FOCO NA MARCA. Origens históricas do branding

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOCO NA MARCA. Origens históricas do branding"

Transcrição

1 FOCO NA MARCA Origens históricas do branding O branding existe, de uma forma ou de outra, há séculos. 1 A motivação original do ato de marcar era possibilitar que artesãos e outros identifi cassem os frutos de seu trabalho de modo que os clientes pudessem reconhecê-los facilmente. A utilização de marcas, ou pelo menos de marcas comerciais, remonta à cerâmica antiga e às marcas dos pedreiros aplicadas a bens fabricados à mão para identificar sua fonte. Utensílios de cerâmica e lâmpadas de argila às vezes eram vendidos longe das ofi cinas onde eram fabricados, e os compradores procuravam os selos de oleiros confiáveis como guia de qualidade. Foram encontradas marcas em porcelana chinesa antiga, em jarros de cerâmica da Grécia e Roma antigas e em mercadorias provenientes da Índia datadas de cerca de 1300 a.c. Na época medieval, a essas marcas juntaram-se as marcas de impressores, as marcas d água sobre papel, as marcas de padeiros e as marcas de várias corporações de artesãos (as guildas). Em alguns casos elas eram usadas para atrair compradores fi éis a determinados fabricantes, mas também foram utilizadas para policiar quem infringia os monopólios das corporações e para identifi car fabricantes de mercadorias de qualidade inferior uma lei inglesa aprovada em 1266 exigia que padeiros aplicassem sua marca em cada pão vendido; assim, se qualquer pão estivesse abaixo do peso, seria possível saber de quem era a culpa. Ourives que trabalhavam com ouro e prata também eram obrigados a marcar as mercadorias que produziam com sua assinatura ou símbolo pessoal e também com um sinal indicando a qualidade do metal. Em 1597, dois ourives condenados por terem aplicado marcas falsas em seus produtos foram pregados ao pelourinho pelas orelhas. Punições similarmente severas eram decretadas para aqueles que falsifi cavam as marcas de outros artesãos. Quando os europeus começaram a se estabelecer na América do Norte, levaram com eles a convenção e a prática de utilizar marcas. Os fabricantes de remédios patenteados e produtores de tabaco foram os pioneiros do branding nos Estados Unidos. Poções medicinais como Swaim s Panacea (panacéia de Swaim), Fahnestock s Vermifuge (vermífugo de Fahnestock), Perry Davis Vegetable Pain Killer (analgésico vegetal de Perry Davis) tornaram-se bem conhecidas do público antes da Guerra Civil. Medicamentos patenteados eram embalados em pequenas garrafas e, por não serem considerados uma necessidade, eram vigorosamente promovidos. Para influenciar ainda mais a escolha dos consumidores nas lojas, os fabricantes imprimiam rótulos elaborados e característicos, muitas vezes apresentando seu próprio retrato no centro. Os produtores de tabaco americanos já exportavam sua produção desde o início de No início de 1800, eles tinham fardos de tabaco embalados com rótulos como Smith s Plug e Brown e Black s Twist. Durante a década de 1850, muitos produtores de tabaco reconheceram que nomes mais criativos como Cantaloupe, Rock Candy, Wedding Cake e Lone Jack eram úteis para vender seus produtos. Na década de 1860, eles começaram a vender suas mercadorias acondicionadas em saquinhos, diretamente aos consumidores. Embalagens de aparência atraente também eram consideradas importantes e, como resultado, foram desenhados símbolos, fi guras e elementos decorativos nos rótulos. A história do branding nos Estados Unidos, desde 1860 até seus desenvolvimentos mais modernos de 1985 em diante, pode ser dividida em quatro períodos principais. Em seguida consideraremos alguns dos importantes desenvolvimentos em cada um deles. SURGIMENTO DE MARCAS DE FABRICANTES DE ÂMBITO NACIONAL: 1860 A 1914 Nos Estados Unidos pós-guerra Civil, vários fatores combinaram-se para transformar produtos manufaturados com marca de fábrica e amplamente distribuídos em empreendimentos lucrativos: Melhorias nos transportes (ferrovias) e nas comunicações (o telégrafo e o telefone) tornaram a distribuição regional, e até mesmo nacional, cada vez mais fácil. Melhorias nos processos de produção possibilitaram a fabricação barata de grandes quantidades de produtos de alta qualidade. Melhorias no processo de embalagem viabilizaram produtos individuais (ao contrário da embalagem a granel) que podiam ser identifi - cados com a marca comercial do fabricante. Mudanças na lei das marcas comerciais, em 1879, na década de 1880 e em 1906, facilitaram a proteção das identidades das marcas. A propaganda revelou-se uma opção de maior credibilidade, e jornais e revistas começaram a buscar avidamente receitas oriundas de propaganda. Instituições de varejo, tais como lojas de departamentos e de variedades, e estabeleci-

2 mentos que vendiam por reembolso postal serviam como intermediários efetivos e incentivavam despesas de consumo. Crescimento da população devido às políticas liberais de imigração. Industrialização e urbanização crescentes elevaram o padrão de vida e as aspirações dos norte-americanos, embora muitos produtos no mercado ainda apresentassem qualidade irregular. Aumentou o índice de alfabetização. A porcentagem de norte-americanos analfabetos caiu de 20 por cento em 1870 para 10 por cento em Todos esses fatores facilitaram o desenvolvimento de produtos de consumo de qualidade consistente, que podiam ser vendidos eficientemente aos consumidores por meio de campanhas de marketing de massa. Nesse fértil ambiente de branding, mercadorias produzidas em massa e embaladas substituíram em grande parte mercadorias vendidas localmente e estocadas a granel. Essa mudança provocou a proliferação do uso das marcas comerciais. A Procter - Gamble, por exemplo, fabricava velas em Cincinnati e as despachava para comerciantes em outras cidades ao longo dos rios Ohio e Mississipi. Em 1851, os trabalhadores dos ancoradouros começaram a marcar os engradados da Procter & Gamble com uma estrela grosseira. A empresa logo notou que os compradores rio abaixo confiavam na estrela como marca de qualidade e os comerciantes recusavam as velas se os engradados chegassem sem as marcas. O resultado é que as velas passaram a vir marcadas com um rótulo de estrela mais formal em todas as embalagens e receberam o nome de marca Star, que desenvolveu uma freguesia fiel. H. J. Heinz construiu o nome de marca Heinz mediante inovações na produção e promoções espetaculares. A Coca-Cola tornou-se uma potência nacional devido aos esforços de Asa Candler, que supervisionava ativamente o crescimento do extenso canal de distribuição. Fabricantes de alcance nacional às vezes tinham de superar a resistência dos consumidores, varejistas, atacadistas e até mesmo dos próprios empregados. Essas empresas empregavam esforços sustentados de push e pull para manter consumidores e varejistas satisfeitos e receptivos às marcas nacionais. Consumidores eram atraídos mediante a distribuição de amostras, prêmios, folhetos com instruções sobre o produto e intensa propaganda; os varejistas, por meio de distribuição de amostras e programas promocionais nas lojas, além de assistência na manutenção das prateleiras. À medida que a utilização de nomes de marcas e marcas comerciais se disseminava, o mesmo acontecia com as práticas de imitação e falsificação. Embora as leis não fossem muito claras, mais e mais empresas buscavam proteção enviando suas marcas comerciais e rótulos para registro em tribunais distritais. O Congresso fi nalmente distinguiu o registro de marcas comerciais e rótulos em 1870 com a aprovação da primeira lei federal de marcas comerciais do país. Segundo essa lei, quem quisesse registrar uma marca teria de enviar um fac-símile de sua marca com a descrição do tipo de mercadorias em que ela era usada ao Escritório de Patentes (Patent Offi ce) em Washington, com uma taxa de 25 dólares. Uma das primeiras marcas apresentadas ao Patent Offi ce sob a nova lei foi o diabinho vermelho da Underwood, registrado por William Underwood & Company of Boston, em 29 de novembro de 1870, para uso nos produtos alimentícios Deviled Entremets ( Entradas do Demônio ). Em 1890, a maioria dos países tinha leis de marcas comerciais que determinavam que nomes de marcas, rótulos e designs eram ativos passíveis de proteção legal. DOMÍNIO DAS MARCAS PROMOVIDAS EM MASSA: 1915 A 1929 Em 1915, as marcas de fabricantes já estavam bem estabelecidas nos Estados Unidos tanto em âmbito regional como nacional. Os 15 anos seguintes testemunharam a aceitação cada vez maior e até a admiração dos consumidores por essas marcas. O marketing de marcas tornou-se mais especializado sob a orientação de especialistas funcionais encarregados da produção, promoção, venda pessoal e outras áreas. Essa maior especialização levou a técnicas de marketing mais avançadas. Profi ssionais de design foram contratados para auxiliar no processo da seleção da marca comercial. A venda pessoal tornou-se mais sofisticada à medida que vendedores eram cuidadosamente selecionados e treinados para tratar sistematicamente de contas e procurar novos negócios. A propaganda combinava criatividade mais poderosa com textos e bordões mais persuasivos. Surgiu a regulamentação governamental e industrial para reduzir a propaganda enganosa. A pesquisa de marketing tornou-se mais importante e influente no apoio de decisões de marketing. Embora a administração funcional de marcas tivesse essas virtudes, também apresentava problemas. Como a responsabilidade por qualquer marca determinada era dividida entre dois ou mais gerentes funcionais, bem como por especialistas em publicidade, a coordenação precária sempre foi um problema potencial. Por exemplo, o lançamento do cereal Wheaties pela General Mills quase foi sabotado pelos vendedores da empresa, que relutavam em aceitar novas obrigações para dar suporte à marca. Três anos após o lançamento do cereal, que estava prestes a ser abandonado, um gerente do departamento de propaganda da General Mills decidiu tornarse um defensor de produto para o Wheaties e a marca alcançou grande sucesso nas décadas seguintes.

3 DESAFIOS PARA AS MARCAS DE FABRICANTES: 1930 A 1945 O início da Grande Depressão em 1929 apresentou novos desafios às marcas de fabricantes. Uma sensibilidade maior aos preços desviou o pêndulo do poder em favor dos varejistas que promoviam suas próprias marcas e abandonavam as marcas de fabricantes que não apresentavam bom desempenho. A propaganda foi bombardeada como manipuladora, enganosa e de mau gosto, e era cada vez mais ignorada por certos segmentos da população. Em 1938, a Emenda Wheeler deu poder à Federal Trade Commission (FTC) para regulamentar práticas de propaganda. Em resposta a essas tendências, a propaganda dos fabricantes foi além de bordões e jingles para apresentar aos consumidores razões específicas por que deveriam comprar produtos anunciados. Durante essa época houve poucas mudanças drásticas no marketing de marcas. Como notável exceção, a Procter & Gamble pôs para funcionar o primeiro sistema de administração de marcas no qual cada gerente era responsável por uma marca individual e pelo seu sucesso fi nanceiro. Contudo, outras empresas demoraram a seguir seu exemplo e se fiavam na sua tradicional reputação de boa qualidade e na falta de concorrência para sustentar vendas. Durante a Segunda Guerra Mundial, as marcas de fabricantes tornaram-se relativamente escassas, pois os recursos eram dirigidos para o esforço de guerra. Não obstante, muitas marcas continuaram a anunciar e ajudaram a impulsionar a demanda de consumo durante esses tempos difíceis. A Lei Lanham de 1946 permitiu o registro federal de marcas de serviço (marcas utilizadas para designar serviços em vez de produtos) e de marcas coletivas como nomes de sindicatos e emblemas de clube. ESTABELECIMENTO DE PADRÕES DE GERENCIAMENTO DE MARCA: 1946 A 1985 Após a Segunda Guerra Mundial, a demanda reprimida por marcas de alta qualidade levou a uma explosão de vendas. A renda pessoal crescia à medida que a economia decolava e a demanda de mercado se intensificava à medida que o crescimento populacional explodia. A demanda por marcas nacionais foi às alturas, alimentada por uma saraivada de novos produtos e uma classe média crescente e receptiva. Durante esse período, empresa após empresa adotou o sistema de administração de marca. No sistema de administração de marca, um gerente assumia a propriedade de uma marca. Ele era responsável pelo desenvolvimento e implementação do plano anual de marketing para sua marca, bem como pela identificação de novas oportunidades de negócios. O gerente de marca podia ser auxiliado internamente por representantes da manufatura, da força de vendas, da pesquisa de mercado, do planejamento financeiro, da pesquisa e desenvolvimento, de relações pessoais, jurídicas e públicas e, externamente, por representantes de agências de propaganda, fornecedores de pesquisas e agências de relações públicas. NOTA 1. Grande parte desta seção foi adaptada de um excelente artigo de autoria de George S. Low e Ronald A. Fullerton, Brands, brand management, and the brand manager system: a critical-historical evaluation, Journal of Marketing Research, 31, maio 1994, p , e de um excelente livro de Hal Morgan, Symbols of America. Nova York: Viking, 1986.

4 Histórico das marcas no Brasil* 1. ORIGEM DAS MARCAS A origem das marcas constitui tema controverso entre os doutrinadores. Não há consenso quanto ao momento histórico em que surgiram as marcas, dividindo-se os autores entre o período da Antigüidade e da Idade Média. No entender de grande parte dos escritores europeus, o uso das marcas remonta à Antigüidade. MAILLARD DE MARAFY assevera que, na pré-história, já se verificava o emprego das marcas nos rebanhos, com o intuito de assegurar a identifi cação de seus donos. Outros escritores, como ALEXANDRE BRAUN e KÖLER, sustentam que as marcas tiveram origem na Roma antiga. Diversos objetos da época, tais como obras de arte e artigos de cerâmica, foram encontrados nas ruínas da cidade, assinalados por marcas (sigillum) compostas por iniciais, nomes por extenso, símbolos e emblemas de seus fabricantes. Também na Grécia foram localizados potes e vasos de cerâmica, nos quais os artesãos gravavam suas iniciais ou fi guras que identificassem a procedência dos objetos. As marcas, portanto, tinham como função apenas certifi car a origem dos produtos e indicar a sua propriedade, sem a mesma fi nalidade jurídica que lhes é atribuída nos dias de hoje. Como ressalta João da Gama Cerqueira, o uso de tais sinais para a identificação das obras, bem como para a marcação dos rebanhos, demonstra apenas a tendencia natural do homem de impor a tudo o cunho de sua personalidade e a affi rmação de seu dominio, não se podendo emprestar a esses costumes o mesmo caracter econômico de que o uso das marcas se reveste na edade contemporanea. 1 Com efeito, as marcas não eram empregadas com a mesma função econômica que possuem nos tempos modernos. Por essa razão, muitos doutrinadores rechaçam o entendimento de que as marcas surgiram na Antigüidade, até mesmo porque não havia, nesta época, regulamentação quanto ao uso das marcas, nem imposição de penas à sua usurpação. 2 Nas palavras de Waldemar Ferreira, só nos tempos medievos, em que o comércio adquiriu relevantíssimo papel econômico e jurídico, que cada dia se torna mais empolgante, as marcas se revestiram de sentido jurídico, que hoje têm. Assim mesmo, não como assinaladoras de produtos da indústria individual, senão da época desenvolvida sob os auspícios das corporações de artes e ofícios. 3 De fato, nas corporações de artes e ofícios medievais, todos os produtos produzidos sob a supervisão dos mestres deveriam ser assinalados com as marcas da corporação, notadamente porque somente os seus membros poderiam exercer a profi ssão na cidade. Surgiram, então, as marcas corporativas obrigatórias, que garantiam a legitimidade das mercadorias, identificando a corporação da qual provinham. Não era vedado, contudo, o emprego de marcas individuais pelos artífices, contanto que houvesse o depósito correspondente no registro da corporação. Tais marcas coexistiam com as marcas corporativas e, uma vez registradas no livro da corporação, não era permitido o uso de sinais semelhantes que se confundissem com as marcas já existentes. Nas lições de Ramon Pella, 4 a Carta Real redigida por D. Pedro IV, em 1386, ao magistrado de Barcelona, ordenando que os tecelões apusessem a marca desta cidade em determinadas peças de tecido, a fim de evitar fraudes e enganos entre os mercadores, constitui o mais antigo documento existente na Europa sobre marcas de fábrica. Nessa mesma época, surgiram também as denominadas marcas emblemáticas, tendo em vista a aprovação da ordenação dos tecelões de Torroela de Montgri por D. Pedro IV, em Segundo esta ordenação, os tecelões locais deveriam grafar nas extremidades das peças de tecido uma torre, marca representativa da cidade de Torroela, onde eram produzidos os tecidos. Como se vê, foi na Idade Média que as marcas adquiriram função econômica aproximada às marcas contemporâneas e que surgiram as primeiras regulamentações sobre a matéria, motivo pelo qual muitos autores afi r- mam ser este o momento correto de origem dos sinais distintivos. Ressalte-se, contudo, que, na Idade Média, as marcas destinavam-se a identificar apenas o fabricante, enquanto que, nos dias atuais, as marcas referem-se ao próprio produto, tendo por fi nalidade individualizá-lo e distingui-lo de outros idênticos ou semelhantes. Houve, pois, uma evolução da função das marcas, principalmente após as mudanças trazidas pela Revolução Francesa. Segundo ressalta Maristela Basso, com a Revolução Francesa, as Declarações de Direitos Individuais, somando-se ao desenvolvimento, já desencadeado na Idade Média, das relações comerciais entre os indivíduos, a proteção dos sinais distintivos e dos privilégios passou a incorporar-se ao patrimônio pessoal dos produtores individuais e das empresas e indústrias. 5 Na Idade Moderna, a primazia na regulamentação do uso das marcas é atribuída à França, com a promulgação da Lei de 12 de abril de 1803, que disciplinou o registro das marcas naquele país e estabeleceu penas em casos de crimes de falsificação de documentos privados, entre outras disposições. Nesse diploma, a aposição de marcas nos produtos não era mais obrigatória, tal como ocorria na Idade Média. Embora a Lei de 12 de abril de 1803 tenha sido a primeira, nos tempos modernos, a conferir proteção legal * Texto de autoria dos advogados Rafael Marinangelo e Tânia Aoki Carneiro.

5 às marcas de fábrica e de comércio, foi a lei francesa de 1857 que exerceu grande infl uência sobre toda a legislação moderna, tornando-se verdadeiro paradigma para os demais países do mundo, inclusive para o Brasil. 2. HISTÓRICO DAS MARCAS NO BRASIL Até o ano de 1875, não existia qualquer proteção jurídica às marcas de fábrica e de comércio no Brasil. As marcas estavam ao inteiro desamparo da lei, o que facilitava abusos e fraudes por parte de comerciantes e industriais desonestos, acoroçoados pela certeza da completa impunidade que a ausência de repressão legal lhes assegurava. 6 O Código Criminal de 1830 não continha nenhum dispositivo de proteção à propriedade industrial. Procurava-se punir a usurpação de marcas mediante a aplicação analógica de outros dispositivos do Código Criminal (falsifi cação de documento público e particular, crime de furto, entre outros), o que não era permitido, contudo, pelos princípios do direito penal. O primeiro caso de grande repercussão que demonstrou o total desamparo das marcas no Brasil ocorreu na Bahia, por volta de A empresa Meuron & Cia., dedicada ao comércio do tabaco, comercializava seus produtos sob a marca Rapé Areia Preta. Na esteira do sucesso desta empresa, a sociedade Moreira & Cia. lançou no mercado o mesmo produto sob a marca Rapé Areia Parda e, posteriormente, apropriou-se da marca Areia Preta. Inconformada, a empresa Meuron & Cia., patrocinada pelo célebre jurista Rui Barbosa, propôs ação criminal contra a Moreira & Cia. Embora o juiz de primeira instância tenha proferido decisão favorável à autora, o Tribunal da Relação da Bahia reformou a sentença de pronúncia e anulou o processo, visto que a usurpação de marcas não constituía crime punível pelas leis então em vigor. Confi ra-se trecho fi nal do acórdão proferido pelo Tribunal da Relação da Bahia, quando do julgamento em questão: Portanto, reformada a sentença recorrida, julgam nullo o presente processo pela illegitimidade de sua iniciação, se já não o fosse pela falta de base, visto como nem o Codigo Criminal, nem nenhuma outra lei qualificou de delicto o facto em que assentou o processo. 7 Diante da derrota para os usurpadores de sua marca, a Meuron & Cia. e outros interessados representaram à Câmara dos Deputados, cobrando providências para a proteção das marcas no Brasil. A representação foi acolhida pela Comissão de Justiça Criminal da Câmara dos Deputados. Após estudar a questão, o relator deputado Gomes de Castro, do Maranhão, apresentou projeto de lei, o qual, com algumas modificações, converteu-se no Decreto n o 2.682, de 23 de outubro de O Decreto n o 2.682/1875, inspirado na lei francesa de 1857, foi o primeiro diploma legal a conferir proteção às marcas de indústria e comércio no Brasil. Reconhecia a qualquer industrial ou comerciante o direito de marcar seus produtos com sinais que os tornassem distintos de outros de origem diversa, sinais estes que poderiam ser compostos pelo nome do fabricante, firma ou razão social da empresa, revestidos de forma distintiva, ou quaisquer outras denominações ou símbolos. O registro das marcas era efetuado perante o Tribunal ou Conservatória do Comércio antecessor das atuais Juntas Comerciais do domicílio do industrial ou comerciante. Na época, discutia-se se o registro era atributivo da propriedade sobre a marca, prevalecendo, contudo, o entendimento do Governo Imperial de que o fato do registro não destrói o direito que alguém possa ter à sua propriedade, desde que prove posse anterior. 8 Entretanto, o Decreto n o 2.682/1875 era confuso no que tange às marcas admitidas a registro e na formulação dos tipos penais. Como ressaltou Afonso Celso, Visconde de Ouro Preto, (...) esse decreto ressentiu-se de alguns defeitos, que menos precipitada preparação teria corrigido. Desejava-se uma providencia prompta; queria-se legislar depressa, e assim se fez. Necessariamente deveriam escapar muitos senões, tanto mais que não era ainda bem conhecida a materia no paiz. 9 No ano de 1883, representantes de diversos países reuniram-se em um Congresso Internacional para a Proteção da Propriedade Industrial, realizado na cidade de Paris. Nesta oportunidade, foi firmado o primeiro tratado multilateral de vocação universal, 10 conhecido como Convenção de Paris para a Proteção da Propriedade Industrial ou Convenção da União de Paris (CUP). O Brasil também foi signatário deste tratado, o qual foi promulgado pelo Decreto n o 9.233, de 28 de junho de Visando adaptar a legislação então vigente às disposições da Convenção da União de Paris, o Governo Imperial encarregou as seções reunidas dos Negócios do Império e da Justiça do Conselho de Estado a elaborar projeto de reforma da lei de marcas. Em 27 de maio de 1885, o projeto foi apresentado pelos senadores Visconde de Ouro Preto e Leão Veloso, tendo sido aprovado apenas em 1887, com a promulgação do Decreto n o 3.346, de 14 de outubro deste mesmo ano. Com a proclamação da República, a Constituição de 1891 renovou a garantia da propriedade dos inventores e assegurou a propriedade das marcas de fábrica (art. 72, 27). Nesta mesma época, o Código Penal alterou as disposições do Decreto n o 3.346/1887, abolindo a pena de prisão e modificando a multa estabelecida pela usurpação das marcas. Em virtude disso, surgiram difi culdades na coibição das fraudes e falsificação de marcas. Sensível às reclamações dos comerciantes e industriais, o deputado Germano Hasslocker apresentou, em 1903, à Câmara dos Deputados, projeto de lei voltado, principalmente, ao municiamento do sistema com meios eficazes de repressão aos atos de violação à propriedade industrial. A justifi cativa do projeto do deputado Germano Hasslocker estava assim redigida: Há muito tempo que

6 o clamor de todos os que trabalham e produzem se levanta contra os fabricantes falsificadores, que abusivamente se utilizam das marcas acreditadas pelo labor honesto. (...) A lei de 1887, dentre de algum tempo, se tornou insufi ciente para garantir o commercio, accrescendo que a decretação do Cod. Penal, que supprimiu a pena de prisão para os falsificadores, veio de novo anima-los, favorecendo assim as suas empreitadas illicitas. 11 O referido projeto foi convertido na Lei n o 1.236, de 24 de setembro de 1904, destacando-se, entre as modifi cações introduzidas no sistema, a agravação das penas aplicadas à contrafação e a instituição da responsabilidade solidária entre todos os que concorressem para a falsifi cação de marcas. No mais, a nova lei reproduziu o Decreto n o 3.346/1887. Em 1922, foi realizado, no Rio de Janeiro, Congresso Jurídico comemorativo da Independência do Brasil, no qual foi proposta a unificação do registro de marcas de fábrica e de comércio mediante a criação da Diretoria Geral da Propriedade Industrial. Com isto, seria evitada a pluralidade de registros em Juntas Comerciais independentes, tornando-se o serviço exclusivamente federal. Nesse passo, incluiu-se na lei orçamentária de 1923 permissão para que o Poder Executivo procedesse à reorganização dos serviços relativos às patentes de invenção e às marcas industriais. Com base nisso, o governo expediu o Decreto n o , de 19 de dezembro de 1923, por meio do qual foi criada a Diretoria Geral da Propriedade Industrial. Confi ra-se a exposição de motivos do referido Decreto n o /1923: Essa reforma, além de criar a Directoria Geral da Propriedade Industrial, em obediencia ao compromisso internacional assumido pelo Brasil, institue o exame prévio para os privilegios de invenção e modifica o registro de marcas de industria e commercio. A unifi cação do registro de marcas de industria e de commercio é outra medida que não mais deve ser adiada, a bem dos interesses do commercio e do cabal cumprimento das convenções internacionais assignadas pelo Brasil sobre esse importante ramo da propriedade industrial. Manifestando-se pela conveniencia da unidade do registro, o Congresso Jurídico commemorativo da Independência do Brasil aprovou as seguintes conclusões: a) o registro de marcas de industria e de commercio, sendo um serviço de natureza essencialmente federal, não deve ser confiado às autoridades dos Estados; b) a pluralidade dos registros, em juntas completamente independentes umas das outras, é muito prejudicial ao interesse publico e facilita as manobras fraudulentas dos exploradores do trabalho alheio. É de urgente necessidade a criação da Directoria Geral da Propriedade Industrial, que unifi que o serviço, dando-lhe o necessario desenvolvimento. (...) 12 Convém salientar que, nos dias de hoje, a execução dos serviços de propriedade industrial compete ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), autarquia federal criada em 1970, em substituição ao antigo Departamento Nacional de Propriedade Industrial, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Diversos outros decretos e leis regulamentaram a propriedade industrial no país. Atualmente, a propriedade industrial é disciplinada pela Lei n o 9.279, de 14 de maio de 1996, que revogou o antigo Código da Propriedade Industrial (Lei n o 5.772, de 21 de dezembro de 1971), e o Decreto-lei n o 7.903, de 27 de agosto de 1945, que dispunha sobre os crimes em matéria de propriedade industrial. No Brasil, a propriedade industrial também é disciplinada por tratados internacionais, dentre os quais se destacam: (i) Convenção da União de Paris, promulgada pelo Decreto n o 9.233, de 28 de junho de 1884; (ii) Acordo sobre Aspectos dos Direitos da Propriedade Intelectual relacionados ao Comércio, mais conhecido como Acordo TRIPS (Trade Related Aspects of Intellectual Property Rights), promulgado pelo Decreto n o 1.355, de 30 de dezembro de Objetivando reduzir distorções e obstáculos ao comércio internacional e conferir proteção eficaz e adequada aos direitos de propriedade intelectual, os países participantes do GATT (General Agreement on Trade and Tariffs) iniciaram negociações multilaterais para criar padrões à proteção da propriedade intelectual, em 20 de setembro de 1986, no lançamento da Rodada do Uruguai. Após mais de sete anos de negociações, a Ata Final da Rodada Uruguai do GATT foi aprovada em 15 de abril de 1994, durante a Conferência de Marrakesh, por 123 países, surgindo, então, o Acordo TRIPS. Trata-se de relevante acordo internacional que estabelece diretrizes mínimas a serem observadas por todos os países signatários do acordo, consolidando a proteção dos direitos de propriedade intelectual na sociedade internacional contemporânea. A propriedade industrial teve grande desenvolvimento em nosso país, principalmente no que tange ao registro de marcas. Conforme dados divulgados pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial, anualmen-

7 te há expressivo número de depósitos de marcas, o que refl ete a crescente preocupação das empresas em obter proteção a este importante ativo intangível. Confi ra-se: Pedidos de marca depositados no Brasil. Ano Depósitos * * Relatório de Gestão, dado sujeito a atualização. Fonte: Banco de Dados do INPI de 1990 a 2001 (atualizado em fevereiro de 2005). casos, as marcas representam o maior ativo das empresas, principalmente na economia moderna, sendo-lhes atribuído valor freqüentemente superior ao valor do ativo tangível (patrimônio material) das sociedades. Nas palavras de WALDEMAR FERREIRA, para o proprietário ela [a marca] funciona como garantia de seus produtos, se industrial, ou de seus artigos, se comerciante. Por via dela um e outro identifi cam as suas mercadorias, de modo que, em verdade, elas levam consigo, para o mercado, o sinal característico de sua identidade. Daí o papel econômico da marca de indústria ou de comércio. Por via dela, assegura-se o comerciante ou o industrial da intensidade e da largueza de sua penetração no campo de consumo. 13 De fato, as marcas também têm importante papel no mercado de consumo, na medida em que permitem a identificação do produto ou serviço pelos consumidores e pelo público em geral, auxiliando-os na decisão de compra. Conforme pondera GILSON NUNES, a marca estabelece também uma demanda estável no longo prazo através de uma relação funcional, emocional e filosófica com os seus consumidores, criando uma barreira à entrada e um grande diferencial competitivo de longo prazo. 14 Como se vê, as marcas desempenham importante papel na economia moderna, razão pela qual, nos últimos tempos, as empresas têm se preocupado em obter proteção dos sinais distintivos apostos em seus produtos ou serviços, a fi m de assegurar direitos exclusivos sobre as marcas em todo território nacional. Com efeito, além de sua função distintiva, as marcas desempenham relevante função econômica. Em muitos NOTAS 1. João da Gama Cerqueira, Privilegios de invenção e marcas de fabrica e de commercio. São Paulo: Livraria Acadêmica, 1930, v. II, p Nesse sentido, pondera Gama Cerqueira: Mesmo, porém, que se aceite como indubitável essa pratica entre gregos e romanos, o certo é que suas leis não regulavam o uso das marcas, nem puniam sua usurpação. Os autores que sustentam que em Roma taes marcas eram protegidas e sua falsificação punida, apenas podem invocar, em apoio desse asserto, leis de caracter geral, como as que facultavam a actio ex dolo, a de falsis, ou a quanti minoris, quando a contrafacção fosse inferior (Privilegios de invenção e marcas de fabrica e de commercio. São Paulo: Livraria Acadêmica, 1930, v. II, p. 11). 3. Waldemar Ferreira, Tratado de direito comercial. São Paulo: Saraiva, 1962, v. VI, p Apud João da Gama Cerqueira, Privilegios de invenção e marcas de fabrica e de commercio. São Paulo: Livraria Acadêmica, 1930, v. II, p Maristela Basso, O direito internacional da propriedade intelectual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000, p João da Gama Cerqueira, Tratado da propriedade industrial, 2 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1982, v. 1, p Apud João da Gama Cerqueira, Privilegios de invenção e marcas de fabrica e de commercio. São Paulo: Livraria Acadêmica, 1930, v. II, p Decisão tomada pelo Governo Imperial em 29 de outubro de 1877, em resposta a uma representação da Junta Comercial de Pernambuco. Apud Tratado da propriedade industrial, 2 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1982, v. 1, p Apud João da Gama Cerqueira, Privilegios de invenção e marcas de fabrica e de commercio. São Paulo: Livraria Acadêmica, 1930, v. II, p Maristela Basso, O direito internacional da propriedade intelectual, Porto Alegre, Livraria do Advogado, 2000, p Apud José Xavier Carvalho de Mendonça, Tratado de direito commercial brasileiro, 2 ed. Rio de Janeiro: Livraria Editora Freitas Bastos, 1934, v. V, p

8 12. Apud João da Gama Cerqueira, Privilegios de invenção e marcas de fabrica e de commercio. São Paulo: Livraria Acadêmica, 1930, v. II, p Waldemar Ferreira, Tratado de direito comercial. São Paulo: Saraiva, 1962, v. VI, p Gilson Nunes, Marca é o maior ativo das empresas na nova economia, Revista da ABPI, n o 63, março/abril 2003, p. 69. Veja também: Maitê Cecília Fabbri Moro, Direito de marcas: abordagem das marcas notórias na Lei 9.279/1996 e nos acordos internacionais. São Paulo: Revista dos Tribunais, Newton Silveira, Curso de propriedade industrial, 2 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1987.

PROPRIEDADE INTELECTUAL:

PROPRIEDADE INTELECTUAL: PROPRIEDADE INTELECTUAL: LEGISLAÇÃO - 2 Profa. Dra. Suzana Leitão Russo Prof. Gabriel Francisco Silva Profa. Dra. Ana Eleonora Almeida Paixão Art. 1º Esta Lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941

DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 DECRETO-LEI Nº 3.689, DE 3 DE OUTUBRO DE 1941 Código de Processo Penal. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o art. 180 da Constituição, decreta a seguinte Lei: LIVRO II DOS

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras

Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras CONVENÇÃO DE NOVA YORK Convenção de Nova Iorque - Reconhecimento e Execução de Sentenças Arbitrais Estrangeiras Decreto nº 4.311, de 23/07/2002 Promulga a Convenção sobre o Reconhecimento e a Execução

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

O CONSELHO DO MERCADO COMUM DECIDE:

O CONSELHO DO MERCADO COMUM DECIDE: MERCOSUL/CMC/DEC. N 8/95 PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE NORMAS SOBRE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO MERCOSUL, EM MATÉRIA DE MARCAS, INDICAÇÕES DE PROCEDÊNCIA E DENOMINAÇÕES DE ORIGEM. TENDO EM VISTA: O Artigo

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

ORIENTAÇÃO EM RELAÇÕES DO TRABALHO

ORIENTAÇÃO EM RELAÇÕES DO TRABALHO ABRIL/2011 ORIENTAÇÃO EM RELAÇÕES DO TRABALHO CONTROLES DE JORNADA E O PONTO ELETRÔNICO REFERÊNCIA Formas de controle de jornada de trabalho. Alterações decorrentes da Portaria do MTE nº. 373/2011, que

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B # Noções Introdutórias Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B Direito Internacional O direito internacional privado é o ramo do Direito, que visa regular os conflitos de leis

Leia mais

Seminário OEP/INPI. Marcas Suas características e importância para o comércio

Seminário OEP/INPI. Marcas Suas características e importância para o comércio Seminário OEP/INPI Apresentado por José Maria Maurício Director de Marcas e Patentes Marcas Suas características e importância para o comércio Em cooperação com: Bissau, 22 de Dezembro de 2006 1 Marca

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio SISCOSERV

Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio SISCOSERV Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio SISCOSERV Origem Acordo de cooperação técnica firmado entre a Secretaria de Comércio

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA

ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA 1 ALIMENTOS TRANSGÊNICOS E BIOSSEGURANÇA Luiz Carlos Bresser Pereira Ministro da Ciência e Tecnologia Trabalho escrito maio de 1999 para ser publicado no site do MCT. O País presencia hoje intenso debate

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE UNISINOS Unidade 07 Professora Liz Beatriz Sass 2010/II O direito brasileiro e a informática Lei nº 7.232/84 Política Nacional de Informática Criou

Leia mais

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR»

«PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» «PRIMEIRAS DEPÊNDENCIAS NO EXTERIOR» Criação de dependências da Caixa Geral de Depósitos no estrangeiro Já muito se dissertou sobre a Caixa Geral de Depósitos, desde a sua criação até à sua real vocação,

Leia mais

Serviços de Saúde do Trabalho

Serviços de Saúde do Trabalho 1 CONVENÇÃO N. 161 Serviços de Saúde do Trabalho I Aprovada na 71ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1985), entrou em vigor no plano internacional em 17.2.88. II Dados referentes

Leia mais

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal. Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Propriedade industrial / Aula 01 Professor: Marcelo Tavares Conteúdo: - Propriedade Industrial; Conceito; Classificação; Indicação Geográfica; Concorrência Desleal.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA)

PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) PROJETO DE LEI Nº, DE DE MAIO DE 2011. (Do Sr. PENNA) Dispõe sobre a regulamentação do exercício profissional de Designer, e dá providências. O Congresso Nacional decreta: Capítulo I Caracterização e atribuições

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996

LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996 LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996 Regula Direitos e Obrigações Relativos à Propriedade Industrial. TÍTULO V DOS CRIMES CONTRA A PROPRIEDADE INDUSTRIAL CAPÍTULO I DOS CRIMES CONTRA AS PATENTES Art. 183.

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

PROTECÇÃO DAS MARCAS, PARA DEFESA DAS EMPRESAS ÍNDICE. Introdução. Terminologia e informações úteis

PROTECÇÃO DAS MARCAS, PARA DEFESA DAS EMPRESAS ÍNDICE. Introdução. Terminologia e informações úteis ÍNDICE Introdução Terminologia e informações úteis Recomendações para ajudar a prevenir a prática de actos ilegais Contactos úteis Diplomas legais mais relevantes 1/7 Introdução A protecção da propriedade

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.893, DE 2007 Dispõe sobre medidas de suspensão e diluição temporárias ou extinção de da proteção de direitos de propriedade

Leia mais

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 ** 1 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 Acrescenta parágrafo ao art. 6º da Medida Provisória nº 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, para tornar a carne suína obrigatória nos cardápios

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Eduardo Gomes) Acrescenta parágrafo único ao art. 23 da Lei nº 8.906, de 04 de Julho de 1994, que dispõe sobre o Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969.

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. Dispõe sobre a transformação do Departamento dos Correios e Telégrafos em empresa pública, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância O é a instituição encarregada de administrar justiça por meio dos tribunais. Sua função é assegurar o amparo, proteção ou tutela dos direitos dispostos nas leis. A Suprema Corte de Justiça é a máxima autoridade

Leia mais

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281

EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA. Software. Cubivares Nome Empresarial. Manole STF00091281 4ª EDIÇAo REVISADA E AMPLIADA Software Cubivares Nome Empresarial ~ Manole STF00091281 SUMÁRIO Apresentação....................IX CAPiTULO I - NOÇÕES GERAIS 1. O homem e o instrumento........ 1 2. O sentimento

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito de aplicação

Artigo 1.º Âmbito de aplicação Resolução da Assembleia da República n.º 54/2004 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, da República Popular da China, Relativo ao Auxílio

Leia mais

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Adoção (32 V4.08) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

de Propaganda PARTE 2 UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 14 e 28.04.11

de Propaganda PARTE 2 UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 14 e 28.04.11 Etapas Planejamento de Campanha de Propaganda PARTE 2 UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 14 e 28.04.11 Agenda: Tipos de Campanhas Objetivo: Apresentar

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

Estatutos da Aliança Francesa

Estatutos da Aliança Francesa Estatutos da Aliança francesa Estatutos da Aliança Francesa Preâmbulo A Aliança francesa é um movimento internacional criado em 1883, apolítico e não confessional, que se deu por missão ensinar a língua

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

AMMPL (BME) Código de Conduta

AMMPL (BME) Código de Conduta AMMPL (BME) Código de Conduta 1 Código de Conduta da AMMPL (BME) I Introdução A Association Materials Management, Purchasing and Logistics (Associação de Gestão de Materiais, Compras e Logística, AMMPL

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença

Processo de arbitragem n.º 78/2015. Sentença Processo de arbitragem n.º 78/2015 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

Desenvolvimento do Mix de Marketing

Desenvolvimento do Mix de Marketing Desenvolvimento do Mix de Marketing Mix de Marketing O composto de marketing é conhecido no escopo mercadológico como os 4Ps denominados por Jeronme Mc Carthy como: product, price, place e promotion. Na

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Introdução à Segurança do Trabalho Desde seu aparecimento na Terra, o homem convive com situações de risco e por não ter controle sobre elas, esteve sempre sujeito a todo tipo de acidentes. Com o passar

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos de empresário. Sociedades empresariais.

EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos de empresário. Sociedades empresariais. AULA XI CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: DIREITO PRIVADO: EMPRESARIAL PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos

Leia mais

Os Direitos do Consumidor:

Os Direitos do Consumidor: DIREITOS E DEVERES Segundo a legislação, consumidores são todas as pessoas que compram bens para uso pessoal, a alguém que faça da venda a sua profissão. A Lei n.º 24/96, de 31 de Julho estabelece os direitos

Leia mais

DECRETO Nº 6.560, DE 8 DE SETEMBRO DE

DECRETO Nº 6.560, DE 8 DE SETEMBRO DE DECRETO Nº 6.560, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008: Promulga o Protocolo Complementar ao Acordo Quadro entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da China sobre Cooperação

Leia mais

Antonio Bulhões Deputado Federal - PRB/SP

Antonio Bulhões Deputado Federal - PRB/SP Caros amigos e amigas, Comemoramos, no último dia 1º de Outubro, o Dia Internacional da Terceira Idade. Por essa razão, estamos trazendo uma matéria referente ao Estatuto do Idoso, que contém informações

Leia mais

Identidade visual corporativa e institucional

Identidade visual corporativa e institucional Identidade visual corporativa e institucional O ser humano pensa visualmente! Ao contrário das palavras, as imagens agem diretamente sobre a percepção do cérebro. O homem moderno está cada vez mais privilegiando

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

OPERAÇÕES DE CÂMBIO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

OPERAÇÕES DE CÂMBIO. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda OPERAÇÕES DE CÂMBIO CÂMBIO Câmbio é toda compra, venda ou troca de moeda nacional por moeda estrangeira ou papéis que o representem ou vice-versa. No Brasil em decorrência da atual legislação, sempre uma

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007.

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. Cria o Fundo Municipal de Microcrédito e Apoio à Economia Solidaria-FUMAES e Institui o Conselho Gestor do FUMAES e da outras providências.

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Direitos das Vítimas Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos O tráfico de seres humanos viola os direitos e destrói as vidas de inúmeras pessoas na Europa e fora

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2013.0000091762 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0020463-94.2008.8.26.0482, da Comarca de Presidente Prudente, em que é apelante REFRIGERANTES MARAJA S

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Internacional Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Fernando Fernandes da Silva Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual

Leia mais

Gestão Legal no Varejo

Gestão Legal no Varejo SEMINÁRIO GVCEV: Gestão Legal no Varejo Aspectos Práticos da Gestão de Propriedade Intelectual Antonio Carlos Siqueira da Silva A PROPRIEDADE INTELECTUAL ESTÁ PRESENTE NO COTIDIANO DO VAREJO! Gestão de

Leia mais

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados.

Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. DECRETO Nº 5.006, DE 8 DE MARÇO DE 2004. Promulga o Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Criança relativo ao envolvimento de crianças em conflitos armados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 5 Registro: 2016.0000053604 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0000973-35.2012.8.26.0292, da Comarca de Jacareí, em que é apelante RUSTON ALIMENTOS LTDA, é apelado JOSAPAR

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROCEDE À ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DOS DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ÀS NOVAS REALIDADES CRIADAS PELA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Exposição de motivos O presente projecto de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não

inclinada, o inverso da elasticidade se aproxima de zero e o poder de monopólio da empresa diminui. Logo, desde que a curva de demanda da empresa não Pindyck & Rubinfeld, Capítulo 10, Monopólio :: REVISÃO 1. Suponha que um monopolista estivesse produzindo em um ponto no qual seu custo marginal fosse maior do que sua receita marginal. De que forma ele

Leia mais

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s Marketing Básico Capítulo II O Composto de Marketing Os 4 P s O Produto Podemos definir produto como sendo o ator principal da relação de troca, onde o mesmo deve resultar como amplamente satisfatório

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Walter Feldman) Dispõe sobre a proteção dos direitos de propriedade intelectual e dos direitos autorais na Internet. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1 Código de Conduta Código de Conduta Schindler 1 2 Código de Conduta Schindler Código de Conduta da Schindler Os colaboradores do Grupo Schindler no mundo inteiro devem manter o mais alto padrão de conduta

Leia mais

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 Promulga a Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas das Nações Unidas, adotada, a 21 de novembro de 1947, pela Assembléia Geral das

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor.

Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. Resumo Aula-tema 07: Direito do Consumidor. O Direito do Consumidor estabelece as regras que regulam as relações de consumo entre consumidores e fornecedores de produtos ou serviços. Como vivemos em um

Leia mais

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011

Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Formação em Gestão da Qualidade e Higiene dos Alimentos Praia 7, 8 e 9 Novembro 2011 Breve referência aos acordos da OMC OTC e SPS Sumário GATT Origem dos acordos OTC e SPS OMC funções e acordos Propósitos

Leia mais

Curso Avançado de Marcas

Curso Avançado de Marcas A proteção às marcas e aos demais sinais distintivos na legislação brasileira, na legislação comparada e nos tratados internacionais Nível Avançado 1º Semestre de 2009 Coordenação: Advs. Ricardo Fonseca

Leia mais

ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL Art. 1142, CC Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizados, para exercicio da empresa, por empresário ou por sociedade empresária. - Trata-se de ELEMENTO ESSENCIAL

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013

PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro. Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 PAINEL 2 Ações de Nulidade e Infrações e seu Cabimento: Estratégias no Cenário Brasileiro Guilherme Bollorini Pereira 19 de agosto de 2013 Esse pequeno ensaio tem por objetivo elaborar um estudo a respeito

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 5171, DE 2001

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 5171, DE 2001 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 5171, DE 2001 Modifica o Decreto-lei 3689, de 3 de outubro de 1941 Código de Processo Penal tornando da competência do júri os crimes que

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.143, DE 2011 Proíbe a comercialização de produtos ópticos na condição que menciona. Autor: Deputado ARNALDO FARIA DE SÁ

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

A teoria do direito empresarial se subdivide em três:

A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIAS DO DIREITO EMPRESARIAL A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIA SUBJETIVA o direito comercial se caracterizava por dois fatores: RAMO ASSECURATÓRIO DE PRIVILÉGIOS À CLASSE BURGUESA,

Leia mais