Inovação e competitividade sistêmica: influências percebidas no APL de Tecnologia da Informação e Comunicação de Recife Porto Digital

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inovação e competitividade sistêmica: influências percebidas no APL de Tecnologia da Informação e Comunicação de Recife Porto Digital"

Transcrição

1 Inovação e competitividade sistêmica: influências percebidas no APL de Tecnologia da Informação e Comunicação de Recife Porto Digital Resumo Autoria: Victor Souza Sgarbi, Ana Carolina Vital da Costa, Camila Scheidegger Farias, Bartira Pereira Amorim, Gesinaldo Ataíde Cândido As mudanças no ambiente sócio-econômico e a maneira como as empresas se organizam e fazem negócios têm implicado em novas configurações empresariais em um mercado demasiadamente competitivo. Neste contexto, um fator preponderante para o sucesso das organizações é sua capacidade de inovação, que possibilita maximizar a vantagem competitiva a partir do desenvolvimento de algo novo no mercado. Para melhor compreender esse processo, as organizações, indústrias e economias buscam avaliar a sua competitividade por meio de indicadores quantitativos de qualidade, produtividade, eficiência e desempenho econômico. Contudo, a competitividade vista desta perspectiva econômica não reflete a realidade dinâmica dos cenários competitivos, pois não resulta apenas da situação econômica dos mercados e das empresas, mas de uma série de fatores interligados de modo sistêmico que acarretam na competitividade ou não das indústrias e países. Dessa forma, estudos relevantes para o entendimento da competitividade sistêmica têm sido feitos nas últimas décadas por diversos autores que definiram conceitos próprios sobre a temática, representados por modelos que permeiam conceitos de inovações empresariais. Atrelado a isso, uma das estratégias utilizadas para o aumento da competitividade tem sido a formação de redes de empresas que permitem estabelecer relações de cooperação e interação com outras empresas do mesmo segmento pela criação dos chamados Arranjos Produtivos Locais (APLs). O APL de Tecnologia da Informação e Comunicação de Recife Porto Digital caracteriza bem esses conceitos, por se tratar de um Arranjo do setor de Software já bastante desenvolvido. Assim, este trabalho tem como objetivo analisar como os aspectos da capacidade de inovação do APL de Tecnologia da Informação e Comunicação de Recife Porto Digital influenciam a sua competitividade sistêmica. A pesquisa caracteriza-se como exploratória e descritiva, com análise de dados qualitativos e quantitativos, por meio da aplicação do modelo do Instituto Alemão de Desenvolvimento IAD, proposto por Esser et al. (1994). A coleta de dados se deu por meio da aplicação de questionário junto a proprietários ou gestores das empresas que compõem o APL. Após o cálculo dos níveis de competitividade, observou-se que o APL de TIC estudado, encontra-se em um nível de alerta, conforme os parâmetros utilizados. As principais fragilidades identificadas foram as interações com órgãos financiadores de pesquisa e a necessidade de políticas públicas voltadas para a promoção do desenvolvimento do setor, enquanto que os aspectos mais positivos identificados se referem à capacidade interna de as empresas de desenvolverem novos produtos, processos e práticas, bem como sua interação com os atores locais, em especial com as instituições de ensino e pesquisa. 1

2 1. Introdução Diante das mudanças ocorridas em função dos intensos avanços tecnológicos, do crescimento populacional e do surgimento de demandas sociais cada vez mais complexas, observa-se que as organizações têm buscado progressivamente mais caminhos para o seu desenvolvimento dentro dos segmentos nos quais atuam, assim como têm buscado também por novas formas de gerenciamento que permitam desenvolver estratégias de crescimento e permanência em um mercado cada vez mais competitivo e globalizado. A inserção das empresas neste cenário alimenta as discussões sobre crescimento da indústria, concorrência, competição e competitividade. Tem sido uma preocupação das organizações a constante busca para a compreensão dos fatores que contribuem e desenvolvem a capacidade competitiva. As empresas buscam uma posição competitiva e para isto fazem uso de estratégias que têm como objetivo principal o alcance e manutenção de vantagem competitiva. Uma das estratégias utilizadas para o aumento da competitividade tem sido a formação de redes de empresas. Essa formação de redes tem assumido diversas formas, e as redes aqui escolhidas foram os Arranjos Produtivos Locais, que podem ser definidos como uma concentração geográfica de empresas e instituições que se relacionam em um setor particular, interagindo com universidades, associações de classe, organizações que provêem educação, informação, conhecimento e/ou apoio técnico e entretenimento, dentre outros (BNDES, 2008). Um dos aspectos mais relevantes desses Arranjos concentra-se em sua capacidade de aglomerar um conjunto de variáveis como confiança, cooperação e parceria, variáveis essas responsáveis por viabilizar a permanência das empresas no mercado. Outra característica que merece ser salientada é a especialização na produção, visto que esta tem proporcionado um aumento na escala de produção das empresas, favorecendo, sobretudo, a produção compartilhada, a partir do estímulo das práticas cooperativas e participativas. A competitividade em uma aglomeração deste tipo é um dos elementos fundamentais numa política de desenvolvimento, especialmente no estabelecimento e na concentração de esforços que promovam condições competitivas para as firmas e, conseqüentemente, favoreçam ao desenvolvimento da localidade onde estão inseridas. Neste contexto, um dos pontos fundamentais, no que se refere a essa política de desenvolvimento empresarial e local, consiste na capacidade de inovação que estas empresas possuem frente às demandas de mercado, ou seja, a capacidade que as organizações apresentam em responder e satisfazer as novas tendências exigidas pelo mercado em que competem. A inovação encontra um ambiente bastante propício ao seu desenvolvimento nesses Arranjos, haja vista serem estes compostos por pequenas e médias empresas que, muitas vezes, possuem baixa capacidade de desenvolver processos inovativos. Para que esse processo ocorra, então, faz-se necessário o envolvimento de vários dos atores desses Arranjos (ROSALEM et al, 2008). Desde que são ambientes naturalmente férteis à inovação, esse processo pode ser impulsionado pelo incentivo a essa prática e pelas alianças e parcerias que nele podem ser desenvolvidas. Em virtude do crescente destaque dado à formação de redes para o aumento da competitividade das empresas, e que isto tem sido cada vez mais atrelado à sua capacidade de inovação, optou-se por avaliar tais fatores no Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação de Recife, o Porto Digital. Assim, o objetivo deste artigo consiste em analisar como os aspectos da capacidade de inovação do APL de Tecnologia da Informação e Comunicação de Recife Porto Digital influencia a competitividade sistêmica desse setor, a partir da aplicação do modelo de Esser et al. (1994). Para atingir tal objetivo, no desenho metodológico, foram utilizadas as pesquisas exploratória e descritiva, com análise de dados qualitativos e quantitativos, visto que foi calculado o nível da competitividade 2

3 sistêmica. A coleta de dados se deu por meio da aplicação de um questionário junto a proprietários ou gestores das empresas que compõem o APL. Assim, estruturou-se esse artigo em cinco capítulos, sendo a de fundamentação teórica a que sucede a esse capítulo introdutório, na qual se apresenta uma discussão teórica sobre APLs, inovação, competitividade e modelos de competitividade sistêmica. No capítulo posterior apresentam-se os procedimentos metodológicos; seguidos da análises dos dados e, na seqüência, as considerações finais. 2. Fundamentação teórica 2.1 Arranjos Produtivos Locais Diante das mudanças que caracterizam o cenário sócio-econômico atual, observa-se a necessidade de fortalecer as relações interempresariais para o aproveitamento de sinergias coletivas que facilitem, dentre outros aspectos, o compartilhamento de informações, a cooperação e a interação entre os atores, no intuito de fomentar a competitividade do setor e, conseqüentemente, das empresas que o compõem. Para tanto, uma alternativa encontrada tem sido a configuração de redes empresariais, as quais apresentam como características inerentes a elas a cooperação e interação das empresas entre si e destas com instituições relacionadas. Elas contribuem com as empresas e produtores ao minimizar as dificuldades individuais de cada um e, ao mesmo tempo, maximizar suas qualidades enquanto organização. A difusão da lógica de redes modifica a operação e os resultados dos processos produtivos, estimulando uma cultura de desconstrução e construção contínua, de constante aprendizado e criação de novos valores sociais (CASTELLS, 2005). Para Porter: Os aglomerados seriam definidos como um sistema de empresas e instituições inter-relacionadas, cujo valor como um todo é maior que a soma das partes (PORTER, 1999, p. 226). A característica de inserção indicada por Porter (1999) nesses aglomerados empresariais é mais comum para as empresas de pequeno e médio porte. Considerando essa característica de integração entre os atores que compõem esse aglomerado, CASSIOLATO et. al (2002) apud Campos e Carvalho (2005), afirmam que para se obter maior sucesso no desenvolvimento destas redes, é necessária a criação de uma institucionalidade de políticas de micro, pequenas e médias empresas; além de adotar algumas ações que tragam informação, capacitação e sensibilização; e a criação de políticas de inovação voltadas para essas empresas. Assim, os Arranjos Produtivos Locais APLs, são formados, em determinada região, por um conjunto especializado de conhecimentos voltados para um tipo de produção de um setor econômico, e que se tornam ainda mais importantes em regiões cujo desenvolvimento econômico seja baixo (SANTOS, 2009). Outras características dos APLs são a notável quantidade de pequenas e médias empresas em detrimento das empresas de grande porte, o que possibilita o aprendizado coletivo, a especialização do grupo de empresas na produção de um determinado bem especificamente, existência de uma rede de relacionamentos formais e informais e compartilhamento de uma certa cultura, e de certos níveis de cooperação (SANTOS; GÓMEZ, 2010). A integração característica desses arranjos possibilita aos atores que os compõem maior facilidade no compartilhamento de informações e de flexibilidade quanto ao atendimento de novas demandas sociais e econômicas. Isso pode propiciar maior facilidade de inovar em produtos ou processos, por meio da parceria entre atores de diferentes setores setor privado e setor público, empresas e instituições de ensino e pesquisa, por exemplo. A sua capacidade de integração territorial, aliada aos esforços empreendidos para a cooperação ampliam as possibilidades de inovação na capacidade produtiva dessas empresas, além de 3

4 governança nas atividades (SANTOS; GÓMEZ, 2009), o que torna esses Arranjos mais competitivos em seus setores de atuação. 2.2 Inovação e a Competitividade em APL De acordo com Passos et al. (2004) dentre os poucos consensos estabelecidos no debate acerca do atual processo de globalização, encontra-se a inovação como fator fundamental na definição da competitividade e no desenvolvimento de nações, regiões, empresas e setores. Também segundo os autores, esse novo paradigma apóia-se no desenvolvimento de novas tecnologias de comunicação e informação e o aumento desses componentes tecnológicos nos produtos e serviços é tido como um desafio para as empresas que vêem na inovação um ativo capaz de torná-las sustentáveis. Corroborando com a idéia, Dosi (1988) apud Lopes (2008) complementa que a capacidade de uma empresa realizar mudanças e avanços, dentro de um padrão estabelecido, é fortemente influenciada pelas características das tecnologias que estão sendo utilizadas, bem como pela experiência acumulada pelos gestores. Sendo assim, pode dizer que o processo inovativo não é um ato isolado, mas sim um processo dinâmico. Trata-se de uma busca, descoberta, experimentação, desenvolvimento, imitação e adoção de novos produtos, processos e novas técnicas organizacionais. A classificação conceitual de inovação tem sido dividida entre inovação de produtos, de processos e inovações organizacionais. As primeiras envolvem a criação de um novo item, completamente diferente do que estava sendo produzido antes ou apenas com modificações incrementais. Já a inovação de processos está relacionada à incorporação de novas técnicas de produção ou de comercialização (OCDE, 1997) e as inovações organizacionais abrangem a adoção de novas práticas organizacionais (RENNINGS, 1998). Além disso, as inovações caracterizam-se também pelos diferentes tipos de contribuição que podem oferecer, podendo ser radicais, que modificam completamente o que já vinha sendo feito ou criam novos produtos, processos ou ferramentas organizacionais, assim como podem ser incrementais, em que as modificações se restringem a alguns aspectos. Essas inovações também podem se manifestar de variadas formas, seja como replicação (assegurando que determinado campo está desenvolvido da forma correta), redefinição (observando o estado atual do campo de estudo sob uma nova ótica ou perspectiva), incrementalismo (possível ou não se ser alcançado por outros atores), reconstrução ou redirecionamento da inovação (a reiniciação ao ponto de partida) ou ainda a integração a um ou mais tipos de inovação anteriores, mesmo que tenham sido consideradas contraditórias (HALILA, 2007). Determinar as atividades empresariais que consistem em esforços para a inovação é uma tarefa metodologicamente complexa, que envolve a análise de ações que vão desde a concepção do produto ou serviço até sua distribuição final. Para avaliar a capacidade de inovação de uma empresa, geralmente se faz uso de indicadores de insumos ou esforços ou os indicadores que meçam os resultados, em forma de produtos, processos inovadores ou patentes (FURTADO, QUEIROZ, 2007; OCDE, 1997). Essa classificação apontada pelo Manual de Oslo (1997) se adéqua a esse trabalho e permite justificar os critérios escolhidos para análise da inovação do setor estudado, considerando os esforços e insumos empreendidos em processos relativos à inovação. Além disso, essa definição se ajusta especialmente a grupos de empresas, não apenas para unidades empresariais individuais (FURTADO, QUEIROZ, 2007), o que conduz o processo de análise a considerar também os aspectos de integração inerentemente presentes no tipo de ambiente estudado, um APL. Nesse processo, o ponto fundamental consiste no planejamento e na administração das atividades que precisam ser desenvolvidas. A busca contínua de novas experiências no sentido de agregar valor ao processo e à organização consiste na maior preocupação das 4

5 empresas, visto que optar pela inovação consiste em assumir desafios, sem perder o foco na obtenção de resultados almejados. Por fim, Passos et al. (2004) apresentam a discussão a cerca da dimensão local como um fator determinante da capacidade inovativa. Nesse sentido, os autores destacam os Arranjos Produtivos Locais (APLs) como mecanismos fundamentais para o desenvolvimento regional à medida que propicia a disseminação do conhecimento, estimulam o aprendizado interativo e a capacidade de inovação de uma rede de agentes. Sendo assim, tais arranjos constituir-se-iam em uma alternativa viável e importante de desenvolvimento econômico Competitividade e inovação em APL Além dos vínculos citados anteriormente, observa-se concomitantemente a relevância dos APLs para com a competitividade do setor onde atuam, pois não só as integrações entre empresas são promovidas no processo de inovação, mas também as parcerias entre empresas e instituições de ensino superior e de pesquisa, que são, no Brasil, a forma mais comum de origem das inovações criadas, o que é positivo também para o aumento da competitividade da localidade e da nação (ALMEIDA, 2008; SILVA, MAZZALI, 2001). A inovação não acontece em decorrência apenas de determinação individual. O ambiente no qual a empresa está inserida pode influir potencialmente em sua capacidade de inovação. No caso de um APL, as relações sociais, econômicas e culturais que caracterizam a integração entre os atores de diferentes naturezas afeta a capacidade de esse Arranjo conseguir inovar em seus produtos, processos ou práticas de gestão, assim como também afeta a competitividade desse setor (SANTOS, GÓMEZ, 2010). A constante busca para a compreensão dos fatores que contribuem e desenvolvem a capacidade competitiva tem sido uma preocupação das nações, indústrias e organizações. O conceito de competitividade é amplamente discutido e diversas tentativas de estabelecer teorias e modelos capazes de explicar e avaliar as suas causas e efeitos vêm sendo elaboradas. Apesar de não haver uma definição específica e única para o que é competitividade, é fato a preocupação das empresas em lidar com a concorrência e competição cada vez mais crescente (COUTINHO, FERRAZ, 1995; ESSER et al., 1994; PORTER, 1986, 1989, 1999). As organizações buscam uma posição competitiva na indústria onde está inserida e para isto utilizam-se de estratégias que têm como objetivo principal o alcance e manutenção de vantagem competitiva. Entende-se por indústria, neste caso, o grupo de empresas fabricantes de produtos que são substitutos bastante aproximados entre si (COUTINHO, FERRAZ, 1995; PORTER, 1986; WIT, MEYER, 2004). A avaliação dos fatores relacionados à competitividade permite que as empresas tenham uma visão do sistema em que ela está inserida e como as suas ações podem contribuir ou prejudicar a sua competitividade. Com o objetivo de auxiliar as empresas no estudo da sua competitividade alguns modelos vêm sendo desenvolvidos nesse sentido. Estudos relevantes para o entendimento da competitividade sistêmica têm sido feitos nas últimas décadas por diversos autores (Ferraz et al., 1994; Ferraz, Kupfer, Haguenauer, 1997; Meyer-Stamer, 2001) que definiram conceitos próprios sobre a temática. Em cada modelo existem diferentes aspectos que vão determinar a competitividade, o que modifica assim a perspectiva da análise. Esser et al. (1994), em seu modelo, afirmam que a competitividade é obtida por meio da interação complexa e dinâmica envolvendo o Estado, as empresas, as instituições intermediárias e a capacidade de organização da sociedade. Já Meyer-Stamer (2001) percebe a competitividade através de níveis local, nacional e supranacional que assim promovem o potencial de desenvolvimento de uma localidade ou região. Os autores supracitados convergem na idéia de que a competitividade deve ser analisada de modo sistêmico, pois ela não ocorre de maneira isolada, de modo que todas as 5

6 divisões feitas pelos mesmos são meramente para motivo de estudo. O consenso se dá em que os fatores determinantes da competitividade se inter-relacionam e interagem de maneira dinâmica. Comparando os modelos supracitados pode-se perceber que os mesmos possuem similaridades e disparidades relevantes que, ao serem descritas, são importantes ferramentas de auxilio à tomada de decisão do pesquisador em relação a futuros testes e análises. Apesar de partirem do mesmo princípio, o de que a competitividade é fruto da relação dinâmica de diversas variáveis de forma sistêmica, as abordagens diferem em características, alcance e modos de uso. Isso não significa que os modelos estão impossibilitados de serem adaptados e moldados às necessidades do seu objeto/lócus. O caráter sistêmico dos modelos é que garante a possibilidade de se estabelecerem relações entre os constructos. No entanto, o modelo de Esser et al. (1994) foi escolhido para este trabalho por se deter mais profundamente sobre as relações existentes e por considerar a capacidade estratégica dos stakeholders em se fazerem presentes tanto no diálogo quanto por meio da articulação, além de considerar que a competitividade se realiza por meio dos fatores determinantes existentes nos níveis meta, meso, macro e micro; fatores esses essenciais na construção competitividade de um APL Modelo de competitividade sistêmica do Instituto Alemão de Desenvolvimento (IAD) e sua relação com a inovação A constante mudança nos padrões tecnológicos e industriais causam forte impacto na economia global. Considerando essa realidade, Esser et al. propuseram em 1994 um modelo de competitividade sistêmica junto ao IAD- Instituto de Desenvolvimento Alemão que busca identificar a competitividade por meio dos seus determinantes: (1) o diálogo e articulação entre os stakeholders (capacidade de liderar e conduzir através da competição, do diálogo e da tomadas de decisões participativas) e (2) a interação entre eles nos níveis micro (ambiente interno das empresas), meso (instituições intermediárias), macro (condução macroeconômica) e meta (estrutura da sociedade). Cada nível abrange grupos diferentes de atores, como mostra na Figura 1. Tais atores, por meio de ações e políticas, implementam medidas que podem favorecer ou agravar a competitividade sistêmica de uma localidade. Figura 1: Determinantes da competitividade sistêmica: capacidade estratégica dos stakeholders Fonte: Esser et al. (1994). A interação entre os atores se dá nos níveis micro, meso, macro e meta (Figura 2). No nível meta, que segundo Barreto (2008) relaciona-se com questões de cunho sócio-cultural, a importância está na existência de padrões de organização que permitam mobilizar capacidades da criatividade da sociedade (ESSER et al. 1994, p. 21). 6

7 Logo após, está o nível macro que representa o contexto macroeconômico de um país e por isso é importante que esse ambiente esteja estável para que as empresas tenham vantagem competitiva (Barreto, 2008 p. 21). Nesse nível, para se obter competitividade é preciso que a política monetária procure um marco estável com baixa taxa inflacionária; a política orçamentária busque manter o déficit sob controle; a política de competição evite a formação de monopólios e cartéis e abusos de poder de mercado, dentre outros (ESSER et al. 1994). A dimensão meso é o espaço onde os atores sociais negociam as políticas de apoio e promovem a estruturas sociais. A competitividade nesse nível acontece através de políticas locais das instituições mediadoras que visem, por meio da articulação e formação de tramas sociais, proporcionar as condições gerais de incentivo à inovação. No nível micro a competitividade é influenciada pelas próprias estruturas e processos da empresa. Nesse nível a competitividade abrange a capacidade das empresas em otimizar a utilização de seus recursos e produzir produtos (bens e serviços) da mais alta qualidade e a custos baixos. Para medir a competitividade a nível micro de uma empresa, o modelo de Esser et al. (1994) indica que a eficiência (indicadores de produtividade do trabalho e do capital da empresa); flexibilidade (habilidade de mudar para produzir novos produtos, de acomodar eficazmente mudanças no volume, de processar partes via diferentes lugares na planta caso haja quebras e ou outros imprevistos, do maquinário de variar a seqüência de operações, de produzir famílias de produtos de diferentes formas possivelmente usando diferentes materiais); qualidade e, a rapidez de reação deve ser levadas em consideração. Figura 2: Determinantes da competitividade sistêmica: interação Fonte: Esser et al. (1994). No primeiro nível, o Nível Meta, propõe-se uma gestão que leva à solução conjunta de problemas, aos processos de aprendizagem e ao desenvolvimento da capacidade de previsão e resposta. Aqui relaciona-se o nível mais elevado da sociedade e compreende-se questões de cunho sócio-cultural, escalas de valores, padrões de organização política, jurídica e econômica e capacidade de estratégia política (ESSER et al, 1994). Já o Nível Macro representa o contexto macroeconômico de um país, e suas respectivas políticas. É importante que esse ambiente se apresente estável, para que as 7

8 empresas possam se tornar competitivas perante as demais. Aqui as políticas fiscal, orçamentária, monetária e cambial ganham destaque (ESSER et al. 1994). O Nível Meso se encaixa entre o contexto macroeconômico e o nível das empresas em si (micro) e requer políticas localizadas ativas. Dentro desse nível, segundo Esser et al. (1994), está a responsabilidade de configurar os entraves específicos das empresas, tendo como base os seguintes aspectos: reformar a infraestrutura (sistemas de transporte, telecomunicações e energia) com vistas a competitividade, assim como políticas dirigidas às áreas de educação ou pesquisa e tecnologia; dar uma fisionomia específica a uma política comercial e aos sistemas normativos (normas ambientais, normas técnicas de segurança) que contribuem para a criação de vantagens competitivas nacionais específicas. No nível Micro encontram-se as atividades das próprias empresas, direcionadas pelas características dos outros três níveis (MEYER-STAMER, 2001). Neste nível está compreendida a capacidade das empresas em otimizar a utilização de seus recursos e produzir produtos (bens e serviços) da mais alta qualidade e a custos baixos. Sendo assim, a capacidade de gestão, as estratégias empresariais, as capacidades inovadoras, as práticas de produção, a integração em redes de cooperação tecnológica, a gestão logística e a interação entre fornecedores, clientes e produtores são aspectos de análise característicos desse nível do modelo em questão (ESSER et al., 1994). Percebe-se que nos níveis Micro e Meso encontram-se maiores possibilidades de analisar os aspectos da capacidade de inovação das empresas, pois é onde se concentram a análise de características internas de gestão e a integração com os atores locais. Apesar disso, os outros níveis também apresentam aspectos de análise relevantes no que concerne à avaliação da inovação nesse Arranjo. Assim, procede-se à análise desses fatores, a partir dos itens utilizados para avaliação da competitividade sistêmica desse APL. 3 Procedimentos metodológicos A pesquisa realizada teve objetivo de proporcionar análise sobre assunto ainda pouco discutido, e que apresenta poucos trabalhos relacionados à temática e com esse tipo de análise, dessa forma, caracterizou-se como de natureza exploratória (BALASSIANO, 2009) e descritiva, por também apresentar as características de uma situação, nesse caso, da influência do fator inovação para a competitividade local (MARKONI, LAKATOS, 2002). A abordagem da pesquisa foi quantitativa e qualitativa. Na primeira etapa do trabalho recorreu-se ao levantamento bibliográfico para suportar os conceitos discutidos e que serviram para a construção do instrumento de pesquisa. Para a coleta de dados utilizou-se um questionário como instrumento, aplicado a 85 empresas, número que representava 79% do universo da pesquisa, composto por 107 empresas que compunham o APL no ano de O instrumento aplicado às empresas analisadas foi composto de perguntas fechadas que buscavam abranger os aspectos de análise de cada nível de competitividade caracterizado pelo modelo de Esser et al (1994). As opções de respostas foram estruturadas por meio de uma escala Lickert de 5 pontos, cujas opções variavam de 0 a 1, representando escalas de concordância que variavam entre Discordo totalmente a concordo totalmente ; ou de Nunca até Sempre ; ou de Não conheço para Utilizamos sempre ; de acordo com o que se pretendia analisar. Essa escala permitiu sondar a existência de mais de um comportamento nos objetos de estudo considerados, além de possibilitar investigar níveis diferentes de um comportamento, ao invés de simplesmente determinar respostas positivas ou negativas (RICHARDSON, 2008). Os instrumentos aplicados para mensuração da competitividade incluíram questões que perpassaram, em cada nível, todos os aspectos de diálogo, articulação e interação presentes no modelo de Esser et al. (1994). As médias dos resultados das freqüências das respostas foram usadas como indicadores para ilustrar o grau de competitividade de cada 8

9 nível e, pela média dos resultados dos quatro níveis, foi apontado o indicador de competitividade sistêmica do Arranjo como um todo. Para essa análise, foi desenvolvida uma escala que permitiu classificar os diferentes níveis possíveis de competitividade, variando entre 0 (zero) a 1 (um), conforme ilustra a Figura 3. Figura 3: Escala dos níveis de competitividade Fonte: pesquisa dos autores A cada um desses níveis de competitividade, estabeleceram-se atributos de qualificação, sendo os valores contidos entre 0 e 0,25 os que representariam um estado crítico de competitividade e os contidos entre 0,75 e 1 os que representariam um estado ideal de competitividade, como ilustra a Figura 4: Figura 4: Índices e níveis de competitividade Índice de Nível de competitividade competitividade 0,0 0,2500 Crítico 0,2501 0,5000 Alerta 0,5001 0,7500 Aceitável 0,7501 1,0 Ideal Fonte: Pesquisa dos autores Para cada um dos níveis de competitividade foi calculado um índice, que foram usados para estabelecer o nível de competitividade sistêmica e também como referências para a análise da influência que os aspectos de inovação exercem sobre os mesmos. O nível Crítico, compreendido entre os valores de 0,0 a 0,25; indica estado de muitas fragilidades no ambiente estudado, assim como o nível Alerta, compreendido entre os valores de 0,2501 a 0,500; sendo que este deverá apresentar aspectos positivos que colaboram para o desenvolvimento e a continuidade do APL. Já o nível Aceitável, representado por valores contidos entre 0,5001 e 0,7500 indica a presença de muitos fatores positivos no ambiente, que contribuem para classificá-lo como competitivo enquanto que o nível Ideal, compreendido entre os valores 0,7501 e 1,00 indica que o APL está na situação ideal, é competitivo e possui as potencialidades para manutenção e incremento dessa condição. Entretanto, como corrobora a discussão teórica aqui proposta, a análise da competitividade sistêmica não se atém apenas aos aspectos relacionados à inovação. Dessa forma, para analisar os aspectos de inovação que afetam a competitividade sistêmica desse Arranjo foram escolhidos, dentro dos instrumentos aplicados para análise da competitividade, alguns itens que estivessem relacionados à inovação. Esses itens estão destacados nas figuras presentes na seção de Análise, e a escolha dos mesmos se baseou na discussão teórica proposta neste trabalho sobre aspectos de indicadores de inovação: buscou-se, então, identificar, dentre as questões presentes nos instrumentos aplicados, aquelas que perpassassem aspectos de esforços e insumos empreendidos para o processo de inovação, bem como os aspectos de relacionamento à integração com outras organizações presentes no APL e que são potencialmente colaboradoras no processo de inovação (PASSOS et al, 2004; SANTOS, GÓMEZ, 2010). 4 Análise dos dados 4.1 Caracterização do APL em estudo 9

10 O Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação de Recife, o Porto Digital, conta com os requisitos básicos para a concretização de um APL, como a aglomeração espontânea de empresas e a forte ligação com outros atores, como é o caso das instituições de ensino e pesquisa. Esse Arranjo, que é vinculado ao processo de revitalização da área mais antiga da cidade do Recife, nasceu de um plano do Governo Estadual para a criação de um pólo de tecnologia, e já é considerado um agrupamento avançado, entre outras razões, por disporem de recursos complementares significativos. Até 2008, era formado por 107 instituições, que contam com apoio financeiro inclusive do Banco Interamericano de Desenvolvimento BID (BERBEL, 2008). Até 2008, o APL garantia mais de 3500 empregos e representava cerca de 3,5% do PIB do Estado de Pernambuco. A responsabilidade de gestão do projeto é de iniciativa privada, contando para isso com um Núcleo de Gestão do Porto Digital NGPD. As principais instituições que dão suporte ao Arranjo são a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente do Governo do Estado de Pernambuco SECTMA, o Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife C.E.S.A.R.; o Centro de Informtática da Universidade Federal de Pernambuco C.I.N. Percebe-se que o Arranjo possui um bom nível de integração e de desenvolvimento, tornandoo um ambiente propício para o estudo que se pretende desenvolver. 4.1 Nível Micro Segundo Esser et al (1994), é no nível micro que encontram-se as atividades internas da empresa. A análise do nível micro foi dividida em dois conjuntos de questões específicas, sendo o primeiro direcionado à incidência das principais variáveis do nível micro na empresa e o segundo direcionado às principais práticas administrativas adotadas pela empresa. Os entrevistados foram questionados quanto à incidência de cada afirmação do questionário e suas respostas variavam de Discordo totalmente equivalente à nota 0 (zero) até Concordo totalmente equivalente à nota 1 (um). Os resultados referentes ao primeiro conjunto de questões estão agrupados na Figura 5, conforme a nota que o APL recebeu nos itens avaliados e expressos em números percentuais. Figura 5: Análise do Nível Micro da Competitividade Sistêmica Item avaliado Nota 0 0,25 0,50 0,75 1,0 Estamos preparados para adaptar-se a novas expectativas da 24,7 18,8 56,5 clientela e a circunstâncias similares. Os níveis de responsabilidades atribuídas aos trabalhadores vão 3,5 21,2 22,4 52,9 aumentando no decorrer do tempo. Apresentamos capacidade de reproduzir sem demoras as inovações 29,4 41,2 29,4 das empresas líderes. Apresentamos capacidade de gerar inovações de forma rápida. 22,4 38,4 38,8 Estamos preparados para modificações no volume de produção 21,2 37,6 41,2 Existe o esforço para a otimização simultânea da produtividade do 17,6 21,2 61,2 trabalho e do capital financeiro. Apresentamos capacidade de formular e implementar novas estratégias. 5,9 56,5 37,6 Há uma relação de longo prazo e de confiança entre a empresa e seus 5,9 78,8 15,3 fornecedores. A força de trabalho participa ativamente das tomadas de decisões. 3,7 70,5 17,6 8,2 Temos habilidade para mudar facilmente a produção em termos 29,4 33,0 37,6 de fabricação de novos produtos. Realizamos trabalhos em grupo. 9,4 29,4 61,2 Contratamos mão-de-obra especializada terceirizada. 9,4 23,7 35,2 20,0 11,7 Fonte: Pesquisa dos autores 10

11 A análise da inovação se deu a partir dos itens destacados na Figura 5, referentes à capacidade da empresa de desenvolver inovação: capacidade de adaptação a novas expectativas, de reprodução das inovações de empresas líderes, de rapidez de desenvolvimento de inovações e da flexibilidade para produção de novos bens ou serviços. Percebe-se que os mesmos apresentaram uma avaliação positiva por parte dos empresários, o que permite deduzir que no nível micro de análise da competitividade sistêmica do setor, a capacidade de inovação exerce uma influência positiva em todos os critérios analisados. Assim, as empresas do APL de Tecnologia da Informação e Comunicação de Recife se avaliam como preparadas para se adaptarem a novas demandas externas e desenvolvimento de novos produtos, bem como a efetuar inovações necessárias de forma rápida, além de se julgarem capazes de reproduzir inovações de outras empresas líderes do setor. As respostas podem indicar uma gestão interna atenta à importância da inovação, o que a torna potencialmente apta a desenvolver produtos e processos inovadores em decorrência de demanda externa. Isso reflete as capacidades internas das empresas de promoverem a inovação, reforçadas pela ausência de respostas que obtiveram nota zero (0). No que diz respeito às principais práticas administrativas adotadas, foi solicitado que os respondentes assinalassem a posição da empresa de acordo com cada prática sugerida. As variações iam de Não conhecemos equivalente à nota 0 (zero) até Utilizamos sempre equivalente à nota 1 (um), e as resposta também serão expressas em números percentuais. Os resultados deste grupo de questões estão agrupados na Figura 6. Figura 6: Análise do Nível Micro da Competitividade Sistêmica Práticas Administrativas Item avaliado Nota 0 0,25 0,50 0,75 1,0 Controle da Qualidade Total (TQC) 15,4 70,5 8,2 5,9 Círculos de Controle da Qualidade (CCQ) 11,9 71,7 4,7 11,7 5 s 77,7 11,7 8,2 2,4 Benchmarking 32,9 51,8 15,3 CRM 56,5 38,8 4,7 Brainstorming 5,9 70,6 23,5 Downsizing 15,3 52,9 9,4 18,8 3,6 Planejamento Estratégico 17,6 22,4 41,2 18,8 Pesquisa de Mercado 29,4 23,6 38,8 8,2 Análise SWOT 44,7 11,7 28,3 15,3 Treinamento do pessoal 52,9 15,3 31,8 Certificação ISO 9000 ou equivalente 54,2 32,9 4,7 8,2 Venda por Internet 24,8 18,8 18,8 37,6 Entrega Padronizada 44,7 21,2 17,6 16,5 Programa de Treinamento de Usuários 35,3 29,5 23,5 11,7 Assistência Pós-Venda 14,1 56,5 29,4 Assistência Técnica On-line 10,7 17,6 71,7 Fonte: Pesquisa dos autores Nesse conjunto de itens todos foram relacionados com a capacidade de o Arranjo produzir inovações. Observa-se que grande percentual de empresas já tem algum conhecimento sobre as práticas administrativas identificadas, com exceção de práticas como Downsizing, Análise SWOT, Certificação ISO 9000 ou equivalente e Entrega padronizada, que apresentaram maior freqüência de notas até 0,25. Há uma boa freqüência de respostas positivas quanto à utilização das demais práticas, o que indica conhecimento e difusão das mesmas entre as empresas desse Arranjo, essencial para a sua capacidade de inovar no ambiente em que atuam. 11

12 A competitividade identificada no Nível Micro de análise, a partir da média obtida dos dois conjuntos de itens analisados, foi de 0,6479; o que o classifica como aceitável, conforme parâmetros discutidos na seção de procedimentos metodológicos. Percebe-se que os itens de análise relacionados à inovação colaboram para que esse nível seja classificado como tal, de acordo com a avaliação dos próprios empresários. 4.2 Nível Meso Para o cálculo da nota do nível meso, novamente foram utilizados dois grupos de questões distintos. Segundo Esser et al. (1994) este nível encontra-se entre o contexto macroeconômico e o nível interno das empresas (micro), pois aqui estão expostos grandes entraves à competitividade das mesmas. Os respondentes foram questionados quanto à concordância com cada um dos itens apresentados e as opções de respostas variavam de Discordo totalmente para Concordo totalmente. Estes pontos foram abordados no primeiro grupo de questões e agrupados na Figura 7. Figura 7: Análise do Nível Meso da Competitividade Sistêmica Item avaliado Nota 0 0,25 0,50 0,75 1,0 A participação em organizações associativas ajuda no processo de 17,7 18,8 63,5 fortalecimento do setor. O setor tem seus interesses defendidos através de algum tipo de 3,5 8,3 22,4 25,8 40 representação. Atualmente as alianças com as instituições de ensino e pesquisa 18, ,2 locais ajudam o setor a se desenvolver. O atual sistema de transporte oferecido no entorno do Porto Digital, 23,5 22,4 17,6 36,5 facilita a locomoção dos funcionários. O sistema de transporte facilita a venda e entrega de produtos 41,2 37,6 21,2 A atual política educativa proporciona tanto uma educação básica 20 15,3 11,8 52,9 como um forte entendimento técnico e científico para atender as necessidades da sociedade. O setor investe no desenvolvimento de pesquisas para 24,7 22,4 23,5 29,4 desenvolvimento tecnológico. A atual política comercial apóia e protege as empresas que possuem 7,1 84,7 8,2 claros objetivos e perspectivas de evolução. Existe uma política de incentivo à exportação 56,5 37,6 5,9 A infra-estrutura de comunicação/acesso à internet permite o 9,4 5,9 30,6 36,5 17,6 desenvolvimento do setor Fonte: Pesquisa dos autores Com relação à inovação, neste nível foram identificados e avaliados positivamente alguns aspectos de fomento a essa prática pelas empresas do setor, quais sejam: a política de educação que proporciona conhecimento necessário para inovar quando for preciso, principalmente no sentido de atender as necessidades da sociedade; os investimentos em pesquisas para desenvolvimento tecnológico; a existência de infra-estrutura de comunicação/acesso à internet que permite o desenvolvimento de práticas inovadoras no APL e por fim as alianças firmadas com instituições de ensino e pesquisa locais, as quais proporcionam, dentre outros benefícios, o suporte científico no desenvolvimento de práticas inovadoras. Além de identificar a existência dessas características, o relacionamento das empresas com os stakeholders que compõem o setor é um fator importante na análise da capacidade de essas empresas gerarem inovação. O segundo grupo de questões do nível meso teve como foco a relação entre os participantes de APL, sejam eles as próprias empresas participantes, fornecedores, instituições financeiras, associações, instituições de apoio e federações, 12

13 instituições de ensino e secretarias do governo. Quando questionados quanto ao relacionamento, os respondentes deveriam optar entre ótimo e ruim. As empresas que não tinham nenhum relacionamento com o stakeholder questionado, obteve nota 0 (zero), assim como as que declararam ter um relacionamento ruim. No extremo oposto encontram-se as empresas que afirmaram ter um ótimo relacionamento com o stakeholder questionado, ou seja, as que obtiveram nota 1 (um). Os dados estão apresentados na Figura 8 a seguir: Figura 8: Análise do Nível Meso da Competitividade Sistêmica Relação com Stakeholders Item avaliado Nota 0 0,25 0,50 0,75 1,0 Grupo 1: Fornecedores e demais empresas Demais empresas do APL 32,9 8,3 5,9 52,9 Fornecedores 18,9 17,6 63,5 Grupo 2: Instituições financeiras Banco do Brasil - BB 81,1 18,9 Banco do Nordeste do Brasil - BNB 83,5 16,5 Caixa Econômica Federal - CEF 78,8 22,2 Grupo 3: Associações, instituições de apoio e federações Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação, 36,5 23,5 21,2 18,8 Software e Internet - ASSESPRO Escritório de Promoção de Investimentos e Tecnologia do Recife - 74,1 16,5 36,4 ITPO Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) 39,8 15,3 35,5 9,4 Facepe (Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco) 31,8 11,7 16,5 32,9 7,1 AD-Diper (Agência de Desenvolvimento de Pernambuco) 70,6 24,7 4,7 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de 41,2 30,6 8,3 17,6 2,3 Pernambuco - SEBRAE/PE Grupo 4: Instituições de ensino Universidade Federal de Pernambuco UFPE 38,8 11,7 14,1 20,1 15,3 Outras instituições de ensino 71,7 17,7 7,1 3,5 Grupo 5: Secretarias do Governo Sectma (Secretaria de Tecnologia, Ciência e Meio Ambiente) 21,2 37,6 41,2 Fonte: Pesquisa do autores Verifica-se neste item a inexistência ou a baixa percepção de relacionamentos das empresas do APL principalmente com instituições financeiras, bem como com instituições de apoio, a exemplo Escritório de Promoção de Investimentos e Tecnologia do Recife ITPO, do AD-Diper (Agência de Desenvolvimento de Pernambuco) e do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Pernambuco - SEBRAE/PE. Além disso, identificaram-se fragilidades nas relações das empresas com instituições de ensino, bem como com órgãos de fomento pertencentes ao governo. Observam-se relações apenas entre as empresas ou delas com seus fornecedores. Isso implica que o aspecto de interação, tão necessário para que as empresas desenvolvam a inovação em ambientes como os APLs, apresenta fragilidades que comprometem a capacidade dessas empresas de desenvolver produtos, processos ou práticas inovadoras (FURTADO, QUEIROZ, 2007; OCDE, 1997;SANTOS, GÓMEZ, 2010). O indicador de competitividade identificado para o Nível Meso foi no valor de 0,4450; considerado como Alerta ; ou seja, possui fragilidades que comprometem sua capacidade se ser um APL competitivo. Nesse sentido, percebe-se que, enquanto os aspectos de infraestrutura, de política educativa e de alianças com instituições de ensino e pesquisa contrariam o resultado da competitividade desse Nível, a integração com os órgãos financiadores e do poder público é frágil e contribui significativamente para a avaliação como Alerta, necessitando de ações direcionadas à promoção do diálogo e da cooperação entre os setores privado, público e da sociedade civil. 13

14 4.3 Nível Macro Nesse nível de análise, as políticas fiscal, monetária, orçamentária e cambial são avaliadas. Para isso, a escala utilizada para a pesquisa variava entre as respostas Discordo totalmente equivalente à nota 0; e Concordo totalmente equivalente à nota 1. Figura 9: Análise do Nível Macro da Competitividade Sistêmica Item avaliado Nota 0 0,25 0,50 0,75 1,0 Existem políticas para eliminar privilégios de pequenos grupos de 35,3 23,5 0,6 10,6 interesse no Estado. Não existem cargos supérfluos no setor público. 78,8 7,1 14,1 A política de juros praticada pelo governo ajuda o desenvolvimento 52,9 17,6 18,8 10,7 do setor. As atuais políticas do governo favorecem a concessão de crédito por 21,2 41,2 16,5 21,1 parte das instituições financeiras. A atual política monetária e orçamentária favorece o crescimento do 17, ,6 4,7 setor. A carga tributária prejudica o crescimento das empresas de TI de 43,5 4,7 22,4 29,4 Recife. As leis trabalhistas são um diferencial positivo para o crescimento do 74,1 5,9 7,1 12,9 setor. O Governo Federal incentiva o crescimento do setor através de 50,6 16,5 11,7 21,2 ações de proteção aos produtos nacionais. O Poder Público possui capacidade de conduzir e coordenar um 16,5 41,2 21,2 18,8 2,3 processo de desenvolvimento competitivo para o setor de software. Fonte: pesquisa dos autores Os itens de análise refletem a capacidade que o APL possui, na perspectiva dos empresários, de captar recursos para incrementar a produção e para promover o crescimento da empresa a partir das políticas fiscal, tributária e de regulamentações do Governo Federal. Percebe-se que todos os itens de análise concentram a maior parte de suas respostas nos valores 0 e 0,25; o que indica que há forte discordância dos empresários quanto às afirmações do instrumento. Nesse caso, para os empresários, as políticas de juros e a creditícia; bem como a proteção aos produtos nacionais e a coordenação do processo de desenvolvimento do APL em que atuam precisam ser melhor planejadas com vistas a favorecer o crescimento do setor em que o Arranjo está inserido. A ressalva se faz para a política tributária, cuja análise parece indicar uma divisão entre os entrevistados; enquanto que 43,5% discordam parcialmente que a carga atual prejudica o crescimento das empresas; 51,8% concordam total ou parcialmente com a informação. Para esse Nível, a competitividade foi avaliada como Alerta, sendo representada pela média 0,2990. Percebe-se que os aspectos relacionados ao fomento da capacidade de inovação das empresas afeta esse resultado, à medida que fazem parte do conjunto de fragilidades expostos na avaliação dos empresários. Seriam necessárias novas políticas desenvolvidas pelo Governo Federal para que oportunidades fossem utilizadas em favor da melhoria da competitividade do Arranjo. 4.4 Nível Meta No nível em que se analisam os aspectos mais elevados da sociedade e sua relação com os atores que a integram, o instrumento buscou avaliar a capacidade de estabelecimento de um padrão básico de organização macro social e a percepção dos empresários sobre o grau de coesão e de consenso entre esses atores. As respostas tiveram variação de Discordo totalmente equivalente à nota 0; e Concordo totalmente equivalente à nota 1. 14

15 Figura 10: Análise do Nível Meta da Competitividade Sistêmica Relação com Stakeholders Item avaliado Nota 0 0,25 0,50 0,75 1,0 Existe uma compatibilidade dos valores sociais mais significativos 36,5 30,6 32,9 entre as empresas que formam o APL e a população. As empresas que formam o APL apresentam uma rápida e eficaz 30,6 52,9 16,5 capacidade de reação aos requerimentos de ajustes econômicos, sociais, políticos e ecológicos. As orientações do APL são estabelecidas a médio prazo. 15,3 18,8 37,6 28,3 O APL mostra-se sempre aberto a novos desafios. 15,4 14,1 25,8 15,3 29,4 As instituições e organizações sociais que formam o APL são 10,6 14,1 44,7 30,6 independentes frente a influencia do Estado. O Estado é protegido de grupos particulares influentes e privilegiados. 34,2 32,9 17,6 15,3 O Estado é autônomo, ou seja, há uma separação institucional entre 11,7 9,4 63,5 15,4 Estado, economia e atores sociais. Há um forte diálogo e esforços conjuntos entre os diferentes atores 41,2 15,3 32,9 10,6 sociais (instituições e organizações sociais que formam o APL) e o Estado. Fonte: pesquisa dos autores Esse nível apresenta uma distribuição bastante diversa das respostas dos empresários. Sobre os valores compartilhados entre as empresas, há proximidade entre as opiniões, não se identificando nenhuma resposta extrema de concordância ou discordância sobre o assunto. Já a avaliação da capacidade de as empresas de responderem às novas demandas e requerimentos externos foi percebida como existente, sem discordância de nenhum entrevistado. Curiosamente, 29,5% dos empresários discordam da capacidade de o APL ser aberto a novos desafios, o que confronta as respostas ao item anterior. A maioria dos entrevistados (56,5%) discorda total ou parcialmente quanto à existência de diálogo e esforços conjuntos entre os atores que compõem o APL. O nível de competitividade identificado para o Nível Meta foi de 0,5120, ou seja, Aceitável. Percebe-se, pela comparação dos indicadores destacados (que são os relacionados à inovação), que são estes que mais influenciam para a competitividade do Arranjo possuir essa classificação nesse nível do modelo. Esses resultados indicam que, apesar do compartilhamento de valores entre o Arranjo e da capacidade percebida de resposta às novas demandas externas, a integração e o diálogo entre os atores poder público, empresas, sociedade civil precisa ser qualificada para que o processo de inovação ocorra, tendo em vista que a cooperação é essencial para o desenvolvimento da capacidade de inovação de um APL (PASSOS et al, 2004; SANTOS. GÓMEZ, 2010). Os resultados desse Nível corroboram os resultados encontrados também para o Nível Micro de Análise. 5 Considerações finais Pelas análises desenvolvidas, observa-se que em cada nível existem itens de análise que afetam diretamente a capacidade de inovação das empresas do APL, assim como afetam a sua competitividade. O conjunto de indicadores permitiu perceber que, no que concerne às competências internas da empresa capacidade de responder às demandas e expectativas, de adaptação às mudanças e de desenvolvimento de novos produtos, processos e práticas, as empresas apresentam avaliação positiva, assim como nas interações existentes entre as instituições de ensino e pesquisa. A análise do ambiente externo e da interação com outros órgãos importantes para o processo de inovação, como Órgãos Financiadores de Pesquisa, bem como outros órgãos do poder público, apresentaram avaliação negativa por parte dos empresários, o que se caracteriza como uma fragilidade para a capacidade de inovação e consequentemente para a competitividade sistêmica do APL. Corroborando com esse cenário, as políticas 15

16 desenvolvidas pelo Governo Federal também apresentam avaliação negativa por parte dos empresários, sendo esses os itens avaliados de forma mais negativa pelos entrevistados e que mais afetam o resultado da competitividade sistêmica do APL, que, pela média dos resultados dos quatro níveis, é indicado como Alerta, com resultado de 0,4659. Ressalta-se, como limitação deste estudo, a ausência de variáveis que poderiam ter ampliado a capacidade de análise do presente trabalho, como a inserção de categorias de análise que permitissem mensurar os resultados de inovações dessas empresas. Nesse sentido, destaca-se como possibilidade de trabalhos futuros a ampliação das variáveis utilizadas na pesquisa, de forma a permitir uma análise mais detalhada sobre o aspecto da inovação nesse APL. Referências ALMEIDA, J. A. J. P&D no setor elétrico brasileiro: um estudo de caso na Companhia Hidro Elétrica do São Francisco. Dissertação (Mestrado em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco). Re CCSA. Economia. BALASSIANO, M. Estudos confirmatórios e exploratórios em administração. In: BOTELHO, D; ZOUAIN, D. M. Pesquisa Qualitativa em Administração. São Paulo: Atlas, BARRETO, Renata. Potencial Arranjo Produtivo de Tecnologia da Informação do Estado de Alagoas: uma análise sob a perspectiva da Competitividade Sistêmica. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Pernambuco) Recife, BERBEL, A. C. O processo de internacionalização de um cluster de empresas de software: o caso do Porto Digital Dissertação (Mestrado em administração) Instituto Coppead de Administração UFRJ BNDES. Arranjos Produtivos Locais e Desenvolvimento. Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/conhecimento/seminario/apl.pdf> Acesso em 13 de fevereiro de CAMPOS, K. C.; CARVALHO, F. M. A. de. Arranjos Produtivos Locais: a atuação dos atores e dos programas municipais. Revista Economia Ensaios, Uberlândia, 20 (1): 65-80, dez./2005. Disponível em <http://www.ie.ufu.br/revista/sumario/artigos/4_arr_prod_locais_(06_06_06).pdf> Acesso em: 26 de julho de CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 2005 COUTINHO, L.; FERRAZ, J. C. Estudo da competitividade da indústria brasileira. 3ª Ed. Campinas: Papirus; Editora Unicamp, ESSER, K.; HILLEBRAND, W.; MESSNER, D.; MEYER-STAMER, J.. Competitividad sistémica: competitividad internacional de las empresas y políticas requeridas. Instituto Alemão de Desenvolvimento - IAD, Berlim, FARIAS, C. S. de. GÓMEZ, C. R. P. Sustentabilidade da localidade e a competitividade das empresas ali instaladas: a construção das relações entre os constructos. Programa de Iniciação Científica. Universidade Federal de Pernambuco. CONIC, FERRAZ, J. C.; KUPFER, D.; HAGUENAUER, L. Made in Brazil desafios competitivos para a Indústria. Rio de Janeiro: Campus, FURTADO, A.; QUEIROZ, S. A construção de indicadores de inovação. Revista Inovação UNIEMP, Ano 3, n. 6, Nov-Dez/2007, p HALILA, F. The adoption and diffusion of environmental innovations. Luleå University of Technology: department of business administration and social sciences. Suécia,

17 LOPES, M. F. O Processo Inovativo e o papel das instituições no Arranjo Produtivo de móveis da Serra Gaúcha. Dissertação (Mestrado em Economia, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Usininos, p. MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa. 5 Ed. São Paulo: Atlas, PASSOS, F. U. et. al. Capacidade inovativa e demandas tecnológicas de arranjos produtivos locais (APLs): um estudo de caso do APL de flores em Maracás, Bahia Disponível em <http:// /joomla/joomla/images/pdfs/pdfs_notitia/360.pdf> Acesso em 23 de Julho de PORTER, M. E. Estratégia Competitiva: Técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Elsevier, Vantagem Competitiva: Criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Elsevier, Competição: Estratégias Competitivas Essenciais. Rio de Janeiro: Elsevier, RENNINGS, K. Towards a theory and policy of Eco-Innovation Neo Classical and (Co) Evolutionary perspectives. ZEW discussion papers 98 24, RICHARDSON, R. J. et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 Ed. São Paulo, Atlas, 2008, cap. 17. ROSALEM, V; SILVA, E. A.; SANTOS, A. C Arranjos produtivos locais e a inovação tecnológica: uma análise sob a ótica da economia de custos de transação. In: Anais V Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia (SEGET). Rezende, Rio de Janeiro, SANTOS, J. A. dos. Análise das relações entre o índice de desenvolvimento sustentável do município de João Pessoa e o nível de competitividade do setor de Desenvolvimento de Software da cidade de João Pessoa PB. Dissertação (Mestrado em Recursos Naturais, pela Universidade Federal de Campina Grande), Campina Grande, f. SANTOS, C. F. O.; GÓMEZ, C. R. P. Desenhando redes de stakeholders a partir do modelo de Rowley (1997): o caso do Arranjo Produtivo Local de confecções do Agreste pernambucano. In: XI Colóquio Internacional sobre poder local, 2009, Salvador. Desenvolvimento e Gestão de Territórios, SANTOS, C. F. O.; GÓMEZ, C. R. P. O comportamento socioambiental empresarial no APL de confecções do Agreste pernambucano: análise comparada entre a Rota do Mar, a Lavanderia Mamute e a Kikorum Jeans Wear. XXXIV Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração. No prelo. SGARBI, V. S. Sustentabilidade da localidade e Competitividade empresarial: um estudo do Porto Digital. Dissertação (Mestrado em Administração, da Universidade Federal de Pernambuco - PE), Recife, p. SILVA, L. E. B.; MAZZALI, L. Parceria tecnológica universidade empresa: um arcabouço conceitual para a análise da gestão dessa relação. Revista Parcerias Estratégicas, Brasília, n. 11, p , jun OCDE. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 3 Ed, FINEP, WIT, B. de e MEYER, R. Strategy: process, content, context an international perspective. 3ª ed. London: Thomson,

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso?

Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? i n o v a ç ã o 8 Construindo a interação entre universidade e empresas: O que os atores pensam sobre isso? Carla Conti de Freitas Yara Fonseca de Oliveira e Silva Julia Paranhos Lia Hasenclever Renata

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva

A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva A pesquisa acadêmica stricto sensu no Brasil sobre a inteligência competitiva Sandely Fernandes de Araújo (UFRN) sandely.araujo@pep.ufrn.br Anatália Saraiva Martins Ramos (UFRN) anatalia@pep.ufrn.br Resumo

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa.

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa. Forma de coleta e período Nesta pesquisa exploratória, as entrevistas foram pessoais e telefônicas, tendo sido realizadas entre 25 de novembro de 2014 e 10 de abril de 2015. As entrevistas com os líderes

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Solidia Elizabeth dos Santos 1 Co-autores: Prof. Dr. Cleverson V. Andreoli 2 Prof. Dr. Christian L. da Silva 3 RESUMO

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

APL como Estratégia de Desenvolvimento

APL como Estratégia de Desenvolvimento APL como Estratégia de Desenvolvimento Marco Crocco Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional 3a Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais 1 A Difusão da Perspectiva de APL Um balanço

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Redes de empresa e inovação

Redes de empresa e inovação Redes de empresa e inovação Disciplina: Gestão da Tecnologia e da Inovação Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor MSc. Marcel

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação

Categoria Temática- Sequenciamento Proposto Modelo de Comércio Exterior- Padronização das Ações Preparação 1 1. Apresentação A ideia de investigar o processo de internacionalização de micro, pequenas e médias empresas, em Pernambuco, surgiu de observações iniciais realizadas pelo pesquisador enquanto profissional

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS

III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS III WORKSHOP DAS UNIDADES DO MCT E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CTI/CAMPINAS Carlos Alberto Teixeira Agosto 2010 Criação, Invenção e Inovação A criatividade existe no universo das idéias, em que os processos

Leia mais

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri*

$55$1-26/2&$,6 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS. Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* CARACTERÍSTICAS GERAIS DO APOIO A ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Angela Maria Medeiros M. Santos Lucimar da Silva Guarneri* * Respectivamente, gerente setorial de Indústria Automobilística e Comércio e Serviços

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE Edição Especial Terceirização ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins junho de 2014 UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE 72% das empresas industriais

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A 15401:2006 MEIOS DE HOSPEDAGEM SISTEMA DA GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE E OS STAKEHOLDERS Cláudio Alexandre de Souza José Manoel Gonçalves Gândara Katleen Nairene Rolan Biavatti

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

REDES, UMA ALTERNATIVA DE ALIANÇA ESTRATÉGICA

REDES, UMA ALTERNATIVA DE ALIANÇA ESTRATÉGICA REDES, UMA ALTERNATIVA DE ALIANÇA ESTRATÉGICA Disciplina de Estágio Supervisionado II - Curso de Administração UNIFRA Preparado pela Acadêmica Ana Carolina Cozza Josende Orientadora: Profª. Greice de Bem

Leia mais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais

Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Fórum de Governança Tecnologia e Inovação LabGTI/UFLA Como vai a Governança de TI no Brasil? Resultados de pesquisa com 652 profissionais Pamela A. Santos pam.santos91@gmail.com Paulo H. S. Bermejo bermejo@dcc.ufla.br

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial

Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial Política Industrial, transferência de tecnologia e propriedade industrial Introdução aos debates Jorge de Paula Costa Avila VII REPICT Rio de Janeiro 14 de julho de 2004 Política Industrial, Competitividade

Leia mais

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente.

Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com o ambiente. Mário Sérgio Azevedo Resta CONSULTOR TÉCNICO EM NEGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia gerencial que permite estabelecer a direção a ser seguida pela empresa, visando maior grau de interação com

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1.1 2003 by Prentice Hall Sistemas de Informação José Celso Freire Junior Engenheiro Eletricista (UFRJ) Mestre em Sistemas Digitais (USP) Doutor em Engenharia de Software (Universit(

Leia mais

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002

Núcleo de Gestão do Porto Digital. Plano Bi-anual 2001-2002 Núcleo de Gestão do Porto Digital Plano Bi-anual 2001-2002 Identidade Missão A estruturação e gestão sustentável de um ambiente de negócios capaz de criar e consolidar empreendimentos de classe mundial

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE CURITIBA, LONDRINA E MARINGÁ (PR): UMA ABORDAGEM À LUZ DO DEBATE SOBRE AGLOMERAÇÕES PRODUTIVAS ESPECIALIZADAS Miguel Faria

Leia mais

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social

Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social Desenvolvimento Local: Um processo sustentado no investimento em capital social 1 Resumo por Carlos Lopes Nas próximas paginas, apresento uma fundamental estratégia para o estabelecimento de relacionamento

Leia mais

O uso das ferramentas de gestão da tecnologia nas pequenas e microempresas da cidade de Ponta Grossa - PR

O uso das ferramentas de gestão da tecnologia nas pequenas e microempresas da cidade de Ponta Grossa - PR O uso das ferramentas de gestão da tecnologia nas pequenas e microempresas da cidade de Ponta Grossa - PR Adm. Cesar Eduardo Abud Limas (UTFPR) cesar@interalfa.com.br Prof. Dr. Luciano Scandelari (UTFPR)

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo

Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Ministério do Turismo Ministério do Turismo Departamento de Qualificação e Certificação e Produção Associada ao Turismo Funções e Objetivos Coordenar as ações voltadas à qualificação profissional e à melhoria

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Educação, Inovação e Competitividade. Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008

Educação, Inovação e Competitividade. Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008 Educação, Inovação e Competitividade Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008 Origem do estudo Por que alguns países têm excelente desempenho e outros têm fraco desempenho

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL ENGENHARIA DE PROCESSOS E GESTÃO DA SEGURANÇA EMPRESARIAL Engº Fernando Só e Silva, Diretor da Deggy Brasil, fso@deggy.com.br Numa análise histórica da segurança privada, temos registrado seu surgimento,

Leia mais

também padecem de preocupações de curto prazo; construção de um consenso falso; desinformação; lógicas oligárquicas; particularismos.

também padecem de preocupações de curto prazo; construção de um consenso falso; desinformação; lógicas oligárquicas; particularismos. O processo de COACHING aplicado nos pólos de crescimento econômico do País: uma abordagem sistêmica com foco na qualificação profissional e na sustentabilidade social das regiões. Por Wagner Duarte Nunca

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM SERVIÇOS CATEGORIA TOP INOVAÇÃO EM PROCESSOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO

O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO 1 O PROCESSO DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA NA EDUCAÇÃO CORPORATIVA: A EFETIVIDADE DO TREINAMENTO CURITIBA PR MAIO DE 2014 Margarete Teresinha Fabbris de Oliveira Santos Faculdade de Administração, Educação,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management

MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management ISCTE BUSINESS SCHOOL INDEG_GRADUATE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA Executivo em Logística e Supply Chain Management www.strong.com.br/alphaville - www.strong.com.br/osasco - PABX:

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL O arranjo produtivo dedicado aos resíduos sólidos é uma iniciativa inovadora de agentes produtivos locais como a Ascoles,

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2

Topic 13: Commercializing Intellectual Property Assets: Case Study No. 2 Training of Trainers Program on Effective Intellectual Property Asset Management by Small and Medium Sized Enterprises (SMEs) in Portuguese-Speaking African Countries (PALOP) Lisboa, Portugal 11 de abril

Leia mais

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos

INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos INFORMAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS a pesquisa empírica em Portais Corporativos Cláudia Peixoto de Moura Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS E-mail: cpmoura@pucrs.br Resumo do Trabalho:

Leia mais

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira

Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais. Marco A. Silveira Cooperação e capital intelectual para sustentabilidade de ecossistemas organizacionais Marco A. Silveira Dezembro, 2011 SUMÁRIO Introdução à sustentabilidade Cooperação Capital intelectual Cooperação e

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

ARRANJOS PRODUTIVOS. w w w. b r d e. c o m. b r. Fonte: Site SEBRAE

ARRANJOS PRODUTIVOS. w w w. b r d e. c o m. b r. Fonte: Site SEBRAE ARRANJOS PRODUTIVOS Arranjos produtivos são aglomerações de empresas localizadas em um mesmo território, que apresentam especialização produtiva e mantém algum vinculo de articulação, interação, cooperação

Leia mais

NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs

NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs NOVA AGENDA PARA PROGRAMAS DE DESENVOLVIMENTO EM APLs 3ª Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais (APLs) Mansueto Almeida -IPEA 1. Principais desafios Vários APLs estão localizados em cidades

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

INT VIDEO INSTITUCIONAL

INT VIDEO INSTITUCIONAL INT VIDEO INSTITUCIONAL Carlos Alberto Teixeira 16 de Fevereiro de 2011 Investimentos e Incentivos Fiscais - Projetos de Inovação em Ciência e Tecnologia Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha

Leia mais

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011

Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 Regulamento do Programa RiSE/Porto Digital de Residência em Reuso de Software 2011 1. Apresentação A RiSE Reuse in Software Engineering e o Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio do CNPq

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais