PENSAR COM TECNOLOGIAS E PENSAR EM TECNOLOGIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PENSAR COM TECNOLOGIAS E PENSAR EM TECNOLOGIAS"

Transcrição

1 1 PENSAR COM TECNOLOGIAS E PENSAR EM TECNOLOGIAS Giovane Hilário da Silva Alexandre Ferreira de Pinho Programa de Pós-Graduação (PPG) em Desenvolvimento, Tecnologias e Sociedade (DTecS) Universidade Federal de Itajubá Linha Temática: Tecnologias e Sociedade RESUMO Trata-se de reflexão sobre nossas relações com as tecnologias. Considera-se que nosso modo de vida sofre interferência direta e é definido também pelas tecnologias. O homem tem necessidade de desenvolver soluções para problemas pontuais, isso promove as tecnologias. O emprego das tecnologias promove em sequência: a aceitação e a naturalização que é a incorporação da tecnologia às estruturas do pensamento. Desse modo representações da realidade são tratadas como elementos reais importantes para nossas formas de perceber e interpretar o mundo. Discute-se a classificação de dois tipos de gente frente à utilização das tecnologias da informação e comunicação: os nativos e os imigrantes digitais. A justificativa para essa classificação reside no processo de transformação nas estruturas do pensamento motivado pela imersão na atual cultura digital em que são construídas as identidades dos nativos digitais em oposição ao universo impresso e analógico dos mais velhos, os imigrantes digitais. Palavras-chave: Tecnologia; Representação da realidade; Nativos digitais. ABSTRACT It is a reflection about our relationship with technology. It is considered that our way of life is under direct interference and is also defined by the technologies. Humans need to develop solutions to specific problems, it promotes technologies. The use of technologies promoted in sequence: the acceptance and naturalization which is the incorporation of technology to the structures of thought. Thus representations of reality are treated as important elements for how we perceive and interpret the real world. We discuss the classification of two types of people facing the use of information and communication technologies: natives and digital immigrants. The justification for this classification lies in the transformation of the structures of thought motivated by immersion in current digital culture process in which the identities are constructed for digital natives as opposed to print and analog universe of older digital immigrants. Key-words: Technology; Representation of reality; Digital natives. 1. QUEM SÃO OS NATIVOS DIGITAIS? Esse texto propõe uma reflexão sobre como a tecnologia imbricada no cotidiano determinam nossas vidas até de modo imperceptível. As tecnologias da informação e da comunicação (TIC) provocam alteração significativa no em nosso modo de pensar. O nosso envolvimento com as tecnologias, de forma consciente ou não, favorece que pensemos com as tecnologias sem notar suas presenças ou criticar nossas relações com elas. Como veremos pode ser o processo de internalizar um novo sistema de representação da realidade que caracteriza verdadeira revolução para o indivíduo afetado, mas também revolução para toda a humanidade. Em 2001 o professor dos Estados Unidos, Marc Prensky definiu duas modalidades de gente no célebre artigo "Nativos digitais, imigrantes digitais" quando tornou evidente que a interação constante com a emergente cultura digital vivenciada pelos jovens estudantes, nativos

2 digitais, dificulta as relações de aprendizagem geridas pelos maduros professores em geral categorizados como imigrantes digitais por suas procedências alheias a esse novo universo. Os imigrantes digitais têm a capacidade e possibilidade de absorção da cultura digital, mas não desvencilham das origens analógicas e impressas, explicitando sotaques remanescentes do processo de adaptação (PRENSKY, 2001). Especificamente trata-se da distinção entre usuários das tecnologias da informação e da comunicação. A cada dia mais, o tema é tratado por psicólogos, educadores, sociólogos, antropólogos, além de ser componente do rol de preocupações dos gestores de recursos humanos. Aqui a expressão TIC segue a definição de Guillermo Sunkel (2006, p.8) e significa conjunto de ferramentas e processos eletrônicos para acessar, recuperar, guardar, organizar, manipular, produzir, compartilhar e apresentar informações. Nesse sentido incluem-se equipamentos (hardwares) e programas (softwares) de computação e de telecomunicações com ênfase nos computadores e dispositivos de telefonia móvel além de consideração das tecnologias audiovisuais como televisão, videocassete, leitores de DVD, projetores de multimídia que constituem em si meios eletrônicos para registro, armazenagem, apresentação e compartilhamento de informações. O fosso abismal que separa esses dois grupos define-se pelas diferentes formas de construção do conhecimento, maneiras distintas de ver e perceber o mundo. Enquanto os imigrantes, ao longo de suas mais longas vidas tiveram contato com o mundo principalmente através de conteúdos impressos, os nativos digitais em seus ainda curtos períodos de existência, têm facilidade de acesso aos mesmos conteúdos e outros mais em opções de múltiplas plataformas, as multimídias. Essa diversidade dos documentos e principalmente o desembaraço no acesso das informações pode consistir em transformação tamanha no que diz respeito à percepção da realidade que talvez justifique a rotulagem. Esperamos desenvolver dois movimentos: primeiro identificar tecnologias que tão profundamente definiram nosso modo de pensar e agir afim de compreendermos a ubiquidade das tecnologias, principalmente algumas antigas, já internalizadas em nossos esquemas de pensamento; segundo, apontar indícios que reforcem as categorias propostas por Prensky no tangente às TIC. O sentido do termo nativo empregado por Prensky está além do vínculo com a localidade da origem do indivíduo e está ainda distante da ideia de traduzir alguma qualidade ou característica espontânea, natural e perceptível desde o surgimento do indivíduo. O conceito de nativo cunhado por Prensky diz respeito ao entremetimento do indivíduo com a cultura. Percebe-se, desse modo, distanciamento dos termos nativo e natural. Pois cultura diz respeito ao que é artificial, produzido e provocado pelo homem, enquanto indivíduo ou ser social, em oposição ao que é natural, livre da interferência humana. Temos, então, que a natividade, nesse sentido, não é correlata diretamente ao nascimento. Ainda que consolidada no início do percurso de vida a natividade, com o sentido proposto por Prensky, é caracterizada pelo ambiente e condições em que se desenvolve a identidade. Se aceitarmos que o termo nativo assume esse novo significado, consideramos a dinâmica da linguagem em processo de desterritorialização quando um termo perde os vínculos de suas origens, mas ganha possibilidade de ampliar seus sentidos e alicerçar novos conceitos (DELEUZE e GUATTARI, 2011). Igual exercício ocorre com o termo imigrante que não necessariamente diz respeito a deslocamento, troca de espaços físicos, mas descreve processo de adequação voluntário ou compulsório com vistas à inserção e permanência nos meios que naturalmente interagem em cultura digital. 2

3 3 2. REPRESENTAÇÃO DA REALIDADE E TECNOLOGIAS A compreensão da dimensão da interferência das tecnologias em nossas vidas é negligenciada e até desnecessária para nossa sobrevivência. Aproveitemos essa oportunidade para reflexão sobre a questão retomando o tempo remoto em que nossos ancestrais experimentaram uma classificação reconhecidamente significativa entre dois tipos de gente: os novos sedentários, nativos fixos com um endereço definitivo e os imigrantes desse novo jeito de viver em um só lugar. No curto período histórico de convivência entre os dois grupos, afinal os velhos morrem, deviam ser naturais as manifestações dos sotaques dos antigos nômades, os imigrantes, que apesar de reconhecer os benefícios da vida sedentária propiciada pelas colheitas programadas ou produção das crias recém domesticadas, não se desvencilhavam das origens errantes. Nesses primórdios em que sequer um sistema de numeração estava consolidado, pedras serviam para que de modo associativo um pastor de ovelhas registrasse controle sobre seus animais. A tecnologia disponível para controle dos rebanhos embasava-se em montinhos de pedras ou ranhuras em ossos. Entendimento importante construímos a partir disso: a tecnologia surge para atendimento de demandas específicas do homem. É simplista a concepção de tecnologia como uma substância, um aparelho ou um objeto. A origem grega da palavra denota um adjetivo, uma qualidade como astúcia ou manha, mais do que um substantivo, uma coisa ou a materialização de um artefato (PINTO, 2005, p.174). Tecnologia não é o amontoado de pedras, ou o osso com ranhuras, nem tampouco a ideia de produzir tais elementos. Tecnologia é a capacidade, a esperteza, a sapiência daquele que necessitado de solução para um problema pontual e presente, concebeu a ideia e materializou algum artifício para a resolução da vicissitude. Desse modo, em algum momento um homem por necessidade percebeu que poderia utilizar uma única pedra diferenciada para simbolizar um grupo de pedras comuns, ou poderia substituir um punhado de ranhuras no osso por uma ranhura distinta daquelas tantas basais. Nascia assim novo sistema de contagem que desembocaria no sistema de numeração decimal. O homem usou as referências do seu próprio corpo para delimitar a cardinalidade de um conjunto básico: dez elementos tal como o número de dedos nas suas mãos. Fossemos nós seres viventes com oito dedos nas mãos, provavelmente hoje os algarismos oito e nove não existiriam, assim como não existe um algarismo para simbolizar a dezena que se dá pela junção do um com o zero. Nessa hipótese absurda, nós com quatro em cada mão, teríamos o registro de sequência dos números naturais como: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 20, e aprenderíamos sem nenhuma estranheza que 6+2=10 ou 11+7=20. Usaríamos o sistema de numeração octal que existe e tem utilidades específicas, mas em geral é abstração teórica incomum à nossa rotina diária decimal. Ao tempo em que falamos de tecnologia, falamos de um sistema de representação da realidade que dada a eficácia na resolução de questões cotidianas passa a ser aceito e transmitido, assim incorporado à própria vida do indivíduo que idealizou, aperfeiçoou ou simplesmente comprovou os seus benefícios com o uso. Monereo e Pozo (2010, p.106) definem isso como um processo de naturalização dos sistemas culturais de representação que ocorrem com a interiorização de formas convencionais de representação em princípio externas, seguida de reificação quando essas representações já tratadas como "construções mentais próprias" ganham perante o grupo social o estatuto de objeto real. Então, não se pensa mais na representação, que já é estrutura mental, mas o pensamento acontece com a tal estrutura. Exemplo claro e simples disso é o contraste entre o conceito e aplicação do número dois. O que

4 4 é o dois? Dois não é nada, senão representação simbólica de uma realidade qualquer que necessite do emprego da cardinalidade ou da ordinalidade "dois". 3. COMO O TEMPO EXISTE. SE É QUE ELE EXISTE... A convenção do sistema de numeração decimal arraigada hoje em nossas mentes nem sempre foi consenso. Há mais de dois mil anos, na Babilônia estava em voga o emprego de um sistema diferente de numeração. Trata-se do sistema sexagesimal. Isso não significa que os nativos babilônicos tivessem trinta dedos em cada mão, totalizando sessenta - o termo nativo aqui foi empregado com o sentido original em alusão ao território da origem, hoje iraquiano. Fica claro que a utilização de parâmetros do próprio corpo para definição de sistemas representativos numéricos não é unânime, apesar de bastante difundido e até compreensível. A preferência por tal sistema de numeração se justificou pela divisibilidade da base. Significa que é mais fácil dividir o número 60 em partes inteiras iguais do que dividir o número 10 nas mesmas condições. O número dez, base do nosso conhecido e difundido sistema decimal pode ser dividido pelos números naturais 1, 2, 5 e 10, portanto possui quatro divisores enquanto que o elenco de divisores do número sessenta conta com 1, 2, 3, 4, 5, 6, 10, 12, 15, 20, 30 e 60, são doze divisores, em termos quantitativos, uma vantagem considerável. A distinção favoreceu a utilização do sistema de base 60 para definição de dois sistemas utilizados até hoje: o registro e divisão do tempo e a demarcação de regiões polares, os ângulos. No caso do registro e controle do tempo é evidente a presença do sistema sexagesimal na divisão das horas em 60 minutos e dos minutos em 60 segundos. Mas também na divisão dos dias em dois períodos de 12 horas (60/5). Atualmente convivemos com esses dois sistemas de numeração: o decimal e o sexagesimal; tão distintos que podem causar alguma confusão de fácil resolução, como a representação de uma hora e meia que é 1,5 horas, usando a representação decimal ou 1h30 considerando a base 60. Tal incômodo de simples contorno no universo dos adultos causa angústias consideráveis às crianças que além de precisar compreender os distintos significados dos ponteiros dos relógios e suas posições, precisão distinguir 1,5 de 1:30, ainda que as duas representações numéricas expressem a mesma "coisa". Mas o tempo não é "coisa". É mais um sistema de representação a ser internalizado e reificado. Se não nos lembramos dessa angústia de nossas infâncias, nos processos de aprendizagem do sistema decimal de numeração e do registro e controle das horas, é porque o processo de reificação já ocorreu e o tempo já existe como "coisa" em nossa estrutura cognitiva. A angústia foi superada. Assim como o dois, o minuto não é nada, senão representação simbólica de uma realidade qualquer que necessite do registro de uma fração do "tempo". Similar é o caso do registro e controle dos ângulos, cuja unidade é o grau que representa uma fração de uma circunferência dividida pelo seu centro em 360 (6x60) partes iguais. Cada grau é dividido em 60 minutos que por sua vez é dividido em 60 segundos. Os termos minutos e segundos assumem aqui significados distintos aos do tempo, justificam-se talvez, pela similaridade em serem resultados da divisão em sessenta partes iguais. 4. A REVOLUÇÃO FRANCESA E AS CONVENÇÕES DECIMAIS O sistema de registro das horas, com base sexagesimal, não passou incólume à tentação humana de facilitar o controle através da utilização do amigável sistema decimal de numeração. Em tempos mais recentes quando surgiu a necessidade de controle sobre frações de tempo inferiores ao segundo, o recurso utilizado foi a definição dos décimos, centésimos e milésimos

5 de segundos, mas a preocupação com a padronização decimal é mais antiga e teve episódio importante por ocasião da Revolução Francesa (1789). Tentativas de representações arcaicas de medidas que usavam o corpo como parâmetro de unidade eram comuns em comunidades feudais, de onde persistem até hoje as polegadas, pés, braças, jardas além do palmo e do bíblico côvado. A difusão desses sistemas diferenciados com unidades arbitrárias foi geradora de muitos erros e dificuldades em transações comerciais. A França foi o primeiro país a efetivamente tentar solução através de um modelo unificado baseado no sistema decimal. Vale ressaltar, para nosso entendimento da importância dos sistemas representativos, que a proposta francesa de substituir unidades de medida padronizadas já internalizadas e reificadas pelo povo consistiu em importante quebra de paradigma e somente obteve êxito dada a insistência e morosos esforços dos governantes para transmissão dos novos modelos, de forma compulsória nas escolas, até que hábitos e costumes tradicionais, impregnados na cultura fossem substituídos. Daí vem o que hoje é utilizado pela maioria dos cientistas conhecido como Sistema Internacional de medidas. Para reforçar a ideia do peso da cultura na construção coletiva da naturalização das representações e sua influência determinante no pensamento e ação dos indivíduos é interessante menção à tentativa francesa de substituição das formas de controlar e registrar o tempo. Em 1792 o governo francês instituiu um calendário revolucionário que ditava 12 meses de 30 dias, com adição anual de 5 feriados para comemoração dos benefícios trazidos pela revolução. A proposta trocava as semanas de 7 dias por decâmeros, conjuntos de dez dias. Cada dia passaria a ser dividido em 20 horas, dez diurnas e dez noturnas. A divisão das horas seria em cem partes. Isso amenizaria a angústia das crianças em aprendizagem pela natural compatibilidade: 1,5 horas corresponderia a uma hora e 50 minutos. Tal sistema revolucionário de controle e registro do tempo figurou transformação muito radical e nunca foi efetivamente implementado. Dois fatores foram determinantes para o seu insucesso: a resistência do clero que evidentemente não simpatizava com os ideais da revolução, mas também e com grande peso a relutância popular que não acatou a substituição do controle sobre o tempo já naturalizado e culturalmente amalgamado ao cotidiano. O governo francês aboliu oficialmente o sistema em 1795, mas o evento serve aqui para indicar o quanto um sistema de representações internalizado e reificado implica em nossas vidas. Apesar da infelicidade de implantação de um novo sistema de controle do tempo, as padronizações decimais alcançadas nas medidas de comprimento, massa, temperatura, entre outras consistem em importante legado da Revolução de 1792 e contribuíram significativamente para melhorar a comunicação entre cientistas do mundo inteiro. Um indivíduo que nasceu nos anos seguintes à Revolução francesa pode ser considerado um nativo métrico, enquanto aqueles que presenciaram a revolução, acostumados com jardas, pés, polegadas, onças e outras convenções para suas atividades diárias formam o grupo dos imigrantes métricos. Outro acontecimento merecedor de nossa atenção na distinção dos nativos e imigrantes se deu com a criação dos tipos móveis utilizados como matrizes de impressão por Johannes Gutemberg, no século XV. Inspirado, talvez, pelas pegadas deixadas pelos trabalhadores das vinícolas, tal novidade com a persistência de Gutemberg para a melhoria das tintas, dos papéis e dos próprios dispositivos de impressão, revolucionou a transmissão das informações e possibilitou aos posteriores nativos leitores de impressos uma nova forma de contato com o mundo e consequentemente um novo modo de representar e pensar a realidade. Ainda que fosse possível aos temporários imigrantes adaptação ao novo modo de ler o mundo, é possível imaginar que a oferta de material impresso superava o número de leitores aptos às suas interpretações. 5

6 6 Destarte listamos ocorrências históricas reconhecidamente importantes que dividiram a população em dois grupos: nativos e imigrantes. A transição da vida nômade para a sedentária, a criação dos sistemas de numeração sexagesimal e decimal, o aprimoramento nas formas de controlar e registrar o tempo, a padronização dos sistemas de medidas e o advento dos tipos móveis de impressão mudaram as formas de interpretar a realidade, mas principalmente possibilitaram alterações na maneira de pensar. Notoriamente as formas de ensino e aprendizagem são distintas antes e depois de cada um desses marcos. Algumas revoluções menores acontecem envolvendo as vidas de poucas pessoas ou ainda de um grupo formado por contingente considerável, mas irrelevante no âmbito da população global. Uma mudança no regime de governo de uma nação pode categorizar seu povo e sua história em antes e depois do processo de transformação. Isso embora crucial para o povo local não pode ser generalizado para todos os homens. Em escala menor, os costumes de uma aldeia ou de uma vila, podem se perder com a morte dos anciãos se não forem criados registros e mecanismos de manutenção da memória e continuidade de rituais característicos contribuintes da coesão e caracterização daquele povo. Ainda num micro universo, tomemos o exemplo fictício de um trabalhador do campo que eventualmente se veja envolvido com a atividade de pesca. Esse trabalhador é evidentemente um imigrante pescador, capaz de absorver os conceitos e práticas principais para o exercício da atividade pesqueira sem nunca se livrar dos sotaques e marcas profundas trazidas do campesinato. Se esse homem procriar e sua prole crescer em meio ao ofício da pesca, certamente essa criança será um nativo pescador sem que tal fato tenha repercussão na vida de qualquer outra pessoa por pouco que for distante de seu núcleo de convivência. Pelas circunstâncias, trata-se de nativo pescador, mas a convivência com o pai, a mesma que lhe garante a imersão no mundo da pesca também oportuniza inevitável contato com os sotaques do pai camponês. Isso pode contribuir de forma rica para os saberes do filho, mas pode, por outro lado tornar confusa a constituição da identidade dessa criança. A depender se o pai tiver consciência da importância desse momento ímpar da consolidação da identidade do rebento, além de saber e conseguir direcionar todo processo até que se perceba base sólida na formação do indivíduo filho em sua contingente situação de nativo pescador. Tudo pode descambar para eclosão de conflitos e traumas capazes de comprometer a formação e o indivíduo permanecer num limbo em que se torna nativo bastardo, quando não é pescador nem camponês. 5. CONCLUINDO. COMO SE FOSSE POSSÍVEL CONCLUIR... Vem crescendo o debate acerca de que revolução significativa esteja em curso, modificando importante sistema de representação com interferências nos nossos modos de pensar e de agir. Trata-se de processo de transição da cultura impressa e analógica para um novo paradigma de representação multimidiática e digital (CASTELLS, 1999; LÉVY, 1993; LÉVY, 1999). As mudanças significativas percebidas a partir dos anos 70 do século XX afetam sobremaneira duas instâncias fundamentais da vida humana: o trabalho e a linguagem. O trabalho se modifica na medida em que as tecnologias impactam diretamente nas atividades intelectuais de modo quantitativo pelo volume de informações que qualquer homem se vê imerso e qualitativo pela possibilidade de processamento ampliada nos mecanismos automatizados nos processadores eletrônicos. A linguagem é dinamizada nos meios de comunicação facilitados pela instantaneidade que derruba a barreira da distância física e torna efêmero o intervalo entre a geração/transmissão e recepção das mensagens. Se em revoluções anteriores o homem percebia alteração em seu modo de vida pela expansão ou substituição da força física de trabalho que já acarretava a transição para um novo

7 modo de vida, a revolução atual em curso interfere também nas suas funções intelectuais transformando o modo de percepção da realidade com demanda exacerbada de interpretação de dados em volume antes inimaginável. A cultura digital preza e conduz ao individualismo, à competição e ao relativismo. A imersão do indivíduo, no universo da cultura digital pela utilização de aparatos tecnológicos provoca normatização de comportamentos, gera e controla demandas de produção e consumo, padroniza a maneira de acesso às informações que apesar da diversidade de meios dita uniformidade nas reações de enfrentamento da realidade. Além da desconstrução de um status quo e sua remodelação em novidade mediada pelas tecnologias no universo de cada indivíduo a revolução tecnológica em si promove constantes atualizações. Um exemplo de nova construção propiciada pela tecnologia e que como consequência impulsiona a geração de mais tecnologias foi o desenvolvimento do projeto interdisciplinar de mapeamento do genoma humano capitaneado pelos biólogos envolvendo profissionais da computação, da matemática, do direito, da filosofia (ética), da química, entre outros. A análise das informações geradas nesse projeto abriram amplo leque de possibilidades para desenvolvimento de projetos futuros em distintos campos do conhecimento de impossível previsibilidade e realização anterior. As interações entre as tecnologias e as ciências nessa instância da pesquisa decaem com consequências no universo de cada indivíduo que tem sua prática cotidiana redesenhada por novos produtos ou processos, alheio a todos esforços e trabalhos realizados nessa camada superior. Consideremos a experiência de um cidadão comum que se dirige à drogaria com intento de consumir um fármaco produzido a partir de estudos provenientes da análise da sequência de genes elucidada pelo consórcio do PGH (Projeto Genoma Humano). Sem reflexão crítica sobre as relações com as tecnologias, nossas práticas simples e rotineiras são transformadas e naturalizadas em intervalos relativamente curtos de tempo. Como exemplo simples, válido principalmente aos imigrantes digitais, consideremos que era comum nos meios urbanos a necessidade da presença em instituições financeiras para a mera quitação de uma fatura referente ao consumo de energia elétrica, água ou serviço de telefonia. As filas diante dos nossos semelhantes humanos operadores de caixa para a realização desses pagamentos tornaram-se escassas e raras. Em dado momento bastava uma visita do usuário devedor a um terminal eletrônico de auto atendimento que a seu modo estabelecia comunicação com os usuários através de mensagens em monitores e recepção de dados por teclados para que o serviço se concretizasse sem interação com outro ser humano. Ademais, sequer a presença na instituição é necessária dado que existe a possibilidade do pagamento remoto pelo acesso através de dispositivos de processamento e comunicação como computadores ou celulares, além da modalidade de débito automático em que o usuário simplesmente é notificado da transação realizada desobrigada de seus estímulos ou controle. A ubiquidade das TIC em nossas vidas é fato inquestionável e ao que tudo aponta, irreversível. Nossas vidas vêm sofrendo modificações significativas às quais nos adaptamos sem nítida noção das etapas dessas transformações. Como outro exemplo simples, tomemos uma nova forma de representar os números difundida na última década do século passado: os códigos de barras. Essa nova maneira de representar algarismos numéricos, longe de afetar o nosso já reificado sistema de numeração decimal contribuiu para revolucionar os controles sobre informações nos mais distintos segmentos da sociedade. A otimização dos processos percebeu evolução espantosa nos âmbitos quantitativo e qualitativo nas industriais, no setor de logística, no comercio e nos serviços. O que percebemos é a ponta do iceberg. A adoção do novo sistema de representação numérica interpretado por dispositivos de leitura óptica conectados a sistemas de informação em computadores cada vez mais velozes e capazes de processamento de um volume crescente de dados alterou gradativamente nossa rotina. Pensemos em uma dona de casa que houvesse feito sua última compra de mantimentos no 7

8 8 comercio local em 1979, se por algum motivo permanecesse em sono profundo e somente agora voltasse a comprar, sem considerarmos as diferenças no valor do dinheiro. Certamente tal senhora, ainda que não percebesse a presença daqueles traços impressos nas embalagens dos produtos, estranharia os procedimentos ao finalizar sua transação comercial; se você é um imigrante será capaz de vislumbrar esse contraste. A nossa percepção da mudança é lenta como no convívio diário com uma criança que não nos permite discernir as transformações em seu desenvolvimento físico. Tais transmutações são de imediato percebidas por um parente que há meses não tem contato com essa criança. Esse processo de crescente onipresença das TIC que tomou vulto na segunda metade do século XX vem a cada dia engrossando as filas de pessoas do mundo inteiro que são direta ou indiretamente, de forma consciente ou em total ignorância afetados. Tentamos entender e descrever as regras desse jogo em meio a sua realização. É difícil descrever a enormidade do fenômeno sendo presentes no olho do furacão. A distinção entre nativos e imigrantes digitais colabora no sentido de elucidar uma fração mínima da questão com respeito a grupos sociais que de alguma forma possuem acesso e são beneficiados pelas TIC. Do meio em que falamos isso é claro e notório. A questão que paira no ar e deve ser merecedora de nossa atenção é do quanto vivemos hoje essa transição como a dos nômades errantes que se tornaram sedentários agricultores ou pastores e em que medida somos agricultores aventureiros na arte da pesca correndo o risco de confundir o entendimento de nossos filhos comprometendo assim a constituição de suas identidades. REFERÊNCIAS CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede - A era da informação: economia, sociedade e cultura; v.1; Trad. Roneide Venâncio Majer. São Paulo: Paz e Terra, DELEUZE, Gilles e GUATARRI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, (v.1). Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. 2ª edição. São Paulo: Editora 34, LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Trad. Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, LÉVY, Pierre. Cibercultura. Trad. Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, MONEREO, Carles e POZO, Juan Ignacio. O aluno em ambientes virtuais: Condições, perfil e competências. In: COLL, César e MONEREO, Carles (org.), Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e da comunicação. Trad. Naila Freitas. São Paulo: Artmed, 2010, PINTO, Álvaro Vieira. O Conceito de tecnologia (v.1). Rio de Janeiro. Contraponto, PRENSKY, Marc. Digital natives, digital Imigrantes. In: PRENSKY, Marc. On the Horizon. Lincoln: NCB University Press, Vol. 9 No. 5, October, Disponível em: <http://www.marcprensky.com/writing/prensky - Digital Natives, Digital Immigrants - Part1.pdf>. Acesso em 24/Julho/2014. SUNKEL, Guillermo. Las tecnologías de la información y comunicación (TIC) en la educación en América Latina. Una exploración de indicadores. Santiago de Chile: CEPAL, División de Desarrollo Social, Serie Políticas Sociales 126, Giovane Hilário da Silva Alexandre Ferreira de Pinho Programa de Pós-Graduação (PPG) em Desenvolvimento, Tecnologias e Sociedade (DTecS) UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

Gestão escolar: revendo conceitos

Gestão escolar: revendo conceitos Gestão escolar: revendo conceitos Myrtes Alonso É um equívoco pensar que o desempenho da escola se expressa apenas nos resultados da aprendizagem obtidos nas disciplinas e que é fruto exclusivo do trabalho

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade

Designer gráfico. elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade Rubens de Souza Designer gráfico O designer gráfico desenvolve projetos ou planejamentos a partir de elementos verbais e não-verbais que irão compor peças gráficas com a finalidade específica de atingir

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Novas tecnologias X Trabalhos velhos

Novas tecnologias X Trabalhos velhos Novas tecnologias X Trabalhos velhos "O laboratório de computador: uma má ideia, atualmente santificada" Gavriel Salomon Há 20.000 anos, quando nossos ancestrais habitavam as cavernas, as crianças... Certo

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Não confie em sua memória: agendas e calendários online estão a seu favor... 5 >>

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde

PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) Curso de Internet para Profissionais de Saúde PROGRAMA DE INTERIORIZAÇÃO DO TRABALHO EM SAÚDE (PITS) INTRODUÇÃO UNIDADE 1 Módulo 1: Curso de Internet para Profissionais de Saúde Internet e a Ciência O papel da internet na formação dos profissionais

Leia mais

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento

As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento As Tecnologias de Informação e Comunicação para Ensinar na Era do Conhecimento Nirave Reigota Caram Universidade Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: nirave.caram@usc.br Comunicação Oral Pesquisa em Andamento

Leia mais

2. Sistemas de Numeração

2. Sistemas de Numeração 2. Sistemas de Numeração 2.1. Introdução A necessidade de contar é algo que acompanha o ser humano desde tempos imemoriais. Muitas cavernas pré-históricas registram contagens, provavelmente de animais,

Leia mais

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa tem o objetivo de possibilitar ao leitor um conhecimento específico sobre a história da Ciência

Leia mais

Medidas e Grandezas em Física

Medidas e Grandezas em Física CMJF - Colégio Militar de Juiz de Fora - Laboratório de Física Medidas e Grandezas em Física MEDIDAS EM FÍSICA Uma das maneiras de se estudar um fenômeno é estabelecer relações matemáticas entre as grandezas

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM

PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM PGM 3: MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA ESCOLA JOVEM Falar em mobilização e participação de jovens na escola de ensino médio implica em discutir algumas questões iniciais, como o papel e a função da escola

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após verificarmos toda a integração histórica da informática para a educação, veremos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

IMIGRANTES E NATIVOS DIGITAIS: UM DILEMA OU DESAFIO NA EDUCAÇÃO?

IMIGRANTES E NATIVOS DIGITAIS: UM DILEMA OU DESAFIO NA EDUCAÇÃO? IMIGRANTES E NATIVOS DIGITAIS: UM DILEMA OU DESAFIO NA EDUCAÇÃO? Resumo SANTOS, Marisilvia dos PUCPR marisilviaeu@hotmail.com SCARABOTTO, Suelen do Carmo dos Anjos PUCPR suu.anjos@gmail.com MATOS, Elizete

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA José Erildo Lopes Júnior 1 juniormat2003@yahoo.com.br RESUMO Neste trabalho, vamos apresentar o conteúdo de ângulos, através

Leia mais

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1

LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS METODOLOGIAS PARA O DESIGN DE INTERFACES DIGITAIS E PRODUTOS MIDIÁTICOS 1 Patrícia Marques da Silva 2 ; Aline Cardoso Militão 3 ; Sônia Cristina Soares Dias Vermelho

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 Otavio OLIVEIRA 2 Cintia BARIQUELO 3 Jamile SANTINELLO 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste Resumo

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES

- Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES - Aula 1 - ARQUITETURA DE COMPUTADORES Em arquitetura de computadores serão estudados aspectos da estrutura e do funcionamento dos computadores. O objetivo é apresentar de forma clara e abrangente a natureza

Leia mais

A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações

A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações Lucia M. M. Giraffa giraffa@pucrs.br ARGOS - Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação à Distância da PUCRS

Leia mais

PEDAGOGIA TERENA X PEDAGOGIA URBANA: O que eu professor preciso saber da Pedagogia Terena para atuar no espaço escolar indígena multicultural.

PEDAGOGIA TERENA X PEDAGOGIA URBANA: O que eu professor preciso saber da Pedagogia Terena para atuar no espaço escolar indígena multicultural. PEDAGOGIA TERENA X PEDAGOGIA URBANA: O que eu professor preciso saber da Pedagogia Terena para atuar no espaço escolar indígena multicultural. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS

Leia mais

MÉTRICA PARA MÍDIAS SOCIAIS UM MAR DE POSSIBILIDADES. Parte I. Dinamize

MÉTRICA PARA MÍDIAS SOCIAIS UM MAR DE POSSIBILIDADES. Parte I. Dinamize MÉTRICA PARA MÍDIAS SOCIAIS UM MAR DE POSSIBILIDADES Parte I Dinamize Primeira edição - 2011 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 VOCÊ DIGITAL... 4 TEMPO E ESPAÇO NO ONLINE... 6 O MUNDO MUDOU... 9 PRIMEIROS PASSOS...

Leia mais

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar

A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar A construção da cidadania e de relações democráticas no cotidiano escolar Ulisses F. Araújo * * Professor Doutor da Universidade de São Paulo. Escola de Artes, Ciências e Humanidades. 1 Um dos objetivos

Leia mais

PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA

PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA PRÁTICA SOCIAL DA CULINÁRIA NA PERSPECTIVA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Resumo Jean Cauê, Huppes Sistema Huppes de Aprendizagem, Santa Maria/RS Brasil jeancaue@gmail.com.br Mariza de Andrade Brum Sistema

Leia mais

Palavras-Chave: Resolução de Problemas, Contrato didático, Ensino da Matemática.

Palavras-Chave: Resolução de Problemas, Contrato didático, Ensino da Matemática. A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS MATEMÁTICOS E O PROFESSOR Juliane dos Santos Medeiros 1 (UFAL) Jumedeiros_santos@yahoo.com.br Eliane Silva Araújo Correia 2 (UFAL) elianecorreia@hotmail.com RESUMO Este artigo

Leia mais

As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional

As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional As implicações das mídias sociais na comunicação organizacional Tiago Mainieri 1, Universidade Federal de Goiás Eva Ribeiro 2, Universidade Federal de Goiás Resumo: O artigo apresenta a comunicação organizacional

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

www.brasilitplus.com

www.brasilitplus.com www.brasilitplus.com (((internetdascoisas))) BRASSCOM Inteligência de Mercado www.brasscom.org.br BRASSCOM Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação 1 (Seu carro com

Leia mais

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS

OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS OS USOS DAS VIDEOCONFERÊNCIAS EM EAD: DIFICULDADES E POSSIBILIDADES DIDÁTICAS São Luís MA maio de 2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das áreas de pesquisa em EAD Macro: C / Meso: J /

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Lúcia Helena de Magalhães 1 Neuza Maria de Oliveira Marsicano 2 O papel das tecnologias da informação na atual sociedade da informação vem sendo

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

ESTRATÉGIAS GRÁFICAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ARITMÉTICOS RESUMO. Palavras-Chave: Resolução de problemas; Estratégias gráficas; Problemas aritméticos

ESTRATÉGIAS GRÁFICAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ARITMÉTICOS RESUMO. Palavras-Chave: Resolução de problemas; Estratégias gráficas; Problemas aritméticos ESTRATÉGIAS GRÁFICAS NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS ARITMÉTICOS Rogéria Gaudencio do Rêgo (DM/CCEN/UFPB) Maria Alves de Azeredo (DME/CE/UFPB) RESUMO Este estudo tem por objetivo discutir sobre as diferentes

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL

ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL 1 ENSINO DE GEOGRAFIA E A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL Profa. Dra. Carla C. R. G. de Sena * carla@ourinhos.unesp.br MsC. Waldirene R. do Carmo ** walcarmo@usp.br Resumo: Este trabalho apresenta

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE Autor(a): Ivalda Barbosa do Nascimento Mandú Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email:

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática

Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática Um novo olhar sobre TIC e Educação Matemática Profa. Dra. Maria Raquel Miotto Morelatti Departamento de Matemática, Estatística e Computação mraquel@fct.unesp.br O que são TIC? Recursos tecnológicos que

Leia mais

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente A internet como atividade integrante de uma prática docente Flávio Chame Barreto Instituto Educacional Vivenciando RJ flaviocbarreto@yahoo.com.br Resumo Um consenso entre os docentes do Ensino Fundamental

Leia mais

Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais

Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais Internet e Ensino: Saberes indispensáveis aos Imigrantes digitais Cristina Novikoff c_novikoff@yahoo.com.br UNIGRANRIO Natália Xavier Pereira nxpereira@hotmail.com UNIGRANRIO Resumo:O uso da tecnologia

Leia mais

PROJETO JORNAL ESCOLAR "ANTÔNIOCARLOS.COM"

PROJETO JORNAL ESCOLAR ANTÔNIOCARLOS.COM PROJETO JORNAL ESCOLAR "ANTÔNIOCARLOS.COM" Andréa Otoni Antunes Sales da Cruz 1 Resumo: Nesse relato de experiência apresentamos o jornal escolar produzido por iniciativa dos alunos com o objetivo de divulgar,

Leia mais

Novas Tecnologias em EJA

Novas Tecnologias em EJA Novas Tecnologias em EJA Antropologia As Idades e os tempos As técnicas e as tecnologias De nômade a sedentário Criações e invenções Meios de produção ão: trabalho MULTIMEIOS NA EDUCAÇÃO O QUE SÃO MULTIMEIOS?

Leia mais

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO

SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO SOBRE A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO EM FORMALIZAÇÃO: FAZER COLETIVO, GESTÃO PARTICIPATIVA E DESEJO Eixo Temático: Processos organizativos, comunidades e práticas sociais Autores: Manoela Lage UERJ (manoelalage@yahoo.com.br)

Leia mais

Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental

Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental Ingrid S. T. Silva Caio J. M. Veloso Ester E. Jeunon y Regina M. S. Moraes Resumo Este projeto teve como propósito

Leia mais

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana

Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana Resumo do Projeto de Elaboração de Indicadores de Integração de TICs na Educação para os países da região Iberoamericana O IDIE - Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Educativa, especializado em

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS

TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS TECNOLOGIA CONTRIBUINDO PARA INCLUSÃO? ESCOLA DE HACKERS Ariane Mileidi Pazinato; Neuza Terezinha Oro; Eliamar Ceresoli Rizzon; Maria Elene Mallmann; Josiane Muller; Adriano Canabarro Teixeira; Jaqueline

Leia mais

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka.

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. 1175 O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. Programa de pós-graduação em psicologia da Universidade

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE

ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE ANÁLISE DE PERFIL E NECESSIDADES DOS ALUNOS: FATORES DETERMINANTES PARA A MEDIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA TUTORIA DA EAD SEBRAE Florianópolis - SC Abril 2015 Aline Linhares F. Silveira. IEA e-learning- aline.silveira@iea.com.br

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação História da Informática na Educação e na Sociedade Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após vermos um breve conceito de T.I. e T.I.Cs abordarmos a partir de

Leia mais

Evolução dos Computadores. O que é computação? O que é computação? Dados. Processamento. Informações

Evolução dos Computadores. O que é computação? O que é computação? Dados. Processamento. Informações Evolução dos Computadores O que é computação? Dados Processamento Informações O que é computação? PEDIDO PROCESSAMENTO Obter o formulário Posiciona-lo na máquina Ler o pedido Datilografar Retirar o formulário

Leia mais

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO

INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFLUÊNCIAS E POSSIBILIDADES DO USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO Gustavo Cançado de Azevedo O autor relaciona educação e tecnologia, tomando como ponto de partida a maneira com que os avanços

Leia mais

APLICAÇÃO TECNOLÓGICA EDUCACIONAL NO APRENDIZADO LINGUISTICO EM IDIOMAS

APLICAÇÃO TECNOLÓGICA EDUCACIONAL NO APRENDIZADO LINGUISTICO EM IDIOMAS APLICAÇÃO TECNOLÓGICA EDUCACIONAL NO APRENDIZADO LINGUISTICO EM IDIOMAS CARNEIRO, S.; BRAZÃO, M. 1 APLICAÇÃO TECNOLÓGICA EDUCACIONAL NO APRENDIZADO LINGUISTICO EM IDIOMAS SEBASTIÃO CÉSAR CARNEIRO MICHELLE

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0

SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0 SOLUÇÕES EM EDUCAÇÃO 3.0 www.cisco.com.br/educação 2011 Cisco and/or its affiliates. All rights reserved. 1 Educação 1.0 Educação 2.0 Educação 3.0 Tecnológica Rural Tradicional 2011 Cisco and/or its affiliates.

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) E NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTIC S) Uma análise introdutória 2011 Michel de Vilhena Ferreira Pedagogo (DFCS/UEPA). Psicólogo (IFCH/UFPA). Professor colaborador

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006).

Introdução. múltiplas interferências (SILVA, 2006). 1 FORMAÇÃO E AÇÃO DO DOCENTE ONLINE RODRIGUES, Tatiana Claro dos Santos UNESA taticlaro@globo.com GT-16: Educação e Comunicação Agência Financiadora: CAPES Introdução As tecnologias da informação e comunicação

Leia mais

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 13 A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E O PROCESSO DE INTERAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Marcia Maria Previato de Souza Professora do Centro Universitário de Maringá PR marciapreviato@cesumar.br João Luiz Gasparin

Leia mais

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA

A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS, UMA METODOLOGIA ESPECIAL PARA ALUNOS E PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA ESCOLA INCLUSIVA ROSEMARY BARBEITO PAIS rosebarbeito@hotmail.com ORIENTADORA PEDAGÓGICA - CP2 DOUTORANDA EM

Leia mais

Plano de Estudo 3ª Etapa

Plano de Estudo 3ª Etapa Plano de Estudo 3ª Etapa NÍVEL DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL I ANO: 1º Srs. Pais, SAÚDE E PAZ! Esse plano de estudo tem como finalidade levá-los a conhecer melhor a proposta desenvolvida no 1º ano. Nele

Leia mais

Contaminadas, oferecidas em 2014, pelo Núcleo de Ensino a Distância da Universidade Estadual do Maranhão, UemaNet.

Contaminadas, oferecidas em 2014, pelo Núcleo de Ensino a Distância da Universidade Estadual do Maranhão, UemaNet. 1 IMPORTÂNCIA DO CADERNO DE ESTUDOS PARA OS ESTUDANTES DE CURSOS TÉCNICOS A DISTÂNCIA São Luís, MA - Junho de 2015 Alessandro Costa da Silva - Universidade Estadual do Maranhão - alessandro@uema.br Karina

Leia mais

Web site Espia Amazonas 1

Web site Espia Amazonas 1 1 Web site Espia Amazonas 1 Lidiane CUNHA 2 Adália CORDEIRO 3 Breno CABRAL 4 Iara RODRIGUES 5 Marcela MORAES 7 Gabrielle NASCIMENTO 8 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO O web site Espia Amazonas foi

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Programa de Pós Graduação

Leia mais

TÍTULO: Plano de Aula UMA FATIA DE PIZZA OU UMA BANDA DE INTERNET? Ensino Fundamental/ Anos Iniciais. 5º ano. Matemática

TÍTULO: Plano de Aula UMA FATIA DE PIZZA OU UMA BANDA DE INTERNET? Ensino Fundamental/ Anos Iniciais. 5º ano. Matemática Plano de Aula Org.: Claudio André - 1 Autora: Regina França TÍTULO: UMA FATIA DE PIZZA OU UMA BANDA DE INTERNET? Nível de Ensino: Ano/Semestre estudo de Ensino Fundamental/ Anos Iniciais 5º ano Componente

Leia mais

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA: DESAFIOS, LIMITES E POSSIBILIDADES

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA: DESAFIOS, LIMITES E POSSIBILIDADES EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA: DESAFIOS, LIMITES E POSSIBILIDADES Porto Alegre, 05/2015 Rosangela Silveira Garcia - Universidade Federal do Rio Grand do Sul UFRGS - prof.rosegarcia@gmail.com Investigação Científica

Leia mais

A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 553 A FORMAÇÃO INICIAL DOS EDUCADORES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS DE CURITIBA E AS POLÍTICAS

Leia mais

GeoGebra: alternativa para o estudo dos parâmetros de funções na educação básica

GeoGebra: alternativa para o estudo dos parâmetros de funções na educação básica GeoGebra: alternativa para o estudo dos parâmetros de funções na educação básica Ana Paula Santos Rebello Universidade do Vale do Rio dos Sinos Brasil prof.anapaula@ibest.com.br Márcio Alexandre Rodriguez

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola

A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola A Inclusão e as Relações entre a Família e a Escola (Mônica Pereira dos Santos) 1 Introdução A perspectiva da relação entre família e escola pouco tem sido tratada na literatura do ponto de vista educacional,

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE

O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE O ENSINO DE FRAÇÕES SEGUNDO A OPINIÃO DOCENTE Nazaré do Socorro Moraes da Silva Universidade do Estado do Para/UEPA Secretaria Executiva de Educação/SEDUC nazaresocorro@hotmail.com Elise Cristina Pinheiro

Leia mais

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo

Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo 1 Congresso sobre práticas inovadoras na educação em um mundo impulsionado pela tecnologia Workshop: Como usar a robótica pedagógica aplicada ao currículo Palestrante: João Vilhete Viegas d'abreu Núcleo

Leia mais