Direito CONTRIBUIÇÃO SINDICAL OBRIGATÓRIA COMO FORMA DE LIMITAÇÃO DA LIBERDADE SINDICAL PLENA NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Direito CONTRIBUIÇÃO SINDICAL OBRIGATÓRIA COMO FORMA DE LIMITAÇÃO DA LIBERDADE SINDICAL PLENA NO BRASIL"

Transcrição

1 Universidade Católica de Brasília PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Direito CONTRIBUIÇÃO SINDICAL OBRIGATÓRIA COMO FORMA DE LIMITAÇÃO DA LIBERDADE SINDICAL PLENA NO BRASIL Autor: George Nogueira Cardoso Orientador: Msc. Rui de Melo Cabral BRASÍLIA 2008

2 3 GEORGE NOGUEIRA CARDOSO CONTRIBUIÇÃO SINDICAL OBRIGATÓRIA COMO FORMA DE LIMITAÇÃO DA LIBERDADE SINDICAL PLENA NO BRASIL Monografia apresentada ao curso de graduação em Direito da Universidade Católica de Brasília - UCB como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Direito. Orientador: Msc. Rui de Melo Cabral. Taguatinga 2008

3 4 GEORGE NOGUEIRA CARDOSO CONTRIBUIÇÃO SINDICAL OBRIGATÓRIA COMO FORMA DE LIMITAÇÃO DA LIBERDADE SINDICAL PLENA NO BRASIL Monografia apresentada ao curso de graduação em Direito da Universidade Católica de Brasília - UCB como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Direito. Orientador: Msc. Rui de Melo Cabral. Aprovado pelos membros da banca examinadora em / /, com menção ( ). Banca Examinadora: Presidente: Prof. Msc. Rui de Melo Cabral Universidade Católica de Brasília Integrante: Prof. Dr. Universidade Católica de Brasília Integrante: Prof. Dr. Universidade Católica de Brasília

4 Não somente este trabalho acadêmico, mas todas as minhas conquistas pessoais e profissionais são dedicadas aos meus pais, José Cardoso e Eleuza, sem os quais a concretização deste sonho não seria possível. 5

5 Agradeço a Deus pelo dom de Cristo para a realização de mais este projeto. A minha esposa pelo sacrifício e confiança a mim dispensado, não somente na elaboração deste trabalho, mas por toda esta jornada juntos. 6

6 7 Faz forte ao cansado e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor. Os jovens se cansam e se fatigam, e os moços de exaustos caem, mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, correm com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam. (Isaías 40:29-31)

7 8 RESUMO CARDOSO, George Nogueira. Contribuição sindical obrigatória como forma de limitação da liberdade sindical plena no Brasil fls. Monografia apresentada ao curso de graduação em Direito da Universidade Católica de Brasília - UCB. Taguatinga DF, O presente trabalho monográfico busca examinar a contribuição sindical inserida no artigo 8, inciso IV, da Constituição da República de 1988, que representa um obstáculo para ratificação pelo Brasil da Convenção n. 87 da Organização Internacional do Trabalho OIT, pois limita à liberdade sindical. Para tanto, abordase no capítulo primeiro da monografia o estudo dos textos Constitucionais, desde a primeira Constituição Republicana até a atual Constituição de 1988, onde se ressalta as principais inovações quanto à exigência pecuniária de contribuições para a manutenção dos sindicatos. No capítulo segundo, trata especificamente sobre a contribuição sindical, tomando como referência para a análise os artigos 578 à 610 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT. Ademais, foram apresentadas as inovações trazidas com a edição da Lei Ordinária n /2008, que reconheceu as Centrais Sindicais, como entidades de representação geral dos trabalhadores, sendo constituída em âmbito nacional, outrossim, a supracitada norma, previu um prazo para a revogação dos artigos 578 à 610 da CLT, através da aprovação de lei que venha a disciplinar a contribuição negocial, que estará vinculada ao exercício efetivo da negociação coletiva e à aprovação em assembléia geral da categoria. No capítulo terceiro, limita a apresentar as divergências do atual texto da Constituição, confrontando com a convenção n. 87 da OIT, notadam ente, no que tange à unicidade sindical e a contribuição sindical inseridas no artigo 8 da Constituição de No capítulo quarto, é retomado o problema da exigência pecuniária compulsória para a manutenção dos sindicatos, fato que tem ocasionado a existência de inúmeros sindicatos fantasmas, sem qualquer representatividade da sua respectiva categoria, criados, tão somente, com a finalidade de obter parte dos valores arrecadados com a contribuição. Por fim, é demonstrada as inúmeras tentativas de extinção da contribuição sindical pelos governantes, até as propostas apresentadas pelo atual governo, sendo que algumas ainda estão em fase de elaboração e outras já estão tramitando no âmbito do Congresso Nacional. Palavras-chave: contribuição sindical, liberdade sindical, convenção n. 87 da OIT, contribuição negocial.

8 9 ABSTRACT CARDOSO, George Nogueira. Obligator union dues as form of limitation of the full freedom unionization in Brazil pages. Monograph presented to the course of graduation in Law University Catholic of Brasilia - UCB. Taguatinga - DF, The present monographic work search to examine the inserted union dues in the article 8, interpolated proposition IV, of the Con stitution of the Republic of 1988, that it represents an obstacle for ratification for Brazil of Convention n º. 87 of the International Organization of Work - OIW, therefore limit to the freedom unionization. For in such a way, the study of the texts is approached in the first chapter of the monograph Constitutional. Since the first Republican Constitution until the current Constitution of 1988, where if it stands out the main innovations how much to the pecuniary requirement of contributions for the maintenance of the unions. In the chapter second, it treats specifically on the union dues, taking as reference for the analysis articles 578 to the 610 of the Consolidation of the Laws of Work - CLW. Therefore, had been presented the innovations brought with the edition of Usual Law n /2008, that it recognized the Syndical Central offices, as entities of general representation of the workers, being constituted in national scope, also that norm, foresaw it a stated period for the revocation of articles 578 to the 610 of the CLW, through the approval of law that comes to discipline the business contribution, that will be tied with the effective exercise of the collective bargaining and the approval in general meeting of the category. In the chapter third, it limits to present the divergences of the current text of the Constitution, collating with convention n º. 87 of the OIW, notice, in what it refers to inserted the syndical union and the union dues in the article 8 of the Constitution of In the chapter four, the problem of obligatory the pecuniary requirement for the maintenance of the unions is retaken, fact that has caused to the existence of innumerable unions ghosts, without any representation of its respective category, made so only, with the purpose to get part of the values collected with the contribution. Finally, it is demonstrated the innumerable attempts of extinguishing of the union dues for the governing, until the proposals presented for the current government, being that some still are in elaboration phase and others already are moving in the scope of the National Congress. Word-key: union dues, freedom unionization, convention n º. 87 of the OIW, business contribution.

9 10 INTRODUÇÃO Ao vivenciarmos esta fase de transição da relação de capital e trabalho, deparamo-nos com impasses de ordem jurídica e de ordem socioeconômica, apresentando-nos razões para justificar e evidenciar a importância do tema em questão. Sob o prisma jurídico é nítida a importância da CLT na evolução histórica do direito do trabalho, cuja consolidação em 1943 representou um marco excepcional em nosso ordenamento jurídico, correspondendo na época, aos anseios corporativistas e intervencionistas do Estado nas relações de trabalho. Atualmente, a CLT não reflete mais a eficácia traduzida quando de sua criação, fato que fica evidente com a manutenção das fontes de receitas dos sindicatos, que basicamente sobrevivem com a arrecadação da contribuição sindical. A Constituição Brasileira de 1988, por sua vez, tentou alargar os horizontes sindicais em determinados pontos, contudo, resistiu aos grilhões do modelo corporativista em outros concernentes à liberdade sindical, principalmente com a imposição da contribuição sindical a todos os integrantes de categoria profissional ou econômica. Como se nota, tais razões expressam a premente necessidade e a importância da reformulação das leis trabalhistas e, no enfoque, das relações coletivas de trabalho, evidenciadas em um novo sindicalismo, autônomo, ávido por um sistema dinâmico e funcional. Portanto, o objeto do presente trabalho pretende analisar a contribuição sindical obrigatória, inserida no artigo 8, inciso IV da Constituição Federal de 1988, na qual, vista à luz da Convenção nº. 87 da Organização Internacional do Trabalho OIT, representa um dos obstáculos para plena liberdade sindical no Brasil.

10 11 Para que se faça uma análise mais apropriada, necessitamos de um capítulo inicial abordando os aspectos históricos da criação dos sindicatos no Brasil, a partir dos textos Constitucionais, voltando nele o seu atrelamento ao Estado, e mais, focar a impossibilidade dele ser criado de maneira totalmente independente e desvinculada deste. Por sua importância histórica merece análise o sistema corporativista, no que diz respeito ao sindicato, em razão de sua atuação relativamente à organização das forças econômicas e sua colaboração com o Estado, na promoção dos interesses nacionais. Dentro da autonomia reconhecida pelo ordenamento jurídico nacional voltando-se a possibilidade de elaboração de regras, bem como a exigência de seu cumprimento por quem faz parte das entidades representativas da categoria, inclusive instituir a cobrança de contribuições, além das já delegadas pelo poder público. Nesse contexto é imprescindível verificar como foram surgindo as contribuições sindicais, para chegar às atuais contribuições exigidas pelo sindicato, mormente com a Constituição Brasileira de Assim, imperioso se faz verificar o atual texto da Constituição Brasileira, na qual trouxe expresso em seu art. 8º, inciso IV, a possibilidade de imposição por parte dos sindicatos, da cobrança da contribuição sindical, além de outras como a contribuição confederativa, que é fixada pela à assembléia segundo previsão do mesmo texto Constitucional. Faz-se necessário também, um estudo minucioso da convenção nº. 87, de 1948 da Organização Internacional do Trabalho OIT, na qual passou a determinar as linhas mestras acerca do direito de livre sindicalização, sem quaisquer ingerências por parte dos Estados, considerando a cobrança compulsória da contribuição sindical como uma das formas de limitação à plena liberdade sindical no Brasil.

11 12 Em capítulos finais, contextualiza-se a matéria sob análise no cenário nacional, demonstrando a sua relevância, comentando a Lei Federal nº /2008, que além de reconhecer às Centrais Sindicais, como legitimadas a representar os interesses dos trabalhadores, atribuindo poderes para fixar percentual referente à arrecadação da contribuição sindical obrigatória, para o custeio das atividades das ditas Centrais Sindicais. Ademais, se pretende localizar as inovações trazidas pela supracitada norma, que ainda dispôs sobre a criação de uma nova contribuição através de Lei, qual seja, uma contribuição negocial, para a manutenção dos sindicatos, diferentemente da contribuição sindical existente, que é compulsória e devida a todos os trabalhadores quer sejam sindicalizados ou não. Por fim, o presente trabalho apresenta a proposta de substituição da contribuição sindical obrigatória, pela contribuição negocial, conforme o anteprojeto de lei elaborado pela Casa Civil da Presidência da República, em harmonia com as Centrais Sindicais, no qual vincula a contribuição negocial ao exercício efetivo da negociação coletiva e à aprovação em assembléia geral da categoria. Fato este que somente permitirá o recebimento da contribuição negocial aos sindicatos que efetivamente participarem das negociações coletivas da categoria, garantindo com isso mais atuação dos sindicatos em prol da categoria.

12 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I DO SURGIMENTO DOS SINDICATOS NO BRASIL NA CONSTITUIÇÃO DE NA CONSTITUIÇÃO DE NA CONSTITUIÇÃO DE NA CONSTITUIÇÃO DE NA CONSTITUIÇÃO DE NA CONSTITUIÇÃO DE NA CONSTITUIÇÃO DE DA OBRIGATORIEDADE DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL CAPÍTULO II CONTRIBUIÇÃO SINDICAL CONCEITO CONSTITUCIONALIDADES DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL NATUREZA JURÍDICA DESCONTO OBRIGATÓRIO CONTRIBUIÇÃO DOS TRABALHADORES Contribuição sindical pelos advogados CONTRIBUIÇÃO DAS EMPRESAS Isenção da contribuição sindical para os empregadores Cobrança da contribuição sindical aos escritórios de advocacia INOVAÇÕES TRAZIDAS PELA EDIÇÃO DA LEI Nº / CAPÍTULO III DA LIBERDADE SINDICAL CONCEITO FORMAS DE RESTRIÇÕES À LIBERDADE SINDICAL PLENA NO BRASIL UNICIDADE SINDICAL NA CONSTITUIÇÃO DE CONTRIBUIÇÃO COMPULSÓRIA NA CONSTITUIÇÃO DE DA CONVENÇÃO N 87 DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO OIT... 50

13 14 CAPÍTULO IV TENTATIVAS DE EXTINÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL JUSTIFICATIVA PARA EXTINÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL A PROPOSTA DO GOVERNO LULA PARA A REFORMA SINDICAL A LEI Nº /2008 E A CONTRIBUIÇÃO NEGOCIAL EXTENSÃO AO SERVIDOR DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 70

14 15 CAPÍTULO I 1. DO SURGIMENTO DOS SINDICATOS NO BRASIL Antes de nossos Constituintes, o legislador ordinário já começara a traçar as linhas mestras de nossa estrutura sindical, mas é a partir dos textos Constitucionais, que se iniciarão estes estudos iniciais. Na raiz de toda construção normativa de nosso ordenamento jurídico está a histórica influência das conquistas experimentadas na Europa. O nosso sindicalismo não esteve indiferente a esta inspiração e influência NA CONSTITUIÇÃO DE 1891 Sergio Pinto Martins 1 destaca que em nossa primeira Constituição Republicana não tivemos a inserção expressa sobre as entidades sindicais, entretanto, o 8º do artigo 72 dispunha, apenas, que a todos é lícito associarem-se e reunirem-se livremente e sem armas; não podendo intervir a polícia, senão para manter a ordem pública. Verifica-se, portanto a idéia de garantia da ordem pública e garantia da associação sindical. Para Lais Corrêa de Mello 2, analisando a norma acima citada, destaca que um dos primeiros cuidados após edição da Constituição Republicana foi o de eliminar quaisquer entraves à liberdade de contratar, trazendo uma garantia fundamental às aspirações sindicais, garantido o direito de reunião e associação. 1 MARTINS, Sergio Pinto. Direito do Trabalho. São Paulo: Atlas, 19º Edição, 2004, pág MELLO, Lais Corrêa de. Liberdade Sindical na Constituição Brasileira. São Paulo: LTr, 2005, pág. 95.

15 16 Cabe ainda salientar que segundo Rodrigues Pinto 3, a liberdade de associação trata-se da terceira fase evolutiva iniciada sob a decisiva inspiração do fim da escravatura e da instauração do Regime Republicano, contando com dois acontecimentos fundamentais: a instalação de correntes migratórias de mão-deobra, trazendo operário europeu, e a criação da Organização Internacional do Trabalho OIT, em Outrossim, no ano de 1903 tivemos o surgimento dos primeiros sindicatos no Brasil. Estes por sua vez eram ligados à agricultura e à pecuária e foram reconhecidos pelo Decreto Legislativo nº. 979, de 06 de janeiro de Em seu artigo 1º, facultou aos, profissionais de agricultura e indústrias rurais de qualquer gênero, organizarem entre si sindicatos para o estudo, custeio e defesa de seus interesses NA CONSTITUIÇÃO DE 1930 Através do Decreto nº , de 05 de junho de 1907, foram criadas as sociedades corporativas, facultando a qualquer trabalhador, inclusive de profissões liberais, associarem-se aos sindicatos, com o objetivo de estudo e defesa dos interesses da profissão e de seus membros. No ano de 1930 começou uma nova etapa do Direito Sindical, foi criado o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, que atribuía aos sindicatos funções delegadas de poder público, nascendo deste fato um sistema corporativista, no que diz respeito ao sindicato, em que a organização das forças econômicas era feita em torno do Estado, com a finalidade de promoção dos interesses nacionais e com a possibilidade da imposição de regras a quem fizesse parte das agremiações, inclusive de cobrança de contribuições. 3 PINTO, José Augusto Rodrigues. Direito sindical e coletivo do trabalho. São Paulo: LTr, 2002, pág

16 17 Em 19 de março de 1931, o Governo de Vargas promulgou o Decreto n ou Lei dos Sindicatos, considerada a primeira lei sindical brasileira. Chiarelli 4, observa que pelo Decreto n , decidia o po der Público regulamentar a sindicalização das classes patronais e trabalhadoras. Começava-se, então, a consagra-se, a participação e a interferência da Administração Pública na atividade sindical. Portanto, com esta interferência do Poder Público nas atividades do sindicato, confundiam-se muitas vezes as funções do sindicato com as tarefas próprias da máquina estatal. Assim, o sindicato, que antes era uma instituição de direito privado, após tornar-se uma instituição de direito público, ficou sujeito ao reconhecimento do Ministério do Trabalho, para efeitos legais 5. Dado esse atrelamento ao Poder Público dos sindicatos, o supracitado Decreto, trouxe inúmeras conseqüências significativas, sendo a mais expressiva das alterações o abandono da pluralidade sindical vigente desde 1907, em prol da estrutura de sindicato único em cada base territorial, impossibilitando a criação de mais de uma organização sindical em qualquer grau, o que inclui a federação e confederação representativas de categoria profissional ou econômica, na mesma base territorial, que não poderá ser inferior à área de um município. E conforme afirma Sérgio Pinto Martins 6, essa imposição da unicidade sindical limita o direito de liberdade sindical, sendo produto artificial do sistema legal vigente, o que não deixa de ser uma forma de controle, por meio do Estado, do sindicato e da classe trabalhadora, evitando que esta faça reivindicações ou greve. Nesse mesmo sentido conclui o citado autor: Está a estrutura sindical brasileira baseada ainda no regime corporativo de Mussolini, em que só é possível o reconhecimento de um único sindicato 4 CHIARELLI, Carlos Alberto Gomes. Teoria e prática do sindicalismo brasileiro. São Paulo: LTr, 1974, pág MELLO, Lais Corrêa de. Liberdade Sindical na Constituição Brasileira. São Paulo: LTr, 2005, pág MARTINS, Sergio Pinto. Direito do Trabalho. São Paulo: Atlas, 19º Edição, 2004, pág. 715.

17 18 em dada base territorial, que não pode ser inferior à área de um município. Um único sindicato era mais fácil de ser controlado, tornando-se obediente. Nasce o sindicato por imposição do Estado, de cima para baixo. Não foi criado espontaneamente. Os líderes sindicais não surgiram, mas eram nomeados NA CONSTITUIÇÃO DE 1934 Com a promulgação da Constituição de 1934, tivemos uma inovação importante para os sindicatos, foi à reestruturação do direito de pluralidade sindical e da completa autonomia dos sindicatos concebidos como pessoa jurídica de direito privado, com liberdade de ação, de constituição e administração. Ocorre que esta aparente pluralidade implantada com a Constituição de 1934, traduziu-se em ambigüidade de ditames, pois com a edição do Decreto n , de 12 de julho de 1934, trouxe limitação à pluralidade sindical ao máximo de três sindicatos representativos da mesma categoria, na mesma base territorial. Na mesma linha de intervenção do Estado, agora no atinente à liberdade de administração dos sindicatos, tornou-se obrigatória a presença permanente de um delegado do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio nas assembléias sindicais. Portanto, em razão das contrariedades existente, fez-se da experiência de 1934, segundo Amauri Mascaro Nascimento: 8 algo que não repercutiu, expressando a ineficácia da lei dita pluralista NA CONSTITUIÇÃO DE 1937 Em 1937 tivemos uma nova fase após a promulgação da Constituição Corporativista, foi a instauração do Estado Novo, período que perduraria até O novo, nesse caso, representava o ideal político de encontrar uma via que se afastasse tanto do capitalismo liberal quanto do comunismo espelhando-se em 7 Ibidem., pág NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Compêndio de direito sindical. São Paulo: LTr, 2003, pág. 85.

18 19 outras ditaduras da mesma época, como a de Franco, na Espanha, e de Salazar, em Portugal. O artigo 138, da Constituição de 1937, assim determinava: A associação profissional ou sindical é livre. Somente, porém, o sindicato regularmente reconhecido pelo Estado tem o direito de representação legal dos que participarem da categoria de produção para que foi constituído, e de defender-lhes os direitos perante o Estado e as outras associações profissionais, estipular contratos coletivos de trabalho obrigatórios para todos os seus associados, impor-lhes contribuições e exercer em relação a eles funções delegadas de Poder Público 9. Podemos depreender do texto acima que apesar da associação profissional ou sindical ser livre, todavia, restringe-se a seguir a liberdade sindical, ao dispor que somente o sindicato regularmente reconhecido pelo Estado terá direito à representação legal, à negociação dos contratos coletivos ou mesmo a imposição de contribuições, dentre suas atribuições. Denota-se, então, o imperativo do Estado perante as entidades sindicais 10. Outro fato importante a ser destacado, é a possibilidade que os sindicatos já tinham de impor contribuições. Dando origem ao imposto sindical, matéria que será minuciosamente tratada em capítulo próprio. Em 05 de julho de 1939, foi publicado o Decreto-Lei nº , complementando a legislação sindical, sendo reconhecido apenas um sindicato para cada categoria, consubstanciando o princípio de sindicato único na mesma base territorial. Por fim, o supracitado Decreto-Lei, tornou-se um estatuto dos procedimentos legais da organização sindical, expondo detalhadamente aspectos sobre a administração do sindicato, as eleições sindicais, os procedimentos orçamentários, as prestações de contas etc CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL DE Planalto, Brasília, DF. Disponível em: <http: //www.planalto.gov.br.>. Acesso em: 03 de março de NASCIMENTO, Amauri Mascaro. A política trabalhista e a nova República. São Paulo: LTr, 1985, pág LOBOS, Julio A. Sindicalismo e negociação. São Paulo: Embranews Publicações Especializadas, 1982, pág. 50.

19 20 Na vigência da Carta de 1937, merecem destaque alguns diplomas legais, como o que organizou a Justiça do Trabalho em 1939, cujo funcionamento começou em Entretanto, não podemos deixar de destacar que em 1º de maio de 1943, foi editado o Decreto-Lei nº Consolidação das Leis do Trabalho, que veio a reunir toda a legislação esparsa, incorporando os textos sindicais já existentes NA CONSTITUIÇÃO DE 1946 A Constituição de 18 de setembro de 1946, segundo Arnaldo Sussekind 12, foi o melhor dos estatutos fundamentais brasileiros, decretada e promulgada por uma Assembléia Nacional Constituinte, refletindo o sopro democrático emanado da vitória das Nações Aliadas na guerra mundial de Ainda no tocante à organização sindical, o artigo 159, assim determinava: É livre a associação profissional ou sindical, sendo reguladas por lei a forma de sua constituição, a sua representação legal nas convenções coletivas de trabalho e o exercício de funções delegadas pelo Poder Público NA CONSTITUIÇÃO DE 1967 A Constituição de 1967, foi decretada e promulgada pelo Congresso Nacional, nos termos da convocação restrita que lhe fez o Presidente Castello Branco, com vistas à assegurar a continuidade da Revolução de Relativamente ao direito coletivo do trabalho, a carta Magna de 1967/69 repete as disposições da Constituição de 1946 sobre a organização sindical (art. 166); mas torna obrigatório o voto nas eleições sindicais ( 2º do art. 166) e inclui, desde logo, entre as funções públicas que podem ser delegadas aos sindicatos, a de arrecadar contribuições para o custeio das atividades de seus órgãos e para a execução de programas de interesses das categorias por eles representadas ( 1º do art. cit.). Legitimou, assim, a 12 SUSSEKIND, Arnaldo. Direito constitucional do trabalho. Rio de Janeiro: Renovar, 2004, pág CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL DE Planalto, Brasília, DF. Disponível em: <http: //www.planalto.gov.br.>. Acesso em: 08 de março de 2008.

20 21 arrecadação, pelos sindicatos, da contribuição anual compulsória (conhecida como imposto sindical ) tributo que só a União Federal pode instituir (art. 21, 2º, n. 1). 14 Portanto, a Constituição de 1967 e a Emenda nº. 1 de 1969, pouco mudaram quanto à Organização Sindical, mas a greve foi proibida nos serviços públicos de atividades essenciais NA CONSTITUIÇÃO DE 1988 Promulgada em 05 de outubro de 1988, a nova Constituição Federal transpareceu, visíveis contradições. Como pontos positivos, podemos destacar, entre os arts, 8º e 11 da citada carta: a liberdade de organização da entidade sindical; a liberdade individual de filiação do trabalhador ao sindicato; a representação e a substituição processual das categorias para defesa de seus interesses, individuais ou coletivos, nas esferas administrativa ou judicial; a obrigatoriedade de participação do sindicato em qualquer negociação coletiva; a representação dos empregados nas empresas de grande porte, como intermediários do entendimento direto dos trabalhadores com a empresa 15. Portanto, os sindicatos para a sua criação não mais estariam sujeitos à autorização prévia do Estado, bem como, este não mais pode intervir na em sua administração interna. Por outro lado, a Constituição de 1988, demonstrou poucos avanços no que se refere à manutenção da unicidade sindical, bem como, da obrigatoriedade do pagamento da contribuição sindical, como forma compulsória. Impede o Estatuto Supremo de 1998 a possibilidade da ratificação da Convenção n 87 da OIT, pois permite apenas um sind icato em cada base territorial, que não pode ser inferior à área de um município. A contribuição sindical imposta por lei também não se harmoniza com a Convenção n 87 da OIT, visto que atenta contra o princípio da liberdade sindical, de as pessoas livremente se filiarem ao sindicato e pagarem espontaneamente 14 SUSSEKIND, Arnaldo. Direito constitucional do trabalho. Rio de Janeiro: Renovar, 2004, pág MELLO, Lais Corrêa de. Liberdade Sindical na Constituição Brasileira. São Paulo: LTr, 2005, pág. 112.

21 22 as contribuições devidas a ele não de maneira compulsória, mesmo porque tal contribuição não distingue a condição de sócio ou de associado MARTINS, Sergio Pinto. Direito do Trabalho. São Paulo: Atlas, 19º Edição, 2004, pág. 708.

22 23 2. DA OBRIGATORIEDADE DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL A Constituição Brasileira de 1934 não tratava especificamente de exigência pecuniárias relativas aos sindicatos, apenas mencionava no art. 120 que os sindicatos e as associações profissionais seriam reconhecidas de conformidade com a lei. O parágrafo único do mesmo artigo determinava que a lei asseguraria a pluralidade sindical e a completa autonomia dos sindicatos. Como se observa, não havia nenhuma determinação quanto às contribuições sindicais, pois tudo era direcionado para a previsão estabelecida pela lei ordinária 17. Somente com a Constituição Federal de 1937, ficou aberta a possibilidade de imposição, pelos Sindicatos, da contribuição sindical. Portanto, tinha o artigo 138 da citada norma a seguinte redação: Art A associação profissional ou sindical é livre. Somente, porém, o sindicato regularmente reconhecido pelo Estado tem o direito de representação legal dos que participarem da categoria de produção para que foi constituído, e de defender-lhes os direitos perante o Estado e as outras associações profissionais, estipular contratos coletivos de trabalho obrigatórios para todos os seus associados, impor-lhes contribuições e exercer em relação a eles funções delegadas de Poder Público 18. Como se verifica os Sindicatos exerciam função delegada de poder público e a contribuição sindical era devida a todas as pessoas pertencentes à categoria econômica ou profissional. Outro fato relevante é que a Constituição não especificou o tipo de contribuição que poderia ser exigida. Para Oliveira Viana 19 os sindicato, tal qual, aparece na Constituição de 1973, possuía dois poderes: o de taxar todos os membros da categoria por ele representada mesmo que não fossem sócios e o instituído através de convenções coletivas, regras gerais sobre contrato de trabalho, obrigatórias mesmo para os que pertencendo à categoria, não sejam, entretanto, seus associados. 17 MARTINS, Sergio Pinto. Contribuições sindicais. São Paulo: Atlas, 4º Ed., 2004, pág. 22; 18 CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL DE Planalto, Brasília, DF. Disponível em: <http: //www.planalto.gov.br.>. Acesso em: 03 de março de VIANA, Oliveira. Problema de direito sindical. Rio de Janeiro: Max Limonad, s.d., 1943, pág. 16.

23 24 Com a edição do Decreto-lei n , de 05 de jun ho de 1939, em seu artigo 3, alínea f, ficou regulado a possibilidade de o sindicato impor contribuições a todos aqueles que participam das profissões ou categorias representadas. Ainda no artigo 35 da citada norma, determinava que os empregadores ficariam obrigados a descontar na folha de pagamento dos seus empregados as contribuições por estes devidas ao sindicato. Contudo, foi somente com a edição do Decreto-lei n , de 08 de julho de 1940, é que sindicato passou a ter uma exigência pecuniária, devidas aos sindicatos pelos que participem das categorias econômicas ou profissionais representadas pelas referidas entidades, sendo esta exigência pecuniária denominada de imposto sindical Art. 2º O imposto sindical é devido, por todos aqueles que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional, em favor da associação profissional legalmente reconhecida como sindicato representativo da mesma categoria. 20 O artigo 3 da citada norma dispunha ainda que o im posto deveria incidir sobre a importância correspondente à remuneração de um dia de trabalho, para os empregados, qualquer que seja a forma da referida remuneração e para os empregadores, numa importância fixa, proporcional ao capital registrado da respectiva firma ou empresa. Já o Decreto-Lei n /42, regulou o recolhimen to e aplicação do imposto sindical, quais sejam: assistência médica, judiciária e fiscalização, instituindo a Comissão do Imposto Sindical (art. 10 ) e o Fundo S ocial Sindical (arts. 5 e 6 ), passando o Estado a participar da aplicação da contribuição sindical. Em 1943, após aprovação da Consolidação das Leis do Trabalho, reuniramse as disposições dos Decretos-lei n 1.402/39, /40 e 4.298/42, quanto à exigência de contribuições pelo sindicato. 20 DECRETO-LEI N.º de 08 de junho de Dispõe sobre o pagamento e a arrecadação das contribuições devidas aos sindicatos pelos que participem das categorias econômicas ou profissionais representadas pelas referidas entidades, Senado Federal, Brasília, DF. Disponível em: <http://www.senado.gov.br>. Acesso em: 12 de março de 2008.

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

Contribuições sindicais

Contribuições sindicais Contribuições sindicais 1. Aspectos gerais A contribuição sindical é uma receita que tem como fundamento, precípuo, viabilizar a atividade da entidade sindical para fins de defesa dos interesses de determinada

Leia mais

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Organização sindical: Contribuições, Convenções e Acordos Coletivos do Trabalho, Dissídio Coletivo, Direito de Greve (Lei nº 7.783, de 28/6/89). Comissões de Conciliação

Leia mais

NOTA JURÍDICA N 3/AJ-CAM/2013 Brasília (DF), 21 de março de 2013. (SAERGS). REFERÊNCIAS: Ofício SAERGS n 1109-2003, de 25 de fevereiro de 2013.

NOTA JURÍDICA N 3/AJ-CAM/2013 Brasília (DF), 21 de março de 2013. (SAERGS). REFERÊNCIAS: Ofício SAERGS n 1109-2003, de 25 de fevereiro de 2013. NOTA JURÍDICA N 3/AJ-CAM/2013 Brasília (DF), 21 de março de 2013. ORIGEM: Sindicato dos Arquitetos no Estado do Rio Grande do Sul (SAERGS). REFERÊNCIAS: Ofício SAERGS n 1109-2003, de 25 de fevereiro de

Leia mais

Assunto Urgente: OBRIGATORIEDADE DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DO PROFISSIONAL LIBERAL ( ASSISTENTE SOCIAL)

Assunto Urgente: OBRIGATORIEDADE DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DO PROFISSIONAL LIBERAL ( ASSISTENTE SOCIAL) Assunto Urgente: OBRIGATORIEDADE DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DO PROFISSIONAL LIBERAL ( ASSISTENTE SOCIAL) O Sindicato dos Assistentes Sociais vem prestar esclarecimentos com relação à contribuição sindical,

Leia mais

Contribuição Sindical Patronal

Contribuição Sindical Patronal Contribuição Sindical Patronal Aspectos Legais O recolhimento da contribuição sindical é obrigatório conforme se verifica nos artigos 578, 579 e 580 da Consolidação das Leis do Trabalho: TÍTULO V - DA

Leia mais

A dúvida da consulente diz respeito à contribuição prevista na Consolidação das Leis do Trabalho: (grifou-se)

A dúvida da consulente diz respeito à contribuição prevista na Consolidação das Leis do Trabalho: (grifou-se) IMPOSTO SINDICAL SERVIDOR ESTATUTÁRIO Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Deve ser descontado dos servidores estatutários a contribuição sindical prevista na CLT? Existem, ao menos, quatro espécies de contribuições

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

URGENTE. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER

URGENTE. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER URGENTE De: Departamento Jurídico do SINDIFISCO/MG Belo Horizonte, 23 de abril de 2009. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER Trata-se

Leia mais

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios.

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. COMUNICADO nº 033/2013 Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. Referente: Contribuição Sindical. A na busca de auxiliar os gestores públicos municipais

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL URBANA (IMPOSTO SINDICAL) ATUALIZADAS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL URBANA (IMPOSTO SINDICAL) ATUALIZADAS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL URBANA (IMPOSTO SINDICAL) ATUALIZADAS 1ª pergunta: Quem paga a Contribuição Sindical Urbana CSU (imposto sindical)? a) Os profissionais liberais, entre

Leia mais

Ana Lúcia Ricarte OAB/MT 4.411 CUIABÁ, 12 DE FEVEREIRO DE 2015.

Ana Lúcia Ricarte OAB/MT 4.411 CUIABÁ, 12 DE FEVEREIRO DE 2015. CUIABÁ, 12 DE FEVEREIRO DE 2015. PARECER Nº 018/2015 INTERESSADO: PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE MATO GROSSO ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL ADVOGADA: ANA LÚCIA RICARTE A Presidente do

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário:

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Constitucionalidade 3 - Obrigação 3.1 - Estabelecimentos

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

O presente feito foi instaurado para averiguar a legalidade da convenção coletiva firmada entre o Sindicato das Empresas de Asseio e

O presente feito foi instaurado para averiguar a legalidade da convenção coletiva firmada entre o Sindicato das Empresas de Asseio e Origem: Rep 4130/2009 PRT/ 1ª Região Procurador oficiante: João Carlos Teixeira Interessados: Sindicato das Empresas de Asseio e Conservação do Estado do Rio de Janeiro SEAC/RJ e SINTTEL RJ. Assunto: Ilegalidade

Leia mais

SEÇÃO IX DISPOSIÇÕES GERAIS

SEÇÃO IX DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO IX DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 558 - São obrigadas ao registro todas as associações profissionais constituídas por atividades ou profissões idênticas, similares ou conexas, de acordo com o art. 511 e

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: NÃO DEVE SER USADO COMO CONTEÚDO DE ESTUDO, NÃO DEVE SER

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial ARTIGOS As opiniões expressas nesta Seção são de responsabilidade de seus Autores, sendo, a divulgação por VERITAE

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Assunto: A Contribuição Sindical dos Profissionais Liberais.

Assunto: A Contribuição Sindical dos Profissionais Liberais. Rio de Janeiro, 05 de janeiro de 2015. Assunto: A Contribuição Sindical dos Profissionais Liberais. Carta Aberta aos Departamentos de Recursos Humanos e Jurídicos das Empresas Privadas, Públicas ou de

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região DEFINE A OBRIGATORIEDADE DE RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região DEFINE A OBRIGATORIEDADE DE RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DEFINE A OBRIGATORIEDADE DE RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL Ilmo. Sr. IGNÁCIO CARLOS ARMESTO (45.791) Av. Brigadeiro Faria Lima n 2.152-10 - Conj. B 01452-002 - São Paulo - SP PARECER Nº 029.P.2002

Leia mais

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso Sumário Capítulo I Teoria das contribuições 1. As contribuições no direito comparado 13 1.1. Itália 13 1.2. Espanha 15 1.3. Alemanha 15 1.4. Portugal 17 1.5. França 18 2. As contribuições no Brasil 19

Leia mais

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas.

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas. DIRETRIZES NORMATIVAS ELABORADAS PELO GRUPO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SOBRE ORGANIZAÇÃO SINDICAL, NEGOCIAÇÃO COLETIVA, APLICAÇÃO DO DIREITO DE GREVE, CUSTEIO E LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

Direito Social: Essa nomenclatura é pouco utilizada, pois se entende que ela é muito abrangente e alcançaria outros ramos do direito.

Direito Social: Essa nomenclatura é pouco utilizada, pois se entende que ela é muito abrangente e alcançaria outros ramos do direito. 1. NOMENCLATURA DIREITO COLETIVO DO TRABALHO X DIREITO SINDICAL. Direito Coletivo do Trabalho: Utiliza-se esse termo, por vezes, por ser considerado de maior amplitude, ora por ser mais adequado (uma vez

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1

O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 O FIM DA ISENÇÃO: O PAGAMENTO DA COFINS PELOS ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA Danielle Becker 1 RESUMO O artigo refere-se á análise da decisão proferida, no mês de setembro de 2008, pelo Supremo Tribunal Federal

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

EXTENSIVO PLENO Direito do Trabalho Prof. Renato Sabino Aula 6 2009/1

EXTENSIVO PLENO Direito do Trabalho Prof. Renato Sabino Aula 6 2009/1 MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula JORNADA DE TRABALHO (continuação da última aula) 9. Ausência de controle - domésticos; - trabalho externo incompatível com controle + anotação em CTPS e registro do empregado;

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1.

DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1. DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1. Genesio Vivanco Solano Sobrinho Juiz do Trabalho aposentado 1.- Da Organização Sindical. Preliminares. 2.- Das Associações

Leia mais

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos Nota Técnica nº 07/2008 SINASEFE. Dispositivo do Estatuto que permite a incorporação de outros sindicatos à entidade, na condição de seções sindicais. Análise da legalidade da disposição à luz da Constituição

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 MEDIDA PROVISÓRIA Nº 446, DE 2008 (MENSAGEM Nº 865, DE 2009) Dispõe sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social, regula os procedimentos de isenção de contribuições para a seguridade

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

O Regime Geral de Previdência Social RGPS

O Regime Geral de Previdência Social RGPS O Regime Geral de Previdência Social RGPS Capítulo 5 O Regime Geral de Previdência Social RGPS Sumário 1. Introdução 2. Os beneficiários do RGPS: 2.1 Os segurados obrigatórios; 2.2. O segurado facultativo;

Leia mais

DIREITO COLETIVO DO TRABALHO CONCURSO AGU

DIREITO COLETIVO DO TRABALHO CONCURSO AGU PROFESSORA: ADRIANA CALVO DIREITO COLETIVO DO TRABALHO CONCURSO AGU Todo homem tem direito a organizar sindicatos e a neles ingressar para a proteção de seus interesses."fonte: Declaração Universal dos

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores

Ponto de Vista CADERNOS DE SEGURO. Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores 26 Seguro saúde: o IOF, o ISS e os consumidores Alexandre herlin É consabido que a saúde é direito de todos e dever do Estado, pois assim prescreve o artigo 196 da Constituição Federal. Entretanto, com

Leia mais

AULA 06. ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS (cont.) Empréstimo compulsório (cont.) Recepção do art.15 do CTN. Dispõe o art.15 do CTN:

AULA 06. ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS (cont.) Empréstimo compulsório (cont.) Recepção do art.15 do CTN. Dispõe o art.15 do CTN: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Tributário / Aula 06 Professor: Mauro Luís Rocha Lopes Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 06 CONTEÚDO DA AULA: (Continuação de espécies tributárias).

Leia mais

LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical

LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical A Assembleia Legislativa decreta, nos termos conjugados dos artigos 27.º, 36.º, 40.º, 43.º e 71.º alínea 1, da Lei Básica da Região

Leia mais

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL

PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PEC PROPOSTA EMENDA CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL (PEC) Altera os arts. 62, 150 e 195 da Constituição Federal e dá outras providências. As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal,

Leia mais

DESPACHO nº 361/2012

DESPACHO nº 361/2012 DESPACHO nº 361/2012 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 30/10/2012) Ref.: expediente CFM nº 9420/2012 Assunto: Cobrança. Anuidade. SESI. Imunidade. Inocorrência. Isenção. Possibilidade. Trata-se de expediente

Leia mais

A Cobrança da Contribuição Sindical Rural via Ação Monitória

A Cobrança da Contribuição Sindical Rural via Ação Monitória A Cobrança da Contribuição Sindical Rural via Ação Monitória A ação monitória, prevista expressamente nos arts. 1102- A a 1102-C do Código de Processo Civil, consiste em uma advertência direcionada ao

Leia mais

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO

ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO ENTIDADE DE EDUCAÇÃO SEM FINALIDADE LUCRATIVA ISENÇÃO DA COFINS SOBRE RECEITAS PRÓPRIAS E RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO DO PIS/PASEP MEDIANTE ALÍQUOTA DE 1% (UM POR CENTO) INCIDENTE SOBRE A FOLHA DE SALÁRIO

Leia mais

Adequações do estatuto social.

Adequações do estatuto social. Adequações do estatuto social. Este trabalho objetiva orientar a adequação compulsória do estatuto social para postulação de incentivos fiscais ao esporte para formação de atletas olímpicos e paraolímpicos,

Leia mais

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Ética e Legislação em Publicidade e Propaganda Profª. Cláudia Holder Nova Lei de Estágio (Lei nº 11.788/08) Lei

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Do Sr. Sandro Mabel) Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei regula

Leia mais

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008.

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada

Leia mais

Tributos www.planetacontabil.com.br

Tributos www.planetacontabil.com.br Tributos www.planetacontabil.com.br 1 Conceitos 1.1 Art. 3º do CTN (Disposições Gerais) Tributo é toda prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir, que não constitua

Leia mais

Paraadministração. Entidades criadas a partir de autorização legislativa. Sociedade e Mercado. Administração Pública. Administração Indireta

Paraadministração. Entidades criadas a partir de autorização legislativa. Sociedade e Mercado. Administração Pública. Administração Indireta Administração Pública Sociedade e Mercado Administração Direta Autarquia Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público

Leia mais

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO Prof.ª Kênia Rodrigues de Oliveira Prof. Genival Santos Oliveira GESTÃO PÚBLICA Necessidades Captação COLETIVAS de Recursos: e do ESTADO Próprios Transferências GESTÃO

Leia mais

Imunidade Tributária e Isenções de Impostos

Imunidade Tributária e Isenções de Impostos Imunidade Tributária e Isenções de Impostos Tomáz de Aquino Resende Procurador de Justiça Coordenador do Centro de Apoio ao Terceiro Setor de Minas Gerais Primeiro, é necessário estabelecermos a diferença

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA Aula - Direito do Trabalho II Prof.ª Carolina ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA ESTRUTURA SINDICAL Permanência inicial Moldes corporativistas não inteiramente revogados pela CF/88. Existência de uma pirâmide

Leia mais

Contribuição Sindical. Conceito

Contribuição Sindical. Conceito Contribuição Sindical Conceito A Contribuição Sindical é um tributo federal (art. 149 da CF), descontada em folha de pagamento e que deve ser recolhida compulsoriamente pelos empregadores, conforme estabelecido

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 VOTO EM SEPARADO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DA CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.542, DE 2006 Regulamenta o inciso IX do art. 114 da Constituição Federal, para dispor sobre competências da Justiça do Trabalho referentes

Leia mais

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o

Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o Dando prosseguimento à aula anterior, neste encontro, encerraremos o art.195, CF, comentando os seus principais parágrafos, para fins de concurso público! Alberto Alves www.editoraferreira.com.br 1º As

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR 4126/2013

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR 4126/2013 Origem: PRT da 3ª Região Órgão Oficiante: Dr. Geraldo Emediato de Souza Interessado 1: Anônimo Interessado 2: Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas, de Jornais e Revistas no Estado de Minas

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

A BASE DE CÁLCULO DO ISS NOS SERVIÇOS DE REGISTROS PÚBLICOS, CARTORÁRIOS E NOTARIAIS

A BASE DE CÁLCULO DO ISS NOS SERVIÇOS DE REGISTROS PÚBLICOS, CARTORÁRIOS E NOTARIAIS 1 A BASE DE CÁLCULO DO ISS NOS SERVIÇOS DE REGISTROS PÚBLICOS, CARTORÁRIOS E NOTARIAIS MARCELO RICARDO ESCOBAR Advogado em São Paulo, sócio do escritório Escobar Advogados Associados, foi Juiz do Tribunal

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a criação do Serviço Social do Transporte Ferroviário - SESF e altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.706, de 14 de setembro de 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA CNJ A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, serviço público independente, dotado de personalidade jurídica e

Leia mais

Tal matéria é expressa pela Constituição Federal em seu art. 8º, IV:

Tal matéria é expressa pela Constituição Federal em seu art. 8º, IV: Parecer sobre Imposto Sindical A contribuição sindical, também denominada imposto sindical, é espécie de contribuição compulsória devida aos sindicatos, federações e confederações para sustentação econômica

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 4. DESCONTOS Desconto é uma forma de retenção de parte do salário ou de todo o salário. Os salários, como regra, são intangíveis, ou seja, não podem sofrer descontos. Tal princípio, previsto na Constituição

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa

b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa UNIDADE VII 1. IMPOSTOS a) definição legal (tributo não-vinculado) b) custeio geral da administração e das atividades públicas. Em regra, sem vinculações a órgão, fundo ou despesa c) pessoalidade, em regra

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS 12.1 SINDICAL PATRONAL

MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS 12.1 SINDICAL PATRONAL MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS 12.1 CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. EXPEDIÇÃO: 23-12-2000 4ª EDIÇÃO SUMÁRIO ASSUNTO

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação Fl. 101 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 4 Data 6 de fevereiro de 2014 Origem DRF/BSB/DF (E PROCESSO Nº 10104.720008/2013 12) ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015

TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 TRIBUTAÇÃO DE RECEITAS FINANCEIRAS PELO PIS/COFINS DECRETO 8.426/20015 Pela importância da matéria, tomamos a liberdade de lhe enviar o presente boletim extraordinário (maio de 2015). 1. INTRODUÇÃO O STJ

Leia mais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais Gestão Financeira de Entidades Sindicais Constituição Federal Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

Leia mais

Perspectivas do Direito Sindical no Brasil. João de Lima Teixeira Filho

Perspectivas do Direito Sindical no Brasil. João de Lima Teixeira Filho Porto Alegre, Maio de 2014 Modelos de Relações Coletivas de Trabalho: 4 elementos Estado Sindicato NC Meios de Solução dos Conflitos Modelos de Relações Coletivas de Trabalho: 4 elementos Estado Sindicato

Leia mais

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS:

RESUMIDAMENTE ESTAS SÃO AS DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS: DIFERENÇAS BÁSICAS ENTRE A CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS Não existe posicionamento formal de nosso Supremo Tribunal Federal acerca da quantidade de espécies tributárias vigentes hoje em dia, alguns autores

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes OAB ª Fase Direito Constitucional Meta Cristiano Lopes 0 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. META LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CF, arts. ; Doutrina: Poder legislativo

Leia mais

A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS. Em 1989, o Governo Federal determinou a criação do CTN Cadastro

A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS. Em 1989, o Governo Federal determinou a criação do CTN Cadastro A ATUAL TAXATIVIDADE DO CNIS E a inversão do ônus da prova em favor do segurado? Por Anna Carla M. Fracalossi 1 Em 1989, o Governo Federal determinou a criação do CTN Cadastro Nacional do Trabalhador,

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

HISTÓRICO: O referido Sindicato solicitou emissão de parecer jurídica para responder aos seguintes questionamentos:

HISTÓRICO: O referido Sindicato solicitou emissão de parecer jurídica para responder aos seguintes questionamentos: HISTÓRICO: O SINDSFEPA - SINDICATO DOS SERVIDORES FAZENDÁRIOSDO ESTADO DO PARÁ solicitou que esta Assessoria Jurídica promova apreciação jurídica relativa à legalidade dos atos praticados pela JUNTA GOVERNATIVA

Leia mais

EMENDA 3 EDMO COLNAGHI NEVES

EMENDA 3 EDMO COLNAGHI NEVES EMENDA 3 EDMO COLNAGHI NEVES ITENS 1. Relação de Trabalho 2. Relação de Prestação de Serviços 3. Encargos 4. Elisão e Evasão Fiscal 5.Desconsideração da Personalidade Jurídica 6. Emenda 3 7. Veto à Emenda

Leia mais

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1

Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais. Alda Maria Santarosa 1 Aposentadoria por tempo de contribuição e Aposentadoria com proventos integrais Alda Maria Santarosa 1 Resumo Nos últimos 25 anos, desde a promulgação da Constituição Federal do Brasil, em 1988, nota-se

Leia mais

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA HIERARQUIA NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA No Brasil, a tributação decorre da utilização de uma série de normas jurídicas distintas. O conjunto dessas regras jurídicas, de diversos tipos, forças e finalidades,

Leia mais