RAQUEL PEREIRA SILVA AUGUSTO * O mito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RAQUEL PEREIRA SILVA AUGUSTO * O mito"

Transcrição

1 1 História, Ensino de História e Pós-Modernidade: as implicações da fragmentação do saber histórico para a prática docente e para a formação da consciência histórica RAQUEL PEREIRA SILVA AUGUSTO * O mito O mito de Osíris, o ser bom dentre os antigos egípcios, conta que este teria experimentado a fúria de seu irmão Set, que o teria assassinado, lancinado inteiro e espalhado suas partes por todo o Egito. Porém, Ísis, sua amantíssima esposa e irmã, desolada com o acontecimento, não teria descansado antes de conseguir reunir todos os pedaços que conjuntamente compunham o corpo de seu amado. Ao fazê-lo, teria suplicado aos deuses que permitissem ao ser bom voltar à vida. E assim se fez, Osíris, ainda que despedaçado, recuperou sua existência e seu retorno a ela foi ainda mais esplendoroso tornava-se o deus dos mortos, capaz de decidir o destino eterno dos homens. 1 A história O lobo foi à galinha E disse: precisamos nos conhecer bem Conhecer bem, apreciar bem. A galinha apreciou A galinha foi com o lobo: Por isso há tantas penas no campo. Ho, ho. (O lobo visitou a galinha. Bertolt Brechet) Mais que um fenômeno tecnológico demarcado pela invenção de James Watt em 1790, precedido pela lançadeira volante (1735) e pelo tear mecânico (1785) e acentuado pelos enclousures acts 2, a Revolução Industrial imprimiu transformações para muito além das fábricas e caracterizou comportamentos que já não mais se restringiam ao intervalo dos apitos de entrada e saída dos espaços, propriamente dito, de produção. Mais que transformação da forma e do modo, em si, de produção a industrialização foi capaz de transformar padrões * Secretaria da Educação Do Estado de São Paulo. Graduada em História pela UNESP. Mestre em Educação pela UNICAMP. 1 Baseado na versão do mito de Osíris exposto em As mais belas lendas da mitologia. 2 Expulsão dos camponeses das terras de nobres para transformá-las em latifúndios criadores de ovelhas que ofereceria a matéria-prima para a indústria têxtil e empreendimentos agrícolas de diversas naturezas, concretizando a implantação do capitalismo no campo e o êxodo rural inglês.

2 2 sociais de comportamento, uma vez que estes já se construíam ao longo do tempo. Os valores e os ideais burgueses que moldaram as linhas de produção já eram difundidos desde o Renascimento (sec. XV) e acentuaram-se com a propagação do protestantismo (sec. XVI). Sistematizaram-se em torno da bandeira racionalista liberal anti-absolutista e antimercantilista do século XVIII. Tais ideais promoveram as revoluções inglesas e culminaram com a Revolução Francesa. A partir de então, disseminaram-se sendo compreendidos como valores e ideais universais. Nessa perspectiva, proletários acreditavam lutar, ao lado dos burgueses, contra um inimigo comum. Assim, aderiram aos atos revolucionários, para época, e, as camadas que mais sofreriam com a ascensão da burguesia ajudavam a promovê-la. Marx escreveria: os proletários não combatem ainda seus próprios inimigos, mas os inimigos de seus inimigos, isto é, os restos da monarquia absoluta, os proprietários territoriais, os burgueses não industriais, os pequenos burgueses. Todo o movimento está desse modo nas mãos da burguesia e qualquer vitória alcançada nessas condições é uma vitória burguesa. (MARX e ENGELS, Desta forma, o fim do Ancien Regime não significou de fato a conquista da fraternidade, da liberdade e muito menos da igualdade para o terceiro estado como um todo. Mas, significou a configuração de uma nova estrutura de poder capaz de acelerar o processo de industrialização na França, que, assim como a Inglaterra providenciou mecanismos ainda mais eficientes de produção. Portanto, como afirma Hobsbawm, a revolução industrial havia engolido a revolução política (HOBSBAWM, 1996). Estruturava-se, dessa forma, a passagem do Antigo para o Novo Regime. A passagem do regime aristocrático sedimentado sobre a ordem de nascimento, legitimado por seu caráter eclesiástico, para o regime burguês sedimentado sobre o direito de propriedade, legitimado por seu caráter contratualista 3 e, dito, universalizante. Consolidava-se a passagem da economia transitória comercial para o efetivo tempo do capital. A pós- modernidade Pelo que esperam? Que os surdos se deixem convencer E que os insaciáveis Devolvam-lhes algo? Os lobos os alimentarão, em vez de devorá-los! Por amizade Os tigres convidarão 3 Referência ao Contrato social do iluminista Jean-Jacques Rousseau.

3 3 A lhes arrancarem os dentes! É por isso que esperam! (Os esperançosos. Bertolt Brechet) Nesta conjuntura encontrava-se o povo as margens das esferas de decisão, a margem da possibilidade de conquistas materiais e sendo projetado também para a margem do processo de produção. Mas o povo ainda lutou, a Primavera dos Povos não há de ser negada, tampouco esquecida. Mas, esta, fez, na verdade, com que a burguesia, percebesse que a participação do povo, dentro de limites que garantissem a ordem social burguesa, era a própria fórmula capaz de evitar que tal ordem fosse derrubada. Assim, manifestou-se, a democracia, embora temida, pois ainda era vista como prelúdio rápido e certeiro para o socialismo (HOBSBAWM, 1996: 21), como uma forma eficiente de propagação do discurso burguês, capaz de provocar a sensação da igualdade de garantia dos direitos tidos como universais porque na prática, se processava a desconstrução do conceito de universalização, a começar pelas esteiras das fábricas promovia-se a segmentação do trabalho como descreveria o liberal Adam Smith:...Um operário desenrola o arame, o outro o endireita, um terceiro corta, um quarto o afia nas pontas para a colocação da cabeça do alfinete, para fazer a cabeça do alfinete requerem-se três ou quatro operações diferentes (SMITH, 1985). E como avanço da tecnologia no século XIX e XX o processo de produção aumentou paralelamente ao seu processo de fragmentação. O tylorismo, o fordismo e mais recentemente o toyotismo são evidências dessa dinâmica. Consequentemente o trabalhador viu-se ainda mais distante da ciência geral de seu trabalho, foi obrigado a especializar-se e sob a condição fracionada de sua atividade, viu o conceito de universalização transposto a uma contingência do discurso burguês. O mundo da prática mostrou-se bastante distante do mundo da retórica. Tão logo o processo de fragmentação se efetivava nos espaços específicos de produção, contaminava as demais esferas da vida social. Dessa forma, tanto o espaço de produção quanto os de integração humana se viram relegados à lógica que regia o mundo do capital e consequentemente o mundo da fábrica, mesmo quando não estavam nela. Assim, Milton Santos denuncia, para a maior parte da humanidade, o processo de globalização acaba tendo, direta ou indiretamente, influência sobre todos os aspectos da existência: a vida econômica, a vida cultural, as relações interpessoais e [até] a própria subjetividade... (SANTOS, 2003: ), acentuando o processo de heterogeneidade tão caro ao capital, visto que é este

4 4 processo, manifesto na forma de individualismo, o grande trunfo contra a mobilização social 4. Num mundo em que prega valores e interesses de um grupo como sendo valores e interesses universais, contraditoriamente, se estimula o desejo de sentir-se único e consequentemente promove-se o não reconhecimento no outro do que lhe é semelhante o não reconhecimento do outro como um igual causando um estranhamento e um distanciamento dos pares. Causando uma descaracterização da identidade daqueles que poderiam se articular enquanto classe. Assim, se considerarmos que desde o século XVIII, o cotidiano da fábrica redimensiona o cotidiano das pessoas fora dela, transformando inclusive seus valores, temos, também que considerar que hoje somos não só o acúmulo destas mudanças processadas ao longo dos últimos séculos. Séculos que vislumbraram consolidação de um sistema econômico em que a produção de mercadorias se generaliza, no qual toda a produção é produção para o comércio, em que toda produção é subordinada à auto-expansão do capital, em que toda produção é produção do capital, no qual o excedente de trabalho é apropriado não por coação direta, mas por meio da mediação do intercâmbio de mercadorias, a atividade de produção se torna inseparável da atividade de intercâmbio no mercado. (WOOD, 2003) mas somos, necessariamente, fruto tanto das inovações tecnológicos implementadas na fábrica pós-moderna, terceirizada, como dos demais mecanismos que promoveram a manutenção e a redefinição do próprio capital neste período. Mito, História e pós- modernidade: a condição fragmentária do conteúdo histórico...mas o inimigo está aí, mais forte do que nunca. Sua força parece ter crescido. Ficou com aparência de invencível. Mas nós cometemos erros, não há como negar. Nosso número se reduz. Nossas palavras de ordem Estão em desordem. O inimigo Distorceu muitas de nossas palavras Até ficarem irreconhecíveis. (Aos que hesitam. Bertolt Brechet) Não obstante às transformações do cotidiano, a ciência também se contaminou com a nova lógica da fábrica. Compartimentou o conhecimento assim como se fazia com qualquer 4 Sobre o tema ver SANTOS, Milton. Por uma outra globalização. São Paulo: Record, 2003; HARVEY, David. A condição pós-moderna. ANDERSON, Perry. As origens da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, LOMBARDI, José Claudinei (org.) Globalização, pós-modernidade e educação. Campinas: Autores Associados, 2001.

5 5 mercadoria na linha de produção e fez emergir uma sensação de integração desta com o processo global, uma sensação de desenvolvimento do conhecimento, traduzido em progresso científico. Produziu-se uma fragmentação de saberes, perdeu-se aos poucos a dimensão da totalidade, consolidou-se uma espécie de divisão de tarefas (ECO, 1993). No caso específico da História delineou-se o que foi por tempos sua própria essência: a objetividade (SCHAFF, 1994) e a comprovação da história vivida, motivada pelo ideal positivista, inspirado nas ciências exatas. Posteriormente, na segunda metade do século XIX, com a ascensão da perspectiva revolucionária marxista, que pretendia subverter a ordem burguesa, não só dentro da fábrica, passou a História, a crer que mais que a comprovação e a divulgação do discurso oficial, era seu papel, promover o auxílio ao processo de transformação da realidade que analisava 5. Houve, então, a contestação de produções científicas tidas como verdades absolutas e intransponíveis que legitimavam a opressão de uns sobre outros, como é notório no uso que se fez das descobertas e da própria teoria evolucionista de Darwin. Assim, num panorama de superação da ordem burguesa, o marxismo despontou, não só para a História, mas para as demais ciências sociais, como a teoria capaz de fazer compreender a realidade e propor a atuação sobre ela. Numa dimensão bastante próxima ao próprio real, considerava seus diversos aspectos numa interrelação harmônica capaz de exprimir nas diversas esferas os interesses burgueses. A ótica marxista distanciava-se da ótica positivista e advertia que descobrir e transcrever documentos oficiais era, não só legitimar o estado de coisas em vigência, como ainda dar espaço às vozes dos opressores favorecendo a interpretação de suas imagens como sendo imagens de heroísmo e de referência de um saber imposto como verdadeiro. Visto que tais documentos eram produzidos exatamente pelos representantes diretos da classe dominante que subjugava a classe dominada desprovida dos meios de produção e marginalizada das instâncias do poder conquistadas pela burguesia nas lutas do século XVII e XVIII. 5 Marx não só analisou o proletariado mas o convocou à ação: proletários do mundo uni-vos!. Era a superação da visão objetiva e distanciada dos positivistas. Marx não só analisava a realidade, mas tornava-se um militante.

6 6 A partir de então, aos poucos, percebeu-se uma tendência de a produção historiográfica voltar seu olhar não mais para os documentos produzidos pelos opressores, mas para a opressão, ou dos meios que a geram, e para a própria historia dos oprimidos. Portanto, chegamos ao século XX com a historiografia influenciada até certo ponto pelo idealismo positivista e pelo marxismo revolucionário em oposição. De qualquer modo, pode-se dizer, que influenciada pelas transformações matérias e ideológicas Todos os historiadores constroem o passado como um objeto e sua construção é mediatizada por demandas ideológicas e se oferece na forma de uma narração, marcada ela mesma por suas regras. (FONTANA, 1998). Assim, o enfoque dos estudos históricos e o olhar do historiador passaram a ser redirecionados por mudanças, e as mudanças na historiografia, como em toda produção humana, sempre acompanharam o movimento de mudanças da própria história. Isto pode ser exemplificado com a trajetória da historiografia ao longo dos séculos. Na Idade Média, a história possuía um caráter teleológico bastante compatível aos interesses do cristianismo. Os cronistas do século XIV e XV começaram a narrar também as histórias da nobreza e da cavalaria evidenciando a reconfiguração do poder que se começava a delinear. Em seguida, apresentaram-se as filosofias da história que pretendiam inovações, mas que guardavam em si muito do antigo (que sabemos, é traço característico dos movimentos transitórios) 6. Estabeleceu-se então, o positivismo seguido do marxismo com intenções já apreciadas aqui. Chegamos, enfim, a olhar para a história dos meados do século XX. Ao que se chamou de Revolução Francesa da historiografia (BURKE, 1997) a escola dos Annales, assim denominada devido ao seu enfoque modificado, lançando mão de novos objetos, problemas e abordagens 7 e trazendo a inovação da interdisciplinaridade entre as ciências humanas. Porém, as consequências dos Annales é que podem evidenciar de forma clara a relação das mudanças sofridas pela historiografia na sua interação com o contexto da pósmodernidade. As inovações trazidas pela escola francesa promoveram a inovação e a 6 O movimento histórico da historiografia pode ser analisado em BOURDÉ, Guy and MARTIN, Herve. As escolas históricas. s/l: Publicações Europa-América, BURKE, Peter. A escola dos Annales ( ): a Revolução Francesa da historiografia. São Paulo: Fundação Editora UNESP, CARDOSO, Ciro Flamarion (Org.) e VAINFAS, Ronaldo (Org.). Domínios da História. Rio de Janeiro: Campus, E dos mesmos autores Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Campus, DOSSE, Francois. A história em migalhas: dos Annales à Nova História. São Paulo: EDUSC, Referência à trilogia de Jacques Le Goff e Pierry Nora: História: novos objetos, História: novos problemas e História: novas abordagens.

7 7 redefinição do conceito de documentos e de metodologias a serem utilizadas para o fazer da História, o que tornou bastante flexível a essência da História. A partir da terceira geração dos Annales surgia espaço para pesquisas de temas, no mínimo singulares, baseados na compreensão de que não só o homem político era o sujeito da história, mas tanto ou mais que ele, se apresentavam como sujeito/agente o homem comum, bem como suas atitudes comuns. Mas trouxe em seu bojo a inevitável condição fragmentária do saber histórico, entendida muitas vezes como dissociada da totalidade 8. Promovendo uma análise cientificista de micro-especificidades, muitas vezes praticadas por curiosos sem comprometimento com a ciência histórica, desprovidos de responsabilidade científica e até mesmo ética. Teoria da História e ensino de História: a fragmentação do saber histórico e suas implicações políticas para a prática docente e para a formação da consciência histórica "Privatizaram sua vida, seu trabalho, sua hora de amar... E agora não contente querem privatizar o conhecimento, a sabedoria, o pensamento, que só à humanidade pertence." (Privatizado. Bertolt Brechet) No campo do ensino de história, tais tendências invadiram a sala de aula e, de forma geral, promoveram a superação da produção sistemática de questionários e a memorização de datas e nomes de personagens. Coube ao professor avaliar e mediar aquilo de que deveria valer-se para concretizar sua prática. O professor de História, também produto de todos os séculos de história que o antecedeu, teve/tem assegurada sua consciência de sujeito/agente histórico por meio do conhecimento e compreensão de como todo esse processo se desencadeou. E deve analisar como os conhecimentos chegam à sua sala de aula. Para tanto, deve ser um constante investigador da produção do conhecimento, ou seja, além de conhecedor da história, é preciso também conhecer a história da produção da História. Produção que adentra sua sala de aula e lhe chega por meio de políticas e currículos exigindo mudanças em sua prática. 8 Muito embora, Jacques Le Goff afirme no subtítulo de seu texto A História Nova, que toda forma de História Nova é uma tentativa de história total. LE GOFF, Jacques A História Nova In NOVAIS, Fernando e SILVA, Rogério. Nova História em perspectiva. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

8 8 É preciso compreender a dimensão política daquilo que lhe é muitas vezes imposto. Será, a partir de seu nível de conhecimento e de consciência que delineará sua prática pedagógica. Que poderá discernir o que contribui ou não para a construção da consciência histórica de cada indivíduo (aluno seu), e de como isso poderá desenvolver-se no decorrer do processo de aprendizagem. Se de acordo com Tomaz Tadeu Silva O poder está inscrito no currículo através das divisões entre saberes e narrativas inerentes ao processo de seleção do conhecimento... Aquilo que divide e, portanto, aquilo que inclui/exclui, isso é o poder. (SILVA, 1995: 197), é preciso que seja possível ao professor avaliar tal currículo ou políticas que alcançam seu universo de atuação. Ou seja, é preciso que caiba ao professor deter o poder sobre sua prática. A forma de administrar e de avaliar o equilíbrio do conteúdo programático é uma dimensão política da atuação docente. É aqui, entendemos, que essa função realiza seu papel político e politizador, pois o professor avalia aquilo que desenvolverá, o que se propõe a alcançar 9 e qual a melhor forma para fazê-lo. E é aqui, e para além do currículo 10 e nas entrelinhas da atuação pedagógica 11 que a identidade do ser moral, humano, social e político se compõe, construindo sua historicidade, na medida em que constrói sua consciência. Por isso, cabe ao professor, contribuir para a construção da visão histórica do processo que culminou à formação da sociedade em que o sujeito está inserido. Mas isto, para a disciplina de História, é parte do conteúdo programático, previsto em seu currículo oficial. Porém, o estudo de temas específicos, de civilizações determinadas, bem como o tempo despendido para cada estudo e a forma de fazê-lo, não passa apenas por uma questão metodológica específica, ou por uma complementação curricular, ou por uma questão da psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem. Mas, passa por uma questão notadamente política, essencialmente comprometida com a construção da consciência histórica 12 dos sujeitos em formação. Por isso o professor deve estar instrumentalizado para eleger forma e conteúdo. 9 Sobre o ensino de História e seus objetivos ver ABUD, Katia M, SILVA, André C. M., ALVES, Ronaldo C. Ensino de História. São Paulo: Cengage Learning, Sobre teorias do currículo, inclusive uma revisão da Teoria do Currículo Oculto consultar SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, O professor cônscio de si, como agente histórico, e de sua função social sabe que também atua por meio da interferência nos conflitos existentes na escola microcosmo social. Conflitos de classe, de gênero, de raça e ainda nas manifestações de violência que povoam a escola, extrapolando as regras disciplinares baseadas numa tradição autoritária. 12 Ou leia-se: consciência política.

9 9 A nosso ver, é a consciência histórica um dos contra-pontos possíveis para a visão fragmentária e desemobilizadora que a chamada pós-modernidade nos impôs. Para tanto, não diferentemente ao que ocorre com o mestre, não será por outra via a não ser pela do conhecimento, que a consciência dos alunos também se desenvolverá. Os sujeitos em formação não podem prescindir do conteúdo programático, aliás, ele é a base fundante para o processo de construção de sua consciência como ser social e para a compreensão das relações de poder dessa sociedade. A partir da apropriação do conhecimento se promoverá a compreensão da totalidade na qual estamos inseridos, e consequentemente permitirá aos sujeitos a apropriação dos mecanismos necessários para interagir com esta sociedade, fazendo-os transpor do papel passivo, de sujeito, para o de agente social para o de ser histórico. Portanto, a necessidade para o ensino de História hoje, para que promova a construção dessa consciência histórica, é a superação do estudo da peculiaridade reducionista e a superação do modelo convencional do sujeito heróico, grande personagem. E que o aluno (indo além do professor, mas não sem ele) compreenda a transposição análoga possível: ele é o grande personagem. Suas produções são os novos documentos, ele é responsável por si e pela história de seu tempo. Responsável pela ação ou pela não ação; mas com consciência de que há a opção de ação e de não ação 13, e que a responsabilidade histórica de agir ou não recai sobre si. Pois ele é sujeito da história, mas é também seu agente. Em certo sentido, as novidades metodológicas do universo teórico da ciência histórica muito significaram para os novos sujeitos (nossos alunos): pôde-se explorar e desenvolver o reconhecimento de sua participação efetiva no processo histórico, pôde-se contribuir para os fazerem conscientizar-se de que não os grandes personagens, mas cada um, é parte integrante do contexto social e da construção histórica de seu tempo. Assim, conteúdo e forma 14 mostram complementar-se, e a exploração dos novos temas, de novos objetos, trazidos pela nova história, bem como a nova proposta de abordagens e a exploração das diversas e múltiplas fontes documentais, não podem ser utilizadas apenas no sentido de demonstrar os estratos dominantes da sociedade. Senão apenas estaríamos incrementando a forma de trabalhar a história tradicional positivista. E se os estudos históricos muitas vezes, se fragmentaram a ponto de caracterizarem-se pela análise do 13 Referência as implicações políticas inerentes à condição humana proposta pelo existencialismo de Jean-Paul Sartre. 14 Menção associada à teoria das quatro causas da metafísica aristotélica.

10 10 exótico (VAINFAS, 2002), capaz de atrair a atenção de um público curioso e alienado em relação a função social que a história tem para com seu tempo 15, o ensino de história não pode perder de vista seu papel político na formação de novos sujeitos/agentes históricos. Portanto, cabe ao professor de História, não só os conhecimentos do conteúdo que ministra, mas o conhecimento da forma como tal conhecimento se processa e se modela. Considerações finais (O mito, o ensino de História e teoria da História) Defendemos que o domínio da história da História é essencial para a atuação docente consciente e responsável do professor de História. Entendemos que a compreensão da dimensão política da prática pedagógica desse profissional passa necessariamente pelo conhecimento da Teoria da História, isto é, pelo domínio das características historiográficas e pelos contextos específicos que circundam sua elaboração. Para que, em sua função, o docente não incorra em modismos ou práticas que contribuam para a desconstrução da interpretação da história e, consequentemente acabe por contribuir para a distorção da interpretação do real e dissemine a ideologia dominante 16, o que comprometeria o desenvolvimento da consciência histórico-social que deveria ajudar a formar. Desta forma, confluem-se os pontos tratados anteriormente: o processo histórico de concretização da modernidade e da chamada pós-modernidade; a contaminação de todas as esferas da produção e da interpretação humana pelos mecanismos que promoveram o advento do capital, substancialmente no conteúdo historiográfico; e a prática pedagógica, que se desavisada das implicações contextuais que envolvem a produção da História, pode assumir uma função também fragmentária e desmobilizadora justamente o inverso do que dela se espera. Ou seja, os pontos tratados interligam-se numa relação dialética e evidenciam como, se dissociados, se desconstroem e comprometem sua própria eficácia, sua própria razão de ser. A fragmentação não é pois, apenas uma consideração analítica, mas uma condição real para a qual as instituições sociais foram conduzidas e portanto, dissociarem-se: como o 15 Definido pela terminologia micro-análise, estes estudos redundam em si mesmos, sem articular-se com o todo, executando o modelo mecânico difundido pela ideologia moderna (VAINFAS, 2002). 16 Lembramos Louis Althusser que analisou a escola como um dos Aparelhos Ideológicos do Estado (AIE).

11 11 professor do saber, a escola da ciência, o real de sua análise, assim, perdendo sua dimensão e sua eficiência. Se assim fragmentada for, teremos para a história e para sua contribuição na formação dos novos sujeitos, no máximo, uma manifestação caricaturada do mito de Osíris como analogia ao processo de possível desconstrução da lógica pós-moderna. Mas é preciso ir além da colcha de retalhos (VAINFAS, 2002.), ir além da soma dos fragmentos de Osíris. É preciso a composição da totalidade: não apenas a compreensão da realidade, mas a consciência de que se está inserido naquela, compondo-a também. O que se nos apresenta diante dessa realidade posta pela perversidade do capital (WOOD, 2003.) e que extrapolou o espaço da produção fabril e que tem, entre nós, propagado uma retórica ideológica travestida de ideais ditos democráticos e universalizantes, é um mundo que, na prática tem nos conduzido à interpretação estanque da realidade e nos impregnado de uma heterogeneidade capaz de nos conduzir a desmobilização, consequência da dissociação do todo. Entendemos que o caminho para subverter tal ordem é, senão outro, o de utilizarmos as lacunas deixadas pelas próprias mazelas do capital para conseguir transpôlo. Por exemplo, ocupando os espaços vagos pelo Estado na estrutura escolar, proveniente de seu modelo neoliberal de gestão (OLIVEIRA e ROSAR, 2002) e de administração pública. Neste sentido, se revelaria o que Wood (2003) classifica como a grande ironia da pósmodernidade: a capacidade de coordenarmos os fragmentos a fim de recompormos o todo. E, assim como Ísis, juntar as partes de nosso Osíris para assim conseguir fazer emergir do processo de fragmentação, desencadeado pela lógica do capital, a organização de elementos capazes de nos instrumentalizar contra ele próprio: reunindo a teoria e a prática, o real e sua análise, a escola e a ciência, o professor e o saber. E só assim da mesma forma que o mito, recompor a História e fazê-la emergir como Osíris, em sua complexa totalidade. Referências Bibliográficas ABUD, Katia M, SILVA, André C. M., ALVES, Ronaldo C. Ensino de História. São Pualo: Cengage Learning, ANDERSON, Perry. As origens da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, BOURDÉ, Guy and MARTIN, Herve. As escolas históricas. s/l: Publicações Europa- América, 1983.

12 12 BURKE, Peter. A escola dos Annales ( ): a Revolução Francesa da historiografia. São Paulo: Fundação Editora UNESP, CARDOSO, Ciro Flamarion (Org.) e VAINFAS, Ronaldo (Org.). Domínios da História. Rio de Janeiro: Campus, Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Campus, DOSSE, Francois. A história em migalhas: dos Annales à Nova História. São Paulo: EDUSC, DUPAS, Gilberto. Economia global e exclusão. São Paulo: Paz e Terra, ECO, Umberto.Rápida utopia. In Veja 25 ano: reflexões para o futuro. São Paulo: Editora Abril, HOSBSBAWN, Eric. A era do capital ( ). São Paulo: Paz e Terra, FONTANA, Josep. História depois do fim da História. São Paulo: Edusc, FREITAS, Marcos Cezar (org.). Historiografia Brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto Novo século. Rio de Janeiro: Cia das Letras, LE GOFF. J. and NORRA.P. (orgs) História: novos problemas. Rio de Janeiro: Francisco Alves, História: novas abordagens Rio de Janeiro: Francisco Alves, História: novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, LOMBARDI, José Claudinei (org.) Globalização, pós-modernidade e educação. Campinas: autores associados, LOWY, Michael. As aventuras Karl Marx contra o Barão de Munchhausen: marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. São Paulo: Busca Vida, MARX, Karl.Contribuição à crítica da economia política. São Paulo: Martins Fontes, and ENGELS, Frederich. Manifesto do Partido Comunista. Campinas: histedbr.fe.unicamp.br. NOVAIS, Fernando. Aproximações: estudos de história e historiografia. São Paulo: Cosac Naify, e SILVA, Rogério. Nova História em perspectiva. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

13 13 SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, SCHAFF, Adam. História e verdade. Lisboa: Estampa, SILVA, Maria Abadia.Intervenção ou consentimento. Campinas: Autores Associados, SILVA, Tomaz Tadeu da. Alienígenas na sala de aula. Petrópolis, RJ: Vozes, Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, SMITH, Adam. A Riqueza das Nações (vol.1) São Paulo: Nova Cultural, STHAEL, Mônica (trad.). As mais belas lendas da mitologia. São Paulo: Martins Fontes, VAINFAS, Ronaldo. Os protagonistas anônimos da história: micro-história. Rio de Janeiro: Campus, WOOD, Ellen M. Democracia contra capitalismo: a renovação do materialismo histórico. São Paulo: Boitempo, and FOSTER, John B. Em defesa da história: marxismo e pós-modernismo. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO

HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO HISTÓRIA: UMA CIÊNCIA EM CONSTRUÇÃO Elias da Silva Maia Doutorando HCTE esmaia@ig.com.br UMA VISÃO DE CIÊNCIA Podemos considerar e definir ciência como as atividades, as instituições e os métodos ligados

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura em História Disciplina: Métodos e técnicas de pesquisa Histórica Carga Horária: 45h Teórica: 45h Prática: Semestre: 23.2 Professor: Reinaldo

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

(1) HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. Cap. 10: O que os historiadores devem a Karl Marx?

(1) HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. Cap. 10: O que os historiadores devem a Karl Marx? UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PLANO DE ENSINO DE TEORIAS DA HISTÓRIA II CURSO/SEMESTRE LICENCIATUTA EM HISTÓRIA 3º SEMESTRE DISCIPLINA TEORIAS DA HISTÓRIA II CARÁTER DA

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

FIOCRUZ Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Curso de Mestrado em Educação Profissional em Saúde

FIOCRUZ Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Curso de Mestrado em Educação Profissional em Saúde FIOCRUZ Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Curso de Mestrado em Educação Profissional em Saúde Epistemologia Carla Martins / Marco Antonio C. Santos / Virgínia Fontes 1º semestre 2015 3ªs feiras

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO Angela Maria Souza Martins /UFRJ-UNIRIO Introdução Realizamos essa pesquisa porque percebemos

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

HISTÓRIA. DISCIPLINA: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO CARGA HORÁRIA: 60h CRÉDITOS: 3.1.0

HISTÓRIA. DISCIPLINA: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO CARGA HORÁRIA: 60h CRÉDITOS: 3.1.0 HISTÓRIA DISCIPLINA: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO CARGA HORÁRIA: 60h CRÉDITOS: 3.1.0 A ciência psicológica. A constituição da subjetividade. Desenvolvimento e aprendizagem. Transtornos e dificuldades de aprendizagem.

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

Seminário I Carla Martins / Marco Antonio C. Santos / Virgínia Fontes/Cláudio Gomes/ Anakeila Stauffer Professora convidada: Tânia Camel

Seminário I Carla Martins / Marco Antonio C. Santos / Virgínia Fontes/Cláudio Gomes/ Anakeila Stauffer Professora convidada: Tânia Camel FIOCRUZ Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Curso de Mestrado em Educação Profissional em Saúde Seminário I Carla Martins / Marco Antonio C. Santos / Virgínia Fontes/Cláudio Gomes/ Anakeila Stauffer

Leia mais

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, "Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx", Revista Portuguesa de

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx, Revista Portuguesa de Karl Heinrich Marx (1818 1883) e Friedrich Engels (1820 1895), foram filósofos, historiadores, economistas e políticos alemães, criadores de uma importante corrente de pensamento que visava a transformação

Leia mais

Leis Morais Lei da Igualdade. Sandra Veiga 01/04/2015

Leis Morais Lei da Igualdade. Sandra Veiga 01/04/2015 Leis Morais Lei da Igualdade Sandra Veiga Sandra Veiga A Idade Moderna Contexto da França Pré-revolucionária 1- Crise econômica: A França era basicamente agrária e semifeudal, aliada ao crescimento demográfico

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial.

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de

Leia mais

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação

ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação ESPIRITUALIDADE: Como um valor imprescindível para a educação Janaina Guimarães 1 Paulo Sergio Machado 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo fazer uma reflexão acerca da espiritualidade do educador

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o :. Leia os textos e responda às questões e. Texto Na Grécia Antiga, Aristóteles (384 a.c.-3 a.c.) já defendia a ideia de que o Universo

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão.

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. Senso comum... aranha caranguejeira ou aranha-marrom? Epistemologia Moderna e Contemporânea EPISTEMOLOGIA investiga o conhecimento. limites. possibilidades.

Leia mais

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza O nascimento da sociologia Prof. Railton Souza Áreas do Saber MITO RELIGIÃO ARTES FILOSOFIA CIÊNCIA SENSO COMUM CIÊNCIAS NATURAIS OU POSITIVAS ASTRONOMIA FÍSICA QUÍMICA BIOLOGIA MATEMÁTICA (FERRAMENTA

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Estudos filosóficos em educação I - JP0003 PROFESSOR: Dr. Lúcio Jorge Hammes I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60 (4 créditos) II EMENTA Aborda os pressupostos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, GEOGRAFIA E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO CENTRO DE VOCAÇÃO TECNOLÓGICA DE ALFENAS-MG

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, GEOGRAFIA E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO CENTRO DE VOCAÇÃO TECNOLÓGICA DE ALFENAS-MG EDUCAÇÃO AMBIENTAL, GEOGRAFIA E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO CENTRO DE VOCAÇÃO TECNOLÓGICA DE ALFENAS-MG Alex Cristiano de Souza lecaocristiano@yahoo.com.br Graduando em Geografia Licenciatura Universidade

Leia mais

Mudança e transformação social

Mudança e transformação social 7 Mudança e transformação social Unidade Não existem sociedades sem mudanças. Há transformações maiores, que atingem toda a humanidade, e menores, que acontecem no cotidiano das pessoas. Normalmente elas

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Vera Lúcia Martins 1 Resumo: O trabalho apresenta, sinteticamente,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS Professor(es): WALLACE DOS SANTOS DE MORAES Disciplina: TÓPICO

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA

A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA Mariana Garcia Barbosa 1 Elisete Medianeira Tomazetti 2 Resumo: A pesquisa foi realizada em escola da rede estadual

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Análise das diferentes abordagens historiográficas acerca da transição das sociedades medievais européias ao capitalismo. Formação do Antigo Regime e surgimento do paradigma do homem moderno:

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello

TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Guiomar Namo de Mello TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA, INTERDISCIPLINARIDADE E CONTEXTUALIZAÇÃO Como já vimos, a proposta pedagógica é uma articuladora de intenções educativas onde se definem as competências, os conteúdos, os recursos

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA

A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A IMPORTÂNCIA DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL NO MUNDO DA TECNOLOGIA Zedequias Vieira Cavalcante¹, Mauro Luis Siqueira da Silva² RESUMO: A Revolução Industrial

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa Historiadora, Especialista em Políticas Públicas, responsável, nesta gestão, pela chefia de gabinete da

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO

ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO HADDAD, Cristhyane Ramos UTP crisrhaddad@hotmail.com HADDAD, Monaliza Ehlke Ozório UTP monalizahaddad@uol.com.br PACHECO, Marinêz Menoncin UTP marinez_pacheco@hotmail.com

Leia mais

SIMULADO DE SOCIOLOGIA

SIMULADO DE SOCIOLOGIA SIMULADO DE SOCIOLOGIA 1) O que é Sociologia? a) ( ) Ciência que estuda a relação do homem com a natureza. b) ( ) Ciência que estuda o meio ambiente. c) ( ) Ciência que estuda os grupos, sua organização

Leia mais

Educação popular, democracia e qualidade de ensino

Educação popular, democracia e qualidade de ensino Educação popular, democracia e qualidade de ensino Maria Ornélia Marques 1 Como se poderia traduzir, hoje, o direito de todas as crianças e jovens não somente de terem acesso à escola de oito anos, mas

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

PLANO DE CURSO. *Obs: alguns textos podem ser alterados durante o curso.

PLANO DE CURSO. *Obs: alguns textos podem ser alterados durante o curso. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS, HUMANS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DISCIPLINA OPTATIVA: Tópicos Especiais em História Política: Trabalho, Política e Região

Leia mais

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Reveja esta aula em: http://www.joseferreira.com.br/blogs/sociologia/ Professor: Danilo Borges - Sociologia Aula de hoje... Aprofundamento do problema do trabalho

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME

TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME CADERNO PEDAGÓGICO TEORIAS DA COMUNICAÇÃO ENADE VOLUME 4 ISBN: 2015/1 ALUNO(A): APOIO PEDAGÓGICO: NUCLEO DE FORMAÇÃO GERAL ANNA PAULA SOARES LEMOS JOAQUIM HUMBERTO COELHO DE OLIVEIRA LUCIMAR LEVEGNHAGEN

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Unidade Universitária Cora Coralina CURSO DE HISTÓRIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS. Unidade Universitária Cora Coralina CURSO DE HISTÓRIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA - CIDADE DE GOIÁS Curso: HISTÓRIA Disciplina: História Moderna Habilitação: LICENCIATURA Carga Horária Total: 64 h/a anuais 2 h/a semanais Carga Horária

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Prof. Adeildo Oliveira E-mail: ad.historiatotal@gmail.com INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Ciências Naturais Física Química Biologia Ciências Sociais Economia Antropologia Sociologia 1 Socius

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE II Semana de Economia Política GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE Resumo Inaê Soares Oliveira 1 Lohana Lemos

Leia mais

Capítulo 2: O Pólo da Sociedade

Capítulo 2: O Pólo da Sociedade Capítulo 2: O Pólo da Sociedade A importância da sociedade na educação resulta óbvia, já que é para produzir cidadãos capacitados para viver em sociedade que, em grande medida, os sistemas educativos existem

Leia mais

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com O que foi a Revolução Cultural na China? Caio Lóssio Botelho * É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com uma superfície de mais de 9.500.000 km², com a população superior a 1.180.000.000 habitantes.

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática

O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática O Estado moderno: da gestão patrimonialista à gestão democrática Neusa Chaves Batista 1 1. Introdução O modelo de gestão para a escola pública requerido na atualidade encontra-se expresso no ordenamento

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa

AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa V CONGRESSO DE ENSINO E PESQUISA DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM MINAS GERAIS 1 AS FONTES DOCUMENTAIS: o entrelaçamento dos vestígios na produção da história educativa Luiz Miguel Galvão Queiroz 1 Paulo Sérgio

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima

REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima OBJETIVO Situar o cenário da reestruturação produtiva na

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais