Integração regional. Por uma estratégia de cadeias de valor inclusivas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Integração regional. Por uma estratégia de cadeias de valor inclusivas"

Transcrição

1 Integração regional Por uma estratégia de cadeias de valor inclusivas

2 Integração regional: por uma estratégia de cadeias de valor inclusivas

3 Alicia Bárcena Secretária Executiva Antonio Prado Secretário Executivo Adjunto Osvaldo Rosales Diretor da Divisão de Comércio Internacional e Integração Ricardo Pérez Diretor da Divisão de Publicações e Serviços Web O principal responsável por este documento é Osvaldo Rosales, Diretor da Divisão de Comércio Internacional e Integração da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL). A coordenação técnica esteve a cargo de Sebastián Herreros, Encarregado de Assuntos Econômicos da mesma Divisão. Na preparação e redação deste documento também participou José Durán Lima, Encarregado de Assuntos Econômicos da Divisão de Comércio Internacional e Integração. Os autores contaram com a colaboração de Nanno Mulder, Sebastián Castresana, Alicia Frohmann, Javier Meneses, Roberto Urmeneta e Dayna Zaclicever, da mesma Divisão. Contribuíram para a redação deste documento, com insumos ou comentários, os seguintes funcionários da CEPAL: Álvaro Calderón e Mario Castillo, da Divisão de Desenvolvimento Produtivo e Empresarial, Joseluis Samaniego, Carlos de Miguel e Marcia Tavares, da Divisão de Desenvolvimento Sustentável e Assentamentos Humanos, Jorge Máttar, do Instituto Latino-Americano e do Caribe de Planejamento Econômico e Social (ILPES), Ricardo Sánchez e Gabriel Pérez, da Divisão de Recursos Naturais e Infraestrutura, Sonia Montaño, da Divisão de Assuntos de Gênero, Daniel Titelman, da Divisão de Financiamento para o Desenvolvimento, Rodrigo Martínez, da Divisão de Desenvolvimento Social, Jorge Martínez, da Divisão de Estatísticas, Martín Abeles, do escritório da CEPAL em Buenos Aires, Jorge Mario Martínez e Ramón Padilla, da sede sub-regional da CEPAL no México, e Sheldon McLean e Kohei Yoshida, da sede sub-regional da CEPAL para o Caribe. LC/G.2594(SES.35/11) Maio de 2014 Nações Unidas Impresso em Santiago do Chile

4 ÍNDICE Prólogo... 7 Apresentação: a hora da integração produtiva... 9 Capítulo I A cambiante economia política da integração regional Capítulo II Uma conjuntura econômica mundial complexa A. Um modesto crescimento nos países desenvolvidos B. A desaceleração das economias emergentes C. O escasso dinamismo do comércio mundial D. Impactos do contexto mundial na América Latina e no Caribe E. Síntese F. Uma visão de médio prazo da conjuntura econômica internacional Elevada dívida pública nas economias industrializadas Ingovernabilidade dos fluxos financeiros Dificuldades crescentes com as projeções econômicas Déficits de governança da globalização Capítulo III Síntese das principais transformações em curso na economia mundial A. O desafio da mudança tecnológica B. O crescente peso da China e dos países emergentes na economia mundial C. A irrupção das cadeias de valor e dos acordos megarregionais de comércio e investimento Capítulo IV A necessidade da integração regional na América Latina e no Caribe ante as transformações mundiais em curso A. Forças e fraquezas da inserção econômica internacional da região B. A importância crítica do espaço regional Capítulo V O vínculo entre a integração e a industrialização A. Integração produtiva e comercial O papel de um mercado regional integrado numa maior articulação produtiva A centralidade da política industrial... 68

5 4 B. Dimensões complementares para a integração produtiva regional A cooperação financeira regional Por uma agenda regional de cooperação digital Infraestrutura física de transporte e logística Fortalecimento da integração energética Integração social Meio ambiente e recursos naturais Capítulo VI Os particulares desafios da integração no Caribe A. Breve diagnóstico B. Por uma maior cooperação latino-americana com o Caribe Capítulo VII Um decálogo para a integração regional A. O processo de integração deve ter uma vocação regional B. A integração deve ser construída levando em conta os componentes sub-regionais e vicinais C. A convergência entre os diversos esquemas de integração é necessária, mas será um processo gradual e não linear D. Não há um modelo único nem privilegiado de integração, pelo que se requer grande flexibilidade na formulação e na gestão do espaço regional emergente E. Um requisito indispensável deveria ser o compromisso e a vontade política de convergir a um espaço regional integrado F. As cadeias de valor e as políticas públicas para impulsioná-las podem constituir um poderoso instrumento de integração regional G. Uma agenda comum para o curto prazo é um bom ponto de partida Agenda regional O vínculo com a China e a região Ásia-pacífico Fortalecimento do diálogo e da cooperação com a União Europeia Projeção da região nos debates sobre a governança mundial H. A integração tem de apoiar-se mais na sociedade civil I. A igualdade deve ser um elemento distintivo da integração regional J. É necessário considerar a integração como uma política de Estado Bibliografia Quadros Quadro II.1 Mundo, regiões e países selecionados: crescimento do produto interno bruto, em médias anuais, com base em valores constantes, , , , Quadro III.1 Agrupamentos e países selecionados: participação no comércio mundial de bens e serviços, 2000 e Quadro III.2 Distribuição dos fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) dirigidos aos países em desenvolvimento e originados nos países em desenvolvimento, Quadro III.3 Mundo, agrupamentos e países selecionados: pedidos de patentes, 1990, 2000 e Quadro III.4 Mundo e regiões selecionadas: população de classe média, 2009, 2020 e Quadro III.5 Agrupamentos selecionados: participação das exportações intragrupais nas exportações totais, Quadro IV.1 América Latina e Caribe e mundo: variáveis econômicas selecionadas, Quadro IV.2 América Latina e Caribe: 20 principais empresas exportadoras, Quadro IV.3 Países da América Latina e do Caribe: participação em cadeias de serviços mundiais Quadro IV.4 América Latina e Caribe: participação da produção mineral no total mundial, 1990 e Quadro IV.5 América Latina e Caribe: participação da produção de produtos agrícolas selecionados no total mundial,

6 5 Quadro IV.6 Distribuição da superfície agrícola mundial, por região, Quadro IV.7 América Latina e Caribe (países selecionados): número de produtos exportados a destinos selecionados, Quadro IV.8 América Latina (países selecionados): proporção do total de empresas exportadoras que exportam a destinos selecionados, em torno de Quadro IV.9 América Latina (14 países), orientação exportadora por tipo de empresas e participação no total, em torno de Quadro V.1 América Latina e Caribe: cobertura temática dos acordos comerciais entre países da região, março de Quadro V.2 Tipos de política industrial Quadro V.3 Países selecionados: participação nas exportações totais por tamanho da empresa, em torno de Quadro VI.1 Caribe: indicadores relativos ao produto interno bruto (PIB) e às exportações, Gráficos Gráfico II.1 Estados Unidos, China, Japão, Canadá e União Europeia (países selecionados): variação do produto interno bruto (PIB) per capita, Gráfico II.2 América Latina e Caribe: variação anual das exportações de bens, Gráfico II.3 América Latina (países selecionados): variação média da renda nacional bruta, e Gráfico II.4 América Latina e Caribe e países selecionados: variação da média do saldo em conta corrente do balanço de pagamentos, a Gráfico III.1 Agrupamentos selecionados: contribuição ao crescimento do PIB mundial, Gráfico III.2 Distribuição do PIB mundial, por países e agrupamentos selecionados, 2011 e Gráfico III.3 Distribuição das exportações mundiais de bens por grupo de origem e destino, Gráfico III.4 Fluxos mundiais de entrada de investimento estrangeiro direto, Gráfico III.5 Agrupamentos selecionados: participação das peças e componentes nas exportações intragrupais, Gráfico IV.1 Países selecionados: proporção de empresas exportadoras no total de empresas, em torno de Gráfico IV.2 América Latina (países selecionados): participação no valor exportado do primeiro percentil de empresas exportadoras, em torno de Gráfico IV.3 América Latina (10 países): distribuição das empresas exportadoras por número de mercados e produtos, em torno de Gráfico IV.4 Países e regiões selecionadas: participação do valor agregado importado nas exportações, Gráfico IV.5 Distribuição das reservas mundiais de água por região, Gráfico IV.6 América Latina e Caribe (países selecionados): proporção das exportações de manufaturas de média e alta tecnologia que se destina ao mercado regional, Gráfico IV.7 América Latina e Caribe: participação das exportações intrarregionais nas exportações a todo o mundo, Gráfico V.1 Dimensões de um fundo regional de reservas para 19 países da América Latina Gráfico V.2 América Latina (países selecionados): indicadores selecionados sobre banda larga, 2010 e Gráfico V.3 Evolução da carteira de projetos da Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional (IIRSA), Gráfico VI.1 Grande Caribe e CARICOM: distribuição da população, Boxes Boxe III.1 Impactos prováveis das novas tecnologias até Boxe V.1 Espaços para a coordenação das políticas industriais na América Central Boxe V.2 O Plano Diretor de 2010 para Conectividade da Associação de Nações do Sudeste Asiático Boxe V.3 Algumas tendências recentes da migração internacional na América Latina e no Caribe Boxe V.4 Formação em tecnologias de informação e comunicação (TIC) para empresárias e empreendedoras de micros e PMEs na América Central... 91

7 6 Boxe V.5 O papel crítico do espaço regional na consecução dos objetivos de desenvolvimento sustentável Boxe V.6 A medição e a redução da pegada de carbono como fator de competitividade exportadora Boxe VI.1 Alguns exemplos recentes de integração e cooperação entre o Caribe e a América Central Diagramas Diagrama III.1 Políticas de cadeias de valor regionais ou mundiais a favor do desenvolvimento Diagrama V.1 Pactos regionais de desenvolvimento industrial para as cadeias de valor Diagrama V.2 O círculo vicioso da internacionalização das PMEs... 74

8 PRÓLOGO O presente documento constitui uma contribuição da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) às deliberações do seu trigésimo quinto período de sessões, que será realizado de 5 a 9 de maio de 2014 em Lima. A integração regional é um processo multidimensional cujas expressões incluem iniciativas de coordenação, cooperação, convergência e integração profunda e cujo alcance abrange não só as temáticas econômicas e comerciais, mas também as políticas, sociais, culturais e ambientais. O presente documento se concentra na dimensão produtiva da integração e em como ela pode contribuir à estratégia de mudança estrutural para a igualdade que a CEPAL vem propondo para a região desde Deste modo, retoma-se um tema que sempre esteve no centro das reflexões da CEPAL sobre integração e desenvolvimento. Além disso, procura-se contribuir a um debate atualizado sobre o papel da integração na América Latina e no Caribe, à luz das significativas transformações em curso na economia mundial. Entre estas, destacam-se a acelerada mudança tecnológica, o crescente peso econômico da Ásia e, em geral, das economias emergentes, a irrupção das cadeias mundiais de valor e a tendência à formação de macrorregiões integradas. Se a desigualdade é um dos traços distintivos da região, a promoção da igualdade deve ser um traço distintivo de sua estratégia de integração regional. Tratando-se de um desafio sistêmico, não parece viável abordá-lo exclusivamente via políticas sociais. Um primeiro vínculo evidente é o que se estabelece com a dimensão produtiva. A fim de avançar numa transformação produtiva que contribua para reduzir as desigualdades, é preciso haver mais e melhores empregos produtivos e uma maior presença das pequenas e médias empresas (PME) e de manufaturas e serviços nas exportações. Estas características estão mais bem representadas no comércio intrarregional do que em qualquer outro tipo de comércio. Portanto, existe um vínculo direto entre uma estratégia de crescimento com igualdade e o aprofundamento do espaço econômico regional. Da mesma forma, retomar o impulso à industrialização, diversificando as exportações e aumentando seu conteúdo de conhecimento e valor agregado, conduz prontamente a um maior compromisso com a integração regional. A proposição fundamental deste documento, situar a integração produtiva como eixo estratégico da integração regional, é plenamente coerente com o objetivo de imprimir-lhe um selo social mais acentuado. Com efeito, o papel essencial que as PME desempenham nesse contexto implica que o que aqui se propõe é a promoção de cadeias de valor inclusivas, em conformidade com as propostas recentes da CEPAL 1. Este enfoque é coerente com as preocupações tradicionais do estruturalismo latino-americano, que colocam a estrutura da produção, as características do mercado de trabalho, as diferenças de produtividade e o acesso ao progresso tecnológico como eixos da reflexão sobre o desenvolvimento e a distribuição da renda. Para levar adiante as estratégias nacionais de crescimento com igualdade, é decisivo complementar esse processo com avanços efetivos e de cobertura regional em matéria de infraestrutura, integração de cadeias produtivas, convergência de políticas regulatórias e apoio ao comércio intrarregional. A conjunção dos esforços nacionais e regionais melhoraria o atrativo e as perspectivas econômicas da região. Além disso, essa nova ênfase da integração regional possibilitará que a América Latina e o Caribe contem com uma voz unificada nos principais temas da agenda mundial. Alicia Bárcena Secretária Executiva Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) 1 A respeito, veja CEPAL, Comercio internacional y desarrollo inclusivo. Construyendo sinergias. Santiago do Chile, 2013.

9

10 APRESENTAÇÃO: A HORA DA INTEGRAÇÃO PRODUTIVA A integração regional é um processo multidimensional, que abrange não só as temáticas econômicas e comerciais, mas também as políticas, sociais, culturais e ambientais. A dimensão produtiva, em particular, foi central nas reflexões iniciais da CEPAL sobre a integração. Postulava-se a necessidade de ir além dos mercados nacionais para aproveitar as economias de escala e as vantagens de aprendizagem que o mercado regional podia oferecer. Isso, por sua vez, contribuiria a que as economias da região evoluíssem para modalidades de especialização produtiva mais sofisticadas e com maior conteúdo tecnológico. Tratava-se de avançar numa industrialização apoiada na complementaridade produtiva, que aumentaria o intercâmbio intrarregional de produtos manufaturados. Esta mudança na matriz produtiva, ao ampliar e diversificar a oferta de divisas e reduzir a dependência de uma estrutura exportadora demasiado ancorada em matérias-primas, então ajudaria a superar a clássica restrição externa que caracterizava o desenvolvimento regional. Os resultados se distanciaram desse prognóstico por várias razões econômicas e políticas. A proteção excessiva e prolongada dos mercados nacionais, a debilidade das políticas de inovação e progresso tecnológico e a escassa prioridade atribuída à construção de elos entre os recursos naturais e as atividades de manufaturas e serviços levaram, por um lado, a uma maior dependência das divisas geradas pela exportação de produtos primários e, por outro, a um desenvolvimento industrial demasiado dependente das decisões das empresas transnacionais. Por sua vez, a ação dessas empresas se orientou em geral a aproveitar as vantagens do mercado protegido, sem fortalecer as capacidades locais de aprendizagem e difusão tecnológica. Desse modo, o nível de atividade econômica em seu conjunto acabava apoiando-se na capacidade oscilante de financiamento externo do setor primário. Aproveitando as favoráveis condições de financiamento externo vigentes desde meados dos anos 70, a região, marcada pela presença de numerosos regimes militares, buscou complementar esse financiamento com um crescente e pouco responsável endividamento externo. O resto é conhecido: crises da dívida externa, dolorosos ajustes, elevada transferência líquida de recursos ao exterior, aumento da pobreza e, em suma, a chamada década perdida. Nos anos 90, no contexto da recuperação democrática, as economias da região reorientaram seu desenvolvimento, reduzindo os níveis de proteção, atualizando seus esquemas de integração e estabelecendo entre elas várias formas de acordos comerciais. Os temas de industrialização e transformação produtiva tenderam a perder presença na agenda dos governos, enquanto os ecos dos organismos internacionais que promoviam o ajuste estrutural no fim dos anos 80 seguiam atribuindo ênfase aos equilíbrios macroeconômicos, desregulamentação, abertura comercial e financeira e retirada do Estado das atividades produtivas. Por outro lado, vários países da região celebraram acordos de livre comércio com economias industrializadas. Com isso, buscavam obter acesso a mercados mais amplos e, por essa via, conseguir substitutos da ampliação do mercado regional que os esquemas de integração não pareciam oferecer. A irrupção da China no comércio mundial, impulsionada por sua incorporação à Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2001, teve importantes repercussões no cenário regional. O elevado dinamismo da economia chinesa originou uma considerável demanda de recursos naturais, elevando os preços desses produtos e favorecendo significativamente várias economias da América do Sul. A interação entre o superávit comercial chinês com os Estados Unidos (resultado de um fluxo maciço de exportações manufatureiras de baixo custo) e sua contraparte na conta de capitais (compra de títulos do Tesouro) levou ao notável período de crescimento da economia mundial entre 2003 e Efetivamente, a economia americana pôde crescer acima de seu potencial, exibindo baixa inflação e baixas taxas de juros e contando com um abundante financiamento externo, que lhe permitiu financiar seus desequilíbrios. O crescimento da economia chinesa nesse período foi de dois dígitos, enquanto o dos Estados Unidos em alguns anos se aproximou de 4%.

11 10 Enquanto os principais parceiros comerciais da América Latina e do Caribe obtinham altas taxas de crescimento, a região já superava as condições mais restritivas da dívida externa (embora isso não tenha acontecido com a mesma intensidade no Caribe) e conseguia notáveis avanços em sua gestão macroeconômica. A convergência das reformas econômicas internas e um propício cenário internacional entre 2003 e 2008 levaram ao melhor período econômico da região em 40 anos: a taxa média de crescimento anual chegou a 4,7%%; a taxa de desemprego diminuiu de 10,7% para 7,3%; as contas fiscais e o saldo em conta corrente do balanço de pagamentos se traduziram em anos de superávits gêmeos. As exportações mostraram um crescimento de 18% ao ano, potenciadas pela melhora nas relações de troca derivada dos altos preços dos produtos básicos. No âmbito social, a pobreza caiu de 43,9% para 33,5% e inclusive a distribuição da renda melhorou ligeiramente. Nesse contexto favorável, de novo ficaram para trás as preocupações com a diversificação produtiva e exportadora e o atraso regional em matéria de inovação e competitividade. Ao apresentar-se a crise das hipotecas de alto risco, a região pôde reagir com firmes políticas anticíclicas, graças à solidez de suas contas fiscais e externas, seu alto nível de reservas internacionais e seus reduzidos índices de inflação. Esta reação foi favorecida por similares políticas expansivas adotadas em várias das principais economias mundiais, em particular os Estados Unidos e China. Deste modo, em 2010 a região recuperou, com rapidez, níveis altos de crescimento de sua atividade econômica e suas exportações. A crise posterior na zona do euro afetou menos a região, devido à gradual perda de importância que vem mostrando seu vínculo comercial e de investimentos com a Europa. Contudo, a desaceleração da economia chinesa cujo crescimento anual passou de uma média de 11% entre 2003 e 2010 a uma média de 7,7% entre 2011 e 2013 prejudicou seriamente as exportações da região e suas relações de troca. No início de 2014, as perspectivas de crescimento regional para o período compreendido entre este ano e 2018 parecem claramente menos favoráveis que as do quinquênio : ocorre uma forte desaceleração das exportações e do ritmo de crescimento; reaparece o déficit em conta corrente, num momento em que se prevê que o financiamento externo ficará mais caro; diminuem os superávits fiscais; e, em vários casos, as pressões de desvalorização poderiam se traduzir em maiores índices inflacionários. Esta rápida visão da evolução econômica da América Latina e do Caribe nas últimas décadas corrobora que a região não conseguiu superar sua restrição externa, quer dizer, não conseguiu desenvolver em grau suficiente motores endógenos de crescimento e mantém uma acentuada dependência dos ciclos externos. Quando as condições internacionais de financiamento e comércio são favoráveis, a região cresce acima de 4%; quando estas se deterioram, seu desempenho retorna a níveis de crescimento mais próximos de 3%. Portanto, parece chegado o momento de refletir com maior profundidade sobre a qualidade da inserção internacional das economias da América Latina e do Caribe e sobre o papel que a integração regional pode desempenhar. Hoje, as condições são muito distintas das que vigoravam no início da integração regional: as economias da região são mais abertas e mais interconectadas devido a uma série de acordos comerciais, a região adquiriu uma importante aprendizagem na gestão macroeconômica e em várias atividades e setores conseguiu desenvolver certa capacidade tecnológica. Ademais, vários países deram passos significativos na gestão dos recursos naturais e, em geral, a capacidade técnica dos governos cresceu de maneira notável. Além de alcançar uma maior maturidade econômica, a América Latina e o Caribe vieram consolidando seus avanços democráticos. A conjunção desses elementos encontra-se reunida em diversos relatórios internacionais que indicam uma favorável perspectiva de médio prazo para a região, por seus resultados econômicos, suas perspectivas de crescimento, sua ampla dotação de recursos naturais e a expansão de seus mercados internos e sua classe média. Esses são também os fatores por trás da maior autonomia econômica da região ao interagir com seus principais parceiros comerciais e permite afirmar que há condições para que a nova integração seja mais sofisticada que as tentativas precedentes.

12 11 Hoje continuam válidos os argumentos clássicos a favor da integração: o aumento da eficiência produtiva, o aproveitamento das economias de escala, a ampliação dos mercados e o maior espaço para a complementação econômica e a provisão de bens públicos regionais. Por outro lado, mantém sua vigência os benefícios da integração em termos de redução das situações de conflito, maior resistência aos choques externos e aproveitamento conjunto de oportunidades na economia mundial. Algo semelhante ocorre com a necessidade da ação coletiva para enfrentar os desafios da mudança climática e a gestão dos recursos naturais compartilhados. A irrupção das cadeias de valor na economia mundial deu origem a uma renovada atenção ao caráter central do espaço regional. Com efeito, as principais redes mundiais de produção se estruturam em torno de regiões específicas. Isso obedece em grande medida à importância da proximidade geográfica para organizar processos produtivos fragmentados entre vários países. Não obstante, a experiência da América do Norte, Ásia Oriental e Europa manifesta que a proximidade é condição necessária, mas não suficiente, para o desenvolvimento de redes de produção modernas. Estas se caracterizam por complexos fluxos de bens, investimentos, serviços, informações e pessoas. Este fato indica a necessidade de avançar para marcos normativos comuns, que incentivem as empresas de cada país a articular suas operações com outras situadas além das fronteiras nacionais. Igualmente importante é a existência de políticas explícitas de apoio à integração produtiva e de uma adequada infraestrutura de transporte, logística, energia e telecomunicações. Na ausência desses elementos, a integração produtiva torna-se mais uma aspiração que uma realidade. Tendo como base estas considerações, elaborou-se o presente documento, cujo objetivo é estimular a reflexão sobre a integração regional. Não se pretende abranger todos os âmbitos da integração, nem tampouco realizar um balanço dos diversos esforços realizados nesse plano. O documento se concentra especificamente na necessidade de alcançar uma maior articulação produtiva regional, num momento histórico caracterizado por acentuado ritmo de inovação tecnológica, recomposição dos pesos relativos dos diversos atores na economia mundial e tendência à formação de mercados regionais ampliados. O cenário descrito constitui o contexto em que se retoma a relevância e atualidade do desafio integracionista. Com efeito, é difícil pensar que a região possa obter um crescimento sustentável, reduzindo a pobreza e a desigualdade e avançando em matéria de inovação, sem diversificar sua estrutura produtiva e exportadora. Como é evidente, para isso é preciso melhorar a qualidade da inserção internacional, o que por sua vez exige apostas substantivas a favor da qualidade da educação e capacitação. Sem dúvida, a tarefa é complexa e de longo alcance, mas é ainda mais difícil imaginar que possa ser feita por um país isolado, sobretudo considerando a tendência à criação dos megamercados e as cadeias de valor de amplo alcance geográfico. Em suma, os presentes cenários atualizam a vigência da integração como um componente básico da transformação produtiva e das estratégias de crescimento com igualdade, pois a mudança estrutural que essa transformação produtiva supõe está fortemente ligada a oportunidades que a integração regional oferece. De fato, as cifras mostram que as possibilidades do intercâmbio de manufaturas, do comércio industrial, da internacionalização das pequenas e médias empresas (PMEs) e do aumento do número de empresas exportadoras e de bens exportados estão estritamente vinculadas às perspectivas do mercado regional. Se essas perspectivas viessem a ser reforçadas com políticas explícitas de apoio a este tipo de comércio, explorando opções de cadeias de valor sub-regionais e regionais, as possibilidades descritas poderiam converter-se em realidades promissoras. A partir destas considerações, o presente documento enfatiza a possibilidade de concretizar ações conjuntas em matéria de inovação, difusão tecnológica e redução da exclusão digital, de apoio à gestação de clusters e cadeias de valor internacionalmente competitivas e ambientalmente sustentáveis, e de iniciativas regionais ou sub-regionais que melhorem a presença das empresas e centros tecnológicos da região nas redes mundiais de conhecimento e tecnologia. O objetivo é construir vantagens comparativas dinâmicas que permitam que a região volte a posicionar-se em uma economia mundial em profunda reestruturação, cada vez mais concentrada em torno da atividade do Pacífico.

13 12 A transformação produtiva está ligada, por um lado, a uma educação para o século 21 e, por outro, a uma inserção internacional inteligente. Essa educação permite incorporar mais conhecimentos na estrutura produtiva, favorecendo as possibilidades de avançar nesse tipo de inserção, por meio da diversificação exportadora. Nesse contexto, os mercados regionais ampliados, a certeza jurídica e a gradual convergência de normas e disciplinas regulatórias, somados aos avanços na criação de bens públicos regionais, como infraestrutura, energia e conectividade, são requisitos para crescer com mais igualdade. A integração seria beneficiada por uma aproximação maior com o setor empresarial privado, mediante instâncias de coordenação em âmbitos específicos. Isto não reduz o espaço de ação das políticas públicas. Pelo contrário, permite que se aborde de melhor forma as falhas de mercado e de governo, reforçando a coordenação, resolvendo assimetrias de informação e estabelecendo condições para a necessária parceria público-privada, fatores decisivos nas experiências mais avançadas de integração. Hoje, em meados da segunda década deste século, a região, reencontrada com a democracia, mostra uma relevante aprendizagem macroeconômica, uma notória redução da pobreza (fruto do crescimento mais alto, do maior acesso ao consumo de amplos setores sociais e do compromisso mais profundo com políticas sociais focalizadas), melhorias nos salários, na qualidade do emprego e (em vários casos) na distribuição da renda. Estas importantes conquistas, porém, se traduzem logo em pressões políticas, pois os milhões de latino-americanos que deixam para trás a pobreza elevam com rapidez e legitimamente seu nível de aspirações. Isso se expressa em maior demanda de bens públicos (educação, serviços de saúde, transporte público, segurança urbana), combate à corrupção e maiores exigências de transparência, bem como uma mais alta representatividade e inclusão no sistema político. Estas demandas, junto com a importância de preservar um crescimento econômico elevado e a estabilidade macroeconômica, sublinham a necessidade de obter melhorias na distribuição da renda e na redução das desigualdades. Neste ponto, a focalização das políticas sociais começa a mostrar seus limites para abordar as demandas dos setores médios. Com efeito, estas demandas levam rapidamente a concentrar-se na qualidade da estrutura produtiva e ocupacional e na evolução da produtividade, já que se vinculam à evolução salarial, à dispersão de produtividades e, definitivamente, à distribuição funcional da renda. Aqui surge a relevância do vínculo com a integração, pois, como se explica mais adiante, parece difícil empreender esta transformação da estrutura ocupacional sem contar com a contribuição que o mercado regional pode dar à diversificação produtiva e exportadora. Estas tensões sobre a estrutura política e institucional, não muito distintas das que se observam nas economias industrializadas, não impedem que a região se perceba mais segura e com mais autonomia para definir sua orientação estratégica e suas principais alianças internacionais. É certo que, no curto prazo, estas expectativas estão ameaçadas por uma leve deterioração das condições externas. Contudo, a região pode enfrentá-las sem afetar suas favoráveis perspectivas de médio prazo. Deste modo, não é estranho que, num cenário internacional em que o crescimento nas economias industrializadas seguirá sua tendência de longo prazo, se observe um renovado interesse dos Estados Unidos, União Europeia e China em iniciativas que buscam melhorar a vinculação econômica, comercial e de investimentos com a América Latina e o Caribe ou com alguns países da região. O importante é que a região pode elaborar seu próprio diagnóstico e definir sua visão prospectiva, compartilhando um relato próprio que explicite o papel que aspira desempenhar no cenário internacional, o tipo de interlocução que deseja manter com os Estados Unidos, a União Europeia, a China e o resto da Ásia e a participação que quer ter no debate sobre os principais temas da agenda mundial. Como é evidente, esse relato deve atribuir um papel substantivo à integração regional. Por certo, defasagens acentuadas em matéria de integração continuarão limitando as possibilidades de que a região atue de maneira unificada nos temas da agenda global.

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira +

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Fernando Ferrari Filho * e Luiz Fernando de Paula ** A recente crise financeira internacional mostrou que a estratégia nacional para lidar

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

MERCOSUL: Motor Econômico Regional. Documento final de conclusões e propostas do Terceiro Foro Empresarial do MERCOSUL

MERCOSUL: Motor Econômico Regional. Documento final de conclusões e propostas do Terceiro Foro Empresarial do MERCOSUL MERCOSUL: Motor Econômico Regional Documento final de conclusões e propostas do Terceiro Foro Empresarial do MERCOSUL Caracas, 26 e 27 de julho de 2014 Durante os dias 26 e 27 de julho de 2014, representantes

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago

Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor Patrick Manning, Primeiro-Ministro da República de Trinidad e Tobago QUINTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 17 a 19 de abril de 2009 CA-V/DP-1/09 Port of Spain, Trinidad e Tobago 19 abril 2009 Original: inglês Declaração do Presidente da Quinta Cúpula das Américas, Senhor

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique

IGC Mozambique. A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique IGC Mozambique A Dinâmica Recente da Economia Internacional e os Desafios para Moçambique 09 de Março de 2012 1 Introdução Uma visão retrospectiva mostra uma década que já aponta a grande clivagem da economia

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE

Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Análise Independente Anual de Crescimento para 2013 ECLM-IMK-OFCE Resumo Quatro anos após o início da Grande Recessão, a zona euro permanece em crise. O PIB e o PIB per capita estão abaixo do seu nível

Leia mais

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS

A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS www.observatorioasiapacifico.org A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO E SEU AMBIENTE DE NEGÓCIOS Ignacio Bartesaghi 1 O debate na América Latina costuma focar-se no sucesso ou no fracasso dos processos

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Documento informativo. O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e Caribe

Documento informativo. O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e Caribe 2013 Documento informativo O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e Caribe 2013 Documento informativo O Investimento Estrangeiro Direto na América Latina e no Caribe Alicia Bárcena Secretária-Executiva

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA AMERICA LATINA E O CARIBE

DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA AMERICA LATINA E O CARIBE DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DA AMERICA LATINA E O CARIBE CSA, São Paulo, 18 de março de 2014 Carlos Mussi CEPAL Onde estão hoje a América Latina e o Caribe? Aprendendo do passado Mais

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI São Paulo, 31 de Outubro de 2011. Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI Prezado Hélio Duarte, presidente da Associação

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS Mar del Plata, 4 de novembro de 2005. Senhor Presidente da Nação

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais André M. Biancarelli IE-Unicamp Seminário O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro AKB; Centro do Novo Desenvolvimentismo, EESP-FGV São Paulo,

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

DECLARAÇÃO DA AMÉRICA LATINA E CARIBE PARA A SEXTA EDIÇÃO DO FÓRUM MUNDIAL DE CIÊNCIA

DECLARAÇÃO DA AMÉRICA LATINA E CARIBE PARA A SEXTA EDIÇÃO DO FÓRUM MUNDIAL DE CIÊNCIA DECLARAÇÃO DA AMÉRICA LATINA E CARIBE PARA A SEXTA EDIÇÃO DO FÓRUM MUNDIAL DE CIÊNCIA RIO DE JANEIRO, NOVEMBRO DE 2013 Os países da América Latina e do Caribe, Recordando os acordos adotados na Declaração

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO

GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO, CRESCIMENTO E POBREZA. A VISÃO DO BANCO MUNDIAL SO- BRE OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO Nali de Jesus de Souza Esse livro do Banco Mundial (São Paulo, Editora Futura, 2003), supervisionado por

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

Depois da recente Cúpula de

Depois da recente Cúpula de Após a Cúpula de Viena: uma visão sobre a futura cooperação entre Europa e América Latina 189 F ELIX P EÑA Depois da recente Cúpula de Viena, quais são as questões mais relevantes e as modalidades de trabalho

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos

Impacto sobre os rendimentos dos títulos públicos Como as taxas de juros dos Estados Unidos afetam os mercados financeiros das economias emergentes 15 de maio de 2014 Alexander Klemm, Andre Meier e Sebastián Sosa Os governos da maioria das economias emergentes,

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, abril de 2007 Superávit na balança comercial e juros altos sustentam valorização do real No primeiro bimestre de 2007, o dólar foi negociado a R$ 2,10, na média

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

CONCLUSÕES E PROPOSTAS

CONCLUSÕES E PROPOSTAS CONCLUSÕES E PROPOSTAS VIII Encontro Empresarial Ibero-americano O Desenvolvimento Empresarial Ibero-americano na Nova Economia Jerez de la Frontera, 16 de novembro 2012 Em seguida apresentam-se as conclusões

Leia mais

Avaliação do Cenário Macroeconômico

Avaliação do Cenário Macroeconômico Avaliação do Cenário Macroeconômico Avaliação do Cenário Macroeconômico A Estratégia de Crescimento e a Evolução do Ano de 2004 A Lei do Plano Plurianual 2004/2007 estimou a taxa de crescimento real do

Leia mais

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO João Ricardo Santos Torres da Motta Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial 4o. Congresso Internacional de Inovação FIERGS Política Industrial em Mercados Emergentes Porto Alegre, 17 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial João Carlos

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

O BNDES E A INOVAÇÃO

O BNDES E A INOVAÇÃO O BNDES E A INOVAÇÃO LUCIANO COUTINHO PRESIDENTE DO BNDES FÓRUM NACIONAL - INAE 17 de Maio de 2007 1 Onde Estamos A indústria de transformação precisa voltar a funcionar como motor propulsor da economia

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA

Panorama da Economia Brasileira. Carta de Conjuntura do IPEA : Carta de Conjuntura do IPEA Apresentadoras: PET - Economia - UnB 25 de maio de 2012 1 Nível de atividade 2 Mercado de trabalho 3 4 5 Crédito e mercado financeiro 6 Finanças públicas Balanço de Riscos

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento

Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália. Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento Discurso do Diretor Anthero na Embaixada da Itália Conferência Itália e Brasil no Contexto Global: Experiência e Modelos de Desenvolvimento 1. É com grande satisfação que participo, em nome do Presidente

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO O termo globalização surgiu no início dos anos 80, nas grandes escolas de administração de empresas dos Estados Unidos (Harvard, Columbia, Stanford, etc.), como referência às oportunidades de

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008)

Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) Orientações Integradas para o Crescimento e Emprego (2005-2008) ORIENTAÇÕES MACROECONÓMICAS 1. Garantir a estabilidade económica tendo em vista o crescimento sustentável 2. Preservar a sustentabilidade

Leia mais

DÍVIDA EXTERNA: ADIAR OU RESOLVER?

DÍVIDA EXTERNA: ADIAR OU RESOLVER? DÍVIDA EXTERNA: ADIAR OU RESOLVER? Luiz Carlos Bresser-Pereira Capítulo 9 de Bresser-Pereira, org. (1989) Dívida Pública Crise e Soluções. São Paulo: Editora Brasiliense: 241-246. Trabalho apresentado

Leia mais