UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA"

Transcrição

1 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DIEGO MARADONA SOUZA DA SILVA REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA NA CONTEMPORANEIDADE: O CASO DOS REQUISITOS FUNCIONAIS PARA REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS (FRBR) E DA RECURSOS: DESCRIÇÃO E ACESSO (RDA) NATAL- RN 2012

2 DIEGO MARADONA SOUZA DA SILVA REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA NA CONTEMPORANEIDADE: O CASO DOS REQUISITOS FUNCIONAIS PARA REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS (FRBR) E DA RECURSOS: DESCRIÇÃO E ACESSO (RDA) Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte como parte dos requisitos para obtenção do grau de Bacharel em Biblioteconomia. Orientadora: Prof.ª MsC Mônica Marques Carvalho NATAL- RN 2012

3 Catalogação da Publicação na Fonte S586r Silva, Diego Maradona Souza da. Representação Descritiva na Contemporaneidade: o caso dos Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (FRBR) e da Recursos: Descrição e Acesso (RDA) / Diego Maradona Souza da Silva. Natal: UFRN, f. : il. Orientadora: Profª. M.Sc. Mônica Marques Carvalho. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biblioteconomia) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Departamento de Ciência da Informação. 1. Representação Descritiva da Informação. 2. Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos - FRBR. 3. Recursos: Descrição e Acesso - RDA. 4. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. I. Carvalho, Mônica Marques. II. Representação Descritiva na Contemporaneidade: o caso dos Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos (FRBR) e da Recursos: Descrição e Acesso(RDA). RN/UF/BCZM CDU 621

4 DIEGO MARADONA SOUZA DA SILVA REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA NA CONTEMPORANEIDADE: O CASO DOS REQUISITOS FUNCIONAIS PARA REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS (FRBR) E DA RECURSOS: DESCRIÇÃO E ACESSO (RDA) Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte como parte dos requisitos para obtenção do grau de Bacharel em Biblioteconomia. MONOGRAFIA APROVADA EM 20/ 12 /2012 PROFª. MSC. MÔNICA MARQUES CARVALHO ORIENTADORA PROFª. MSC. JACQUELINE APARECIDA DE SOUZA MEMBRO PROFª. ESP. EPONINA EILDE DA SILVA PEREIRA MEMBRO

5 3 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar, agradeço a DEUS por tudo. Agradeço a Ele, por todas as alegrias e horas de felicidade, mas trago maior gratidão por todos os momentos de angústia e dificuldade, pois sei que nesses momentos, fui carregado nos braços de Sua Infinita Misericórdia! Sem Ele, razão do meu viver, não estaria eu neste momento a realizar mais um sonho. Sonho este que foi primeiro sonhado por Ele, e apenas deixe-me guiar por Sua Vontade! Gratidão também a minha família, principalmente na pessoa da minha amadíssima mãe. Através do exemplo de pessoa, dos valores repassados e da força em todas as horas alcancei mais um momento importante na minha vida. Obrigado minha amiga, minha guerreira, minha confidente! Obrigado por existir! Uma pessoa que com todo o mérito merece destaque aqui chama-se Mônica Carvalho. Essa mulher foi responsável pelo nascimento intelectual deste filho (que por diversas vezes acreditei que não iria nascer.) Além de orientadora esta se passou por conselheira, auxiliadora em todos os momentos de dificuldade, psicóloga e o mais importante: AMIGA. Obrigadão Mônica por tudo! Sem sua paciência, carinho e atenção dificilmente eu teria chegado aqui. Um grande abraço de agradecimento por todos aqueles que conheci no curso de Biblioteconomia e que tenho o prazer de chama-los de amigos e companheiros de todas as horas. A minha querida turma de , um abraço saudoso e cheio de carinho a cada um. Entre os queridos biblios ressalto os nomes de Carla Beatriz, Edson Marques, Christiane Gomes, Edvânia Machado, Aline Nascimento, Eduardo Medeiros, Bruna Nascimento, Midinai Bezerra, Gleiciany Barbosa, Raimunda Fernanda, Eros Gibson e Rafael Galvão. De forma equivalente, agradeço a todos aqueles que contribuíram com o meu crescimento e evolução profissional através das práticas e experiências de estágio que vivenciei. Chefinhos e chefinhas, muito obrigado por tudo! Sei que serei um profissional melhor diante de tudo o que vi e aprendi com vocês! Um abraço especial para Kaline Bezerra, Íthalo Araujo, Euzébia Pontes, Jackeline Pinheiro, Denise Tavares e Sônia Lopes.

6 4 Um grande obrigado aos Mensageiros de Cristo, minha verdadeira família, e aos amioos da minha nova Família: Valdenira, Marcos, Polyane, Hilton, Rômulo, Rayssa, Rammon, Helô, Thiago, Paulinho, Lucyanne, Juh e Tarcila,., Sem vocês meus amigos em Cristo, tudo teria sido mais difícil. Amo muito cada um de vocês! Aos meus amigos que mesmo não sendo do curso me ofereceram em sua amizade e carinho suporte para cumprir este desafio, meu muito obrigado. E essa vai para Allison Ferreira, Dayvson Melo, Marcelo Júnior e Andréa Melo. Enfim, a todos que contribuíram de forma significativa, direta ou indiretamente na realização desta obra, deixo expresso nestas singelas palavras o meu agradecimento!

7 Graças Pai, por Teu amor e Tua bondade, por Tua força e amizade. Por Seres um Pai leal, sempre leal. Graças Pai, pelas dores e alegria, por estar sempre ao meu lado. Por Teu grande amor, meu Senhor! [...] Graças! (Ribeiro, 2012a) 5

8 6 RESUMO O impacto que o excesso de informação presente na atual sociedade da informação cria necessidades de melhor desenvolver estratégias que garantam uma organização, tratamento e disseminação da informação. Nesse sentido, a organização da informação e sua representação torna-se uma estratégia que visa sua melhor difusão. Diante disso o presente trabalho visa traçar um panorama da evolução da Catalogação desde os tempos remotos até a atualidade com vistas a apontar novas tendências no tratamento descritivo da informação. Especificamente consiste em caracterizar e identificar as práticas da Representação da Informação enfatizando a Representação Descritiva da Informação; Apresentar um breve histórico da catalogação no intuito de revelar o surgimento e evolução do catálogo; Analisar o conceito e tipologias do catálogo como instrumento de representação da informação. Descrever o modelo conceitual dos Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos FRBR; Apresentar de forma sucinta o novo formato de catalogação denominado Recursos: Descrição e Acesso - RDA bem como apontar possíveis mudanças e vantagens trazidas para os usuários, instituições e profissionais da informação. A metodologia aplicada consistiu em pesquisa bibliográfica e eletrônica relevante ao tema proposto. Para tanto, foram utilizadas fontes de informação convencionais bem como a pesquisa eletrônica, a qual forneceu maior subsídio informacional a esta monografia. As principais fontes informacionais no meio digital foram: os mecanismos de busca, os catálogos de bibliotecas nacionais e internacionais, sites, base de dados, portais de informação e outros. Ao final considera-se que existe uma necessidade de evolução dos padrões de tratamento da informação e que os novos padrões e formatos precisam estar contextualizados às necessidades da sociedade atual. Palavras-Chave: Representação Descritiva da Informação. Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos. Recursos: Descrição e Acesso.

9 7 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Pirâmide do Conhecimento 15 Figura 2 Relações de primeiro nível 42 Figura 3 Relações de responsabilidade 42 Figura 4 Relações de assunto 43

10 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ORGANIZAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA INFORMAÇÃO REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: BREVE HISTÓRICO O CATÁLOGO E SUA TIPOLOGIA: A IMPORTÂNCIA DA CATALOGAÇÃO TENDÊNCIAS PROMISSORAS: EM BUSCA DE UM PADRÃO VISANDO A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO REQUISITOS FUNCIONAIS PARA REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS - FRBR RECURSOS: DESCRIÇÃO E ACESSO - RDA As mudanças da norma Recursos: Descrição e Acesso Vantagens trazidas pela norma Recursos: Descrição e Acesso CONSIDERAÇÕES FINAIS...58 REFERÊNCIAS...60 APÊNDICES...62

11 9 1 INTRODUÇÃO Ao observar o contexto da chamada Sociedade da Informação, percebe-se que o principal insumo, desejado e consumido em proporções cada vez maiores, é a própria informação. Esta é responsável pela evolução social, política, promove a cidadania e sua falta ocasiona situações de grande prejuízo para o homem e para a sociedade como um todo. No período hodierno em que vivemos nos deparamos com uma grande massa informacional em um invólucro de desorganização e caos, onde obter a informação que se deseja torna-se um ofício quase que impraticável. Surgem então, como medidas para tentar sanar essa dificuldade, as representações da informação como estratégias de organização informacional, no qual se destaca neste trabalho, a representação descritiva da informação. A Representação Descritiva da Informação, que apresenta como objetivo descrever os materiais do seu ponto de vista físico, pode ser utilizado como estratégia para promover o tratamento adequado, a representação e recuperação informacional, derrubando assim as barreiras e ruídos que se intervenham entre o usuário e a informação. Logo, o tema central abordado neste trabalho é voltado para a Representação Descritiva da Informação. Dessa forma, indagou-se a respeito de como se encontra a Organização e Representação do Conhecimento na atualidade; que novas propostas no campo da padronização e representação da Informação se apresentam para ajudar a tratar e organizar o excesso informacional da atualidade e quais as mudanças e benefícios trazidos por estes novos modelos e normas à Representação Descritiva da Informação. Para responder tais indagações se realizou a pesquisa em tela que tem como objetivo geral traçar um panorama da evolução da Catalogação, desde os tempos remotos até a atualidade, com vistas a apontar novas tendências no tratamento descritivo da informação. Especificamente, o trabalho consiste, em caracterizar e identificar as práticas da Representação da Informação enfatizando a Representação Descritiva da Informação; traçar um breve perfil histórico do instrumento catálogo e da catalogação; conceituar o que seja o

12 10 catálogo e apresentar sua tipologia, além de explicitar a importância da catalogação; caracterizar e descrever o modelo conceitual FRBR bem como analisar os Recursos: Descrição e Acesso - RDA, as mudanças e benefícios trazidos. O interesse inicial pelo tema central desta monografia se deu através do contato e do estudo sobre as formas de Representação da Informação durante a graduação. Ademais, algo que fomentou o crescimento deste interesse veio da observação do pouco estudo na área, o que em alguns momentos ocasionou em dificuldades na realização desta obra. De maneira específica, o interesse sobre a RDA e os FRBR surgiu a partir dos recentes estudos sobre estas temáticas e o anseio em conhecer e caracterizar estes novos recursos de fundamental importância para as práticas de catalogação de nossa atualidade. Para a realização deste trabalho e por se tratar de uma pesquisa qualitativa, utilizou-se como principal metodologia a pesquisa (bibliográfica e eletrônica) relevante ao tema proposto. Para tanto, foram utilizadas fontes de informação convencionais bem como a pesquisa eletrônica, a qual forneceu maior subsídio informacional a esta monografia. As principais fontes informacionais no meio digital foram: mecanismos de busca, catálogos de bibliotecas nacionais e internacionais, sites, base de dados, portais de informação e outros. Para promover o compreendimento inteligível por parte do leitor, dividiuse o conteúdo temático desta obra em três capítulos. No primeiro, o enfoque é dado sobre a organização e representação da informação, abordando questões inicias como a evolução do homem e da sociedade, analisando conceitos sobre a informação e o seu excesso na sociedade atual e destacando as formas de representação da informação como alternativas para o controle informacional. No segundo capítulo, traz-se de forma breve, um passeio histórico contemplando a história do catálogo e da catalogação. Em outro momento discute-se a respeito do catálogo, de sua tipologia e da importância da catalogação. No último capítulo teórico, trata-se das tendências da representação descritiva da atualidade, destacando o modelo FRBR Requisitos Funcionais para Registros Bibliográficos e a nova norma de

13 11 catalogação Recursos: Descrição e Acesso - RDA. Por fim, seguem-se as considerações finais desta obra.

14 12 2 ORGANIZAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DA INFORMAÇÃO Antes de aprofundar a discussão sobre a organização e representação da informação, e assim apresentar a questão da representação descritiva da informação, se torna imprescindível conhecer o objeto de estudo das práticas do fazer bibliotecário: a própria informação. No decorrer da história, é perceptível a necessidade que o ser humano sempre demonstrou em utilizar e registrar a informação, onde procurou armazenar estas informações nos mais variados tipos de suporte. Na préhistória, por exemplo, um dos grandes indícios de tal interesse são as próprias pinturas rupestres. Nesses registros o homem primitivo procurava através de representações imagéticas demonstrar cenas de seu cotidiano, como a contagem de alimentos e animais. Ao analisar a sociedade a partir de sua evolução, também se percebe o quanto o homem necessitou da informação como insumo essencial para o seu próprio desenvolvimento. De acordo com Toffler (1995) o ser humano nos seus primórdios, logo após se desvincular do nomadismo com o desenvolvimento da agricultura, constituiu a primeira estrutura da sociedade humana: a Sociedade Agrícola ou atravessa, como diz o próprio autor, a primeira onda. O foco desta sociedade era possuir informações para prover o próprio sustento através do trabalho e cultivo da terra. Dando sequência a história e tendo em vista o aumento populacional somado ao êxodo do campo e a mecanização dos meios de produção, a sociedade que antes se relacionava diretamente com o campo, onde obtinha a sua sobrevivência, é impulsionada pela era do industrialismo. A estrutura social, agora denominada Sociedade Industrial, apresentava como interesse maior obter informações com o intuito de ter o melhor controle dos processos industriais e aperfeiçoar os meios de produção. Desse modo, como afirma Reis (2006), observa-se grandes diferenças nos modos de produção, transporte, comunicação, além da criação do capitalismo, aumento dos lucros e do consumo que se dá através da invenção

15 13 de maquinários aprimorados para o transporte de mercadorias e que necessitam de orientações e informações sobre o seu correto uso e manuseio. Logo, a solução encontrada em conformidade com as ideias de Reis, seria a obtenção da informação para a produção do conhecimento. Em razão desses acontecimentos, o modelo organizacional e econômico da sociedade mundial sofreu uma nova modificação: a Sociedade Industrial transforma-se em Sociedade da Informação, configurando-se como modelo que se mantém até os dias atuais. Mas então, como definir e compreender esta sociedade? De acordo com o Livro Verde para a Sociedade da Informação de Portugal, este termo refere-se a um modo de desenvolvimento social e económico em que a aquisição, armazenamento, processamento, valorização, transmissão, distribuição e disseminação de informação conducente à criação de conhecimento e à satisfação das necessidades dos cidadãos e das empresas, desempenham um papel central na actividade [sic] económica, na criação de riqueza, na definição da qualidade de vida dos cidadãos e das suas práticas culturais (LIVRO, 1997, p. 5) Já Castells ao utilizar o termo Sociedade Informacional afirma que tal sociedade é caracterizada por uma forma específica de organização social em que a geração, o processamento e transmissão da informação tornam-se fontes fundamentais de produtividade e poder devido as novas condições tecnológicas surgidas nesse período histórico. (CASTELLS, 2007, p. 65) Werthein (2000) infere ainda que o fator-chave desta nova sociedade não seria mais os insumos baratos de energia comuns na sociedade industrial, mas sim os insumos de informação que são obtidos pelos avanços tecnológicos nos campos da microeletrônica e das comunicações. De acordo com os autores é possível compreender que este processo social, além de estar intrinsecamente ligado ao desenvolvimento da sociedade, tem sua referência com a questão econômica de todo o mundo. Esta nova

16 14 sociedade que oculta o simples desejo dos insumos energéticos e apresenta uma maior valorização da informação, necessita de amparo tecnológico eficiente e cada vez mais avançado para prover e executar as suas atividades. Assim, torna-se evidente que esta sociedade tem o foco essencial sobre a informação, desde a geração e aquisição até a sua transmissão, mediante os avanços e condições tecnológicas atuais. A informação neste contexto identifica-se como elemento essencial para o homem, para a sociedade e também à economia mundial. Posta a importância e inter-relação da informação durante a história e na atual conjuntura social e econômica, um novo questionamento surge: o que é informação? Para responder esta interrogativa convém relembrar outros dois conceitos que se encontram vinculados à significação da informação: os dados e o conhecimento. Estes três elementos (os dados, a informação e o conhecimento) participam do que muitos autores denominam como pirâmide ou ciclo do conhecimento. De maneira breve e ilustrativa, trazem-se rápidos conceitos destes elementos para elucidar a compreensão do tema. A ideia de dados conforme Setzer (1999) está ligada a visão de símbolos que são quantificados ou quantificáveis. Em outras palavras, pode-se afirmar que dados são signos ou símbolos que, por si só, não apresentam significado. Eles são de fácil quantificação, transmissão e organização. Exemplo básico deste conceito são as letras do alfabeto. São símbolos que isoladamente não apresentam um sentido, um significado intrínseco. Podem ser simplesmente contadas, transmitidas e organizadas. Os dados quando se encontram inter-relacionados e representam algum significado para um indivíduo, se configuram como informação. Logo, pode-se afirmar num primeiro momento que a informação se configura como dados que, reunidos e relacionados entre si, apresentam significância e sentido. Exemplificando o que seja informação e voltando o caso das letras do alfabeto, se podem citar as palavras como exemplos básicos de informação, onde as letras se relacionam e produzem significado compreensível.

17 15 Por último, e não menos complexo, se tem o conhecimento. Este pode ser justificado como o resultado de um conjunto de informações, assimilado e que apresentam significância intrínseca a um indivíduo. Neste caso, uma informação só pode ser considerada conhecimento quando realmente assimilada e compreendida. Caso esse processo não ocorra seja por falta de capacidade cognitiva do indivíduo, seja por falta de eco no repertório informacional ou desinteresse e rejeição pessoal, a informação preserva-se em sua essência (BARRETO,1999). Ao contrário dos dados, o conhecimento não pode ser quantificado, e também não apresenta a mesma facilidade em transmissão e organização. Isso se deve pela razão de ser este processo de caráter subjetivo e intimamente ligado a capacidade cognitiva de cada indivíduo. Finalizando esta rápida conceituação, tem-se abaixo uma possível representação do que foi anteriormente explanado e comentado sobre o ciclo do conhecimento. Fig. 1 - Pirâmide do Conhecimento A informação, como diria Aldo Barreto, sintoniza o mundo (1999, p.1). É a partir dela que a sociedade se renova, vive e evolui. A necessidade em se possuir informação, como já foi comentado, remonta os primórdios da civilização humana e, no período hodierno, pode ser identificada em variadas circunstâncias e ambiências. Desde a tomada de decisões em grandes organizações e instituições, até o desejo de suprir uma dúvida em uma receita de bolo, o desejo em se obter a informação se realiza. Logo, para que essa ansiedade informacional seja saciada se faz preciso favorecer e facilitar o

18 16 acesso à informação. Para se entender melhor acerca deste tipo de acesso, analisemos como esse processo era realizado. Adentrando rapidamente na história das bibliotecas na Idade Média constatamos que estas se apresentavam apenas como localidades meramente armazenadoras e detentoras de informação, (e não disseminadoras!) As bibliotecas monásticas da antiguidade são grandes ilustrações dessa realidade. Estas bibliotecas se caracterizavam por salvaguardar sobre sete chaves os materiais informacionais com conteúdo sigiloso e confidencial do restante da população. Um detalhe importante a ser frisado nesta época se refere aos meios de reprodução das informações produzidas. Neste ponto histórico é relevante a presença e contribuição dos monges copistas. Como conta-nos a história, estes eram encarregados em transcrever manualmente, livro por livro, boa parte das informações existentes. Analisando esta sintética passagem histórica, se pode observar que o acesso à informação era realizado apenas a uma pequena parcela da população, enquanto todo o restante era privado das informações e do conhecimento armazenados. Esta situação só começa a mudar com o surgimento das primeiras universidades datadas, de acordo com Oliveira (2007), em meados do séc. XIII. Com a chegada das universidades, houve uma maior democratização e acesso as informações antes limitadas a poucos. Sequenciando a história, e evidenciando outro grande marco para o acesso informacional, datando por volta do séc. XV, temos a invenção da imprensa de Gutenberg. Com os tipos móveis, a imprensa se tornou um instrumento de muita importância na divulgação das informações produzidas. Assim, o conhecimento se descentraliza das mãos de grupos seletos e alcança agora os cidadãos comuns da sociedade. Entretanto, apesar de promover a democratização e acesso informacional, toda a facilidade em se obter informação acabou por incitar na sociedade um maior consumo e, logo, uma maior demanda informacional. Assim se instaura o fenômeno denominado como explosão informacional.

19 17 Os efeitos deste grande boom informacional, são vividos (e sentidos) até hoje. Umberto Eco há algum tempo, escreveu um texto onde analisa a quantidade de informação existente no mundo e o grande caos que isto ocasiona. Nesta tempestade de informações, como ele mesmo se refere, somos obrigados diariamente a filtrar e rejeitar informações enquanto somos bombardeados por tantas outras ao mesmo tempo. Nos dias atuais, fenômenos com a globalização e o avanço constante das Tecnologias da Informação e Comunicação TICs, aceleram e amplificam ainda mais os efeitos deste casamento paradoxal: o aumento da democratização e acesso às informações e a maior desorganização, e consequentemente, o caos informacional. Com referência ao que foi exposto, o homem nos dias atuais apresenta uma nova necessidade relacionada à obtenção e uso informacional: a promoção da organização e representação do recurso informação. Nesta perspectiva, surgem ciências e metodologias que têm por objetivo ordenar e expressar este universo de dados e informações almejando minimizar os danos deste caos informacional e assim, trazer a praticidade e comodidade para receber e utilizar este importante insumo. A Biblioteconomia, por exemplo, considerada um ramo da Ciência da Informação, apresenta como missão a função de organizar e representar as informações com o objetivo de disseminá-las e fornecê-las ao usuário de forma eficiente. Uma alternativa para promover tal ação é através da Representação da Informação. De acordo com Novellino (1996, p.38), a Representação da Informação RI, pode ser compreendida como o processo que visa substituir a entidade linguística longa e complexa do documento por uma breve descrição. Maimone, Silveira e Tálamo (2011, p.28) acrescentam que a RI apresenta como principal objetivo proporcionar a comunicação dos documentos e os usuários da informação. Em outras palavras, pode-se afirmar que a Representação da Informação é responsável por sintetizar todas as informações contidas em

20 18 determinado documento, buscando destacar o essencial e apresenta-las de forma sucinta, visando uma melhor organização e recuperação informacional mediante a facilitação da comunicação e do acesso a informação entre os usuários e os documentos. Segundo Maimone, Silveira e Tálamo (2011) a RI se subdivide em dois tipos: a Representação Temática da Informação e a Representação Descritiva da Informação. A Representação Temática pretende representar o assunto dos documentos com o propósito de aproximar e recuperar materiais relevantes com temáticas semelhantes. Para tal, são estudadas e adotadas linguagens documentárias e instrumentos para promoção de um vocabulário controlado. Alguns dos instrumentos de destaque utilizados são as classificações (Classificação Decimal de Dewey- CDD, a Classificação Decimal Universal CDU, e outras), os tesauros e as ontologias. A Representação Descritiva configura-se como o método de representação que procura individualizar o documento e representá-lo a partir de características específicas dos documentos. Este método de classificação ainda é responsável por criar e padronizar pontos de acesso 1 e unir documentos semelhantes por informações similares como autor em comum ou série (MAIMONE, SILVEIRA E TÁLAMO, 2011). O principal instrumento utilizado por este tipo de representação é o próprio catálogo. Apresentados em um contexto geral os principais temas propedêuticos desta obra, aprofundaremos o estudo sobre a Catalogação e a Representação Descritiva da Informação. 1 Os pontos de acesso são nomes ou expressões na Representação Descrita que auxiliam na procura ou o acesso da informação pelo usuário em um sistema ou em um catálogo.

21 19 3 REPRESENTAÇÃO DESCRITIVA DA INFORMAÇÃO: BREVE HISTÓRICO No intuito de poder melhor ilustrar sobre o processo de catalogação, torna-se indispensável o olhar sobre o passado em busca das origens e da história dos catálogos e da catalogação. Dessa forma traz-se um breve histórico em conformidade as pesquisas de Ruth French Strout (pioneira no levantamento sobre a história da catalogação), de algumas citações de Alice Príncípe Barbosa e dos pertinentes acréscimos de Eliane Mey e Naira Silveira em sua obra denominada Catalogação no Plural. O início da representação da informação e da catalogação em si, não apresentavam referências com o processo representativo dos dias atuais, entretanto as bibliotecas e unidades de informação em contexto geral sempre apresentaram a necessidade em representar e organizar o conteúdo informacional de seus acervos. De acordo com Ortega (2009), observa-se na biblioteca de Ebla na Síria, (a mais antiga e conhecida biblioteca do mundo), a existência de um acervo de materiais administrativos, científicos e literários que eram registrados em cerca de quinze mil tábulas de argila. Essas tábulas eram organizadas de acordo com o seu conteúdo temático e traziam ainda quinze tábuas pequenas com o conteúdo resumido dos documentos do acervo. Seria, talvez, a primeira tentativa de representação informacional de toda a história, datada antes da Idade Média! Ao longo do tempo, muitas iniciativas e conquistas foram significativas para a formação dos catálogos e da catalogação como processo. Desse modo, um possível precursor do catálogo surgiu na Biblioteca de Assurbanipal, no século VII a.c. em Nínive. Nesta biblioteca foram encontrados cerca de 20 mil fragmentos de tábulas de argila que possuíam informações sobre o título, número ou volume da tábula, primeiras palavras da tábula seguinte, nome do possuidor original, nome do escriba e um selo, possivelmente tratando-se de propriedade real (MEY E SILVEIRA, 2009, p. 60).

22 20 Outro grande exemplo, datado em cerca de 250 a. C., foi o de Calímaco de Cirene, bibliotecário da conhecida biblioteca de Alexandria. Calímaco foi bastante importante na história do catálogo e da organização do conhecimento devido a criação do pinakoi 2. Tratava-se de uma espécie de catálogo, onde Calímaco procurou organizar os documentos primeiramente por assuntos e depois por ordem alfabética de autores e títulos dos livros. Uma última contribuição histórica para a catalogação, ainda na Idade Antiga, veio da Grécia. Os gregos foram os primeiros a utilizar o conceito de autor como ponto de acesso de uma obra. Contribuição tão importante que permanece nas catalogações dos dias atuais. Na Idade Média, se pode destacar a participação e atuação dos monges copistas nas catalogações feitas naquela época. Assim, afirma-se que através do trabalho em elaborar inventários dos livros de seu tempo, estes monges propiciaram a preservação de boa parte da cultura antiga da Europa. No séc. IX surgiam alguns tipos de catálogos um pouco mais estruturados dos que nos anos anteriores. Um bom exemplo a ser dado seria o catálogo do mosteiro Beneditino de Saint Requier, na França, em cerca de 831. Nesse catálogo, o qual o registro era de aproximadamente 246 volumes, notava-se a organização feita pelo autor, o registro do conteúdo dos volumes e o número de volumes referentes a uma obra. Avançando um pouco a história, temos no séc. XIV, o que se afirma ser a representação mais próxima de um catálogo: a lista do convento Saint Martin, localizada em Dover na Inglaterra, em Essa lista era dividida em três partes, onde segundo as autoras a [...] primeira, organizada pelo número de localização do volume na estante, incluía um título breve, o número da página do livro em que o número de localização foi registrado, as primeiras palavras do texto nesta página, o número de páginas do livro e o número de obras contidas no volume. A segunda, também organizada pelo número de localização, registrava o conteúdo de cada volume, com a paginação e as palavras iniciais de cada obra. A terceira é um marco na catalogação: incluía análise das partes (entradas analíticas) e uma lista alfabética, às vezes de autor, outras de título e autor e outras, ainda, de 2 Também conhecida como Pinakes por alguns autores. Palavra de origem grega que significa tábuas, estantes ou mesas (MEY E SILVEIRA, 2009, p. 60).

SISTEMAS AUTOMATIZADOS DE CATALOGAÇÃO: Revisão de

SISTEMAS AUTOMATIZADOS DE CATALOGAÇÃO: Revisão de UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DIRETÓRIO ACADÊMICO DE BIBLIOTECONOMIA XIV Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência

Leia mais

Catalogação: análise e parâmetros gerais da representação da informação 1

Catalogação: análise e parâmetros gerais da representação da informação 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DIRETÓRIO ACADÊMICO DE BIBLIOTECONOMIA XIV Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência

Leia mais

Falando sobre RDA. O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação

Falando sobre RDA. O que é e o que podemos esperar do novo código de catalogação VII Seminário Brasileiro de Bibliotecas das Instituições da Rede de Educação Profissional Cientifica e Tecnológica III Encontro de Bibliotecários no IFSuldeMinas Falando sobre RDA O que é e o que podemos

Leia mais

O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de. catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais,

O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de. catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais, 138 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS O propósito deste trabalho foi o de apresentar os programas de catalogação cooperativa, centralizada e catalogação-na-publicação, os quais, são sistemas de alimentação de catálogos

Leia mais

ÍNDICE DE TERMOS. Livro

ÍNDICE DE TERMOS. Livro ÍNDICE DE TERMOS Acervo Bibliográfico Autor Bibliografia Base de dados Bibliográfica Bibliografia Bibliotecário Biblioteca Biblioteca digital, electrónica ou virtual Biblioteconomia Catálogo Catálogo coletivo

Leia mais

TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação

TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ANÁLISE DA INFORMAÇÃO I TRATAMENTO TEMÁTICO DA INFORMAÇÃO: Processos de Análise e Representação

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de documentação geral e jurídica, julgue os itens a seguir. 51 O tesauro e o esquema de classificação são exemplos de metadocumentos; estes, por sua vez, são, em geral,

Leia mais

Informatização e software para bibliotecas comunitárias

Informatização e software para bibliotecas comunitárias Informatização e software para bibliotecas comunitárias Lorena Tavares de Paula Diante da configuração social, na qual o acesso ao computador tornou-se um elemento presente na vida cotidiana de um número

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

Temática(s): ACESSIBILIDADE COMUNICACIONAL RELATO DE EXPERIÊNCIA

Temática(s): ACESSIBILIDADE COMUNICACIONAL RELATO DE EXPERIÊNCIA Temática(s): ACESSIBILIDADE COMUNICACIONAL RELATO DE EXPERIÊNCIA ACESSIBILIDADE INFORMACIONAL: alunos com deficiência visual na Universidade Federal do Rio Grande do Norte MELO, E. S. F. de. (Universidade

Leia mais

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Iniciação à Pesquisa em Informática Profª MSc. Thelma E. C. Lopes e-mail: thelma@din.uem.br 2 Texto Científico: o que é? A elaboração do texto científico

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a indexação e resumos, julgue os itens a seguir. Julgue os itens subsecutivos, referentes à gestão da informação e do conhecimento. 51 Coerência intraindexador refere-se

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

O TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO:

O TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO: O TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO: FACE AOS SISTEMAS AUTOMATIZADOS DE RECUPERAÇÃO ESQUEMA GERAL Importância do acesso à informação, O crescimento e diversificação dos sistemas de informação Explosão bibliográfica

Leia mais

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES Disciplinas obrigatórias: ICIA39 Administração de Unidades de Básica EMENTA: Conceitos de informação e gestão de organizações. Qualidade e competitividade (noções). Estudo de serviços de informação em

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

CATALOGAÇÃO NA BIBLIOTECA NACIONAL DO BRASIL: do catálogo de fichas ao Consórcio Eletrônico de Bibliotecas

CATALOGAÇÃO NA BIBLIOTECA NACIONAL DO BRASIL: do catálogo de fichas ao Consórcio Eletrônico de Bibliotecas CATALOGAÇÃO NA BIBLIOTECA NACIONAL DO BRASIL: do catálogo de fichas ao Consórcio Eletrônico de Bibliotecas Luciana Grings Coordenadora de Serviços Bibliográficos Fundação Biblioteca Nacional (Brasil) Av.

Leia mais

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL Endereço http://www.bn.br Órgão vinculado ao Ministério da Cultura, cuida do Livro, da Leitura, e da Biblioteca. Atendimento à distância. A Divisão de Informação Documental

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO / NÃO 1 Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação Registro de sugestões de compra de materiais bibliográficos

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento

Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento 1 Universidade Estadual Paulista Faculdade de Filosofia e Ciências Campus de Marília Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento Referência do texto para discussão: BRASCHER, Marisa;

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

SAULO PEGO JUSTINIANO DA COSTA

SAULO PEGO JUSTINIANO DA COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU- MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL E SISTEMAS DE INFORMAÇÕES TURMA - 33 SAULO PEGO JUSTINIANO DA

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto Saúde e Sociedade Programa de Pós-Graduação Alimentos, Nutrição e Saúde

Universidade Federal de São Paulo Instituto Saúde e Sociedade Programa de Pós-Graduação Alimentos, Nutrição e Saúde Universidade Federal de São Paulo Instituto Saúde e Sociedade Programa de Pós-Graduação Alimentos, Nutrição e Saúde ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE DOCUMENTO DE QUALIFICAÇÃO E DISSERTAÇÃO PARA O PROGRAMA

Leia mais

Tópicos: Breve histórico da comunicação científica. Evolução do suporte de registro do conhecimento

<?xml version=1.0 encoding=utf-8?> <workshop> Tópicos: Breve histórico da comunicação científica. Evolução do suporte de registro do conhecimento linguagem XML michelângelo Mazzardo Marques Viana porto Alegre 07 de maio de 2009

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO NORMAS PARA REDAÇÃO DE ARTIGOS Pompeia 2012 A composição dos textos deverá obedecer as orientações abaixo.

Leia mais

2º. - A cada ano, o Plano Nacional do Livro e Leitura será revisado e adequado às disponibilidades orçamentárias do exercício seguinte.

2º. - A cada ano, o Plano Nacional do Livro e Leitura será revisado e adequado às disponibilidades orçamentárias do exercício seguinte. Minuta de Decreto de Regulamentação da Lei do Livro - 10.753/03. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea "a", da Constituição, e tendo em vista

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

Propostas de atividades para alfabetização e letramento (origem da escrita e do mundo letrado)

Propostas de atividades para alfabetização e letramento (origem da escrita e do mundo letrado) Propostas de atividades para alfabetização e letramento (origem da escrita e do mundo letrado) Viviane Martins Barbosa de Faria Propostas de atividades para alfabetização e letramento (origem da escrita

Leia mais

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA PESQUISA CIENTÍFICA

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA PESQUISA CIENTÍFICA MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA PESQUISA CIENTÍFICA Toda pesquisa deve passar por uma fase preparatória de planejamento devendo-se estabelecer certas diretrizes de ação e fixar-se uma estratégia global.

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: Tópico 3 Relatórios Técnico-científicos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: - saber identificar os elementos que compõem a estrutura de um relatório técnico-científico;

Leia mais

Guia de utilização da Base de Dados

Guia de utilização da Base de Dados Guia de utilização da Base de Dados Introdução Este guia tem por objetivos a apresentação do conteúdo da base de dados relativa às traduções de textos de economia incluída no website do EE-T, bem como

Leia mais

Noções introdutórias de Marc 21 Formato Bibliográfico. Ana Braga Bibliotecária CRB7-4776 BPM - UFF Ana Paula Lima Bibliotecária CRB7-5618 BCG - UFF

Noções introdutórias de Marc 21 Formato Bibliográfico. Ana Braga Bibliotecária CRB7-4776 BPM - UFF Ana Paula Lima Bibliotecária CRB7-5618 BCG - UFF Noções introdutórias de Marc 21 Formato Bibliográfico Ana Braga Bibliotecária CRB7-4776 BPM - UFF Ana Paula Lima Bibliotecária CRB7-5618 BCG - UFF Introdução: Marc 21 O formato MARC 21 (Machine Readable

Leia mais

Aplicação dos FRBR. de catálogos. elvis fusco

Aplicação dos FRBR. de catálogos. elvis fusco Aplicação dos FRBR na modelagem de catálogos bibliográficos digitais elvis fusco Aplicação dos FRBR na modelagem de catálogos bibliográficos digitais Conselho Editorial Acadêmico Responsável pela publicação

Leia mais

3 SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CATÁLOGOS E BASES DE DADOS. Os sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados,

3 SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CATÁLOGOS E BASES DE DADOS. Os sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados, 60 3 SISTEMAS DE ALIMENTAÇÃO DE CATÁLOGOS E BASES DE DADOS Os sistemas de alimentação de catálogos e bases de dados, conhecidos como programas de catalogação cooperativa, catalogação centralizada e catalogação-na-publicação

Leia mais

AACR2 e RDA: MUDANÇAS E ESTIMATIVAS PARA A BIBLIOTECA NACIONAL

AACR2 e RDA: MUDANÇAS E ESTIMATIVAS PARA A BIBLIOTECA NACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA OSCAR AMÉRICO DA SILVA AACR2 e RDA: MUDANÇAS E ESTIMATIVAS PARA A BIBLIOTECA NACIONAL Florianópolis SC 2013 OSCAR AMÉRICO DA

Leia mais

Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP

Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP 27 Artigos Organização das fontes de informação jurídica na perspectiva do GIDJ/SP Andréia Gonçalves Silva Bibliotecária do escritório Lazzareschi Advogados Docente da Faculdade de Biblioteconomia e Ciência

Leia mais

FACULDADE UNISAÚDE INSTITUTO UNISAÚDE MANUAL DE ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM ACUPUNTURA

FACULDADE UNISAÚDE INSTITUTO UNISAÚDE MANUAL DE ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM ACUPUNTURA FACULDADE UNISAÚDE INSTITUTO UNISAÚDE MANUAL DE ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM ACUPUNTURA Prof. Ms. Jean Luís de Souza Diretor Geral Faculdade Unisaude Prof.

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano

Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano Como navegar no mar de informações para atender as demandas de um escritório jurídico e seus clientes case Escritório Veirano Cristina Lerina Patrícia Rocha Eusebia Diniz Simone Bispo edoc 2015 Rio de

Leia mais

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica.

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica. Bibliotecas digitais: possibilidades da utilização de Softwares livres para disponibilização de trabalhos acadêmicos. Cristina Maria de Queiroz Valeria Ferreira de Jesus Lauriano Resumo Com a evolução

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1 INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

O controle de autoridade sob a norma RDA: análise da aplicação e implicações na construção de registros de autoridade

O controle de autoridade sob a norma RDA: análise da aplicação e implicações na construção de registros de autoridade FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO III SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FESPSP O controle de autoridade sob a norma RDA: análise da aplicação e implicações na construção de registros de autoridade

Leia mais

CATALOGAÇÃO COOPERATIVA: PROPÓSITOS, VANTAGENS E DESVANTAGENS

CATALOGAÇÃO COOPERATIVA: PROPÓSITOS, VANTAGENS E DESVANTAGENS UNESP Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Marília Faculdade de Filosofia e Ciências Departamento de Ciência da Informação CATALOGAÇÃO COOPERATIVA: PROPÓSITOS, VANTAGENS E DESVANTAGENS

Leia mais

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos As Bibliotecas da (Unidade Serraria e Antares) tem como intuito, auxiliar os usuários em suas necessidades de ensino, pesquisa e orientação voltados

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO

DESIGN DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO DISCIPLINAS QUE PODEM SER OFERECIDAS PARA OUTROS CURSOS CURSO DE ORIGEM DA DISCIPLINA DESIGN NOME DA DISCIPLINA EMENTA C.H. OBSERVAÇÕES PREVISÃO Raciocínio Lógico Matemática Financeira A disciplina trata

Leia mais

MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS

MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS MAPEAMENTO DA ESTRUTURA MORFOFONÉTICA DE UNIDADES TERMINOLÓGICAS EM LIBRAS Janine Soares de Oliveira Universidade Federal de Santa Catarina Markus Johannes Weininger Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO)

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE POUSO ALEGRE MANUAL DE RELATÓRIO CIENTÍFICO (MRC) (GRADUAÇÃO) O RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. CONCEITO DE RELATÓRIO Exposição escrita na qual se descrevem fatos verificados

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

APLICAÇÕES SINTÁTICAS E SEMÂNTICAS NA CONVERSÃO DE REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS AO FORMATO MARC21 BIBLIOGRÁFICO

APLICAÇÕES SINTÁTICAS E SEMÂNTICAS NA CONVERSÃO DE REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS AO FORMATO MARC21 BIBLIOGRÁFICO APLICAÇÕES SINTÁTICAS E SEMÂNTICAS NA CONVERSÃO DE REGISTROS BIBLIOGRÁFICOS AO FORMATO MARC21 BIBLIOGRÁFICO Zaira Regina Zafalon Plácida L. V. A. da C. Santos UNESP - BRASIL Introdução Uso de novas tecnologias

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~ _áääáçíéå~ `ÉåíêçÇÉfåÑçêã~ çéoéñéêæååá~ DIRETRIZES PARA A SELEÇÃO E AQUISIÇÃO DE LIVROS, MONOGRAFIAS E SIMILARES PARA A BIBLIOTECA DA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA/ USP 1. INTRODUÇÃO O fluxo crescente de

Leia mais

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD

FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD FONTES DE INFORMAÇÃO (FI) PARA PESQUISA E USO DE BD Luciane Meire Ribeiro STRAUD Biblioteca FCAV (Seção Técnica de Referência, Atendimento ao Usuário e Documentação) 1. Introdução: Definição de FI (em

Leia mais

RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO: SUA TRAJETÓRIA E O COMPORTAMENTO DO USUÁRIO

RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO: SUA TRAJETÓRIA E O COMPORTAMENTO DO USUÁRIO RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO: SUA TRAJETÓRIA E O COMPORTAMENTO DO USUÁRIO Ana Lúcia Victoretti de Oliveira 1, Deborah Marques Paulucci 2, Julliana de Melo Correia da Silva 3, Maria Eneide de Souza Araújo

Leia mais

Rotinas ao alcance de todos: a criação do manual de processamento técnico na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

Rotinas ao alcance de todos: a criação do manual de processamento técnico na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Rotinas ao alcance de todos: a criação do manual de processamento técnico na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) Renata Ferreira Santos (UFOP) - renataferreira@sisbin.ufop.br

Leia mais

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Administração Biblioteca Normas para elaboração do TCC O que é um Trabalho de Conclusão de Curso? O TCC, é um trabalho acadêmico feito sob a coordenação

Leia mais

Liberação de Versão. Versão 8. Pergamum

Liberação de Versão. Versão 8. Pergamum Liberação de Versão Versão 8 Pergamum Sumário! " # $%# & '( & ) * ) +, +, %% -*%.-*). * %%! " / 0 #$!! 12%)& % 3* 1 45(' * 6! &' 3 $% 7 $ $ Confidencial Pergamum, 2012 $( 89& $ $!!!! +7! " #! & $ Confidencial

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA Considerando o crescimento da demanda de informação no meio acadêmico, foi definida a Política de Atualização e de Expansão do Acervo da Biblioteca,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS ESCOLA DE BIBLIOTECONOMIA GERLAINE PEREIRA DA ROCHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS ESCOLA DE BIBLIOTECONOMIA GERLAINE PEREIRA DA ROCHA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS ESCOLA DE BIBLIOTECONOMIA GERLAINE PEREIRA DA ROCHA A HISTÓRIA DA REPRESENTAÇÃO DA INFORMAÇÃO NA DO INSTITUTO DOS ADVOGADOS BRASILEIROS

Leia mais

Universidade Federal do Mato Grosso Editora Universitária Diversidade de conhecimento para você

Universidade Federal do Mato Grosso Editora Universitária Diversidade de conhecimento para você DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE FICHA CATALOGRÁFICA NAS OBRAS DA EDITORA DA UFMT- EdUFMT Sheila Cristina F. Gabriel Bibliotecária CRB1 1618 O presente documento pretende apresentar algumas propostas e

Leia mais

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 6 4 Princípios... 7 5 Diretrizes... 9 6 Responsabilidades...12 7 Disposições Gerais...15 2 1 Objetivo

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO CRIAÇÃO DO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO SÃO FRANCISCO DR. RAIMUNDO MARINHO FACULDADE RAIMUNDO MARINHO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Da Biblioteca Art.

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS PARA QUALIFICAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO), TESES E TRABALHOS

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

Terminologia P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Terminologia P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Terminologia P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Conjunto dos termos especializados próprios

Leia mais

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM De visita à Biblioteca do Professor José Mattoso: o que não sabemos e devemos saber Judite A. Gonçalves de Freitas FCHS-UFP Mértola- 16. Março.

Leia mais

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Porto Alegre, 2010 ESADE - Política de Aquisição de Material Bibliográfico - 2 1 POLÍTICA DE SELEÇÃO É essencial que se estabeleça

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO

DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA ANPUH-BRASIL O PERFIL PROFISSIONAL DOS HISTORIADORES ATUANTES EM ARQUIVOS DOCUMENTO FINAL DO ENCONTRO São Paulo, dezembro de 2012. APRESENTAÇÃO Este documento, produzido

Leia mais

1) O que é um ISSN? 2) Quem atribui o ISSN? 3) O ISSN é obrigatório? 4) Quais as vantagens de se ter um ISSN? 5) Como os editores brasileiros podem

1) O que é um ISSN? 2) Quem atribui o ISSN? 3) O ISSN é obrigatório? 4) Quais as vantagens de se ter um ISSN? 5) Como os editores brasileiros podem 1) O que é um ISSN? 2) Quem atribui o ISSN? 3) O ISSN é obrigatório? 4) Quais as vantagens de se ter um ISSN? 5) Como os editores brasileiros podem obter um ISSN para suas publicações? 6) Qual o endereço

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA MARINGÁ 2012 1 APRESENTAÇÃO O Desenvolvimento de Coleções, qualquer que seja o tipo de biblioteca (pública,

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A PARTICIPAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DIANA LIMA DOS SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DIANA LIMA DOS SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DIANA LIMA DOS SANTOS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES PARA A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA NA BAHIA: ANÁLISE QUALITATIVA

Leia mais

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Marcos Tarciso Masetto COMPETÊNCIA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO Competência pedagógica do professor universitário Copyright 2003, 2012 by Marcos Tarciso Masetto Direitos desta edição reservados

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

Recomendações para a elaboração de um relatório técnico (Repare que algumas informações podem ou não se aplicar para o seu caso).

Recomendações para a elaboração de um relatório técnico (Repare que algumas informações podem ou não se aplicar para o seu caso). Recomendações para a elaboração de um relatório técnico (Repare que algumas informações podem ou não se aplicar para o seu caso). SUMÁRIO 1. CONCEITO DE RELATÓRIO 2. OBJETIVOS 3. TIPOS DE RELATÓRIOS 4.

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE.

SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE. 1 SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE. LIDIANE DOS SANTOS CARVALHO (lidianebiblio@hotmail.com) ELAINE R. DE OLIVEIRA LUCAS (lani@udesc.br) Contextualiza as Bibliotecas Universitárias

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA

COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA MATERIAL DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS FLORIANÓPOLIS 2009 CESUSC

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

A MICROFILMAGEM COMO MEIO DE PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA DOCUMENTAL NA BIBLIOTECA NACIONAL

A MICROFILMAGEM COMO MEIO DE PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA DOCUMENTAL NA BIBLIOTECA NACIONAL A MICROFILMAGEM COMO MEIO DE PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA DOCUMENTAL NA BIBLIOTECA NACIONAL MELO, Débora Vilar 1 MATOS, Caroline Santos de 2 RESUMO Pretende informar as atividades de estágio desenvolvidas na

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO. Curso de filosofia Bacharelado e Licenciatura. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso 2015/1

FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO. Curso de filosofia Bacharelado e Licenciatura. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso 2015/1 FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO Curso de filosofia Bacharelado e Licenciatura Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso 2015/1 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO DO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais