Indústrias Romi S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indústrias Romi S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012"

Transcrição

1 Reltório dos uditores independentes sobre s demonstrções finnceirs 31 de dezembro de 2012

2 Reltório dos uditores independentes sobre s demonstrções finnceirs individuis e consolidds Aos Administrdores e Acionists Indústris Romi S.A. Exminmos s demonstrções finnceirs individuis d Indústris Romi S.A. ( Compnhi ou "Controldor") que compreendem o blnço ptrimonil em 31 de dezembro de 2012 e s respectivs demonstrções do resultdo, do resultdo brngente, ds mutções do ptrimônio líquido e dos fluxos de cix pr o exercício findo ness dt, ssim como o resumo ds principis polítics contábeis e s demis nots explictivs. Exminmos tmbém s demonstrções finnceirs consolidds d Indústris Romi S.A. e sus controlds ("Consoliddo") que compreendem o blnço ptrimonil consoliddo em 31 de dezembro de 2012 e s respectivs demonstrções consolidds do resultdo, do resultdo brngente, ds mutções do ptrimônio líquido e dos fluxos de cix pr o exercício findo ness dt, ssim como o resumo ds principis polítics contábeis e s demis nots explictivs. Responsbilidde d dministrção sobre s demonstrções finnceirs A dministrção d Compnhi é responsável pel elborção e dequd presentção desss demonstrções finnceirs individuis de cordo com s prátics contábeis dotds no Brsil e desss demonstrções finnceirs consolidds de cordo com s norms interncionis de reltório finnceiro (IFRS) emitids pelo Interntionl Accounting Stndrds Bord (IASB) e s prátics contábeis dotds no Brsil, ssim como pelos controles internos que el determinou como necessários pr permitir elborção de demonstrções finnceirs livres de distorção relevnte, independentemente se cusd por frude ou por erro. Responsbilidde dos uditores independentes Noss responsbilidde é de expressr um opinião sobre esss demonstrções finnceirs com bse em noss uditori, conduzid de cordo com s norms brsileirs e interncionis de uditori. Esss norms requerem o cumprimento de exigêncis étics pelo uditor e que uditori sej plnejd e executd com o objetivo de obter segurnç rzoável de que s demonstrções finnceirs estão livres de distorção relevnte. 2 PricewterhouseCoopers, Ru José Pires Neto 314, 10 o, Cmpins, SP, Brsil , 170, Cix Postl 3136 T: (19) , F: (19) ,

3 Um uditori envolve execução de procedimentos seleciondos pr obtenção de evidênci respeito dos vlores e ds divulgções presentdos ns demonstrções finnceirs. Os procedimentos seleciondos dependem do julgmento do uditor, incluindo vlição dos riscos de distorção relevnte ns demonstrções finnceirs, independentemente se cusd por frude ou por erro. Ness vlição de riscos, o uditor consider os controles internos relevntes pr elborção e dequd presentção ds demonstrções finnceirs d Compnhi pr plnejr os procedimentos de uditori que são propridos ns circunstâncis, ms não pr expressr um opinião sobre eficáci desses controles internos d Compnhi. Um uditori inclui tmbém vlição d dequção ds polítics contábeis utilizds e rzobilidde ds estimtivs contábeis feits pel dministrção, bem como vlição d presentção ds demonstrções finnceirs tomds em conjunto. Acreditmos que evidênci de uditori obtid é suficiente e proprid pr fundmentr noss opinião. Opinião sobre s demonstrções finnceirs individuis Em noss opinião, s demonstrções finnceirs individuis cim referids presentm dequdmente, em todos os spectos relevntes, posição ptrimonil e finnceir d Indústris Romi S.A. em 31 de dezembro de 2012, o desempenho de sus operções e os seus fluxos de cix pr o exercício findo ness dt, de cordo com s prátics contábeis dotds no Brsil. Opinião sobre s demonstrções finnceirs consolidds Em noss opinião, s demonstrções finnceirs consolidds cim referids presentm dequdmente, em todos os spectos relevntes, posição ptrimonil e finnceir d Indústris Romi S.A. e sus controlds em 31 de dezembro de 2012, o desempenho consoliddo de sus operções e os seus fluxos de cix consoliddos pr o exercício findo ness dt, de cordo com s norms interncionis de reltório finnceiro (IFRS) emitids pelo Interntionl Accounting Stndrds Bord (IASB) e s prátics contábeis dotds no Brsil. Ênfse Conforme descrito n Not 2.1, s demonstrções finnceirs individuis form elbords de cordo com s prátics contábeis dotds no Brsil. No cso d Indústris Romi S.A., esss prátics diferem ds IFRS, plicáveis às demonstrções finnceirs seprds, somente no que se refere à vlição dos investimentos em controlds e coligds pelo método de equivlênci ptrimonil, um vez que pr fins de IFRS seri custo ou vlor justo. Noss opinião não está resslvd em função desse ssunto. 3

4 Outros ssuntos Informção suplementr - demonstrções do vlor diciondo Exminmos tmbém s demonstrções do vlor diciondo (DVA), individuis e consolidds, referentes o exercício findo em 31 de dezembro de 2012, preprds sob responsbilidde d dministrção d Compnhi, cuj presentção é requerid pel legislção societári brsileir pr compnhis berts, e como informção suplementr pels IFRS que não requerem presentção d DVA. Esss demonstrções form submetids os mesmos procedimentos de uditori descritos nteriormente e, em noss opinião, estão dequdmente presentds, em todos os seus spectos relevntes, em relção às demonstrções finnceirs tomds em conjunto. Auditori dos vlores correspondentes o exercício nterior O exme ds demonstrções finnceirs do exercício findo em 31 de dezembro de 2011, presentds pr fins de comprção, foi conduzido sob responsbilidde de outros uditores independentes, que emitirm reltório de uditori, com dt de 7 de fevereiro de 2012, sem resslvs. Cmpins, 5 de fevereiro de 2013 PricewterhouseCoopers Auditores Independentes CRC 2SP000160/O-5 F Frncisco José Pinto Fgundes Contdor CRC 1MG054755/O-4 S SP 4

5 Blnço ptrimonil Em milhres de reis Ativo Not Controldor Consoliddo Controldor Consoliddo BRGAAP IFRS e BRGAAP BRGAAP IFRS e BRGAAP 31 de 31 de 31 de 31 de 31 de 31 de 31 de 31 de dezembro dezembro dezembro de dezembro dezembro de dezembro dezembro dezembro de 2012 de de 2011 Pssivo e do ptrimônio líquido Not 2012 de 2011 de 2012 de 2011 A Circulnte Circulnte Cix e equivlentes de cix Finncimentos Duplicts receber Finncimentos - FINAME fbricnte Vlores receber - repsse FINAME fbricnte Fornecedores Estoques Slários e encrgos sociis Prtes relcionds Impostos e contribuições recolher Impostos e contribuições recuperr Adintmentos de clientes Outros créditos 6 (b) Dividendos e juros sobre o cpitl próprio A Prticipções pgr A Outrs conts pgr A Provisão pr pssivo descoberto - controld Não circulnte Prtes relcionds Relizável longo przo Duplicts receber Vlores receber - repsse FINAME fbricnte Prtes relcionds Não circulnte Impostos e contribuições recuperr Finncimentos Imposto de rend e contribuição socil diferidos Finncimentos - FINAME fbricnte Depósitos judiciis Impostos e contribuições recolher Outros créditos 6 (b) Provisão pr riscos fiscis, trblhists e cíveis A Outrs conts pgr Investimentos em controlds e coligds Imposto de rend e contribuição socil diferidos Imobilizdo Proprieddes pr investimento Intngível A Totl do pssivo A A Ptrimônio líquido A Atribuído os cionists d Controldor A Cpitl socil A Reserv de cpitl A Ações em tesourri (17.850) (4.599) (17.850) (4.599) A Reserv de lucros A Outros resultdos brngentes (5.248) (5.248) A A Prticipção dos não controldores Totl do ptrimônio líquido Totl do tivo Totl do pssivo e do ptrimônio líquido As nots explictivs d dministrção são prte integrnte ds demonstrções finnceirs 1 de 62

6 Demonstrção do resultdo Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form Controldor Consoliddo BRGAAP IFRS e BRGAAP Not Receit opercionl líquid Custo dos produtos e serviços vendidos 24 ( ) ( ) ( ) ( ) Lucro bruto Receits (despess) opercionis Com vends 24 (56.947) (62.724) (74.033) (74.933) Geris e dministrtivs 24 (67.409) (66.059) (87.121) (75.386) Pesquis e desenvolvimento 24 (20.687) (24.700) (21.541) (26.085) Prticipção e honorários d Administrção 9 (6.803) (8.143) (6.936) (8.276) Resultdo de prticipções societáris (9.219) Outrs receits (despess) opercionis, líquids 26 (957) ( ) ( ) ( ) ( ) Prejuízo opercionl (53.598) (15.121) (51.875) (11.064) Receits (despess) finnceirs Receits finnceirs Despess finnceirs 25 (22.839) (15.896) (23.877) (16.076) Vrição cmbil, líquid (2.814) (2.302) Prejuízo ntes do imposto de rend e d contribuição socil (56.412) (6.637) (54.177) (228) Imposto de rend e contribuição socil Lucro líquido (prejuízo) do exercício ( (37.369) Atribuível à Acionists d controldor (38.007) Prticipção dos não controldores (37.369) Lucro líquido (prejuízo) básico e diluído por ção (expresso em reis - R$) 17 (0,52) 0,05 As nots explictivs d dministrção são prte integrnte ds demonstrções finnceirs 2 de 62

7 Demonstrção do resultdo brngente Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhres de reis Controldor Consoliddo BRGAAP IFRS e BRGAAP Lucro líquido (prejuízo) do exercício (38.007) (37.369) Outros componentes do resultdo brngente Vrição cmbil de investids loclizds no exterior Totl do resultdo brngente do exercício (28.998) (28.360) Atribuível Acionists d Controldor (28.998) Prticipção dos não controldores (28.360) As nots explictivs d dministrção são prte integrnte ds demonstrções finnceirs 3 de 62

8 Demonstrção ds mutções no ptrimônio líquido Em milhres de reis Atribuível os cionists d Controldor Reservs de lucros Ajustes Lucros Prticipção dos Totl do Cpitl Reserv Ações em Reserv Reserv de vlição (prejuízos) cionists não ptrimônio Not socil de cpitl tesourri de lucros legl Totl ptrimonil cumuldos Totl controldores líquido Em 1º de jneiro de (17.639) Resultdo brngente do exercício Lucro líquido do exercício Efeito de conversão pr moed estrngeir Totl do resultdo brngente do exercício Contribuições dos cionists e distribuições os cionists Reserv legl (178 Aquisição de ções de emissão própri 17 (4.599) (4.599) (4.599) Juros sobre o cpitl próprio - lei 9.249/95 17 (24.616) (24.616) ( (24.616) Vrição cmbil sobre redução de cpitl de subsidiári no exterior (9.010) (9.010) Dividendos distribuídos por controld 17 (765) (765) Retenção de lucros (3.390) Totl de contribuições dos cionists e distribuições os cionists (4.599) (30.236) 178 (30.058) (3.568) (29.215) (765) (29.980) Em 31 de dezembro de (4.599) (5.248) Resultdo brngente do exercício Prejuízo do exercício (38.007) (38.007) 638 (37.369) Efeito de conversão pr moed estrngeir Totl do resultdo brngente do exercício (38.007) (28.998) 638 (28.360) Contribuições dos cionists e distribuições os cionists Aquisição de ções de emissão própri 17 (13.251) (13.251) (13.251) Absorção de prejuízo do exercício (38.007) (38.007) Dividendos distribuídos por controld (863) (863) Totl de contribuições dos cionists e distribuições os cionists (13.251) (38.007) (38.007) (13.251) (863) (14.114) Em 31 de dezembro de (17.850) As nots explictivs d dministrção são prte integrnte ds demonstrções finnceirs 4 de 62

9 Demonstrção dos fluxos de cix Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhres de reis Controldor Consoliddo Fluxos de cix ds tividdes opercionis Prejuízo ntes do imposto de rend e d contribuição socil (56.412) (6.637) (54.177) (228) Ajustes de: Receits e despess finnceirs e vrição cmbil Deprecição e mortizção (Nots 11 e 12) Provisão pr créditos de liquidção duvidos de conts receber, outros créditos e estoque (Nots 5, 6 e 7) Resultdo n lienção de imobilizdo (Nots 11 e 12) 145 ( (563) Resultdo de prticipções societáris líquido de dividendos recebidos (Not 8) Provisões pr riscos fiscis, trblhists e cíveis (Not 15) Deságio purdo n quisição de subsidiri no exterior (Not 3) (8.094) Vrição nos tivos e pssivos opercionis Duplicts receber (Not 5) (15.377) (22.587) Prtes relcionds (Not 9) (3.071) (7.202) Vlores receber - repsse FINAME fbricnte (Not 6) Estoques (Not 7) (58.805) (63.295) Impostos e contribuições recuperr Depósitos judiciis (Not 15) (1.697) (6.203) (1.697) (6.203) Outros créditos (28.382) 492 (27.149) Fornecedores (8.394) (5.347) (7.989) (9.911) Prtes relcionds (Not 9) 151 Slários e encrgos sociis (5.839) (10.040) (6.532) (10.915) Impostos e contribuições recolher (6.035 (1.452) (6.430) Adintmentos de clientes (10.604) 2.499) Outrs conts pgr (4.464) (1.697) (1.968 (1.593) Cix gerdo ns operções Imposto de rend e contribuição socil sobre o lucro líquido pgos (596) (3.742) (2.109) (5.684) Cix líquido gerdo pels tividdes opercionis As nots explictivs d dministrção são prte integrnte ds demonstrções finnceirs 5 de 62

10 Demonstrção dos fluxos de cix Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhres de reis (continução) Controldor Consoliddo Fluxos de cix ds tividdes de investimento Aquisição de imobilizdo (Not 11) (4.926) (18.407) (11.415) (18.743) Redução de cpitl de investid no exterior (Not 8) Aumento do intngível (Not 12) (545 (545) Vend de imobilizdo (Not 11) Vlor pgo n quisição de subsidiári no exterior (Not 3) (46.830) - Cix dvindo d quisição de subsidiári no exterior (Not 3) Aumento de cpitl em controld (Not 8) (2.368) (63.511) - Cix líquido (plicdo ns) gerdo pels tividdes de investimento (7.055) (52.067) (17.292) Fluxos de cix ds tividdes de finncimento Juros sobre o cpitl próprio e dividendos pgos (Not 17) (11) (34.184) (874) (34.957) Compr de ções de própri emissão (Not 17) (13.251) (4.599) (13.251) (4.599) Novos empréstimos e finncimentos (Not 13) ) ) ) ) Pgmentos de finncimentos (Not 13) ( ) (21.091) ( ) (22.017) Juros pgos (Not 13) (16.560) (16.060) (16.953) (16.282) Novos finncimentos - FINAME fbricnte (Not 14) ) ) Pgmento de finncimentos - FINAME fbricnte (Not 14) ( ) ( ) ( ) ( ) Juros pgos - Finme Fbricnte (Not 14) (43.147) (50.408) (43.147) (50.408) Cix líquido plicdo ns tividdes de finncimento ( ) ( ) ( ) ( ) Aumento (redução) de cix e equivlentes de cix, líquidos (38.597) (80.842) ( Cix e equivlentes de cix no início do exercício Gnhos cmbiis sobre o sldo de cix ds controlds no exterior Cix e equivlentes de cix no finl do exercício As nots explictivs d dministrção são prte integrnte ds demonstrções finnceirs. 6 de 62

11 Demonstrção do vlor diciondo Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhres de reis X Controldor Consoliddo BRGAAP IFRS e BRGAAP x Receits Vends de mercdoris, produtos e serviços Provisão pr créditos de liquidção duvidos de conts receber e outros créditos (constituição) (24.052) (19.097) (24.052) (19.490) Outrs receits opercionis, líquids Insumos dquiridos de terceiros Mteriis consumidos ( ) ( ) ( ) ( ) Outros custos de produtos e serviços prestdos ( (21.683) (22.418) ( Energi elétric, serviços de terceiros e outrs despess (44.358) (38.682) (64.809) (36.232) ( ) ( ) ( ( ) Vlor diciondo bruto Deprecição e mortizção (31.472) (28.555) (37.543) (28.795) Vlor diciondo líquido produzido pel Compnhi Vlor diciondo recebido em trnsferênci Resultdo d equivlênci ptrimonil 717 ( Receits finnceirs e vrição cmbil líquid Vlor diciondo totl distribuir Distribuição do vlor diciondo Empregdos Slários e encrgos Comissões sobre vends Prticipções e honorários d Administrção Prticipção nos resultdos Plnos de previdênci privd bert complementr Impostos, txs e contribuições Federis Estduis Municipis Juros Aluguéis Dividendos e juros sobre o cpitl próprio distribuídos Lucros retidos/prejuízo gerdo no período (38.007) (37.369) Vlor diciondo distribuído As nots explictivs d dministrção são prte integrnte ds demonstrções finnceirs. 7 de 62

12 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form 1 Informções geris A Indústris Romi S.A. ( Controldor ) e sus controlds (conjuntmente Compnhi ), listd no Novo Mercdo d BOVESPA desde 23 de mrço de 2007, com sede no município de Snt Brbr D Oeste, Estdo de São Pulo, tem por objeto indústri e o comércio de bens de cpitl em gerl, de máquins-ferrment, de máquins pr plásticos, de equipmentos e cessórios industriis, de ferrments, prtes e peçs em gerl; nálise de sistems e elborção de progrms pr processmento de ddos qundo ligdos à produção, comercilizção e uso de máquins-ferrment e máquins pr plásticos; indústri e o comércio de fundidos brutos e usindos; e exportção e importção, representção por cont própri ou de terceiros e prestção de serviços relciondos com sus tividdes, bem como prticipção, como sóci, cionist ou cotist, em outrs socieddes civis ou comerciis e em empreendimentos comerciis de qulquer nturez, no Brsil e no exterior, e dministrção de bens próprios e de terceiros. O prque industril d Compnhi é formdo por treze fábrics, em três estbelecimentos n cidde de Snt Bárbr D Oeste, no Estdo de São Pulo, dois n região de Turim, n Itáli, e um n cidde de Reutlingen, n Alemnh, onde Compnhi dquiriu em 31 de jneiro de 2012, ess unidde de produção de máquins-ferrment de lt precisão (Not 3). A Compnhi ind prticip em controlds no Brsil e no exterior. Esss demonstrções finnceirs form provds pelo Conselho de Administrção d Compnhi e utorizds pr divulgção em 5 de fevereiro de Resumo ds principis polítics contábeis 2.1. Bse de preprção As demonstrções finnceirs form preprds considerndo o custo histórico como bse de vlor. O custo histórico gerlmente é bsedo no vlor justo ds contrprestções pgs em troc de tivos. As principis prátics contábeis plicds às demonstrções finnceirs pr os exercícios findos em 31 de dezembro de 2012 e de 2011 são s seguintes: () Demonstrções finnceirs consolidds As demonstrções finnceirs consolidds form preprds e estão sendo presentds conforme s prátics contábeis dotds no Brsil, incluindo os pronuncimentos emitidos pelo Comitê de Pronuncimentos Contábeis (CPCs) e conforme s norms interncionis de reltório finnceiro (Interntionl Finncil Reporting Stndrds (IFRS), emitids pelo Interntionl Accounting Stndrds Bord (IASB). (b) Demonstrções finnceirs individuis As demonstrções finnceirs individuis d Controldor form preprds conforme s prátics contábeis dotds no Brsil emitids pelo Comitê de Pronuncimentos Contábeis (CPCs) e são divulgds em conjunto com s demonstrções finnceirs consolidds. 8 de 62

13 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form Ns demonstrções finnceirs individuis, s controlds são contbilizds pelo método de equivlênci ptrimonil. Os mesmos justes são feitos tnto ns demonstrções finnceirs individuis qunto ns demonstrções finnceirs consolidds pr chegr o mesmo resultdo e ptrimônio líquido tribuível os cionists d Controldor. No cso de Indústris Romi S.A., s prátics contábeis dotds no Brsil plicds ns demonstrções finnceirs individuis diferem do IFRS plicável às demonstrções finnceirs seprds, pens pel vlição dos investimentos em controlds e coligds pelo método de equivlênci ptrimonil, enqunto conforme IFRS seri pelo custo ou vlor justo. (c) Mudnçs ns polítics contábeis e divulgções Não há novos pronuncimentos ou interpretções de CPCs/IFRS vigentes prtir de 2012 que poderim ter um impcto significtivo ns demonstrções finnceirs d Compnhi. 2.2 Investimentos em empress controlds - Consolidção () Controldor: Os investimentos em empress controlds são reconhecidos pelo método de equivlênci ptrimonil desde dt que o controle é dquirido. De cordo com este método, s prticipções finnceirs ns controlds são reconhecids ns demonstrções finnceirs o custo de quisição, e são justds periodicmente pelo vlor correspondente à prticipção d Compnhi nos resultdos líquidos tendo como contrprtid um cont de resultdo opercionl, com exceção ds vrições cmbiis dests empress, s quis são registrds em cont específic do ptrimônio líquido, denomind Ajustes de Avlição Ptrimonil. Estes efeitos serão reconhecidos em receits e despess qundo d vend ou bix do investimento. Após reduzir zero o sldo contábil d prticipção do investidor, perds dicionis são considerds, e um pssivo (provisão pr pssivo descoberto) é reconhecido somente n extensão em que o investidor tenh incorrido em obrigções legis ou construtivs (não formlizds) de fzer pgmentos por cont d controld. Do vlor pgo n quisição, o montnte que excede o vlor justo do ptrimônio líquido d dquirid n dt d trnsção é trtdo contbilmente como ágio. Adicionlmente, os sldos dos investimentos poderão ser reduzidos pelo reconhecimento de perds por recuperção do investimento (Not 2.11). Os dividendos recebidos de controlds são registrdos como um redução do vlor dos investimentos. (b) Consoliddo: A Compnhi consolidou integrlmente s demonstrções finnceirs d Compnhi e de tods s empress controlds. Consider-se existir controle qundo Compnhi detém, diret ou indiretmente, miori dos direitos de voto em Assemblei Gerl ou tem o poder de determinr s polítics finnceirs e opercionis, fim de obter benefícios de sus tividdes. 9 de 62

14 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form A prticipção de terceiros no ptrimônio líquido e no lucro líquido ds controlds é presentd seprdmente no blnço ptrimonil consoliddo e n demonstrção consolidd do resultdo, respectivmente, n cont de Prticipção dos cionists não-controldores. As trnsções e sldos entre e com s controlds form elimindos no processo de consolidção e eventuis gnhos e perds decorrentes dests trnsções são igulmente elimindos. Sempre que necessário, são efetudos justes às demonstrções finnceirs ds empress controlds tendo em vist uniformizção ds respectivs prátics contábeis de cordo com o IFRS e s prátics contábeis plicds pel Compnhi Combinções de negócios A Compnhi dot o método de quisição combinções de negócios, qundo Compnhi dquire controle, mensurndo o ágio como o vlor justo d contrprestção trnsferid, deduzindo o vlor justo dos tivos e pssivos ssumidos identificáveis, todos mensurdos n dt d quisição. Os custos de trnsção, que não sejm queles ssocidos com emissão de títulos de dívid ou de prticipção cionári, os quis Compnhi incorre com relção um combinção de negócios, são reconhecidos como despess à medid que são incorridos. O excesso d contrprestção trnsferid e do vlor justo n dt d quisição de qulquer prticipção ptrimonil nterior n dquirid em relção o vlor justo d prticipção d compnhi nos tivos líquidos identificáveis dquiridos é registrd como ágio (goodwill). Qundo contrprestção trnsferid for menor que o vlor justo dos tivos líquidos d controld dquirid (deságio), diferenç é reconhecid diretmente n demonstrção do resultdo do exercício (Not 26). 2.3 Conversão de sldos em moed estrngeir O critério pr conversão dos sldos tivos e pssivos ds operções em moed estrngeir, exceto investimentos, consiste n conversão pr moed ncionl (R$) à tx de câmbio vigente n dt de encerrmento ds demonstrções finnceirs. Os gnhos e perds resultntes d tulizção desses tivos e pssivos verificdos entre tx de câmbio vigente n dt d trnsção e os encerrmentos dos exercícios são reconhecidos como receits ou despess finnceirs no resultdo. () Moed funcionl ds controlds As demonstrções finnceirs são presentds em Reis (R$), que é moed funcionl d controldor e de sus controlds loclizds no Brsil. A moed funcionl ds controlds no exterior é determind com bse no mbiente econômico principl em que els operm, sendo que qundo moed for diferente d moed funcionl de presentção ds demonstrções finnceirs, esss são convertids pr o Rel (R$) n dt do fechmento. 10 de 62

15 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form Trnsções e sldos As trnsções em moed estrngeir são inicilmente registrds à tx de câmbio d moed funcionl em vigor n dt d trnsção. Os tivos e pssivos monetários denomindos em moed estrngeir são convertidos à tx de câmbio d moed funcionl em vigor ns dts dos blnços. Tods s diferençs são registrds n demonstrção do resultdo. Itens não monetários mensurdos com bse no custo histórico em moed estrngeir são convertidos utilizndo tx de câmbio em vigor ns dts ds trnsções iniciis. Itens não monetários mensurdos o vlor justo em moed estrngeir são convertidos utilizndo s txs de câmbio em vigor n dt em que o vlor justo foi determindo. Conversão ds demonstrções finnceirs ds controlds no exterior Os tivos e pssivos ds controlds no exterior (nenhum ds quis tem moed de economi hiperinflcionári) são convertidos pr Reis pel tx de câmbio d dt do blnço, e s correspondentes demonstrções do resultdo são convertids pel tx de câmbio d dt ds trnsções. As diferençs cmbiis resultntes d referid conversão são contbilizds seprdmente no ptrimônio líquido n rubric de Ajustes de vlição ptrimonil. Ajustes de vlor justo, decorrentes d quisição de um entidde no exterior são trtdos como tivos e pssivos d entidde no exterior e convertidos pel tx de fechmento. 2.4 Cix e equivlentes de cix Incluem o cix, os depósitos bncários e investimentos de curto przo com liquidez imedit e vencimento originl de 90 dis ou menos e com bixo risco de vrição no vlor de mercdo, sendo demonstrdos pelo custo crescido de juros uferidos té dt-bse do blnço, sendo o sldo presentdo líquido de sldos de conts grntids n demonstrção dos fluxos de cix. As conts grntids são demonstrds no blnço ptrimonil como "Finncimentos", no pssivo circulnte, se plicável. 2.5 Ativos finnceiros () Empréstimos e recebíveis São incluídos ness clssificção os tivos finnceiros não derivtivos com recebimentos fixos ou determináveis, que não são cotdos em um mercdo tivo. São registrdos no tivo circulnte, exceto, nos csos plicáveis, queles com przo de vencimento superior 12 meses pós dt do blnço, os quis são clssificdos como tivo não circulnte. No cso d Compnhi, compreendem cix e equivlentes de cix (Not 4), duplicts receber (Not 5), vlores receber repsse Finme Fbricnte (Not 6) e outros créditos. Os empréstimos e recebíveis são contbilizdos pelo custo mortizdo, usndo o método d tx efetiv de juros. 11 de 62

16 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form (b) Avlição d recuperbilidde de tivos finnceiros Ativos finnceiros são vlidos cd dt de blnço pr identificção d recuperbilidde de tivos (impirment). Estes tivos finnceiros são considerdos tivos não recuperáveis qundo existem evidêncis objetivs de que um ou mis eventos tenhm ocorrido pós o reconhecimento inicil do tivo finnceiro e que tenhm impctdo negtivmente o fluxo estimdo de cix futuro do investimento. Tis evidêncis contemplm o histórico de perds, situção individul dos clientes, do grupo econômico o qul pertencem, s grntis reis pr os débitos e vlição dos consultores jurídicos, e é considerd suficiente pr cobrir eventuis perds sobre os vlores receber. O montnte d perd por impirment é mensurd como diferenç entre o vlor contábil dos tivos e o vlor presente dos fluxos de cix futuros estimdos (excluindo os prejuízos de crédito futuro que não form incorridos) descontdos à tx de juros em vigor originl dos tivos finnceiros. O vlor contábil do tivo é reduzido e o vlor do prejuízo é reconhecido n demonstrção do resultdo. Se, num período subsequente, o vlor d perd por impirment diminuir e diminuição puder ser relciond objetivmente com um evento que ocorreu pós o impirment ser reconhecido (como um melhori n clssificção de crédito do devedor), reversão dess perd reconhecid nteriormente será reconhecid n demonstrção do resultdo. 2.6 Duplicts receber e Vlores receber repsse FINAME fbricnte As duplicts receber de clientes correspondem, substncilmente, os vlores receber pel vend de mercdoris no curso norml ds tividdes d Compnhi. Se o przo de recebimento é equivlente um no ou menos, s duplicts receber são clssificds no tivo circulnte. Cso contrário, estão presentds no tivo não circulnte. As duplicts receber de clientes são, inicilmente, reconhecids pelo vlor justo e, subsequentemente, mensurds pelo custo mortizdo com o uso do método d tx efetiv de juros menos provisão pr créditos de liquidção duvidos ("PDD" ou impirment). Detlhes sobre s operções de Vlores receber repsse FINAME vide Not Estoques Os estoques estão demonstrdos pelo menor vlor entre o vlor líquido de relizção (vlor estimdo de vend no curso norml dos negócios, menos s despess estimds pr relizr vend) e o custo médio de produção ou preço médio de quisição. A Administrção vli periodicmente necessidde de registrr provisão pr estoques de bix rottividde ou estoques obsoletos e qundo indictivos são identificdos provisão é registrd em Custo dos produtos e serviços vendidos. A Compnhi custei seus estoques por bsorção, utilizndo médi móvel ponderd. O custo dos produtos cbdos e dos produtos em elborção compreendem os custos de projeto, mtéris-prims, mão de obr diret, outros custos diretos e s respectivs despess direts de produção (com bse n cpcidde opercionl norml), excluindo os custos de empréstimos. 12 de 62

17 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form 2.8 Imobilizdo É vlido o custo histórico deduzido d respectiv deprecição, crescido, qundo plicável, de juros cpitlizdos incorridos durnte fse de construção ds novs uniddes. A deprecição é clculd pelo método liner, que lev em considerção vid útil econômic estimd dos bens. Custos subsequentes são incorpordos o vlor residul do imobilizdo ou reconhecidos como item específico, conforme proprido, somente se os benefícios econômicos futuros ssocidos esses itens forem prováveis e os vlores puderem ser mensurdos de form confiável. O sldo residul do item substituído é bixdo. Demis repros e mnutenções são reconhecidos diretmente no resultdo do exercício qundo incorridos. O vlor residul e vid útil econômic estimd dos bens são revisdos e justdos, se necessário, n dt de encerrmento de cd exercício. As vids úteis do tivo imobilizdo por ctegori estão descrits n Not 11. O vlor residul dos itens do imobilizdo são bixdos imeditmente o seu vlor recuperável qundo o sldo residul exceder o respectivo vlor recuperável. Os gnhos e s perds de lienções são determindos pel comprção dos resultdos com o seu vlor contábil e são reconhecidos em "Outrs receits (despess) opercionis, líquids" n demonstrção do resultdo. 2.9 Proprieddes pr investimento As proprieddes pr investimento são representds por terrenos e edifícios pr locção mntidos pr uferir rendimento de luguel e/ou vlorizção do cpitl, conforme divulgdo n Not 10. As proprieddes pr investimento são registrds pelo custo de quisição ou construção, deduzido ds respectivs deprecições cumulds, clculds pelo método liner txs que levm em considerção o tempo de vid útil estimdo dos bens Intngível É vlido o custo de quisição, deduzido d mortizção cumuld e perds por redução do vlor recuperável, qundo plicável. Os tivos intngíveis (cessão de direito e outros) são mortizdos considerndo su utilizção efetiv ou um método que reflit o benefício econômico do tivo intngível. O vlor residul dos itens do intngível é bixdo imeditmente o seu vlor recuperável qundo o sldo residul exceder o vlor recuperável (Not 2.11). Os tivos intngíveis dquiridos em um combinção de negócios (tecnologi, relcionmento de clientes, crteir de pedidos) são registrdos pelo vlor justo n dt de quisição, deduzido d mortizção cumuld e de perds pel não recuperbilidde, qundo plicável. Os tivos intngíveis que têm vid útil definid são mortizdos o longo de sus vids úteis usndo um método de mortizção que reflete o benefício econômico do tivo intngível. 13 de 62

18 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form Os tivos intngíveis são revisdos nulmente pr efeitos de vlição por perds pel não recuperbilidde, ou se os contecimentos ou lterções ns circunstâncis indicrem que o vlor contábil pode não ser recuperável. A Compnhi revis o período de mortizção e o método de mortizção pr seus tivos intngíveis com vid útil definid o finl de cd exercício. Os gstos com pesquis e desenvolvimento são registrdos o resultdo do exercício qundo incorridos como "Pesquis e desenvolvimento" Provisão pr redução o vlor recuperável dos tivos e reversão de eventul provisão constituíd tivos não finnceiros N dt de cd demonstrção finnceir, Compnhi nlis se existem evidêncis de que o vlor contábil de um tivo não será recuperdo. Cso se identifique tis evidêncis, Compnhi estim o vlor recuperável do tivo. O vlor recuperável de um tivo é o mior vlor entre: () seu vlor justo menos custos que serim incorridos pr vendê-lo, e (b) seu vlor em uso. O vlor em uso é equivlente os fluxos de cix descontdos (ntes dos impostos) derivdos do uso contínuo do tivo té o finl d su vid útil. Independentemente d existênci de indicção de não recuperção de seu vlor contábil, sldos de ágio origindos d combinção de negócios e tivos intngíveis com vid útil indefinid têm su recuperção testd pelo menos um vez por no em dezembro. Qundo o vlor residul contábil do tivo exceder seu vlor recuperável, Compnhi reconhece um redução do sldo contábil deste tivo (impirment) e eventul redução no vlor recuperável dos tivos é registrd no resultdo do exercício. Exceto com relção à redução no vlor do ágio, reversão de perds reconhecids nteriormente é permitid. A reversão nests circunstâncis está limitd o sldo deprecido que o tivo presentri n dt d reversão, supondo-se que reversão não tenh sido registrd Conts pgr os fornecedores As conts pgr os fornecedores são obrigções pgr por bens ou serviços que form dquiridos no curso norml dos negócios, sendo clssificds como pssivos circulntes se o pgmento for devido no período de té um no. Cso contrário, s conts pgr são presentds como pssivo não circulnte. Els são, inicilmente, reconhecids pelo vlor justo e, subsequentemente, mensurds pelo custo mortizdo com o uso do método de tx efetiv de juros. N prátic, são normlmente reconhecids o vlor d ftur correspondente. 14 de 62

19 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form 2.13 Pssivos finnceiros e instrumentos ptrimoniis () Clssificção como dívid ou ptrimônio Instrumentos de dívid ou instrumentos ptrimoniis são clssificdos de um form ou outr de cordo com substânci dos termos contrtuis. (b) Finncimentos e Finncimentos FINAME fbricnte Os finncimentos são reconhecidos, inicilmente, pelo vlor justo, líquido dos custos incorridos n trnsção e são, subsequentemente, demonstrdos pelo custo mortizdo. Qulquer diferenç entre os vlores cptdos (líquidos dos custos d trnsção) e o vlor totl pgr é reconhecid n demonstrção do resultdo durnte o período em que os empréstimos estejm em berto, utilizndo o método d tx efetiv de juros. Os finncimentos são clssificdos como pssivo circulnte, menos que Compnhi tenh um direito incondicionl de diferir liquidção do pssivo por, pelo menos, 12 meses pós dt do blnço. Detlhes sobre s operções de Finncimentos FINAME fbricnte vide Not 14. (c) Instrumentos de ptrimônio Um instrumento ptrimonil é bsedo em um contrto que demonstre prticipção nos tivos de um entidde pós serem deduzidos todos os seus pssivos Ajuste vlor presente Os tivos e pssivos decorrentes de operções de curto przo, qundo relevntes, são justdos vlor presente com bse em txs de desconto que reflitm s melhores vlições do mercdo. A mensurção do juste vlor presente é relizd em bse exponencil pro rt die, prtir d origem de cd trnsção. As reversões dos justes dos tivos e pssivos monetários form contbilizds como receits ou despess finnceirs. A tx de desconto utilizd foi de proximdmente 8,2% o no (10,9% em 31 de dezembro de 2011), qul tem como fundmento e premiss tx médi publicd pel Associção Ncionl dos Bncos de Investimento e Distribuidors - ANBID. 15 de 62

20 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form 2.15 Imposto de rend e contribuição socil corrente e diferido A despes de imposto de rend e contribuição socil corrente é clculd de cordo com s bses legis tributáris vigentes n dt de presentção ds demonstrções finnceirs nos píses onde Controldor e sus subsidiáris operm e germ resultdo tributável. Periodicmente Administrção vli posições tomds com relção questões tributáris que estão sujeits à interpretção e reconhece provisão qundo há expecttiv de pgmento de imposto de rend e contribuição socil conforme s bses tributáris. O imposto corrente é o imposto pgr ou receber esperdo sobre o lucro ou prejuízo tributável do exercício, txs de impostos com vigênci n dt bse ds demonstrções finnceirs. Imposto de rend e contribuição socil diferidos são reconhecidos, em su totlidde, sobre s diferençs gerds entre os tivos e pssivos reconhecidos pr fins fiscis e correspondentes vlores reconhecidos ns demonstrções finnceirs. Entretnto, o imposto de rend e contribuição socil diferidos não são reconhecidos se forem gerdos no registro inicil de tivos e pssivos em operções que não fetm s bses tributáris, exceto em operções de combinção de negócios. Imposto de rend e contribuição socil diferidos são determindos considerndo s txs (e leis) vigentes n dt de preprção ds demonstrções finnceirs e plicáveis qundo o respectivo imposto de rend e contribuição socil forem relizdos, bem como são reconhecidos somente n extensão em que sej provável que existirá bse tributável positiv pr qul s diferençs temporáris possm ser utilizds e prejuízos fiscis possm ser compensdos. Ativos de imposto de rend e contribuição socil diferidos são revisdos cd dt de encerrmento de exercício e são reduzidos n medid em que su relizção não sej mis provável. A despes ou receit com imposto de rend e contribuição socil compreende os impostos de rend correntes e diferidos. O imposto corrente e o imposto diferido são reconhecidos no resultdo menos que estejm relciondos à combinção de negócios, ou itens diretmente reconhecidos no ptrimônio líquido ou em outros resultdos brngentes. A Compnhi somente reconhece um provisão sobre ssuntos fiscis se um evento pssdo originr um obrigção presente. A Compnhi determin se um obrigção presente existir no finl do exercício tomndo em considerção tods s evidêncis disponíveis, incluindo, por exemplo, opinião de ssessores jurídicos. A Compnhi tmbém lev em considerção se é provável que existirá um síd de tivos e se um estimtiv confiável pode ser feit Benefícios empregdos A Compnhi possui diversos plnos de benefícios empregdos incluindo plnos de pensão e de posentdori (contribuição definid), ssistênci médic, odontológic. 16 de 62

21 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form O plno de posentdori pós-emprego crcteriz-se n modlidde de plno de contribuição definid, sobre o qul Compnhi não tem nenhum obrigção legl cso o plno não possu tivos suficientes pr o pgmento dos benefícios obtidos pelos funcionários como resultdo de serviços pssdos prestdos (Not 18). As contribuições o plno de posentdori de contribuição definid são reconhecids como despes qundo efetivmente incorrids, ou sej, no momento d prestção de serviços dos empregdos à Compnhi (Not 18) Outros tivos e pssivos circulntes e não circulntes São demonstrdos pelos vlores de relizção (tivos) e pelos vlores conhecidos ou clculáveis, crescidos, qundo plicável, dos correspondentes encrgos e vrições monetáris incorridos (pssivos) Cpitl socil As ções ordináris são clssificds no ptrimônio líquido. Os custos incrementis diretmente tribuíveis à emissão de novs ções ou opções são demonstrdos no ptrimônio líquido como um dedução do vlor cptdo, líquid de impostos. Qundo Compnhi compr sus própris ções (ções em tesourri), o vlor pgo, incluindo quisquer custos dicionis diretmente tribuíveis (líquidos do imposto de rend), é deduzido do ptrimônio líquido tribuível os cionists d Compnhi té que s ções sejm cncelds ou reemitids. Qundo esss ções são subsequentemente reemitids, qulquer vlor recebido, líquido de quisquer custos dicionis d trnsção diretmente tribuíveis e dos respectivos efeitos do imposto de rend e d contribuição socil, é incluído no ptrimônio líquido tribuível os cionists d Compnhi Distribuição de dividendos e juros sobre o cpitl próprio A distribuição de dividendos e juros sobre cpitl próprio pr os cionists d Compnhi é reconhecid como um pssivo ns demonstrções finnceirs o finl do exercício, com bse no esttuto socil d Compnhi. Qulquer vlor cim do mínimo obrigtório somente é provisiondo n dt em que são provdos pelo Conselho de Administrção. O benefício fiscl dos juros sobre cpitl próprio é reconhecido n demonstrção de resultdo Reconhecimento de receit de vends de produtos A receit compreende o vlor justo d contrprestção recebid ou receber pel comercilizção de produtos no curso norml ds tividdes d Compnhi. A receit de vends é presentd líquid dos impostos, dos btimentos, ds devoluções, dos descontos incidentes, bem como ds eliminções ds vends entre empress do grupo. Os impostos sobre vends são reconhecidos qundo s vends são fturds, e os descontos sobre vends qundo conhecidos. 17 de 62

22 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form () Vend de produtos As receits de vends de produtos são reconhecids qundo o vlor ds vends é mensurável de form confiável, Compnhi não detém mis controle sobre mercdori vendid ou qulquer outr responsbilidde relciond à propriedde dest, os custos incorridos ou que serão incorridos em respeito trnsção podem ser mensurdos de mneir confiável, é provável que os benefícios econômicos serão recebidos pel Compnhi e os riscos e os benefícios dos produtos form integrlmente trnsferidos o comprdor. Os fretes sobre vends são registrdos como despess de vend. (b) Receit finnceir A receit finnceir é reconhecid conforme o przo decorrido pelo regime de competênci, usndo o método d tx efetiv de juros Provisões As provisões pr riscos fiscis, trblhists e cíveis são reconhecids qundo um evento pssdo gerou um obrigção presente (legl ou não formlizd), existe probbilidde de um síd de recursos e o vlor d obrigção pode ser estimdo com segurnç. O vlor constituído como provisão é melhor estimtiv do vlor de liquidção n dt de encerrmento ds demonstrções finnceirs, levndo em considerção os riscos e incertezs relciondos à obrigção. Qundo provisão é mensurd usndo o fluxo de cix estimdo pr liquidr obrigção presente, o seu vlor é determindo trvés do vlor presente desses fluxos de cix. Qundo o benefício econômico requerido pr liquidr um provisão é esperdo ser recebido de terceiros, esse vlor receber é registrdo como um tivo qundo o reembolso é virtulmente certo e o montnte poss ser estimdo com segurnç. Provisão pr grntis A provisão pr custos com grnti é reconhecid n dt d vend dos produtos, com bse n melhor estimtiv d Administrção sobre os custos serem incorridos pr prestção dos serviços de grnti dos produtos Arrendmentos Os rrendmentos nos quis um prcel significtiv dos riscos e benefícios d propriedde é retid pelo rrenddor são clssificdos como rrendmentos opercionis. Os pgmentos efetudos pr rrendmentos opercionis (líquidos de quisquer incentivos recebidos do rrenddor) são reconhecidos n demonstrção do resultdo pelo método liner, durnte o período do rrendmento. A Compnhi possui somente rrendmentos mercntis opercionis. 18 de 62

23 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form 2.23 Estimtivs e julgmentos contábeis críticos n elborção ds demonstrções finnceirs O processo de elborção ds demonstrções finnceirs envolve utilizção de estimtivs. A determinção desss estimtivs levou em considerção experiêncis de eventos pssdos e correntes, pressupostos reltivos eventos futuros, e outros ftores objetivos e subjetivos. Itens significtivos sujeitos esss estimtivs e premisss incluem: () (b) (c) Vid útil de tivos de long durção. Teste de redução do vlor recuperável de tivos de vid long. Relizção e obsolescênci dos estoques. d) Análise do risco de crédito pr determinção d provisão pr créditos de liquidção duvidos. e) Mensurção do vlor justo de instrumentos finnceiros. f) Imposto de rend diferido tivo sobre prejuízos fiscis e bse negtiv de contribuição socil, ssim como d nálise dos demis riscos pr determinção de outrs provisões, inclusive pr contingêncis dvinds de processos dministrtivos e judiciis e demis tivos e pssivos n dt do blnço. g) Vlorizção de tivos dquiridos e pssivos ssumidos em combinções de negócios. A liquidção ds trnsções envolvendo esss estimtivs poderá resultr em vlores divergentes dos registrdos ns demonstrções finnceirs devido às imprecisões inerentes o processo de estimtiv. Esss estimtivs e premisss são revisds periodicmente Norms, interpretções e lterções de norms contábeis. () Norms, interpretções e lterções de norms existentes em vigor em 31 de dezembro de 2012 e que não tiverm impctos relevntes sobre s demonstrções finnceirs d Compnhi. As interpretções e lterções ds norms existentes seguir form editds e estvm em vigor em 31 de dezembro de 2012, entretnto, não tiverm impctos relevntes sobre s demonstrções finnceirs d Compnhi: IFRS: Norm Alterções IFRS 7 Alterções IFRS 1 Alterção o IAS 12 Assunto Instrumentos Finnceiros: divulgções sobre trnsferêncis de tivos finnceiros Adoção Inicil do IFRS: sobre remoção de dts fixs e hiperinflção Impostos sobre Rend sobre tributos diferidos 19 de 62

24 Nots explictivs d dministrção às demonstrções finnceirs em 31 de dezembro de 2012 Em milhres de reis, exceto qundo indicdo de outr form CPC/CVM: Norm CPC 18(R1)/ Deliberção No. 688 CPC 30(R1)/ Deliberção No. 692 ICPC 09(R1)/Deliberção No. 687 CPC 40(R1)/Deliberção No. 684 ICPC 08(R1)/Deliberção No. 683 Assunto Investimento em Coligd e em Controld. Receits Demonstrções contábeis individuis, demonstrções seprds, demonstrções consolidds e plicção do método d equivlênci ptrimonil Instrumentos Finnceiros: Evidencição Contbilizção d propost de pgmento de dividendos (b) Norms, interpretções e lterções de norms existentes que ind não estão em vigor e não form dotds ntecipdmente pel Compnhi. As seguintes novs norms, lterções e interpretções de norms form emitids pelo IASB ms não estão em vigor pr o exercício de A doção ntecipd desss norms, embor encorjd pelo IASB, não foi permitid, no Brsil, pelo Comitê de Pronuncimento Contábeis (CPC). IFRS: Norm IAS 1 IAS 19 IFRS 7 IFRS 9 IFRS 10 IFRS 12 IFRS 13 Alterções diverss Assunto Apresentção ds Demonstrções Finnceirs Benefícios Empregdos Instrumentos finnceiros: Divulgções Instrumentos Finnceiros Demonstrções Finnceirs Consolidds Divulgção de Prticipções em Outrs Entiddes Mensurção do Vlor Justo IAS 12 (Imposto de rend), IAS 19 ( Plno de Beneficio Empregdos), IAS 1 (Apresentção ds Demonstrções Finnceirs), IAS 32 (Instrumentos Finnceiros Apresentção), IFRS 7 (Instrumentos Finnceiros divulgção), CPC/CVM: Norm CPC 36(R3)/ Deliberção No. 698 CPC 45/ Deliberção No. 697 CPC 46/ Deliberção No. 699 Instrução No. 527 Assunto Demonstrções Consolidds Divulgção de Prticipções em Outrs Entiddes Mensurção do Vlor Justo Dispõe sobre divulgção voluntári de informções de nturez não contábil denominds LAJIDA e LAJIR Considerndo s tuis operções d Compnhi e de sus controlds, Administrção não esper que esss novs norms, interpretções e lterções tenhm um efeito relevnte sobre s demonstrções finnceirs prtir de su doção. 20 de 62

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Trimestrais ITR em 30 de junho de 2013 e relatório sobre a revisão de informações trimestrais

Abril Educação S.A. Informações Trimestrais ITR em 30 de junho de 2013 e relatório sobre a revisão de informações trimestrais Abril Educção S.A. Informções Trimestris ITR em 30 de junho de 2013 e reltório sobre revisão de informções trimestris ABRIL EDUCAÇÃO S.A. INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR em 30 de junho de 2013 e Reltório

Leia mais

USEBENS SEGUROS S.A. CNPJ nº 09.180.505/0001-50

USEBENS SEGUROS S.A. CNPJ nº 09.180.505/0001-50 398 São Pulo, 125 (38) Diário Oficil Empresril sext-feir, 27 de fevereiro de 2015 Submetemos à precição de V. Ss. s Demonstrções Contábeis d, reltivos o exercício findo em 31 de dezembro de, elbords n

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO - Em milhares de reais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO - Em milhares de reais Jornl do Commercio Quint-feir, 28 de fevereiro de 2013 A-55 Senhores cionists, Em cumprimento às disposições legis e esttutáris, Administrção d Generli Brsil Seguros submete à precição de V. Ss. s demonstrções

Leia mais

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO)

CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) GESTÃO DE EMPRESAS CÁLCULO E INSTRUMENTOS FINANCEIROS I (2º ANO) Exercícios Amortizção de Empréstimos EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Exercício 1 Um empréstimo vi ser reembolsdo trvés de reembolsos nuis, constntes

Leia mais

Springs Global Participações S.A.

Springs Global Participações S.A. Springs Globl Prticipções S.A. Demonstrções Contábeis Intermediáris Individuis e Consolidds Referentes o Trimestre Findo em 30 de Setembro de 2016 e Reltório sobre Revisão de Demonstrções Contábeis Intermediáris

Leia mais

7. GESTÃO DE PESSOAS 8. RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 10. BALANÇO SOCIAL. Base de cálculo 100% 65,70% 61,00% 100% 99,90% Outros 0,00% TBE

7. GESTÃO DE PESSOAS 8. RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 10. BALANÇO SOCIAL. Base de cálculo 100% 65,70% 61,00% 100% 99,90% Outros 0,00% TBE Reltório d Administrção Compnhi Abert Aos Acionists: A Administrção d Investimento S.A., em tendimento às disposições legis e esttutáris pertinentes, present o reltório d dministrção e s 6. GERAÇÃO monstrções

Leia mais

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA

ESTADO DO TOCANTINS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO SICAP SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PUBLICA ESTDO DO TOCNTINS TRIBUNL DE CONTS DO ESTDO SICP SISTEM INTEGRDO DE CONTROLE E UDITORI PUBLIC PLNO DE CONTS PR O EXERCÍCIO DE 28 ENTIDDES MUNICIPIS DO ESTDO DO TOCNTINS S U M Á R I O _ I - INTRODUÇÃO II

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal

PREÇÁRIO Informação de Produtos e Serviços Aviso nº 1/95 do Banco de Portugal 01-08-09 / Pág. 1/12 CRÉDITO PESSOAL CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - PARTICULARES Crédito Lr Txs Representtivs Tx Preferencil Tx Nominl Nominl 7,500% 29,500% 18,3% CRÉDITO NO PONTO DE VENDA - EMPRESAS Crédito

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Redentor Energia S.A.

Redentor Energia S.A. Informções finnceirs Intermediáris referentes o trimestre e período de seis meses findos em 30 de junho de 2015 e Reltório dos Auditores Independentes sobre s informções finnceirs intermediáris Deloitte

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3

PAULA et al. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 2. Bacharel em Ciências Contábeis, Universidade Paranaense - Unipar 3 PAULA et l. 133 ANÁLISE COMPARATIVA DA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DOS SEGMENTOS DE CALÇADOS E ALIMENTOS DIVERSOS Amnd de Pul 1 Myr Nkok 2 Adlberto Rmon Vlderrm Gerbsi 3 Isbel Cristin Gozer 4 PAULA,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Na composiçãodasoperaçõesdecrédito, acarteiracomercialéamaisrepresentativa, detendoumaparticipaçãode79%.

Na composiçãodasoperaçõesdecrédito, acarteiracomercialéamaisrepresentativa, detendoumaparticipaçãode79%. Bnco do Estdo de Sergipe S/A Ru Olímpio de Souz Cmpos Júnior, 31 Birro Inácio Brbos CEP 49040840 Arcju Sergipe Bnese, um ptrimônio de todos os sergipnos Mensgem d President Há mis de meio século, o Bnese

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO

CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO CONSULTE A LISTA DE CONVÊNIOS PARTICIPANTES DA PROMOÇÃO Fundção d UFPR (Desenvolvimento d Ciênci, tecnologi e d cultur) - FUNPAR Fundo Previdenciário do Município de Pulist Governo do Estdo d Príb Governo

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Forno de Minas Alimentos S.A.

Forno de Minas Alimentos S.A. Forno de Mins Alimentos S.A. Informções Finnceirs Intermediáris referentes os períodos de três e seis meses findos em 30 de Junho de 2015 e Reltório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmtsu

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA

APRESENTAÇÃO HISTÓRICO MENSAGEM DA DIRETORIA APRESENTAÇÃO A Diretori Executiv present o Reltório Anul de Informções do Fundo de Pensão Multiptrocindo d OAB-PR e d CAA/PR reltivo o exercício de 2013, consolidndo s principis informções do Plno de Benefícios

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias

4.1. Modalidades de Pagamento 4.2. Pagamento do Incentivo relativo às Operações de Locação Financeira 4.3. Garantias Bancárias UNIÃO EUROPEIA Fundos Estruturis SIME Gui do Beneficiário (Portri n.º 262/2004, de 11 de Mrço) - Introdução 1. Notificção e Contrtção dos Incentivos. 1.1. Notificção 1.2. Contrtção 1.3. Elementos Adicionis,

Leia mais

STARA Financeira S.A. - Crédito, Financiamento e Investimento Não Me Toque RS - CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

STARA Financeira S.A. - Crédito, Financiamento e Investimento Não Me Toque RS - CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO - CNPJ 17.359.351/0001--96 Reltório d Administrção: Senhores cionists Submetemos à precição de V.Ss. s demonstrções contábeis, s nots explictivs e o reltório d Auditori referentes o semestre encerrdo em

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA

CONTABILIDADE ANALÍTICA CONTABILIDADE ANALÍTICA Cpítulo Cpítulo 1. COMPONENTES DO CUSTO DE PRODUÇÃO MATÉRIAS (bens dquiridos pr trnsformção): Prims: quels que são trnsformdos noutros produtos Subsidiáris: quels que poim trnsformção

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE AS TRANSMISSÕES ONEROSAS DE IMÓVEIS - (IMT) DECLARAÇÃO PARA LIQUIDAÇÃO OFICIOSA Modelo 1 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 1 Est declrção destin-se solicitr liquidção

Leia mais

Bandeirante Energia S.A. Companhia Aberta - CNPJ/MF nº 02.302.100/0001-06

Bandeirante Energia S.A. Companhia Aberta - CNPJ/MF nº 02.302.100/0001-06 Compnhi Abert - CNPJ/MF nº 02.302.100/0001-06 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 2013 MENSAGEM DO DIRETOR PRESIDENTE No no de 2013, EDP Bndeirnte prosseguiu com su tução sustentável junto os cionists, clientes,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos http://www.plnlto.gov.br/ccivil_03/eis/cp/cp139.htm Pge 1 sur 22 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos EI COMPEMENTAR Nº139, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2011 Mensgem de veto Vigênci Alter

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Divulgação nos relatórios dos bancos públicos brasileiros: análise das recomendações do Pilar 3 do Acordo de Basileia 2

Divulgação nos relatórios dos bancos públicos brasileiros: análise das recomendações do Pilar 3 do Acordo de Basileia 2 Divulgção nos reltórios dos bncos públicos brsileiros: nálise ds recomendções do Pilr 3 do Acordo de Bsilei 2 Andrei d Silv Britto Universidde Federl do Rio de Jneiro Adrino Rodrigues Universidde Federl

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

2.012 MW. 2,934 milhões. 24.923 GWh DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. R$ 342 milhões. R$ 6,3 bilhões. R$ 1,3 bilhão. R$ 370 milhões.

2.012 MW. 2,934 milhões. 24.923 GWh DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. R$ 342 milhões. R$ 6,3 bilhões. R$ 1,3 bilhão. R$ 370 milhões. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2012 2,934 milhões de clientes tendidos 2.012 MW de cpcidde instld de gerção 24.923 GWh de energi distribuíd R$ 6,3 bilhões de receit opercionl líquid* * Não consider Receit de

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas

Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas Demonstrações Contábeis Cimento Tupi S.A. e Empresas Controladas 31 de dezembro de 2012 com o Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Contábeis Demonstrações contábeis 31 de dezembro

Leia mais

SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 1/2008/RC

SATAPOCAL - FICHA DE APOIO TÉCNICO Nº 1/2008/RC 1. QUESTÃO E SUA RESOLUÇÃO 1.1. QUESTÃO COLOCADA Quis os registos contbilísticos relizr pel Associção de Municípios que resultm d cobrnç d tx de gestão de resíduos e consequente entreg junto d Autoridde

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

Regulamento Promoção Promo Dotz

Regulamento Promoção Promo Dotz Regulmento Promoção Promo Dotz 1. Empres Promotor 1.1 Est promoção é relizd pel CBSM - Compnhi Brsileir de Soluções de Mrketing, dministrdor do Progrm Dotz, com endereço n Ru Joquim Florino n. 533 / 15º

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

7.4 Coluna Categoria... 22. 7.6 Coluna Valor... 22 7.7 Coluna Vinculação ao Objeto/Justificativa. Financeiro

7.4 Coluna Categoria... 22. 7.6 Coluna Valor... 22 7.7 Coluna Vinculação ao Objeto/Justificativa. Financeiro SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DA ESTRATÉGIA GOVERNAMENTAL NÚCLEO CENTRAL DE PARCERIAS COM ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL Índice DE INTERESSE PÚBLICO Introdução...

Leia mais

Proposta da Administração. Indústrias Romi S.A. CNPJ/MF 56.720.428/0001-63

Proposta da Administração. Indústrias Romi S.A. CNPJ/MF 56.720.428/0001-63 Proposta da Administração Indústrias Romi S.A. CNPJ/MF 56.720.428/0001-63 Informações requeridas pela Instrução CVM n o 481/09, em atendimento ao Edital de Convocação das Assembleias Gerais Ordinária e

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1 CÓDIO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ Versão 1.1 Cópis e trduções deste documento estão disponíveis em formto eletrônico no site d UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento foi trduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição

ESTATÍSTICA APLICADA. 1 Introdução à Estatística. 1.1 Definição ESTATÍSTICA APLICADA 1 Introdução à Esttístic 1.1 Definição Esttístic é um áre do conhecimento que trduz ftos prtir de nálise de ddos numéricos. Surgiu d necessidde de mnipulr os ddos coletdos, com o objetivo

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente d Repúblic Luiz Inácio Lul d Silv Ministro do Plnejmento, Orçmento e Gestão Pulo Bernrdo Silv INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Edurdo Pereir Nunes Diretor-Executivo

Leia mais

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS Mnul de GUIA PRÁTICO ABONO DE FAMILIA PARA CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Deprtmento/Gbinete Pág. 1/26 FICHA TÉCNICA TÍTULO Gui Prático Abono de fmíli pr crinçs e jovens

Leia mais

Circular 1/2015/DGO. - A previsão é realizada em função das necessidades mensais de tesouraria;

Circular 1/2015/DGO. - A previsão é realizada em função das necessidades mensais de tesouraria; Circulr 1/2015/DGO Assunto: Instruções reltivs às previsões mensis de execução do Orçmento do Estdo de 2015 I Enqudrmento 1. As presentes instruções têm como objetivo trnsmitir os procedimentos seguir

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente d Repúblic Luiz Inácio Lul d Silv Ministro do Plnejmento, Orçmento e Gestão Guido Mnteg INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Edurdo Pereir Nunes Diretor Executivo

Leia mais

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO

6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRATOS EMPRESARIAIS 6.1 NOTA PROMISSÓRIA DEC. 57.663/66 6.1.1 CARACTERÍSTICAS NOTA PROMISSÓRIA NOTA PROMISSÓRIA CONCEITO 6. TÍTULOS EM ESPÉCIE E CONTRTOS EMPRESRIIS 6.1 NOT PROMISSÓRI DEC. 57.663/66 Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com Profª Msc Margô Trindade Sartori margosartori@gmail.com NOT PROMISSÓRI

Leia mais

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1.

I - Celebração, Modificação e Cessação do Contrato 1. 1 6 CARTÃO DE CRÉDITO PARTICULAR SOC. COMERCIAL C. SANTOS Montepio Crédito - Instituição Finnceir de Crédito, S.A. Condições Geris de Utilizção, Direitos e Deveres ds Prtes Elbords de cordo com o Aviso

Leia mais

INDUSTRIAL DO BRASIL. Banco Industrial do Brasil S.A. RATING

INDUSTRIAL DO BRASIL. Banco Industrial do Brasil S.A. RATING INDUSTRIL DO BRSIL RTING abril de 2007 - dados do exercício de 2006 Rua raújo Porto legre, 36/8 parte Tel.: nalistas s instituições financeiras de um banco. outra BRIL DE 2007 PRÓXIM REVISÃO DE RTING TÉ

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS MARIANE SANCES FERREIRA. AVALIAÇÃO DE EMPRESAS SEGURADORAS Um estudo de caso da SulAmérica S.A.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS MARIANE SANCES FERREIRA. AVALIAÇÃO DE EMPRESAS SEGURADORAS Um estudo de caso da SulAmérica S.A. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS MARIANE SANCES FERREIRA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS SEGURADORAS Um estudo de cso d SulAméric S.A. Vrginh/MG 2014 MARIANE SANCES FERREIRA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS SEGURADORAS Um estudo

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS, em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

SCHIMITT AUDITORES S/S. Previdenciárias e Trabalhistas

SCHIMITT AUDITORES S/S. Previdenciárias e Trabalhistas Volume 8, edição 8 Julho 2015 SCHIMITT AUDITORES S/S Boletim Informtivo Interesses especiis: Atulizções Tributáris; Atulizções Contábeis; Atulizções Trblhists. Novs Obrigções Acessóris SPED ECF - Escriturção

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2015 - REIT SECURITIZADORA DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS S/A Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Copobras da Amazônia Industrial de Embalagens Ltda.

Copobras da Amazônia Industrial de Embalagens Ltda. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 7) 1.440 1.112 Fornecedores(Nota 14) 3.537 4.353 Contas a receber

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Pge 1 of 59 Presidênci d Repúblic Cs Civil Subchefi pr Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006 (Republicção em tendimento o disposto no rt. 5º d Lei Complementr nº 139, de

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Banrisul Armazéns Gerais S.A.

Banrisul Armazéns Gerais S.A. Balanços patrimoniais 1 de dezembro de 2012 e 2011 Nota Nota explicativa 1/12/12 1/12/11 explicativa 1/12/12 1/12/11 Ativo Passivo Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 17.891 18.884 Contas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

Autoriza o Poder Executivo Municipal a aderir ao programa BADESC CIDADES II e tomar empréstimo juttto ao BADESC - Agência de Fomento de santa

Autoriza o Poder Executivo Municipal a aderir ao programa BADESC CIDADES II e tomar empréstimo juttto ao BADESC - Agência de Fomento de santa PREFEITURA MUN ICI PAL DE T,IONDAI LEI N".3.512, DE l1 DE JUNHO DE 2013. Autoriz o Poder Executivo Municipl derir o progrm BADESC CIDADES II e tomr empréstimo juttto o BADESC - Agênci de Fomento de snt

Leia mais

Balancete Mensal Data : Dezembro/2013

Balancete Mensal Data : Dezembro/2013 Pagina 1 de 6 VOTORNTIM ET MNGEMENT DTVM LTD. aldo 30/11/2013 I Débito mês Crédito mês aldo 31/12/2013 I 1 1.1 1.1.2 1.1.2.10 1.1.2.10.00 1.1.2.10.00.001 CIRCULNTE E RELIZÁVEL LONGO PRZO DIPONIBILIDDE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA

TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA TERMO DE REFERÊNCIA ILUMINAÇÃO TÉCNICA FÁBRICAS DE CULTURA CAPÃO REDONDO Ru Lubvitch, 64 01123010 Bom Retiro São Pulo SP Tel/Fx: 11 3361 4976 www.poiesis.org.br TRIluminção Técnic ArenCPR ÍNDICE DO TERMO

Leia mais

SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES

SEGUROS E FUNDOS DE PENSÕES E FUNDOS PENSÕES o O Gui de Seguros e tem como objectivo principl esclrecer o leitor, em lingugem simples e cessível, cerc dos conceitos, tipos de contrtos e procedimentos n áre dos seguros e fundos de

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais