Design, moda e vestuário no século XIX ( ).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Design, moda e vestuário no século XIX (1801-1850)."

Transcrição

1 Design, fashion and clothing in the nineteenth century ( ). Oliveira, Vanessa Melo; Universidade Anhembi Morumbi. Faria, José Neto de; Ms.; Universidade Anhembi Morumbi. Navalon, Eloize; Ms.; Universidade Anhembi Morumbi. Resumo A primeira metade do século XIX vivenciou a proliferação de importantes movimentos estéticos, como o Neoclassicismo e o Romantismo, que, assim como a moda dessa época, buscaram referências na Antiguidade Clássica. O presente artigo aborda esses movimentos, descreve a moda da época e tenta traçar um paralelo, mostrando as referências que podem ser encontradas em comum. Palavras Chave: design; moda; romantismo e neoclassicismo. Abstract The first half of the nineteenth century experienced a proliferation of important aesthetic movements such as Neoclassicism and Romanticism, which sought references in The Classical Antiquity as well as the fashion of that time. This article discusses these movements, describes the fashion of the time and makes a parallel, showing the references that can be found in common. Keywords: design; fashion; romanticism and neoclassicism.

2 Introdução. O século XIX foi marcado pelo espírito da renovação. A Revolução Francesa e o período napoleônico, que finaliza em 1815 com sua derrota em Waterloo, trouxeram transformações para toda a Europa. A França passa a ser governada por uma Assembleia representativa, a qual instaura um novo conjunto de leis. Ocorrem muitas mudanças também devido ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia, contribuindo para a construção das grandes fábricas, impulsionadas por potentes máquinas a vapor e mão de obra barata. A invenção do telefone, em 1876, e a pavimentação das ruas são alguns exemplos desse desenvolvimento. Os avanços tecnológicos também impulsionaram muito o mercado da moda, com o início da produção em massa. Durante a mesma época surge o Romantismo que influenciou a arte e a moda. Os românticos pregavam o sentimento e a emoção como contraponto ao espírito que estava se estendendo, de independência capitalista. O Historicismo foi outro movimento artístico presente na moda do século XIX que estudou as diferentes formas que a moda reviveu, reinterpretando estilos de séculos anteriores. Os delicados vestidos de musseline, leves e soltos, refletem modelos neoclássicos, inspirados nas estátuas gregas e romanas. Outra influência adotada foi o gosto pelo design escocês, devido ao grande interesse que o vestido antigo da Escócia despertava. O presente artigo abordará também, a moda da primeira metade do século XIX, mostrando as várias mudanças ocorridas, principalmente na silhueta feminina e na grande introdução de ornamentos. Será possível observar também que a moda aderiu a muitas influências dos movimentos estéticos artísticos, e se tornará bastante relevante a compreensão da relação entre essas duas áreas estéticas, e o aprofundamento no entendimento de como ocorreram as várias mudanças no vestuário desse período. Metodologia. Este trabalho é o resultado de uma pesquisa teórica, qualitativa, dedutiva e indutiva que buscava compreender as características dos movimentos artísticos, Romantismo e Neoclassicismo e a história da moda da primeira metade do século XIX e destacar as influências que esses movimentos despertaram na moda. A pesquisa foi dividida, para poder ser desenvolvida, em cinco momentos: pesquisa do referencial teórico; pesquisa e coleta de dados relevantes; organização, classificação e análise dos dados; análise dos resultados da pesquisa; e reflexão e descrição dos resultados da pesquisa. Romantismo/Neoclassicismo ( ). O termo Romantismo deriva da palavra romance, utilizado para dar nome a um tipo de histórias de aventuras medievais, característicos do final do século XVIII. Contudo, o Romantismo não se refere a um estilo específico, mas a uma atitude de espírito em um conceito mais amplo. O propósito do romantismo era acabar com os artifícios que barravam o regresso à natureza. Para os participantes desse movimento, a natureza era desmedida, selvagem, sublime e pitoresca. Foi com base nela que os românticos adotaram o poder, a liberdade e tudo o que lhes inspirava a exaltação e o entusiasmo. No entanto, precisava de um estilo para se basear, mas não um de seu tempo, por isso recua a um passado ao qual se sente ligado por uma certa afinidade, favorecendo a revitalização de mais de um estilo.

3 O movimento apareceu com o fim do ciclo clássico, que está ligado revisitação da arte do mundo antigo, greco-romano, no qual enxerga a relação dos homens com a natureza como sendo clara e positiva. Destaca-se nesse período a transformação das tecnologias e da organização da produção econômica, com consequências que surgem na ordem social e política. Sem dúvida, o nascimento da tecnologia industrial coloca em crise o artesanato e suas técnicas refinadas e individuais, transformando as estruturas da arte, que constituem o modelo de produção artesanal. Uma das principais causas da crise da arte foi a passagem da tecnologia do artesanato para a tecnologia industrial fabril, que se baseia na ciência e age sobre a natureza de forma mais incisiva, transformando o ambiente. O período que vai da metade do século XVIII até a metade do século XIX pode ser dividido da seguinte maneira: fase pré-romântica, com a paralela poética alemã do Sturm und Drang 1 ; fase neoclássica, coincidindo com a Revolução Francesa e o império napoleônico; e a reação romântica, paralela aos movimentos de independência nacional, com as primeiras reivindicações operárias entre 1820 e O Neoclassicismo faz parte do processo de formação do Romantismo, segundo o qual a arte não é derivada da natureza e sim da própria arte. Uma característica importante do Neoclassicismo é o revival das artes da Antiguidade clássica, conforme mostra a figura 01. Essa releitura pôde ser observada também em outras áreas, como na moda. As duas principais referências do retorno à arte clássica são Roma e Paris. A primeira sendo o principal foco no estudo do neoclassicismo. Figura 01 - 'Igreja da Madeleine' de Barthelémy Vignon em Paris, de 1806, com referências clássicas (MIRABENT, 1991, p.16); e cadeira de Samuel Cragg, de 1808 (TORRENTY; MARÍN, 2005, p.46). Para os neoclássicos a arte era uma atividade mental, diferente da racional, mais autêntica. O Neoclassicismo não é uma estilística, mas uma poética; prescreve uma determinada postura, também moral, em relação à arte e, mesmo estabelecendo 1 Movimento de poetas jovens alemães do final do século XVIII.

4 certas categorias ou tipologias, permite aos artistas certa liberdade de interpretação e caracterização (ARGAN, 2006, p.23). Desde que a ciência e técnica vêm se impondo, a burguesia industrial iniciou sua rápida ascensão. Os artistas começaram a perceber que as técnicas industriais, proporcionam uma grande força criativa. O interesse pelo mundo clássico vem desde o final do século XVII. Quando Shaftesbury ( ) defendia que era possível achar soluções adequadas para problemas estéticos de seu período. Winckelmann ( ) juntamente com A. R. Mengs ( ) tomaram como base as ideias de Shaftesbury e direcionaram-se a um conhecimento mais amplo da Antiguidade. Winckelmann deu início a um novo ideal de beleza, baseado nas obras gregas, pois acreditava serem caracterizadas por simplicidade e grandeza. Mengs por sua vez foi influenciado por Winckelmann, expôs suas teorias artísticas em escritos sobre a pintura, não se opondo à cópia de grandes mestres da Antiguidade. Nessa época conviveram várias correntes. Mas como em todo movimento, é importante destacar o menosprezo aos movimentos anteriores, barrocos e rococós, e a imitação de um passado mais distante dos elementos grego-latinos. O termo Neoclássico foi denominado por teóricos e historiadores com intuito de destacar a pluralidade e variedade de correntes artísticas. Esses estudiosos demonstraram que essa arte, do final do século XVIII e início do século XIX, foi mais do que uma simples imitação da arte clássica, e que muitos projetos realizados nessa época abriram a possibilidade de novas soluções. Figura 02: Arco do Triunfo de Paris de Raymond e Chalgrin, de 1837 (MIRABENT, 1991, p.21); e desenho de cadeira de Charles Percier e Léonard Fontaine, de 1812 (TORRENTY; MARÍN, 2005, p.51). Entre os diferentes tipos de arte, a que mais se apoiou na tendência clássica foi a arquitetura, seguida pela escultura e pela pintura, conforme a figura 02. A criação na arquitetura neoclássica deveria atender também a uma função, eles começaram a se preocupar se aquela forma também iria suprir as necessidades da sociedade.

5 A arquitetura neoclássica tem um caráter fortemente tipológico, em que as formas atendem a uma função e uma espacialidade racionalmente calculadas. O modelo clássico permanece como ponto de referência para uma metodologia de projetos que se colocam problemas concretos e atuais (...) (ARGAN, 2006, p.22). O projeto foi considerado fundamental para toda a arte neoclássica. Ele é importantíssimo para o desenvolvimento de uma ideia, o pilar que determina que aquela obra foi pensada e que passou por diversas fases antes de se materializar. Os arquitetos e engenheiros devem ter conhecimento das necessidades e desejos da sociedade, para criarem a partir desses fatos, visto que as obras serão destinadas para essa população. O Romantismo está muito ligado à arte cristã da Idade Média e, mais precisamente, ao romântico e ao gótico. Podemos definir como romântico o mundo nórdico, no qual a natureza é uma força misteriosa, frequentemente hostil. Foi teorizado pelos defensores do Renascimento, do Gótico e pelos pensadores alemães Schlegel ( ), Wackenroder ( ), Tieck ( ), os quais defendem que a arte é a revelação do sagrado e tem necessariamente uma essência religiosa. No inicio do século XIX, Schinkel ( ) admirava a sabedoria construtiva dos arquitetos góticos e admitia que a arquitetura classicista era baseada na expressão do sentido do Estado e que a arquitetura gótica, por sua vez, exprimia a tradição religiosa da comunidade. Podemos citar Viollet-Le-Duc ( ), escritor, restaurador e engenheiro, como sendo o maior pioneiro do revival do gótico na França. Aprofundou-se no estudo filosófico dos monumentos góticos, investigou os sistemas construtivos e a aplicação dos materiais, se preocupou em aplicar princípios para sua conservação e restauração. Ele afirmava que o gótico era mais uma linguagem do que um estilo. Foi um dos primeiros a perceber as possibilidades que oferecem os novos materiais, como por exemplo, o ferro. Figura 03 - 'A vendedora de cupidos' de Joseph Marie Vien, obra que expressa bem o sentimento e a relação com a natureza (MIRABENT, 1991, p.49); e cadeira de Karl Friedrich Schinkel, de (TORRENTY; MARÍN, 2005, p.50).

6 Os românticos tinham o desejo de uma arte que não fosse apenas religiosa, mas que expressasse o pensamento religioso do povo, e que introduzisse um fundamento ético ao trabalho humano, revalorizando a arquitetura gótica. Podemos dizer que essa arquitetura é primeiramente cristã, é burguesa por nascer nas cidades com o refinado artesanato dos séculos XVIII e XIX, exprimindo o sentimento popular, a história das sociedades, visto que cada catedral, por exemplo, é um elemento de várias gerações, demonstrando com a complexidade de suas formas e estruturas, e também com a riqueza e variedade de suas decorações, o alto nível de experiência técnica dos artesãos locais. A pintura romântica deseja expressar os sentimentos, que é um estado de espírito frente à realidade individual, a única ligação possível entre o indivíduo, a natureza, o particular e o universal, conforme figura 03. Para Coret, paisagista francês do século XIX, o sentimento é o que há de mais natural no homem. Sua pintura é considerada muito menos sentimental e mais realista. Vestuário e moda. No início do século XIX, o traje feminino foi muito reduzido em termos de quantidade de roupas. Consequência do abandono de anquinhas e espartilhos do final do século XVIII. As mulheres começaram a usar um robe en chemise (vestido de cintura alta, até os pés, de musseline, cambraia ou morim), que veio a ser conhecido posteriormente como vestido Império, conforme a figura 04. Esse foi o estilo usado ao longo de toda a República. Talvez em nenhuma outra época entre os tempos primitivos e a década de 1920, as mulheres tenham usado tão pouca roupa como no início do século XIX. Todos os trajes pareciam ter sido criados para climas tropicais (...) (LAVER, 2008, p.155). Figura 04: 'A imperatriz Josefine' de Prod'hon, de 1805 (MIRABENT, 1991, p.56); e 'Vestido Império' em 'Madame Récamier' de François Gérard, de 1802 (LAVER, 2008, p.154). Esse efeito clássico, com ênfase na linha vertical, que pôde ser observado no vestuário, durou somente de 1800 a Nos três anos seguintes, houve uma influência

7 egípcia. Depois da Guerra de Sucessão espanhola, os adornos espanhóis foram impostos, devido ao grande interesse por tudo que acontecia ou vinha da Espanha. A natureza, além de influenciar movimentos artísticos como o Neoclassicismo, influenciou também o vestuário da época. O uso de peles e plumas ficou cada vez mais comum e havia um grande fascínio pelas plantas, conforme a figura 05. Os bordados com desenhos de flores e folhas eram um dos ornamentos mais comuns nos trajes dos homens e das mulheres ao longo de todo o século. Inspirados em fontes variadas, estudos de botânica, as próprias plantas dos jardins, estufas e árvores, chegando a produzir vestidos que imitavam árvores. Nos tecidos dos vestidos, por exemplo, eram feitas representações realistas de frutas. Outra referência nítida eram as imagens de insetos, abelhas, joaninhas e mariposas, que eram bordadas nos vestidos dos anos 60 e 70. Figura 05 - Publicação da revista 'Ladies' de Paris, de 1801 (V&A, 2010); Vestido mostrando o uso de pele de animal, de 1807 (LAVER, 2008, p.156); trajes para Le Beau Monde com decote mais baixo e o ajuste abaixo do busto, de 1808, (LAVER, 2008, p.159); e Thomas Bewick veste Fraque a Cartola do traje campestre Inglês, em 1810 (LAVER, 2008, p.158); Algumas modificações foram surgindo, como o decote, que se tornou cada vez mais baixo, e a cintura que se aproximou mais do busto, conforme a figura 05. As mangas eram curtas ou muitas vezes nem existiam, e a cauda ficou cada vez mais comprida. Esse vestido foi mudando de aspecto quando se acrescentou um corpete chamado de le corsage. Com a reintrodução do corpete separado, o vestido logo passou a ter menos pregas. Estas ficavam nas costas, o que dava ao traje todo um aspecto inteiramente diferente. A moda logo instituiu um vestido sem pregas, e por volta de 1807 os vestidos eram tão justos que mal se conseguia andar com eles (KOHLER, 2005, p.486). Este tipo de modelagem permaneceu no domínio até depois de 1820, mas vale ressaltar que a partir de 1812 o decote foi ficando cada vez mais alto. As mangas curtas deixaram de ser essenciais mais ou menos na mesma época em que os decotes baixos, as favoritas eram abertas, presas com botões ou pregueadas. Por volta de 1808, foram introduzidas golas que ameaçaram a popularidade do decote baixo, mas o Império Napoleônico não deixou que este último se propagasse, mostrando assim a grande influência que ele exercia, inclusive na moda.

8 No início do século XIX, por volta de 1810, começaram a surgir os adornos nas roupas. Retomou-se o emprego de rendas, babados, e o próprio tecido passou a ser usado para a criação de ornamentos em forma de babados e listras diagonais. Havia nessa época uma verdadeira paixão pelos xales e mantas. Eram peças que não podiam faltar no guarda-roupa feminino, e saber usá-los com graça era a marca da mulher elegante. Eram usados para aquecer o corpo também, mas predominava o uso pela ostentação. Ficaram em moda também os grandes xales retangulares, feitos de tafetá, musseline ou crepe, semelhantes às clâmides gregas, conforme a figura 06. Figura 06: Vestidos de passeio com muitos babados, de 1817 (LAVER, 2008, p.157); Xale comprido no vestuário feminino, de 1810 (LAVER, 2008, p.157); e 'Capitão Barclay' apresenta o traje típico do pedestre com calças que substituíram os calções usados até os joelhos, de 1820 (LAVER, 2008, p.158). Em 1814, muitas mulheres inglesas foram a Paris, após a primeira abdicação de Napoleão, e descobriram que a moda francesa estava muito diferente da inglesa. As francesas ainda usavam o vestido de cintura alta, mas a saia, em vez de cair reta até o tornozelo, abriase um pouco na barra. O vestuário inglês, em contraponto, estava adquirindo um ar romântico, com elementos elisabetanos, como por exemplo, mangas fofas. Como consequência disso, as mulheres inglesas abandonaram sua moda e adotaram a francesa. Aconteceu o oposto com os trajes masculinos. A influência inglesa no vestuário masculino já era muito significativa desde o final do século XVIII, e nesse momento os franceses aceitavam o traje inglês plenamente. O dândi, nome dado aos homens aristocráticos do período vitoriano, que se preocupavam muito com a ornamentação e detalhes das roupas, foi muito reconhecido nessa época, tanto pelo corte de suas roupas, acabamentos impecáveis, como pelos calções apertados, conforme a figura 07. Além do grande detalhe em seu pescoço, formado pelo colarinho da camisa, que era virado para cima, com as duas pontas projetadas sobre o rosto, adornadas por um lenço em forma de plastrom ou stock (faixa dura, em nó, já pronta, abotoada atrás).

9 Figura 07: Trajes exagerados dos dândis, em 1822 (LAVER, 2008, p.161); e vestido com mangas bufantes e cintura marcada 'Fashion Plate', de 1829 (LAVER, 2008, p.164). No estilo romântico, observam-se vestidos primorosos, que transmitem exuberância com um sentimento de fantasia, feitos de tecidos leves, manifestando o aspecto delicado, de sonho, tão característico dos trajes de noite da década de 20 desse século. O ano de 1822 pode ser identificado pela mudança nas roupas femininas. A cintura, que fora alta durante um quarto de século, voltou à posição normal e, quando isso acontece, ela inevitavelmente vai ficando mais fina. Em consequência, o espartilho voltou a ser parte essencial do guarda-roupa feminino, mesmo para as meninas (LAVER, 2008, p.162). Esse efeito da cintura fina fez com que as saias ficassem mais amplas, e as mangas também foram se modificando, primeiramente com um pequeno enchimento nos ombros, que foi tido como um retorno dos trajes do Renascimento. Os corpetes estavam agora mais compridos, as saias muito largas e folgadas, usava-se uma anágua levemente acolchoada ou bastante engomada. A saia quase nunca chegava ao tornozelo, conforme a figura 07. O vestuário composto de mangas enormes, a famosa manga presunto, cintura muito marcada e aplicações de laços são algumas das características do começo da década de (...) mangas presunto eram longas e extremamente largas no alto, mais estreitas do cotovelo para baixo e justas nos punhos. Essas mangas, bem como as mangas amplas e curtas dos vestidos de baile, conservavam sua largura total graças a armações de vime ou almofadas de penas (KOHLER, 2005, p.521). Em meados de 1835, alterou-se a manga presunto, invertendo-a, ou seja, ficou justa em cima e mais larga embaixo. Depois de 1830, a saia ficou um pouco mais curta e bem mais ampla do que antes, e as mangas ficaram muito grandes. A amplidão das saias dessa época proporcionava uma oportunidade para a colocação cada vez maior de ornamentos. Um terço do comprimento do vestido era enfeitado com tiras de tecido e pufes, depois se notou vestidos com diversos babados, medindo de 25 a 30 centímetros de altura, sobrepondo cada babado ao de baixo. Voltou a ser muito elegante o uso do rufo (espécie de gola muito volumosa com várias camadas, intitulada pela rainha Elizabeth no século XVII), uma imitação do que foi a moda elisabetana. Mais comum ainda foi o uso da pelerine.

10 Uma gola larga e lisa chamada pelerine cobria os ombros. Quando as extremidades eram caídas, chamava-se pelerine-fichu. Ao ar livre, durante o dia, as mulheres usavam uma peça com mangas enormes e muitas capas (LAVER, 2008, p.166). A moda romântica do início da década começou a sofrer mudanças a partir de As mangas já não eram tão amplas, e o volume começou a descer pelos braços. As saias voltaram a ser mais compridas e não deixavam os tornozelos a mostra quando as mulheres andavam (LAVER, 2008, p.168). Houve também nessa época o desaparecimento da extravagância e da cor nas roupas masculinas. A mudança mais marcante nessa época foi na cabeça, com o surgimento do chapéu tipo boneca, que era baixo, amarrado firmemente sob o queixo, com o formato de um balde de carvão e passava a ideia de extremo recato. A mulher tinha a obrigação de não fazer nada, e quanto mais extravagantes e exuberantes eram seus trajes, mais passavam essa ideia de ociosidade e de que o marido era suficientemente rico para sustentá-la, conforme a figura 08. O próspero homem de negócios, que começava a deixar a cidade e a instalar sua família em confortáveis casas recém-construídas nos subúrbios elegantes, esperava duas coisas da esposa: primeiro, que fosse um modelo de virtudes domésticas e, segundo, que não fizesse nada. Sua ociosidade total era a marca do status social do marido. (LAVER, 2008, p.177). Figura 08 - Trajes de montar masculino e feminino, de 1831 (LAVER, 2008, p.164); Vestido peliça, brocado de seda, de (LAVER, 2008, p.165); e Trajes masculinos para o dia, de 1834 (LAVER, 2008, p.165). Esse fato pode parecer um pouco estranho ao se considerar que aconteceram na década de 1840 extraordinárias inovações técnicas e convulsões sociais. Surgiram nessa época ferrovias e vários levantes sociais, dando origem, em 1848, à primavera dos povos. De certa forma, as roupas confirmavam a intenção dos homens de que as mulheres não tivessem voz ativa, não participando das discussões políticas públicas. O vestuário feminino da década de 1840 foi marcado pela escassez e pode ser caracterizado pela cintura baixa, com o corpete destacando esse efeito. As saias eram

11 compridas e rodadas, conforme a figura 09. Havia também o gilet-cuirasse, peça parecida com um colete masculino. Crinolina foi a palavra utilizada para denominar uma pequena anquinha feita de crina de cavalo, diferente daquela que ainda viria. Figura 09 - 'Convalescença' de Eugène Lami, de 1845 (LAVER, 2008, p.171); e vestidos para o dia em Le Follet, de 1848 (LAVER, 2008, p.171). Os vestidos usados à noite eram decotados, mostrando os ombros. Este decote era reto com uma pequena profundidade no meio, chamada de en coeur. O corpete terminava em ponta na frente, era armado com barbatanas e havia pregas horizontais na parte de cima do mesmo, típicas desse período. As mulheres, em referência à rainha Vitória, que era de estatura baixa, tinham que parecer muito pequenas. Os sapatos, portanto, eram feitos em sua maioria sem saltos. O tipo mais comum era a sapatilha, feitas de cetim ou crepe, em cores que combinassem com o vestido. Influências dos movimentos estéticos na moda. É fato que a moda sempre foi criada e caracterizada a partir de referências obtidas de diferentes áreas, ou seja, da história, da política, da economia, da tecnologia, das artes, entre outras. O Neoclassicismo e o Romantismo foram os movimentos de maior predominância na primeira metade do século XIX, e exerceram profunda influência sobre a moda da época, conforme a figura 10. Por ser formada por vestidos soltos, de tecidos leves e com ajuste apenas abaixo do busto, pode-se notar grande referência na moda do vestuário do período clássico, grego e romano. Os movimentos artísticos têm como principal característica justamente o revival dessa Antiguidade. A nova mulher republicana usava longas chemises, que pareciam camisolas flutuantes, inspiradas na Antiguidade Clássica, como o fazia a mulher grega (XIMENES, 2009, p.50). No Romantismo sempre ficou clara a importância da existência de estilos de épocas passadas nos quais pudessem se basear. A moda foi seguindo o mesmo princípio das artes. Sempre buscando novas referências, sendo estas as mesmas adotadas por esses movimentos. Nota-se com isso, que a moda foi muitas vezes, e ainda é, escrava do passado. Desde essa

12 época, as pessoas envolvidas no desenvolvimento e na produção do vestuário já estudavam o passado para abordá-lo em suas criações, da mesma forma como atualmente os designers de moda pesquisam sobre a história e a adotam em suas coleções. Pode-se perceber que a prática não é nova, é uma constante que liga as pessoas à história das roupas. Figura 10 - Museu de Berlim de Karl Friedrich Schinckel com referências clássicas, de (MIRABENT, 1991, p.16); 'Retrato de Josefina Bonaparte' de Antoine Jean Gros, 1808 (COSGRAVE, 2005, p.203); e vestido inglês de 1832 (V&A, 2010). O Romantismo, por ter sua origem ligada a valores do período medieval, extraídos de livros de romances e de aventuras, buscava tanto nas artes como na moda a fantasia, defendia o mundo complexo dos sentimentos e das emoções, das viagens dentro de si mesmo e queria acima de tudo mexer no imaginário das pessoas e provocá-lo. Instigava e provocava a exposição pública, aos espectadores atentos às projeções dos imaginários, de pensamentos íntimos, valores sociais e crenças. Neste sentido, de certa forma, o vestuário expõe a imagem que os românticos gostariam de transmitir, algo extremamente transposto para o sistema da moda. A mentalidade do Romantismo vislumbrava uma fuga a realidade humanística, em que prevalecia a imaginação ao espírito crítico. Era a época dos contos de fadas, da música lírica de Schumman, Schubert, Liszt e Chopin (XIMENES, 2009, p.54). Os românticos consideravam a arte da Idade Média uma referência que deveria ser seguida por representar os verdadeiros valores das sociedades cristãs. Estes valores estéticos religiosos não eram muito adequados, nem aplicados à moda, visto que, a partir da segunda década do século XIX, o despojamento dava lugar ao excesso de exageros formais e de ornamentos, contrariando a lógica da simplicidade e a ausência de vaidade, característicos dos ensinamentos religiosos. A relação do homem com a natureza, no período que deu origem às referências, ou seja, na Antiguidade, era muito clara e marcante. Fato que originou muitas das crenças religiosas do período, como a adoção de elementos da natureza como forças supremas ou como representações de deuses. Assim, nada mais justo que essa relação tenha se tornado outra grande influência para a moda. Os vestidos refletiram exatamente esse fato, projeções de significados adornados em bordados com flores e estampas de frutas. Outra relação que podemos fazer da moda desse período com a natureza são as silhuetas e formas que o corpo adquire e que podem ser comparadas com formas da natureza:

13 A forma do corpo vestido, como objeto no espaço e em movimento, é obtida por meio de sua estática tridimensional: relevos, depressões, concavidades e convexidades que, entre curvas virtuais, se movimentaram em várias partes do corpo da mulher, produzindo ora quadris imensos, ora traseiros protuberantes, contornos sinuosos e cinturas estranguladas (XIMENES, 2009, p.22, 23). Nesse período, a tecnologia industrial estava assumindo cada vez mais espaço, esse fato pode ter ameaçado a arte e o artesanato, mas para a moda as mudanças foram de grande importância e fundamentais. É o caso, por exemplo, da utilização da máquina de costura, com variedades de funções, como por exemplo, pregar botões. O avanço da tecnologia também trouxe mudanças para a moda com a introdução cada vez maior de lojas de rua, com vitrines que mexiam com o inconsciente do consumidor, e com a publicidade adquirindo cada vez mais espaço, proporcionando uma divulgação mais rápida dos produtos de moda. O advento desta era industrial irá explorar a forma cilíndrica abstrata, muito vista na arquitetura, como, por exemplo, nas chaminés das fábricas, túneis e reservatórios de gás. No período, tal tendência imprimiu-se fortemente no vestuário masculino, em calças, cartolas e sobrecasacas. O Renascimento foi considerado outra fonte de referências, a partir do momento em que a moda, no ano de 1822, passou por grandes transformações, deixando toda aquela estética clássica para trás. A excessividade tornou-se uma das principais características do novo vestuário. A cintura voltou a seu lugar de fato, retornando o uso do espartilho. As saias foram ficando automaticamente bem mais amplas, sendo usadas com várias anáguas e muito adornadas, sendo estes adornos nitidamente trazidos como referência da natureza. A partir desse momento, a moda passou a referenciar os períodos Barroco e Rococó, por estar tão composta por adornos e ornamentos, provocando um notável exagero. É importante notar que neste caso há uma oposição aos movimentos estéticos vistos nesse artigo, pelo fato de os mesmos negarem e serem totalmente contra a arte barroca. Nota-se neste momento uma divergência de ideias. A moda do final da primeira metade desse século já estava mais voltada às referências que vinham dos movimentos: Historicismo, Ecletismo e Art Nouveau, predominantes na segunda metade do século XIX. Estes por sua vez, buscavam outros tipos de referências para suas criações. Considerações finais. Com o desenvolvimento do presente artigo foi importante notar que os movimentos estéticos artísticos desenvolveram-se e receberam a influência de diversas correntes teóricas e filosóficas e referencias históricas. Consequentemente influenciaram e foram influenciados pela moda, fazendo parte do processo de formação do período da primeira metade do século XIX. A moda passou por diversas transformações, tanto com relação às formas e às silhuetas, como com o aumento da utilização exagerada de ornamentos. A natureza foi muito valorizada nesse período, influenciando várias áreas estéticas, mostrando que as referências podem ser extraídas de um mesmo assunto, mas abordadas de diferentes formas, conforme o período a que se destinam. Pode-se considerar que as áreas permeadas pela estética estão todas intimamente ligadas. Por sua vez, a moda sempre propôs inovações para a sociedade e determinou o seu comportamento, da mesma forma, que sofre a influência de áreas como a política, a religião, a economia, a arte e a tecnologia, não servindo somente para a diferenciação entre as classes sociais. Foi importante observar que desde essa época a moda busca referências na história e

14 que tal processo é exercido até os dias de hoje. Contudo, chega-se à conclusão óbvia, no campo da moda, de que todas as criações e inovações possuem uma base ou origem, na história, nos temas e nas referências que fomentam seu desenvolvimento. O que merece ser mais profundamente estudado é o fato de que a moda pode provocar algumas influências mais relevantes nos movimentos, podendo haver uma transação de elementos entre as áreas ainda não devidamente explorada. Referências. ARGAN, Giulio. Arte moderna. São Paulo: Companhia das letras, CHRIST, Yvan. A arte no século XIX. São Paulo: Martins Fontes, COSGRAVE, Bronwyn. Historia de la moda: desde Egipto hasta nuestros dias. Barcelona: GG moda, JANSON, Horst. História geral da arte: o mundo moderno. São Paulo: Martins Fontes, KOHLER, Carl. História do vestuário. São Paulo: Martins Fontes, LAVER, James. A roupa e a moda: uma história concisa. São Paulo: Companhia das letras, PISCHEL, Gina. História universal da arte 3. São Paulo: Mirador Internacional, MIRABENT, Isabel. Saber ver a arte neoclássica. São Paulo: Martins Fontes, V&A. Victoria & Albert Museum. Londres, Disponível em: < /index.html >. Acesso em: 15 mar XIMENES, Maria Alice. Moda e arte na reinvenção do corpo feminino do século XIX. São Paulo: Estação das letras e cores, 2009.

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS:

Romantismo. Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: Romantismo Questão 01 Sobre a Arte no Romantismo, julgue os itens a seguir em (C) CERTOS ou (E) ERRADOS: 1. ( C ) Foi a primeira e forte reação ao Neoclassicismo. 2. ( E ) O romantismo não valorizava a

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

Antropocentrismo (do grego anthropos, "humano"; e kentron, "centro") é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do

Antropocentrismo (do grego anthropos, humano; e kentron, centro) é uma concepção que considera que a humanidade deve permanecer no centro do ARTE GÓTICA A Arte Gótica se desenvolveu na Europa entre os séculos XII e XV e foi uma das mais importantes da Idade Média, junto com a Arte Românica. Ela teve grande influencia do forte Teocentrismo (O

Leia mais

Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo.

Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo. Dicas para orientar a cliente na escolha de biquínis e da roupa mais adequada para cada tipo de corpo. Biquíni Ideal Aquelas que têm seios grandes precisam antes de tudo de sustentação. Tops com alças

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

Feminino. Tipos de corpo. Ampulheta

Feminino. Tipos de corpo. Ampulheta O guia de tamanho será desenvolvido para auxiliar os e-consumidores, no momento da compra. O e-consumidor terá disponível um guia de auxilio a medidas, de forma que permitirá que o mesmo obtenha informações

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX ARTES: A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Neoclassicismo ou Academicismo: * Últimas décadas do século XVIII e primeiras do XIX; * Retoma os princípios da arte da Antiguidade grecoromana; * A

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

História da Arte - Linha do Tempo

História da Arte - Linha do Tempo História da Arte - Linha do Tempo PRÉ- HISTÓRIA (1000000 A 3600 a.c.) Primeiras manifestações artísticas. Pinturas e gravuras encontradas nas paredes das cavernas. Sangue de animais, saliva, fragmentos

Leia mais

Neoclassicismo, Romantismo e Realismo

Neoclassicismo, Romantismo e Realismo 2º ano - ENSINO MÉDIO Aula dia 20/02/15 Neoclassicismo, Romantismo e Realismo Professora Alba Fim do século XVIII e início do século XIX. Período complexo e inquietante de profundas mudanças. A Revolução

Leia mais

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos:

Os princípios da composição do vestuário levam em conta os seguintes aspectos: Princípios de Composição do Vestuário Para trabalhar com roupas mais elaboradas é importante conhecer os princípios de composição do vestuário. Neste nicho de mercado, este tipo de peça é desenvolvido

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA

O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA 11º Colóquio de Moda 8ª Edição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 O TRAJE DA CRIANÇA NA IDADE MÉDIA The Child's Costume in The Middle Ages Neotte, Linda

Leia mais

A arte do século XIX

A arte do século XIX A arte do século XIX Índice Introdução ; Impressionismo ; Romantismo ; Realismo ; Conclusão ; Bibliografia. Introdução Durante este trabalho irei falar e explicar o que é a arte no século XIX, especificando

Leia mais

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda;

ARTE PRÉ-HISTÓRICA. IDADE DOS METAISaproximadamente 5.000 a 3.500 a.c. aparecimento de metalurgia; invenção da roda; ARTE PRÉ-HISTÓRICA PALEOLÍTICO INFERIOR aproximadamente 5.000.000 a 25.000 a.c.; controle do fogo; e instrumentos de pedra e pedra lascada, madeira e ossos: facas, machados. PALEOLÍTICO SUPERIOR instrumentos

Leia mais

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA IDADE ANTIGA CULTURA GRECO-ROMANA ANTROPOCÊNTRICA ANTROPO = Homem CÊNTRICA = centro

Leia mais

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti Palácio de Versailles Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti O Palácio de Versalhes (em francês Château de Versailles) é um château real localizado na cidade de Versalhes, uma aldeia

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO. 1 Usefashion é um dos principais portais de pesquisa de moda do Brasil.

RESUMO EXECUTIVO. 1 Usefashion é um dos principais portais de pesquisa de moda do Brasil. RESUMO EXECUTIVO Esse relatório apresenta as tendências de moda infantil para o verão 2012/13, segundo interpretação da Usefashion 1. Essas tendências foram organizadas em 3 temas, são eles: Romantismo

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

D i c a s e E s t i l o s p a r a N o i v o s O q u e u s a r?

D i c a s e E s t i l o s p a r a N o i v o s O q u e u s a r? O q u e u s a r? Smoking Black Tie: Para um casamento moderno, luxuoso e realizado durante à noite. Composição: As lapelas com detalhes em cetim, camisa branca, podendo ser plissada no peito. A gravata

Leia mais

neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura

neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura neoclassicismo Arquitetura Pintura Escultura A arquitectura neoclássica De acordo com os ideais iluministas, os arquitectos neoclássicos responderam às necessidades do seu tempo com originalidade e engenho,

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

A arte da Europa Ocidental no início da Idade Média

A arte da Europa Ocidental no início da Idade Média Natal, RN / /2014 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 7º D V DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - III 1º trimestre TATIANE A arte da Europa Ocidental no início

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17032441 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Evolução das Artes Visuais II ETAPA 2ª Período

Leia mais

Por mais que não exista estilo certo ou errado, é possível. compreender melhor os traços da sua personalidade para combinar

Por mais que não exista estilo certo ou errado, é possível. compreender melhor os traços da sua personalidade para combinar O seu modo de vestir diz muito sobre você. Por mais que não exista estilo certo ou errado, é possível compreender melhor os traços da sua personalidade para combinar com o visual mais adequado. Neste guia

Leia mais

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre

BARROCO. Pintura. 8º Ano Artes 2º bimestre 8º Ano Artes 2º bimestre BARROCO A arte barroca desenvolveu-se no século XVII, num período muito importante da história da civilização ocidental, pois nele ocorreram mudança que deram nova feição à Europa

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC

Escola Secundária Ferreira Dias. Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos. Curso técnico de vitrinismo. Disciplina: TIC Escola Secundária Ferreira Dias Trabalho de pesquisa realizado por: Jéssica Brissos Curso técnico de vitrinismo Disciplina: TIC Professora: Vanda Pereira Novembro de 2013 Índice Introdução... 1 Moda dos

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914.

Expressionismo. Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. Expressionismo Expressionismo Surgiu na Alemanha entre 1.905 e 1.914. A expressão, empregada pela primeira vez em 1.911 na revista Der Sturm [A Tempestade], marca oposição ao Impressionismo francês. Para

Leia mais

11º Colóquio de Moda 8ª Edição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015

11º Colóquio de Moda 8ª Edição Internacional 2º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 2015 ALFAIATARIA ARTESANAL E SUA EMPREGABILIDADE EM COLEÇÃO DE MODA Craft tailoring and it s employability in fashion collection Resumo Zanin, Susane; Bacharel em Moda; UDESC, susanezanin@gmail.com Da Rosa,

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015

PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015 PADRÕES DE BELEZA E SUA EVOLUÇÃO HISTÓRICA EDUAÇAO FÍSICA 2015 A existência de um padrão de beleza não é algo novo e sofreu modificações ao longo do tempo, de acordo com fatores históricos e culturais.

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS AO NOSSO JARDIM, E APRECIEM AS NOSSAS MAIS BELAS FLOWERS.

SEJAM BEM VINDOS AO NOSSO JARDIM, E APRECIEM AS NOSSAS MAIS BELAS FLOWERS. A natureza é sempre contemplativa em qualquer época do ano. Nosso irmão sol, nosssa irmã lua, água fonte de vida, e a mãe terra com inúmeras espécies de flores. Flores agraciadas e perfumadas, no quarto,

Leia mais

Renascimento. Prof. Adriano Portela

Renascimento. Prof. Adriano Portela Renascimento Prof. Adriano Portela O que é o Renascimento? Dados Início: século 14 Local: Península Itálica Se estendeu até o século 17 por toda Europa. Artistas, escritores e pensadores exprimiam em suas

Leia mais

Diferentes padrões para uma mesma medida.

Diferentes padrões para uma mesma medida. Diferentes padrões para uma mesma medida. Antes de iniciarmos o assunto desta atividade, veremos como se deu a evolução das medidas utilizadas pelo homem e depois trataremos das proporções do Homem Vitruviano.

Leia mais

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza

aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Art Nouveau Profª Adalgiza aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaaa aaa Art Nouveau Movimento das Artes e Ofícios Movimento nascido na Inglaterra, na segunda metade do século XIX; Conhecido como Movimento

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA Coleção de moda para o público infantil aliando Arte & Cultura à técnica de estamparia

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Arte Românica e Gótica. 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino

Arte Românica e Gótica. 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino Arte Românica e Gótica 6º Ano 2015 Artes Professor Juventino Arte Românica O estilo românico germinou, desde o final do século X até XIII. Sua denominação foi dada por arqueólogos do século XIX, quando

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

DESIGN GRÁFICO E ARTE PUBLICITÁRIA

DESIGN GRÁFICO E ARTE PUBLICITÁRIA DESIGN GRÁFICO E ARTE PUBLICITÁRIA PÔSTER - FINAL DO SÉCULO XIX O pôster fala sobre as tendências estéticas de uma geração. Jules Cherét - desenvolveu sistema de litografia em 3 a 4 cores. PÔSTER - FINAL

Leia mais

Antiguidade século IV. Arte Bizantina

Antiguidade século IV. Arte Bizantina Antiguidade século IV Arte Bizantina Na Antiguidade, além da arte Egípcia e Grega, também encontram-se a Romana, Paleocristã e Bizantina... Enquanto os romanos desenvolviam uma arte colossal e espalhavam

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

APÊNDICE V. Modelos de Uniforme e Crachá

APÊNDICE V. Modelos de Uniforme e Crachá APÊNDICE V Modelos de Uniforme e Crachá MARÇO DE 2016 1 23 ÍNDICE 1.1. Apresentação...3 1.2. Tecidos...3 2.1. Gerente Feminino...5 2.2. Atendente Feminino...7 2.3. Gestante...9 2.4. Orientador Feminino...

Leia mais

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 155 A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO Korina Costa Arquiteta e Urbanista, Especialista em Docência do Ensino

Leia mais

Nome: nº. Data: / / Trabalho de recuperação 1º EM Arte Prof. Denise ARTE GREGA. QUESTÃO 01 Sobre a arte feita na Grécia antiga marque a alternativa

Nome: nº. Data: / / Trabalho de recuperação 1º EM Arte Prof. Denise ARTE GREGA. QUESTÃO 01 Sobre a arte feita na Grécia antiga marque a alternativa 1 Nome: nº Data: / / Trabalho de recuperação 1º EM Arte Prof. Denise ARTE GREGA QUESTÃO 01 Sobre a arte feita na Grécia antiga marque a alternativa correta: a- ( ) Os gregos não produziram pinturas. b-

Leia mais

- Transição da Idade Média para Idade Moderna

- Transição da Idade Média para Idade Moderna Renascimento - Transição da Idade Média para Idade Moderna - Movimento que começou na Itália por volta do século XV devido ao grande desenvolvimento econômico das cidades italianas (Genova, Veneza, Milão,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão

CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO. Amanda Medeiros Cecília Aragão CONSTRUÇÃO DE IMAGEM PESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Amanda Medeiros Cecília Aragão Mais importante do que a roupa é a vida que se vive dentro da roupa. A gente é mais bonita quando está feliz. Quem se

Leia mais

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão

ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA HISTÓRIA DA ARTE. Colégio Einstein. A evolução do conhecimento. Aluno (a): 9º ano: A [ ] B [ ] Professor: Lucas Salomão HISTÓRIA DA ARTE Aluno (a): Professor: Lucas Salomão Data: / /2015 9º ano: A [ ] B [ ] ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA Há milhares de anos os povos antigos já se manifestavam artisticamente. Embora ainda não conhecessem

Leia mais

Arte da Pré-História

Arte da Pré-História ALUNO(A) Nº SÉRIE: 6º. Ano TURMA: DATA: / /2013 Profª Ana Lúcia Leal - DISCIPLINA: ARTE Ficha de Aula - III Trimestre Arte da Pré-História As primeiras expressões artísticas As mais antigas figuras feitas

Leia mais

Moda & jóias masculinas: do barroco século XVII, ao cyberpunk século XXI. por Lula Rodrigues

Moda & jóias masculinas: do barroco século XVII, ao cyberpunk século XXI. por Lula Rodrigues Moda & jóias masculinas: do barroco século XVII, ao cyberpunk século XXI por Lula Rodrigues L État c est moi (o Estado sou eu) Luis XIV O Rei Sol(1638/1715) o primeiro pavão da moda masculina. Luis XIV

Leia mais

Psicologia das multidões

Psicologia das multidões 1 Psicologia das multidões O estudo da Psicologia das multidões ou das Psicologia das massas foi feito pela primeira vez pelo sociólogo francês Gustave Le Bon em 1886. Os fatores que determinam as opiniões

Leia mais

O que é um traje típico?

O que é um traje típico? O que é um traje típico? Conta a história que os nobres se revoltavam com o povo por eles imitarem suas vestimentas. Foi criada então uma lei que proibia o povo usar trajes iguais aos da nobreza. Quem

Leia mais

Teve como base os ideais do Iluminismo, iniciando-se na França e na Inglaterra, expandindo-se por toda Europa.

Teve como base os ideais do Iluminismo, iniciando-se na França e na Inglaterra, expandindo-se por toda Europa. Arte no século XIX Neoclassicismo O Neoclassicismo foi um movimento cultural nascido na Europa em meados do século XVIII, que teve larga influência na arte e na cultura de todo o ocidente até meados do

Leia mais

Art Nouveau/ Secessão de Viena

Art Nouveau/ Secessão de Viena 1760 Revolução Francesa 1789 Revolução Industrial 1819 Rainha Vitória 1840 1901 1874 Arts and Crafts 1880 1890 Primeira Guerra Mundial 1914 1918 1924 Art Déco Impressionismo 1925 Art Nouveau/ Secessão

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI. MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI

MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI. MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI MATERNAL A e B Dança: BUMBA MEU BOI Chapéu de palha encapado com veludo preto, decorado com renda branca franzida na borda arabescos e acabamento feito com galão dourado,

Leia mais

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE

Neoclassicismo e o Romantismo. Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Neoclassicismo e o Romantismo Clique para adicionar texto HISTÓRIA DA ARTE Nas duas últimas décadas do século XVIII e nas três primeiras do século XIX, uma nova tendência estética predominou nas criações

Leia mais

APOSTILA DE DESENHO TÉCNICO PROFESSORA GRAZIELA BRUNHARI KAULING. UNIDADE 01: Nomenclaturas de modelos e desenho técnico manual

APOSTILA DE DESENHO TÉCNICO PROFESSORA GRAZIELA BRUNHARI KAULING. UNIDADE 01: Nomenclaturas de modelos e desenho técnico manual APOSTILA DE DESENHO TÉCNICO PROFESSORA GRAZIELA BRUNHARI KAULING UNIDADE 01: Nomenclaturas de modelos e desenho técnico manual 1 - O Desenho Para definir desenho podemos dizer que são linhas e rabiscos

Leia mais

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico).

Arte 1º. Ano do Ensino Médio. Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Arte 1º. Ano do Ensino Médio 1º. Trimestre - Conteúdo Avaliativo: Linha do Tempo da História da Arte (Períodos/ Movimentos Artísticos/ Contexto Histórico). Períodos Artísticos: Pré-História/Idade Antiga

Leia mais

Horário 11h00- ABERTURA DO EVENTO. Horário 11h00- JAPÃO Apresentação dos alunos do nível I A - profª Sheila

Horário 11h00- ABERTURA DO EVENTO. Horário 11h00- JAPÃO Apresentação dos alunos do nível I A - profª Sheila Senhores Responsáveis; A festa de encerramento do Projeto ESTRELINHA ALEGRE NO MUNDO DOS ESPORTES E DA CULTURA acontecerá no dia 7 de Dezembro na Casa de Nassau, onde os alunos receberão seus convidados

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE Da Pré-história ao Barroco. Professora: Vanessa Oliveira Arte 1ª série Ensino Médio

HISTÓRIA DA ARTE Da Pré-história ao Barroco. Professora: Vanessa Oliveira Arte 1ª série Ensino Médio HISTÓRIA DA ARTE Da Pré-história ao Barroco Professora: Vanessa Oliveira Arte 1ª série Ensino Médio O contexto de uma imagem nos apresenta o cenário geral em que ela foi produzida, sua função e o impacto

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

"Todas as artes contribuem para a maior de todas as artes, a arte de viver." (Bertold Brecht)

Todas as artes contribuem para a maior de todas as artes, a arte de viver. (Bertold Brecht) Estagio Meu estagio também foi realizado nesta escola, acompanhei as aulas de arte ministrada pelo professor Jocymar na 8ºC vespertino. Ela cedeu duas aula para eu aplicar o meu projeto na mesmo turma.

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades

O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS. GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades O NÚMERO DE OURO E SUA RELAÇÃO COM A BELEZA E HARMONIA DOS OBJETOS GT 10 - Docência em Matemática: desafios, contextos e possibilidades Marília Lidiane Chaves da Costa marilialidiane@gmail.com Izamara

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

FACULDADE SENAC PERNAMBUCO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA PROJETO INTEGRADOR - MODA INCLUSIVA

FACULDADE SENAC PERNAMBUCO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA PROJETO INTEGRADOR - MODA INCLUSIVA FACULDADE SENAC PERNAMBUCO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA PROJETO INTEGRADOR - MODA INCLUSIVA MULHERES COM AMPUTAÇÕES NOS MEMBROS SUPERIORES Introdução Moda e deficiência, duas palavras

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa.

Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa. Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo. Aula 12.1 Conteúdo: Renascimento na Europa. Habilidade: Identificar os elementos que caracterizaram as transformações sociais e científicas na Europa

Leia mais

VÍNCULO MAG. plus size URBANO. chic. ROYALS estampas de joias para deixar qualquer look poderoso. Revista da Vínculo Basic Inverno 2015

VÍNCULO MAG. plus size URBANO. chic. ROYALS estampas de joias para deixar qualquer look poderoso. Revista da Vínculo Basic Inverno 2015 VÍNCULO MAG Revista da Vínculo Basic Inverno 2015 URBANO chic Inverno 2015. Tendências da estação mais fria do ano. ROYALS estampas de joias para deixar qualquer look poderoso. plus size SAIBA COMO COMBINAR

Leia mais

HISTÓRIA ANTIGUIDADE

HISTÓRIA ANTIGUIDADE HISTÓRIA Não é possível determinar a época em que o ser humano começou a adotar o vestuário. Acreditase, no entanto, que a moda começou possívelmente motivada por razões que vão desde a proteção contra

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto Fotos necessárias para a confecção da estatueta Todo o trabalho é referenciado em fotos, ou seja, não nos responsabilizamos por material fotográfico que confecção, para isto criamos este guia, para atender

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA Caroline Yurie Kikuchi 1 ;

Leia mais

Fibonacci e a Seção Áurea

Fibonacci e a Seção Áurea Na matemática, os Números de Fibonacci são uma seqüência (sucessão, em Portugal) definida como recursiva pela fórmula abaixo: Na prática: você começa com 0 e 1, e então produz o próximo número de Fibonacci

Leia mais

Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso

Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso Integração da Comunidade 263 Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso Por haver uma grande diversidade, em termos do que pode ser feito em diferentes países e lugares,

Leia mais

Concurso Arte na Capa 2011

Concurso Arte na Capa 2011 Concurso Arte na Capa 2011 Roteiro de participação O Concurso Arte na Capa 2011 terá como atividade principal o exercício de releitura dos grandes movimentos artísticos, tendo como tema paisagens naturais

Leia mais

ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO

ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO Animal print and symbolic consumption explaining models Garcia, Maria Carolina; Doutora; Centro Universitário Belas Artes, maria.garcia@belasartes.br

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE II. Século XIX

HISTÓRIA DA ARTE II. Século XIX HISTÓRIA DA ARTE II Século XIX O Neoclassicismo na Europa Contexto Histórico - Século XVIII: Idade das Luzes - Descoberta de Herculano (1713) e Pompéia (1748) - Na Europa: guerras (esgotamento das riquezas)

Leia mais

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO 1 POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO RESUMO Colégio Londrinense Alunos (as): Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto; Lucas Assis; Rafael Noriaki Yamamoto Orientadora: Wiviane

Leia mais

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO

A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO A CONSTRUÇÃO ATRAVÉS DA FRAGMENTAÇÃO: UM PROCESSO ENTRE CRIATIVIDADE E O DESENHO Jéssica Dalla Corte¹ Márcia Moreno (Orientadora) ² Universidade Comunitária da Região de Chapecó-Unochapecó Resumo: Esta

Leia mais

A designação "Românico" é uma convenção do século XIX e significa "semelhante ao Romano. Termo usado originalmente para a arquitetura se referia à

A designação Românico é uma convenção do século XIX e significa semelhante ao Romano. Termo usado originalmente para a arquitetura se referia à ARTE NA IDADE MÉDIA ARTE ROMÂNICA A designação "Românico" é uma convenção do século XIX e significa "semelhante ao Romano. Termo usado originalmente para a arquitetura se referia à semelhança entre as

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

BARROCO O que foi? O barroco foi uma manifestação que caracterizava-se pelo movimento, dramatismo e exagero. Uma época de conflitos espirituais e religiosos, o estilo barroco traduz a tentativa angustiante

Leia mais

Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire

Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire Natureza e Artificialidade nas mulheres das poesias de Victor Hugo e Charles Baudelaire Grace Alves da Paixão 1 Orientadora: Gloria Carneiro do Amaral Resumo: O objetivo deste resumo é o de expor algumas

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves O desenvolvimento do desenho na criança de acordo com Jean Piaget Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III, ministrada

Leia mais

Arte Romana. 1º Ano Artes. Professor Juventino 2015

Arte Romana. 1º Ano Artes. Professor Juventino 2015 Arte Romana 1º Ano Artes Professor Juventino 2015 Arte Romana A soberania do Império Romano, sem paralelos na história, estendia-se da Espanha ao sul da Rússia, da Inglaterra ao Egito e em seu apogeu absorveu

Leia mais

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique

a. Na Idade Média, a principal riqueza que um homem poderia possuir era a terra. No texto, identifique Atividade extra Vivendo a vida do seu jeito Questão 1 A agricultura para consumo era, no feudalismo, a atividade principal. O comércio, muito reduzido. As terras não tinham valor de troca, de mercado,

Leia mais