Em que medida os avanços tecnológicos. podem influenciar na estrutura das cidades.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em que medida os avanços tecnológicos. podem influenciar na estrutura das cidades."

Transcrição

1 Em que medida os avanços tecnológicos podem influenciar na estrutura das cidades. Por: Ernani Maia Orientadora: Marta Bogea Faculdade de Belas Artes de São Paulo Lato Sensu São Paulo, Abril de 2002

2 Ernani Maia Os avanços tecnológicos e as cidades Monografia apresentada a Faculdade de Belas Artes de São Paulo como exigência para a obtenção do título de Especialista em Arquitetura e Cidade. São Paulo, Abril de

3 A vida é aquilo que acontece enquanto pensamos em outra coisa. O. Wilde 3

4 Agradecimentos Sou grato a meus pais pelo amor, trabalho e apoio, a Érika Abe pela existência, a Marta Bogea pela dedicação, paciência e competência, a Beto Corazza pela compreensão, e ao Prof. Wesley Santana pelas contribuições multidisciplinares (filosóficas, sociológicas, históricas e etílicas), além de todos aqueles os quais importunei obrigando-os a ouvir meus devaneios sobre a cidade do amanhã. 4

5 Resumo Esta monografia estuda as mudanças ocorridas nas estruturas das cidades em conseqüência da apropriação dos avanços tecnológicos pela sociedade. Pretende-se detectar as eventuais alterações sofridas nas cidades, sobretudo no período da revolução industrial, pois esta fase pode nos trazer subsídios preciosos para o enfrentamento de uma problemática semelhante, na medida em que os emergentes avanços das tecnologias da informação e da informática já começam a explicitar possíveis alterações na sociedade contemporânea. Este estudo procura resgatar os períodos de grandes mudanças sociais em virtude da evolução científica e tecnológica e analisar em que medida as cidades se reorganizaram e absorveram as evoluções técnicas da humanidade, além de analisar através de alguns modelos de cidades, como arquitetos e urbanistas se apropriaram dos avanços tecnológicos ao planejamento das cidades. Porém, não se pretende aqui, formular uma proposta para as futuras cidades, mais sim, identificar as possíveis condicionantes para um futuro projeto de cidade, que contemple as necessidades de uma nova sociedade, possivelmente virtual (quase transparente), que poderá substituir os deslocamentos e os contatos físicos, por um deslocamento e um contato subjetivo, mediado pelas novas tecnologias, especialmente o computador pessoal. 5

6 Abstract This theory studies the changes ocurred in the cities structures as a result of the appropriation in tecnological advance by the humaneness. The intention is to detect the possible modifications ocurred in the cities, eventhough during the Industrial Revolution, a period that could bring to us some valious subsidies for a best comprehension about a similar trouble, at the same time that the new information tecnology advances started to show their possibles changes that affects the contemporany society. This study looks for bring back the periods of a social changes caused by scientific evolution and tecnological analyzing wich point the cities was reorganized and absorved the human tecnical evolution, besides analyzing through some cities models, as architects and urbanists appropriated the tecnological advances about the cities master plan. However, there is not our intention to couch a new proposal for the futures cities, but to identify the possible conditionals for a future city master plan, wich contemplated the society needs, possibly virtual (almost transparent), that could substitute the dislocation and the physic contacts, for a subjective dislocation and contact, caused for new tecnologies, especially the personal computers. 6

7 Sumário Introdução...08 A revolução Industrial e os avanços tecnológicos...13 A cidade e os avanços tecnológicos (novos problemas)...20 A cidade e a busca de novas soluções...36 Projetos, modelos e cidades...51 As utopias do século XIX...54 As cidades racionalistas...63 Novas utopias para novas tecnologias...75 O retorno às cidades tradicionais...94 As cidades caos...96 A sociedade pós-industrial...99 A emergência do agente revolucionário Especulações sobre a nova cidade Bibliografia Crédito das ilustrações

8 Introdução. Os avanços tecnológicos presentes nas últimas décadas, sem dúvida vêm abalando consideravelmente muitos aspectos que pareciam consolidados na sociedade, um novo meio de inter-relação pessoal emerge com o advento dos computadores pessoais, sobretudo quando estes se conectam entre si, alterando com eficácia alguns costumes sociais. A suposição mais imediata é que em função dos avanços tecnológicos e principalmente com o aumento no chamado teletrabalho, a mobilidade territorial da sociedade tende a diminuir, o deslocamento físico perderia espaço para o deslocamento virtual possibilitado pelos computadores e pelas redes interativas de comunicação. Com isso, pretende-se neste trabalho analisar as alterações sofridas pelas cidades em virtude das descobertas científicas e avanços tecnológicos, 8

9 desde a revolução industrial, até a chamada revolução informacional que estamos vivenciando em nossos dias, através das mudanças ocorridas com a emergência das novas tecnologias da informática e da informação. Para podermos formular hipóteses de uma possível nova estruturação de cidade, analisaremos a história a partir do período da revolução industrial, pois através deste período teremos subsídios preciosos para uma eventual proposta de cidade para as próximas décadas, atentando para as especificidades poderemos traçar um paralelo entre as alterações comportamentais e geográficas ocorridas a partir da metade do século XVIII, com as que já estamos identificando em nosso cotidiano. Posteriormente ao resgate histórico analisaremos alguns modelos propostos para cidades a partir das modificações geradas pela evolução tecnológica e científica posterior ao período da revolução industrial. O primeiro modelo a ser analisado será o de Charles Fourier que na urgência de equacionar os problemas causados especialmente pelo aumento demográfico das cidades do século XIX, formula um pensamento urbanístico que em parte será resgatado no século XX pelos chamados urbanistas de vanguarda moderna, aqui apresentados através da obra de Le Corbusier. Em meados do século XX, a partir dos avanços e da difusão, sobretudo dos meios de comunicação de massa, na efervescência da guerra fria e da corrida espacial, surge um grupo de arquitetos e urbanistas ingleses que através de uma linguagem de história em quadrinhos e HQs de ficção científica, formulam uma série de propostas utópicas e futuristas para as cidades das décadas subseqüentes, é o chamado grupo Archigram que despregados das tradições e descomprometidos com a exeqüibilidade das propostas, conseguem 9

10 vislumbrar cidades móveis, sem território definido, com plena apropriação dos avanços tecnológicos especialmente os meios de comunicação de massa. Estas propostas são aqui apresentadas, pois, os idealizadores com muita propriedade souberam; primeiro, identificar a necessidade de implementação de novas idéias para uma sociedade em meio a mudanças profundas, e segundo porque estes autores apropriaram-se dos avanços tecnológicos e principalmente construtivos disponíveis em sua época, embora as utopias do Archigram não saíram do projeto. Contudo, podemos dizer que ao lado das transformações no povoamento humano devido à domesticação do fogo, da água e do vento, ao lado das transmutações do ambiente natural e construído, provocadas pelas novas energias, devemos acrescentar as transformações geradas pelas novas tecnologias informacionais. Conhece-se a evolução da paisagem rural causada pela distribuição da eletricidade, pela implementação das indústrias, pela organização ferroviária e rodoviária, assim como as mutações da paisagem urbana provocada pelo elevador e o metrô ou pelo automóvel e percebe-se ainda a influência das energias alternativas (energia solar e de outros tipos) sobre a moradia. Então, torna-se pertinente questionar: se não seria agora o momento de nos perguntarmos sobre as relações existentes entre os novos avanços tecnológicos proporcionados especialmente pela evolução da informática, e quais serão as possíveis alterações, sobretudo no ambiente geográfico? Como viver verdadeiramente se o aqui não o é mais e se tudo é agora? Como espacializar o amanhã na fusão instantânea de uma realidade que se tornou dividida entre o tempo da presença (físico / material) e o tempo da telepresença (virtual / transparente)? 10

11 A idéia deste trabalho não é (ainda) propor um efetivo modelo de cidade para os próximos anos, onde a informática e a informação possivelmente mudem muitas coisas em nosso viver, porém, pretendo que este trabalho subsidie uma tese posterior que como arquiteto e urbanista me sinto na obrigação de desenvolver, para não deixar que os avanços tecnológicos e científicos, que se manifestam com extrema rapidez, nos peguem (mais uma vez) desprevenidos. Pretende-se neste trabalho, resgatar os períodos de grandes mudanças sociais em virtude da evolução científica e tecnológica e analisar em que medida as cidades se reorganizaram e absorveram as evoluções técnicas da humanidade, além de analisar através de alguns modelos de cidades, como arquitetos e urbanistas se apropriaram dos avanços tecnológicos ao planejamento das cidades. 11

12 figura 01 A chegada (1914) de Cristopher Nevinson, anuncia o auge da idade do progresso e a madrugada do milênio industrial. 12

13 A Revolução Industrial e os avanços tecnológicos. Segundo os historiadores, houve pelo menos duas Revoluções Industriais: a primeira começou pouco antes dos últimos trinta anos do século XVIII, caracterizada por novas tecnologias como a máquina a vapor, a fiadeira, o processo Cort em metalurgia e, de forma mais geral, a substituição das ferramentas manuais pelas máquinas; a segunda, aproximadamente 100 anos depois, destacou-se pelo desenvolvimento da eletricidade, do motor de combustão interna, de produtos químicos com base científica, da fundição eficiente de aço e pelo início das tecnologias de comunicação, com a difusão do telégrafo e a invenção do telefone. Entre as duas há continuidades 13

14 fundamentais, assim como algumas diferenças cruciais. A principal é a importância decisiva de conhecimentos científicos para sustentar e guiar o desenvolvimento tecnológico após É precisamente por causa das diferenças que os aspectos comuns a ambos períodos da revolução industrial 1, podem oferecer subsídios preciosos para se entender a lógica das revoluções tecnológicas. Primeiramente, em ambas revoluções, testemunhamos um período de transformações tecnológicas em aceleração e sem precedentes em comparação com os padrões históricos. Um conjunto de macroinveções preparou o terreno para o surgimento de microinvenções nos campos da agropecuária, indústria e comunicações. Foram de fato, revoluções no sentido de que um grande aumento repentino e inesperado de aplicações tecnológicas transformou os processos de produção e distribuição, criou uma enxurrada de novos produtos e mudou de maneira decisiva a localização das riquezas e do poder no mundo, que, de repente, ficaram ao alcance dos países e elites capazes de comandar o novo sistema tecnológico. Nesta fase nota-se com clareza que a história da humanidade é cíclica e em alguns aspectos até repetitiva, sempre na história o grupo social ou a civilização que se apropria com mais velocidade dos novos meios técnicos, 1 Na primeira Revolução Industrial na Grã-Bretanha, havia uma interface entre ciência e tecnologia. Segundo Charles Singer em A História da Tecnologia, o aperfeiçoamento decisivo promovido por Watts na máquina a vapor projetada por Newcomen ocorreu em interação com seu amigo e protetor Joseph Black, professor de química da Universidade de Glasglow, onde, em 1757, Watts foi nomeado o Criador de Instrumentos Matemáticos da Universidade e conduziu seus próprios experimentos em modelo da máquina de Newcomen. Assim sabe-se que o condensador desenvolvido por Watts para a máquina a vapor, separado do cilindro em que o postom se movimentava, era intimamente associado e inspirado nas pesquisas científicas de Joseph Black, professor de química da Universidade de Glasglow. - Deane, Phyllis A Revolução Industrial Zahar Editores pág

15 sobretudo, as técnicas de guerra consegue invariavelmente dominar a humanidade. E, essa é precisamente a confirmação do caráter revolucionário das novas tecnologias industriais. A ascensão histórica do chamado Ocidente, limitando-se de fato à Inglaterra e a alguns países da Europa Ocidental, bem como à América do Norte e à Austrália, está fundamentalmente associada à superioridade tecnológica alcançada durante as duas Revoluções Industriais. Nada na história universal cultural, científica, política ou militar antes da Revolução Industrial poderia explicar a indiscutível supremacia (anglosaxônica/alemã e francesa) do Ocidente entre 1750 e A tecnologia, expressando condições sociais específicas, introduziu nova trajetória histórica na segunda metade do século XVIII. A industrialização fornece o ponto de partida da reflexão sobre nossa época. Com a ascensão da burguesia específica, concomitantemente à industrialização, nasce o capitalismo concorrencial e com isso a riqueza deixa de ser imobiliária, as terras escapam aos feudais e passam para as mãos dos capitalistas urbanos. Neste período de nossa história coincidem três tipos de mudanças: descoberta de novas fontes energéticas, uma nova divisão do trabalho e uma nova organização do poder com isso a humanidade fica diante de um salto de época. São estes três tipos de mudanças que trazem consigo uma nova epistemologia, um novo modo de ver o mundo. Alguns historiadores insistem que os conhecimentos científicos necessários à primeira Revolução Industrial já estavam disponíveis cem anos antes, prontos para serem usados sob condições sociais maduras; ou, como afirma outros, aguardando a engenhosidade técnica de inventores autodidatas como Newcomen e Watts, capazes de transformar a tecnologia disponível, 15

16 combinada com a experiência artesanal, em novas e decisivas tecnologias industriais. Porém, a segunda Revolução Industrial, mais dependente de novos conhecimentos científicos, mudou seu centro de gravidade para os EUA e a Alemanha, onde ocorreu a maior parte dos desenvolvimentos em produtos químicos, eletricidade e telefonia. As descobertas tecnológicas ocorreram em agrupamentos, interagindo entre si num processo de retornos cada vez maiores. Sejam quais forem as condições que determinaram esses agrupamentos, a principal lição que permanece é que a inovação tecnológica não é uma ocorrência isolada. Ela reflete um determinado estágio de conhecimento; um ambiente institucional e industrial específico; uma certa disponibilidade de talentos para definir um problema técnico e resolvê-lo; uma mentalidade econômica para dar a essa aplicação uma boa relação custo/benefício; e uma rede de fabricantes e usuários capazes de comunicar suas experiências de modo acumulativo e aprender usando e fazendo. Os efeitos positivos, a longo prazo, das novas tecnologias industriais no crescimento econômico, na qualidade de vida e na conquista humana da natureza hostil (refletidos no aumento impressionante da expectativa de vida, que não tivera uma melhoria constante antes do século XVIII) são indiscutíveis nos registros históricos. Porém, não vieram cedo, apesar da difusão da máquina a vapor e das novas máquinas e equipamentos. No início, o consumo per capita e a qualidade de vida aumentaram pouco (no início do século XVIII), mas as tecnologias de produção mudaram drasticamente várias indústrias e setores, preparando o caminho para o crescimento da segunda metade do século XIX, todavia, os registros históricos parecem indicar que, em termos gerais quanto mais próxima for a relação entre os locais de 16

17 inovação, produção e utilização das novas tecnologias, mais rápida será a transformação das sociedades e a sua efetiva apropriação das inovações tecnológicas. Apesar de ambas as Revoluções Industriais, terem causado o surgimento de novas tecnologias que na verdade formaram e transformaram um sistema industrial em estágios sucessivos, no âmago dessas revoluções havia uma inovação fundamental em geração e distribuição de energia. R.J. Forbes, famoso historiador de tecnologia, afirma que a invenção da maquina a vapor podia ser levada aonde fosse necessária e na extensão desejada 2. E, embora insista no caráter multifacetado da Revolução Industrial, também acha que não obstante os protestos de alguns historiadores econômicos, a maquina a vapor é ainda amplamente considerada a invenção mais requintada da Revolução Industrial. A eletricidade foi a força central da segunda revolução, apesar de outros avanços extraordinários como produtos químicos, aço, motor de combustão interna, telégrafo e telefonia. Isso porque, apenas mediante geração e distribuição de eletricidade, os outros campos puderam desenvolver suas aplicações e ser conectados entre si. Um caso especial foi o do telégrafo elétrico que, utilizado experimentalmente de e em pleno uso desde 1837, só conseguiu desenvolver-se em uma rede de comunicação, conectando o mundo em larga escala, quando pôde contar com a difusão da eletricidade. O uso difundido da eletricidade a partir de 1870 mudou os transportes, telégrafos, iluminação e, não menos importante, o trabalho nas fábricas mediante a difusão de energia na forma de motores elétricos. Na verdade, 2 Forbes, R.J. The Industrial Revolution, , Londres, editora Oxford University Press,

18 embora as fábricas sejam associadas à primeira Revolução Industrial, por quase um século elas não foram concomitantes com o uso da máquina a vapor, bastante utilizada em pequenas oficinas artesanais, enquanto muitas das grandes fábricas continuavam a usar fontes melhoradas de energia hidráulica (daí a razão de, por muito tempo, terem sido conhecidas como moinhos). Foi o motor elétrico que tanto tornou possível quanto induziu a organização do trabalho em larga escala nas fábricas industriais. Portanto, atuando no processo central de todos os processos ou seja, a energia necessária para produzir, distribuir e comunicar as duas Revoluções Industriais difundiram-se por todo o sistema econômico e permearam todo o tecido social. Fontes móveis de energia barata e acessível expandiram e aumentaram a força do corpo humano, criando a base material para a continuação histórica de um movimento semelhante. 18

19 figuras 02,03 Uma roda de fiar podia fazer às vezes de mil fusos era uma regra da Revolução Industrial. Em cima uma cena tradicional de casa de campo. Em baixo, (maquinas de fiar algodão 1835) 19

20 A cidade e os avanços tecnológicos (novos problemas). A grande era das invenções modernas, como já vimos, divide-se em duas fases distintas. A primeira entre 1700 a 1850 foi dominada pelo carvão, o ferro e o vapor, e testemunhou a transição da oficina para a fábrica e de empresa individual para a companhia por ações. A segunda, coincidindo com a aparição das grandes firmas e monopólios de 1850 em diante, está associada, acima de tudo com o aço, a eletricidade, o motor de combustão interna e a síntese de novas substancias. Ambas as fases demonstram que embora o avanço em tecnologia não possa por si próprio levar ao progresso industrial, pode conseguir-se, em pouco tempo um impressionante ganho para a 20

21 sociedade se empresários e artífices habilidosos tiverem a vontade e a capacidade de reconhecer e aplicar novas idéias e invenções úteis. **** Com o desenvolvimento da locomotiva (1814), e com a implementação das linhas ferroviárias, a cidade expande seu crescimento através destes caminhos, a estrada de ferro traz definitivamente o progresso: em primeiro lugar garante o transporte de mercadorias, depois, o de pessoas, assim, as distâncias se encurtam e as relações comerciais entre diversas localidades e países se estreitam, de modo a impulsionar o crescimento econômicocomercial dos países que se apropriarão com mais rapidez, da evolução deste meio de transporte. Não são apenas os bens de consumo trazidos pelos trens, mas, sobretudo o dinheiro de várias partes do globo. Os reflexos desta grande evolução gerada pelos trens e ferrovias são rapidamente sentidos pelas cidades, que mais uma vez têm uma geratriz condicionando seu crescimento e estruturando-a até então sem racionalização. As ferrovias, por muitas vezes, criam resíduos urbanos, segmentam a paisagem, segregam a cidade, por se tratar de uma linha marcante que cicatriza e intransponibiliza, formando assim, dois lados normalmente estanques. Porém, para servir de suporte para a estrutura ferroviária, são edificados grandes galpões e armazéns, tais quais: as docas dos navios a vapor 3, como também, estações que rapidamente tornam-se ícones do progresso da cidade industrial (neoliberal). Um exemplo da 3 Nota do autor: Na primeira metade do século XIX os sistemas de transporte e de comunicação desencadearão as primeiras inovações como os primeiros barcos a vapor (1807), que como os trens com as estações, trás consigo, a necessidade da edificação de docas e portos que se tornam pontos de atração para os imigrantes, sedentos por trabalhos e recém saídos do campo, com isso, a cidade além da transformação no assentamento da 21

22 importância das estações ferroviárias é o fato de que sempre em suas torres, instalavam-se os relógios, que tinham a função de mostrar e marcar a hora de seus trens, também serviam como símbolo da doutrina industrial difundida sobre a massa trabalhadora, na maioria das vezes explorada. Ademais as estações ferroviárias, nota-se que a paisagem dessas cidades começam a ser remodeladas, o horizonte das cidades industriais são cortados com as chaminés das fábricas, adquirindo assim, cada vez mais um aspecto árido e sombrio, pois estas chaminés lançam ininterruptamente suas fumaças sobre a cidade. Monet, Figura 04 Estação de caminho-de-ferro de Paris, a Gare Saint-Lazare pintada por população, iniciada pela implantação das fábricas, dissipa seu crescimento, através das adjacências dessas estruturas comerciais e de serviços, referente ao transporte fluvial. 22

23 Além das grandes cidades que são obrigadas a abrigar a malha férrea, outras pequenas e médias cidades foram surgindo ao redor da ferrovia, assim, esta se torna condicionante para a consolidação geográfica, e para a implantação de novas fábricas, pois invariavelmente, a matéria que as fábricas necessitavam para sua produção, como a que a fabrica produzia, era transportada pelos trens. Juntamente com as fábricas vinha a mão de obra para viabilizar sua operacionalização, e a partir de então, a classe mais desfavorecida era expurgada para as periferias das novas cidades, formando subúrbios, com problemas de habitabilidade (o que será posteriormente abordado). Com isso, a ferrovia e as locomotivas tornam-se, indubitavelmente, uma das invenções mais transcendentes da revolução industrial, tanto é, que via de regra, as teorias urbanísticas do século XIX, contemplavam a ferrovia como meio de transporte determinante para o desenvolvimento das cidades, que apesar das diferenças entre as propostas pode-se notar traços comuns, desde os Falanstérios de Charles Fourier, até as Cidades Jardins de Ebenezer Haward, passando pelas Cidades Industriais de Tony Garnier, todos consideravam a ferrovia como meio de transporte eficiente e determinante para o desenvolvimento racional das cidades. 4 Mais tarde, a invenção do motor a explosão (1885) permite usar o petróleo para mover navios, automóveis e, depois, os aviões. Especialmente, os automóveis trazem à cidade uma mudança considerável, pois as ruas, os cruzamentos, os acessos, a própria casa que necessita a partir de então, um 4 Ver: Choy, Françoise O Urbanismo - editora perspectiva paginas 61 a 66, 163 a 170 e 219 a

24 compartimento que abrigue o automóvel, toda a estrutura dos arruamentos tem de ser alterada. O automóvel muda o enfoque da estruturação da cidade, que se antes pensava no pedestre,- ou no tropeiro -, tem que necessariamente atender esta nova forma de circulação, até se chegar ao lamentável ponto, em algumas cidades modernas, de priorizarem exclusivamente os automóveis. A cidade mais uma vez ganha barreiras intransponíveis. As grandes avenidas do século XX que aos poucos vão tomando os lugares mais nobres das cidades são como as ferrovias do século XIX, e fragmentam definitivamente a cidade, que por mais planejada que seja, com o tempo, passa a conviver com os engarrafamentos. A aridez das cidades industriais atinge o cume, com a obrigatória pavimentação das ruas. Neste momento é a rodovia que estrutura o espaço geográfico, tal qual a ferrovia, a rodovia impõe em meados do século XX as diretrizes para o desenvolvimento das cidades. Figura 05 A Locomotiva de William Hetley. Wylam Dilly,l construída em

25 Figura 06 Locomotiva um exemplo de arte de engenharia, Figura 07 Atento as insuficientes fontes de carvão da Itália e ao entusiasmo pelos caminhos de ferro, um inventor patriótico idealizou a Impulsoria de

26 Através desta analogia entre ferrovia e rodovia, podemos estabelecer uma comparação semelhante com os bondes e os trens metropolitanos. A partir das primeiras iniciativas no campo da eletricidade como a descoberta da lei da corrente elétrica (1827), foi possível desenvolver meios de transporte como o bonde, tão presente nas cidades no século XIX, que com a modernização dos meios de condução de energia como o de construção civil, deu seu lugar aos trens metropolitanos que hoje são reconhecidos como o meio de transporte mais eficiente para as grandes cidades, principalmente quando da ocupação dos subsolos. Figura 08 O carro elétrico de Siemens (O Bonde) na Expo. Elétrica de Paris

27 Todavia, ainda no setor dos transportes, não podemos esquecer a aeronáutica, que a partir dos dirigíveis, tem papel de extrema importância não só no desenvolvimento dos transportes, como no das cidades. A evolução da indústria química também se tornou um fator importante para a compreensão dos avanços tecnológicos e suas interfaces, 5 viabilizou, entre outras coisas, a construção dos primeiros dirigíveis aéreos, e com isso, a conquista do espaço aéreo pelo homem. As cidades precisaram adequar-se mais uma vez ao novo advento, com grandes hangares e locais para o pouso destas enormes estruturas voadoras, e assim, espaços imensos precisariam ser destinados a mais uma conquista da humanidade. Posteriormente, com a já mencionada invenção do motor à explosão e o desenvolvimento da engenharia aerodinâmica, o avião toma a cena, e define-se como principal meio de transporte para grandes distâncias. O aeroporto passa a ser preponderante e é implantado em geral em lugares mais afastados das cidades, liberando o espaço aéreo nas adjacências, porém com o crescimento da cidade, o aeroporto, passa com o tempo a ser envolvido pela cidade, muitas vezes ficando em uma posição desaconselhável para os padrões de segurança. O avião nos trás a possibilidade de ver a cidade de outro ângulo, em outra perspectiva, além de possibilitar o acesso à cidade por outro caminho que não, o terrestre, assim faz do aeroporto uma outra porta de entrada da cidade, com isso os aeroportos passam a ter valor estratégico para a imagem da cidade. 5 Nota do Autor: A indústria Química também se tornou um importante setor de ponta no campo fabril, a obtenção de matérias primas sintéticas a partir dos subprodutos do carvão (nitrogênio e fosfato), corantes fertilizantes plásticos, explosivos, etc. 27

28 Figura 09 Os símbolos das conquistas da técnica, um balão, um dirigível e um biplano parecem meditar sobre esta cena. Vista da Ponte de Sèvres (1908), de Rousseaou. **** Além do papel fundamental da eletricidade no desenvolvimento dos transportes metropolitanos, a eletricidade associada à lâmpada elétrica (1876) possibilitou iluminar a cidade, as casas, e dar margem a uma série de outras invenções. Para o propósito da discussão em pauta, devemos salientar a iluminação pública que não só tornou a cidade mais segura e passível do frequentamento noturno, mas alterou definitivamente o cotidiano, expandindo o dia produtivo através da noite, o aproveitamento produtivo, sobretudo nas fábricas, duplicou criando assim, os turnos de trabalho. A iluminação de nossas ruas criou além do trânsito noturno, a possibilidade do lazer noturno, que entre outras coisas, necessita de estrutura própria. Nasce então, uma outra faceta em algumas cidades, a de explorar a noite comercialmente como entretenimento. As cidades sofrem com isso mudanças do ponto de vista geográfico, pois a setorização torna-se fundamental, as áreas que exploram o 28

29 comércio e os serviços noturnos não podem (ou não poderiam), de maneira alguma, chocarem-se com as áreas residenciais, que por sua vez não deveriam estabelecer relações físicas com áreas industriais, assim, as cidades começam a ser subdivididas, de modo a cada vez mais necessitarem de transportes eficientes, tanto coletivos como individuais. 6 Figura 10 A invenção do motor de combustão interna, deu origem à moderna industria automobilística. Karl Benz ao volante do seu automóvel (1887). 6 Nota do Autor: A energia elétrica passou a exercer sobre a humanidade uma influencia vital, e só tomamos consciência disso, quando estamos prestes a perde-la. A crise de energia enfrentada por diversos paises, sobretudo o Brasil, revela nossa total dependência desta energia. Precisamos de eletricidade para manter a temperatura fria no verão e quente no inverno, para cozinhar grande parte de nossa comida e congelar o que pretendemos comer depois. Dependemos dela para transporte, comunicação, diversão, para levar vidas que não têm qualquer relação com o nascer e o pôr do sol. 29

30 A revolução industrial primeiramente restringiu-se aos locais de trabalho e produção partilhada, até que o motor elétrico limpo e relativamente pequeno possibilitou a adoção de sua utilidade no lar: refrigeração, limpeza automatizada, esfriamento de ambientes, melhor aquecimento, diversão, armazenagem de dados em massa, assistência médica doméstica e transporte pessoal mais confortável. É verdade que muitas dessas bênçãos já se achavam presentes no lar graças a tecnologias mais simples o encanamento com base na gravidade, por exemplo, ou o fluxo de ar convectivo (renovação mecânica do ar) -, mas foi o motor elétrico que as levou a toda parte. A transformação do estilo de vida ocidental foi profunda e mudou completamente nossas expectativas de como nossos corpos devem se encaixar em nosso ambiente. **** A invenção do processo Bessemer (1856) facilita a difusão do aço, que permite construir novas máquinas mais eficientes e novas estruturas nunca vistas no passado: grandes coberturas sem suportes intermediários (a rotunda da Exposição Universal de Viena, de 1873, com o diâmetro de 102 metros, a sala das máquinas da Exposição Universal de Paris de 1889, de 115 por 420 metros), pontes suspensas cada vez mais longas (desde a Ponte do Brooklyn de 1873, de 488 metros, à Ponte de Washington sobre o Hudson, de 1928, de metros), arranha-céus cada vez mais altos (dos primeiros de Chicago, no fim do século XIX, de andares, aos de New York nos primeiros decênios do século XX, com mais de 100 andares;. A invenção do dínamo (1869) permite usar a eletricidade como força motriz, e tornam possíveis 30

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

Inglaterra século XVIII

Inglaterra século XVIII Inglaterra século XVIII Revolução: Fenômeno político-social de mudança radical na estrutura social. Indústria: Transformação de matérias-primas em mercadorias, com o auxílio de ferramentas ou máquinas.

Leia mais

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar.

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar. O Inventor 1) Introdução Quem é um inventor? Aquela pessoa que cria ou descobre fórmulas diferentes ou objetos novos para a solução de problemas? Ou pessoas comuns, como eu e você, que conseguem viver

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Mobilidade com produtividade

Mobilidade com produtividade Curitiba Maio, 2015 > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > > Mobilidade com produtividade Wagner Colombini Martins Logit Engenharia Documento confidencial para uso e informação do cliente > > > > > >

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Habilidades: Conhecer os principais reflexos da cultura industrial no cotidiano amazonense do início do século XX Manaus na Belle

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA

AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing e Redes Sociais Aluno Max Diniz Cruzeiro O PODER DAS REDES SOCIAIS E SUA INFLUÊNCIA BRASÍLIA - DF 2014 AVM Faculdade Integrada MBA Executivo em Marketing

Leia mais

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA

ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA No Brasil, as capitais nordestinas são as que mais sofrem com a especulação imobiliária. Na foto, Maceió, capital do estado de Alagoas. Especulação imobiliária é a compra ou aquisição

Leia mais

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL SOLUÇÕES EFICIENTES HOJE, A NOSSA RIQUEZA DE AMANHÃ www.construcaosustentavel.pt ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA Apoio: AS CIDADES SÃO O NOSSO DESAFIO 50% da população

Leia mais

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03

IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 1 IDÉIAS EM CONSTRUÇÃO DOCUMENTOS PARA ESTUDO 03-03 O PAPEL DO FUNDO ROTATIVO NA FORMAÇÃO DE UMA NOVA CULTURA DE CRÉDITO Introdução Obedecendo a mesma dinâmica dos dois números anteriores, esse texto trata

Leia mais

Apostila 2. Capítulo 7. A evolução da capacidade energética do ser humano. Página 233

Apostila 2. Capítulo 7. A evolução da capacidade energética do ser humano. Página 233 Apostila 2 Capítulo 7 Página 233 A evolução da capacidade energética do ser humano A vantagem energética Nosso antepassados criaram um método para as caçadas, que lhes dava certa vantagem energética sobre

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

Na época dos nossos bisavós os computadores já existiam, apesar de extremamente rudimentares. Eram os computadores mecânicos, que realizavam cálculos

Na época dos nossos bisavós os computadores já existiam, apesar de extremamente rudimentares. Eram os computadores mecânicos, que realizavam cálculos Na época dos nossos bisavós os computadores já existiam, apesar de extremamente rudimentares. Eram os computadores mecânicos, que realizavam cálculos através de um sistema de engrenagens, accionado por

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia

Bercy - Paris França. Intervenção urbana. Prof. Ernani Maia Bercy - Paris França Intervenção urbana Prof. Ernani Maia O SETOR LESTE O setor leste de Paris historicamente exerceu função industrial, tais como: Armazéns de vinho, Docas, entrepostos e espaços residuais

Leia mais

Economia Industrial 1

Economia Industrial 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso de Economia Economia Industrial Análise Estrutural dos Mercados e da Concorrência em Oligopólios Conceitos Introdutórios Professor : Johnny Luiz Grando

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Cloud Computing. Um Caminho Sem Volta. George Randolph CEO Ipsense

Cloud Computing. Um Caminho Sem Volta. George Randolph CEO Ipsense Cloud Computing Um Caminho Sem Volta George Randolph CEO Ipsense 1 Introdução O tema Cloud Computing ou Computação em Nuvem é cada vez mais comum não só entre profissionais da área de TI mas entre a grande

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Introdução. Observando o ambiente

Introdução. Observando o ambiente Introdução A curiosidade natural do homem, o leva a explorar o ambiente que o cerca, observando, analisando, realizando experiências, procurando saber o porquê das coisas. Nesta atividade, exploradora

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Introdução à Engenharia

Introdução à Engenharia Introdução à Engenharia Aula 03 História da Engenharia Edgar Alberto de Brito A história da Engenharia Engenharia na Pré-História. Atividade na Antiguidade. Atividade na era Moderna e Contemporânea. Aspectos

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes. O consumismo de energia

Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes. O consumismo de energia Escola Profissional Desenvolvimento Rural de Abrantes O consumismo de energia Consumo de Energia O consumo da energia no mundo está resumido na sua maioria pelas fontes tradicionais como o petróleo, carvão

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Jardins urbanos suspensos

Jardins urbanos suspensos Jardins urbanos suspensos Retirado do site: Mercado Ético - 16/06/2011 12:22:58 Seu nome é Jardins de Cristal (Crystal Gardens), uma referência direta à interessante combinação de vidro e verde. Mas os

Leia mais

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO DE GEOGRAFIA PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas SECRETÁRIA EXECUTIVA

Leia mais

Clipping Vendas de imóveis caem 36,5%

Clipping Vendas de imóveis caem 36,5% Vendas de imóveis caem 36,5% 4438298 - DCI - SERVIÇOS - SÃO PAULO - SP - 16/07/2014 - Pág A8 O mercado imobiliário na capital paulista segue com queda nas vendas em 2014 na comparação com 2013, influenciado

Leia mais

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO DIVISÃO DO CONTINENTE AMERICANO Os países que pertencem a América do Norte são: EUA, Canadá e México. Os países que pertencem a América Anglo Saxônica são: EUA

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Estou muito honrado com o convite para participar deste encontro, que conta

Leia mais

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE Recife 500 Anos uma visão de cidade 1 Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã. Victor Hugo 2 Recife 500 Anos uma visão de cidade

Leia mais

2 Trabalho e sociedade

2 Trabalho e sociedade Unidade 2 Trabalho e sociedade Os seres humanos trabalham para satisfazer suas necessidades, desde as mais simples, como as de alimento, vestimenta e abrigo, até as mais complexas, como as de lazer, crença

Leia mais

Gabarito das Questões do Módulo 5

Gabarito das Questões do Módulo 5 Gabarito das Questões do Módulo 5 2. De que maneira as inovações tecnológicas contribuem para o aumento do consumo? Quais as consequências ambientais deste aumento? Resposta O lançamento de produtos cada

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis

Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Documento confidencial para uso e informação do cliente Estudo, Análise e Proposta de Soluções Para Melhoria da Mobilidade Urbana na Região Metropolitana de Florianópolis Apresentação Florianópolis Dezembro

Leia mais

Metade da humanidade não come...

Metade da humanidade não come... Metade da humanidade não come... ...e a outra metade não dorme com medo da que não come. Josué de Castro DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM Art. 1º Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Engenharia e Meio Ambiente

Engenharia e Meio Ambiente Engenharia e Meio Ambiente 1. ECOLOGIA 2. MEIO AMBIENTE 3. HABITAT E NICHO ECOLÓGICO 4. POTENCIAL BIÓTICO 5. RESISTÊNCIA AMBIENTAL 6. PEGADA ECOLÓGICA O QUE É ECOLOGIA? 1. Ciência que estuda as relações

Leia mais

A Ciência, o Poder e e os os Riscos

A Ciência, o Poder e e os os Riscos A Ciência, o Poder e e os os Riscos Diana Sofia Nº 12 11ºC - 2006/07 Prof. Idália Carrasqueiras Sabemos muita coisa (Vídeo com informação científica) Chegámos muito longe (Vídeo com os momentos da chegada

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi Cenário positivo Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37 Texto: Lucas Rizzi Crescimento econômico, redução da pobreza, renda em expansão e dois grandes eventos esportivos vindo

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais

Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Condomínios empresariais na Região Metropolitana de Campinas: intencionalidade e fatores locacionais Rodolfo Finatti rodolfofinatti@yahoo.com.br FFLCH/USP Palavras-chave: condomínio empresarial, Região

Leia mais

construímos a inovação POR

construímos a inovação POR construímos a inovação POR construímos a inovação 2 3 Compact Habit, uma iniciativa da empresa de Manresa, Constructora d Aro S.A., foi criada em 2004 para atender à necessidade de inovação na construção.

Leia mais

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL CÊGA, Anderson Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br TAVARES, Guilherme Associação Cultural e Educacional

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO

ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO ESTRUTURA E TENDÊNCIAS DO MERCADO DE TRABALHO Colombo, 06 de abril de 2010. Instrutora: Amanda G. Gagliastri Formação: Administradora de Empresas O momento em que vivemos Processo acelerado de mudanças

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA Participantes: Dr. Roberto Simões, presidente do CDN (Conselho Deliberativo Nacional) e Dr. Carlos Alberto dos Santos, Diretor Técnico do Sebrae Nacional. Objetivo:

Leia mais

História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano

História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano História/15 6º ano Turma: 2º trimestre Nome: Data: / / 6ºhis302r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 6º ano Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 2º trimestre. Como base neles você deverá iniciar seus

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Rust belt. Cinturão de ferrugem é uma área no nordeste dos EUA, situada aproximadamente entre as cidades de Chicago e Nova Iorque.

Rust belt. Cinturão de ferrugem é uma área no nordeste dos EUA, situada aproximadamente entre as cidades de Chicago e Nova Iorque. Rust belt Cinturão de ferrugem é uma área no nordeste dos EUA, situada aproximadamente entre as cidades de Chicago e Nova Iorque. Esta aglomeração industrial foi batizada de "Manufacturing belt" (atual"rust

Leia mais