENÉTICA DE PYGOCENTRUS NATTERI

ANÁLISE CITOGENÉTICA DE PYGOCENTRUS NATTERI ANÁLISE CITOGENÉTICA DE PYGOCENTRUS NATTERI EM ÁREA DE TRANSIÇÃO CERRADO-FLORESTA AMAZÔNICA (MICRO BACIA DO ARAGUAIA-BANANAL). Wagner Martins Santana Sampaio 1, Patrícia Giongo 1, Anderson Fernandes 1,

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Proponente: Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello

Leia mais

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 339 Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA DETERMINAÇÃO DA NA BACIA DO RIO SÃO MATEUS-ES Eduardo Morgan Uliana 1, Camila Aparecida da Silva Martins 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Edvaldo Fialho dos Reis 3 1 Universidade

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 45 2013 COORDENAÇÃO

Leia mais

Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia.

Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia. Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia. Rodrigo Braga da Rocha Villa Verde Bolsista de Iniciação Científica História, Universidade Federal

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 42 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

Peixes de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia

Peixes de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia Peies de riachos e novas Unidades de Conservação no sul da Bahia MAURICIO CETRA 1, LUISA MARIA SARMENTO-SOARES 2 & RONALDO FERNANDO MARTINS-PINHEIRO 2 1 UFSCar - Universidade Federal de São Carlos, Ciências

Leia mais

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Adrian Antonio Garda Departamento de Zoologia Laboratório de Anfíbios e Répteis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Estrutura da apresentação

Leia mais

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Mato Grosso - MT Julho/2013 a Setembro/2013 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco

Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco Carlos Bernardo Mascarenhas Alves Projeto Manuelzão - UFMG Roteiro da apresentação Aspectos gerais Plano Diretor de Recursos Hídricos Ictiofauna

Leia mais

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil BOL. MUS. BIOL. MELLO LEITÃO (N. SÉR.) 24:119-142. DEZEMBRO DE 2008 119 A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil Luisa M. Sarmento-Soares 1,2*, Rosana Mazzoni 1 & Ronaldo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP.

CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP. CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP. Cruz, B. B. 1 ; Teshima, F. A. 1 ; Cetra, M. 1 ¹ Universidade federal de São Carlos, Campus Sorocaba.

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil

A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 26:25-46. Dezembro de 2009 25 A fauna de peixes na bacia do rio dos Frades e microbacias vizinhas, extremo sul da Bahia, Brasil Luisa M. Sarmento-Soares 1* & Ronaldo

Leia mais

A ictiofauna do Parque Nacional da Serra do Cipó (Minas Gerais, Brasil) e áreas adjacentes

A ictiofauna do Parque Nacional da Serra do Cipó (Minas Gerais, Brasil) e áreas adjacentes Lundiana 6(supplement):77-87, 2005 2005 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 A ictiofauna do Parque Nacional da Serra do Cipó (Minas Gerais, Brasil) e áreas adjacentes Fábio Vieira 1,

Leia mais

ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA

ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA Título do Projeto: REGISTRO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO DA FLORA ARBÓREA URBANA DA REGIÃO CENTRAL DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO

Leia mais

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA PROGRAMAÇÃO I CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE PERÍODO: 08 a 13 de Junho de 2015 LOCAL: ITEP 1º DIA SEGUNDA-FEIRA DATA: 08/06/15 HORÁRIO CRONOGRAMA PALESTRANTE 08:00-09:00h Abertura

Leia mais

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS Foto 01: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 02: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 03: Estação de coleta P02 localizada no rio Itaquiraí no eixo Foto

Leia mais

Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP

Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP Peixes do Rio Fruteiras (Bacia do Itapemirim): Na área de influência da PCH Fruteiras - EDP Realização: ENERGEST - PCH Fruteiras Elaboração: Água Viva Coordenação do Projeto: Catálogo das Espécies de Peixes

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

RESULTADO FINAL PAINÉIS CIENTÍFICOS

RESULTADO FINAL PAINÉIS CIENTÍFICOS RESULTADO FINAL PAINÉIS CIENTÍFICOS Durante o período das apresentações de painéis membros da Comissão Científica passarão para registrar a presença dos autores. O requisito para a publicação do resumo

Leia mais

( ) Componente do Patrimônio Genético sem acesso ao Conhecimento Tradicional Associado

( ) Componente do Patrimônio Genético sem acesso ao Conhecimento Tradicional Associado MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Departamento do Patrimônio Genético Secretaria Executiva do Conselho de Gestão do Patrimônio Genético FORMULÁRIO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO DE ACESSO E REMESSA A COMPONENTE

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 5 Bacias Hidrográficas de Minas Gerais O desenvolvimento dos recursos hídricos não pode ser visto dentro de um sistema limitado onde a complexidade dos usos múltiplos

Leia mais

Luisa Maria Sarmento Soares Museu de Biologia Prof. Mello Leitão- Zoologia Av. José Ruschi, 4- Santa Teresa- ES luisa@nossosriachos.

Luisa Maria Sarmento Soares Museu de Biologia Prof. Mello Leitão- Zoologia Av. José Ruschi, 4- Santa Teresa- ES luisa@nossosriachos. Unidades de Conservação como Pólos de soluções sustentáveis para a população do entorno. Luisa Maria Sarmento Soares Museu de Biologia Prof. Mello Leitão- Zoologia Av. José Ruschi, 4- Santa Teresa- ES

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE Dr. Rodrigo Silva da Costa (rdgcosta@ufersa.edu.br) Dr. José Luís Costa Novaes (novaes@ufersa.edu.br) Universidade Federal Rural

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil

A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil BOL. MUS. BIOL. MELLO LEITÃO (N. SÉR.) 24:119-142. DEZEMBRO DE 2008 119 A fauna de peixes dos Rios dos Portos Seguros, extremo sul da Bahia, Brasil Luisa M. Sarmento-Soares 1,2*, Rosana Mazzoni 1 & Ronaldo

Leia mais

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal

1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal 1º Seminário Catarinense sobre a Biodiversidade Vegetal Ações do Governo Federal Visando à Valorização e Conservação da Biodiversidade Vegetal João de Deus Medeiros joao.medeiros@mma.gov.br Departamento

Leia mais

A fauna de peixes na bacia do Rio Itanhém, leste de Minas Gerais e extremo Sul da Bahia

A fauna de peixes na bacia do Rio Itanhém, leste de Minas Gerais e extremo Sul da Bahia A fauna de peixes na bacia do Rio Itanhém, leste de Minas Gerais e extremo Sul da Bahia LUISA MARIA SARMENTOSOARES 1, ROSANA MAZZONI 2 & RONALDO FERNANDO MARTINSPINHEIRO 1 1 Museu de Biologia Prof. Mello

Leia mais

O TRÁFICO DE MAMÍFEROS NA BAHIA: UMA AMOSTRAGEM OBTIDA NO CENTRO DE TRIAGEM DE ANIMAIS SILVESTRES CETAS, SALVADOR, BAHIA

O TRÁFICO DE MAMÍFEROS NA BAHIA: UMA AMOSTRAGEM OBTIDA NO CENTRO DE TRIAGEM DE ANIMAIS SILVESTRES CETAS, SALVADOR, BAHIA 280 O TRÁFICO DE MAMÍFEROS NA BAHIA: UMA AMOSTRAGEM OBTIDA NO CENTRO DE TRIAGEM DE ANIMAIS SILVESTRES CETAS, SALVADOR, BAHIA Vanessa Blanco Vidal¹;Ana Cerilza Santana Mélo² 1. Graduanda em Ciências Biológicas,

Leia mais

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA 1* Thales Serrano Silva, 2 Tiago Debona, 3 Vinicius Valiente do Santos, 4 Ricardo Soni, 5 Éder

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental COBESA CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA Augusto César da Silva Machado Copque Geógrafo

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA 27 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS GIA ESTUDO ICTIOFAUNÍSTICO PARA

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos

Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos Morcegos da Caatinga: Panorama científico dos últimos 35 anos Juan Carlos Vargas Mena 1,3,4, Eugenia Cordero-Schmidt 1,3,4, Bernal Rodriguez- Herrera 2,3,4 & Eduardo Martins Venticinque 1 1 Universidade

Leia mais

NO PRELO. A fauna de peixes na bacia do rio Barra Seca e na REBIO de Sooretama, Espírito Santo, Brasil

NO PRELO. A fauna de peixes na bacia do rio Barra Seca e na REBIO de Sooretama, Espírito Santo, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 35:49-103. Julho de 2014 A fauna de peixes na bacia do rio Barra Seca e na REBIO de Sooretama, Espírito Santo, Brasil Luisa Maria Sarmento-Soares 1,2,3,* & Ronaldo

Leia mais

DINÂMICA POPULACIONAL DA ICTIOFAUNA NOS RESERVATÓRIOS DE SALTO SANTIAGO E SALTO OSÓRIO, RIO IGUAÇU- PR

DINÂMICA POPULACIONAL DA ICTIOFAUNA NOS RESERVATÓRIOS DE SALTO SANTIAGO E SALTO OSÓRIO, RIO IGUAÇU- PR SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA - 27 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS GIA DINÂMICA POPULACIONAL DA ICTIOFAUNA

Leia mais

Belo Horizonte ganha o maior aquário de água doce do Brasil - Publicadas - IBAMA - Instituto Brasileiro d

Belo Horizonte ganha o maior aquário de água doce do Brasil - Publicadas - IBAMA - Instituto Brasileiro d Belo Horizonte (08/03/2010) - Belo Horizonte ganhou na sexta-feira, dia 5, o maior aquário de água doce do Brasil. A Prefeitura, por meio da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte (FZB-BH), inaugurou

Leia mais

MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA

MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA Apresentação do Museu O Museu Nacional de História Natural é um organismo da Universidade de Lisboa, vocacionado para a investigação científica e atividades

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Prof. Evoy Zaniboni Filho, Dr. Departamento de Aqüicultura / CCA Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC,

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Massas de Ar no Brasil Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 5min33seg Habilidades: H.7 (Ensino Fundamental)

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE MAPAS AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA

PADRONIZAÇÃO DE MAPAS AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA ANEXO 4 PADRONIZAÇÃO DE MAPAS AVALIAÇÃO DO ESTADO DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA BRASILEIRA Este roteiro visa orientar a metodologia para delimitar área de ocorrência/extensão e padronizar a apresentação dos

Leia mais

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-004 - AVALIAÇÃO DA DEMANDA DE ÁGUA X DISPONIBILIDADE HÍDRICA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DO NORTE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Ricardo Augusto Pereira Rezende (1)

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

Levantamento da ictiofauna da Floresta Nacional de Canela, na região superior da bacia hidrográfica do Rio Caí, Rio Grande do Sul, Brasil

Levantamento da ictiofauna da Floresta Nacional de Canela, na região superior da bacia hidrográfica do Rio Caí, Rio Grande do Sul, Brasil Levantamento da ictiofauna da Floresta Nacional de Canela, na região superior da bacia hidrográfica do Rio Caí, Rio Grande do Sul, Brasil Biota Neotrop. 2009, 9(2): 221-226. On line version of this paper

Leia mais

CARTOGRAFIA DIDÁTICA DO PISF

CARTOGRAFIA DIDÁTICA DO PISF Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Centro de Referência para Recuperação de Áreas Degradadas CRAD CARTOGRAFIA DIDÁTICA DO PISF Agosto de 2009 PETROLINA MSc. Jefferson Rodrigues Maciel

Leia mais

SINOPSE DAS OFICINAS

SINOPSE DAS OFICINAS SINOPSE DAS OFICINAS Oficina 1: Título: Diversidade de quelônios do sul do Brasil: Distribuição e ameaças Oficineiras: Raíssa Bressan - bióloga, doutoranda em Biologia Animal pela UFRGS, com experiência

Leia mais

Revista Agrogeoambiental - v.7, n.1 - Março 2015

Revista Agrogeoambiental - v.7, n.1 - Março 2015 COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA COMUNIDADE DE PEIES DE UM AFLUENTE DO RIO TIETÊ, BACIA DO ALTO RIO PARANÁ 1 Jane Piton Serra Fabio de Faria e Souza Campos 3 André Luis da Silva Castro 2 Resumo A América do Sul

Leia mais

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção

Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Ações de Conservação da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção Diretoria de Fauna e Recursos Pesqueiros DIFAP Rômulo Mello Coordenção Geral de Fauna CGFAU Ricardo Soavinski Coordenação de Conservação da

Leia mais

CURSOS PRÁTICAS EM BOTÂNICA PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA ATLÂNTICA CATARINENSE

CURSOS PRÁTICAS EM BOTÂNICA PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA ATLÂNTICA CATARINENSE CURSOS PRÁTICAS EM BOTÂNICA PRÁTICAS EM BOTÂNICA NA MATA ATLÂNTICA CATARINENSE 17 a 20 de dezembro de 2011 (sábado a terça-feira) 1. Local: RPPN Reserva Volta Velha, município de Itapoá, SC (área total:

Leia mais

NO PRELO. Peixes do córrego Valsugana Velha, afluente do rio Timbuí, bacia dos Reis Magos, Santa Teresa, Espírito Santo, Brasil

NO PRELO. Peixes do córrego Valsugana Velha, afluente do rio Timbuí, bacia dos Reis Magos, Santa Teresa, Espírito Santo, Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 35:5-20. Julho de 2014 Peixes do córrego Valsugana Velha, afluente do rio Timbuí, bacia dos Reis Magos, Santa Teresa, Espírito Santo, Brasil Maria Margareth Cancian

Leia mais

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática Odete Rocha Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos O que sabemos e o que devemos fazer?" O funcionamento dos ecossistemas aquáticos

Leia mais

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos Congresso Humanidades Digitais em Portugal: construir pontes e quebrar barreiras na era digital FCSH (UNL) - Lisboa - 8 e 9 out 2015 Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: Dr. Miguel Angel Arellano/Dra.

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

Projeto de apoio à revitalização do Rio dos Cochos, Januária MG.

Projeto de apoio à revitalização do Rio dos Cochos, Januária MG. Estudo da Fauna de Peixes do Rio dos Cochos e da Relação com a Comunidade em seu Entorno. Deborah Mattos Guimarães Apgaua¹; Paulo dos Santos Pompeu²; Áureo Eduardo Magalhães Ribeiro³ ¹Estudante de graduação

Leia mais

Rios e Peixes da Cabeceira a Foz. Luisa Maria Sarmento-Soares 1,2

Rios e Peixes da Cabeceira a Foz. Luisa Maria Sarmento-Soares 1,2 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA 2014 13 Rios e Peixes da Cabeceira a Foz Luisa Maria Sarmento-Soares 1,2 1 Museu de Biologia Prof. Mello Leitão/ Projeto BIOdiversES (www.nossosriachos.net),

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO E CONSERVAÇÃO DE ECOSSISTEMAS NATURAIS E AGRÁRIOS EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2013/II

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO E CONSERVAÇÃO DE ECOSSISTEMAS NATURAIS E AGRÁRIOS EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2013/II MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAMPUS FLORESTAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Campus Universitário Florestal, MG - 35690-000 Telefone

Leia mais

MORPHOLOGICAL VARIABILITY AND POPULATION STRUCTURE OF THEGROUP LAMBARI Astyanax aff. bimaculatus (Teleostei, Characiformes)

MORPHOLOGICAL VARIABILITY AND POPULATION STRUCTURE OF THEGROUP LAMBARI Astyanax aff. bimaculatus (Teleostei, Characiformes) VARIABILIDADE MORFOLÓGICA E ESTRUTURAÇÃO POPULACIONAL DE LAMBARIS DO GRUPO Astyanax aff. bimaculatus (TELEOSTEI, CHARACIFORMES) MORPHOLOGICAL VARIABILITY AND POPULATION STRUCTURE OF THEGROUP LAMBARI Astyanax

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Guia do Professor Distribuição de água no planeta

Guia do Professor Distribuição de água no planeta Guia do Professor Distribuição de água no planeta Introdução Sempre se ouviu falar que o nosso planeta deveria se chamar Planeta Água e não Planeta Terra. Esta idéia deriva da visualização da Terra do

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES - BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO SÊNIOR CNPq- PRIMEIRO ANO

RELATÓRIO DE ATIVIDADES - BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO SÊNIOR CNPq- PRIMEIRO ANO RELATÓRIO DE ATIVIDADES - BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO SÊNIOR CNPq- PRIMEIRO ANO DIVERSIDADE, ENDEMISMO E ANÁLISE BIOGEOGRÁFICA DE SILURIFORMES EM SISTEMAS HÍDRICOS POUCO EXPLORADOS NO EXTREMO SUL DA BAHIA

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES GEOGRAFIA DESAFIO DO DIA. Aula 21.1 Conteúdo. Região Sudeste CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula 21.1 Conteúdo Região Sudeste 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS

DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE USO DA TERRA EM ÁREAS PROTEGIDAS (APPs, RLs E APAs) E MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS Alice Nardoni Marteli, Edson Luís Piroli Unesp Campus de Ourinhos Geografia alicenmart@gmail.com;

Leia mais

Estudo Sistemático, Paleoecológico e Geocronológico de Invertebrados Fósseis da Gruta do Urso Fóssil, no Parque Nacional de Ubajara/CE, Brasil

Estudo Sistemático, Paleoecológico e Geocronológico de Invertebrados Fósseis da Gruta do Urso Fóssil, no Parque Nacional de Ubajara/CE, Brasil Ministério do Meio Ambiente - MMA Insituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade - SISBIO Parque Nacional de Ubajara Autorização para

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Ovos e larvas de peixes de água doce... 32) Hoplias sp.

Ovos e larvas de peixes de água doce... 32) Hoplias sp. 208 Ovos e larvas de peixes de água doce... 32) Hoplias sp. Nome comum: Trairão. Distribuição geográfica: Bacia do alto rio Paraná (Oyakawa, 1990). Auto-ecologia: A primeira maturação sexual ocorre com

Leia mais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais

BRASIL NO MUNDO: FUSOS HORÁRIOS DO BRASIL. Nossas fronteiras-problema : Fusos horários Mundiais BRASIL NO MUNDO: Linha do Equador: 93% Hemisfério Sul 7% Hemisfério Norte Trópico de Capricórnio: 92% zona Tropical 8% Zona temperada do Sul Nossas fronteiras-problema : ( FARC ) Colômbia: Narcotráfico

Leia mais

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG 1 PLANO DE RESGATE DA ICTIOFAUNA NOS VÃOS DO VERTEDOURO PRINCIPAL DA UHE SANTO ANTÔNIO PARA CONSTRUÇÃO DAS OGIVAS FASE DE IMPLANTAÇÃO DA UHE SANTO ANTÔNIO, RIO MADEIRA/RO Bios Consultoria e Serviços Ambientais

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Estado da arte sobre estudos de rodolitos no Brasil

Estado da arte sobre estudos de rodolitos no Brasil Estado da arte sobre estudos de rodolitos no Brasil Alexandre B. Villas-Boas 1 ; Marcia A. de O. Figueiredo 2 ; Gilberto Dias 3 ; Ricardo Coutinho 1 1 Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira,

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL

INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL ANTECEDENTES Em continuidade aos trabalhos do Programa Nacional de Gerenciamento Costeiro (GERCO), o Ministério do Meio

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ictiofauna do Rio Guaporé e áreas adjacentes

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ictiofauna do Rio Guaporé e áreas adjacentes PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ictiofauna do Rio Guaporé e áreas adjacentes Marcos Antonio de Oliveira 1, Angela Emi Takamura 2, Raquel Gonçalves Barbosa 3, Amorésio Souza Silva

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

Cada espécie teria de ser observada em campo visitando flores;

Cada espécie teria de ser observada em campo visitando flores; Quantas espécies são polinizadoras no Brasil? Seria quase impossível estimar! pois: Cada espécie teria de ser observada em campo visitando flores; Experimentos de efetividade de polinização devem ser feitos

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011 CARTA DO PRESIDENTE O ano de 2011, considerado pela ONU como O Ano Internacional das Florestas, nos relembrou em muito o inesquecível Augusto Ruschi. Há 25 anos ele fez sua

Leia mais

Caatinga: exclusivamente brasileira

Caatinga: exclusivamente brasileira Caatinga: exclusivamente brasileira Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento de Conservação da Biodiversidade Parque Nacional da Serra da Capivara - PI Caatinga:

Leia mais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Andreia Fernandes da Silva (IBGE/DI/COBAD) Celso José Monteiro Filho (IBGE/DGC/CREN) Hesley da Silva Py (IBGE/DI/COBAD) Resumo Tendo em vista a grande

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais