PORTAL DE APOIO A GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA: O CASO DA BOLSA DE COMPRAS DO SETOR MOVELEIRO DO PLANALTO NORTE CATARINENSE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTAL DE APOIO A GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA: O CASO DA BOLSA DE COMPRAS DO SETOR MOVELEIRO DO PLANALTO NORTE CATARINENSE"

Transcrição

1 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN PORTAL DE APOIO A GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA: O CASO DA BOLSA DE COMPRAS DO SETOR MOVELEIRO DO PLANALTO NORTE CATARINENSE Nilson Ribeiro Modro (UDESC) Eugênio de Oliveira Simonetto (UDESC) Nelcimar Ribeiro Modro (UDESC) Hemanuelle Lisboa da Silva (UDESC) Rafael Medeiros Sperb (Univali) Este artigo apresenta um módulo do sistema de apoio à gestão da inovação no setor moveleiro de Santa Catarina o qual denomina-se Bolsa de Compras. O modelo proposto apresenta uma concepção de um Portal de Informação baseado no conceito de OObservatório Tecnológico para o setor moveleiro. Entre os diferenciais do modelo em desenvolvimento está o grupo de compras, que permite aos associados do portal identificar oportunidades para compras conjuntas no setor moveleiro com o objetivo de aumentar o poder de barganha dos associados em relação à custos, prazos de pagamento, prazos de entrega e qualidade de insumos. O projeto está sendo desenvolvido por meio de uma parceira entre a Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC e o Sindicato das Indústrias da Construção e do Mobiliário de Rio Negrinho - SINDICOM. Palavras-chaves: Sistema de apoio à inovação, Clube de Compras, Setor Moveleiro

2 1. Introdução Responsável pela geração de empregos formais e investimentos anuais de 330 milhões de reais e com um faturamento de 12,5 bilhões de reais em 2004, o ramo moveleiro no Brasil representa 1,3% do PIB nacional. O setor exportou em 2005 US$ 991 milhões de dólares (2,12 bilhões de reais) O Estado de Santa Catarina foi responsável por 304 milhões de dólares deste total de exportações, seguido pelo Rio Grande do Sul com 179 milhões de dólares (PEGN, 2009). De acordo com a Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário - Abimóvel, a maior parte das exportações nacionais vai para três países: Estados Unidos (34%), França (14%) e Argentina (14%). Em termos de produções mundiais, 42% da produção de móveis ocorrem na União Européia; 27%, na América do Norte; e 25% nos países asiáticos e do Pacífico. Apesar das vendas anuais, o setor moveleiro ainda tem muito a desenvolver. A produção brasileira é fragmentada e concentrada em pequenas empresas. Atualmente, o país conta com pequenas empresas produtoras de móveis distribuídos em vinte clusters produtivos (SEBRAE, 2009). Como exemplo, cita-se a região do Planalto Norte Catarinense, que é considerada o principal pólo moveleiro de Santa Catarina, sendo um dos grandes centro exportador do país, com quase 40% do total das exportações nacionais, e confecciona móveis para uso residencial (cerca de 80% da produção), direcionados em sua maior parte para o mercado de exportação: a grande maioria das empresas da região, independente do porte, opera com exportações. No Brasil, em geral, existem empresas exclusivamente exportadoras, que trabalham, em sua maior parte, sob encomenda, especialmente as pequenas e micro (GORINI, 2001). A indústria moveleira é uma indústria tradicional, cuja dinâmica de desenvolvimento tecnológico é determinada por: Máquinas e equipamentos utilizados no processo produtivo; 2

3 Pela introdução de novos materiais, a exemplo o MDF (Medium Density Fiberboard); Pelas inovações ocorridas nas indústrias química e petroquímica (materiais compostos, plásticos mais resistentes, novas tintas, etc.); e Pelo aprimoramento do design. Ressalta-se que o setor exportador moveleiro Brasileiro, é mais um setor que sofre crescentes ameaças da indústria internacional, devido ao aumento do uso da tecnologia da informação, processos de controle, qualidade, competências pessoais (capital humano) e corporativas - todos fatores relacionados ao conhecimento (CORREIA e SARMENTO, 2003). Para acompanhar o avanço tecnológico existe a necessidade contínua de: capacitação de pessoal; da prestação de serviços; da difusão do uso do design e conseqüentemente, o aumento da criatividade; da criação de produtos com maior confiabilidade e durabilidade; a memória / repositório dos desenhos de cada linha de produto e o aumento das vendas no setor de exportação. Para tanto, deve-se ter um conhecimento dos possíveis compradores, bem como das leis ambientais e de importação de cada país; compartilhamento de custos transporte, produção comercialização, compradores e fornecedores (GHERARDI, 2006; ROBB, 2003; HANDFIELD et al, 1997). Esses são o os principais desafios das empresas moveleiras, em especial, para as micro e pequenas empresas que, no Brasil, são a maioria. Assim, este artigo aborda os seguintes problemas: Quais são as atividades, informações e estrutura organizacional apropriadas para o suporte à inovação tecnológica e mecanismos de colaboração aplicados ao setor moveleiro? e, Um Portal de Informações tecnológicas regional pode contribuir de forma efetiva para alavancar a produtividade das micro e pequenas empresas moveleiras? A inovação tecnológica pressupõe a combinação entre empreendimento e novos conhecimentos. Cabendo ao portal de inovação proposto a função de coletar dados e informações estratégicas, atualizá-las nas diversas áreas do setor moveleiro e realizar o processamento e disponibilização de informações. Esta será uma forma eficiente de detectar gargalos, gerar informações de qualidade e em quantidades necessárias para servir de fomento ao processo de integração entre Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e os empreendimentos. Assim, parte-se da premissa que o aumento do conhecimento dos participantes, deverá 3

4 fomentar a cooperação internamente no setor produtivo e destes com as Instituições de P&D e ainda fomentar novos negócios. O Portal proposto se constituirá em um espaço de discussões e intercâmbio de informações entre os participantes. Nesse sentido, está sendo concebido o Portal de Inovação Tecnológica para o Setor Moveleiro. Em resumo, caberá ao Portal de Inovação Tecnológica em implantação a coleta de dados e informações, processamento e disseminação das informações estratégicas referentes a tecnologias, estudos e inovações relacionados à produção, viabilidade econômica, armazenamento, transporte e impacto ambiental sobre o setor moveleiro. Além disso, foi idealizado também um ambiente cooperativo denominado Grupo de Compras, com a premissa que a partir da troca de informações entre os associados do portal, se pode realizar compras conjuntas e aumentar o poder de barganha dos associados. Este artigo apresenta o Portal de Inovação Tecnológica para o Setor Moveleiro em especial, a modelagem e desenvolvimento do grupo de compras virtual e os processos necessários para a sua efetivação. Nesse sentido, o texto apresenta a seguinte estruturação: A seção 2 apresenta os conceitos dos Portais de Informações e de Apoio à Gestão da Inovação Tecnológica. Em seguida são discutidos os conceitos referentes à Comércio Eletrônico e ao Grupo ou Bolsa de Compras. A seção 4 apresenta a modelagem proposta para o grupo de compras do SINDICOM, bem como as tecnologias utilizadas para o seu desenvolvimento. Por fim, são discutidos os resultados preliminares já obtidos. 2. Portais de Informações No atual contexto mundial a velocidade de acesso à informação pode ser um fator decisivo na vida das pessoas e das organizações dos mais diversos gêneros. Por outro lado, o crescimento da Internet e das intranets faz com que estas mesmas pessoas e organizações enfrentem uma grande sobrecarga de informações. Estas (informações) ficam espalhadas na própria web, em bancos de dados, documentos impressos, mensagens de , o que, na maioria das vezes, dificulta o acesso às mesmas. Logo, encontrar dados relevantes e precisos muitas vezes leva tempo e requer o acesso a vários sistemas. No caso das organizações, tal fato ocasiona em desperdício de tempo produtivo dos colaboradores e, no caso das pessoas em desperdício de tempo cronológico. Segundo 4

5 TURBAN e KING (2004), uma solução para este tipo de problema é o uso de portais. Literalmente, uma porta de entrada, o portal canaliza a sobrecarga de informações por meio de um ambiente via Internet, de modo a permitir a busca e o acesso a dados relevantes oriundos de sistemas de tecnologia de informação diversos e da Internet, utilizando sistemas de buscas e indexação avançados. Um portal de informações é um ponto de acesso, único e personalizado, por meio de um navegador web (browser), a informações relevantes localizadas em uma organização e, até mesmo na própria web. (TURBAN e KING, 2004). A classificação de portais, segundo os autores citados anteriormente, é feita da seguinte maneira: Portais de publicação, Portais comerciais, Portais pessoais, Portais corporativos, Portais móveis. No caso do projeto em desenvolvimento o mesmo enquadra-se como um portal corporativo, pois é direcionado as empresas moveleiras locais Portal de Apoio à Gestão da Inovação A utilização de serviços eletrônicos digitais na Web tem permitido às organizações novas modalidades de relacionamento com toda a cadeia produtiva. Uma vez que a Internet oferece recursos que influenciam as tomadas de decisão nos mercados globais e, juntamente com a gestão da tecnologia, permitem uma revitalização e aperfeiçoamento dos processos empresariais (O BRIEN, 2001; MAYA & OTERO, 2002, TURBAN & KING, 2004). Nesse contexto, um portal de apoio à gestão da inovação, ou portal de inovação, se caracteriza como um catálogo de serviços eletrônicos baseados na Web, voltados à disseminação de informações de gestão tecnológica, cooperação entre agentes de inovação e avaliação do uso de tecnologia. Uma das características de tal tipo de portal está relacionada à dinâmica de gestão de conteúdo possuem ferramentas que permitem a gestão de processos de coleta e disseminação de informações, de modo dinâmico. Tal mecanismo é comumente encontrado em ferramentas de Gestão de Conteúdo ou Content Management Systems (CMS). Além disso, Hayashi et al (2006) afirmam que um portal de inovação deve contribuir para o 5

6 mapeamento de competências instaladas e, sobretudo, promover a cooperação a comunidade científica e a comunidade empresarial, permitindo o acesso ao conhecimento científico e tecnológico e aos processos inovadores locais. Como exemplos de Portais de apoio à Gestão da Inovação citam-se: Portal Inovação (http://portalinovacao.mct.gov.br) Agencia Nacional de Promoción Científica y Tecnológica de Argentina (http://www.agencia.secyt.gov.ar) Innovation in Canada (http://www.innovation.gc.ca) Centro para el Desarrollo Tecnológico Industrial de España (http://www.cdti.es) Advanced Technology Program (http://www.atp.nist.gov) National Science Foundation (http://www.nsf.gov) Agency of Industrial Science and Technology (http://www.aist.go.jp/index_en.html) Agência de Inovação (http://www.adi.pt) Managing Innovation (http://www.managinginnovation.com) 3.Comércio Eletrônico O comércio eletrônico (CE) abrange qualquer negocio que seja feito por transações eletrônicas, de tal forma que as mesmas ocorram entre dois parceiros de negócio ou entre negócio e seus clientes. Entende-se por comércio eletrônico todo processo de compra, venda ou troca de produtos, serviços e informações por redes de computadores ou pela Internet. O Quadro 1 apresenta os quatro aspectos do comércio eletrônico propostos por Kalakota e Whinston (1997): Quadro 1 - Aspectos do Comércio Eletrônico. Fonte: Kalalota e Whinston (1997) Aspectos Definição A perspectiva da O CE é a distribuição de produtos, serviços, informação ou pagamentos por comunicação meio de redes de computadores ou outros meios eletrônicos. A perspectiva de O CE é a aplicação de tecnologia para a automação de transações e do fluxo de processo comercial trabalho. A perspectiva de O CE é uma ferramenta que satisfaz a necessidade das empresas, consumidores serviços e administradores quanto á diminuição de custos e á elevação nos níveis de qualidade e agilidade de atendimento. A perspectiva on- O CE é a possibilidade de compra e venda de produtos ou informações pela 6

7 line Internet e por outros serviços on-line. A seguir podemos mencionar algumas das vantagens para as organizações da utilização do CE: O CE permite a redução de custos: as empresas não apresentam um custo alto com a criação, processamento, distribuição e recuperação de informações armazenadas no papel. O CE proporciona interatividade: permite que as empresas se relacionem com seus clientes e parceiros. O CE melhora a organização e os processos de negócios: admite-se a criação de modelos diferentes e inovadores, proporcionando por sua vez vantagens estratégicas e aumento nos lucros. O CE expande o mercado: uma empresa pode com mais facilidade obter melhores fornecedores e parceiros a nível nacional e internacional Tipos de Comércio Eletrônico O Quadro 2 apresenta alguns tipos de comércio eletrônico encontrados no mercado: Quadro 2 - Classificação de Comércio Eletrônico Tipos de CE Características Esta associado a operações de compra e venda de informações, produtos e serviços pela Business-tobusiness (B2B) empresa e os membros de sua cadeia de suprimento, bem como entre uma empresa e Internet. De acordo com Turban e King estas negociações podem ser atingidas entre uma outra qualquer. Trata-se de uma negociação eletrônica entre empresa e o consumidor, onde representa uma compra e venda utilizando pagamento eletrônico. A diferença é que as pessoas Business-toconsumer (B2C) A compra B2C se caracteriza como um evento discreto, uma vez que o consumidor pode escolhem e pagam os produtos pela Internet. mudar de um site para outro efetuando compras de produtos semelhantes em lojas diferentes. (MAYA E OTERO, 2002). Refere-se às operações em que uma empresa vende um serviço ou produto para o Business-to- consumidor utilizar outra empresa como um intermediário. business-to- consumer corporativas, onde podemos tratar de sistemas de e-commerce que permitam que No entanto pode ser entendido como um comércio eletrônico utilizado para vendas (B2B2C) colaboradores de empresas ou empresas parceiras comprem produtos com descontos diferenciados. 7

8 Consumer-tobusiness (C2B) Consumer-toconsumer (C2C) Segundo Turban e King o comércio eletrônico consumidor-empresa refere-se a indivíduos que utilizam a internet para vender produtos ou serviços á organizações, bem como aqueles que procuram vendedores a fim de que ofereçam lances, para obter os produtos e serviços que necessitam. Este é tipo de comércio que ocorre entre consumidores. Esta ligação entre consumidores está associada à transação direta, com a ajuda de alguma empresa. Os principais representantes do comércio C2C online são os leilões virtuais. 4. Bolsa de Compras Pode ser definida como o processo de compras corporativas via web, onde são levantados os gastos, além de garantir que as compras sejam objetivadas de acordo com os contratos. Nos últimos anos, vem se consolidando o conceito de que tão importante quanto a área de Vendas de uma empresa, é sua área de Compras. Uma negociação favorável para aquisição de bens, serviços e equipamentos tem reflexo direto no resultado financeiro das corporações, uma vez que as compras corporativas reduzem custos administrativos, além de aumentar a precisão do controle dos pedidos, possibilitando um melhor serviço aos seus clientes e fornecedores, e permitindo também, um aumento no poder de negociação dos contratos para as empresas participantes da bolsa de compras. Um reflexo dessa mudança pode é que em torno de 62% das empresas com faturamento acima de R$ 600 milhões por ano possuem uma diretoria específica de Compras (INBRASC, 2008). A Internet faz com que as aquisições corporativas deixem de ser um processo que envolve muita mão-de-obra e passem a ser um aplicativo self-service (auto serviço), onde os mesmos proporcionam um nível de serviço mais elevado, originando um menor tempo de espera do cliente e transacções mais rápidas. Consequentemente, a satisfação do cliente será maior, permitindo um melhor aproveitamento do tempo dos empregados, ficando estes com maior disponibilidade para clientes ou serviços mais específicos. Assim funcionários, gerentes, fornecedores, etc, podem enviar informações com maior facilidade e descontos para um grande volume de compras. 4.1 Vantagens da Bolsa de Compras Além da diminuição dos custos diretos da empresa, uma das vantagens das bolsas de compras é o progresso da eficiência de como as empresas trabalham com suas compras. Amortizando o 8

9 número de fornecedores, os gastos administrativos consequentemente declinam e a empresa auxilia a área de compras a obter um encaminhamento estratégico mais claro. Fisher (2000) relata quatro vantagens fundamentais das bolsas de compras: Possibilita acrescentar as compras de vários departamentos, aquisição de descontos por volume e contenção dos custos de barganha; Permite amortizar as compras de fornecedores não credenciados ou que não considere os padrões e requisitos de qualidade; Amplia uma melhor concepção das distinções que advém dos preços, confiabilidade de entrega e velocidade; Maior quantidade de informação sobre o produto: nos anúncios tradicionais, feitos pelos outros meios de propaganda não se obtêm tantas informações sobre o item a ser comprado, quando na internet; 4.2 Compras Conjuntas Pode-se entender como compras conjuntas o processo de colaboração entre duas ou mais organizações em uma ou mais etapas do processo de compras por meio do compartilhamento ou da união das compras de cada organização. 4.3 Vantagens de se utilizar compras conjuntas: Maior poder de transação com os fornecedores, devido ao aumento dos volumes de compras, como a obtenção de preços menores de compra e melhor qualidade dos produtos/serviços e atendimento dos fornecedores; Melhor qualidade do processo de compras; Redução dos custos de transação das empresas compradoras e fornecedoras, reduzindo a duplicação dos esforços e atividades; Aprendizado com outras organizações, compartilhamento de informações de preços de produtos fornecidos, outras práticas de mercado, processos e recursos; O Clube de Compras tem por objetivo permitir a associados de sindicatos ou entidades de classe, realizarem a compra conjunta de produtos, buscando com isso a obtenção de melhores preços, qualidade, prazos e formas de pagamento. A Figura 7 apresenta o acesso a área restrita, o usuário deve informar Login e Senha. Uma vez validados os dados, o usuário terá acesso ao sistema de acordo com seu perfil: 9

10 Gestor, Associado ou Fornecedor. Caso o usuário esqueça a senha, pode clicar em "Esqueci a senha", assim o sistema irá enviar para seu uma nova senha de acesso. Figura 1-Interface referente ao login A Figura 2 apresenta a consulta ao grupo de compras, onde é permitido ao Gestor gerenciar os Grupos de Compras por ele criados. O sistema apresenta a tela de consulta de grupos, trazendo por padrão os grupos gerenciados pelo Gestor no momento. O Gestor pode consultar os Grupos de outros Gestores, no entanto somente para visualização dos dados. 10

11 Figura 2 Interface referente à consulta grupo de compras A Figura 3 apresenta a interface que permite ao Gestor criar, alterar ou excluir um Grupo de Compras. Deverão ser informados o nome do grupo, seu Status e data de criação.nesta tela o Gestor vai selecionar os Associados que farão parte do Grupo de Compras, podendo incluir ou retirar Associados no Grupo. 11

12 Figura 3 Interface referente a administração do grupo de compras A Figura 4 apresenta a interface do sistema que permite ao Gestor cadastrar e/ou consultar as demandas de compras de seus associados, onde se pode realizar a pesquisa por produto ou associado. Esta tela fica disponível sempre que o Status do Grupo de Compras é "Demanda aberta" ou "Demanda fechada". Enquanto o status do Grupo de Compras é "Demanda aberta", o Gestor poderá incluir, alterar ou excluir as demandas, ou incluir Associados em determinada demanda de produto (TEL2.005). Enquanto o grupo estiver com este status, também os Associados poderão informar demandas. As figuras 5 e 6 ainda apresentam detalhes específicos relativos aos grupos de compra, quais sejam, informações relativas ao status do grupo e detalhes específicos referentes às cotações de produto, respectivamente. 12

13 Figura 4 Interface para Cadastro ou Consulta de Demandas no Grupo de Compras Figura 5 Interface para apresentação do status do Grupo de Compras 13

14 Figura 6 Interface para gerência de cotações 5. Modelagem proposta para SINDICOM A modelagem proposta consiste em um sistema web suportado por um sistema de gerenciamento de conteúdos (CMS) open source. Para tanto foi utilzada a ferramenta JOOMLA e servidor dinâmico de mapas MapServer, este também open source. O sistema desenvolvido possui os seguintes módulos básicos do CMS (Home, Notícias, Documentos, Links de Interesse, Fórum, Chat, Eventos, etc.), bem como o desenvolvimento das seguintes funcionalidades: Cadastro de associados; Cadastro de matérias-primas e produtos - sob demanda dos associados; Cadastro de fornecedores de matérias-primas e produtos; Oferta de preço para aquisição de matérias-primas e produtos em lote Grupo de compras; Entrada de dados, cálculo de indicadores de Inovação Tecnológica; e Visualização dos indicadores de Inovação Tecnológica em mapas temáticos dinâmicos. Em relação específica ao grupo de compras, vale a pena destacar que o grupo de compras do SINDICOM opera regularmente desde 2003, se reunindo semanalmente para verificar as necessidades e dificuldades de cada associado. Como todo grupo de compras, esse tem o objetivo de compartilhar informações. A partir dessa troca de informações, o grupo se fortalece e, dado o maior volume de compras obtido a partir da agregação das necessidades individuais de cada empresário, permitindo a obtenção dos seguintes benefícios, por exemplo: 14

15 melhores custos de aquisição, prazos de entrega, forma de pagamento. Assim, desde o início da parceria estabelecida entre a UDESC e o SINDICOM, em setembro de 2009, foi definido que uma das metas era a informatização do grupo de compras e todos seus processos relacionados. Como todo grupo de compras, esse passou por dificuldades até se consolidar. Uma das dificuldades relatadas era a falta de confiança inicial no grupo e, somente após, os três primeiros anos essa barreira foi rompida e o grupo de compras começou, de modo efetivo, a dar os resultados esperados. Para a informatização dos processos do grupo de compras do SINDICOM, verificou-se que a figura do gestor era e é fundamental para o funcionamento do grupo. Assim, foram estabelecidos os seguintes atores ao sistema: Associados: composto por integrantes do sindicato e que já faziam parte do grupo de compras. Um novo associado só poderá ser vinculado ao grupo de compras se tiver a aprovação dos demais associados. Gestor: é a pessoa que coordenará as atividades do grupo de compras. O presidente do sindicato é que faz o papel de gestor no sistema. Fornecedores: fornecedores de insumos em geral. A cada novo pedido de compra do grupo, podem ser cadastrados diversos fornecedores. Cada fornecedor, mediante acesso restrito ao portal, poderá fazer lances de acordo com o que o grupo está comprando naquele momento. A figura 7 apresenta a modelagem proposta e implementada para o clube de compras do SINDICOM. 15

16 5. Considerações finais Figura 7- Modelagem proposta e implementada para o grupo de compras Este artigo teve por finalidade principal apresentar um módulo (Bolsa de Compras) do sistema de apoio à gestão da inovação no setor moveleiro de Santa Catarina. A modelagem proposta permite aos associados do portal identificar oportunidades para compras conjuntas no setor moveleiro com o objetivo de aumentar o poder de barganha dos associados em relação à custos, prazos de pagamento, prazos de entrega e qualidade de insumos. Além disso, o grupo de compras apresenta as seguintes vantagens: Comodidade de compra: é possível se efetivar a compra a partir das necessidades declaradas de cada associado; respostas eficazes às condições de mercado: um exemplo acontece quando a empresa deseja abaixar o preço de um produto para combater o concorrente, ela pode fazê-lo em segundos; 16

17 processamento de transações sucinto e rápido: possibilitando uma resposta ágil a situações de desabastecimento e permite menores níveis de estoque; progresso de informações gerenciais fornecidas pela área de compras: admitindo a identificação de tendências para o processo das bolsas de compras; melhorias na procura de informações de pedidos; Desta forma, pode-se concluir que a pesquisa contribuiu para a implementação passo a passo de um portal e-procurement, visando atender os requisitos funcionais e não funcionais básicos, assim como toda a análise que envolve o portal. Referências ABIMÓVEL - Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário. Panorama da indústria brasileira de móveis. Disponível em <www.abimovel.com>. Acesso em: 09/12/2009. ALBERTIN, Alberto Luis. Comércio Eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. 2ªed. São Paulo: Atlas, ALBERTIN, Alberto Luis. O Comércio Eletrônico Evolui e consolida- se no mercado Brasileiro. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo. Out./Dez BNDES BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Disponível em CARVALHO, Rodrigo Baroni. Intanets, Portais Corporativos e Gestão do Conhecimento: Análise das experiências de organizações Brasileiras e Portuguesas. Belo Horizonte, Escola de Ciência da Informação da UFMG, CORREIA, A. M. R. and SARMENTO, A. Knowledge Management: Key Competences and Skills For Innovation and Competitiveness. Technology and HRM Conference proceedings. CERAM Sophie Antipolis, France, May, CRISTIANO, Altemar Carlos. Aspectos que interferem no crescimento do Comércio Eletrônico: aplicação empresa-a-consumidor (business to customer B2C). Universidade Estadual de Maringá. Caderno de Administração. V.13, N.2, p , JUL/DEZ DANIEL, Cristiane. Implantação de um sistema de Compras Eletrônicas. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, FISHER, A. Understanding e-procurement. London: Finantial Times (FT.com), Disponível em: < 17

18 GHERARDI, Silvia. Organizational Knowledge: The Texture of Workplace Learning. Organization and strategy. Blackwell publishing Ltd, ISBN 10: HANDFIELD, R. B.; WALTON, S. V.; SEEGERS, L. K.; MELNYK, S. A. Green value chain practices in the furniture industry. Journal of Operations Management 15, pp , HAYASHI, M. C. P. I.; HAYASHI, C. R. M.; SILVA, M. R. Competências em Ciência, Tecnologia & Inovação: um estudo exploratório no Portal Inovação. Informação & Informação. n. 2, vol. 11, jul.-dez INBRASC INSTITUTO BRASILEIRO DE SUPPLY CHAIN. Panorama da área de Compras no Brasil - Cenário Abril, LAW, A.M., KELTON, W.D. Simulation Modeling & Analysis. 2ª Ed., McGraw-Hill, MAYA, P. C. & OTERO, W. I. (2002)- A Influência do Consumidor na era da Internet. Revista da FAE. Curitiba, V.5, nº1, jan/abr., p O BRIEN, J. A. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da Internet. São Paulo: Saraiva, PEGN Pequenas Empresas e Grandes Negócios. Outubro de Disponível em <http://empresas.globo.com/empresasenegocios/>. Acesso em: 09/10/2009 ROBB, David; XIE, Bin. A Survey of Manufacturing Strategy and Technology in the Chinese Furniture Industry. European Management Journal, v. 21, n. 4, pp , SEBRAE Informe do SEBRAE. Disponível em <http://empresas.globo.com/empresasenegocios/0,19125,ewe a ,00.html>. Acesso em: 20/11/2009. TURBAN, E.;KING, D. Comércio Eletrônico: Estratégia e Gestão. São Paulo: Pearson,

PORTAL DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA: O CASO DA BOLSA DE COMPRAS DO SETOR MOVELEIRO DO PLANALTO NORTE CATARINENSE

PORTAL DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA: O CASO DA BOLSA DE COMPRAS DO SETOR MOVELEIRO DO PLANALTO NORTE CATARINENSE XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Portal de apoio a Gestão da Inovação Tecnológica Setorial Moveleira

Portal de apoio a Gestão da Inovação Tecnológica Setorial Moveleira Portal de apoio a Gestão da Inovação Tecnológica Setorial Moveleira Nilson R. Modro 1, Hemanuelle L. da Silva 1, Nelcimar R. Modro 1, Rafael M. Sperb 2, Neilson L. R. Modro 3 1 Universidade do Estado de

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet. E-commerce Prof Marcus Regenold Disciplina Negócios pela Internet O comércio eletrônico (CE) é, basicamente, a realização de transações empresariais vida rede de telecomunicações, especialmente a Internet.

Leia mais

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo

24/05/2013. Comércio Eletrônico. Prof. João Artur Izzo Comércio Eletrônico 1 A evolução do sistema mercadológico tem exigido das organizações grande esforço para a assimilação e utilização das tecnologias de informação referentes a comércio eletrônico, em

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO

CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO CLASSIFICAÇÃO DE UM COMÉRCIO ELETRÔNICO Classificação dos Tipos de CE Consumidor Empresa Governo Consumidor Empresa Governo CLASSIFICAÇÃO DO CE Business-to-business (empresa-empresa - B2B): Modelo de CE

Leia mais

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Comércio Eletrônico. Comércio Eletrônico. Grau de digitalização. Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização: Comércio Eletrônico FTS Faculdade Taboão da Serra Curso de Administração de Sistemas de Informações Disciplina: Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico Caracteriza-se Comércio eletrônico pelo grau de digitalização:

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Comércio Eletrônico FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Definição Toda atividade de compra e venda realizada com recursos eletrônicos; Uso de mecanismos eletrônicos para a

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 4.1 4 OBJETIVOS OBJETIVOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios

Leia mais

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico

Apostila. Comércio Eletrônico. e-commerce. Professor: Edson Almeida Junior. Comércio Eletrônico Apostila Comércio Eletrônico e-commerce Professor: Edson Almeida Junior Material compilado por Edson Almeida Junior Disponível em http://www.edsonalmeidajunior.com.br MSN: eajr@hotmail.com E-Mail: eajr@hotmail.com

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

SISTEMAS PARA INTERNET

SISTEMAS PARA INTERNET Unidade II SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade II Comércio Eletrônico Tecnologia de Comércio Eletrônico Categorias do Comércio Eletrônico M-commerce Comércio eletrônico

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos

A empresa digital: comércio e negócios eletrônicos Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 06 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS².

Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS². Aplicação Web para comércio eletrônico institucional Guilherme CORRÊA¹; Thiago DIAS². ¹Estudante do curso Análise e Desenvolvimento de sistemas. Instituto Federal de Minas Gerais campus Bambuí. Rod. Bambuí

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Aula 3 - Modelos de Negócios na Web Image: FreeDigitalPhotos.net Modelo de negócios Definição clássica "É um método de fazer negócios por meio do qual uma empresa

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Fundamentos do Comércio Eletrônico

Fundamentos do Comércio Eletrônico Administração e Finanças Uniban Notas de Aula Comércio (e-commerce) Prof. Amorim Fundamentos do Comércio Comércio Mais do que a mera compra e venda de produtos on-line. Engloba o processo on-line inteiro:

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Sistemas de Informações e o Uso comercial

Sistemas de Informações e o Uso comercial ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ASI Elabora por Prof.Mestra Rosimeire Ayres Conectan a Empresa à Rede Intranet Internet Extranet B2B B2C B2E C2C As empresas estão se tornan empresas conectadas

Leia mais

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos O mercado exige... Produtos e serviços entregues de acordo

Leia mais

Comércio eletrônico. Conceitos:

Comércio eletrônico. Conceitos: Comércio eletrônico Conceitos: O comércio eletrônico é a transação realizada por meio eletrônico de dados, normalmente internet. Situação em que a empresa vendedora cria um site, que funciona como uma

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 11 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 1 OBJETIVOS 1. Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? 2. O que é comércio eletrônico?? Como esse tipo de comércio

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni

Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas. Laura Fragomeni Vendas Coletivas e publicidade nas indústrias criativas Laura Fragomeni Agenda Crescimento do E-commerce Modelos de negócio Breve histórico das Vendas Coletivas Vendas Coletivas e o Marketplace Novas Tendências

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

II. Visão Geral do e-business

II. Visão Geral do e-business II. Visão Geral do e-business 1. e-commerce X e-business 2. Vantagens do e-business 3.Problemas na Internet 4. Tipos de e-business 5. Categorias de e-business 6. Ferramentas de Comércio Eletrônico 7. Dimensões

Leia mais

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa

O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa O impacto do e-procurement na obtenção de insumos hospitalares: o caso de um hospital da rede particular da cidade de João Pessoa Andrea Regina Monteiro (UFPB) areginamonteiro@bol.com.br Mariana Moura

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1

Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais. slide 1 Comércio eletrônico: mercados digitais, mercadorias digitais slide 1 Nexon Games: o comércio eletrônico torna-se social Problema: concorrência com outras empresas de jogos on-line e off-line; aumentar

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

VISÃO GERAL DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

VISÃO GERAL DO COMÉRCIO ELETRÔNICO VISÃO GERAL DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Profº Celio Conrado Sumário 1.1 - Definições e conceitos do Comércio Eletrônico... 4 COMÉRCIO ELETRÔNICO... 4 E-BUSINESS... 4 ESTATÍSTICA DO DESEMPENHO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA

AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA SILVA, FERNANDO TEIXEIRA CARVALHO, RENAN GUSTAVO MOLINA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DO E-COMMERCE NAS PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): MAITHÊ CORSI DA

Leia mais

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes?

Comércio eletrônico 05/05/15. Objetivos de estudo. Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as aplicações mais importantes? Escola Superior de Gestão e Tecnologia Comércio eletrônico Mercados digitais, mercadorias digitais Prof. Marcelo Mar3ns da Silva Objetivos de estudo Qual o papel do e- commerce nos negócios e quais as

Leia mais

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC

Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC Wagner K. Arendt Coordenador de TI FCDL/SC sua empresa na Internet A criação de um site é uma regra geral para empresas que querem sobreviver em um mercado cada vez mais agressivo e um mundo globalizado,

Leia mais

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS

A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E ELETRÔNICOS Capítulo 4 A EMPRESA DIGITAL: COMÉRCIO E NEGÓCIOS ELETRÔNICOS 4.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como a tecnologia de Internet mudou propostas de valor e modelos de negócios? O que é comércio eletrônico?

Leia mais

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda.

E um dia, quem sabe, poderemos despertar para o ser empreendedor. E ganhar dinheiro com esta história toda. COMÉRCIO ELETRÔNICO Introdução O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos e formas de

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 01 Negócios e Tecnologia da Informação Objetivos da Aprendizagem Discutir as pressões corporativas e as reações que

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

O que pode ser financiado?

O que pode ser financiado? BNDES Automático Projetos de Investimento BNDES Automático Obras civis, montagem e instalações Móveis e Utensílios Estudos e projetos de engenharia associados ao investimento Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007):

e-business Os tipos básicos de ebusiness são (PEDREIRA, 2007): e-business (Extraído do Artigo ebusiness: A Atual Maneira de Efetuar Transações Ana Cristina Matos, Gabriela Villanova, Gianluca Nese, Juan Pablo, Maraiana Orrico e Antônio Cardoso) 1. Definição ebusiness,

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE PET SHOP

SISTEMA GERENCIADOR DE PET SHOP SISTEMA GERENCIADOR DE PET SHOP JUNIOR, J.A.S.; MODESTO, L.R. Resumo Este artigo aborda aspectos referentes ao SGPS (Sistema Gerenciador de Pet Shop), feito especificamente para o setor comercial. Apresentando

Leia mais

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho

AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS. Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho AULA 1 SOLUÇÕES EM NEGÓCIO ELETRÔNICOS Prof. Adm. Paulo Adriano da Silva Carvalho Adm. Paulo Adriano da S. Carvalho Formado em Administração; MBA em Gestão Empresarial; Formado em Ciências da Computação;

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação.

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação. Capítulo 2 1 Enfrentar a concorrência com tecnologias da informação 2 Objectivos ƒ Identificar estratégias de concorrência básicas e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens

Leia mais

Apresentação Comercial

Apresentação Comercial Apresentação Comercial Quem Somos O HANT é uma vertical da empresa NDDigital, com foco em desenvolver soluções através de software e serviços direcionados a atender a cadeia de compra das empresas, desde

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 *

E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * E-COMMERCE E COMÉRCIO FÍSICO 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Henrique Santos Pinheiro UEMG Unidade Carangola Márcio Ferreira dos Passos UEMG Unidade Carangola Rogério de Oliveira

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Bloco Comercial Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Vendas, Loja Virtual e Gestão de Comissões, que se encontram no Bloco

Leia mais

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Comércio Eletrônico. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Comércio Eletrônico Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper

Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper Gestão de Contextos Visão Calandra Soluções sobre Gestão da Informação em Contextos White Paper ÍNDICE ÍNDICE...2 RESUMO EXECUTIVO...3 O PROBLEMA...4 ILHAS DE INFORMAÇÃO...4 ESTRUTURA FRAGMENTADA VS. ESTRUTURA

Leia mais

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2. MBA Gestão de TI. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO AULA 2 MBA Gestão de TI Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com 2 3 Um otimista vê uma oportunidade em cada calamidade; um pessimista vê uma calamidade em

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013

Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013 Linhas de Financiamento do BNDES voltadas à inovação São Paulo Cidade da Inovação FIESP SP 21 de outubro de 2013 Classificação de Porte utilizada Porte da Empresa Receita Operacional Bruta Anual M P M

Leia mais