A ENFERMAGEM NA SAÚDE DO IDOSO NA ATUALIDADE THE HEALTH OF THE ELDERLY IN NURSING TODAY

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ENFERMAGEM NA SAÚDE DO IDOSO NA ATUALIDADE THE HEALTH OF THE ELDERLY IN NURSING TODAY"

Transcrição

1 14 Interbio v.8 n.2, Jul-Dez, ISSN A ENFERMAGEM NA SAÚDE DO IDOSO NA ATUALIDADE THE HEALTH OF THE ELDERLY IN NURSING TODAY ROCHA, Bruna Camila 1 ; PEREIRA, Thaís Josgrilberg 2 Resumo Devido ao constante aumento de idosos e a inversão da pirâmide populacional surge a necessidade de saber cada vez mais como proceder frente a esse público, oferecendo uma melhor qualidade de vida. Se tratando da saúde do idoso a enfermagem tem se mostrado apta e crescendo em seu conhecimento para atender as demandas dessa faixa etária. O objetivo dessa pesquisa foi descrever a atuação do enfermeiro frente à saúde do idoso, nas diversas realidades, na atualidade através de um estudo descritivo fazendo uso da pesquisa bibliográfica em que 38 artigos do ano de 1999 a 2013 foram analisados em seu conteúdo e utilizados na extração de informações essenciais. A pesquisa evidencia o reconhecimento do enfermeiro frente à saúde do idoso, pois esses profissionais têm se mostrado cada vez mais dedicados e capacitados a oferecer uma assistência qualificada. Palavras-chaves: idoso, enfermagem, saúde do idoso. Abstract Due to constant increase of elderly and the inversion of the population pyramid surge the need to know more and more how to proceed in this public, offering better quality of life. With respect to elderly health, nursing has been shown able and growing in your knowledge, to attend the demands of this age group. The aim of this study was to describe nurses' actions towards the health of the elderly, in various realities, nowadays through a descriptive study made use of literature search, in that 38 articles were analyzed of the year , they were used in extraction of essential information. The research highlights the nurses recognition in the health of the elderly. These professionals have become increasingly more dedicated and empowered to offer a qualified assistance. Keywords: elderly, nursing, health of the elderly. 1 Discente do curso de Enfermagem do Centro Universitário da Grande Dourados UNIGRAN, Dourados/MS. 2 Docente do curso de Enfermagem do Centro Universitário da Grande Dourados- UNIGRAN, Dourados/ MS.

2 15 Introdução O processo de envelhecimento traz muitas mudanças e afeta o indivíduo de forma significante no seu convívio perante a sociedade, podendo trazer danos a sua vida social e psicológica. A sociedade muitas vezes exclui a ideia de que a pessoa idosa pode compartilhar muitas experiências e ajudar de várias formas, afinal ela já viveu muitas situações. O idoso precisa de atenção, compreensão e cuidado. Por muitos, o idoso é visto como um ser incapaz de realizar atividades normalmente feitas pela sociedade jovem, acarretando ao preconceito. De acordo com a Organização Mundial de Saúde o Brasil está envelhecendo. Projeções apontam que em 2025 o Brasil será o sexto país com maior número de idosos no mundo. Com isso temos a inversão da pirâmide populacional trazendo profundas transformações em relação à estrutura sócio-econômicopolítico-cultural na sociedade. Isso reflete diretamente no setor saúde, que irá carecer de auxílio e suporte de profissionais especializados (SAKANO; YOSHITOME, 2006). O rápido processo de envelhecimento da população no Brasil vem ganhando destaque, principalmente no que se refere as suas implicações sociais e em termos de saúde pública. Entre os anos de 1980 e 2000 houve um aumento da população total de 56%, sendo assim estima-se um crescimento da população idosa brasileira de mais de 100%. A faixa etária com 60 anos ou mais aumentará de 5% da população total, em 1960, para 14% em 2025 (FILHO; RAMOS, 1999). Se tratando de atenção à saúde da pessoa idosa, o alvo principal é promover a manutenção de um bom estado de saúde, para que essa pessoa alcance um máximo de vida ativa dentro do ambiente em que está inclusa, junto com sua família, sendo autônoma e apresentando independência social, física e psíquica (SANTOS et al., 2008). O cuidado gerontológico de enfermagem não é submetido apenas à cura, deve ser realizado valorizando o tratamento com as pessoas, o cuidado digno, interagindo e compartilhando para atingir o bem viver. Isto requer dos profissionais o impulso à compreensão abrangente com a definição das atuações e limitações da própria profissão, de maneira a oferecer não apenas o profissional e o cuidar, mas todo o contexto envolvido no processo (HAMMERSCHMIDT et al., 2007). Como vimos nos dados epidemiológicos, à população idosa vem aumentando e com isso a demanda de profissionais qualificados para o atendimento e suprimento das necessidades desse público. O enfermeiro tem um papel de destaque em meio a esses profissionais, com uma amplitude de ações que os cabem desenvolver visando a melhoria da qualidade de vida, a autonomia e independência desse público. O objetivo da presente pesquisa foi descrever a atuação do enfermeiro frente à saúde do idoso na atualidade. REVISÃO DE LITERATURA Envelhecer e o Idoso Para prestar uma assistência de qualidade a este grupo etário, é necessário que a enfermagem tenha conhecimento sobre senescência e senilidade e também sobre o histórico familiar e social do idoso, sabendo respeitar seus limites e enfatizar a capacidade para o autocuidado. Senescência é o conjunto de alterações funcionais, orgânicas e psicológicas, que resultam do processo de envelhecimento normal e a senilidade são as alterações resultantes de alguma afecção que acomete o idoso (SILVA, 2009). Envelhecer é um processo natural que compreende uma fase da vida do indivíduo em que acontecem muitas mudanças psicológicas, físicas e sociais que

3 16 atinge de maneira particular cada pessoa com sobrevida prolongada. É uma etapa, em que considerando sobre a própria existência, o idoso conclui que atingiu muitos objetivos, mas que também sofreu várias perdas, sendo a saúde destacada como um dos aspectos mais afetados (MENDES et al., 2005). Estima-se que em 2025 irá existir 1.2 bilhões de pessoas maiores de 60 anos, tornando o envelhecimento populacional um fenômeno de escala mundial. Os idosos com 80 anos ou mais formam o grupo etário que mais cresce e a maioria destes, em média 75%, vivem nos países desenvolvidos (SOUSA et al., 2003 apud OMS, 2001). A questão da longevidade e do envelhecimento já estava presente na história remota, como o buscar da fórmula da juventude eterna, ligada a plena felicidade e como a contínua preocupação do homem em todos os tempos. Essa questão vem trazendo um interesse social e científico maior, devido ao envelhecimento populacional que não para e vem ocorrendo mundialmente, inclusive no Brasil (ARAÚJO et al., 2006). No século XX, houve grande crescimento e avanço para a ciência que estuda o envelhecimento, aumentando o interesse em estudar, pesquisar e aprender esse processo. O crescimento do número de idosos no mundo resultou numa pressão passiva sobre o desenvolver nesse campo (TRENTINI, 2004). Para a abordagem de diversos contornos sobre o processo de envelhecimento faz-se necessário à participação de diversas disciplinas, tornando tal processo bastante complexo. Refere-se a um fenômeno que traz características diversas relacionado a cultura, ao tempo e o ao espaço e a travessa dos caminhos da vida social, cultural e individual. Assim, o envelhecer ultrapassa as mudanças biopsicossociais, com suas especificidades definidas pela cultura, posição de classe social, condições sócio econômicas e sanitárias do ser humano ou da comunidade (MOREIRA; NOGUEIRA, 2008). Mesmo existindo vários termos para chamar essa fase da vida, é necessário lembrar que a velhice é uma etapa de desenvoltura humana tão importante quanto às demais, merecendo muita dedicação e atenção da família, da sociedade, dos estudiosos sobre o assunto e também do Estado, por meio de planejamento e operacionalização das políticas públicas aos idosos (ARAÚJO et al., 2006). Em uma pesquisa feita por Moreira e Nogueira (2008, p.70) com quinze sujeitos colaboradores tendo como objetivo a busca da compreensão da experiência subjetiva no processo de envelhecimento, compreendido em sua mútua constituição com a realidade sócio cultural, um dos participantes afirmou: Envelhecer, pra mim, é viver um dia após o outro e aproveitar bastante o momento, eu não penso isso. Eu vivo o meu momento, eu vivo o meu presente... Eu não penso no amanhã, que é pra não criar mais ruga ainda. Juro como eu não penso. Eu nunca paro pra pensar nisso, eu vivo o dia de hoje. Idoso é um indivíduo com sessenta anos ou mais segundo a Política Nacional do Idoso (PNI), Lei nº 8.842, de 4 de janeiro de 1994, e o Estatuto do Idoso, Lei nº10.741, de outubro de Já a Organização Mundial da Saúde (2002) conceitua o idoso a partir da idade cronológica, sendo assim, a pessoa idosa é aquela com sessenta anos ou mais em países em desenvolvimento e com sessenta e cinco anos ou mais em países desenvolvidos (BRASIL, 2005). A pessoa idosa é um ser de relações que está constantemente em construção no conhecimento e no seu saber adquirido durante seu trajeto. Revela-se dinâmico, se identificando e cada vez mais e tendo seu espaço na sociedade como conquista (FRUMI; CELICH, 2006). O idoso apresenta condições específicas que o deixa mais vulnerável a perdas funcionais e emocionais, econômicas e sociais, estando predisposto a baixa autoestima, a presença de várias doenças, a depressão, a incapacidade para realizar determinadas atividades e a pobreza, o que

4 17 interfere na qualidade de vida. Isso aumenta a preocupação com essa parcela da população (MARIN et al., 2008). O que está em jogo diante da pessoa idosa é a capacidade de executar seus desígnios próprios, ou seja, sua autonomia. Qualquer pessoa idosa capaz de administrar sua própria vida e decidir onde, quando e como realizar suas atividades de lazer, de convivência social e de trabalho é considerado um indivíduo saudável (RAMOS, 2003). Quando o idoso aceita que envelhecer é um processo natural da vida do homem como de qualquer outro ser vivo, ele passa a adquirir melhor consciência do que está vivenciando. O idoso vai adaptar-se melhor a essa fase de vida quando seu espírito se encontra saudável e otimista, assim reconhecendo a velhice como uma fase de experiências acumuladas, de liberdade e maturidade para se assumirem, se libertarem de certas responsabilidades (FRUMI; CELICH, 2006). Em 24 de setembro de 2003 foi aprovado o Estatuto do idoso pelo congresso Nacional, logo após, no dia 01 de outubro foi sancionado pelo Presidente da República. Contém 118 artigos que regulamentam os direitos dos indivíduos com sessenta anos ou mais e define as medidas de proteção. Classifica crimes contra pessoas idosas definindo as punições, proíbe a discriminação em planos de saúde, determina o suprimento gratuito de medicações pelo poder público, afirma 50% de desconto nas atividades de lazer e culturais e o transporte público gratuito. Determina como crime o discriminar do idoso, bem como a apropriação ou o desvio de bens, pensão, proventos ou qualquer outra forma de rendimento do idoso (JUNGES, 2004). Sociedade Os idosos constituem a fração que mais aumenta na população brasileira. Entre os anos de 1991 e 2000, o número de habitantes com 60-69, e 80+ cresceram 28, 42 e 62% respectivamente, revelando o crescimento de duas a quatro vezes mais do que o restante da população brasileira que fica com os outros 14% (COSTA; BARRETO, 2003). O idoso tem grande importância, como papel social, no significado do processo de envelhecimento, pois o mesmo é dependente da maneira de vida que os indivíduos tenham levado, assim como das condições que se encontram atualmente (MENDES et al., 2005). Os diversos problemas que atingem os idosos requerem urgentes respostas em múltiplas áreas. É dever das políticas públicas a garantia dos direitos fundamentais a renda, habitação, alimentação e também ações que sejam voltas às necessidades da população idosa, como assistência que seja especializada a saúde, centros de convivência, serviços de apoio domiciliar ao indivíduo idoso, universidades da terceira idade, programas de medicamentos, etc (VERAS; CALDAS, 2004). A sociedade a todo o momento sofre muitas modificações. A tecnologia avança, os meios de comunicação bombardeiam com dados e fatos, a vida é cada dia mais agitada e corrida, o tempo diminui e as condições econômicas ficam mais difíceis, principalmente à medida que o ser humano vive mais. Isso requer uma capacidade de se adaptar que nem sempre o idoso apresenta, fazendo com que esses indivíduos enfrentem vários problemas sociais (MENDES et al., 2005). Os idosos querem e podem continuar independentes e ativos por quanto tempo for possível, se o adequado apoio lhes for oferecido. O indivíduo idoso está sob risco não apenas porque envelheceu, mas em virtude do envelhecimento torná-lo em significativa medida mais vulnerável à incapacidade, resultado de condições adversas do meio social, físico e de questões afetivas. Assim sendo, o adequado apoio faz-se necessário e indispensável, tanto para o idoso, quanto para os que os cuidam (VERAS; CALDAS, 2004).

5 18 Analisando o idoso no trabalho, mesmo que de maneira informal, é notar que ele continua ocupando seu espaço no mercado de trabalho. Estudos vêm apontando o crescimento da população idosa trabalhadora. Deixando de 4,5% da população economicamente ativa brasileira em 1977 para o dobro vinte anos depois, com perspectiva de representação nos próximos seis anos 13% dos trabalhadores (D ALENCAR; CAMPOS, 2006). Com a necessidade da criação de condições que tornem real o objetivo indispensável de obter ganhos de saúde, nomeadamente em anos de vida com independência e melhoria das práticas profissionais na área de envelhecimento, o Ministério da Saúde aprovou o Programa Nacional para a Saúde das Pessoas Idosas, o qual é integrante do Plano Nacional de Saúde e visa à manutenção da independência, qualidade de vida, autonomia e recuperação global dos idosos, principalmente em seu meio habitual de vida. Isso demanda dos serviços de saúde uma ação multidisciplinar, em articulação com a Rede de Cuidados Continuados de Saúde criada pela Lei nº. 281/2003 de 8 de Novembro (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2004) Qualidade de Vida Historicamente, os aspectos básicos para se determinar a qualidade de vida eram apenas os materiais. Todavia, com o passar do tempo, aconteceu um avanço nesse conceito, considerando a realização e satisfação pessoal, opções de lazer, relacionamentos com qualidade, percepção de bem estar de modo geral e acesso a eventos culturais (BRUM et al., 2012). Hoje, a necessidade de ter uma vida saudável é chamada qualidade de vida, fazendo parte de uma filosofia de um viver alternativo almejando constantemente a melhoria de vida do indivíduo. Trata-se de um bem viver que vai recompensar quatro áreas no mínimo: profissional, social, afetiva e saúde (SOUZA, 2012). Até então, o termo qualidade de vida não tem uma definição consensual, sendo um assunto, na literatura, de grande discussão. Contudo, para a OMS, o termo faz referência à percepção do ser humano sobre sua condição de vida, incluso na sua cultura e nos seus sistemas de valores, em relação aos seus ideais, expectativas e padrões sociais (SALMELA et al., 2005). Qualidade de vida é um conceito pessoal de cada sujeito, mesmo com o consentimento de que vários itens a formam, sendo essa harmonia aliada a variáveis como longevidade, satisfação no trabalho, estado de saúde, lazer, salário, disposição, relação com a família, prazer e até mesmo a espiritualidade (BRUM et al., 2012). Na velhice, a qualidade de vida está ligada a questões de autonomia e independência. A dependência do idoso é resultado das mudanças biológicas e alterações nas exigências sociais. O bem estar da pessoa idosa é o efeito do equilíbrio entre várias dimensões, tendo em mente que é possível que muitos o atinjam, com ou sem a presença de enfermidades (PEREIRA et al., 2006). A preocupação com a qualidade de vida do idoso obteve uma maior importância nos últimos 30 anos. Isso porque o número de idosos cresceu bastante e a expansão da longevidade também, que começou a ser compartilhada por um número maior de pessoas vivendo em diversas sociedades. Além de tudo, os pesquisadores se viram mais sensibilizados para o estudo científico sobre o assunto, refletindo no aumento de publicações (TRENTINI, 2004). Materiais e Métodos Trata-se de um estudo bibliográfico de caráter descritivo fazendo o uso do método de revisão de literatura, onde a pesquisa bibliográfica é uma etapa fundamental no trabalho científico, pois influenciará todas as etapas de uma pesquisa, na medida do embasamento teórico em que se norteará o trabalho constituído em levantamento, seleção,

6 19 fichamento e arquivamento de informações relacionadas à pesquisa (AMARAL, 2007). A pesquisa fundamentou-se em informações presentes nos artigos científicos buscados na biblioteca do Centro Universitário da Grande Dourados Unigran, e artigos disponíveis para acesso via Internet, nas bases de dados da LILACS (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde), SCIELO (Scientific electronic Library Online), Google Acadêmico, selecionados dos anos 1999 a 2013, com as palavras-chaves: idoso, enfermagem, saúde do idoso. Foram selecionados 38 artigos por corresponderem aos objetivos do presente estudo. Com a leitura dos artigos e observação foram selecionados aqueles que abordavam diferentes atuações do enfermeiro. Após a seleção, foi feito à análise do seu conteúdo e extração das informações essenciais. Discussão O ponto a ser discutido faz referência entre a enfermagem e a saúde do idoso, relatando a interação entre a profissão, com suas possíveis atuações, e essa faixa etária, ressaltando a importância da saúde do idoso e a busca de profissionais capacitados a atender essa demanda. Santos et al., (2008) afirma dentro da política de saúde a importância de profissionais aptos a estarem na linha de frente do cuidado a essa população, garantindo uma assistência qualificada, pois se tratando de atenção à saúde da pessoa idosa, o alvo principal é promover a manutenção de um bom estado de saúde, para que essa pessoa alcance uma qualidade de vida satisfatória. A enfermagem interage e articula com outras áreas a comunicação de ideias até a reciprocidade na integração de conceitos formuladores de um determinado conhecimento, sendo também na organização da pesquisa e do ensino que com ela pode se relacionar (CAMACHO, 2002). Veiga e Menezes (2008) completa dizendo que a enfermagem em relação à saúde do idoso se configura em uma área de conhecimento que é essencial ao conjunto de programas de saúde a população geral, estabelecendo desafios para esses profissionais irem além da abordagem clínico-curativa, para exercer a atuação com uma postura interdisciplinar e multiprofissional. Pavarini et al., (2005), levanta que enfermagem, assim como várias outras profissões têm procurado, em maior ou menor grau, se inserir no contexto interdisciplinar da gerontologia, batendo de frente com os dilemas e desafios que isso representa no contexto brasileiro atual. Mas em contrapartida relata que o movimento ainda está abaixo do necessário. O rápido aumento em nível da faixa etária que se convencionou chamar de terceira idade, e o prognóstico concedido pela ciência, especialmente no campo de geriatria, exigem dos profissionais da saúde uma maior capacitação para atender aos idosos. Com o crescimento da população idosa aparece à necessidade de falar sobre a gerontologia e o avanço da enfermagem gerontológica, dando prioridade ao cuidado a pessoa idosa, tendo em vista o autocuidado, a independência e a vida ativa. Entretanto está apontada também a outro extrato dos idosos doentes e fragilizados, dando o suporte necessário à família cuidadora, empenhando-se junto com a comunidade e profissionais na conquista de políticas e programas que possibilitem a assistência merecida, em qualquer condição e circunstância e à conservação da dignidade da vida social (FURTADO, 2009; SANTOS, 2000). A gerontologia é uma área de conhecimento específico sobre o envelhecimento, dentre as várias disciplinas que nela atuam, encontra-se a enfermagem, que articula e interage com outras áreas o compartilhar de ideias até a integração recíproca de conceitos que formulam um conhecimento determinado, bem como o organizar da pesquisa e do ensino que com ela pode se relacionar (CAMACHO, 2002). Hammerschmidt et al. (2007), complementa que o cuidado gerontológico de enfermagem

7 20 não é submetido apenas à cura, deve ser realizado valorizando o tratamento com as pessoas, o cuidado digno, interagindo e compartilhando para atingir o bem viver. O profissional de enfermagem em seu ambiente de trabalho, seja ele um ambiente hospitalar, um ESF, um CAPS, uma entidade filantrópica, etc., exerce a relação interpessoal, exercita a relação do agir voltado para o outro, o enfermeiro é o sujeito da ação para o outro, ele planeja, elabora e implementa a assistência, o cuidar (BRUM et al., 2005). Figueiredo et al. (2008) aponta a importância desse plano de assistência afirmando que o uso da Sistematização de Assistência de Enfermagem (SAE) é uma necessidade mundial, visando à uniformização da comunicação entre profissionais e uma melhoria da qualidade da assistência oferecida, sendo possível assim facilitar, viabilizar e prestar de maneira adequada o cuidado ao idoso acamado em domicílio, por exemplo. Evidencia-se assim a importância do enfermeiro nesse meio. Segundo Santos (2006) o enfermeiro, fazendo uso de uma abordagem contextualizada e individual, ao cuidar da pessoa idosa, leva em consideração a multidimensionalidade do envelhecimento, da velhice e do idoso. Os termos qualidade de vida, humanização, individualização do cuidado e autocuidado, compõem o vocabulário dos profissionais de enfermagem gerontogeriátrica. O trabalho desse profissional se orienta para os cuidados específicos, o que exige o aumento do uso dos conhecimentos adquiridos, da criatividade e da capacidade de entender as relações que existe entre os idosos, sua família, sua comunidade e sociedade. Se tratando de trabalho do profissional, Oliveira e Tavares (2010) trazem a consulta de enfermagem com o idoso como atividade específica do enfermeiro para coleta de informações mais detalhadas, carência, necessidade de segurança, de apoio e de construir um relacionamento interpessoal. Isso demanda tempo com uma maior dedicação, ajuda, apoio, paciência e criatividade, além do enfermeiro conhecer mais sobre sua doença e medicação. Isso faz da enfermagem uma área fidedigna a oferecer ao idoso um cuidado humanizado e qualificado. Diogo (2000) nos mostra a importância da enfermagem na reabilitação geriátrica, sendo ela uma das faces da enfermagem geriátrica e gerontológica. A atuação do enfermeiro na equipe multidisciplinar centra-se no processo educativo com o idoso e seus familiares, tendo como objetivo a independência funcional, bem como a prevenção de complicações secundárias e sua adaptação juntamente com a família à nova realidade. O enfermeiro considera e respeita os diversos estágios da reabilitação em que o idoso pode se deparar. Victor et al. (2007) nessa mesma linha de pensamento mostrou através de seu estudo, que a enfermagem atua numa perspectiva de promoção de saúde podendo desenvolver ações eficazes, não apenas voltadas para condições físicas do idoso no grupo, mas também possibilitar que os mesmos construam novas maneiras de se cuidarem, no sentido de aderir hábitos saudáveis que vão refletir em seu estilo de vida. A enfermagem atua em um amplo campo relacionado à assistência ao idoso. Medeiros, Araújo e Barbosa (2008), mencionam a enfermagem na rede formal de apoio, sendo hospitais, clínicas, asilos, etc., na relação interpessoal profissional-ser cuidado e também na rede informal de apoio ao idoso, ou seja, cuidados domiciliares de familiares, de cooperativas solidárias, de organizações não governamentais, vizinhos, etc. Em todas essas redes de assistência o enfermeiro exerce funções direcionadas a atividade envolvendo o idoso, família e comunidade. O enfermeiro atuante em instituições de longa permanência para idosos é um dos trabalhadores envolvidos no contexto da multidisciplinaridade de tais instituições. O planejamento, organização, coordenação, execução e avaliação do serviço de enfermagem é atividade privativa do

8 21 enfermeiro de acordo com a Lei 7498/86, que regulamenta o exercício profissional. Sendo assim, onde houver trabalhadores de enfermagem de nível médio/técnico e os demais profissionais que realizam o cuidado, deve haver um enfermeiro para a liderança e direcionamento desses trabalhadores. Todavia é importante frisar que isso ainda não é uma realidade na maioria desse tipo de instituições (SANTOS et al., 2008). Pestana e Caldas (2009) abordam e enfermeiro na neuropsiquiatria geriátrica, tornando-o essencial para um idoso com demência por exemplo. A busca por estratégias para uma minimização e um manejo a situação de cuidado pode agregar o conhecimento e a experiência da enfermagem como uma grande contribuição na gerontologia, bem como na neuropsiquiatria geriátrica, focando visualizar e operacionalizar novos modelos de cuidados na assistência à saúde do idoso. O enfermeiro em sua prática de assistir os seres humanos em sua totalidade se mostra aptos a atuar na identificação de problemas e estabelecer assistências necessárias. Lima e Tocantins (2009) frisa que o enfermeiro é atuante não só na técnica, mas também nas ações não técnicas onde quer que ele se encontre, referente à compreensão e ao atendimento diante das necessidades que são sentidas e vividas pelo cliente, não somente aquelas pré-estabelecidas pelo olhar profissional. A assistência relacionada às necessidades de saúde exige a atenção ao dia a dia do idoso, conhecendo sua maneira de pensar e de ser, ou ainda melhor, reconsiderando e redescobrindo prioridades para o planejamento das ações de enfermagem. Conclusão A partir dessa pesquisa conseguimos visualizar o Brasil envelhecendo e a inversão da pirâmide populacional, pois envelhecer é um processo inevitável e todos estão caminhando para lá. O idoso ainda sofre o preconceito como um sujeito improdutivo na sociedade, mas sua política evoluiu bastante. Sendo assim é inevitável que esse público ganhe destaque cada dia mais e que a necessidade da atenção à saúde juntamente com profissionais qualificados também cresça. Apesar de ainda não ser abundante, a enfermagem tem buscado se inserir cada vez mais no contexto da saúde do idoso encarando todos os desafios que a realidade brasileira nos traz. Atualmente o enfermeiro é presente em todos os sentidos quando se trata a esse público, justamente pelo crescimento da busca de estar apto a oferecer uma assistência qualificada, respeitando e se atentando a suas particularidades. Apesar da enfermagem já ter evoluído bastante, a tendência é o crescimento de profissionais atuantes nessa área para o suprimento das demandas que também vem aumentando, visando oferecer o bem estar e uma qualidade de vida satisfatória a essa faixa etária de destaque. Referências Bibliográficas AMARAL, J. F. J. Como Fazer Uma Pesquisa Bibliográfica. Fortaleza, janeiro de Disponível em 1/mentoring/tutoring/Como%20fazer%20pesquisa%2 0bibliografica. Pdf. Acesso em 04 de maio de ARAÚJO, L. F.; COUTINHO, M. P. L.; SANTOS, M. F. S. O idoso nas instituições gerontológicas: um estudo na perspectiva das representações sociais. Rev. Psicologia & Sociedade; 18 (2): 89-98; mai./ago BRASIL. Organização Pan-Americana da Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília-DF, BRUM, L. M. et al. Qualidade de vida dos professores da área de ciências em escola pública no Rio Grande do Sul. Trab. Educ. Saúde,Rio de Janeiro, v.10 n.1,p ,mar./jun CAMACHO, A. C. L. F. A gerontologia e a interdisciplinaridade: aspectos relevantes para enfermagem. Rev Latino-am Enfermagem 2002 março-abril; 10(2): COSTA, M. F. L.; BARRETO, S. M. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiol. Serv. Saúde, dez. 2003, vol.12, no.4, p

9 22 ISSN D ALENCAR, R. S.; CAMPOS, J. B. Velhice e trabalho: a informalidade como (re) aproveitamento do descartado. Estud. interdiscip. envelhec., Porto Alegre, v. 10, p , DIOGO, M.J.D E. O papel da enfermeira na reabilitação do idoso. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 8, n. 1, p , janeiro FIGUEIREDO, M. L. F. et al. Diagnósticos de enfermagem do idoso acamado no domicílio. Rev Bras Enferm, Brasília 2008 jul-ago; 61(4): FILHO, J. M. C.; RAMOS, L. R. Epidemiologia do envelhecimento no Nordeste do Brasil: resultados de inquérito domiciliar. Rev. Saúde Pública, 33 (5):445-53, FRUMI, C.; CELICH, K. L. S. O olhar do idoso frente ao envelhecimento e à morte. RBCEH - Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, Passo Fundo, jul./dez FURTADO, D. G. Uso e necessidade de próteses em idosos: reflexos na qualidade de vida Disponível em: <http://www.ccs.ufpb.br/dor/templates/joomlavortex/tcc/08.2/27.pdf> Acesso em: 05 de abril HAMMERSCHMIDT, K. S. A.; BORGHI, A. C. S.; LENARDT, M. H. Ética e Estética: Envolvimentos na promoção do cuidado gerontológico de enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2006; 15 (Esp): JUNGES, J. R. Uma leitura crítica da situação do idoso no atual contexto sociocultural. Estud. interdiscip. envelhec., Porto Alegre, v. 6, p , LIMA, C. A.; TOCANTINS, F. R. Necessidades de saúde do idoso: perspectivas para a enfermagem. Rev Bras Enferm, Brasília 2009 maio-jun; 62(3): MARIN, M. J. S. Diagnósticos de enfermagem de idosas carentes de um programa de saúde da família (PSF)ª. Esc Anna Nery Rev Enferm 2008 jun; 12 (2): MEDEIROS, F. A. L.; ARAÚJO, D. V.; BARBOSA, L. N. S. Percepção de acadêmicos de enfermagem sobre o cuidar de idosos. Cogitare Enferm 2008 Out/Dez; 13(4): MENDES, M. R. S. S. B. et al. A situação social do idoso no Brasil: uma breve consideração. Acta Paul Enferm. 2005;18(4): MINISTÉRIO DA SAÚDE. Programa Nacional para a Saúde das Pessoas idosas., Disponível em: <http://www.portaldasaude.pt/nr/rdonlyres/1c6dff 0E-9E74-4DED-94A9- F7EA0B3760AA/0/i pdf> Acesso em: 29 de Nov MOREIRA, V.; NOGUEIRA, F. N. N. Do indesejável ao inevitável: a experiência vivida do estigma de envelhecer na contemporaneidade. Psicol. USP [online]. 2008, vol.19, n.1, pp ISSN OLIVEIRA, J. C. A; TAVARES, D. M. S. Atenção ao idoso na estratégia de Saúde da Família: atuação do enfermeiro. Rev Esc Enferm USP 2010; 44(3): PAVARINI, S. C. I. et al. A arte do cuidar do idoso: gerontologia como profissão? Texto Contexto Enferm 2005 Jul-Set; 14(3): PEREIRA, R. J. et al. Contribuição dos domínios físico, social, psicológico e ambiental para a qualidade de vida de idosos. Rev Psiquiatr RS jan/abr 2006;28(1): PESTANA, L. C.; CALDAS, C. P. Cuidados de enfermagem ao idoso com demência que apresenta sintomas comportamentais. Rev Bras Enferm, Brasília 2009 jul-ago; 62(4): RAMOS, L. R. Fatores determinantes do envelhecimento saudável em idosos residentes em centro urbano: projeto Epidoso. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 19(3): , mai-jun, SAKANO, L. M.; YOSHITOME, A. Y. Diagnóstico e intervenções de enfermagem em idosos hospitalizados. Acta Paul Enferm 2007;20(4): SALMELA, T. et al. Treinamento físico e destreinamento em hemiplégicos crônicos: impacto na qualidade de vida. Rev. Bras. Fisioter. Vol. 9, No. 3 (2005), SANTOS, S. S. C. et al. Promoção da saúde da pessoa idosa: compromisso da enfermagem gerontogeriátrica. Acta Paul Enferm 2008;21(4): SANTOS, S. S. C. Enfermagem gerontológica: reflexão sobre o processo de trabalho. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v.21, n.2, p.70-86, jul SANTOS, S. S. C. et al. O papel do enfermeiro na instituição de longa permanência para idosos. Rev

10 23 Enferm UFPE on line jul./set.; 2(3): SANTOS, S. S. C. O ensino da enfermagem gerontogeriátrica e a complexidade. Rev Esc Enferm USP 2006; 40(2): SILVA, Vilma Otalira de Lima. O envelhecimento sob a ótica do idoso de uma instituição de longa permanência, Dourados, enfermagem, UNIGRAN. SOUSA, L.; GALANTE, H.; FIGUEIREDO, D. Qualidade de vida e bem-estar dos idosos: um estudo exploratório na população portuguesa. Rev Saúde Pública 2003;37(3): SOUZA, C. R. M. Representações sociais de qualidade de vida no trabalho dos trabalhadores de uma empresa do vale dos sinos Disponível em: <http://ged.feevale.br/bibvirtual/monografia/monogr afiacristinamarques.pdf> Acesso: 27 de mar TENTINI, C. M. Qualidade de vida em idosos. Mar, Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/3 471/ pdf?sequence=1> Acesso: 27 de mar VEIGA, K. C. G.; MENEZES, T. M. O. Produção de conhecimento em enfermagem: a (in) visibilidade da atenção à saúde do idoso. Rev Esc Enferm USP 2008; 42(4): VERAS, R. P.; CALDAS, C. P. Promovendo a saúde e a cidadania do idoso: o movimento das universidades da terceira idade Ciência & Saúde Coletiva, 9(2): , VICTOR, J. F. et al. Grupo feliz idade: cuidado de enfermagem para a promoção de saúde na terceira idade. Rev Esc Enferm USP 2007; 41(4):

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version A FAMÍLIA COMO CUIDADOR DO IDOSO: UMA RELAÇÃO FORTALECIDA PELA AJUDA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE OLIVEIRA, Monica Caldas de RESUMO Este artigo acerca da família como cuidador do idoso: uma relação fortalecida

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DAS AÇÕES DA TERAPIA OCUPACIONAL PARA O ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

A CONTRIBUIÇÃO DAS AÇÕES DA TERAPIA OCUPACIONAL PARA O ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL A CONTRIBUIÇÃO DAS AÇÕES DA TERAPIA OCUPACIONAL PARA O ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL TUTUMI, Marina Yuuko Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva OLIVEIRA, Odilene Ferreira Faculdade de Ciências

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS IDOSOS DO PONTO DE VISTA FÍSICO E NUTRICIONAL Nilza Matias Oliver Cruz Faculdade Maurício de Nassau/CG nilzamoc31@hotmail.com Débora de Araújo Targino Faculdade Maurício

Leia mais

A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO EM GERONTOLOGIA E GERIATRIA NO BRASIL

A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO EM GERONTOLOGIA E GERIATRIA NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO EM GERONTOLOGIA E GERIATRIA NO BRASIL Mayara Caroline Barbieri 1 ; Amanda Marques Padilha 2 ; Maria Aparecida Salci

Leia mais

Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso

Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso Capítulo 15 Ações Públicas Voltadas para Qualidade de Vida do Idoso Cristina Medeiros da Silva Educadora Física com Especialização em Atividade Física e Qualidade de Vida na FEF/UNICAMP Paulo Cerri Cirurgião

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos Samara Pereira Cabral - UFPB samarapcj@hotmail.com Monica Dias Palitot - UFPB monicadiaspt@yahoo.com.br Joseane da Silva Meireles - UFPB

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). OBSERVAÇOES SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE. Alex da Silva Xavier; Lílian Koifman. Universidade

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies.

POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96. Keywords: Elderly. Public Policies. 1 POLÍTICAS PÚBLICAS DIRECIONADAS AO IDOSO: aplicabilidade do artigo 4º do decreto nº 1.948/96 Paulo Roberto Barbosa Ramos * Yuri Sampaio Capellato Logrado Viviane Freitas Perdigão Geórgia Kerle Santos

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? -

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA. - Que competências? - - Que futuro? - ENFERMAGEM HUMANITÁRIA - Que competências? - - Que futuro? - Filomena Maia Presidente do Conselho de Enfermagem Regional Norte Vice-Presidente do Conselho de Enfermagem Universidade Fernando Pessoa Porto

Leia mais

2002 Revisão de literatura, porém não descrito o método no artigo. 2002 Artigo de revista sem descrição de método. 2006 Estudo exploratóriodescritivo

2002 Revisão de literatura, porém não descrito o método no artigo. 2002 Artigo de revista sem descrição de método. 2006 Estudo exploratóriodescritivo DESAFIOS DE ENFERMAGEM: ATENDIMENTO DOMICILIAR A PACIENTES COM DEMÊNCIA Aristófenes Rolim de Holanda; Rosyara Lopes Vieira Sá; Aryslane Júlia Andrade Lustosa; Luis Henrique Rodrigues Nunes; Francisco Júnior

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE

IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE IMPORTÂNCIA DAS MUDANÇAS SOCIAIS PARA PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA NA TERCEIRA IDADE Dalila Freire² J.O. Rodrigues¹ T.P.M. Cunha² M.S.B.F. Costa¹ C.A.S Soares¹ L.R. Oliveira¹ Vanilce Bernardes³ Nos países

Leia mais

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE

ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE ATENDIMENTO MULTIPROFISSIONAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: PERCEPÇÃO DA EQUIPE Rosimery Cruz de Oliveira Dantas Universidade Federal de Campina Grande Campus Cajazeiras. Symara Abrantes Albuquerque

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA ESPIRITUALIDADE NO CUIDADO DO USUÁRIO ONCOLÓGICO: OLHAR DA ENFERMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA DA EXTENSÃO:

ÁREA TEMÁTICA DA EXTENSÃO: TÍTULO: PROMOÇÃO DE SAÚDE E VIDA NA TERCEIRA IDADE AUTORES: ALVES, M.S.C.F.(socorrofeitosa@dod.ufrn.br); MEDEIROS JUNIOR, A.; PIRES, J.A.S.(jaspires@uol.com.br); QUEIROZ, C.M.F.(cristinamaria.inga@bol.com.br);

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

Estatuto do Idoso: considerações sobre o direito a. alimentos, à saúde, à habitação e ao transporte

Estatuto do Idoso: considerações sobre o direito a. alimentos, à saúde, à habitação e ao transporte Estatuto do Idoso: considerações sobre o direito a alimentos, à saúde, à habitação e ao transporte Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito da Infância Juventude e

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Carla Braz Evangelista (NEPB-UFPB/ Email: carlabrazevangelista@gmail.com) Indiara Carvalho dos Santos Platel (NEPB-UFPB/ Email: indiaracs@hotmail.com)

Leia mais

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Hilma Khoury Psicóloga, Doutora em Psicologia, Professora na Universidade Federal do Pará

Leia mais

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO:

II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: II CURSO DE FORMAÇÃO DE CUIDADOR DE IDOSOS EDITAL REALIZAÇÃO: OBJETIVO: Desenvolver e instrumentalizar as pessoas interessadas em se profissionalizar como cuidador de idosos. Estimular a reflexão em relação

Leia mais

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Luana Aparecida Alves da Silva 1 Ana Carolina Rossin¹ Thaís Dresch Eberhardt 2 Leonardo Dresch Eberhardt 3

Leia mais

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA TERCEIRA IDADE - CONSTRUINDO SABERES SOBRE SEUS DIREITOS PARA UM ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Gabriela Pereira Batista, graduanda em enfermagem (UNESC Faculdades) gabrielabio_gabi@hotmail.com

Leia mais

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Eveline de Oliveira Barros (UFPB). evinhabarros@gmail.com Fabiana Medeiros de Brito (UFPB). fabianabrito_@hotmail.com

Leia mais

ACESSIBILIDADE AO IDOSO NO SERVIÇO DE ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE: UMA REVISÃO DE LITERATURA

ACESSIBILIDADE AO IDOSO NO SERVIÇO DE ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE: UMA REVISÃO DE LITERATURA ACESSIBILIDADE AO IDOSO NO SERVIÇO DE ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE: UMA REVISÃO DE LITERATURA Cleane Rosa da Silva 1 Jemima Cunha Soares 2, Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva 3, Karla de Lima Oliveira

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Flávia Gomes Silva (1); Ádylla Maria Alves de Carvalho (2); Cleanne Rayssa Paulino Vasconcelos (3); Dandara Medeiros

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$!

FOZ$DO$IGUAÇU,$2015$! FOZDOIGUAÇU,2015 XXVIENANGRAD SIGNIFICADO DO TRABALHO PARA O IDOSO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO Marina Menezes Ladeira Débora Vargas Ferreira Costa Victor Cláudio Paradela Ferreira Rejane Prevot Nascimento

Leia mais

INDICADORES DE QUALIDADE NA GESTÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM: REVISÃO INTEGRATIVA

INDICADORES DE QUALIDADE NA GESTÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM: REVISÃO INTEGRATIVA INDICADORES DE QUALIDADE NA GESTÃO DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM: REVISÃO INTEGRATIVA Bellé MBB, Ferreira DBR, Premoli RC Hospital Regional de Araranguá, Araranguá - SC monicabb20@hotmail.com Resumo- Poster

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Enfermagem

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Enfermagem Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1

EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM E A PRÁXIS DO ENFERMEIRO NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE 1 Márcia Maria Bragança Lopes 2 Marta Lenise do Prado 3 Denise Maria Guerreiro Vieira da Silva 4 Alacoque Lorenzini Erdmann 5

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

Título: A PARTICIPAÇÃO DOS ACADÊMICOS DA LIGA DE GERIATRIA NO GRUPO DA MELHOR IDADE DA UNIDADE DE ATENDIMENTO BÁSICO SAÚDE DA FAMÍLIA JARDIM

Título: A PARTICIPAÇÃO DOS ACADÊMICOS DA LIGA DE GERIATRIA NO GRUPO DA MELHOR IDADE DA UNIDADE DE ATENDIMENTO BÁSICO SAÚDE DA FAMÍLIA JARDIM Título: A PARTICIPAÇÃO DOS ACADÊMICOS DA LIGA DE GERIATRIA NO GRUPO DA MELHOR IDADE DA UNIDADE DE ATENDIMENTO BÁSICO SAÚDE DA FAMÍLIA JARDIM GUANABARA II. Autores: MORAES, Fabiana Calaça de; MENEZES, Amanda

Leia mais

ENVELHECIMENTO NO BRASIL: REPERCUSSÕES E DESAFIOS

ENVELHECIMENTO NO BRASIL: REPERCUSSÕES E DESAFIOS ENVELHECIMENTO NO BRASIL: REPERCUSSÕES E DESAFIOS MESQUITA, Francyelle de Cássia Nayane da Rocha¹; ALARCON, Bruna Santana¹; GONDIM, Bruno Ferreira¹; CARDOSO, Bruno Freitas¹; NETO, Gilberto Inácio Cardoso¹;

Leia mais

O educador físico na equipe interdisciplinar no cuidado às pessoas idosas

O educador físico na equipe interdisciplinar no cuidado às pessoas idosas O educador físico na equipe interdisciplinar no cuidado às pessoas idosas Vicente Paulo Alves* vicente@ucb.br Luciana Borges da Silveira Santana** lubss@hotmail.com Cláudia Versiani Cintra Pereira*** versianicintra@gmail.com

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM TÍTULO: SOFRIMENTO PSÍQUICO EM FAMÍLIAS DE DEPENDENTES ALCOÓLICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO AUTOR(ES): ANDRESSA

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO

TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ASPECTOS BIOPSICOSSOCIAIS DOS IDOSOS ATENDIDOS ATRAVÉS DO SUS:ESTUDO DE CASO CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO: PERCEPÇÕES ACERCA DO ABANDONO 1.

CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO: PERCEPÇÕES ACERCA DO ABANDONO 1. CUIDADO DE ENFERMAGEM AO IDOSO INSTITUCIONALIZADO: PERCEPÇÕES ACERCA DO ABANDONO 1. TAVARES, Daniel Soares 2 ; MADALOZZO, Maiane Antunes 3 ; RANGEL, Rosiane Filipin 4 ; SOUZA, Martha Helena Teixeira de

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA: Saúde OBJETIVOS DAS AÇÕES EXTRA-MUROS

ÁREA TEMÁTICA: Saúde OBJETIVOS DAS AÇÕES EXTRA-MUROS TÍTULO:A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA DO IDOSO EM AÇÕES INTERSETORIAS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA COM A TERCEIRA IDADE - UATI E VOLUNTARIADO POPULAR NO MUNICÍPIO DE JEQUIÉ/BA. AUTORES: Andréa Santos Souza;

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS.

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS. RIBEIRO, Fernanda Nunes. Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: fernandanunesribeiro@hotmail.com SANTANA,

Leia mais

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Nara Elizia Souza de OLIVEIRA 1 ; Lizete Malagoni de A. C. OLIVEIRA 2 ; Roselma LUCCHESE

Leia mais

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL

INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL INCIDÊNCIA DE AIDS NA POPULAÇÃO IDOSA DO BRASIL Tacilla Maria Rodrigues Pereira¹(tacilla90@hotmail.com) Milene Evaristo Pereira¹(Milene.trab@gmail.com) Nicole Cristine Diniz de Medeiros Dutra¹ (nicole_dutra@hotmail.com)

Leia mais

NUNCA É TARDE PARA COMEÇAR : A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO DE IDOSOS QUE PRATICA O ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL

NUNCA É TARDE PARA COMEÇAR : A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO DE IDOSOS QUE PRATICA O ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL NUNCA É TARDE PARA COMEÇAR : A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO DE IDOSOS QUE PRATICA O ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL SANTOS, Leidyane Cristina 1, OLIVEIRA, Luma Laiane 2 ; PEREIRA, Geovanna Líscio 2 ; SINTRA,

Leia mais

Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica. Dr. Leandro Minozzo

Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica. Dr. Leandro Minozzo Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica Dr. Leandro Minozzo Justificativa Desde a criação do SUS em 1988 a população idosa aumentou 2x; Hoje, aprox. 9 mil campobeneses são idosos (15%);

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional

Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional Diretrizes de Aplicação Saúde mental de servidores públicos da Administração direta, autárquica e funcacional CAPÍTULO I PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º Os procedimentos em saúde mental a serem adotados

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

CUIDADORES DE IDOSOS COM ALZHEIMER EM SUAS CONFIGURAÇÕES: FAMILIARES E PROFISSIONAIS (2012)¹

CUIDADORES DE IDOSOS COM ALZHEIMER EM SUAS CONFIGURAÇÕES: FAMILIARES E PROFISSIONAIS (2012)¹ CUIDADORES DE IDOSOS COM ALZHEIMER EM SUAS CONFIGURAÇÕES: FAMILIARES E PROFISSIONAIS (2012)¹ CASSALES, Lisiane²; SCHROEDER, Felipe³ 1 Programa de Iniciação Científica (PROBIC) 2 Curso de Psicologia do

Leia mais

Conhecendo a UnATI/Uerj

Conhecendo a UnATI/Uerj Conhecendo a UnATI/Uerj Histórico Anos antes de um maior reconhecimento da necessidade de um conjunto de políticas voltadas especificamente para os idosos, o Prof. Américo Piquet Carneiro Médico Geriatra

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL Contributions of physiotherapy for the promotion of health of the informal caregiver Lidiane Cristina Custódio

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

ENVELHECIMENTO E QUALIDADE DE VIDA

ENVELHECIMENTO E QUALIDADE DE VIDA ENVELHECIMENTO E QUALIDADE DE VIDA Lariça Cândido da Silva (NEPB-UFPB/Email: larissa-nv27@hotmail.com) Irany Carvalho da Silva (NEPB-UFPB/Email: iranycarvalho_jp@yahoo.com.br) Carla Braz Evangelista (NEPB-UFPB/Email:

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Perspectivas no Estudo da Terceira Idade. Dr. Leandro Minozzo SESC PARANAVAÍ-PR 2012

Perspectivas no Estudo da Terceira Idade. Dr. Leandro Minozzo SESC PARANAVAÍ-PR 2012 Perspectivas no Estudo da Terceira Idade Dr. Leandro Minozzo SESC PARANAVAÍ-PR 2012 Objetivos Apresentar a terceira idade como um campo de estudo e trabalho desafiador, apaixonante, carente e promissor;

Leia mais

ATIVIDADES LÚDICAS AOS IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA

ATIVIDADES LÚDICAS AOS IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DOS FAMILIARES DE IDOSOS PORTADORES DO VÍRUS HIV Jamira Martins dos Santos (1); Camila Mendes da Silva (2); Gerlane Ângela da C. Moreira Vieira (3); Ana Claudia Torres de Medeiros

Leia mais

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA HIV/AIDS EM IDOSOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Fabiana Medeiros de Brito (NEPB/UFPB). E-mail: fabianabrito_@hotmail.com Eveline de Oliveira Barros (NEPB/UFPB). E-mail: evinhabarros@gmail.com

Leia mais

A ÉTICA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO A PACIENTES IDOSOS SEM POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS DE CURA

A ÉTICA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO A PACIENTES IDOSOS SEM POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS DE CURA A ÉTICA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO A PACIENTES IDOSOS SEM POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS DE CURA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva 1 Lariça Cândido da Silva 2 Cleane Rosa da Silva 3 Thayana Jovino Oliveira

Leia mais

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO

FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO FISIOTERAPIA - GRADUAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: Curso De Graduação Em Fisioterapia. DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 225 VAGAS ANUAIS TURNOS DE OFERTA: NOTURNO REGIME LETIVO:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE PSICOLOGIA NO CONTEXTO ESCOLAR Larissa Brito da Silva, Waleria Maria de Sousa Paulino, Stefania Germano Dias, Flavio Pereira de Oliveira, Leilane Menezes Maciel

Leia mais

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Há 17 anos promovendo os direitos dos idosos com qualidade de vida. Nossa História O Grupo

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA HUMANIZAÇÃO DO REAL PARA O IDEAL NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISÃO DE LITERATURA Francisco Junio do Nascimento 1, Sheron Maria Silva Santos 1, Jose Thiago Gois de Alencar 1, Ivanildo do Carmo

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO

A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO A RELEVÂNCIA DO CUIDADO DA ENFERMAGEM PARA SAÚDE MENTAL DO IDOSO Ianine Alves da Rocha¹, Aralinda Nogueira Pinto¹, L enilma Bento de Araújo Meneses¹, Lucineide Alves Vieira Braga¹, Ana Neri A lves da Rocha¹,

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

SAÚDE DA PESSOA IDOSA. Karla Bandeira Assistente Social HUOC/UPE Promotoria da Pessoa Idosa do Ministério Público Conselho Estadual do Idoso

SAÚDE DA PESSOA IDOSA. Karla Bandeira Assistente Social HUOC/UPE Promotoria da Pessoa Idosa do Ministério Público Conselho Estadual do Idoso SAÚDE DA PESSOA IDOSA Karla Bandeira Assistente Social HUOC/UPE Promotoria da Pessoa Idosa do Ministério Público Conselho Estadual do Idoso Ninguém duvida que O SUS é uma das grandes conquistas da Constituição

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

O PSICOLOGO FACE O ADOECER, E A SAÚDE PÚBLICA

O PSICOLOGO FACE O ADOECER, E A SAÚDE PÚBLICA O PSICOLOGO FACE O ADOECER, E A SAÚDE PÚBLICA NETO, Rui Mesquita Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde de Garça FASU/ACEG GARÇA SP BRASIL email: neto334@gmail.com MOREIRA, Simone

Leia mais

ENVELHECIMENTO E HABITAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O CONDOMÍNIO CIDADE MADURA EM CAMPINA GRANDE-PB

ENVELHECIMENTO E HABITAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O CONDOMÍNIO CIDADE MADURA EM CAMPINA GRANDE-PB ENVELHECIMENTO E HABITAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O CONDOMÍNIO CIDADE MADURA EM CAMPINA GRANDE-PB Valdênia Nogueira de Lima Universidade Estadual da Paraíba UEPB valdenianogueira@yahoo.com.br RESUMO Este artigo

Leia mais

PARECER Nº 02 / 2010

PARECER Nº 02 / 2010 PARECER Nº 02 / 2010 ASSUNTO: Adequação técnico-científica da admissão das pessoas com demência nas unidades de dia e promoção da autonomia da RNCCI (art.º 21 do Dec. Lei. 101/2006 de 6 de Junho) 1. A

Leia mais

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas CLEBER FEIJÓ SILVA DANIELA PATRICIA VAZ TAIS MAZZOTTI cleber.feijo@famesp.com.br danielavaz@famesp.combr tamazzotti@terra.com.br Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Leia mais

FIM DO SEDENTARISMO NA TERCEIRA IDADE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

FIM DO SEDENTARISMO NA TERCEIRA IDADE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES FIM DO SEDENTARISMO NA TERCEIRA IDADE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Gilmara Marques Rodrigues Araújo (1) Maria Zélia Araújo (1); Josiane Costa e Silva (2); Juliane Berenguer de Souza Peixoto(3) Docente da Unesc

Leia mais

PERCEPÇÃO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE ENTRE IDOSOS NO BRASIL DURAN, Juliano Ramos 1 ; MAGALHÃES, Josiane².

PERCEPÇÃO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE ENTRE IDOSOS NO BRASIL DURAN, Juliano Ramos 1 ; MAGALHÃES, Josiane². PERCEPÇÃO E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE ENTRE IDOSOS NO BRASIL DURAN, Juliano Ramos 1 ; MAGALHÃES, Josiane². Palavras-chave: identidade, idosos, Brasil. Introdução Este trabalho vincula-se ao projeto Comunidade

Leia mais

CUIDANDO DA SAÚDE DO CUIDADOR DE PACIENTES IDOSOS

CUIDANDO DA SAÚDE DO CUIDADOR DE PACIENTES IDOSOS CUIDANDO DA SAÚDE DO CUIDADOR DE PACIENTES IDOSOS RESUMO Alyssa de Moura Moreira (relatora) 1 Adrielly Luênia Alves de Sousa 2 Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva 3 Cristiani Garrido de Andrade 4

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM

RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE CAPACITAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PARA ESTUDANTES E TÉCNICOS DE ENFERMAGEM MOTA 1, Carla Pimentel; FARIAS 2, Creusa Ferreira; PEDROSA 3, Ivanilda Lacerda 1 Aluno bolsista;

Leia mais

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade

Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. CAPÍTULO I. Da Finalidade Dispõe sobre a política nacional do idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências.. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

Leia mais

O Papel da Enfermagem no Envelhecimento: uma realidade educacional

O Papel da Enfermagem no Envelhecimento: uma realidade educacional O Papel da Enfermagem no Envelhecimento: uma realidade educacional BORBA, Carla Porto SANTOS, Acácia Henrique ANDRADE, Patrícia de Melo MELO, Sílvia Maria de RESUMO presente trabalho visou analisar o papel

Leia mais