A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA REVISTA HISTÓRIA: QUESTÕES E DEBATES. UMA CONTRIBUIÇÃO À HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA PARANAENSE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA REVISTA HISTÓRIA: QUESTÕES E DEBATES. UMA CONTRIBUIÇÃO À HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA PARANAENSE."

Transcrição

1 A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA REVISTA HISTÓRIA: QUESTÕES E DEBATES. UMA CONTRIBUIÇÃO À HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA PARANAENSE. Thiago Felipe dos Reis (Mestrado em História, Cultura e Identidades UEPG) Palavras-chave: História da Historiografia; Historiografia Paranaense; História: Questões e Debates Os anos 1980, mesmo que tardiamente em relação a outros locais, foram no Brasil singulares para a produção historiográfica. Aqueles modelos estruturantes de explicação da História, principalmente os ligados à Segunda Geração dos Annales, 1 já não davam mais conta dos novos problemas, novos debates e novos questionamentos propostos, é nesse momento que se tem no Brasil e, por consequência, no Paraná, uma influência da chamada Nova História francesa. Além da Nova História francesa, observou-se ao longo destes anos a entrada na historiografia brasileira de autores como Edward P. Thompson, Walter Benjamin, Eric Hobsbaw e Michel Foucault. A ideia de uma história advinda do ponto de vista econômico englobando as grandes estruturas não mais era compartilhada pela grande maioria dos historiadores. Esta nova geração, onde muitos haviam estudado fora do país, sobretudo na Europa, inclinava-se para uma história mais social, permeada por um novo debate e novas metodologias em que as classes mais baixas e os cidadãos anônimos puderam ser protagonizados nestas novas pesquisas. 2 1 Entende-se aqui como Segunda Geração dos Annales, aquela ligada a Fernand Braudel em que houve, principalmente, uma tendência ao nascimento de uma história quantitativa. Sobre isso, Peter Burke infere que: Dessas tendências, a mais importante, de mais ou menos 1950 a 1970, ou mesmo mais, foi certamente o nascimento da história quantitativa. Esta revolução quantitativa, como foi chamada, foi primeiramente sentida no campo econômico, particularmente na história dos preços. Da economia espraiou-se para a história social, especialmente para a história populacional [...] BURKE, Peter. A Escola dos Annales A revolução francesa da historiografia. São Paulo: Editora UNESP, p Sobre isso, ver: SHARPE, Jim. A história vista de baixo. In: BURKE, Peter (org.) A escrita da história novas perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 2011

2 OS ANOS 90 E A PROPAGAÇÃO DE UMA NOVA HISTORIOGRAFIA. O EXEMPLO DA REVISTA HISTÓRIA: QUESTÕES E DEBATES. Nas últimas décadas do século XX, observou-se no Brasil uma historiografia inspirada, ainda que com relativo atraso, na historiografia francesa das mentalidades ou na historiografia inspirada nas vertentes mais críticas da história das mentalidades, a exemplo da história cultural italiana de Carlo Ginzburg ou Giovanni Levi, autores que praticamente fundaram a micro-história. Ou, ainda, na historiografia derivada da obra de Roger Chartier, este ligado à tradição dos Annales, embora crítico a uma história social totalizante. Ou, enfim, na historiografia ligada à história sociocultural britânica, especialmente em E. P. Thompson, cuja trajetória pouco tem a ver com as vertentes já citadas, sendo da corrente marxista que procurou dimensionar a luta de classes e os movimentos sociais no campo da cultura. Mas por que, sobretudo no Brasil, a historiografia nas últimas décadas do século XX passaria por essa transformação? Ronaldo Vainfas, em seu artigo História Cultural e Historiografia Brasileira 3, por coincidência publicado no periódico desta pesquisa em 2009, reflete o fato de que: Foi com o avanço da pós-graduação, de um lado, e a crise do regime militar, de outro, que a pesquisa histórica no Brasil pouco a pouco se abriu a estes novos campos. A queda do muro de Berlim, em 1989, completa o quadro, libertando a pesquisa histórica brasileira dos patrulhamentos esquerdistas. O arejamento do ambiente universitário, enfim livre dos compromissos políticos de combate ao regime de exceção e, de quebra, livre das patrulhas ideológicas, teve peso decisivo nesta inflexão historiográfica. 4 A partir disso, pode-se dizer que tanto as universidades quanto os pesquisadores que a elas eram vinculados, se viram num período de maior liberdade, em que a busca e a apropriação de novas teorias trouxeram novos modelos explicativos para a história. Não se via mais a necessidade de lutar contra um sistema e muito menos a de explorar as pesquisas históricas por um viés econômico e, sobretudo, político. 3 VAINFAS, Ronaldo. História Cultural e Historiografia Brasileira. História: Questões e Debates. n. 50, jan/jun Idem, p. 229

3 Neste sentido, viu-se crescer nas universidades brasileiras os programas de pósgraduação em História, locais onde essas novas tendências de pesquisa se difundiram 5. Partindo disto, observou-se que, assim como os demais locais do país, o Departamento de História da UFPR e o seu programa de pós-graduação também viveram esse período de transição e de transformações, sobretudo, a partir da segunda metade da década de 1980 se estendendo pelos anos Estas transformações também se repercutiram nas publicações do periódico História: Questões e Debates, onde se é perceptível, principalmente na década de 1990, uma abertura a novas temáticas oriundas dessa Nova História. É claro que, por vezes, a publicação de pesquisas em torno de uma história mais ligada ao viés político e econômico era publicada, afinal existia no Departamento os professores que ainda se dedicavam a essas pesquisas, fato que, do nosso ponto de vista, enriquecia a programação da revista ao trazer diversos olhares para a história numa década em que já se existia essa possibilidade de interação. Sobre isso, observou José d Assunção Barros: Apesar de falarmos frequentemente em uma História Econômica, em uma História Política, em uma História Cultural, e assim por diante, a verdade é que não existem fatos que sejam exclusivamente econômicos políticos e culturais. Todas as dimensões da realidade social interagem, ou rigorosamente sequer existem como dimensões separadas. Mas o ser humano, em sua ânsia de melhor compreender o mundo, acaba sendo obrigado a proceder a recortes e a operações simplificadoras, e é neste sentido que devem ser considerados os compartimentos que foram criados pelos próprios historiadores para enquadrar os seus vários tipos de estudos históricos. 6 Partindo disto, é possível observar tanto na produção da Questões e Debates, quanto na historiografia nacional deste período, que a década de 1990 foi o período de propagação e de sustentação destas ditas transformações historiográficas. O que aconteceu com a História no Brasil, na década de 1980, foi uma abertura maior à utilização de novas fontes e métodos, sem haver um discurso teórico de maior fôlego em 5 Quem analisou essa conjuntura foram os historiadores Carlos Fico e Ronald Polito em seu livro A história no Brasil ( ): elementos para uma avaliação historiográfica. V.1. Ouro Preto: UFOP, 1982, já discutido no capítulo anterior. 6 BARROS, José d Assunção. O campo da história. Petrópolis: Editora Vozes, p. 15

4 relação a esse fenômeno. Observamos na Revista História: Questões e Debates deste período um esforço, ainda que iniciante, de tentar discutir essas novas teorias, além de uma abertura às novas problematizações, por mais tímida que fosse em seus primeiros volumes. Deste modo, é possível aferir que a década de 1990 representa para a historiografia e um período permeado de diversas tendências historiográficas que originou novas pesquisas, fruto destes novos olhares sobre a história. Sobretudo, a partir da segunda metade da década de noventa é observada uma pluralidade de temas jamais vista antes na historiografia brasileira, oriundas do recorte da História que chamamos de História Cultural. 7 Esta História Cultural seria, a partir de então, considerada um novo paradigma de pesquisa e sua ascensão conhecida como teoria cultural, como afirma Peter Burke em sua obra O que é História Cultural? 8.Os estudos relacionados a esta perspectiva de análise se inspiraram quase que inteiramente nas interpretações de Roger Chartier, que ao trabalhar a História Cultural observou que as próprias representações do mundo social são componentes da realidade social, uma vez que as pessoas criam representações objetivando dar um sentido às suas vidas. Para Jurandir Malerba, a década de 1990 assistiu a um sensível aumento de trabalhos e eventos de viés historiográfico. 9 Já Margareth Rago em seu artigo A nova historiografia brasileira 10, aponta para uma abertura das pesquisas à cultura urbana e a esta história interpretada a partir da perspectiva cultural: A determinação cultural dos agentes e das práticas sociais, para além da economia e política, revela-se na leitura que os historiadores passam a fazer das subjetividades, do imaginário e do campo simbólico. Roger Chartier (1988) sistematiza as inovações trazidas por uma produção historiográfica que assume sua ruptura com a crença no real e no social. Para além da construção 7 Entende-se como História Cultural, o recorte histórico onde se privilegia os estudos ligados à cultura, ou estudos culturais, que além de trabalhar com a interdisciplinaridade, propõe uma articulação da história com a antropologia e a crítica literária. Ainda hoje se pergunta o que é a História Cultural? Para Peter Burke, a História Cultural ainda é um campo que em pleno século XXI encontra-se em processo de (re)construção. Sobre isso, ver: BURKE, Peter. O que é História Cultural? Rio de Janeiro: J. Zahar, Idem. p.71 9 MALERBA, Jurandir. Notas à margem. A crítica historiográfica no Brasil dos anos Textos de História, v.1/2, RAGO, Margareth. A nova historiografia brasileira. Anos 90, Porto Alegre, n.11, julho de 1999.

5 cultural de nossas referências, enfatiza as práticas de leitura e apropriação da cultura, destacando os complexos movimentos da circulação de ideias. 11 Isto posto, o que se pode dizer é que a historiografia brasileira viveu, ao longo destes anos, uma consolidação da abertura às singularidades e às subjetividades, produto daquela reviravolta dos anos Neste sentido, torna-se importante salientar que os programas de pós-graduação e as suas respectivas produções passaram a divulgar esse impacto historiográfico fruto da Nova História, ancorada numa História das Mentalidades que deu abertura a esta História Cultural permeada pelas suas circularidades culturais. Não diferente disso, é observável na produção das capas da Questões e Debates, ao longo desta década, uma inclinação a temas mais ligados à cultura, conforme apresenta o gráfico: Gráfico 04: Temas abordados pelas capas da Revista História: Questões e Debates ( ) Temas abordados pelas capas da Revista "História: Questões e Debates" ( ) 60.00% 54.50% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% 18.20% 18.20% 10.00% 0.00% 9.10% Arte Religião Urbano Anônimos Fonte Revista: História: Questões e Debates 11 Idem, p. 89

6 Como se pode observar, o tema Arte tem o maior número de fotografias nas capas. Em um segundo plano aparece o tema Religião e Urbano, demonstrando uma preocupação destes historiadores com a história das religiões e suas subjetividades, além de uma preocupação com a cultura urbana e a formação das grandes cidades, destacandose Curitiba. Há, ainda, o tema relacionado a anônimos com o intuito de mostrar o papel das singularidades e dos cidadãos comuns neste recorte histórico. Nesse sentido, chegase à conclusão de que os temas das capas não demonstram apenas uma preocupação estética, mas, também, a preocupação de um grupo de pesquisadores com as abordagens culturais. Como um dos resultados da análise do corpus documental desta pesquisa, pôdese verificar que a abertura da produção deste periódico a estas novas temáticas, bem como do Departamento de História da UFPR, se deu, ao longo da década de 1990, devido a uma renovação dos professores. Houve no Departamento, no início dos anos noventa, a aposentadoria compulsória de muitos professores, ocasionando assim a entrada de uma nova geração, em que muitos haviam estudado fora do Paraná e até mesmo fora do país. Foram durante os primeiros anos desta década que entraram para o Departamento professores que trariam novos fôlegos às pesquisas, entre estes podemos destacar: Marionilde Brepohl de Magalhães 12, Euclides Marchi 13, Francisco Paez 14, Dennison de 12 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1986, concluiu o Doutorado em História na UNICAMP em Ver: 13 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1990, havia concluído o Doutorado em História na USP em Trouxe para o Departamento as pesquisas relacionadas à história e religião. Ver: 14 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1990, concluiu o Doutorado em História na UFPR, nos primeiros anos da década de 1990, sob a orientação da prof. Ana Maria Burmester.

7 Oliveira 15, Magnus Pereira 16, Ana Paula Vosne Martins 17, Ronald Raminelli 18, Marcos Napolitano 19, entre tantos outros que chegaram depois. A partir disso, o Departamento de História da UFPR rompe os últimos laços com as duas linhas de pesquisa que o sustentaram ao longo da década de setenta, ligadas à História Econômica e à História Demográfica, sendo reorganizado um programa de pósgraduação concentrado na área de História, Cultura e Sociedade. Neste momento é notável que estes docentes deixam de lado as discussões em torno da APAH, e concentram-se apenas no Departamento e no programa de pós-graduação. Assim, as preocupações e indagações da História Cultural começam a permear e criar espaço dentro do programa, bem como ainda existe o espaço para a História Social, fruto da década anterior. Deste modo, as pesquisas da pós-graduação em História da UFPR começaram a girar em torno de duas linhas de pesquisa criadas nsta década: Cultura e Poder e Espaços e Sociabilidades. Já nos primeiros números da Questões e Debates, é notado uma preocupação maior com às pesquisas em torno dos fenômenos e processos culturais. Pesquisas destinadas às mais diversas temáticas como sexualidade, individualidades e sentimentos; a aproximação da história com a literatura, música e o cinema, além de diversos estudos envolvendo gênero, religião e religiosidade e todas as suas subjetividades transitaram pelo periódico ao longo destes anos. Mas, o que se observou em meio a esta análise, é que 15 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1991, concluiu o Doutorado em Ciências Políticas pela UNICAMP em Ver: 16 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1991, concluiu o Doutorado em História pela UFPR e, 1998, sob a orientação da prof. Ana Maria Burmester. Ver: 17 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1993, concluiu o Doutorado em História pela UNICAMP em Havia sido orientada no mestrado pelo professor Carlos Roberto Antunes dos Santos, foi uma das precursoras das pesquisas relacionadas à história e gênero no Departamento. Ver: 18 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1990, concluiu o Doutorado em História pela USP em Trouxe para o Departamento pesquisas relacionadas à História do Brasil Colonial a partir de uma perspectiva da História Cultural. Deixou o Departamento em 1997, transferindo-se para a UFF. Ver: 19 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1994, concluiu o Doutorado em História pela USP em Trouxe para o Departamento pesquisas relacionadas à história do Brasil Republicano com o recorte sobre a Ditadura Militar, além de pesquisas relacionadas à História e Música e História e Cinema. Deixou o Departamento em 2004, transferindo-se para a USP. Ver:

8 mesmo partindo de um novo olhar, ou de uma nova abordagem, a revista não deixou de focar nas publicações em torno da História Regional, tendo sempre Curitiba e, em um segundo plano, o Paraná como recorte de suas pesquisas. Ainda que, numa abordagem um pouco menor em relação à década anterior, a História Regional predominou entre as publicações dos anos 90. Observou-se que esta temática perdeu em número de publicações somente para os estudos destinados à teoria da história e à historiografia, o que faz esta pesquisa ir de encontro às ideias de Jurandir Malerba, já apresentadas neste texto. 20 Para melhor ilustrar isso, elaboramos um gráfico com as principais temáticas trabalhadas pela História: Questões e Debates nestes anos. Gráfico 05 Principais temas problematizados na Revista História: Questões e Debates ( ) Fonte: Revista História: Questões e Debates. 20 MALERBA, Jurandir. Notas à margem. A crítica historiográfica no Brasil dos anos Textos de História, v.1/2, 2002.

9 Esses números apontam como as preocupações de pesquisa estavam tanto para a história regional, a partir de uma nova abordagem, quanto para o estudo de novas práticas historiográficas e de teoria da história. Como exemplo, citamos a publicação volume 13, número 24, de 1996, na qual é dedicada uma parte da revista somente para a discussão de História e Historiografia onde encontram-se os artigos: Textos, símbolos e o espírito francês, de Roger Chartier; Dificuldades com o cotidiano, de Klaus Tenfelde, historiador alemão; Um retorno à narração? de Jürgen Kocka, historiador alemão; A experiência em Thompson, de Arlene Renk, antropóloga; e, por último, Pierre Nora: da história do presente aos lugares de memória, de Ana Claudia Fonseca Brefe, historiadora. A publicação desses artigos demonstra a afeição deste periódico em discutir questões que permeavam a historiografia nacional e internacional da época, ressaltando a ênfase em discussões historiográficas em torno da História Cultural. Sobre isso, nos apropriamos das palavras de Carlos Fico e Ronald Polito ao dizerem que a historiografia brasileira nas últimas décadas do século XX passou por algumas tendências, entre elas: [...] a constituição de uma história da cultura em novos termos, o aumento de enfoques antropológicos, de preocupações com o cotidiano, com as mentalidades, com as artes e a micro-história, em detrimento da história econômica e social típicas, e a ampliação de discussões em teoria da história e historiografia. 21 Para os autores, estas tendências trariam para a história no Brasil uma consistência que ainda lhe faltava na década de 90, e que se pode dizer que falta ainda hoje, mas que já apresentava um quadro bem diferente em relação às discussões dos anos setenta. Deste modo, torna-se possível afirmar que a HQD, enquanto um periódico que, mesmo não integrando o grande eixo de produção historiográfica do país, Rio de Janeiro e São Paulo, transitou por estas tendências, viveu e se apropriou destas novas 21 FICO, Carlos; POLITO, Ronald. A historiografia brasileira nos últimos 20 anos tentativa de avaliação crítica. In: MALERBA, Jurandir. (Org.) A Velha História: teoria, método e historiografia. Campinas, SP: Papirus, p.206

10 abordagens e, ao longo de sua produção, demonstrou um cuidado em discutir essas novas teorias e publicá-las em forma de pesquisas autênticas e inovadoras para a época. Já com relação à História Social, observou-se que na HQD, os anos noventa foram de um maior impacto em relação à perspectiva de análise cultural; porém o debate social não se excluiu completamente de suas publicações, pois como comentamos anteriormente, existiam os professores dentro do Departamento que também se dedicavam às pesquisas de uma história mais social e política. O que se torna importante salientar é o fato de que esta História Social produzida pelo periódico neste tempo, foi um debate revisado; ou seja, este enfoque social se inspirava naquela abertura historiográfica vivida desde o início dos anos oitenta. Neste sentido, não se buscava mais fazer uma história social totalizante, mas um estudo em que as classes sociais tivessem o seu papel e a sua consciência destacadas, assim como também, os movimentos e sujeitos excluídos da história anteriormente tivessem espaço nessa nova abordagem. Estudos como os de Thompson e Hobsbawn foram essenciais nesta nova perspectiva da História Social, além de que, houve também uma abertura para novas fontes e novos procedimentos metodológicos. Os historiadores Sidney Chalhoub e Fernando Teixeira em um artigo citam a utilização de: [...] processos judiciais, imprensa operária, correspondências diplomáticas, fontes policiais, depoimentos orais, ao lado da publicação de documentos e da criação de centros de documentação com farto acervo sobre a história dos trabalhadores. 22 Neste exemplo, os autores fazem um balanço das possibilidades de arquivos e documentos existentes para a pesquisa, a partir dessa abertura da História Social a novas perspectivas e novos problemas. Em relação a tendência do periódico em se preocupar mais com a abordagem cultural da história outro fator que influenciou foi a participação de historiadores de instituições nacionais e internacionais que colaboraram com as suas pesquisas. No 22 CHALHOUB, Sidney e SILVA, Fernando T. da. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 80. Cadernos AEL. Campinas: UNICAMP, v. 14, n. 26, 1º semestre de p

11 decorrer das publicações dos anos noventa, é perceptível, entre um volume e outro, textos de historiadores ligados à Unicamp, USP, PUC-SP, UFRJ, além de professores do Programa de Pós-Graduação em História da UFPR, professores de outros programas de pós-graduação da UFPR, como o de Ciências Sociais, e os mestrandos e doutorandos da UFPR e de outras instituições. Nomes como Maria Helena Rolim Capelato, Maria Izilda Matos, Jacqueline Herman, Sidney Chalhoub, Theodore Zeldin, Steve Seidman, Roger Chartier, Jörn Rusen, transitaram pelas pesquisas publicadas desta década. Neste sentido, torna-se claro dizer também que a revista História: Questões e Debates se propôs, ao longo destes anos, dar espaço a pesquisas oriundas de outras instituições e outros estados, como forma de apresentar aos seus leitores as mais diversas temáticas que permeavam o discurso historiográfico deste período; além do que, a revista não estava aberta somente a grandes nomes ou a professores de grandes departamentos, mas também a alunos de graduação e pós-graduação. Sendo assim, a revista afirmaria a sua proposta inicial, como era também a proposta da APAH (Associação Paranaense de História) nos anos 80, de ter uma discussão histórica ampliada a todos os níveis da educação. A partir da análise proposta por essa pesquisa, concluímos que este periódico estudado, mesmo não tendo alcançado a repercussão nacional de outras publicações similares, ainda que tenha sido citado por vários estudos do país, repercutiu as mudanças paradigmáticas da produção historiográfica do país. E, além disso, ainda que tenha passado por vários momentos de dificuldades e de transitoriedades da historiografia no Brasil das últimas décadas, permaneceu até o momento atual com suas publicações realizadas periodicamente de acordo com os objetivos iniciais da revista. Uma vez que junto à criação da Questões e Debates aconteceu a explosão de uma série de revistas criadas em suas respectivas regiões como forma de divulgação, muitas delas hoje não mais existentes. Partindo destes pressupostos, nos sentimos a vontade em afirmar que a revista História: Questões e Debates, mesmo com as suas dificuldades e com as suas limitações, conseguiu, ao longo das últimas décadas do século XX, transmitir um reflexo do que foi a historiografia no Brasil. É claro que em outros centros como São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, o volume e o avanço das produções historiográficas já estavam num patamar

12 mais avançado; porém, inspirados nestes centros e com a vontade de divulgar uma pesquisa de padrão mais audacioso, os historiadores idealizadores deste periódico científico conseguiram a partir dele experimentar e divulgar para a academia curitibana e paranaense os novos percursos trilhados pela historiografia nacional nos anos oitenta e noventa. Além disso, os anos noventa foram promissores para o periódico, no sentido de que, a partir destes, a revista conseguiu consolidar uma linha de publicações voltada para a perspectiva cultural da história, que perpassou a década posterior e que é seguida até os dias atuais. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARROS, José d Assunção. O campo da história. Petrópolis: Editora Vozes, BURKE, Peter. A Escola dos Annales A revolução francesa da historiografia. São Paulo: Editora UNESP, BURKE, Peter (org.) A escrita da história novas perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 2011 CHALHOUB, Sidney e SILVA, Fernando T. da. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 80. Cadernos AEL. Campinas: UNICAMP, v. 14, n. 26, 1º semestre de 2009 FICO, Carlos; POLITO, Ronald. A historiografia brasileira nos últimos 20 anos tentativa de avaliação crítica. In: MALERBA, Jurandir. (Org.) A Velha História: teoria, método e historiografia. Campinas, SP: Papirus, MALERBA, Jurandir. Notas à margem. A crítica historiográfica no Brasil dos anos Textos de História, v.1/2, RAGO, Margareth. A nova historiografia brasileira. Anos 90, Porto Alegre, n.11, julho de VAINFAS, Ronaldo. História Cultural e Historiografia Brasileira. História: Questões e Debates. n. 50, jan/jun. 2009

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 ELAINE RODRIGUES (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ), ALLINE MIKAELA PEREIRA (PPE/UEM). Resumo Por

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DSCPLNA Disciplina: Prática Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 45 Obrigatória: sim Eletiva: não Número de Créditos: 03 Pré-Requisitos: não EMENTA Refletir sobre a produção da prática

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Relatório Anual: Avaliação Continuada 2005 - Ano Base 2004 Área de Avaliação: GEOGR AFIA

INTRODUÇÃO. Capes Relatório Anual: Avaliação Continuada 2005 - Ano Base 2004 Área de Avaliação: GEOGR AFIA Relatório Anual: Avaliação Continuada 5 - Ano Base INTRODUÇÃO. Optou-se neste relatório por manter na introdução, os dados históricos da área de Pós-graduação em Geografia, constante no relatório do triênio

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

(1) HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. Cap. 10: O que os historiadores devem a Karl Marx?

(1) HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. Cap. 10: O que os historiadores devem a Karl Marx? UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PLANO DE ENSINO DE TEORIAS DA HISTÓRIA II CURSO/SEMESTRE LICENCIATUTA EM HISTÓRIA 3º SEMESTRE DISCIPLINA TEORIAS DA HISTÓRIA II CARÁTER DA

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial

REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial 1537 REGISTROS HISTÓRICOS, HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA: um estudo historiográfico do Alto Sertão da Bahia no período colonial SOUZA JÚNIOR, Tadeu Baliza de 1 ; NEVES, Erivaldo Fagundes 2 1. Bolsista PROBIC,

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

História na Educação Matemática no Brasil: uma caracterização dos seminários nacionais Iran Abreu Mendes UFRN iamendes@ccet.ufrn.

História na Educação Matemática no Brasil: uma caracterização dos seminários nacionais Iran Abreu Mendes UFRN iamendes@ccet.ufrn. História na Educação Matemática no Brasil: uma caracterização dos seminários nacionais Iran Abreu Mendes UFRN iamendes@ccet.ufrn.br Introdução A pesquisa em história da Matemática e em história da Educação

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO Nível de Ensino/Faixa Etária: 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, e todas as séries do Ensino Médio Áreas Conexas: História, Geografia, Sociologia, Ciências Consultor: Rafael

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO

O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital Érico Lopes Pinheiro de Paula 1 Helena de Ornellas Sivieri-Pereira

Leia mais

MARTINS, Carlos Benedito (org). Para onde vai a Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil. Bauru SP: Edusc, 2005. POR.

MARTINS, Carlos Benedito (org). Para onde vai a Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil. Bauru SP: Edusc, 2005. POR. Resenhas Trajetos da Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil MARTINS, Carlos Benedito (org). Para onde vai a Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil. Bauru SP: Edusc, 2005. POR Fabio Lanza 1 Aobra

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 1 º. ano Disciplina: Introdução à História Profª Lidia M. V. Possas Lidia. M. V. Possas

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil de Melo Salgueiro, Eduardo "O MAIOR

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade Proponente: Leandro José Luz Riodades de Mendonça (PPED/UFRJ - Pós- Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Jocelma Tossin Martins (UNICENTRO), Rosângela Bujokas de Siqueira (Orientadora), e-mail: janja.bujokas@uol.com.br

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1280 OS HISTORIADORES, SEUS LUGARES E SUAS REGIÕES: A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA UNICENTRO SOBRE A REGIÃO PARANAENSE Darlan Damasceno Universidade Estadual de Londrina Resumo.

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação LINHA 1 - PERSPECTIVAS FILOSÓFICAS, HISTÓRICAS E POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA INTRODUÇÃO Os Critérios de Avaliação da área de Artes/Música estão consolidados a partir dos Documentos de Área resultantes da avaliação dos triênios 1998-2000 e 2001-2003 e dos Requisitos Mínimos para

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão Eva Simone de Oliveira (acadêmica) e-mail: UNESPAR/Campo Mourão e- mail: Claudia Priori (Orientadora) INTRODUÇÃO

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente.

Palavras chaves: Formação de professores. Prática inovadora. Planejamento docente. REPENSANDO O PLANEJAMENTO DIDÁTICO PARA UMA PRÁTICA INOVADORA EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DOCENTE. Cecilia Gaeta Universidade Federal de São Paulo UNIFESP (professora convidada) Martha Prata-Linhares Universidade

Leia mais

JUSTIFICATIVA VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS

JUSTIFICATIVA VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS HISTÓRICAS DO CURSO DE HISTÓRIA DO CAC UFG, NO PERÍODO DE 1995 A 2001. Jaciely Soares da Silva, UFG/CAC; jacielysoares@hotmail.com

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus -

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus - EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO - práticas, saberes e habitus - Fabíola Santini Takayama do Nascimento Mestranda em Educação da PUCGOIÁS e Técnica em Assuntos Educacionais do IFG - Campus Inhumas

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DANNIELE VARELLA RIOS DEBORAH DONATO DE SOUZA FELIPE PENIDO PORTELA PÂMELLA ÀGATA TÚLIO ESCOLA INGLESA CURITIBA 2009 DANNIELE

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI): CRIAÇÃO E PROPOSTAS EDUCATIVAS / CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO SOCIAL

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS Taís da Silva MARTINS Universidade Federal de Santa Maria taissmartins@superig.com.br Em nossa pesquisa, buscamos entender

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

1 de 6 DOCUMENTO DE ÁREA. Capes. Avaliação da Pós-Graduação. Período de Avaliação: 2001/2003. Área de Avaliação: 11 - ARTES / MÚSICA

1 de 6 DOCUMENTO DE ÁREA. Capes. Avaliação da Pós-Graduação. Período de Avaliação: 2001/2003. Área de Avaliação: 11 - ARTES / MÚSICA Comitê de Avaliação - Consultores CELSO GIANNETTI LOUREIRO CHAVES - UFRGS (Representante de Área) MARIA HELENA WERNECK - UNIRIO SANDRA REY - UFRGS SONIA GOMES PEREIRA - UFRJ SERGIO COELHO BORGES FARIAS

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3

Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 Cultura, história e gastronomia: análise de enquadramento do jornalismo gastronômico 1 RESUMO Bianca Arantes dos Santos 2 Célio José Losnak 3 O texto parte de uma pesquisa que tem como proposta realizar

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO RESUMO Maria Lucia Indjaian Universidade Presbiteriana Mackenzie Marcos T.Masetto Universidade Presbiteriana Mackenzie Este trabalho

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

1 Catálogo de Teses em CD Rom. Bireme. Ação Educativa. INEP, 1998 e 1999.

1 Catálogo de Teses em CD Rom. Bireme. Ação Educativa. INEP, 1998 e 1999. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL NOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ENTRE OS ANOS DE 1983 E 1998. Giandréa Reuss Strenzel Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO: O

Leia mais

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES

DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES DA UNIVERSIDADE AO TRABALHO DOCENTE OU DO MUNDO FICCIONAL AO REAL: EXPECTATIVAS DE FUTUROS PROFISSIONAIS DOCENTES Karem Nacostielle EUFRÁSIO Campus Jataí karemnacostielle@gmail.com Sílvio Ribeiro DA SILVA

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM DESAFIO AO ENSINO DE HISTÓRIA Fabricia Evellyn Araújo Medeiros 1 Email: fabriciaevellyn3@gmail.com Amelia Neta Diniz de Oliveira 2 Email: ameliadiniz.uepb.@gmail.com Daniela Santos

Leia mais

Palavras-Chave: História; Historiografia, Imprensa; Jornal.

Palavras-Chave: História; Historiografia, Imprensa; Jornal. HISTÓRIA E IMPRENSA: A IMPORTÂNCIA E A CONTRIBUIÇÃO DOS JORNAIS NO CONHECIMENTO HISTÓRICO Carlos Henrique Ferreira Leite (Universidade Estadual de Londrina - UEL) Resumo: O presente trabalho é parte integrante

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO

O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO O DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: NO CONTEXTO REAL DO TRABALHO Marcia Akemi Yamada 1 Soraia Kfouri Salerno 2 Resumo Uma das premissas do trabalho docente na Instituição do Ensino Superior (IES) é a produção

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR Gisele Mugnol Santos (PUCPR) Jayme Ferreira Bueno (PUCPR) RESUMO Este pôster expõe os principais tópicos de uma pesquisa

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: A VISÃO DOS PROFESSORES E PROFESSORAS DE CIENCIAS E BIOLOGIA ACERCA DA FORMAÇÃO NECESSÁRIA FERREIRA, Adriana Ribeiro & ROSSO, Ademir José INTRODUÇÃO O meio ambiente (MA) é

Leia mais

E D I T A L 2016. 1. INSCRIÇÕES 1.1. Poderão inscrever-se aqueles que concluíram curso de Mestrado em Comunicação Social ou áreas afins.

E D I T A L 2016. 1. INSCRIÇÕES 1.1. Poderão inscrever-se aqueles que concluíram curso de Mestrado em Comunicação Social ou áreas afins. PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE DOUTORADO E D I T A L 2016 O Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro torna pública a abertura

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA. Resumo

HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA. Resumo HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA Angela Ribeiro Ferreira UEPG Luis Fernando Cerri UEPG Resumo O problema central de discussão da pesquisa diz respeito a dois pontos:

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013

ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 ENCONTRO GAÚCHO SOBRE A NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO EDIÇÃO 2013 Tendências de pesquisa acadêmica na área de Gestão Pública e Fontes de Informação para Pesquisa Foco em CASP Prof. Ariel

Leia mais