A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA REVISTA HISTÓRIA: QUESTÕES E DEBATES. UMA CONTRIBUIÇÃO À HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA PARANAENSE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA REVISTA HISTÓRIA: QUESTÕES E DEBATES. UMA CONTRIBUIÇÃO À HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA PARANAENSE."

Transcrição

1 A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA REVISTA HISTÓRIA: QUESTÕES E DEBATES. UMA CONTRIBUIÇÃO À HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA PARANAENSE. Thiago Felipe dos Reis (Mestrado em História, Cultura e Identidades UEPG) Palavras-chave: História da Historiografia; Historiografia Paranaense; História: Questões e Debates Os anos 1980, mesmo que tardiamente em relação a outros locais, foram no Brasil singulares para a produção historiográfica. Aqueles modelos estruturantes de explicação da História, principalmente os ligados à Segunda Geração dos Annales, 1 já não davam mais conta dos novos problemas, novos debates e novos questionamentos propostos, é nesse momento que se tem no Brasil e, por consequência, no Paraná, uma influência da chamada Nova História francesa. Além da Nova História francesa, observou-se ao longo destes anos a entrada na historiografia brasileira de autores como Edward P. Thompson, Walter Benjamin, Eric Hobsbaw e Michel Foucault. A ideia de uma história advinda do ponto de vista econômico englobando as grandes estruturas não mais era compartilhada pela grande maioria dos historiadores. Esta nova geração, onde muitos haviam estudado fora do país, sobretudo na Europa, inclinava-se para uma história mais social, permeada por um novo debate e novas metodologias em que as classes mais baixas e os cidadãos anônimos puderam ser protagonizados nestas novas pesquisas. 2 1 Entende-se aqui como Segunda Geração dos Annales, aquela ligada a Fernand Braudel em que houve, principalmente, uma tendência ao nascimento de uma história quantitativa. Sobre isso, Peter Burke infere que: Dessas tendências, a mais importante, de mais ou menos 1950 a 1970, ou mesmo mais, foi certamente o nascimento da história quantitativa. Esta revolução quantitativa, como foi chamada, foi primeiramente sentida no campo econômico, particularmente na história dos preços. Da economia espraiou-se para a história social, especialmente para a história populacional [...] BURKE, Peter. A Escola dos Annales A revolução francesa da historiografia. São Paulo: Editora UNESP, p Sobre isso, ver: SHARPE, Jim. A história vista de baixo. In: BURKE, Peter (org.) A escrita da história novas perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 2011

2 OS ANOS 90 E A PROPAGAÇÃO DE UMA NOVA HISTORIOGRAFIA. O EXEMPLO DA REVISTA HISTÓRIA: QUESTÕES E DEBATES. Nas últimas décadas do século XX, observou-se no Brasil uma historiografia inspirada, ainda que com relativo atraso, na historiografia francesa das mentalidades ou na historiografia inspirada nas vertentes mais críticas da história das mentalidades, a exemplo da história cultural italiana de Carlo Ginzburg ou Giovanni Levi, autores que praticamente fundaram a micro-história. Ou, ainda, na historiografia derivada da obra de Roger Chartier, este ligado à tradição dos Annales, embora crítico a uma história social totalizante. Ou, enfim, na historiografia ligada à história sociocultural britânica, especialmente em E. P. Thompson, cuja trajetória pouco tem a ver com as vertentes já citadas, sendo da corrente marxista que procurou dimensionar a luta de classes e os movimentos sociais no campo da cultura. Mas por que, sobretudo no Brasil, a historiografia nas últimas décadas do século XX passaria por essa transformação? Ronaldo Vainfas, em seu artigo História Cultural e Historiografia Brasileira 3, por coincidência publicado no periódico desta pesquisa em 2009, reflete o fato de que: Foi com o avanço da pós-graduação, de um lado, e a crise do regime militar, de outro, que a pesquisa histórica no Brasil pouco a pouco se abriu a estes novos campos. A queda do muro de Berlim, em 1989, completa o quadro, libertando a pesquisa histórica brasileira dos patrulhamentos esquerdistas. O arejamento do ambiente universitário, enfim livre dos compromissos políticos de combate ao regime de exceção e, de quebra, livre das patrulhas ideológicas, teve peso decisivo nesta inflexão historiográfica. 4 A partir disso, pode-se dizer que tanto as universidades quanto os pesquisadores que a elas eram vinculados, se viram num período de maior liberdade, em que a busca e a apropriação de novas teorias trouxeram novos modelos explicativos para a história. Não se via mais a necessidade de lutar contra um sistema e muito menos a de explorar as pesquisas históricas por um viés econômico e, sobretudo, político. 3 VAINFAS, Ronaldo. História Cultural e Historiografia Brasileira. História: Questões e Debates. n. 50, jan/jun Idem, p. 229

3 Neste sentido, viu-se crescer nas universidades brasileiras os programas de pósgraduação em História, locais onde essas novas tendências de pesquisa se difundiram 5. Partindo disto, observou-se que, assim como os demais locais do país, o Departamento de História da UFPR e o seu programa de pós-graduação também viveram esse período de transição e de transformações, sobretudo, a partir da segunda metade da década de 1980 se estendendo pelos anos Estas transformações também se repercutiram nas publicações do periódico História: Questões e Debates, onde se é perceptível, principalmente na década de 1990, uma abertura a novas temáticas oriundas dessa Nova História. É claro que, por vezes, a publicação de pesquisas em torno de uma história mais ligada ao viés político e econômico era publicada, afinal existia no Departamento os professores que ainda se dedicavam a essas pesquisas, fato que, do nosso ponto de vista, enriquecia a programação da revista ao trazer diversos olhares para a história numa década em que já se existia essa possibilidade de interação. Sobre isso, observou José d Assunção Barros: Apesar de falarmos frequentemente em uma História Econômica, em uma História Política, em uma História Cultural, e assim por diante, a verdade é que não existem fatos que sejam exclusivamente econômicos políticos e culturais. Todas as dimensões da realidade social interagem, ou rigorosamente sequer existem como dimensões separadas. Mas o ser humano, em sua ânsia de melhor compreender o mundo, acaba sendo obrigado a proceder a recortes e a operações simplificadoras, e é neste sentido que devem ser considerados os compartimentos que foram criados pelos próprios historiadores para enquadrar os seus vários tipos de estudos históricos. 6 Partindo disto, é possível observar tanto na produção da Questões e Debates, quanto na historiografia nacional deste período, que a década de 1990 foi o período de propagação e de sustentação destas ditas transformações historiográficas. O que aconteceu com a História no Brasil, na década de 1980, foi uma abertura maior à utilização de novas fontes e métodos, sem haver um discurso teórico de maior fôlego em 5 Quem analisou essa conjuntura foram os historiadores Carlos Fico e Ronald Polito em seu livro A história no Brasil ( ): elementos para uma avaliação historiográfica. V.1. Ouro Preto: UFOP, 1982, já discutido no capítulo anterior. 6 BARROS, José d Assunção. O campo da história. Petrópolis: Editora Vozes, p. 15

4 relação a esse fenômeno. Observamos na Revista História: Questões e Debates deste período um esforço, ainda que iniciante, de tentar discutir essas novas teorias, além de uma abertura às novas problematizações, por mais tímida que fosse em seus primeiros volumes. Deste modo, é possível aferir que a década de 1990 representa para a historiografia e um período permeado de diversas tendências historiográficas que originou novas pesquisas, fruto destes novos olhares sobre a história. Sobretudo, a partir da segunda metade da década de noventa é observada uma pluralidade de temas jamais vista antes na historiografia brasileira, oriundas do recorte da História que chamamos de História Cultural. 7 Esta História Cultural seria, a partir de então, considerada um novo paradigma de pesquisa e sua ascensão conhecida como teoria cultural, como afirma Peter Burke em sua obra O que é História Cultural? 8.Os estudos relacionados a esta perspectiva de análise se inspiraram quase que inteiramente nas interpretações de Roger Chartier, que ao trabalhar a História Cultural observou que as próprias representações do mundo social são componentes da realidade social, uma vez que as pessoas criam representações objetivando dar um sentido às suas vidas. Para Jurandir Malerba, a década de 1990 assistiu a um sensível aumento de trabalhos e eventos de viés historiográfico. 9 Já Margareth Rago em seu artigo A nova historiografia brasileira 10, aponta para uma abertura das pesquisas à cultura urbana e a esta história interpretada a partir da perspectiva cultural: A determinação cultural dos agentes e das práticas sociais, para além da economia e política, revela-se na leitura que os historiadores passam a fazer das subjetividades, do imaginário e do campo simbólico. Roger Chartier (1988) sistematiza as inovações trazidas por uma produção historiográfica que assume sua ruptura com a crença no real e no social. Para além da construção 7 Entende-se como História Cultural, o recorte histórico onde se privilegia os estudos ligados à cultura, ou estudos culturais, que além de trabalhar com a interdisciplinaridade, propõe uma articulação da história com a antropologia e a crítica literária. Ainda hoje se pergunta o que é a História Cultural? Para Peter Burke, a História Cultural ainda é um campo que em pleno século XXI encontra-se em processo de (re)construção. Sobre isso, ver: BURKE, Peter. O que é História Cultural? Rio de Janeiro: J. Zahar, Idem. p.71 9 MALERBA, Jurandir. Notas à margem. A crítica historiográfica no Brasil dos anos Textos de História, v.1/2, RAGO, Margareth. A nova historiografia brasileira. Anos 90, Porto Alegre, n.11, julho de 1999.

5 cultural de nossas referências, enfatiza as práticas de leitura e apropriação da cultura, destacando os complexos movimentos da circulação de ideias. 11 Isto posto, o que se pode dizer é que a historiografia brasileira viveu, ao longo destes anos, uma consolidação da abertura às singularidades e às subjetividades, produto daquela reviravolta dos anos Neste sentido, torna-se importante salientar que os programas de pós-graduação e as suas respectivas produções passaram a divulgar esse impacto historiográfico fruto da Nova História, ancorada numa História das Mentalidades que deu abertura a esta História Cultural permeada pelas suas circularidades culturais. Não diferente disso, é observável na produção das capas da Questões e Debates, ao longo desta década, uma inclinação a temas mais ligados à cultura, conforme apresenta o gráfico: Gráfico 04: Temas abordados pelas capas da Revista História: Questões e Debates ( ) Temas abordados pelas capas da Revista "História: Questões e Debates" ( ) 60.00% 54.50% 50.00% 40.00% 30.00% 20.00% 18.20% 18.20% 10.00% 0.00% 9.10% Arte Religião Urbano Anônimos Fonte Revista: História: Questões e Debates 11 Idem, p. 89

6 Como se pode observar, o tema Arte tem o maior número de fotografias nas capas. Em um segundo plano aparece o tema Religião e Urbano, demonstrando uma preocupação destes historiadores com a história das religiões e suas subjetividades, além de uma preocupação com a cultura urbana e a formação das grandes cidades, destacandose Curitiba. Há, ainda, o tema relacionado a anônimos com o intuito de mostrar o papel das singularidades e dos cidadãos comuns neste recorte histórico. Nesse sentido, chegase à conclusão de que os temas das capas não demonstram apenas uma preocupação estética, mas, também, a preocupação de um grupo de pesquisadores com as abordagens culturais. Como um dos resultados da análise do corpus documental desta pesquisa, pôdese verificar que a abertura da produção deste periódico a estas novas temáticas, bem como do Departamento de História da UFPR, se deu, ao longo da década de 1990, devido a uma renovação dos professores. Houve no Departamento, no início dos anos noventa, a aposentadoria compulsória de muitos professores, ocasionando assim a entrada de uma nova geração, em que muitos haviam estudado fora do Paraná e até mesmo fora do país. Foram durante os primeiros anos desta década que entraram para o Departamento professores que trariam novos fôlegos às pesquisas, entre estes podemos destacar: Marionilde Brepohl de Magalhães 12, Euclides Marchi 13, Francisco Paez 14, Dennison de 12 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1986, concluiu o Doutorado em História na UNICAMP em Ver: 13 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1990, havia concluído o Doutorado em História na USP em Trouxe para o Departamento as pesquisas relacionadas à história e religião. Ver: 14 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1990, concluiu o Doutorado em História na UFPR, nos primeiros anos da década de 1990, sob a orientação da prof. Ana Maria Burmester.

7 Oliveira 15, Magnus Pereira 16, Ana Paula Vosne Martins 17, Ronald Raminelli 18, Marcos Napolitano 19, entre tantos outros que chegaram depois. A partir disso, o Departamento de História da UFPR rompe os últimos laços com as duas linhas de pesquisa que o sustentaram ao longo da década de setenta, ligadas à História Econômica e à História Demográfica, sendo reorganizado um programa de pósgraduação concentrado na área de História, Cultura e Sociedade. Neste momento é notável que estes docentes deixam de lado as discussões em torno da APAH, e concentram-se apenas no Departamento e no programa de pós-graduação. Assim, as preocupações e indagações da História Cultural começam a permear e criar espaço dentro do programa, bem como ainda existe o espaço para a História Social, fruto da década anterior. Deste modo, as pesquisas da pós-graduação em História da UFPR começaram a girar em torno de duas linhas de pesquisa criadas nsta década: Cultura e Poder e Espaços e Sociabilidades. Já nos primeiros números da Questões e Debates, é notado uma preocupação maior com às pesquisas em torno dos fenômenos e processos culturais. Pesquisas destinadas às mais diversas temáticas como sexualidade, individualidades e sentimentos; a aproximação da história com a literatura, música e o cinema, além de diversos estudos envolvendo gênero, religião e religiosidade e todas as suas subjetividades transitaram pelo periódico ao longo destes anos. Mas, o que se observou em meio a esta análise, é que 15 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1991, concluiu o Doutorado em Ciências Políticas pela UNICAMP em Ver: 16 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1991, concluiu o Doutorado em História pela UFPR e, 1998, sob a orientação da prof. Ana Maria Burmester. Ver: 17 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1993, concluiu o Doutorado em História pela UNICAMP em Havia sido orientada no mestrado pelo professor Carlos Roberto Antunes dos Santos, foi uma das precursoras das pesquisas relacionadas à história e gênero no Departamento. Ver: 18 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1990, concluiu o Doutorado em História pela USP em Trouxe para o Departamento pesquisas relacionadas à História do Brasil Colonial a partir de uma perspectiva da História Cultural. Deixou o Departamento em 1997, transferindo-se para a UFF. Ver: 19 Entrou para o Departamento de História da UFPR em 1994, concluiu o Doutorado em História pela USP em Trouxe para o Departamento pesquisas relacionadas à história do Brasil Republicano com o recorte sobre a Ditadura Militar, além de pesquisas relacionadas à História e Música e História e Cinema. Deixou o Departamento em 2004, transferindo-se para a USP. Ver:

8 mesmo partindo de um novo olhar, ou de uma nova abordagem, a revista não deixou de focar nas publicações em torno da História Regional, tendo sempre Curitiba e, em um segundo plano, o Paraná como recorte de suas pesquisas. Ainda que, numa abordagem um pouco menor em relação à década anterior, a História Regional predominou entre as publicações dos anos 90. Observou-se que esta temática perdeu em número de publicações somente para os estudos destinados à teoria da história e à historiografia, o que faz esta pesquisa ir de encontro às ideias de Jurandir Malerba, já apresentadas neste texto. 20 Para melhor ilustrar isso, elaboramos um gráfico com as principais temáticas trabalhadas pela História: Questões e Debates nestes anos. Gráfico 05 Principais temas problematizados na Revista História: Questões e Debates ( ) Fonte: Revista História: Questões e Debates. 20 MALERBA, Jurandir. Notas à margem. A crítica historiográfica no Brasil dos anos Textos de História, v.1/2, 2002.

9 Esses números apontam como as preocupações de pesquisa estavam tanto para a história regional, a partir de uma nova abordagem, quanto para o estudo de novas práticas historiográficas e de teoria da história. Como exemplo, citamos a publicação volume 13, número 24, de 1996, na qual é dedicada uma parte da revista somente para a discussão de História e Historiografia onde encontram-se os artigos: Textos, símbolos e o espírito francês, de Roger Chartier; Dificuldades com o cotidiano, de Klaus Tenfelde, historiador alemão; Um retorno à narração? de Jürgen Kocka, historiador alemão; A experiência em Thompson, de Arlene Renk, antropóloga; e, por último, Pierre Nora: da história do presente aos lugares de memória, de Ana Claudia Fonseca Brefe, historiadora. A publicação desses artigos demonstra a afeição deste periódico em discutir questões que permeavam a historiografia nacional e internacional da época, ressaltando a ênfase em discussões historiográficas em torno da História Cultural. Sobre isso, nos apropriamos das palavras de Carlos Fico e Ronald Polito ao dizerem que a historiografia brasileira nas últimas décadas do século XX passou por algumas tendências, entre elas: [...] a constituição de uma história da cultura em novos termos, o aumento de enfoques antropológicos, de preocupações com o cotidiano, com as mentalidades, com as artes e a micro-história, em detrimento da história econômica e social típicas, e a ampliação de discussões em teoria da história e historiografia. 21 Para os autores, estas tendências trariam para a história no Brasil uma consistência que ainda lhe faltava na década de 90, e que se pode dizer que falta ainda hoje, mas que já apresentava um quadro bem diferente em relação às discussões dos anos setenta. Deste modo, torna-se possível afirmar que a HQD, enquanto um periódico que, mesmo não integrando o grande eixo de produção historiográfica do país, Rio de Janeiro e São Paulo, transitou por estas tendências, viveu e se apropriou destas novas 21 FICO, Carlos; POLITO, Ronald. A historiografia brasileira nos últimos 20 anos tentativa de avaliação crítica. In: MALERBA, Jurandir. (Org.) A Velha História: teoria, método e historiografia. Campinas, SP: Papirus, p.206

10 abordagens e, ao longo de sua produção, demonstrou um cuidado em discutir essas novas teorias e publicá-las em forma de pesquisas autênticas e inovadoras para a época. Já com relação à História Social, observou-se que na HQD, os anos noventa foram de um maior impacto em relação à perspectiva de análise cultural; porém o debate social não se excluiu completamente de suas publicações, pois como comentamos anteriormente, existiam os professores dentro do Departamento que também se dedicavam às pesquisas de uma história mais social e política. O que se torna importante salientar é o fato de que esta História Social produzida pelo periódico neste tempo, foi um debate revisado; ou seja, este enfoque social se inspirava naquela abertura historiográfica vivida desde o início dos anos oitenta. Neste sentido, não se buscava mais fazer uma história social totalizante, mas um estudo em que as classes sociais tivessem o seu papel e a sua consciência destacadas, assim como também, os movimentos e sujeitos excluídos da história anteriormente tivessem espaço nessa nova abordagem. Estudos como os de Thompson e Hobsbawn foram essenciais nesta nova perspectiva da História Social, além de que, houve também uma abertura para novas fontes e novos procedimentos metodológicos. Os historiadores Sidney Chalhoub e Fernando Teixeira em um artigo citam a utilização de: [...] processos judiciais, imprensa operária, correspondências diplomáticas, fontes policiais, depoimentos orais, ao lado da publicação de documentos e da criação de centros de documentação com farto acervo sobre a história dos trabalhadores. 22 Neste exemplo, os autores fazem um balanço das possibilidades de arquivos e documentos existentes para a pesquisa, a partir dessa abertura da História Social a novas perspectivas e novos problemas. Em relação a tendência do periódico em se preocupar mais com a abordagem cultural da história outro fator que influenciou foi a participação de historiadores de instituições nacionais e internacionais que colaboraram com as suas pesquisas. No 22 CHALHOUB, Sidney e SILVA, Fernando T. da. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 80. Cadernos AEL. Campinas: UNICAMP, v. 14, n. 26, 1º semestre de p

11 decorrer das publicações dos anos noventa, é perceptível, entre um volume e outro, textos de historiadores ligados à Unicamp, USP, PUC-SP, UFRJ, além de professores do Programa de Pós-Graduação em História da UFPR, professores de outros programas de pós-graduação da UFPR, como o de Ciências Sociais, e os mestrandos e doutorandos da UFPR e de outras instituições. Nomes como Maria Helena Rolim Capelato, Maria Izilda Matos, Jacqueline Herman, Sidney Chalhoub, Theodore Zeldin, Steve Seidman, Roger Chartier, Jörn Rusen, transitaram pelas pesquisas publicadas desta década. Neste sentido, torna-se claro dizer também que a revista História: Questões e Debates se propôs, ao longo destes anos, dar espaço a pesquisas oriundas de outras instituições e outros estados, como forma de apresentar aos seus leitores as mais diversas temáticas que permeavam o discurso historiográfico deste período; além do que, a revista não estava aberta somente a grandes nomes ou a professores de grandes departamentos, mas também a alunos de graduação e pós-graduação. Sendo assim, a revista afirmaria a sua proposta inicial, como era também a proposta da APAH (Associação Paranaense de História) nos anos 80, de ter uma discussão histórica ampliada a todos os níveis da educação. A partir da análise proposta por essa pesquisa, concluímos que este periódico estudado, mesmo não tendo alcançado a repercussão nacional de outras publicações similares, ainda que tenha sido citado por vários estudos do país, repercutiu as mudanças paradigmáticas da produção historiográfica do país. E, além disso, ainda que tenha passado por vários momentos de dificuldades e de transitoriedades da historiografia no Brasil das últimas décadas, permaneceu até o momento atual com suas publicações realizadas periodicamente de acordo com os objetivos iniciais da revista. Uma vez que junto à criação da Questões e Debates aconteceu a explosão de uma série de revistas criadas em suas respectivas regiões como forma de divulgação, muitas delas hoje não mais existentes. Partindo destes pressupostos, nos sentimos a vontade em afirmar que a revista História: Questões e Debates, mesmo com as suas dificuldades e com as suas limitações, conseguiu, ao longo das últimas décadas do século XX, transmitir um reflexo do que foi a historiografia no Brasil. É claro que em outros centros como São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo, o volume e o avanço das produções historiográficas já estavam num patamar

12 mais avançado; porém, inspirados nestes centros e com a vontade de divulgar uma pesquisa de padrão mais audacioso, os historiadores idealizadores deste periódico científico conseguiram a partir dele experimentar e divulgar para a academia curitibana e paranaense os novos percursos trilhados pela historiografia nacional nos anos oitenta e noventa. Além disso, os anos noventa foram promissores para o periódico, no sentido de que, a partir destes, a revista conseguiu consolidar uma linha de publicações voltada para a perspectiva cultural da história, que perpassou a década posterior e que é seguida até os dias atuais. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARROS, José d Assunção. O campo da história. Petrópolis: Editora Vozes, BURKE, Peter. A Escola dos Annales A revolução francesa da historiografia. São Paulo: Editora UNESP, BURKE, Peter (org.) A escrita da história novas perspectivas. São Paulo: Editora Unesp, 2011 CHALHOUB, Sidney e SILVA, Fernando T. da. Sujeitos no imaginário acadêmico: escravos e trabalhadores na historiografia brasileira desde os anos 80. Cadernos AEL. Campinas: UNICAMP, v. 14, n. 26, 1º semestre de 2009 FICO, Carlos; POLITO, Ronald. A historiografia brasileira nos últimos 20 anos tentativa de avaliação crítica. In: MALERBA, Jurandir. (Org.) A Velha História: teoria, método e historiografia. Campinas, SP: Papirus, MALERBA, Jurandir. Notas à margem. A crítica historiográfica no Brasil dos anos Textos de História, v.1/2, RAGO, Margareth. A nova historiografia brasileira. Anos 90, Porto Alegre, n.11, julho de VAINFAS, Ronaldo. História Cultural e Historiografia Brasileira. História: Questões e Debates. n. 50, jan/jun. 2009

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

(1) HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. Cap. 10: O que os historiadores devem a Karl Marx?

(1) HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. Cap. 10: O que os historiadores devem a Karl Marx? UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PLANO DE ENSINO DE TEORIAS DA HISTÓRIA II CURSO/SEMESTRE LICENCIATUTA EM HISTÓRIA 3º SEMESTRE DISCIPLINA TEORIAS DA HISTÓRIA II CARÁTER DA

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DSCPLNA Disciplina: Prática Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 45 Obrigatória: sim Eletiva: não Número de Créditos: 03 Pré-Requisitos: não EMENTA Refletir sobre a produção da prática

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 ELAINE RODRIGUES (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ), ALLINE MIKAELA PEREIRA (PPE/UEM). Resumo Por

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema 1 Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema Carlos Adriano F. de Lima Quando os irmãos Augusthe e Lois Lumiere apresentaram seu cinematógrafo

Leia mais

História na Educação Matemática no Brasil: uma caracterização dos seminários nacionais Iran Abreu Mendes UFRN iamendes@ccet.ufrn.

História na Educação Matemática no Brasil: uma caracterização dos seminários nacionais Iran Abreu Mendes UFRN iamendes@ccet.ufrn. História na Educação Matemática no Brasil: uma caracterização dos seminários nacionais Iran Abreu Mendes UFRN iamendes@ccet.ufrn.br Introdução A pesquisa em história da Matemática e em história da Educação

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil de Melo Salgueiro, Eduardo "O MAIOR

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Palavras-Chave: História; Historiografia, Imprensa; Jornal.

Palavras-Chave: História; Historiografia, Imprensa; Jornal. HISTÓRIA E IMPRENSA: A IMPORTÂNCIA E A CONTRIBUIÇÃO DOS JORNAIS NO CONHECIMENTO HISTÓRICO Carlos Henrique Ferreira Leite (Universidade Estadual de Londrina - UEL) Resumo: O presente trabalho é parte integrante

Leia mais

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR

A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR A METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM POR PROJETOS E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO SUPERIOR Gisele Mugnol Santos (PUCPR) Jayme Ferreira Bueno (PUCPR) RESUMO Este pôster expõe os principais tópicos de uma pesquisa

Leia mais

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA

O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA O USO DOS JORNAIS PARA O CONHECIMENTO HISTORICO: TEORIA E METODOLOGIA Carlos Henrique Ferreira Leite Prof o Dr o José Miguel Arias Neto (Mestrando em História Social UEL) Bolsista CAPES DS 2015/2016 Palavras-chave:

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE

O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE O SIGNIFICADO DA FORMAÇÃO CONTINUADA DOCENTE Lilian Kemmer Chimentão Resumo O presente estudo tem como objetivo a compreensão do significado e da importância da formação continuada docente para o exercício

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

Apontamentos sobre a escrita da história: a Segunda Guerra Mundial em questão

Apontamentos sobre a escrita da história: a Segunda Guerra Mundial em questão GONÇALVES, Williams da Silva, A Segunda Guerra Mundial. In: FILHO, Daniel Aarão. FERREIRA, Jorge. ZENHA, Celeste (org). O século XX. 3ª Edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2005, p. 165-193.

Leia mais

ANNA BEATRIZ DE SÁ ALMEIDA. Resumo Expandido:

ANNA BEATRIZ DE SÁ ALMEIDA. Resumo Expandido: XXVIII Simpósio Nacional de História Lugares dos historiadores: velhos e novos desafios 27 e 31 de julho, Florianópolis, Santa Catarina. Organização: ANPUH Nacional, Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação

Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Estadual de Londrina Centro de Educação, Comunicação e Artes Departamento de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação LINHA 1 - PERSPECTIVAS FILOSÓFICAS, HISTÓRICAS E POLÍTICAS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

O CAMPO DA HISTÓRIA: ESPECIALIDADES E ABORDAGENS

O CAMPO DA HISTÓRIA: ESPECIALIDADES E ABORDAGENS O CAMPO DA HISTÓRIA: ESPECIALIDADES E ABORDAGENS Maria Abadia Cardoso * Universidade Federal de Uberlândia UFU ma_cardoso_h@hotmail.com O cotidiano dos historiadores é marcado pela necessidade de reinstituir

Leia mais

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO Nível de Ensino/Faixa Etária: 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, e todas as séries do Ensino Médio Áreas Conexas: História, Geografia, Sociologia, Ciências Consultor: Rafael

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Curso de Relações Internacionais

Curso de Relações Internacionais UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE MARÍLIA Faculdade de Filosofia e Ciências Curso de Relações Internacionais 1 º. ano Disciplina: Introdução à História Profª Lidia M. V. Possas Lidia. M. V. Possas

Leia mais

HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997)

HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997) HISTÓRIA DE UMA INSTITUIÇÃO ESCOLAR: A ESCOLA RURAL CORONEL FIRMINO VIEIRA DE MATOS DA VILA MACAÚBA, DO MUNICÍPIO DE DOURADOS (1974-1997) Aline do Nascimento Cavalcante 1 RESUMO: Este trabalho tem como

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Alunas: Flávia Moreira da Silva Coordenadora: Sonia Kramer Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em

Leia mais

A educação do campo no currículo do curso de Pedagogia: bases legais e teóricas

A educação do campo no currículo do curso de Pedagogia: bases legais e teóricas EDUCAÇÃO DO CAMPO NO CURRÍCULO DO CURSO DE PEDAGOGIA: EXPERIÊNCIA PARA A AÇÃO DOCENTE EMANCIPADORA Resumo Maria Iolanda Fontana Universidade Tuiuti do Paraná Este artigo apresenta a inserção da Educação

Leia mais

Resenha do Livro O Campo da Antropologia no Brasil

Resenha do Livro O Campo da Antropologia no Brasil Resenha do Livro O Campo da Antropologia no Brasil Professor Mestre Douglas Mansur da Silva (Ciências Humanas e Sociais, UniFOA) douglas.silva@foa.org.br Dados do livro resenhado: Título da obra: O Campo

Leia mais

HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA. Resumo

HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA. Resumo HISTÓRIA DAS MULHERES NO BRASIL: TRAJETÓRIAS DE RECOMPOSIÇÃO DIDÁTICA Angela Ribeiro Ferreira UEPG Luis Fernando Cerri UEPG Resumo O problema central de discussão da pesquisa diz respeito a dois pontos:

Leia mais

PLANO DE ENSINO. RECURSOS: Quadro, giz, referências bibliográficas, material digitado e data-show.

PLANO DE ENSINO. RECURSOS: Quadro, giz, referências bibliográficas, material digitado e data-show. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA Licenciatura em História Disciplina: História Contemporânea I Semestre: 1º/2014 PLANO DE ENSINO EMENTA: Estudo das

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em diferentes contextos: a infância, a cultura contemporânea

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

ESTRATÉGIAS INTERDISCIPLINARES DE ENSINO E O ESTÁGIO SUPERVIOSIONADO

ESTRATÉGIAS INTERDISCIPLINARES DE ENSINO E O ESTÁGIO SUPERVIOSIONADO Formação de Educadores ESTRATÉGIAS INTERDISCIPLINARES DE ENSINO E O ESTÁGIO SUPERVIOSIONADO Marielda Ferreira Pryjma - PUCSP 1 Mirian Célia Castellain Guebert - PUCPR 2 Resumo A presente pesquisa foi desenvolvida

Leia mais

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1280 OS HISTORIADORES, SEUS LUGARES E SUAS REGIÕES: A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA UNICENTRO SOBRE A REGIÃO PARANAENSE Darlan Damasceno Universidade Estadual de Londrina Resumo.

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

EDITAL Nº 01. Programa de Pós-graduação em História (PPGHIS/UFPR) Processo de Seleção para vagas a ofertar em 2016

EDITAL Nº 01. Programa de Pós-graduação em História (PPGHIS/UFPR) Processo de Seleção para vagas a ofertar em 2016 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA Rua General Carneiro, 460, 7 o andar, sala 716 CEP 80060-150, Curitiba/PR, Brasil Fone/Fax: (41) 3360 5086

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Os estudos sobre a escravidão e as relações entre a História e o Direito

Os estudos sobre a escravidão e as relações entre a História e o Direito 6 Tempo Os estudos sobre a escravidão e as relações entre a História e o Direito Gizlene Neder * (coordenadora) João Luiz Duboc Pinaud ** Márcia Maria Menendes Motta *** Ronald Raminelli **** Sílvia Lara

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Aluna: Juliana Pereira da Silva Coordenadora: Sonia Kramer Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em

Leia mais

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Professora Elizabeth Johansen ( UEPG) Jessica Monteiro Stocco (UEPG) Tatiane

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDIÁTICA: PRODUÇÃO DOS MEIOS E CAPACITAÇÃO

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDIÁTICA: PRODUÇÃO DOS MEIOS E CAPACITAÇÃO TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA MIDIÁTICA: PRODUÇÃO DOS MEIOS E CAPACITAÇÃO AUTOR / AUTOR: Ricardo Alexino Ferreira INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade de São Paulo (USP) CORREIO ELETRÔNICO

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Relatório Anual: Avaliação Continuada 2005 - Ano Base 2004 Área de Avaliação: GEOGR AFIA

INTRODUÇÃO. Capes Relatório Anual: Avaliação Continuada 2005 - Ano Base 2004 Área de Avaliação: GEOGR AFIA Relatório Anual: Avaliação Continuada 5 - Ano Base INTRODUÇÃO. Optou-se neste relatório por manter na introdução, os dados históricos da área de Pós-graduação em Geografia, constante no relatório do triênio

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura em História Disciplina: Métodos e técnicas de pesquisa Histórica Carga Horária: 45h Teórica: 45h Prática: Semestre: 23.2 Professor: Reinaldo

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Produção Discente dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação (1992-1996) Palavras-chave: pós-graduação produção científica discentes

Produção Discente dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação (1992-1996) Palavras-chave: pós-graduação produção científica discentes Produção Discente dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação (1992-1996) Ida Regina C. Stumpf (PPGCOM/UFRGS) Sérgio Capparelli (PPGCOM/UFRGS) O trabalho analisa a produção discente dos cursos de pós-graduação

Leia mais

RETRATOS ESCOLARES: PRÁTICAS, IMAGENS E REPRESENTAÇÕES DE ESCOLA ENTRE O OFICIAL E O PRIVADO RESUMO

RETRATOS ESCOLARES: PRÁTICAS, IMAGENS E REPRESENTAÇÕES DE ESCOLA ENTRE O OFICIAL E O PRIVADO RESUMO 4420 RETRATOS ESCOLARES: PRÁTICAS, IMAGENS E REPRESENTAÇÕES DE ESCOLA ENTRE O OFICIAL E O PRIVADO RESUMO Rachel Duarte Abdala Universidade de Taubaté Universidade de São Paulo Este trabalho apresenta os

Leia mais

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão Eva Simone de Oliveira (acadêmica) e-mail: UNESPAR/Campo Mourão e- mail: Claudia Priori (Orientadora) INTRODUÇÃO

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL

AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL AS REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS DE ALUNOS DE LÍNGUA ESPANHOLA EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Élida Cristina de Carvalho Castilho 1 INTRODUÇÃO Indubitavelmente, questões sociais e econômicas sempre

Leia mais

A presença dos japoneses no Piauí. Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro

A presença dos japoneses no Piauí. Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro 1 A presença dos japoneses no Piauí Anderson Michel de Sousa Miura Áurea da Paz Pinheiro O tema deste artigo é a migração japonesa no Piauí, com destaque para as sobrevivências e rupturas na contemporaneidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2009 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

As Diferentes Interpretações da História 1. Resumo

As Diferentes Interpretações da História 1. Resumo As Diferentes Interpretações da História 1 Professor Dr. Gilmar Mantovani Maroso 2 Professora M.Sc. Cristina M. Zanferrari 3 Resumo Este artigo é uma discussão teórica sobre o fazer história, e objetiva

Leia mais

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

A INSERÇÃO DA HISTÓRIA CULTURAL NO CAMPO DA HISTÓRIA

A INSERÇÃO DA HISTÓRIA CULTURAL NO CAMPO DA HISTÓRIA HISTÓRIA CULTURAL: ESCRITAS, CIRCULAÇÃO, LEITURAS E RECEPÇÕES Universidade de São Paulo USP São Paulo SP 10 e 14 de Novembro de 2014 A INSERÇÃO DA HISTÓRIA CULTURAL NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: UMA

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

HISTÓRIA DA MATERNIDADE NO BRASIL: ARQUIVOS, FONTES E POSSIBILIDADES DE ANÁLISE.

HISTÓRIA DA MATERNIDADE NO BRASIL: ARQUIVOS, FONTES E POSSIBILIDADES DE ANÁLISE. HISTÓRIA DA MATERNIDADE NO BRASIL: ARQUIVOS, FONTES E POSSIBILIDADES DE ANÁLISE. Ana Paula Vosne Martins Departamento de História da Universidade Federal do Paraná Esta comunicação tem como objetivo apresentar

Leia mais

História na escola: o presente questiona o passado

História na escola: o presente questiona o passado História na escola: o presente questiona o passado Disciplina: História Selecionador: Antonia Terra de Calazans Fernandes Categoria: Professor História na escola: o presente questiona o passado Refletir

Leia mais

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia Diversidade, ensino de História e as práticas educativas na Educação Básica: uma abordagem histórica. ROSYANE DE OLIVEIRA ABREU A escola pública brasileira enfrenta hoje grandes desafios. A começar pela

Leia mais

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO Autora: Profª. Drª. Nilma Renildes da Silva UNESP - Bauru-SP-Brasil nilmarsi@fc.unesp.br Agências

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE MESTRADO E D I T A L - 2016 O Departamento de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro torna pública a abertura

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

Trajetórias da História Social e da Nova História Cultural: cultura, civilização e costumes no cotidiano do mundo do trabalho

Trajetórias da História Social e da Nova História Cultural: cultura, civilização e costumes no cotidiano do mundo do trabalho Trajetórias da História Social e da Nova História Cultural: cultura, civilização e costumes no cotidiano do mundo do trabalho Profa. Dra. Andrea Paula dos Santos Departamento de História e Mestrado em

Leia mais

O DESAFIO DA MULTIPLICIDADE: SABERES E PRÁTICAS DOCENTES

O DESAFIO DA MULTIPLICIDADE: SABERES E PRÁTICAS DOCENTES O DESAFIO DA MULTIPLICIDADE: SABERES E PRÁTICAS DOCENTES Drando. Daniel Ely Silva Barbosa Universidade Federal de Pernambuco historia1211@yahoo.com.br Introdução Na obra A expansão da História Barros trata

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

Aspectos Históricos da Educação Infantil Amazonense Pérsida da Silva Ribeiro Miki Moysés Kuhlmann Júnior

Aspectos Históricos da Educação Infantil Amazonense Pérsida da Silva Ribeiro Miki Moysés Kuhlmann Júnior Aspectos Históricos da Educação Infantil Amazonense Pérsida da Silva Ribeiro Miki Moysés Kuhlmann Júnior Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Universidade São Francisco campus Itatiba SP

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES

A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES A TRAJETÓRIA DA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE: DILEMAS E INDEFINIÇÕES Introdução Vilma Fernandes Neves Maria Auxiliadora Cavazotti Patrícia Andréia Fonseca de Carvalho Pitta Programa de Pós-Graduação

Leia mais

O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO

O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO O estado da arte sobre Psicologia Educacional/Escolar nas publicações do SciELO Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital Érico Lopes Pinheiro de Paula 1 Helena de Ornellas Sivieri-Pereira

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com Orientadora: Profa. Dra. Avanete Pereira Sousa 2

SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com Orientadora: Profa. Dra. Avanete Pereira Sousa 2 ACERVO, PATRIMÔNIO E MEMÓRIA: A DOCUMENTAÇÃO DA JUSTIÇA DO TRABALHO DE VITÓRIA DA CONQUISTA EXISTENTE NO LABORATÓRIO DE HISTÓRIA SOCIAL DO TRABALHO (LHIST/UESB) SANTOS, Emille Ribeiros 1 Email: emilleribeiro87@gmail.com

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO

A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO A AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NA PÓS-GRADUAÇÃO E O PROCESSO DE ORIENTAÇÃO RESUMO Maria Lucia Indjaian Universidade Presbiteriana Mackenzie Marcos T.Masetto Universidade Presbiteriana Mackenzie Este trabalho

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

Quando a educação constrói identidades: Brasil e Argentina no transcorrer dos séculos XIX e XX

Quando a educação constrói identidades: Brasil e Argentina no transcorrer dos séculos XIX e XX ASCOLANI, Adrián; VIDAL, Diana Gonçalves (orgs.). Reformas educativas no Brasil e na Argentina - ensaios de História Comparada da Educação (1820-2000). São Paulo: Cortez, 2009. Quando a educação constrói

Leia mais

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01 CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Turno: INTEGRAL Currículo nº 01 Autorizado pela Resolução CEPE n.º 226, DE 16.12.08. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação à distância

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA - PGD. Linha de Pesquisa: Discurso, memória e identidade Disciplina: Discurso e História

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROGRAMA GERAL DE DISCIPLINA - PGD. Linha de Pesquisa: Discurso, memória e identidade Disciplina: Discurso e História UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN CAMPUS AVANÇADO PROFª. MARIA ELISA DE A. MAIA - CAMEAM DEPARTAMENTO DE LETRAS DL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS PPGL Curso de Mestrado Acadêmico

Leia mais

1 Catálogo de Teses em CD Rom. Bireme. Ação Educativa. INEP, 1998 e 1999.

1 Catálogo de Teses em CD Rom. Bireme. Ação Educativa. INEP, 1998 e 1999. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL NOS PROGRAMAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ENTRE OS ANOS DE 1983 E 1998. Giandréa Reuss Strenzel Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO: O

Leia mais