A CULTURA HISTÓRICA ILUMINISTA: ENTRE O PROJETO POLÍTICO E O LIVRO DIDÁTICO PAULO ANDRÉ BATISTA MIRANDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CULTURA HISTÓRICA ILUMINISTA: ENTRE O PROJETO POLÍTICO E O LIVRO DIDÁTICO PAULO ANDRÉ BATISTA MIRANDA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA A CULTURA HISTÓRICA ILUMINISTA: ENTRE O PROJETO POLÍTICO E O LIVRO DIDÁTICO PAULO ANDRÉ BATISTA MIRANDA Orientadora: Profa. Dra. Regina Célia Gonçalves Co-Orientadora: Profa. Dra. Vilma de Lurdes Barbosa Área de Concentração em História e Cultura Histórica Linha de Pesquisa em Ensino de História e Saberes Históricos JOÃO PESSOA PB Agosto/2011

2 A CULTURA HISTÓRICA ILUMINISTA: ENTRE O PROJETO POLÍTICO E O LIVRO DIDÁTICO Paulo André Batista Miranda Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós Graduação em História, do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal da Paraíba - UFPB, em cumprimento às exigências para obtenção do título de Mestre em História, Área de Concentração em História e Cultura Histórica. Orientadora: Profa. Dra. Regina Célia Gonçalves Co-Orientadora: Profa. Dra. Vilma de Lurdes Barbosa Linha de Pesquisa: Ensino de História e Saberes Históricos JOÃO PESSOA Agosto/2011

3 M672c Miranda, Paulo André Batista. A cultura histórica iluminista: entre o projeto político e o livro didático / Paulo André Batista Miranda. - João Pessoa, f. Orientadora: Regina Célia Gonçalves Co-orientadora: Vilma de Lurdes Barbosa Dissertação (Mestrado) UFPB/CCHLA 1. Livros didáticos - História ensino médio. 2. Cultura histórica. 3. Ensino de história. 4. Iluminismo. UFPB/BC CDU: 002(075)(043)

4 A CULTURA HISTÓRICA ILUMINISTA: ENTRE O PROJETO POLÍTICO E O LIVRO DIDÁTICO Paulo André Batista Miranda Dissertação de Mestrado avaliada em / / com conceito BANCA EXAMINADORA Profa. Dra. Regina Célia Gonçalves Programa de Pós-Graduação em História Universidade Federal da Paraíba Orientadora Profa. Dra. Vilma de Lurdes Barbosa Programa de Pós-Graduação em História Universidade Federal da Paraíba Co-Orientadora Profa. Dra. Regina Coeli Gomes Nascimento Programa de Pós-Graduação em História Universidade Federal de Campina Grande Examinador externo Profa. Dra. Cláudia Engler Cury Programa de Pós-Graduação em História Universidade Federal da Paraíba Examinadora interna Prof. Dr. Severino Cabral Filho Programa de Pós-Graduação em História - Universidade Federal de Campina Grande Suplente externo Prof. Dr. Severino Bezerra da Silva Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal da Paraíba Suplente interno

5 Aos meus familiares: Luíz (pai) e Lourdes (mãe), Mário e Diego (irmãos) e Jéssica (sobrinha).

6 i AGRADECIMENTOS Gostaria de fazer uma grande lista de agradecimentos se pudesse, mas como sou lacônico com as palavras sentimentais prefiro encurtá-las para não ficar sem saber o que expressar. Em primeiro lugar agradeço imensamente à UFPB e ao Programa de Pós- Graduação em História por ter me concedido a oportunidade de estudar, mais uma vez, nessa instituição como parte importante da formação da minha vida. Agradeço a paciência que os coordenadores do mestrado tiveram comigo: no primeiro momento com os Profs. Raimundo Barroso e Elio Flores, e principalmente, no segundo com as Profas. Carla Mary e Serioja. Muito obrigado mesmo. Agradeço também à CAPES, pela concessão da bolsa que foi fundamental para que eu tivesse acesso aos materiais necessários para a redação dessa dissertação. Um agradecimento fraternal a alguns amigos como Walber, que continua sendo a personificação do Dalai Lama e Lucas Espanhol. A alguns colegas de curso de mestrado como Bernardo, Alessandro e, principalmente, Jivago com quem tive a oportunidade de trabalhar. Jivago, muito obrigado pela chance e pela força, e vamos fazer aquela visita que ficamos devendo! Para minha namorada Nadine que tem uma história fantástica comigo nesses últimos vinte e quatro meses. Obrigado por ter aceitado minha renúncia quando precisei ficar longe de você para ficar perto dos livros. Obrigado por ter suportado, às vezes, minha indiferença e distância, e desculpe também por qualquer coisa que porventura a tenha magoado, mas eu precisava da solidão, ela é necessária em alguns momentos. A professora Claudia Cury que conheço de perto, desde o tempo em que fui seu monitor da disciplina Teoria da História II, ainda na graduação. Eu confio o meu trabalho para suas leituras e análises desde o começo do mestrado. Obrigado pelas críticas e por teimar para que eu deixasse a teimosia com que estava conduzindo meu trabalho. Obrigado, dama da História! Um agradecimento ao senhor Marcos William que cuidou e teve a paciência de escanear todas as imagens dos livros didáticos e formatar a versão final. Obrigado carioca gente fina! Agradeço também a gentileza do Samuel Filho pelo abstract.

7 ii E um agradecimento especial para as professoras Regina Célia Gonçalves (orientadora) e Vilma de Lurdes Barbosa (co-orientadora). Comecei a trabalhar com ambas desde 2005 com o projeto de História Local dos municípios paraibanos. Agora no Mestrado tem sido muito mais que orientadoras. Vocês têm noção o quanto estão me ajudando? Se não fosse vocês não sei como seria, se é que seria. Muito obrigado mesmo, por tudo. Desculpem-me por qualquer coisa que tenha feito de errado ou equivocado e agora vou deixar vocês em paz, não mais as perturbarei (risos). E um obrigado às pessoas que me ajudaram, direta ou indiretamente, nesse difícil, mas importante processo. Se esqueci de alguém foi por falta de espaço ou de memória, mas jamais por falta de gratidão. Muito obrigado! Até a próxima, se houver claro. Valeu!!

8 iii SUMÁRIO AGRADECIMENTOS...i SUMÁRIO...iii RESUMO...iv ABSTRACT...v LISTA DE ABREVIATURAS...vi EPÍGRAFE...vii 1. INTRODUÇÃO LIVRO DIDÁTICO E CULTURA HISTÓRICA Uma breve história do livro didático no Brasil A produção/reprodução da cultura histórica pelos livros didáticos Conceitos sobre cultura histórica Livro didático como um artefato cultural EDUCAÇÃO E MODERNIDADE: DO HUMANISMO AO ILUMINISMO Educação, Humanismo e Reformismo no Século XVI Os Humanistas Cristãos do século XVI A pedagogia da Reforma Católica (Contra Reforma Do utilitarismo empirista ao protótipo do homem burguês no século XVII O utilitarismo de Francis Bacon Ensinar tudo a todos : A utopia de Comenius A educação do gentleman burguês em John Locke A educação nas bases das luzes do século XVIII A laicização e o mundo dos livros para a formação A Educação Pública em Condorcet Considerações sobre a importância do livro no pensamento moderno O ILUMINISMO NOS LIVROS DIDÁTICOS Livro 1 História, de Divalte Garcia Figueira Livro 2 História: das cavernas ao terceiro milênio de Myriam Becho Mota e Patrícia Ramos Braick Livro 3 A Escrita da História de Flávio de Campos e Renan Garcia Miranda Um olhar sobre as obras Problemas conceituais encontrados nos livros didáticos CONSIDERAÇÕES FINAIS FONTES E REFERÊNCIAS ANEXOS...169

9 iv RESUMO Este trabalho tem, como objeto de análise, livros didáticos de História para o Ensino Médio e o tratamento que seus autores conferem ao tema do Iluminismo. Partindo do princípio de que a sistematização e a divulgação do conhecimento científico na Modernidade se processaram inclusive através da organização de materiais didáticos voltados para os sistemas de ensino que começaram a ser montados a partir de então, consideramos o livro didático como um objeto cultural iluminista. Por sua vez, a historiografia contemporânea tem revisitado o tema do Iluminismo na Modernidade, a partir de uma abordagem que ultrapassa a associação estabelecida entre filosofia iluminista e o século das luzes como fenômeno francês. A nossa análise procura perceber como o Iluminismo é abordado nos manuais didáticos brasileiros contemporâneos, quais as perspectivas teóricas predominantes e como os conceitos centrais daquela filosofia são tratados. A análise de livros didáticos se justifica pelo fato de que, na nossa cultura, eles se constituem como um importante instrumento de veiculação do saber histórico, além de promoverem a formação docente e discente na área. Além disso, as idéias e as propostas dos pensadores modernos de extração iluminista ainda se constituem, na nossa perspectiva, em elementos fundamentais da cultura histórica e política contemporânea. Palavras chave: Iluminismo; Livro Didático; Cultura Histórica e Ensino de História.

10 v ABSTRACT This work has as its object of analysis high school History textbooks and the treatment their authors give to the Enlightenment. Assuming that the systematization and dissemination of scientific knowledge in the Modern age were carried on including through the organization of teaching materials designed to the education systems that began to be assembled at the time, we consider the textbook as a cultural object of the Enlightenment. In its turn, the contemporary historiography has revisited the theme of the Enlightenment in Modernity, from an approach that goes beyond the association established between Enlightenment philosophy and the Age of Reason as a French phenomenon. Our analysis aims to understand how the Enlightenment is addressed in Brazilian current textbooks, the predominant theoretical perspectives and how the central concepts of that philosophy are treated. The analysis of textbooks is justified by the fact that in our culture they constitute an important tool for conveying the historical knowledge, other than promoting teacher and student training on the subject. Furthermore, the ideas and proposals of the Enlightenment modern thinkers are still present from our point of view in basic elements of contemporary historical culture and politics. Keywords: Enlightenment; Textbook; Historical Culture and History teaching.

11 vi LISTA DE ABREVIATURAS CNLD Comissão Nacional do Livro Didático ENEM Exame Nacional do Ensino Médio FAE Fundação de Apoio ao Estudante IES Instituições de Ensino Superior LD Livro Didático LDB Lei De Diretrizes e Bases da Educação Nacional MST Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra PCN Parâmetros Curriculares Nacional PNLA Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos PNLD Programa Nacional do Livro Didático PNLEM Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio PPGH Programa de Pós-Graduação em História PUC Pontifícia Universidade Católica RBH Revista Brasileira de História UniBH Centro Universitário de Belo Horizonte UFMG Universidade Federal de Minas Gerais UFPB Universidade Federal da Paraíba USP Universidade de São Paulo

12 Quanto mais os homens forem dispostos, pela educação, a raciocinar com justeza, a apreender as verdades que lhes são apresentadas, a rejeitar os erros dos quais se quer fazê-los vítimas, mais também uma nação, que veria dessa forma as luzes se ampliarem cada vez mais e difundirem-se num maior número de indivíduos, deve esperar obter e conservar as boas leis, uma sábia administração e uma constituição verdadeiramente livre. (Condorcet- 1791) vii

13 1 1. INTRODUÇÃO Este trabalho tem, como objeto, a análise de livros didáticos no que se refere ao tratamento dado ao tema do Iluminismo. Procuramos fazê-lo tendo, como pano de fundo, as abordagens sobre o tema que a historiografia de uma forma geral tem construído, tanto a clássica, quanto a que procedeu a uma intensa revisão nas últimas décadas do século XX. Em termos de apoio teórico para estudamos a ilustração, seja na concepção francesa ou inglesa, nos fundamentamos nos conceitos de Ilustração e Iluminismo. Segundo Rouanet (2005), a Ilustração 1 foi um movimento intelectual do século XVIII em que se propunha que o homem deveria basear seu conhecimento e ação no uso da razão e da crítica contra os valores tradicionais na sociedade européia marcados pelo matiz feudal. Por outro lado, o Iluminismo é uma tendência trans-epocal que cruza a história humana (p.26). Ou seja, segundo essa formulação, existiram, antes do século XVIII e depois dele, pensadores com uma perspectiva racional do devir histórico das sociedades humanas. Assim, podemos afirmar que a Ilustração moderna foi mais uma fase do Iluminismo. Atualmente, por exemplo, podemos identificar um neo-iluminismo que procura uma crítica da sociedade não colocando apenas a ciência e o progresso como forma de resolução dos problemas, mas também estabelecendo uma autocrítica quanto aos seus limites e excessos que podem ser fator de desequilíbrio econômico, social e ambiental. No século XVIII, a Ilustração foi um movimento que buscava, exclusivamente através do esclarecimento, fazer com que o homem superasse a ignorância e fosse dono de seu próprio destino através do conhecimento, tal como afirmava Kant (2008). A crença no progresso, na ciência e no esclarecimento o conduziria a um estágio de emancipação em que não sofreria mais coerções por parte das estruturas e das instituições do Estado e, assim, alcançaria a felicidade plena. A partir deste projeto ilustrado, podemos dizer que a história profana/civil começa a se desligar gradativamente do providencialismo medieval e, por conseqüência, 1 Segundo Sérgio Paulo Rouanet, o termo ilustração se reserva exclusivamente às correntes de idéias que apareceram no século XVIII, enquanto que o Iluminismo refere-se a uma tendência intelectual independente de época, com viés crítico sempre apoiado na razão.

14 2 a cultura histórica também é afetada e modificada. Surge, assim, um novo tipo de cultura histórica, baseada nas grandes realizações do homem no campo da ciência e tecnologia. Trata-se da tentativa de romper com os antigos e com a escolástica medieval. É nesse aspecto que se pauta a cultura histórica do Iluminismo - em uma ruptura com o passado, na busca de um progresso material através do devir histórico pautado na educação; razão e experiência concebidas como elementos para a vida prática e como projeto universal para o cidadão. Há diferença entre esses projetos, há particularidades históricas de cada nação. Isso é evidenciado na trajetória do Iluminismo na França e na Inglaterra. Nos dois países foram criadas bases para o conceito de progresso e, da mesma forma, espaços de circularidade cultural 2 para ele. Os ingleses lançaram as bases da tecnologia e da ordem pautadas na matemática; já os franceses as da ampliação das liberdades individuais. Da mesma forma, essas concepções se complementarão envolvendo os mesmos espaços de experiência e a previsão teleológica do futuro. Apresentados esses pressupostos teóricos, passamos a relatar a trajetória deste trabalho que começou a ser elaborado desde fins de 2007, com a monografia de conclusão do Curso de Licenciatura Plena em História, intitulada Ciência e Progresso: os dois vetores do Iluminismo Inglês. Ali procuramos localizar temporal, histórica e filosoficamente o Iluminismo na Inglaterra, assim como apontar as contribuições de quatro grandes nomes dessa produção inglesa para a construção da Modernidade: Francis Bacon, John Locke, Isaac Newton e David Hume. No entanto, vale ressaltar que o interesse pelo tema surgiu através de aulas de Teoria da História nas quais, a partir das discussões das contribuições de Edward Palmer Thompson e Christopher Hill, foi identificado um novo tipo de olhar sobre o Iluminismo. Com relação ao projeto de Mestrado essa temática continuou no campo da filosofia da história ao procurar responder certas questões que não haviam sido esgotadas na monografia, mas daí surgiu um novo elemento que se relaciona com a área 2 Para Ginzburg (2006), inspirado em Bakhtin, há uma permanente circularidade cultural na sociedade, que possibilita sua constante reprodução e renovação; a cultura é um campo de forças dividido e contraditório, entre hegemônicos e subalternos. As classes dominantes, por via de dominação e hegemonia, buscam apropriar-se das culturas subalternas (seus temas, motivos e elementos) e modificálas segundo os seus interesses, criando um consenso, para enquadrar os subalternos.

15 3 de concentração do Programa de Pós Graduação em História da Universidade Federal da Paraíba - PPGH/UFPB, Cultura Histórica, e com a linha de pesquisa Ensino de História e Saberes Históricos. A relação dessa temática com o livro didático como um dos elementos centrais da pesquisa surgiu durante o curso das disciplinas 3. Partíamos da idéia de uma suposta ausência de discussão teórica sobre o Iluminismo nesse tipo de artefato didático. Ao mesmo tempo, queríamos entender de que forma o Iluminismo inglês é apresentado nos livros didáticos, se é que isso acontece. E, se não acontece, como foi constatado em pesquisas com livros didáticos mais antigos, nos quais no máximo autores ingleses como Locke apareceriam como precursores de um pré- Iluminismo, a questão era o porquê disso? Enquanto aluno do Ensino Médio no fim dos anos 1990, não estudávamos Iluminismo como um fenômeno inglês tanto quanto francês. A referência continuava sendo a França. E, em outro momento, já dez anos depois, na condição de professor na rede estadual de ensino da Paraíba no Centro Experimental de Ensino Sesquicentenário, nos anos de chegamos à mesma constatação. Quando o assunto tratado nas turmas de 2º ano de Ensino Médio era Iluminismo, procurávamos começar as aulas com as primeiras ponderações a partir da Inglaterra para, depois, fazer uma contextualização da ilustração na Europa. Muitos alunos nem sequer compreendiam e indagavam: Existiu Iluminismo na Inglaterra? Os filósofos iluministas não eram franceses?. Em suma, desde o Ensino Fundamental a cultura escolar apresenta para os alunos o Iluminismo como um acontecimento exclusivamente francês. A perspectiva de um fenômeno inglês ou mesmo continental bem integrado na Europa, como aponta Jonathan Israel (2009), são questões que, se não são descartadas, pelo menos não são usuais no ensino de história e em grande parte dos livros didáticos. Desta forma, com aporte nos questionamentos teóricos da historiografia revisionista, e na própria experiência de vida como estudante secundário, universitário e professor de história, novos questionamentos surgiram. Isso ainda acontece? Se deve a que motivos? A responsabilidade seria dos autores de livros didáticos que, mesmo recebendo orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs para mudar os objetivos de ensino, considerar a renovação historiográfica e metodológica, e 3 Essa questão surgiu no decorrer da disciplina Tópicos Especiais em Historiografia do Ensino de História, cursada entre julho e outubro de 2008, pouco antes do processo de seleção de Mestrado do PPHG.

16 4 procederem a revisão de conteúdos, não o estariam fazendo? Será que os autores e as editoras não se aproximaram suficientemente das mudanças acadêmicas? Ou a razão estaria no professor que não teve formação suficiente para suprir essas mudanças e, portanto, não procura se atualizar com uma perspectiva diferente de ensino?a responsabilidade do ensino de história pode se resumir especificamente aos conteúdos veiculados nos livros didáticos? Se o problema for a formação, há uma dificuldade ainda maior, o agente formador. Ou seja, a própria academia e os docentes responsáveis pela produção do conhecimento durante a formação dos futuros professores. Interessados, portanto, nos livros didáticos enquanto documentos a serem analisados, estabelecemos alguns critérios de seleção: 1) serem livros destinados ao Ensino Médio na formatação de volume único; 2) terem sido analisados e aprovados pelo Ministério da Educação através do Plano Nacional do Livro Didático do Ensino Médio - PNLEM; 3) terem sido escolhidos pelos professores e adotados para o Ensino Médio da rede pública do estado da Paraíba, e, por fim, 4) terem sido utilizados em sala de aula na nossa prática docente. Em nosso estudo três livros didáticos foram escolhidos para a análise segundo o estabelecido pelos critérios acima mencionados. No entanto, foi realizada, na amostragem de material, uma pesquisa inicial 4 com 10 livros didáticos que foram aprovados no PNLEM, e um livro didático dos anos 1970 (História Geral de autoria de Armando Souto Maior) que serviu como base para mostrar a forma tradicional que o Iluminismo era apresentado nesse período e nos serviu como parâmetro se nos últimos anos os livros modificaram suas perspectivas.. Quanto à metodologia e às fontes, para a realização desta dissertação, a pesquisa se caracteriza, básica e essencialmente, por sua natureza bibliográfica. Um significativo arsenal de fontes bibliográficas foi utilizado: livros de autores que discutem as idéias 4 Foram os títulos da amostragem inicial: 1) A Escrita da História - Volume Único - Renan Garcia Miranda, Flavio de Campos - Editora Escala. 2)História - Volume Único - Divalte Garcia Figueira - Editora Ática. 3) História das cavernas ao terceiro milênio - Volume único - Patrícia do Carmo Ramos Braick, Myriam Becho Mota - Editora Moderna. 4) História Global - Brasil e Geral - Volume Único - Gilberto Vieira Cotrim - Editora Saraiva. 5) Nova História Crítica - Volume Único - Mario Furley Schmidt - Editora Nova Geração. 6) Rumos da História - Geral e do Brasil - Volume Único - Maria Thereza Didier de Moraes, Antonio Paulo de Morais Rezende - Editora Saraiva. 7) História Geral e Brasil - Volume Único - José Geraldo Vinci de Moraes - Editora Saraiva. 8) História - Volume Único - Gislane Campos Azevedo Seriacopi, Reinaldo Seriacopi - Editora Ática. 9) História para o ensino médio História Geral e do Brasil Volume Único Cláudio Vicentino, Gianpaolo Dorigo Editora Scipione. 10) História: uma abordagem integrada - Volume Único - Eduardo Aparecido Baez Ojeda, Nicolina Luiza de Petta, Luciano Emidio Delfini - Editora Moderna. Todas as edições foram dos anos 2005, 2006 e 2007.

17 5 acerca de características sociais, econômicas, científicas e culturais sobre o Iluminismo inglês, Rossi (1989), Soares (2001; 2003); Burke (1995); Thompson (1998; 2001); Hill (1987; 1992). Foram estudadas também as obras dos filósofos iluministas ingleses Francis Bacon (2006), David Hume (2003; 1999) e John Locke (1986; 2005; 2007) além de comentadores e artigos escritos em língua portuguesa, espanhola e inglesa sobre o tema. Há um grande acervo de periódicos sobre o Iluminismo inglês, em língua inglesa, em bibliotecas virtuais. Da mesma forma, foram utilizados filósofos franceses como Condorcet (2008) Diderot (2006); Rousseau (1979); e, comentadores como Cassirer (1994); Falcon (1982); Grespan (2003); Vovelle (1997); Weffort (2006). Nascimento e Nascimento (1998). Utilizamos, como documentos a serem analisados, três livros didáticos que atendem aos critérios acima mencionados, buscando neles a expressão do Iluminismo. Observamos de que forma a historiografia brasileira sobre o tema é por eles apropriada, uma vez que o livro didático tem sido se não o único, pelo menos o principal instrumento utilizado em sala da aula e, portanto, um dos principais veiculadores do saber histórico sistematizado pelos historiadores. Sendo assim, em nossa análise, procuramos dar conta de alguns elementos que envolvem os livros didáticos, especialmente aspectos relacionados à sua produção, sua materialidade e abordagem teórica. Optamos por não desenvolver, neste trabalho de dissertação, outro componente importante que diz respeito aos usos que são feitos deste material didático, pois entendemos que este pode ser estudado em continuidade aos estudos de pós-graduação. Para nossa análise, como já explicitado, procuramos verificar esses elementos a partir de um conteúdo específico o Iluminismo. Desta forma a dissertação teve sua estrutura delimitada de acordo com o que passamos a apresentar. Estrutura do texto Este trabalho será dividido em quatro partes. A primeira parte é composta por essa introdução, na qual, em linhas gerais, delineamos nossa proposta de estudo e pesquisa e, apresentamos a estrutura do texto. Na segunda parte procuramos fazer um breve histórico sobre o livro no Brasil e proceder a uma reflexão sobre o livro didático enquanto um artefato inserido na cultura histórica de uma época marcada pelas idéias iluministas e enciclopédicas. A partir de então, desenvolve-se uma cultura que passa a ter predominância laica e, ao mesmo tempo, a incentivar a leitura. Sua introdução no

18 6 Brasil foi um instrumento importante para a formação do Estado-nação no século XIX. Desenvolvemos a perspectiva de estabelecer uma relação entre cultura histórica e livro didático procurando questionar as posturas que vêem o último apenas como um reprodutor do conhecimento histórico acadêmico. Ao contrário, nele reconhecemos uma função didática que o caracteriza enquanto uma fonte de construção do conhecimento histórico escolar. Na terceira parte discutimos como a modernidade européia, desde o humanismo, contribuiu para a valorização do livro, e como alguns modelos pedagógicos foram fundamentais para a elaboração do livro didático que conhecemos hoje. Isso pode ser visto nos modelos educacionais de Comenius, John Locke, Condorcet e no próprio contexto histórico das Luzes. Procuramos apresentar, como pano de fundo para essa discussão, a historiografia, tanto a tradicional, que parte da concepção do Iluminismo como um fenômeno francês, alicerçada em autores como Cassirer (1994), Grespan (2003), Falcon (1982), como aquela que tem posições discordantes. Entre essas últimas vozes situamos as posições presentes nas obras de Burke (1995), Thompson (1998; 2001) e Israel (2009) que apontam características peculiares ao Iluminismo inglês e continental, além da própria antecedência da ilustração na Inglaterra em relação aos outros países. Enquanto, na Inglaterra, o Iluminismo surgiu e se difundiu dentro da ordem estabelecida, sem quebrar as hierarquias e tradições da sociedade inglesa, na França, por sua vez, foi necessária uma Revolução longa e de muitos desdobramentos para que tais idéias entrassem em prática. Outro aspecto de diferenças relevantes é que o Iluminismo Inglês se apresenta não meramente como uma teoria política de reforma do Estado, como foi na França, mas com uma grande preocupação quanto ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia representada por várias gerações de intelectuais, artesãos e mecânicos que trabalham de forma mais harmônica em academias não oficiais como a Royal Society 5. O quarto momento apresenta e analisa de que forma essa discussão da historiografia contemporânea, travada desde os anos de 1970, vem sendo implementada 5 Segundo Rossi (2001), a Royal Society é uma academia científica construída e inaugurada oficialmente em julho de 1662 pelo rei Carlos II. Apesar do nome do nome Royal (real), possuía total independência e praticamente não recebia investimento da coroa inglesa. Nesse espaço de saber e tolerância, homens de várias formações: matemáticos, astrônomos, químicos, filósofos, físicos e de diferentes religiões participavam. Dela fizeram parte Robert Boyle, John Evelyn, Robert Hooke, William Petty, John Wallis, Thomas Willis e Sir Isaac Newton.

19 7 e repercutida na historiografia didática, especialmente nos anos Sendo assim, realizamos uma comparação entre alguns livros didáticos, procurando analisar a sua abordagem sobre o Iluminismo. Algumas perguntas-chave permeiam nossa investigação: como os autores desses livros formulam o que os alunos da Educação Básica devem compreender acerca do Iluminismo? Como algumas tradições historiográficas sobre o Iluminismo são apropriadas e apresentadas nos livros didáticos? De que forma os livros didáticos expressam (se é que o fazem) a mudança de perspectivas que se constituiu, a partir dos anos , sobre a centralidade da razão e do progresso conforme a formulação dos pensadores iluministas do século XVII e XVIII?

20 8 2. LIVRO DIDÁTICO E CULTURA HISTÓRICA Neste capítulo, procuramos trabalhar as relações teórico-práticas entre livro didático e cultura histórica. O Iluminismo formulou, com a sua pedagogia social baseada nos direitos humanos, uma proposta para livrar o homem da ignorância medieval, levando-o ao esclarecimento. O que é esclarecimento? 6 Segundo Kant, em sua famosa resposta ao músico Mendelssohn, seria: [...] a saída do homem de sua menoridade, da qual o culpado é ele próprio. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu próprio entendimento, mas na ausência de decisão e coragem de servi-se a si mesmo sem a direção de outrem. Sapere aude! Tem a ousadia de fazer uso de teu próprio esclarecimento tal é o lema do Esclarecimento (2008, p. 115). No entanto, esse esclarecimento teve suas limitações ao se traduzir em ações práticas, pois, até o século XIX, foi reservado exclusivamente a uma parcela da sociedade, representada pela aristocracia conservadora e pela burguesia do capitalismo industrial. O livro, de uma forma geral, e o livro didático, de forma mais específica, foram responsáveis pela inserção dessa parcela da sociedade no mundo de um saber que procurava uma reposta racional, lógica, para as questões da existência humana e, por outro lado, exaltava os princípios e a origem do Estado, da nação, da cultura e dos costumes personificados em ícones heróicos. Nossa proposta é procurar observar o livro didático, a partir de um olhar histórico, para entender como ele se tornou não só um item de produção técnica e científica, mas um produto cultural também responsável pela difusão de uma determinada cultura histórica no Ocidente. Procuramos destacar que esse artefato cultural possui várias facetas que expressam sua posição como resultado da produção e da reprodução de conhecimento. O livro didático mudou ao longo dos séculos. Cremos que, quanto a essa afirmação não há qualquer discordância. No entanto, outras questões permanecem. Por exemplo, o conhecimento impresso nele, em termos teóricos, pode ser chamado de 6 O termo esclarecimento, etimologicamente, vem da palavra alemã Auflaklärung e se tornou uma importante discussão da filosofia de Imamuel Kant. A definição e compreensão de Iluminismo ou Esclarecimento podem ser encontradas em seu livro Fundamentação da Metafísica dos Costumes e Outros Escritos, publicado em 1785.

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

História terceiro milênio Capítulos de História Geral 74. Capítulos de História Geral 43 Capítulos de Historia da América 12

História terceiro milênio Capítulos de História Geral 74. Capítulos de História Geral 43 Capítulos de Historia da América 12 As abordagens de História Contemporânea nos livros didáticos de História para o Ensino Médio: estudo de manuais argentinos, mexicanos e brasileiros. Vitória Rodrigues e Silva * Desde meados dos anos 1990,

Leia mais

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de

ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO. pesquisadores da educação, como também é considerado ponto de virada de ENTUSIASMO PELA EDUCAÇÃO E O OTIMISMO PEDAGÓGICO Irene Domenes Zapparoli - UEL/ PUC/SP/ehps zapparoli@onda.com.br INTRODUÇÃO Jorge Nagle com o livro Educação e Sociedade na Primeira República consagrou-se

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Historia

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características:

A universidade antiga (medieval) tinha duas funções características: 14. HISTÓRIA DAS UNIVERSIDADES Um universitário de hoje talvez imagine que a ciência sempre foi parte integrante dessas instituições, mas a ciência chega relativamente tarde à comunidade universitária,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas A transposição didática nas salas de aula: O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas DANIEL FRANCISCO DA SILVA 1 DEIZE CAMILA DIAS SALUSTIANO 2 Resumo: Um dos maiores desafios enfrentados

Leia mais

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são:

2 Segundo Jean Piaget as características observáveis mais importantes do estágio pré-operacional são: PROVA DE CONHECIMENTOS PEDAGÓGICOS 1 Segundo Piaget toda criança passa por estágios do desenvolvimento. Assinale a alternativa que indica a qual estágio corresponde a idade em que o pensamento da criança

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Fernando Novais: Braudel e a " missão francesa"

Fernando Novais: Braudel e a  missão francesa Fernando Novais: Braudel e a " missão francesa" Estudos Avançados Qual a contribuição dos historiadores franceses e dos cientistas da França para a evolução da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Estudos filosóficos em educação I - JP0003 PROFESSOR: Dr. Lúcio Jorge Hammes I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60 (4 créditos) II EMENTA Aborda os pressupostos

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino EIXO TECNOLÓGICO: GESTÃO E NEGÓCIOS IDENTIFICAÇÃO CURSO: TÉCNICO EM VENDAS INTEGRADO/PROEJA FORMA/GRAU:( x ) integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura (

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM.

COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. COLÉGIO ESTADUAL CESAR STANGE EFM. PLANO DE TRABALHO DOCENTE - 2012 Professora: Ana Claudia Martins Ribas Disciplina: História - 8º ano -Fundamental 1º BIMESTRE Conteúdos Básicos: -Povos, Movimentos e

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

LITERATURA E COMPLEXIDADE: UMA PROPOSTA PARA A PRESENÇA DA LITERATURA NAS ESCOLAS DE MANAUS

LITERATURA E COMPLEXIDADE: UMA PROPOSTA PARA A PRESENÇA DA LITERATURA NAS ESCOLAS DE MANAUS LITERATURA E COMPLEXIDADE: UMA PROPOSTA PARA A PRESENÇA DA LITERATURA NAS ESCOLAS DE MANAUS Izabely Barbosa Farias (UFAM) Orientadora: Cássia Maria Bezerra do Nascimento (UFAM) RESUMO: Este trabalho tem

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

3º período -1,5 horas. Ementa

3º período -1,5 horas. Ementa Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil 3º período -1,5 horas Ementa Organização da escola de educação infantil. Planejamento, registro e avaliação da educação infantil. Fundamentos e métodos

Leia mais

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO ANÁLISE DE TRABALHOS PRODUZIDOS NOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA REGIÃO SUDESTE, ÁREA 46 DA CAPES, SOBRE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA. Osmair Benedito da Silva (Departamento de Química, Universidade

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais

Contexto. Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton. Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Revolução Científica do século XVII Galileu Galilei, René Descartes e Isaac Newton Concepção racionalista do mundo Leis Naturais Contexto Crise do Antigo Regime Questionamento dos privilégios do Clero

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte

A Educação na Constituinte de 1823. O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte A Educação na Constituinte de 1823 Cristiano de Jesus Ferronato 1 - PPG-UFPB O presente trabalho tem como objetivo estudar os Anais da Assembléia Constituinte de 1823, e documentos contemporâneos ao período

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01

CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Currículo nº 01 CURSO À DISTÂNCIA DE LICENCIATURA EM HISTÓRIA Turno: INTEGRAL Currículo nº 01 Autorizado pela Resolução CEPE n.º 226, DE 16.12.08. Para completar o currículo pleno do curso superior de graduação à distância

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura. RESOLUÇÃO Nº 04/2004 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Estabelece a Base Curricular, para a Formação Pedagógica dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

PCNS E O ENSINO DE HISTÓRIA: UMA ANALISE REFLEXIVA

PCNS E O ENSINO DE HISTÓRIA: UMA ANALISE REFLEXIVA 1 PCNS E O ENSINO DE HISTÓRIA: UMA ANALISE REFLEXIVA Profa. Ms. Janaina Jácome dos Santos 1 RESUMO Esse artigo tem como foco refletir sobre as transformações nas propostas curriculares para o ensino fundamental

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

E D U S K Revista monográfica de educación skepsis.org

E D U S K Revista monográfica de educación skepsis.org ESTADO DE ARTE DA DIDÁTICA DA EDUCAÇÃO PRIMARIA HOJE: ATUALIDADES E DESAFIOS Leila Pessôa Da Costa 1 A didática tem o papel de oferecer os fundamentos teóricos e práticos para o desenvolvimento da ação

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA

MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA ANEXO II - EDITAL Nº. 16/2011 PERÍODO: 2012/01 INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES - ICHLA MONITORIA SEMIPRESENCIAL NA MODALIDADE REMUNERADA PEDAGOGIA VAGAS DIA CARGA História da Educação 01

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

A FÍSICA NO VESTIBULAR DA UFRJ

A FÍSICA NO VESTIBULAR DA UFRJ A FÍSICA NO VESTIBULAR DA UFRJ Luciana de Morais Dutra a [lucianamdutra@gmail.com], Marta Feijó Barroso a,b [marta@if.ufrj.br] a Universidade Federal do Rio de Janeiro Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012

PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012 PROVA DE SOCIOLOGIA 1 o BIIMESTRE 2012 PROF. PAULO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG 1 O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG O presente trabalho apresenta resultados preliminares de uma

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS John Dewey (1859-1952) FERRARI, Márcio. John Dewey: o pensador que pôs a prática em foco. Nova Escola, São Paulo, jul. 2008. Edição especial grandes pensadores. Disponível

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. RESENHA LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Écio Antônio Portes* Letícia Pereira de Sousa** Andréa Borges Leão é professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS

LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS LISTA DE PONTOS CAMPO DAS HUMANIDADES: SABERES E PRÁTICAS 1. As humanidades e suas repercussões sobre o pluralismo cultural 2. Humanidades e ciências: o debate transcultural em contextos plurais 3. Pedagogias

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação. Teoria da Educação Pontifícia Universidade Católica do Paraná Centro de Teologia e Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação Teoria da Educação Prof. Dra. Pura Lucia Oliver Martins SEMINÁRIO ANÍSIO TEIXEIRA

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line)

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) (Modalidade a Distância NEAD) 104032 04 01 80h O Conhecimento Científico e os Métodos Científicos. Epistemologia. Métodos Científicos:

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

6 créditos (108h) TCC 12 créditos ( 216h) Atividades técnico-científicas ou culturais 28 créditos (504 horas)

6 créditos (108h) TCC 12 créditos ( 216h) Atividades técnico-científicas ou culturais 28 créditos (504 horas) Componente curricular Créditos e Carga horária Disciplinas eletivas 4 créditos (72h) NADE(s) 6 créditos (108h) TCC 12 créditos ( 216h) Atividades técnico-científicas ou culturais 6 créditos (108h) TOTAL

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

MARCOS RAFAEL TONIETTO A RELAÇÃO ENTRE CULTURA INFANTIL E SABERES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRÁTICA DOCENTE COM CRIANÇAS PEQUENAS

MARCOS RAFAEL TONIETTO A RELAÇÃO ENTRE CULTURA INFANTIL E SABERES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRÁTICA DOCENTE COM CRIANÇAS PEQUENAS MARCOS RAFAEL TONIETTO A RELAÇÃO ENTRE CULTURA INFANTIL E SABERES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA PRÁTICA DOCENTE COM CRIANÇAS PEQUENAS CURITIBA 2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MESTRADO EM EDUCAÇÃO A RELAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: fracasso escolar, aprendizagem discente, ação docente.

Palavras-chave: fracasso escolar, aprendizagem discente, ação docente. FRACASSO E EVASÃO ESCOLAR: UM ESTUDO SOBRE APRENDIZAGEM DISCENTE E AÇÃO DOCENTE RODRIGUES, Sílvia de Fátima Pilegi Prof. Douta. Depto. de Educação/ICHS/CUR/UFMT ANDRADE, Luiza Gonçalves Fagundes de Bolsista

Leia mais

Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870.

Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870. ESCOLA DO RECIFE Escola de pensamento surgida Faculdade de Direito do Recife na década de 1870. OS PRIMEIROS CURSOS SUPERIORES As Faculdades de Direito surgiram no Brasil no início do século XIX, ligadas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

A importância de ler Paulo Freire

A importância de ler Paulo Freire A importância de ler Paulo Freire Rodrigo da Costa Araújo - rodricoara@uol.com.br I. PRIMEIRAS PALAVRAS Paulo Reglus Neves Freire (1921-1997) o educador brasileiro que via como tarefa intrínseca da educação

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais