O TURISMO SEXUAL INFANTO-JUVENIL: UM ESTUDO DA REALIDADE DA PRAIA DE PONTA NEGRA-NATAL/RN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TURISMO SEXUAL INFANTO-JUVENIL: UM ESTUDO DA REALIDADE DA PRAIA DE PONTA NEGRA-NATAL/RN"

Transcrição

1 1 O TURISMO SEXUAL INFANTO-JUVENIL: UM ESTUDO DA REALIDADE DA PRAIA DE PONTA NEGRA-NATAL/RN 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS EDUARDO FRANCO CORREIA CRUZ UFRN CHRISTIANNE MEDEIROS CAVALCANTE UFRN A temática trazida a lume reflete uma triste constatação de que a violência, contra a criança e o adolescente, transformou-se em algo comum, corriqueiro e que de certo modo passa despercebido pelas sociedades, trazendo um sentimento de repugnância e descontentamento pela realidade vivida por inúmeras pessoas em fase de formação, principalmente, quando se trata da modalidade mais aviltante de exploração do homem pelo homem, no caso, a exploração sexual contra crianças e adolescentes na sua modalidade turismo sexual. A violência na atualidade é uma das maiores preocupações no contexto internacional e nacional, deste modo, afetando a sociedade, grupos ou famílias e até o indivíduo de forma isolada. Fazendo parte da chamada questão social, ela revela formas de opressão e dominação ensejadoras de conflitos. Assim, deve ser analisada como um fenômeno polissêmico e controverso. A violência reside em tudo que pode imprimir sofrimento e destruição ao corpo do homem, bem como o que pode degradar ou causar transtornos à sua integridade psíquica (MORAIS, 1998), podendo ser aplicada por indivíduos contra indivíduos, manifestando-se de várias maneiras, demonstrando formas próprias de relações pessoais, sociais, políticas ou culturais. Um dos tipos de violência desta natureza é a sexual, que incide prioritariamente sobre as mulheres e crianças. Historicamente, percebe-se que essa problemática pela qual passa a criança e adolescente se desenvolveu e modificou de acordo com a dialética social que foi sendo traçada e delineada a partir das mudanças de posturas tomadas no decorrer dos tempos, seja evoluindo com pensamentos e ações, seja regredindo com ações regradas por intransigências. Contudo, o marco destas mudanças foi o advento da Revolução Francesa, onde surgiu a Declaração dos Direitos Humanos. Sob o prisma da evolução dos direitos, se observa que a situação das pessoas em fase de formação tomou caminhos bem diferenciados com o passar dos séculos e que muitos comportamentos estão intimamente relacionados com a questão política e cultural de uma determinada área. No Brasil, a partir do século XX foi evidenciando-se uma sensível melhoria na legislação ligada à criança em situação de exploração sexual. Apesar da sociedade como um todo não tenha acompanhado a evolução legal, principalmente, quando se trata das formas de exploração sexual infanto-juvenil, através do turismo sexual. Salientando que o turismo sexual é uma forma de exploração de crianças e adolescentes por visitantes, em geral, procedentes de países desenvolvidos ou mesmo turistas do próprio país, envolvendo a cumplicidade, por ação direta ou omissão do poder público, agências de viagem e guias turísticos, hotéis, bares, lanchonetes, restaurantes e barracas de praia, garçons e porteiros, postos de gasolina, caminhoneiros e taxistas, prostíbulos e casas de massagem, além da tradicional cafetinagem (Banco de Dados - CECRIA, 1996). Não se pode reduzir, contudo, a exploração sexual ao sexo-turismo que estigmatiza o estrangeiro como único agressor de crianças e adolescentes, colocando o brasileiro de fora da questão, quando sabemos que nem todos os turistas estrangeiros praticam tal atividade.

2 2 É preciso, ainda, situar a atividade do turismo sexual. Por exemplo, o turismo sexual infanto-juvenil, apesar de ser sempre perverso, é vivenciado diferentemente segundo a cultura do agressor e a do (a) crianças/adolescente explorado (a). Além dos malefícios que a modalidade turismo sexual causa às pessoas, há o aspecto da imagem do Brasil no exterior, onde é crescente a divulgação de que o país seja um paraíso do sexo. Inserida num contexto histórico-social e com profundas raízes culturais, o turismo sexual, uma das facetas do fenômeno violência sexual, atinge todas as faixas etárias, classes sociais e pessoas de ambos os sexos. Conforme se observa, ela ocorre universalmente, estimando-se que produza cerca de 12 milhões de vítimas mulheres anualmente, atingindo desde recém-natos até idosos (BEEBE, 1998). Cabe ressaltar que a própria preocupação em encarar o turismo como um segmento do conhecimento, tornou-se efetivo no Brasil na década de 1970, ao considerar-se como uma das chaves que abririam portas do desenvolvimento econômico, através da crescente movimentação e circulação de capital, cuja importância era reconhecida em todo o mundo (REJOWSKI, 2003). Com o passar dos tempos, se considerou que a atividade turística teve a sua impulsão trazendo consigo, muitas vezes, decorrente da falta de estruturação das ações, sérias mazelas, que denotam a total falta de interesse em se manter um turismo sustentável e com responsabilidade social. A própria representação social do turismo sexual, se confunde muitas vezes pela forma de divulgação da localidade turística, incidindo no imaginário daquele que detém a informação, de que o local turístico é receptivo a prática criminosa de turismo sexual infantojuvenil, talvez não tão abertamente, contudo, de forma sub-reptícia induz àquele a pensar que chegando ao seu destino, encontrará a obtenção de prazer. E corroborando com esse pensamento Paiva (2005, p.36): O turismo como uma das representações do lazer, recebeu forte influência do conteúdo pesado, perdurador da segmentação dos homens entre classes sociais e das representações dos interesses da classe hegemônica, refletida em estereótipos que tentam manter uma ordem. Muitos destes estereótipos são fáceis de identificar na publicidade turística. Esta grande expansão turística não deve ser vista somente como aumento de possibilidades financeiras e de desenvolvimento, porém, deve ser vista como catalisador de problemas de ordem estrutural, multifatorial referente à cidade. Dentre os problemas estruturais e fatoriais, verifica-se que o turismo sexual vem se tornando latente no cenário turístico natalense e principalmente quando, neste terrível cenário, encontram-se crianças e adolescentes. A face do turismo sexual infanto-juvenil se traduz em uma prática muito difundida, sob o aspecto do neocolonialismo que impera na realidade turística de países em desenvolvimento, ocasionando um aumento nas potencialidades de expansão de receitas, contrariamente as exportações tradicionais. O efeito multiplicador do neocolonialismo é a geração de empregos precarizados, bem como a curta maturação dos investimentos turísticos, contribuem para as mazelas causadas pela prática indiscriminada do turismo, não se considerando o aspecto de desenvolvimento regional, o que ocasiona muitas vezes o aumento de custos de vida, problemáticas atinentes a espaços urbanos, degradação do meio ambiente e a prostituição infanto-juvenil. Assim, no dizer de Paiva (2005, p. 47):

3 3 O neocolonialismo pode ser constatado não somente quando é confundido com hospitalidade, mas nas ações de empresários e de governos, que procuram captar investidores em empreendimentos turísticos. [...]. Outros efeitos danosos acentuados pelo turismo são a prostituição, a violência e a saúde pública. A grande questão envolvendo a prática do turismo sexual infanto-juvenil é a vinculação que é dada ao corpo de pessoas em fase de desenvolvimento, para tanto se deve considerar que o corpo é um vetor semântico pelo qual se evidencia a relação com o mundo, através de atividades que são construídas, expressões de sentimentalidades, jogos sutis de sedução, de acordo com Le Breton (2007). É amplamente estudada a sociologia do corpo, porém é importante citar o valor simbólico dado ao corpo infanto-juvenil, que no conceito do violador exerce um considerável desejo. Ao considerar a sexualidade inerente a esta fase de crescimento como um símbolo exercendo núcleo de um sistema cultural, onde se forma pensamentos, idéias e outras maneiras de representar a realidade. Nesse contexto, analisa-se que a expressão corporal é algo modulável, sendo vivida de acordo com o estilo particular de cada indivíduo, o turismo sexual infanto-juvenil tende a moldar a corporalidade de acordo com o contexto social vivido, fazendo uma mudança de posturas por parte de crianças e adolescentes, acarretando uma artificialidade nos seus gestos e sensações, conforme depreende Le Breton (2007, p.66): A expressão corporal é socialmente modulável, mesmo sendo vivida de acordo com o estilo particular de cada indivíduo. Os outros contribuem para modular os contornos de seu universo e a dar ao corpo o relevo social que necessita, oferecem a possibilidade de construir-se inteiramente como ator do grupo de pertencimento. No interior de uma mesma comunidade social, todas as manifestações corporais do ator são virtualmente significantes aos olhos dos parceiros. Elas o têm sentido quando relacionadas ao conjunto de dados da simbologia própria do grupo social. Não há nada de natural no gesto e na sensação. Essa falta de autenticidade nas expressões do corpo nos conduz a situação de vulnerabilidade sócio-afetiva presente nas atividades desenvolvidas pelo turismo sexual infanto-juvenil. Verifica através dos dados do Centro de Referência, Estudos e Ações sobre Criança e Adolescentes-CECRIA que parte considerável das crianças e adolescentes envolvidas no turismo sexual tem histórico de violência sexual intra-familiar em certa fase de seu desenvolvimento, não somente corpóreo, mas psíquico, tiveram os seus corpos e mentes violados, e posteriormente, muitas vezes por uma necessidade econômica, vivenciam a prática do turismo sexual. A busca por uma nova realidade, muitas vezes induz a se buscar através da prostituição uma mudança de padrões, em que muitas vezes é fomentada pela própria sociedade. Essa mudança não se diz somente a questão de ascensão de padrão econômico, mas acima de tudo de valores que são inerentes ao adulto em que o conceito de liberdade é muitas vezes difundido e estimulado entre as crianças e adolescentes inseridas no turismo sexual, conforme assevera Baitello (2003): O ser humano jovem é chamado cada vez mais cedo ao acesso irrestrito dos padrões informacionais e comportamentais adultos. A criança e o adolescente

4 4 são irrestrita e irrefletidamente vistos como "consumidores" e submetidos a um arsenal de imagens educacionais, informacionais, comportamentais, publicitárias e comerciais sem precedentes na história. Os mais recentes meios eletrônicos franquearam aos adolescentes e crianças as portas de acesso a mundos de inimaginável complexidade e incalculável risco, a conteúdos de sedução inconseqüente, a relatos e documentos imagéticos sobre fatos ou práticas assustadoramente cruéis. Analisando essa realidade, verifica-se que surgiu o arquétipo da criança e adolescente prostituído que passa a idéia de um ser com maior fragilidade, insipiência afetiva, com maior inexperiência de vida, trazendo para o imaginário do abusador elementos para através da dominação buscar o prazer, razão pelo qual não se deve dissociar a prostituição infantil da violência. 2. ANÁLISE E INTERPRETAÇÕES DOS RESULTADOS DA PESQUISA Diante desse cenário, elaboramos a presente pesquisa com o objetivo de investigar e analisar o turismo sexual infanto-juvenil na realidade da praia de Ponta Negra-Natal/RN, que para tanto utilizou-se de levantamento bibliográfico, observação assistemática registradas no diário de campo e aplicação de questionário semi-estruturado junto a cem crianças e adolescentes que são vítimas dessa prática ilegal, realizada entre outro a dezembro de Através de análise se constatou que a realidade impõe que a prostituição envolvendo crianças e adolescentes haja uma maior incidência de pessoas na faixa entre 11 e 16 anos de idade conforme gráfico abaixo: 28% 2% 70% 06 a 10 anos 11 a 16 anos 17 a 18 anos Fonte: coleta de dados direta dezembro de 2006 Sabe-se que há uma imposição do mercado do sexo que considera meninas de 17 anos de idade, muito velhas para o turismo sexual, além de ficar evidenciado que o maior quantitativo em termos de gênero é do sexo feminino, que atinge 95% e apenas 5% são do sexo masculino, conforme. Outro dado relevante é em relação à incidência maior de turismo sexual infantojuvenil estar centralizada no calçadão da Avenida Erivan França, conhecido por Calçadão de Ponta Negra, conforme gráfico II abaixo:

5 5 14% 3% 13% 70% Calçadão Pousada/hotéis Ruas do bairro de Ponta Negra Restaurantes/bares Fonte: idem Nestes locais existe um esquema elaborado no agenciamento de crianças e adolescentes, onde nas pousadas e hotéis é facultado o livre acesso, sem que haja a observância de documentação muitas vezes falsificada. Além do agenciamento de alguns taxistas e garçons de bares e restaurantes que gratificam as crianças e adolescentes para conduzirem clientela para os seus pontos comerciais. Esta realidade evidencia a incúria do poder público, a fragmentação, fragilidade, ineficiência das políticas públicas no que se refere à prevenção e ao combate dessa prática criminosa. Quanto ao perfil do agressor conforme gráfico a seguir: 7% 93% Masculino Feminino Gráfico III - Sexo do agressor Fonte: Idem Verifica-se uma quantidade pequena de mulheres que buscam o turismo sexual, e de acordo com as crianças e adolescentes, esta quantidade vem aumentando consideravelmente, chegando a ponto de haver meninas que somente se relacionam com

6 6 mulheres, desta forma configurando um mercado em franca ascensão. Já em questão da idade tem-se: 5% 5% 29% 61% 29 a 33 anos 34 a 39 anos 40 a 44 anos 45 a 49 anos Gráfico IV - Sexo do agressor Fonte: Idem Percebe-se que a maioria dos agressores possuem idade média de 40 a 44 anos, são em sua grande parte turistas espanhóis, portugueses e italianos; verifica-se que os escandinavos não figuram segundo as pesquisadas como pessoas que buscam o turismo sexual. 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Constatou-se que as ações que fomentem a prática de turismo sexual infantojuvenil, por si só, trazem seqüelas irreversíveis, além dos custos sociais que todos estes atos acarretam, muitas vezes mascaradas pela possibilidade de benefícios de ordem econômica e de melhoria da qualidade de vida da população (Silva, 2001). Melhoria econômica dissimulada em prejuízos de pessoas em fase de formação, que muitas vezes iludidas por um aumento significativo do padrão de vida em alguns casos. A violência e o corpo no turismo sexual são objetos interelacionados de uma mesma realidade que trazem histórias, de quebra de direitos, anulação e violação de crianças e adolescentes em que a prostituição se torna a concretização do que corresponde uma falsa civilização, na qual se torna objeto de passatempo e de comercialização de pessoas que buscam a obtenção de prazer de forma vil em que no imaginário dos abusadores o corpo infantil sempre exerceu uma influência marcante nas suas práticas, desconsiderando os prejuízos causados em pessoas em fase de formação, mesmo que para isso, a violência física ou simbólica sejam utilizadas na satisfação de seus desejos. Assim, a temática trazida a lume reflete uma triste constatação de que a violência, contra a criança e o adolescente, transformou-se em algo comum, corriqueiro e que de certo ponto passa despercebido pelas pessoas, que passam pelo problema, não existindo no seio da sociedade o sentimento de repugnância e descontentamento pela realidade vivida por inúmeras pessoas em fase de formação; principalmente, quando se trata da modalidade mais aviltante de exploração do homem pelo homem, no caso a violência sexual contra crianças e adolescentes, na sua modalidade turismo sexual.

7 7 REFERÊNCIAS BAITELLO Júnior, Norval. A violência invisível na era da visibilidade: a mídia, a senilização e a violência infanto-juvenil, in Complexidade à flor da pele: ensaios sobre ciências, cultura e comunicação. GALENO, Alex. CASTRO, Gustavo de. SILVA, Josimey Costa da. São Paulo: Cortez BEEBE DK. Sexual Assault: the physicians role in prevention and treatment. J. Miss State Med Assoc, BRASIL, Estatuto da criança e do adolescente comentado. 5 ed. São Paulo: Malheiros Editores BRASIL, Constituição da República Federativa do. 10 ed. Brasília, DF. Câmara dos Deputados, CHACÓN L. La mujer prostituta, cuerpo de suciedad, fermento de muerte: reflexiones en torno a algunos rituales de purificación. Cienc Soc, DO BEM, Arim Soares. A dialética do turismo sexual. Campinas, São Paulo. Papirus Editora, GOMES, Romeu. A violência enquanto agravo à saúde de meninas que vivem nas ruas. Cadernos de Saúde Pública. v.10. supl.1. Rio de Janeiro, LE BRETON, David. A sociologia do corpo.. 2ª edição. Tradução de Sônia M.S. Fuhrmann. Petrópolis, RJ. Vozes PAIVA, Maria das Graças de Menezes V. Sociologia do Turismo. Campinas, São Paulo. Papirus Editora. 9ª. Edição REJOWSKI, Miriam. Turismo e pesquisa científica: pensamento internacional X situação brasileira. Campinas, São Paulo. Papirus Editora. 7ª. Edição SAFFIOTI H. Exploração sexual de crianças. In: Azevedo MA, Guerra VN de A. Crianças vitimizadas: a síndrome do pequeno poder. São Paulo: Iglu, p SILVA, Yolanda Flores e. Pobreza, violência e crime Conflitos e impactos sociais do turismo sem responsabilidade social. In Turismo e Responsabilidade Social: Uma visão antropológica. Balducci Jr. Álvaro; Barretto, Margarida (orgs.) Campinas, São Paulo. Papirus Editora, 2001.

Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio

Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio A exploração é caracterizada pela relação sexual de criança ou adolescente com adultos, mediada por

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Direitos Sexuais de Crianças e Adolescentes Direitos sexuais são direitos humanos universais; Baseiam-se no direito à liberdade, à dignidade e à igualdade para

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Turismo sexual no Ceará Marcus Vinícius Amorim de Oliveira* 1. Introdução Nosso país é privilegiado porque pode contar com uma infinidade de atrativos naturais: praias paradisíacas,

Leia mais

Malabaristas Equilibristas infantis lutando por uma vida digna

Malabaristas Equilibristas infantis lutando por uma vida digna Malabaristas Equilibristas infantis lutando por uma vida digna Autor: Alexandre Pontieri (Advogado, Pós-Graduado em Direito Tributário pela UNIFMU-SP, Pós-Graduado em Direito Penal pela ESMP-SP) Publicado

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal. Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação-Porto\Portugal Discente: Genaina Bibiano Vieira Disciplina: Desenvolvimento Humano Uma perspectiva comportamental em Adolescentes Obesos: Brasil x Portugal

Leia mais

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes

Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Exploração Sexual Comercial de Crianças as e Adolescentes Gorete Vasconcelos go_vasconcelos@yahoo.com.br Marcos Históricos e Políticos Código de Menores /1927 Doutrina da Situação Irregular; Declaração

Leia mais

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE

MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE MULHERES IDOSAS E AIDS: UM ESTUDO ACERCA DE SEUS CONHECIMENTOS E SITUAÇÕES DE VULNERABILIDADE Karolayne Germana Leal e Silva e-mail: karolaynegermana@hotmail.com Magna Adriana de Carvalho e-mail: magnacreas@hotmail.com

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES Werena de Oliveira Barbosa Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC werena19@hotmail.com Juliana

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR"

Mostra de Projetos 2011 UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR" Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos

Leia mais

A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A SATISFAÇÃO DA APARÊNCIA CORPORAL MASCULINA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Emília Amélia Pinto Costa da Silva;Priscilla Pinto Costa da Silva; Petrucio Venceslau de Moura;Talita Grazielle Pires de Carvalho;

Leia mais

Fraternidade e Tráfico Humano: Tráfico Humano é uma Chaga Social

Fraternidade e Tráfico Humano: Tráfico Humano é uma Chaga Social Fraternidade e Tráfico Humano: Tráfico Humano é uma Chaga Social Prof. Casemiro Campos O tráfico de pessoas é uma chaga social. Tem a sua caracterização por se constituir um fenômeno com dimensões complexas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011

AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011 AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO TURÍSTICA E HOTELEIRA NOS DISTRITOS SEDE E ITAIPAVA NO MUNICÍPIO DE PETRÓPOLIS PÓS-CATÁSTROFE DE JANEIRO DE 2011 Leandro de Araújo Dias Lélio Galdino Rosa Sharon Fanny Nogueira

Leia mais

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas.

Palavras-chaves: denuncia, consumo de álcool, consumo de drogas. VIOLENCIA CONTRA A MULHER E A DEPENDENCIA FINACEIRA. UM ESTUDO DE CASO NO MUNICIPIO DE PITANGA. MARLY APARECIDA MAZUR MACHADO/UNICENTRO E-MAIL: maymazur@outlook.com SIMÃO TERNOSKI (ORIENTADOR)/UNICENTRO

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRA DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DE

Leia mais

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes 18 de Maio Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Denuncie. Faça sua parte! Ficha Técnica União Norte Brasileira

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1

PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1 PROJETO DE EXTENSÃO CIDADANIA PARA TODOS: PEDOFILIA NA INTERNET 1 Danielli Regina Scarantti 2, Lurdes Aparecida Grossmann 3. 1 Projeto de extensão Cidadania Para Todos realizado no curso de Graduação em

Leia mais

ENTREVISTA COM A CRIANÇA / ADOLESCENTE E A FAMÍLIA

ENTREVISTA COM A CRIANÇA / ADOLESCENTE E A FAMÍLIA ENTREVISTA COM A CRIANÇA / ADOLESCENTE E A FAMÍLIA Se possível, a criança deve ser entrevistada separadamente. O entrevistador deve ser sensível aos possíveis temores e apreensões da criança quando discutir

Leia mais

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes

Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes Como o Brasil enfrenta a exploração sexualcomercial de crianças e adolescentes 1. Introdução Fenômeno dos mais graves de nosso tempo, a exploração sexual-comercial de crianças e adolescentes não deve ser

Leia mais

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Igualdade significa Negócios

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Igualdade significa Negócios Princípios de Emponderamento da Mulheres Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Igualdade significa Negócios Denuncie DISQUE DIREITOS HUMANOS 100 2 Campanha de Prevenção à Violência Sexual contra

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR E COLETIVO

PROJETO DE EXTENSÃO PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR E COLETIVO PROJETO DE EXTENSÃO PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: A ESCOLA COMO ESPAÇO DE CONSTRUÇÃO DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR E COLETIVO Área: SERVIÇO SOCIAL Categoria: EXTENSÃO Cristiane

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito 9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Imagem Corporal no Envelhecimento Maria João Sousa e Brito Envelhecimento Envelhecer não é difícil difícil é ser-se velho Goethe O prolongamento da vida coloca novos cenários,

Leia mais

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa.

Palavras-chave: Representação. Homem. Publicidade. Semântica Argumentativa. REPRESENTAÇÃO MASCULINA NA PUBLICIDADE BRASILEIRA: UM ESTUDO SEMÂNTICO-ARGUMENTATIVO Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: A publicidade, assim como

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN Tristes Olhos 1 Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO O presente trabalho trata-se de um registro fotográfico realizado

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 385 VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: ESTUDO EXPLORATÓRIO E REFLEXIVO NO CREAS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE

Leia mais

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero

Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Competência dos JVDFM nos casos de criança ou adolescente do sexo feminino vítima de violência de gênero Alice Bianchini Doutora em Direito Penal (PUC-SP). Mestra em Direito (UFSC). Coeditora do Portal

Leia mais

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL

CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL CARTA DA IGUALDADE 11 COMPROMISSOS PARA UM TERRITÓRIO MAIS IGUAL PREÂMBULO A igualdade das mulheres e dos homens é um direito fundamental para todos e todas, constituindo um valor capital para a democracia.

Leia mais

São Paulo, 19 de abril de 2011

São Paulo, 19 de abril de 2011 São Paulo, 19 de abril de 2011 À Allie Comercial Ltda. A/c: Departamento Jurídico Rua Comendador Miguel Calfat, 307. Vila Nova Conceição São Paulo - SP 04537 081 Ref.: Apresentação do Projeto Criança e

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

A nova leitura feminina: o que as adolescentes estão lendo? Eixo temático Livre

A nova leitura feminina: o que as adolescentes estão lendo? Eixo temático Livre A nova leitura feminina: o que as adolescentes estão lendo? Cintia Kath Blank 1 Ana Paula Damasceno 2 Eixo temático Livre RESUMO Observa-se na história da leitura feminina hábitos de leitura estabelecidos

Leia mais

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão,

Leia mais

Soraya Oliveira 3. Palavras Chaves: Gênero; Violência intrafamiliar; Políticas Públicas

Soraya Oliveira 3. Palavras Chaves: Gênero; Violência intrafamiliar; Políticas Públicas Violência intrafamiliar baseada em gênero com implicação de risco de vida: mulheres abrigadas na Casa Abrigo Maria Haydeé / Rio Mulher / Rio de Janeiro 1 Alcides Carneiro 2 Soraya Oliveira 3 Palavras Chaves:

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública

TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública TRAFICO DE PESSOAS Subsídios para proposição de ações e políticas de segurança pública Documento enviado ao Conselho de Segurança do Estado do Pará (Consep) Belém, outubro de 2013. Redação: Jaqueline Almeida

Leia mais

Módulo: Indicadores de Segurança Pública. Palestrante: Renato Sérgio de Lima

Módulo: Indicadores de Segurança Pública. Palestrante: Renato Sérgio de Lima Módulo: Indicadores de Segurança Pública Palestrante: Renato Sérgio de Lima Recente publicação de Fórum Brasileiro de Segurança Pública (2007 e 2008) afirma que não existe no Brasil um canal de disseminação

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Crédito: Elza Fiúza/Agência Brasil

Crédito: Elza Fiúza/Agência Brasil Crédito: Elza Fiúza/Agência Brasil PESQUISA FECOMÉRCIO PIRATARIA EM SANTA CATARINA 2014 Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina Pesquisa Fecomércio Pirataria em Santa Catarina

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012

CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012 CURSO DE ENFERMAGEM EDITAL DE CHAMADA PARA A V MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE ENFERMAGEM Nº 05 /2012 A Coordenação do Curso de Enfermagem da Fanor- DeVry Brasil, no uso de suas atribuições,

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Carta Política Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Brasil - 2014 Nós, mulheres de diversas localidades e comunidades de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo, que há muito

Leia mais

VIOLÊNCIAS COMETIDAS CONTRA CRIANÇAS NOS MUNICÍPIOS DE CIANORTE,

VIOLÊNCIAS COMETIDAS CONTRA CRIANÇAS NOS MUNICÍPIOS DE CIANORTE, VIOLÊNCIAS COMETIDAS CONTRA CRIANÇAS NOS MUNICÍPIOS DE CIANORTE, Dr. CAMARGO, MARIALVA E OURIZONA, REGIÃO NORTE DO PARANÁ, NO PERÍODO DE 1999-2004. NALESSO, A.P.P. 1 ; CASTILHO, C.F.V., PICOLO, C.A.D.;

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL UMA QUESTÃO ESSENCIAL AOS DIREITOS HUMANOS Kátia Magalhães Arruda 2 TRABALHO INFANTIL 200 milhões de crianças e adolescentes em situação de exploração no mundo No Brasil

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA

NÚCLEO DE ESTUDOS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR CONTRA A MULHER NA CIDADE DE PONTA GROSSA 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher

ESPECIAL 2014. SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da Mulher ESPECIAL 2014 SAÚDE da MULHER APRESENTAÇÃO A mulher redefiniu seu papel na sociedade e tem hoje grandes desafios e variadas demandas que terminam por impactar no seu estilo

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA

PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA PROPOSTA DE RECOMENDAÇÃO PROPONENTE: CONSELHEIRO WALTER DE AGRA JÚNIOR- PRESIDENTE DA COMISSÃO DA INFÂNCIA E JUVENTUDE JUSTIFICATIVA A Recomendação ora apresentada se faz necessária para que o Ministério

Leia mais

A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003

A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003 A MUDANÇA DO PERFIL HOTELEIRO DE CURITIBA ANÁLISE DO PERÍODO 1920 A 2003 Erika Gisele Lotz. Universidade Tuiuti do Paraná e Faculdades Spei Curitiba R. General Aristides Athaide Jr. 414 apto. 308 Curitiba

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA GRUPOS E CENTROS DE CONVIVÊNCIA DE PONTA GROSSA: PERFIL E DEMANDAS DA PESSOA IDOSA Fabiana Vosgerau

Leia mais

PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA RELAÇÃO DE CONSUMO E PRAZER PARA O PÚBLICO JOVEM

PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA RELAÇÃO DE CONSUMO E PRAZER PARA O PÚBLICO JOVEM PROPAGANDAS DE CERVEJA: UMA RELAÇÃO DE CONSUMO E PRAZER PARA O PÚBLICO JOVEM Autoras: Profª Ms. Mayara Arina Bertolo UNIMEP Profª. Drª. Liana Abrão Romera UFES Por questões culturais as bebidas alcoólicas

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI

AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI INTRODUÇÃO Luana Kelle Batista Moura NOVAFAPI* Francisca Tereza Coelho Matos NOVAFAPI** A Biossegurança é

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaella Oliveira SILVA; Ananda Luiza Bezerra DESTRO; Cecilia Yade Nogueira ALVES; Marlini Dorneles de LIMA. FEF litlle_rafaella@hotmail.com Palavras-chaves:

Leia mais

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da

elementos para refletirmos a respeito da liberdade do corpo da prostituta na prática da PROSTITUIÇÃO E A LIBERDADE DO CORPO 1 Primeiramente quero agradecer o convite e falar que estou encantada de falar deste tema para uma platéia tão especial. Bom, na minha comunicação pretendo levantar

Leia mais

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA

VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR CONTRA

Leia mais

BULLYING: UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS

BULLYING: UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS BULLYING: UMA QUESTÃO DE DIREITOS HUMANOS Luiz Gustavo Fabris Ferreira 1 1. Introdução. 2. Conceito e caracterização do bullying. 3. Tipos de bullying e perfil dos agressores e vítimas. 4. O bullying e

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR

PROGRAMA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PAIR Presidência da República Secretaria de Direitos Humanos Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Departamento de Políticas Temáticas dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

SUELÍ GIÃO PACHECO DO AMARAL Departamento de Fundamentos do Serviço Social Faculdade de Ciências Sociais

SUELÍ GIÃO PACHECO DO AMARAL Departamento de Fundamentos do Serviço Social Faculdade de Ciências Sociais 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS 6.10.00.00-0 SERVIÇO SOCIAL PROSTITUIÇÃO: OPÇÃO OU DETERMINAÇÃO SOCIAL? * ISABEL BERNARDES FERREIRA Curso de Serviço Social Faculdade de Ciências Sociais MAYRA CARDOSO

Leia mais

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS:

Revista Pandora Brasil O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: 32 Revista Pandora Brasil Home Índice Minicurrículos dos autores O JOVEM, O ÁLCOOL, A ESCOLA E SEUS ENTORNOS: MODELOS DE PREVENÇÃO E CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA AMBIENTAL UM ENSAIO Aurélio Fabrício Torres

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande:

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: HELENA CATÃO H. FERREIRA * Ao mesmo tempo em que podemos observar um refazer constante de resgates de memórias

Leia mais

MINUTA MATRIZ DE VULNERABILIDADE E RISCO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

MINUTA MATRIZ DE VULNERABILIDADE E RISCO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO MINUTA MATRIZ DE VULNERABILIDADE E RISCO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO As famílias usuárias da política pública de assistência social, foram, ao longo da história dessa política identificadas

Leia mais

FONTE: http://www.caminhos.ufms.br/noticias/view.htm?a=1290

FONTE: http://www.caminhos.ufms.br/noticias/view.htm?a=1290 FONTE: http://www.caminhos.ufms.br/noticias/view.htm?a=1290 REPORTAGEM: Exploração sexual infanto-juvenil: um problema, cinco dimensões Equipe Caminhos Quinta-feira, 19 de janeiro de 2006, 12:00 O Caminhos

Leia mais

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG

Planejamento e estratégia em turismo. Antonio Liccardo - UEPG Planejamento e estratégia em turismo Antonio Liccardo - UEPG O desenvolvimento do turismo impõe uma permanente articulação entre os diversos setores, públicos e privados, relacionados à atividade, no sentido

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA

ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA ENSINANDO DIREITOS HUMANOS NA EJA: LIMITES E DESAFIOS DE UMA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA Maria Elizete Guimarães Carvalho 1 Resumo Discute as experiências vivenciadas no Projeto de Extensão Educando Jovens

Leia mais

Apresentação de dados aos alunos (material complementar à atividade 12, Módulo 1-B do Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil)

Apresentação de dados aos alunos (material complementar à atividade 12, Módulo 1-B do Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil) Apresentação de dados aos alunos (material complementar à atividade 12, Módulo 1-B do Curso Online A Escola no Combate ao Trabalho Infantil) Relatório Resumido Equipe: Instituição: Sonia Aparecida Sette

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA SEGUNDO A PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DA REDE PÚBLICA INCLUSOS NO PROJOVEM ADOLESCENTE Angélica da Silva Santos 1, Cicera Rócila Pereira Araújo¹, Lourdes Lanes Ferreira Pereira¹,

Leia mais

MAUS TRATOS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

MAUS TRATOS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA MAUS TRATOS NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Gabriela Azevedo Marques da Cunha ¹ Selma Dantas Teixeira Sabra ² É uma problemática complexa que envolve na sua etiologia vários fatores individuais, sociais, culturais

Leia mais

Grupo de Trabalho: Temas Livres

Grupo de Trabalho: Temas Livres ATIVIDADE FÍSICA, LAZER E SAÚDE NA ADOLESCÊNCIA: POSSÍVEIS APROXIMAÇÕES Alipio Rodrigues Pines Junior (alipio.rodrigues@gmail.com) Grupo Interdisciplinar de Estudos do Lazer - GIEL/USP/CNPq Tiago Aquino

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E. Pinheiro de Brida. Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato

SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E. Pinheiro de Brida. Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato 1 SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM MENINOS E MENINAS Glaucia Valéria Pinheiro de Brida Nayara Maeda Juliana dos Santos Bombardi Mariana Mendes Bonato SOFRIMENTO PSÍQUICO E VIOLÊNCIA SEXUAL EM

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais