Fundamentos Filosóficos para o Serviço Social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundamentos Filosóficos para o Serviço Social"

Transcrição

1 Sônia Maria de Almeida Figueira Fundamentos Filosóficos para o Serviço Social Adaptada/Revisada por Sônia Maria de A. Figueira

2 APRESENTAÇÃO É com satisfação que a Unisa Digital oferece a você, aluno(a), esta apostila de Fundamentos Filosóficos para o Serviço Social, parte integrante de um conjunto de materiais de pesquisa voltado ao aprendizado dinâmico e autônomo que a educação a distância exige. O principal objetivo desta apostila é propiciar aos(às) alunos(as) uma apresentação do conteúdo básico da disciplina. A Unisa Digital oferece outras formas de solidificar seu aprendizado, por meio de recursos multidisciplinares, como chats, fóruns, aulas web, material de apoio e . Para enriquecer o seu aprendizado, você ainda pode contar com a Biblioteca Virtual: a Biblioteca Central da Unisa, juntamente às bibliotecas setoriais, que fornecem acervo digital e impresso, bem como acesso a redes de informação e documentação. Nesse contexto, os recursos disponíveis e necessários para apoiá-lo(a) no seu estudo são o suplemento que a Unisa Digital oferece, tornando seu aprendizado eficiente e prazeroso, concorrendo para uma formação completa, na qual o conteúdo aprendido influencia sua vida profissional e pessoal. A Unisa Digital é assim para você: Universidade a qualquer hora e em qualquer lugar! Unisa Digital

3 SUMÁRIO INTRODUÇÃO O NEOTOMISMO O que é o Neotomismo O que é o Tomismo A Retomada das Ideias de Tomás de Aquino O Neotomismo e o Serviço Social Resumo do Capítulo Atividades Propostas O POSITIVISMO O que é o Positivismo Principais Características do Positivismo O Positivismo no Brasil O Positivismo e o Serviço Social Resumo do Capítulo Atividades Propostas O MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO O que é o Materialismo Histórico Dialético O Desenvolvimento do Pensamento Marxista As Leis Básicas da Dialética O Materialismo Histórico Dialético e o Serviço Social Resumo do Capítulo Atividades Propostas A FENOMENOLOGIA O que é a Fenomenologia Principais Ideias da Fenomenologia A Fenomenologia e o Serviço Social Resumo do Capítulo Atividades Propostas CONSIDERAÇÕES FINAIS RESPOSTAS COMENTADAS DAS ATIVIDADES PROPOSTAS REFERÊNCIAS... 41

4 INTRODUÇÃO Esta disciplina visa ao estudo das correntes filosóficas que fundamentam as bases históricas e teóricas da profissão em seu processo de desenvolvimento no Brasil, buscando apreender o Serviço Social enquanto processo histórico, resultado das determinações criadas pelas relações sociais e pelos projetos de sociedade. Tem como objetivo, ainda: possibilitar o conhecimento dos valores expressos na profissão, na sua emergência e trajetória histórica; contribuir para que se identifique e utilize os pressupostos filosóficos que fundamentam a análise das teorias sociais; apresentar as principais correntes filosóficas e suas influências no Serviço Social. Não podemos afirmar que existe uma filosofia do Serviço Social, porém esta profissão foi fortemente influenciada por algumas correntes filosóficas que embasaram e embasam sua teoria e sua prática nos diferentes momentos históricos. Neste texto, vamos falar de algumas dessas correntes: o neotomismo, o positivismo, a fenomenologia e o materialismo histórico dialético, que estão presentes nos diferentes momentos da história do Serviço Social e suas influências na formação e na prática dos Assistentes Sociais. O positivismo, a fenomenologia e o marxismo são as principais correntes teóricas do pensamento contemporâneo, que, juntamente ao neotomismo, servem como nosso guia, pois nos baseamos nos conceitos das mesmas em nossas intervenções e em nossas pesquisas. Pretendemos apresentar os conceitos fundamentais destas correntes do pensamento, analisando primeiramente o neotomismo, sua origem nas ideias de Santo Tomás de Aquino e de que modo marcou o Serviço Social. Em seguida, apresentaremos o positivismo, sua concepção e a influência que exerceu no pensamento do Serviço Social, bem como as marcas que ainda hoje persistem da linha positivista em nossa profissão. O marxismo é mais uma corrente a ser analisada, quando pretendemos destacar suas principais características e como esta linha de pensamento marxista acompanha o Serviço Social, desde o Movimento de Reconceituação até os dias atuais. A teoria marxista está comprometida com um projeto de transformação da realidade social muito próximo do que propõe o projeto ético político dos assistentes sociais. Abordaremos, ainda, a fenomenologia, procurando destacar seus aspectos importantes, contextualizando seu surgimento e influências que teve e ainda tem, até a atualidade, na prática dos assistentes sociais. Este texto tem, portanto, a intenção de demonstrar como essas correntes se constituem, destacando os traços fundamentais que as distinguem e como influenciam o Serviço Social ao longo de sua história. Sônia Maria de Almeida Figueira 5

5 1 O NEOTOMISMO A presença do neotomismo no Serviço Social marca profundamente a profissão desde a fundação da primeira escola de Serviço Social no Brasil. O Serviço Social, ao surgir atrelado ao projeto da reforma social da Igreja, a serviço de sua ideologia, carrega, além de sua prática, o seu ponto de vista teórico. Toda a visão de homem e de sociedade adotada na profissão se dará a partir da visão católica, tendo como sustentação filosófica o neotomismo. Saiba mais O Seminário de Araxá ocorreu em 1967 em Araxá (MG). Foi o primeiro Seminário de Teorização do Serviço Social e se constituiu em evento histórico no processo de teorização e reconceituação do Serviço Social brasileiro, propondo ações profissionais mais vinculadas à realidade social e política do país. Foi organizado pelo Centro Brasileiro de Cooperação e Intercâmbio de Serviços Sociais e reuniu 38 assistentes sociais de vários estados brasileiros, produzindo o Documento de Araxá. Toda a visão de homem e de sociedade adotada na profissão se dará a partir da visão católica, tendo como sustentação filosófica o neotomismo. A formação cristã do profissional em Serviço Social foi objeto de estudo de alguns encontros de Assistentes Sociais. Segundo Aguiar (1982), até 1967, quando é realizado o Seminário de Araxá, houve 14 convenções da Associação Brasileira de Ensino de Serviço Social (ABESS), atual Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social (ABEPSS) 1, onde o pano de fundo era a doutrina católica. Os encontros da ABESS comumente iniciavam-se com a celebração de uma missa e, por vezes, eram precedidos de um dia de recolhimento, aos moldes dos retiros espirituais promovidos pela Igreja a seus fiéis, tal era estreita a relação da profissão com a prática cristã católica. Na IV Convenção da ABESS, que ocorreu em São Paulo em 1954, o tema foi A formação cristã para o Serviço Social e a Metodologia de Ensino de Serviço Social de Grupo e Organização de Comunidade. Em 1959, em convenção realizada em Porto Alegre para discussão do currículo dos cursos de Serviço Social, foram reafirmadas como importantes para a formação integral do Assistente Social as disciplinas de Religião e Doutrina Social da Igreja. No discurso de encerramento deste evento foi salientada a missão dos Assistentes Sociais do seguinte modo: o cristianismo humanizante para a conquista da paz. E a exemplo de Maria, os assistentes sociais têm a tarefa de Anunciar a Redenção. (AGUIAR, 1982, p. 38). Em 1960, um novo encontro realizado em Fortaleza teve como tema Formação da Personalidade do Assistente Social em todos os Aspectos e os aspectos analisados foram: a formação psicológica, moral e 1 A ABEPSS foi fundada em 10 de outubro de 1946, sob a denominação Associação Brasileira de Escolas de Serviço Social. Em dezembro de 1998, o estatuto sofreu reformulações, passando a designar-se ABEPSS. É uma entidade civil de natureza científica, de âmbito nacional, sem fins lucrativos, constituída pelas Unidades de Ensino de Serviço Social, por sócios institucionais, colaboradores e por sócios individuais. 7

6 Sônia Maria de Almeida Figueira espiritual. No que se refere ao aspecto espiritual, enfatizou-se que o Assistente Social deve buscar a perfeição e que esta busca da perfeição seja iluminada pelo espírito comunitário e pela doutrina do Corpo Místico de Cristo. Fica evidente, portanto, a importância dos ideais cristãos na formação dos primeiros Assistentes Sociais e a forte presença da postura humanista com base na doutrina social da Igreja e no neotomismo. Os princípios de dignidade da pessoa humana, do bem comum, explicitados por Santo Tomás de Aquino, predominaram no Serviço Social brasileiro até a década de 1960, e podemos afirmar que ela continua presente ainda hoje, através da ação de vários profissionais. Os princípios de dignidade da pessoa humana, do bem comum, explicitados por Santo Tomás de Aquino predominaram no Serviço Social brasileiro até a década de O que é o Neotomismo O neotomismo é uma corrente filosófica surgida no século XIX com o objetivo de reviver a filosofia de Santo Tomás de Aquino, do século XIII, o tomismo, a fim de atender aos problemas contemporâneos. A condição de exploração e miséria em que vivem os operários na Europa do final do século XIX, decorrentes da industrialização e do desenvolvimento do capitalismo, leva a Igreja a se posicionar, pois este momento era visto por esta como de crise e decadência da moral e dos costumes cristãos. A Igreja vê, então, no ressurgimento das ideias de Tomás de Aquino o caminho para o enfrentamento desta realidade. 1.2 O que é o Tomismo Se o neotomismo, que é a corrente que influencia o Serviço Social, é uma retomada do tomismo, então é preciso entender o que é o tomismo. O Tomismo é a doutrina filosófica cristã elaborada pelo dominicano Tomás de Aquino, estudioso do filósofo grego Aristóteles. Tomás de Aquino dedicou-se ao esclarecimento das relações entre a verdade revelada e a filosofia, isto é, entre a fé e a razão. Segundo sua interpretação, tais conceitos não se chocam nem se confundem, mas são distintos e harmônicos. Segundo Aguiar (1982), Santo Tomás parte da reflexão feita por Aristóteles e a reinterpreta à Tomás de Aquino dedicou-se ao esclarecimento das relações entre a verdade revelada e a filosofia, isto é, entre a fé e a razão. luz do cenário filosófico de sua época, marcado por questões como: as relações entre Deus e o mundo, fé e ciência, teologia e filosofia, conhecimento e realidade. Para Santo Tomás, a primeira realidade a ser explicada deve ser Deus, que é a fonte de todos os seres. Após analisar a existência de Deus, analisa o homem, a pessoa humana, entendendo que a pessoa humana é composta de duas substâncias incompletas: alma e corpo. É da transformação destas duas substâncias em uma substância única que resulta o ser humano, distinto de qualquer outro ser. Este ser dotado de razão é capaz de escolha, de saber, de vontade. Por ser inteligente, 8

7 Fundamentos Filosóficos para o Serviço Social afirma Santo Tomás, a pessoa significa o que há de mais perfeito em todo o universo. (AGUIAR, 1982, p. 42). Esta perfeição se apresenta no aspecto físico e espiritual. Para Santo Tomás, o corpo humano é o mais perfeito, o mais funcional e o mais complexo e a pessoa humana tem também uma perfeição espiritual que se manifesta através da racionalidade. Esta racionalidade produz o princípio da consciência em si e da liberdade, que o distingue dos outros seres. Portanto, a liberdade e a capacidade de escolha é também manifestação da inteligência do homem. Mas o homem é também dotado de vontade, o que lhe permite a escolha dos caminhos a percorrer na busca da virtude, do bem e no alcance do fim último, que é Deus. O homem é, também, um ser social em decorrência da própria natureza humana. Como Aristóteles, Santo Tomás afirma que o homem é naturalmente um animal social e para desenvolver-se necessita viver em sociedade. Para Santo Tomás a sociedade é a união dos homens com o propósito de efetuar algo comum (COOK apud AGUIAR, 1982, p. 43). toda forma de governo, desde que garanta os direitos da pessoa e o bem-estar da comunidade é boa e o Estado deve respeitar a Igreja, assim não existe conflito entre fé e razão. Toda forma de autoridade deriva de Deus, respeitá-la é respeitar a Deus. (SCIACCA apud AGUIAR, 1982, p. 43). Esta visão com relação à autoridade e ao Estado, reafirmada posteriormente no neotomismo, explica a posição inicial do Serviço Social brasileiro de não questionamento da ordem vigente, buscando sempre reformar a sociedade. Quem foi Tomás de Aquino Figura 1 São Tomás de Aquino. Santo Tomás, assim como Aristóteles já o fizera, afirma que o homem é naturalmente um animal social e para desenvolver-se necessita viver em sociedade. Por ser um ser social, o homem é também um animal político. Sendo o homem um animal social, a sociabilidade natural já existia no Paraíso, antes da queda e da expulsão dos seres humanos. Após o pecado original, os seres humanos não perderam sua natureza sociável e, por isso, naturalmente organizaram-se em comunidades, deram-se leis e instituíram as relações de mando e obediência, criando o poder político. Para que haja o bem comum, é necessário o Estado e este supõe autoridade. Segundo Sciacca (apud AGUIAR 1982, p. 43), toda forma de autoridade deriva de Deus, respeitá-la é respeitar a Deus; 9

8 Sônia Maria de Almeida Figueira Saiba mais Tomás de Aquino viveu de 1225 a 1274 e teve uma vida dedicada aos estudos, inicialmente sob a orientação de monges beneditinos e, posteriormente, em Paris sob a orientação de Alberto Magno. Era um estudioso metódico, que se empenhou em ordenar o saber teológico e moral acumulado na Idade Média, produzindo uma extensa obra com mais de sessenta títulos. Nasceu em 1225, no castelo de Roccasecca, na Campânia, da família feudal dos condes de Aquino. Era unido pelos laços de sangue à família imperial e às famílias reais da França, da Sicília e de Aragão. Recebeu a primeira educação no grande mosteiro de Montecassino, passando a mocidade em Nápoles. Depois de ter estudado artes liberais, entrou na ordem dominicana, renunciando a tudo, menos à ciência. Dedicou-se ao estudo da teologia, tendo como mestre Alberto Magno, primeiro na universidade de Paris ( ) e depois em Colônia. Em 1252, voltou à Universidade de Paris, onde ensinou até Em 1272, voltou a Nápoles, onde lecionou teologia. Dois anos depois, em 1274, viajando para tomar parte no Concílio de Lião 2, por ordem de Gregório X, faleceu no mosteiro de Fossanova, entre Nápoles e Roma, com apenas 49 anos de idade. Saiba mais Santo Alberto Magno, frade dominicano, foi bispo de Regensburg, na Alemanha e tornou-se famoso por seu vasto conhecimento e por sua defesa da coexistência pacífica da ciência e da religião. É considerado o maior filósofo e teólogo alemão da Idade Média e foi o primeiro intelectual medieval a aplicar a filosofia de Aristóteles no pensamento cristão. 1.3 A Retomada das Ideias de Tomás de Aquino A filosofia tomista marca a história da filosofia e do homem até o século XVIII e começa a ser retomada no final do século XIX e início do século XX. Através da encíclica Aeterni Patris, o papa Leão XIII propõe a restauração da filosofia tomista com a clara intenção de unir os pensadores católicos para a conquista do pensamento moderno tal é, ao que parece, o propósito da Igreja ressuscitando o tomismo. (THONNARD apud AGUIAR, 1982, p. 40). Curiosidade Aeterni Patris é uma Encíclica do Papa Leão XIII, de 1879, que se tornou um dos principais responsáveis pelo renascimento da filosofia de Tomás de Aquino. A Epístola leonina teve por objetivo reagir ao espírito laico provindo, sobretudo, do racionalismo iluminista e do materialismo positivista. Tais sistemas pareciam adentrar nas camadas católicas. Esta Encíclica gerou uma nova geração de pensadores católicos e conseguiu, uma vez mais, levar a filosofia escolástica para as cátedras universitárias. 2 O segundo Concílio de Lião, décimo-quarto concílio ecumênico do cristianismo, ocorreu na cidade francesa de Lyon em

9 Fundamentos Filosóficos para o Serviço Social Para o neotomismo, toda a filosofia moderna a partir de Descartes se constituiria em erros e equívocos, responsáveis pela crise do mundo moderno. Entendida como um desvio metafísico e espiritual, essa crise só poderia ser superada com um retorno ao tomismo. Saiba mais O filósofo francês René Descartes foi um dos fundadores do movimento racionalista, que introduziu a dúvida como elemento primordial para a investigação filosófica e científica. A partir dele as ciências físicas e naturais liberaram-se da escolástica e da religião. É considerado o pai da filosofia moderna. Segundo Aguiar (1982), o retorno desta filosofia não servirá apenas para a formação dos padres, mas se estenderá também aos leigos, formando também magistrados, homens políticos, diretores de obras sociais etc. No campo social, a presença da filosofia de Santo Tomás de Aquino se fará fortemente presente e marcará profundamente o Serviço Social. Saiba mais A própria data definida para comemorar o dia dos Assistentes Sociais é a data de aniversário da publicação de uma importante encíclica papal, a Rerum Novarum. O site do Conselho Regional de Serviço Social de São Paulo (CRESS-SP) por ocasião da comemoração do dia do Assistente Social, em 2009, publica: O mês de maio traz data muito especial para os Assistentes Sociais: o dia 15, quando se comemora o seu dia e marca a profissão desde o seu nascimento. Saiba mais Em 15 de maio de 1891, o Papa Leão XIII publicava a Encíclica Rerum Novarum (Das coisas novas), apresentando ao mundo católico os fundamentos e as diretrizes da Doutrina Social da Igreja. Era a primeira Encíclica Social já escrita por um papa e marcava o posicionamento da Igreja frente aos graves problemas sociais que dominavam as sociedades europeias. Para os assistentes sociais europeus, a Encíclica publicada naquele dia 15 de maio trazia um conteúdo muito especial. Atônitos frente à complexidade dos problemas existentes e teoricamente fragilizados em consequência de sua formação ainda bastante precária, aqueles profissionais assumiam o documento e os ensinamentos ali contidos como base fundamental de seu trabalho. Desse modo se aproximavam cada vez mais da Igreja Católica europeia que, por sua vez, assumia progressivamente a sua liderança sobre o enfoque das práticas sociais daqueles profissionais. No Brasil, o Serviço Social foi criado em 1936, a partir das iniciativas dos grandes líderes da Igreja Católica no país, inspirados na Doutrina Social da Igreja, então enriquecida por uma nova Encíclica Social: a Quadragésimo Anno. 11

10 Sônia Maria de Almeida Figueira Saiba mais Desse modo gestada no seio da prática da Ação Social Católica, ou simplesmente Ação Católica, no Brasil a profissão cresceu sob a liderança da Igreja e, até o início dos anos 1960, recebeu a influência direta e decisiva da sua Doutrina Social. Seguidores das ideias de Santo Tomás de Aquino Alguns representantes do pensamento tomista influenciaram, especialmente, a formação dos Assistentes Sociais brasileiros, dentre eles destacamos os nomes a seguir. Leonardo Van Acker A Quadragésimo Anno foi redigida pelo Papa Pio XI, publicada no dia 15 de maio de 1931, em comemoração aos quarenta anos da Rerum Novarum. Discípulo de Santo Tomás de Aquino, nascido na Bélgica em 1896, doutor em Filosofia e Letras pela Universidade de Lovaine. Veio para o Brasil em 1921 e foi lecionar na Faculdade de Filosofia de São Bento. Segundo Aguiar (1982), esta faculdade é um foco de irradiação do tomismo em São Paulo e no Brasil, formando grandes nomes da filosofia e da cultura brasileira, inclusive alguns assistentes sociais que fizeram filosofia antes do curso de Serviço Social, como é o caso de Helena Junqueira. Van Acker foi também professor de Princípios da Doutrina Social na Escola de Serviço Social de São Paulo, evidenciando sua forte influência no Serviço Social brasileiro. Pe. Roberto Sabóia de Medeiros Pe. Sabóia, jesuíta, era conhecido como o apóstolo da Ação Social, desenvolveu um trabalho intenso junto aos patrões e aos operários em meados do século XX. Desenvolveu estudos na área social, sempre seguindo a doutrina social da Igreja, buscando a harmonia entre as classes sociais. O Serviço Social recebeu também o impulso de Pe. Sabóia através da Ação Social e do Assistente Social, como um elemento importante, como pode ser observado em um relato que faz a seu provincial, em 1941, apresentado por Aguiar (1982, p. 48): [...] ocupa-se no momento com uma intensa campanha entre os industriais paulistas para que cada um tome para as fábricas um assistente social. A medida é de alcance, porque os conflitos de trabalho que se amiúdam e que às vezes são propositadamente provocados, subindo às Juntas de Conciliação e Julgamento, têm recebido, na maior parte das vezes, soluções indesejáveis. O suborno vai de mãos dadas com a petulância. Aceitando tiradas ocas sobre a miséria de classes proletárias, vai-se espalhando entre os operários e a persuasão de que sempre tem direito contra os patrões, e se vai solapando o princípio da autoridade. Quando não, o dinheiro do patrão há de intervir para ter ganho de causa [...] Se há remédio parece este consistir em que o assistente social, penetrando na fábrica, eduque o operário, apazigúe os ânimos, seja intermediário dos conflitos, e os encaminhe a um Círculo Operário, onde ele possa achar o equilíbrio entre as suas exigências e as possibilidades sociais. 12

11 Fundamentos Filosóficos para o Serviço Social Jacques Maritain Figura 2 Jacques Maritain. Jacques Maritain foi um grande filósofo cristão que retomou, com muita propriedade, no século XX, as ideias de Santo Tomás de Aquino. Um dos grandes discípulos deste filósofo no Brasil foi Alceu de Amoroso Lima, que afirmou, em artigo publicado em 1972, que os escritos de Maritain possibilitaram um reencontro entre a intelectualidade e a Igreja, visto que no final do século passado havia uma separação entre intelectuais e a religião. No Brasil, as posições de Maritain influenciaram diretamente no movimento por uma legislação social, que emerge em toda a América Latina; na Constituição Federal promulgada em 1934; e fundamentalmente nos partidos democrata- -cristãos que surgem neste período. Também foi fortemente influenciada pelas ideias de Jacques Maritain a Juventude Universitária Católica (JUC) e suas ideias chegarão ao Serviço Social através da Ação Católica. Sobre Santo Tomás de Aquino, Jacques Maritain (apud AGUIAR, 1989, p. 51) afirma: [...] não só transportou para o domínio do pensamento cristão a filosofia de Aristóteles na sua integridade, para fazer dela o instrumento de uma síntese teológica admirável, como também e ao mesmo tempo superelevou e, por assim dizer, transfigurou essa filosofia. Purificou-a de todo vestígio de erro [...] sistematizou-a poderosa e harmoniosamente, aprofundando-lhe os princípios, destacando as conclusões, alargando os horizontes, e se nada cortou, muito acrescentou, enriquecendo-a com o imenso tesouro da tradição latina e cristã. 1.4 O Neotomismo e o Serviço Social Como já dissemos, a repercussão do neotomismo na teoria e na prática profissional dos Assistentes Sociais pode ser percebida até hoje. A idealização de um projeto societário que contemple as duas dimensões do homem: o corpo e a alma, e a visão da sociedade como a instância na qual o homem pode completar-se e realizar-se como pessoa humana leva os Assistentes Socais a recusa, como sugeria a Igreja Católica, do comunismo e do liberalismo. O comunismo é interpretado, pelos primeiros Assistentes Sociais como uma teoria social refutável porque postula um projeto societário erigido por uma compreensão materialista do homem e era tido como uma doutrina totalitária com princípios dissonantes com o conceito de pessoa humana. O liberalismo, por sua vez, também era incompatibilidade com a natureza humana, pois era tido como uma doutrina individualista. Nesse contexto, o trabalho dos primeiros assistentes sociais dirigia-se, sobretudo, à classe trabalhadora, porém na perspectiva da conciliação das classes sociais. A visão de homem do Serviço Social era a pessoa humana, portadora de valor soberano, criado por Deus, único ser no universo capaz de se aproximar da perfeição. O objetivo do Serviço Social era moldar este homem, integrá-lo à sociedade, aos valores, a moral e aos costumes 13

12 Sônia Maria de Almeida Figueira de uma sociedade cristã, a fim de que ele alcançasse a perfectibilidade. Somente na década de 1960 estas ideias vêm a ser questionadas, porém ainda hoje pode ser observada a presença de princípios cristãos no discurso de profissionais e alunos de Serviço Social. Não é incomum o relato de alunos que buscaram o Curso de Serviço Social a partir de uma prática ligada à Igreja. 1.5 Resumo do Capítulo Vimos neste capítulo uma importante influência teórica na formação histórica do Serviço Social. O neotomismo marca profundamente o início da profissão. É importante apreendermos que o pensamento de São Tomás de Aquino influencia as bases teóricas do Serviço Social desde o seu início e, consequentemente, a Igreja Católica tem uma importante participação na constituição do pensamento e da prática dos Assistentes Sociais nesse processo. 1.6 Atividades Propostas 1. O que é o tomismo? 2. Como podemos refletir sobre a importância do neotomismo no Serviço Social? 14

13 2 O POSITIVISMO A presença do Positivismo no Serviço Social pode ser percebida quando a profissão passa a dar ênfase à instrumentalização técnica, ou seja, quando se soma à preocupação do o que fazer a preocupação de como fazer, embora esta preocupação tenha feito com que o Serviço Social caísse muitas vezes no metodismo. A presença do Positivismo no Serviço Social pode ser percebida quando a profissão passa a dar ênfase à instrumentalização técnica. O positivismo, no Serviço social, vem acompanhado do funcionalismo e adentra esta profis- são através da influência do Serviço Social norte- -americano, trazida, na década de 1940, pelos assistentes sociais brasileiros que foram estudar nos Estados Unidos. Esta influência vai marcar sobremaneira o Serviço Social brasileiro. Inicialmente temos a importação das técnicas norte-americanas para aplicação na realidade brasileira. Não é preciso dizer que isto causou alguns problemas, pois, segundo Aguiar (1984), a fundamentação do método e das técnicas não era analisada e traduzida para a nossa realidade, era tão somente transplantada. Nesta fase, o Serviço Social brasileiro ainda estava marcado pelo neotomismo e pela doutrina social da Igreja, havendo, portanto, uma junção dos pressupostos neotomistas e das técnicas vindas do Serviço Social norte-americano. 2.1 O que é o Positivismo O positivismo é uma corrente filosófica surgida na primeira metade do século XIX. Foi fundado por Augusto Comte, em contraposição às ideias que nortearam a Revolução Francesa no século XVIII. A doutrina de Comte parte do pressuposto de que a sociedade humana é regulada por leis naturais invariáveis, que independem da vontade e da ação humana. Para ele, as leis que regulam o funcionamento da vida social, econômica e política são do mesmo tipo que as leis naturais, logo, o que predomina na sociedade é uma organização semelhante à da natureza. Para o positivismo, a filosofia baseada nos dados da experiência é a única verdadeira. O conhecimento se afirma numa verdade comprovada, portanto, considera o método experimental o caminho para o pensamento científico e a verdade comprovada jamais é questionada. Quem foi Augusto Comte Figura 3 Augusto Comte 15

14 Sônia Maria de Almeida Figueira Saiba mais Isidore Auguste Marie François Xavier Comte nasceu em Montpellier, no sul da França, em 19 de janeiro de 1798 e morreu em 5 de setembro de Filho de um fiscal de impostos, teve sempre uma relação bastante conturbada com a família. Frequentemente acusava os familiares de avareza, culpando-os por sua precária situação econômica. Foi o fundador do Positivismo e da Sociologia. Aos 16 anos de idade, Comte ingressou na Escola Politécnica de Paris, fato que teve significativa influência em seu pensamento, a ponto de ele vir a considerá-la a primeira comunidade verdadeiramente científica que deveria servir como modelo de toda educação superior. Embora permanecesse por apenas dois anos nessa escola, ali Comte recebeu a influência do trabalho intelectual de cientistas como o físico Sadi Carnot ( ), o matemático Lagrange ( ) e o astrônomo Pierre Simon de Laplace ( ). Um ano depois de sair da Escola Politécnica, em 1817, Comte tornou-se secretário de Saint- -Simon 3 ( ), do qual receberia profunda influência. Essa ligação intelectual foi extremamente proveitosa para Comte, porém terminou de maneira tempestuosa quando Comte começou a sentir-se independente do mestre, discordando de suas ideias sobre as relações entre a ciência e a reorganização da sociedade. Comte não aceitava o fato de Saint-Simon, nesse período, deixar de lado seus planos de reforma teórica do conhecimento e dedicar-se às tarefas práticas. A separação entre os dois ocorreu em No mesmo ano, Comte casou-se com Caroline Massin e, não tendo mais os proventos de secretário de Saint-Simon, passou a ganhar a vida dando aulas particulares de matemática. Dois anos depois, exatamente no dia 2 de abril de 1826, iniciou em sua própria casa um curso, do qual resultou uma de suas principais obras: o Curso de Filosofia Positiva, em seis volumes, publicados a partir de Em 1842, separa-se da esposa e dois anos depois publica o Discurso sobre o Espírito Positivo. No mesmo ano, edita o volume do Curso de Filosofia Positiva, onde ataca os especialistas em matemática e afirma ter chegado o tempo de os biólogos e sociólogos ocuparem o primeiro posto no mundo intelectual. Curiosidade Em 1844, Comte conheceu Clotilde de Vaux, a mulher que iria transformar sua vida e dar nova orientação ao seu pensamento. Comte apaixonou-se perdidamente por Clotilde, que veio a falecer um ano depois. Comte transformou-a, então, no gênio inspirador de uma nova religião, cujas ideias se encontram numa extensa obra em quatro volumes, publicados entre 1851 e 1854: Política Positiva ou Tratado de Sociologia Instituindo a Religião da Humanidade. Os últimos anos da vida de Comte transcorreram em grande solidão e desencanto, sobretudo por ter sido abandonado por Littré, seu mais famoso discípulo, que não concordava com a ideia de uma nova religião. 2.2 Principais Características do Positivismo O positivismo rejeita o conhecimento metafísico e considera que devemos nos limitar ao conhecimento positivo, aos dados imediatos da experiência. Defende a ideia de que tanto os fenômenos da natureza como os da sociedade são regidos por leis invariáveis. A filosofia positiva se coloca no extremo oposto da especulação pura, exaltando, sobretudo, os fatos. 3 Saint-Simon, teórico francês e um dos fundadores do chamado socialismo cristão. 16

15 Fundamentos Filosóficos para o Serviço Social O positivismo rejeita o conhecimento metafísico e considera que devemos nos limitar ao conhecimento positivo, aos dados imediatos da experiência. Os princípios fundamentais do positivismo são: a busca da explicação dos fenômenos através das relações destes e a exaltação da observação dos fatos, porém, para ligar os fatos, existe a necessidade de uma teoria, sem a qual é impossível que os fatos sejam percebidos. Desde Bacon se repete que são reais os conhecimentos que repousam sobre fatos observados, mas para entregar-se à observação nosso espírito precisa de uma teoria. (TRIVIÑOS, 1987, p. 34). O positivismo prega a submissão da imaginação à observação, mas isto não deve transformar a ciência real numa espécie de estéril acumulação de fatos incoerentes, porque devemos entender que o espírito positivo não está menos afastado, no fundo, do empirismo do que do misticismo. O positivismo proclama como função essencial da ciência sua capacidade de prever. O verdadeiro espírito positivo consiste em ver para prever. (TRIVIÑOS, 1987, p. 35). Para o positivismo, não interessa as causas dos fenômenos, isso não é tarefa da ciência. Isso é metafísico, e um dos traços mais característicos do positivismo é sua rejeição ao conhecimento metafísico, à metafísica. Para o positivismo, não interessa as causas dos fenômenos, isso não é tarefa da ciência e, sim, da metafísica. Há no positivismo uma recusa consciente a mergulhar naquilo que não tem existência empírica. A razão só pode conhecer verdadeiramente aquilo que pode ser verificado empiricamente, seguindo o exemplo das ciências naturais. Quando a razão procurar ir além da matéria empírica, ela se perde ou retorna para o terreno da metafísica. Portanto, a essência não pode, e nem deve, ser conhecida, porque ela está além das possibilidades de conhecimento do ser humano. Assim como com a essência, também acontece com os fins últimos da ação humana (os valores sociais), eles também não podem ser conhecidos racionalmente. Esta cisão entre meios racionais e fins irracionais aparece, por exemplo, na análise das formas de ação social em Max Weber e tem grande importância para o Serviço Social, como veremos adiante. O único objeto da ciência, na visão positivista, portanto, são os fatos que podem ser observados. A atitude positivista consiste em descobrir as relações entre as coisas. A busca científica não está a serviço das necessidades humanas para resolver problemas práticos. O investigador estuda os fatos, estabelece relações entre eles, pela própria ciência, pelos propósitos superiores da alma humana de saber, não está interessado em conhecer as consequências de seus achados. A ciência estuda os fatos para conhecê-los, e tão-somente para conhecê-los, de modo absolutamente desinteressado. (TRIVIÑOS, 1987, p ). O papel do investigador é exprimir a realidade, não julgá-la, considerando, portanto, o conhecimento científico neutro, visão esta que foi combatida, principalmente, por parte dos cientistas sociais que não podiam conceber que a ciência humana pudesse ficar à margem da influência do ser humano que investigava. Segundo Triviños (1987, p. 33), é possível distinguir três momentos na evolução do positivismo: A primeira fase chamaremos de positivismo clássico, na qual, além do fundador Comte, também se sobressaem os nomes de Littré, Spencer e Mill. Logo após o final do século XIX, o empiriocriticismo de Avenarius e Mach. A terceira etapa denomina-se de neopositivismo e compreende uma série de matizes, entre os quais se podem anotar o positivismo lógico, o empirismo lógico, vinculados ao Círculo de Viena (Carnap, Schlick, Frank, Neurath, etc.); o atomismo lógico (Russell, , e Witgenstein, ); a filosofia analítica (Witgenstein e Ayer, n.1910) 17

16 Sônia Maria de Almeida Figueira que acham que a filosofia deve ter por tarefa elucidar as formas da linguagem em busca da essência dos problemas; o behaviorismo (Watson, ) e o neobehavorismo (Hull, , e Skinner, n. 1904). O Neopositivismo, ou Empirismo Lógico ou Positivismo Lógico, foi fundado por um grupo de filósofos e cientistas, conhecidos como o Círculo de Viena, que, no decorrer da década de 1920, se reuniram em Viena, fundando uma das mais influentes correntes filosóficas e epistemológicas de nosso tempo. O Círculo de Viena foi ganhando cada vez mais influência, sobretudo nos países anglo-saxões, onde suas investigações não se limitaram ao campo da teoria da ciência, mas estenderam-se aos domínios da ética, da filosofia da linguagem e da filosofia da história (CARVA- LHO, 1997). Uma das principais aspirações dos positivistas é alcançar resultados na pesquisa social que possam generalizar-se e, para tal, utilizam-se de técnicas de amostragem, tratamentos estatísticos e estudos experimentais severamente controlados como instrumentos para concretizar estes propósitos. Mas, na visão de Triviños (1987, p. 38): a flexibilidade da conduta humana, a variedade dos valores culturais e das condições históricas, unidas ao fato de que na pesquisa social o investigador é um ator que contribui com suas peculiaridades (concepção do mundo, teorias, valores etc.), não permitirão elaborar um conjunto de conclusões frente à determinada realidade com o nível de objetividade que apresenta um estudo realizado no mundo natural. No positivismo procura-se utilizar o método científico das ciências naturais para analisar também a sociedade. Esta é uma das principais características do positivismo. Para isto, é necessário tratar a vida social da mesma forma que é tratada a natureza, ou seja, faz-se a naturalização, ou coisificação, da sociedade. O positivismo, sem dúvida, representa, especialmente através de suas formas neopositivistas, uma corrente do pensamento que alcançou, de maneira singular na lógica formal e na metodologia da ciência, avanços muito meritórios para o desenvolvimento do conhecimento (TRIVIÑOS, 1987). 2.3 O Positivismo no Brasil O positivismo, que teve origem no século XIX, expandiu-se no Brasil durante o Império, contrapondo-se a este e defendendo a República. O Brasil foi o país onde o positivismo teve grande penetração, sendo que o Rio Grande do Sul, sob a influência de Júlio de Castilho, chegou a ter uma constituição inspirada no positivismo. O positivismo no Brasil não é uma mera reprodução da filosofia de Comte, como esta se desenvolveu no cenário francês de sua origem, e sim uma versão temperada pelo ecletismo que marcava os pensamentos dos intelectuais da segunda metade do século XIX, formadores de opinião dentro dos partidos políticos e das famílias de prestígios da época. Segundo Vieira (1987), as ideias positivistas eram debatidas e divulgadas através de seus adeptos, congregados na primeira associação positivista fundada no Rio de Janeiro, em Os membros mais atuantes eram Benjamim Constant, Teixeira Mendes, Miguel Lemos e Álvaro de Oliveira. Esta associação transformou-se, em 1881, na Igreja Positivista do Brasil. Devido a esta posição religiosa do positivismo, a Igreja Católica se coloca radicalmente contra as ideias positivistas, apesar dos pontos comuns entre o pensamento tradicional da Igreja e o positivismo, como o respeito à autoridade, à ideologia da ordem e à crença de que através das elites se educa o povo (RODRIGUES, 1981 apud VIEIRA, 1987). 18

17 Fundamentos Filosóficos para o Serviço Social 2.4 O Positivismo e o Serviço Social Segundo Brandão (2006), a vertente religiosa do positivismo foi a que mais progrediu no Brasil. O conservadorismo católico, que caracterizou os anos iniciais do Serviço Social brasileiro, especialmente a partir dos anos 1940, começa a ser tecnificado ao entrar em contato com o Serviço Social norte-americano. As propostas brasileiras de trabalho foram permeadas pelo caráter conservador da teoria social positivista. Esta reorientação da profissão, que exige a qualificação e sistematização de seu espaço sócio-ocupacional, tem como objetivo atender às novas configurações do desenvolvimento capitalista e, consequentemente, às requisições de um Estado que começa a implementar políticas sociais. Desse modo, a matriz positivista terá um importante papel na legitimação do profissional de Serviço Social brasileiro, na medida em que amplia os referenciais técnicos para a profissão. Iamamoto (1998) chama esse processo de arranjo teórico-doutrinário, que se caracteriza pela junção do discurso humanista-cristão, vindo do neotomismo com o suporte técnico científico na teoria social positivista. Segundo Tonet (1984), o positivismo não se interessa pelo o que é, julgando isto um problema irrelevante porque inatingível, mas apenas pelo modo como as coisas acontecem. A realidade social torna-se, nessa perspectiva, um aglomerado de dados, elementos, fatores justapostos sem uma razão essencial que os estruture. Não há contradições, na realidade social, há apenas diferenças, disfunções, desvios, problemas, sendo que a tendência normal da sociedade é a ordem harmônica. A história para o positivismo, enquanto intervenção do sujeito humano, não existe, porque a evolução da sociedade é regida por leis idênticas às leis naturais. O homem é o indivíduo, por sua vez, é o elemento irredutível, o menor fragmento, justaposto a outros fragmentos que vão compor a estrutura social. Ou seja, o positivismo descreve o homem não como um resultado produzido pelo sistema capitalista, mas simplesmente como O HOMEM. O conservadorismo católico que caracterizou os anos iniciais do Serviço Social brasileiro começa a ser tecnificado ao entrar em contato com o Serviço Social norte-americano. A partir desse fundamento, para o positivismo, o conhecimento torna-se uma descrição do dado empírico, colecionado e ordenado pelo sujeito, e esse sujeito é, ao mesmo tempo, quem elabora e quem conduz o conhecimento e, por se tratar de um ser limitado, não tem condições de apreender a integralidade, o objeto, mas apenas elementos superficiais deste. A posição do estranhamento em que se encontram sujeito e objeto é o fundamento da neutralidade social do conhecimento preconizada pelo positivismo. O sujeito só descreve, não toma partido. Quanto mais imparcial, mais objetivo e, quanto mais objetivo, mais científico, cabendo ao rigor metodológico garantir a obtenção da objetividade. Nesse sentido, a matriz positivista oferece ao Serviço Social o primeiro suporte teórico-metodológico necessário à qualificação técnica de sua prática e à sua modernização através da apropriação de um instrumental de trabalho. Segundo Brandão (2006), esta teoria social assentada no positivismo aborda as relações sociais dos indivíduos no plano de suas vivências imediatas, como fatos que se apresentam em sua objetividade e imediaticidade. Tal perspectiva restringe a visão de teoria ao âmbito do verificável, da experimentação e da fragmentação, tal qual propõe a leitura positivista da realidade. As mudanças apontam 19

18 Sônia Maria de Almeida Figueira para a conservação e preservação da ordem estabelecida, isto é, do ajuste. O Serviço Social absorveu esta orientação funcionalista e os assistentes sociais passaram a atuar com propostas de trabalho ajustadoras. Os profissionais dedicaram-se ao aperfeiçoamento dos instrumentos e técnicas de intervenção, buscando padrões de eficiência, sofisticação de modelos de análise, diagnóstico e planejamento. Enfim, houve uma considerável tecnificação da ação profissional, que por sua vez vem acompanhada de uma crescente burocratização das atividades institucionais (YASBEK, 1999). Uma visão mais crítica a respeito da questão social, neste período, fica impossibilitada principalmente devido aos referenciais teóricos que o Serviço Social utilizava para explicar a realidade social, ou seja, os fundamentos filosóficos da Doutrina Social da Igreja, o Neotomismo como já discutimos, a predominância do pensamento conservador e a perspectiva analítica hegemônica nas Ciências Sociais, embasada no Positivismo. A profissão, neste período, não questionava e aceitava, de certo modo, passivamente o significado de sua função social atribuído pelo Estado e pelo empresariado. A profissão, neste período, não questionava e aceitava, de certo modo, passivamente o significado de sua função social atribuído pelo Estado e pelo empresariado. Segundo Brandão (2006), as concepções de homem e de sociedade, legitimadas pela tríade Neotomismo Pensamento Conservador Positivismo, eliminavam, no âmbito da formação e do exercício profissional, a compreensão sobre: a desigualdade imposta pela sociedade capitalista, associada às condições de exploração do homem pelo homem e às relações sociais que sustentam o trabalho alienado; o caráter contraditório da prática profissional e sua participação no processo de reprodução social; e a dimensão ético- -política da prática profissional, em nome de uma neutralidade que, de fato, é afinada com a necessidade de legitimar a suposta face humanitária do Estado e do empresariado. 2.5 Resumo do Capítulo O Positivismo tem uma participação importante na história da formação da República brasileira; a sua influência no Serviço Social foi determinante no processo de teorização da profissão, bem como na busca de legitimidade. É com o positivismo que se introduz a sistematização técnica na prática do Serviço Social. Dessa forma, é importante entender o positivismo dentro do contexto histórico que debatemos anteriormente. 2.6 Atividades Propostas 1. O que é Positivismo? 2. Como podemos refletir sobre a importância do Positivismo no Serviço Social brasileiro? 20

19 3 O MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO A partir da década de 1960, passamos a ter a forte influência de outra corrente de pensamento filosófico no Serviço Social brasileiro, o Materialismo Histórico Dialético. Os assistentes sociais neste período passam a fazer uma análise crítica da sociedade, a partir das contradições identificadas e da percepção da necessidade de mudanças. Vale dizer que persiste neste período a postura tradicional do Serviço Social numa linha conservadora, porém passam a surgir movimentos que defendem a intervenção do Serviço Social numa perspectiva crítica e que se somam a outros movimentos, naquele momento, em busca de mudanças estruturais na sociedade brasileira. Os assistentes sociais, a partir de meados da década de 1960, passam a fazer uma análise crítica da sociedade. Esta é a marca da influência do Materialismo Histórico Dialético no Serviço Social. Estes profissionais começam a rever suas posições e vão rompendo gradativamente com a visão tradicional do Serviço Social. Isto leva os assistentes sociais a levantar questionamentos, tais como: há serviço de quem está sua prática profissional? Do poder instituído ou do povo? Estes profissionais buscam firmar um vínculo com as classes trabalhadoras e se engajar na luta pela organização das mesmas, participando dos movimentos desencadeados na sociedade brasileira nesse período. A sociedade já não é mais vista como um todo harmônico, mas como uma realidade que carrega contradições e antagonismos resultantes das relações de dominação. Esta postura ganha força no Serviço Social brasileiro a partir da década de 1970, principalmente em algumas escolas de Serviço Social. Obviamente, esta não é uma postura unitária na profissão e é marcada por vários enfoques a partir de diferentes leituras marxistas. Os assistentes sociais entram em contato com teoria marxista, principalmente, a partir das leituras de Althusser, Gramsci e outros. Passa a haver na profissão, também, um esforço para conhecer mais apropriadamente as ideias de Karl Marx. Saiba mais Louis Althusser ( ) foi um filósofo francês, de origem Argelina, autor do livro Ideologias e Aparelhos Ideológicos do Estado, onde expõe sua teoria de que há uma ligação umbilical entre Estado e aparelhos ideológicos. Para ele, as instituições se comportam como aparelhos ideológicos do Estado, reproduzindo sua ideologia. Saiba mais Antonio Gramsci ( ) foi um pensador italiano, uma das referências essenciais do pensamento de esquerda no século XX, cofundador do Partido Comunista Italiano. Suas noções de pedagogia crítica e instrução popular foram teorizadas e praticadas décadas mais tarde por Paulo Freire, no Brasil. Gramsci se dispôs a estabelecer uma unidade entre a teoria e a prática do marxismo, criticou o elitismo dos intelectuais e exerceu profunda influência sobre o pensamento marxista. 21

20 Sônia Maria de Almeida Figueira 3.1 O que é o Materialismo Histórico Dialético O materialismo Histórico Dialético, ou seja, a filosofia marxista, foi desenvolvido por Karl Marx e Frederich Engels. É importante frisar que antes de Marx e Engels a doutrina socialista já existia, porém o avanço que estes autores apresentam consiste no fato de assegurar aos homens o conhecimento da ideia do desenvolvimento através da dialética e a interpretação materialista da natureza. Trata-se de um avanço com relação ao pensamento filosófico alcançado pela filosofia alemã em fins do século XVIII e início do século XIX, com o idealismo de Hegel e o materialismo de Ludwig Feuerbach. A grande contribuição de Hegel foi os ensinamentos que deram origem ao desenvolvimento da ideia e da consciência, interpretadas pela dialética. Por outro lado, a contribuição de Feuerbach consiste na interpretação materialista da natureza em confronto com o idealismo de Hegel e com a religião. A dialética teve sua origem na Grécia, porém por muito tempo ocupa uma posição secundária e vem ressurgir com força no Renascimento. Significa a arte do diálogo, da controvérsia, a evolução do pensamento a partir das contradições. Porém este termo não foi utilizado na história da filosofia com significado unívoco, recebeu significados diferentes, com diversas inter-relações, não sendo redutível a um significado comum. Dialética significa a arte do diálogo, da controvérsia, a evolução do pensamento a partir das contradições. Para Platão, dialética é sinônimo de filosofia, o método mais eficaz de aproximação entre as ideias particulares e as ideias universais ou puras. É a técnica de perguntar, responder e refutar, que ele teria aprendido com Sócrates. Platão conside- ra que apenas através do diálogo o filósofo deve procurar atingir o verdadeiro conhecimento, partindo do mundo sensível e chegando ao mundo das ideias, pois é pela decomposição e investigação racional de um conceito que se chega a uma síntese, que também deve ser examinada, num processo infinito de busca da verdade. Aristóteles define a dialética como a lógica do provável, do processo racional que não pode ser demonstrado. Kant retoma a noção aristotélica quando define a dialética como a lógica da aparência. Para ele, a dialética é uma ilusão, pois se baseia em princípios que, na verdade, são subjetivos. Hegel apresenta a dialética como um movimento racional que permite transpor uma contradição. Uma tese inicial contradiz-se e é ultrapassada por sua antítese. Essa antítese, que conserva elementos da tese, é superada pela síntese, que combina elementos das duas primeiras, num progressivo enriquecimento. A dialética hegeliana não é um método, mas um movimento conjunto do pensamento e da realidade. Segundo Hegel, a história da humanidade cumpre uma trajetória dialética marcada por três momentos: tese, antítese e síntese. Materialismo designa, em geral, toda doutrina que atribua causalidade apenas à matéria, vem a ser tudo que resulta da evolução da matéria, tendo, portanto, como elemento fundamental a realidade primária. Este termo foi utilizado pela primeira vez por Robert Boyle, em sua obra de 1674, porém Feuerbach é considerado o verdadeiro fundador do materialismo ao designar o homem como princípio real e fundamental dos seres e da teoria. Ele rompe com o idealismo de Hegel substituindo a ideia pela matéria, para ele a compreensão do pensamento parte do objeto e da interpretação da natureza. 22

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Prof. Adeildo Oliveira E-mail: ad.historiatotal@gmail.com INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Ciências Naturais Física Química Biologia Ciências Sociais Economia Antropologia Sociologia 1 Socius

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores.

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO. 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO 1. Quais foram as principais características da escolástica? Cite alguns de seus pensadores. 2. Como acontecia a aprendizagem nas escolas no período medieval? Quem era apto

Leia mais

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1985. Maximilian Carl

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Weber e o estudo da sociedade

Weber e o estudo da sociedade Max Weber o homem Maximilian Karl Emil Weber; Nasceu em Erfurt, 1864; Iniciou seus estudos na cidade de Heidelberg Alemanha; Intelectual alemão, jurista, economista e sociólogo; Casado com Marianne Weber,

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

Sociologia e Espiritismo

Sociologia e Espiritismo Sociologia e Espiritismo Sérgio Biagi Gregório SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1. Etimologia; 2.2. Objeto da Sociologia; 2.3. Natureza da Sociologia. 3. Histórico. 4. O Positivismo de Augusto Comte.

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015

Roteiro de Estudos. 3 trimestre - 2015 Roteiro de Estudos 3 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia Professor: Eduardo 3ª série O que devo saber: Crescimento populacional no Brasil e no mundo. Sociedade e economia. Povos em movimento e migrações

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais

ORIGENS E POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO

ORIGENS E POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO ORIGENS E POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO Ao longo da aventura em busca do conhecimento, vamos nos deparar com diferentes correntes de pensamento. Conhece-las é o caminho para podermos conhecer o mundo

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Estudos filosóficos em educação I - JP0003 PROFESSOR: Dr. Lúcio Jorge Hammes I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60 (4 créditos) II EMENTA Aborda os pressupostos

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO HOFFMANN, Mara Lúcia Schuster Bolsista do Capes - PIBID/UNIFRA Acadêmica do Curso de Filosofia UNIFRA Email: maraluciahoffmann@yahoo.com.br

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão.

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. Senso comum... aranha caranguejeira ou aranha-marrom? Epistemologia Moderna e Contemporânea EPISTEMOLOGIA investiga o conhecimento. limites. possibilidades.

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA ANEXO II - EDITAL Nº. 16/2011 PERÍODO: 2012/01 INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - ICHLA MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA VAGAS DIA CARGA História da Educação 01

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

O conceito de amor em Agostinho

O conceito de amor em Agostinho Hannah Arendt 17 a coerção do caráter absoluto da verdade, seja da ciência, seja da filosofia, e ao mesmo tempo uma atitude que sabe como preservar e admirar as coisas do mundo e cuidar delas. Não teria

Leia mais

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA

FILOSOFIA. Fernando Pessoa FILOSOFIA Fernando Pessoa FILOSOFIA FILOSOFIA Se há um assunto eminentemente filosófico é a classificação das ciências. Pertence à filosofia e a nenhuma outra ciência. É só no ponto de vista mais genérico que podemos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação Teoria da Educação Prof. Dra. Pura Lucia Oliver Martins SEMINÁRIO ANÍSIO TEIXEIRA

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

KARL MARX (1818-1883)

KARL MARX (1818-1883) KARL MARX (1818-1883) 1861 Biografia Nasceu em Trier, Alemanha. Pais judeus convertidos. Na adolescência militante antireligioso; A crítica da religião é o fundamento de toda crítica. Tese de doutorado

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O louco No pátio de um manicômio encontrei um jovem com rosto pálido, bonito e transtornado.

Leia mais