4 ANO HISTÓRIA COLEÇÃO APRENDER, MUITO PRAZER! MARTA DE SOUZA LIMA BRODBECK HISTÓRIA. Manual do professor ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS FB70181

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4 ANO HISTÓRIA COLEÇÃO APRENDER, MUITO PRAZER! MARTA DE SOUZA LIMA BRODBECK HISTÓRIA. Manual do professor ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS FB70181"

Transcrição

1 MARTA DE SOUZA LIMA BRODBECK COLEÇÃO APRENDER, MUITO PRAZER! HISTÓRIA ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS Manual Manual do do professor HISTÓRIA ISBN ANO FB70181 pnld2016_cp-espiral_amp_his_4o ano_lombada 12mm.indd 1 06/07/15 21:02:49

2 COLEÇÃO APRENDER, MUITO PRAZER! HISTÓRIA Manual do Professor professor MARTA DE SOUZA LIMA BRODBECK Licenciada em História pela Universidade Federal do Paraná. Mestre em História do Brasil pela Universidade Federal do Paraná. Atuou como professora de História nas Redes de Ensino Fundamental, Médio e Superior. 1ª edição Curitiba 2014 ENSINO FUNDAMENTAL ANOS INICIAIS 4 o ANO

3 Dados para catalogação Bibliotecária responsável: Luciane Magalhães Melo Novinski CRB 9/1253 Curitiba, PR Brodbeck, Marta de Souza Lima. Aprender, muito prazer! : história, 4 o ano : manual do professor / Marta de Souza Lima Brodbeck 1. ed. Curitiba : Base Editorial, p. : il. ; 28 cm ISBN: (Aluno) ISBN: (Professor) Inclui bibliografia. 1. História. 2. Ensino fundamental (Estudo e ensino). I. Título. CDD (20 a ed.) Aprender, muito prazer! Marta de Souza Lima Brodbeck, a edição Curitiba 2014 Todos os direitos reservados. Ficha técnica Diretor superintendente Jorge Yunes Diretora adjunta editorial Célia de Assis Gerente editorial Eloiza Jaguelte Silva Consultoria técnico-pedagógica Valdeci Valentim Loch Coordenação editorial Osmarina F. Tosta Editor Lúcia Chueire L. Witoslawski Editor assistente Donália Jakimiu Basso Valquiria Salviato Guariente Revisão Etienne Vaccarelli Francis Cabral Revisão comparativa Lucy Myrian Chá Roberta Bachstein Coordenação de Iconografia Ana Cláudia Dias Assistente de Iconografia Jéssica C. Ortiz Licenciamento de textos Luiz Fernando Bolicenha Coordenação de arte Solange Freitas de Melo Editoração José Cabral Lima Júnior Lineu Blind Ribeiro Patricia Librelato Rodrigues Ilustrações Cide Gomes Roberto Weigand Kleber Edney R. Santos Tratamento de imagens J. V. Elorza Projeto gráfico Laís Cristina Caldonazzo Capa Rafael Hatadani Imagem da capa Estúdio Motoca Impressão: Fenix Gráfica Digital e Editora Ltda. Rua Visconde de Abaeté, 378 CEP CNPJ: / I.E.: Base Editorial Ltda. Rua Antônio Martin de Araújo, 343 Jardim Botânico CEP Tel.: (41) Fax: (41) Curitiba Paraná

4 Estudar História, compreendendo as transformações e os aspectos que permaneceram ao longo do tempo e do espaço, ajuda-nos a entender o mundo onde vivemos. Você e a sociedade em que vive têm uma história. Esperamos que este livro estimule você a aprender mais e ir além dele. A autora

5 Para começo de conversa... Abertura das unidades: os personagens que aparecem na abertura das unidades irão lhe apresentar o tema que será explorado. No início de cada capítulo você vai observar imagens, ler poemas ou outro texto que lhe ajudará a refletir sobre o que já conhece a respeito do tema que será abordado. Pesquisando e aprendendo mais Para refletir Exercício de reflexão, análise ou síntese sobre os temas apresentados no capítulo. São propostas atividades em que você ampliará o conhecimento por meio de pesquisa em fontes diversas. O objetivo é desenvolver a construção do conhecimento histórico mediante exercícios de observação e análise. Nesta seção você vai sistematizar os conhecimentos históricos que estudou e registrá-los por meio da expressão escrita, em textos, quadros etc. Aprender fazendo Por meio de desenhos, apresentações, maquetes e outras representações você irá trabalhar aspectos do tema do capítulo.

6 Estudando o documento Atividade de leitura e análise de documento histórico, como crônicas, reportagens, fontes históricas diversas, entre outros. Você sabia? Nesta seção você vai encontrar conteúdos complementares que auxiliam na compreensão do o tema do capítulo. PESQUISA ENTREVISTA RESPONDA ORALMENTE RESPONDA NO CADERNO Vocês poderão pesquisar, experimentar e aplicar os conhecimentos construídos em um trabalho desenvolvido em grupo. Ícones: os dois primeiros indicam estratégias de trabalho que serão utilizadas. Os dois últimos apontam de que forma as atividades serão realizadas. Glossário: apresenta o significado de algumas palavras e conceitos grifados ao longo do capítulo. Professor, sempre que aparecer a sigla OP são indicadas orientações para o seu trabalho em sala de aula. Sugestões para a turma: nesta seção você encontra sugestões de leituras que poderão ampliar seus conhecimentos sobre o tema trabalhado.

7 UNIDADE UNIDADE 1 2 Conviver: Uma necessidade humana...8 Capítulo 1 - Dos primeiros agrupamentos humanos às cidades...10 Os primeiros agrupamentos humanos...11 As primeiras aldeias e depois as cidades...13 As cidades se diferenciam...14 Capítulo 2 - Burgos A cidade estaria mudando?...18 A procura de proteção O surgimento dos burgos O centro das cidades medievais Capítulo 3 - O morador da cidade é cidadão? A cidadania na Grécia antiga A busca pela cidadania na atualidade O mundo se revela...32 Capítulo 1 - Encontro de culturas Viajar, uma aventura...35 O encontro entre culturas...37 Aceitar as diferenças...41 Capítulo 2 - Cidades e reinos africanos Um continente, muitos povos Características dos povos do sul da África...47 A cidade de Ifé Os impérios de Gana e Mali O reino do Grande Zimbábue...51 A chegada dos europeus...51 Capítulo 3 - Os primeiros habitantes do Brasil Os habitantes da terra de Pindorama Os indígenas do Brasil A aldeia indígena...61 O dia a dia dos grupos indígenas Trabalhando juntos...66

8 UNIDADE UNIDADE 3 4 Uma terra chamada Brasil Capítulo 1 - Brasil: a colônia portuguesa...70 O encontro entre os portugueses e os indígenas...71 Os primeiros tempos Ocupação portuguesa...74 Os governos-gerais Capítulo 2 - A escravidão no Brasil...81 A exploração do trabalho e a escravidão indígena A escravidão dos africanos O tráfico de africanos escravizados A abolição da escravatura africana no Brasil Capítulo 3 - O rural e o urbano no Brasil colonial O engenho açucareiro Um Brasil rural...91 A vida no engenho colonial O ambiente urbano na colônia A construção do Estado brasileiro Capítulo 1 - Brasil: A conquista do território As paisagens brasileiras A disputa europeia pelas terras descobertas no século A ocupação do território brasileiro Os tratados de limites: estabelecendo as fronteiras Capítulo 2 - Formação da cultura nacional A cultura brasileira A formação cultural brasileira por meio das línguas faladas no Brasil A formação cultural brasileira por meio das religiões Muitas contribuições na formação da cultura brasileira Capítulo 3 - Brasil independente: nasce o país A corte portuguesa vem para o Brasil A proclamação da Independência do Brasil A organização do Estado brasileiro Formando um país continental Trabalhando juntos Sugestões para a turma

9 UNIDADE 10 Conviver: Uma Título necessidade humana Olha quantas pessoas aproveitam para passear no parque no momento de lazer! 8 Parque Barigui. Curitiba (PR), Orientações ao Professor (OP): o homem é um ser social por natureza, e essa sociabilidade é fruto das necessidades e capacidades de cada um. Esta

10 Rubens Chaves/Pulsar Imagens Para que tantas pessoas diferentes aproveitem o mesmo espaço é importante existirem regras! unidade trata da construção histórica do espaço principal da sociedade: a cidade. Dentro das cidades existem espaços públicos, como ruas, parques, lojas, entre outros, nos quais diferentes pessoas convivem. Para que essa convivência ocorra de forma tranquila, existem regras que precisam ser cumpridas. 9

11 Capítulo 1 Dos primeiros agrupamentos humanos às cidades Para começo de conversa... A letra da música intitulada A cidade ideal, de Chico Buarque de Hollanda, fala da conversa de alguns bichos e algumas crianças sobre o que é uma cidade. A cidade ideal dum cachorro Tem um poste por metro quadrado Não tem carro, não corro, não morro E também nunca fico apertado A cidade ideal da galinha Tem as ruas cheias de minhoca A barriga fica tão quentinha Que transforma o milho em pipoca [...] Mas não, mas não O sonho é meu e eu sonho que Deve ter alamedas verdes A cidade dos meus amores E, quem dera, os moradores E o prefeito e os varredores Fossem somente crianças [...] Chico Buarque de Hollanda. A cidade ideal. Os saltimbancos. [S.l.]: Philips Records, LP. 10

12 1. Após ler alguns versos da música A cidade ideal, analise alguns dos desejos citados na letra pelo autor. a ) Relacione esses desejos e escreva quais você considera mais interessantes. b ) Reúna-se com um colega de sala e juntos analisem as respostas que vocês anotaram. 2. Reflita e debata com seus colegas de sala como seria a cidade na qual vocês viveriam se ela fosse administrada por crianças. Os primeiros agrupamentos humanos Desde que os primeiros seres humanos passaram a viver em grupos começaram a se organizar de formas diferentes. Aprenderam a garantir sua sobrevivência protegendo-se mutuamente contra as dificuldades do ambiente, OP: destaque que o termo Précomo a chuva e o frio, ataques de animais, entre outras. a ausência de escrita, e não a ausência de História. Os grupos humanos que viveram na Pré-História eram nômades, ou seja, não tinham moradia fixa, movimentavam-se constantemente em busca de lugares ricos em água e alimentos. O fogo foi uma das conquistas mais importantes desse período, pois permitiu que eles se aquecessem nos dias frios, afugentassem animais selvagens e assassem seus alimentos. Por volta de 10 mil anos atrás, alguns grupos humanos passaram a desenvolver técnicas de agricultura e criação de animais, podendo permanecer por mais tempo em um mesmo lugar, tornando-se sedentários. De Agostini / G. Dagli Orti/Glow Images História, atualmente, indica apenas Com o passar dos anos, muitos desses grupos começaram, então, a construir canoas, barcos e aprenderam a lascar e polir a pedra para fazerem instrumentos como pontas de flecha e facas. Ferramenta primitiva de pedra, do Período Neolítico. Pré-História: para facilitar o estudo da História, alguns historiadores denominaram o período entre o surgimento dos primeiros hominídeos na Terra, há aproximadamente 3 milhões de anos, e a invenção da escrita, por volta de 6 mil anos atrás, como Pré-História. Sedentários: corresponde ao homem, ou grupo de homens, que se fixou em um território. 11

13 Com o surgimento da cerâmica, os homens passaram a produzir diferentes utensílios, sendo estes mais resistentes. Assim como desenvolviam forma de manipular a pedra e o barro para construir utensílios, os homens desenvolveram, também, formas de linguagem e comunicação, fundamentais para o ser humano. Gradativamente, alguns grupos nômades se organizaram em tribos que passaram a viver em aldeias, em casas feitas de madeira, barro ou adobe, não precisando mais se mudarem constantemente em busca de proteção. Gradativamente: que vai aumentando ou diminuindo pouco a pouco. Adobe: tijolo grande de argila, seco ou cozido ao sol, às vezes acrescido de palha ou capim para se tornar mais resistente. Art Images Archive/Glow Images Art Images Archive/Glow Images Vasos de cerâmica datados do século 19. Com o aprimoramento da técnica de trabalho com cerâmica, os homens puderam modelar vasos no formato em que desejassem. Para refletir 1. Considerando os textos das páginas anteriores sobre como os primeiros habitantes viviam, reflita e responda às questões a seguir. a ) Analise a importância da descoberta do fogo para os homens que viviam na Pré-História. b ) Comente as contribuições que ajudaram os grupos humanos a deixarem de ser nômades. O fogo foi uma das conquistas mais importantes desse período, pois permitiu que eles se aquecessem nos dias frios, afugentassem animais selvagens e assassem seus alimentos. O desenvolvimento de técnicas de agricultura e criação de animais, podendo permanecer por mais tempo em um mesmo lugar. c ) Escreva um pequeno texto explicando por que, na sua opinião, o uso do fogo ainda é importante para o ser humano. OP: oriente a escrita do texto no sentido dos alunos resgatarem quais os usos do fogo no cotidiano deles. 12

14 As primeiras aldeias e depois as cidades De modo geral, as primeiras aldeias não tinham um líder nem leis, e as decisões eram tomadas coletivamente pelos membros do grupo. O trabalho era dividido entre tarefas para os homens, como caçar e guerrear, e tarefas para as mulheres, como plantar, colher, fazer artesanato. Esses grupos humanos foram crescendo em número de habitantes e alguns se organizaram em comunidades, deixando a administração a cargo de alguns membros do grupo. Foram essas comunidades, já organizadas, que deram origem às primeiras cidades. Algumas das cidades mais antigas do mundo datam de 3 mil anos a.c., como Mênfis, no Egito; Ur, na Mesopotâmia; e Jericó e Beidha, na região da Palestina. Essas e algumas outras importantes cidades podem ser localizadas no mapa abaixo. Como você poderá observar, as cidades surgiram em locais distantes entre si e com características diversas, mas sempre como um local onde fixava-se um grupo de homens que desenvolvia técnicas agrícolas e pastoris e construía moradias para sua proteção. Importantes centros da Antiguidade Laércio de Mello Fonte: Giorgio Bombi, Olivio Dallera e Emanuela Vallardi. II Grande atlante storico ilustrado. Milão: Vallardes, 1985, p. 9. Nas páginas a seguir serão apresentados alguns aspectos das cidades destacadas no mapa. 13

15 Gustavo Jeronimo/C. Commons OP: optou-se, nesta Coleção, pela escrita de séculos utilizando-se algarismos arábicos, como explicado no MP. Na imagem ao lado está retratada uma construção da cidade de Beidha, na Jordânia. Essa construção, assim como outras presentes no sítio arqueológico, indicam a existência de uma cidade datada do século 7º a.c. Sítio arqueológico: local onde são encontrados vestígios do passado deixados pela humanidade. As cidades se diferenciam Construções no sítio arqueológico de Beidha (Jordânia), A organização e desenvolvimento das cidades foram muito diversos ao longo da história, variando de acordo com o local, as condições físicas, políticas, econômicas e culturais que influenciaram a constituição e crescimento de cada uma delas. Algumas cidades surgiram como centros religiosos, como foi o caso da cidade de Ur, na Mesopotâmia, e de Jericó, na Palestina. Outras cidades surgiram nas margens de rios, pois as terras eram mais férteis. Foi o caso de Mênfis, no Egito, que por estar na desembocadura do Rio Nilo, possuía muitas atividades agrícolas. O surgimento dessas cidades datam de mais de 3 mil anos a.c. A partir do século 5 o outro modelo de cidades começou a se formar. Para se protegerem do ataque de outros povos, algumas cidades passaram a ser cercadas por muros e se isolaram das outras. Isso aconteceu na Europa durante a chamada Idade Média, entre os séculos 5 o e 15. A imagem a seguir retrata a cidade de Ávila, na Espanha, cercada de muros para a sua proteção. 14

16 W. Commons Cidade de Ávila, (Espanha), Na imagem é possível ver os muros de pedra que cercam a cidade. Por ainda possuir essa construção medieval, ela foi tombada como Patrimônio Mundial pela Unesco, em Atualmente, vivem dentro da cidade cerca de 60 mil pessoas. Outras cidades surgiram em torno de feiras, como Constantinopla, entre os séculos 5 o e 15. Atualmente, essa cidade é conhecida como Istambul. Há cidades que se destacam por sua beleza e construção, como a cidade inca de Machu Picchu, no Peru, ou a cidade asteca de Tenochtitlán, na América Central, que chegou a ter 1 milhão de habitantes entre os séculos 14 e 15. A imagem acima é das ruínas de Machu Picchu, localizada na Cordilheira dos Andes, no Peru. Situada a metros de altitude, é formada por um conjunto de construções de pedra, atualmente já desgastadas pelo tempo. São casas, templos, aquedutos, praças e degraus (terraços nos quais os incas praticavam agricultura). Ruínas na cidade de Machu Picchu (Peru), Aqueduto: galeria ou canal, subterrâneo ou na superfície, construído com a finalidade de conduzir a água. snowmanradio/w. Commons 15

17 Devido a sua localização de difícil acesso, é chamada de a cidade perdida. O Império Inca existiu na América andina do século 12 até o século 15, e incluía regiões onde existem vários países atuais, desde o Equador, a Bolívia, passando pelo Peru até o norte da Argentina e do Chile. A capital do império chamava-se Cuzco que, em quíchua (a língua mais falada entre os incas), significa Umbigo do Mundo. O império abrangia diversos povos e mais de setecentos idiomas diferentes. No mapa da página 13 é possível visualizar duas importante cidades antigas no continente americano: Machu Picchu e Tenochtitlán. A cidade de Tenochtitlán foi fundada em 1325 e era a capital do Império Asteca. Você sabia? Roger Cracknell 01/classic / Alamy/Glow Images Os astecas faziam parte de um imenso império que havia começado a se desenvolver mais de cem anos antes da chegada dos espanhóis à América no século 15. Inicialmente, estavam organizados em grupos nômades e tudo indica que eram provenientes da região onde atualmente se localiza o México e o sul dos Estados Unidos. Estabeleceram-se na região pantanosa do vale do Anahuac, atual planalto central mexicano. Herdaram a cultura de outros povos, em especial a dos toltecas, e construíram um vasto império que se estendeu do Oceano Pacífico ao Oceano Atlântico, cuja capital era a exuberante cidade de Tenochtitlán, que se tornou uma das maiores cidades do mundo no início do século 16. No centro dela existia o Templo Maior, enorme pirâmide com dois santuários em honra a Tlaloc, deus da chuva e da fertilidade, e ao deus Huitzilopochtli, deus solar. Atualmente, ela se encontra soterrada no subsolo da Cidade do México. Das pedras do Templo Maior ergueu- -se a atual catedral do México, que é uma das mais antigas catedrais católicas do continente americano. Ruínas de Tenochtitlán. Cidade do México (México),

18 Pesquisando e aprendendo mais RESPONDA NO CADERNO OP: oriente os alunos a pesquisarem sobre as ruínas da cidade de Tenochtitlán. 1. Reúna-se com dois colegas de sala e façam uma pesquisa sobre a Cidade do México na atualidade, analisando qual é sua importância no continente americano. Para isso, sigam as orientações abaixo: a ) Procurem imagens e informações em revistas, jornais e na internet sobre a cidade, levantando dados populacionais, econômicos, turísticos e sobre a preservação da sua história. b ) Selecionem as informações e imagens que vocês considerarem mais importantes e montem um cartaz com o material. Depois, apresentem para os colegas de turma. 2. Em seu caderno, faça uma lista com três cidades do Brasil ou de outras partes do mundo que você gostaria de conhecer. Em seguida: a ) Pesquise uma característica de cada uma delas (um monumento, uma comida típica, uma história pela qual valeria conhecê-la) e escreva a informação escolhida em uma folha de papel avulsa. b ) Ilustre a sua pesquisa com recortes de jornais e revistas ou desenhos. c ) Exponha seu trabalho no mural da sala de aula e convide outros alunos da escola para que caso conheçam as cidades que foram colocadas na exposição, possam deixar informações adicionais. RESPONDA NO CADERNO OP: com as informações sobre as diferentes cidades, o aluno poderá inferir sobre algumas diferenças entre elas, como: ser tipicamente turística, ser mais antiga ou moderna, ser muito povoada, ter mais características de cidades do interior, entre outras. 1. Com base no texto do capítulo, bem como na pesquisa que desenvolveu na seção "Pesquisando e aprendendo mais", produza um texto sobre por que as cidades são tão diferentes entre si. 17

19 Capítulo 2 Burgos A cidade estaria mudando? Para começo de conversa... As cidades medievais eram protegidas contra ataques externos por muralhas altas e grossas, torres e pontes levadiças. As maiores Florença, Gante e Paris tinham entre cinquenta mil e cem mil habitantes. [...] as ruas eram estreitas e sinuosas, pontilhadas de barracas de negociantes e artesãos, e sujas de lixo. [...] Marvin Perry. Civilização ocidental: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 1985, p Anselmo Sousa/C. Commons 18 Cidade de Carcassonne (França), A cidade mantém até os dias atuais as muralhas ao seu redor.

20 RESPONDA ORALMENTE Respostas pessoais. 1. Quando você pensa em uma cidade, qual é a imagem que vem à sua mente? 2. Como são as ruas da cidade que você pensou? E o comércio? 3. Existe segurança para os moradores? 4. Ela tem algo parecido com a cidade retratada na página anterior? O quê? A procura de proteção Como apresentado no capítulo anterior, de modo geral, as cidades nasceram quando os primeiros grupos de pessoas se fixaram em lugares onde tinham comida, abrigo e segurança mais acessível. Na Europa, durante o período conhecido como Idade Média, as cidades passaram por importantes transformações. Nesse período ocorreu a ruralização e as cidades perderam muitos habitantes. Você sabia? Durante a Idade Média, entre os séculos 5 o e 15, na Europa, ocorreu a formação da sociedade feudal, que foi resultante de um longo processo histórico da mistura de diferentes valores e costumes, tanto romanos como dos povos germânicos. O feudalismo foi marcado pela divisão territorial em grandes áreas de terra. Essas áreas eram chamadas feudos e seu proprietário era o senhor feudal. Em geral, os senhores feudais eram reis, duques, condes e outros nobres. O feudo normalmente continha o castelo, as aldeias, plantações e o gado. Os que não eram donos da terra eram os servos, que deviam prestar serviços aos senhores feudais. Devido à insegurança fora dos feudos, muitos buscavam a proteção dos senhores feudais, assumindo com esses senhores uma série de obrigações para que pudessem fazer parte do feudo. Os servos moravam em aldeias próximas ao castelo, em casas simples, com telhado de palha e chão de terra batida. LIMBOURG, Irmãos. Junho. As Riquíssimas Horas do Duque de Berry Guache sobre pergaminho, 22,5 cm x 13 cm. Museu Condé, Chantilly (França). 19

21 O surgimento dos burgos No início da Idade Média a vida urbana não desapareceu por completo. Continuaram existindo cidades que viviam do trabalho do campo. Durante muito tempo, nos feudos, as produções agrícolas eram feitas em pequena escala e as pessoas só consumiam aquilo que produziam. Foi a partir do desenvolvimento e do uso de novos equipamentos que as plantações começaram a produzir mais. A charrua, por exemplo, foi uma das inovações que fez com que a quantidade e a qualidade dos produtos agrícolas aumentassem bastante. Irmãos Limbourg. Março Guache sobre pergaminho, 13,5 cm x 15,5 cm. As riquíssimas horas do Duque de Berry. Museu Condé, Chantilly (França). A charrua é um arado puxado por animais. Por volta do século 10, as novas técnicas fizeram com que a produção agrícola crescesse, gerando um excedente, o que incentivou o comércio fora dos feudos. O pequeno comércio que era realizado entre os feudos aumentou muito e estes começaram a oferecer produtos novos. Por volta do século 10, nas cidades que viviam do trabalho do campo passaram a ser realizadas feiras comerciais. Uma boa parte das cidades passou a viver em função das feiras. As feiras da Idade Média eram um verdadeiro ponto de encontro de pessoas que vinham de regiões longínquas para trocar mercadorias, tais como roupas e alimentos. Depois do desenvolvimento comercial de algumas cidades da Itália, por volta do século 11, outras regiões também se tornaram centros de trocas comerciais, tais como: Flandres, Lombardia e o Vale do Reno. 20 Excedente: sobra de produtos que pode ser comercializada.

22 OP: auxilie os alunos na leitura do mapa, indicando a importância da legenda e de suas informações. Indique, no mapa, onde se localizam essas regiões: a Lombardia, no norte da Itália, entre Gênova e Veneza; Flandres, onde atualmente é a Bélgica, no mapa constam Bruges, Gand e Douai; e o Reno cortando a Alemanha, passando por Colônia, Nuremberg e Estrasburgo. No mapa a seguir é possível ver a rota das feiras medievais. Europa - Feiras e centros de comércio Laércio de Mello Fonte: Colin Macevedy. Atlas de história medieval. São Paulo: Companhia das Letras, W. Geivers Devos. Atlas historique Erasne. Namur: editora, Observe, no mapa, que passou a existir uma grande movimentação ocasionada pelas feiras, as quais propiciaram o aumento das trocas comerciais até mesmo entre povos de regiões bastante distantes entre si. Os burgos, como eram chamadas essas cidades, eram lugares onde se praticavam o artesanato e o comércio. Alguns deles ficavam dentro da grande propriedade que era o feudo. À noite, seus portões eram fechados. Gradativamente, devido ao crescimento do comércio, os moradores dos burgos das cidades medievais conseguiram passar a administrá-los independentemente do senhor feudal. 21

23 As cidades medievais cresceram de forma desordenada, com ruas estreitas. Não havia organização para coleta de lixo, de forma que ele se acumulava nas ruas, o que desencadeava o surgimento e a propagação de doenças com muita rapidez. Italian School/Getty Images Iluminura retratando o comércio em ruas dos tempos medievais. Vendedor de incenso. Iluminura da obra Tractatus de Herbis. Século 15. Biblioteca Estense, Modena (Itália). Iluminura: desenhos que enfeitavam livros medievais. Eram feitos nas margens das páginas ou nas letras iniciais dos capítulos. Para refletir RESPONDA NO CADERNO 1. Após uma leitura atenta do texto anterior, responda em seu caderno: a ) Como surgiu a maioria das cidades no período medieval. As cidades surgiram em torno das feiras e centros de comércio. b ) Com base nas informações expostas no texto, as cidades citadas eram planejadas? Descreva como eram as suas ruas. As cidades não eram planejadas; suas ruas eram estreitas e cheias de lixo. c ) Forme uma equipe de trabalho com três colegas de sala e façam um cartaz com desenhos ou recortes de jornais e revistas que possam representar as feiras e o comércio nas cidades medievais. d ) Na sua opinião, as feiras na atualidade ainda têm a mesma função das feiras que eram realizadas em outras épocas? OP: o aluno pode refletir sobre quais foram as mudanças trazidas, por exemplo, pela exposição de produtos em anúncios de televisão, de revistas, jornais e internet na atualidade em relação à exposição de produtos 22 feita nas feiras. Pode inferir também sobre a manutenção desse tipo de comércio em cidades, em que os produtos são expostos nas feiras periódicas realizadas em locais públicos, geralmente ao ar livre.

24 OP: comente com os alunos que naquele período não havia esgoto nem coleta de lixo, e que com o grande número de pessoas, esses dejetos se acumulavam, facilitando a proliferação de doenças. A fotografia é da década de 1930, e não da época em que a cidade de Villeréal surgiu. O centro das cidades medievais Nas cidades medievais que foram apresentadas anteriormente, a igreja era a construção mais alta e costumava localizar-se na parte central. Os prédios do governo e as casas das pessoas mais ricas ficavam próximos a ela. Já a população mais pobre habitava as áreas mais distantes do centro. Charles Hurault / Roger-Viollet/Glow Images Parte central da cidade de Villeréal, na França, em Ao longo dos anos, o centro das cidades deixou de ser local de feiras, como mostra a imagem, mas grande parte das praças do centro mantém um importante movimento comercial. O crescimento do comércio implicou uma série de mudanças nas cidades. Não apenas o número de pessoas aumentou, como também questões de higiene e saúde pública sofreram alterações. Outro campo que teve mudanças foi o das profissões. Com o desenvolvimento do comércio, cresceu a importância de profissões como a de banqueiros, que guardavam dinheiro e financiavam os negócios; e a de cambistas, que trocavam as moedas estrangeiras pelas moedas locais. 23

25 Estudando o documento O texto abaixo retrata alguns problemas enfrentados nas cidades medievais e nos permite conhecer um pouco do cotidiano das pessoas daquelas cidades. As calamidades públicas nas cidades medievais Os perigos da água e do fogo, da doença e da fome acometiam o homem até na sua própria casa. [...] Nas cidades da França, da Inglaterra, da Alemanha, por toda parte, o incêndio, favorecido por materiais de construção inflamáveis, pela aglomeração das casas e pela mediocridade dos meios de defesa devastava quarteirões inteiros. Onde o tijolo tendia a substituir a madeira e a argamassa era feita de barro e palha, os incêndios eram menos frequentes. E mesmo numa cidade inteiramente de madeira, se as coberturas das casas fossem de telhas e ardósias, os incêndios faziam-se mais raros. Mas o pior dos flagelos, tanto por sua extensão geográfica como por seus efeitos, eram as epidemias. Nem a higiene, nem a medicina, com seus incertos progressos, eram capazes, sobretudo em período de guerra, de limitar os seus malefícios ou de livrar as multidões da perseguição da mortalidade. [...] Faltava luz às casas; na ausência de vidraças, que eram um luxo mesmo nas cidades, usava-se o papel oleoso. Amiúde, as casas rurais recebiam a luz do dia apenas pela porta. Na cidade, os artesãos precisavam trabalhar perto da rua, mesmo obscurecida pelas saliências em forma de sacada. As pessoas lavavam-se relativamente bem, mas isso não impedia que as casas de madeira alojassem, além de moradores humanos, ratos, temíveis propagadores da peste, e numerosas pulgas. Adaptado de: Édouard Perroy (Org.). A Idade Média: os tempos difíceis. São Paulo: Difel,

26 1. Leia com atenção o texto e anote as palavras que você não conhece. Procure o significado delas no dicionário. OP: algumas palavras podem causar dúvida aos alunos. São elas: - Malefícios: efeitos nocivos; prejudiciais; danosos. - Amiúde: com frequência; repetidas vezes; a miúdo. - Peste: grave doença contagiosa. - Acometiam: afetavam. - Inflamáveis: que pegavam fogo; que se convertem em chamas. - Mediocridade: insuficiência de qualidade. 2. Reflita e responda de acordo com o texto. a ) Por que existiam tantos incêndios nessas cidades? Porque os materiais de construção eram inflamáveis. b ) Por que as doenças se espalhavam com tanta facilidade? OP: espera-se que os alunos reflitam que a pouca luz e a ausência de ventilação contribuíam para a proliferação de doenças. RESPONDA NO CADERNO A cidade medieval possuía características marcantes, como as muralhas, a igreja, a praça central, as feiras, as ruas estreitas. 1. Depois de ler com atenção o texto deste capítulo e observar as imagens, faça uma comparação com o centro de uma cidade que você conhece ou na qual reside. a ) Primeiramente, organize as informações sobre a sua cidade: Descreva em seu caderno como estão distribuídos as principais construções e as ruas ao redor do centro. Anote se existe uma praça ou parque de grande movimento. Registre outros detalhes que você compreende ser importantes. b ) Com essas informações, escreva um texto comparando a sua cidade às cidades descritas no texto do capítulo. O que elas têm em comum? O que é muito diferente? 2. Ilustre o seu texto com um desenho. Respostas pessoais. 3. Converse com seus colegas sobre quais foram as principais diferenças que você percebeu entre o centro das cidades medievais na Europa e a cidade que você descreveu no seu caderno. 25

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram

Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram GPS Os aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) se tornaram ferramentas importantes para nos localizarmos com mais facilidade. Agora imagine que você pudesse ter um GPS que, além de lhe fornecer

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( x ) Fundamental ( ) Médio SÉRIE: _5ª_ TURMA: TURNO: DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSOR(A): Equipe de História Roteiro e Lista de recuperação

Leia mais

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas

Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Povos americanos: Maias, Incas e Astecas Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita dos maias, México.

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 6º Ano 1º/2º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Fernanda Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

MUDANÇAS NO FEUDALISMO. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MUDANÇAS NO FEUDALISMO A partir do século XI Expansão das áreas de cultivo, as inovações técnicas.

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. rei burguesia senhor feudal leis centralização política moeda feudos 2.

Leia mais

COLÉGIO SANTO ANDRÉ. EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA 6º Ano - 1º TRIMESTRE. PROFª Ms ROSANE T. PETRORÓSSI DE FIGUEIREDO

COLÉGIO SANTO ANDRÉ. EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA 6º Ano - 1º TRIMESTRE. PROFª Ms ROSANE T. PETRORÓSSI DE FIGUEIREDO COLÉGIO SANTO ANDRÉ EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA 6º Ano - 1º TRIMESTRE PROFª Ms ROSANE T. PETRORÓSSI DE FIGUEIREDO REFLITA A PARTIR DE ESTUDOS EM SALA DE AULA E TAREFAS DIRIGIDAS E RESPONDA ÀS SEGUINTES QUESTÕES

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 LISTA DE EXERCÍCIOS 01 01 - (Unicamp 2014) Desde o período neolítico, os povos de distintas partes do mundo desenvolveram sistemas agrários próprios aproveitando as condições naturais de seus habitats

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA Agenda O Império Romano; Engenharia moderna x Engenharia antiga; Os marcos da Engenharia moderna; Grandes mudanças na Idade Média O Renascimento A Reforma Protestante As descobertas A América Pré-Colombiana

Leia mais

PROVA DE HISTÓRIA 2 o TRIMESTRE 2012

PROVA DE HISTÓRIA 2 o TRIMESTRE 2012 PROVA DE HISTÓRIA 2 o TRIMESTRE 2012 PROFa. FLÁVIA N ME N o 6 o ANO Nos anos 80 quando esta professora tinha a sua idade! passava na televisão um seriado chamado Viajantes do Tempo. A ideia do seriado

Leia mais

Recuperação - 1ª Etapa Ensino Fundamental II

Recuperação - 1ª Etapa Ensino Fundamental II 1 HISTÓRIA 6º ANO ENS. FUNDAMENTAL II PROFESSOR (A): SEBASTIÃO ABICEU NOME: Nº QUESTÃO 01: O que a História estuda? Responda com suas palavras. QUESTÃO 02: O que são fontes históricas? QUESTÃO 03: Dê exemplos

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL

Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Povos americanos: Primeiros habitantes da América do SUL Nicho Policrômico. Toca do Boqueirão da Pedra Fiurada. Serra da Capivara Piauí- Brasil Ruínas as cidade inca Machu Picchu - Peru Código de escrita

Leia mais

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências Humanas baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS HUMANAS Elementary School 2 K5 Conteúdos Gerais Conteúdos Específicos Habilidades

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto e responda. No século XV, quando se iniciaram as navegações oceânicas, o rei de Portugal já tinha poder inquestionável,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril

DATAS COMEMORATIVAS. CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril CHEGADA DOS PORTUGUESES AO BRASIL 22 de abril Descobrimento do Brasil. Pintura de Aurélio de Figueiredo. Em 1500, há mais de 500 anos, Pedro Álvares Cabral e cerca de 1.500 outros portugueses chegaram

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos.

Consulte sempre o site www.museudaimigracao.org.br e acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos. 15 O Boletim do Museu da Imigração chega à sua décima quinta edição. Junto com a proposta de manter as comunidades e o público geral informados sobre o processo de restauro das edificações e reformulação

Leia mais

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José AS GRANDE NAVEGAÇÕES Professora de História Maria José O desconhecido dá medo:os navegantes temiam ser devorados por monstros marinhos MAR TENEBROSO O COMÉRCIO COM O ORIENTE No século XV, os comerciantes

Leia mais

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar

Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar A U A U L L A Terra à vista! Nesta aula, utilizaremos os mapas para situar o lugar em que vivemos na superfície da Terra. Vamos verificar que os lugares são agrupados em grandes conjuntos chamados de continentes,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Casa Publicadora Brasileira Editora dos Adventistas do Sétimo Dia

Casa Publicadora Brasileira Editora dos Adventistas do Sétimo Dia TE QUERO VERDE Autoria: Ieda Martins de Oliveira Editora: Casa Publicadora Brasileira Turmas: 3º ao 7º ano Temas: Arte, Geografia, História, Ciências, Língua Portuguesa, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural,

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e ,, 3, Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita.

A PRÉ-HISTÓRIA. Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. A PRÉ-HISTÓRIA Período que vai do aparecimento dos seres humanos à invenção da escrita. PERÍODO PALEOLÍTICO OU IDADE DA PEDRA LASCADA No começo de sua trajetória, o homem usou sobretudo a pedra (além do

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e ,, 2, Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de

Leia mais

ASSEMBLÉIA DE DEUS MADUREIRA

ASSEMBLÉIA DE DEUS MADUREIRA ASSEMBLÉIA DE DEUS MADUREIRA GEOGRAFIA Aula 1 Pr. Erivelton Rodrigues Nunes Através da Geografia Bíblica... Podemos localizar os relatos no espaço e no tempo Compreender as regiões nas quais ocorreram

Leia mais

Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje.

Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje. 1. TEMA: Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje. 2. SÉRIE: 1º Ciclo 2ª série. 3. BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS: História: História Local e do Cotidiano. Geografia: O lugar e a Paisagem 4. AUTOR / EMAIL Evelin

Leia mais

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA

Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: HISTÓRIA Professora: ALESSANDRA PRADA Série: 1ª Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Capítulo 3 A Mesopotâmia

Capítulo 3 A Mesopotâmia Capítulo 3 A Mesopotâmia Conceitos: sociedade, Estado, trabalho, desigualdade social, urbanização, escravidão, politeísmo e patriarcalismo. Professora: Marcela Guerra Durante o Neolítico: Agricultura e

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

A capa é a parte que apresenta o trabalho e antecede as demais. Ela deve conter:

A capa é a parte que apresenta o trabalho e antecede as demais. Ela deve conter: 1 1 CAPA DO TRABALHO A capa é a parte que apresenta o trabalho e antecede as demais. Ela deve conter: Nome do colégio, de preferência com a logomarca; Nome do aluno; Título do trabalho; Local e ano. Para

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA

OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA NOME OS MEMBROS DA MINHA FAMÍLIA ESTABELEÇO RELAÇÕES DE PARENTESCO : avós, pais, irmãos, tios, sobrinhos Quem pertence à nossa família? Observa as seguintes imagens. Como podes observar, nas imagens estão

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

ENTRELAÇAMENTO DO CURRÍCULO DE CONHECIMENTOS

ENTRELAÇAMENTO DO CURRÍCULO DE CONHECIMENTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULÍNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ENTRELAÇAMENTO DO CURRÍCULO DE CONHECIMENTOS O foco do trabalho com conhecimentos o é o aluno entender a sociedade em que vive. Assim,

Leia mais

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO

MÓDULO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA História 6º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II MÓDULO DE RECUPERAÇÃO ALUNO(A) Nº TURMA TURNO Manhã 1º SEMESTRE DATA / / 1) A função da História é investigar os fatos ocorridos, levando em consideração

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2

Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2014 Disciplina: História Professor (a): Rodrigo Ano: 6 Turma:6.1 e 6.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano

História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / 6ºhis302r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 2º trimestre. Como base neles você deverá iniciar seus

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA A IMPORTÂNCIA DAS VIAGENS NA NOSSA VIDA PARA SABERMOS VER MELHOR A VIDA PERCEBERMOS O NOSSO PAPEL NO MUNDO PARA ENTENDERMOS O PRESENTE PARA SABERMOS COMO CHEGAMOS ATÉ AQUI VINDOS

Leia mais

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO ANA MARIA MAGALHÃES ISABEL ALÇADA [ ILUSTRAÇÕES DE CARLOS MARQUES ] O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO COLEÇÃO SEGUROS E CIDADANIA SUGESTÃO PARA LEITURA ORIENTADA E EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Geografia Nome: Ano: 2º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências Humanas Disciplina:

Leia mais

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores!

REGISTRE SEUS DADOS ESCOLA: ALUNO: Prezados alunos e professores! 1 Prezados alunos e professores! O livro Somos os Senhores do Planeta é fruto de um trabalho didático que tem por objetivo reunir em uma única publicação temas sobre o meio ambiente, são textos de fácil

Leia mais

Introdução. Localização

Introdução. Localização Introdução A civilização grega surgiu entre os mares Egeu, Jônico e Mediterrâneo, por volta de 2000 AC. Formou-se após a migração de tribos nómadas de origem indo-europeia, como, por exemplo, aqueus, jônios,

Leia mais

A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ

A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ A BÍBLIA, A ARQUEOLOGIA E A HISTÓRIA DE ISRAEL E JUDÁ Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Kaefer, José Ademar A Bíblia, a arqueologia e a história

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - História - 2º Bimestre

Colégio SOTER - Caderno de Atividades - 6º Ano - História - 2º Bimestre Capítulo 5 1) O que se entende por Crescente Fértil? E quais regiões correspondiam? 2) Qual a importância dos rios para a história da humanidade? 3) Leia as afirmações abaixo: I Civilização é o estágio

Leia mais

Colégio Visconde de Porto Seguro

Colégio Visconde de Porto Seguro Colégio Visconde de Porto Seguro Unidade I 2011 AULA 1 Ensino Fundamental e Ensino Médio Atividade de Recuperação Contínua Nome do (a) Aluno (a): Atividade de Recuperação Contínua de Ciências Nível I Classe:

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

Sumário A GENTE A GENTE QUE VEIO DA METRÓPOLE... 39 PELO GELO... 8 A GENTE QUE VEIO PELO MAR... 13 A GENTE QUE VEIO DA ÁFRICA...

Sumário A GENTE A GENTE QUE VEIO DA METRÓPOLE... 39 PELO GELO... 8 A GENTE QUE VEIO PELO MAR... 13 A GENTE QUE VEIO DA ÁFRICA... Sumário QUE VEIO PELO GELO... 8 Chegando até aqui... 10 Navegando no tempo O império inca... 12 O que você aprendeu... 12 QUE VEIO PELO MAR... 13 Chegam novos povoadores... 14 Na América... 15 Navegando

Leia mais

Prova bimestral 5 o ANO 4 o BIMESTRE

Prova bimestral 5 o ANO 4 o BIMESTRE Prova bimestral 5 o ANO 4 o BIMESTRE GEOGRAFIA Escola: Nome: Data: / / Turma: 1. Leia o texto. As pessoas se alimentam, se vestem, moram, se comunicam, se divertem, por meio de bens e serviços mundiais,

Leia mais

4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange

4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS 1ª etapa Professoras Regentes: Alessandra / Ana Paula / Solange LÍNGUA PORTUGUESA Leitura: Meu nome não é esse (Notícia); Pesquisa de opinião (entrevista); Aprofundamento

Leia mais

EXPANSÃO MARÍTIMA ESPANHOLA PORTUGAL - 1415 ESPANHA - 1492 POR QUÊ A ESPANHA DEMOROU PARA INICIAR A EXPANSÃO MARÍTIMA?

EXPANSÃO MARÍTIMA ESPANHOLA PORTUGAL - 1415 ESPANHA - 1492 POR QUÊ A ESPANHA DEMOROU PARA INICIAR A EXPANSÃO MARÍTIMA? EXPANSÃO MARÍTIMA ESPANHOLA PORTUGAL - 1415 ESPANHA - 1492 POR QUÊ A ESPANHA DEMOROU PARA INICIAR A EXPANSÃO MARÍTIMA? O ATRASO DA ESPANHA EM RELAÇÃO À PORTUGAL SE EXPLICA PELO FATO DE QUE A ESPANHA ESTAVA

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

CURSO DE HISTÓRIA ANTIGA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG CURSO DE HISTÓRIA ANTIGA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS PRÉ-COLOMBIANOS ASTECAS MAIAS INCAS Principais fontes para estudo dos povos americanos: 1º Fontes

Leia mais

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre

Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Disciplina:História Professora: Andréa Alexandre Montanhas e costas marítimas; Mar Mediterrâneo, Mar Egeo e Mar Jônico. Costa bastante recortada com 80% de montanhas; Grande numero de Ilhas; Formação

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO/GERÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA

DIRETORIA DE ENSINO/GERÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DIRETORIA DE ENSINO/GERÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA Autores: Ana Cláudia Cerini Trevisan Leandro Henrique Magalhães Ilustrações: Sassá MATERIAL INTERDISCIPLINAR ELABORADO PELAS ASSESSORAS DA EQUIPE DE

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

SÉRIE 10: Cenários. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Coliseu construído entre 70 e 80 a.c. Roma, Itália.

SÉRIE 10: Cenários. para olhar. pensar, imaginar... e fazer. Coliseu construído entre 70 e 80 a.c. Roma, Itália. Esta ficha é parte integrante dos materiais de Arteteca:lendo imagens, do Programa Endesa Brasil de Educação e Cultura (PRONAC 09-7945). 41 para olhar pensar, imaginar... e fazer The Bridgeman Art Library

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 8ºANO Manhã e Tarde Professores: Mário e Walker GEOGRAFIA OBJETIVOS: MATERIAL DE TRABALHO E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ESTUDO:

ESTUDO DIRIGIDO 8ºANO Manhã e Tarde Professores: Mário e Walker GEOGRAFIA OBJETIVOS: MATERIAL DE TRABALHO E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O ESTUDO: ESTUDO DIRIGIDO 8ºANO Manhã e Tarde Professores: Mário e Walker GEOGRAFIA Caro estudante, Este trabalho visa facilitar o processo de aprendizagem trabalhado em sala de aula durante o primeiro semestre

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

Rios que voam. Yana Marull

Rios que voam. Yana Marull Rios que voam Yana Marull Yana Marull Drews Yana é jornalista, vive com a família em Brasília e já morou em outros países que também fazem parte da Bacia Amazônica. Ela adora escrever matérias sobre o

Leia mais

Prova bimestral 3o ANO 2o BIMESTRE

Prova bimestral 3o ANO 2o BIMESTRE rova bimestral 3o 2o Ó scola: ata: ome: / / urma: mportância dos grandes rios no desenvolvimento da sociedade oi nas margens de grandes e importantes rios que as civilizações sedentárias começaram a surgir,

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: HISTÓRIA Período: Anual Professor: INÊS PEREIRA Série e segmento: 1º ENSINO MÉDIO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE Respeitar e entender a importância do patrimônio

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA ANO: 7º ºAno PROFESSORA: Nicheli

Leia mais

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza

O MUNDO MEDIEVAL. Prof a. Maria Fernanda Scelza O MUNDO MEDIEVAL Prof a. Maria Fernanda Scelza Antecedentes Crises políticas no Império Romano desgaste; Colapso do sistema escravista; Problemas econômicos: aumento de impostos, inflação, descontentamento;

Leia mais

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO

O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO CIVILIZAÇÃO EGÍPCIA PARA O HISTORIADOR GREGO HERÓDOTO: O EGITO É UMA DÁDIVA DO NILO DÁDIVA = PRESENTE SIGNIFICADO = Sem as cheias do Nilo, o Egito seria um grande deserto PARA O HISTORIADOR FRANCÊS JEAN

Leia mais

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil I TRODUÇÃO Vivemos um tempo muito importante e é nossa responsabilidade preservar a Terra. Todos os povos e todas as culturas do mundo formam uma única e grande família.

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e

Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e 1 Nós, da GWA, estamos contentes por esta cartilha ter chegado às suas mãos. Por meio dela, conversaremos com você sobre assuntos muito importantes e muito atuais. Em primeiro lugar, gostaríamos de dizer

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

OS PRIMEIROS POVOADORES DA TERRA

OS PRIMEIROS POVOADORES DA TERRA OS PRIMEIROS POVOADORES DA TERRA Criacionismo: modelo de explicação para a origem de tudo que existe no universo. Seus defensores, acreditam que a vida e todas as coisas existentes foram criadas por um

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

Morar no exterior relato de uma imigrante

Morar no exterior relato de uma imigrante Morar no exterior relato de uma imigrante Ms. Josiane Vill - UFSC josivill@hotmail.com A opção de morar no exterior... Morar no exterior nunca esteve presente nos meus objetivos de vida, nem mesmo em meus

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 2.º ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 2.º ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC Minas E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE ESTUDO I ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 2.º ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente.

O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente. EXERCÍCIOS DE REVISÃO COM RESPOSTAS PARA O EXAME FINAL HISTÓRIA 5ª SÉRIE O que é História? A história é uma ciência que investiga o passado para poder compreender melhor o presente. Existem muitas fontes

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por

Pão, pão, pão. Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman. escrito por. ilustrado por elaboração: Tatiana Pita Mestre em Educação pela PUC (SP) Pão, pão, pão escrito por ilustrado por Estêvão Marques, Marina Pittier e Fê Sztok Ionit Zilberman 2 O encanto e as descobertas que o livro nos

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO

Lista de Recuperação de Arte 6º ANO 1 Nome: nº Data: / /2012 ano bimestre Profa.: Denise Lista de Recuperação de Arte 6º ANO Nota: 1) A arte fez parte da vida do homem desde a pré-história ( período anterior ao surgimento da escrita ) que

Leia mais

5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a)

5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a) 5º Ano O amor é paciente. (I Coríntios 13:4 a) Roteiro Semanal de Atividades de Casa (06 a 10 de Maio 013) Desafio! 1) Agora, temos um desafio com formas geométricas. Observe. ) Complete a sequência seguindo

Leia mais