Em que medida os avanços tecnológicos. podem influenciar na estrutura das cidades.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Em que medida os avanços tecnológicos. podem influenciar na estrutura das cidades."

Transcrição

1 Em que medida os avanços tecnológicos podem influenciar na estrutura das cidades. Por: Ernani Maia Orientadora: Marta Bogea Faculdade de Belas Artes de São Paulo Lato Sensu São Paulo, Abril de 2002

2 Ernani Maia Os avanços tecnológicos e as cidades Monografia apresentada a Faculdade de Belas Artes de São Paulo como exigência para a obtenção do título de Especialista em Arquitetura e Cidade. São Paulo, Abril de

3 A vida é aquilo que acontece enquanto pensamos em outra coisa. O. Wilde 3

4 Agradecimentos Sou grato a meus pais pelo amor, trabalho e apoio, a Érika Abe pela existência, a Marta Bogea pela dedicação, paciência e competência, a Beto Corazza pela compreensão, e ao Prof. Wesley Santana pelas contribuições multidisciplinares (filosóficas, sociológicas, históricas e etílicas), além de todos aqueles os quais importunei obrigando-os a ouvir meus devaneios sobre a cidade do amanhã. 4

5 Resumo Esta monografia estuda as mudanças ocorridas nas estruturas das cidades em conseqüência da apropriação dos avanços tecnológicos pela sociedade. Pretende-se detectar as eventuais alterações sofridas nas cidades, sobretudo no período da revolução industrial, pois esta fase pode nos trazer subsídios preciosos para o enfrentamento de uma problemática semelhante, na medida em que os emergentes avanços das tecnologias da informação e da informática já começam a explicitar possíveis alterações na sociedade contemporânea. Este estudo procura resgatar os períodos de grandes mudanças sociais em virtude da evolução científica e tecnológica e analisar em que medida as cidades se reorganizaram e absorveram as evoluções técnicas da humanidade, além de analisar através de alguns modelos de cidades, como arquitetos e urbanistas se apropriaram dos avanços tecnológicos ao planejamento das cidades. Porém, não se pretende aqui, formular uma proposta para as futuras cidades, mais sim, identificar as possíveis condicionantes para um futuro projeto de cidade, que contemple as necessidades de uma nova sociedade, possivelmente virtual (quase transparente), que poderá substituir os deslocamentos e os contatos físicos, por um deslocamento e um contato subjetivo, mediado pelas novas tecnologias, especialmente o computador pessoal. 5

6 Abstract This theory studies the changes ocurred in the cities structures as a result of the appropriation in tecnological advance by the humaneness. The intention is to detect the possible modifications ocurred in the cities, eventhough during the Industrial Revolution, a period that could bring to us some valious subsidies for a best comprehension about a similar trouble, at the same time that the new information tecnology advances started to show their possibles changes that affects the contemporany society. This study looks for bring back the periods of a social changes caused by scientific evolution and tecnological analyzing wich point the cities was reorganized and absorved the human tecnical evolution, besides analyzing through some cities models, as architects and urbanists appropriated the tecnological advances about the cities master plan. However, there is not our intention to couch a new proposal for the futures cities, but to identify the possible conditionals for a future city master plan, wich contemplated the society needs, possibly virtual (almost transparent), that could substitute the dislocation and the physic contacts, for a subjective dislocation and contact, caused for new tecnologies, especially the personal computers. 6

7 Sumário Introdução...08 A revolução Industrial e os avanços tecnológicos...13 A cidade e os avanços tecnológicos (novos problemas)...20 A cidade e a busca de novas soluções...36 Projetos, modelos e cidades...51 As utopias do século XIX...54 As cidades racionalistas...63 Novas utopias para novas tecnologias...75 O retorno às cidades tradicionais...94 As cidades caos...96 A sociedade pós-industrial...99 A emergência do agente revolucionário Especulações sobre a nova cidade Bibliografia Crédito das ilustrações

8 Introdução. Os avanços tecnológicos presentes nas últimas décadas, sem dúvida vêm abalando consideravelmente muitos aspectos que pareciam consolidados na sociedade, um novo meio de inter-relação pessoal emerge com o advento dos computadores pessoais, sobretudo quando estes se conectam entre si, alterando com eficácia alguns costumes sociais. A suposição mais imediata é que em função dos avanços tecnológicos e principalmente com o aumento no chamado teletrabalho, a mobilidade territorial da sociedade tende a diminuir, o deslocamento físico perderia espaço para o deslocamento virtual possibilitado pelos computadores e pelas redes interativas de comunicação. Com isso, pretende-se neste trabalho analisar as alterações sofridas pelas cidades em virtude das descobertas científicas e avanços tecnológicos, 8

9 desde a revolução industrial, até a chamada revolução informacional que estamos vivenciando em nossos dias, através das mudanças ocorridas com a emergência das novas tecnologias da informática e da informação. Para podermos formular hipóteses de uma possível nova estruturação de cidade, analisaremos a história a partir do período da revolução industrial, pois através deste período teremos subsídios preciosos para uma eventual proposta de cidade para as próximas décadas, atentando para as especificidades poderemos traçar um paralelo entre as alterações comportamentais e geográficas ocorridas a partir da metade do século XVIII, com as que já estamos identificando em nosso cotidiano. Posteriormente ao resgate histórico analisaremos alguns modelos propostos para cidades a partir das modificações geradas pela evolução tecnológica e científica posterior ao período da revolução industrial. O primeiro modelo a ser analisado será o de Charles Fourier que na urgência de equacionar os problemas causados especialmente pelo aumento demográfico das cidades do século XIX, formula um pensamento urbanístico que em parte será resgatado no século XX pelos chamados urbanistas de vanguarda moderna, aqui apresentados através da obra de Le Corbusier. Em meados do século XX, a partir dos avanços e da difusão, sobretudo dos meios de comunicação de massa, na efervescência da guerra fria e da corrida espacial, surge um grupo de arquitetos e urbanistas ingleses que através de uma linguagem de história em quadrinhos e HQs de ficção científica, formulam uma série de propostas utópicas e futuristas para as cidades das décadas subseqüentes, é o chamado grupo Archigram que despregados das tradições e descomprometidos com a exeqüibilidade das propostas, conseguem 9

10 vislumbrar cidades móveis, sem território definido, com plena apropriação dos avanços tecnológicos especialmente os meios de comunicação de massa. Estas propostas são aqui apresentadas, pois, os idealizadores com muita propriedade souberam; primeiro, identificar a necessidade de implementação de novas idéias para uma sociedade em meio a mudanças profundas, e segundo porque estes autores apropriaram-se dos avanços tecnológicos e principalmente construtivos disponíveis em sua época, embora as utopias do Archigram não saíram do projeto. Contudo, podemos dizer que ao lado das transformações no povoamento humano devido à domesticação do fogo, da água e do vento, ao lado das transmutações do ambiente natural e construído, provocadas pelas novas energias, devemos acrescentar as transformações geradas pelas novas tecnologias informacionais. Conhece-se a evolução da paisagem rural causada pela distribuição da eletricidade, pela implementação das indústrias, pela organização ferroviária e rodoviária, assim como as mutações da paisagem urbana provocada pelo elevador e o metrô ou pelo automóvel e percebe-se ainda a influência das energias alternativas (energia solar e de outros tipos) sobre a moradia. Então, torna-se pertinente questionar: se não seria agora o momento de nos perguntarmos sobre as relações existentes entre os novos avanços tecnológicos proporcionados especialmente pela evolução da informática, e quais serão as possíveis alterações, sobretudo no ambiente geográfico? Como viver verdadeiramente se o aqui não o é mais e se tudo é agora? Como espacializar o amanhã na fusão instantânea de uma realidade que se tornou dividida entre o tempo da presença (físico / material) e o tempo da telepresença (virtual / transparente)? 10

11 A idéia deste trabalho não é (ainda) propor um efetivo modelo de cidade para os próximos anos, onde a informática e a informação possivelmente mudem muitas coisas em nosso viver, porém, pretendo que este trabalho subsidie uma tese posterior que como arquiteto e urbanista me sinto na obrigação de desenvolver, para não deixar que os avanços tecnológicos e científicos, que se manifestam com extrema rapidez, nos peguem (mais uma vez) desprevenidos. Pretende-se neste trabalho, resgatar os períodos de grandes mudanças sociais em virtude da evolução científica e tecnológica e analisar em que medida as cidades se reorganizaram e absorveram as evoluções técnicas da humanidade, além de analisar através de alguns modelos de cidades, como arquitetos e urbanistas se apropriaram dos avanços tecnológicos ao planejamento das cidades. 11

12 figura 01 A chegada (1914) de Cristopher Nevinson, anuncia o auge da idade do progresso e a madrugada do milênio industrial. 12

13 A Revolução Industrial e os avanços tecnológicos. Segundo os historiadores, houve pelo menos duas Revoluções Industriais: a primeira começou pouco antes dos últimos trinta anos do século XVIII, caracterizada por novas tecnologias como a máquina a vapor, a fiadeira, o processo Cort em metalurgia e, de forma mais geral, a substituição das ferramentas manuais pelas máquinas; a segunda, aproximadamente 100 anos depois, destacou-se pelo desenvolvimento da eletricidade, do motor de combustão interna, de produtos químicos com base científica, da fundição eficiente de aço e pelo início das tecnologias de comunicação, com a difusão do telégrafo e a invenção do telefone. Entre as duas há continuidades 13

14 fundamentais, assim como algumas diferenças cruciais. A principal é a importância decisiva de conhecimentos científicos para sustentar e guiar o desenvolvimento tecnológico após É precisamente por causa das diferenças que os aspectos comuns a ambos períodos da revolução industrial 1, podem oferecer subsídios preciosos para se entender a lógica das revoluções tecnológicas. Primeiramente, em ambas revoluções, testemunhamos um período de transformações tecnológicas em aceleração e sem precedentes em comparação com os padrões históricos. Um conjunto de macroinveções preparou o terreno para o surgimento de microinvenções nos campos da agropecuária, indústria e comunicações. Foram de fato, revoluções no sentido de que um grande aumento repentino e inesperado de aplicações tecnológicas transformou os processos de produção e distribuição, criou uma enxurrada de novos produtos e mudou de maneira decisiva a localização das riquezas e do poder no mundo, que, de repente, ficaram ao alcance dos países e elites capazes de comandar o novo sistema tecnológico. Nesta fase nota-se com clareza que a história da humanidade é cíclica e em alguns aspectos até repetitiva, sempre na história o grupo social ou a civilização que se apropria com mais velocidade dos novos meios técnicos, 1 Na primeira Revolução Industrial na Grã-Bretanha, havia uma interface entre ciência e tecnologia. Segundo Charles Singer em A História da Tecnologia, o aperfeiçoamento decisivo promovido por Watts na máquina a vapor projetada por Newcomen ocorreu em interação com seu amigo e protetor Joseph Black, professor de química da Universidade de Glasglow, onde, em 1757, Watts foi nomeado o Criador de Instrumentos Matemáticos da Universidade e conduziu seus próprios experimentos em modelo da máquina de Newcomen. Assim sabe-se que o condensador desenvolvido por Watts para a máquina a vapor, separado do cilindro em que o postom se movimentava, era intimamente associado e inspirado nas pesquisas científicas de Joseph Black, professor de química da Universidade de Glasglow. - Deane, Phyllis A Revolução Industrial Zahar Editores pág

15 sobretudo, as técnicas de guerra consegue invariavelmente dominar a humanidade. E, essa é precisamente a confirmação do caráter revolucionário das novas tecnologias industriais. A ascensão histórica do chamado Ocidente, limitando-se de fato à Inglaterra e a alguns países da Europa Ocidental, bem como à América do Norte e à Austrália, está fundamentalmente associada à superioridade tecnológica alcançada durante as duas Revoluções Industriais. Nada na história universal cultural, científica, política ou militar antes da Revolução Industrial poderia explicar a indiscutível supremacia (anglosaxônica/alemã e francesa) do Ocidente entre 1750 e A tecnologia, expressando condições sociais específicas, introduziu nova trajetória histórica na segunda metade do século XVIII. A industrialização fornece o ponto de partida da reflexão sobre nossa época. Com a ascensão da burguesia específica, concomitantemente à industrialização, nasce o capitalismo concorrencial e com isso a riqueza deixa de ser imobiliária, as terras escapam aos feudais e passam para as mãos dos capitalistas urbanos. Neste período de nossa história coincidem três tipos de mudanças: descoberta de novas fontes energéticas, uma nova divisão do trabalho e uma nova organização do poder com isso a humanidade fica diante de um salto de época. São estes três tipos de mudanças que trazem consigo uma nova epistemologia, um novo modo de ver o mundo. Alguns historiadores insistem que os conhecimentos científicos necessários à primeira Revolução Industrial já estavam disponíveis cem anos antes, prontos para serem usados sob condições sociais maduras; ou, como afirma outros, aguardando a engenhosidade técnica de inventores autodidatas como Newcomen e Watts, capazes de transformar a tecnologia disponível, 15

16 combinada com a experiência artesanal, em novas e decisivas tecnologias industriais. Porém, a segunda Revolução Industrial, mais dependente de novos conhecimentos científicos, mudou seu centro de gravidade para os EUA e a Alemanha, onde ocorreu a maior parte dos desenvolvimentos em produtos químicos, eletricidade e telefonia. As descobertas tecnológicas ocorreram em agrupamentos, interagindo entre si num processo de retornos cada vez maiores. Sejam quais forem as condições que determinaram esses agrupamentos, a principal lição que permanece é que a inovação tecnológica não é uma ocorrência isolada. Ela reflete um determinado estágio de conhecimento; um ambiente institucional e industrial específico; uma certa disponibilidade de talentos para definir um problema técnico e resolvê-lo; uma mentalidade econômica para dar a essa aplicação uma boa relação custo/benefício; e uma rede de fabricantes e usuários capazes de comunicar suas experiências de modo acumulativo e aprender usando e fazendo. Os efeitos positivos, a longo prazo, das novas tecnologias industriais no crescimento econômico, na qualidade de vida e na conquista humana da natureza hostil (refletidos no aumento impressionante da expectativa de vida, que não tivera uma melhoria constante antes do século XVIII) são indiscutíveis nos registros históricos. Porém, não vieram cedo, apesar da difusão da máquina a vapor e das novas máquinas e equipamentos. No início, o consumo per capita e a qualidade de vida aumentaram pouco (no início do século XVIII), mas as tecnologias de produção mudaram drasticamente várias indústrias e setores, preparando o caminho para o crescimento da segunda metade do século XIX, todavia, os registros históricos parecem indicar que, em termos gerais quanto mais próxima for a relação entre os locais de 16

17 inovação, produção e utilização das novas tecnologias, mais rápida será a transformação das sociedades e a sua efetiva apropriação das inovações tecnológicas. Apesar de ambas as Revoluções Industriais, terem causado o surgimento de novas tecnologias que na verdade formaram e transformaram um sistema industrial em estágios sucessivos, no âmago dessas revoluções havia uma inovação fundamental em geração e distribuição de energia. R.J. Forbes, famoso historiador de tecnologia, afirma que a invenção da maquina a vapor podia ser levada aonde fosse necessária e na extensão desejada 2. E, embora insista no caráter multifacetado da Revolução Industrial, também acha que não obstante os protestos de alguns historiadores econômicos, a maquina a vapor é ainda amplamente considerada a invenção mais requintada da Revolução Industrial. A eletricidade foi a força central da segunda revolução, apesar de outros avanços extraordinários como produtos químicos, aço, motor de combustão interna, telégrafo e telefonia. Isso porque, apenas mediante geração e distribuição de eletricidade, os outros campos puderam desenvolver suas aplicações e ser conectados entre si. Um caso especial foi o do telégrafo elétrico que, utilizado experimentalmente de e em pleno uso desde 1837, só conseguiu desenvolver-se em uma rede de comunicação, conectando o mundo em larga escala, quando pôde contar com a difusão da eletricidade. O uso difundido da eletricidade a partir de 1870 mudou os transportes, telégrafos, iluminação e, não menos importante, o trabalho nas fábricas mediante a difusão de energia na forma de motores elétricos. Na verdade, 2 Forbes, R.J. The Industrial Revolution, , Londres, editora Oxford University Press,

18 embora as fábricas sejam associadas à primeira Revolução Industrial, por quase um século elas não foram concomitantes com o uso da máquina a vapor, bastante utilizada em pequenas oficinas artesanais, enquanto muitas das grandes fábricas continuavam a usar fontes melhoradas de energia hidráulica (daí a razão de, por muito tempo, terem sido conhecidas como moinhos). Foi o motor elétrico que tanto tornou possível quanto induziu a organização do trabalho em larga escala nas fábricas industriais. Portanto, atuando no processo central de todos os processos ou seja, a energia necessária para produzir, distribuir e comunicar as duas Revoluções Industriais difundiram-se por todo o sistema econômico e permearam todo o tecido social. Fontes móveis de energia barata e acessível expandiram e aumentaram a força do corpo humano, criando a base material para a continuação histórica de um movimento semelhante. 18

19 figuras 02,03 Uma roda de fiar podia fazer às vezes de mil fusos era uma regra da Revolução Industrial. Em cima uma cena tradicional de casa de campo. Em baixo, (maquinas de fiar algodão 1835) 19

20 A cidade e os avanços tecnológicos (novos problemas). A grande era das invenções modernas, como já vimos, divide-se em duas fases distintas. A primeira entre 1700 a 1850 foi dominada pelo carvão, o ferro e o vapor, e testemunhou a transição da oficina para a fábrica e de empresa individual para a companhia por ações. A segunda, coincidindo com a aparição das grandes firmas e monopólios de 1850 em diante, está associada, acima de tudo com o aço, a eletricidade, o motor de combustão interna e a síntese de novas substancias. Ambas as fases demonstram que embora o avanço em tecnologia não possa por si próprio levar ao progresso industrial, pode conseguir-se, em pouco tempo um impressionante ganho para a 20

21 sociedade se empresários e artífices habilidosos tiverem a vontade e a capacidade de reconhecer e aplicar novas idéias e invenções úteis. **** Com o desenvolvimento da locomotiva (1814), e com a implementação das linhas ferroviárias, a cidade expande seu crescimento através destes caminhos, a estrada de ferro traz definitivamente o progresso: em primeiro lugar garante o transporte de mercadorias, depois, o de pessoas, assim, as distâncias se encurtam e as relações comerciais entre diversas localidades e países se estreitam, de modo a impulsionar o crescimento econômicocomercial dos países que se apropriarão com mais rapidez, da evolução deste meio de transporte. Não são apenas os bens de consumo trazidos pelos trens, mas, sobretudo o dinheiro de várias partes do globo. Os reflexos desta grande evolução gerada pelos trens e ferrovias são rapidamente sentidos pelas cidades, que mais uma vez têm uma geratriz condicionando seu crescimento e estruturando-a até então sem racionalização. As ferrovias, por muitas vezes, criam resíduos urbanos, segmentam a paisagem, segregam a cidade, por se tratar de uma linha marcante que cicatriza e intransponibiliza, formando assim, dois lados normalmente estanques. Porém, para servir de suporte para a estrutura ferroviária, são edificados grandes galpões e armazéns, tais quais: as docas dos navios a vapor 3, como também, estações que rapidamente tornam-se ícones do progresso da cidade industrial (neoliberal). Um exemplo da 3 Nota do autor: Na primeira metade do século XIX os sistemas de transporte e de comunicação desencadearão as primeiras inovações como os primeiros barcos a vapor (1807), que como os trens com as estações, trás consigo, a necessidade da edificação de docas e portos que se tornam pontos de atração para os imigrantes, sedentos por trabalhos e recém saídos do campo, com isso, a cidade além da transformação no assentamento da 21

22 importância das estações ferroviárias é o fato de que sempre em suas torres, instalavam-se os relógios, que tinham a função de mostrar e marcar a hora de seus trens, também serviam como símbolo da doutrina industrial difundida sobre a massa trabalhadora, na maioria das vezes explorada. Ademais as estações ferroviárias, nota-se que a paisagem dessas cidades começam a ser remodeladas, o horizonte das cidades industriais são cortados com as chaminés das fábricas, adquirindo assim, cada vez mais um aspecto árido e sombrio, pois estas chaminés lançam ininterruptamente suas fumaças sobre a cidade. Monet, Figura 04 Estação de caminho-de-ferro de Paris, a Gare Saint-Lazare pintada por população, iniciada pela implantação das fábricas, dissipa seu crescimento, através das adjacências dessas estruturas comerciais e de serviços, referente ao transporte fluvial. 22

23 Além das grandes cidades que são obrigadas a abrigar a malha férrea, outras pequenas e médias cidades foram surgindo ao redor da ferrovia, assim, esta se torna condicionante para a consolidação geográfica, e para a implantação de novas fábricas, pois invariavelmente, a matéria que as fábricas necessitavam para sua produção, como a que a fabrica produzia, era transportada pelos trens. Juntamente com as fábricas vinha a mão de obra para viabilizar sua operacionalização, e a partir de então, a classe mais desfavorecida era expurgada para as periferias das novas cidades, formando subúrbios, com problemas de habitabilidade (o que será posteriormente abordado). Com isso, a ferrovia e as locomotivas tornam-se, indubitavelmente, uma das invenções mais transcendentes da revolução industrial, tanto é, que via de regra, as teorias urbanísticas do século XIX, contemplavam a ferrovia como meio de transporte determinante para o desenvolvimento das cidades, que apesar das diferenças entre as propostas pode-se notar traços comuns, desde os Falanstérios de Charles Fourier, até as Cidades Jardins de Ebenezer Haward, passando pelas Cidades Industriais de Tony Garnier, todos consideravam a ferrovia como meio de transporte eficiente e determinante para o desenvolvimento racional das cidades. 4 Mais tarde, a invenção do motor a explosão (1885) permite usar o petróleo para mover navios, automóveis e, depois, os aviões. Especialmente, os automóveis trazem à cidade uma mudança considerável, pois as ruas, os cruzamentos, os acessos, a própria casa que necessita a partir de então, um 4 Ver: Choy, Françoise O Urbanismo - editora perspectiva paginas 61 a 66, 163 a 170 e 219 a

24 compartimento que abrigue o automóvel, toda a estrutura dos arruamentos tem de ser alterada. O automóvel muda o enfoque da estruturação da cidade, que se antes pensava no pedestre,- ou no tropeiro -, tem que necessariamente atender esta nova forma de circulação, até se chegar ao lamentável ponto, em algumas cidades modernas, de priorizarem exclusivamente os automóveis. A cidade mais uma vez ganha barreiras intransponíveis. As grandes avenidas do século XX que aos poucos vão tomando os lugares mais nobres das cidades são como as ferrovias do século XIX, e fragmentam definitivamente a cidade, que por mais planejada que seja, com o tempo, passa a conviver com os engarrafamentos. A aridez das cidades industriais atinge o cume, com a obrigatória pavimentação das ruas. Neste momento é a rodovia que estrutura o espaço geográfico, tal qual a ferrovia, a rodovia impõe em meados do século XX as diretrizes para o desenvolvimento das cidades. Figura 05 A Locomotiva de William Hetley. Wylam Dilly,l construída em

25 Figura 06 Locomotiva um exemplo de arte de engenharia, Figura 07 Atento as insuficientes fontes de carvão da Itália e ao entusiasmo pelos caminhos de ferro, um inventor patriótico idealizou a Impulsoria de

26 Através desta analogia entre ferrovia e rodovia, podemos estabelecer uma comparação semelhante com os bondes e os trens metropolitanos. A partir das primeiras iniciativas no campo da eletricidade como a descoberta da lei da corrente elétrica (1827), foi possível desenvolver meios de transporte como o bonde, tão presente nas cidades no século XIX, que com a modernização dos meios de condução de energia como o de construção civil, deu seu lugar aos trens metropolitanos que hoje são reconhecidos como o meio de transporte mais eficiente para as grandes cidades, principalmente quando da ocupação dos subsolos. Figura 08 O carro elétrico de Siemens (O Bonde) na Expo. Elétrica de Paris

27 Todavia, ainda no setor dos transportes, não podemos esquecer a aeronáutica, que a partir dos dirigíveis, tem papel de extrema importância não só no desenvolvimento dos transportes, como no das cidades. A evolução da indústria química também se tornou um fator importante para a compreensão dos avanços tecnológicos e suas interfaces, 5 viabilizou, entre outras coisas, a construção dos primeiros dirigíveis aéreos, e com isso, a conquista do espaço aéreo pelo homem. As cidades precisaram adequar-se mais uma vez ao novo advento, com grandes hangares e locais para o pouso destas enormes estruturas voadoras, e assim, espaços imensos precisariam ser destinados a mais uma conquista da humanidade. Posteriormente, com a já mencionada invenção do motor à explosão e o desenvolvimento da engenharia aerodinâmica, o avião toma a cena, e define-se como principal meio de transporte para grandes distâncias. O aeroporto passa a ser preponderante e é implantado em geral em lugares mais afastados das cidades, liberando o espaço aéreo nas adjacências, porém com o crescimento da cidade, o aeroporto, passa com o tempo a ser envolvido pela cidade, muitas vezes ficando em uma posição desaconselhável para os padrões de segurança. O avião nos trás a possibilidade de ver a cidade de outro ângulo, em outra perspectiva, além de possibilitar o acesso à cidade por outro caminho que não, o terrestre, assim faz do aeroporto uma outra porta de entrada da cidade, com isso os aeroportos passam a ter valor estratégico para a imagem da cidade. 5 Nota do Autor: A indústria Química também se tornou um importante setor de ponta no campo fabril, a obtenção de matérias primas sintéticas a partir dos subprodutos do carvão (nitrogênio e fosfato), corantes fertilizantes plásticos, explosivos, etc. 27

28 Figura 09 Os símbolos das conquistas da técnica, um balão, um dirigível e um biplano parecem meditar sobre esta cena. Vista da Ponte de Sèvres (1908), de Rousseaou. **** Além do papel fundamental da eletricidade no desenvolvimento dos transportes metropolitanos, a eletricidade associada à lâmpada elétrica (1876) possibilitou iluminar a cidade, as casas, e dar margem a uma série de outras invenções. Para o propósito da discussão em pauta, devemos salientar a iluminação pública que não só tornou a cidade mais segura e passível do frequentamento noturno, mas alterou definitivamente o cotidiano, expandindo o dia produtivo através da noite, o aproveitamento produtivo, sobretudo nas fábricas, duplicou criando assim, os turnos de trabalho. A iluminação de nossas ruas criou além do trânsito noturno, a possibilidade do lazer noturno, que entre outras coisas, necessita de estrutura própria. Nasce então, uma outra faceta em algumas cidades, a de explorar a noite comercialmente como entretenimento. As cidades sofrem com isso mudanças do ponto de vista geográfico, pois a setorização torna-se fundamental, as áreas que exploram o 28

29 comércio e os serviços noturnos não podem (ou não poderiam), de maneira alguma, chocarem-se com as áreas residenciais, que por sua vez não deveriam estabelecer relações físicas com áreas industriais, assim, as cidades começam a ser subdivididas, de modo a cada vez mais necessitarem de transportes eficientes, tanto coletivos como individuais. 6 Figura 10 A invenção do motor de combustão interna, deu origem à moderna industria automobilística. Karl Benz ao volante do seu automóvel (1887). 6 Nota do Autor: A energia elétrica passou a exercer sobre a humanidade uma influencia vital, e só tomamos consciência disso, quando estamos prestes a perde-la. A crise de energia enfrentada por diversos paises, sobretudo o Brasil, revela nossa total dependência desta energia. Precisamos de eletricidade para manter a temperatura fria no verão e quente no inverno, para cozinhar grande parte de nossa comida e congelar o que pretendemos comer depois. Dependemos dela para transporte, comunicação, diversão, para levar vidas que não têm qualquer relação com o nascer e o pôr do sol. 29

30 A revolução industrial primeiramente restringiu-se aos locais de trabalho e produção partilhada, até que o motor elétrico limpo e relativamente pequeno possibilitou a adoção de sua utilidade no lar: refrigeração, limpeza automatizada, esfriamento de ambientes, melhor aquecimento, diversão, armazenagem de dados em massa, assistência médica doméstica e transporte pessoal mais confortável. É verdade que muitas dessas bênçãos já se achavam presentes no lar graças a tecnologias mais simples o encanamento com base na gravidade, por exemplo, ou o fluxo de ar convectivo (renovação mecânica do ar) -, mas foi o motor elétrico que as levou a toda parte. A transformação do estilo de vida ocidental foi profunda e mudou completamente nossas expectativas de como nossos corpos devem se encaixar em nosso ambiente. **** A invenção do processo Bessemer (1856) facilita a difusão do aço, que permite construir novas máquinas mais eficientes e novas estruturas nunca vistas no passado: grandes coberturas sem suportes intermediários (a rotunda da Exposição Universal de Viena, de 1873, com o diâmetro de 102 metros, a sala das máquinas da Exposição Universal de Paris de 1889, de 115 por 420 metros), pontes suspensas cada vez mais longas (desde a Ponte do Brooklyn de 1873, de 488 metros, à Ponte de Washington sobre o Hudson, de 1928, de metros), arranha-céus cada vez mais altos (dos primeiros de Chicago, no fim do século XIX, de andares, aos de New York nos primeiros decênios do século XX, com mais de 100 andares;. A invenção do dínamo (1869) permite usar a eletricidade como força motriz, e tornam possíveis 30

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Habilidades: Conhecer os principais reflexos da cultura industrial no cotidiano amazonense do início do século XX Manaus na Belle

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Revolução Industrial

Revolução Industrial Revolução Industrial O aparecimento da revolução industrial se deve a três fatores: a revolução comercial, ao acúmulo de capitais que se deu na livre circulação das mercadorias e as descobertas de novos

Leia mais

Inglaterra século XVIII

Inglaterra século XVIII Inglaterra século XVIII Revolução: Fenômeno político-social de mudança radical na estrutura social. Indústria: Transformação de matérias-primas em mercadorias, com o auxílio de ferramentas ou máquinas.

Leia mais

Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX

Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX Urbanismo e planejamento urbano A Cidade do Século XIX Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA

AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA AS CIDADES ITALIANAS DA RENASCENÇA O novo modelo de projeção estabelecido no início do século XV se aplica teoricamente a todo gênero de objetos, desde os artefatos menores à cidade e ao território. Mas

Leia mais

MÁRIO BARREIROS ARQUITETO TEXTOS SOBRE URBANISMO

MÁRIO BARREIROS ARQUITETO TEXTOS SOBRE URBANISMO A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O URBANISMO A última e fundamental mudança das cidades foi gerada por uma complexidade de acontecimentos a que se denominou "Revolução Industrial". A preparação doutrinária a esse

Leia mais

Ver também Túnel do Canal da Mancha.

Ver também Túnel do Canal da Mancha. Estrada de ferro, Sistema de transporte sobre trilhos, que compreende a via permanente e outras instalações fixas, o material rodante e o equipamento de tráfego. É também chamado ferrovia ou via férrea.

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS

REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS REVITALIZAÇÕES PORTUÁRIAS NO MUNDO A TRANSFORMAÇÃO DAS CIDADES E A INCORPORAÇÃO DE NOVOS CONCEITOS FRENTE MARÍTIMA ALGUMAS DAS CIDADES MAIS FASCINANTES DO MUNDO, COMO GÊNOVA, LISBOA, LONDRES, BARCELONA,

Leia mais

Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC

Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC Aula 1: Aula 01 Bibliografia Estruturas de Aço - Dimensionamento Prático - 7ª Ed. Walter Pfeil Ed. LTC Estruturas de aço, concreto e madeira : atendimento da expectativa dimensional Rebello, Yopanan Conrado

Leia mais

A Revolução Industrial

A Revolução Industrial textos de José Manuel Russo A Revolução Industrial A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL Introdução Embora o século XIX seja conhecido como o da Revolução Industrial, as suas origens centram-se nas transformações assistidas

Leia mais

UNIDADE I HISTÓRIA DA CIDADE. 1.1 Urbanização e Classes Sociais. 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3 Cidade Industrial (Liberal) 1.4 Cidade Pós-Liberal

UNIDADE I HISTÓRIA DA CIDADE. 1.1 Urbanização e Classes Sociais. 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3 Cidade Industrial (Liberal) 1.4 Cidade Pós-Liberal Como originaram as primeiras cidades? O que veio antes? campo ou cidade? 1.1 Urbanização e Classes Sociais HISTÓRIA DA CIDADE UNIDADE I 1.1 Urbanização e Classes Sociais 1.2 Cidade Pré- industrial 1.3

Leia mais

Introdução à Engenharia

Introdução à Engenharia Introdução à Engenharia Aula 03 História da Engenharia Edgar Alberto de Brito A história da Engenharia Engenharia na Pré-História. Atividade na Antiguidade. Atividade na era Moderna e Contemporânea. Aspectos

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge

Resumo Histórico. Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas. Resumo Histórico. Setembro/2015. Resumo Histórico Coalbrookedale Bridge Introdução ao estudo das Estruturas Metálicas Resumo histórico e aspectos gerais Uso e aplicação de estruturas metálicas Composição do aço estrutural FTC-116 Estruturas Metálicas Eng. Wagner Queiroz Silva

Leia mais

A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA

A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA A CIBERNETIZAÇÃO DA ATIVIDADE PRODUTIVA Celso Candido O processo de transformação do modo de produção industrial para o imaterial passa pelo reconhecimento do computador como a principal máquina-ferramenta

Leia mais

Mudanças políticas pós-liberalismo

Mudanças políticas pós-liberalismo A cidade pós-liberal Pontifícia Universidade Católica de Goiás Curso de Arquitetura e Urbanismo Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo III TH3 Profa. Ana Paula de Oliveira Zimmermann Doutrina político-econômica

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

A vida num mundo globalizado

A vida num mundo globalizado IM_photo/ Shutterstock Christopher Halloran/ Shutterstock Tomáš Liška / Dreamstime.com A vida num mundo globalizado Importantes sites com recursos de pesquisa, compartilhamento de vídeos e redes sociais.

Leia mais

Modernização e tecnologia no século XIX

Modernização e tecnologia no século XIX Modernização e tecnologia no século XIX (tec.no.lo.gi.a) Tec. sf. :1. Conjunto das técnicas, processos e métodos específicos de uma ciência, ofício, indústria etc; ciência que trata dos métodos e do desenvolvimento

Leia mais

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço

Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Os Descobrimentos, a comunicação a nível global e a Conquista do Espaço Este ponto é aqui. É a nossa casa. Somos nós, numa imagem tirada a partir de 6 mil milhões de quilómetros da Terra pela sonda Voyager

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL

REVOLUÇÃO INDUSTRIAL REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - Eram aprendizes órfãos? Todos aprendizes órfãos. - E com que idade eram admitidos? Os que vinham de Londres tinham entre 7 e 11 anos. - (...) Qual o horário de trabalho? De 5 da

Leia mais

Historia da Automação

Historia da Automação Historia da Automação Podemos dizer, que um sistema de automação industrial, é um conjunto de equipamentos e tecnologias capazes de fazerem com que uma máquina ou processo industrial trabalhem automaticamente,

Leia mais

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE

MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE MINERAÇÃO DE CARVÃO NA REGIÃO SUL CATARINENSE: DA FORMACÃO DO ESPAÇO URBANO À MODERNIDADE A Revolução Industrial ocorrida na Inglaterra, integra o conjunto das "Revoluções Burguesas" do século XVIII, responsáveis

Leia mais

O trabalho infantil é uma realidade terrível em todo o mundo. Podemos vê-lo nos

O trabalho infantil é uma realidade terrível em todo o mundo. Podemos vê-lo nos O trabalho infantil é uma realidade terrível em todo o mundo. Podemos vê-lo nos países ocidentais e orientais. Podemos vê-lo nos países do norte, bem como nos países do sul. Podemos vê-lo nas cidades e

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA

CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA CPS CP/ECEME - 2008 2ª AVALIAÇÃO SOMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA Al nº 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Estudar a retomada do Programa Nuclear Brasileiro, com o enfoque nos aspectos econômico e científico-tecnológico,

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL

Marie Curie Vestibulares Lista 4 Geografia Matheus Ronconi AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL AGROPECUÁRIA, INDÚSTRIA E DISTRIBUIÇÃO TECNOLÓGICA MUNDIAL 1) (UDESC - 2012) São exemplos da indústria de bens de consumo (ou leve): a) Indústria de autopeças e de alumínio. b) Indústria de automóveis

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CIÊNCIAS HUMANAS 3º ANO FILOSOFIA FILOSOFIA NA HISTÓRIA

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o 1 INTRODUÇÃO O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o jardim público e até mesmo com as praças ajardinadas, o parque público abrange usos e funções das mais complexas,

Leia mais

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo

Fichamento. Texto: O Terceiro Mundo Fichamento Texto: O Terceiro Mundo I Descolonização e a revolução transformaram o mapa politico do globo. Consequência de uma espantosa explosão demográfica no mundo dependente da 2º Guerra Mundial, que

Leia mais

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo O brincar hoje: da colaboração ao individualismo Profa. Dra. Maria Angela Barbato Carneiro Campo Grande/ Simpósio Internacional da OMEP Jul/ 2012 Este trabalho tem por objetivo discutir sobre o brincar

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2013 E MÓDULO III DO PISM TRIÊNIO 2010-2012 PROVA DE HABILIDADE ESPECÍFICA ARQUITETURA E URBANISMO PAVILHÕES Os edifícios para grandes exposições têm marcado a história da Arquitetura desde 1851, com a construção do Palácio de Cristal, concebido por Joseph Paxton para a primeira Exposição Universal,

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA Ano Letivo 2014/2015 I - AVALIAÇÃO: Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora 1. Domínios de avaliação, parâmetros e ponderações I Domínio dos Conhecimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1

MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 MIGRAÇÃO E RELAÇÃO CAMPO-CIDADE 1 Débora Aparecida Tombini* Marcos Aurélio Saquet** INTRODUÇÃO Desde o surgimento da vida humana na Terra até o início do século XIX, a população cresceu em ritmo lento

Leia mais

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1

A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 A reforma urbana e o subúrbio carioca na historiografia 1 CRISTIANE REGINA MIYASAKA 2 Ainda que a historiografia a respeito das reformas urbanas empreendidas no Rio de Janeiro no início do século XX seja

Leia mais

Mudança e transformação social

Mudança e transformação social 7 Mudança e transformação social Unidade Não existem sociedades sem mudanças. Há transformações maiores, que atingem toda a humanidade, e menores, que acontecem no cotidiano das pessoas. Normalmente elas

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

PLANO FUNDAMENTAL DA CIDADE DE YOKOHAMA (VISÃO ao LONGO PRAZO)

PLANO FUNDAMENTAL DA CIDADE DE YOKOHAMA (VISÃO ao LONGO PRAZO) PLANO FUNDAMENTAL DA CIDADE DE YOKOHAMA (VISÃO ao LONGO PRAZO) Introdução Desde a abertura do porto de Yokohama em 1859 (o ano 6 da era Ansei), a cidade de Yokohama tem prosperado como a janela principal

Leia mais

5 Conclusão. Reflexões e Contribuições. Percurso da Tese

5 Conclusão. Reflexões e Contribuições. Percurso da Tese 5 Conclusão Reflexões e Contribuições Percurso da Tese O percurso desta Tese foi extremamente proveitoso em termos de lições aprendidas e aspectos que realçam a viabilidade e necessidade de atenção específica

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

A INSERÇÃO DA CULTURA LÚDICA NO ENSINO DA ARTE RESUMO

A INSERÇÃO DA CULTURA LÚDICA NO ENSINO DA ARTE RESUMO A INSERÇÃO DA CULTURA LÚDICA NO ENSINO DA ARTE Francisco Souza da Costa¹ Pedagogia-Universidade Estadual do Ceará e-mail: f.souza39@yahoo.com.br RESUMO O artigo apresenta uma abordagem da importância das

Leia mais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais

Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino Pinto Orientadora: Regina Célia de Mattos. Considerações Iniciais AS TRANSFORMAÇÕES ESPACIAIS NA ZONA OESTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A PARTIR DOS INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA PARA COPA DO MUNDO EM 2014 E AS OLIMPÍADAS DE 2016 Aluno: Antero Vinicius Portela Firmino

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial.

Revolução Industrial e Socialismo. A Revolução Industrial. Aula 11 Revolução Industrial e Socialismo Nesta aula, iremos tratar da Revolução Industrial e de suas conseqüências para o mundo contemporâneo. Entre as conseqüências, destaque para o desenvolvimento de

Leia mais

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 7º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da Recuperação Industrialização Urbanização População 1- A função urbana de uma cidade diz respeito

Leia mais

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO SOB O CAPITALISMO E SEUS PROBLEMAS 1 Industrialização e urbanização A industrialização dá o tom da urbanização contemporânea; Teve seu início próxima as áreas de matériasprimas e água; Ela

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique?

27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? 27) No futuro, o que acontecerá com a mão de obra desqualificada? Explique? A implantação da informática em quase todos os campos de atividades humanas tem seu lado positivo, mas, por outro lado, a mão

Leia mais

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES

APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS EM EDIFÍCIOS DE MÚLTIPLOS ANDARES Autor: Paulo André Brasil Barroso Eng. Civil. Pós-graduado em cálculo estrutural McGill University Montreal Canadá 1975/1977. Sócio de uma das maiores empresas fabricantes de estruturas metálicas do país

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

Rust belt. Cinturão de ferrugem é uma área no nordeste dos EUA, situada aproximadamente entre as cidades de Chicago e Nova Iorque.

Rust belt. Cinturão de ferrugem é uma área no nordeste dos EUA, situada aproximadamente entre as cidades de Chicago e Nova Iorque. Rust belt Cinturão de ferrugem é uma área no nordeste dos EUA, situada aproximadamente entre as cidades de Chicago e Nova Iorque. Esta aglomeração industrial foi batizada de "Manufacturing belt" (atual"rust

Leia mais

Inventos e Inventores

Inventos e Inventores BIP Inventos e Inventores agosto/2007 O ser humano é, por natureza, curioso. E essa curiosidade aliada à necessidade de tornar a vida mais prática e confortável fez, e faz, com que uma infinidade de produtos

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO Planeta em mutação

GLOBALIZAÇÃO Planeta em mutação GLOBALIZAÇÃO Planeta em mutação GLOBALIZAÇÃO: O QUE É. A globalização é o estágio supremo da internacionalização. O processo de intercâmbio entre os países, que marcou o desenvolvimento do capitalismo.

Leia mais

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007

Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 Anexo 1.50 Museu Aberto da Ferrovia Paranapiacaba 2007 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: acesso pela rodovia SP 122 Ribeirão Pires Paranapiacaba, Santo André SP, Brasil. Autoria: a vila foi construída pela

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste

Urban View. Urban Reports. Fielzão e seu impacto na zona Leste Urban View Urban Reports Fielzão e seu impacto na zona Leste Programa Falando em dinheiro, coluna Minha cidade, meu jeito de morar e investir Rádio Estadão ESPN Itaquera acordou com caminhões e tratores

Leia mais

HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL. Prof.ª Mayara Moraes Custódio

HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL. Prof.ª Mayara Moraes Custódio HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL Prof.ª Mayara Moraes Custódio HISTÓRICO DA ENGENHARIA E REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL A história da engenharia confunde-se com a história da própria

Leia mais

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33)

Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Entrevista com Edgard Porto (Transcrição) (Tempo Total 26:33) Edgard: A idéia [desta entrevista] é a gente comentar dez características da globalização e seus reflexos em Salvador. Meu nome é Edgard Porto,

Leia mais

A ENGENHARIA E O DESENVOLVIMENTO NO BRASIL

A ENGENHARIA E O DESENVOLVIMENTO NO BRASIL A ENGENHARIA E O DESENVOLVIMENTO NO BRASIL Gilcina Guimarães Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Mestrado/FAF/NUSEG Campus - Rua São Francisco Xavier, 524-9 o andar - Maracanã Rio de Janeiro - RJ

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA

PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Observe a figura

Leia mais

Economia Industrial 1

Economia Industrial 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso de Economia Economia Industrial Análise Estrutural dos Mercados e da Concorrência em Oligopólios Conceitos Introdutórios Professor : Johnny Luiz Grando

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes)

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) MÓDULO A 2015 FASE II Nesta Rota de Aprendizagem destacamos a importância

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO

REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO REVISÃO AMÉRICA ANGLO SAXÔNICA E MÉXICO DIVISÃO DO CONTINENTE AMERICANO Os países que pertencem a América do Norte são: EUA, Canadá e México. Os países que pertencem a América Anglo Saxônica são: EUA

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material.

PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. PELOTAS: Cidade rica em patrimônio cultural e histórico imaterial e material. O surgimento das Charqueadas e sua importância econômica Ogadofoiabasedaeconomiagaúchaduranteumlongoperíododahistória do Rio

Leia mais

FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS 1. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa

FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS 1. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa FÍSICA I LISTA 5 DIVERSOS EXERCÍCIOS GABARITO Orientação para V2 e VS. Um ônibus passa pelo km 30 de uma rodovia às 6 h, e às 9 h 30 min passa pelo km 240. Determine: a) a velocidade escalar média desenvolvida

Leia mais

Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das

Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das Neste momento, originou-se um novo tipo de cultura : a cultura do consumo, que correspondeu à troca da compra de bens materiais para a satisfação das necessidades por um consumo de imagens e valores agora

Leia mais

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar.

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar. O Inventor 1) Introdução Quem é um inventor? Aquela pessoa que cria ou descobre fórmulas diferentes ou objetos novos para a solução de problemas? Ou pessoas comuns, como eu e você, que conseguem viver

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Sistema de Ensino Unidade Portugal Série: 5 o ano (4 a série) Período: TARDE AVALIAÇÃO DE CONTEÚDO DO GRUPO VIII PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Nome: Turma: Data: 19/9/2009 Valor da prova: 8,0 Nota: Eixo temático

Leia mais