Você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/ Você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra."

Transcrição

1

2 Demandas legais no desenvolvimento de software sob uma visão tecnológica, de Claudio F Filho, foi licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição - Uso não-comercial - Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Não adaptada. Você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Remixar criar obras derivadas. ob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante (mas não de maneira que sugira que estes concedem qualquer aval a você ou ao seu uso da obra). Uso não-comercial Você não pode usar esta obra para fins comerciais. Compartilhamento pela mesma licença e você alterar, transformar ou criar em cima desta obra, você poderá distribuir a obra resultante apenas sob a mesma licença, ou sob uma licença similar à presente. Ficando claro que: Renúncia Qualquer das condições acima pode ser renunciada se você obtiver permissão do titular dos direitos autorais. Domínio Público Onde a obra ou qualquer de seus elementos estiver em domínio público sob o direito aplicável, esta condição não é, de maneira alguma, afetada pela licença. Outros Direitos Os seguintes direitos não são, de maneira alguma, afetados pela licença: Limitações e exceções aos direitos autorais ou quaisquer usos livres aplicáveis; Os direitos morais do autor; Direitos que outras pessoas podem ter sobre a obra ou sobre a utilização da obra, tais como direitos de imagem ou privacidade. Aviso Para qualquer reutilização ou distribuição, você deve deixar claro a terceiros os termos da licença a que se encontra submetida esta obra. A melhor maneira de fazer isso é com um link para esta página.

3 Agradecimentos Agradeço a estas pessoas pelo desenvolvimento deste trabalho, com colaborações desde sugestões, críticas e correções: Claudia Ferreira Érico Ferreira Leonardo Cezar Marcelo Moura Marco cheiner Meg Mendonça Reinaldo Vale Contatos Identi.ca: Twitter: Histórico do documento Data Versão Autor 6/0/ 0. Claudio F Filho Versão inicial. 4/0/ 0. Claudio F Filho Adição das seções Novos modelos de negócio, Relações trabalhistas e Outras considerações. 0/0/ 0.3 Claudio F Filho Adição de várias considerações e melhorias no texto a partir de sugestões de Marcelo Moura e Meg Mendonça, adição de responsabilidades no desenvolvimento e desenvolvimento para órgãos públicos. 09/0/ 0.4 Claudio F Filho Adição das questões relacionadas a marca, evolução do desenho de inter-relação das licenças, adição da definição de cloud computing, adição da MPL.0, e virtualização. 6/0/ 0.5 Claudio F Filho Adição das figuras elaboradas para o infográfico e apresentação deste material, nota legal, resumo e material complementar. 3 de 69 Alteração

4 6. Material complementar Índice 0.Aviso legal... 6.Introdução... 7.Definições Computação em nuvem (Cloud Computing)...9..Engenharia reversa Framework Infraestrutura Infraestrutura de desenvolvimento infraestrutura de hospedagem....5.licença licença de software licença Pública de Marca Marca Programa de computador (ou software) registro de programas de computadores tecnologia Virtualização Breve classificação de software Licenças fechadas Adware Freeware ou Gratuito Instalado em um computador ou OEM Por volume ou integrador oftware como erviço (aa) hareware (ou Trial) Licenciamento Único, de Caixa ou FPP (Full Packaged Product) Estudos de casos para licenças fechadas oftware proprietário vs oftware privativo Licenças compartilhadas Licenças abertas oftware livre Protecionistas Totais Protetivas Parciais oftware público Código aberto Domínio público Novos modelos de negócios com licenças abertas ubscrição de suporte Contrato de instalação, configuração e suporte Estratégia de bilicenciamento egmentação em comunitário e empresarial Comercialização de produtos abertos - permissivos Análise dos pontos legais no desenvolvimento Cenário tecnológico Início dos trabalhos Requisitos Desenvolvimento Ambientes Elementos externos Bibliotecas Para ajudar a compreender as questões de licenciamento de software, é necessário entender a evolução do software e, por consequentemente, a história da informática/computação em geral. Abaixo, seguem alguns materiais que ajudam a conhecer estes elementos. 4 de de Filmes 6... Piratas do Vale do ilício (999) 95 min - Biografia Drama - agosto de 999 (Brasil) Diretor: Martyn Burke Escritor: Paul Freiberger (livro), Michael waine (livro), Martyn Burke Atores: Anthony Michael Hall, Noah Wyle e Joey lotnick IMDb: Revolution O (00) 85 min - Documentario Comédia (EUA) - 5 Fevereiro de 00 Etiquetas: Hackers, Programmers & Rebels UNITE! Diretor: J.T.. Moore Escritor: J.T.. Moore Atores: Linus Torvalds, Richard M. tallman and Eric Raymond IMDb:

5 5.6. Fluxograma operacional de análise legal para desenvolvimento Para consolidar todos os conceitos discutidos até aqui, foram sintetizados no quadro abaixo Framework Documentação ons, vídeos e imagens Declaração da licença Registro Relações trabalhistas Outras considerações Licenças estrangeiras e a legislação brasileira Compatibilidade de licenças Responsabilidades dentro do desenvolvimento de software oftware para órgãos públicos aquisição e desenvolvimento A marca Fluxograma operacional de análise legal para desenvolvimento Material complementar Filmes Piratas do Vale do ilício (999) Revolution O (00) Figura 4: Fluxo de análise de restrições e correções 68 de 69 5 de 69

6 0. Aviso legal Eu não sou um advogado! Nada que eu digo neste aconselhamento jurídico; e você tem dúvidas com ramificações legais, entre em contato com um advogado; Falamos de bases legais diferentes, anglo-americanas e romanogermânicas. É necessário observar questões internacionais e tratados sobre o assunto as quais o Brasil é signatário; O material apresentado aqui foi compilado a partir de uma interpretação coloquial do material disponível na internet, podendo ser acessado e interpretado pelo leitor; Todas as marcas aqui apresentadas são propriedade exclusiva de seus respectivos proprietários; Muitas figuras aqui apresentadas foram obtidas a partir do projeto OpenClipart.org, licenciadas sob Domínio Público, outras foram criadas por Claudio F Filho, bem como suas composições; Demandas Legais no Desenvolvimento de oftware - sob uma visão tecnológica e suas figuras são licenciadas sob uma licença não portada Creative Commons Atribuição - Uso não-comercial Compartilhada pela mesma licença 3.0 Não adaptada trabalho deve ser interpretada recursos de 64bits dos novos sistemas operacionais da Microsoft, o Windows Vista 64bits e o Windows 7 64bits. como Figura 39: Derivação de marcas a partir do produto Mozilla Firefox Outro exemplo é do navegador web Google Chrome, que é derivado do projeto Chromium, que tem a proposta de construir um navegador web de código aberto rápido, seguro e mais estável. Assim, o Google investe esforços no desenvolvimento deste projeto e seu time de desenvolvedores geram binários periodicamente sob suas especificações. Este produto chama-se Google Chrome, caso contrário, deve se chamar Chromium, ou em outra forma, se é Google Chrome, é feito (compilado) pela Google, se não, é feito por desenvolvedores independentes.. Figura 40: Troca de logo de Chromium para Google Chrome Ainda sobre marcas, é importante salientar que temos dispositivos legais para tratar deste assunto, através da lei 9.79/96, que regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial, no seu Título III. 6 de de 69

7 Governo Eletrônico e-mag, conforme as Portarias Normativas LTI no 5, de 4 de julho de 005, e no 3, de 7 de maio de 007; E ainda, sobre a questão de contratação por órgãos desenvolvimento de software, citamos o Art. 7 da referida IN: públicos para Art. 7. Os softwares resultantes de serviços de desenvolvimento deverão ser catalogados pela contratante e, sempre que aplicável, disponibilizados no Portal do oftware Público Brasileiro de acordo com o regulamento do Órgão Central do IP. Em caso de se tratar de uma empresa pública que adquire o software passa a ser obrigada a verificar estes e outros pontos definidos nos respectivos dispositivos normativos, e quem desenvolve, passa a ter uma preocupação a mais para garantir a compatibilidade de seus sistemas a essas novas condições A marca A marca de um produto geralmente tem uma política de licenciamento diferente do software em si. Para ilustrar melhor esse detalhe, vejamos dois exemplos: Mozilla Firefox e Google Chrome.. Introdução O conceito de oluções de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC é extremamente vago para os diversos participantes de um projeto de TIC, e mais complicado ainda quando se começa uma análise dos pontos legais incidentes sobre a parte técnica de um projeto em si. O objetivo deste trabalho é mostrar os diversos aspectos legais envolvidos nestes projetos, avaliando desde o processo de venda da solução, o impacto da definição do cenário tecnológico, desenvolvimento de código, implantação da solução, além da parte de licenciamento e registro do software, dos esquemas de dados, dos dados em si e/ou da combinação de todos estes. Esta análise se dá de forma genérica, buscando englobar características tanto da iniciativa pública quanto privada, se tornando uma referência de comparação para qualquer entidade. Porém, esta não é uma interpretação formal, uma vez que foi feita por mim, um profissional da área de TIC, buscando unir visões sobre várias partes do processo, licenciamento e questões legais. Para chegar neste ponto é necessário fazer a uniformização de uma série de termos e conceitos, de forma gradual, conforme aprofundamos nestas questões. Mozilla Firefox é um navegador web desenvolvido pela Mozilla Foundation com colaboração de desenvolvedores de todo o mundo. O código-fonte está licenciado sob a Mozilla Public License MPL, que é uma licença aberta e, assim, com o código-fonte disponível, porém código-fonte não significa o programa que estamos acostumados a usar. Para chegar lá é necessário executar um processo chamado compilação, que consiste na conversão deste código para o programa em si, também chamado de binário, que é o que ao final usamos. No caso do Mozilla Firefox, que tem este nome e um logotipo associado só pode ser empregado em binários gerados pela própria Mozilla Foundation. Caso seja feita por outra instituição, eles se reservam ao direito de não autorizar o uso do nome. Isso faz sentido se pensar que qualquer pessoa, com o devido conhecimento técnico e ferramentas adequadas, pode modificar o código, compilar e distribuir os binários. Caso aconteça algum problema, a culpa não pode ser repassada a Mozilla Foundation. Assim, ainda é possível gerar binários, mas terá que ser com outro nome. Isso aconteceu dentro da distribuição Linux chamada Debian, que precisou trocar o nome e o logotipo do navegador compilado por eles. Ainda sobre o Mozilla Firefox ocorreu uma nova ocorrência com a criação do projeto WaterFox, que busca compilar um navegador que utilize os novos (0) 66 de 69 Figura : Esquema geral de um processo de desenvolvimento Na figura acima, temos uma representação rápida sobre os caminhos no processo de desenvolvimento de uma solução de TI. Para tanto, temos as 7 de 69

8 alternativas normais da contratação para apenas o desenvolvimento de software, ou a opção de desenvolver o software mais a contratação de infraestrutura para prover o serviço para o cliente, ou também conhecido como hospedagem ou hosting. No desenvolvimento, pode ser gerado um programa para instalação na estação de trabalho, também conhecido como aplicação desktop, ou acessível pela web, também conhecido como sistema web ou aa (oftware as a ervice - oftware como um erviço). Dentro deste fluxo, opcionalmente, pode haver registro e/ou licenciamento deste sistema. sociedade em geral. Para os órgãos do governo federal Poder Executivo brasileiro a adoção dos padrões e políticas contidos na e-ping é obrigatória (Portaria LTI/MP nº 5, de 4 de julho de 005). Modelo de Acessibilidade de Governo Eletrônico e-mag O Modelo de Acessibilidade de Governo Eletrônico consiste em um conjunto de recomendações a ser considerado para que o processo de acessibilidade dos sítios e portais do governo brasileiro seja conduzido de forma padronizada e de fácil implementação. oftware Público3 é um ambiente para gestão das soluções desenvolvidas na Administração Pública compartilhando ferramentas que podem ser úteis aos mais diferentes órgãos públicos e também à sociedade. O objetivo é reduzir custos, aprimorar os aplicativos disponibilizados e, consequentemente, melhorar o atendimento à população. (Portaria LTI/MP nº, de 7 de janeiro de 0). Além disso, pela Instrução Normativa Nº 04, de de novembro de 00, em seu Art., cita (com grifos por conta do autor para destacar): Art.. A Análise de Viabilidade da Contratação será realizada pelos Integrantes Técnico e Requisitante, compreendendo as seguintes tarefas: ( ) II - identificação das diferentes soluções que atendam aos requisitos, considerando: a) a disponibilidade de solução similar em outro órgão ou entidade da Administração Pública; b) as soluções Brasileiro; existentes no Portal do oftware Público c) a capacidade e alternativas do mercado, inclusive a existência de software livre ou software público; d) a observância às políticas, premissas e especificações técnicas definidas pelos Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico - e-ping e Modelo de Acessibilidade em 3 8 de 69 (0) (0) (0) 65 de 69

9 Crystal Reports: a empresa não comprou licenças para seu uso. Os desenvolvedores buscaram por outros meios uma cópia para atender a demanda de relatórios do sistema. Ao final, foi empacotado junto, como parte da solução. Framework: caso o cliente queira distribuir ou trocar a licença do software desenvolvido, terá problemas graves pela dependência do licenciamento do framework empregado, que tem o direito autoral pertencente à fábrica de software.. Definições Antes de seguir, é fundamental determinar alguns termos comuns para todo o processo, assim dedicaremos algum tempo para entender estas definições e sua importância dentro do processo... Computação em nuvem (Cloud Computing) Da Wikipédia: O conceito de computação em nuvem (em inglês, cloud computing) refere-se à utilização da memória e das capacidades de armazenamento e cálculo de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da Internet, seguindo o princípio da computação em grade. O armazenamento de dados é feito em serviços que poderão ser acessados de qualquer lugar do mundo, a qualquer hora, não havendo necessidade de instalação de programas x ou de armazenar dados. O acesso a programas, serviços e arquivos é remoto, através da Internet - daí a alusão à nuvem. O uso desse modelo (ambiente) é mais viável do que o uso de unidades físicas. Num sistema operacional disponível na Internet, a partir de qualquer computador e em qualquer lugar, pode-se ter acesso a informações, arquivos e programas num sistema único, independente de plataforma. O requisito mínimo é um computador compatível com os recursos disponíveis na Internet. O PC torna-se apenas um chip ligado à Internet a "grande nuvem" de computadores sendo necessários somente os dispositivos de entrada (teclado, mouse) e saída (monitor). Considerando que o software fosse distribuído, precisaríamos ajustar todos os pontos acima para evitar um processo jurídico. Uma vez que é constatado violação de algum tipo, o cliente pode mover uma ação contra a fábrica de software em relação ao desenvolvimento em si, e outro por danos morais. Como explicado anteriormente, a empresa é responsável integralmente pelo ônus, mas como pudemos ver, podem existir várias ações internas de penalização dos diversos atores do processo de desenvolvimento, dependendo das regras estabelecidos no contrato trabalhista. No caso do banco de dados, seria necessário avaliar quem estabeleceu esse componente, e de quem seria a função de avaliar se as licenças estão disponíveis e se seriam compatíveis com a licença final do produto. Da mesma forma, o uso de componentes, como as bibliotecas, tangem à equipe de programadores. As licenças foram respeitadas? A inserção de produtos com licenças fechadas era de ciência de todos? Do gerente de projeto? Da diretoria de desenvolvimento? Dependendo das respostas, são imputadas as corresponsabilidades e aplicada as devidas sansões, que pode ser desde advertências até demissão oftware para órgãos públicos aquisição e desenvolvimento No Programa de Governo Eletrônico, desenvolvido pelo Ministério do Planejamento, do Governo Brasileiro, foram desenvolvidos uma série de ações das quais podemos citar algumas como:.. Engenharia reversa Do sitio Hackers HI: Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico E-Ping Como o próprio nome indica, a Engenharia Reversa é uma engenharia "ao contrário", portanto, é uma atividade que trabalha com um produto existente (um software, uma peça mecânica, uma placa de computador, etc.) e tenta entender como este produto funciona e o que ele faz exatamente (todas as suas propriedades em quaisquer circunstâncias). define um conjunto mínimo de premissas, políticas e especificações técnicas que regulamentam a utilização da Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) no governo federal, estabelecendo as condições de interação com os demais Poderes e esferas de governo e com a (0) 64 de 69 (0) (0) 9 de 69

10 Fazemos engenharia reversa quando queremos trocar ou modificar uma peça (ou um software) por outro, com as mesmas características, mas não temos todas as informações sobre essa peça. Para o desenvolvimento de software, este processo é especialmente útil quando temos um sistema em que não temos os fontes, ou não temos mais suporte do fornecedor, ou para fazer evoluções corretivas e/ou evolutivas sobre o mesmo. Pode ainda ser utilizado para se estudar o funcionamento de determinado tratamento ou regra de negócio que o sistema se prontifique a fazer. Dependendo da licença, este tipo de estudo é considerado ilegal. Aprofundando um pouco mais no lado técnico, a linguagem de programação elegida foi o Java. Geralmente para tornar o desenvolvimento mais ágil, fazemos uso de frameworks. A linguagem Java conta com um grande número de frameworks, inclusive com frameworks desenvolvidos pela própria empresa. Considerando que seja usado o desenvolvido internamente, se não há explicitamente o licenciamento, estamos falando de um produto fechado, ou ainda, com copyright. Ainda com a linguagem Java, pode são utilizados um grande volume de biblioteca de terceiros. No nosso caso hipotético, vamos considerar alguns tais como:.3. Framework Da Wikipedia: Um framework, em desenvolvimento de software, é uma abstração que une códigos comuns entre vários projetos de software provendo uma funcionalidade genérica. Um framework pode atingir uma funcionalidade específica, por configuração, durante a programação de uma aplicação. Ao contrário das bibliotecas, é o framework quem dita o fluxo de controle da aplicação, chamado de Inversão de Controle. Em outras palavras, é através do framework que é ditado a forma da equipe utilizar determinados métodos no desenvolvimento do sistema, métodos como acessar os dados no banco de dados, ou de como apresentar os dados na tela, etc. a parte de infraestrutura: a trings - Apache Public License (APL) - framework para infraestrutura e serviço de dados; Crystal Reports3 - Licença própria da AP (EULA) ferramentas para geração de relatórios. Banco de dados: o MyQL possui licença comercial com cláusula de exceção FO (Free and Open ource oftware). Como a aplicação não é de código aberto, então precisa ser comprada as licenças necessárias; Dbbrowser: Como se trata de um componente GPL, e de acordo essa licença só pode ser distribuído com componentes GPL e/ou bibliotecas LGPL, torna-se incompatível com o sistema, pois transgride as regras estabelecidas na licença; prings: Este é um ótimo exemplo de produto com licença permissiva, que permite esta distribuição casada, ou ainda, trocar a licença do componente, adequando-o ao produto; de Outro ponto de atenção é que para estas ações, como o gerenciamento de um projeto, pode ser feito usando desde papel e caneta até um sistema totalmente integrado com todo o processo produtivo da empresa, dependendo de como foi implementado na empresa. Agora, no momento em que se emprega o uso de um sistema, ou ainda, um software é importante que este esteja respeitando (0) 0 de 69 Acontece que desta forma, o produto encontra-se com várias irregularidades. Vejamos o que acontece. Porém, antes de seguir, é importante deixar claro que muitos dos pontos citados nos itens abaixo ocorrem de acordo com a metodologia e processo adotado por cada empresa, isto é, podem existir ações descritas abaixo que são realidade para certas empresas, mas não para outras. Dbbrowser Gnu General Public License (GPL) navegador de dados; A escolha destas bibliotecas se deu dentro da fábrica de software, na equipe de programadores. Linguagem e banco de dados, foi escolha da arquitetura. O desenvolvimento transcorreu normalmente, gerando a aplicação do cliente, passando pelos testes e homologação, finalmente sendo entregue para o cliente, confirmado pelo termo de aceite, a aplicação (instalador), documentação e código-fonte, além de passos adicionais para implantação do sistema no ambiente de produção nos servidores do cliente..4. Infraestrutura Podemos abordar de duas formas desenvolvimento e a de hospedagem de 69

11 Em caso de litígio, a empresa é responsável pelo problema de pirataria, mesmo tendo área técnica específica, recaindo sobre seus representantes legais as penalidades, mesmo que estes não tenham parte efetiva no uso ou difusão interna dos softwares, pois é a empresa q tem a responsabilidade em fiscalizar e escolher (in vigilandum et in eligendum) seus empregados, assumindo o total risco do negócio. Porém, é conveniente incluir no contrato de trabalho de seus empregados uma cláusula sobre procedimentos internos sobre uso irregular de software, atribuindo corresponsabilidade do empregado em caso deste tipo de ocorrência. Esta ação não isenta a empresa da responsabilidade, mas esta é mitigada com seus contratados em caso de uso indevido de software. integralmente sua licença, isto é, se é um software livre, o uso é garantido sem pagamento de royalties, porém se é um software de licença fechada, estamos falando necessariamente em aquisição de licenças, respeitando a referida licença. Com estes detalhes em mente, vamos analisar os tipos de infraestrutura em detalhes..4.. Infraestrutura de desenvolvimento Para um desenvolvimento nos padrões atuais, em equipe, considera-se o uso de ferramentas mínimas como: Gestão de projeto - geralmente com foco em cronograma e custos, dentro dos conceitos do PMBOK; Gestão de configuração - com foco no desenvolvimento, isto é, serviço de bilhetes (tickets), documentação, planejamento, entre outras funções. Estas funcionalidades podem estar dentro de um único software, distribuído entre vários, ou ainda, sob integração abaixo de uma ferramenta integradora; Gerenciamento de versão - controla todas as alterações do código, permitindo rastreabilidade, isto é, mostrando quem, quando, fez o que. Em uma equipe de desenvolvedores, é fundamental para garantir o controle e evolução do software. Este é um componente dentro da gestão de configuração; ervidores de desenvolvimento, testes e homologação - para soluções para web, de acordo que o software é desenvolvido, é necessário um ambiente para testes, isto é, um servidor para instalar e testar se o software está atendendo as especificações. ó que neste processo, precisamos servidores de aplicação e banco de dados, que podem ou não ficar na mesma máquina, além do sistema operacional do(s) servidor(es). Para homologação, ocorre o mesmo processo, tratando-se de um passo adicional de testes, geralmente com o cliente, para homologar o desenvolvimento; Ativos de rede - necessários para computadores e servidores da empresa.? Figura 38: Litígio - responsabilidades internas e externas A partir destas considerações, podemos mergulhar ainda mais nas questões legais envolvendo o desenvolvimento de software, analisando um caso hipotético que ilustra estes pontos em um caráter prático. Pensemos o desenvolvimento de um sistema comercial de frente de caixa, isto é, aqueles sistemas utilizados por comércio em geral, com cadastro de produtos, clientes, venda e estoque. Pela análise da arquitetura, pode ser orientado a web, feito em Java, com banco de dados MyQL. Uma vez aprovado o orçamento, se inicia os trabalhos realizando as tarefas como gestão do projeto, levantamento de requisitos, e outras ações já citadas. Em caso de se utilizar softwares para estas atividades estamos falando necessariamente de licenças de uso, que podem ser pagas para os de licença fechada, ou gratuitas em caso de licenças abertas. Como comentado acima, é necessário estar em situação regular..4.. Infraestrutura de hospedagem 6 de 69 de 69 interligação de todos os Pode acontecer de a empresa prover apenas hospedagem, isto é, o software é desenvolvido fora e depois instalado em servidores providos por esta. Para tanto, se requer:

12 Ativos de rede - necessários para computadores e servidores da empresa; interligação de todos os DMZ - sigla para zona desmilitarizada (do inglês, demilitarized zone), área da rede que tem contato com a rede externa, isto é, a internet. Geralmente os servidores web, correio eletrônico, entre outros, ficam nesta região intermediária; ervidores de produção - idêntico ao ambiente de homologação, porém, com acesso do usuário final Responsabilidades dentro do desenvolvimento de software As penalidades por uso de software irregular dentro de uma empresa é a forma mais comum de questões de litígio relacionados a programas de computador, e cada vez é tratado com mais facilidade pela justiça brasileira, aja visto se tratar de um assunto recorrente. Um exemplo extraído de: Direito Público - 8 de Fevereiro de 0: Pirataria de software Este é um ambiente de alta disponibilidade, com requisitos mais severos de segurança, estabilidade, redundância e recuperação, com monitoramento ativo de todo o ambiente, todos são softwares com suas respectivas licenças, precisando uma análise de suas cláusulas. A 4ª Turma do uperior Tribunal de Justiça (TJ) decidiu que a indenização imposta ao infrator por uso sem licença de programa de computador não se restringe ao valor de mercado dos produtos apreendidos. De acordo com os ministros, a indenização por violação de direitos autorais deve ser punitiva e seguir as regras do artigo 0 da Lei nº 9.60, de 998, que impõe maior rigor na repressão à prática de pirataria. O entendimento, já adotado pela 3ª Turma do TJ, reformou decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do ul (TJ-R). Para o tribunal local, na hipótese de apuração exata dos produtos falsificados, a indenização se restringiria ao pagamento do preço alcançado pela venda. No caso, o TJ-R condenou uma empresa de bebidas a pagar à Microsoft Corporation indenização por 8 cópias de softwares apreendidos. Os magistrados se basearam no artigo 03 da Lei de Direitos Autorais. A Microsoft recorreu, então, ao TJ. Para os ministros, a interpretação adotada pelo TJ-R apenas remunera pelo uso ilegal do programa, mas não indeniza a proprietária do prejuízo sofrido. Na ausência de dispositivo expresso sobre a matéria, decidiram aplicar o entendimento do artigo 0 da Lei nº 9.60, que estabelece indenização no caso de fraude. É importante ainda ressaltar que ao final de um ciclo de desenvolvimento existe o processo de evolução de software, que pode ser considerado uma extensão ou um novo contrato, dependendo do volume de evoluções e/ou correções necessárias. Assim, estes ambientes podem ir além do desenvolvimento do software puramente, ou ainda pode ser a internalização de um produto desenvolvido por terceiros, que recai na mesma situação..5. Licença Do dicionário Michaelis: li.cen.ça sf (lat licentia) Autorização dada a alguém para fazer ou deixar de fazer alguma coisa; permissão. O conceito de licença se desdobra em dois pontos: Direito autoral: que trata sobre os direitos do autor sobre sua obra intelectual que pode ser literária, artística ou científica. Este, pelas questões judiciais clássicas ainda se desdobra em direitos morais, que são os direitos de natureza pessoal, e os direitos patrimoniais, relacionado a propriedade; Direito de cópia (ou copyright) : Direitos autorais não são necessariamente o mesmo que copyright em inglês. O sistema anglosaxão do copyright difere do de direito de autor. Os nomes respectivos já nos dão conta da diferença: de um lado, tem-se um direito à cópia, copyright ou direito de reprodução, do outro, um direito de autor; neste, o foco está na pessoa do direito, o autor; naquele, no objeto do direito (a obra) e na prerrogativa patrimonial de se poder copiar. (0) (0) de 69 Valor Econômico De acordo com a Business oftware Aliance BA, existem cinco tipos comuns de pirataria de software, a saber: Pirataria do usuário final; uperutilização de cliente-servidor; Pirataria na Internet; Falsificação de software (0) (0) 6 de 69

13 Deve perceber as diferenças entre o direito autoral de origem romanogermânica, com base no sistema continental europeu do chamado istema romano-germânico, e o sistema anglo-americano do copyright baseado no Common Law, havendo por característica diferencial o fato de que o Direito Autoral tem por escopo fundamental a proteção do criador e ao contrário o copyright protege a obra em si, ou seja o produto, dando ênfase à vertente econômica, à exploração patrimonial das obras através do direito de reprodução. Na efetuação do direito de reprodução, o titular dos direitos autorais poderá colocar à disposição do público a obra, na forma, local e pelo tempo que desejar, a título oneroso ou gratuito. No Brasil, temos este detalhamento na Lei dos Direitos Autorais, listando abaixo os principais pontos. Lei de Direitos Autorais (Lei nº 9.60/98) Art. 7º ão obras intelectuais protegidas as criações do espírito, expressas por qualquer meio ou fixadas em qualquer suporte, tangível ou intangível, conhecido ou que se invente no futuro, tais como: (...) V - as composições musicais, tenham ou não letra; VI - as obras audiovisuais, cinematográficas; sonorizadas ou não, inclusive as (...) VIII - as obras de desenho, pintura, gravura, escultura, litografia e arte cinética; (...) XII - os programas de computador; º Os programas de computador são objeto de legislação específica, observadas as disposições desta Lei que lhes sejam aplicáveis. Além dos programas de computador, foram destacados intencionalmente as questões relacionadas a produções musicais, desenho e audiovisuais. Isto acontece pois no desenvolvimento de software não se trata somente do código do programa. Para a construção de um programa precisamos ainda dos ícones, botões e outros elementos gráficos, alertas sonoros e até animações e textos na parte de documentação e/ou suporte ao software, que se enquadram na lei e viram pontos de cuidado no desenvolvimento de uma solução de TI. Figura 37: Comparativo entre os tipos de licenças 60 de 69 3 de 69

14 .5.. Licença de software Da Wikipedia: Uma licença de software é uma definição de ações autorizadas (ou proibidas) no âmbito do direito de autor de um programador de software de computador concedidas (ou impostas) ao usuário deste software. Entende-se por usuário qualquer entidade legal, empresas ou um "usuário final (doméstico)", origem da expressão end user license agreement (EULA). Quando uma licença acrescenta restrições para além das existentes no direito de autor, o usuário tem normalmente de aceitar que lhe sejam impostas estas restrições para poder sequer utilizar o software. Aqui reside a principal diferença entre uma licença de software livre e uma licença de software não-livre: as licenças de software livre acrescentam direitos face aos já concedidos pelo direito de autor, deixando apenas para o ato de redistribuição as únicas regras que impõem. Então, a partir desta definição, podemos entender que a licença de software é, na verdade, um contrato formal e legal entre o autor (programador, para pessoa física, ou fábrica de software, para pessoa jurídica) e o usuário desta solução, definindo o que se pode ou não fazer com o software. Entenda-se por fazer, além do uso do programa, atos como o de redistribuir, vender ou doar, estudar, modificar ou outra ação relacionada. Licença Uso Comercia Modificar Distribuir individual lização Binários Créditos Código Fonte Trocar Licença BD O F F MIT O F F Apache O F F GPL O O N LGPL O O N MPL O O F CC D F NA O F N DP NA F F F P = permitido; O = obrigatório; F = facultativo; N = negado; NA = não aplicável; D = depende da licença Tabela 4: Compatibilidade entre licenças Como explica David A. Wheeler, em seu trabalho The Free-Libre / Open ource oftware (FLO) License lide, nem todas as licenças abertas são usadas, e as licenças mais comuns tendem a serem compatíveis, ou seja, o software pode ser combinado para produzir uma obra maior. A figura abaixo, inspirado neste trabalho, foi feita uma expansão adicionando os demais tipos de licenças e torna mais fácil de ver quando as licenças comuns podem ser combinadas. Figura 36: Relação e compatibilidade entre as licenças Figura : O que é licença E na tabela abaixo, inspirado no trabalho de C. Chandam, compara os grupos de licenças. (0) 4 de 69 (0) https://blogs.oracle.com/chandan/entry/copyrights_licenses_and_cddl_illustrated (0) 59 de 69

15 Fundação Getúlio Vargas FGV-Rio e o projeto Creative Commons para uso no projeto de oftware Público Brasileiro, do Ministério do Planejamento, criando a GLP-CC-V. É importante observar que a GPL-CC-V não é reconhecida pela Free oftware Foundation, de forma que deve ser interpretada como outra licença. Da página da Free oftware Foundation, em tradução livre:.5.. Licença Pública de Marca Da Instrução Normativa 0/0, do Governo Brasileiro : ( ) V - Licença Pública de Marca LPM: tipo de licença de uso de marca que preserva a identidade original entre o nome, a marca, o código-fonte, a documentação e outros artefatos relacionados ao oftware Público Brasileiro e na qual o titular do registro consente genericamente, sem necessidade de qualquer tipo de autorização prévia e/ou específica, que outros utilizem gratuitamente a marca para fins de cópia, distribuição, compartilhamento e transmissão em qualquer dispositivo físico ou virtual, inclusive com propósitos comerciais, desde que respeitada as regras e requisitos previstos no Capítulo IV desta Instrução Normativa; A razão que o FF não aprovar essas traduções como oficialmente válidas é que verificá-las seria difícil e caro (necessitando a ajuda de advogados bilíngues em outros países). Pior ainda, se um erro fosse inserido nelas, os resultados poderiam ser desastrosos para toda a comunidade de software livre. Enquanto as traduções não são oficiais, elas não podem fazer nenhum mal. Porém, o fato de não termos traduções sobre as licenças e muitos produtos não serem comercializados não invalida os termos descritos na mesma, uma vez que o licenciamento de software está sob o crivo do Acordo TRIPs 3 (TradeRelated Aspects of Intellectual Property Rights), que estende as regras para todos os países signatários, entre eles o Brasil. Não são poucos os casos de violação de licenças como a GPL, por exemplo, de forma que surgiu inclusive projetos como o GPL-Violations 4, a qual dá suporte jurídico em diferentes países pelo mundo sobre problemas com produtos licenciados sob esta licença..6. Marca Da Wikipedia: Marca não é um conceito fácil de definir. Na sua definição e na sua análise devem-se levar em consideração as disciplinas que a utilizam e regulam mais diretamente, que são o direito comercial e a gestão de marketing. Para o direito comercial a marca é um sinal. A OMPI Organização Mundial de Propriedade Industrial define a marca como um sinal que serve para distinguir os produtos ou serviços de uma empresa dos outros de outras empresas. A definição da American Marketing Association, ainda adotada em edições clássicas de marketing, acrescenta a definição jurídica: A marca é um nome, um termo, um sinal, ou um desenho, ou uma combinação destes elementos, com vista a identificar os produtos e serviços de um vendedor, ou de um grupo de vendedores, e a diferenciá-los dos concorrentes. egundo Kotler, talvez a habilidade mais característica dos profissionais de marketing seja a capacidade de criar, manter, proteger e melhorar uma marca. Para os profissionais de marketing, o estabelecimento de uma marca é a arte e a essência do marketing. 5.. Compatibilidade de licenças Uma dúvida frequente entre os desenvolvedores está no licenciamento de soluções ou ainda no uso de diferentes componentes, com diferentes licenças, na composição de uma solução aberta ou fechada. Vejamos as possibilidades, abordando apenas as principais licenças: 3 4 (0) (0) (0) (0) 58 de 69 (0) (0) 5 de 69

16 .7. Programa de computador (ou software) Da Wikipedia: Um programa de computador é a formalização de um algoritmo em qualquer linguagem capaz de ser transformada em instruções que serão executadas por um computador gerando os resultados esperados. O termo "software" pode ser utilizado quando se quer designar um conjunto de programas ou, mais frequentemente, quando é feita uma referência à parte não física do sistema computacional, em contraposição ao termo "hardware", que designa o conjunto de componentes eletrônicos que constituem um computador. Os programas de computador utilizados diretamente por pessoas comuns, como os editores de texto, são chamados de software aplicativo, ou de aplicação. Os programas voltados para dar suporte funcional aos computadores, como os sistemas operacionais, são chamados de software de sistema. Esses softwares, assim como aqueles embutidos em outros sistemas (firmware), podem ser genericamente chamados de "programas". Da Lei do oftware (Lei 9.609/98)3: Art. º Programa de computador é a expressão de um conjunto organizado de instruções em linguagem natural ou codificada, contida em suporte físico de qualquer natureza, de emprego necessário em máquinas automáticas de tratamento da informação, dispositivos, instrumentos ou equipamentos periféricos, baseados em técnica digital ou análoga, para fazê-los funcionar de modo e para fins determinados..8. Registro de programas de computadores O registro de programas de computadores constitui no depósito de uma cópia do programa em um órgão credenciado para garantir a autoria. No Brasil, a competência é do Instituto Nacional de Propriedade Industrial 4 INPI, que foi atribuída através do Decreto.556/98 e, também, é regido pela Lei nº 9.609/98, conhecida como Lei do oftware e a Lei nº 9.60/98, a Lei de Direitos Autorais (0) firmware é o conjunto de instruções operacionais programadas diretamente no hardware de um equipamento eletrônico. É armazenado permanentemente num circuito integrado (chip) de memória de hardware, como uma ROM, PROM, EPROM ou ainda EEPROM e memória flash, no momento da fabricação do componente. (0) (0) 6 de Outras considerações Dentro do processo de desenvolvimento temos várias dúvidas de ordem prática, como questões de compatibilidade entre licenças, a interpretação das licenças no modelo jurídico brasileiro, responsabilidades dentro do desenvolvimento de software, software para órgãos públicos e marcas. Vejamos em mais detalhes estes pontos. 5.. Licenças estrangeiras e a legislação brasileira Do inglês: End User License Agreement (Licença do Usuário Final), ou comumente conhecido como EULA, é o acordo entre desenvolvedor e usuário onde se estabelece as regras para o uso e outras ações permitidas ou não, relacionadas ao software. Para comercialização do produto no país é necessário que a licença seja traduzida para o português, de acordo com a exigência do art. 4 do Código Civil. Além deste dispositivo, temos ainda a referência ao art. 9º da Lei 9.609/98, o qual estabelece o contrato de licença como instrumento de regramento do uso de programas de computador no Brasil, e em seu parágrafo único permite a substituição do instrumento de contrato por documento fiscal, na hipótese de aquisição comercial do programa como comprovação à aquisição ou licenciamento de cópia. Em caso de produtos que não são vendidos, podendo ser os de licença do tipo aberta ou fechada gratuito ou adware - não há esta obrigação legal uma vez que não existe comercialização. Neste ponto, é importante salientar as diferenças das origens legais de cada país, isto é, se o sistema legal local é de origem romano-germânica, com base no sistema continental europeu, com o modelo baseado em leis escritas, ou do sistema anglo-americano, baseado nas leis escritas e no senso comum da sociedade, ou ainda chamado de Common Law. As licenças estrangeiras, principalmente com redação no EUA são baseadas no Common Law, e com foco no direito de cópia, ou copyright. Desta forma, trás um agravante ainda maior ao processo de tradução, uma vez que a interpretação sobre o produto software é diferente nos dois sistemas, um tratando como obra artística e outro como objeto, no sistema brasileiro e americano, respectivamente. Devido a estes problemas, as entidades que desenvolveram as licenças, como a Free oftware Foundation entre outras, não reconhecem as traduções para outros idiomas como legais. Apesar de haver uma série de traduções de qualidade, apenas a GPL passou por um processo de análise jurídica feita pela (0) (0) 57 de 69

17 vale apenas e unicamente o texto da lei, em sentido estrito. A Lei do oftware (Lei 9.609/98), que remete a proteção dos programas para os Direitos Autorais (Lei 9.60/98) é clara em seu Art. 5º e define: software desenvolvido pelo empregado pertence ao empregador. A determinação é justa, desde que o empregado tenha sido designado para a função e receba remuneração para tal. De acordo com a lei, somente a empresa poderá declarar-se titular dos direitos de propriedade sobre programas de computador, o que inclui os direitos de usar, licenciar, distribuir, vender, transferir ou comercializar de qualquer forma ou modo. A legislação e a doutrina entendem que a remuneração pelo salário remunera o empregado pelo seu trabalho, que, no caso, é o de criar soluções em forma de programas de computador, a não ser que contratos competentes estabeleçam o contrário. Para questões internacionais, os regimentos jurídicos para a proteção de software para o direito de autor são estabelecidas pela Convenção de Berna e pelas disposições do Acordo sobre Aspectos da Propriedade Intelectual Relativos ao Comércio - TRIP..9. Tecnologia Ou ainda chamado de cenário tecnológico, são as definições das questões arquiteturais, tais como linguagem a ser utilizada, qual banco de dados usar, arranjos de rede como balanceamento e IPs virtuais, os servidores e dispositivos de armazenamento e cópia de segurança. A partir dos pré-requisitos levantados, estima-se os softwares envolvidos na parte de desenvolvimento, como IDE (Integrated Development Envirounment) para a linguagem escolhida, gerenciamento de configuração, controle de versionamento e controle de qualidade; e na parte de infraestrutura, como sistema operacional do(s) servidor(es), se este(s) servidor(es) será(ão) virtualizado(s) deverá constar ainda o software de virtualização, e ainda os softwares de servidor de aplicação, onde rodará o sistema a se desenvolver em caso de web, e banco de dados, além dos preparativos de rede, seja para ambientes de teste e homologação, no caso de desenvolvimento apenas, e produção, para o caso de também hospedagem. Para todos estes componentes existem licenças, que podem precisar ser adquiridas para o desenvolvimento do projeto. Alguns destes softwares podem já ter sido adquiridas para outros projetos, porém podem ter limitações relacionados a quantidades de acessos e/ou produtos instalados. De qualquer forma, estes pontos são relevantes no aspecto financeiro, o que foge do escopo deste artigo, que foca apenas nos aspectos legais, buscando levantar os pontos de preocupação sob o ponto de vista jurídico do processo..0. Virtualização Da Wikipédia: A Virtualização de ervidor é a técnica de execução de um ou mais servidores virtuais sobre um servidor físico. Permite maior densidade de utilização de recursos (hardware, espaço e etc), enquanto permite que isolamento e segurança sejam mantidos. Com a Virtualização de ervidor, conquista-se os seguintes benefícios: 56 de 69 Consolidação de ervidores: Muitos servidores implantados pelas organizações são subutilizados. Implantando múltiplos (0) 7 de 69

18 servidores em um numero menor de servidores físicos, é possível aumentar a utilização média de recursos dos servidores, enquanto diminui o numero de máquinas. Na maioria das organizações, consolidar os servidores com Virtualização de ervidores diminui os gastos com eletricidade, consumo de espaço e etc. Isolamento de Aplicação ou erviço: Com a criação de máquinas virtuais isoladas, a execução dos serviços e aplicações é feita em istemas Operacionais diferentes. Isso previne que uma aplicação afete outra quando você faz uma atualização ou mudança. Isso se torna melhor do que executar diversas aplicações em um único sistema operacional. Implantação de ervidores implificada: Com a criação de imagens padrão de servidores virtuais, você pode implantar máquinas virtuais de forma muito mais simples. Como você está implementando um servidor virtual, você também não precisa fazer aquisição de um novo Hardware, e localizar espaço e energia elétrica em um Data Center. (Observando sempre a utilização de recursos compartilhados dentro de um Host, você pode ter que adquirir um novo hardware para executar suas máquinas virtuais) Maior disponibilidade de Aplicações e erviços: Como a aplicação ou serviço não está mais conectado diretamente a um hardware específico, é mais fácil assegurar disponibilidade e recuperação. Algumas tecnologias permitem, inclusive, migrar uma máquina virtual de um host a outro host sem interrupção da máquina virtual. Múltiplos istemas Operacionais podem ser executados uma única plataforma: Com a virtualização, é possível utilizar diferentes istemas Operacionais em um único servidor físico, como Linux, Mac OX, e até mesmo Windows erver 003 e Windows erver 008. no desenvolvimento da solução. Além disso, esses profissionais são contratados, seja por terceirização, seja por vínculo trabalhista, de forma que estão sendo contratados para empregar esse conhecimento no desenvolvimento da solução, portanto garantindo a ela o direito de propriedade ou copyright sobre o software desenvolvido em caso de se ter desenvolvido a partir de uma demanda de mercado. Isso acontece principalmente para os softwares de prateleira. Geralmente em caso de contratos trabalhistas também estão inclusas cláusulas de confidencialidade entre a empresa e o funcionário. Para o caso de terceirizações, as regras devem estar devidamente registradas no contrato entre as partes. E por fim, pelo lado do cliente existe o conhecimento do negócio, a metodologia e a aplicabilidade deste conhecimento, que pode ser um diferencial comercial e/ou estratégico desta frente ao mercado. Neste cenário, geralmente é requerido um termo de confidencialidade entre cliente e empresa. No caso de contratos de desenvolvimento entre cliente e empresa, o direito de propriedade pertence ao cliente. De acordo Tarcisio Queiroz Cerqueira, programas de computador são considerados, mundialmente, de maneira razoavelmente unânime, a despeito de seu reconhecido caráter utilitário e das leis específicas que regulamentam sua propriedade e comércio, bens intelectuais, equiparados a obras literárias, científicas e artísticas, tais como livros, pinturas, música, fotografias, filmes, gravações sonoras, etc.. Os programas são regulados e protegidos pelas leis da Propriedade Intelectual. A Lei nº 9.60/98, nova Lei dos Direitos Autorais, regulamenta os direitos autorais no Brasil, em acordo com a Constituição Federal e com a Convenção de Berna, estabelecida em 886, na uíça, para consolidar as regras mundiais acerca do "copyright" e dos direitos de autor, atualizada de tempos em tempos e administrada pela OMPI/WIPO Organização Mundial da Propriedade Intelectual/World Intellectual Property Organization, órgão da ONU, com sede em Genebra, da qual a quase totalidade dos países do mundo é signatária. A Convenção de Berna foi concluída em 9 de setembro de 886, revista em Paris em 4/07/97 e, através do Decreto nº , de 06/05/75, do então Presidente Ernesto Geisel, publicado no D.O.U. de 09/05/75, passou a viger no Brasil. A Convenção de Berna encontra-se por detrás de qualquer demanda judicial envolvendo "pirataria" de software, em qualquer país do mundo. Antes de abordar direitos e deveres relacionados com software ou com dados ou bases de dados ou informações, deve-se considerar que a Lei dos Direitos Autorais (Lei nº 9.60, de 9/0/98) estabelece, em seu Art. 4º, que "...Interpretam-se restritivamente os negócios jurídicos sobre os direitos autorais", ou seja, não cabem, quanto aos direitos e deveres relacionados com as obras protegidas, quaisquer interpretações legais extensivas ou com auxílio de outro diploma legal, comparações ou adaptações: 8 de 69 (0) 55 de 69

19 4.5. Registro 3. Breve classificação de software Este é um passo opcional. O registro de software pode ser considerado um processo junto a um fiel depositário, que oferece o recurso de carimbo de tempo sobre o mesmo. No Brasil, este processo fica a cargo do INPI Instituto Nacional de Propriedade Industrial. O processo é relativamente simples, precisando gerar um arquivo em PDF de todo o código, gravar em um CD e entregar este junto com a documentação solicitada para o processo, devidamente descrito no portal da instituição. Além do registro junto ao INPI tem outras vantagens, como o registro de marca, por exemplo. Em caso de litígio, será esse carimbo de tempo a prova da originalidade. No entanto, este não é o único processo aceito, podendo ser gravado um CD, lacrado e postado para si mesmo, usando o carimbo de tempo do Correios como prova temporal. No caso de querer liberar o software como um software público, o registro no INPI é parte obrigatória do processo. Classificar software não é uma tarefa trivial, pois ao tentar criar uma classificação empregamos características comuns, ou ainda, as coisas que podemos fazer ou não com o software, ações estas devidamente registradas em suas respectivas licenças. Desta forma, classificar software e classificar licença de software é praticamente a mesma coisa, uma vez que se começamos a citar características como direito a usar ou direito a ter acesso aos códigos-fonte, existirão cláusulas no contrato de uso ou licença. Para iniciar a entender as diferenças dos softwares sob o critério de licenciamento, isto é, fazendo uma análise com base na experiência do usuário final e comparando as principais diferenças a partir de uma análise simples considerando sua restritividade, ou ainda, uma classificação a partir do que se pode fazer ou não, coisas como usar em um ou mais computadores, distribuir, estudar (com ou sem engenharia reversa), modificar, vender, entre outras ações. Na figura abaixo apresenta os principais tipos de licenças, e em seguida, discutido com mais detalhes Relações trabalhistas Existe uma confusão quando tratamos dos direitos sobre o software, que precisa de uma atenção especial para entender e diferenciar os diferentes elementos que compõe este assunto. Uma coisa é o conhecimento do programador sobre determinada tecnologia para desenvolver um algoritmo que atenda as necessidades do cliente sob determinadas regras de negócio ou intrínsecas ao ramo de negócio do cliente. Outra coisa é o produto gerado a partir da união da necessidade do cliente, o conhecimento do programador, e sua condição de empregado da empresa que o contratou para desenvolver esta solução. obre o conhecimento do programador, este é intrínseco a pessoa e/ou empregado, pois o mesmo evolui no seu conhecimento através da experiência, investimento em cursos, eventos, do dia a dia, etc. Neste foco, o direito de autoria no desenvolvimento de uma solução de TI é intransferível e pertence a ele. Já pelo lado da empresa, é esta que faz a ponte entre o cliente e o desenvolvedor, ou seja, é ela que traz o conhecimento, necessidades e regras de negócios do cliente ou demanda do mercado para a produção da solução, além de também ser responsável pela gestão do projeto/contrato, de integrar diferentes profissionais de áreas distintas, bem como profissionais de diferentes áreas dentro do TI (como arquitetura, configuração, desenvolvimento, qualidade, testes, especificação), criando uma coletividade Figura 3: Classificação básica de licenças de software (0) 54 de 69 9 de 69

20 3.. Licenças fechadas Estas são do tipo mais conhecidas na atualidade, uma vez que a ideia de vender softwares surgiu na década de 980, principalmente depois do acordo entre IBM, com seu Personal Computer - PC, e a Microsoft, com o DO, seu sistema operacional, o qual ficou acordado a venda de licenças de uso do sistema operacional para cada computador vendido. Antes disso, o software era compartilhado entre os programadores, de uma maneira informal. Dentre estas modalidades de licenças, elas tem em comum o fato de o usuário poder utilizar o software como foi distribuído, deixando claro o copyright e direitos autorais, não sendo permitido outras ações. Vejamos mais detalhes das principais Adware Adware é qualquer programa que executa automaticamente, mostra ou baixa publicidade, vírus, trojan, worm, spyware, keylogger, hijaker, rootkit e splitoff para o computador depois de instalado ou enquanto a aplicação é executada. Alguns programas shareware são também adware, e neles os usuários têm a opção de pagar por uma versão registrada, que normalmente elimina os anúncios. /* -*- Mode: C++; tab-width: 8; indent-tabs-mode: nil; c-basic-offset: 4 -** * ***** BEGIN LICENE BLOCK ***** * Version: MPL./GPL.0/LGPL. * * The contents of this file are subject to the Mozilla Public License Version *. (the "License"); you may not use this file except in compliance with * the License. You may obtain a copy of the License at * * * oftware distributed under the License is distributed on an "A I" basis, * WITHOUT WARRANTY OF ANY KIND, either express or implied. ee the License * for the specific language governing rights and limitations under the * License. * * The Original Code is JIRC Library. * * The Initial Developer of the Original Code is * New Dimensions Consulting, Inc. * Portions created by the Initial Developer are Copyright (C) 999 * the Initial Developer. All Rights Reserved. * * Contributor(s): * Robert Ginda, original author * * Alternatively, the contents of this file may be used under the terms of * either the GNU General Public License Version or later (the "GPL"), or * the GNU Lesser General Public License Version. or later (the "LGPL"), * in which case the provisions of the GPL or the LGPL are applicable instead * of those above. If you wish to allow use of your version of this file only * under the terms of either the GPL or the LGPL, and not to allow others to * use your version of this file under the terms of the MPL, indicate your * decision by deleting the provisions above and replace them with the notice * and other provisions required by the GPL or the LGPL. If you do not delete * the provisions above, a recipient may use your version of this file under * the terms of any one of the MPL, the GPL or the LGPL. * * ***** END LICENE BLOCK ***** */ Código 5: Cabeçalho de licença aberta protecionista parcial - MPL Por fim, com todos estes elementos explanados e discutidos, podemos ter uma visão geral do processo sob o aspecto legal, resultado na figura abaixo. Figura 4: Gerenciador de downloads FlashGot Figura 5: Navegador Web Opera 3... Freeware ou Gratuito oftware gratuito ou freeware é qualquer programa de computador cuja utilização não implica o pagamento de licenças de uso ou royalties. É importante não confundir o free de freeware com o free de free software, pois no primeiro uso o significado é de gratuito, e no segundo de livre. Um programa licenciado como freeware não é necessariamente um software livre, pode não ter código aberto e pode acompanhar licenças restritivas, limitando o uso comercial, a redistribuição não autorizada, a modificação não autorizada ou outros tipos de restrições. 0 de 69 Figura 35: Licenças presentes em um sistema computacional 53 de 69

21 /************************************************************************* <nome da empresa ou cliente> - Todos os direitos reservados (c) ano * Licença, referência adequada ao projeto ou arquivo da biblioteca ou * ADOBEa CONFIDENTIAL módulo que pertence. * Descrição do que ela contém. * * [00] - [007] Adobe ystems Incorporated História * All Rights Reserved * 00/0/08 - Versão inicial - Programador criação. 00/0/09 * NOTICE: All information contained herein is, and remains Programador - Alterar descrição da versão. * the property of Adobe aystems Incorporated and its suppliers, * if any. The intellectual- and technical concepts contained 00/0/0 - Programador Alterar a descrição da versão. * herein are proprietary to Adobe ystems Incorporated * and its suppliers and may be covered by U.. and Foreign Patents, Código 3: Cabeçalho de licença fechada genérica * patents in process, and are protected by trade secret or copyright law. * Dissemination of this information or reproduction of this material * is strictly forbidden unless prior written permission is obtained * from Adobe ystems Incorporated. */ Código 4: Cabeçalho de licença fechada da Adobe Copyright (C) <year> <copyright holders> /* Permission program/include/rcube_browser.php is hereby granted, free of charge, to any person obtaining a copy of this software and associated documentation files (the "oftware"), to deal in the Thisoftware file is without part of restriction, the Roundcubeincluding Webmail client without limitation the rights to use, Copyright copy,(c) modify, , merge,the publish, Roundcube distribute, Dev Teamsublicense, and/or sell copies Licensed of the under oftware, the GNU and GPL to permit persons to whom the oftware is furnished to do so, subject to the following conditions: PURPOE: The above Classcopyright representing notice theand client thisbrowser's permission properties notice shall be included in all copies or substantial portions of the oftware THE Author: OFTWARE Thomas I PROVIDED Bruederli I", WITHOUT WARRANTY OF ANY KIND, EXPRE OR IMPLIED, INCLUDING BUT NOT LIMITED TO THE WARRANTIE OF MERCHANTABILITY, FITNE $Id$ FOR A PARTICULAR PURPOE AND NONINFRINGEMENT. IN NO EVENT HALL THE */ AUTHOR OR COPYRIGHT HOLDER BE LIABLE FOR ANY CLAIM, DAMAGE OR OTHER LIABILITY, WHETHER INCabeçalho AN ACTION de OF licença CONTRACT, TORT OR OTHERWIE, ARIING FROM, Código 5: aberta recíproca total - GPL OUT OF OR IN CONNECTION WITH THE OFTWARE OR THE UE OR OTHER DEALING IN THE OFTWARE. Código 4: Cabeçalho de licença aberta permissiva MIT Figura 6: Leitor de PDF Acrobat Reader Figura 7: Plugin web Oracle Java Instalado em um computador ou OEM OEM é a sigla para Original Equipment Manufacturer. Com este modo de aquisição, você tem software ou produtos da Microsoft pré-instalados quando você compra um computador ou um servidor. Assim, o hardware é fornecido com uma ou mais licenças individuais. Atenção: esta licença está ligada à máquina e não pode ser reinstalada em outra máquina. É necessário comprar outra licença quando o computador ou o servidor é substituído. Figura 8: istema Operacional Windows Por volume ou integrador ão destinadas a empresas que requerem o uso de cinco ou mais cópias, cabendo a fornecedora oferecer contratos de licenciamento chamados licenciamento por volume. Programas de licença por volume são feitos para corresponder às necessidades da organização. Através de programas de licenciamento por volume as empresas, da pequena empresa a multinacionais, podem obter licenças para o software de forma simples e econômica. Basicamente, é possível discutir valores mais acessíveis em função do volume. Existem ainda a opção de comprar ou alugar licenças. Figura 9: Anti-vírus McAfee Figura 0: uíte Microsoft Office 5 de 69 (0) (0) de 69

22 3..5. oftware como erviço (aa) oftware como serviço, do inglês oftware as a ervice, é uma forma de distribuição e comercialização de software. No modelo aa o fornecedor do software se responsabiliza por toda a estrutura necessária para a disponibilização do sistema (servidores, conectividade, cuidados com segurança da informação) e o cliente utiliza o software via internet, pagando um valor recorrente pelo uso. Não é necessariamente a tecnologia utilizada que determina o modelo. O software utilizado pode ser 00% web (utilizado via navegador) ou pode ter alguma instalação local (como antivírus ou sistemas de backup). A característica principal é a não aquisição das licenças (mas sim pagar pelo uso como um "serviço") e a responsabilidade do fornecedor pela disponibilização do sistema em produção. Figura : Microsoft Office 365 Figura : Webmail Gmail hareware (ou Trial) hareware é um programa de computador disponibilizado gratuitamente, porém com algum tipo de limitação. harewares geralmente possuem funcionalidades limitadas e/ou tempo de uso gratuito do software limitado, após o fim do qual o usuário é requisitado a pagar para acessar a funcionalidade completa ou poder continuar utilizando o programa. Um shareware está protegido por direitos autorais. O freeware diferencia-se do shareware, no qual o usuário deve pagar para acessar a funcionalidade completa ou tem um tempo limitado de uso gratuito. ource Initiative. Ao contrário das nossas licenças, que não fazem menção ao código-fonte ou objeto, essas licenças existentes foram projetadas especificamente para uso com software. Além disso, nossas licenças não são compatíveis com a GPL, a licença de software mais utilizadas gratuitamente ons, vídeos e imagens Da mesma forma que a documentação, esses elementos estão muito mais associados a criações artísticas do que com software, de forma que se enquadram na Lei de Direitos Autorais (Lei nº 9.60/98). O uso de elementos com direito de propriedade de terceiros pode trazer um grande problema para o cliente e a empresa. Isso pode acontecer quando acontece o uso de imagens de pessoas, como fotos, sem os devidos cuidados jurídicos, como cessão de direitos de imagem para a empresa, ou ainda o uso de cliparts, sons, animações, etc., com os mesmos cuidados ou a compra dos direitos de reprodução. Uma saída para este tipo de problema é o uso destes elementos em Domínio Público ou licença Creative Commons com permissão de trabalhos derivados ou uso comercial. Atualmente as principais ferramentas de busca, como o Google ou o Yahoo!, contam com filtros de busca por licenciamento, o que ajuda muito na busca. Outro repositório excelente é o projeto OpenCliparts.org, que serve de repositório de trabalhos gráficos vetoriais em Domínio Público. Além disso, temos ainda o portal governamental Domínio Público Declaração da licença Este é um ponto importante do processo de geração do código pois a licença e autoria devem estar presentes em cada arquivo-fonte. A inserção destes dados pode ser feito durante o desenvolvimento, através do uso de modelos (templates) com o cabeçalho pronto, ou ao final dele, adicionando em todos. Cada licenciamento tem uma forma de especificar este cabeçalho. Vejamos a seguir alguns dos principais. Figura 3: Compactador WinRAR Figura 4: egurança Web ymantec de 69 (0) 5 de 69

23 Commons. Isso acontece porque as licenças se referem a código-fonte ou objetos relacionados a engenharia de software Licenciamento Único, de Caixa ou FPP (Full Packaged Product) Da Wikipédia, As licenças Creative Commons foram idealizadas para permitir a padronização de declarações de vontade no tocante ao licenciamento e distribuição de conteúdos culturais em geral (textos, músicas, imagens, filmes e outros), de modo a facilitar seu compartilhamento e recombinação, sob a égide de uma filosofia copyleft. As licenças criadas pela organização permitem que detentores de copyright (isto é, autores de conteúdos ou detentores de direitos sobre estes) possam abdicar em favor do público de alguns dos seus direitos inerentes às suas criações, ainda que retenham outros desses direitos. Isso pode ser operacionalizado por meio de um sortimento de módulos-padrão de licenças, que resultam em licenças prontas para serem agregadas aos conteúdos que se deseje licenciar. Essas licenças trazem em uma única caixa a licença, os direitos de uso / instalação e documentação (daí seu nome). A instalação deste software é permitida em um único computador. Licenças na caixa são adequadas para microempresas, com um a três computadores e estão disponíveis em vários distribuidores especializados, lojas online ou varejo. Os módulos oferecidos podem resultar em licenças que vão desde uma abdicação quase total, pelo licenciante, dos seus direitos patrimoniais, até opções mais restritivas, que vedam a possibilidade de criação de obras derivadas ou o uso comercial dos materiais licenciados. A documentação em si pode estar em arquivos, como manuais em formato PDF, ou em wikis, sistema colaborativo de conteúdo na web. Independente da forma que sejam disponibilizados precisam ter seu licenciamento claro. De acordo a FF Free oftware Foundation em uma tradução livre: Posso usar a GPL para algo diferente software? Você pode aplicar a GPL para qualquer tipo de trabalho, desde que é claro o que constitui o "código-fonte" para o trabalho. O GPL define isso como a forma preferida do trabalho para fazer alterações nele. No entanto, para manuais e livros didáticos, ou mais genericamente qualquer tipo de trabalho que se destina a ensinar um assunto, recomendamos o uso do GFDL Gnu Free Documentation License - e não a GPL. Figura 5: Desenho vetorial CorelDRAW 3.. Estudos de casos para licenças fechadas Para a maioria dos usuários estes são programas corriqueiros, acessíveis em qualquer vendedor ambulante com preços módicos, no entanto, ao comprarem por estes meios caracterizam uma série de irregularidades, sendo a pirataria a mais comum. Vejamos com mais cuidado alguns outros casos para entender melhor estes problemas. Em situação similar, também ocorre um erro muito comum no desenvolvimento de software. Independente de sua função, geralmente é necessário um banco de dados para armazenar os dados, então o desenvolvedor distribui dentro do instalador do seu programa um instalador do banco de dados, que caracteriza o mesmo exemplo anterior, gerando um litígio pois a licença não permite tal ação; Posso aplicar uma licença Creative Commons de software? Nós não recomendamos. As licenças Creative Commons não devem ser usadas para software. Nós encorajamos você a usar uma das muito boas licenças de software disponíveis. Recomendamos as licenças disponibilizadas pela Free oftware Foundation ou listados no Open (0) (0) e.3f (0) 50 de 69 Distribuição de software Em situações em que uma empresa, seja pública ou privada, disponibiliza documentos em formato PDF, geralmente coloca um link para baixar o Acrobat Reader. e o link enviar o usuário para o portal web da empresa, como a Adobe no caso do Acrobat Reader, para baixar o programa está tudo certo, no entanto, algumas empresas disponibilizam o programa a partir do seu próprio portal, o que, pela licença, não é permitido. Já do portal Creative Commons: Figura 6: Edição de imagens Photohop Uso em mais de um computador (0) 3 de 69

24 Em softwares de licença única, como o nome diz, é para um único computador. A instalação em um segundo equipamento com o mesmo número de série constitui em quebra do contrato. De forma análoga, existem programas que são gratuitos para o primeiro equipamento doméstico, mas ao instalar em um segundo, este precisa de uma licença adquirida (geralmente comprada). É um erro comum do usuário apenas ler o gratuito e distribuir instalações. O problema se agrava quando se trata de micro e pequenos negócios; Estudos e divulgação de informações Este talvez seja o mais problemático de todos, pois refere-se ao trabalho do usuário, que pode encontrar problemas no uso (bugs) ou estudar o funcionamento do programa de computador, sendo que estas ações são proibidas pela licença. O melhor exemplo para este tipo de problema aconteceu em 00 com o programador de computadores Dmitri klyarov, cidadão russo que na época tinha 6 anos, era aluno de doutorado em computação na prestigiosa Bauman Moscow tate Technical University, pai de dois filhos, descobriu uma falha na segurança do software para livros eletrônicos da empresa Adobe ystems. Depois de várias tentativas de comunicar a falha para a referida empresa, resolveu publicar na internet suas descobertas e alertas, e foi convidado para o mais famoso evento de segurança, o DefCon, no EUA. Após apresentar sua palestra, foi preso pelo FBI por quebrar as cláusulas de Figura 7: Dmitry klyarov (00) sigilo sobre informações dos e-books da Adobe. Este tipo de tratamento de problemas do software efetivamente não ajudam ao usuário final em ter produtos mais seguros. Não adianta ocultar os problemas, esperando que não sejam vistos, e sim o contrário, podendo contar com uma infraestrutura de segurança ampla e o apoio do coletivo. Para mais detalhes da história de klyarov, acesse estas referências ; 3.3. oftware proprietário vs oftware privativo (0) (0) 4 de 69 Um exemplo prático em relação a licenciamento é o desenvolvimento de um sistema e utilizar bibliotecas fechadas. Ao utilizar uma biblioteca fechada é importante analisar se o licenciamento permite a distribuição da mesma ou se é necessário adquirir licenças adicionais. Em caso de uso destas bibliotecas sem a devida regularização de uso pode acarretar em litígio contra a empresa. Outro exemplo é o uso de bibliotecas sob licenças abertas do tipo protecionistas totais, como a GPL, que proíbem a sua distribuição com códigos sob outros tipos de licenças. Na prática, se você utiliza uma biblioteca GPL, terá que entregar o seu código sem a(s) referida(s) biblioteca(s) e dar as orientações para que o cliente (ou quem irá instalar o sistema) baixe as bibliotecas e as disponibilize no ambiente de produção Framework Framework é similar a biblioteca no sentido de facilitar o trabalho do programador. e desenvolvermos um sistema web em Java, conectando em um banco de dados Oracle, geralmente utilizamos bibliotecas para conexão entre o sistema e o banco de dados. No entanto, caso queiramos trocar de banco de dados será necessário um retrabalho no código (refatoração) para adaptar ao novo banco. Agora, se empregamos um framework, ele pode oferecer uma abstração, facilitando uma troca de tecnologia como esta, pois o framework já contempla esse processo dentro dele. No entanto, como código, está sob uma determinada licença, como é o caso do Demoiselle, framework desenvolvido pelo ERPRO erviço Federal de Processamento de Dados para atender suas demandas de desenvolvimento em Java. Este framework foi desenvolvido sob a licença LGPL (GNU Library or Lesser General Public License v. 3.0). Esta licença é adequada tanto para desenvolvimento de sistemas com licenças fechadas quanto abertas. O uso de frameworks fechados entram na mesma situação das bibliotecas, precisando analisar a licença e regularizar o uso. Em caso de não se encontrar o licenciamento, segue a regra padrão de licença fechada Documentação A documentação, tal como sons e imagens, difere de código, inclusive no licenciamento. Para textos, sons e imagens existem uma gama de licenças mais adequadas do que as licenças de software, como é o caso da Creative (0) 49 de 69

25 /* ****************************************************** * Código Original: * Autor: Allan Peron * ****************************************************** * Modificações feitas para fácil aplicação */ Um erro comum de interpretação foi que os softwares de licenças pagas fossem denominados de proprietário, dando a ilusão que as demais licenças não tenham propriedade, que é um conceito errado. package br.com.javafree.wscpf; public abstract class CPF extends Object { private static tring calcdigverif(tring num) { Integer primdig, segdig; int soma = 0, peso = 0; for (int i = 0; i < num.length(); i++) soma += Integer.parseInt(num.substring(i, i + )) * peso--; Na verdade, todo e qualquer software tem um ou mais proprietários. No caso de empresas que desenvolvem software, o direito patrimonial pertence a esta, e o direito moral, aos desenvolvedores, empregados desta empresa. No caso de projetos de código aberto ou software livre, o direito patrimonial e moral de cada contribuição é respeitada e passível de rastreabilidade, ou seja, é possível determinar cada trecho do código e seu respectivo autor desde a sua criação (quando existe uma adoção disciplinada de gestão de configuração). if (soma % == 0 soma % == ) primdig = new Integer(0); else primdig = new Integer( - (soma % )); soma = 0; peso = ; for (int i = 0; i < num.length(); i++) soma += Integer.parseInt(num.substring(i, i + )) * peso--; soma += primdig.intvalue() * ; if (soma % == 0 soma % == ) segdig = new Integer(0); else segdig = new Integer( - (soma % )); return primdig.totring() + segdig.totring(); } private static int calcegdig(tring cpf, int primdig) { int soma = 0, peso = ; for (int i = 0; i < cpf.length(); i++) soma += Integer.parseInt(cpf.substring(i, i + )) * peso--; soma += primdig * ; if (soma % == 0 soma % == ) return 0; else return - (soma % ); } public static tring geracpf() { tring iniciais = ""; Integer numero; for (int i = 0; i < 9; i++) { numero = new Integer((int) (Math.random() * 0)); iniciais += numero.totring(); } return iniciais + calcdigverif(iniciais); } public static boolean validacpf(tring cpf) { if (cpf.length()!= ) return false; } tring numdig = cpf.substring(0, 9); return calcdigverif(numdig).equals(cpf.substring(9, )); } Código : Código Java para validação de CPF Praticamente em qualquer sistema comercial tem a necessidade de se ter o CPF dos clientes e é necessário fazer a validação deste para evitar erros futuros no sistema contábil. Não há necessidade de reescrever o código cada vez que se inicia um novo projeto, podendo simplesmente reaproveitar o código, ou seja, fazer uma biblioteca na linguagem usada e reaproveitá-la em novos projetos. Por isso é importante ter um licenciamento claro da biblioteca e do projeto em si. (0) 48 de 69 Roberto Brenlla, da Espanha, apresentou uma definição nova e, na minha opinião mais acertada, que foi do termo software privativo, isto é, aqueles que a licença priva o usuário de uma série de ações, tais como distribuir, estudar, modificar ou mesmo usar sob determinadas condições. Desta forma, todas as referências a softwares com licenças fechadas serão referenciados como software privativo Licenças compartilhadas Código compartilhado é um termo genérico que cobre alguns dos mecanismos legais da Microsoft para o software com distribuição do código-fonte. A Iniciativa de Código Compartilhado da Microsoft, lançado em Maio de 00, inclui um espectro de tecnologias e licenças. A maioria de suas ofertas de código-fonte estão disponíveis para descarga após os critérios de elegibilidade estarem cumpridos. As licenças associadas ao conjunto de ofertas de código fechado podem permitir apenas visualização do código para referência ou permitem que ele seja modificado e redistribuído, tanto para fins comerciais e não comerciais. Para os analistas da área, esta foi uma estratégia adotada pela Microsoft para combater os projetos de código aberto (open source), pois uma das principais argumentações para a adoção destas soluções em relação às pagas era a questão de auditoria de código, ou seja, que com soluções pagas geralmente usamos como está, uma caixa preta, que não sabemos o que faz ou como faz, ou ainda se faz apenas o que se propõe Licenças abertas Diferente das outras duas modalidades, fechada e compartilhada, as licenças abertas são assim chamadas por disponibilizar acesso aos arquivos fontes sem restrições, o que permitem uma série de outras ações além de usar o (0) 5 de 69

26 programa. Apesar disto, pode-se fazer uma subclassificação em relação a questões filosóficas e de propriedade. Vejamos com mais cuidado cada grupo oftware livre Da Wikipédia: oftware livre, segundo a definição criada pela Free oftware Foundation, é qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído sem restrições. O conceito de livre se opõe ao conceito de software restritivo (software proprietário), mas não ao software que é vendido almejando lucro (software comercial). A maneira usual de distribuição de software livre é anexar a este uma licença de software livre, e tornar o código-fonte do programa disponível. Um software é considerado como livre quando atende aos quatro tipos de liberdade para os usuários do software definidas pela Free oftware Foundation: Liberdade 0: A liberdade para executar o programa, para qualquer propósito; da solução vendida, em si, é parte da documentação do projeto, e precisa estar presente na documentação final e sob um licenciamento correto, geralmente seguindo o mesmo licenciamento do desenvolvimento contratado. A estrutura, ou esquema, de banco de dados em si é outro objeto de licenciamento em si. Não estamos falando dos dados que serão armazenados, mas a forma que será armazenado. Fazendo uma analogia, os dados são a carga de um contêiner, o esquema de dados é o contêiner em si, e o banco de dados é o depósito onde estão todos os contêineres armazenados Elementos externos Podemos considerar elementos externos as bibliotecas, framework, documentação, e sons, vídeos e imagens. Vejamos cada um com mais cuidado Bibliotecas As bibliotecas são códigos reutilizáveis organizado e simplificado para facilitar a vida do programador. Um exemplo que ajuda a entender seu funcionamento é uma biblioteca para validar CPF em Java. Liberdade : A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades; Liberdade : A liberdade de redistribuir, cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo; Liberdade 3: A liberdade de modificar o programa e liberar estas modificações, de modo que toda a comunidade se beneficie. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para as liberdades de,,3. A liberdade de executar o programa significa que qualquer tipo de pessoa física ou jurídica pode utilizar o software em quantas máquinas quiser, em qualquer tipo de sistema computacional, para qualquer tipo de trabalho ou atividade, sem nenhuma restrição imposta pelo fornecedor. A liberdade de redistribuir o programa executável (em formato binário) necessariamente inclui a obrigatoriedade de disponibilizar seus códigos-fonte. Caso o software venha a ser modificado e o autor da modificação queira distribuí-lo, gratuitamente ou não, será também obrigatória a distribuição do código-fonte das modificações, desde que elas venham a integrar o programa. Não é necessária a autorização do autor ou do distribuidor do software para (0) 6 de 69 (0) 47 de 69

27 Durante o desenvolvimento é comum também o uso de imagens, principalmente em botões ou links, como o de um disquete para indicar a ação de salvar, ou de uma impressora, para chamar a interface de impressão, ou ainda uma bandeira para definir o idioma da aplicação. Ainda para a interação com o usuário pode ser necessário o uso de sons na forma de chamadas, voz ou música, ou uma forma mais, através de animações ou vídeos. De acordo que o sistema evolui é necessário desenvolver uma documentação de apoio, que pode ser um sistema de ajuda, manuais, cursos em EAD ou outra forma, que possa dar apoio ao usuário em usar e desenvolver seus trabalhos no sistema criado. Então, com esta rápida descrição da etapa de desenvolvimento do sistema, podemos começar a analisar os cuidados para as questões jurídicas envolvidos. que ele possa ser redistribuído, já que as licenças de software livre assim o permitem. Para que seja possível estudar ou modificar o software (para uso particular ou para distribuir) é necessário ter acesso ao código-fonte. Por isso a disponibilidade desses arquivos é pré-requisito para a liberdade do software. Cada licença determina como será feito o fornecimento do código-fonte para distribuições típicas, como é o caso de distribuições em mídia portátil somente com os códigos binários já finalizados (sem o fonte). Para que essas liberdades sejam reais, elas devem ser irrevogáveis. Caso o desenvolvedor do software tenha o poder de revogar a licença, o software não é livre. As licenças de software livre podem ser divididas em duas subcategorias: protecionistas totais e parciais Protecionistas Totais Ambientes Quando falamos dos servidores de aplicação e banco de dados, estamos falando de sistema operacional (O)l do(s) servidor(es) que vai recebê-los, software de serviço de aplicação, de banco de dados e de softwares adicionais que sejam necessários. Além disso, existe a parte de infraestrutura de rede, como firewalls, que também tem questões de licenças a serem consideradas. No caso do sistema operacional é o software mínimo para operar o computador. Em caso de Os Windows, Mac OX ou olaris, estão sob licenças fechadas, já o Linux está sob uma licença aberta, sem custos, com empresas que oferecem contratos de suporte ao ambiente (quando utiliza-se o Linux personalizado e mantido por eles), como é o caso da Red Hat e Canonical, e livres como o Debian. Neste ponto, a escolha de determinado sistema operacional precisará de licenças compradas, contrato de suporte ou licenças abertas. Já para o banco de dados também é necessário um cuidado com as licenças, especialmente para o MyQL. Este banco de dados possui uma licença comercial com uma exceção FO (Free and Open ource oftware) que permite que os componentes da MyQL sejam usadas como licença aberta somente quando a licença do software em desenvolvimento esteja sob uma das licenças abertas listada em sua página. Na prática, se está desenvolvendo um software comercial em licença não-aberta, terá que comprar os componentes da MyQL Inc. De acordo com Vanessa abino, explica que as licenças protecionistas totais determinam que qualquer trabalho derivado precisa ser distribuído sob os mesmos termos da licença original. Isso também é chamado de copyleƒt, um termo criado pela Free oftware Foundation. A ideia do copyleƒt é dar permissão a todos para executar, copiar, modificar e distribuir versões modificadas do programa, mas impedir que sejam adicionadas restrições a essas versões redistribuídas. Tal ideia visa fortalecer o software livre como um todo, não permitindo que melhorias do software sejam retiradas do alcance da comunidade. O resultado esperado é que a quantidade de software livre aumente cada vez mais, beneficiando todos os envolvidos na cadeia produtiva do software livre. Além disso, a reciprocidade contribui para manter a compatibilidade entre diversas versões de um determinado sistema, dado que quando novas funcionalidades são feitas de forma fechada, fica mais difícil replicá-las nas diferentes versões. Por outro lado, tal abordagem também sofre críticas de dentro da comunidade, pois o software licenciado nesse modelo acaba ficando de certa forma isolado dos demais devido a incompatibilidades nas licenças. Na pratica, software licenciado sob o modelo permissivo, em geral, pode ser incorporado em software licenciado como recíproco, já que licenças permissivas permitem a redistribuição sob outros termos, inclusive os de licenças protecionistas. Porém, o inverso não é verdadeiro e, assim, software sob licenças protecionistas não pode ser utilizado em vários projetos de software livre que usam alguma outra licença. Ainda vendo os softwares relacionados ao ambiente, a documentação de cada software envolvido (servidor web, aplicação, banco de dados, etc.) é de responsabilidade dos respectivos desenvolvedores/ fornecedores, mas o conjunto de informações de configuração empregados para o desenvolvimento Desta forma, as licenças do tipo protecionistas totais também são referenciadas como licenças viróticas, pois para poder ser distribuída como 46 de 69 7 de 69 (0) (0)

28 componente principal ou parte de uma solução maior, as demais partes também precisam ou trocar a licença para GPL (caso os demais componentes estejam licenciados sob outra licença), ou não deixar a cargo do usuário buscar os demais componentes, já que a licença não permite a distribuição conjunta. ão bons exemplos deste tipo de licença a GPL General Public License (Licença Pública Geral), nas suas versões.0 e 3.0, e a licença AGPL 3 Affero General Public License (Licença Pública Geral Affero4). A GNU GPL, ou simplesmente GPL, é a designação da licença para software livre idealizada por Richard Matthew tallman em 989, no âmbito do projeto GNU da Free oftware Foundation (FF). A licença GPL foi originalmente publicada em Janeiro de 989. No entanto, passado pouco tempo, ficou claro que o texto da licença comportava vários problemas, pelo que em Junho de 99 foi publicada a GPL versão, sendo ao mesmo tempo introduzida uma nova licença LGPL. Em 005, tallman anunciou que estava preparando uma nova versão da licença em conjunto com Eben Moglen. Essa nova versão, foi chamada de GPLv3 e o primeiro esboço foi publicado em 6 de Janeiro de 006, sendo a versão final lançada em 9 de Junho de 007. A GNU Affero General Public License (Licença Pública Geral Affero GNU), ou simplesmente GNU Affero GPL, é uma licença de software livre publicada em 007 pela Free oftware Foundation. A GNU AGPL tem o propósito de ser uma licença minimamente modificada da GNU GPL e atender as necessidades de fornecer liberdade em softwares como serviços (aa, oftware as a ervice), ou seja, aqueles os quais você não tem acesso direto ao binário/código-objeto. /************************************************************** * * Licensed to the Apache oftware Foundation (AF) under one * or more contributor license agreements. ee the NOTICE file * distributed with this work for additional information * regarding copyright ownership. The AF licenses this file * to you under the Apache License, Version.0 (the * "License"); you may not use this file except in compliance * with the License. You may obtain a copy of the License at * * * * Unless required by applicable law or agreed to in writing, * software distributed under the License is distributed on an * "A I" BAI, WITHOUT WARRANTIE OR CONDITION OF ANY * KIND, either express or implied. ee the License for the * specific language governing permissions and limitations * under the License. * *************************************************************/ // MARKER(update_precomp.py): autogen include statement, do not remove #include "precompiled_sw.hxx" ( ) Código : Arquivo $RCROOT/main/sw/source/core/text/blink.cxx do Apache OpenOffice 4.4. Desenvolvimento Uma vez que os desenvolvedores recebem os requisitos inicia-se a criação das tabelas dos bancos de dados, papel destinado ao arquiteto de dados. É criado um script de criação das tabelas e atribuições necessárias para a parte de dados. Uma vez criada a base de dados inicial, os programadores começam a construir a aplicação em si dentro de suas IDEs, sempre integrados com um controle de versionamento. De acordo que aplicação é construída em suas respectivas estações de trabalho, periodicamente é feito um teste integrando todos os códigos no ambiente de testes, verificando como está funcionando a integração de código dos diversos integrantes da equipe. Neste ambiente de testes existe um conjunto de configurações, tanto do servidor de aplicação quanto do banco de dados, que precisa ser replicado nos ambientes de homologação e produção (quando for o caso) (0) (0) (0) (0) 8 de 69 Geralmente se empregam frameworks para tornar a codificação mais produtiva, isto é, pedaços de código com funções pré-determinadas, de forma que o desenvolvedor apenas passe alguns parâmetros para esse framework e este desenvolva uma série de ações, de maneira simplificada. Além dos frameworks, é possível que sejam empregadas bibliotecas de terceiros, isto é, componentes de códigos que fazem determinada função, como por exemplo gerar relatórios. O desenvolvedor terá que se preocupar apenas em levantar os dados e um modelo de apresentação e enviar para esta biblioteca, e a biblioteca se encarrega de criar os arquivos PDFs, com a apresentação desejada. 45 de 69

29 A Wikipedia oferece uma boa listagem de comparação de gestão de projetos, controle de versão e sistema de bilhetagem3. Abaixo, alguns exemplos que utilizam esta licença. Exemplos de GPL Estes sistemas podem ter maior ou menor compatibilidade entre si em termo de integração e licenças. Além destes recursos, é necessário definir a ferramenta de desenvolvimento (IDE - Integrated development environment), onde o desenvolvedor irá desenvolver o código propriamente dito, os ambientes de desenvolvimento, geralmente criado na própria estação de trabalho do desenvolvedor com uma versão reduzida do ambiente de produção, o de teste, onde serão disponibilizados e integrados todo o código desenvolvido pelo time de desenvolvimento, e o de homologação, onde os analistas de negócio e até mesmo o cliente irá avaliar o desenvolvimento do sistema. ão nestes ambientes, de desenvolvimento, de teste e homologação, que será necessário o servidor de aplicação e banco de dados, especificados pela arquitetura. Considerando os cenários tecnológicos iniciais, podemos gerar uma tabela simplificada comparativa. Func. O estação Cenário Tec. Cenário Tec. Cenário Tec. 3 Windows Windows Borland Jbuilder Cenário Tec. 4 Windows /Linux Windows /Linux IDE M Visual tudio Eclipse Eclipse/Aptana O servidor Windows Linux Red Hat Linux Linux Banco de dados M QL erver Oracle Oracle MyQL PostgreQL ervidor de aplicação M II + AP.Net Oracle OA Apache + Mod PHP Zope Tabela 3: Comparativo dos cenários tecnológicos 4.3. Requisitos A etapa de requisitos consiste basicamente em entender as regras de negócio do cliente, documentar sob determinada metodologia para que possa ser encaminhada para a área de desenvolvimento da empresa. Nesta etapa é importante ter claro o tipo de licenciamento a ser usado, para a devida inserção no código-fonte, isto é, inserir no cabeçalho de cada arquivo do sistema desenvolvido informações a respeito da autoria e licença utilizada. Para ilustrar, segue um exemplo de cabeçalho. 3 (0) (0) (0) 44 de 69 Figura 8: Media Player VLC Exemplos de AGPL Figura 9:. Operacional Linux Figura 0: Ambiente de Desenvolvimento Launchpad Figura : Conector de agenda e Funambol Protetivas Parciais Também citado no trabalho de Vanessa abino, as licenças protecionistas parciais, também chamadas de copyleft fraco, determinam que modificações do trabalho coberto por elas devem ser disponibilizadas sob a mesma licença. Porém, quando o trabalho é utilizado apenas como um componente de outro projeto, esse projeto não precisa estar sob a mesma licença. Alguns autores, como imon Phipps, utilizam a denominação licença baseada em arquivo para essa categoria, enquanto as protecionistas totais seriam licenças baseadas em projeto. Considera-se que essas licenças são as que melhor equilibram dois importantes fatores do modelo de software livre: atração de interesse para a comunidade e força e longevidade do código-fonte disponível. Ao mesmo tempo que essas licenças permitem que os desenvolvedores utilizem o trabalho para criar software que será licenciado como preferirem, modificações e melhorias feitas ao próprio trabalho são obrigatoriamente disponibilizadas à comunidade. Alguns advogados, como Lawrence Rosen, defendem que o uso de bibliotecas que são apenas ligadas a um novo software não caracterizaria um trabalho derivado, mas sim um trabalho coletivo. Ele faz uma analogia a páginas na web, em que cada uma é um trabalho com direito autoral individual, apesar de muitas vezes estariam presentes ligações de uma para a outra. egundo ele, esse tipo de relação consiste em uni trabalho coletivo. Portanto, nesse cenário, mesmo uni software sob uma licença protecionista total poderia ser usado como biblioteca de outro que estaria sob outra licença. Porém, no caso brasileiro, a Lei de Direito Autoral é mais específica e impõe maiores limitações. Dessa forma, o uso de licenças protecionistas parciais fazse necessário em casos nos quais o autor quer garantir que o desenvolvimento da biblioteca seja feito no modelo de software livre mas ao mesmo tempo quer permitir seu uso em projetos que utilizam outras licenças. (0) 9 de 69

30 ão exemplos de licenças deste tipo a LGPL Lesser General Public License (Licença Pública Geral Menor) e a MPL3 Mozilla Public License (Licença Pública Mozilla4). A GNU Lesser General Public License, escrita por Richard tallman e Eben Moglen em 99 (e atualizada em 999), é uma licença de software livre aprovada pela FF e escrita como um meio-termo entre a GPL e licenças mais permissivas, tais como a licença BD e a licença MIT. A principal diferença entre a GPL e a LGPL é que esta permite também a associação com programas que não estejam sob as licenças GPL ou LGPL, incluindo oftware privativo. Outra diferença significativa é que os trabalhos derivados, que não estão sob a LGPL, devem estar disponíveis em bibliotecas. A LGPL acrescenta restrições ao código-fonte desenvolvido, mas não exige que seja aplicada a outros softwares que empreguem seu código, desde que este esteja disponível na forma de uma biblioteca. Logo, inclusão do código desenvolvido sob a LGPL como parte integrante de um software só é permitida se o código-fonte for liberado. A LGPL visa à regulamentação do uso de bibliotecas de código, mas pode ser empregada na regulamentação de aplicações, como OpenOffice.org e Mozilla. Outra característica importante é a possibilidade de conversão de apenas uma parte de um código sob a LGPL em outro, sob a GPL (ver seção 3 da licença). Já a licença pública Mozilla (Mozilla Public License, em inglês) é uma licença para software livre de código aberto. A advogada Mitchell Baker criou a versão.0 quando trabalhava na empresa Netscape Communications Corporation e a versão. quando trabalha na Mozilla Foundation. O seu principal uso é na suíte de software Mozilla e nos softwares relacionados a ela. Ela foi adaptada por outras organizações, como no caso da licença Common Development and Distribution License do sistema operativo Openolaris (uma versão de código aberto do sistema olaris 0) da un Microsystems. A licença é similar ao copyleft, mas não é tão rígida quanto à distribuição de trabalhos derivados. Especificamente, o código-fonte copiado ou alterado sob a licença Mozilla deve continuar sob esta licença. Porém, este código pode ser combinado em um programa com arquivos proprietários. Além disso, é possível criar uma versão proprietária de um código sob a licença Mozilla. Por exemplo, o navegador Netscape 6 e 7 são versões proprietárias das versões correspondentes da suíte Mozilla. Adicionalmente, os pacotes de software da Mozilla Foundation incluem logos, ícones, a palavra "Mozilla", e referências a outras marcas. A fundação utiliza a seguinte política para restringir a redistribuição: a obrigação de inclusão de citação do autor, de forma similar à obnoxious advertising clause (cláusula de propaganda detestável, como era chamada pelo projeto GNU) das 3 4 (0) (0) (0) (0) 30 de 69 seja de terceiros/fornecedores, seja das equipes internas que trabalharão neste processo dentro da empresa. A principal diferença nos dois modelos está, sem sombra de dúvidas, na questão financeira, mas não só ela. Para modificar um software, precisa haver as permissões de modificação devidamente registradas na licença e/ou contrato. No caso de soluções abertas, essas permissões já estão previamente garantidas. Ainda dentro do processo de preparação, após a abertura do projeto propriamente dito, sob uma visão de PMBOK, existe a necessidade de se fazer o ambiente de desenvolvimento, que segue uma linha semelhante à gestão de projetos, mas com um foco para o desenvolvimento de software em todas suas etapas. ão duas normas IO/IEC que oferecem um norteamento para isso: IO/IEC 07 e (PICE). Neste ambiente de desenvolvimento, precisamos um software para documentar os requisitos e documentação. Pode ser usado desde um editor de texto até sistemas de documentação. Precisamos também um sistema de versionamento, responsável por fazer a rastreabilidade de todo o desenvolvimento, entendendo por rastreabilidade a capacidade de identificar quando, quem e o que cada pessoa da equipe fez. Podemos ter ainda um sistema de bilhetagem, no qual será registrado todos os erros do sistema (bugs), novas funcionalidades desejadas (wishlist), controle de qualidade (quality assurance), testes e homologação. Vejamos um exemplo de ambiente fechado e aberto, tendo em mente que é possível ter um ambiente misto, com elementos de um ou outro lado. Funcionalidade Exemplo Fechado Gestão de projetos Microsoft Project (desktop), CA Clarity (web), ProjectControl (web), etc. Exemplo Aberto OpenProj (desktop), dotproject (web), LibrePlan (web), etc. Documentação Microsoft Office (desktop), Caliber (web), etc. OpenOffice.org (desktop), Trac (wiki/web), MediaWiki (web), etc. Gerencia de versionamento M ourceafe, Borland tarteam, etc. CV, VN, Git, etc. istema de bilhetagem IBM ClearQuest, M Dynamics CRM, etc. Redmine, MantisBT, Trac, etc. Tabela : Produtos por funcionalidade 3 (0) (0) (0) 43 de 69

31 nativo, bem como o servidor de aplicação Apache + Mod Python. Todas as ferramentas relacionadas com desenvolvimento estão presentes sob licenças abertas, principalmente, e fechadas. Em qualquer cenário apresentado são necessários ferramentas de desenvolvimento, ambientes de desenvolvimento e homologação, gestão de projeto e configuração. Como exemplificado nos diferentes cenários, a escolha da tecnologia pode afetar a questão de custos para o desenvolvimento da solução que, aparentemente, não afetam as questões jurídicas. No entanto, passam a afetar caso a empresa use softwares desrespeitando suas licenças, que no caso de softwares de licença fechada se traduzem na compra do montante correspondente para atender plenamente as demandas. Veremos o desdobramento destas questões nos tópicos adiante. primeiras versões da licença BD; e a impossibilidade de menção quando determinado projeto é derivado de qualquer versão da suíte Mozilla, do Firefox ou softwares relacionados. A suíte Mozilla e o Firefox será "relicenciada" sob a licença GNU General Public License (GPL), pela licença GNU Lesser General Public License (LGPL) como também pela licença Mozilla. No final o código terá uma licença tripla, ou seja, serão licenciados sob a licença Mozilla, GPL e LGPL. Recentemente, a MPL foi revisada, contando com a interação de vários notórios participantes do código aberto e software livre, como a Free oftware Foundation, que apoiou o seu lançamento, atingindo sua versão.0, e como foi informado no portal Br-Linux3: descrita como similar em espírito às versões anteriores (que além de tornarem livre o software a que se referirem, também disponibilizam formalmente a permissão de uso e redistribuição das tecnologias patenteadas relacionadas a ele e de propriedade do licenciador) mas mais curta, melhor e mais compatível com outras licenças livres e de código aberto. 4.. Início dos trabalhos Uma vez completado o processo de venda, geralmente com a assinatura do contrato, inicia-se o trabalho em si. O contrato em si, em geral, consta os ditames tradicionais garantidos pela legislação, tais como cronograma aproximado, com abertura de ajustes deste em comum acordo, os valores com forma de pagamento determinada, e cuidados relacionados a questões de custos trabalhistas da contratada e isenção da contratante. Não é normal encontrar detalhamento a respeito de licenciamento do código a ser desenvolvido, uso de componentes de terceiros, propriedade intelectual, condições de disponibilização e reuso (caso a licença elegida assim o permita), entre outros aspectos. Exemplo disso está explicado no FAQ do licenciamento 4, onde aborda tanto o uso da MPL.0 com licenças como a GPL, do universo do software livre, quanto licenças como Apache e BD, do universo do código aberto. Além disto, a Mozilla Foundation disponibilizou o processo de revisão 5, apontando as modificações, apesar de recomendarem ler a versão final do que buscar entender estas modificações. Abaixo, alguns exemplos de software com licenças protecionistas parciais. Exemplos de LGPL Fechada esta etapa, começa o trabalho organizacional dentro da empresa, como criação do projeto com a definição das suas etapas. Neste ponto, é importante utilizar uma ferramenta de gestão de projetos, que pode ser desde uma planilha até um sistema web de gestão de projetos. A tendência é trabalhar com o conceito de nuvem, utilizando sistemas multiusuários e acessíveis a partir de qualquer navegador. Existem excelentes ferramentas tanto fechadas, que dependem de compra de licenças de uso para dar acesso interativo das equipes ao sistema, quanto abertas, que não tem custos. Uma leitura comum encontrada no mercado é pensar que ao se contratar soluções fechadas os custos estão exclusivamente sobre a parte de licenças, porém custos adicionais de recursos de terceiros e personalizações (customizações) do sistema para adequação das necessidades da empresa elevam consideravelmente o custo. Usando a mesma linha de pensamento, as soluções abertas também tem seus custos de implantação, passando pelas mesmas questões de custos nos quesitos de personalização, 4 de 69 Figura : Framework Demoiselle Exemplos de MPL Figura 3: Corretor Gramatical CoGroo Figura 4: Navegador Web Mozilla Firefox Figura 5: istema de bilhetagem Bugzilla (0) (0) (0) (0) (0) 3 de 69

32 3.5.. oftware público Da Instrução Normativa 0/0, do Governo Brasileiro: (...) Art. O oftware Público Brasileiro é um tipo específico de software que adota um modelo de licença livre para o código-fonte, a proteção da identidade original entre o seu nome, marca, código-fonte, documentação e outros artefatos relacionados por meio do modelo de Licença Pública de Marca LPM e é disponibilizado na internet em ambiente virtual público, sendo tratado como um benefício para a sociedade, o mercado e o cidadão, conforme as regras e requisitos previstos no Capítulo II desta Instrução Normativa. A principal diferença entre o software publico e o software livre, do tipo recíproco total, é a adição de um cuidado adicional em relação a marca através da LPM, da mesma forma que a GPL busca garantir as mesmas liberdades para o o código. trás a necessidade de adquirir licenças para o banco também. E este ambiente é projetado para rodar em servidores com Windows erver, também com necessidade de aquisição de licenças.. Cenário tecnológico A linguagem Java dispõe de boas ferramentas de desenvolvimento, tanto sob licenças abertas quanto fechadas. No caso das ferramentas abertas, basicamente é baixar, instalar e usar, enquanto que nas fechadas dependem de aquisição de licenças. A definição do banco de dados Oracle envolve a aquisição de licenças próprias, apesar de versões gratuitas para desenvolvedores, não seria possível fazer testes de carga, por exemplo, fundamental para grandes clientes. E, geralmente ao usar um banco de dados fechado, influi no processo de desenvolvimento para se utilizar funções específicas que dão pequenos ganhos, mas que dificultam uma possível troca futura de tecnologia. Na escolha destes dois elementos geralmente ocorre uma influencia na escolha do servidor de aplicação. No exemplo, foi listado um de licença fechada, precisando ser adquirida a sua licença. No particular do Java em si, hoje existe uma incerteza sobre seu futuro. A especificação do Java cabe a JCP Java Community Process, responsável por definir os padrões do Java, no entanto, a principal máquina virtual do mercado é o da Oracle, atualmente gratuito. Figura 6: Gerenciador de inventário Cacic Figura 7: istema de gestão Prefeitura Livre Código aberto Da Wikipedia: O termo código aberto, ou open source em inglês, foi criado pela OI (Open ource Initiative) e refere-se a software também conhecido por software livre. Genericamente trata-se de software que respeita as quatro liberdades definidas pela Free oftware Foundation, compartilhadas também pelo projeto Debian, nomeadamente em "Debian Free oftware Guidelines (DFG)". Qualquer licença de software livre é também uma licença de código aberto, a diferença entre as duas nomenclaturas reside essencialmente na sua apresentação. Enquanto a FF usa o termo "oftware Livre" envolta de um discurso baseado em questões éticas, direitos e liberdade, a OI usa o termo "Código Aberto" sob um ponto de vista puramente técnico, evitando (propositadamente) 3. Cenário tecnológico 3 A linguagem PHP é uma das linguagens de script mais usadas na internet, com seu interpretador livre, desenvolvido como código aberto. Roda com os principais bancos de dados do mercado, tanto fechados quanto abertos, e tem bom suporte nos principais servidores web para servidor de aplicação. Neste exemplo, o banco de dados empregado foi o MyQL, atualmente de propriedade da Oracle, sob um bi licenciamento. Neste licenciamento, basicamente diz que se aplicação está especificamente sob a licença GPL, o banco se comporta como software livre, caso contrário, é uma licença comercial. eu uso deve ser observado com cautela. 4. Cenário tecnológico 4 A linguagem é o Python, linguagem de script aberta, uma das principais pelo Google para seu motor de busca, , entre outros. Com conexão com os principais bancos de dados aberto, não tem problemas de conexão com o PostgreQL e os *NIX (o Linux entre eles) é o ambiente (0) 3 de 69 4 de 69

33 Uma vez que o software foi desenvolvido, testado e homologado, vem a entrega deste software, que dá abertura para duas possibilidades: ) Desenvolvimento a empresa pode somente desenvolver o software e a sua implementação pode ocorrer em um ambiente do cliente ou contratado de terceiros para hospedar esta solução, cabendo a empresa entregar o produto devidamente licenciado e, opcionalmente, registrado; ou ) Desenvolvimento e hospedagem além de desenvolver, ainda oferece o serviço de hospedagem, contendo mais um ambiente, o de produção, onde será disponibilizada a solução para o cliente, precisando ser devidamente licenciado e, opcionalmente, registrado. Assim, vamos avaliar cada etapa do processo. 4.. Cenário tecnológico De posse do escopo inicial do cliente, os setores de arquitetura e projetos da empresa vão avaliar as necessidades e estimar os recursos de infraestrutura, tecnologia, pessoas, entre outros, para atender a demanda. Elementos que se podem definir nesta etapa que impactam diretamente no processo é a definição da linguagem de programação, banco de dados e infraestrutura necessária. Isso acontece porque dependendo da estruturação e alinhamentos da empresa podem representar custos de aquisição de licenças em várias partes futuras. Vejamos alguns exemplos. Cenário Linguagem tecnológico Banco de dados Ambiente Asp.NET M QL erver M erver + II + ervidor AP Java Oracle Linux + WebLogic 3 PHP MyQL Linux + Apache + Mod PHP 4 Python PostgreQL Linux + Apache + Mod Python Tabela : Diferentes cenários tecnológicos. Cenário tecnológico A linguagem de programação Asp.NET, impacta em compra de licenças das ferramentas de desenvolvimento e no servidor de aplicação Asp.NET. O banco de dados geralmente apresenta correlação entre linguagem, isto é, o fornecedor privilegia ou dá mais atenção a determinadas soluções que, no caso do Asp.NET é para o QL erver, também da Microsoft. Isso questões éticas. Esta nomenclatura e discurso foram cunhados por Eric Raymond e outros fundadores da OI com o objetivo de apresentar o software livre a empresas de uma forma mais comercial evitando o discurso ético. abino também comenta que as licenças de código aberto também são conhecidas como licenças permissivas, ou também chamadas de licenças acadêmicas por alguns autores, como Rosen e Laurent3, em referência as origens das licenças BD (University of California, Berkeley) e MIT (Massachusetts Institute of Technology), impõem poucas restrições as pessoas que obtém o produto. Muitas vezes, tais licenças são usadas em projetos de pesquisa de universidades, que servem como prova de conceito de alguma tecnologia que poderá ser explorada comercialmente no futuro. No caso das licenças permissivas, não é feita nenhuma restrição ao licenciamento de trabalhos derivados, estes podendo inclusive serem distribuídos sob uma licença fechada. Licenças permissivas são uma ótima opção para projetos cujo objetivo e atingir o maior número de pessoas, não importando se na forma de software livre ou de software fechado. Temos vários exemplos desse modelo no BD Unix, que continha o software de TCP /IP que hoje é usado na maior parte das implementações desse protocolo, incluindo a da Microsoft 3. Outro exemplo é o BIND, Berkeley Internet Name Daemon, cuja implementação livre é até hoje usada nos principais servidores de DN, apesar de haver também varias implementações fechadas. egundo Laurent 3, ha bilhões de dólares em atividade econômica associada apenas com a pilha de software para Internet originalmente liberada sob a licença BD. Alguns argumentam que o uso desse tipo de licença não incentiva o modelo de software livre, pois empresas se aproveitam da comunidade para desenvolver software que sera fechado. Porém, quando são usadas licenças permissivas, em geral os autores estão cientes dessa possibilidade e não veem isso como um problema. Um caso conhecido em que, de fato, os autores se arrependeram da licença que adotaram é o do Kerberos, desenvolvido no MIT, que posteriormente foi adotado pela Microsoft, que desenvolveu extensões fechadas 3. Mas o mais provável, caso a licença não permitisse isso, seria que a Microsoft adotasse algum outro sistema de segurança e o Kerberos não se tornaria tão popular. Por outro lado, em alguns casos, não é necessário que haja restrições na licença para garantir a continuidade do modelo de desenvolvimento aberto, como no exemplo do servidor Apache. Duas características explicam o domínio do servidor Web livre no mercado, segundo Laurent3: a marca forte, cujo uso é 3 40 de 69 (0) (0) (0) 33 de 69

34 protegido pela própria licença do Apache, e a importância da conformidade com os padrões, que evita a disseminação de extensões fechadas. análise das compras e contratos vigentes junto aos fornecedores, atendando aos limites destes. Além destes exemplos, podemos analisar também a Apple, que desenvolveu o Mac OX, sistema operacional baseado no FreeBD, para seus computadores Mac. O Mac OX é um excelente exemplo de fechamento de código. Ainda dentro do universo de desenvolvimento de software da Apple está o CUP Common Unix Printing ystem, é o principal sistema de impressão para os *NIX em geral, incluindo o próprio OX, que continua seu desenvolvimento de forma aberta e colaborativa. Iniciado o processo de desenvolvimento, isto é, fechado o contrato e estabelecido o cronograma de trabalho com as etapas bem definidas, inicia-se a primeira, que é o cenário tecnológico e levantamento de requisitos, necessário para o desenvolvimento. Exemplos BD Exemplos MIT Figura 8: Vídeos em formato MTK Matroska Figura 9: Linguagem de programação Lua Figura 3: istema Operacional FreeBD Figura 3: Programas em um pendrive PortableApps Exemplos Apache Figura 30: ervidor Web Apache Figura 33: Ferramenta de compilação java ANT Domínio público Da Wikipedia: Domínio público, no Direito da Propriedade Intelectual, é o conjunto de obras culturais, de tecnologia ou de informação (livros, artigos, obras musicais, invenções e outros) de livre uso comercial, porque não submetidas a direitos patrimoniais exclusivos de alguma pessoa física ou jurídica, mas que podem ser objeto de direitos morais. (0) 34 de 69 No cenário tecnológico será a etapa para avaliar qual será a linguagem de programação a ser empregada, sistema de gerenciamento de banco de dados a ser usado e em que ambiente operacional (sistema operacional e ativos de rede) são necessários para este escopo. A partir do momento que se definem estes elementos é possível que possam alterar os custos do projeto, pois se considerar a troca de banco de dados de fechado para aberto irá impactar no custo final do produto. É possível oferecer alternativas já no orçamento, demonstrando os custos de desenvolvimento e as opções por utilizar determinadas tecnologias. Outro ponto que deve ser analisado, e por vezes escapa da análise das compras e contratos dos produtos empregados é a questão da virtualização. Resumidamente, virtualização é a capacidade de criarmos vários servidores virtuais (VM virtual machine) sobre um servidor real. Assim, quando instalamos um software em um servidor virtual, obedece as mesmas regras de um servidor real, isto é, pode acontecer de termos licenças apenas para instalar em uma máquina, e distribuirmos o software em várias VMs, o que pode caracterizar cópias ilegais, dependendo das cláusulas da licença. Já no levantamento de requisitos é onde o cliente especifica as regras de negócios e o funcionamento e comportamento esperado pelo sistema a ser desenvolvido. Nesta etapa, pode ser utilizado desde papel e caneta, editor de texto ou um sistema de requisitos. e utilizarmos software precisamos considerar as licenças de uso. Ainda nos requisitos, um importante requisito é definir a licença que o software a ser desenvolvido será disponibilizado. Caso não seja especificado nenhuma licença, por padrão se adota o direito de propriedade (copyright) do contratante. Na sequência, é necessário criar os ambientes de desenvolvimento e homologação, contendo os servidores de aplicação e banco de dados. É necessário verificar o ambiente de desenvolvimento dos programadores, o processo de gerenciamento de projeto pela empresa e gerenciamento de configuração pela fábrica de software (setor operacional de desenvolvimento). Com todos os detalhes acertados, inicia-se o processo de codificação. No desenvolvimento do software em si, além de questões de licenças do ferramental empregado, existem ainda questões trabalhistas, de uso de obras, de infraestrutura, bibliotecas e outras envolvidas que requerem uma atenção sob o aspecto jurídico. 39 de 69

35 4. Análise dos pontos legais no desenvolvimento Agora, com os conceitos uniformizados, uma visão geral sobre os tipos de software e alguns exemplos para correlacionarmos com nosso uso do dia a dia, temos condições de avaliar melhor o processo de desenvolvimento. Para isso, vamos considerar o esquema da figura abaixo para entender cada parte do processo e os cuidados legais necessários no processo. O domínio público está listado aqui e poderia ser usado para licenciar qualquer software, apesar de não ser usual, no entanto, ele é importante no momento em que entendemos que um software não é constituído exclusivamente de código, precisando conter imagens, sons, vídeos e textos, e estes sim precisam estar devidamente licenciados, mesmo que como domínio público, para não trazer problemas futuros Novos modelos de negócios com licenças abertas Tal como existem mudanças consideráveis entre as licenças fechadas e abertas, estas diferenças influenciaram no modelo mercadológico, fazendo surgir novos modelos de negócios, com funcionalidades diferenciadas. Dentre as principais diferenças está a migração do negócio do software como produto desenvolvido para o serviço, seja como suporte ao usuário, seja no desenvolvimento corretivo ou evolutivo deste produto. Vejamos alguns modelos conhecidos ubscrição de suporte Este é um exemplo comum no universo de sistema operacional para servidores, com empresas como Red Hat ou Novell para suas distribuições Linux personalizadas. Figura 34: Visão geral do desenvolvimento - do pedido ao uso O processo começa com uma demanda do cliente, que estabelece o contato com a fornecedora de soluções de TIC que, neste caso, é a empresa que desenvolverá o software. Nesta etapa é definido o escopo do projeto para poder mensurar e orçar para o cliente. O próximo passo é estimar os custo do desenvolvimento e, se for o caso, hospedagem, para poder gerar um orçamento para apresentar ao cliente. Neste ponto, para poder orçar os custos de desenvolvimento e, se for o caso, de hospedagem, a empresa tem recursos para parametrizar alguns pontos na hora de formar a tabela de custos do projeto. Pode acontecer que a empresa já tenha adquirido licenças de uso, no caso de produtos pagos, que podem ser reutilizadas ou utilizadas em paralelo nestes novos projetos. Porém, em caso de ambiente de produção, a forma como for pensada a implantação destas novas soluções podem precisar novas licenças, assim que é importante uma 38 de 69 Apesar de o Linux ser distribuído gratuitamente, não existe um trabalho de homologação junto as diversos fabricantes de hardware, e é isso que estas empresas fazem, isto é, fazem testes exaustivos de compatibilidade com os principais fabricantes, sejam de servidores, unidades de armazenamento (storages), unidades para cópias de segurança (backup), entre outros. Essa mesma homologação pode ocorrer com a parte de software, como banco de dados, servidores de autenticação, firewall, entre outros. Nestes contratos de subscrição, a empresa garante a compatibilidade com os produtos homologados, desenvolvem novos produtos, dão suporte de configuração, além de manter uma estrutura de desenvolvimento para resolver novos problemas no período determinado no contrato. É gerado um número de série para garantir a quantidade de instalações e monetizar sobre estes números Contrato de instalação, configuração e suporte Outras empresas optaram por um processo um pouco diferente, aonde se preocupa em entender a solução e vender os serviços de instalação, 35 de 69

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 06/10/2009 10:21 Leite Júnior

ÍNDICE. www.leitejunior.com.br 06/10/2009 10:21 Leite Júnior ÍNDICE SOFTWARE LIVRE / OPEN SOURCE...2 PROPRIEDADE INTELECTUAL...2 GRAUS DE RESTRIÇÃO EM LICENÇAS DE SOFTWARE...2 LICENÇAS DE SOFTWARE...2 OPEN SOURCE...2 SOFTWARE LIVRE...2 GNU GPL...4 GNU LGPL...4 SOFTWARE

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA Classificação / Licenciamento de Software MATERIAL PARA ESTUDO PRIMEIRO BIMESTRE Componentes de um Sistema Computacional

Leia mais

Software de sistema Software aplicativo

Software de sistema Software aplicativo SOFTWARE O que é Software? Software, logicial ou programa de computador é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redireccionamento ou modificação de um dado/informação

Leia mais

O que é software livre

O que é software livre O que é software livre Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 17:12. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] por Augusto Campos Este artigo responde a diversas dúvidas comuns de novos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAFAEL D. RIBEIRO, M.SC,PMP. RAFAELDIASRIBEIRO@GMAIL.COM HTTP://WWW.RAFAELDIASRIBEIRO.COM.BR @ribeirord CRIMES DE PIRATARIA DE SOFTWARE Prática ilícita caracterizada

Leia mais

Informática I. Aula 26. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson

Informática I. Aula 26. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson Informática I Aula 26 Baseada no Capítulo 2 do Livro Introdução a Informática Capron e Johnson http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 26-17/07/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de

Leia mais

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES),

Leia mais

Com Software Livre você pode! Agradeço a oportunidade!

Com Software Livre você pode! Agradeço a oportunidade! Com Software Livre você pode! Agradeço a oportunidade! Agradeço a presença Fátima Conti ( Fa ) - fconti@gmail.com @faconti ( identi.ca, twitter ), Fa Conti ( diaspora, facebook ) Site: http://www.ufpa.br/dicas

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

O que é software livre

O que é software livre CAMPOS, Augusto. O que é software livre. BR-Linux. Florianópolis, março de 2006. Disponível em . Consultado em 16 de Dezembro de 2008. O que é software livre

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1 TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1. A plataforma on-line 2study, disponibilizada a você, doravante usuário, por meio do endereço: http://2study.com.br/, é desenvolvida e provida pela LCA Consulting LTDA, pessoa

Leia mais

Licenças Livres. Terry Laundos Aguiar

Licenças Livres. Terry Laundos Aguiar Licenças Livres Terry Laundos Aguiar "Quando nos referimos a software livre, estamos nos referindo a liberdade e não a preço." Licença GPL Licenças de Softwares Comprar um software, geralmente, é como

Leia mais

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit (SDK) do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE

Leia mais

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r)

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR, FAZER DOWNLOAD OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE, VOCÊ ESTÁ CONCORDANDO

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC

TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC TERMOS DE LICENÇA PARA SOFTWARES HSC LEIA COM ATENÇÃO ANTES DE USAR ESSE PRODUTO DE SOFTWARE: Este Termo de Aceite é um Contrato de Licença do Usuário Final ("EULA" - End-User License Agreement) é um contrato

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA Grupo de Discussão UFMT/ESUD Cuiabá (MT), 05/11/2010 Geraldo da Cunha Macedo E-mail e MSN: gmacedo@terra.com.br PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Industrial (LPI) Direito

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE UNISINOS Unidade 07 Professora Liz Beatriz Sass 2010/II O direito brasileiro e a informática Lei nº 7.232/84 Política Nacional de Informática Criou

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Computação em Nuvem. Alunos: Allan e Clayton

Computação em Nuvem. Alunos: Allan e Clayton Computação em Nuvem Alunos: Allan e Clayton 1 - Introdução 2 - Como Funciona? 3 - Sistemas Operacionais na Nuvem 4 - Empresas e a Computação em Nuvem 5 - Segurança da Informação na Nuvem 6 - Dicas de Segurança

Leia mais

CONCEITOS DE SOFTWARE. Prof. Erion Monteiro

CONCEITOS DE SOFTWARE. Prof. Erion Monteiro CONCEITOS DE SOFTWARE Prof. Erion Monteiro PENSAMENTO DO DIA Imagine uma nova história para a sua vida e acredite nela! Paulo Coelho O QUE É SOFTWARE? É o produto que os engenheiros de software projetam

Leia mais

Licença Pública da União Europeia

Licença Pública da União Europeia Licença Pública da União Europeia V.1.0 EUPL Comunidade Europeia 2007 A presente licença pública da União Europeia ( EUPL ) 1 aplica-se a qualquer obra ou software (como definido abaixo) que seja fornecido

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança

Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança Número do Item: E60510 Outubro de 2014 Copyright 2013, 2014, Oracle e/ou suas empresas afiliadas. Todos os direitos reservados e de titularidade da Oracle

Leia mais

SOFTWARE LIVRE DISCIPLINA:

SOFTWARE LIVRE DISCIPLINA: SOFTWARE LIVRE DISCIPLINA: Introdução a Ciência da Computação DOCENTE: Ricardo Sant ana DISCENTE: Matheus Vieira e Silva 1º ANO ARQUIVOLOGIA Junho de 2006 Entendendo o que é Software Livre: Liberdade dos

Leia mais

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet.

Faculdade INED 26/08/2008. Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III. Banco de Dados e Sistemas para Internet. Faculdade INED Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Projeto Integrador III Legislação Propriedade Intelectual do Software Banco de Dados e Sistemas para Internet Agosto-2008 1 2 Referências Agenda PRESIDÊNCIA

Leia mais

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE Reinaldo Candido da Costa 1 * Rosaria Ferreira Otoni dos Santos* Resumo O presente artigo busca instigar a reflexão dos usuários dos meios de comunicação e disseminação da informação

Leia mais

Software Livre. para concursos. Questões comentadas

Software Livre. para concursos. Questões comentadas Software Livre para concursos Questões comentadas Prefácio Hoje, qualquer instituição, seja ela pública ou privada, necessita utilizar programas de computadores para auxiliar os seus processos, gerando

Leia mais

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 2013 Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 1 ÍNDICE Direitos Do Autor... 2 1-Copyright... 2 Representação do símbolo... 3 Aspectos Jurídicos... 4 1-Reprodução...

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre.

O modelo Bazar de Produção de Softwares. O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. O modelo Bazar de Produção de Softwares O caso das Comunidades Virtuais de Software livre. Por Vicente Aguiar Fonte: Lucas Rocha Feced/2005 Sobre esta apresentação 2008 Vicente Aguiar

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini

DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini DIREITOS AUTORAIS, SOFTWARE, SOFTWARE LIVRE, Augusto Tavares Rosa Marcacini IME USP Outubro/2007 Direitos Autorais Lei nº 9.610/98 Propriedade imaterial Direitos autorais Propriedade industrial Direitos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. RUY CARNEIRO) Dispõe sobre diretrizes gerais e normas para a promoção, desenvolvimento e exploração da atividade de computação em nuvem no País. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 17 DE JANEIRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 17 DE JANEIRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 17 DE JANEIRO DE 2011 Dispõe sobre os procedimentos para o desenvolvimento, a disponibilização e o uso do Software Público Brasileiro SPB. A SECRETÁRIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DO USUÁRIO FINAL

CONTRATO DE LICENÇA DO USUÁRIO FINAL CONTRATO DE LICENÇA DO USUÁRIO FINAL Leia o Contrato de Licença antes de utilizar este programa. Ao aceitar o Contrato, você concorda em tornar-se o usuário ou licenciado e expressa sua total aceitação

Leia mais

Sistema de Atendimento v1.3 Manual de Instalação v1.0

Sistema de Atendimento v1.3 Manual de Instalação v1.0 Sistema de Atendimento v1.3 Manual de Instalação v1.0 Brasília, 29 de junho de 2010 Sumário Licença deste Documento...3 Introdução ao Sistema de Atendimento...4 Características e módulos...4 Arquitetura...5

Leia mais

Informações de licenciamento para clientes da Microsoft

Informações de licenciamento para clientes da Microsoft Informações de licenciamento para clientes da Microsoft Introdução Por que a Microsoft está fazendo este lançamento? Benefícios para a sua empresa Como adquirir licenças com direitos de aluguel Software

Leia mais

Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd!

Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd! Dreaming in Digital, Living in Real Time, Thinking in Binary, Talking in IP? Welcome to your wolrd! Leis de Software U M A V I S Ã O D O S A S P E C T O S R E G U L A T Ó R I O S D A T E C N O L O G I

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO:

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO: SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br FUNÇÃO: GERENCIAR, ADMINISTRAR OS RECURSOS DA MÁQUINA. SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS MS-DOS WINDOWS 3.1 WINDOWS 95 WINDOWS

Leia mais

3.2 SSI: formulário de Solicitação de Serviço à Informática - SSI, disponível na Intranet (Portal Corporativo Record).

3.2 SSI: formulário de Solicitação de Serviço à Informática - SSI, disponível na Intranet (Portal Corporativo Record). 1. OBJETIVOS Regulamentar o processo a ser seguido pelos usuários para liberação de ferramentas e recursos de Tecnologia da Informação, visando otimizar e agilizar as solicitações de forma que não gere

Leia mais

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada à Educação

Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada à Educação Pós-graduação Lato Sensu em Informática Aplicada à Educação Software Livre e Educação Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com 1 Sumário Introdução ao Software Livre Licenciamento de software

Leia mais

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center O software descrito neste documento é fornecido sob um contrato de licença e pode ser usado

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

ÁÀ. CentralIT. Fls. 1 do Oficio n. 077/2015, de 20 de março de 2015. Ofício n 077/2015 CentralIT. Brasília-DF, 20 de Março de 2015.

ÁÀ. CentralIT. Fls. 1 do Oficio n. 077/2015, de 20 de março de 2015. Ofício n 077/2015 CentralIT. Brasília-DF, 20 de Março de 2015. Fls. 1 do Oficio n. 077/2015, de 20 de março de 2015. ÁÀ. CentralIT Ofício n 077/2015 CentralIT Brasília-DF, 20 de Março de 2015. Ao Excelentíssimo Senhor Cristiano Rocha Heckert Secretário de Logística

Leia mais

IMPORTANTE - LEIA COM ATENÇÃO:

IMPORTANTE - LEIA COM ATENÇÃO: IMPORTANTE - LEIA COM ATENÇÃO: Este contrato de licença do utilizador final (EULA) é um contrato entre o Adquirente (pessoa singular ou coletiva) e o GRUPOPIE ( GRUPOPIE ) de software GRUPOPIE identificado(s)

Leia mais

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre Conteúdo SOFTWARE LIVRE SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Histórico de Software Livre Terminologia Fases do Licença de Software Livre

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes

Introdução. Hardware X Software. Corpo Humano Parte Física. Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Introdução Hardware X Software Corpo Humano Parte Física Componentes 18 Capacidade de utilizar o corpo em atividades especificas explorando seus componentes Hardware Introdução Parte física: placas, periféricos,

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação 08 - Licenças, Tipos de Softwares, Tradutores. Linguagens de Máquina, de Baixo Nível e de Alto Nível Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br Software Livre GPL BSD Software

Leia mais

São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar.

São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar. São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar. Quais são eles? Vários outros programas 1 Sistema Básico

Leia mais

O Software Público Brasileiro

O Software Público Brasileiro O Software Público Brasileiro Seyr Lemos de Souza Analista em Tecnologia da Informação Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação SLTI Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - MPOG O Software

Leia mais

Aviso legal sobre o site

Aviso legal sobre o site AVISO LEGAL E INFORMAÇÕES SOBRE AS CONDIÇÕES DE USO DE WWW.FORMULASANTANDER.COM Dados de identificação do titular do site Em cumprimento ao dever de informação estipulado no artigo 10 da Lei 34/2002 de

Leia mais

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral)

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) Prova Preambular Delegado São Paulo 2011 Módulo VI - Informática Confrontada com o gabarito oficial e comentada 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) a) Garante

Leia mais

Conteúdo. Uma visão social. O que é? Dá certo? Custos. Recomendações. Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems. Software Livre Junho de 2011

Conteúdo. Uma visão social. O que é? Dá certo? Custos. Recomendações. Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems. Software Livre Junho de 2011 Conteúdo Uma visão social O que é? Dá certo? Custos Recomendações Apresentação Ricardo Gazoni Semiotic Systems Página 2 Uma visão social História da computação: o começo de tudo 1936 década de 40 Máquina

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Papel do Software Livre na Inclusão Digital Cristiano César Wazlawick * RESUMO A inclusão digital como ação para a inclusão social está no foco de ações do governo federal brasileiro.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 32/2014 Institui a política de segurança da informação da UFPB, normatiza procedimentos com esta finalidade e

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

SERVIÇOS DE INSCRIÇÃO.

SERVIÇOS DE INSCRIÇÃO. SUSE Linux Enterprise Software Development Kit 11 SP3 Contrato de Licença de Software do SUSE LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO COMPRAR, INSTALAR E/OU USAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES), VOCÊ

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta

Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta Dailson Fernandes www.dailson.com.br contato@dailson.com.br Facebook: dailson.fernandes Twitter: @dailson_ Habilidades Instalar o sistema operacional; Instalar

Leia mais

Informática Instrumental

Informática Instrumental 1º PERÍODO.: GRADUAÇÃO EM REDES DE COMPUTADORES :. Madson Santos madsonsantos@gmail.com 2 Unidade I Unidade I Software 3 Software o é uma sentença escrita em uma linguagem de computador, para a qual existe

Leia mais

Introdução 12/06/2012. Software Livre

Introdução 12/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

Impacto financeiro na adoção de Software Livre em uma Instituição Governamental

Impacto financeiro na adoção de Software Livre em uma Instituição Governamental - 1 - Revista Eletrônica Multidisciplinar Pindorama do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia IFBA Impacto financeiro na adoção de Software Livre em uma Instituição Governamental

Leia mais

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES

João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES João Víctor Rocon Maia Engenharia de Computação - UFES Agenda Quem usa? Conceito Ilustração Vantagens Tipologia Topologia Como fazer? O que é preciso? Infraestrutura Sistema Operacional Software Eucalyptus

Leia mais

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre?

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre? 1 / 6 Cartilha O ABC do Software Livre O que é PcLivre? O PC Livre é um projeto de iniciativa do PSL-Brasil, coordenado por voluntários e operado por vários parceiros que apoiam a iniciação de novos usuários

Leia mais

Na contramão da História: Copyrights, patentes e software livre

Na contramão da História: Copyrights, patentes e software livre Na contramão da História: Copyrights, patentes e software livre Nelson Lago / Fabio Kon / Paulo Meirelles / Vanessa Sabino Centro de Competência em Software Livre IME-USP Outubro/2012 Visão geral Propriedade

Leia mais

Modelos de Negócio com Software Livre

Modelos de Negócio com Software Livre Modelos de Negócio com Software Livre Marcelo Souza (marcelo@cebacad.net) Tech Jr. Empresa Júnior de Informática UCSal CEBACAD Centro Baiano de Computação de alto Desempenho PSL-BA Projeto Software Livre

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Aula 34 Software livre e código aberto Aula 34 2 Gestão em Sistemas

Leia mais

Fundamentos de Software Livre

Fundamentos de Software Livre Fundamentos de Software Livre 01 de Agosto de 2011 Augusto Vinhaes Agenda 1) Software Conceitos básicos Tipos: Software básico e aplicativos 2) Sistemas Operacionais Conceitos básicos Estrutura Alguns

Leia mais

Aula 01. Introdução ao Linux

Aula 01. Introdução ao Linux Aula 01 Introdução ao Linux Introdução Objetivos aprender a usar um novo sistema aprender a usar uma nova interface Como no Windows navegar pela internet (e-mails, facebook, etc) criar pastas e arquivos

Leia mais

software livre: a tecnologia que liberta!

software livre: a tecnologia que liberta! software livre: a tecnologia que liberta! conteúdo original de www.cachorrosurtado.blogspot.com www.escolaep.blogspot.com copyleft 2010 (((SLIDE 01))) RELEMBRANDO O CONCEITO DE SOFTWARE SOFTWARE é o mesmo

Leia mais

Termos de Serviço Política de Privacidade. Última atualização dezembro 2014

Termos de Serviço Política de Privacidade. Última atualização dezembro 2014 Termos de Serviço Política de Privacidade Última atualização dezembro 2014 Este é um acordo de licença com o usuário final, definida a partir de agora, "Contrato". Escogitiamo SRLs é uma empresa italiana,

Leia mais

S O F T WA R E SOFTWARE

S O F T WA R E SOFTWARE S O F T WA R E 1/45 O B J E T I VO S Conceituar Software Apresentar as questões técnicas básicas Apresentar funções, classificações e licenças Apresentar conceitos de segurança Fornecer vocabulário Apontar

Leia mais

Termos de Serviço do Porto Vias

Termos de Serviço do Porto Vias Termos de Serviço do Porto Vias Bem-vindo ao Porto Vias! O Porto Vias O Porto Vias é um serviço desenvolvido pela Porto Seguro para ajudar os usuários a escolherem o melhor trajeto entre os caminhos previamente

Leia mais

PORTARIA Nº 178 DE 25 DE OUTUBRO DE 2012.

PORTARIA Nº 178 DE 25 DE OUTUBRO DE 2012. PORTARIA Nº 178 DE 25 DE OUTUBRO DE 2012. Acrescenta a arquitetura de padrões tecnológicos de Interoperabilidade - e- PINGRIO, no segmento recursos tecnológicos o padrão tecnológico sistemas operacionais

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

IBM Enterprise Marketing Management. Opções de Nome de Domínio para Email

IBM Enterprise Marketing Management. Opções de Nome de Domínio para Email IBM Enterprise Marketing Management Opções de Nome de Domínio para Email Nota Antes de utilizar estas informações e o produto que elas suportam, leia as informações em Avisos na página 5. Este documento

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado

Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Parte 5 - Criação de cursos à distância no Modelo Fechado Neste capítulo iremos estudar como montar um curso à distância que, embora acessível via a Internet, tenha acesso controlado. Para isto, teremos

Leia mais

PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013.

PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013. PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013. ACRESCENTA À ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO DISPOSITIVOS DE ACESSO, O PADRÃO TECNOLÓGICO CONFIGURAÇÃO MÍNIMA

Leia mais

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral RESUMO A cultura livre é um movimento que propõe o livre acesso e uso de obras intelectuais e culturais. É um conceito mais genérico que o software livre, pois

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

Gerenciamento unificado para milhares de ativos por toda a vida útil

Gerenciamento unificado para milhares de ativos por toda a vida útil Gerenciamento unificado milhares de ativos por toda a vida útil O Endpoint Manager da IBM, construído com tecnologia BigFix, oferece gerenciamento mais rápido e inteligente Destaques Gerencie milhares

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DO WEBSITE ROSETTASTONEBRASIL.COM

TERMOS E CONDIÇÕES DO WEBSITE ROSETTASTONEBRASIL.COM TERMOS E CONDIÇÕES DO WEBSITE ROSETTASTONEBRASIL.COM ATENÇÃO: Esses termos e condições ( Condições ) se aplicam a todo o conteúdo deste website sob o nome de domínio www.rosettastonebrasil.com ( Website

Leia mais

CONTRATO DE LICENÇA DE USO

CONTRATO DE LICENÇA DE USO CONTRATO DE LICENÇA DE USO Leia o contrato de licença antes de utilizar este programa. Ao aceitar o contrato, você concorda em tornar-se o Licenciado e expressa sua total aceitação de todos os termos e

Leia mais

Termos de Serviço do Code Club World

Termos de Serviço do Code Club World Termos de Serviço do Code Club World POR FAVOR LEIA ESTE DOCUMENTO CUIDADOSAMENTE. CONTÉM INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES. CONTÉM TAMBÉM A ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE E A CLÁUSULA

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

InvestCharts - Contrato de Licença

InvestCharts - Contrato de Licença InvestCharts - Contrato de Licença Por favor verifique os termos da licença antes de acessar a InvestCharts: CONTRATO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL - NÃO PROFISSIONAL IMPORTANTE: ESTE CONTRATO DE LICENÇA

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais