RELAÇÃO GOVERNO, FAMÍLIA E EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX NA PROVÍNCIA DE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÃO GOVERNO, FAMÍLIA E EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX NA PROVÍNCIA DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 RELAÇÃO GOVERNO, FAMÍLIA E EDUCAÇÃO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX NA PROVÍNCIA DE MINAS GERAIS Fabiana da Silva Viana Cynthia Greive Veiga fae-ufmg Esta comunicação apresenta como tema de investigação as relações entre as famílias, a escola e o Estado no contexto de organização da instrução pública na província de Minas Gerais, nas primeiras décadas imperiais. 1 Para isso buscou-se compreender as representações produzidas por algumas parcelas das elites políticas mineiras acerca da família e sua função na educação dos filhos no momento em que introduzia-se no âmbito dos costumes a instrução elementar (ler, escrever e contar) como uma atribuição que cabia ao Estado regulamentar e inspecionar. A partir do estudo de diferentes autores e da análise de documentos diversos queremos problematizar o significado social do estabelecimento, em lei, da obrigatoriedade dos pais em dar instrução aos seus filhos. No nosso entendimento, esta prática contribuiu para dar uma nova centralidade às funções familiares. Entre a obrigatoriedade imposta pelo Estado, as normalizações para isso estabelecidas, através dos procedimentos de identificação dos alunos e seus pais e as precárias condições de freqüência à escola, vemos surgir mecanismos diferenciados que possivelmente interferiram na cultura familiar oitocentista, particularmente, das famílias pobres habitantes da província. Temos que na primeira Constituição brasileira, 1824, Art. 179, a inviabilidade dos direitos civis e políticos dos cidadãos brasileiros estava garantida, entre vários dispositivos, pela instrução primária gratuita a todos os cidadãos. Qual foi o sentido atribuído pelas famílias à essa nova condição de sujeito social, ou seja, cidadãos que iriam usufruir da instrução pública? Por outro lado, quais foram os efeitos do exercício dos poderes locais na fiscalização e interferência na rotina da educação dos pais e seus filhos? Que conseqüências essas ações teriam trazido para o esforço moralizador do Estado sobre as famílias pobres brasileiras? 1 Tema desenvolvido a partir do projeto integrado de pesquisa Escolarização, culturas e práticas escolares: investigações sobre a instituição do campo pedagógico em Minas Gerais 1820/1950 e do sub-projeto Viajantes 1

2 A FAMÍLIA COMO PRINCÍPIO DO ESTADO Autores diferenciados 2 tem indicado para mudanças no comportamento familiar ocorridas na Europa a partir do século XV. Podemos contextualizar essas alterações no movimento da modernidade a partir da produção de novas atitudes mentais e de novas práticas sociais. Tais ações lentamente, instituíram uma cultura de civilidades permitindo no século XIX a consolidação de sociedades que se auto-interpretaram como portadoras de características de uma civilização modelar (ELIAS, 1993). Evidentemente que tais mudanças, por diferentes fatores, não se fizeram de forma homogênea e linear para o conjunto das populações e é exatamente por isso que como componente da dimensão civilizatória, consolidou-se um modelo familiar que viria a se estabelecer como referência de civilização. As mudanças as quais nos referimos e que permitiram uma nova estrutura familiar estão relacionadas, entre outras coisas, à interferência do Estado na regulação jurídica das famílias através da codificação das civilidades (código civil); o estabelecimento de instituições (filantrópicas, religiosas e estatais) de acolhimento das crianças órfãs e abandonadas, o desenvolvimento das teorias médico-higienistas e sua disseminação através de vasta literatura de práticas de controle do corpo e da afetividade das pessoas; a proliferação de uma nova cultura material; a cientifização dos espaços físicos públicos e privados e a produção de uma nova mentalidade educacional que previa a homogeneização cultural da população. Na França, pós-revolução, assistimos a profusão de vários ideários sobre a família, entre eles podemos destacar o de Frédéric Le Pay (PERROT, 1991) que acreditava na revitalização da sociedade civil através da felicidade das famílias, A vida privada imprime sua marca na vida pública; a família é o princípio do Estado 3. É neste sentido que observamos a reorganização interna das famílias, particularmente, no que se refere à divisão do trabalho doméstico, onde se destaca a superioridade absoluta do marido no lar e a definição e consagração de uma nova função da mulher: cuidar do arranjo da casa, amamentar e criar os filhos. 4 O bom andamento das famílias havia se tornado um dos elementos do saber: os visitadores e os inspetores ambulantes da instrução pública em Minas Gerais (1820/1906) coordenado pela professora Dr. Cynthia Greive Veiga, financiado pela FAPEMIG e pelo CNPq. 2 Entre vários outros podemos citar DONZELOT (1986), ARIÈS (1987), CONTAMINE (1990), COLLOMP (1991), FARGE (1991), PERROT (1991). 3 Citado por PERROT, 1991, p Afirmamos como nova função devido, principalmente, a efetiva participação das mulheres na esfera econômica presente nos séculos anteriores. 2

3 fundamentais para o progresso do Estado e da humanidade. Nas palavras de Michele Perrot (1991), as famílias não somente garantem o funcionamento econômico e a transmissão dos patrimônios, é criadora da cidadania e civilidade 5. A autora afirma ainda que, De fato, o filho não pertence apenas aos pais: ele é o futuro da nação e da raça, produtor, reprodutor, cidadão e soldado do amanhã. Entre ele e a família, principalmente, quando esta é pobre e tida como incapaz insinuam-se terceiros: filantropos, médicos, estadistas que pretendem protegê-lo, educá-lo, disciplinálo. 6 Também no Brasil, diferentes autores 7 informam a defesa da família como estratégia fundamental de consolidação das relações de poder e do progresso das civilidades. Tal defesa esteve relacionada principalmente à afirmação do sagrado matrimônio e do casamento monogâmico como necessários para desfazer da cultura familiar produzida pelo passado colonial, marcada pelos concubinatos, amasiamentos, mancebias e demais relações consideradas ilícitas. Destaca-se também as tensões presentes na estrutura familiar brasileira, marcada por uma sociedade que se caracterizava pela pluralidade étnica, pela diversidade econômica e dualidade de condição ser livre ou ser escravo. Nas Minas Gerais do século XVIII, Luciano Figueiredo (1997) observa, por exemplo, as medidas empreendidas pelo governo para a normalização dos grupos sociais da localidade, uma vez que a ausência de laços familiares se constituíram um problema para as autoridades. Não somente aventou-se com a proibição de ida das mulheres brancas para os conventos, como também o estabelecimento de critérios raciais para a ocupação de cargos públicos. No caso das populações pobres, Figueiredo (1997) comenta os contrastes existentes entre a ação repressiva da Igreja na condenação das relações consensuais ao mesmo tempo em que seus membros não eram os melhores exemplos para um disciplinamento, além ainda das altas taxas cobradas que não estavam ao alcance da população pobre. Neste sentido, a estruturação das famílias pobres das Minas Gerias de inícios do século XIX, pela suas características sócioeconômicas e raciais, foi expressão do fracasso da ação da Igreja e do governo em 5 PERROT, 1991, p PERROT, 1991, p Um breve balanço historiográfico da história da família brasileira pode ser encontrado em Del Priore, 1971, podendo ainda ser acrescidos outros presentes na bilbiografia deste texto. 3

4 regulamentá-las. A introdução da obrigatoriedade dos pais em dar instrução aos seus filhos poderia ser pensada como uma forma de regulamentação/moralização dos valores familiares? No Brasil do século XIX, de uma maneira geral, é possível detectar através do desenvolvimento da urbanização o surgimento de um patriarcalismo urbano, delineado a partir de mudanças na vida familiar (MUAZE, 1999). Essa urbanização acontecia de forma desordenada, transformando o espaço urbano através da diminuição das distâncias, do surgimento de novos locais de sociabilidade, da maior vinculação de bens materiais e, portanto, da difusão de ideais civilizatórios. A estrutura dessas cidades, segundo MUAZE, constituía-se a partir de três mundos: o mundo do governo (a elite), o mundo da desordem (os homens livres e pobres) e o mundo do trabalho (os escravos). Mas em que medida aquelas novas relações sociais atingiram a família? Segundo a autora, é a boa sociedade 8, interessada em manter a ordem e difundir as idéias, valores e costumes civilizados, que estabeleceu-se como o modelo de família a ser imitado. Paralelamente, observa-se com a consolidação do Estado Imperial, o interesse em formar cidadãos que viessem futuramente a ocupar seus espaços dentro da sociedade. Portanto, era preciso criar padrões de comportamento e códigos de sentido que delimitassem e apreendessem o real de uma forma comum, constituindo, assim, valores próprios à boa sociedade e uma forma eficiente de identidade entre os membros do mundo do governo 9. Nessa perspectiva, era necessário educar a infância na tentativa de criar um habitus civilizado. Neste contexto, a educação física e a educação moral apareceram como disciplinadoras dos corpos e das mentes, imprimindo sobre os sujeitos posturas e comportamentos, ideais e valores que lhes aproximariam do mundo civilizado europeu. Contudo, a incorporação desse habitus estabelecia uma diferenciação entre a elite e a gente miúda 10, buscando ordenar o mundo da desordem em que viviam esses últimos, dessa forma garantindo a manutenção das hierarquias sociais. De acordo com MUAZE, a família passa a ser o local por excelência, em que os princípios da educação moral deveriam ser ministrados e os pais eram assim responsabilizados pela educação de seus filhos. Essa mentalidade permitiu que a mãe assumisse o importante papel de criar o cidadão, sendo destinada às mulheres, a partir de então, uma educação voltada para os cuidados e a manutenção da família. 8 Termo usado por MUAZE para caracterizar a elite brasileira. 9 MUAZE, 1999, p Termo usado por MUAZE para caracterizar a população livre que não fazia parte da elite brasileira, em consonância com o uso deste termo por parte dos autores dos séculos XVIII e XIX para referir-se às populações pobres. 4

5 Na medida em que à família era atribuída a responsabilidade de educar (transmitir o habitus), o governo assumia a responsabilidade de instruir através da escolarização 11. Entretanto, quais eram os limites da educação e da instrução, ou seja, até que ponto a educação era responsabilidade dos pais e até que ponto era responsabilidade do governo? Mesmo que parte da formação acontecesse na família como ficavam aquelas famílias que faziam parte do mundo da desordem? Será que elas teriam condição de educar seus filhos segundo os padrões civilizados? Compreendemos que a realidade da elite aproximava-a mais dos comportamentos ditos civilizados, sendo inclusive considerada o modelo ideal de família. Por isso, essas famílias poderiam transmitir uma educação moral aos seus filhos, diminuindo até mesmo a interferência do governo na formação desses. Cabe questionar se as famílias pobres, que, como mostra VENÂNCIO 12, viviam uma realidade marcada por crises de níveis diferenciados, conheciam os padrões desejados para transmitir a seus filhos? O que temos, portanto, é uma dosagem diferenciada de interferência do governo no ambiente familiar. Diferenciada porque ela vai obedecer às representações construídas acerca das diferentes famílias. No que se refere às famílias da elite imperial, percebemos que antes de terem seu espaço invadido pelo público eram elas mesmas que interferiam sobre ele. Além de serem um referencial, difundindo seu padrão de vida como sendo o mais adequado, essas famílias compunham uma elite caracterizada por um estreito relacionamento com a burocracia estatal 13. Neste sentido, a consolidação do Estado brasileiro e a, conseqüente, centralização do poder contribuiu para tornar mais tênue o limite entre a elite política e a burocracia, uma vez que aqueles que compunham o corpo de funcionários públicos, na maioria das vezes, vinham dos setores dominantes. Entretanto, o estabelecimento dessa rede de funcionalismo público, abalou em certa medida os poderes locais espalhados pelo interior do país, que a partir de então deveriam submeter-se ao Império 14. Assim, a influência da elite sobre os demais setores da sociedade brasileira não se limitava somente a um discurso de civilidade, mas se fazia sentir na prática através da interferência sobre a vida política e econômica. MUAZE ajuda-nos a compreender esse fato quanto argumenta que houve na sociedade o predomínio de sentimentos próprios à comunidade doméstica sentimentos esses herdados da sociedade colonial -, fazendo com 11 MUAZE, 1999, p VENÂNCIO, CARVALHO, ALENCASTRO,

6 que o cenário social fosse a extensão do privado. Justificando, portanto, a invasão do público pelo privado, do Estado pela família 15. É o estabelecimento dessa rede de funcionalismo que permite-nos compreender até que ponto o espaço privado das famílias pobres foi sendo invadido e modificado. Através desses agentes o Estado tornou-se cada vez mais presente no cotidiano da população pobre, ditando normas e difundindo valores que objetivavam o estabelecimento da ordem. Dessa forma, as famílias que viviam no mundo da desordem foram submetidas às determinações legais de um Governo que se apoiou na idéia de que essas famílias eram incapazes de sozinhas - formarem os futuros cidadãos da civilização principiante 16. No caso da província de Minas Gerais, percebemos que aqueles funcionários passaram a fiscalizar a conduta dos pais com relação à educação de seus filhos, apontando diversas vezes que a falta de freqüência nas escolas era uma conseqüência da omissão dos pais. Outras vezes, esse mesmo problema era o resultado da extrema pobreza em que viviam as famílias dos alunos das escolas públicas. Contudo, essas famílias não estavam alheias a implantação da Instrução Pública Primária obrigatória. Elas se mostraram resistentes e muitas vezes questionadoras, reivindicando o direito a educação e levando o Governo a redefinir suas práticas, na tentativa de incorporar ao sistema educacional os meninos e meninas das diversas povoações. O ESTADO COMO PRINCÍPIO DA INSTRUÇÃO A documentação referente ao início do século XIX tem contribuído amplamente para a problematização das relações entre Estado, famílias e educação, através da elucidação de nuances importantes para a História da Educação. Tal contribuição tem possibilitado o surgimento de uma infinidade de questões, algumas das quais propomo-nos a discutir. A Lei Mineira N o 13 de 28 de Março de 1835, em seu Art. 12 dizia: Os pais de família serão obrigados a dar a seus filhos a instrução primaria do 1 o gráo ou nas escollas públicas, ou particulares, ou em suas próprias cazas, e 15 MUANZE, 1999, p Expressão utilizada por Jose Agostinho Vieira, em resposta a sua nomeação para o cargo de Delegado de Circulo Literário, Vila Diamantina, 20/05/1835 (PP 1/42 Cx 02 envelope 43 APM (Arquivo Público Mineiro)). 6

7 não os poderao tirar dellas, em quanto não souberem as materias proprias do mesmo gráo. 17 A partir de então os pais eram obrigados a enviarem seus filhos à escola 18, cabendo aos Delegados dos Círculos Literários fiscalizar o cumprimento de tal determinação. Assim, em seus relatórios, os Delegados passaram a registrar o andamento da Instrução Pública e, conseqüentemente, o cumprimento (ou descumprimento) do Art. 12. Outras normatizações se fizeram frequentes como, por exemplo, o estabelecimento de multas para os pais que não enviassem seus filhos à escolas, apresentação por parte dos delegados da relação de meninos cujos pais eram omissos em não instruir os filhos 19. Observa-se ainda que a legislação reforça as diferenças sócio-econômica nas formas de acesso à instrução, ou seja, pública, particular ou doméstica. Também na lei 1400 de , o ensino familiar estaria isento de inspeção, confirmando de uma certa forma que a fiscalização esteve mais presente para as famílias pobres e aulas públicas. Através dos relatórios dos delegados pudemos perceber que a Instrução Pública Primária teve como um de seus obstáculos a grande pobreza em que se encontravam as famílias. Os alunos não dispunham de materiais como papel, lápis e penas de escrever e nem mesmo possuíam roupas e sapatos para irem à escola. A pobreza, ainda, levava os pais a ocuparem seus filhos nos serviços domésticos desde muito pequenos. Essa realidade levou os Delegados por diversas vezes a proporem ao governo que intervisse enviando materiais para os alunos pobres. Alguns chegaram até a sugerir que além dos utensílios para a instrução pública, o Governo oferecesse roupas a esses alunos 21. Alegava-se ainda que muitos pais não tinham instrução e que, portanto, não compreendiam a importância da educação. Os próprios Delegados indagavam ao governo que como pais que não tiveram acesso à escolarização poderiam enviar seus filhos à escola? Mas 17 Esta obrigatoriedade não compreendia as meninas que morassem em localidades em que não houvessem professoras (Regulamento N o 3, Lei N o 13 de 1835, Atr. 43). 18 Retomando aqui o processo de configuração da família brasileira gostaríamos de destacar que a obrigatoriedade de dar instrução aos filhos, embora estivessem centradas na relação pai-filhos, não dizia respeito apenas a esse veículo. Na documentação é possível detectar sujeitos diferenciados que são responsabilizados pela instrução como pais, mães, educadores, tutores, amos, cuidador, protetor, bem como sujeitos distintos que deveriam ser instruídos filhos, afilhados, agregados, órfãos. Isto demonstra a permanência no século XIX de uma complexa rede de veículos afetivos presentes na estrutura da família brasileira e a aceitação dela pelo Estado, uma vez que regulamenta em lei os responsáveis e possíveis beneficiários. 19 Este fato foi constatado na documentação (ofícios dos delegados literários aos presidentes de província) estando presente de forma anexa a relação nominal dos pais, mães, tutores, educadores que fazem seus filhos falharem na escola. 20 Livro da Lei Mineira, Tomo XXXIII, Parte I. Lei n , 09 de dezembro de Vila de Campanha, 24/11/1838 (PP 1/42 Cx 12 envelope 37 APM). 7

8 será que os empecilhos à freqüência dos alunos se restringiam somente à pobreza ou à incompreensão dos pais com relação à instrução pública? A qual interpretação o desconhecimento da importância da instrução pública nos leva senão a de que muitos pais não confiavam a educação de seus filhos ao Estado? Nesta perspectiva, muitos pais resistiram à possibilidade de transferir a educação de seus filhos ao Estado, ou seja, deixá-la sobre a responsabilidade de professores que não conheciam. No caso das aulas do sexo feminino, essa desconfiança era ainda maior, como pudemos observar no relatório do Delegado Suplente João Dias de G. Aranha: (...) Exmo. Snr., os Pais de famílias ainda pouco acostumados a mandar instruir suas filhas, e não querendo que estas se apartem, ainda por poucas ôras, de suas vistas, se tem servido de diversos pretextos para não mandarem suas filhas a aula publica apezar da reconhecida probidade da Professora, e do zelo com que se emprega na educação de suas alunas, tendo ate o prezente ávido pouca energia daqueles, que os devem compelir a mandar educar suas filhas, como ordena a Lei (...) 22 Se por um lado os pais eram acusados de omissão, em outros casos percebemos sua intervenção sobre a escolarização de seus filhos através de reclamações e denúncias sobre a conduta dos professores. Assim, vários professores eram denunciados ora por não estarem aptos ao ensino das primeiras letras, ora por infligirem maus tratos sobre os alunos. Através dessas denúncias as famílias reivindicavam o direito de permanência de seus filhos na escola e o direito a uma escola que cumprisse o papel de ensinar a ler, escrever e contar. Com relação aos castigos físicos poderíamos mencionar o caso de um professor que durante a sabatina castigou seu aluno com duas dúzias e nove palmadas e na semana seguinte com mais nove, por não conseguir efetuar as contas, sendo denunciado ao Delegado pelo pai da criança 23. O mesmo professor já havia sido denunciado por outros pais, pois tratava os alunos com beliscões, unhadas e empurrões e por ter quebrado a cabeça de um deles com a palmatória. Contudo, muitos professores, ao enviarem aos Delegados suas listas e mapas de freqüência, queixavam-se que os alunos não obtinham adiantamento por culpa dos pais que 22 Delegado do 15 o Circulo Literário, Vila de Pouzo Alegre, 11/04/1837. (PP 1/42 Cx 07 envelope 57 APM). (grifos nossos) 23 São João Del Rey, 10/09/1843 (PP 1/42 Cx 13 envelope 77 APM). 8

9 não tinham o compromisso de mandar seus filhos para a escola. Carlos P. Freire de Moura, em oficio enviado ao Presidente da Província, alegou que os pais, ou educadores, alguns por desleixo, ao maior numero por pobreza distratam seos filhos 24, impedindo que esses obtivessem progresso na instrução. As dificuldades em fazer valer a obrigatoriedade da Instrução Pública, justificavam muitas vezes as razões dos professores culparem os pais e educadores. Como registrou o Delegado Salvador Machado de Oliveira, alguns professores se me tem queixado das grandes falhas dos Alunnos, e de alguns Pais q. se tem mudado para a distancia de mais de legoas, para assim não serem obrigados a mandar seus filhos á Escola 25. Até que ponto a Instrução Pública poderia interferir sobre o espaço privado dessas famílias? CONSIDERAÇÕES FINAIS Nos contrastes das representações aqui trazidas, numa mínima amostra, temos a evidência de significativas tensões que envolveram as relações entre Estado, famílias e instrução. Retomando algumas questões aqui indicadas podemos apontar algumas pistas reveladoras de que a obrigatoriedade dos pais em dar instrução aos filhos possibilitou uma alteração na cultura familiar oitocentista, particularmente nas famílias pobres. Entre elas podemos destacar por exemplo, questões relativas aos conflitos tempo de trabalho e tempo escolar e sua interferência no arranjo doméstico, o problema referente à freqüência das meninas e o significado disso para a estrutura familiar bem como a temática relativa à educação moral. Em relação à esta questão, é curioso como na legislação houve uma regulamentação em relação aos castigos, indicando para uma punição não física, mas que levassem ao vexame público, provavelmente este esteve relacionado à necessidade de abrandar o medo de ir à escola por parte das crianças e por outro lado às resistências de alguns pais em entregar seus filhos à desconhecidos. Observa-se aí que a legislação previa até demissão do professor caso houvesse denúncias de castigos, mesmo que isso não fosse suficiente para a ocorrência desta prática. Temos ainda que nesta nova experiência de compartilhar a formação moral da criança, o pai seria chamado na escola caso o menino não se corrigisse, podendo inclusive ser suspenso. 24 Minas Novas, 27/05/1836 (PP 1/42 Cx 05 APM). 25 Delegado do 11 o Círculo Literário, Vila de Campanha, 24/11/1838 (PP 1/42 Cx 12 envelope 37 APM). 9

10 Outra pista refere-se aos procedimentos de identificação. Apesar da prática de realização das listas nominais e mapas da população 26, os registros determinados pelo serviço de instrução pública, trazem dados da população infanto-juvenil e seus responsáveis, além de que os mapas de freqüência registram o comportamento moral e desenvolvimento no ensino destes sujeitos. Nestas representações é possível observar um acúmulo de impressões que alimentavam os estigmas em relação às famílias pobres. Por outro lado, temos que parece ter sido incorporado na rotina das famílias a percepção da instrução como fator que altera a condição de sujeito social, a partir das queixas em relação a conduta dos professores e/ou abaixo assinados pedindo a abertura de escolas. Essas ações de uma certa forma parecem ter ultrapassado a expectativa dos gestores do ensino. Neste aspecto, as tensões foram múltiplas. A questão da obrigatoriedade à instrução antes de mais nada buscou produzir uma nova qualificação para as famílias, qual seja a de serem capazes de exercer um dever, num momento em que a educação moral doméstica já não era suficiente. Neste aspecto também temos que produziram-se estereótipos de que as famílias não estavam qualificadas a cumprir tal dever, embora os documentos forneçam outros elementos. A família configurou-se, portanto, no contexto de criação da rede de Instrução Pública, como uma instância que, por um lado, mantinha-se firmemente ligada à tradição, preservando seu espaço privado das interferências do Estado, e por outro, constituía-se como instância avaliativa daquele mesmo processo. Suas interferências na educação escolar funcionaram como meios de redefinição da prática docente e até mesmo das determinações do governo. Colocavam às autoridades a necessidade de criação de escolas e de fiscalização da conduta dos professores e denunciavam a fragilidade de um Estado que se erguia a partir dos ideais das luzes, mas sobre uma estrutura marcada por uma tradição em que o público se inscrevia na esfera do privado. Bibliografia ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Vida Privada e ordem privada no Império. In: História da vida privada no Brasil. Luiz Felipe de Alencastro (Org.). São Paulo: Companhia das Letras, 1997, vol. 2, p. 11 a 93. ARIÈ, Philippe. El niño y la vida familiar en el Antiguo Régimen. Madri: Taurus, PAIVA, C. A. e ARNAUT, L. D. H. (1990). 10

11 CARVALHO, José Murilo de. A Construção da Ordem: a elite política imperial: Teatro de Sombras: a política imperial. 2 a. ed. rev. Rio de janeiro: UFRJ, Relume Dumará, COLLOMP, Alain. Famílias. Habitação e coabitação. In: História da Vida Privada. Da Renascença ao Século das Luzes. CHARTIER, Roger (org.). Trad. Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, p CONTAMINE, Philippe. Os arranjos do espaço privado séculos XIV-XV. In: História da Vida Privada. Da Europa feudal à Renascença. DUBY, Georges (org.). Trad. Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, p DEL PRIORE, Mary L. M. Brasil Colonial: um caso de familias no feminino plural. In: Cadernos de Pesquisa: A família em destaque. Cortez. N o 91, nov/1994. p DONZELOT, Jacques. A Polícia das Famílias. Trad. M. T. da Costa Albuquerque. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Formação do Estado e Civilização. Trad. da versão inglesa Ruy Jungmann. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, V 2. FARJE, Arlette. Famílias. A honra e o sigilo. In: História da Vida Privada. Da Renascença ao Século das Luzes. CHARTIER, Roger (org.). Trad. Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, p FIGUEIREDO, Luciano. Mulheres nas Minas Gerais. In: História das Mulheres no Brasil. DEL PRIORE, Mary (org.). São Paulo: Contexto, p MARCÍLIO, Maria Luiza. História social da criança abandonada. São Paulo: Hucitec, MUAZE, Mariana de A. F. A descoberta da infância: A construção de um habitus civilizado na boa sociedade imperial. Puc-Rio de Janeiro NOVA HISTÓRIA DA EXPANSÃO PORTUGUESA: O IMPÉRIO LUSO-BRASILEIRO Maria Beatriz Nizza da Silva (coord.). Lisboa: Estampa V. VIII. PAIVA, Clotilde A. e ARNAUT, Luiz D. H. Fontes para o Estudo de Minas oitocentista: listas nominativas. In: Anais do V Seminário sobre a economia brasileira: História 11

12 econômica e demográfica economia: avaliação e perspectivas políticas públicas. Belo Horizonte, p PERROT, Michelle. A família triunfante. In: História da Vida Privada. Da Revolução Francesa à Primeira Guerra. PERROT, Michelle (org.). Trad.: Denise Bottman partes 1 e 2; Bernardo Joffily, partes 3 e 4. São Paulo: Companhia das Letras, p Funções da família. In: História da Vida Privada. Da Revolução Francesa à Primeira Guerra. PERROT, Michelle (org.). Trad.: Denise Bottman partes 1 e 2; Bernardo Joffily, partes 3 e 4. São Paulo: Companhia das Letras, p Figuras e papéis. In: História da Vida Privada. Da Revolução Francesa à Primeira Guerra. PERROT, Michelle (org.). Trad.: Denise Bottman partes 1 e 2; Bernardo Joffily, partes 3 e 4. São Paulo: Companhia das Letras, p A vida em família. In: História da Vida Privada. Da Revolução Francesa à Primeira Guerra. PERROT, Michelle (org.). Trad.: Denise Bottman partes 1 e 2; Bernardo Joffily, partes 3 e 4. São Paulo: Companhia das Letras, p SILVA, Maria Beatriz Nizza da. História da família no Brasil colonial. Lisboa: Nova Fronteira, VENÂNCIO, Renato Pinto. Famílias abandonadas. Assistência à criança de camadas populares no Rio de Janeiro e em Salvador século XVIII e XIX. Campinas, São Paulo: Papirus FONTES Ofício de Jose Agostinho Vieira enviado ao Presidente da Província de Minas Gerais, Vila Diamantina, 20/05/1835 (Fundo Seção Provincial-PP 1/42 Cx 02 envelope 43 APM). Ofício de João Dias de G. Aranha enviado a Antonio da Costa Pinto Presidente da Província de Minas Gerais, Vila de Pouzo Alegre, 11/04/1837. (Fundo Seção Provincial-PP 1/42 Cx 07 envelope 57 APM). Ofício de Bernardo Jacintho da Veiga enviado a Joze Feliciano Pinto Coelho da Cunha Presidente da Província de Minas Gerais, Vila de Campanha, 15/09/1835 (Fundo Seção Provincial-PP 1/42 Cx03 envelope 45 APM) 12

13 Ofício de Carlos P. Freire Moura ao Presidente da Província, Minas Novas, 27/05/1836 (Fundo Seção Provincial-PP 1/42 Cx 05 APM). Oficio de Salvador Machado de Oliveira enviado a Bernardo Jacintho da Veiga Presidente da Província, Vila de Campanha, 24/11/1838 (Fundo Seção Provincial-PP 1/42 Cx 12 envelope 37 APM). Ofício de Martiniano Severo de Barros enviado ao Tenente General Francisco José de Souza Soares, São João Del Rey, 10/09/1843 (Fundo Seção Provincial-PP 1/42 Cx 13 envelope 77 APM). IMPÉRIO BRASILEIRO. As Constituições do Brasil. Bahia: Imprensa Oficial, IMPÉRIO BRASILEIRO. Ato Adicional de 12 de Agosto de MINAS GERAIS. Livro da Lei Mineira, Lei n. 13 de 1835 MINAS GERAIS. Livro da Lei Mineira, Tomo I, Parte II, Folha n. 3, Regulamento número 3 da Lei n 13. de 1835 MINAS GERAIS. Livro da Lei Mineira, Tomo XII, Parte I. Lei n. 311, 08 de abril de MINAS GERAIS. Livro da Lei Mineira, Tomo XXXIII, Parte I. Lei n , 09 de dezembro de

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais,

Leia mais

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008.

Resenha do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. do livro: GONDRA, José Gonçalves; SCHUELER, Alessandra. Educação, poder e sociedade no Império Brasileiro. Sao Paulo: Cortez, 2008. de: Surya Aaronovich Pombo de Barros Universidade Federal da Paraíba/UFPB

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão

UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão UMA PROPOSTA DE EMPREENDEDORISMO E INSERÇÃO SOCIAL FEMININA: Projeto Paidéia em Campo Mourão Eva Simone de Oliveira (acadêmica) e-mail: UNESPAR/Campo Mourão e- mail: Claudia Priori (Orientadora) INTRODUÇÃO

Leia mais

A importância da família no processo de educar

A importância da família no processo de educar A importância da família no processo de educar A mim me dá pena e preocupação quando convivo com famílias que experimentam a tirania da liberdade em que as crianças podem tudo: gritam, riscam as paredes,

Leia mais

Com base nas afirmações anteriores, na imagem e em seus conhecimentos, cite e analise:

Com base nas afirmações anteriores, na imagem e em seus conhecimentos, cite e analise: Questão 1: Os Tribunais da Inquisição foram criados pela Igreja no século XIII, para investigar e punir os crimes contra a fé. No século XVI a Inquisição foi reativada em vários países europeus, inicialmente

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

A GÊNESE DE UMA PROFISSÃO FRAGMENTADA E AS AULAS RÉGIAS NO BRASIL

A GÊNESE DE UMA PROFISSÃO FRAGMENTADA E AS AULAS RÉGIAS NO BRASIL A GÊNESE DE UMA PROFISSÃO FRAGMENTADA E AS AULAS RÉGIAS NO BRASIL RELEMBRANDO UM POUCO A EDUCAÇÃO JESUÍTICA 1549 1759: Período Jesuítico: Educação com caráter catequizador. Ensino básico nas escolas de

Leia mais

Avaliação da Descentralização de Programas Sociais o caso do Bolsa Família no Nordeste V Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação Campinas, 27/09/2013 Cátia Wanderley Lubambo FUNDAJ/UFPE

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

Palavras-chave: Creche. Gestão democrática. Projeto Político-Pedagógico.

Palavras-chave: Creche. Gestão democrática. Projeto Político-Pedagógico. GESTÃO DEMOCRÁTICA: FORTALECENDO A COMUNICAÇÃO E A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR NA CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO Resumo VIEIRA, Ana Luzia da Silva - UNINOVE STANGHERLIM, Roberta - UNINOVE

Leia mais

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Mestrando Marcos Francisco ALVES Orientadora Dra. Maria Amélia Garcia

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA

REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA REVISITANDO A HISTÓRIA DA ESCOLA AGRÍCOLA: HISTÓRIA E MEMÓRIA DE UMA ESCOLA CENTENÁRIA Camila Damasceno de Paula Larissa Pamplona de Oliveira Ana Carolina de Almeida Bergamaschi Fabrício Roberto Costa

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i

LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i LEITURAS E LEITORES DA COLEÇÃO BIBLIOTECA DAS MOÇAS. PONTOS PARA UMA PESQUISA A PARTIR DAS MARCAS DE LEITURA FEITAS POR NORMALISTAS i Cássia Aparecida Sales M Kirchner ii Faculdade de Educação Unicamp

Leia mais

Educação e religião das mulheres no Brasil do século XIX: conformação e resistência

Educação e religião das mulheres no Brasil do século XIX: conformação e resistência Educação e religião das mulheres no Brasil do século XIX: conformação e resistência Lilian Sarat de Oliveira FTBAW Educação; emancipação; resistência; conformação ST 27 - Reconfigurações do público e do

Leia mais

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66).

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66). A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES PROFISSIONAIS DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA Rita de Cássia de Alcântara Braúna UFV/MG - rbrauna@ufv.br Agência Financiadora: FAPEMIG e CNPq Introdução Pesquisas na área da formação

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas

Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Vidas cativas: uma biografia dos escravos envolvidos no plano de revolta de 1832 Campinas Ricardo Figueiredo Pirola Mestrando UNICAMP No ano de 1832 foi descoberto em Campinas um plano de revolta escrava,

Leia mais

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL:

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A Primeira Etapa da Educação Básica CÉLIA REGINA B. SERRÃO EXERCÍCIO UM OLHAR UMA DADA COMPREENSÃO lócus específico trajetória profissional

Leia mais

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR CONCEPÇÕES DOS ALUNOS DE EAD SOBRE O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR FERRAZ, Dirce Huf (dirce.ferraz @iap.org.br) IAP CHAVES, Sônia Maria Haracemiv (sharacemiv@gmail.com) Universidade

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º O Plano Municipal de Educação é um plano global de toda a educação do Município de Caxias do Sul,

Leia mais

Brasília abril / 2006

Brasília abril / 2006 O que pensam, sobre meio ambiente, o(a)s aluno(a)s do ensino fundamental do Espírito Santo que participaram do processo de seleção do(a)s delegado(a)s para a II Conferência Nacional Infanto-Juvenil pelo

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

A Família e o Movimento pela Inclusão

A Família e o Movimento pela Inclusão A Família e o Movimento pela Inclusão (Mônica Pereira dos Santos) 1 Já sabemos que a luta pelos direitos dos portadores de deficiência não é recente. No Brasil, se traçarmos uma demarcação temporal, podemos

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE

EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE EDUCAÇÃO ESCOLAR E SEXUALIDADE FIGUEIREDO,Lilia Márcia de Souza 1 ZANZARINI, Maria Pinheiro FERRO, Sônia Maria Pinheiro A educação sexual, teoricamente, é iniciada nas famílias. As crianças são educadas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

Introdução. Da Previsão Legal SÃO BERNARDO DO CAMPO, OUTUBRO DE 2014

Introdução. Da Previsão Legal SÃO BERNARDO DO CAMPO, OUTUBRO DE 2014 SÃO BERNARDO DO CAMPO, OUTUBRO DE 2014 FISCALIZAÇÃO DO TRABALHO Introdução A inspeção do trabalho tem por finalidade a prevenção e manutenção adequada dos direitos trabalhistas dos empregados, frente à

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

Formação de Jovens e Adultos Leitores nas comunidades do entorno da PUCRS

Formação de Jovens e Adultos Leitores nas comunidades do entorno da PUCRS XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Formação de Jovens e Adultos Leitores nas comunidades do entorno da PUCRS Ingrid Malaquias de Maia 1, Maria Conceição Pillon Christofoli 1 1 Faculdade de Educação,

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador.

AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador. AÇÃO COMPLEMENTAR EM LEITURA E LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: um caminho para a formação do professor/educador. MARISTELA PITZ DOS SANTOS SEMED BLUMENAU 1 Janela sobre a utopia Ela está no horizonte

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

COMBINADOS, COMPORTAMENTO E REGRAS DE CONVIVÊNCIA : O PROCESSO DE CIVILIDADE PARA CRIAÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

COMBINADOS, COMPORTAMENTO E REGRAS DE CONVIVÊNCIA : O PROCESSO DE CIVILIDADE PARA CRIAÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL COMBINADOS, COMPORTAMENTO E REGRAS DE CONVIVÊNCIA : O PROCESSO DE CIVILIDADE PARA CRIAÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Orientanda: Daniéle de Matos Machado Orientadora: Prof.ª Dr.ª Magda Sarat Co-orientadora:

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

Manual de Direito Previdenciário

Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Benefícios Fábio Alexandre Coelho Luciana Maria Assad Vinícius Alexandre Coelho 4ª edição Revista e atualizada até julho/2015 Rua Machado

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

30/07 Sessão de Experiência Pedagógica

30/07 Sessão de Experiência Pedagógica 30/07 Sessão de Experiência Pedagógica INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO FUNDAMENTAL II UM CAMINHO DE PESQUISA Profª Drª Cleuza Pelá (Escola Cidade Jardim SP) Introdução Quando o Projeto de Minimonografia

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015.

LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. LEI MUNICIPAL Nº 1191/2015, de 28-04-2015. DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MORMAÇO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA

REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA REGULAMENTO INTERNO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PRÁTICA DE ENSINO DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP - FACULDADE DE APUCARANA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Artigo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO

SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO SOB O DOMÍNIO DE NAPOLEÃO Nível de Ensino/Faixa Etária: 8º e 9º anos do Ensino Fundamental, e todas as séries do Ensino Médio Áreas Conexas: História, Geografia, Sociologia, Ciências Consultor: Rafael

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

RESUMO. Palavras Chave: História da educação. Educação feminina. Instituição escolar confessional.

RESUMO. Palavras Chave: História da educação. Educação feminina. Instituição escolar confessional. Resumos SILVA, Samara Mendes Araújo. À luz dos valores religiosos: escolas confessionais católicas e a escolarização das mulheres piauienses (1906 1973). Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de

Leia mais

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE Camila Emanuella Pereira Neves IE/UFMT- camilaemanuella@hotmail.com Orientador: Prof. Dr. Edson Caetano IE/UFMT caetanoedson@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Voluntariado: tendência de crescimento?

Voluntariado: tendência de crescimento? Voluntariado: tendência de crescimento? Walter de Tarso de Campos Pesquisador FIPE Antonio Bara Bresolin Graduando em Economia FEA/USP Desde o período colonial é possível observar no Brasil a presença

Leia mais

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res

Eixo Temático 1 Instrução e Cult uras Escola res 97 A INSTRUÇÃO NOS JORNAIS, RELATÓRIOS E MENSAGENS DOS PRESIDENTES DE PROVÍNCIA E DE ESTADO NA PARAÍBA (1889-1910). Algumas palavras iniciais: Michelle Lima da Silva Bolsista CNPQ/PIBIC/UFPB (graduanda)

Leia mais

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS*

RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROJETO PILOTO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS ESCOLAS* * Release elaborado pela BM&FBOVESPA baseado nos dados informados pelo Banco Mundial para o 2º Workshop de Divulgação

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO

A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO COMO PRODUTORA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO Gisela Morena de Souza 1 Universidade Federal de Ouro Preto RESUMO: QUANDO FUNDADA EM 1876, A ESCOLA DE MINAS DE OURO PRETO FEZ

Leia mais

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE COLINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E.M.E.F. CEL. JOSÉ VENÂNCIO DIAS EJA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Ninguém educa ninguém. Ninguém se educa sozinho. Os homens se educam em

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Arquivos Públicos e Transparência. Aurora Maia Dantas

Arquivos Públicos e Transparência. Aurora Maia Dantas Arquivos Públicos e Transparência Aurora Maia Dantas Informação Dados, processados ou não, que podem ser utilizados para produção e transmissão de conhecimento, contidos em qualquer meio, suporte ou formato

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO.

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO. AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SOB UMA PERSPECTIVA DE GÊNERO. Lina Penati Ferreira 1 - li.penati@hotmail.com Universidade Estadual de Londrina GT 8- As interface entre teoria democrática,

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Histórias da capitania de São Paulo SILVA, Maria Beatriz Nizza da (Org.). História de São Paulo colonial. São Paulo: Ed. UNESP, 2009. 346p. Denise A Soares de Moura * São Paulo de 1532 a 1822. 290 anos

Leia mais