CURSO DE DIREITO JULIANA PESSOA MARQUES ANDRADE A NOVA REALIDADE DA UNIÃO HOMOAFETIVA NO BRASIL: ASPECTOS SOCIAIS E JURÍDICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE DIREITO JULIANA PESSOA MARQUES ANDRADE A NOVA REALIDADE DA UNIÃO HOMOAFETIVA NO BRASIL: ASPECTOS SOCIAIS E JURÍDICOS"

Transcrição

1 CURSO DE DIREITO JULIANA PESSOA MARQUES ANDRADE A NOVA REALIDADE DA UNIÃO HOMOAFETIVA NO BRASIL: ASPECTOS SOCIAIS E JURÍDICOS Fortaleza 2012

2 JULIANA PESSOA MARQUES ANDRADE A NOVA REALIDADE DA UNIÃO HOMOAFETIVA NO BRASIL: ASPECTOS SOCIAIS E JURÍDICOS Monografia apresentada pelo Curso de Direito da Universidade Christus como requisito parcial necessário à obtenção do grau de bacharel de Direito. Orientador: Prof. Nicodemos Maia. Fortaleza 2012

3

4 Dedico este trabalho a toda minha família e, em especial, aos professores da Universidade Christus que me acompanharam e me apoiaram em toda minha trajetória na instituição.

5 AGRADECIMENTOS Dedico este trabalho, em primeiro lugar a Deus, que sempre esteve presente em minha vida, por sua bondade e misericórdia infinita. Agradeço ao meu querido orientador, o professor Nicodemos Maia, Procurador do Trabalho, pessoa de uma humildade e compreensão intensa para com seus alunos, e que sempre me encorajou a acreditar que com força de vontade e fé, que qualquer sonho pode se tornar realidade. A Mirna Moura, minha melhor amiga da faculdade, hoje advogada, e que durante todos os anos de estudos na Universidade Christus, sempre fez questão de me apoiar e incentivar nos meus estudos. A minha amada tia Simone Pessoa, bancária e escritora, que além de sempre me incentivar e apoiar em todos os momentos mais decisivos de minha vida me serviu, sobretudo, como exemplo de mulher de caráter e dignidade. A minha adorada avó Zenaide Pessoa, que sempre esteve torcendo por mim e acreditando na minha capacidade de ser uma pessoa melhor e mais humana. Aos meus pais, Cláudia Pessoa e Aristides Lopes, que além de serem responsáveis pelo que sou hoje, dedicaram todo seu amor e apoio durante toda a minha vida, em especial minha trajetória acadêmica, e que buscaram de forma brilhante me mostrar como olhar o mundo sob a ótica da humildade e das coisas simples da vida. Por último, e de forma especial, dedico minha monografia a meu avô Domingos Marques Pereira, que além de ter investido e acreditado no meu sonho, sempre foi meu ídolo, meu herói, meu paizão. Tenho muito orgulho de ser neta desse homem, e serei eternamente grata a ele todos os dias da minha existência.

6 RESUMO A presente monografia tem como principal interesse a análise e o estudo a cerca da união homoafetiva no âmbito da família, união que a cada dia vem ganhando força na sociedade, que por séculos tratava o assunto com preconceito e discriminação. Nesse contexto o Estado se abstinha de proteger esse novo instituto familiar, deixando-os a margem da sociedade, e expostos aos mais variados tipos de ofensas íntimas, que feriam a honra e a dignidade das pessoas que optavam por esse tipo de relacionamento. A relação sócio-jurídica inexistente antes do reconhecimento desse novo tipo de união julgava que tal relacionamento não poderia de forma alguma ser classificado como família, tendo em vista que culturalmente, onde o que seria socialmente aceito se resumia a família formada por pai, mãe e filhos, com intuito principal da fecundação e propagação da espécie humana. Atualmente, houve uma mudança nesse paradigma, onde o afeto surge como principal objetivo para a configuração da existência da família, tendo por base os novos princípios Constitucionais, presentes na Carta Magna de Assim, com essa nova visão trazida pelo ordenamento jurídico brasileiro, os tribunais passaram a solucionar o problema da lacuna a cerca da união homoafetiva, através de jurisprudências que reconhecem essa união como tento status de entidade familiar, e devendo ter a mesma proteção e direitos a serem garantidos que a união estável. Palavras-chave: União Homoafetiva. Afeto. Princípios Constitucionais. União estável.

7 ABSTRACT The current dissertation's main interest is the analysis and the study about homoaffective union within the family, union which is gaining strength every day in a society that, for centuries, has regarded the subject with prejudice and discrimination. In this context, the State refrained from protecting this new family institute, leaving them to the margins of society, exposed to all kinds of intimate offenses, which hurt the honor and dignity of the people who opted for this type of relationship. The nonexistent socio-legal relationship prior to the recognition of this new type of union would rule that such a relationship could not possibly be classified as family considering that, culturally, the "socially accepted" came down to a family consisting of a father, a mother and children, aiming at fertilization and the propagation of the human species. Currently, there has been a paradigm shift, where affection emerges as the main objective for the configuration of a family, based on the new Constitutional principles present in the 1988 Constitution. Thus, with this new vision brought by Brazilian law, the courts began to solve the problem of the gap around the homoaffective union through jurisprudence that recognizes that union as a family unit, entitled to the same protection and to the same rights secured to the stable union. Keywords: Homoaffective Union. Affection. Constitutional Principles. Stable Union.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA FAMÍLIA HOMOAFETIVA Origem da Homossexualidade A homossexualidade na Grécia antiga A homossexualidade no mundo romano O tradicionalismo Cristão A Igreja Católica moderna e a condenação dos homossexuais Origens e formas da Homofobia FAMÍLIA NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE A Família no Direito Brasileiro Direito Comparado Vaticano Europa Ásia Américas Previsão Constitucional Princípios Constitucionais Aplicáveis à Família Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Princípio da Liberdade...49

9 3.4.3 Princípio da Igualdade Princípio da Afetividade A FAMÍLIA HOMOAFETIVA E OS SEUS NOVOS DIREITOS ADQUIRIDOS A Família Homoafetiva como entidade familiar O Reconhecimento da Natureza Familiar das Uniões Homoafetivas pelo STF: ADPF 132/08 e ADIN 4277/ Contrato de União Estável Jurisprudência Brasileira sobre as Uniões Homoafetivas A Jurisprudência brasileira acerca das uniões homoafetivas Uniões homoafetivas como sociedade de fato Dos direitos patrimoniais aos direitos previdenciários Uniões Homoafetivas como Uniões Estáveis: a situação atual CONCLUSÃO...81 REFERÊNCIAS...83 APÊNDICE...88

10 9 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como principal foco a busca pela análise histórica e principiológica, que culminou com o paradigma atual sobre a relação entre casais do mesmo sexo. A complexidade e a importância desse trabalho traz a tona vários debates acerca desse tipo de relação, que remonta dos primórdios da sociedade, mas só nos dias atuais vem sendo objeto de estudo aprofundado em virtude das conquistas em torno proteção jurídica de direitos. O trabalho tem o objetivo de demonstrar como os aspectos culturais, sociológicos e jurídicos modernos afetaram na atual compreensão do significado real do que é família no mundo moderno, abrangendo os diversos tipos a ela pertinentes, como é o caso do estudo em questão, que diz respeito à união homoafetiva. Inicialmente, no segundo capítulo, será feito um esboço histórico acerca da homossexualidade nas sociedades mais antigas, demonstrando como os aspectos culturais e religiosos influenciaram na formação dos vários tipos de família e, ainda, na transformação progressiva da sociedade. O capítulo de número dois também abordará o tema da homofobia, que surgiu com o advento dos dogmas da Igreja Católica em Roma, em que os cristãos condenavam veementemente a relação sexual entre indivíduos do mesmo sexo, definindo-a como pecado mortal, e aqueles que praticavam tais atos deveriam ser devidamente punidos, muitas vezes até queimados na fogueira. Já no terceiro capítulo, será estudado o tema da influência do Direito nas relações homoafetivas na atualidade. O Direito brasileiro não acompanhou devidamente as mudanças trazidas pelas novas relações atuais, não tratando de forma específica esse novo tipo de família, a união homoafetiva. Sobre esse aspecto, o trabalho propõe expor doutrinas e jurisprudências em torno do tema central, enfocando a influência dos princípios fundamentais presentes na Carta Magna de 1988, especificamente aqueles principais, que são relacionados à união homossexual, como o princípio da dignidade da pessoa humana, o princípio da liberdade, o princípio da igualdade e o princípio da afetividade.

11 10 Ainda sobre a influência Constitucional sobre esse novo tipo de união, este estudo trata também da abordagem do que é família para o atual Código Civil de Como será analisado no decorrer do trabalho, o Código Civil teve um grande avanço em vários aspectos de proteção à família, sobretudo no que diz respeito aos novos direitos adquiridos a partir da valorização da mulher e de sua importância na sociedade e no seio da família. Entretanto, no que concerne a uniões homoafetivas, o Código não se manifesta. Interessante notar que referido Código, assim como a Carta Suprema, não tem previsão sobre a união homoafetiva e deixa uma lacuna em nosso ordenamento jurídico. Além dessa problemática, o Poder Judiciário vem sendo cada vez mais cobrado para regular e assegurar direitos para a união entre casais do mesmo sexo. O último capítulo tratará especificamente da união homoafetiva e das possíveis soluções que vêm sendo utilizadas pelos tribunais brasileiros para a proteção desse tipo de união. Tais decisões têm por base, principalmente, a prestação efetiva de justiça social e a aplicação dos princípios fundamentais da pessoa humana. O tópico aborda também a adequação da união afetiva no instituto das entidades familiares, além de tratar sobre o contrato de companheiros, particular ou privado, que propõe cláusulas específicas para a regulamentação da relação. É de suma importância que se tenha conhecimento do principal foco metodológico que será empregado no decorrer do trabalho, sendo este essencialmente bibliográfico. Por fim, um dos pontos principais deste trabalho diz respeito à decisão do STF, que reconheceu, por unanimidade, a união homoafetiva como tendo status de união estável. Assim, atualmente, os tribunais têm decidido, por analogia, tratar da proteção, direitos e garantias da união estável para o tratamento da união entre os casais pertencentes ao mesmo sexo.

12 11 2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA UNIÃO HOMOAFETIVA O presente capítulo tem como propósito um estudo sobre a homossexualidade, a união homoafetiva, e seu reconhecimento como entidade familiar. Será traçada uma breve análise sobre a origem histórica, até o contexto em que se encontram essas famílias nos dias atuais, que foram, e ainda são, marginalizadas e tratadas pela maioria com inveterada hostilidade. Tratar-se-á, também, da relação jurídico-social em que se encontram esse diferente, mas não atual, tipo de família, que se está fora do padrão comumente aceito pela sociedade, onde somente os heterossexuais são tratados de forma igual e justa. 2.1 Origem da Homossexualidade Desde a formação dos primeiros modelos de sociedades existiu a homossexualidade, e não se sabe o momento exato em que esse tipo de relação surgiu. Entretanto, somente na era contemporânea observou-se um maior interesse analítico sobre esse tema. O fato é que a homossexualidade, inversamente ao que se pensa, sempre existiu entre os homens, mas, no entanto, sempre foi tratada com indiferença ou em forma de repúdio, trazendo, com isso, uma série de hostilidades contra os atores envolvidos nesse tipo de relação. O poeta e pensador alemão, Goethe, afirmou, em um de seus versos, que a homossexualidade é tão antiga quanto a humanidade. Analisando o ponto de vista do poeta escritor, há de se entender que a relação sexual entre pessoas do mesmo sexo é tão antiga, que não se pode prever quando e onde ela se originou. Os primeiros escritos em torno da questão são datados de aproximadamente cinco séculos antes de Cristo. Em termos atuais, uma pessoa é considerada homossexual quando sente atração e carinho amoroso por outra pessoa do seu mesmo sexo. Acredita-se ser, a homossexualidade, um comportamento anormal, anticonvencional e não aceito comumente entre os demais entes heterossexuais da sociedade. Há, também, aqueles indivíduos que acreditam que o

13 12 homossexualismo é uma total aberração, devendo-se excluir, do convívio comum, aqueles que optam por esse tipo de relação. Em um primeiro momento deve ser analisado o sentimento que envolve as pessoas, tanto entre sexos opostos, quanto entre pessoas do mesmo sexo, segundo ensina a professora Liliane Sousa e o professor José de Lourival 1. O amor, que se traduz na atração sexual, por si só, é um dos sentimentos mais essenciais e profundos de todos, e é inerente a todas as espécies, não só à humana. Nesse contexto, observa-se que o mesmo sentimento que enlaça os casais heterossexuais, pode envolver também os casais do mesmo sexo, desencadeando outra série de sentimentos, como o respeito, a proteção, o carinho e o apego. Analisando essa propositura, há de se pensar que, por serem ambos os tipos de casais unidos pelo mesmo tipo de sentimento, não se poderia o próprio homem interferir e tentar mudar, ou questionar a natureza daquilo que se sente, pois esse sentimento se encontra intrínseco à raça humana e não se pode ser afastado ou ignorado. Outro ponto importante a ser abordado trata-se do sentido morfológico da palavra homossexual, que é formado por dois vocábulos, o primeiro deles é o vocábulo hómus, que significa semelhante, e tem origem grega; e o vocábulo sexu, trazido do latim, e que se relaciona ao sexo. Assim, com a união dessas duas palavras, observa-se que se trata das pessoas que compartilham do mesmo gênero sexual. Posto isso, como já relatado anteriormente, deve-se salientar que a união entre seres de sexos semelhantes existiu desde os primórdios da civilização, devendo, assim, tratar-se desse tema não como uma forma de oposição, ou de revolta, mas com o simples sentimento de que deve se aceitar a natureza e a humanidade de pessoas iguais a todas as outras, mas que, por sua vez, têm opções e gostos diferentes uns dos outros. 1 SOUSA, Liliane Cristina da Silva; OLIVEIRA, Lourival José de. A União Homoafetiva no Âmbito Jurídico Brasileiro: A Travessia que não se Completou. Revista de Direito Público, Londrina, v.3, n. 2, p , mai. 2008, p. 236.

14 A Homossexualidade na Grécia Antiga Para a abordagem desse tema, é interessante que se tenha em mente que a homossexualidade vem evoluindo com o passar dos anos, e concomitantemente ao crescimento da sociedade, como prevê o escritor Moreira Filho 2. Vale ressaltar que, em tempos remotos, a Grécia não era um país unificado, sendo dividida em várias cidades-estados. Observa-se o costume da prática homossexual da época, de forma geral, já que cada cidade-estado costumava ter suas próprias convicções políticas, culturais e de costumes diferentes umas das outras. Alguns escritores conceituados que tratam do estudo e abordagem das relações decorrentes da Grécia antiga relatam que o homossexualismo, apesar de não ter esse conceito definido na época, tinha consentimento da sociedade, de acordo com determinadas regras pré-definidas, como será visto a seguir. Na Grécia antiga, os amores masculinos eram reconhecidos oficialmente por todos os habitantes. A relação sexual entre os homens, conhecida como forma de pederastia, era tida como forma iniciatória e constitutiva. A Desembargadora Maria Berenice Dias 3 relata, em um de seus artigos, sobre o ponto de vista do privilégio da homossexualidade para os homens bem nascidos na Grécia antiga, aduzindo: Encaravam a homossexualidade como privilégio dos bem nascidos, onde estes faziam parte do cotidiano dos deuses, reis e heróis, tanto que em sua mitologia, estes retrataram casais homossexuais como Zeus e Gamimede, Aquiles e Patroclo. Isto ocorria pois a heterossexualidade era um ato reservado à procriação, sendo assim considerada como uma mera opção, pois se fazia como necessidade natural à relação homossexual, digna de ambientes cultos, e considerada como a legítima manifestação de libido. 2 MOREIRA FILHO, Francisco Carlos. A Homossexualidade e sua História f. Monografia (Graduação em Direito) Faculdades Integradas: Antônio Eufrásio de Toledo, Presidente Prudente, 2007, p DIAS, Maria Berenice. União Homossexual: o preconceito e a justiça. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2001, p. 65.

15 14 O termo pederastia significava a união sexual e sensual entre o homem e um jovem, tendo um caráter de preparação para a futura vida matrimonial. O adolescente que participava do ato da pederastia era conhecido como Eromenos, e o homem por Erastes, como prevê Borrillo 4. Segundo conta, na pederastia, o homem mais velho deveria cortejar o mais jovem, lhe ofertando alguns presentes, vê-lo fazer exercícios em plena nudez, e fazer-lhe alguns favores, se assim o garoto desejasse. Para que a relação fosse aceita pela sociedade, o homem deveria cuidar da plena educação e do aconselhamento do jovem a quem estava interessado. Outro ponto importante a ser destacado é que o Eromenos, além de ter sempre que assumir a passividade da relação, jamais poderia demonstrar prazer por seu Erastes. Após completar 18 anos de idade, o jovem deveria manter somente uma relação amigável com o homem, e deveria casar-se formalmente com uma mulher e, em torno de completados 30 anos, deveria se tornar Erastes. É interessante que se saiba que a pederastia era fielmente regulamentada, e não era aceita a exclusividade dos parceiros, que significavam uma minoria não aceita pelos demais membros da comunidade. O adolescente deveria tratar o homem de forma cortez, mas se não o desejasse poderia recusá-lo de forma gentil. Embora a existência da pederastia fosse a relação mais aceita entre os antigos gregos, isso não impedia que existisse a prática homossexual entre homens adultos, sendo tida como uma necessidade. Na cidade-estado de Esparta, onde se valorizava muito a vida militar, influenciados pelas ideias de Platão, muitos casais homossexuais foram enviados para guerra juntos, onde a proximidade entre ambos traria o sentimento de força afetuosa para que cada um deles ansiasse pela salvação do bem amado. Essa estratégia traria coesão aos homens que participavam das tropas militares, tornando-os mais propensos à vitória. Nesse sentido, na cidade de Tebas, colonizada pelos espartanos, em que existia uma tropa elitizada conhecida por Pelotão Sagrado de Tebas, seus membros eram formados exclusivamente por casais de homossexuais. 4 BORRILLO, Daniel. Homofobia: História e Crítica de um Preconceito. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 45.

16 15 Já em Atenas, a principal cidade grega, o relacionamento homossexual entre homens adultos do mesmo sexo era considerado por muitos como anormal, pois um deles teria que ocupar a posição de passivo, o que, para os atenienses, era uma posição submissa e inferior, destinada somente às mulheres. Dessa maneira, a única relação comumente aceita pelos cidadãos de Atenas era a pederastia, como analisa o professor Liz Carlos Pinto Corino. 5 Um dos mais conhecidos filósofos Gregos, Sócrates, como está previsto na obra do autor Humberto Rodrigues 6, que abertamente declarava sua preferência pela homossexualidade, relatou, em uma de suas pregações, que o coito anal era a melhor forma de inspiração, e o sexo heterossexual, por sua vez, servia apenas para procriar. Outro fator que merece registro correspondia ao fato de que a prática da pederastia e dos relacionamentos homossexuais não afastava os homens de suas vidas matrimoniais, em que eles tinham o dever de manutenção e cuidado com suas esposas e seus filhos, como um casamento normal previa. O escritor grego Luciano de Samósata 7 filosofou, em um dos trechos de seu livro, que: [...]O casamento é, para os homens, uma necessidade e algo de precioso se esse homem é feliz; por sua vez, o amor pelos efebos (adolescentes, geralmente de 16 a 18 anos) é, em minha opinião, efeito da verdadeira sabedoria. Assim, o casamento destina-se a todos, enquanto o amor pelos efebos é um privilégio reservado aos sábios. A citação acima confirma, de forma clara, a maneira de como os cidadãos da sociedade grega percebiam a relação homossexual e demonstra fielmente a forma de como os homens eram os únicos merecedores de tais benefícios e da sabedoria, como afirmou o escritor Samósata. Justifica-se, assim, a forma machista e patriarcal em que se encontrava a sociedade desde os tempos mais remotos. 5 CORINO, Luiz Carlos Pinto. Homossexualismo na Grécia Antiga: Homossexualidade e Bissexualidade, mitos e verdades, Rio Grande: Saraiva, 2006, p RODRIGUES, Humberto. Aventuras na História. Vale Tudo: Homossexualidade na Antiguidade. Guia do Estudante. Disponível em <http://guiadoestudante.abril.com.br/estudar/historia/vale-tudo-homossexualidadeantiguidade shtml>. Acesso em: 01 mar SAMOSÁTA, Luciano. Como se deve escrever a história. Traduzido por: Jacyntho Lins Brandão. Ouro Preto: Tessitura, 2009, p. 134.

17 A Homossexualidade no Mundo Romano No início da República Romana, a questão da homossexualidade não era totalmente aceita pelos cidadãos. No entanto, pode-se dizer que eram concedidas determinadas práticas sexuais entre os homens, como, por exemplo, a relação sexual entre os senhores e seus escravos, em que esses senhores exerciam sempre o papel ativo na relação, demonstrando a sua superioridade, e consequentemente a subordinação de seus servos. Consta que, da metade para o final da República Romana, iniciou-se um novo conceito sobre a questão da homossexualidade. Influenciados pela cultura grega, os Romanos foram aderindo a várias das práticas gregas. Foi a partir dessa época que passaram a aderir aos mesmos valores dos gregos, tendo como foco principal a pederastia, que era reconhecida como uma relação pura. Um ponto bastante particular da história sobre a sexualidade entre homens em Roma é que, diferente do que ocorria na Grécia antiga, não era aceita a relação homossexual entre dois homens adultos. Os sujeitos que praticavam esses atos tornavam-se propensos a total desgraça de suas vidas, sendo encarados com desprezo por toda a comunidade, pois, os adultos que assumiam a passividade na relação eram tidos como inferiores, e ficariam, inclusive, impedidos de exercerem cargos públicos. Foi nesse período da Roma clássica que o professor argentino radicado na França, Daniel Borrillo 8, relatou em seu livro que, o relacionamento entre homens passou a seguir os seguintes termos: em primeiro lugar, o cidadão que mantivesse essas práticas não poderia afastar seus deveres para com a sociedade; segundo, não poderiam usar pessoas de status inferior ao seu como objeto de prazer e, por último, e mais importante, jamais assumir o papel passivo na relação sexual com seu subordinado. Para o cidadão romano, era de suma importância e primazia que o homem exercesse o papel de pater famílias, constituindo uma família formal, casando-se e responsabilizando-se por sua linhagem e pela renda econômica da família. 8 BORRILLO, op. cit., p. 46.

18 O Tradicionalismo Cristão Diferente do que ocorria na tradição greco-romana, a homossexualidade para a comunidade Judaico-Cristã assumiu uma visão completamente repulsiva. Para os cristãos, o relacionamento homossexual era visto como pecado e, alguns países chegaram ao extremo de adotar a pena de morte para o sujeito que pratica tais atos. Inicialmente, é necessário que se entenda que essa repulsa pela relação homossexual teve seu embasamento na interpretação textual dos escritos na Bíblia. A exemplo do que foi narrado anteriormente, um dos versículos pertencentes ao livro de Levíticos 9 dispõe: Se um homem se deitar com um homem, como se deita com uma mulher, ele deve ser morto, e seu sangue deve ser derramado. Cabe registrar que o contexto histórico foi um dos aspectos mais importantes para a influência da enorme repulsa que surgiu contra as práticas homossexuais. Após conseguirem se libertar do Egito, o povo de Israel, para dar continuidade à manutenção do ideal de uma sociedade patriarcalista, se viu obrigado a ditar normas escritas para que pudessem manter sua sobrevivência demográfica e cultural. Com essa forte influência do cristianismo, no fim do Império Romano, o doutrinador Arthur Virmond Neto 10 aduz que, com Justiniano, os romanos passaram a rever seus conceitos em relação à homossexualidade. Passou-se a acreditar que o único tipo de prática moral e aceita na sociedade seria a relação heterossexual-monogâmica. Nesse sentido, o Imperador Teodósio I, ordenou que os homossexuais que assumissem a posição passiva deveriam ser condenados à fogueira, haja vista que, segundo ele, a atitude passiva era associada à feminilidade, reservada exclusivamente às mulheres. Foi através dos fundamentos bíblicos que se justificaram a extrema torpeza e repressão com que se trataram as pessoas que não seguiam o tradicionalismo cristão, especialmente aqueles que praticavam a homossexualidade, com a afirmativa que esse tipo de relacionamento não era um ato aceito por Deus. 9 BÍBLIA SAGRADA. Levíticos, NETO, Arthur Virmond de Lacerda. História da Homossexualidade. Folha on line. São Paulo, 15 abr. 2007, Parte 1 e 2. Disponível em: <http://www.revistaladoa.com.br/website/artigo.asp>. Acesso em: 15. Ago

19 18 Sob o pretexto de se evitar a destruição e desintegração da humanidade, passou-se a ser condenado qualquer tipo de prática sexual que não tivesse como objetivo a fecundação. Sob o idealismo de filiação-biológica, o esperma passou a ser tratado como um elemento sagrado. Tal observação vem complementar a ideia de que a relação sexual entre pessoas de sexos semelhantes era vista como pecado mortal e aqueles que praticassem tais atos estariam condenados ao inferno. Uma das mais conhecidas e importantes passagens da Bíblia que pregam a condenação ao homossexualismo diz respeito à narrativa do Antigo Testamento de Sodoma e Gomorra 11. Segundo historiadores da época, Sodoma e Gomorra eram duas cidades habitadas por comunidades impuras, dominadas pelo pecado e pela prática de relações homossexuais, que tiveram suas terras completamente queimadas, e seus habitantes foram aniquilados por enxofre, sal e cinzas. É de bom grado que se ressalte que, em momento algum, Jesus mencionou a sodomia como sendo pecado, mas, mesmo assim, alguns de seus apóstolos fizeram questão de pregar a condenação dos amores sádicos. O apóstolo Paulo, na Primeira Epístola aos Coríntios 12, 6, 9-10, afirmou com clareza que: Não sabeis que os injustos não herdaram o Reino de Deus? Não vos iludas: os fornicadores, idólatras, adúlteros, depravados, sodomitas, assim como os ladrões, avarentos, beberrões, caluniadores ou estelionatários, nenhum desses herdará o Reino de Deus. De acordo com a observação descrita acima, Paulo deixou claro suas convicções, determinando aquele que era ou não pecador, trazendo com tal manifestação uma série de seguidores da sociedade romana, que passaram a crer e a pregar tais escrituras. Segundo consta, as primeiras formas de condenações formais contra os homossexuais foram feitas na Espanha, no Concílio de Elvira 13, em 305, onde houve a previsão de excomunhão para aqueles que não fossem heterossexuais, e o Concílio de Ancira, em 314, que determinou uma série de punições para os entendidos como pecadores. Vale ressaltar que o último Concílio condenava o chamado bestialismo, e não o homossexualismo, que foi posteriormente interpretado de tal maneira para abrangê-lo. 11 BÍBLIA SAGRADA, Gêneses, 19, Idem, Primeira Epístola aos Conríntios, 6, BORRILLO, op. cit., p. 52.

20 19 Não se deve deixar de mencionar o radicalismo exagerado do bispo Pedro Damião, no ano 1000, ao relatar em seu Livro de Gomorra que nenhum outro vício seria pior do que o homossexualismo, que deveria ser punido de forma mais feroz e eficaz do que qualquer outro crime. Para ele, o vício da homossexualidade traria basicamente a morte do corpo e da alma, que seriam tomados por influências demoníacas e os levariam para o caminho da mentira, da perdição e da não salvação. A despeito do que fora narrado neste tópico, deve-se concluir que a tradição cristã trouxe consigo a manifestação homofóbica em sua forma mais clara, fazendo surgir assim o pensamento da filosofia Escolástica, que tinha a sua frente São Tomás de Aquino. A Escolástica surgiu na Europa, no período da Idade Média, entre os séculos XI e XIV, como leciona Boehner 14, sendo definida como uma corrente filosófica, que teve por base o pensamento do radicalismo cristão. Os Escolásticos tentavam trazer uma harmonia entre os ideais de Platão e Aristóteles, com o pensamento tradicional da Igreja. Essa filosofia trouxe uma série de normas que tinham o intuito de regular as relações sociais e sexuais, onde foi pregado que somente seria aceito pela comunidade cristã o coito conjugal e heterossexual. Vale ressaltar que a relação sexual deveria ter o único objetivo de fecundação, nunca somente para satisfação de prazer e desejo entre os casais, que era entendido como pecado. O tratamento moral que São Tomás de Aquino 15 declarou sobre o aspecto relativo à sodomia: Um ato humano é um pecado, assinala Tomás de Aquino, quando é contrário à ordem estabelecida pela razão. Ora, essa ordem consiste na adaptação dos meios ao fim; portanto, não há pecado em utilizar, segundo a razão, as coisas para seu próprio fim, ao respeitar a ponderação e a ordem, contanto que esse fim seja um verdadeiro bem. Mas a conservação da espécie é um bem não menos excelente que o indivíduo; ora, do mesmo modo que este serve-se da alimentação como meio, aquela que utiliza a volúpia. O que os alimentos são para o homem, diz Santo Agostinho, o comércio carnal o é para a humanidade. Portanto, do mesmo modo que o uso dos alimentos pode ser isento de pecado, se ele é adequado para a saúde dos corpos, assim também o uso da volúpia pode sê-lo, se observar a ponderação e a ordem capazes de garantir seu fim que é a propagação humana. 14 BOEHNER, Ph.; ETIENNE, G. História da filosofia cristã: das origens a Nicolau de Cusa. Petrópolis: Vozes, 1988, p AQUINO, Tomás de. Hermenéutica bíblica de santo Tomás de Aquino. In Biblia y hermenéutica. VII Simposio internacional de teología. Pamplona, Disponível em: <http://www.sumarios.org/sites/default/files/pdfs/65291_7387.pdf>. Acesso em 13 jun

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros

UNIÃO HOMOAFETIVA. Tâmara Barros UNIÃO HOMOAFETIVA Tâmara Barros O relacionamento entre pessoas do mesmo sexo ainda é uma questão controversa para a maior parte da população da Grande Vitória, conforme pode ser averiguado através de pesquisa

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento A palavra Bíblia deriva do grego: ta biblía; plural de: ton biblíon. E significa "livros" Logo descobrimos que a Bíblia é uma coleção de livros! Nós, cristãos,

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

O corpo é um templo sagrado, que nos fo i dado com um propósito divino.

O corpo é um templo sagrado, que nos fo i dado com um propósito divino. Educação Familiar no Lar O Corpo É um Templo 8 Não sabeis vós que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós?" (I Coríntios 3:16.) O corpo é um templo sagrado, que nos fo i dado com

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS

SUMÁRIO. Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS SUMÁRIO INTRODUÇÃO Primeira Parte BASES NECESSÁRIAS ÀS TESES PROPRIAMENTE DITAS 1. A HOMOSSEXUALIDADE NA HISTÓRIA 2. A história e a homossexualidade 2.1 A sexualidade no mundo antigo 2.1.1 Foucault e a

Leia mais

HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Viviane Kate Pereira Ramos (Universidade Federal de Campina Grande) viviankate@gmail.com Dayanne Azevedo da Silva (Universidade Federal de Campina

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund*

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1 Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1. Suporte para lideranças Discuta que ajuda os líderes podem necessitar para efetuar o seu papel efetivamente. Os seguintes podem fornecer lhe algumas idéias:

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Adoção por Casal Homoafetivo

Adoção por Casal Homoafetivo Assunto Especial - Doutrina União Homoafetiva - Alimentos e Adoção Adoção por Casal Homoafetivo DOUGLAS PHILLIPS FREITAS 1 Advogado, Psicopedagogo, Presidente do IBDFAM/SC, Professor da AASP - Associação

Leia mais

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.

AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4. AULA 4 O MESSIAS: SATISFAÇÃO DEFINITIVA, ADORAÇÃO VERDADEIRA E EVANGELIZAÇÃO SEM FRONTEIRAS TEMA: A PRIORIDADE DA EVANGELIZAÇÃO TEXTO: JOÃO 4.1-42 INTRODUÇÃO A narrativa da Mulher Samaritana se desenvolve

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Estudos na Palavra de Deus. Jovens

Estudos na Palavra de Deus. Jovens Estudos na Palavra de Deus Jovens Grandes Santos de Deus Jovens programação Jovens Sirvo a um Deus preciso Richard Roger (1550-1618) Jovens Família Igreja Sociedade Jovens CTB Os Puritanos Juliano Heyse

Leia mais

CONSELHOS EVANGÉLICOS

CONSELHOS EVANGÉLICOS CONSELHOS EVANGÉLICOS 1- RAZÃO TEOLÓGICA 1.1. Fato de Vida na Igreja A vivência da virgindade-pobreza-obediência de Jesus Cristo é fato de vida que existe na igreja desde suas origens. O estado religioso:

Leia mais

Apologética Cristã V. Paulo em Atenas (Atos 17:16-34)

Apologética Cristã V. Paulo em Atenas (Atos 17:16-34) 1 Apologética Cristã V Paulo em Atenas (Atos 17:16-34) Alan Myatt A Bíblia nos dá um exemplo da metodologia apologética de Paulo no discurso no Areópago de Atos 17. Paulo enfrentou as filosofias gregas

Leia mais

ALTERA O CÓDIGO CIVIL, PERMITINDO O CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO

ALTERA O CÓDIGO CIVIL, PERMITINDO O CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO Grupo Parlamentar Projecto de lei n.º 14/XI ALTERA O CÓDIGO CIVIL, PERMITINDO O CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO Exposição de Motivos: O significado histórico do reconhecimento da igualdade A alteração

Leia mais

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero

Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural. Contextualização. Gênero. Teleaula 2. Letras. Diversidade de Gênero Atividades Acadêmico-Científico- -Culturais: Diversidade Cultural Teleaula 2 Diversidade de Gênero Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza tutorialetras@grupouninter.com.br Letras Contextualização Por que

Leia mais

A Santa Sé VISITA PASTORAL À PARÓQUIA ROMANA DE SÃO BARNABÉ HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II. Domingo, 30 de Janeiro de 1983

A Santa Sé VISITA PASTORAL À PARÓQUIA ROMANA DE SÃO BARNABÉ HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II. Domingo, 30 de Janeiro de 1983 A Santa Sé VISITA PASTORAL À PARÓQUIA ROMANA DE SÃO BARNABÉ HOMILIA DO PAPA JOÃO PAULO II Domingo, 30 de Janeiro de 1983 1. Caros Irmãos e Irmãs! Acabámos de ouvir a Palavra de Deus da Liturgia de hoje.

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

PERSPECTIVA BÍBLICA SOBRE O DIVÓRCIO

PERSPECTIVA BÍBLICA SOBRE O DIVÓRCIO PERSPECTIVA BÍBLICA SOBRE O DIVÓRCIO (Texto original de Julio Severo rearanjos de Paulo Aleixo) O estudo presente foi preparado para enriquecer nosso conhecimento sobre o assunto com uma visão breve da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 Reinos Vindouros LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 II. Daniel Interpreta o Sonho de Nabucodonosor sobre os Reinos Vindouros, 2:1-49 A. O sonho e o decreto de Nabucodonosor, 2:1-16 1. Nabucodonosor pede aos sábios

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Hugo Goes A Bíblia é formada por duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento. Em relação ao Novo Testamento, não há nenhuma diferença entre a

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO O que é uma pessoa cristã? É a pessoa que acredita que o Deus vivo é revelado em e por meio de Jesus Cristo, que aceita Jesus Cristo como Senhor e Salvador, que

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE

A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE A ATUAÇÃO DA PASTORAL DA AIDS EM DUQUE DE CAXIAS E SÃO JOÃO DE MERITI E O DIÁLOGO DA SEXUALIDADE Aluna: Sandra Regina de Souza Marcelino Orientador: Luís Corrêa Lima Introdução Este relatório tem por finalidade

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO

Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015. LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO Curso OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 LEI DIVINA ou NATURAL e LEI DE ADORAÇÃO José Aparecido 18.03.2015 CURSO DOUTRINARIO OAM Turma 6 Módulo 2 1º Semestre 2015 Aulas Curso Doutrinário OAM Turma 6

Leia mais

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa A SAGRADA ESCRITURA Por Marcelo Rodolfo da Costa A palavra bíblia é de origem grega do termo "biblion" que no plural significa "livros". Logo a bíblia é uma coleção de livros. Ela surge no meio de um oriente,

Leia mais

Lição 1 - Apresentando o Evangelho Texto Bíblico Romanos 1.16,17

Lição 1 - Apresentando o Evangelho Texto Bíblico Romanos 1.16,17 Lição 1 - Apresentando o Evangelho Texto Bíblico Romanos 1.16,17 Paulo escreveu uma carta à Igreja de Roma, mas não foi ele o instrumento que Deus usou para fazer acontecer uma Agência do Reino de Deus

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

Fé, Verdade, Tolerância. O Cristianismo e as Grandes Religiões do Mundo

Fé, Verdade, Tolerância. O Cristianismo e as Grandes Religiões do Mundo Fé, Verdade, Tolerância O Cristianismo e as Grandes Religiões do Mundo Joseph Ratzinger Bento XVI Fé, Verdade, Tolerância O Cristianismo e as Grandes Religiões do Mundo SÃO PAULO 2007 Joseph Ratzinger

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil

- Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha sobre o Descobrimento do Brasil. - Fotografias da posse do presidente do Brasil MATERIAL DE REVISÃO PARA RECUPERAÇÃO FINAL 6 ANO 1) Classifique as fontes listadas abaixo em primarias e secundárias: - Vídeo do atentado terrorista ao World Trade Center em 2001 - Trecho da Carta de Pero

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

Maria Maria Maria Maria

Maria Maria Maria Maria 1 Ave, Maria! 2 Introdução Poucas vezes, Maria é citada nas Escrituras Sagradas. Na verdade, são apenas 17 passagens, algumas relativas aos mesmos fatos, distribuídas nos quatro Evangelhos, e uma passagem

Leia mais

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados...

Apostila de Fundamentos. Arrependimento. Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... Apostila de Fundamentos Arrependimento Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados... (Atos 3:19) A r r e p e n d i m e n t o P á g i n a 2 Arrependimento É muito importante

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5 ESTUDO 09-6:1-13 A MANIFESTAÇÃO DA IRA E DA GRAÇA DE DEUS : Existem aspectos no Evangelho de Cristo que são extremamente duros, e ao mesmo tempo consoladores. Quando pensamos na seriedade do pecado diante

Leia mais

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Igualdade de Género ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Legislação O que é um homem e o que é uma mulher? Homem, s.m. (do lat.

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

V CURSO SOBRE SEXUALIDADE - 2013

V CURSO SOBRE SEXUALIDADE - 2013 V CURSO SOBRE SEXUALIDADE - 2013 Visão Nossa visão é de que, a restauração da sexualidade humana é possível em Cristo, não importando qual seja a problemática que a atingiu. A Graça e as escolhas individuais

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA

Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA (Pr. Eudes Lopes Cavalcanti) 1) Etimologia Anthropos = homem; logos (logia) = estudo, tratado 2) Conceito Antropologia é a parte da Teologia Sistemática que estuda

Leia mais

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família

Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família METANOIA em Lisboa Encontro a propósito do inquérito do Sínodo dos Bispos sobre a família Algumas notas a partir da reflexão havida no dia 13 de dezembro de 2013 na qual participaram 43 pessoas Contexto

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND ECONOMIA, SOCIEDADE E RELIGIÃO NA GRÉCIA ANTIGA: O HOMEM GREGO Prof.

Leia mais

DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB)

DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB) DECLARAÇÃO DE FÉ ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CONSELHEIROS BÍBLICOS (ABCB) A Igreja de Jesus Cristo está comprometida somente com o Antigo e Novo Testamentos como a única autoridade escrita de fé e conduta.

Leia mais

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares CADERNO DE PROVA 2.ª FASE Nome do candidato Nome do curso / Turno Local de oferta do curso N.º de inscrição Assinatura do candidato Coordenação de Exames Vestibulares I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM ATENÇÃO

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Acaba de sair do forno a mais recente pesquisa social do Núcleo de Opinião Pública (NOP), intitulada Diversidade Sexual e Homofobia no

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO NO TRABALHO CONTRA A MULHER

DISCRIMINAÇÃO NO TRABALHO CONTRA A MULHER DISCRIMINAÇÃO NO TRABALHO CONTRA A MULHER SOUZA, Karolyne Nogueira de. 1 RESUMO O presente trabalho tem o objetivo de apresentar uma abordagem sobre discriminação no trabalho contra as mulheres, fazendo

Leia mais

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE

PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE PADRE MARCELO ROSSI ÁGAPE Oo Índice Prefácio, por Gabriel Chalita...11 Introdução...19 1 O Verbo divino...27 2 As bodas de Caná...35 3 A samaritana...41 4 Multiplicação dos pães...49 5 A mulher adúltera...55

Leia mais

Plano de salvação e História de salvação

Plano de salvação e História de salvação Igreja Nova Apostólica Internacional Plano de salvação e História de salvação O artigo que se segue aborda a questão de como a salvação de Deus se evidencia na realidade histórica. A origem do pensamento

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA Ap 21.9-11 - E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das sete últimas pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro.10

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

União estável e casamento homossexual. Renata Barbosa de Almeida

União estável e casamento homossexual. Renata Barbosa de Almeida União estável e casamento homossexual Renata Barbosa de Almeida 1 Da ignorância à relevância: o percurso do reconhecimento legal Família como casamento. Constituição matrimonial através do Direito. Impedimentos

Leia mais

COMO SE TORNAR UM CRISTÃO FIEL. Apêndice 5. A Igreja de Jesus: Organização

COMO SE TORNAR UM CRISTÃO FIEL. Apêndice 5. A Igreja de Jesus: Organização 274 Apêndice 5 A Igreja de Jesus: Organização A maneira exata como a igreja se organiza é de pouco interesse para muitos. No entanto, organização é um assunto de importância vital. A organização da igreja

Leia mais

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira S S O homem é pecador Romanos 3:9-18 S Pecadores merecem a morte Genesis 2:17, Romanos 6:23 S Portanto, se é para Deus ser justo e dar somente o que

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais

UNIÃO ESTÁVEL DE RELACIONAMENTOS HOMOAFETIVOS: UMA LUTA PELO DIREITO A TER DIREITO

UNIÃO ESTÁVEL DE RELACIONAMENTOS HOMOAFETIVOS: UMA LUTA PELO DIREITO A TER DIREITO UNIÃO ESTÁVEL DE RELACIONAMENTOS HOMOAFETIVOS: UMA LUTA PELO DIREITO A TER DIREITO Carla Medeiros Dias 1 Rogério da Silva Marques 2 Soraia Veloso Cintra 3 Resumo: Este artigo aborda o reconhecimento legal

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS PROJETO DE PESQUISA MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA Projeto de pesquisa em atendimento à disciplina Monografia

Leia mais

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR

SEXISMO EM MEIO ESCOLAR SEXISMO EM MEIO ESCOLAR Seminário Évora Sexismo Avaliação negativa e atos discriminatórios baseados no sexo, no género ou na orientação sexual Historicamente marcado por relações de poder dos homens sobre

Leia mais

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO João Alex Ribeiro Paulo Roberto Bao dos Reis Severino Gouveia Duarte

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

Curso Bíblico Básico

Curso Bíblico Básico Curso Bíblico Básico Euaggelion (euaggelion) boa notícia se referia a uma proclamação; Palavra usada para indicar vitória em batalhas, nascimento ou presença de um imperador (mundo romano); Na LXX indica

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II. Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites

Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II. Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho Psicologia Integral Disciplina: Antropologia II Sexualidade, Desvio e Norma Permissões e Limites Mariana Cervi Marques Fernandes RA 922901 Resumo Dos

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

! O CÓDIGO DE SANTIDADE

! O CÓDIGO DE SANTIDADE UMA VIDA QUE HONRA A DEUS Levítico 17 Lv 17.11 Pois a vida da carne está no sangue, e eu o dei a vocês para fazerem O CÓDIGO DE SANTIDADE Levítico 17 está estrategicamente localizado na abertura da segunda

Leia mais