Licitações: a necessidade de mudança da Lei II

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Licitações: a necessidade de mudança da Lei II"

Transcrição

1 Licitações: a necessidade de mudança da Lei II Vimos no artigo anterior que a Lei 8666, lei das licitações, tem se mostrado ultrapassada para as necessidades da administração publica brasileira, demandando urgentemente reformas. Neste artigo procuramos alinhavar algumas idéias para esse debate. Fernando Albino AAA/SP - Apesar de seus meritórios propósitos, a Lei 8666 tem se mostrado inadequada, constituindo-se em um estorvo para a administração pública e para os particulares que com ela contratam. Conforme afirmou um antigo administrador público, a 8666 não impede o administrador inescrupuloso de prejudicar o erário e não ajuda o administrador sério a administrar bem. A lei padece de vários problemas, alguns dos quais já mencionamos. Mas por detrás de sua redação dois problemas são fundamentais: (a) o pressuposto de que o menor preço sempre assegura o melhor uso dos recursos públicos; e (b) a falta de um procedimento célere e seguro para a escolha da proposta vencedora. Trata-se de uma falácia a máxima de que o menor preço sempre deve prevalecer. Na verdade, a regra deve ser a da melhor solução para a necessidade pública pelo menor preço. Parafraseando a sabedoria popular, por vezes o barato sai caro. Na verdade, o princípio absoluto do menor preço só funciona para aquisição de bens de simples confecção (e não, necessariamente, serviços) em mercados pulverizados com muitos produtores. Daí o sucesso dos procedimentos de leilões públicos que têm economizado enormes recursos para os tesouros. Já para produtos sofisticados e, sobretudo, para serviços de alta tecnologia e especialmente para obras de grande complexidade e exigência técnica, o que importa é a solução (evidentemente com ampla negociação quanto ao preço, na tentativa de reduzi-lo ao mínimo suportável nas circunstâncias). Alguns exemplos saltam aos olhos: de nada adianta adquirir o equipamento mais barato se ao longo de sua vida útil a manutenção é mais cara; pior ainda, se faltam peças de reposição. Além disso, a norma deveria não só permitir, mas até privilegiar, o cotejo entre as melhores propostas e a possibilidade de uma nova rodada de negociações entre a administração pública e os primeiros colocados, na tentativa de negociar alterações nas propostas tendentes a aperfeiçoar as soluções apresentadas e conseguir reduções adicionais de valor. Em licitação recente, aqui utilizada como mero exemplo, a mudança de local de uma barragem gerou diferença substancial de valor, sem prejuízo da técnica construtiva. Essa mudança legislativa estimularia o diálogo entre os proponentes e a administração, na busca da melhor alternativa para a finalidade pretendida. Mais importante do que se verificar se as folhas das propostas estão numeradas, na sobreposição da forma sobre a substância, é a análise da proposta sob o ponto de vista técnico. As comissões de licitações deveriam ser dotadas de ampla (e regrada) discrição para escolher as propostas que entendessem as melhores e dentre elas estimular os participantes a apresentarem soluções ainda mais inovadoras às novas provocações feitas. Em certa medida, o processo de uma licitação apresenta similitudes com a desapropriação. Nesta, o juízo de necessidade e conveniência é do Estado, restando ao particular mera discussão do preço justo. Na licitação, da mesma forma, o julgamento da melhor solução deve ser do administrador público, deixando-se que aqueles que se sintam prejudicados ingressem com seus pedidos em juízo, onde podem eventualmente repor os prejuízos sofridos. Dotar as comissões de poder (desde que regrado) seria um grande avanço que daria celeridade e certeza aos procedimentos de licitação, sem as intermináveis discussões administrativas e judiciais sobre cada fase do procedimento, o que leva com que a administração pública demore de um ano a um ano e meio para adquirir bens e serviços de que necessita para o cumprimento de seus deveres constitucionais. Por outro lado, deveria se provocar o Poder Judiciário para se obter dele a interpretação constitucional sobre os limites da competência atual das comissões de licitação (e mesmo dos Tribunais de Contas), de tal forma a definir os contornos do controle judicial sobre os procedimentos das licitações. Com isso seriam evitados os constantes entraves judiciais à continuidade das licitações, que sempre redundam em demoras adicionais. Esse aspecto se liga ao seguinte. A lei deveria deixar ao administrador público a discrição para a escolha da melhor proposta sob critérios pré-determinados e amplamente divulgados que sempre levassem em conta a solução apresentada em conjunto com o melhor preço sugerido.

2 Mudanças no Regime Tributário de Transição Instrução Normativa 1397/2013 da Receita Federal estabelece obrigações para o Regime Tributário de Transição, só permitindo não incidência para o lucro fiscal. Cesar Andrade e Luiz Meziara - AAA/SP e Foi publicada, em 16/09/2013, a Instrução Normativa nº da Secretaria da Receita Federal do Brasil, que estabelece obrigações acessórias e parâmetros de tributação a serem observadas pelas pessoas jurídicas sujeitas ao Regime Tributário de Transição (RTT), instituído pela Lei nº /09, em razão das mudanças nas regras contábeis criadas pela Lei nº /07. Dentre as relevantes alterações oriundas da IN nº 1.397/13, que serão abordadas nos próximos exemplares do CONJUNTURA, vamos nos ater neste primeiro momento às normas de distribuição de lucros e dividendos pelas pessoas jurídicas sujeitas ao RTT às pessoas jurídicas coligadas ou às pessoas físicas acionistas. O artigo 26 da IN nº 1.397/13, nesse sentido, positivou o entendimento da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional no Parecer/PGFN/CAT nº 202/13, para determinar que os lucros ou dividendos isentos do imposto de renda por ocasião da sua distribuição são os obtidos com observância dos métodos e critérios contábeis vigentes em 31 de dezembro de 2007, ou seja, o lucro fiscal. Por outras palavras, não sofreriam retenção na fonte e não integrariam a base de cálculo do imposto de renda devido pelo beneficiário apenas os lucros e dividendos apurados segundo as regras contábeis antigas. Logo, se houver distribuição de lucros em valor que supera o lucro societário apurado de acordo com as regras vigentes até 2007, deve, no entendimento da Receita Federal, haver tributação. mensal, para posterior ajuste no momento da entrega da declaração do ano-calendário. Ainda, deve haver a retenção do IR-Fonte de 15% em caso de beneficiário residente ou domiciliado no exterior, ou de 25%, no caso de beneficiário residente ou domiciliado em país ou dependência com tributação favorecida. A solução dada pela IN, e em conformidade com o Parecer/PGFN/CAT nº 202/2013, seria necessária, já que o lucro societário apurado de acordo com as regras novas não foi submetido à tributação na pessoa jurídica que o auferiu, em função do RTT, ao que tais lucros não poderiam gozar da isenção prevista no artigo 10 da Lei nº 9.249/95. O entendimento do Fisco federal, todavia, não nos parece ser o mais correto, e existem diversos argumentos que podem ser deduzidos contra o entendimento fiscal, em caso de autuação, ou ainda, de medida judicial preventiva. De qualquer forma, a regra criada pela IN RFB nº 1.397/13 já está em vigor, e embora não haja dispositivo expresso nesse sentido, é possível que os Auditores Fiscais pretendam aplicar esse regime tributário para as distribuições de lucros e dividendos ocorridas nos últimos cinco anos. Por conta disso, as pessoas jurídicas que distribuíram ou distribuírem lucros/dividendos em valores superiores ao lucro apurado de acordo com as regras contábeis vigentes até 2007 deverão se acautelar quanto a potenciais autuações. Nos próximos CONJUNTURAS serão abordadas outras alterações relevantes trazidas pela IN RFB nº 1.397/13. A esse respeito, prevê o art. 28 da citada IN que os excedentes devem ser computados na base de cálculo do imposto devido pelo beneficiário, pessoa física ou jurídica. Em caso de pessoa física, deve haver, além disso, a retenção na fonte, segundo a tabela progressiva

3 Novidades Trabalhistas Recibo de quitação e sua validade, adicional de periculosidade e empréstimos para empregados são comentados no artigo. Lilian Knupp Pettersen e Valéria Abbud Jonas AAA/SP - / AAA/RJ 1. TRCT firmado sem assistência sindical não serve como prova de quitação O recibo de quitação da rescisão do contrato de trabalho assinado por empregado com mais de 01 ano de serviço só tem validade quando realizado com assistência do sindicato profissional ou perante autoridade do Ministério do Trabalho. É o que dispõe o artigo 477, parágrafo 1º, da CLT. Assim, se o acerto rescisório e a assinatura do Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho ocorrem sem a assistência sindical, o termo de rescisão é inválido e não pode ser aceito como prova de quitação das parcelas rescisórias devidas. Na verdade, basta que o trabalhador trabalhe 11 meses e o cômputo da projeção do aviso prévio para que incida a exigência legal. Um julgado semelhante ocorreu na 1ª Vara do Trabalho de Governador Valadares (MG), TRT 3ª Região. Na situação julgada, a empregada admitida em 01/10/2010 e dispensada em 31/01/2012, já contava, na data do desligamento, com mais de um ano de trabalho. Por essa razão, a rescisão contratual deveria ter sido homologada mediante a assistência competente. Diante da constatação de que a reclamada não procedeu da forma legal, a juíza não deu validade ao recibo de quitação contido no TRCT juntado aos autos, deferindo à reclamante as verbas rescisórias cabíveis. Inconformado, a reclamada recorreu, mas a decisão foi mantida pelo Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais - 3ª Região. 2. Trabalhador da área comercial de posto de gasolina não receberá adicional de periculosidade A 6ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho decidiu, no julgamento do RR , que o consultor de negócios de empresas de postos de combustíveis não tem direito a adicional de periculosidade. O recurso de revista foi interposto por uma distribuidora de petróleo, que não reconhecia o direito ao adicional. Na ação trabalhista, o consultor alegou que, durante o expediente, trabalhava em área de risco, realizava análise de produtos inflamáveis e afixava faixas nas bombas de combustíveis. Mas a empresa argumentou que o empregado, da área comercial, adentrava de forma esporádica aos locais de risco, o que não justificaria o pagamento do adicional, que corresponde a 30% da salário-base do trabalhador. O relator do processo no TST, ministro Augusto César Leite de Carvalho, deu provimento ao recurso de revista da distribuidora de petróleo por considerar que a condenação contrariou a Súmula nº 364 do TST, que exclui o direito ao adicional apenas quando o contato com o risco se dá de forma eventual. Abaixo a ementa desse julgado: AGRAVO DE INSTRUMENTO. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. TRABALHO EM POSTO DE GASOLINA. ÁREA COMERCIAL. Ante a aparente contrariedade à Súmula 364 desta Corte Superior, deve ser provido o presente agravo de instrumento para determinar o processamento do recurso de revista. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. TRABALHO EM POSTO DE GASOLINA. EMPREGADO DA ÁREA COMERCIAL. TEMPO DE EXPOSIÇÃO AO RISCO. CONTRARIEDADE A SÚMULA 364 DO TST. O TST tem negado o direito ao adicional de periculosidade quando o trabalhador apenas a acompanha o abastecimento com combustível, assegurando-o somente àquele que promove, ele próprio, o abastecimento. No caso, o TRT relata situação em que o trabalhador adentra, com intermitência, em área próxima às bombas de combustível. Portanto, tenho que a escorço fático e probatório delineado no acórdão regional não dá ensejo para se entender que o reclamante de fato tenha sido exposto de maneira habitual e permanente à situação de risco. Recurso de revista conhecido e provido.

4 3. Empréstimos celebrados entre empregado e empregador são avalizados pela Justiça do Trabalho Litígios desta ordem são competência da Justiça do Trabalho e por ela são julgados. Foi o que atestou o Superior Tribunal de Justiça em relação a um caso ocorrido no Estado de São Paulo. A formalização do contrato de empréstimo somente ocorreu porque o obreiro prestava serviços à demandada. Desta forma, as peculiaridades do financiamento como, por exemplo, as condições mais favoráveis do empréstimo - aliadas a seu propósito específico, apontam, necessariamente, para um pacto acessório ao contrato de trabalho, ressaltou Raul Araújo. O STJ entendeu que cabe ao juízo da 5ª Vara do Trabalho de São Bernardo do Campo/SP processar e julgar ação de execução ajuizada com base em contrato de mútuo firmado dentro da relação de trabalho e em função dela. A empresa ajuizou ação de execução contra um ex-empregado alegando que celebrou um contrato de empréstimo a ser quitado em parcelas mensais e sucessivas. O contrato de trabalho que vinculava as partes foi rescindido, ocasionando o vencimento automático do empréstimo. A empresa afirmou que, embora o empregado tivesse autorizado que o valor restante fosse descontado do produto de sua rescisão de contrato de trabalho, tal desconto não foi feito. O processo foi inicialmente distribuído na 6ª Vara Cível de São Bernardo do Campo/SP, que declinou da competência para a Justiça especializada. Encaminhado os autos à 5ª Vara do Trabalho, o juízo afirmou que a matéria tratada nos autos é o contrato de mútuo, cuja função é de natureza civil. Segundo o Ministro Raul Araújo, relator, a competência para o julgamento da demanda é fixada em razão da natureza da causa, que, por sua vez, é definida em razão do pedido e da causa de pedir. Afirmou o relator que a execução possui como causa de pedir um contrato de mútuo firmado dentro da própria relação de trabalho e em função dela, atraindo em consequência disso a competência da Justiça do Trabalho.

5 Garantias em Projetos de Infraestrutura As garantias e contra garantias desempenham papel fundamental nos projetos de infraestrutura, ganhando cada vez maior complexidade. Rafael Viana - AAA/SP Os projetos de infraestrutura - sejam eles contratados pela lei de licitações (Lei Federal nº 8.666/93), pela lei de concessões (Lei Federal nº 8.987/95) ou pela lei de Parcerias Público-Privadas (Lei Federal nº /04) demandam um arcabouço complexo de garantias voltadas a assegurar a saúde financeira do projeto, sua continuidade, bem como o fiel cumprimento das obrigações existentes entre a Administração Pública e os particulares. A obtenção e prestação de garantias e de contra garantias acompanham a estruturação de qualquer projeto de infraestrutura de grande porte permeando o processo de licitação, a fase de captação de recursos e assegurando o fiel cumprimento dos contratos administrativos, sendo prestadas por meio de instrumentos jurídicos cada vez mais sofisticados. No curso do processo de licitação, é exigido dos licitantes a apresentação de garantia da proposta (bid bond), fundamentada no art. 31 inciso III da Lei Federal nº 8.666/93. A prestação de garantia da proposta traz como resultado, não apenas a segurança quanto à qualificação econômica da licitante, como a comprovação da boa reputação da licitante no mercado, atuando como um verdadeiro indicativo de que a licitante pretende efetivamente cumprir com o edital e que tem condições de prestar futuras garantias caso se sagre vencedora do certame. Considerando a relevância da referida garantia, além da avaliação econômico financeira, é usual que as instituições financeiras e seguradoras condicionem a prestação desse tipo de garantia a avaliação da reputação da licitante no que concerne ao cumprimento das propostas apresentadas, e, por vezes, a capacidade da licitante obter a garantia de execução e cumprir as demais obrigações prévias a assinatura do contrato administrativo. Essa avaliação realizada pelo mercado especializado na oferta desse produto tem relação direta com o risco de execução da referida garantia, já que, caso a licitante deixe de atender as condições do edital ou não tenha condições financeiras para cumprir as condições de assinatura do contrato administrativo (aporte de capital social, prestação de garantia de execução, contratação de seguros) terá a garantia da proposta executada. Por sua vez, a garantia de execução do contrato administrativo, fundada no art. 56 da Lei Federal nº 8.666/93 e aplicável a todas as modalidades de contratação aqui expostas, atua como mecanismo de segurança da Administração Pública contra o descumprimento das obrigações contratuais pela licitante vencedora do certame, sendo usual a previsão de mecanismos diretos de execução, previsão de reposição em caso de execução e duração até o encerramento do contrato administrativo. Talvez seja seguro afirmar que na fase de captação de recursos a prestação de garantias e contra garantias tenha seu papel de maior relevância e maior complexidade de estruturação, por força da multiplicidade de agentes e interesses envolvidos. De fato, para a captação de recursos para execução do projeto são frequentemente exigidas garantias vinculadas ao próprio projeto, como no caso da concessão de serviços públicos e PPPs, garantias prestadas pelos acionistas da Sociedade de Propósito Específico (quando exigida a constituição da SPE) e mesmo garantias prestadas por terceiros. Adicionalmente, na fase de estruturação do financiamento do projeto é frequente a necessidade de contratação de empréstimos ponte, voltados a suportar os investimentos iniciais do projeto até a obtenção do financiamento definitivo do projeto ou mesmo a suplementação do financiamento em caso da necessidade de recursos adicionais para execução do projeto. Em referidos casos, é necessária a prestação de novas garantias voltadas aos financiadores do projeto. As contra garantias também tem seu papel de destaque, na medida em que asseguram a segurança na prestação de garantias, tais

6 como a fiança bancária e seguros prestados por terceiros nos contratos administrativos e de financiamento. Adicionalmente, no contexto das Parcerias Público Privadas, a prestação de garantias pela Administração Pública do pagamento da contraprestação é, sem dúvida, uma das condições para o sucesso dos projetos e atratividade de interessados, sendo igualmente essenciais para assegurar melhores condições de financiamento aos projetos. execução dos contratos administrativos assumem papel essencial no sucesso de qualquer projeto de infraestrutura, sendo de suma importância sua correta estruturação para viabilizar as melhores condições de atendimento aos interesses da Administração Pública, dos particulares, instituições financiadoras e seguradoras. A garantia de pagamento da contraprestação prevista no art. 8º da Lei Federal nº /04 pode ser prestada pela Administração Pública por meio da vinculação de receitas, pela afetação do patrimônio de fundos garantidores, prestação de seguros e fianças por companhias públicas, assim como outros meios admitidos em lei (hipoteca, penhor, para citar alguns). Contudo, diante das vinculações orçamentárias e outras restrições legais para oneração do patrimônio público, por vezes há dificuldade para operacionalização das referidas garantias pela Administração Pública. Cientes das dificuldades e da relevância da estruturação das garantias a União Estados e Municípios, com frequência constituem órgãos e fundos responsáveis pela prestação e administração de garantias. Dentre algumas das citações podemos destacar a criação da Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias S.A. ABGF incumbida não apenas de ofertar coberturas securitárias não oferecidas atualmente no mercado, como de gerir o fundo garantidor de PPPs. Também são dignas de nota a já consolidada Companhia Paulista de Parcerias que já presta garantias a diversos projetos de PPP do Estado de São Paulo, assim como a EMIP Empresa Mineira de Parcerias encarregada da gestão dos contratos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) e de concessões promovidas pelo Estado de Minas Gerais. Certo é que face a multiplicidade de instrumentos, mecanismos de prestação e gerenciamento e funções, as garantias prestadas seja na fase de licitação seja na fase de

7 Desconsideração da Personalidade Jurídica A desconsideração da personalidade jurídica ("disregard doctrine") positivada pelo artigo 50 do Código Civil de 2002, visa responsabilizar os sócios pelas obrigações da sociedade nos casos em que há comprovação de abuso da personalidade jurídica. Raquel Franca AAA/SP - A desconsideração da personalidade jurídica ("disregard doctrine") positivada pelo artigo 50 do Código Civil de 2002, visa responsabilizar os sócios pelas obrigações da sociedade nos casos em que há comprovação de abuso da personalidade jurídica (este caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial). Tem sido cada vez mais comum a aplicação do referido Instituto pelos nossos Tribunais. Igualmente tem sido amplamente admitida a desconsideração inversa da personalidade jurídica, situação em que são atingidas as sociedades em que participam determinado sócio, sendo assim responsabilizadas por dívidas deste. No entanto, nem sempre a desconsideração tem sido aplicada de maneira correta, o que tem gerado insegurança jurídica. Diversos são os julgados em que se admite a desconsideração, diga-se, indevidamente, pelo simples fato de não ter sido localizado patrimônio suficiente para solver as obrigações da empresa. A insuficiência de bens, por si só, contudo, não é causa legal para que se admita a responsabilização dos sócios (ou da sociedade, no caso de desconsideração inversa). Portanto, as decisões judiciais que têm admitido a desconsideração sem a prévia e cabal demonstração do abuso da personalidade jurídica, nitidamente, violam o referido artigo 50 do Código Civil, assim como princípios constitucionais, como o Devido Processo Legal ("due process of law"). Destaques jurídicos Nesta segunda quinzena de setembro não foram publicadas leis ou regulamentações de grande relevância ou impacto, mas duas novas leis merecem as nossas considerações. A primeira é que inseriu como diretriz de política pública o incentivo aos equipamentos que reduzam o consumo de água e a segunda é a lei que incluiu como uma política de saúde a atividade física. Maurício Boudakian Moysés AAA/SP Incentivo à economia do consumo de água A Lei federal n , de 17 de setembro de 2013, estabelece diretrizes para o saneamento básico, com o objetivo de incentivar a economia e o consumo de água. A lei inclui como um princípio fundamental da prestação do serviço público de saneamento básico a adoção de medidas de fomento à moderação do consumo de água. Quanto à política federal de saneamento básico, a lei determina o incentivo a adoção de equipamentos sanitários que contribuam para a redução do consumo de água, bem como a promoção de educação ambiental voltada para a economia de água pelos usuários. Atividade física como fator de saúde. A Lei federal n , de 24 de setembro de 2013, inclui a atividade física como fator determinante e condicionante da saúde, passando a integrar o rol que atualmente só pertencia à alimentação, moradia, saneamento básico, meio ambiente, trabalho, renda, educação, transporte, lazer e acesso aos bens e serviços essenciais. Com isso, programas destinados as atividades físicas poderão receber verbas públicas consideradas como gastos de saúde. Em recente decisão, o Superior Tribunal de Justiça reafirmou o entendimento de que "a simples inexistência de patrimônio suficiente para satisfazer o pagamento de crédito exequendo não é justo motivo para se taxar, como abusiva, a conduta da parte exequida para por via de consequência, aplicar a disregard doctrine" (REsp SP. Relator Ministro Raul Araujo. J. 25/6/2014. DJe 29/8/2013). Em que pese o entendimento do Superior Tribunal de Justiça, algumas decisões proferidas por outros Tribunais do país em sentindo contrário acabam não sendo reformadas pelo STJ, por razões meramente formais, pois não raro os recursos destinados à referida Corte não reúnem os requisitos processuais para que a questão seja analisada pelo STJ, perpetuando-se assim verdadeiras distorções na aplicação da "disregard doctrine".

8 Curiosidades A antiguidade não conhecia os recursos porque os julgamentos eram considerados manifestações divinas ou de oráculos não passíveis de discussão. Foi apenas no século III d.c. que se desenvolveu no direito romano, na época do Imperador Augusto, o que se poderia chamar hoje de uma apelação, o jus appellandi. Tratava-se de um recurso para o Imperador das decisões dos governadores de província ou prefeitos do Pretório ou da Cidade ou do Senado. O recurso era bastante raro e possível contra certas decisões cíveis e criminais envolvendo ilícitos graves e o seu prazo de interposição era não superior a dez dias. Esse tipo de recurso desaparece com o fim do Império Romano e reaparece na Idade Média na Igreja Católica, usado contra decisões eclesiásticas e dirigido ao Papa. No direito não canônico outro recurso começa a ser admitido, inspirado no direito germânico, a blasphematio iudicii interposto perante as assembléias de homens livres das decisões dos senhores feudais. No território gaulês era chamado de défaute ou faussement. A influência do direito canônico e a redescoberta das instituições do direito romano promoveram a volta da apelação, regulamentada pelo reinado francês, no século XIV. A apelação, então, começa a ser construída como nos nossos dias adquirindo complexidades: hipóteses de cabimento, prazos, efeitos suspensivo ou meramente devolutivo, etc. A partir daí a evolução do recurso é permanente e na época de Luís XVI foi outorgada aos súditos a possibilidade de ter dois graus de jurisdição praticamente em todos os processos. A Revolução Francesa chancelou os dois graus de jurisdição, criando inclusive tribunais de apelação. Essas regras foram codificadas pelo Código de Processo Civil de 1806 e pelo Código de Instrução Criminal de Os países de direito anglo-saxão foram menos adeptos dos recursos e apenas no século XIX passaram a admitir um appeal e criam uma Court of Appeals (antes disso existiu apenas o writ of error, de alcance muito restrito). O que mais justifica o recurso é o erro judiciário. Casos célebres como o famoso Caso Dreyfus que condenou um inocente à morte provocaram na opinião pública um sentimento de que deve haver uma segunda oportunidade para qualquer pessoa, evitando com isso erros, perseguições e fanatismos. A tendência é a de aumentar os tipos de recursos e sua complexidade, tanto nos direitos locais quanto nos foros internacionais. O sentimento que prevaleceu no STF foi o de que alguns réus deveriam ter esse duplo grau de jurisdição, ainda que no mesmo colegiado, já que quatro dos onze ministros teriam os absolvido de um ou de mais de um dos crimes a eles imputados. Criou-se assim um duplo grau no próprio STF. (extraído do verbete Recursos do Dicionário da Cultura Jurídica, de autoria de Denis Alland e Stéphane Rials, Editora Martins Fontes, São Paulo, 2012, páginas 1517 a 1522, verbete de autoria de Jean-Louis Halpérin).

Novidades Trabalhistas

Novidades Trabalhistas Novidades Trabalhistas Acerto rescisório, demora na liberação da guia do seguro-desemprego e ausência de punição gradativa são os temas tratados nessa quinzena e que merecem atenção das empresas. Veja

Leia mais

Privadas O Projeto de Lei em tramitação

Privadas O Projeto de Lei em tramitação BNDES BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Parcerias Público-Privadas Privadas O Projeto de Lei em tramitação MAURÍCIO PORTUGAL RIBEIRO CONSULTOR JURÍDICO DA UNIDADE DE PPP DO MINISTÉRIO

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG.

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA RURAL INCONSTITUCIONALIDADE DECLARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL NO RE Nº 363.852/MG. Como amplamente noticiado nestes últimos dias, o Supremo Tribunal Federal, em decisão

Leia mais

Contrato de Facção não é Terceirização

Contrato de Facção não é Terceirização Contrato de Facção não é Terceirização A jurisprudência do Tribunal Superior do Trabalho tem distinguindo com bastante clareza o contrato de facção (que fragmenta a produção delegando a sua execução a

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009

INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009 INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009 Apresentamos a seguir um resumo dos principais pontos da Instrução da Comissão de

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Tribunal Superior do Trabalho

Tribunal Superior do Trabalho Tribunal Superior do Trabalho RR-37200-28.2008.5.15.0128 A C Ó R D Ã O RECURSO DE REVISTA. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. RESCISÃO CONTRATUAL. RECUSA DE RECEBIMENTO DE VERBAS RESCISÓRIAS. EXTINÇÃO DA UNIDADE

Leia mais

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 Medida Provisória nº 627/13 Imposto de Renda da Pessoa Jurídica - Tributação em Bases Universais Com o advento da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, teve

Leia mais

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas

Tributação em bases universais: pessoas jurídicas Tributação em bases universais: pessoas jurídicas A MP 627, na linha adotada pelo STF na ADI 2.588, previu a tributação automática no Brasil somente dos lucros auferidos no exterior por controladas ou

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

Novidades Trabalhistas

Novidades Trabalhistas Novidades Trabalhistas Ampliação do contrato temporário passa a valer em 1º de Julho. Lei publicada altera artigo da CLT determinando pagamento de adicional de periculosidade para motociclistas. Empresa

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Texto compilado Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter

Leia mais

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Seminário de Licenciamento Ambiental de Destinação Final de Resíduos Sólidos Brasília, DF - Novembro de 2005 Coleta de resíduos

Leia mais

URGENTE. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER

URGENTE. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER URGENTE De: Departamento Jurídico do SINDIFISCO/MG Belo Horizonte, 23 de abril de 2009. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER Trata-se

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL TOMADA DE CONTAS ESPECIAL COMPARATIVO ENTRE A IN TCU Nº 13/1996 E A IN TCU Nº 56/2007 IN TCU Nº 13/1996 IN TCU Nº 56/2007 Art. 1º Diante da omissão no dever de prestar contas, da não comprovação da Aplicação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10ª Turma INDENIZAÇÃO. DANO MORAL. ATRASO NA ENTREGA DAS GUIAS DO FGTS E SEGURO- DESEMPREGO. A demora injustificada na entrega das guias do FGTS e do Seguro- Desemprego, feita ultrapassado o decêndio

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso

CONTRATO DE TRABALHO. Empregado Preso CONTRATO DE TRABALHO Empregado Preso Muitas dúvidas surgem quando o empregador toma conhecimento que seu empregado encontra-se preso. As dúvidas mais comuns são no sentido de como ficará o contrato de

Leia mais

Tabela do Imposto de Renda das Pessoas Físicas (IRPF) tem de ser reajustada em 46,84%

Tabela do Imposto de Renda das Pessoas Físicas (IRPF) tem de ser reajustada em 46,84% Tabela do Imposto de Renda das Pessoas Físicas (IRPF) tem de ser reajustada em 46,84% A correção de 8% na tabela do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), válida a partir de 1º de fevereiro de 2006, não

Leia mais

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 INFORMATIVO Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 Este informativo tem o propósito de orientar as associadas sobre as principais questões atinentes aos procedimentos

Leia mais

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae)

Novos Modelos Organizacionais dos Municípios. Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) Novos Modelos Organizacionais dos Municípios Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgotos (Arsae) 2 Características do modelo Autarquia em regime especial; Autonomia e independência decisória e decisão

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A sociedade empresária XYZ Ltda., citada em execução fiscal promovida pelo município para a cobrança de crédito tributário de ISSQN, realizou depósito integral e

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3

Ponto 1. Ponto 2. Ponto 3 DIREITO DO TRABALHO PEÇA PROFISSIONAL Ponto 1 Pedro ingressou com reclamação trabalhista contra o estado de São Paulo para ver reconhecido o vínculo de emprego entre ambos, ainda que não tenha havido prévia

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 65, ANO VI MAIO DE 2014 I LEI 12.973: NOVA TRIBUTAÇÃO DAS EMPRESAS NO EXTERIOR Dentre os diversos aspectos contidos na Medida Provisória

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário Preso

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Funcionário Preso Funcionário Preso 15/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Informação Sefip... 5 4. Conclusão... 6 5. Referências...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO ASSESSORIA TÉCNICO-LEGISLATIVA DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 DECRETO Nº 110, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2009 PUBLICADO EM PLACAR Em / / Dispõe sobre a regulamentação da Lei Complementar nº 187, de 12 de agosto de 2009, que autoriza a transação tributária para fins de

Leia mais

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS 1 de 5 19/5/2012 17:30 VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS Tributos e Contribuições Federais DRAWBACK VERDE E AMARELO SUSPENSÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO A C Ó R D Ã O 3ª T U R M A PODER JUDICIÁRIO FEDERAL MEMBRO DE CONSELHO CONSULTIVO. ESTABILIDADE. DESCABIMENTO. Não faz jus à estabilidade sindical o empregado eleito pelo órgão consultivo da entidade,

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 01/10/2015 ATENÇÃO: Prorrogação dos incentivos fiscais ao esporte Os incentivos fiscais para fomento das atividades de caráter desportivo (originalmente

Leia mais

MENSAGEM N 36, DE 2015

MENSAGEM N 36, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N 36, DE 2015 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo entre o Governo da República Federativa do

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 5 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000429851 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0226204-83.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é impetrante EDEMAR CID FERREIRA,

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 22/12/2015 ATENÇÃO 1 Declaração de Imunidade Tributária Municipal deve ser enviada até 31.12.2015 Nos termos da Instrução Normativa nº 07/2015 da Secretaria

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: ICP 0288/2007 PRT/2ª S. Bernardo do Campo Procurador oficiante: Dr. João Filipe Moreira Lacerda Sabino Interessado: Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do

Leia mais

Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior

Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior Kildare Araújo Meira Advogado sócio da Covac Sociedade de Advogados, Pós Graduado em Direito Processual Civil pelo Instituto Brasiliense

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

Juros - Aspectos Econômicos e Jurídicos

Juros - Aspectos Econômicos e Jurídicos 128 Juros - Aspectos Econômicos e Jurídicos Marcelo Mondego de Carvalho Lima 1 Não se pode iniciar este trabalho sem fazer alusão aos d. palestrantes que, em várias semanas, tornaram simples uma matéria,

Leia mais

PRÁTICA DE TRABALHO MODELOS DE ITENS PARA PETIÇÃO INICIAL

PRÁTICA DE TRABALHO MODELOS DE ITENS PARA PETIÇÃO INICIAL PRÁTICA DE TRABALHO MODELOS DE ITENS PARA PETIÇÃO INICIAL Caros alunos, os modelos a seguir são apenas sugestões de redação. O ideal é que cada um tenha sua forma de escrever. O que realmente importa é

Leia mais

LABORATÓRIO 3. VI EXAME DE ORDEM UNIFICADO 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO LABORATÓRIO 3 PROFA. Maria Eugênia Conde @mageconde.

LABORATÓRIO 3. VI EXAME DE ORDEM UNIFICADO 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO LABORATÓRIO 3 PROFA. Maria Eugênia Conde @mageconde. Caso Prático Emerson Lima propôs reclamação trabalhista, pelo rito ordinário, em face de Rancho dos Quitutes, alegando que trabalhava como atendente em uma loja de conveniência localizada em um posto de

Leia mais

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 Denúncia espontânea. Exclusão da multa moratória. Inexistência de distinção entre multa moratória e multa punitiva, visto que ambas são excluídas em caso de configuração

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Atualizado em 22/10/2015 CONTRATOS ADMINISTRATIVOS São contratos celebrados pela Administração Pública sob regime de direito público com particulares ou

Leia mais

A atividade contábil e o ISS

A atividade contábil e o ISS A atividade contábil e o ISS Janeiro de 2014. A prática da atividade de contabilista pode ser exercida por profissional autônomo, sociedade empresária e sociedade simples. Para tanto, o responsável tem

Leia mais

Seguro Garantia. Liliana Márquez Superintendente de Garantia. SINCOR São Paulo, 13 de dezembro de 2007

Seguro Garantia. Liliana Márquez Superintendente de Garantia. SINCOR São Paulo, 13 de dezembro de 2007 Seguro Garantia Liliana Márquez Superintendente de Garantia SINCOR São Paulo, 13 de dezembro de 2007 1 1 SEGURO GARANTIA Mercado Brasileiro Fonte: Site SUSEP 1 2 SEGURO GARANTIA Mercado Brasileiro Fonte:

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 6ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20090020080840AGI Agravante(s) POLIMPORT COMÉRCIO E EXPORTAÇÃO

Leia mais

- Considerações iniciais. - Fundamento do Parecer PGFN/CAT 200/2013. - Análise do Parecer. - Considerações adicionais e finais.

- Considerações iniciais. - Fundamento do Parecer PGFN/CAT 200/2013. - Análise do Parecer. - Considerações adicionais e finais. - Considerações iniciais. - Fundamento do Parecer PGFN/CAT 200/2013. - Análise do Parecer. - Considerações adicionais e finais. Desde o início da adoção das novas normas contábeis buscou-se a adoção da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 182 Conteúdo - Atos publicados em Maio de 2015 Divulgação em Junho/2015

Clipping Legis. Publicação de legislação e jurisprudência fiscal. Nº 182 Conteúdo - Atos publicados em Maio de 2015 Divulgação em Junho/2015 www.pwc.com.br Clipping Legis CSLL - Instituições financeiras - Majoração de alíquota - MP nº 675/2015 Receitas financeiras - Alíquota zero de PIS/ COFINS para as variações monetárias e hedge - Alteração

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR AC Nº 540866/PE (0010598-17.2010.4.05.8300) APTE : UNIMED GUARARAPES - COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO ADV/PROC : BRUNO BEZERRA DE SOUZA e outros APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ASSIST MP : ANS - AGÊNCIA

Leia mais

2 A COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO

2 A COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO 121 EXECUÇÃO FISCAL. QUESTÕES RELEVANTES SOBRE AS AÇÕES RELATIVAS ÀS PENALIDADES ADMINISTRATIVAS IMPOSTAS AOS EMPREGADORES PELOS ÓRGÃOS DE FISCALIZAÇÃO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO SUMÁRIO Lucilde D Ajuda

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Você foi procurado pelo Banco Dinheiro Bom S/A, em razão de ação trabalhista nº XX, distribuída para a 99ª VT de Belém/PA, ajuizada pela ex-funcionária Paula, que

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO 1I MAIO DE 2010 1 LUCRO IMOBILIÁRIO E O IMPOSTO DE RENDA A incidência do Imposto de Renda sobre o ganho de capital na venda de

Leia mais

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 I. TELECOMUNICAÇÕES Incidência: Prestação de serviços de comunicação, por qualquer meio,

Leia mais

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA Autores: Eng Sérgio Piccinelli Eng Carlos Henrique Machado Edição: José Carlos Lada Outubro / 2014 Formas de Contratação pela Administração 1) Contratação Direta (Formas de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.424 - PE (2013/0315610-5) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : SANTANDER LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL ADVOGADO : ANTÔNIO BRAZ DA SILVA E OUTRO(S) RECLAMADO : SEXTA

Leia mais

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB pelo órgão de Controle Interno no âmbito da União (Controladoria Geral da União

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS.

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458 / 2009 PROCESSO : 50610.000792/2009-59 PORTO

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE Consulentes: Comércio de Bebidas Branco Ltda. Advogados: Nacir Sales Relator: Conselheiro Roberto Augusto Castellanos Pfeiffer EMENTA:

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO Nº 2006.3281-7/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE FAZENDA RIO GRANDE RECORRENTE...: EDITORA ABRIL S/A RECORRIDO...: RAFAELA GHELLERE DAL FORNO RELATOR...: J. S. FAGUNDES CUNHA

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento.

Limitações na ação de consignação em pagamento. Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. Limitações na ação de consignação em pagamento Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Conceito. 2 Sua disciplina legal. 3 Limites da ação em consignação em pagamento. 1 Conceito O que significa consignação em pagamento?

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62

T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62 T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra de Ações da T4F ENTRETENIMENTO S.A. ( Companhia ), aprovado pela Assembléia

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 6.824, de 2006 (Do Senador Sérgio Cabral) VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO JEAN WYLLYS

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 6.824, de 2006 (Do Senador Sérgio Cabral) VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO JEAN WYLLYS COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 6.824, de 2006 (Do Senador Sérgio Cabral) Acrescenta o art. 31-A à Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003 - Estatuto do Idoso, para isentar do pagamento

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL Contratado pela empresa Clínica das Amendoeiras, em razão de uma reclamação trabalhista proposta em 12.12.2012 pela empregada Jussara Péclis (número 1146-63.2012.5.18.0002,

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 A seguir veremos: Novas Modalidades de Administração no Brasil; Organização da Administração Pública; Desafios da Administração Pública.

Leia mais

Decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região (TRT-2)

Decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região (TRT-2) Fevereiro 2015 RADAR STOCCHE FORBES - SOCIETÁRIO Unificação dos sistemas Empresas.Net e IPE No dia 30 de janeiro de 2015 a CVM comunicou que realizará a unificação das plataformas do Sistema IPE e do Sistema

Leia mais

A questão das controladas indiretas e a delimitação do alcance dos tratados. Aaplicaçãodostratados: Artigo 7 x Artigo 10

A questão das controladas indiretas e a delimitação do alcance dos tratados. Aaplicaçãodostratados: Artigo 7 x Artigo 10 LUCROS AUFERIDOS NO EXTERIOR E A JURISPRUDÊNCIA DO CARF A QUESTÃO DOS TRATADOS PRINCIPAIS CONTROVÉRSIAS A questão das controladas indiretas e a delimitação do alcance dos tratados Aaplicaçãodostratados:

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-156300-95.2009.5.01.0074. A C Ó R D Ã O (4.ª Turma) GMMAC/r4/asd/eo/h/j

PROCESSO Nº TST-RR-156300-95.2009.5.01.0074. A C Ó R D Ã O (4.ª Turma) GMMAC/r4/asd/eo/h/j A C Ó R D Ã O (4.ª Turma) GMMAC/r4/asd/eo/h/j RECURSO DE REVISTA. DISPENSA POR JUSTA CAUSA. QUITAÇÃO DE VERBAS RESCISÓRIAS. PRAZO. ART. 477, 6.º, ALÍNEA B, DA CLT. AFASTAMENTO DA MULTA. De acordo com o

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT da 4ª Região Órgão Oficiante: Dr. Roberto Portela Mildner Interessado 1: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região. Interessado 2: Banco Bradesco S/A. Assuntos: Meio ambiente do trabalho

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

1- CONTRATO DE TRABALHO

1- CONTRATO DE TRABALHO 1- CONTRATO DE TRABALHO 1.1 - ANOTAÇÕES NA CARTEIRA DE TRABALHO Quando o empregado é admitido - mesmo em contrato de experiência -, a empresa tem obrigatoriamente que fazer as anotações na carteira de

Leia mais

O QUE FAZER COM OS RECURSOS SEM DESPESAS CORRESPONDENTES NA LOA EM RAZÃO DE VETO, EMENDA OU REJEIÇÃO?

O QUE FAZER COM OS RECURSOS SEM DESPESAS CORRESPONDENTES NA LOA EM RAZÃO DE VETO, EMENDA OU REJEIÇÃO? O QUE FAZER COM OS RECURSOS SEM DESPESAS CORRESPONDENTES NA LOA EM RAZÃO DE VETO, EMENDA OU REJEIÇÃO? Robison Carlos Miranda Pereira Aluno do 7º período do curso de Direito do Unicentro Newton Paiva, graduado

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2013

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2013 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N.º, DE 2013 (Do Sr. Otavio Leite e da Sra. Fátima Pelaes) Acrescenta dispositivos à Lei Complementar n.º 123, de 14 de dezembro de 2006, que institui o Estatuto Nacional da

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08

PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCA Secretaria de Planejamento e Gestão Econômica Divisão de Compras e Licitações Contrato nº /08 MINUTA 1 1 TERMO DE CONTRATO Tomada de Preços nº 019/08 Processo nº 5935/0/ Contratante: Prefeitura Municipal de Franca Contratada: Valor: R$ ( ) OBJETO: AQUISIÇÃO DE TERMINAIS DE AUTO ATENDIMENTO Pelo

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais