HISTÓRIA. Ensino Médio. volume 2. Manual Pedagógico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HISTÓRIA. Ensino Médio. volume 2. Manual Pedagógico"

Transcrição

1 HISTÓRIA Ensino Médio volume 2 Manual Pedagógico

2 Sumário 1. O livro: teoria e metodologia... 4 Ensino Médio: novos caminhos... 4 Nossos pressupostos... 4 Estrutura e metodologia... 5 Estudo da África, dos africanos e de seus descendentes no Brasil...9 Estudo dos povos indígenas...11 Leituras para o professor...12 Recursos pedagógicos Processo de avaliação Dicas e sugestões Filmes e sites: materiais complementares Leituras: informação e formação Trabalhando com o livro

3 Caro Professor, Todas as pessoas envolvidas neste projeto acreditam que a escola não é apenas um centro de difusão do saber instituído, mas também importante agência de construção do conhecimento. Como parte dessa dinâmica regida pelo professor dentro da sala de aula, acreditamos que o livro didático ocupa um lugar valioso na difusão e construção do saber histórico escolar. Apoiados em uma longa experiência de sala de aula, temos como objetivo a elaboração de uma obra didática que incorpore recentes inovações histórico pedagógicas, sem desprezar as práticas positivas correntes. Este livro é o resultado desta proposta: mesclar experiências significativas das novas e das tradicionais práticas de ensino, sempre com a finalidade primordial de tornar o estudo da história um instrumento de construção da cidadania. Nesse sentido, os conteúdos textuais e as atividades sugeridas nesta obra estão voltados para o desenvolvimento da compreensão da realidade em que vivemos, tomando por base a problematização entre presente e passado, bem como a intenção de promover níveis cada vez mais elevados de capacitação crítica do aluno. Sem esquecer que nenhuma publicação seja de que tipo for está isenta de aprimoramentos e críticas, trilhamos a insistente busca dos nossos objetivos. E acreditamos que este livro pode servir como fonte valiosa de apoio às aulas, com conteúdos abertos, críticas, reflexões, indagações de professores e alunos. Sob sua orientação, caro professor, esperamos que a multiplicidade dos conteúdos desta obra, expressos na iconografia, nos textos, nos gráficos e nas atividades pedagógicas, sirvam na exploração de percursos históricos instigantes. Mais ainda, que esta obra se integre ao grande desafio do professor de História dos dias atuais: contribuir para a construção de um futuro mais justo e solidário, transformando este mundo marcado por profundas desigualdades sociais. Sucesso na empreitada! Toda a equipe deste livro 3

4 1. O LIVRO: TEORIA E METODOLOGIA ENSINO MÉDIO: NOVOS CAMINHOS Nos últimos anos, o Ensino Médio vem passando por transformações. Essas mudanças começaram a ser implementadas com a criação da Lei de Diretrizes e Bases de 1996 (Lei n o 9.394/1996), que estabeleceu o nível médio de ensino como etapa final da educação básica. Com um novo perfil, o Ensino Médio tem como objetivo central a formação geral do aluno, em vez de uma formação para o exercício de uma profissão técnica ou para o exame de vestibular. Esse nível de ensino integra a última etapa do processo educacional básico, que objetiva: a consolidação e o aprofundamento dos conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental; a preparação básica para o trabalho e a cidadania; o aprimoramento do educando como pessoa humana, incluindo a formação ética, o desenvolvimento da autonomia intelectual e do pensamento crítico e a compreensão dos fundamentos científico tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina. 1 Essa formação geral caracteriza se pelo desenvolvimento de competências e habilidades, centradas no domínio e uso de vários tipos de códigos de linguagens; na capacidade de construção e aplicação de conceitos; na compreensão de fenômenos naturais, sociais e culturais; na capacitação para enfrentar situações problemas, selecionando e analisando informações; na construção de argumentação consistente, com base na manipulação de informações e, por fim, na capacidade de intervenção solidária na sociedade, com propostas que derivam dos conhecimentos escolares. A presente coleção está focada nos objetivos e finalidades do novo Ensino Médio. Ao longo dos livros, no texto principal, nas seções das atividades, nas imagens e textos apresentados, os alunos terão acesso a um material que contribuirá para sua formação geral e para o desenvolvimento de competências e habilidades. Dessa forma, esperamos contribuir, ao final de três anos, para a formação de jovens que atuem de forma propositiva e crítica na sociedade, que se integrem às atividades produtivas, que possam prosseguir nos níveis mais elevados e complexos de educação. Enfim, jovens com um bom desenvolvimento pessoal, social e cognitivo, capazes de uma atuação positiva na sociedade. NOSSOS PRESSUPOSTOS Por muito tempo, o ensino de história priorizou a memorização de datas, acontecimentos e nomes de pessoas considerados importantes, ou seja, fatos desvinculados da vida dos alunos, perdidos no tempo. O estudo do passado tornava se algo sem sentido, na medida em que não se conectava com o presente, fazendo que os alunos não percebessem a importância da história para a compreensão das questões atuais. Assim, aprender história era considerada uma atividade cansativa e tediosa. Os livros didáticos refletiam essa concepção e, por isso, enfatizavam detalhes personalistas, criando um culto a heróis que, supostamente movidos por sentimentos elevados, conduziam o destino de povos e nações. As narrativas históricas quase sempre eram centradas na perspectiva dos detentores do poder social, econômico, político e cultural e silenciavam a visão dos grupos menos favorecidos. Acreditava se que o passado era recuperado pelos historiadores de forma definitiva, única e categórica. O ensino de história e os livros utilizados para esse fim apresentava uma concepção que ignorava a relação com o presente. Contrapondo se a essa ideia, esta coleção não considera o passado algo distante, desvinculado do presente e das questões prementes das sociedades atuais. Como escreveu John Dewey: (...) se fosse completamente passado, não haveria mais que uma atitude razoável: deixar que os mortos enterrassem seus mortos. 2 Em outras palavras, esta coleção tem como finalidade desenvolver no aluno uma consciência acerca do mundo contemporâneo, com base numa reflexão sobre o passado. Nesse sentido, não se pretende que o aluno aceite passivamente as interpretações aqui reunidas. Espera se, sim, que ele utilize esses conteúdos como ponto de partida para sua caminhada, como uma referência a ser discutida e reorganizada. Só assim a reflexão histórica se transformará em um instrumento a serviço da construção da cidadania, num processo de inserção e participação do indivíduo na sociedade em que vive. 3 1 Artigo 35 da Lei de Diretrizes e Bases (Lei n o 9.394/1996). 2 DEWEY, John. In: LUZURIAGA, Lourenço. História da educação e da pedagogia. São Paulo: Nacional, p A proposta desta coleção encontra se inserida no intenso processo de mudanças que caracterizou a área educacional nos últimos anos, sobretudo 4

5 ESTRUTURA E METODOLOGIA Esta obra, destinada aos alunos de Ensino Médio, passou por uma reformulação: deixou de ser um livro de volume único para transformar se em uma coleção, composta de três volumes. A reformulação objetivou nortear um planejamento anual dos conteúdos, facilitando para o professor a organização dos capítulos por bimestres ou trimestres. Além disso, cada volume possui uma preocupação central. O volume de 1 o ano trata da formação da sociedade ocidental. O volume de 2 o ano aborda a formação de uma sociedade urbana e industrial. E o volume de 3 o ano enfoca o mundo contemporâneo pelo viés do conflito entre capitalismo e socialismo e pelo desenvolvimento de uma nova mundialização capitalista, a partir do fim da década de Cada volume divide se em três unidades, que reúnem os capítulos por eixos temáticos. Desde o volume de 1 o ano, os conteúdos de história do Brasil, da América, da África e de história geral aparecem integrados, facilitando a percepção da construção das sociedades como resultado de um permanente diálogo entre diferentes povos, uma gama de sujeitos e múltiplos projetos sociais. Dessa forma, os estudantes percebem a construção das sociedades humanas ao longo do tempo como um processo complexo, que envolve uma grande diversidade de organizações socioeconômicas, políticas e culturais, espalhadas pelos continentes, o que contribui para a superação de uma visão eurocêntrica, predominante no ensino de história durante décadas. Os capítulos que tratam da formação da sociedade brasileira, por exemplo, valorizam vários sujeitos, como africanos e indígenas, evitando, com isso, a abordagem centrada nos povos europeus. A coleção apresenta uma novidade: a seção História e cultura. A intenção dessa seção é trabalhar com a chamada história pública, de domínio geral. Apresentam se tirinhas, cenas de filmes, cartazes publicitários, literatura de cordel, anúncios de jornal, fotografias, quadros históricos, depoimentos, textos literários enfim, uma grande variedade de linguagens e suportes com o objetivo de levar os alunos a analisar e refletir sobre temas centrais das unidades dos livros, relacionando os à realidade presente. Os demais boxes trabalham com pesquisa, leitura de imagens, produção de texto e análise de filmes. Estimulam a identificação de rupturas e permanências, semelhanças e diferenças entre contextos históricos distintos e discutem, ainda, diferentes pontos de vista sobre os processos históricos. Os capítulos estão organizados em ordem cronológica. Todavia, o texto principal encontra se em permanente diálogo com outras temporalidades. Esse diálogo é garantido nas páginas de abertura dos capítulos e nos boxes Conexão presente, que, em geral, reúnem textos e imagens sobre os dias atuais. Nas seções Pare e pense e Mão na massa (no meio e final dos capítulos, respectivamente), a relação entre diferentes temporalidades também acontece por meio de atividades sobre temas relevantes para o mundo contemporâneo, como: consumo de água, participação política, desigualdade social e corrupção. Assim, busca se, com base em problemáticas contemporâneas, fazer o aluno refletir sobre o tempo presente, compreendendo o como processo. A concepção histórica de cidadania e política, por exemplo, aparece no capítulo 5, A Grécia Antiga, do 1 o ano, quando são resgatados os significados de política e participação política no Mundo Antigo, confrontando os com os sentidos assumidos por esses termos no Brasil contemporâneo assunto tratado no boxe Conexão presente e na seção Pare e pense do mesmo capítulo. Por meio de uma pesquisa sobre a democracia liberal nos dias atuais, é possível comparar a concepção de cidadania na democracia ateniense da época de Péricles (em que apenas eram considerados cidadãos os homens que fossem livres e tivessem nascido em Atenas) e no tempo presente, levando o aluno a compreender sua realidade em uma perspectiva histórica. Além da cidadania política, o livro aborda o que foi designado pelos PCN como cidadania cultural, ou seja, o direito à memória. Destaca se também o papel da história para a construção e preservação de uma memória social, constituinte de identidades individuais e coletivas. Segundo os PCN: O direito à memória faz parte da cidadania cultural e revela a necessidade de debates sobre o conceito de preservação das obras humanas. A constituição do patrimônio cultural, e sua importância para a formação de uma memória social e nacional sem exclusões e discriminações, é uma abordagem necessária a ser realizada com os educandos, situando os nos lugares de memória construídos pela sociedade e pelos poderes constituídos, que estabelecem o que deve ser preservado e relembrado e o que deve ser silenciado e esquecido. 4 Nesse sentido, pode se destacar, no capítulo introdutório do volume de 1 o ano, a atividade da seção Mão na massa (p. 16), na qual o aluno deve identificar nomes de ruas, monumentos, bibliotecas, museus etc. nos lugares próximos da escola e de sua casa para, posteriormente, debater sobre a história preservada no entorno desses locais. após o lançamento dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), em meados dos anos 1990, pelo governo brasileiro. Na área de História, os PCN contribuíram para superar a visão eurocêntrica dos conteúdos e abriram a perspectiva de um ensino centrado no desenvolvimento de habilidades e competências. Para conhecer os PCN, pode se conseguir uma cópia no portal do Ministério da Educação (MEC), no site <http://www.mec.gov.br>. 4 Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: Ministério da Educação, p

6 A identificação do patrimônio histórico e a consciência da necessidade de preservá lo perpassam pela compreensão do papel da memória na vida das coletividades e dos vínculos históricos e culturais que unem determinada comunidade. A consciência desses fatores é fundamental na formação de cidadãos atuantes e críticos. A coleção teve a preocupação e o interesse de incorporar a produção historiográfica mais recente, ao menos aquela disponível no mercado editorial brasileiro, sem, entretanto, desprezar a contribuição ainda válida da bibliografia considerada clássica. Possui, ainda, a preocupação de formar alunos com domínio de múltiplas habilidades e competências. Nesse aspecto, são essenciais as seções com atividades, que abrem as portas para o aluno pesquisar, trabalhar em grupo, se expressar por meio da escrita, da oralidade, das mãos e do corpo. Em um mundo cada vez mais dominado pelas imagens, muitas atividades objetivam, ainda, o desenvolvimento da capacidade de compreensão e interpretação de fotografias, pinturas, filmes, mapas e gráficos. Na terceira parte deste manual, há informações complementares e orientações para desenvolver a leitura de imagens como importante suporte para o estudo da história. Os comentários e sugestões têm a finalidade de levar os alunos a perceber de que modo as imagens podem ser lidas como evidências históricas. Além disso, há uma tentativa de chamar a atenção dos estudantes para elementos importantes da elaboração do conhecimento histórico, como: questões relacionadas ao tempo, aos sujeitos históricos, às evidências históricas e à escrita da história. As evidências históricas aparecem, muitas vezes, reunidas no boxe Vestígios do passado. A discussão sobre a escrita da história aparece, sobretudo, na seção Debatendo a história. Outro ponto a ressaltar é a possibilidade da análise histórica do local de atuação do professor. Nesse sentido, ao longo das atividades da coleção, há propostas de investigação sobre a história do local onde vivem os alunos. Por exemplo, no volume de 2 o ano (capítulo 15), a atividade da seção Mão na massa (p. 190) propõe uma pesquisa sobre a sociedade e política do estado onde reside o estudante, na época do Segundo Império. Como passo seguinte à pesquisa, essas propostas têm a finalidade de levar o aluno a relacionar a história da sua região à história nacional. No que diz respeito à história regional, é importante refletir sobre o conceito de região para delimitar o objeto de análise. O historiador José D Assunção Barros, em artigo publicado na revista Varia História, define região da seguinte forma: Grosso modo, uma região é uma unidade definível no espaço, que se caracteriza por uma relativa homogeneidade interna com relação a certos critérios. Os elementos internos que dão uma identidade à região (e que só se tornam perceptíveis quando estabelecemos critérios que favoreçam a sua percepção) não são necessariamente estáticos. Daí que a região também pode ter sua identidade delimitada e definida com base no fato de que nela pode ser percebido um certo padrão de inter relações entre elementos dentro dos seus limites. Vale dizer, a região também pode ser compreendida como um sistema de movimento interno. Por outro lado, além de ser uma porção do espaço organizada de acordo com um determinado sistema ou identificada através de um padrão, a região quase sempre se insere ou pode se ver inserida em um conjunto mais vasto. 5 O autor adota uma definição ampla de região por acreditar que são os critérios ou os objetos de estudo que delimitarão a unidade de análise a ser investigada. De acordo com a situação, os critérios podem ser econômicos, culturais, geológicos ou político administrativos. Por exemplo, o estudo de uma prática cultural pode gerar uma unidade de análise que ultrapassa os limites de um município ou estado, estabelecendo uma região que não coincide com essas unidades administrativas. Nessa perspectiva, a história regional abre um vasto campo de investigação, que pode perpassar por temas contemporâneos relevantes, tais como: desigualdade social, produção agrícola e seus impactos sobre o meio ambiente, expansão territorial, diversidade cultural etc. Abordagens desse tipo aparecem na coleção e serão tratadas mais detalhadamente na seção Trabalhando com o livro. Para entender melhor as propostas apresentadas anteriormente, acompanhe a descrição da estrutura de cada volume da coleção, e a forma de organização das unidades e dos capítulos. Distribuição dos conteúdos Volume de 1 o ano do Ensino Médio Composto de um texto de introdução e 23 capítulos, organizados em três unidades. A distribuição dos conteú dos está centrada na preocupação em refletir e compreender questões primordiais do mundo contemporâneo. Dessa maneira, este volume reúne conteúdos voltados para a compreensão da formação da sociedade ocidental. 5 BARROS, José D Assunção. História, espaço e tempo: interações necessárias. Varia História. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo. php?pid=s &script=sci_arttext>. Acesso em: 16 jan

7 Tornamos os conteúdos de História Antiga e Medieval mais sintéticos e objetivos, em primeiro lugar para que o professor trabalhe por mais tempo com temas como democracia, república, formação e difusão das religiões monoteístas, e em segundo lugar para permitir o início do estudo da história do Brasil já no 1 o ano do Ensino Médio, integrado à história geral. Para isso, este volume, que principia com o estudo dos primórdios da humanidade, estende-se até o século XVIII. Assim, abrange a expansão marítima europeia destacando as características políticas, socioeconômicas e culturais dos povos que viviam na América antes da chegada dos europeus e o processo de conquista e colonização desse continente por portugueses, franceses, holandeses, ingleses e espanhóis. O texto de introdução Para iniciar: O estudo da história aborda os principais aspectos do estudo da história, como a questão do tempo e dos sujeitos históricos. A primeira unidade agrupa os capítulos relacionados ao princípio da história (em especial, a formação da humanidade e a ocupação da América) e trata do Mundo Antigo, com destaque para a Antiguidade Clássica, enfocando Grécia Antiga e Roma (responsáveis por legar várias estruturas que caracterizam o mundo contemporâneo). Volume de 2 o ano do Ensino Médio Reúne 20 capítulos, organizados em três unidades. A preocupação central deste volume é tratar da formação da sociedade industrial nas suas bases capitalistas e burguesas. O volume aborda desde o tráfico de escravos na Idade Moderna, a crise do Antigo Regime e do sistema colonial até o Brasil do século XIX e início do século XX. Também são objetos de estudo a Europa durante a Segunda Revolução Industrial e o Imperialismo. A primeira unidade aborda o Iluminismo, a Revolução Industrial, a formação dos Estados Unidos, a agonia da sociedade absolutista com a Revolução Francesa, as Guerras Napoleônicas e as determinações do Congresso de Viena e tem como desfecho a África no tempo da escravidão. A segunda unidade retoma o Brasil do século XVIII, abordando as disputas territoriais e o fluxo migratório, bem como a sociedade da mineração. Mostra, ainda, os movimentos coloniais de resistência à Coroa Portuguesa, o processo de independência das colônias espanholas e portuguesas na América, o Brasil do Primeiro Império ao período regencial. A terceira unidade concentra se no estabelecimento da sociedade burguesa, com os movimentos liberais europeus e a unificação italiana e alemã. Em história do Brasil, aborda o Segundo Império, a proclamação da república, as características da república oligárquica e os movimentos de contestação ao nosso primeiro regime republicano. Para encerrar este volume, enfoca a formação da classe operária na Europa e a expansão imperialista do século XIX. Volume de 3 o ano do Ensino Médio Contém 17 capítulos, organizados em três unidades. Este volume está centrado nos acontecimentos que mobilizaram grande parte das sociedades pelo mundo, entre o final do século XIX e o início do século XXI. A primeira unidade aborda a Primeira Guerra Mundial, a Revolução Russa e o período entreguerras. Em história do Brasil, trata da crise da república oligárquica e da Era Vargas. Para encerrar, enfoca a Segunda Guerra Mundial e o estabelecimento da Guerra Fria. A segunda unidade aborda o cenário mundial e seus conflitos durante a Guerra Fria. Enfoca, também, a independência das colônias da África e da Ásia, as revoluções e ditaduras na América Latina. No Brasil, trata de democracia, populismo e ditadura militar. A terceira unidade apresenta a derrocada do mundo socialista e a constituição da nova ordem mundial, com a mundialização do capitalismo. Trata, também, dos principais conflitos contemporâneos no mundo e traça um panorama da América Latina dos últimos anos. Aborda, ainda, em história do Brasil, o processo de redemocratização e o país nos dias atuais. Organização dos volumes As unidades Cada volume encontra se dividido em unidades, que concentram um conjunto específico de temas, como Tempos burgueses (no volume de 2 o ano) ou Em clima da Guerra Fria (no volume de 3 o ano). Muitas vezes, as unidades mesclam conteúdos de história do Brasil e geral, com o objetivo de enfocar a sociedade brasileira em permanente diálogo com outros povos e espaços. Cada unidade é encerrada por atividades interdisciplinares, que compõem o Projeto Interdisciplinar, seguidas de questões do Enem e de vestibulares recentes de renomadas universidades do país. O objetivo das primeiras é estabelecer diálogo entre as diversas áreas do conhecimento, buscando valorizar todas as suas dimensões e também suas diferentes formas de apreensão, num processo voltado à Educação Integral. 7

8 Já com as questões do Enem e de vestibulares se pretende propiciar aos alunos, desde o começo do Ensino Médio, contato com esse tipo de exame que, provavelmente, fará parte de sua vida futura, para que se preparem para responder suas questões adequadamente, visto que por vezes são bem diferentes das que estão habituados a responder em sua rotina escolar. Os capítulos Cada capítulo apresenta estratégias e recursos variados para o ensino de História, como atividades de sistematização do conteúdo estudado ou de pesquisa sobre determinados temas, entre outras possibilidades. São estratégias e recursos que podem ser escolhidos conforme os objetivos do curso e, sobretudo, de acordo com o perfil da turma. Entretanto, é importante destacar que cada segmento desta obra foi pensado como um conjunto indissociável, formado por textos básicos, imagens, atividades, mapas, evidências históricas, entre outras partes. Trata se de um conjunto que objetiva desenvolver no aluno a percepção e o domínio das noções e conceitos centrais da área de História. Organização dos capítulos Vamos lá Seção localizada na página inicial do capítulo. Na maioria das vezes, reúne um conjunto de recursos com o objetivo de estabelecer relações entre o presente e o passado; levantar hipóteses sobre os conteúdos a serem estudados; sistematizar o conhecimento prévio do aluno, motivando o para o estudo do capítulo. Conta, em geral, com textos, poesias, letras de música e imagens (fotografias, pinturas, ilustrações ou mapas). Texto principal Destina se a desenvolver o assunto central do capítulo, e do qual deriva todo o restante do material, desde a abertura até a seção Voltando ao início, fechando hipóteses. No texto principal, os acontecimentos históricos são analisados em uma linguagem acessível para o aluno. O conteúdo está organizado de forma cronológica, mas em permanente diálogo com outras temporalidades e experiências sociais. Isso se concretiza, sobretudo, por meio de boxes, atividades e imagens. O texto relaciona, ainda, diferentes esferas sociais, como política, economia, cotidiano e produção cultural. Boxes Auxiliares no desenvolvimento do assunto central do capítulo, podem ser dos seguintes tipos: Você sabia?: reúne informações e temas relacionados ao texto principal do capítulo, ampliando, muitas vezes, o conteúdo estudado e estabelecendo conexões entre as diferentes esferas da sociedade (social, política, econômica e cultural). O estudo da história: agrupa temas pertinentes aos debates históricos e historiográficos, tratando de assuntos relacionados às questões metodológicas ou teóricas ligadas ao tema central do capítulo. Vestígios do passado: aborda as chamadas evidências históricas (imagens, textos ou documentos oficiais), abituando o aluno a esse alimento básico do historiador. Conexão presente: relaciona o conteúdo histórico do capítulo ao tempo presente, transformando o passado em algo vivo no nosso cotidiano. Para isso, utiliza recursos como textos jornalísticos, pesquisas, informações de fontes variadas. Tem como objetivo incentivar o aluno a pensar em sua realidade numa perspectiva histórica, ou seja, levá lo a pensar historicamente. Atividades Nesta coleção, as atividades não são um instrumento exclusivo de sistematização dos conteúdos ou um mecanismo de preparação para os exames vestibulares. Ao contrário, planejadas para acrescentar conteúdos, estabelecer debates, incentivar o trabalho coletivo e a pesquisa, elas pretendem interferir na formação do aluno, tornando o sujeito ativo e consciente na construção do conhecimento e na atuação no mundo contemporâneo. Além da seção Vamos lá!, há, no meio do capítulo, a seção Pare e pense, atividade quase sempre coletiva, com a função de incentivar o debate, a pesquisa e a reflexão sobre um assunto importante naquele momento do estudo. Cada capítulo é encerrado por um conjunto de atividades intitulado História em discussão, assim dividido: Roteiro de estudos: reúne uma série de questões, cujo objetivo é auxiliar na sistematização dos principais conteúdos do capítulo. 8

9 Debatendo a história: centrado, geralmente, em um texto historiográfico ou de divulgação científica, acrescenta novos conteúdos, apresenta pontos de vista divergentes ou discute um tema histórico ou historiográfico. Dessa forma, apresenta ao aluno a construção do conhecimento histórico e suas diferentes interpretações e o habitua à leitura de textos acadêmicos. Mão na massa: trata de um tema fundamental do capítulo, sugerindo, em geral, uma atividade em grupo, que exige pesquisa, relação com temas atuais, reflexões, debates etc. Voltando ao início, fechando hipóteses: atividade de síntese, que geralmente retoma as hipóteses elaboradas pelos alunos no início do capítulo. Não tem apenas caráter conclusivo, pois sempre busca abrir novas questões e perspectivas. ESTUDO DA ÁFRICA, DOS AFRICANOS E DE SEUS DESCENDENTES NO BRASIL Até recentemente, o ensino de história no Brasil refletia um saber histórico com forte tendência eurocêntrica, mantendo em segundo plano o estudo da África e do papel dos africanos e seus descendentes na construção da sociedade e da cultura brasileira. A África e os afrodescendentes só participavam da história ensinada nas escolas quando submetidos ao poder econômico e político europeu. Assim, perdia se uma grande chance de se discutir nas escolas a questão das origens históricas do preconceito contra os afrodescendentes vítimas antigas da discriminação, por causa da cor, da origem, da ancestralidade escravizada, entre outros aspectos. E negligenciava se a participação dos africanos e seus descendentes no processo de construção da sociedade brasileira. Os movimentos afro-brasileiros estão ajudando a mudar esse quadro. Entre as suas conquistas temos a aprovação da Lei Federal n o /2003, que incluiu no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática História e cultura afrobrasileira. Essa legislação foi alterada, posteriormente, pela Lei Federal n o /2008, que acrescentou o ensino de história indígena, passando o texto da lei a tratar da obrigatoriedade da temática História e cultura afrobrasileira e indígena no ensino básico. Diante dessas conquistas, os professores têm um papel fundamental no processo de desconstrução de um ensino de história que não contribuía para a formação de cidadãos livres de preconceitos. E não são apenas os afrodescendentes que ganham com a iniciativa. A medida abre caminho para o fim das desigualdades raciais, ajudando a construir uma sociedade de fato democrática, com cidadãos comprometidos com o respeito à diversidade. O ensino da história que resgata a África, os afro-brasileiros e sua cultura possibilita a reformulação de nossa memória histórica e identidade nacional, para que pensemos o Brasil, sua cultura, sociedade e questões atuais com base na grande contribuição da matriz africana. A grande diversidade de culturas, línguas, tradições, etnias e religiões desse continente atravessou o Atlântico durante quase quatro séculos na bagagem das pessoas trazidas para cá como cativos. A cultura brasileira formou se, portanto, da forte interação com esse universo africano. Acreditamos que essa coleção muito contribui para essas reformulações, uma vez que em vários momentos resgata a história e a cultura da África e dos afro-brasileiros. Para isso, o professor deve sempre direcionar o olhar do aluno para que perceba que a história da África e dos afrodescendentes não se reduz à escravidão, pobreza ou submissão. Assim, é extremamente importante enfatizar fatos históricos que apresentem os povos africanos e seus descendentes em situações políticas, econômicas e sociais diversas. Frisar, por exemplo: que os primeiros seres humanos surgiram no continente africano; que, na Antiguidade, foi na África que surgiu um dos reinos mais poderosos, criativos e opulentos da época, o Egito, e nele governaram vários faraós negros. Mencionar outros reinos africanos ricos e poderosos, como o Império Kerma, situado na região da Núbia. Comentar sobre os reinos do Congo e Dongo, que entraram em contato com os portugueses, no início da Idade Moderna, e absorveram a cultura europeia, negociaram escravos e fizeram guerra contra a dominação lusa. Explicar que, no Brasil, foi frequente a resistência à escravidão, com fugas, revoltas e formação de quilombos. Nesse sentido, a representação do escravo como passivo e adaptado ao trabalho infelizmente, ainda comum é desconstruída nesta coleção. Dessa forma, esta coleção colabora para a formação de cidadãos com memória histórica e identidade nacional capazes de conceber um novo lugar social e político para os afrodescendentes. Só assim ajudaremos a eliminar preconceitos e práticas racistas, construindo uma verdadeira democracia, fundada no respeito à diversidade étnica e cultural da sociedade brasileira. Possíveis abordagens da coleção Com relação à África, aos africanos e seus descendentes, a coleção reúne várias possibilidades de abordagens. Entre elas: 9

10 1 o ano do Ensino Médio A África é tema central de vários capítulos do livro de 1 o ano. O capítulo 1 destaca que a humanidade surgiu no continente e hoje se encontra ali ameaçada. O capítulo 4 trata das sociedades surgidas no continente durante a Antiguidade, em especial, o Egito Antigo. Enfoca as relações entre os egípcios e outros povos do continente tema pouco comum nos livros didáticos, que normalmente só mencionam as relações entre Egito, Oriente Médio e regiões próximas ao Mediterrâneo. Apresenta, também, a organização social, política e cultural de povos africanos vizinhos ao império egípcio, e ainda comenta sobre a riqueza e poder do Império Kerma e do reino de Punt. O capítulo 16, que aborda as Grandes Navegações, consiste em outro momento para tratar do assunto: o continente africano teve papel central nesse processo, pois reunia enormes riquezas e possibilidades que atraíam os europeus. Na abertura do capítulo 22, há uma discussão sobre a política de branqueamento da sociedade brasileira, estabelecida no século XIX. Esse capítulo apresenta, também, a diversidade cultural dos povos africanos, relatando, inclusive, a existência de povos islamizados e de um reino cristão na África. Descreve, ainda, as transformações provocadas na sociedade africana pelo tráfico de escravos, implementado pelos europeus. Destaca, ainda, as características da escravidão no Brasil, bem como as ações de resistência, como a formação dos quilombos. O boxe Conexão presente apresenta um mapa com as principais comunidades quilombolas que existiram no Brasil colonial. Por último, o boxe Debatendo a história propõe uma discussão sobre a origem dos afro-brasileiros, com base na análise de um mapa e uma tabela. 2 o ano do Ensino Médio O capítulo 6 trata da África durante a escravidão. Antes, porém, de entrar propriamente no tema, apresenta uma síntese da história africana desde a Antiguidade. Aborda as redes de comércio existentes na África antes da chegada dos portugueses, destacando a importância da difusão do islamismo para a expansão e crescimento dos contatos comerciais com o sul do Saara e o Oriente Médio. Esse capítulo também retrata as transformações sofridas pelos reinos africanos diante do tráfico de escravos, estabelecido pelos europeus, e a resistência de alguns povos e reinos ao avanço português. Aborda, ainda, os bantos e iorubas, que vieram em grande número para o Brasil e constituíram importantes matrizes culturais para a formação da sociedade brasileira. Finalmente, propõe uma reflexão crítica sobre a escravidão, com base na análise das justificativas apresentadas por teorias racistas do século XIX e por viajantes, religiosos e pensadores europeus da época moderna. O capítulo 8 apresenta uma imagem e uma legenda explicativa sobre a figura histórica de Xica da Silva, escrava alforriada que conseguiu ascender socialmente. Destaca, também, a importância dos afrodescendentes da sociedade mineira. O capítulo 9 retrata a situação dos colonos da América Portuguesa e destaca as revoltas dos africanos e seus descendentes durante o período colonial. Na abertura do capítulo 12, comenta se sobre o lundu, um dos muitos ritmos desenvolvidos pelos africanos e seus descendentes no Brasil, considerado por especialistas uma das raízes do samba. Esse capítulo também aponta, por meio de ilustração e legenda, que a independência do Brasil não trouxe avanços para a população escravizada. O capítulo 13 enfoca a diversidade cultural do Brasil, apresentando os diferentes brasis, pensados pelo antropólogo Darcy Ribeiro (boxe Conexão presente). Imagens desse capítulo atestam como a escravidão marcava a sociedade brasileira do século XIX. Aborda, ainda, a revolta dos Malês, em Salvador, em que participaram africanos islamizados. O capítulo 15 aborda aspectos da escravidão no Brasil, como o processo de abolição da escravidão em nosso país. Por fim, propõe uma reflexão sobre a libertação dos escravos, com base em letras de sambas enredo de 1988 (boxe História e cultura). No capítulo 16, a participação dos africanos e seus descendentes na Guerra do Paraguai aparece em imagem produzida na época. 10

11 3 o ano do Ensino Médio A África é tema constante deste volume, que trata, entre outros assuntos, da emergência do Terceiro Mundo. O capítulo 9, por exemplo, cujo tema central é o continente africano, aborda a luta dos povos africanos por sua autodeterminação. Em relação à literatura africana, destaca a obra do angolano Pepetela, que retrata a luta pela libertação de Angola e o papel do MPLA, e do moçambicano Mia Couto. Apresenta, também, o conceito de africanidade, propondo uma discussão sobre a influência da cultura africana transportada e recriada no Brasil. ESTUDO DOS POVOS INDÍGENAS Todas as considerações a respeito dos afro-brasileiros valem também para os povos indígenas. É necessário reconstruir nossa memória histórica, resgatando a história e a cultura indígenas para que possamos elaborar uma nova identidade nacional sem exclusões e discriminações. A própria existência da Lei n o /2008, que determinou o ensino de História e cultura afro-brasileira e indígena, denuncia que havia uma lacuna na formação dos jovens brasileiros. E, de fato, os indígenas entravam na história do Brasil como um grupo coeso étnica e culturalmente, visto ora como selvagem e bárbaro, ora como ingênuo e indefeso. Esta coleção resgata a figura do indígena como sujeito histórico e importante matriz para a formação da sociedade brasileira. Por meio de mapas e sugestões de sites, fica evidente a pluralidade étnica e cultural dos povos indígenas. O professor pode destacar essa diversidade e, assim, começar a construção de uma nova representação sobre os povos indígenas. Possíveis abordagens da coleção A coleção aborda desde a origem dos grupos indígenas aqui existentes em 1500 época da chegada dos portugueses até os problemas por eles enfrentados na atualidade. Veja alguns conteúdos: 1 o ano do Ensino Médio O capítulo 2 trata dos primeiros povoadores do atual território brasileiro. O boxe O estudo da história, apresenta a periodização referente à ocupação do território, localizando no tempo a formação dos atuais povos indígenas do Brasil. O boxe Conexão presente aponta a Amazônia como o berço dos ancestrais dos grupos indígenas. Ainda sobre esses povos ancestrais, o item Ocupando o litoral ressalta a importância dos sambaquis como vestígios que colaboram para a identificação do modo de vida desses antepassados. O capítulo 17 aborda os povos americanos antes de 1500, entre eles os Tupi Guarani. Entre outros aspectos da vida dos Tupi Guarani, o capítulo apresenta a organização social, os modos e relações de produção, além de características culturais. O boxe Conexão presente retrata o cenário atual da população indígena do Brasil, enfocando problemas como a discriminação e a invasão de suas terras. No primeiro tópico do capítulo 19, Igual, até hoje, é apresentada a história do povo Xavante. Nos boxes Você sabia? aparecem as primeiras relações estabelecidas entre as nações indígenas e os portugueses, com destaque para o papel fundamental exercido pelos índios na sobrevivência dos colonizadores. 2 o ano do Ensino Médio O capítulo 13 trata da diversidade cultural brasileira, apresentando os diferentes brasis pensados pelo antropólogo Darcy Ribeiro (boxe Conexão presente). Aborda, também, a participação indígena nas revoltas regenciais. Na seção que encerra o capítulo, Voltando ao início, fechando hipóteses, há uma discussão sobre a imagem do índio, idealizada pelos artistas românticos do século XIX como elemento central na elaboração de uma identidade nacional brasileira. A seção Mão na massa do capítulo 17 propõe uma pesquisa sobre a ocupação das regiões Centro Oeste e Norte do país no começo do século XX e o impacto dessa expansão territorial sobre os povos indígenas. 3 o ano do Ensino Médio O capítulo 17 trata dos povos da floresta, como seringueiros, castanheiros e indígenas. No boxe Você Sabia?: A luta pela Amazônia são apresentados os movimentos em defesa das comunidades tradicionais que vivem na floresta, ressaltando a importância de Chico Mendes. 11

12 LEITURAS PARA O PROFESSOR História da África HERNANDEZ, Leila Leite. A África na sala de aula: visita à História Contemporânea. Rio de Janeiro: Selo Negro, O livro propõe um novo enfoque sobre a África, apresentada como um continente marcado por inúmeros processos históricos, pela diversidade cultural; por identidades complexas e, muitas vezes, contraditórias. Trabalha temas importantes como violência, discriminação e arbitrariedades dos regimes coloniais, que possibilitarão um maior entendimento da história contemporânea africana. SILVA, Alberto da Costa e. A enxada e a lança: a África antes dos portugueses. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, O livro faz um panorama da África, dos primórdios do continente ao ano de Fala de povos e etnias, técnicas agrícolas e de navegação, expressões religiosas e artísticas, reinos extintos, cidades desaparecidas, costumes e crenças, línguas e dialetos africanos. Apresenta a origem histórica das tribos dos escravos que contribuíram para a formação cultural brasileira.. A manilha e o limbo: a África e a escravidão de 1500 a Rio de Janeiro: Nova Fronteira/ Fundação Biblioteca Nacional, O livro trata da história das sociedades e as estruturas de poder na África, seus conflitos e a organização do comércio regional, fornecendo pistas sobre as origens dos antepassados africanos. O tráfico de escravos africanos FLORENTINO, Manolo Garcia. Em costas negras: uma história do tráfico atlântico de escravos entre a África e o Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). São Paulo: Companhia das Letras, Além de fazer uma análise econômica do tráfico de escravos, o livro discute a necessidade de voltar o olhar para o continente africano, no intuito de entender os processos históricos brasileiros. LARA, Silvia Hunold. Fragmentos setecentistas: escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, O livro analisa documentos da época sob diferentes ângulos, possibilitando uma nova interpretação dos significados políticos da escravidão. A autora estuda a experiência de homens e mulheres trazidos da África como cativos, trabalhando as relações de poder, escravidão e cultura no Brasil. RODRIGUES, Jaime. De costa a costa: escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro ( ). São Paulo: Companhia das Letras, O autor percorre o trajeto feito pelo tráfico de africanos entre Angola e Rio de Janeiro, do final do século XVIII até meados do século XIX, fazendo uma abordagem com base na história social. Seus temas abarcam a captura e venda de pessoas na África, as relações sociais dentro dos navios, a alimentação e as doenças, os primeiros contatos com a nova terra, além de negociações e intermediários do tráfico. Africanos no Brasil REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos Malês em São Paulo: Companhia das Letras, O autor discute a religião, os escritos, a alimentação, o vestuário e as formas de organização dos Malês, além de analisar o contexto histórico da rebelião e sua estrutura social e econômica. SOUZA, Marina de Mello e. África e Brasil africano. São Paulo: Ática, O livro trata das sociedades africanas, sua história e cultura antes e depois da escravidão. Reflete, também, sobre como a importação de cativos por mais de 300 anos influenciou culturalmente a sociedade brasileira. História do índio no Brasil COHN, Clarice. Culturas em transformação: os índios e a civilização. São Paulo: Perspectiva. s/d. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s >. Acesso em: 15 jan

13 A obra reflete sobre as transformações culturais e o processo de perda cultural e de identidade do índio. Busca os conceitos de cultura e civilização enfocados pela antropologia e pelo senso comum, traçando um paralelo com as noções indígenas de cultura e tradição. CUNHA, Manuela Carneiro da. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras/Fapesp, Coletânea de 25 artigos sobre diferentes aspectos da história indígena, da Pré história à atualidade. O livro problematiza o papel dos indígenas nos processos históricos. MALDI, Denise. De confederados a bárbaros: a representação da territorialidade e da fronteira indígenas nos séculos XVIII e XIX. Revista de Antropologia, s/d. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid= S >. Acesso em: 15 jan Trata da concepção setecentista da territorialidade e da fronteira indígena em relação à ideia de nação, presente no discurso colonial português. MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, O autor analisa a formação da sociedade paulista entre os séculos XVI e XVIII, tendo como atores as populações indígenas, chamadas de negros da terra, em contato diferenciado com os colonos e jesuítas. RECURSOS PEDAGÓGICOS Para o desenvolvimento do ensino de história, é possível utilizar recursos como filmes, textos literários e fotografias. A coleção incentiva o uso desses materiais. Por isso, reunimos, a seguir, algumas considerações, com a intenção de auxiliar no uso desses recursos em sala de aula. Assim, ao planejar o curso, leve em conta essas dicas, adaptando as à sua realidade, acrescentando novas perspectivas. Evidências históricas Os materiais primários de pesquisa utilizados pelo historiador podem receber diversos nomes: documentos históricos, fontes históricas, evidências históricas. Nesta coleção, optamos pelo último termo, para nos afastarmos, em parte, dos paradigmas positivistas. Esses materiais que podem ser escritos, sonoros ou visuais se apresentam sob múltiplas formas, como: inscrições rupestres, livros, depoimentos jurídicos, anúncios de jornal, relatórios médicos, roupas, utensílios domésticos, máquinas industriais, fotografias, músicas, poemas. Essa imensa variedade fornece pistas ao pesquisador para compreender e refletir sobre os acontecimentos do passado e, sobretudo, para desenvolver suas interpretações. É importante entender, entretanto, que esses materiais não podem reproduzir a realidade tal como existiu. Na verdade, eles constituem representações de determinada época e trazem as marcas de seu tempo. Por isso, devem ser analisados com prudência e senso crítico, buscando se compreender a relação entre as evidências históricas e o contexto social em que foram produzidas. Nessa análise, o pesquisador deve considerar vários aspectos, cumprindo um ritual que contém os seguintes itens: a compreensão da evidência para obter uma visão de conjunto; o levantamento dos aspectos de sua produção e a identificação de autores, personagens, locais, época e lugar social em que as evidências foram produzidas; a identificação do tema central e das ideias secundárias; o cruzamento com outras evidências; o senso crítico e o debate das questões sugeridas pela evidência. É importante adotar os procedimentos acima para qualquer tipo de material primário, imagem ou texto. Afinal, toda evidência deve ser submetida, e com o mesmo rigor, aos parâmetros que regem os trabalhos da pesquisa histórica. É fundamental perceber que as evidências só assumem significados em uma situação específica quando submetidas às questões que norteiam uma pesquisa histórica e confrontadas com outras fontes. Mas, atenção: a ideia não é transformar os alunos em historiadores. O propósito é apenas possibilitar que eles conheçam o trabalho do historiador, checando métodos, executando procedimentos, aproximando se da construção do conhecimento histórico. Cinema A partir do século XX, o cinema tornou se um poderoso meio de comunicação social, que atrai a atenção de muitos estudiosos, entre os quais os historiadores. Sempre houve um grande interesse pela interpretação histó 13

14 rica dos filmes sejam eles ficcionais ou documentários, pois abordam temas que representam o passado, ou até mesmo a sociedade em que foram produzidos. Como escreveu o historiador Marc Ferro: O filme, imagem ou não da realidade, documento ou ficção, intriga autêntica ou pura invenção, é história. 6 Durante a análise de determinado filme, o professor e os alunos podem discutir diversas questões, como: Qual é o tema principal do filme? E os temas secundários? Quais são os conflitos representados no filme? Quais são os personagens principais (os protagonistas) e os secundários (os coadjuvantes)? Quais são as principais situações vivenciadas por esses personagens? Qual é a perspectiva adotada pelo diretor no desenvolvimento da narrativa? O que o filme mostra do passado e da época em que foi realizado? É possível, também, propor aos alunos que observem a fotografia, o figurino, a maneira como determinados personagens são retratados, a trilha sonora etc. É importante também que os estudantes pesquisem sobre o diretor, principais atores, contexto histórico em que o filme foi produzido e país de origem. Essas questões, entre outras, podem suscitar a crítica e o debate a respeito do filme. Além disso, é indispensável que o professor assista ao filme antes da exibição aos alunos, para que verifique a adequação do tema e das cenas, preparando o trabalho a ser desenvolvido. Lembre se de que o filme é elaborado, na maioria das vezes, com a finalidade de entreter pessoas, por cerca de duas horas, em uma sala escura de projeção. Para isso, os profissionais da área criam enredos, situações e climas nem sempre condizentes com o rigor da pesquisa histórica. Alerte os alunos sobre esse aspecto, sobretudo para que não busquem nas telas uma verdade absoluta. É preciso olhar para o filme como uma produção cultural datada, inserida no seu tempo e nas relações sociais que a cercam. A coleção apresenta várias oportunidades para trabalhar com filmes. Mais adiante, há uma relação de sugestões de filmes pertinentes aos assuntos estudados nos três volumes. Não deixe de consultá la. Bem planejados, esses filmes constituem um interessante recurso didático. Mapas históricos Os mapas históricos são recursos didáticos extremamente valiosos. Além de permitir a visualização do espaço em que se desenrolaram os acontecimentos, representam graficamente diversas características do tema estudado. Em outras palavras, a análise dos mapas históricos ajuda a compreender de forma sistematizada as vivências que modificaram lugares, pessoas e povos ao longo do tempo. Ao utilizá los em sala de aula, fique atento para os seguintes aspectos: a compreensão das convenções cartográficas, como as escalas, as legendas internas e os indicadores de orientação espacial; as delimitações do território em que se desenvolveu o processo histórico em questão; os conteúdos específicos apresentados; as mudanças e as permanências que marcaram determinada região ao longo do tempo; as formas de representação dos acontecimentos históricos. Estimule os alunos a perceber que os mapas históricos correspondem a uma representação, uma interpretação do real, que pode ser feita de outras maneiras e com base em outros critérios. Nos mapas históricos, portanto, não está expressa a verdade. Sempre que possível, relacione os mapas históricos com a geografia. A cartografia, o conhecimento do espaço, do clima, relevo, vegetação, entre outros aspectos, ajudam na reflexão acerca das representações dos mapas. Arte e literatura O historiador pode encontrar nas artes plásticas e na literatura importantes fontes de pesquisa e de estudo sobre as vivências humanas. Alguns dos elementos que podem ser analisados são: o artista e suas inquietações individuais e sociais; os padrões culturais, políticos e econômicos de um grupo social e de uma época; o impacto que os temas e os conflitos tiveram sobre determinada produção artística; a repercussão da obra na época em que foi produzida; a qual público se dirigia a obra. 6 FERRO, Marc. O filme: uma contra análise da sociedade? In: LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. História: novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, p

15 Ao analisar uma obra de arte ou um texto literário, é importante considerar que eles tanto interferem no meio social em que estão inseridos, quanto são influenciados por ele. Sobre essa dupla perspectiva, Antônio Cândido escreveu: Percebe se o movimento dialético que engloba a arte e a sociedade num vasto sistema solidário de relações recíprocas. 7 A análise de obras de arte e de literatura permite um rico trabalho interdisciplinar com as áreas de Língua Portuguesa, Artes, Sociologia, Filosofia, entre outras. Imagens É importante incentivar nos alunos uma observação atenta das imagens para que percebam aspectos como a disposição dos elementos no espaço, a composição da cena, a construção do discurso imagético, buscando, assim, educá los para a análise e o trabalho com esse tipo de material. Outro fator importante refere se a como organizar as observações no trabalho com a imagem. Primeiro, o aluno deve fazer uma descrição da cena, de cada uma de suas partes, desde os elementos ali dispostos até o tema tratado. Depois, deve formular perguntas, hipóteses e interpretações, procurando associar as imagens ao tema estudado no capítulo. Além disso, é necessário atentar para as condições de produção da imagem, desde as técnicas empregadas até os valores e o contexto social em que foi produzida. Esse tipo de análise favorece a identificação da imagem como uma evidência histórica, que retrata não apenas o tema representado, mas também o momento histórico do qual a obra faz parte. Sugerimos que o professor trabalhe com seus alunos o rico acervo iconográfico desta coleção, que dialoga com o conteúdo desenvolvido no texto. Nesse sentido, recomendamos considerar, por exemplo, as imagens de abertura das unidades e dos capítulos, dos boxes e seções de atividades. O uso das imagens como recurso didático permite que o aluno desenvolva a capacidade de observação, aprimore a sistematização de informações, infira dados sobre o contexto em que as imagens foram produzidas e, principalmente, aprenda a analisar de forma crítica esses elementos cada vez mais importantes nas sociedades contemporâneas. Jornais e revistas O trabalho desenvolvido com base em notícias divulgadas pela imprensa tem a vantagem de expressar o tempo presente. Entretanto, ao trabalhar com notícias, é preciso esclarecer aos alunos que elas representam a visão e a versão de quem as publicou, e não uma única verdade. No caso da mídia impressa, durante a interpretação do texto e a análise do discurso jornalístico, oriente os alunos para que identifiquem o sujeito que se expressa, a quem ele se dirige e qual sua posição na sociedade, seus vínculos sociais, ideológicos e políticos. Diante do poder exercido pela mídia na atualidade, essas reflexões possibilitam criar leitores críticos, capazes de desvendar o papel deste ou daquele veículo nas relações sociais. Deve se, assim, motivar os alunos a analisar as notícias e, sempre que possível, solicitar que tragam outras reportagens e artigos para serem contrapostos aos que leram no livro. PROCESSO DE AVALIAÇÃO A avaliação é um dos momentos mais importantes do processo de ensino e aprendizagem, que baliza todo o trabalho desenvolvido em sala de aula, desde a adequação do planejamento até o desempenho dos alunos. Como regra geral, ela deve ser encarada como um processo, ou seja, um conjunto de instrumentos que avaliam diferentes aspectos e momentos da aprendizagem. É importante, para isso, estimular a participação dos alunos, explicitando os critérios de avaliação, os meios utilizados e, sobretudo, os objetivos a serem alcançados. No processo de avaliação, mais relevante do que atribuir uma nota ou conceito é obter informações sobre a aprendizagem dos alunos com a finalidade de ajudá los a avançar e aprender. O professor Charles Hadji é um dos defensores da denominada avaliação formativa. Segundo ele, essa avaliação tem três características principais. 7 CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: T. A. Queiroz/Publifolha, p

16 A primeira característica é o seu caráter informativo, ou seja, ela fornece dados sobre a condução do processo de ensino e aprendizagem. A segunda, decorrente da primeira, é a possibilidade, com base nos dados fornecidos, de permitir que o professor reflita sobre o seu trabalho e o aluno se conscientize de suas dificuldades, reconhecendo seus possíveis erros. A terceira é a função corretiva dessa avaliação, resultado da existência da variabilidade didática. Sobre a variabilidade didática, Hadji afirma: (...) o professor, assim como o aluno, deve poder corrigir sua ação, modificando, se necessário, seu dispositivo pedagógico, com o objetivo de obter melhores efeitos por meio de uma maior variabilidade didática. A avaliação formativa implica, por parte do professor, flexibilidade e vontade de adaptação, de ajuste. Este é sem dúvida um dos únicos indicativos capazes de fazer com que se reconheça de fora uma avaliação formativa: o aumento da variabilidade didática. Uma avaliação que não é seguida por uma modificação das práticas do professor tem poucas chances de ser formativa! Por outro lado, compreende se por que se diz frequentemente que a avaliação formativa é, antes, contínua. A inscrição no centro do ato de formação se traduz, na verdade, por uma melhor articulação entre a coleta de informações e a ação remediadora. As correções a serem feitas com o objetivo de melhorar o desempenho do aluno, e que concernem, portanto, tanto à ação de ensino do professor quanto à atividade de aprendizagem do aluno, são escolhidas em função da análise da situação, tornada possível pela avaliação formativa. O remédio baseia se no diagnóstico, o que permite aos atores retificar as modalidades da ação em andamento. 8 A avaliação formativa, portanto, preocupa se com o processo de aprendizagem. Esse processo não é uniforme e depende dos conhecimentos e competências desenvolvidas anteriormente por cada um dos alunos. Dessa forma, a avaliação pressupõe certo grau de individualização do processo de aprendizagem. Por isso, para Hadji, o único procedimento que de fato atesta a prática de uma avaliação formativa é a variabilidade didática, que decorre da obtenção de informação sobre o que e como o aluno aprende. Em outras palavras, num processo de avaliação formativa, obtemos informações que podem ser usadas para ajudar os diferentes alunos a aprender. Em consequência disso, é necessário pensar em propostas diferenciadas. Quando a variabilidade didática não acontece, podemos dizer que o processo pode ter sido presidido por uma intenção formativa, mas ela não se concretizou de fato. Uma das formas de viabilizar esse tipo de avaliação é a análise das tarefas propostas aos alunos. Hadji propõe a decomposição da tarefa em suas etapas primordiais, objetivando a elaboração de critérios de realização que norteiem os alunos na execução da atividade e o professor na sua apreciação. Esses critérios também informam sobre as dificuldades e facilidades encontradas pelos estudantes ao cumprir a tarefa. No Trabalhando com o livro (p. 25 deste Manual), há exemplos dessas fichas de critérios, apresentadas como sugestões para a realização de algumas atividades do livro. Leia, a seguir, outros aspectos que podem ser considerados no processo de avaliação: instrumentos para avaliação individual do aluno; instrumentos para avaliação coletiva, que englobe os envolvidos no processo de ensino e aprendizagem; instrumentos de avaliação de um aluno por outro; instrumentos de autoavaliação; instrumentos de avaliação do processo de ensino e aprendizagem pelo aluno, incluindo o professor. No fechamento de cada etapa do processo avaliativo, seja ela feita por blocos de conteúdos ou associada a períodos escolares, enfatizamos a importância da autoavaliação, momento em que o aluno pode fazer um balanço do próprio aproveitamento, contando com o acompanhamento do professor. Para viabilizar a autoavaliação, devem ser apresentados, no início do trabalho com a turma, os objetivos mínimos a serem alcançados. Durante a avaliação, os temas estudados naquele período podem ser retomados, assim como as atividades, realizadas, e os objetivos preestabelecidos com os alunos, relembrados. Esses dados servirão de parâmetro para a autoavaliação, que pode ser oral ou escrita. É importante lembrar que nem todos os alunos se sentem suficientemente seguros para se expor diante do grupo, e essa característica deve ser respeitada. É fundamental apoiar se nos resultados do processo avaliativo para discutir conquistas e dificuldades, a fim de definir posteriores mudanças. 8 HADJI, Charles. Avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, p

17 A coleção pode ser muito útil em todo esse processo avaliativo. A seção Roteiro de estudos, por exemplo, possibilita ao aluno verificar se compreendeu os conceitos, fatos e processos históricos estudados. Já a capacidade de síntese pode ser explorada no boxe Voltando ao início, fechando hipóteses, cujas atividades propostas podem ser complementadas, solicitando que o aluno apresente e explique aquilo que aprendeu. O boxe Para encerrar, ao final das unidades, traz questões de vestibulares e do Enem, que podem ser utilizadas durante o estudo dos capítulos. 2. DICAS E SUGESTÕES FILMES E SITES: MATERIAIS COMPLEMENTARES Filmes Ao utilizar um filme como material de apoio em sala de aula, ou ao indicá lo aos seus alunos, lembre se de que ele é um vestígio histórico, mas também reflexo de seu tempo. Na verdade, um filme representa muito mais a época em que foi feito do que o assunto tratado. Recomendamos novamente ao professor para que assista aos filmes previamente, com o objetivo de avaliar se possuem cenas de sexo e violência desnecessárias. É óbvio que filmes sobre conflitos e guerras contêm cenas fortes e de violência, mas deve se informar aos alunos e, se necessário, avisar aos pais e responsáveis antes da exibição do filme. Os primórdios da humanidade e o mundo antigo Alexandre. Dir.: Oliver Stone. Estados Unidos, Warner Bros, min. Apocalipto. Dir.: Mel Gibson. Estados Unidos, min. Átila, o huno. Dir.: Richard Lowry. Estados Unidos, min. Ben-Hur. Dir.: William Wyler. Estados Unidos, min. Cleópatra. Dir.: Joseph L. Mankiewicz. Estados Unidos, min. Os dez mandamentos. Dir.: Cecil B. D. Mille. Estados Unidos, min. Gladiador. Dir.: Ridley Scott. Estados Unidos, min. A Guerra do fogo. Dir.: Jean Jacques Annaud. França/Canadá, min. A Odisseia. Dir.: Andrei Konchalovsky. Estados Unidos, min. Rei David. Dir.: Bruce Beresford. Estados Unidos, min. Spartacus. Dir.: Stanley Kubrick. Estados Unidos, min. Troia. Dir.: Wolfgang Petersen. Estados Unidos/Inglaterra/Malta, min. Mundo medieval Cruzada. Dir.: Ridley Scott. Estados Unidos/Espanha/Inglaterra, min. O incrível exército de Brancaleone. Dir.: Mario Monicelli. Itália, min. Joana D Arc. Dir.: Luc Besson. França, min. O nome da rosa. Dir.: Jean Jacques Annaud. Alemanha/França/Itália, min. O sétimo selo. Dir.: Ingmar Bergman. Suécia, min. Tempos modernos e América portuguesa 1492: a conquista do paraíso. Dir.: Ridley Scott. Espanha/França/Inglaterra, min. Agonia e êxtase. Dir.: Carol Reed. Estados Unidos, min. Aguirre, a cólera dos deuses. Dir.: Werner Herzog. Alemanha, min. Amistad. Dir.: Steven Spielberg. Estados Unidos, min. As bruxas de Salém. Dir.: Nicholas Hytner., min. Carlota Joaquina, princesa do Brazil. Dir.: Carla Camurati. Brasil, min. 17

18 Casanova e a revolução. Dir.: Ettore Scola. Itália, min. Cristóvão Colombo, a aventura do descobrimento. Dir.: John Glen. Estados Unidos, min. Dança com lobos. Dir.: Kevin Costner. Estados Unidos, min. Danton, o processo da revolução. Dir.: Andrzej Wajda. França/Polônia, min. Desmundo. Dir.: Alain Fresnot. Brasil, min. Elizabeth. Dir.: Shekhar Kapur. Grã Bretanha, min. Elizabeth, a era de ouro. Dir.: Shekhar Kapur. Grã Bretanha/França/Alemanha, min. Hans Staden. Dir.: Luis Alberto Pereira. Brasil/Portugal, min. O judeu. Dir.: Jom Tob Azulay. Brasil, min. Lutero. Dir.: Eric Till. Alemanha/Estados Unidos, min. Maria Antonieta. Dir.: Sofia Coppola. Estados Unidos/França/Japão, min. O mercador de Veneza. Dir.: Michael Radford. Estados Unidos/Luxemburgo/Itália/Grã Bretanha, min. A missão. Dir.: Roland Joffé. Inglaterra, min. O novo mundo. Dir.: Terrence Malick. Estados Unidos/Grã Bretanha, min. O patriota. Dir.: Roland Emmerich. Estados Unidos/Alemanha, min. Quilombo. Dir.: Carlos Diegues. Brasil, min. A rainha Margot. Dir.: Patrice Chereau. Alemanha/França/Itália, min. Xica da Silva. Dir.: Carlos Diegues. Brasil, min. Brasil e mundo contemporâneo Dir.: Bernardo Bertolucci. Alemanha/França/Itália, min. Adeus, Lênin! Dir.: Wolfgang Becker. Alemanha, min. Anahy de las misiones. Dir.: Sérgio Silva. Brasil/Argentina, min. O ano em que meus pais saíram de férias. Dir.: Cao Hamburguer. Brasil, min. Arquitetura da destruição. Dir.: Peter Cohen. Suécia, min. Baile perfumado. Dir.: Paulo Caldas e Lírio Ferreira. Brasil, min. Batismo de sangue. Dir.: Helvecio Ratton. Brasil, min. Besouro. Dir.: João Daniel Tikhomiroff. Brasil, min. Boa noite e boa sorte. Dir.: George Clooney. Estados Unidos/Grã Bretanha/França/Japão, min. Cabra cega. Dir.: Toni Venturi. Brasil, min. Cabra marcado pra morrer. Dir.: Eduardo Coutinho. Brasil, min. Caparaó. Dir.: Flavio Frederico. Brasil, min. Cartas de Iwo Jima. Dir.: Clint Eastwood. Estados Unidos, min. Che. Dir.: Steven Soderbergh. França/Espanha/Estados Unidos, min. Che, a guerrilha. Dir.: Steven Soderbergh. França/Espanha/Estados Unidos, min. A conquista da honra. Dir.: Clint Eastwood. Estados Unidos, min. Diamante de sangue. Dir.: Edward Zwick. Estados Unidos/Alemanha, min. Diários de motocicleta. Dir.: Walter Salles. Argentina/Estados Unidos/Grã Bretanha/Alemanha/México/ Chile/Peru/França, min. O encouraçado Potemkin. Dir.: Sergei Eisenstein. Rússia, min. Os falsários. Dir.: Stefan Ruzowitsky. Áustria/Alemanha, min. Feliz Natal. Dir.: Christian Carion. França/Alemanha/Grã Bretanha/Bélgica/Romênia, min. Fly boys. Dir.: Tony Bill. Grã Bretanha/Estados Unidos, min. Gaijin, os caminhos da liberdade. Dir.: Tizuka Yamazaki. Brasil, min. Gandhi. Dir.: Richard Attenborough. Grã Bretanha/Índia, min. Hércules 56. Dir.: Silvio Da Rin. Brasil, min. Um homem bom. Dir.: Vicente Amorim. Grã Bretanha/Alemanha, min. Hotel Ruanda. Dir.: Terry George. Grã Bretanha/Estados Unidos/Itália/África do Sul, min. Indochina. Dir.: Régis Wargnier. França, min Invictus. Dir.: Clint Eastwood. Estados Unidos, min. 18

19 Lawrence da Arábia. Dir.: David Lean. Grã Bretanha, min. O leopardo. Dir.: Luchino Visconti. Itália/França, min. A lista de Schindler. Dir.: Steven Spielberg. Estados Unidos, min. Machuca. Dir.: Andrés Wood. Chile/Espanha/Grã Bretanha/França, min. Mauá, o imperador e o rei. Dir.: Sérgio Resende. Brasil, min. Os miseráveis. Dir.: Bille August. Grã Bretanha/Alemanha/Estados Unidos, min. Napoleão. Dir.: Yves Simoneau. França, min. Olga. Dir.: Jayme Monjardim. Brasil, min. O que é isso companheiro? Dir.: Bruno Barreto. Brasil, min. A queda. Dir.: Oliver Hirschbiegel. Alemanha/Itália/Áustria, min. A rainha. Dir.: Stephen Frears. Grã Bretanha/França/Itália, min. Reds. Dir.: Warren Beatty. Estados Unidos, min. A sombra de Goya. Dir.: Milos Forman. Estados Unidos/Espanha, min. Tempos modernos. Dir.: Charles Chaplin. Estados Unidos, min. O último imperador. Dir.: Bernardo Bertolucci. China/Itália/Grã Bretanha/França, min. O último rei da Escócia. Dir.: Kevin Macdonald. Grã Bretanha, min. O último samurai. Dir.: Edward Zwick. Estados Unidos, min. Viva Zapata! Dir.: Elia Kazan. Estados Unidos, min. W. Dir.: Oliver Stone. Estados Unidos/Hong Kong/Alemanha/Grã Bretanha/Austrália, min. Sites Antes de sugerir os sites, verifique se ainda estão em funcionamento e se o conteúdo é adequado aos seus alunos. <http://futuro.usp.br>. Site da Escola do Futuro da Universidade de São Paulo. Conta com textos de apoio ao professor e ao aluno, além de livros completos que se tornaram de domínio público. <http://www.scielo.br>. Engloba uma série de publicações de revistas científicas, contendo artigos completos. <http://www.historianet.com.br>. Site de ajuda ao aluno, disponibiliza uma série de artigos e discussões que podem complementar os estudos. <http://www.comciencia.br>. Site da revista Comciência, publicada pela Unicamp. Todo mês se dedica a um novo tema. <http://www2.uol.com.br/historiaviva>. Site da revista História Viva. Permite acesso livre a alguns dos artigos e reportagens publicados. <http://www.tvcultura.com.br/aloescola/historia/index.htm>. Site de auxílio ao professor, com propostas de atividades de sala de aula e textos complementares para os alunos. <http://bve.cibec.inep.gov.br>. Site do INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Possibilita a pesquisa a sites do Brasil e do mundo que tratam de temas ligados à educação. <http://www.klepsidra.net/novaklepsidra.htm>. Revista virtual de história. Além das indicações acima, sugerimos também a visita a sites de museus, bibliotecas e universidades em geral. Muitos desses sites possibilitam a visita virtual ao local, disponibilizam até materiais de pesquisa. LEITURAS: INFORMAÇÃO E FORMAÇÃO História e historiografia BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, BURKE, Peter (Org.). A escrita da história: suas novas perspectivas. São Paulo: Unesp, s.d. CARR, E. H. O que é história. Rio de Janeiro: Paz e Terra, COLLINGWOOD, R. G. A ideia de história. Lisboa: Editorial Presença, s.d. D ALESSIO, Márcia Mansor. Reflexões sobre o saber histórico. São Paulo: Unesp,

20 FERRO, Marc. A história vigiada. São Paulo: Martins Fontes, FURET, François. A oficina de história. Lisboa: Gradia, s.d. HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, HOBSBAWM, Eric J. Sobre a história. São Paulo: Companhia das Letras, JENKINS, Keith. A história repensada. São Paulo: Contexto, PALLARES BURKE, Maria Lúcia Garcia. As muitas faces da história. São Paulo: Unesp, QUEIROZ, Teresa Aline Pereira. A história do historiador. São Paulo: Humanitas, Ensino de história BITTENCOURT, Circe (Org.). Ensino de história: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, CABRINI, Conceição. Ensino de história: revisão urgente. São Paulo: Brasiliense, CITELLI, Adilson (Coord.). Outras linguagens na escola: publicidade, cinema e TV, rádio, jogos, informática. São Paulo: Cortez, COLL, César. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, KARNAL, Leandro (Org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, NEVES, Maria Aparecida Mamede. Ensinando e aprendendo a história. São Paulo: EPU, s.d. PENTEADO, Heloísa Dupas. Metodologia do ensino de história e geografia. São Paulo: Cortez, PIAGET, Jean. A linguagem e o pensamento da criança. São Paulo: Martins Fontes, Para onde vai a educação? Rio de Janeiro: José Olympio, VASCONCELLOS, Celso dos Santos. Avaliação: concepção dialética libertadora do processo de avaliação escolar. São Paulo: Libertad, VYGOTSKY, Lev S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, Primeiros grupos humanos A AURORA da humanidade. Rio de Janeiro: Time Life/Abril Coleções, (História em Revista). CIVILIZAÇÕES perdidas. São Paulo: Time Life/Abril Coleções, CUNHA, M. C. da. História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, FUNARI, P. P. Arqueologia. São Paulo: Ática, GUGLIELMO, Antonio Roberto. Pré história: uma abordagem ecológica. São Paulo: Brasiliense, MELATTI, J. C. Índios do Brasil. São Paulo: Hucitec, RODRIGUES, Rosicler Martins. O homem na pré história. São Paulo: Moderna, TENÓRIO, Maria Cristina (Org.). Pré história da terra Brasilis. Rio de Janeiro: Uerj, Antiguidade ARIÉS, P.; DUBY, G. (Org.). História da vida privada: do Império Romano ao ano mil. São Paulo: Companhia das Letras, Roma e seu império. São Paulo: Difel, (História Geral das Civilizações). AUSTIN, M.; NAQUET, P. O mundo homérico. Lisboa: Edições 70, BLOCH, Raymond. Roma e seu destino. Lisboa: Cosmos,

HISTÓRIA. Ensino Médio. volume 1. Manual Pedagógico

HISTÓRIA. Ensino Médio. volume 1. Manual Pedagógico HISTÓRIA Ensino Médio volume 1 Manual Pedagógico Sumário 1. O livro: teoria e metodologia... 4 Ensino Médio: novos caminhos... 4 Nossos pressupostos... 4 Estrutura e metodologia... 5 Estudo da África,

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line)

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) (Modalidade a Distância NEAD) 104032 04 01 80h O Conhecimento Científico e os Métodos Científicos. Epistemologia. Métodos Científicos:

Leia mais

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE HISTÓRIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS: I. MUNDOS DO TRABALHO COMPETÊNCIA HABILIDADES CONTEÚDO -Compreender as relações de trabalho no mundo antigo, nas sociedades pré-colombianas e no mundo medieval.

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO A FORMAÇÃO DO CURRÍCULO DA REDE O solicitou-nos uma base para colocar em discussão com os professores de história da rede de São Roque. O ponto de partida foi a grade curricular formulada em 2008 pelos

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Historia

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Cidade e desigualdades socioespaciais.

Cidade e desigualdades socioespaciais. Centro de Educação Integrada 3º ANO GEOGRAFIA DO BRASIL A Produção do Espaço Geográfico no Brasil nas economias colonial e primário exportadora. Brasil: O Espaço Industrial e impactos ambientais. O espaço

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

500 anos: O Brasil Colônia na TV

500 anos: O Brasil Colônia na TV 500 anos: O Brasil Colônia na TV Episódio 5: A Conquista da terra e da gente Resumo O episódio 5, A Conquista da terra e da gente, parte da série 500 anos: O Brasil Colônia na TV, apresenta o processo

Leia mais

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro.

Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula. Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Lei nº 10.639/03 Menos Preconceito na Sala de Aula Palavras-Chave: Educação, Cultura, Preconceito, Lei 10.639, Africano e Afro-brasileiro. Prof.ª Sonia Helena Carneiro Pinto Justificativa: Este projeto

Leia mais

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências Humanas baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS HUMANAS Elementary School 2 K5 Conteúdos Gerais Conteúdos Específicos Habilidades

Leia mais

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01 CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Turno: INTEGRAL Currículo nº 01 Autorizado pela Resolução CEPE n.º 226, DE 16.12.08. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação à distância

Leia mais

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p.

SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. SERRANO, Carlos, WALDMAN, Maurício. Memória d África: a temática africana em sala de aula. São Paulo: Cortez, 2007. 327 p. Ana Cláudia da SILVA A publicação da Lei Nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003,

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS

1º ano CULTURA, DIVERSIDADE E SER HUMANO TRABALHO, CONSUMO E LUTAS POR DIREITOS 1º ano Estudo da História Estudo da História O Brasil antes dos portugueses América antes de Colombo Povos indígenas do Brasil A colonização portuguesa A colonização europeia na América Latina Introdução:

Leia mais

Ensino Médio Regular e EJA

Ensino Médio Regular e EJA MATRIZ DE REFERÊNCIA DE Ciências Humanas Ensino Médio Regular e EJA Elementos que compõem a Matriz domínio/tópico/ tema DOMÍNIO I Memória e RepresenTAções D01 (H) D02 (H) Agrupam por afinidade D03 (H)

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Ciências Humanas e suas Tecnologias Componente Curricular: História Série:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA HISTÓRIA PROSEL/PRISE 1ª ETAPA EIXOS TEMÁTICOS HABILIDADES/ COMPETÊNCIAS TEMAS/ CONTEÚDO - Compreender a diversidade do trabalho em sociedades que se baseiam nas relações sociais compulsórias e nas de

Leia mais

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15 Domínio/ Tema/unidade História de Portugal Subdomínio/ conteúdos Compreensão da espacialidade Temporalidade Metas de aprendizagem intermédias Meta 1 O aluno traça, em diferentes representações cartográficas,

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de aulas de História Autora: Professora Vanessa Maria Rodrigues Viacava

Leia mais

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha Disciplina: Geografia Professora: Bianca de Souza PLANEJAMENTO ANUAL 2012 8ª SÉRIE - TURMAS 83 e 84 Primeiro

Leia mais

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo Comentário Geral Como sempre foi ressaltado em sala de aula, temas como Grécia, Idade Média, Revolução Francesa, Direitos Civis, refugiados,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Médio Etec: PROFESSOR MARIO ANTONIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: GEOGRAFIA

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH.

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Colóquio Religiões e Campos simbólicos na Amazônia Período de realização 25 a 28 de agosto de 2014. Grupos de trabalhos. GT

Leia mais

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS?

HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? HUMANOS: QUEM SOMOS NÓS? Nível de Ensino/Faixa Etária: Série indicada para o Ensino Fundamental Final Áreas Conexas: Biologia, Linguística, Sociologia, Geografia, História, Artes, Gramática, Filosofia.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade,

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, AFRICANIDADES COMO VALORIZAR AS RAÍZES AFRO NAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva 1 escreveu: Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, Quem conhece

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA ANO: 6º Ano PROFESSORA: Nicheli

Leia mais

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A CULTURA AFRO-BRASILEIRA COMO CONTEÚDO A SER ENSINADO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Vagner Ferreira Reis 1 ; Jacqueline da Silva Nunes Pereira 2 RESUMO:

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: História ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE

Leia mais

Quadro de conteúdos HISTÓRIA

Quadro de conteúdos HISTÓRIA Quadro de conteúdos HISTÓRIA 1 Apresentamos, a seguir, o conteúdo a ser trabalhado em cada período do segundo ciclo do Ensino Fundamental do 6º ao 9º ano. 6 o ano 1 A História e a humanidade 2 Sociedades

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I

CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I CURSO DE HISTÓRIA: EMENTAS DAS DISCIPLINAS NÍVEL I 15201-04 Introdução ao Estudo da História Introdução ao estudo da constituição da História como campo de conhecimento, ao longo dos séculos XIX e XX,

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA ANO: 7º ºAno PROFESSORA: Nicheli

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé

Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Uma Reflexão Sobre o Surgimento do Candomblé Os estudos sobre a África e as culturas africanas têm ganhado espaço nas últimas décadas. No Brasil esse estudo começou, basicamente, com Nina Rodrigues em

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO Nível de Ensino/Faixa Etária: 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, e todas as séries do Ensino Médio Áreas Conexas: História, Geografia, Sociologia, Ciências Consultor: Rafael

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA EDUCAÇÃO, CURRÍCULO E DIVERSIDADE CULTURAL RELAÇÕES DA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL NA PRÉ-ESCOLA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Michelly Spineli de Brito Campos Vieira/Prefeitura de Itapissuma-PE Paloma Viana de

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!!

Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! Jogli - 2012!! Gabarito: 1.E. 2.A. 3.E. 4.B. Geografia 2012!!! 1.(UFABC 2009) Exibicionismo burguês. Verdadeiros espetáculos da evolução humana (as e xposições universais) traziam um pouco de tudo: de

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º LE733- COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTO EM LÍNGUA PORTUGUESA Fórmula: LE003 LE003- LINGUA PORTUGUESA 3 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS. ANÁLISE DE ESTRUTURAS BÁSICAS DA LÍNGUA PORTUGUESA. SINTAXE

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África escrito por & ilustrado por Rogério de A. Barbosa Eduardo Engel Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento

Leia mais